Anda di halaman 1dari 77

Interpretação de Exames

Laboratoriais na Sistematização
da Assistência de Enfermagem
Introdução

• Objetivo
• Sistematização da Assistência de
Enfermagem ( SAE)
• Exames Laboratoriais e a Enfermagem
SERIE VERMELHA

• Hemácias : Principal componente do sangue


• Hemoglobina: Transp. de Oxigênio(ferro)
• Hematócrito: Volume relativo das hemácias
dentro do volume do sangue, que é expresso
percentualmente
SERIE VERMELHA
• A) Contagem das hemácias (Eritrograma)
• Valores normais
• Homens – 4.5 a 6 milhões/
Mulheres – 4.5 a 4.8 milhões/
• Crianças - 4.6 a 4.8 milhões/
SERIE VERMELHA
• B) Hematócrito: Homem - 40% a 54%
• Mulher - 37% a 47%
• C) Hemoglobina: Homem - 14% a 17%
• Mulher - 12% a 15,5%
• OBS: Quando a Hb está baixa indica
anemia ou hemorragia recente.
SERIE VERMELHA
• Hemograma: Homem
Serie Hemácias por Hemoglobina Hematócrito
mm³
vermelha
Taxas Masc: 4.5 – 6 14 – 17% 40 – 54%
milhões
normais
Taxas Fem: 4.5 – 4.8 12 – 15.5% 37 – 47 %
milhões
normais
Sangue 3.500 milhões 8.0 30
examinado
SERIE VERMELHA
• Aumento da contagem das hemácias indica policitemia
relativa ou absoluta.
• Diminuição da contagem das hemácias indica anemia,
sobrecarga liquida ou hemorragia por mais de 24 hs.
• São produzidas na M.O na proporção de 2 milhões por
segundo.
• As células velhas são destruídas no baço.
• Nas maiores altitudes há uma maior produção de hemácias.
• Quando os eritrócitos se rompem liberam hemoglobina,
que é convertida em bilirrubina e eliminada pela vesícula
biliar ao suco gástrico.
SERIE VERMELHA
• Obs:Toda alteração nas hemácias será devido a
patologias ou incapacidade do baço de retirar da
circulação hemácias com mal formação.
• Eritroblastos: São hemácias nucleadas que podem
aparecer no sangue em decorrência de grandes
regenerações eritrócitária, ou como consequência
de infiltração medular e leucose.
• Reticulócitos: Reflete estado regenerativo da
medula.
SERIE VERMELHA
• As verminoses são fator importante na
anemia severa.
• Ancilosnomideos
• Esquistossomídeos
• Malária e outros..
• Ideal é a ingesta de ferro com Vitamina C.
SERIE VERMELHA
SINAIS DE ANEMIA:A sintomatologia é
proporcional a gravidade.
• Hipovolemia
• Queda na oxigenação
• Hb >9 g/dl: Irritabilidade, fadiga, palidez e
dispnéia a esforços fisicos continuados.Pode
haver anginas.
SERIE VERMELHA
• Hb entre 6 e 9 g/dl : Palidez evidente, sopro
anemico, taquicardia , dispnéia e fadiga a
menores esforços.
• Hb < 3,5 g/dl : Insuficiência cardiaca é
eminente, e toda a atividade impossivel.
SERIE VERMELHA
• Indices Eritrócitários: Ajudam a classificar
as anemias.
• VCM: volume corpuscular médio.
82 a 98 mm³. (avalia a media do tamanho)
Microcíticas: é comum em anemias por deficit
de ferro.
SERIE VERMELHA
Macrocíticas: Está associado a presença de
grande numeros de reticulócitos, ao
tabagismo, defit de Vit-B12 e acido fólico.
• HCM- Hemoglobina corpuscular média:26
a 34 pg
• CHCM- concentração de hemoglobina C.
Média: 31 a 37 g/dl
SERIE VERMELHA
Doenças Sanguineas que envolvem as hemácias:
• Anemias ferropriva: há uma queda na produção de
Hb.

• Anemia falciforme: hemácias em forma de foice.

• Anemia perniciosa: Doença auto imune


caracterizada pela falta do fator intriseco
necessário para absorção da Vit – B12 da dieta.
SERIE VERMELHA
• Paciente com anemia
grave.
• Baço palpável
• Causa: Calazar
SERIE VERMELHA
• RDW ( Red cell distribuition width):
observa-se a variação do tamanho da
hemácia pela varedura de pulso durante a
leitura.
• Indice de anisocitose, que se altera
precocemente no deficit de ferro antes da
alteração dos demais parâmetros, como na
queda da Hb.
SERIE VERMELHA
VSH : Velocidade de Hemossedimentação da
hemácias.
• Indica o resultado entre as forças envolvidas na
sedimentação das hemácias e os mecanismos
oponentes exercidos por substâncias plasmáticas,
especialmente pelo fibrinogênio e pelas proteinas
de fase aguda.
Valores: homem: 0 a 10 mm/hora
mulher : 0 a 20 mm/hora
SERIE VERMELHA
Obs: Nos processos inflamatórios ocorre uma maior
agregação das hemácias isso favorece o aumento
da velocidade de sedimentação.
VSH é util para monitorar inflamação crônica e a
atividade da doença como na artrite reumatóide,
mesmo em uso de corticóides.
Obs: homens entre 45 e 64 anos e com VSH no
limite superior, junto com fatores de risco, tem
duas vezes mais risco de morte por doenças das
coronárias.
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
• A contagem de leucócitos ou leucometria é a
principal informação na analise da serie branca.

• A contagem diferêncial fornece informações


especificas sobre o tipo de leucócitos que esta
sendo afetado, avaliando a capacidade do
organismo de combater infecções e tambem
detectar reações alérgicas, infastações parasitária
ou leucemias.
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
A leucometria varia de:
5.000 a 10.000 leucocitos/mm³.
Diferencial: 100% divididos em:
• Eosinófilos – 2% a 4 % (60 - 320 L/mm³)
• Linfócitos – 21% a 35%( 1.200 – 2.400 L/mm³)
• Monócitos – 4% a 8% ( 240 – 640 L/mm³)
• Neutrófilos – Bastões: 3% a 5% (120 – 320 L/mm³)
Segmentados: 58% a 66% (3.300 – 5.200 L/mm³)
• Basófilos: 0% a 1% ( 0 – 80 L/mm³)
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
• A contagem pode aumentar ou diminuir na
presença de doenças, e diminuir em stress,
alcoolismo e exercício físicos excessivos.
• O aumento dos leucócitos indica:
Infecção por abcesso, menisgite, apendicite,
amigdalite, leucemia, infarto do miocárdio
ou gangrena.
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
• O fumo, café e obesidade aumenta os
leucócitos
• O alcool diminui.
• Cada pessoa tem seu próprio numero
normal, porém a mesma forma leucócitária.
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
NEUTRÓFILOS:
• Defesa predominante para Bactérias.
Neutrófilia:
É o aumento do numero absoluto de neutrófilos
( Bastonados e Segmentados), que são células
maduras, pós mitóticas, que fazem diapedese e
exercem sua atividade reacional e defensiva nos
tecidos e cavidades naturais.
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
• Na M.O há um contingente de 10 a 20 vezes
superior ao existente no sangue.É a reserva
granulócitica medular, com predominância de
bastões sobre segmentados na proporção de 3/2,
havendo uma preferência hierarquica na liberação
dos segmentados para o sangue, assim com
dominio na forma leucócitária. Assim,
segmentados na sua maioria na corrente sanguinea
e bastões na sua maioria de reserva na M.O.
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
• O desvio a esquerda é a liberação da reserva
medular ( Bastões) por estimulos oriundos
das áreas inflamatórias, infeccionadas,
traumatizadas ou necróticas.
• Há dois contingentes, um que circula livre
nos vasos e outra que adere ao endotélio na
microcirculação. Assim a contagem total
seria em dobro.
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
Neutropenia ou Agranulócitose:
É a diminuição do numero absoluto de
neutrófilos . Ver quadro pag 127
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA

BASTÕES SEGMENTADOS

Valor relativo 3% a 5 % 58% - 66%

Valor absoluto 120 - 320 3.300 – 5.200


LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
LINFÓCITOS:
• Defesa predominante Valor 21% - 35 %
para Vírus. relativo
Linfocitopenia: Valor 1.200 – 2.400
Aumento no numero absoluto
absoluto de linfócitos.
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
EOSINÓFILOS:
• Há Eosinófilia, aumento no numero de
eosinófilos, em infestações por:
• Parasitoses( Ancilostomose,
Estrongiloidiase, Ascaridíase, Filiriase,
Esquistossomose, Tricuriase, Larva
Migrans) .
• Quadro asmático, Renites e Dermatites .
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
Eosinófilos
Valor relativo 2% - 4%
Valor Absoluto 60 – 320
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
• BASÓFILOS: Constantes Valor 0% - 1 %
nas leucemias e colite relativo
ulcerativa.
Valor 0 - 80
absoluto
• MONÒCITOS: Valor 4% - 8%
Macrófagos fixos nos
tecidos, constantes nas
relativo
endocardites, hepatites, Valor 240 - 640
tuberculose, leishmaniose. absoluto
LEUCÓCITOS
SERIE BRANCA
Leucócitos : 13.000
Basófilo Eosinófilos Bastões Segmentados linfócitos Monócito

Taxa 0–1% 2 – 4% 3 – 5 % 58 – 66% 21 – 35% 4 – 8%


normal

Valor 0 2 1 77 19 1
relativo

Taxa 0 - 80 60 - 320 120 - 3.300 – 5.200 1.200 – 240 - 640


normal 320 2.400

Valor 0 260 130 10.010 2.470 130


absoluto
TROBÓCITOS
PLAQUETAS
• Tem origem da fragmentação do citoplasma
dos megacariócitos na M.O.
• Tem importância na fase inicial da
hemostásia, por meio de adesão plaquetária
à superfície estranha formando o tampão
plaquetário.
TROBÓCITOS
PLAQUETAS
• Qualitativa: Aspecto Morfológico –
processos em sindromes mieloproliferativas
e destruição periféricas na PTI.
• Quantitativas: Plaquetopenia
Hiperplaquetemia
VALORES:
Adultos – 140.000 – 400.000 mil/mm³
Crianças – 150.000 – 450.000 mil/mm³
TROBÓCITOS
PLAQUETAS
TROMBOCITOSE: Aumento do numero de
plaquetas, ocorre nas Hemorragias, doenças
infecciosas e inflamatórias, anemia ferropriva,
cancer, cirurgias recentes, esplenectomia e
gravidez.
TROMBOCITOPENIA: Queda no numero de
plaquetas, ocorrendo nas doenças infiltrativas da
M.O, leucemias, aplasia medular, deficit de acido
fólico e Vit.B12, destruição por doenças
autoimunes ou por drogas, CIVD, calazar.
TROBÓCITOS
PLAQUETAS
TEMPO DE SANGRAMENTO:
Indicador de alterações numéricas e funcionais das
plaquetas, medindo a duração de um sangramento
após uma incisão cirurgica na pele.
VALORES: 3 a 6 minutos (SI 3 a 6 )
Obs: O tempo de sangramento alto pode indicar
LLA, CIVD, Hepatopatia grave, e deficit de
fatores de coagulação(I,II,V,VII,VIII,IX ou XI)
COAGULAÇÃO
TAP : Tempo de avaliação da Protombina.
Exame de escolha para monitorizar terapia
com drogas anticoagulantes orais.
TAP alto indica patologias que afetam o
processo de absorção, sintese e
metabolização da Vit . K, deficiência do
fator VII.
COAGULAÇÃO
TAP:
VALORES: 10 a 14 segundos.
INR : Razão Normatizada internacional

TTPA: Tempo de Tromboplastina Parcialmente


Ativada.
Avalia defeitos na via intrinseca da coaculação,
como deficiência dos fatores de coagulação VIII,
IX, XI,XII, com exceção das plaquetas.
VALORES: 21 a 35 segundos (SI 21 a 35s)
COAGULAÇÕES
FIBRINOGÊNIO PLASMÁTICO ( Fator I ):
Glicoproteina sintetizada no figado, que esta
envolvida no processo final da coagulação
VALORES: 200 A 400 mg/dl (2 a 4 g/l)
O fibrinogênio de eleva em processos inflamatórios e
infecciosos agudos, traumas, neoplasias, pós –
operatórios, uso de anticoncepcionais orais,
sindrome nefrótica, gravidez e tabagismo.
COAGULAÇÕES
O fibrinogênio diminui com a queda da produção
hepatica, aumento do consumo sem tempo de
reposição adequado na CIVD, em complicações
obstétricas e traumatismos.
É um teste mais importante na CIVD.
ELETRÓLITOS
ÍONS
POTÁSSIO:
Cation de maior concentração nos liquidos
intracelulares e 2% nos LEC.
VALORES: LIC : 150 a 160 mEq/L
LEC: 3.5 a 5 mEq/L
O potássio é medido especialmente no LEC,
para saber seu excesso ou diminuição e
saber a origem das arritmias.
ELETRÓLITOS
ÍONS
SÓDIO:
SÓDIO
É o maior cátion e a principal partícula
osmótica do meio extracelular. Assim o
mais importante do organismo.
VALORES: 135 a 145 mEq/L
ELETRÓLITOS
ÍONS
CÁLCIO:
Cerca de 98% do cálcio esta localizado nos ossos e
dentes. 2% no fluido extracelular e em outros
tecidos, especialmente no musculo esquelético.
Desses 2 % , 50% esta ligado a proteinas
plasmáticas e 40% estão ionizados ou livres.
VALORES: Ca Total – 8.2 a 10.2mg/dl
Ca Ionizado – 4.65 a 5.28 mg/dl
ELETRÓLITOS
ÍONS
CLORETO:
• Ajuda a manter a pressão osmótica do
sangue, pois regula o volume sanguineo e o
controle da pressão arterial.
• Afeta o mecanismo acido-básico
• É eliminado pelo rins.
VALORES:100 A 108 mEq/L
ELETRÓLITOS
ÍONS
FOSFATOS:
• São encontrados nos ossos, tecidos moles,
ligado a proteinas e lipidios e carboidratos.
• Elevam-se na desidratação e exercicios
físicos.
• É inversamente proporcional ao Calcio.
VALORES: 2.7 a 4.5 mg/dL
Crianças: 4.5 a 6.7 mg/d|L
ELETRÓLITOS
ÍONS
MAGNÉSIO:
• É absorvido pelo intestino delgado, 50% nos
ossos, 1% no sangue e tecidos moles 49%.
• Tem importância para enzimas intracelulares.
• Seu aumento pode levar a PCR após arritmias
cardíacas.
• Valores abaixo de 1.0 acompanhada da queda de
calcio é sinal de gravidade.
VALORES: 1.3 a 2.1 mg/dL
ENZIMAS

TGO - (Transaminase oxaloacética)


• Também conhecida com AST(aspartato
aminotransferase), são encontradas em diversos
orgãos e tecidos, incluindo coração, figado,
mesculo esquelético e eritrócitos
• Sua elevação indica comprometimento celular
mais profundo. Ex: nos hepatócitos,proveniente de
hepatites virais agudas, alcoolicas, metástase
hepática, necroses medicamentosas e isquêmicas.
. VALORES: 7 – 45 UI/L
ENZIMAS
TGP – ( transaminase Pirúvica)
• Também conhecida como ALT(Alanina
aminotransferase)
• Encontrada abundantemente no figado
• Se eleva rapidamente na lesão hepática.
• Pode-se está elevada também em miosítes ou
miocardites.
• No RN pode-se estar elevada devido a imaturidade
do fígado.
VALORES: 5 – 35 UI/L
ENZIMAS
AMILASE:
• São enzimas que catalizam: hidrólise de
amilopectina, amilose e glicogênio na boca,
estomago e intestino.
• É de origem pancreática e de glândulas salivares.
• Seus níveis tem importância clinica na
investigação de função pancreática.
• 20% das pancreatites cursam com Amilase 4 a 6 x
o limeite superior.
VALORES: 25 A 85 U/L
ENZIMAS
LIPASE:
• É uma enzima digestiva produzida pelas células do
pâncreas exócrino.
• Tem o papel de hidrolisar as longas cadeias de
tríglicerídeos no intestino delgado em ácidos
graxos e em glicerol.
• É um melhor marcador que a amilase como
marcador pancreático.
• A Lipase fica elevada na maioria das inflamações
na cavidade abdominal, trato iliar, IRA e IRC.
VALORES: abaixo de 160U/L
ENZIMAS
FOSFATASE ALCALINA(ALP):
• É uma enzima presente em todos os tecidos do
organismo, principalmente de túbulos renais,
ossos,palcenta, TGI e fígado.
• Influencia no transporte de lipídios e calcificação
ossea.
• É importante na investigação de doenças
hepatobiliares, osseas e metastase.
• É mmarcador de processo obstrutivo hepático,
litíase e carcinoma do pancreas.
VALORES: 30 A 85 U/L
ENZIMAS
GAMA GT (Gama Glutamil Transpeptidase):
• É uma enzima de membrana celular e nas
frações microssômicas envolvidas no
transporte de aminoácidos por meio da
membrana celular.
• Os níveis são de origem hepática,e se
aumentados por 28 dias, é decorrente de
lesão hepática ligadas ao alcool.
• No pós IAM a GGT fica aumentada por 4
semanas.
ENZIMAS
VALORES:
• Homens acima de 16 anos: 6 a 38U/L
• Mulheres de 16 a 45 anos : 4 a 27 U/L
• Mulheres acima de 45 anos: 6 a 37 U/L
• Crianças : 3 a 30 u/l
ENZIMAS
FOSTATASE ÁCIDA:
• São enzimas ativas com um PH de 5. As maiores
concentrações na próstata, no fígado e M.O.
• São marcadores de 50% de carcinomas na
prostata.
• Está elevado emm crianças em fase de
crescimento e metabolismo ósseo.
VALORES: 0 a 3.7 U/L
ENZIMAS
PSA – (Antigeno Prostático Específico).
• É uma glicoproteina com atividade proteolítica
que dissolve gel seminal depis da ejaculação.
• Os níveis estão altos no câncer da próstata,
hipertrofia benigna da próstata e prostatites agudas
ou crônicas.
• Correlaciona-se diretamente com o tamanho da
prostata, com a fase do cancer e resposta ao
tratamento.
• Para fechar diagnóstico se faz com PSA + toque
retal + biópsia.
ENZIMAS
VALORES:
40 a 50 anos – 2 a 2.8 mg/ml
51 a 60 anos – 2.9 a 3.88 ng/ml
61 a 70 anos – 4 a 5.3 ng/ml
71 acima – 5.6 a 7.28 ng/ml
ENZIMAS
GLICOSE 6 – FOSFATO DESIDROGÊNASE
• A G6PD é uma enzima que faz pare da via que
metabolisa a glicose.
• Seu deficit altera a estabilidade das hemácias,
tornando-as vulneráveis a desnaturação oxidativa da
Hb, levando a Hemólise.
• A suscetibilidade á hemólise é aumentada pela
exposição á agressões virais ou bactérianas e na
presença de distúrbios metabólicos.
VALORES: 4.3 a 11.8 U/g
ENZIMAS
CK (Creatinoquinase Total):
• É uma enzima que desempenha o papel de
reguladora no metabolismo intracelular dos
tecidos contráteis.
• Esta presente no tecido cardíaco, musculatura
estriada e cerebro.
• A maior utilização está na avaliação do
diagnóstico das lesões e doenças da musculatura
esquelética e no IAM.
ENZIMAS
VALORES:
CK TOTAL: Homens: 55 a 170 U/L
Mulheres: 30 a 135 U/L
As Isoenzimas variam:
CK-BB(CK-1): é encontrada no cerebro: Não é
detectável no exame.
CK-MB(CK-2): é encontrada no musculo cardiaco:
< que 6%
CK-MM(CK-3): é encontrada no musculo estriado:
90% a 100%
ENZIMAS
CK se eleva nos casos de:
• Distrofia muscular
• Exercicios extenuantes
• Dermatomiosites
• Injeções intramusculares recetes
• Após crises convulsivas
• IAM e cardioversão
ENZIMAS
CK diminui em:
• Perda de massa muscular
• Hepatopatias alcoolicas
• Artrite reumatóide
• Pacientes idosos e acamados
ENZIMAS
OBS:
• No IAM o CK total esta aumentado nas
primeiras 4 a 6 horas após o inicio do
quadro, com pico entre 18 a 24 horas,
ficando alterada por 48 a 72 horas de 3 a 20
vezes o valor normal.
DOSAGENS
GLICEMIA ( Em Jejum):
• A glicose é essencial para função do cerebro e dos
eritrócitos.
• A dosagem tem como finalidade de diagnosticar e
acompanhar o tratamento de portadores de algum
distúrbio no metabolismo de carboidratos que leva
a hipoglicemia ou hiperglicemia.
VALORES: 70 A 110 mg/dl
DOSAGENS
Glicemia < 50mg/dl:
Fadiga, mal-estar, nervosismo, alterações de humor,
irritabilidade, tremores, cefaleia, fome, sudorese
fria, taquicardia, arritmias.
Caso não haja correção da glicose ocorre:
Vista turva ou dupla, incapacidade de concentração,
frauqesa motora, hemiplegia, convulsões, danos
cerebrais irreversíveis e morte.
DOSAGENS
Diabetes Mellitus:
Caracterizada pela hiperglicemia, glicosúria e
outras manifestações decorrente do
comprometimento do sistema vascular,
nervoso, levando a lesões diversos orgãos,
olhos, rins e coração.
DOSAGENS
ÁCIDO LÁTICO E PIRÚVICO:
• Os níveis de Acido Lático estão
relacionados com a disponibilidade de
oxigênio.
• É um marcador sensível e confiavel de
hipóxia tecidual.
VALORES: Lactato: 0.93 a 1.65 mEq/L
Piruvato: 0.08 a 0.16 mEq/L
DOSAGENS
Causas da elevação:
Choque, hipovolemia, IAM, insulficiência
ventricular esquerda, edema pulmonar,
diabetes mellitus, insuficiência hepática,
neoplasias, leucemia, exercícios excessivos
e hiperventilação.
DOSAGENS
ÁCIDO ÚRICO:
• Oriundo do catabolismo das proteinas da dieta e
fontes endógenas, concentra-se principalmente
no fígado.
• Excretado principalmente por via renal.
• O níveis são determinados pela relação entre a
dieta, produção endogena e os mecanismos e
reabsorção e excreção.
VALORES: Homem: 3.4 a 7 mg/dl
Mulher: 2.3 a 6 mg/dl
DOSAGENS
GOTA:
Caracteriza-se por hiperuricemia devido a
hiperprodução como na hipoexcreção
A alteração da função renal, hipertenção
arterial, AAS, DM, podem induzir a uma
dininuição da velocidade de excreção do
AU.
DOSAGENS
CREATININA:
A analise quantativa dos níveis séricos, urinários de creatinina
e o clearance avaliam a função Renal.
VALORES:
N.Urinários: Homem: 1 a 1.9 g/24 hs
Mulher: 0.8 a 1.7 g/dl
N.Séricos: Homens: 0.8 a 1.2 mg/dl
Mulheres: 0.6 a 0.9 mg/dl
DEPURAÇÃO: Homens: 85 a 125 ml/min
Mulher: 75 a 115 ml/min
DOSAGENS
• Para normal função dos Rins é necessario:
Fluxo sanguineo, filtração glomerular, função
tubular e permeabilidade das vias urinárias.
• A funçaõ dos Rins é depurar, equilibrio
hidroeletrólitico e produção de hormônios.
• Níveis séricos de creatinina elevados
indicam geralmente doença renal que lesou
gravemente os nefróns.
DOSAGENS
URÉIA:
Principal produto do catabolismo dos aminoácidos e
de protéinas. Principal fonte de excreção do
Nitrogênio do sangue.
VALORES: 8 A 20 mg/dl
Causas da Uremia
• catabolismo aumentado de proteinas e sua ingesta
excessiva, desidratação, infecções, choque
hemorragico.
DOSAGENS
BILIRRUBINAS:
São produtos do catabolismo da Hb, 70% é provenientes dos
eritrócitos velhos, 15% das fontes hepáticas e 15% das
células defeituosas na M.O.
VALORES: Adultos: B. Indireta:< = 1.1mg/dl
B. Direta: < 0.5 mg/dl
B.Total sérica: 2 a 12 mg/dl
Neonatos:
B. total: até 1.2
B. Indireta: até 0.8 mg/dl
B.Direta: até 0.4 mg/dl
DOSAGENS
TRANSFERRINA:
Proteina transportadora de ferro para suprir as
necessidades teciduais, minimiza os níveis
de ferro no plasma e perdas urinárias.
Valores: 200 a 400 mg/dl
DOSAGENS
FERRITINA:
Proteina de reserva do ferro, é de fase aguda e
se eleva nas infecções, inflamações e
traumas.
Valores:
Homem: 20 a 300 ng/ml
Mulher: 20 a 120 ng/ml
6 meses a 15 anos: 7 a 140 ng/ml
DOSAGENS
FERRO:
A hemoglobina utiliza cerca de 80% do ferro
corporal.
Toda doença com sangramento agudo, faz com que
haja uma rapida restalração de Hb, causando
deficit de ferro.
Valores:
Homens: 60 a 170 mg/dl
Mulheres: 50 a 130 mg/dl
DOSAGENS
ALBUMINA:
• Proteina mais abundante no plasma; 60% da
concentração total das proteinas do corpo.
• Papel de transporte de substâncias e na
manutenção da pressão osmótica.
• É um marcador do estado nutricional.
Valores: Pré-Albumina: 3.5 a 5 g/dl
Albumina: 16 a 30 mg/dl
DOSAGENS
COLESTEROL TOTAL:
• É um esterol encontrado em todos os
tecidos animais.
• Ajuda na avaliação dos riscos de
aterosclerose e doenças das coronárias.