Anda di halaman 1dari 5

Revista de divulgação Vol. 2 n. 7 - out./dez.

/2004
técnico-científica do ICPG ISSN 1807-2836 89

A ÉTICA COMO PRINCÍPIO


DA PRÁTICA PEDAGÓGICA
Sandra Pereira
Eduardo José Legal
Curso de Especialização em Psicopedagogia

Resumo

A educação e a ética caminham juntas na formação de seres humanos livres, responsáveis, fraternos, solidários, em suas inter-
relações mútuas e com a natureza. Assim como a educação formal, o comportamento ético também se constrói concomitantemente
com o desenvolvimento intelectual da humanidade no seu processo de busca do conhecimento. A educação (formal ou não) é o
meio de construção e reconstrução de valores e normas. A ética é fundamental nas relações de aprendizagem, pois, sendo uma
conduta que permeia esses processos, à medida que o aprendente desenvolve conhecimento, aprende as regras e normas implícitas
nele. Este artigo tenta contribuir para a reflexão social e pedagógica sobre os princípios éticos de vida e sua importância na
formação do sujeito.

1. INTRODUÇÃO podem ser exploradas como oportunidades para debater os


interesses em jogo; em Português, os modos culto ou popular de
falar nossa língua, assim como os vários sotaques, podem servir
A conduta ética é uma conseqüência de um pensamento
de ponte para a discussão das diferenças culturais e regionais;
ético e isso implica considerar o bem-estar das outras pessoas,
em Ciências, as questões ambientais, os cuidados com a saúde,
começando pelas mais próximas com as quais convivemos em
etc.
nosso dia-a-dia. Agir eticamente é perceber que somos membros
de uma comunidade, e não indivíduos isolados. O presente artigo foi articulado em seis etapas. A primeira
Assim como uma estrela não brilha se não houver aurora, assim traz o entendimento sobre ética e moral enquanto palavra
também uma ética não emerge se não houver previamente uma propriamente dita: Moral versus Lei e ética, em uma reflexão sobre
ambiência que permite sua formulação. O ethos assume então seu a ação humana; uma síntese de idéias éticas numa visão dos
caráter originário de habitat humano, aquela parte do mundo que grandes pensadores. A segunda etapa discorre sobre a
foi domesticada, amada, originada para ser a casa do ser humano,
onde reencontra um útero protetor. Essa ambiência é formada importância do comportamento ético na sociedade e sua relação
pela ternura e pelo cuidado (BOFF, 2000, p.117). com as representações culturais. A terceira etapa apresenta a
educação como o ato mediador e propiciador dos valores humanos
Vivemos em um contexto pluralista. Há uma diversidade
e humanizadores e o professor como agente desse processo. A
étnica e cultural bastante conhecida em nosso país. Neste
quarta etapa discute a importância do comportamento ético do
contexto, a escola é, também, um lugar para o diálogo, construção
educador na escola e na sociedade, ou seja, do modelo
com o diferente (opostos), de aprendizagem sobre a convivência
educacional. A quinta etapa reflete sobre a importância da escola
humana, do respeito. É um local rico em oportunidades para que
no processo do desenvolvimento ético e moral dos aprendentes,
os educandos trilhem o caminho da ética e da moral respeitando
possibilitando a formação de seres humanos mais críticos. Por
essa diversidade cultural.
fim, nas considerações finais, apresentamos sugestões sobre a
Nossa postura como educadores deve se pautar em uma postura que deve tomar o educador, trabalhando os valores éticos
consciência ética que se transmita por meio do nosso fazer e morais na sua pluralidade cultural.
profissional. Sabendo que a conduta ética se constrói durante as
relações com seus pares, família e instituições, torna-se
imprescindível que o trabalho do educador seja guiado pelos 2. ÉTICA E MORAL: DISTINÇÕES NECESSÁRIAS
preceitos éticos.
A escola é o primeiro espaço público que a criança vivencia Definir e compreender o que é ética se apresentam como
e cuja organização é distinta da família. Novas experiências sociais um desafio que acompanha a humanidade desde que surgiu a
colaboram para a construção moral. Neste sentido, a escola preocupação com o bem-estar e a sobrevivência dos grupos
também participa, e a família não é a única responsável pela organizados que ocupavam o planeta (SANTOS, 2001).
educação moral e ética das crianças e adolescentes. Ética é tema de estudo e trabalho dos pesquisadores e
Todos nós queremos que nossas vidas sejam dignas e estudiosos das relações e da organização humana no que se
respeitadas. A lógica da transversalidade permite que questões refere à manutenção e propagação da vida. Trata-se de um
éticas sejam abordadas pelos educadores com a colaboração das conhecimento que perpassa todas as ações humanas e que
várias áreas do desenvolvimento do conhecimento. Todas as interfere diretamente no futuro do nosso planeta.
disciplinas escolares, em seus conteúdos, podem possibilitar a A definição grega da palavra ética encontra-se em ethos,
reflexão mediadora à luz de diferentes pontos de vista (situações, que quer dizer costume, disposição, hábito, e no latim, mos
conflitos, negociações, etc.). Em História, por exemplo, as guerras (moris), significando vontade, costume, uso, regra, teoria da
Vol. 2 n. 7 - out.-dez./2004 Revista de divulgação
90 ISSN 1807-2836 técnico-científica do ICPG

natureza do bem e como ele pode ser alcançado. “A ética é a para a realização dos indivíduos; piores são aquelas menos
teoria ou a ciência do comportamento moral dos homens em eficazes ou eventualmente ruinosas para a realização ou bem do
sociedade, ou seja, é ciência de uma forma específica de homem.
comportamento humano” (VASQUEZ, 2000, p.23). Moral é um conjunto de hábitos e costumes efetivamente
A ética vai além da obediência às regras e normas sociais. vivenciados por um grupo humano, ou seja, por uma sociedade.
Atua no campo dos conflitos das relações humanas. Não Nas culturas dos grupos humanos, estão presentes hábitos e
soluciona questões polêmicas, mas seu objetivo é justamente costumes considerados válidos porque são bons; bons porque
investigar, procurar a reflexão. A ética pressupõe uma busca são justos; justos porque contribuem para a realização dos
racional de como as pessoas devem viver para ter uma vida boa. indivíduos. Atos gerados conforme esses hábitos serão julgados
(SANTOS. 2001) morais ou moralmente bons.
O ser humano, de natureza organizativa, está em busca Por outro lado, há hábitos e costumes considerados
permanente de satisfação, prazer e bem-estar. Insatisfeito com as inválidos porque maus; maus porque injustos; injustos porque
limitações impostas pela vida, norteada pelas características atrapalham ou impedem a realização dos indivíduos. Esses atos
ambientais e por sua própria forma de encarar e lidar com os gerados conforme esses hábitos serão julgados como imorais ou
desafios com os quais se defronta a cada dia, o homem constrói, moralmente maus. Injustos porque atrapalham ou impedem a
de forma ininterrupta e inacabada, uma sabedoria. realização dos membros. Esta lógica vai estabelecer os padrões
Todas as organizações humanas têm suas leis que se para a prática dos costumes e hábitos e o próprio grupo.
norteiam também pelo ethos, como uma forma de vida melhor Embora “moral” e “ética” sejam, na base, sinônimas, é
para elas. Boff (2000), ao definir ética, insiste ser necessário que possível aproveitar a existência de duas palavras para atribuir
os humanos se voltem ao sentido originário da ética e da significados diferentes, mas sempre complementares às duas
moralidade. palavras. Segundo Taille (2001, p.68), “[...] pode-se chamar de
A ética pertence à natureza humana, presente em cada moral as diversas regras e valores dos homens e de ética o estudo
pessoa, enquanto a moral são as distintas formas de expressão destas regras e valores [...]”. A moral refere-se às leis que
cultural e histórica da forma como viabilizam a proposta da ética. normatizam as condutas humanas, e a ética corresponde aos ideais
que dão sentido à vida.
A ética existe prioritariamente no singular, uma vez que
pertence à natureza humana, presente diferentemente em cada
pessoa. Assim, a ética é diferente para cada um e é dependente 2.1. LEI X MORAL E ÉTICA
do local onde ocorre. Fazer o bem implica, necessariamente, como
e para quem. A moral, então, determina o modo como a ética deve
Moral é um conjunto de hábitos e costumes efetivamente
ser exercida e com quem.
vivenciados por um grupo humano. São considerados válidos
VASQUEZ (2000, p.21) aponta que porque são bons e justos, pois contribuem para a realização dos
[...] a ética é teoria, investigação ou explicação de um tipo de membros do grupo. Os hábitos e costumes inválidos são aqueles
experiência humana ou forma de comportamento dos homens, o maus.
da moral, considerado, porém, na sua totalidade, diversidade e
variedade. Ela se ocupa de um objeto próprio: o setor da realidade A moral é cumprida por meio das leis, que são acordos de
humana que chamamos moral, constituído por um tipo peculiar de caráter obrigatório para garantir justiça e direitos mínimos do ser.
fatos ou atos humanos. Portanto, as leis e a moral possuem semelhanças como
A ética não cria a moral, mas se depara com uma série de instrumentos de justiça humana, originando-se das necessidades
práticas morais já em vigor; ela é referência para que a escolha do humanas, partindo de sua história, do seu jeito de organizar-se e
sujeito seja aceita como um princípio geral que respeite e proteja conviver. Enfim, ambas podem ser questionadas quando não
o ser humano no mundo. conseguem promover a paz e o bem comum (SANTOS, 2001).
A ética tem a moral como base de estudo, analisa as opções Existem, também, diferenças entre a moral e a lei. A moral é
que os seres humanos fazem, verifica se essas estão de acordo um instrumento informal que apresenta possibilidades de
com os padrões sociais ou com aquilo que se considera a melhor variações conforme o grupo, indicada como conteúdo bom ou
forma de agir coletivamente. mau que pode ser escolhido pelo grupo. Quando é rejeitada por
Por meio da ética, podemos nos perguntar criticamente um membro, provoca a rejeição do grupo pelo transgressor. Já a
sobre a consistência e coerência dos valores que norteiam suas lei é um instrumento formal, escrito e promulgado, que também se
ações e busquem sua fundamentação para que elas tenham apresenta como sistema jurídico único para o grupo. A lei é
significado autêntico em suas relações sociais. passível, apenas, de interpretações variáveis e, ao ser
transgredida, impõe penalidades. É, portanto, obrigatória.
A ética está sempre ancorada à qualidade de vida, não
simplesmente com a vida. Ética está ligada à forma de vida e a Ética é a reflexão sobre a ação humana. Ela não impõe
comportamentos humanos que garantem uma qualidade de vida moral e lei, mas propõe caminhos possíveis para o
melhor, que tem a ver com a proteção, com a provisão e com a aperfeiçoamento de ambas. Como salienta Vasquez (2000), por
segurança. causa de seu caráter prático, enquanto disciplina teórica, tentou-
se ver na ética uma disciplina normativa cuja função principal
Ao conjunto escolhido e organizado de problemas,
seria a de indicar o comportamento melhor do ponto de vista
soluções e respostas que a humanidade gerou para si dá-se o
moral.
nome de cultura humana. Entre as várias possibilidades de
atividades, há aquelas julgadas melhores e aquelas julgadas A caracterização da ética como disciplina normativa pode
piores. As melhores são aquelas indicadas como mais eficazes levar – e, no passado, freqüentemente a levou – a esquecer seu
Revista de divulgação Vol. 2 n. 7 - out./dez./2004
técnico-científica do ICPG ISSN 1807-2836 91

caráter propriamente teórico. Certamente, muitas éticas sobre ela como um todo. As conquistas de uma sociedade
tradicionais partem da idéia do que devem fazer, ditando normas secularizada, pluralista e voltada ao enriquecimento próprio fizeram
ou princípios pelos quais pautam determinados comportamentos. o ser humano dar mais valores aos bens materiais do que ao valor
O ético transforma-se, assim, em uma espécie de legislador pessoal e à vivência comunitária dos valores. Lembrando que
de comportamento moral dos indivíduos e da comunidade. Mas ética deve estar presente na família e na escola, como no conjunto
a função da ética é a de teoria: explicar, esclarecer ou investigar da sociedade, pais e educadores devem assumir os princípios
uma determinada realidade, elaborando os conceitos fundamentais da pedagogia ética.
correspondentes. É neste momento que devemos refletir sobre a ética e a
educação. Uma grande dificuldade encontrada pelos educadores
é desenvolver um raciocínio moral e ético bem fundamentado,
2.2. IMPORTÂNCIA DO COMPORTAMENTO
sem violar a liberdade e frustrar as aspirações dos educandos.
ÉTICO NA SOCIEDADE Desde que se entenda por educação o conjunto das ações visando a
permitir e facilitar ao educando o harmonioso e pleno auto
desenvolvimento de si mesmo, tanto no campo da convivência
Visto que todo ser humano é um animal social dentro de como na construção do conhecimento, no equilíbrio dos sentimentos
muitos sistemas, a ética aparece como a ciência da conduta ideal e nas habilidades indispensáveis ao provimento e satisfação de suas
dentro de uma comunidade. Seria incabível pensá-la para necessidades e da comunidade em que vive, não é difícil compreender
indivíduos isolados, pois a ética é gerada a partir da convivência que a educação envolve a totalidade do ser humano e se estende a
todas as facetas do seu agir (CATÃO, 1997, p.120).
com outros seres humanos. No meio social, tudo quanto o
indivíduo faz projeta conseqüências que afetam a vida de outras Observar a complexidade do ser humano é deixar
pessoas. perigosamente ocultos alguns aspectos integrantes do seu agir,
A existência do espaço social e do espaço individual é restringindo a educação a determinados setores da vida humana,
inegável. Indivíduos existem em grupos, como um no grupo, ou omitindo a relação com o outro ou, mesmo, negando-os.
seja, é a célula mater geradora da sociedade e a gera para seu A educação anteriormente mencionada seria defeituosa,
serviço. As instituições, formas organizadas das práticas sociais aleijada, pois estaria se concentrando somente no ensino teórico,
consideradas válidas por suprirem bem as necessidades na transmissão de conceitos e informações abstratas,
individuais, são necessárias enquanto mecanismos do contrato desprezando o lado psíquico-afetivo do educando e a sua
de convivência. sociabilidade. Portanto, essa escola seria, simplesmente, uma
Para Aristóteles, as virtudes humanas eram funções que agência de mão-de-obra em função do mercado de trabalho. O
o indivíduo deveria esforçar-se em seu favor, no desenvolvimento processo mais indicado seria permitir aos nossos alunos a
pessoal, ou seja, fazer de si mesmo um elemento singular dentro autonomia intelectual, ou seja, oportunizar que eles pensem
de uma sociedade (SANTOS, 2001). Porém, a função ocupada criticamente sobre determinada situação, ao contrário de
pelo indivíduo deve existir a fim de melhorar a sua comunidade, sobrecarregá-los com informações.
pois aquele que se desenvolve bem e serve ao próximo é Segundo Santos (2001, p.23), “O currículo que proporciona
considerado um ser humano virtuoso. autonomia intelectual é amplo, isto é, lida com a dimensão humana
A ética social se faz necessária neste novo milênio como global, informando amplamente e incentivando a investigação
uma prática social participativa, mesmo que seja, inicialmente, em dos sujeitos a respeito de suas necessidades biológicas, sociais
pequena escala, mesmo dentro das casas dos indivíduos. Ela é o e transcendentais em pé de igualdade [...]”
objeto da reflexão ética porque permite questões de valores e os A relação íntima entre a educação e a ética é que ambas
interesses que sustentam as formas de atuação social, por meio têm sua raiz no agir humano: “[...] educar é mais do que submeter
do ensino da cidadania, e dimensiona os limites a serem às leis ou usufruir os próprios direitos, pois tanto a aquisição de
implantados ou ampliados. conhecimento como a submissão às leis ou a reivindicação dos
A troca entre os membros do grupo sugere uma direitos deixam de ser humanizantes quando desvinculados da
aprendizagem significativa e, ao mesmo tempo, cria possibilidade prática ética” (CATÃO, 1997, p.131).
de lidar com muitas verdades, ensinando o indivíduo a conviver Trabalhar com ética não é simplesmente colocá-la no
com o diferente. currículo escolar, como uma disciplina a mais, nem mesmo propor
O convívio social amplia as possibilidades iniciais e apresenta maior ênfase em outras disciplinas. A ética deve estar presente
formas distintas de proceder no âmbito público, promovendo em todo o processo educacional, pautando-o e ajudando a
transformações efetivas nas atitudes e procedimentos, decorrentes desenvolver as ações humanas.
também na resignificação de valores. Promover espaços
participativos faz parte de uma atuação social comprometida com A sala de aula é um espaço muito rico em informações,
os princípios de liberdade, na pluralidade, e da colaboração. Tal conhecimentos. É um momento privilegiado de assimilação,
compromisso traz implícita uma prática social empenhada com críticas e aprimoramento. Santos (2001) salienta que assimilar é
intervenções na realidade, capazes de provocar transformações
nos modos de agir e pensar de um grupo social ou indivíduos que
apropriar-se das informações disponíveis no meio cultural,
estejam expostos a um processo de formação intencional e construí-las para si. Criticar é julgá-las se importantes, valiosas,
deliberado. (NUNES; SCLIAR, 1998, p.4). necessárias, para si. Aprimorar é propor mudanças ou inovações
otimizadoras para a informação assimilada e criticada (SANTOS
2001).
2.3. ÉTICA E EDUCAÇÃO
Professores e alunos são elementos únicos do processo
mencionado por Santos. Portanto, devem assimilar, criticar e se
A questão ética é universal e há necessidade de refletir apropriar juntos. O professor é o maior interessado em propiciar
Vol. 2 n. 7 - out.-dez./2004 Revista de divulgação
92 ISSN 1807-2836 técnico-científica do ICPG

esse momento, pois é ele que inicia esse processo, não e solidariedade sejam vivificados e compreendidos pelos
esquecendo, também, que é o principal exemplo para o educando. educadores como aliados à perspectiva de uma “vida boa”. Dessa
forma, não só os alunos perceberão que esses valores e as regras
decorrentes são coerentes com seus projetos de felicidade, como
2.4. A POSTURA ÉTICA DO EDUCADOR
serão integrados às suas personalidades (SANTOS, 2001).
Outro dado importante refere-se ao fato de que não basta
O que significa, hoje, ser educador em nossa sociedade ensinar conceitos e valores democratizantes. É preciso que eles
brasileira? O que é necessário para o educador cumprir a sua sejam “vivificados” no convívio intra-escolar, entre os pares da
postura ética de educador? O que compete ao educador na ação escolar, especialmente entre professores e alunos. É esse,
construção de nossa sociedade? Para responder a todos esses no nosso entender, o grande diferencial, ou ponto de partida,
questionamentos, faz-se necessário levar em consideração as para uma discussão abrangente sobre a ética no terreno escolar.
instituições onde se desenvolve a prática educativa.
Construir o pensamento ético e moral no aluno não é algo
A escola é uma instituição social que deve (pelo menos visível nem imediato; esses valores se constroem no convívio
idealmente) transmitir o conhecimento sistematizado, ampliar a com o outro, nas ações do dia-a-dia. Além de dedicar a atenção a
visão dos valores e da cultura como é entendida por meio do determinados valores, o educador deve assumir o compromisso
desenvolvimento de uma postura crítica. Essa postura crítica, com a sua ação pedagógica. É de grande importância que o
por sua vez, intervém na realidade dos seres humanos educador planeje atividades específicas para reflexão dos alunos
transformando-a e transformando-os. sobre o comportamento humano, oportunizando, assim, que cada
A escola não é uma instituição abstrata.Tem suas um se analise, se expresse e traga, para discussão em sala,
características específicas e cumpre uma função determinada à exemplos de situações sem apontar o defeito de outro.
medida que está presente e é constituinte de uma sociedade que Educação é a forma que as pessoas encontram para
se organiza e que a organiza também. É nesse espaço que o significar o seu mundo, entendê-lo e adaptar-se a ele ou, então,
educador exerce sua profissão. A idéia de profissão nos remete à transformá-lo. Ahlert (1999, p .154) salienta que,
de ofício, guardando o sentido de dever, de obrigação. E o [...] através de um processo de interação entre educadores e
exercício relaciona-se à idéia de atividade, de trabalho. O educador, educandos, reproduz-se o modo de ser e a concepção de mundo que
enquanto profissional, trabalhador de uma determinada sociedade, esses povos foram construindo ao longo de sua história. Nesse
tem que desenvolver sua profissão com a obrigação de sério processo acontece a construção dos nossos novos conhecimentos,
compromisso e responsabilidade. técnicas e formas para a reprodução da vida

Arroyo (2000) mostra-nos que ser mestre é um modo de É nessa criação e recriação de conhecimentos, em práticas
ser e um dever-ser. Ser pedagogo de nós mesmos. Ter cuidado cada vez mais diferentes, no sentido de mais diálogos, dinâmicas
com nosso próprio percurso humano para, assim, podermos e participação, que vamos preparando novas gerações,
acompanhar o percurso das crianças, adolescentes e jovens. É preparando novas sociedades, transmitindo culturas e formas de
uma conversa permanente com nós mesmos sobre a formação. trabalho, assim socializando processos produtivos.
O educador tem a função de criar condições para que o O ser humano, enquanto ser histórico, se constrói na
educando aprenda sozinho. Assim sendo, o educador deve relação entre a herança sistêmica dos mecanismos que dão
conhecer muito bem o assunto que está ensinando. Um fraco funcionalidade às sociedades e as culturas, compreendida como
domínio do conteúdo resulta um ensino deficiente. Ensinar de um reservatório simbólico construído pelas gerações passadas.
fato não é passar conhecimento, mas estimular o educando a Uma educação ética tem o desafio de refletir criticamente
buscá-lo. A tarefa do educador é despertar a mente do educando, sobre as moralidades. Seu papel emerge no mundo da prática,
é estimular idéias por meio do exemplo, da simpatia pessoal e de nas interações sociais.
todos os meios que puder utilizar para isso; é fornecer aos A ética e a moral na educação de nossos alunos
educandos lições objetivas para os sentidos e fatos para a possibilitam a formação de um ser humano mais flexível. Um ser
inteligência. humano capaz de começar por uma profissão e adaptar-se a outra,
Educadores que vão para a sala de aula totalmente com competência de aprendizagem permanente, interagindo com
despreparados ou preparados em parte são como mensageiros a realidade, tornando-se um ser humano criativo capaz de construir
sem mensagem. Faltam-lhes a energia e o entusiasmo necessários opções infinitas para uma cidadania globalizada.
para produzirem os resultados que os alunos devem esperar de O objetivo ético é que os indivíduos possam realizar um
seu trabalho. desenvolvimento sustentável que satisfaça às necessidades das
gerações presentes sem sacrificar as gerações futuras; que
2.5. A ESCOLA NO PROCESSO DO promova qualidade de vida sem comprometer a sustentabilidade
dos ecossistemas; que estimule a vida comunitária e a cidadania;
DESENVOLVIMENTO ÉTICO E MORAL
que efetive o direito inalienável das crianças. Para isso, a educação
precisa garantir um processo alfabetizador que capacite para a
A necessidade de elaborar uma ética a partir do sujeito lectoescritura (leitura e escrita) e para uma alfabetização
não tem a pretensão de modelar o educando, e sim de fornecer sociocultural (para viver em comunidade).
elementos para que ele mesmo encontre o caminho da convivência A educação deve se agregar aos quatro pilares da
na liberdade. educação: aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver
O trabalho de ensino e o convívio dentro da escola devem juntos e aprender a ser. Ahlert (1999) comenta que uma educação
ser organizados de maneira que os conceitos de justiça, respeito com fins éticos constrói conhecimentos preocupados com a
Revista de divulgação Vol. 2 n. 7 - out./dez./2004
técnico-científica do ICPG ISSN 1807-2836 93

humanização e a realidade da vida, elimina o individualismo e o servir como exemplo de postura ética.
egoísmo da moral liberal e estimula a cooperação e solidariedade
das novas gerações.
4. REFERÊNCIAS

3. CONSIDERAÇÕES FINAIS
AHLERT, Alvori. A eticidade da educação: o discurso de uma
práxis solidária/universal. Ijuí: Coleção Fronteiras da
Vivemos momentos de conflitos familiares, guerras, Educação,1999.
incompreensões, egoísmo e tantas diferenças sociais, culturais, ARROYO, Miguel. Ofício de Mestre. 2. ed. Petrópolis: Vozes,
religiosas, políticas e econômicas que nada mais justo do que 2000.
repensar a ética contemporânea. A escola é um espaço que
BOFF, Leonardo. Ethos mundial: um consenso mínimo entre os
propicia as relações humanas, permite que as crianças e os
humanos. Brasília: Letraviva, 2000.
adolescentes possam conviver com as diferenças, aprender a
respeitar os companheiros, compartilhar, aceitar perdas e como CATÃO, Francisco. A pedagogia ética. Petrópolis: Vozes, 1997.
lidar com hierarquias. FREIRE, Paulo. Ética, utopia e educação. Petrópolis: Vozes, 1999.
A ética ilumina a consciência humana, sustenta e dirige NUNES, D.; SCLIAR, E.. Direitos Humanos . Brasília: Agora, 1998.
as ações humanas, norteando a conduta individual e social. É um SANTOS, Antônio R., Ética: caminhos da realização humana. 3.
produto histórico-cultural e, como tal, define, para cada cultura e ed. São Paulo: Ave Maria, 2001.
sociedade, o que é virtude, o que é o bem e o mal, certo ou errado,
TAILLE, Yves de La.Grandes pensadores em educação: o desafio
permitido ou proibido.
da aprendizagem da formação moral e da avaliação. Porto Alegre:
Dessa forma, a ética é universal enquanto estabelece um Mediação, 2001.
código de normas morais válidas para todos os membros de uma
VÁSQUES, Adolfo Sanches. Ética. 20. ed. Rio de Janeiro:
determinada sociedade e, ao mesmo tempo, tal código é relativo
Civilização Brasileira, 2000.
ao contexto sociopolítico, econômico e cultural onde vivem os
sujeitos éticos e onde são realizadas suas ações morais.
A falta de ética prejudica o doente que compra remédios
caros e falsos; prejudica a mulher, o idoso, o negro e o índio,
recusados no mercado ou nas oportunidades culturais; prejudica
os analfabetos no acesso aos bens econômicos e culturais;
prejudica as pessoas com necessidades especiais (físicas, mentais
e espirituais) a usufruir a vida social; alimenta a discriminação e a
humilhação.
O valor ético do esforço humano é variável em função de
seu alcance em face da comunidade. Se o trabalho executado é só
para auferir renda, em geral, tem seu valor restrito. A educação
deve sempre estar comprometida com os valores éticos. Portanto,
educar não é somente informar ou transmitir conhecimentos, mas
também integrar o educando em uma cultura com características
particulares, com língua, tradições, crenças e estilos de vida da
sociedade.
Assim, o educador contribui na formação de seus
educandos por meio de seu exemplo de comportamento ético, da
sua própria história de vida, das regras de convivência que são
estabelecidas ou construídas na sociedade.
Temos que repensar qual sociedade estamos formando e
qual queremos formar: Que postura devemos tomar? Quais são
os valores éticos que podem ser compartilhados entre pais,
educadores e educando? A nossa mudança de atitude contribuirá
para a construção de uma nova sociedade e de uma nova ética
que nos aponte um caminho melhor para dar um sentido mais
profundo às nossas vidas.
Vivemos em uma sociedade que parece esquecer seus
cidadãos mais humildes ou, então, que deturpa o conceito de
cidadania. Vivemos numa realidade social que é cruel para aqueles
cujos direitos são negados, colocando-os à margem de uma vida
digna. Este é o grande desafio da educação: formar os educandos
para a cidadania ativa e para a consciência ética, criando
instrumentos para que possam atuar na transformação dessa
realidade. Esse desafio inclui, também, os educadores que devem