Anda di halaman 1dari 18

Professor Rui Carlos Duarte Bacciotti

DIREITO CIVIL

CONCEITO DE DIREITO CIVIL

O Direito Civil é ramo do direito privado. É o direito dos particulares. É o conjunto de


princípios e normas concernentes às atividades dos particulares, desde que não façam parte
da relação jurídica estabelecida pela norma jurídica, a figura do empresário ou do
empregado. A esse propósito, observa Maria Helena Diniz: “o direito civil disciplina
direitos e deveres de todas as pessoas enquanto pessoas e não na condição especial de
comerciante ou empregado”.

DIVISÃO DO CÓDIGO CIVIL

O Direito Civil, ramo do direito privado, está representado pelo Código Civil, promulgado
em 1.916.

O Código Civil possui duas grandes divisões: Parte Geral e Parte Especial, cada uma dessas
partes também se encontra subdividida, consoante se pode observar no quadro que segue:

a) Pessoa física

1) Os sujeitos do

Direito

b) Pessoa jurídica

I) Parte Geral

2) Objeto do Direito (bens jurídicos)

3) Fatos Jurídicos

Código Civil

1) Direito de Família
2) Direito das Coisas

II) Parte Especial

3) Direito das Obrigações

4) Direito das Sucessões

Temos, aí, o conteúdo do Direito Civil que trata das pessoas, dos bens e dos fatos jurídicos,
principalmente dos atos jurídicos; na parte especial, regula tudo sobre o direito de família,
com normas referentes ao casamento, ao parentesco e ‘a proteção de menores e incapazes;
tudo sobre o direito das coisas alheias; tudo sobre o direito das obrigações, disciplinando
principalmente os direitos das sucessões, tratando de normas referentes à transferência de
vens por força de herança e sobre o inventário e partilha.

BREVE HISTÓRICO DO CÓDIGO CIVIL

Até a independência, vigorava no Brasil o Direito português, ou seja, as leis portuguesas.

Com a nossa independência em 1.822, ficamos sem leis e, como um país não pode
funcionar sem elas, a Lei de 30 de outubro de 1823 estabeleceu que se continuasse a aplicar
a legislação portuguesa até a organização dos Códigos.

O primeiro código foi a Constituição do Império de 1.814; depois foi aprovado ou aceito.
No início de 1.899, na virada do século, o governo contratou Clóvis Beviláqua, o apontado
na época como um dos maiores juristas brasileiro, para elaborar o projeto do Código Civil.

No mesmo ano, Clóvis Beviláqua apresentava ao governo o seu projeto que, em 1916, foi
transformado em lei e vigora até hoje.

Embora elaborado no século passado, o atual Código Civil é considerado pela crítica em
geral como um monumento jurídico dos mais notáveis, atendendo perfeitamente à atual
organização social.

Iniciaremos nossos estudos pela pessoa física, analisando em seguida as pessoas jurídicas,
os bens jurídicos, os fatos jurídicos, seguindo, portanto, o roteiro do Código.
OS SUJEITOS DE DIREITO

Quando uma pessoa natural passa a gozar de direitos e se submete a todas as obrigações
previstas em lei, adquire a capacidade jurídica. Esta é sinônimo de personalidade civil e
surge no momento do nascimento com vida. Um ser em formação no ventre da mulher, não
tem personalidade civil, não é portador da capacidade jurídica, ou seja, não é pessoa e, não
é sujeito de direitos e obrigações na ordem civil.

Não somente a pessoa humana tem direitos e obrigações. Há outras pessoas, denominadas
por lei de pessoas jurídicas, que embora não sejam seres humanos, são também sujeitos de
direitos e obrigações.

Dois são, portanto, os sujeitos de direito e obrigações: a pessoa natural ou física e a pessoa
jurídica. São duas pessoas distintas. O artigo 20 do Código Civil mostra bem essa distinção:
“As pessoas jurídicas têm existência distinta da dos seus membros”. É a mesma situação
entre o pai e o filho. São duas pessoas distintas, cada uma com seu nome e patrimônio
próprios. Se o filho, por exemplo, é o devedor, não pode o seu credor desejar receber do
pai, porque o que responde pela dívida do devedor são seus bens. Os bens do pai pertencem
a ele; não ao filho. Se cada pessoa tem patrimônio próprio, ipso facto, o patrimônio da
pessoa jurídica não pertence aos sócios que a compõem.

DA PESSOA FÍSICA

CONCEITO DE PESSOA NATURAL

Pessoa natural é o ser humano dotado de personalidade civil, ou seja, é aquele que tem
aptidão reconhecida pela ordem jurídica, de exercer direitos e contrair obrigações. É o que
determina o artigo 2º do Código Civil : “Todo homem é capaz de direitos e obrigações, na
ordem civil”. Esse é o ponto que merece ser destacado: ser sujeito de direito, de ter
personalidade civil, é atributo absolutamente necessário para que cada qual possa
movimentar a máquina judiciária em defesa de seu direito subjetivo, valendo-se da norma
jurídica, quando necessário. Os escravos, por exemplo, apesar de serem pessoas naturais,
não possuíam esse direito (direito subjetivo), porque não eram considerados como tal, o que
significava que eram tratados como res (coisa). Como atualmente não existem escravos,
qualquer indivíduo, independente de sexo, idade, raça ou nacionalidade, tem a faculdade de
exigir determinado comportamento, ação ou omissão, quer de uma só pessoa, quer da
sociedade.
Nos dias de hoje, pode-se afirmar que todo homem é sujeito de direitos e obrigações. Ou
seja, basta Ter nascido com vida para ser titular de direitos: direito à vida, à herança, à
propriedade etc.

INÍCIO DA EXISTÊNCIA DA PERSONALIDADE CIVIL

A pessoa física, como sujeito de direitos e obrigações, é representada pelo ser humano e sua
existência começa a partir do seu nascimento com vida. O artigo 4º do Código Civil é
expresso nesse sentido: “A personalidade civil do homem começa do nascimento com vida,
mas a lei põe a salvo, desde a concepção, os direitos do nascituro”.

Por nascituro se entende o feto já concebido e que se encontra no ventre materno, Enquanto
o feto não se separar do corpo materno não se pode saber se nasceu ou não com vida. Como
ainda não nasceu com vida, não é sujeito de direito: existe apenas uma expectativa de ser
sujeito de direito, sendo, portanto, um sujeito de direito em potencial. Só receberá ou
transmitirá direitos se nascer com vida, mas enquanto isso não acontecer, terá a proteção do
Direito.

Para melhor esclarecimento, suponhamos o falecimento de um milionário, casado


recentemente pelo regime da separação de bens, deixando pais vivos e viúva grávida.

Se o nascituro nascer morto, não adquire personalidade civil e, portanto, não recebe nem
transmite a herança do seu falecido pai que ficará com os avós paternos, visto que a ordem
da vocação sucessória é a seguinte:

1) Em primeiro lugar herdam os descendentes do falecido;

2) Não existindo descendentes, os sucessores serão os ascendentes;

3) Não possuindo descendentes nem ascendentes, quem herda é o cônjuge sobrevivente,


não separado judicialmente;

4) Na falta dos supracitados, herdam em seguida os colaterais até o 4º grau (2º grau são os
irmãos; 3º grau são tios e sobrinhos; 4º grau são os primos);

5) Inexistindo os descendentes, os ascendentes, o cônjuge e os colaterais, o Poder Público é


quem recolhe a herança.

Se nascer vivo, receberá a herança, mas se por acaso vier a falecer no segundo subseqüente,
a herança ficará com a sua mãe.

Esse é o principal motivo pelo qual o Direito dá proteção ao nascituro na esperança do


nascimento com vida. Não basta o nascimento. È preciso que a criança nasça com vida para
adquirir personalidade civil.

Legislação há, como a espanhola, que exige, além do nascimento com vida, que também
sobreviva 24 horas para ser sujeito de direitos e obrigações. A mexicana considera o
surgimento da capacidade civil por ocasião da concepção.

Poderá haver dúvida quanto ao recém-nascido Ter, ou não, vivido por um instante. Para
tirar essa dúvida o juiz nomeia um perito e as partes interessados, seus assistentes técnicos,
para procederem à docimasia respiratória, que consiste em colocar os pulmões do falecido
num recipiente com água à temperatura de 15º-20º C. Se os pulmões flutuarem é porque
respirou e nasceu com vida; do contrário., é a prova de que nasceu sem vida.

CAPACIDADE JURÍDICA E CAPACIDADE DE EXERCÍCIO.

A capacidade jurídica ou capacidade de direito é a aptidão que a pessoa tem de gozar e


exercer direitos. O homem tem essa capacidade, desde o nascimento com vida, quando,
então adquire a personalidade civil. Assim sendo, todos os homens são portadores dela,
pouco importando a idade, o estado de saúde, o sexo ou a nacionalidade. O louco, por
exemplo, é portador dessa capacidade jurídica, mas como não tem condições de
discernimento, não tem a faculdade de praticar pessoalmente os atos jurídicos; falta-lhe a
capacidade de exercício, também chamada capacidade de agir ou de fato, que é aquela
aptidão de exercer os direitos e assumir obrigações na ordem civil por si. Portando, essa
aptidão de exercer direitos e assumir obrigações na ordem civil por si ou pessoalmente, sem
estar acompanhado por seu representante legal, é o que chamamos de capacidade de
exercício ou de fato. É considerada incapaz a pessoa que, naturalmente portadora da
capacidade de direito, não tem a capacidade de exercício ou de agir. Um demente
interditado tem capacidade jurídica, porque nasceu com vida, mas falta-lhe a capacidade de
direito, não tem a capacidade de exercício ou de agir. Um demente interditado tem
capacidade jurídica, porque nasceu com vida, mas falta-lhe capacidade de exercício. Já uma
pessoa maior de 21 anos, por exemplo, desde que não seja um doente mental, é uma pessoa
que tem capacidade jurídica e capacidade de exercício. Aliás, a capacidade de exercício a
pessoa adquire ao completar 21 anos ou a emancipar-se, como veremos mais adiante.

OS INCAPAZES
O incapaz é o sujeito portador de alguma deficiência natural, a tal ponto, que o impede de
agir, por si mesmo, na atividade civil. É aquele que não pode exercer pessoalmente,
sozinho, os atos da vida jurídica ou só pode fazê-los com a assistência de outrem. Por isso,
há dois tipos de incapazes: os absolutamente incapazes e os relativamente incapazes.

Os absolutamente Incapazes

O direito afasta da atividade jurídica a pessoa considerada absolutamente incapaz,


colocando em seu lugar alguém que a represente, que seja o seu representante legal e que
em seu nome exerça todos os atos da vida civil a que tem direito. O seu representante legal
é o pai ou a mãe, desde que estejam no exercício do pátrio poder. Se o for incapaz for
menor órgão, seu representante legal será o tutor, se o incapaz for maior de idade, o seu
representante legal será o curador.

Aquele que é absolutamente incapaz não pode, portanto, comparecer pessoalmente para
praticar os atos da vida civil e mercantil. Se o fizer, tal ato será nulo, ou seja, é como se não
existisse.

Quais são os absolutamente incapazes e como reconhecê-los

Diz o artigo 5º do Código Civil : “São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os


atos da vida civil:

q Os menores de 16 anos.

q Os loucos de todo o gênero.

q Os surdos-mudos, que não puderem exprimir a sua vontade.

q Os ausentes, declarados tais por ato do juiz”.

O ausente só será incapaz quando declarado como tal pelo juiz.

Os menores de 16 anos
O legislador entende que as pessoas com menos de 16 anos de idade não possuem
desenvolvimento mental suficiente para atual por si próprias, no mundo do direito civil e
comercial. Elas têm direitos, porém, não poderão exercê-los pessoalmente, devendo ser
representadas pelo pai, mãe ou tutor. Por exemplo, se o menor tiver que outorgar
procuração ad judicia a um advogado, poderá fazê-lo por seu representante legal, o qual
assinará a procuração em nome de seu representado.

Loucos de todo gênero

O Tribunal decidiu certa vez o seguinte; “sem que previamente tenha sido interditado
ninguém pode ser considerado incapaz” (in RT 447/63). É, pois, importante saber se
juridicamente uma pessoa é ou não louca. Se, por exemplo, alguém compra uma casa de um
doente mental interditado, mesmo este comparecendo pessoalmente e assinando a escritura
pública, o ato praticado será nulo. Embora sejam passados 19 anos desse ato, no momento
em que alguém levar o fato ao conhecimento do juiz, este declarará a nulidade da venda e,
concomitantemente, a nulidade das demais vendas, se houver, para que o imóvel retorne à
posse do interditado.

Afinal, como reconhecê-lo na vida prática?

Para a caracterização de uma pessoa portadora de deficiência mental ou de anomalia


psíquica, é preciso a declaração judicial de sua incapacidade, mediante a propositura da
ação de interdição.

O processo de interdição do louco, em síntese, tem início por intermédio de um


requerimento dirigido ao juiz, feito pelo pai, pela mãe, pelo cônjuge, por algum parente
próximo ou ainda, pelo Ministério Público.

Interessante notar que qualquer ação apresentada ao juiz, passará, antes, pelo Cartório do
Distribuidor do Fórum. Assim, se alguém desejar saber se existe alguma ação de interdição,
basta pedir uma certidão ao distribuidor forense que este acusará ou não a sua existência.

Retornando ao processo de interdição, o interditando será citado para, em dia designado,


comparecer perante o juiz, que o examinará, interrogando-o minuciosamente acerca de sua
vida, negócios, bens e do mais que lhe parecer necessário, para ajuizar seu estado mental.
Haverá, então, uma inspeção judicial, que é uma verificação pessoal do magistrado, sem
intermediário, sobre a pessoa do interditando, para avaliar seu estado mental, como
elemento de convicção.

Após o interrogatório, o juiz nomeará um perito para proceder ao exame do interditando.


Obviamente, o perito será um médico, de preferência especialista em psiquiatria.
Apresentado o laudo, o juiz designará audiência de instrução e julgamento, para ouvir
testemunhas e esclarecimentos do perito, após o que sentencia, decretando ou não a
interdição.

Caso o juiz conclua pela interdição, a sua sentença “será inscrita no Registro de Pessoas
Naturais e publicada pela imprensa local e pelo órgão oficial por três vezes, com intervalo
de 10 (dez) dias, constando do edital os nomes do interdito e do curador, a causa da
interdição e os limites da curatela” CPC, art. 1.184). Portanto, na sentença que decreta a
interdição, o juiz nomeará um curador ao interdito que será, então, o seu representante
legal.

E os atos praticados pelo incapaz antes da interdição, serão válidos? Por exemplo, se no dia
10 do mês tal foi distribuído pedido de interdição e a venda de uma casa, pelo interditando,
ocorreu antes do referido dia 10, o ato jurídico praticado, pessoalmente, pelo amental é
válido, porque o Cartório Distribuidor do Fórum não comunicou à sociedade a existência
do pedido de interdição, sobre o possível estado de perturbação mental do vendedor, Se o
ato de venda, realizado pessoalmente pelo interditando, aconteceu após o dia 10, data em
que o distribuidor forense leva ao conhecimento do comprador a possível anomalia psíquica
do vendedor, o negócio jurídico praticado antes da sentença é apenas anulável, ou seja, é
válido no momento, mas pode ser anulado por uma ação judicial,. A propósito, veja o que
já decidiu o Tribunal: “não se pode exigir de terceiros o entendimento e a desconfiança de
possível incapacidade do contratante. A interdição só produz efeitos após seus acolhimento
por sentença e à lei importa mais proteger terceiro de boa-fé do que interesse de incapaz.

Os negócios praticados por amental não interditado – concluiu o Tribunal – são válidos (in
RT 618/188).

No entanto, após a sentença de interdição, todos os atos praticados pelo interdito serão
considerados nulos.

Concluindo, para reconhecer o interditado, basta examinarmos as certidões fornecidas pelo


Cartório do Distribuidor do Fórum e pelo oficial do Cartório de Registro Civil de Pessoas
Naturais. Se constar a existência da ação de interdição ou a sentença do juiz interditando a
pessoa pesquisada, tem-se aí o referido reconhecimento.

Eliminada a causa, logicamente desaparecem seus efeitos, ou seja, cessando o motivo que
determinou a interdição, esta será levantada por sentença do juiz (CPC, art. 1.186).

O pedido de levantamento será feito no mesmo juízo que promoveu a ação de interdição e
poderá ser pedido pelo próprio interditado, pelo curador ou por quem pediu a interdição.

A petição, requerendo o levantamento, será apensada aos autos da interdição. O juiz, então,
nomeia perito para proceder ao novo exame de sanidade do interditado e, após a
apresentação do laudo, designará audiências de instrução e julgamento.

Acolhido o pedido, o juiz decretará o levantamento da interdição, seguindo-se a averbação


no Registro de Pessoas Naturais, exatamente como aconteceu por ocasião da sentença de
interdição, onde esta também foi inscrita no Registro Civil de Pessoas Naturais.

Surdos-mudos que não puderem exprimir a sua vontade

É preciso que a pessoa seja surda-muda e não tenha possibilidade de externar a sua vontade
para ser considerada absolutamente incapaz.

O reconhecimento do surdo-mudo que não consegue exprimir a sua vontade se dá através


das certidões do distribuidor forense ou do Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais,
exatamente como acontece em relação ao louco; isto se houver o processo de interdição.
Inexistindo, o surdo-mudo, juridicamente, não é incapaz: “Obedecerá às disposições dos
artigos antecedentes, - determina o artigo 1.185 do CPC – no que for aplicável, a interdição
do pródigo, a do surdo-mudo sem educação que o habilite a enunciar precisamente a sua
vontade e a dos viciados pelo uso de substâncias entorpecentes quando acometidos de
perturbações mentias”. Vale dizer, aplicam-se, tanto quanto possível, as disposições gerais
sobre o procedimento da interdição. Interessante represar a transcrição da ementa do
acórdão acima transcrito: “sem que, previamente tenha sido interditado ninguém pode ser
considerado incapaz” (in RT447/3).

Os Toxicômanos

Por toxicômano (do grego toxikon=tóxico ou veneno, e mania=hábito) entende-se a pessoa


viciada em tóxico (cocaína, ópio, morfina, álcool, éter etc.).

O tóxico, por ser venenoso, provoca o enfraquecimento do organismo e, como


conseqüência, produz certa deficiência ou depressão mental que pode levar a loucura.
Afetando a mente, há uma diminuição na capacidade de discernir, podendo os interessados
em sua pessoa e bens pedir a sua interdição.

Perante o processo de interdição, os peritos, apreciando a natureza da fixando a graduação


para a debilidade mental. Se limitada, haverá interdição semelhante à dos relativamente
incapazes; se plena, como a dos absolutamente incapazes (ver Decreto-lei n.º 891, de
1.938).

Como acontece em relação à interdição dos loucos, a sentença que decretar a interdição
será registrada no Cartório de Registro Civil de Pessoas Naturais.

Obtendo o interditado a cura, poderá requerer ao juiz o levantamento da interdição.


Quais são os relativamente incapazes e como reconhecê-los

Dispõe o artigo 6. Do Código Civil : “São incapazes, relativamente a certos atos (art.
147,I), ou à maneira de os exercer:

q Os maiores de dezesseis e menores de vinte e um anos.

q Os pródigos.

q Os silvícolas.

Parágrafo único. Os silvícolas ficarão sujeitos aos regime tutelar, estabelecido em leis e
regulamentos especiais, o qual cessará à medida que se forem adaptando à civilização do
país”.

Vejamos cada um deles.

Os maiores de dezesseis e menores de vinte e um anos.

Os relativamente incapazes, como é a situação dos maiores de dezesseis e menores de vinte


e um anos, podem praticar pessoalmente ato jurídico, porém, sempre assistidos por seus
representantes legais, ao contrário dos menores de 16 anos, absolutamente incapazes que
estão proibidos de comparecer pessoalmente para praticar atos da vida civil.

Poderá acontecer que o menor, ao atingir a idade de 16 anos, continue a ser portador de
loucura e, para evitar o seu comparecimento pessoal na prática, de ato jurídico, cabe a sua
interdição, pois a cautela de incapaz é cabível em qualquer idade (in RT590/83).

Sendo o maior de 16 e menor de 21 anos relativamente incapaz, se praticar o ato jurídico


sem assistência de seu representante legal, o ato é anulável. Ato anulável é aquele válido no
momento da prática, mas que pode vir a ser anulado através de uma ação judicial.
Somente duas pessoas poderão requerer a anulabilidade do ato perante o juiz; o próprio
incapaz quando alcançar a sua capacidade de exercício ou o seu representante legal, desde
que o faça dentro do prazo prescricional. Esse prazo varia dependendo de cada ato, mas
nunca passa de 4 anos. Caso os interessados deixem de requerer ao juiz a nulidade do ato
anulável, este torna-se definitivamente válido. Dá-se aí o que se chama de ratificação tácita.
Há, ainda, a ratificação expressa, aquela em que as partes, dentro do prazo prescricional,
assinam uma declaração sanando o ato anulável.

Tratando-se de ato anulável por Ter5 sido praticado por um menor relativamente incapaz,
sem assistência de seu representante legal, não pode aquele valer-se de sua menoridade,
quando alcançar a capacidade, para furtar-se à obrigação que contraiu:

q se por ocasião em que praticou o ato, interrogado pela outra parte, oculta dolosamente a
sua idade ou, se, no ato de se obrigar, espontaneamente, ele se declara maior. O art. 155 do
Código Civil é claro.

“O menor, entre 16 e 21 anos, não pode, para se eximir de uma obrigação, invocar a sua
idade, se dolosamente a ocultou, inquirido pela outra parte, ou se no ato de se obrigar,
espontaneamente se declarou maior”.

q Se a importância recebida pela incapaz se reverteu de fato em proveito dele. É o que


determina o art. 157 do Código Civil , in verbis:

“Ninguém pode reclamar o que, por uma obrigação anulada, pagou a um incapaz, se não
provar que reverteu em proveito dele a importância paga”.

Vale dizer, o relativamente incapaz não terá que restituir o que tiver recebido, desde que a
outra parte não consiga provar que o pagamento feito reverteu em proveito dele (incapaz).

Os pródigos

Encontra-se entre os relativamente incapazes, o pródigo e, para que ele seja juridicamente
reconhecido como incapaz, é preciso que seja interditado, tornando-se incapaz para praticar
certos atos, como o de emprestar, transigir, dar quitação, alienar, hipotecar, demandar ou
ser demandado. Os artigos 1.185 do CPC é expresso da necessidade de interdição:
“Obedecerá às disposições dos artigos antecedentes, no que for aplicável, a interdição do
pródigo, a do surdo-mudo sem educação que o habilite a enunciar precisamente a sua
vontade e a dos viciados pelo uso de substâncias entorpecentes quando acometidos de
perturbações mentais”.

Pródigo é o indivíduo que gasta desordenadamente seus bens, que dissipa imoderadamente
o que é seu, ameaçando a estabilidade de seu patrimônio. Como muito bem lembra o Prof.
Silvio de Salvo Venosa, “a prodigalidade não deixa de ser uma espécie de desvio mental,
geralmente ligado à prática de jogo ou a outro vícios”.

Uma conclusão: tirando a idade, todos os incapazes apontados pela lei são doentes mentais.

A prodigalidade é decretada no interesse do próprio pródigo e também no de sua família,


tanto assim que ela somente será decretada se ele tiver cônjuge, ascendente ou descendentes
legítimos. “O pródigo só incorrerá em interdição, - diz o art. 460 do Código Civil –
havendo cônjuge, ou tendo ascendentes ou descendentes legítimos que a promovam”. Ipso
facto, desaparecendo essas pessoas, a prodigalidade poderá ser levantada.

O pródigo, declarado como tal, terá a sentença inscrita no Registro Civil de Pessoas
Naturais, no Cartório da cidade onde nasceu, para reconhecimento de terceiros.

Os silvícolas

Os silvícolas são os habitantes da selva. Enquanto não forem absorvidos pela civilização
são considerados relativamente incapazes e submetidos a uma legislação especial
(Parágrafo único do art. 6º do Código Civil).

O legislador criou, então, um sistema de proteção, destacando a criação da Fundação


Nacional do Índio –FUNAI, órgão federal que exerce os poderes de representação e
assistência aos interesses dos índios (Lei n.º 5.371, de 1.967).

PROTEÇÃO QUE O DIREITO CONCEDE AOS INCAPAZES

O incapaz é um protegido da lei e da sociedade, Para tanto, a própria lei coloca alguém para
dirigir e defender a sua pessoa e os seus bens. Esse alguém pode ser seu pai, sua mãe, ou
ambos, quando ele for menor e, quando for maior, o curador. Se o menor for órgão, o tutor
será a pessoa que o protegerá. Tanto o tutor como o curador são nomeados pelo juiz.

Em verdade, há dois institutos protetores do incapaz: o da representação e o da assistência.


Através desses institutos tem-se o suprimento das suas incapacidades e, assim, os negócios
jurídicos funcionam regularmente. Caso o absolutamente incapaz, venha a exercer,
pessoalmente, os direitos que adquiriu no instante em que nasceu e não por meio da pessoa
designada por lei, por, si, sem assistência do seu representante legal, o ato será anulável.
Portanto, as pessoas serão representadas, se absolutamente incapazes, e assistidas, se
relativamente incapazes.

CESSAÇÃO DA INCAPACIDADE

Cessa a incapacidade: pela maioridade e pela emancipação.

q Pela maioridade. A maioridade para o exercício da vida civil e comercial começa quando
uma pessoa completa 21 anos. A partir de então, ela passa a ser maior e capaz, podendo
praticar todos os aos da vida civil sem qualquer assistência, ou seja, torna-se apta a exercer
pessoalmente todos os seus direitos e assumir obrigações, sem necessidade de ser assistida
por seu pai, por sua mãe ou por seu tutor.

q Pela emancipação: Normalmente, uma pessoa adquire a capacidade de exercício quando


atinge 21 anos e isto acontece automaticamente, desde que não seja um doente mental. “aos
vinte e um anos completos acaba a menoridade, ficando habilitado o indivíduo para todos
os atos da vida civil”, diz o art. 9º do Código Civil . Entretanto, por uma exceção, ao atingir
18, 19 ou 20 anos, pode conseguir essa capacidade através da emancipação.

Emancipação, na conceituação de Clóvis Beviláqua , é a aquisição da capacidade de


exercício antes da idade legal. Ou seja, a pessoa adquire capacidade para exercer
pessoalmente direitos e assumir obrigações sem Ter completado a maioridade. Portanto, o
emancipado não é maior e sim, capaz.

Uma vez emancipado, jamais retornará à incapacidade, exceto se se tornar um doente


mental.

CASOS DE EMANCIPAÇÃO

Antes do 21º ano, o indivíduo só pode adquirir a capacidade pela emancipação. Esta é a
aquisição da capacidade de exercício antes da idade legal. Eis o que diz o parágrafo 1º do
art. 9º do Código Civil, in verbis:

I – “Por concessão do pai, ou, se for morto, da mãe. E por sentença do juiz, ouvindo o tutor,
se o menor tiver dezoito anos cumpridos.

II – Pelo casamento.

III – Pelo exercício de emprego público efetivo.

IV – Pela colação de grau científico em curso de ensino superior.

V – Pelo estabelecimento civil ou comercial, com economia própria”.

Emancipação por concessão do pai, ou da mãe

“Cessará, - diz o art. 9º, § 1167 do Código Civil – para os menores, a incapacidade: i – Por
concessão do pai, ou se for morto, da mãe, ... se o menor tiver dezoito anos cumpridos”.

Portanto, a emancipação por vontade do pai ou da mãe depende sempre de o menor ter
completado 18 anos de idade. O menor não tem o direito de exigir a sua emancipação,
muito menos de pedi-la judicialmente, pois trata-se de uma concessão que só os pais podem
permitir, lembrando que a emancipação há de ser concedida sempre no interesse do menor.

Embora o Código diga que a mãe só poderá conceder a emancipação do filho se o marido
estiver morto, tem-se que o art. 89 da Lei dos Registros Públicos, que surgiu bem depois do
Código Civil, é expresso ao dizer que cabe “as pais” a concessão da emancipação, alterando
o referido art. 9º. Entretanto, o art. 380 do Código Civil é claro no sentido de que o pátrio
poder é exercido pelo marido “com a colaboração da mulher”, cabendo ao pai, portanto, o
direito de emancipar o filho, podendo a mãe insurgir-se contra a atitude do marido
recorrendo ao juiz para dirimir a questão.
O pai, para obter a emancipação do filho, tem dois caminhos: a) irá ao Cartório de Notas e
solicitará a lavratura de uma escritura pública de emancipação e, após, registrá-la-á no
Cartório do Primeiro Ofício; b) poderá providenciar uma escritura por instrumento
particular, reconhecendo as firmas e registrando-a no referido Cartório.

Emancipação por sentença do juiz

A concessão pelo pai, ou pela mãe, não leva à intervenção do juiz. Somente a emancipação
do menor sob tutela (órfão) é que requer petição ao juiz e sentença dele. Este ouvirá o tutor
e o próprio menor e, se se convencer da oportunidade da medida, poderá concedê-la.
Entretanto, o pedido não significa que, será sempre procedente, pois, se se convencer de
que o menor não possui, ainda, maturidade para reger sua pessoa e seus bens, poderá
denegar o pedido.

Para o menor ou se tutor requerer a medida ao juiz deve o menor Ter a idade de 18 anos,
pelo menos. Nesse sentido, a lei é expressa: “Por concessão do pai, ou, se for morto, da
mãe, por sentença do juiz, ouvido o tutor, se o menor tiver dezoito anos cumpridos”
(Código Civil art. 9º, I).

Emancipação pelo casamento

O casamento, automaticamente, emancipa os cônjuges. Se antes do casamento os nubentes


eram menores, com o casamento eles passam a ser capazes e de maneira irreversível. Vale
dizer, caso os cônjuges venham a separar-se judicialmente ou venham a divorciar-se, ou
ocorra a morte de um deles, não haverá a revogação da emancipação.

A lei fixa a idade nupcial de 16 anos para a mulher e 18 anos para o homem. Contudo,
quando tenha havido união sexual e a mulher menor de 16 anos engravida-se, cabe o pedido
de suprimento de idade ao juiz. Estando os interessados de acordo, o juiz autorizará o
casamento, e a mulher, então, com menos de 16 anos, passa a ser capaz.

Emancipação pelo exercício de emprego público e efetivo


Todo menor que passar a exercer emprego público efetivo obtém a emancipação. Não a
simples nomeação ou o exercício interino. Aqui, como no caso anterior, a emancipação dar-
se-á tacitamente, automaticamente, pelo simples fato de ocorrer a nomeação para emprego
público e entrar no exercício do cargo.

Emancipação pela colação de grau em curso superior

A emancipação pela colação de grau em curso superior dificilmente ocorrerá na época


atual, porque normalmente uma pessoa conclui o curso superior com mais de 21 anos. Mas,
se isso acontecer, o indivíduo estará, automaticamente, emancipado.

Emancipação pelo estabelecimento civil ou comercial com economia própria

O menor de 18 anos, que não atingiu a idade de 21 anos, não pode ser empresário.
Entretanto, diz a lei que, estabelecendo-se com economia própria, montando uma loja, por
exemplo, o menor de 18, 19 ou 20 anos, automaticamente, se emancipa, ou seja, passa a ser
empresário individual.

Qual é a prova da emancipação, caso o menor deixe de exercer sua atividade, visto que a
emancipação é irrevogável?

È diferente dos casos anteriores cuja certidão do exercício do cargo público efetivo ou de
casamento é prova bastante da emancipação.

O único caminho que tem o menor é fazer prova perante o juiz, de que se estabeleceu com
economia própria.

Feito isso, o juiz sentencia, sendo esta a prova.

MODELO DE PETIÇÃO DE EMANCIPAÇÃO OUTORGADA PELO PAI OU PELA


MÃE.

Por este instrumento particular e na melhor forma de direito, fulano (qualificação e


endereço), aqui chamado outorgante, de acordo com o artigo 9º, parágrafo primeiro,
número um do Código Civil , EMANCIPA, como de fato emancipado está seu filho,
sicrano (qualificação e endereço), por achá-lo apto para exercer e praticar todos os atos e
direitos da vida civil, notadamente os de reger sua pessoa e administrar seus bens, na
mesma igualdade que os maiores de21 anos, aqui chamado outorgado, nascido aos ... de mil
novecentos e ..., no subsistirão da ..., deste município e comarca da Capital do Estado de
São Paulo, em cujo Cartório foi registrado sob número ..., às folhas..., do Livro..., conforme
prova a certidão de nascimento fornecida pelo respectivo oficial e que acompanha a
presente para registro. Pôr outro lado, o outorgado sicrano declara aceitar a emancipação
que lhe é concedida pôr seu pai indo a presente assinada pelo outorgante, pelo outorgado e
pelas testemunhas abaixo assinadas, que são:....(nome, qualificação e endereço das
testemunhas).

Data e assinatura (as firmas dever ser reconhecidas).

MODELO DE PETIÇÃO DE EMANCIPAÇÃO AO JUIZ DE DIREITO

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito

(deixar espaço de 9 linhas)

Fulano de tal (qualificação e endereço, filho de ..., e de ..., ambos falecidos (docs. Anexos),
tendo completado 18 anos de idade, conforme comprova a inclusa certidão, requer a V.
Excia. A realização de uma justificação judicial, em dia e hora designados, citando-se o seu
tutor conforme determina o artigo 1.112 do Código de Processo Civil, bem como o órgão
do Ministério Público, para o compadecimento à audiência na qual o Suplicante quer provar
que tem capacidade para reger sua pessoa e para administrar seus bens.

Requer ainda que, julgada procedente a presente justificação, seja o Suplicante emancipado
para todos os fins de direito.

Pede deferimento

(data e assinatura do próprio menor) – Apresentar, abaixo o rol de testemunhas.

FIM DA PERSONALIDADE
A existência do homem termina com a sua morte, que se prova com a certidão de óbito,
ocasionando a cessação imediata de todos os seus direitos e obrigações. Cessa portanto, a
personalidade jurídica da pessoa natural, deixando de ser sujeito de direito e obrigações.

• 3 anos atrás