Anda di halaman 1dari 1

Autopsicografia (Fernando Pessoa) O poeta um fingidor.

. Finge to completamente Que chega a fingir que dor A dor que deveras sente. E os que lem o que escreve, Na lida sentem bem, No as duas que ele teve, Mas s a que eles no tm. E assim nas calhas de roda Gira, a entreter a razo, Esse comboio de corda Que se chama o corao. O Guardador de Rebanhos (Alberto Caeiro) Sou um guardador de rebanhos. O rebanho os meus pensamentos E os meus pensamentos so todos sensaes. Penso com os olhos e com os ouvidos E com as mos e os ps E com o nariz e a boca. Pensar uma flor v-la e cheir-la E comer um fruto saber-lhe o sentido. Por isso quando num dia de calor Me sinto triste de goz-lo tanto. E me deito ao comprido na erva, E fecho os olhos quentes, Sinto todo o meu corpo deitado na realidade, Sei a verdade e sou feliz.

(Ricardo Reis) Tudo que cessa morte, e a morte nossa Se para ns que cessa. Aquele arbusto Fenece, e vai com ele Parte da minha vida. Em tudo quanto olhei fiquei em parte. Com tudo quanto vi, se passa, passo, Nem distingue a memria Do que vi do que fui. A cada qual, como a statura, dada A justia: uns faz altos O fado, outros felizes. Nada prmio: sucede o que acontece. Nada, Ldia, devemos Ao fado, seno t-lo. Ode triunfal (lvaro de Campos, heternimo de Fernando Pessoa) (fragmento) dolorosa luz das grandes lmpadas eltricas da fbrica Tenho febre e escrevo. Escrevo rangendo os dentes, fera para a beleza disto, Para a beleza disto totalmente desconhecida dos antigos. rodas, engrenagens, r-r-r-r-r-r eterno! Forte espasmo retido dos maquinismos em fria! Em fria fora e dentro de mim, Por todos os meus nervos dissecados fora, Por todas as papilas fora de tudo com que eu sinto! Tenho os lbios secos, grandes rudos modernos, De vos ouvir demasiadamente de perto, E arde-me a cabea de vos querer cantar com um excesso De expresso de todas as minhas sensaes, Com um excesso contemporneo de vs, mquinas!