Anda di halaman 1dari 9

EXEMPLO DE PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

Teoria e Método da Psicologia Social no Brasil: Avaliação dos Textos Publicados


pelas Revistas da ABRAPSO, SBPOT e SBPP
Odair Furtado

Nesta mesa iremos debater aspectos que definem a Psicologia Social no Brasil a partir
das nossas principais publicações neste campo. Trata-se de trabalho desenvolvido
durante a disciplina de Psicologia Social Contemporânea do Programa de Pós-
Graduação em Psicologia da UnB. Nosso objetivo foi identificar e analisar a produção
científica na área de Psicologia Social da revista Psicologia e Sociedade (ABRAPSO),
da revista Psicologia: Organização e Trabalho (SBPOT) e da revista Psicologia Política
(SBPP) desde o início de sua publicação. Estas revistas são as mais representativas da
Psicologia Social no Brasil e congregam nossos melhores e mais produtivos autores
científicos. Há que se considerar que já há número suficiente de números publicados
para que se tenha noção e possibilidade de um balanço que nos permita identificar as
tendências atuais, o estado da arte da Psicologia Social no Brasil. Utilizamos como
método a leitura sistemática dos artigos e sua categorização conforme a corrente teórica,
conforme o método adotado, conforme o tema abordado e conforme a bibliografia
utilizada. Com isso pudemos definir um quadro representativo da Psicologia Social
brasileira a partir de suas publicações. Ao mesmo tempo trata-se também de contribuir
com a história recente da Psicologia Social no Brasil, na medida que foi possível traçar
um panorama da Psicologia e Sociedade desde final dos anos 70 e a maneira como se
desenvolveu a Psicologia Social neste período a partir da publicações dos periódicos da
ABRAPSO.

Outros Autores:
Lucia Henriques Sallorenzo, Cynthia R. Corrêa Araujo Ciarallo e Elisabeth Zulmira
Rossi
EXEMPLO DE PESQUISA DOCUMENTAL

Trabalho Prisional e Reicidência Criminal


Gustavo Henrique Hoffmann

Esta pesquisa de iniciação cientifica foi propiciada pela prática de Extensão


Universitária da FURB, onde o contato com a realidade prisional de Blumenau colocou
como problema social e científico a criminalidade e a reincidência criminal. Desta
forma problematizou-se a seguinte questão: quais as relações entre reincidência criminal
e inserção social do egresso prisional no mercado de trabalho? Essas relações foram
possíveis de inferir a partir de uma análise documental das práticas sociais judiciárias
expressas pelos documentos jurídicos de 50 reincidentes criminais dispostos no Presídio
Regional de Blumenau em 2002. Os resultados foram analisados interpretativamente
através do marco teórico da criminologia crítica e de Foucault. A análise documental
apresentou duas instituições do aparelho judiciário, Presídio e Varas Criminais, que
relacionam inserção social do egresso prisional no mercado de trabalho e prática de
delitos geradora da reincidência criminal. Ambas instituições formatam complexos
jogos de poder-saber que engendram subjetividades distintas em seus interstícios. As
Varas Criminais encarregados do julgamento do sujeito jurídico, o infrator, apresentam
relações que auxiliam na condenação deste sujeito. O presídio, encarregado de penalizar
o infrator, cria em seu interstício o delinqüente, sujeito psicológico-ético do crime. As
relações estabelecidas pelo Presídio estão orientadas pelas prescrições legais da LEP e
para autoconservação institucional. A análise das práticas sociais judiciárias permite
inferir que existem complexos mecanismos de poder-saber que funcionam no interior
destas instituições onde nada entre reincidência criminal e inserção social do egresso no
mercado de trabalho são constituídas pelos fins de reinserção social ou ressocialização
do egresso prisional.

Outros Autores:
Márcia Cristina Gonçalves de Oliveira Frassão
EXEMPLO DE PESQUISA EXPERIMENTAL

O efeito da música na redução de ansiedade em pacientes submetidos a cateterismo


cardíaco
Danielle Misumi Watanabe

Ansiedade é uma resposta normal do ser humano frente ao desconhecido. Contudo,


quando exagerada pode levar à ocorrência de doenças, constituindo-se em um
importante alvo de cuidados. O cateterismo cardíaco, embora seja um exame, é um
procedimento médico invasivo que envolve sentimentos de incerteza, estresse, medo e
ansiedade. Estudos revelam que a música envolve uma resposta de relaxamento,
podendo ser um método de intervenção para redução da ansiedade. O objetivo desta
pesquisa foi avaliar os efeitos da música na redução dos níveis de ansiedade em
pacientes submetidos a cateterismo cardíaco pela primeira vez. O estudo foi realizado
no período de setembro a novembro de 2004. Participaram do protocolo 70 pacientes de
origem ambulatorial, independente do sexo, divididos em 2 grupos: um grupo controle
submetido ao procedimento da maneira convencional e um grupo intervenção
submetido ao procedimento com um fundo musical. Foi utilizado o Inventário de
Ansiedade Beck e um questionário de avaliação do procedimento aplicado no pré e pós
cateterismo imediato. Os resultados indicaram uma redução do nível de ansiedade de
antes para depois do procedimento em ambos os grupos, contudo, maior no grupo de
intervenção. Constatou-se também que os pacientes não eram tão ansiosos mesmo antes
do exame. Concluiu-se que a música se mostrou um bom método de intervenção, sendo
de fácil aplicabilidade, fácil aderência e boa tolerância. O efeito positivo constatado
reforça os resultados de pesquisas anteriores, porém este estudo traz a inovação do
momento em que o estímulo foi aplicado.

Outros Autores:
Cintia Emi Watanabe Bellkiss Wilma Romano
EXEMPLO DE PESQUISA EX POST FACTO

Diferenças individuais e comportamentos desviantes: Correlatos dos cinco grandes


fatores da personalidade e conduta anti-social e delitiva
Camila Paiva Saraiva

No Brasil, o aumento de comportamentos permeadores da delinqüência juvenil tem


aumentado diariamente. Dos distúrbios psiquiátricos as relações familiares buscam
explicações para esses atos. O modelo dos cinco grandes fatores da personalidade vem
sendo considerado adequado e com poder de síntese na predição do comportamento
humano (Buss, 1989). Ele não enfatiza questões patológicas, mas à díade genética/meio
ambiente, implicando sentenças representativas dos traços definidas como
características individuais consistentes do comportamento exibido pelo indivíduo em
diversas situações, tendo como fatores: extroversão (relacionados à atividade e energia),
neuroticismo (emoções estáveis com afetos negativos), abertura à mudança
(comportamentos abertos a novas experiências), agradabilidade (orientação pró-social,
altruísmos) e consciencioso (indivíduo consciente dos deveres). Tem-se como objetivo
avaliar a relação entre traços de personalidade e condutas anti-sociais e delitivas.
Método: 996 jovens, entre 11 e 22 anos, ambos os sexos, responderam a Escala de
condutas anti-sociais e delitivas e Inventário dos cinco grandes fatores da personalidade.
Na aplicação do instrumento utilizou-se um procedimento padrão e no SPSSWIN 11.0
computaram estatísticas descritivas e correlação de Pearson. Resultados: A
conscienciosidade e agradabilidade relacionou, inversamente, com conduta anti-social e
delitiva; a abertura a mudança a fez diretamente; extroversão relacionou apenas com as
condutas anti-sociais. Conclusão: Além de corroborar os estudos de Formiga e cols.
(2003; Romero e cols, 2001); as cinco dimensões são consistentes na explicação dos
comportamentos desviantes, permitindo compreender a proximidade entre
comportamento social e formação da personalidade, bem como, uma orientação do
tratamento clínico e programas sócio-educionais para reavaliação de informações na
díade ambiente-genética.

Outros Autores:
N. Formiga; N. L. P. Pequeno; A. K. C. P. Ribeiro; C. de F. Melo; E. C. Joca; R. Silva
Leal; E. S. O. Trigueiro; J. M. Lopes, L. da Costa Araújo.
EXEMPLO DE ESTUDO DE COORTE:

A Espada e a Crina; um estudo com famílias de crianças submetidas ao


transplante de medula óssea.
Ivete de Souza Yavo

Atualmente, no tratamento de várias doenças hematológicas, é crescente o número de


transplantes de medula óssea realizados com sucesso e, portanto, vem aumentando
também a sobrevida destes pacientes. Embora seja uma infusão geralmente indolor,
muito parecida com uma transfusão de sangue, todo o processo que envolve o
procedimento pode causar ansiedade e angústia. Além dos fatores orgânicos e
psicossociais envolvidos, a situação de diagnóstico e tratamento é algo impactante,
mobilizando a família a se reorganizar em função da criança em tratamento. O presente
estudo objetiva conhecer aspectos da dinâmica familiar, presentes nas diversas fases que
envolvem o transplante de medula óssea, bem como compreender como se deu esta
reorganização. Para tanto, foram realizadas sessões para entrevistas com três famílias
que tiveram filhos submetidos ao transplante de medula óssea, no período mínimo de
seis meses após o procedimento. Esta é uma pesquisa de caráter qualitativo, onde os
dados foram analisados partindo-se do referencial teórico psicanalítico. Nesta análise,
levou-se em consideração também as contribuições da Teoria da Família e,
particularmente, dos autores que tratam mais especificamente dos psicodinamismos do
grupo familiar. Os resultados sugerem que nos grupos familiares, em momentos como o
diagnóstico e tratamento de doenças consideradas graves, o que irá caracterizar um
melhor enfrentamento para a situação, são as formas encontradas pelo grupo para lidar
com os conflitos advindos deste momento. Eles estão diretamente relacionados com a
maneira pela qual foi constituída a família. Sendo assim, o presente estudo aponta para
a necessidade de se criarem novas formas de intervenções familiares nas diversas fases
que envolvem o transplante de medula óssea, salientando a importância de considerar as
especificidades de cada grupo familiar. Palavras-chave: Psicodinâmismo da família;
câncer - aspectos psicológicos; medula óssea - transplante.

Outros Autores:
Waideman, M.C.
EXEMPLO DE PESQUISA DE LEVANTAMENTO

Reações dos profissionais de saúde diante do risco de morte com crianças


Maria Dulce de França

A palavra morte traz consigo alguns atributos como dor, ruptura, interrupção e tristeza.
Numa posição antagônica, a morte coexiste com a vida, fato inegável, mas que não a
impede de ser angustiante, mesmo para profissionais de saúde, para os quais esse
fenômeno faz parte do cotidiano. Uma realidade constante na vida desses é a
confrontação regular com o processo de morrer, cuja relevância parece aumentar
quando se trata de crianças, sobretudo em Unidades de Terapia Intensiva em hospitais.
Caracterizar as reações dos profissionais de saúde diante do risco de morte em crianças
possibilitará um conhecimento que poderá instrumentar os processos de preparação de
profissionais para lidar com esse fenômeno. Os sujeitos observados foram profissionais
de saúde que trabalham em uma UTI Pediátrica de um hospital beneficente infantil,
localizado no Planalto Serrano de Santa Catarina. O instrumento de coleta de dados foi
um roteiro de entrevista. As reações dos profissionais de saúde diante do risco de morte
em crianças foram objetos de investigação. Profissionais revelam necessidade de
treinamento para lidar com o risco de morte e com suas decorrências. Há diferenças nas
reações e preocupações dos funcionários em função das respectivas formações
profissionais. Parece haver um deslocamento da atenção sobre a criança para outras
circunstâncias que trazem desconforto para os profissionais. Os dados possibilitam uma
conclusão sobre a necessidade de reestruturar a formação e o processo de trabalho em
relação a uma melhor capacitação para lidar com múltiplas exigências humanas diante
do risco de morte de crianças em uma UTI.

Outros Autores:
Silvio Paulo Botomé
EXEMPLO DE PESQUISA DE ESTUDO DE CAMPO

UM ESTUDO SOBRE PRÁTICAS DESENVOLVIDAS COM UM GRUPO DE


TERCEIRA IDADE
Rodrigo dos Santos Scarabelli

O programa Universidade Aberta à Terceira Idade da Universidade Federal do Espírito


Santo (UNATI/UFES) pretende criar um espaço onde sejam valorizadas vivências e
saberes dos idosos, promovendo efetiva relação de trocas de experiência entre todos os
envolvidos e com enfoque interdisciplinar. Desafia-se, pois, práticas sócio-
historicamente constituídas, pautadas na desvalorização do cotidiano popular, relação
professor-aluno (saber/não-saber) e em especialismos. Assim, investigou-se se práticas
e discursos produzidos nos encontros com os idosos relacionavam-se com as diretrizes
ético-estético-políticas da UNATI/UFES. A pesquisa transcorreu em um módulo da
UNATI, composto por encontros semanais, onde participavam 29 idosos, dois
estagiários de Serviço Social e um médico (coordenador). Realizou-se observação
sistemática de oito encontros e a dinâmica de funcionamento do trabalho e práticas mais
relevantes quanto ao objetivo da observação foram anotados em diário de campo e
analisados, a partir da perspectiva da Análise Institucional. Os dados indicam
predominância indiscutível de atravessamento das práticas hegemônicas, evidenciado
pelas categorias emergidas: especialismo (exemplo: vocabulário pouco acessível aos
participantes, divisão técnica e social do trabalho entre eles); educação tradicional (ex.:
idosos silenciosos ouvindo palestrantes, repreensão explícita ou velada a quem os
questionasse); saberes seqüestrados (ex.: negação das próprias experiências e
conhecimentos, depositando-os nos especialistas). Movimentos instituintes que
problematizassem tal produção compareceram, porém tênues e não valorizados,
compondo uma dinâmica de trabalho que vai de encontro à proposta do programa.
Reitera-se a importância de analisar, para além dos discursos formais, práticas
cotidianas em suas múltiplas e sutis manifestações, reveladoras do jogo de forças
(instituintes e instituídas) em cena.

Outros Autores:
Aracely Xavier (graduanda da UFES) Rodrigo dos Santos Scarabelli (graduando da
UFES) Flaviane Cristina de Oliveira Ferreira (graduada pela UFES) Ce
EXEMPLO DE PESQUISA DE ESTUDO DE CASO

Resiliência e Alcoolismo: um estudo de caso sobre os fatores de resiliência do


dependente químico presentes no processo de recuperação.
Marilza Terezinha Soares de Souza

Esta é uma pesquisa de natureza qualitativa que tem como objetivo compreender os
fatores e recursos de resiliência presentes na recuperação de alcoolistas. O conceito de
resiliência é definido aqui como o processo de superação das adversidades, diante de
circunstâncias e fatores de risco aos quais as pessoas são expostas, desenvolvendo
crenças e comportamentos transformadores frente a estas situações. A partir do aumento
da demanda e estudos envolvendo dependência química e suas conseqüências, podemos
perceber que o dependente que se recupera é pouco estudado e investigado nas
pesquisas, bem como qual o papel dos fatores de risco e resiliência neste processo
complexo. Como delineamento, foi utilizado um estudo de caso realizado a partir de
uma entrevista semi-estruturada. Os resultados apresentam alguns fatores significativos
no favorecimento da recuperação do alcoolista, tais como: o apoio da rede social,
informação, conscientização da doença e acompanhamento em grupos de auto-ajuda,
destacando-se a ambivalência em alguns aspectos em relação à família e aos sintomas
físicos atuando como fatores de risco e protetores em diferentes momentos. Quanto à
seqüência de recursos utilizados, inicialmente houve o apoio da rede social partindo da
empresa onde o participante trabalhava, a rede médica, e por fim o grupo de auto-ajuda,
auxiliando na manutenção da abstinência.

Outros Autores:
Maria Teresa Squarcini
EXEMPLO DE PESQUISA PARTICIPANTE

PROJETO DE CAPACITAÇÃO DE LIDERANÇAS COMUNITÁRIAS -


AGRICULTURA URBANA: UM DIAGNÓSTICO INSTITUCIONAL
Marta Cristina Meirelles Ortiz

O Projeto de Capacitação de Lideranças Comunitárias – Agricultura Urbana,


desenvolvido através de parceria entre a Universidade São Francisco e a Subprefeitura
da Mooca, envolve 20 membros de 12 famílias que trabalham no Núcleo de Agricultura
Urbana da Mooca. Entre esses, ex-moradores de rua assistidos pela Comunidade São
Martinho e mães de jovens e crianças assistidos pelo Centro de Defesa dos Direitos da
Criança e do Adolescente do Belém. Durante todo o segundo semestre de 2004, foi
realizado um Diagnóstico Institucional, atividade em que estiveram envolvidas 11
alunas do 4o. e do 5o. ano da Faculdade de Psicologia da USF, com o objetivo de
detectar vetores psicossociais que contribuiriam para a constituição de certos modos de
subjetivação nas relações grupais. O trabalho foi desenvolvido através de observação
participante das atividades do grupo nas reuniões para planejamento ocorridas no
campus da USF-Pari e durante as atividades da horta comunitária. Posteriormente, foi
feito um levantamento de historias de vida de alguns membros-chave do grupo e, como
fechamento, foi realizado um workshop com os participantes da horta, no qual aspectos
do relacionamento grupal foram trabalhados. Entre os elementos psicossociais
diagnosticados nesse trabalho, destacam-se conflitos ligados à própria constituição
heterogênea do grupo, assim como diferentes expectativas dos membros em relação à
continuidade do Projeto de Agricultura Urbana: projeto de vida ou meio de obtenção de
assistência imediata. A perspectiva de mudança política causada pela proximidade das
eleições parece ter contribuído para o agravamento das incertezas quanto ao futuro do
projeto.

Outros Autores:
Profa. Dra. Rita Aparecida Romaro (Coordenadora da Faculdade de Psicologia da USF)