Anda di halaman 1dari 13

APOSTILA DE LEGISLAÇAO DE TRANSITO

Caroline Gomes Varela

01. Qual a diferença entre um orgao normativo e um orgao executivo?

Ao orgao normativo compete estabelecer as normas regulamentares


referente ao conselho correspondente e ao orgao executivo compete
cumprir e fazer cumprir a legislaçao e a execuçao das normas e
diretrizes estabelecidas pelo conselho correspondente. (Cap. II, art. 05 – 25, CTB)

CETRAN – Conselho Estadual de TRANsito


CONTRAN – COnselho Nacional de TRANsito
CONTRADIFE - CONselho de TRAnsito do DIstrito Federal

DETRAN – Departamento Estadual de TRANsito


CIRETRAN – CIrcunscriçao REgional de TRANsito
DER – Departamento Estadual de Estradas e Rodagens
DNIT – Departamento Nacional de Infra-estrutura e Transportes
JARI – Junta Administrativa de Recursos de Infraçao
PRF – Polícia Rodoviária Federal
PRE – Polícia Rodoviária Estadual
PM – Polícia Militar

SNT – Sistema Nacional de Transito


CTB – Código de Transito Brasileiro
CNH – Carteira Nacional de Habilitaçao
PPD – Permissao Para Dirigir
LADV – Licença para Aprendizagem de Direçao Veicular
ACC – Autorizaçao para Conduçao de Ciclomotor
RENACH - REgistro NAcional de Carteira de Habilitaçao
RENAVAM - REgistro NAcional de Veículo Auto-Motor
CRLV – Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo

02. Qual a velocidade máxima permitida? E a velocidade mínima?

Onde nao existir sinalizaçao regulamentadora, a velocidade máxima será: (art.


61, CTB) (infraçao – art. 218)

− Vias urbanas:

 vias de transito rápido = 80 Km/h


 vias arteriais = 60 Km/h
 vias coletoras = 40 Km/h
 vias locais = 30 Km/h
− Vias rurais:

 rodovias:
• 110 Km/h = automóveis, caminhonetas e motocicletas
• 90 Km/h = onibus e microonibus
• 80 Km/h = demais veículos

 estradas = 60 Km/h

A velocidade mínima nao poderá ser inferior a metade da velocidade máxima


estabelecida. (art. 62, CTB) (infraçao – art. 219)

03. Como se dividem as vias? O que elas significam? (art. 60, CTB; anexo I, CTB)

 via URBANA: sao ruas, avenidas, vielas ou caminhos e similares, abertos a


circulaçao pública, situados na área urbana, caracterizados principalmente
por possuírem imóveis edificados ao longo de sua extensao.

Classificam-se em:

 via de TRANSITO RAPIDO: caracterizada por acessos especiais com


transito livre, sem interseçoes em nível, sem acessibilidade direta aos
lotes lindeiros e sem travessia de pedestres em nível.
 via ARTERIAL: caracterizada por interseçoes em nível, geralmente
controlada por semáforo, com acessibilidade aos lotes lindeiros e as vias
secundárias e locais, possibilitando o transito entre as regioes da
cidade.
 via COLETORA: destinada a coletar e distribuir o transito que tenha
necessidade de entrar ou sair das vias de transito rápido ou arterias,
possibilitando o transito dentro das regioes da cidade.
 via LOCAL: caracterizada por interseçoes em nível nao semaforizadas,
destinadas apenas ao acesso local ou a áreas restritas.

 via RURAL: sao estradas e rodovias.

Classificam-se em:

 RODOVIA: via rural pavimentada.


 ESTRADA: via rural nao pavimentada.

04. Qual a classificaçao geral dos veículos? De exemplos. (art. 96, CTB)

I. quanto a TRAÇAO:

a) automotor: veículos a motor de propulsao, que circule por seus próprios


meios.
b) elétrico: dotados de motor elétrico.
c) de propulsao humana: que se movem pela força humana (bicicleta).
d) de traçao animal: carroças, charretes, carro-de-boi.
e) reboque ou semi-reboque: veículo destinado a ser engatado atras de
um veículo automotor ou, veículo de um ou mais eixos que se apoia na sua
unidade tratora ou é a ela ligado por meio de articulaçao.

II. qunato a ESPÉCIE:

a) de passageiros: veículo destinado ao transporte de pessoas e suas


bagagens.
b) de carga: veículo destinado ao transporte de carga, podendo transportar
2 passageiros, incluindo o motorista.
c) misto: veículo destinado ao transporte simultaneo de carga e passageiro.
d) de competiçao
e) de traçao
f) especial
g) de coleçao: aquele que, mesmo tendo sido fabricado há mais de 30
anos, conserva suas características originais de fabricaçao e possui valor
histórico próprio.

III. quanto a CATEGORIA:

a) oficial
b) de representaçao diplomática, de repartiçoes consulares de carreira
ou organismos internacionais acreditados junto ao Governo brasileiro.
c) particular
d) de aluguel
e) de aprendizagem

05. Qual o horário de uso da buzina? Em que situaçao é permitido o uso


da buzina?

O condutor de veículo só poderá fazer uso da buzina, desde que em toque


breve, nas seguintes situaçoes: (art. 41, CTB) (infraçao – art. 227)

 para fazer ardvertencias necessárias a fim de evitar acidentes


 fora das áreas urbanas, quando for conveniente advertir a um
condutor que se tem o propósito de ultrapassá-lo.

Acresça-se, ainda, que a buzina nao pode ser usada entre 22 horas e 06
horas, nem em locais e horários proibidos pela sinalizaçao.

06. Como se dividem as categorias de habilitaçao? Explique-as. (art. 143, CTB)


(infraçao – art. 162, III)

 Categoria A: condutor de veículo motorizado de 2 ou 3 rodas, com ou


sem carro lateral.
 Categoria B: condutor de veículo motorizado, nao abrangido pela
categoria A, cujo peso bruto total nao exceda 3.500 Kg e cuja lotaçao
nao exceda a 8 lugares, excuido o do motorista.
 Categoria C: condutor de veículo motorizado utilizado em transportes
de carga, cujo peso bruto total exceda 3.500 Kg.
 Categoria D: condutor de veículo motorizado utilizado no transporte de
passageiros, cuja lotaçao exceda a 8 lugares, excluido o do motorista.
 Categoria E: condutor de combinaçao de veículos em que a unidade
tratora se enquadre nas categorias B, C ou D e cuja unidade
acoplada, reboque, semi-reboque ou articulada tenha 6.000 Kg ou
mais de peso bruto total ou cuja lotaçao exceda a 8 lugares, ou,
ainda, seja enquadrado na categoria “trailler”.

07. Quais sao os silvos que ainda estao em uso? Explique-os. (Anexo II, item 7,
CTB)

 01 silvo breve = SIGA - liberar o transito em direçao/sentido indicado


pelo agente.
 02 silvos breves = PARE - indicar parada obrigatória.
 01 silvo longo = DIMINUIR MARCHA – quando for necessário fazer
diminuir a marcha dos veículos.

08. Quais sao as principais regras de circulaçao? (Cap. III, art. 26 – 29, CTB)

Os usuários de vias terrestre devem:

 Evitar cometer atos que possam causar perigo para o transito e


causar danos a propriedades públicas ou privadas;
 Abster-se de obstruir ou tornar perigoso o transito. Nao atirar,
depositar ou abandonar na via objetos, substancias ou criar qualquer
obstáculo; (infraçoes – art. 172, 245 e 246)
 Antes de colocar o veículo em circulaçao, verificar se os
equipamentos obrigatórios estao em boas condiçoes de uso, bem
como se há combustível suficiente para chegar ao local de destino;
(infraçoes – art. 180 e 230, IX)
 O condutor deverá ter sempre domínio de seu veículo dirigindo-o com
atençao e cuidados indispensáveis a segurança do transito. (infraçao – art.
169)

O transito de veículos nas vias terrestres abertas a circulaçao obedecerá as


seguintes normas:

I – A circulaçao deverá ser feita pelo lado direito da via, admitindo-se as


exceçoes sinalizadas; (infraçoes – art. 184, 185 e 186)

II – Todo condutor deve manter distancia, lateral e frontal dos demais


veículos e da margem da pista; (infraçoes – art. 192 e 201)

III – Quando veículos transitando por fluxos que se cruzem em local nao
sinalizado, terá preferencia de passagem:
a) no caso de apenas um fluxo ser proveniente de rodovia, aquele que
estiver circulando por ela;

b) no caso de rotatória, aquele que estiver circulando por ela;

c) nos demais casos, o que vier pela direita do condutor. (infraçao – art. 215,
I)

IV – Em uma pista com várias faixas no mesmo sentido, as da direita sao


para os veículos mais lentos e de maior porte, quando nao houver faixa
especial a eles destinada, e as da esquerda para efetuar ultrapassagem e
para os veículos de maior velocidade; (infraçao – art. 185)

V – O transito sobre calçadas e acostamentos só poderá ocorrer para


entrar ou sair de imóveis ou estacionamentos; (infraçao – art. 193)

VI – Os veículos precedidos de batedores terao prioridade de passagem,


respeitadas as demais normas de circulaçao; (infraçao – art. 189)

VII – Veículos do Corpo de Bombiros, Polícia, ambulancia, os de


fiscalizaçao e operaçao de transito tem prioridade e gozam de livre
circulaçao, estacionamento e parada quando em serviço de urgencia e
devidamente identificados, observando as seguintes disposiçoes: (infraçoes – art.
189, 190 e 222)

a) quando a sirene estiver ligada, indicando a proximidade dos


veículos, todos os condutores devem deixar livre a passagem pela
esquerda, indo para a direita da via e parando, se necessário;

b) os pedestres, ao ouvir o alarme sonoro, deverao aguardar no


passeio, só atravessando a via quando o veículo já tiver passado pelo
local;

c) o uso de sirene e luz vermelha intermitente só poderá ocorrer


quando em serviço de urgencia; (infraçao – art. 222)

d) a prioridade de passagem na via e no cruzamento deverá ser com


velocidade reduzida e com os devidos cuidados de segurança.

VIII – Os veículos prestadores de serviço de utilidade pública, quando em


atendimento na via, gozam de livre parada e estacionamento no local
da prestaçao de serviço, desde que devidamente sinalizados e
identificados;

IX – A ultrapassagem de outro veículo em movimento deverá ser feita pela


esquerda, precedida por sinalizaçao reguamentar. Será permitida pela
direita, quando o veículo que estiver a frente indicar que vai entrar a
esquerda; (infraçoes – art. 199, 200 e 202, I)
X – Todo condutor deverá, antes de efetuar uma ultrapassagem, certificar-
se de que:

a) nenhum condutor que venha atrás haja começado uma manobra


para ultrapassá-lo;

b) quem o precede na mesma faixa de transito nao haja indicado o


propósito de ultrapassar um terceiro;

c) a faixa de transito que vai tomar esteja livre numa extensao


suficiente para que sua manobra nao ponha em perigo ou obstrua o
transito que venha em sentido contrário. (infraçao – art. 191)

XI – Todo condutor ao efetuar a ultrapassagem deverá:

a) indicar com antecedencia a manobra pretendida, acionado a luz


indicadora de direçao do veículo ou por meio de gesto convencional
de braço; (infraçao – art. 196)

b) afastar-se do usuário ou usuários aos quais ultrapassa, de tal forma que


deixe livre uma distancia lateral de segurança; (infraçoes – art. 192 e 201)

c) retornar, após a efetivaçao da manobra, a faixa de transito de


origem, acionado a luz indicadora de direçao do veículo ou fazendo
gesto convencional de braço, adotando os cuidados necessários para
nao por em perigo ou obstruir o transito dos veículos que ultrapassou.

XII – Os veículos que se deslocam sobre trilhos terao preferencia de


passagem sobre os demais respeitadas as normas de circulaçao. (infraçao – art.
212)

09. Quais sao as principais regras de conduta? (Cap. III, art. 30 – 40, CTB)

I - Todo condutor, ao perceber que outro tem o propósito de ultrapassá-lo


deverá:

a) se estiver circulando pela faixa da esquerda, deslocar-se para a faixa


da direita, sem acelerar a marcha;

b) se estiver circulando pelas demais faixas, manter-se naquela na


qual está circulando, sem acelerar a marcha. (infraçao – art. 198)

II - Os veículos mais lentos, quando em fila, deverao manter distancia


suficiente entre si para permitir que veículos que os ultrapassem
possam se intercalar na fila com segurança.

III - condutor que tenha o propósito de ultrapassar um veículo de


transporte coletivo que esteja parado, efetuando embarque e
desembarque de passageiros, deverá reduzir a velocidade, dirigindo com
atençao redobrada ou parar o veículo com vistas a segurança dos pedestres.
(infraçao – art. 200)

IV – O condutor nao poderá ultrapassar veículos em vias com duplo


sentido de direçao e pista única, nos trechos em curvas e em aclives
sem visibilidade suficiente, nas passagens de nível, nas pontes e viadutos
e nas travessias de pedestres, exceto quando houver sinalizaçao
permitindo a ultrapassagem. (infraçao – art. 203, I)

V – Nas interseçoes e suas proximidades, o condutor nao poderá


efetuar ultrapassagem. (infraçao – art. 202, II)

VI – Todo condutor, antes de efetuar um deslocamento lateral deverá


indicar por sinal regulamentar sua intençao, com antecedencia. (infraçao –
art. 196)

VII – O condutor que for entrar em uma via, vindo de um lote que faz
limite com essa via, deverá dar preferencia aos veículos e pedestres
que estejam transitando. (infraçoes – art. 214, V e 216)

VIII – Para virar a esquerda ou retornar, o condutor deverá faze-lo nos


locais apropriados e, onde nao esxistirem estes locais, o condutor
deverá aguardar no acostamento, a direita, para cruzar a pista com
segurança. (infraçao – art. 204)

IX – Antes de entrar a direita ou a esquerda, em outra via ou em um


lote que fazem limites com a via (lindeiros), o condutor deverá: (infraçao – art.
197)

a) ao sair da via pelo lado direito, aproximar-se o máximo possível


do bordo direito da pista e executar a manobra no menor espaço
possível.

b) ao sair da via pelo lado esquerdo, aproximar-se o máximo


possível da linha divisória da pista, quando a pista for de duplo
sentido de circulaçao, ou do bordo esquerdo, quando for uma pista de
sentido único.

X – O uso de luzes em veiculos obedecerá as seguintes determinaçoes:

a) o condutor manterá acessos os faróis do veículo, utilizando luz baixa


durante a noite e durante o dia nos túneis providos de iluminaçao.
(infraçoes – art. 250, I, a, b)

b) nas vias nao iluminadas o condutor deve usar luz alta, exceto ao
cruzar com outro veículo ou segui-lo. (infraçao – art. 223)

c) o condutor manterá acessas pelo menos as luzes de posiçao do


veículo quando sob chuva forte, neblina ou cerraçao. (infraçao – art. 250, II)

d) a troca de luz baixa e alta, de forma intermitente e por curto


período de tempo, com o objetivo de advertir outros motoristas, só poderá
ser utilizada para indicar a intençao de ultrapassar o veículo que segue
a frente ou para indicar a existencia de risco a segurança para os
veículos que circulam em sentido contrário. (infraçao – art. 251, II)

XI – O condutor utilizará o pisca-alerta nas seguintes situaçoes:

a) em imobilizaçoes ou situaçoes de emergencia. (infraçao – art. 179)

b) quando a regulamentaçao da via assim o determinar. (infraçao – art. 251, I)

XII – Durante a noite, em circulaçao, o condutor manterá acessa a luz de


placa. (infraçao – art. 250, III)

XIII – O condutor manterá acessas, a noite, as luzes de posiçao quando o


veículo estiver parado para fins de embarque ou desembarque de
passageiros e carga ou descarga de mercadorias. (infraçao – art. 249)

XIV – Os veículos de transporte coletivo regular de passageiros, quando


circularem em faixas a eles destinadas, e os ciclos motorizados deverao
utilizar-se de farol de luz baixa durante o dia e a noite. (infraçoes – art. 250, I, c, d)

10. Qual a diferença entre penalidade e medida administrativa?

Penalidades sao sançoes impostas aos infratores, aplicadas pelo


Detran, Prefeitura, Polícia Rodoviária e outros orgaos com jurisdiçao
sobre a via. Sao elas: (art. 256)

 Advertencias por escrito: impostas com finalidade educativa aos


que cometem infraçao leve ou média, nao reincidentes e que tenham
boa conduta. (art. 257)

 Multas: sao penalidades impostas a quase totalidade das infraçoes.


Os pontos e valores sa proporsionais a gravidade. (art. 258)

 Suspensao do direito de dirigir: aplicada em certos crimes e


infraçoes ou quando exceder o número de pontos. Pode variar de 1
mes a 1 ano, ou de 6 meses a 2 anos (reincidente). (art. 261)

 Apreensao do veículo: em depósito do órgao responsável, onus do


proprietário, por até 30 dias. A restituiçao se fará após pagas as
multas, taxas e despesas com remoçao. (art. 262)

 Cassaçao da CNH: cancelamento definitivo do documento de


habilitaçao. (art. 263)
 Cassaçao da PPD: ocorre após infraçao gravíssima ou grave, ou
reincidencia em média, tendo o infrator que reiniciar o processo de
habiitaçao. (art. 263 e 265)

 Curso de reciclagem: obrigatório ao infrator com direito de


dirigir suspenso, ou que tenha provocado acidente grave, ou ainda
que foi condenado por delito de transito. (art. 268)

Medidas administrativas sao impostas pelo agente de transito nos


locais das infraçoes. Sao elas: (art. 269)

 Retençao do veículo: quando a irregularidade pode ser sanada no


local da infraçao. (art. 270)

 Remoçao do veículo: veículo estacionado de forma irregular, sem


a presença do condutor. (art. 271)

 Recolhimento da CNH ou PPD: sob suspeita de adulteraçao ou


inautenticidade do documento. (art. 272)

 Recolhimento do CRV (registro): sob suspeita de adulteraçao ou


inautenticidade do documento ou quando nao feita a
transferencia de propriedade no prazo de 30 dias. (art. 273)

 Recolhimento do CLV (licenciamento): sob suspeita de adulteraçao


ou inautenticidade do documento; com prazo vencido; no caso de
retençao do veículo, quando nao for possível sanar a
irregularidade no local. (art. 274)

 Transbordo de carga excedente: toda vez que o veículo apresentar


excesso de peso. (art. 275)

 Teste de alcoolemia ou perícia: em caso de acidente; quando


solicitado por agente de transito; sob suspeita de estar
alcoolizado. (art. 2276, 277 e 306)

 Realizaçao de exames: a legislaçao preve que a autoridade de


transito pode requerer ao condutor a realizaçao de novos exames.
(art. 276 e 306)

11. Em quais casos ocorre a suspensao do direito de dirigir?

O condutor poderá ter o seu direito de dirigir suspenso, o que exigirá o curso
de reciclagem, toda vez que:

 a soma das infraçoes atingir 20 pontos no prazo de 12 meses; (art. 261,


§1°)
 cometer qualquer infraçao onde esteja prevista a suspensao do
direito de dirigir, independente do número de pontos na carteira; (art.
261)

As infraçoes que preveem a suspensao do direito de dirigir do condutor ou


do proprietário do veículo, sao as seguinte:

 Participar ou promover competiçao nao autorizada, racha, exibiçao ou


demonstraçao de perícia; (Infraçoes - art. 174 e 175)

 Disputar corrida por espírito de competiçao ou rivalidade; (Infraçao - art. 173)

 Praticar manobras perigosas, arrancadas, derrapagens ou frenagens;

 Ameaçar a segurança de pedestres ou outros veículos; (Infraçao - art. 170)

 Dirigir em velocidade superior a máxima permitida em mais de 20% nas


rodovias, vias rápidas e arteriais; (Infraçao - art. 218, III)

 Dirigir em velocidade superior a máxima permitida em mais de 50% nas


demais vias; (Infraçao - art. 218, III)

 Transpor bloqueio policial; (Infraçao - art. 210)

 Em caso de acidente, deixar de sinalizar, afastar o perigo, identificar-se,


prestar informaçoes ou acatar determinaçoes da autoridade; (Infraçoes - art.
176, II, III, IV, V)

 Deixar de prestar ou providenciar socorro a vitima, ou abondonar o


local; (Infraçao - art. 176, I)

 Dirigir sob a influencia de álcool ou outro entorpecente. (Infraçao - art. 165)

Para motociclistas e condutores de ciclomotores, além das citadas acima:

 Nao usar capacete, viseira, óculos ou vestuário exigido por lei; (Infraçao - art.
244, I)

 Transportar passageiro sem capacete ou fora do banco; (Infraçao - art. 244, II)

 Fazer malabarismos ou equilibrar-se em uma roda; (Infraçao - art. 244, III)

 Conduzir com faróis apagados; (Infraçao - art. 244, IV)

 Transportar criança menor de 7 anos ou sem condiçoes de se cuidar.


(Infraçao - art. 244, V)

12. Em quais casos ocorre a cassaçao do direito de dirigir?


O CTB determina que a cassaçao do Documento de Habilitaçao se dará nos
seguintes casos: (art. 263)

 Se, suspenso do direito de dirigir o condutor for flagrado conduzindo


qualquer veículo que exija habilitaçao;

 Se reincidir, no prazo de 12 meses, em infraçoes previstas no art. 162,


III e nos arts. 163, 164, 165, 173, 174 e 175.

 Quando condenado judicialmente por delito de transito;

 Se, a qualquer tempo, for comprovada irregularidade na sua expediçao.

A habilitaçao poderá ser requerida novamente depois de 2 anos recorridos da


cassaçao, reiniciando o processo.

Sobre multas

Todas as infrações de trânsito são passíveis de multa que, dependendo da


gravidade poderá ser: (art. 259)

 Gravíssima: R$ 191,54 e 7 pontos no prontuário;


 Grave: R$ 127,69 e 5 pontos no prontuário;
 Média: R$ 85,13 e 4 pontos no prontuário;
 Leve: R$ 53,20 e 3 pontos no prontuário.
* Algumas das infrações gravíssimas, podem ter o valor multiplicado por 3 ou por 5.

Apresentação do Condutor (art. 257)

O condutor é responsável pelas infrações cometidas na direção do


veículo.
Se ele não puder ser identificado no momento da infração, o proprietário
do veículo receberá em seu endereço a notificação de autuação.
Se não apresentar o condutor dentro do prazo de 15 dias, a contar do
recebimento da autuação, será considerado o responsável pela infração.
Caso o proprietário seja pessoa jurídica, será mantido o valor da multa
original e será lavrada nova multa, cujo valor será multiplicada pelo
número de vezes que a infração foi cometida no prazo de 12 meses.

Recurso de Multas (Cap. XVIII, Seçao II, CTB)

 1ª Instância – Defesa prévia: é um recurso que deve ser apresentado ao


Órgão Autuador (consta como remetente da Notificação), dentro de 30
dias a contar do flagrante ou do recebimento da Notificação.
 2ª Instância – não tendo feito Defesa Prévia, ou se esta for indeferida, o
infrator receberá uma Imposição de Penalidade, da qual poderá
defender-se junto a JARI – Junta Administrativa de Recursos de Infrações,
da mesma autoridade de trânsito, até a data que consta no documento da
Imposição.
 3ª Instância – se tiver seu recurso negado pela JARI, o infrator poderá
ainda recorrer ao CETRAN – Conselho Estadual de Trânsito. Para isso,
deverá recolher a multa antecipadamente, cujo valor será restituído
se houver deferimento.

Crimes de Trânsito (Cap. XIX,, CTB)

O objetivo desse texto não é fazer uma análise jurídica rigorosa, e sim
conscientizar, informar e alertar o condutor para as possíveis implicações
criminais de seus atos.
Os crimes de trânsito estão previstos no Capítulo 19 do CTB, no Código Penal,
no Código Processual Penal e na Lei 9.099 de 26.09.95.

São crimes de trânsito previstos no CTB:


 Praticar homicídio culposo (não intencional) (art.302)

 Praticar lesões corporais culposas (não intencionais) (art.303)

O CTB prevê penalidades e até pena de prisão para quem causar


ferimentos para outra pessoa, no trânsito, mesmo que não tenha tido
qualquer intenção.
 Deixar de prestar socorro imediato ou abandonar o local para fugir
da responsabilidade civil ou criminal; (Art.304 e 305)

* Atenção: será considerado crime mesmo se a vítima já estiver morta ou se o


atendimento tiver sido prestado por outra pessoa. (Art.304)

 Dirigir sob influência do álcool ou de substâncias de efeitos similares;


(Art. 306)

 Participar de rachas ou competições não autorizadas; (Art.308)

 Transitar com velocidade incompatível com a segurança e as


condições locais. (Art.311)

Responsabilidade Criminal
Estes são considerados crimes dolosos (Código Penal), nos quais o condutor
tinha a intenção, ou pelo menos sabia que seus atos poderiam ter
conseqüências prejudiciais. Por isso são mais graves, e prevêem
penalidades e penas mais severas.
• Dirigir ou permitir que alguém dirija: sem ser habilitado; com a
habilitação suspensa ou cassada; embriagado ou sem condições
físicas e mentais de dirigir com segurança; (Art.309 – 310)
• Prestar informações errôneas a policiais ou agentes de trânsito,
sobre qualquer aspecto de uma ocorrência. (Art.312)

Direçao Defensiva

Direçao defensiva é dirigir de forma a evitar acidentes apesar das açoes


incorretas de outros e das condiçoes adversas.

Dirigir defensivamente significa planejar todas as açoes pessoais com


antecedencia, a fim de prevenir-se contra o mau comportamento de outros
usuários do transito e as condiçoes adversas.

Requisitos necessários: