Anda di halaman 1dari 9

UNIP – Tatuapé – Técnicas de Informática – 1 semestre/2009 1

Profº. Marcus Gurgel


Técnicas de Informática

:. Primeira Aula

:. Apresentação
:. Frase
:. Avisos
:. Sistema de Avaliação
:. Bibliografias (Básica e Complementar)
:. Conteúdo Programático
:. A Organização como um sistema – Teoria de Sistemas
:. Introdução à visão sistêmica e Conceito de Sistemas

Apresentação

Nome: Marcus Gurgel Filho (Gurgel)

E-mail: professor.gurgel@gmail.com

E-mail da sala:

Frase

“O mundo não está ameaçado pelas pessoas más, mas sim por aquelas que permitem a maldade.”
(Albert Einstein)

Avisos

 Nomes que não constarem na lista de presença, favor anotar na lista entregue à parte;

 Não ficar entrando e saindo da sala de aula;

 Celular: ATENDER FORA DA SALA DE AULA! Deixar em modo vibratório.

Sistema de Avaliação

 Trabalhos individuais/grupos em sala de aula.

 Provas

Bibliografia

Básica

Bibliografia Básica (títulos, periódicos, etc.)


Título/Periódico Autor Edição Local Editora Ano
Sistemas de informação e
as decisões gerenciais na O'BRIEN, James A. - São Paulo Saraiva 2001
era da Internet
Microsoft Office 2000 Warner, Nancy D. - Rio de Janeiro Campus 1999

Complementar
UNIP – Tatuapé – Técnicas de Informática – 1 semestre/2009 2
Profº. Marcus Gurgel
Bibliografia Básica (títulos, periódicos, etc.)
Título/Periódico Autor Edição Local Editora Ano
Princípios de sistemas de
informação: uma STAIR, Ralph M. - São Paulo Atlas 2000
abordagem gerencial
Princípios de Sistemas de
STAIR, R.M. 2º Rio de Janeiro LTC 1998
Informação

Conteúdo Programático

Teoria

1. A organização como um sistema – Teoria de Sistemas.

2. Introdução à visão Sistêmica e Conceito de Sistemas.

3. Noções de elementos do Sistema de Informação:

•Hardware (porte) e periféricos (classificação),


•Software (Básico e Aplicativos),
•Peopleware,
•Instalações,
•Suprimentos e metodologia.
4. A utilização das redes na disseminação das informações (Internet/ Internet2 /Intranet/ Extranet):

•Rede de computadores: elementos, conceitos e classificação;


•Finalidade, vantagens e desvantagens da implantação de uma rede para a organização.
•A informação como patrimônio e segurança na rede:
- Políticas de Segurança,
- Backup,
- Licença de software,
- Vírus e antivírus.

Laboratório:

1. Gerenciando os arquivos e acesso à rede local.

•Acesso ao computador, formatação de discos, gravação, cópia, exclusão e recuperação de arquivos.

2. Utilização do editor de texto Microsoft Word com finalidade de Criar, abrir, extrair e formatar informações de textos;

•Colocar em prática configuração de páginas, construção de capa, folha de rosto, sumário, numeração de páginas,
notas de rodapé, cabeçalho e rodapé
•incluir logotipo da empresa no cabeçalho ou transformá-lo em marca d’água.
•Trabalhar com ClipArt – capitular, colunas e tabelas

3. Com a utilização do Microsoft Power Point, colocar em prática os recursos utilizados na elaboração de uma
apresentação animada ou na elaboração de transparências.

•Criar, abrir, salvar um slide como: texto, gráficos, ClipArt/fotos, organograma.


•Trabalhando com modelos pré-definidos de estruturas, formatação do segundo plano.
•Utilização de transição e efeitos, incluindo som e vídeos na apresentação.
•Trabalhando com hyperlink, interno e externo.

4. Planilha Eletrônica – Microsoft Excel, aplicando os conceitos básicos


UNIP – Tatuapé – Técnicas de Informática – 1 semestre/2009 3
Profº. Marcus Gurgel
•Inserindo dados qualitativos e quantitativos em planilhas eletrônicas
•formatação, configuração de páginas
•inserção de fórmulas.
•Trabalhando com funções.
•Auto-formatação
•Formatação condicional
•O uso de tabelas dinâmicas para análise de informações e tomada de decisões

5. Localização de informações apoiadas na utilização da Internet

•Consultando sites de busca


•Salvando sites, imagens, textos, artigos pesquisados
•Importando textos da rede para o Editor de textos
•Criando um e-mail
•Realizando um download.
•Marketing digital: O marketing institucional das empresas na rede mundial.

A Organização como um sistema


O que é administrar?

1. Buscar o atingimento de objetivos comuns, através do trabalho integrado de um grupo de pessoas, sob a
coordenação de um líder.

Objetivos comuns = coletivo, organização, grupal

2. Concatenar os 4 princípios da Administração.

a. Planejamento: é o ato de definir (determinar) os objetivos, bem como os caminhos (estratégias) e planos para
atingi-los plenamente.

Planejamento = objetivo = O QUÊ? (FAZER)

b. Organização: significa distribuir e alocar os recursos e atividades de forma racional

Organização = COMO? (FAZER)

c. Direção: significa monitorar o desempenho de todos os envolvidos a fim de garantir que o direcionamento
esteja adequado.

Direção = PARA ONDE?

Para monitorar este desempenho utilizamos 3 principais ferramentas:

i. Liderança: é a capacidade de influenciar o comportamento de outrem.

• Autocrático (determina): quantidade

• Democrático (consulta): qualidade


UNIP – Tatuapé – Técnicas de Informática – 1 semestre/2009 4
Profº. Marcus Gurgel
• Liberal (laissez-faire): abandona

Laissez-faire é parte da expressão em língua francesa "laissez faire, laissez aller, laissez passer", que significa literalmente "deixai fazer,
deixai ir, deixai passar".

• Contingencial (situacional): efetividade

ii. Motivação: motivo para que a pessoa implemente uma ação.

iii. Comunicação: deixar bem claro o quê, como e quando fazer

d. Controle: serve como mecanismo de avaliação ou verificação dos desempenhos para resultados adequados,
garantindo que, se houver qualquer distanciamento, obrigatoriamente buscar-se-á ações corretivas.

Controle = PORQUÊ?

O controle é cíclico:

1-) determinar um padrão

Novos padrões 2-) acompanhar/ monitorar o desempenho

3-) mensurar/ comparar objetivo x resultado obtido

4-) ação corretiva

3. Gerir racionalmente os recursos (cada vez mais escassos) com eficiência e eficácia:

Eficiência Eficácia

Curto prazo Longo prazo

Fazer corretamente Fazer o “QUE DEVE”

Fazer certo, bem feito Fazer o que “PRECISA”

Gerir recursos Atingir resultados/objetivos

Mais simples Mais complexo

Meios Fins

Tática Estratégia

a. Recursos Humanos (pessoas): personalidade, características, inteligência, experiências vividas.

b. Recursos Financeiros: não acreditar em negócio da China; não promover gastos superiores às receitas.

c. Recursos Materiais, Patrimoniais e Logísticos: aquisição = negociação com fornecedores; qualidade; preço;
prazo (disponibilidade); condições de pagamento.

d. Recursos Tecnológicos: é necessário ter um projeto de “obsolência planejada” = estabelecer período de


renovação da frota tecnológica = de quanto em quanto tempo necessitarei renovar a frota.

e. Informações: ferramentas, as informações devem ser claras, precisas, atuais e confiáveis.


UNIP – Tatuapé – Técnicas de Informática – 1 semestre/2009 5
Profº. Marcus Gurgel
GESTOR = TOMADOR DE DECISÕES

f. Tempo: estabelecer prioridades - GUT

G = Grau de Importância

U = Urgência

T = Tarefas (não importantes e não urgentes)

Quais os principais objetivos da Organização?

1. Sobreviver: queremos perpetuar-se no mercado, alcançar a posteridade e a perenidade (não falir, não morrer, não
desaparecer no mercado)

2. Tornar-se Benchmarking do seu ramo de negócio em nível global

BENCH MARKING
Referência marca
Modelo
Padrão

3. kaizen : melhoria contínua, evolução

KAI ZEN
Mudança O bem
Transformação Bom
Modificação Melhor
Perfeito

4. oferecer um PVC : Pacote de Valor ao Cliente, onde não há dissociação entre produto e serviço. Excelência máxima
como, garantia de superação das expectativas dos clientes, por meio de um plus.

ISO = é ter procedimentos e funcionários que seguem as regras.

NÃO É QUALIDADE!

5. Preparar adequadamente sua força de trabalho, a fim de garantir que todos estejam empenhados, comprometidos e
treinados para a adequada realização de suas tarefas.

Funcionário
Empregado
Subordinado
Subalterno
Escravo COLABORADOR
Servo
Vassalo
serviçal

6. Learning Organization: Empresa que desaprende e aprende.

Objetivos:

Visão: de negócio, de pessoas, de futuro, de mercado.

Missão: a verdadeira razão de ser organizacional, o que ela é e para onde está indo.

Valores: aquilo que não é negociável.


UNIP – Tatuapé – Técnicas de Informática – 1 semestre/2009 6
Profº. Marcus Gurgel

METAS OBJETIVOS
Lucro Sobreviver
Curto prazo Longo prazo
Mais simples Mais complexa
Mais específica Mais genérica
Eficiência Eficácia
Quantificado
Menor tempo
Menor valor

Introdução à Visão Sistêmica e Conceito de Sistemas


Teoria Geral dos Sistemas – TGS

LUDWIG VON BERTALANFFY (1971), um biólogo, criou uma teoria interdisciplinar denominada Teoria Geral dos
Sistemas (TGS), isto é, uma teoria válida para todos os sistemas.

No conceito de Bertalanffy, tudo pode ser considerado como sistema, donde tiramos a seguinte colocação para o
aluno fixar as idéias:

• Sistema é um conjunto de partes, as quais formam um todo com objetivo comum.

ou

• Podemos entender mais detalhadamente que um Sistema é um conjunto de partes integrantes e


interdependentes que juntas formam um todo unitário, cada qual realizando diferentes tarefas ou
atividades, em busca de um único objetivo comum: o objetivo do sistema.

Qualquer coisa que se encaixe neste conceito pode ser considerada um sistema: o sistema solar, o sistema
financeiro, uma universidade, uma sala de aula um universitário sentado numa cadeira, uma loja de artigos importados,
um consultório dentário, um homem puxando uma corda amarrada em um balde para retirar água de um poço, uma
pessoa usando óculos para enxergar melhor, uma dentadura na boca de um desdentado mastigando um alimento, etc.
Esses sistemas podem ser grandes ou pequenos, abertos ou fechados, simples ou complexos, permanentes ou
temporários, etc.

Hierarquia dos Sistemas

Super Sistema ou Eco Sistema ou Ambiente

Sistema

Subsistema
Área de RHSubsistemaEmpresa

Ramo de Negócio (Mercado)

Sistema: é o que se está estudando ou considerando


Subsistema: são as partes identificadas de forma estruturada, que integram o sistema
Super Sistema: é o todo e o sistema é um subsistema dele.
Fica evidente que, dentro do conceito de que sistema é o que se está estudando ou analisando, quando
estivermos analisando toda a estrutura organizacional da empresa, esta é o sistema; quando estivermos analisando a
situação da atividade de contabilidade de custos, esta é o sistema; e assim por diante.
UNIP – Tatuapé – Técnicas de Informática – 1 semestre/2009 7
Profº. Marcus Gurgel
Bertalanffy, no entanto, tendia para as ciências biológicas em seus estudos sistêmicos, possivelmente motivado
pela sua formação nesta área de conhecimento humano.

Estudando mais a fundo a TGS, chegou-se ao conceito de cibernética, criado por Norbert Wiener (1978).

Cibernética vem do termo grego "Kybernytiky", que significa a arte de governar navios. Mas o que isso tem a ver
com sistemas?

Para CHIAVENATTO (1998), governar um navio equivale a dirigi-lo por meio da comunicação e controle.

O piloto do navio é o processador da informação vinda do capitão do navio. Não executa trabalho físico, mas
transforma a mensagem dada pelo capitão em decisões perante as informações obtidas do meio exterior (como é o caso
dos ventos, chuvas, correntes marítimas, presença de recifes, etc.) para o timoneiro que executa as correções, enquanto
os remadores, ou hélices, fornecem a energia propulsora do navio.

Podemos exemplificar bem o que foi dito com a figura 1.1, na qual é possível observar as atividades num
sistema. Entre estas atividades se identificam as entradas, o processamento e as saídas.

Os sistemas também podem ser estudados em termos das suas atividades de entrada, processamento e saída,
porém este enfoque suscita algumas dúvidas: Será que este sistema sempre funciona bem? Se as entradas estiverem
com problemas ou houver problemas no processamento, o que pode acontecer na saída?

E S
P
Em que:

• E = entrada
• P = processo
• S = saída
Caso haja a necessidade de um ajuste no decorrer do processo, faz-se uma realimentação para que não ocorra
problemas no final. Este fato é ilustrado na figura 1.2, em que se observa o funcionamento do sistema.

E S
P

Realimentação

• REALIMENTAÇÃO = retorno necessário para que a saída não apresente problemas.

A cibernética é a ciência da comunicação e do controle.

Para BERTALANFFY (1971), a cibernética é uma teoria dos sistemas de controle baseada na comunicação entre
sistema e o meio e dentro do sistema e do controle da função dos sistemas com respeito ao ambiente.

Como recorda OLIVEIRA (1992), sistema é um conjunto de elementos que estão dinamicamente relacionados e
esse dinamismo sugere a possibilidade de evolução. Com base no que foi exposto nas linhas anteriores, os sistemas
podem ser considerados como campos de estudos da cibernética. Neste ponto concluímos a explicação da relação entre
sistemas e cibernética.

Com o passar do tempo, novos estudos foram feitos a respeito da cibernética, como o conceito de sistema,
entrada, processo, saída, realimentação e informação que são uma linguagem comum na teoria administrativa.

A informação ampliou a comunicação dentro das organizações e também em nível mundial com o acesso à
Internet.

Retomando no tempo, lembramos que no período da história denominado "Revolução Industrial", o homem
deixou de usar somente a força bruta, cedendo lugar às máquinas.
UNIP – Tatuapé – Técnicas de Informática – 1 semestre/2009 8
Profº. Marcus Gurgel
Voltando aos dias atuais, graças à Cibernética, o homem permite que o cérebro humano seja substituído pelo
computador em muitas atividades.

Surge então a informática e seu papel atual nos sistemas dentro das empresas, na área de saúde, nas áreas de
educação, enfim nas diversas áreas de atividade.
UNIP – Tatuapé – Técnicas de Informática 9
Profº Gurgel
Representação Gráfica do Sistema e seus componentes (analogia com a Empresa)

---Super Sistema---

6. C
4 – Saídas 5 – Resultados o
1 – Objetivos
2 – Entradas A n
(Input’s) (Empresa)
(Output’s)
• Geração de renda v t
Matéria-prima • Qualidade (PNQ) a r
(recursos materiais • Produto
Dirigir • Benchmarking (Líder)
l o
patrimoniais/logísticos – • Serviço
infra-estrutura) Organizar •
i l
Informações • Mão-de-obra
Satisfação
a a
• Lucratividade
Tecnologia (know-how) (transformada) ç r
• Produtividade
Mão-de-obra 3 – Transformação • Informações
ã
Capital • Tecnologia
o
(Process)

Planejar

---(Mercado) Ambiente---

7. Resposta / Resultado / Retorno / Feedback / Realimentação / Retroalimentação

(Servomecaniciscmo)

Planejar, Organizar, Dirigir e Controlar (P O D C)