Anda di halaman 1dari 1

VONTADE E DESEJO

[Lúcifer, Vol. 1, no 2, outubro de 1887, p. 96]

H.P. Blavatsky
A vontade é posse exclusiva do homem em nosso plano de consciência. Ela o distingue do
bruto em quem apenas o desejo instintivo encontra-se ativo.

O desejo, em sua aplicação mais ampla, é a força criativa do Universo. Nesse sentido, não
se distingue da Vontade; mas enquanto permanecermos apenas homens não conheceremos o
desejo nesta forma. Portanto, Vontade e Desejo são considerados aqui opostos.

Assim a Vontade é o rebento do Divino, Deus no homem; o Desejo, a força motriz da vida
animal.

A maioria dos homens vive no desejo e pelo desejo, confundindo-o com a vontade. Mas
aquele que aspira deve distinguir a vontade do desejo, tornando sua vontade soberana, pois o
desejo é instável e muda sempre, enquanto que a vontade é firme e constante.

A vontade e o desejo são criadores absolutos, formando o próprio homem e seu entorno.
Mas a vontade cria de forma inteligente — o desejo de forma cega e inconsciente. O homem,
portanto, torna-se a imagem de seus desejos, a menos que crie a si mesmo à semelhança do
Divino, valendo-se de sua vontade, que é filha da luz.

Sua tarefa é dupla: despertar a vontade, fortalecê-la pelo uso e pela conquista, torná-la
regente absoluta de seu corpo e, paralelo a isto, purificar o desejo.

Conhecimento e vontade são os instrumentos usados para a obtenção desta purificação.