Anda di halaman 1dari 54

Bagagem

Bagagem Adélia Prado

Adélia Prado

Biografia

Adélia Luiza Prado Freitas

Biografia Adélia Luiza Prado Freitas Nasceu: 13 de dezembro de 1935 (Divinópolis) Filiação: João do Padro

Nasceu: 13 de dezembro de 1935 (Divinópolis) Filiação: João do Padro Filho (ferroviário) Ana Clotilde Corrêa, (dona de casa) Estudos: Grupo Escolar Padre Matias Lobato. Ginasio Nossa Senhora do Sagrado Coração Magistério na Escola Normal Mário Casassanta Faculdade de Filosofia

Bagagem - Adélia Prado

Adélia escreve os seus primeiros versos aos 14 anos, logo

após o falecimento de sua mãe em 1950. Em 1973, após formar-se em filosofia envia os originais Dos seus poemas ao poeta e critico literário Affonso

Romano de Sant’Anna, submete a apreciação de Carlos

Drummond de Andrade. Drummond sugere a Pedro Paulo de Sena Madureira, da

editora Imago no ano de 1975, que publique o livro de

Adélia, cujo os poemas lhe pareciam ―fenomenais‖, o que

viria a ser Bagagem. No dia 9 de outubro, Drummond publica uma crônica no

Jornal do Brasil, chamando a atenção para o trabalho ainda inédito da escrito.Logo após, em 1976, o livro é lançado no Rio de Janeiro contando com a presença da elite literária

brasileira na época.

Bagagem - Adélia Prado

Com Licença Poética

Quando nasci um anjo esbelto, desses que tocam trombeta, anunciou:

vai carregar bandeira. Cargo muito pesado pra mulher, esta espécie ainda envergonhada. Aceito os subterfúgios que me cabem, sem precisar mentir. Não sou feia que não possa casar, acho o Rio de Janeiro uma beleza e

Bagagem - Adélia Prado

ora sim, ora não, creio em parto sem dor.

Mas o que sinto escrevo. Cumpro a sina.

Inauguro linhagens, fundo reinos dor não é amargura. Minha tristeza não tem pedigree, já a minha vontade de alegria, sua raiz vai ao meu mil avô. Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.

Mulher é desdobrável. Eu sou.

Bagagem - Adélia Prado

Na poesia com licença poética, ela faz uma

paráfrase do ―Poema de Sete Faces‖, de Carlos

Drummond de Andrade, onde ele trata o lado ruim de sua vida, e que quando ele nasceu um

anjo lhe disse que ele iria sofrer na vida. Mas

Adélia trata o seu mostrando o lado bom da sua

vida, que mesmo ela tendo sofrido tudo que sofreu, ela é muito feliz.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Poema de Sete Faces Carlos Drummond de Andrade

Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra

disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

Com Licença Poética Adélia Prado

Quando nasci um anjo esbelto, desses que tocam trombeta, anunciou:

vai carregar bandeira.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Poema de Sete Faces Carlos Drummond de Andrade

As casas espiam os homens

que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul,

não houvesse tantos desejos.

Com Licença Poética Adélia Prado

Cargo muito pesado pra mulher,

esta espécie ainda envergonhada. Aceito os subterfúgios que me cabem,

sem precisar mentir.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Poema de Sete Faces Carlos Drummond de Andrade

O bonde passa cheio de pernas:

pernas brancas pretas amarelas.

Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.

Com Licença Poética Adélia Prado

Não sou feia que não possa casar,

acho o Rio de Janeiro uma beleza e ora sim, ora não, creio em parto sem dor.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Poema de Sete Faces Carlos Drummond de Andrade

Porém meus olhos

não perguntam nada. O bonde passa cheio de pernas:

pernas brancas pretas amarelas.

Com Licença Poética Adélia Prado

já a minha vontade de alegria,

sua raiz vai ao meu mil avô. Vai ser coxo na vida é maldição pra homem.

Mulher é desdobrável. Eu sou.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Poema de Sete Faces Carlos Drummond de Andrade

Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.

Porém meus olhos

não perguntam nada. O homem atrás do bigode

é sério, simples e forte.

Quase não conversa.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Poema de Sete Faces Carlos Drummond de Andrade

Tem poucos, raros amigos

o homem atrás dos óculos e do bigode,

Meu Deus, por que me abandonaste

se sabias que eu não era Deus

se sabias que eu era fraco. Mundo mundo vasto mundo, se eu me chamasse Raimundo

seria uma rima, não seria uma solução.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Poema de Sete Faces Carlos Drummond de Andrade

Mundo mundo vasto mundo,

mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer mas essa lua mas esse conhaque botam a gente comovido como o diabo.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Adélia parafraseia o poema de Drummond, podendo ser percebido no próprio título. Ela pede licença para entrar no universo de Drummond e para inverter o sentido do Poema de sete faces. O “anjo torto” é transformado num ―anjo esbelto”, já não vive mais na sombra, agora toca trombeta, deixando de

anunciar que alguém será gauche na vida, mas ao contrário, vai carregar bandeira, ter uma posição de

destaque entre os demais.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Na poesia Drummond tem uma visão masculina extremamente pessimista, já na poesia de Adélia há uma visão feminina positivista. Ela faz a parodia da poesia exaltando a mulher que aceita os ―subterfúgios que me cabem/ sem precisar mentir”. Definindo a mulher como um ser desdobrável, que aceita seu papel

de reprodutora, mas com um parto sem dor

Diferentemente de Drummond, que questiona a Deus o porquê do seu desprezo, Adélia Prado afirma que ―dor não é amargura” e que ―ser coxo na vida é maldição para homem, mulher é desdobrável”.

Bagagem - Adélia Prado

Janela

Janela, palavra linda. Janela é o bater das asas da borboleta amarela.

Abre pra fora as duas folhas de madeira à-toa pintada, janela jeca, de azul. Eu pulo você pra dentro e pra fora, monto a cavalo em você,

meu pé esbarra no chão.

Janela sobre o mundo aberta, por onde vi o casamento da Anita esperando neném, a mãe do Pedro Cisterna urinando na chuva, por onde vi

meu bem chegar de bicicleta e dizer a meu pai:

minhas intenções com sua filha são as melhores possíveis. Ô janela com tramela, brincadeira de ladrão, clarabóia na minha alma,

olho no meu coração.

Bagagem - Adélia Prado

Janela

Janela, palavra linda. Janela é o bater das asas da borboleta amarela.

Abre pra fora as duas folhas de madeira à-toa pintada, janela jeca, de azul. Eu pulo você pra dentro e pra fora, monto a cavalo em você,

meu pé esbarra no chão.

Janela sobre o mundo aberta, por onde vi o casamento da Anita esperando neném, a mãe do Pedro Cisterna urinando na chuva, por onde vi

meu bem chegar de bicicleta e dizer a meu pai:

minhas intenções com sua filha são as melhores possíveis. Ô janela com tramela, brincadeira de ladrão, clarabóia na minha alma,

olho no meu coração.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Na poesia janela, Adélia faz ―um resumo‖, de todos os

sentimentos que ela sente e que demonstra em todo o livro. O romantismo, a liberdade (ligando ao fato da borboleta, a questão de ser livre, poder voar), o feminismo, a vontade de casar e construir família, sua relação com o pai, a questão do namoro(o namorado vir com o pai de Adélia e falar que suas intenções com a filha dele são as melhores possíveis), das brincadeiras. Da

necessidade de ver o que se passa no mundo, e não só o que se

passa dentro de casa, pois Adélia sendo filha mulher, naquela época, não podia ficar saindo de casa, e depois de casada, tinha

que cuidar da casa e dos filhos.

Bagagem - Adélia Prado

Mortes sucessivas

Quando minha irmã morreu eu chorei muito e me consolei depressa. Tinha um vestido novo

e moitas no quintal onde eu ia existir. Quando minha mãe morreu, me consolei mais lento. Tinha uma perturbação recém-achada:

meus seios conformavam dois montículos

e eu fiquei muito nua, cruzando os braços sobre eles é que eu chorava.

Quando meu pai morreu, nunca mais me consolei.

Busquei retratos antigos, procurei conhecidos, parentes, que me lembrassem sua fala, seu modo de apertar os lábios e ter certeza.

Bagagem - Adélia Prado

Mortes sucessivas

Reproduzi o encolhido do seu corpo em seu último sono e repeti as palavras que ele disse quando toquei seus pés:

´deixa, tá bom assim´. Quem me consolará desta lembrança? Meus seios se cumpriram

e as moitas onde existo

são pura sarça ardente de memória.

Bagagem - Adélia Prado

Análise

Adélia durante sua vida viu a morte de sua irmã, depois de

sua mãe, e em seguida de seu pai, a quem ela sempre foi muito apegada.

No poema ela diz que superou, e se consolou da morte de sua irmã, e da sua mãe, mas não da de seu pai, que ela buscava retratos antigos, conhecidos e familiares, que tivessem o mesmo jeito que ele, as mesmas atitudes, o mesmo jeito de falar.

No livro Bagagem, ela tem várias poesias que falam do seu pai, da falta que sente dele, e da sua relação com ele, retratando fatos da sua infância, de como ele cuidava dela, de como tratava

ela, das suas brincadeiras, das frases que ele comentava, entre

outros.

Bagagem - Adélia Prado

Vera Queiroz - 1 de 9

Críticas

Numa entrevista concedida ao suplemento "Idéias", do Jornal do Brasil, Carlos Drummond de Andrade afirmava que a popularidade nada tem a ver com a boa poesia. Esta pode passar por muito tempo despercebida. De tal sorte não padece a poesia de Adélia Prado. Antes mesmo de ter seu primeiro livro publicado, o próprio Drummond já lhe fizera uma crônica

elogiosa e Affonso Romano de Sant'Anna afirma, no prefácio a

"O coração disparado", seu entusiasmo pelos inéditos de Adélia, que lera por volta de 1972. Avalizada pelos dois poetas, ela

conquista com seu primeiro livro de poemas - "Bagagem", 1976 -

um público cada vez mais numeroso. Poeta de seu tempo (e aqui a epígrafe de Paz encontra eco exatamente no que a singulariza dentro do nosso repertório poético das últimas décadas),

Bagagem - Adélia Prado

Vera Queiroz 2 de 9

Críticas

Adélia parece vir ao encontro de algo novo que despontava no horizonte de expectativas da sociedade brasileira: o resgate do corpo politicamente erotizado, a denúncia dos mecanismos de poder que atuam nas instituições sociais e disseminam-se nas relações intersubjetivas, a descaracterização da macropolítica como instância única capaz de levar a cabo as transformações

exigidas pela sociedade. Tais questões, que começavam a ser

colocadas na série social brasileira, perpassam a obra de Adélia e indicam uma atitude poética nova, singularizada pela

transformação da vida cotidiana em matéria de poesia.

Bagagem - Adélia Prado

Vera Queiroz 3 de 9

Críticas

Esse novo, essa rasura que a poesia de Adélia traz, talvez se possa chamar de uma transcedência do banal, uma aceitação e um entendimento da expressividade da vida diária e feminina.

Nela cabem todos os temas que têm alimentado a poesia de todos os tempos: vida, morte, sonhos, comunhão mística com Deus e com as palavras. Mas é na apreensão dos pequenos gestos e das

situações particulares que ele imprimirá sua marca e diferença

poéticas. Contrariando a tradição literária e, igualmente, contrariando o conselho de um de seus mestres ("Não faça versos

sobre acontecimentos", diz Drummond - em sugestão que ele

mesmo rejeita),

Bagagem - Adélia Prado

Vera Queiroz 4 de 9

Críticas

Adélia resgata para a poesia os acontecimentos mais ínfimos, o corpo erotizado, a imagem de Deus humanizado, a mulher - seus afazeres e haveres. A transcendência está também

no modo como Adélia realiza uma estética em que se disseminam os resíduos da linguagem, os usos coloquiais da língua, os objetos e as expressões do universo kitsch, os seres e

os elementos naturais.

De onde vem a força desta poesia, que se constitui como um fio tenso entre o vazio e o pleno? Como pode ser construída

uma obra com o material que a língua esvaziou, que a ideologia

empobreceu, que a cultura refugou e que, ainda assim, surge com um acento forte no conjunto da produção poética das últimas décadas?

Bagagem - Adélia Prado

Vera Queiroz 5 de 9

Críticas

Como se faz uma poesia em que até mesmo os descuido formal, freqüente sobretudo nos poemas mais longos, acaba por ser parte da composição e a ela se integra naturalmente? A estas perguntas talvez venha em resposta o princípio de entrega e de verdade de que se compõe a poesia adeliana. Verdade não como certeza, mas como revelação de uma voz profundamente

enraizada no chão da província, compreendida como categoria

cosmogônica, força telúrica e mítica. Nesse sentido, sua poesia

resgata o conceito benjaminiano de experiência, ligada à

comunhão e à funda cumplicidade com o homem e com sua

existência concreta, tecida nas relações que os atos cotidianos geram.

Bagagem - Adélia Prado

Vera Queiroz 6 de 9

Críticas

Além dessa capacidade de criar com o comum, é possível observar-se também uma progressiva adesão à vertente religiosa que, presente desde "Bagagem", vem adquirindo maior relevância a partir de "O pelicano" e se transforma na dicção absoluta de "A faca no peito". A religiosidade, que banhava os objetos, os seres e os elementos do mundo natural, centra-se, nesse último

livro, na imagem de Deus/Jonathan. O sagrada deixa de ser o

foco iluminador do banal para tornar-se o eixo a partir de onde fala o sujeito lírico, assumindo-lhe a própria fala. É possível circunscrever o universo temático adeliano em, pelo

menos, cinco grandes eixos.

Bagagem - Adélia Prado

Vera Queiroz 7 de 9

Críticas

Um primeiro diz respeito à família literária com a qual sua poesia dialoga, em que se incluem aqueles autores e obras com que, explícita ou implicitamente, ela mais se identifica. Encontram-se aí a filiação a Guimarães Rosa, a Murilo Mendes, a Fernando Pessoa, a Castro Alves e, sobretudo, a Carlos Drummond de Andrade, a quem dois poemas

importantes são dedicados. Outro eixo que polariza esta obra

diz respeito à tematização da palavra poética, uma de suas

mais importantes vertentes. É aí que surge o aproveitamento

literário das formas de linguagem coloquial e popular, dos

resíduos de linguagem, no sentido de que esse material se constitui das expressões mais banalizadas, recuperadas pela poesia e revestidas de novas cargas de significação.

Bagagem - Adélia Prado

Vera Queiroz 8 de 9

Críticas

Um terceiro eixo organiza-se em torno do elemento "província", visto não apenas como lugar social e geográfico,

mas como universo cosmogônico, suporte das experiências

plasmadoras do seu fazer poético e metonímia do grande mundo. Outro eixo constitui-se nos temas recortados sob a égide

de Deus, do tempo e da memória realizam a síntese entre os

mitos de Deus e da poesia, esta última vista como a encarnação humana da palavra fundadora: a palavra divina. O poeta faz- se porta-voz e instrumento da criação, aproximando-se assim da

vertente romântica fundadora de nossa

literatura.

.

Bagagem - Adélia Prado

Vera Queiroz 9 de 9

Críticas

Por fim, a questão do feminino surge na poesia adeliana

no modo como ela dá a ler um conjunto de práticas

culturalmente marcado, de modo que o sujeito lírico ora com ele se identifica, ora dele se afasta, num movimento pendular entre

a tradição e a ruptura, o diálogo com os poetas masculinos e a

explicitação de sua diferença, de que o poema "Com licença poética", que abre "Bagagem", é exemplar.

Bagagem - Adélia Prado

Jaqueline Alice Cappellari 1 de 5

Críticas

Não sou matrona, mãe dos Gracos, Cornélia, sou mulher do povo, mãe de filhos, Adélia. Faço comida e como. Aos

domingos bato o osso no prato pra chamar cachorro e atiro os

restos. Quando dói, grito ai. quando é fico bruta, as sensibilidades sem governo. Mas tenho meus prantos, claridades atrás do meu estômago humilde e fortíssima voz pra cânticos de festa. Quando escrever o livro com o meu nome e o nome que eu vou pôr nele, vou com ele a uma igreja, a uma lápide, a um descampado, para chorar, chorar, e chorar, requintada e

esquisita como uma dama A autora inicia dizendo que é uma

mulher comum, do povo, mãe.

Bagagem - Adélia Prado

Jaqueline Alice Cappellari 2 de 5

Críticas

Desse modo, observa-se a rima provocada pelo contraste

dos nomes "Cornélia" e "Adélia", assim como o contraste de significado que esses dois nomes representam. Ela declara-se uma mulher simples por meio da enumeração de atos corriqueiros, banais, tais como fazer comida e bater o osso no prato pra chamar cachorro. No sexto verso, para que ocorra uma aproximação ainda maior com o coletivo, Adélia diz que

―quando dói‖ grita

―ai‖, pois

não

se trata

de

uma mulher

revolucionária, que reprime sua dor em busca de determinado ideal, mas sim uma mulher que constitui sua força com base na

sinceridade consigo mesma.

Bagagem - Adélia Prado

Jaqueline Alice Cappellari 3 de 5

Críticas

Sendo assim, suas sensibilidades não têm governo. Ela se

aceita tal como é, com seus momentos de dor e e de

irracionalidade. O eu-lírico continua sua apresentação e, no décimo segundo verso, notamos sua religiosidade, outra constante na obra de Adélia Prado, como se a poeta fosse um enviado de Deus que cumpre a sina escrevendo aquilo que sente. Sua poesia está tão ligada à religião que, quando escrever seu livro, irá a uma igreja, talvez para batizá-lo; a uma lápide, a

um descampado, talvez para agradecer. Então, nesse instante, a

sensibilidade da poeta virá à tona e ela irá chorar, transformando-se numa dama requintada, pois tem um livro

com seu nome; porém esquisita, já que é diferente, possui um

destino que sabe qual é.

Bagagem - Adélia Prado

Jaqueline Alice Cappellari 4 de 5

Críticas

Adélia é uma mulher do povo, e sua poesia não está vinculada nem possui fundo político, mesmo numa época em que

as feministas estavam em plena atividade com seus discursos de

emancipação. A apresentação pessoal, no poema "Grande desejo", coloca-se com clareza: não se trata de uma mulher

excepcional, revolucionária (leia-se, nem no nível ideológico,

nem no nível estético), como Cornélia, a mãe dos irmãos Tibério e Caio, que propuseram a primeira lei da reforma agrária em Roma, e que, por isso mesmo foram condenados à morte, sendo

valentemente defendidos pela mãe.

Bagagem - Adélia Prado

Jaqueline Alice Cappellari 5 de 5

Críticas

Identifica-se apenas como Adélia, mas é uma mulher que rima, uma mulher do povo, e mulher de forno e fogão, que cuida

de cachorro e grita quando algo lhe dói, mas tem a sensibilidade

para as coisas boas da vida. Ao mesmo tempo, desenha-se requintada e esquisita, isso depois que já tiver composto um livro com seu nome imagina-se, o próprio livro que o leitor tem naquele momento em mãos. Dessa maneira, vemos que a significação da mulher é uma das características fundamentais da obra de Adélia Prado.

Bagagem - Adélia Prado

Cristiana Facchinetti 1 de 8

Críticas

A poesia de Adélia Prado está justamente compreendida

naquilo que aponta para o impossível: o real. Tal modo associa-

se ao corpo erógeno, à carnalidade do desejo, que se apresenta como uma obra onde o campo da afetação e o da intensidade pulsional comparecem com sua força, onde pode irromper o novo

em sua brutalidade carnal e surpreendente.

É neste nicho que se abre, no esburacar-se das sedas, que se produz a obra de Adélia Prado. Longe de dissipar seu pulsar

erótico e erógeno num eterno mirar de seu próprio umbigo, ou de

controlar e acorrentar o mundo que o cerca, o poeta põe-se defronte ao mundo e é por ele atravessado.

Bagagem - Adélia Prado

Cristiana Facchinetti 2 de 8

Críticas

O poeta recusa a condição de gauche / coxo na vida. Sua delimitação crucial é muito mais sua condição de poeta e o fato de que tal condição particular lhe abre uma porta, um a-mais para uma nova possibilidade: a de ser desdobrável.

Tal sina dirige a poesia retroativa e paradoxalmente para a (re)inauguração do sujeito, constituído e constituinte da carne mesma: não é preciso esquivar-se do mundo e de suas impressões uma vez que a Coisa falta. Ao invés disso, trata-se de desejar e

de comungar sensorialmente com seus objetos. Tal comunhão, vale dizer, se faz através das "sensibilidades sem governo".

Bagagem - Adélia Prado

Cristiana Facchinetti 3 de 8

Críticas

Comungar com o mundo e com seus objetos é, antes de

tudo, admitir-se elo de uma cadeia onde o que realmente

importa é o desdobramento sensível dos corpos. E diante de tal insuficiência, ao poeta não é dado prescindir da poesia.

Ao contrário, justamente de suas faltas é que se instala a avidez do poeta. Dos seus limites e finitude mantém-se uma força que o põe em processo de criar um imaterial que, para sua perplexidade, está sempre em fase de advir. Assim, é a ausência

de conhecimento e saber que o impelem na construção sempre

nova de uma memória, de traços mnêmicos moventes, constitutivos e criadores do presente do poema.

Bagagem - Adélia Prado

Cristiana Facchinetti 4 de 8

Críticas

Na ausência do mundo organizado do simbólico, a vocação poética que lhe é possível diante de sua intensidade é a da exaltação da carne: a carne incorruptível. É justamente a poesia que permite à carne manter-se atada ao mundo e mesmo ressuscitar - "A poesia me salvará".

Mas se a poesia salva, isto não significa que através dela possa-se tapar o furo que nos leva ao desamparo. Estando atingido pela brutalidade das coisas, ao poeta não é dado proteger-se: o que seu deus lhe concede é não descansar e ser por tudo ferido de morte. Mas vale apontar que tal dor reflete-se em dádiva, em alegria de viver, em gozo do corpo e da alma.

Bagagem - Adélia Prado

Cristiana Facchinetti 5 de 8

Críticas

De fato, sua poesia mística, ao invés de colocar-se no

lugar da crítica e do abandono do mundo, ou mesmo de propor a salvação ou solução deste, aponta muito mais para a dispersão

no corpo.

Podemos dizer que o fundamento da poética adeliana é a adesão ao sensível, num ato carnal com aquilo que poderá tornar-se significante, mas que vem ao nosso encontro como percepção imagética que se marca na ausência de um nome e que passa a ter sentido ao ser nomeado.

Bagagem - Adélia Prado

Cristiana Facchinetti 6 de 8

Críticas

A poesia atinge seu ápice quando consegue ser a mais pura

manifestação do sensível uma vez que, de tudo o que pretendem explicar, analisar ou traduzir, "as palavras só contam o que se sabe". Deste modo, aquele que acha que diz está apenas repetindo. Na verdade, a palavra é disfarce de uma coisa mais grave, surda-muda, foi inventada para ser calada. Em momentos de graça, infreqüentíssimos, se poderá apanhá-la: um

peixe vivo com a mão. Puro susto e terror.

Em Adélia Prado, a descontinuidade detectada por Foucault a partir do século XVII entre palavra e coisa, parece

dissolvida . Aqui, a palavra é tratada ora como a Coisa - Quem entender a linguagem entende Deus cujo Filho é o Verbo. Morre quem entender.

Bagagem - Adélia Prado

Cristiana Facchinetti 7 de 8

Críticas

Ora como coisas do mundo, onde o que importa é a

sonoridade de que dispõem, a estrutura que criam, muito mais do que seu significado. Os fragmentos das conversas dispersas, estes também são poesia. A palavra mistura-se aos objetos do mundo, ela própria é objeto. O ato de escrever e fazer poesia estão então próximos à música que se desdobra nos ouvidos

Se quiser, ponho agora a ária na quarta corda,

para me sentir clemente apaziguada . A fala, nesta obra, comparece concretamente fazendo parte da vida. O mundo que a linguagem evoca existe como a própria linguagem, do mesmo

modo que corpo e alma não suportam divisão.

Bagagem - Adélia Prado

Cristiana Facchinetti 8 de 8

Críticas

Mais uma vez, a fratura sujeito-objeto na perspectiva da

linguagem e da dissolução mística parece elidida.

O eu-poeta e o mundo estão sempre prestes a nascer,

morrer e ressuscitar, seu corpo traz sempre uma ferida aberta para todas as materialidades que, como corpo estranho, marcam-nos de modo novo.

Em Adélia, o sujeito está sempre advindo, sendo aquilo que não pára de se inscrever no mundo por ele mesmo criado: um sujeito nada pragmático, útil, mítico, ideológico ou neo-liberal, mas uma eterna possibilidade de criação de um novo sujeito e de um novo mundo que inaugure uma singularidade capaz de parir novos reinos: afinal, se dor não é amargura, pode ser a travessia para um novo começo.

Bagagem - Adélia Prado

Questões de Vestibular

(Unioeste) Assinale a(s) alternativa(s) procedente(s) com

relação à(s) temática(s) abordada(s) por Adélia Prado em

Bagagem.

(01) A importância dada aos temas religiosos e a prática simultânea de todas as religiões encontra, em diferentes igrejas, enquanto

instituições, a força redentora da humanidade.

(02) A religião é uma constante em seus poemas, caracterizando-se como recuperação salvística do sagrado em contraste com as formas institucionalizadas.

(04)

Os

poemas

de

Adélia

Prado,

típicos

da

pós-modernidade,

caracterizam-se pela anulação e morte do sujeito.

(08)

A

memória

tem

o

poder

de

recuperar

a

imagem perdida,

construída e fixada através da linguagem poética.

(16) É notório o diálogo de Adélia Prado com a tradição poética, através de alusões a poetas como Castro Alves e Carlos Drummond de Andrade.

Bagagem - Adélia Prado

(Unioeste) Assinale a(s) alternativa(s) procedente(s) com

relação à(s) temática(s) abordada(s) por Adélia Prado em

Bagagem.

(32) A linguagem provinciana, o erotismo banalizado, a descrença no ser humano e o

engajamento político são temáticas recorrentes em Bagagem.

(64) A ruptura com o universo doméstico e o engajamento com as

causas feministas fazem da poética de Adélia Prado o protótipo da

perspectiva feminina do final do século XX.

Bagagem - Adélia Prado

(Unioeste) Tendo em vista a diversidade temática do livro

Bagagem, de Adélia Prado, assinale a(s) alternativa(s) procedente(s).

(01) Referências à Bíblia e aos rituais católicos, marcantes na poética

de Adélia Prado, revelam um eu-lírico que atribui à fé e à prática religiosa um valor fundamental.

(02) Em Bagagem, são constantes os temas radicalmente feministas e a negação dos traços culturais que atrelam a mulher ao cotidiano

doméstico.

(04) A negação dos prazeres do corpo, relacionados à idéia de pecado e de negação da fé, é uma das temáticas marcantes de Bagagem.

(08) Adélia Prado, ao se filiar à arcaica erudição literária, renega a cultura oral e os temas cotidianos que, a partir da Semana de Arte Moderna, se integraram à Literatura Brasileira.

(16) A saudade dos pais, a nostalgia de uma forma singela de vida e a consciência da passagem do tempo são temáticas recorrentes em

Bagagem.

Bagagem - Adélia Prado

(Unioeste) Tendo em vista a diversidade temática do livro

Bagagem, de Adélia Prado, assinale a(s) alternativa(s) procedente(s).

(32) De acordo com o eu-lírico, a monotonia da vida interiorana, a

impossibilidade de viver nas grandes cidades e de conhecer o mundo, limita a sensibilidade humana e inviabiliza a criação poética

(64) O eu-lírico assume sua condição feminina e “desdobrável”, mas também dialoga com a tradição literária, reverenciando, acima de tudo, Olavo Bilac, Coelho Neto e Rui Barbosa.

Bagagem - Adélia Prado

(UEM) Leia os textos a seguir e assinale o que for correto.

Quando nasci, um anjo torto Desses que vivem na sombra

Disse: vai Carlos! Ser "gauche" na vida. (Carlos Drummond de Andrade. In: Alguma poesia, 1964) Quando nasci um anjo esbelto

Desses que tocam trombeta, anunciou:

Vai carregar bandeira. Carga muito pesada pra mulher

Esta espécie ainda envergonhada.

(...) Vai ser cocho na vida é maldição pra homem.

Mulher é desdobrável. Eu sou. (Adélia Prado. In: Bagagem, 1986)

Bagagem - Adélia Prado

(UEM) Leia os textos a seguir e assinale o que for correto.

Quando nasci veio um anjo safado O chato dum querubim

E decretou que eu estava predestinado

A ser errado assim Já de saída a minha estrada entortou Mas vou até o fim. (Chico Buarque. In: Letra e música, 1989) Gauche: palavra de origem francesa que corresponde a "esquerda" em nosso idioma. Em sentido figurado, o

termo

pode

significar

"acanhado",

"inepto",

"desajustado".

Bagagem - Adélia Prado

(UEM) Leia os textos a seguir e assinale o que for correto.

01) Pode-se afirmar que o processo pelo qual a poesia se alimenta de temas já explorados em outros textos, procurando estabelecer um

diálogo entre diferentes visões de mundo, é denominado

"intertextualidade". Há, nesse processo, sempre um texto original que funciona como ponto de partida para a elaboração do que se poderia chamar de textos-produto ou intertextos. É o que acontece nos poemas cujos fragmentos reproduzimos acima: a temática abordada no texto

original de Drummond é desdobrada nos textos de Adélia Prado e de Chico Buarque.

02) Os textos derivados dos originais podem resultar em simples imitação, ou, por outro lado, podem pretender a paródia, a polêmica, chegando a

propor uma reavaliação do tema em questão a partir de um novo ponto

de vista, seja ele histórico, ideológico ou estético. Em relação aos intertextos construídos a partir do poema de Drummond, dos quais destacamos os fragmentos acima, pode-se afirmar que foram

construídos por reiteração de idéias, ou seja, as idéias que constituem o

poema original foram confirmadas e/ou repetidas nos poemas que dele derivam.

Bagagem - Adélia Prado

(UEM) Leia os textos a seguir e assinale o que for correto.

04) Apesar de a intertextualidade consistir em um recurso estético, de certo modo, bastante usado pelos poetas contemporâneos, a crítica, em geral, costuma reagir negativamente frente a esse tipo de produção literária. O principal argumento é que a mesma soa como falta de criatividade, incapacidade de o artista engendrar o novo, o original, o inusitado.

08) O fragmento do poema de Chico Buarque dialoga com o poema de

Drummond na medida em que reitera a idéia básica do mesmo. Ambos põem em cena um eu-lírico gauche, marcando seu desencontro, ou sua incompatibilidade, com o mundo. Esse "eu" deslocado vê o mundo por meio de uma perspectiva particular, diferente do modo como as pessoas comuns o vêem. O resultado é um tom que se não é de todo relacionado ao tom dos perdedores, beira o pessimismo, a tristeza, a desilusão, próprio de quem lamenta a incapacidade de se ajustar ao mundo.

Bagagem - Adélia Prado

(UEM) Leia os textos a seguir e assinale o que for correto.

16) O fragmento do poema de Drummond foi retirado do conhecido

"Poema de sete faces", composto de sete estrofes, aparentemente

desconexas entre si, que parecem apenas retratar flashes da realidade, mas que acabam por compor o perfil desajustado do poeta em relação

ao mundo. Trata-se de um texto bastante característico da vasta

produção literária desse grande poeta brasileiro, cujos temas abordados são igualmente vastos. Vão desde o"desajustamento do indivíduo com o mundo" (caso do poema em questão), passando pelo tema da "infância", da "monotonia", da "nostalgia do passado", da

"participação social e política", entre outros, até chegar ao tema da

"própria poesia".

32) O fragmento do poema de Adélia Prado dialoga com o poema de Drummond na medida em que contesta a idéia básica do mesmo: a de

o eu-lírico estar à margem da vida, ser um indivíduo deslocado,

desajustado, condenado a viver de forma "torta", assim como o anjo que lhe assiste o nascimento. Ao invés disso, a poetisa, trazendo à tona a problemática sociocultural da mulher, põe em cena um eu-lírico que não pode se dar ao luxo de aceitar os desígnios do "destino" de

marginalizado. Tem que "carregar bandeira", ou seja, reivindicar e

lutar por um modo de estar no mundo que lhe seja mais favorável.

Bagagem - Adélia Prado

Questões Discursivas

01- O que pode-se tirar de conclusões sobre a escrita de Adélia Prado?

02- O que pode-se fazer de ligação entre o feminismo de Adélia Prado

há 40 anos, quando escreveu seu livro, e atualmente? Muita coisa

mudou, ou continuam os antigos pensamentos de que mulher deve ser sempre submissa?

Bagagem - Adélia Prado

Créditos

Colégio Salesiano Itajaí Itajaí, Junho de 2007 Professora: Vânia Alunos: Camila Santiago Seidel Leticia Meneses

Wullian

Bagagem - Adélia Prado

Minat Terkait