Anda di halaman 1dari 19

UNESP

FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA Unesp


FCT – Campus de Presidente Prudente

Química Analítica
ANÁLISE VOLUMÉTRICA
VOLUMETRIA DE NEUTRALIZAÇÃO

Discentes: Carolina Schneider


Gabriela Bitto de Oliveira
Marisa da Silva Oliveira
Pedro Henrique Picelli de Azevedo
Docente: Homero Marques Gomes
Disciplina: Química Analítica
Curso: Engenharia Ambiental
2° ano

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010


SUMÁRIO
1. Objetivos
1.1. Objetivos gerais...................................................................................................02
1.2. Objetivos da prática.............................................................................................02

2. Introdução.........................................................................................................................03

3. Metodologia
3.1. Materiais utilizados..............................................................................................06
3.1.1. Vidraria e instrumental..........................................................................06
3.1.2. Reagentes e soluções.............................................................................06
3.2. Procedimentos experimentais..............................................................................06

4. Periculosidade...................................................................................................................08

5. Resultados e discussões
5.1. Padronização da solução de NaOH com ftalato ácido de potássio .....................09
5.2. Titulação do HCl com a solução padronizada de NaOH ....................................10
5.3. Titulação do CH3COOH com a solução padronizada de NaOH .........................12
5.4. Titulação do H3PO4 com a solução padronizada de NaOH ................................15

6. Conclusão..........................................................................................................................17

7. Referências bibliográficas..............................................................................................18

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 1


1. OBJETIVOS

1.1. Objetivos gerais

 Padronizar um solução alcalina;


 Titular diferentes soluções ácidas com uma base forte;
 Verificar o efeito da escolha do indicador no resultado das titulações.

1.2. Objetivos específicos

 Calcular as concentrações de cada ácido utilizando os dados obtidos com cada


indicador;
 Discutir e justificar as possíveis discrepâncias encontradas para a mesma solução
quando são utilizados indicadores diferentes.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 2


2. INTRODUÇÃO

A volumetria consiste na medição de volumes de duas soluções que reagem uma com a
outra, sendo uma solução de concentração conhecida e a outra contendo a substância a ser doseada.
A primeira é adicionada, em geral, gradualmente à solução da substância a dosear até que se atinja a
quantidade estequiométrica. O processo de medição de volumes é designado por titulação.
Titulação é o processo empregado em Química para se determinar a quantidade de
substância de uma solução pelo confronto com uma outra espécie química, de concentração e
natureza conhecidas. A substância de interesse em qualquer determinação recebe o nome de analito.
A espécie química com concentração definida recebe o nome de titulante, que é, em geral, uma
solução obtida a partir de um padrão primário. No entanto, padronizando-se uma solução comum,
esta também pode ser utilizada. A solução a ter sua concentração determinada recebe o nome de
titulado.
Padrão primário consiste em uma substância química sólida ou líquida estável, que não
absorve nem libera umidade e, geralmente, possui peso molecular alto. O peso molecular alto
contribui favoravelmente para diminuir os erros na padronização, uma vez que poderão ser pesadas
quantidades maiores do padrão no momento de preparar soluções. É denominado primário porque
através dele determina-se diretamente a concentração exata da solução a ser padronizada.
Solução padronizada, por sua vez, é aquela cuja concentração, expressa em normalidade ou
molaridade, é conhecida com quatro números decimais, necessários devido à precisão com que as
balanças analíticas pesam o décimo do miligrama. Entre as soluções mais usadas estão as de NaOH
(hidróxido de sódio), HCl (ácido clorídrico) e Na2S2O3 (tiosulfato de sódio).
Existem vários tipos de titulação, entre elas destacam-se a titulação ácido-base, titulação de
oxidação-redução e titulação de complexação.
Numa titulação faz-se a adição do titulante ao titulado, até se atingir as proporções
estequiométricas entre as duas substâncias reagentes, isto é até que se atinja o chamado ponto de
equivalência da volumetria. Na prática, porém, este ponto é detectado um pouco antes ou um pouco
depois do ponto de equivalência e é designado por ponto final. A diferença entre o ponto de
equivalência e o ponto final é o chamado erro de titulação.
O Ponto Final da Titulação também pode ser determinado através da chamada Curva de
Titulação ou Curva de Neutralização, uma representação gráfica dos valores do pH em função do
volume de titulante adicionado.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 3


A representação gráfica de uma curva de titulação mostra três zonas de variação do pH:
• uma variação suave, quase horizontal, na zona ácida da escala de pH (varia pouco devido à
capacidade de tampão da solução de ácido forte);
• uma variação brusca, quase vertical, passando da zona ácida para a zona alcalina;
• de novo, uma pequena variação na zona alcalina.
O Ponto de Equivalência é o ponto de inflexão da curva de titulação, isto é, é o ponto em
que muda a inclinação da curva. O ponto de equivalência é definido por duas coordenadas: o
volume equivalente lido nas abcissas e o pH equivalente lido no eixo das ordenadas.
Dentro da titulação ácido-base tem-se a titulação ácido forte/ base forte. Neste tipo de
titulação, o ponto de equivalência se dá aproximadamente em pH 7, pois o ácido ioniza-se
praticamente na totalidade e a base se dissocia praticamente na totalidade. Quando os íons H3O+ e
OH- reagem, formam água.

(Titulação ácido forte/ base forte – HCl / NaOH)

Na titulação ácido fraco/ base forte, o ponto de equivalência é atingido quando o pH > 7,0.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 4


(Titulação ácido fraco/ base forte - Ácido Acético/ NaOH)

Um dos métodos de identificação do titulante e titulado é o colorímetro. Esse método


consiste na adição de um indicador ácido-base, que muda de cor quando se atinge o ponto de
equivalência.
De acordo com o Princípio de Le Chatelier, alterações do pH do meio provocam
deslocamento do equilíbrio de ionização do indicador. Em meios de elevada acidez (baixo pH e
abundância de H 3O+), predomina a forma ácida do indicador, e o observador vê a cor respectiva;
para elevada alcalinidade (relativa deficiência de H 3O+, logo abundância de OH-), ou seja, pH
mais elevado, predomina a forma básica, A zona de viragem do indicador deve estar contida na zona
de mudança brusca de pH e conter o pH do ponto de equivalência.
A fenolftaleína é um indicador muito utilizado. Possui a zona de viragem entre pH 8,0-9,8,
assumindo a forma incolor em meio ácido e violeta avermelhado em meio alcalino.

O alaranjado de metila, por sua vez, é um indicador que possui zona de viragem bem mais
baixa, entre pH 3,1-4,4. Assume a cor vermelha em meio ácido e amarelo alaranjado em meio
alcalino.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 5


3. METODOLOGIA
3.1. Matérias utilizados
3.1.1. Vidraria e instrumental
 Erlenmeyers de 250 mL;
 Béquers de 250 mL;
 Balão volumétrico de 500 mL;
 Pipetas;
 Balança.

3.1.2. Reagentes e soluções


 Ftalato ácido de potássio;
 Hidróxido de sódio;
 Ácido clorídrico;
 Ácido acético;
 Ácido fosfórico;
 Alaranjado de metila a 1%;
 Fenolftaleína a 1%;
 Água destilada.

3.2. Procedimentos metodológicos


Iniciamos a prática com a padronização da solução de NaOH. Para isso, titulamos a solução
de ácido padrão primário(solução de ftalato ácido de potássio) com a solução de NaOH, utilizando
fenolftaleína como indicador. Repetimos este procedimento por mais duas vezes e anotamos os
volumes de NaOH gastos.
Posteriormente, realizamos as titulações. Foram tituladas duas amostras de cada ácido, uma
utilizando o indicador fenolftaleína, e outra utilizando o alaranjado de metila. Começamos pela
titulação do HCl, para a qual, inicialmente, transferimos 25,0 mL de solução de HCl para um
erlenmeyer de 250 mL e adicionamos fenolftaleína como indicador. Titulamos esta solução com a
solução de NaOH padronizada e repetimos o procedimento por mais duas vezes. Anotamos os
volumes de NaOH gastos, para posteriores cálculos.
Transferimos, novamente, 25,0 mL de solução de HCl para um erlenmeyer de 250 mL,
adicionamos alaranjado de metila como indicador e titulamos a solução com a solução de NaOH
padronizada. Repetimos o procedimento por mais duas vezes e anotamos os volumes de NaOH
gastos.
Seguimos com a titulação do ácido acético. Transferimos 25,0 mL de solução de ácido

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 6


acético para um erlenmeyer de 250 mL, adicionamos fenolftaleína como indicador e titulamos a
solução com solução de NaOH padronizada. Repetimos o procedimento por mais duas vezes e
anotamos os volumes de NaOH gastos.
Na seqüência, transferimos novamente 25,0 mL de solução de ácido acético para um
erlenmeyer de 250 mL, adicionamos alaranjado de metila como indicador e titulamos esta solução
com solução de NaOH padronizada. Repetimos o procedimento por mais duas vezes e anotamos os
volumes de NaOH gastos, para posteriores cálculos.
Por fim, realizamos a titulação do ácido fosfórico. Transferimos 25,0 mL de solução de
ácido fosfórico para um erlenmeyer de 250 mL, adicionamos fenolftaleína como indicador e
titulamos a solução com solução de NaOH padronizada. Repetimos o procedimento por mais duas
vezes e anotamos os volumes de NaOH gastos.
Novamente, transferimos 25,0 mL de solução de ácido fosfórico para um erlenmeyer de 250
mL e adicionamos agora, o alaranjado de metila como indicador e titulamos a solução com solução
de NaOH padronizada. Repetimos o procedimento por mais duas vezes e anotamos os volumes de
NaOH gastos.
Para os resultados e discussões, calculamos as concentrações de cada ácido utilizando os
dados obtidos com cada indicador; discutimos e justificamos as possíveis discrepâncias encontradas
para a mesma solução quando são utilizados indicadores diferentes.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 7


4. PERICULOSIDADE
 Ácido Clorídrico
Ácido clorídrico (HCℓ) é uma solução aquosa, fortemente ácida e extremamente corrosiva,
devendo ser manuseado apenas com as devidas precauções. Frases R: R34, R37; Frases S: S1/2,
S26, S45; Ponto de fulgor: Não inflamável.

 Hidróxido de Sódio
Ligeiramente corrosivo. Pode ser tóxico em caso de ingestão. Pode causar irritação nos olhos
e na pele em contato prolongado

 Ácido Acético
Periculosidade : Substância corrosiva/inflamável. Causa queimaduras graves. tóxico por
ingestão/inalação podendo causar vomito. Não respirar o vapor. Utilizar equipamento de proteção
adequado. Em caso de contato com os olhos e a pele, lavar com água em abundância e a seguir
procurar um médico.

 Ácido Sulfurico
Periculosidade: Substância provoca queimaduras graves. Irritante as vias respiratórias.
Nunca usar água sobre o produto.
Em caso de contato com a pele lavar com água em abundância e quando em contato com os
olhos lavar com soro glicosado ou água com bastante abundância . Em caso de ingestão (De
grandes quantidades) procurar um médico, se possível mostrando o rótulo.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 8


5. RESULTADOS E DISCUSSÕES
5.1. PADRONIZAÇÃO DA SOLUÇÃO DE NAOH COM FTALATO ÁCIDO DE POTÁSSIO

Através da titulação da solução de hidróxido de sódio (NaOH) com ftalato ácido de potássio
(C8H5O4K) dissolvido em água, fez-se a padronização daquela. Para isso, utilizou três massas
diferentes do ácido (m1 = 0,5224g ; m2 = 0,5296 ; m3 = 0,5223g), e o indicador de fenolftaleína. A
solução de ftalato e fenolftaleína, inicialmente incolor, foi titulada com o hidróxido até a zona de
transição do indicador ser alcançada e a solução obter uma cor rosa-claro.
Os seguintes volumes do titulante foram utilizados em cada massa de reagente para alcançar
o pH da zona de transição do indicador de fenolftaleína:

m1 = 0,5224g VNaOH 1 = 24,5 ml


m2 = 0,5296g VNaOH 1 = 25,7 ml
m2 = 0,5223g VNaOH 1 = 24,5 ml

Tendo em vista que a molaridade do ftalato ácido de potássio é mm = 204,1 g/mol é


possível calcular a quantidade de mols existente em cada solução, levando em consideração as
diferente massas (m), através da seguinte equação:
nC8H5O4K = m / mm

m1 nC8H5O4K - 1 = m1 / mm nC8H5O4K - 1 = 0,5224/204,1 nC8H5O4K - 1 = 2,56x10-3 mol


m2 nC8H5O4K - 2 = m1 / mm nC8H5O4K - 2 = 0,5296/204,1 nC8H5O4K - 2 = 2,59x10-3 mol

m3 nC8H5O4K - 3 = m1 / mm nC8H5O4K - 3 = 0,5223/204,1 nC8H5O4K - 3 = 2,56x10-3 mol

Como no ponto de viragem do indicador a solução encontra-se em equilíbrio, a quantidade


de mol do reagente será igual a do titulante, ou seja, nC8H5O4K = nNaOH . Para padronizar o hidróxido

de sódio é necessário encontrar a concentração deste em cada reação e calcular a média, para isso
tem-se as seguintes equações:

[NaOH] = nNaOH / VNaOH

nC8H5O4K - 1 = nNaOH - 1 [NaOH]1 = nNaOH - 1 / VNaOH - 1 [NaOH]1 = 0,100 mol/L

nC8H5O4K - 2 = nNaOH - 2 [NaOH]2 = nNaOH - 2 / VNaOH - 2 [NaOH]2 = 0,104 mol/L

nC8H5O4K - 3 = nNaOH - 3 [NaOH]1 = nNaOH - 3 / VNaOH - 3 [NaOH]3 = 0,100 mol/L

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 9


portanto,
[NaOH]méd = ([NaOH]1 + [NaOH]2 + [NaOH]3) / 3 [NaOH]méd = 0,102 mol/L

O esperado seria um valor de molaridade igual a 0,1mol/L, mas devido ao tempo de


exposição da solução de hidróxido de sódio ao ambiente, conclui-se que a ele foi contaminada
possivelmente com dióxido de carbono presente no ar, o que modificou a sua concentração.

5.2. TITULAÇÃO DO HCL COM A SOLUÇÃO PADRONIZADA DE NAOH

A solução de hidróxido de sódio (NaOH) foi utilizada para titular 25 ml de ácido clorídrico
(HCl), ocorrendo a seguinte reação entre as substância:

HCl + NaOH NaCl + H2O

Indicador de Fenolftaleína:
Utilizando a fenolftaleína como indicador. A solução de ácido clorídrico a principio continuo
incolor, tornando rosa-claro após a adição de VNaOH 1 = 23,2 ml do titulante (NaOH).
Ao repetir o experimento, foram gastos VNaOH 2 = 23,3 ml da solução padrão (NaOH) , para
que a coloração se igualasse a do experimento anterior. A diferença de volume, nos experimentos,
das quantidades gastas de titulante foi de 0,1ml, como este é um valor aceitável, não foi necessário
repetir o experimento uma terceira vez.
Para encontrar a concentração de ácido clorídrico, fez-se uma média entre os volumes de
hidróxido de sódio obtidos nos diferentes experimentos:
VNaOH méd 1 = (VNaOH 1 + VNaOH 2 ) / 2 = (23,2 ml + 23,3 ml) / 2 = 23,25 ml
Espera-se que a solução esteja em equilíbrio após a mudança de cor para rosa-claro,
causada devido a presença do indicador de fenolftaleína. Tendo em vista este conceito, pode-se usar
a seguinte igualdade para encontrar a concentração de ácido clorídrico:

CNaOH X VNaOH méd 1 = CHCl 1 X VHCl


onde,
CNaOH = concentração de hidróxido de sódio
VNaOH méd 1 = volume médio de hidróxido de sódio
CHCl 1 = concentração de ácido clorídrico
VHCl = volume de ácido clorídrico
portanto,

CHCl 1 X 25ml = 0,102 mol/L X 23,25 ml CHCl 1 = 0,09486 mol/L

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 10


Indicador de Alaranjado de Metila:

Utilizando o alaranjado de metila como indicador. A solução passou a ter uma cor
avermelhada , tornando amarela após a adição de VNaOH 3 = 22,3 ml do titulante (NaOH). Ao
repetir o experimento, foram gastos VnaOH 4 = 22,2 ml da solução padrão (NaOH) , para que a
coloração se igualasse a do experimento anterior.
Encontrando o valor médio entre os volumes obtidos, tem-se o seguinte resultado:

VNaOH méd 2 = (VNaOH 3 + VNaOH 4 ) / 2 = (22,2 ml + 22,3 ml) / 2 = 22,25 ml

Com o volume médio da solução de hidróxido de sódio gasto na titulação (VNaOH méd 2), pode-
se calcular o valor da concentração do ácido clorídrico ( CHCl 2), através da igualdade:

CNaOH X VNaOH méd 2 = CHCl 2 X VHCl

CHCl 2 X 25ml = 0,102 mol/L X 22,25 ml CHCl 2 = 0,0918 mol/L

Comparação entre os indicadores ( Alaranjado de Metila X Fenolftaleína):

Tendo como base que a titulação de um ácido forte (ácido clorídrico) e uma base forte
(hidróxido de sódio) tem a solução resultante, no ponto de equivalência, um pH neutro = 7, já que o
ânion do ácido e o cátion da base não sofrem hidrólise:
+ - + - + -
Na OH + H Cl H2O + Na Cl

A curva de titulação do ácido acético 0,1N com hidróxido de sódio a 0,1N é calculada tendo
em conta a porção remanescente do ácido ou o excesso da base, através da equação:

para pH < 7 [H+] = (VHCl - VNaCl ) X [H+]inic. / Vtotal pH = - log[H+]

-
para pH > 7 [OH ] = (VNaCl - VHCl) X [H+]inic. / Vtotal PH = 14 - log[OH-]

onde,
VHCl = constante (25ml)
VNaCl = volume de NaCl adicionado
[H+]inic = 0,1 N
Vtotal = (VHCl + VNaCl )

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 11


14

12

10

Zona de transição da fenolftaleina


8

Ponto de equivalência
6

4
Zona de trans do Alar. de metila

0
0 5 10 15 20 24 25 26 30

Tendo em vista a zona de transição do alaranjado de metila (pH 3,1 a pH 4,40) e da


fenolftaleína (pH 8 a pH 10), os resultados obtidos experimentalmente estão abaixo do esperado,
havendo, portanto, erro de titulação no experimento.
Através do gráfico e da tabela observa-se que ambos os indicadores podem ser usados para
titular 25ml de ácido clorídrico a 0,1 N com hidróxido de sódio a 0,1 N, já que suas zonas de
transição do pH estão bem próximas ao ponto de equivalência da solução.
Outro modo de analisar qual o indicador é
mais apropriado é comparar o resultado da concentração do ácido calculado. Para o indicador de
Fenolftaleína CHCl 1 = 0,09486 mol/L e, para o indicador de Alaranjado de Metila CHCl 2 = 0,0918
mol/L. Ambos os resultados estão muito próximos ao da concentração real do ácido de 0,1 mol/L o
que indica que ambos os indicadores estão aptos para essa reação.
5.3. TITULAÇÃO DO CH3COOH COM A SOLUÇÃO PADRONIZADA DE NaOH

Usando 25 ml de ácido acético (Hac) um ácido fraco e o hidróxido de sódio (NaOH) uma
base forte, a titulação daquela substância pela base gera uma solução alcalina, por hidrólise, no
ponto de equivalência. A reação ocorre da seguinte forma:
CH3COOH + NaOH CH3COONa + H2O

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 12


Indicador de Fenolftaleína:

Utilizando a fenolftaleína como indicador. A solução de ácido acético a principio continuo


incolor já que o seu pH inicial é de 2,87, após a adição de VNaOH 1 = 23,9 ml de hidróxido de sódio,
a solução passa a ser cor rosa-claro. Ao repetir o experimento, foram gastos VNaOH 2 = 24 ml da
solução padrão (NaOH) , para que a coloração se igualasse a do experimento anterior.
Calculo da concentração do ácido ácido acético, no ponto de viragem do indicador o qual
espera-se que também seja o ponto de equivalência:
VNaOH méd 1 = (VNaOH 1 + VNaOH 2 ) / 2 = (23,9 ml + 24 ml) / 2 = 29,95 ml

CNaOH X VNaOH méd 1 = CHAc 1 X VHAc CHAc 1 = (0,102 X 29,95) /25 CHAc 1 = 0,1222 mol/L
Indicador de Alaranjado de Metila:

Utilizando o alaranjado de metila como indicador. A solução passou a ter uma cor
avermelhada , tornando amarela após a adição de VNaOH 3 = 7,1 ml do titulante (NaOH). Ao repetir
o experimento, foram gastos VnaOH 4 = 7,2 ml da solução padrão (NaOH) , para que a coloração se
igualasse a do experimento anterior.
Calculo da concentração de ácido acético para os novos volumes de hidróxido de sódio:

VNaOH méd 2 = (VNaOH 3 + VNaOH 4 ) / 2 = (7,1 ml + 7,2 ml) / 2 = 7,15 ml

CNaOH X VNaOH méd 2 = CHAc 2 X VHAc CHAc 2 = (0,102 X 7,15) /25 CHAc 2 = 0,0291 mol/L

Comparação entre os indicadores ( Alaranjado de Metila X Fenolftaleína):


Tendo como base que o pH inicial do ácido acético é aproximadamente pH 2,87, o pH de
equivalência é de aproximadamente pH 8,12 e o valor de pKa = 4,75. Para titular um ácido fraco e
uma base forte usa-se a seguinte reação até o ponto de equivalência:
[HAc] = (VHAc - VNaCl ) X [HAC]inic. / Vtotal
pH = pKa + log([NaAc]/[HAc])
[NaAc] = VNaCl X [HAC]inic. / Vtotal

as equações resultam na seguinte tabela

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 13


14

12

10
Zona de transição da fenolftaleina
8
Ponto de equivalência

4
Zona de trans do Alar. de metila

0
0 5 10 15 20 25 26 30

Devido a zona de transição do alaranjado de metila (pH 3,1 a pH 4,40) o resultado obtido
experimentalmente está acima do esperado. Porém, ao titular usando a fenolftaleína (pH 8 a pH 10)
como indicador, o resultado obtido experimentalmente encontra-se abaixo do esperado. Havendo,
portanto, erro de titulação de ambos os experimentos.
Através do gráfico e da tabela observa-se que o alaranjado de metila não é um indicador
aconselhável para a titulação de ácido acético com hidróxido de sódio já que a sua zona de transição
encontra-se muito abaixo do ponto de equivalência da solução. Entretanto, para esse experimento, a
Fenolftaleína é um indicador adequado, pois sua zona de transição está dentro do ponto de
equivalência da solução.
Analisando as concentrações do ácido acético, calculadas acima, para os diferentes
indicadores, também pode-se concluir que a fenolftaleína é o indicador mais adequado para titular
essa solução com hidróxido de sódio. Pois o valor da concentração encontrado para esse indicador
foi de CHAc 1 = 0,1222 mol/L próximo à concentração real que é de 0,1 mol/L. Porém, para o
indicador de Alaranjado de Metila a concentração foi de C HAc 2 = 0,0291 mol/L, muito diferente do
valor real da concentração ácido acético utilizado.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 14


5.4. TITULAÇÃO DO H3PO4 COM A SOLUÇÃO PADRONIZADA DE NaOH

Indicador de Fenolftaleína:

Utilizando a fenolftaleína como indicador. A solução de ácido de fosfórico a principio


continuo incolor, após a adição de VNaOH 1 = 54 ml de hidróxido de sódio, a solução passa a ser cor
rosa-claro. Ao repetir o experimento, foram gastos o mesmo volume de titulante, VNaOH 2 = 54 ml ,
para que a coloração se igualasse a do experimento anterior.
Calculo da concentração do ácido ácido fosfórico, no ponto de viragem do indicador que
corresponde também ao ponto de equivalência da solução, titulando o ácido como um ácido
diprótico, portanto a relação entre NaOH e H3PO4 é de 1:2 :

1CNaOH X VNaOH = 2CH3PO4 -1 X VH3PO4 CH3PO4 -1 = (0,102 X 54) /50 CH3PO4 -1 = 0,110 mol/L
Indicador de Alaranjado de Metila:

Utilizando o alaranjado de metila como indicador. A solução passou a ter uma cor
avermelhada , tornando amarela após a adição de VNaOH 3 = 28 ml do titulante (NaOH). Ao repetir
o experimento, foram gastos VNaOH 4 = 27,9 ml da solução padrão (NaOH) , para que a coloração se
igualasse a do experimento anterior.
Calculo da concentração de ácido fosfórico, titulando-o como um ácido monoprótico, onde
relação entre NaOH e H3PO4 é de 1:1:

VNaOH méd = (VNaOH 3 + VNaOH 4 ) / 2 = (28 ml + 27,9 ml) / 2 = 27,95 ml

CNaOH X VNaOH = CH3PO4 -2 X VH3PO4 -2 CH3PO4 -2 = (0,102 X 27,95) /25 CH3PO4 -2 = 0,114 mol/L

Comparação entre os indicadores ( Alaranjado de Metila X Fenolftaleína):

O ácido fosfórico, que é um ácido triprótico (K1 = 7,5 X10-3, K2 = 6,2X10-8 e K3 = 4,8X10-13).
Possui suas constantes de ionização amplamente separadas. Como as duas primeiras constantes de
ionização são suficientemente grandes, isso significa que o ácido monoprótico fosfórico pode ser
titulado como monoprótico ou diprótico. Todavia o ácido fosfórico não é titulado como triprótico,
posto que a terceira constante de ionização corresponde a um ácido tão fraco quanto a a água.
No primeiro ponto de equivalência, tem-se uma solução de dihidrogenofosfato de sódio com
pH 4,66. Assim, o ácido fosfórico foi titulado como monoprótico com o indicador de alaranjado de
metila. No segundo ponto de equivalência, a solução consiste de hidrogenofosfato de sódio, com pH

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 15


9,4. Sendo que o indicador fenolftaleína foi usado para titular o ácido fosfórico como ácido
diprótico.
Portanto, ambos os indicadores mostram-se aptos a serem utilizados na titulação do ácido
fosfórico com o hidróxido de sódio, já que a solução apresenta dois pontos de equivalência
consideráveis, onde o primeiro ponto encontra-se na zona de transição do indicador alaranjado de
metila e o segundo ponto encontra-se na zona de transição do indicador fenolftaleína.
As concentrações encontradas para o ácido fosfórico confirmam a informação acima, pois
para ambos os indicadores as concentrações resultaram num valor próximo ao real que é de
0,1 mol/L.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 16


6. CONCLUSÃO

É importante selecionar um indicador com um ponto final próximo do ponto


estequiométrico da titulação de interesse. Na prática, o pKln do indicador dever estar no intervalo de
cerca de +- 1 unidade de pH do ponto estequiométrico da titulação:
A fenolftaleína pode ser usada em titulações com um ponto estequiométrico próximo a pH =
9, como a titulação de um ácido fraco com uma base forte. O alaranjado de metila muda de cor
entre pH = 3,2 e pH = 4,4 e pode ser usado na titulação de uma base fraca com um ácido forte.
Idealmente, indicadores para titulação de ácido forte e base forte devem ter pontos finais mais
próximos a pH 7. Entretanto, em titulações de ácido forte e base forte, o pH muda rapidamente em
várias unidades de pH, e até mesmo a fenolfetaleína e o alaranjado de metila podem ser usados,
assim como para ácidos polipróticos, que por possuir mais de um ponto de equivalência pode usar
ambos os indicadores.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 17


7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

ATKINS, Peter. Princípios de química: questionando a vida moderna e o meio ambiente. 3ª ed.
Porto Alegre: Bookman, 2006.

OHLWEILER, Otto Alcides. Química analítica Quantitativa. Rio de Janeiro. Livros Técnicos e
Científicos ; Brasília, INL, 1974.

Presidente Prudente, 30 de agosto de 2010 18