Anda di halaman 1dari 11

A informática na Educação

Especial

 Pablo de Paula
 Patricia Apª. N. da
Silva
 1º ANO DE
PEDAGOGIA
-UNICENTRO
OBJETIVO

Na busca de alternativas de
reconhecimento dos surdo como
cidadãos, pode-se afirmar que a
aquisição de conhecimento é sem
dúvida alguma a que mais
condições oferecem.

Uma das formas
que apresentam
maior viabilidade
e maior
potencialidade de
inserção do
deficiente
auditivo se dá
através da
informática.
 Teclados
adaptados
 Mouses
modificados
 Sinalizadores de
tela
 Dicionário de
gestos
 LIBRAS
 Telas sensíveis
TROCA DE INFORMAÇÕES
 Para que todo esse
recurso
Tecnológico seja
disponibilizado há
que dilatar sua
difusão e
conhecimento para
não ficar numa
circulação restrita
de seus benefícios.
Aluno Surdo na sala de aula
 Por muito tempo a
surdez era visto de
diferentes formas,
principalmente por
ser uma patologia,
por isso a criança
surda era
considerada
doente.
O Progresso da Cultura surda
 Mesmo com a
evolução da cultura
surda inserida na
sociedade, A
aquisição da
linguagem e,
associado a isso, a
leitura é essencial
para o
desenvolvimento
cultural do aluno
surdo.
LIBRAS no Computador
 Através do
computador temos
o alfabeto em
LIBRAS de várias
formas e modelos
dando suporte
para o aluno surdo
e para os ouvintes
que tiverem
interesse em
aprender.
Língua Brasileira de Sinais
 LIBRAS não se
possui sinal para
artigos, preposições,
todo o conjunto de
normas para formar a
língua portuguesa,
uma vez que o
significado dos
elementos está no
sinal contido.
Considerações Finais
 Este estudo
procurou verificar
o auxílio do
computador como
ferramenta no
processo de
aprendizagem e a
compreensão do
aluno surdo na
sala de aula.
DIVULGAÇÃO DE BENEFÍCIOS
 Observamos que,
apesar do Brasil ter
avanços tecnológicos
para amparar essa
sociedade, falta
interesse do órgãos
responsáveis para a
divulgação desses
benefícios.