Anda di halaman 1dari 22

Whekslay Viana Leal

Celso Henrique Seabra Marques


Rodolfo Caldeira Piconi
Antonio José Santana de Araujo
Jones Camilo Soares

ENGENHARIA DE PETRÓLEO E GÁS

ASSUNTO: Geologia

TEMA: Sistema Petrolífero

ORIENTADOR: PROF.º

São Paulo
2010
Índice

INTRODUÇÃO..........................................................................................................................3
OBJETIVO..................................................................................................................................4
Definição De Sistema Petrolífero (Sp)........................................................................................5
Conceito De Sistema Petrolífero (Sp).........................................................................................5
Elementos Essenciais..................................................................................................................6
Condições Comuns de Ocorrência..............................................................................................6
Classificação das Águas de Reservatórios..................................................................................7
Formas de Ocorrência das Águas de Reservatório.....................................................................7
Propriedades do Óleo..................................................................................................................7
Gás Natural.................................................................................................................................8
Migração.....................................................................................................................................8
Acumulação................................................................................................................................8
Porosidade...................................................................................................................................8
Tipos de Porosidade....................................................................................................................8
Textura X Qualidade do Reservatório........................................................................................9
Permeabilidade (K)...................................................................................................................10
Armadilha..................................................................................................................................11
Condições para armazenamento................................................................................................14
PROCESSOS............................................................................................................................15
Estudo De Sistemas Petrolíferos...............................................................................................15
Gsp Identificação De Um Sp....................................................................................................16
Como identificar um sp?...........................................................................................................16
Como atribuir o nome a um sp?................................................................................................16
Componentes do nome..............................................................................................................16
Escolha do nome da rocha reservatório....................................................................................17
Dimensão De Um Sp.................................................................................................................18
Eficiência De Formação-Acumulação......................................................................................18
Aplicação Do Conceito De Sp..................................................................................................18
Utilização Do Conceito De Sp Pelo Prospetor..........................................................................19
Redução Do Risco De Prospecção............................................................................................19
Avaliação Do Risco..................................................................................................................19
BIBLIOGRAFIA......................................................................................................................21
CONCLUSÃO..........................................................................................................................22

2
INTRODUÇÃO

A importância que tem o petróleo em nossa existência é imensa: se este precioso


líquido viesse a falar, as nossas cidades, as nossas indústrias, os meios de transportes parariam
como por efeito de uma mágica, e uma súbita paralisia bloquearia quase todas as nossas
atividades. mas, é tão importante assim o petróleo? Certamente, e não só por que faz mover os
automóveis, os navios, os aviões, mas, também, porque ele tem uma infinidade de aplicações
e empregos, além do campo de transportes, tanto que podemos dizer que os produtos
derivados do petróleo são utilizados, sob as formas mais diversas, praticamente em tudo.

O sistema petrolífero é o precursor dessa cadeia de exploração e pode ser entendido


como o conjunto de ações necessárias para colocar o campo em produção: perfurações,
sistemas de injeção, plataformas, etc.

3
OBJETIVO

Mostraremos definição do sistema petrolífero, como identificar, como atribuir um


nome ao sistema, quais são os elementos essenciais para a sua definição e até a avaliação dos
riscos de sua prospecção, com aprofundamentos específicos em cada etapa, concluindo uma
pequena explanação sobre esse conceito.

4
Definição De Sistema Petrolífero (Sp)

O primeiro passo da análise de sistemas petrolíferos começa com a definição de


sistema petrolífero. Discute-se o conceito de SP, como se identifica e denomina um SP, como
se relacionam os diversos componentes geográficos, estratigráficos e temporais do SP e
como se cartografa um SP.

Tópicos

• Definição
• Identificação
• Designações
• Desenvolvimento espacial e temporal
•Dimensão
• Cartografia ou mapeamento

Conceito De Sistema Petrolífero (Sp)

É um conceito unificador que inclui os diferentes elementos e processos da


GEOLOGIA DO PETRÓLEO. A aplicação prática dos sistemas petrolíferos pode ser
utilizada na prospecção, na avaliação de recursos e em investigação. Os aspectos aqui
focados são mais dirigidos à prospecção.Um sistema petrolífero compreende um conjunto de
rochas progenitoras (rochas-mãe) e todas as acumulações de petróleo e gás a elas
geneticamente associadas. O sistema inclui todos os elementos e processos responsáveis por
essas acumulações.

PETRÓLEO – designação geral para compostos que incluem elevadas concentrações


de algumas destas substâncias: hidrocarbonetos gasosos térmicos ou biológicos; condensados,
óleos minerais brutos, betumes naturais. Dependendo do nº de átomos de carbono, pode ser
sólido, líquido ou gasoso

O petróleo se forma a partir da transformação da matéria orgânica contida em rochas


argilosas, os folhelhos, pelo efeito de pressão e temperatura e não pode sofrer oxidação. A
necessidade de condições não-oxidantes pressupõe um ambiente de deposição composto de
baixa permeabilidade, inibidor da água circulante em seu interior.

O folhelho rico em matéria orgânica, submetido em condições adequadas de T e P,


transforma a matéria orgânica em óleo e gás, e o folhelho será designado de Rocha
Geradora.

SISTEMA –conjunto de ELEMENTOS e PROCESSOSinterdependentes que formam


a unidade funcional responsável pela formação das acumulações de hidrocarbonetos.

5
Elementos Essenciais

• Rocha geradora; rocha-mãe (source rock)


• Temperatura e tempo suficientes para que ocorra a maturação e geração
• Rocha reservatório; (reservoir rock)
• Estrutura de migração entre as rochas geradora e reservatório;
• Petróleo, água e gás em movimento ou com capacidade móvel para ocupar os poros;
• Estrutura que promova a acumulação (armadilha);
• Rocha selante;
• Sucessão cronológica de eventos (geração, migração, acumulação).
• Rocha de cobertura do reservatório (cap or seal rock)
• Rocha de cobertura (overburden rock)–acima da rocha-mãe
• Espaços porosos interconectados, capazes de conter e armazenar petróleo;

Condições Comuns de Ocorrência

• Quase todo petróleo ocorre em sedimentos e rochas sedimentares.


• Não existem duas amostras de petróleo, de campos distintos, com a mesma
composição.

6
• Encontra-se em rochas de idades distintas desde o Pré-Cambriano até o
Pleistoceno.
• Temperaturas dos reservatórios raramente superam 100oC.
• Nos reservatórios que possuem que possuem H2O e Gás ou H2O, Gás e Óleo os
componentes se dispõem em “camadas”:

1o Gás
2o Óleo
3o Água

• Obs2: H20 intersticial está presente em todas as camadas com 10 a 30% do


interstício podendo chegar a 50%

Classificação das Águas de Reservatórios

1- Água Meteórica: Originada da Chuva que penetra nos póros das rochas rasas e
permeáveis, ou percolam através dos planos de intersecção, fraturas ou camadas permeáveis
Características: Possuem O2 e CO2 dissolvido, sulfatos, carbonatos e bicarbonatos.

2 - Água de Formação: Água original presente durante a deposição dos sedimentos no


mar ou lago, onde sedimentos marinhos se depositaram.
Características: Abundância de cloretos, especialmente NaCl sendo as vezes maior que
o H2O do mar

3 - Água Misturada: Características que sugerem origem múltipla

Formas de Ocorrência das Águas de Reservatório

• Água Livre: Localizada dentro da armadilha abaixo das camadas de óleo e gás.

• Água Intersticial: Adsorvida na superfície dos minerais

Propriedades do Óleo

• Óleo e Gás natural abaixo do solo estão sob maiores pressões e temperaturas.

• Todo óleo tem gás dissolvido. Quando as concentrações passam do ponto de


saturação se forma a camada de gás.

7
Gás Natural

• Pode representar 100% do poço

• Pode ser classificado como associado ou não associado.

• O gás dissolvido depende das condições de pressão temperatura e saturação

• A temperatura em que os gases se dissociam se chama ponto de bolha

• Na água a sua solubilidade representa 6% se comparada com a do óleo.

Migração

• Migração Primária: Fonte para o Reservatório

• Migração Secundária: Estágio final de acumulação

Acumulação

Rochas-Reservatório

Porosidade

Permeabilidade

Porosidade

Relação entre o espaço poroso e o volume total da rocha reservatório expressa em


Percentagem.

Tipos de Porosidade

• Primária

8
Controlada pelo ambiente deposicional da rocha, selecionamento e a natureza do
material da rocha.

Figura : A porosidade depende do empacotamento das rochas. O arranjo cúbico de esferas perfeitas
resulta em 48% de porosidade, contra 26% do arranjo romboédrico (Selley, 1985).
Valores de porosidade para um reservatório de óleo (Hyne, 2001)
0 – 5% Insignificante
5-10% Pobre
10-15% Razoável
15-20% Bom
20-25% Excelente
Cutoff: 8-10%
Valores de permeabilidade para um reservatório de óleo (Hyne, 2001)
1-10 md Pobre
10-100 md Bom
100-1000 md Excelente

• Secundária

Depende de acontecimentos posteriores à deposição da rocha, como fraturamento,


dissolução, redeposição, cimentação e a compactação.

Textura X Qualidade do Reservatório

Textura é o aspecto do grão constituinte da rocha

• Tamanho dos Grãos;


• Seleção;
• Arredondamento;
• Forma dos Grãos / Esfericidade
• Empacotamento - diretamente relacionado com o arranjo das partículas
• Argilosidade

9
Permeabilidade (K)

• A permeabilidade é a propriedade que permite a passagem do fluido pelos


poros da rocha interconectados, denominados de porosidade efetiva.

• É a medida da condutividade dos fluidos na rocha.

• A rocha é denominada de permeável quando os fluidos passam pelos poros


num curto espaço de tempo.

• Rochas impermeáveis não permitem a passagem dos fluidos e tornam-se


selantes.

Conglomerado com
grandes poros, onde
podem se acumular
hidrocarbonetos

Rocha Reservatório – é aquela capaz de conter e transmitir fluidos, que podem ser
óleo ou gás. As rochas devem ser porosas e permeáveis, as mais comuns são
arenitos e calcoarenito.

10
O petróleo é gerado por aquecimento a partir da matéria orgânica contida em rochas
argilosas (folhelhos), migra para rochas porosas e permeáveis (arenitos) e se acumula em
armadilhas, contido por rochas permeáveis capeadoras. A MIGRAÇÃO É MAIS EFETIVA
SE AS ROCHAS-RESERVATÓRIO ESTIVEREM EM ACIMA DAS ROCHAS
GERADORAS.

Armadilha

É a barreira externa ou interna que impedirá a migração do gás e do petróleo

Microfotografia de uma rocha-reservatório contendo óleo.

11
Esquema geral do Sistema Petrolífero. G = Rocha Geradora; R = Rocha Reservatório

Relações espaciais entre rochas geradoras, reservatórios e selantes

12
Armadilhas estratigráficas e paleogeomóficas

13
Armadilha Estrutural – o reservatório apresenta estruturas, como dobras e/ou falhas
que, em associação com as rochas selantes permitem o acúmulo dos hidrocarbonetos

A formação das armadilhas estruturais pode se dar (isoladamente ou em conjunto):

• Por dobramento
• Por falhamento normal ou inverso
• Por fraturamento

A formação de quase todo tipo de armadilha envolve deformações da rocha


reservatório.

• Exceções: armadilhas do tipo lenticular e recifes

: Síntese da idade das acumulações petrolíferas conhecidas.

Condições para armazenamento

• Fechamento estrutural;
• Espessura da rocha;
• Porosidade efetiva;
• Pressão;
• Temperatura;
• Condições de fluxo dos fluidos através da rocha.
• Volume real = Espaço poroso entre o nível da água abaixo e a rocha teto acima

14
Placas Tectônicas Atuais

PROCESSOS

• Formação de armadilhas
• Génese - migração - acumulação de hidrocarbonetos

Estes elementos e processos devem estar correctamente posicionados no tempo e no


espaço, de modo a que a matéria orgânica contida na rocha-mãe possa ser convertida numa
acumulação de petróleo. Diz-se queexiste um SP sempre que estes elementos e processos
estejam bem definidos ou que tenham uma probabilidade de ocorrência muito elevada.

Estudo De Sistemas Petrolíferos

O estudo de SP consiste na identificação, categorização, determinação do nível de


confiança, e na cartografia geográfica, estratigráfica e temporal do SP.

A investigação deve incluir os seguintes componentes:

• Correlação geoquímica petróleo-petróleo


• Correlação geoquímica petróleo-rocha-mãe
• Tabela da evolução histórica do afundamento
• Mapa do sistema petrolífero
• Corte/Secção do sistema petrolífero
• Tabela de acontecimentos
• Tabela das acumulações de hidrocarbonetos
• Determinação da eficiência formação-acumulação de hidrocarbonetos.

15
Gsp Identificação De Um Sp

Antes de estudar um sistema petrolífero este deve estar previamente identificado !


Para identificar um SP, o investigador deve encontrar VESTÍGIOS DE PETRÓLEO!
Qualquer quantidade de petróleo, por muito pequena que seja, constitui a prova da
existência de um SP. Esses vestígios podem consistir em manifestações superficiais,
derrames, ou serem encontrados em formações intersectadas por sondagens ou corresponder a
verdadeiros reservatórios.

Como identificar um sp?

Passo Tarefa

• 1 - Procurar indicações que confirmem a existência de petróleo


• 2 - Determinar a dimensão do SP seguindo os passos

Passo Tarefa

A Agrupar as ocorrências de petróleo com base na geoquímica e nas


ocorrências estratigráficas

B Identicar as fontes usando correlações petróleo–rocha-mãe

C Localizar a área geral de rochas-mãe activas responsáveis


geneticamente pelas ocorrências

D Criar a tabela de acumulações para determinar a quantidade total de


hidrocarbonetos e identificar o maior reservatório
• 3 Atribuir um nome ao SP

Como atribuir o nome a um sp?

O nome a atribuir um SP particular deve permitir distingui-lo de outros SP e de outras


designações geológicas

Componentes do nome

1. Rocha-mãe inserida no domínio da rocha-mãe activa

2. Nome do maior reservatório do SP

16
3. Símbolo indicador do nível de certeza (!, ., ?)

Escolha do nome da rocha reservatório

Escolha do nível de certeza da formação de acumulações de petróleo

Definem-se três níveis (conhecido, hipotético, especulativo)

17
Nível de Certeza Critério Simbolo
Correlação positiva óleo-
Conhecido (!)
rocha-mãe
Na ausência de correlação
Hipotético positiva petróleo-rocha- (.)
mãe, evidências
geoquímicas
Evidências geológicas ou
Especulativo (?)
geofísicas

Dimensão De Um Sp

A DIMENSÃO de um sistema petrolífero corresponde ao volume total de


hidrocarbonetos recuperáveis, provenientes da mesma rocha mãe activa. Este volume é usado
para comparação com outros sistemas e serve para determinar a eficiência da formação-
acumulação do sistema.

Eficiência De Formação-Acumulação

Corresponde à razão (expressa em percentagem) entre o volume total de petróleo


aprisionado no SP e o volume total gerado pela rocha-mãe activa

Aplicação Do Conceito De Sp

Nesta secção discute-se a aplicação do conceito de SP à prospecção. Define-se


província, bacia, sistema, “play” (conjunto de prospetos com potencial petrolífero) e prospeto
(alvo/armadilha com potencial petrolífero), e mostra-se como o sistema se relaciona com o
play complementar. Explica-se também como o estudo do SP pode ser usado para reduzir o
risco da prospecção.

• Bacias, Sistema, Play, prospeto


• Redução do risco da prospecção
• Exemplos de aplicação

Província petrolífera – termo geográfico que indica uma área onde o petróleo ocorre
em termos comerciais. O termo BACIA é usado incorrectamente muitas vezes na acepção de
província. Algumas províncias são de origem estrutural.

O sistema petrolífero compreende um conjunto de rochas progenitoras (rochas -mãe) e


todas as acumulações de petróleo e gás a elas geneticamente associadas.

18
Ao contrário do play e do prospeto, que correspondem a acumulações comerciais
desconhecidas, o SP inclui apenas as ocorrências descobertas. Se uma sondagem exploratória
encontrar alguma quantidade de petróleo, esse petróleo passará a fazer parte do SP.

O play e o prospeto são utilizados pelo prospetor para apresentar argumentos


geológicos que justifiquem a realização de sondagens de acumulações comerciais não
descobertas

O play consiste num ou mais prospetos geológicos relacionados. Prospeto corresponde


a uma armadilha potencial que deverá ser pesquisada através de perfuração para determinar se
contém uma quantidade comercial de petróleo. Uma vez finalizada a perfuração, o termo
prospeto cai, pois o local será um furo seco ou um campo produtivo.

A presença de uma carga petrolífera, de uma armadilha adequada, e o facto da


armadilha ser anterior ou posterior a essa carga devem ser tidos em conta nessa avaliação.

Um play é geralmente proposto sem consiederar um SP em particular. Contudo,


quando este é baseado num SP específico é designado como play complementar.

Utilização Do Conceito De Sp Pelo Prospetor

1. Através do mapeamento, cria novas propostas de plays com vista a aumentar os


campos de petróleo e de gás do SP, o que pode ser expresso pela equação

2. O SP serve como padrão para outros SP menos prspectados

Redução Do Risco De Prospecção

Onde encontrar quantidades substanciais de hidrocarbonetos com valor comercial?

O estudo dos SP permite avaliar as cargas petrolíferas, as armadilhas e a temporização.

Adicionalmente permite determinar a intensidade da prospecção e os riscos de


avaliação.

Avaliação Do Risco

Avaliam-se geralmente 3 variáveis independentes (variação de 0  1)

19
(C) Carga de petróleo (fluidos) – volume e características do óleo e do gás,
caso este exista.

(A) Armadilha (rocha sedimentar) – geometria do reservatório, da rocha de


cobertura e da armadilha (interface reservatório-cobertura)

(T) Temporização (tempo) – a armadilha formou-se antes ou depois da carga de


petróleo ?

Risco da prospecção = C . A . T

O play complementar avalia o risco de prospecção na procura de hidrocarbonetos não


descobertos associados a um SP particular.

Uma nova ideia ou play, relacionado com o SP, pode surgir após o estudo completo do
sistema. Este play complementa o SP pois pode aumentar o volume de hidrocarbonetos (caso
haja descoberta).

A carta de risco do play complementar baseia-se na carta de acontecimentos do SP,


onde é indicada a influência das 3 variáveis (armadilha, carga, temporização).

20
BIBLIOGRAFIA

Mestrado em Eng. Geológica e de Mnas - 2009


Autor Desconhecido

21
CONCLUSÃO

22