Anda di halaman 1dari 7

1ª INSTRUÇÃO - 3º GRAU

A LENDA DO TERCEIRO GRAU

Ir. Sérgio Roberto Cavalcante

A história conta o assassinato de Hiram Abiff, Mestre Construtor do Templo do Rei Salomão,
por três Companheiros que tentaram dele obter, à força, os segredos da qualidade de Mestre. Não
conseguindo, mataram-no com três pancadas de diferentes instrumentos de trabalho, enterraram-
no, foram descobertos e executados. O corpo do Mestre, recuperado por Salomão, foi enterrado,
condignamente, e as palavras pronunciadas quando o cadáver foi encontrado passaram a
substituir as anteriores, para assim identificar os Mestres Maçons.

A LENDA MAÇÔNICA

Os Ritos adotam versões diferenciadas da lenda do Terceiro Grau e, para o estudo comparativo
organizado dessas versões, segundo os Ritos praticados no Brasil, foi adotada a seguinte divisão,
em cinco seguimentos lógicos:

O PERSONAGEM;

A CONSPIRAÇÃO;

O ATENTADO;

A PUNIÇÃO DOS ASSASSINOS;

O RESGATE DO CADÁVER.

O PERSONAGEM
I - Os Ritos de Emulação (York), Escocês Antigo e Aceito, Moderno, Brasileiro e Schröeder têm
como personagem central Hiran Abib, arquiteto do templo do Rei Salomão, enviado por Hiran,
Rei de Tiro;

II - O Rito Adonhiramita tem Adonhiran como figura principal da lenda, dando-o como arquiteto
e construtor do templo de Salomão;

III - O personagem que mais se aproxima deste perfil profissional é Hiran e não Adonhiran;
assim, fica a possibilidade deste nome ser o resultado da contração de “Adom” (senhor) e
“Hiram”, com o significado de “Senhor Hiram”, título respeitoso atribuído ao Mestre Construtor.

A CONSPIRAÇÃO

A conspiração está dividida em três partes, a saber: quando aconteceu; o número de


conspiradores e o objetivo.

(QUANDO ACONTECEU)

I - Os Ritos de Emulação (York), Escocês Antigo e Aceito, Adonhiramita e Brasileiro situam a


conspiração na época em que a construção do templo estava em seu final;

II - O Rito Adonhiramita especifica que as portas já haviam sido colocadas;

III - O Rito de Emulação (York) informa que ocorria o ano de 3.000 da criação do mundo;

IV - Os Ritos Moderno e Schröeder não cita a ocasião da conspiração.

(O NÚMERO DE CONSPIRADORES)

I - Os Ritos de Emulação(York), Escocês Antigo e Aceito; Brasileiro e Schröeder consideram 15


conspiradores inicialmente, dos quais 12 retrocederam em seus propósitos, restando três que
efetivamente se associaram para a tarefa fatal;

II - Os Ritos Moderno e Adonhiramita citam três conspiradores desde o início da trama.

(O OBJETIVO)

I - Os Ritos Escocês Antigo e Aceito; Brasileiro e Schröeder dão como objetivo mais especifico
era obter maiores salários em outros países;

II - Os Ritos Moderno e Adonhiramita citam a obtenção de Palavras, Toques e Sinal de Mestre;

III - O Rito de Emulação (York) dá como objetivo a obtenção dos Sinais de Mestre.

O ATENTADO

O atentado está dividido em duas partes, a saber: quando ocorreu e onde ocorreu.
(QUANDO OCORREU)

I - Os Ritos de Emulação (York), Escocês Antigo e Aceito, Brasileiro e Schröeder indicam o


meio-dia como horário do atentado;

II - O Rito Adonhiramita conta que aconteceu à noite;

III - O Rito Moderno indica a tarde, após a saída dos operários.

(ONDE OCORREU)

I – O Rito de Emulação (York) cita as portas do Sul, Norte e Oriental;

II - Os Ritos Escocês Antigo e Aceito, Brasileiro e Schröeder dão como locais das três agressões
as portas Sul, Ocidental e Oriental do templo;

III - O Rito Moderno dá como locais dos golpes, as portas: Ocidental, Norte e Oriental;

IV - O Rito Adonhiramita informa as portas: Ocidental, Sul e Oriental.

OS ASSASSINOS

I - Nos Ritos de Emulação (York), Escocês Antigo e Aceito, Moderno e Brasileiro, os


Companheiros são: Jubelas, Jubelos e Jubelum, autores respectivamente, dos três golpes contra o
Mestre Hiram;

II - O Rito Brasileiro o autor do golpe fatal é Jubelum, é também chamado de Abibala, o


“parricida”;

III - Os demais Ritos não mencionam os assassinos.

AS ARMAS UTILIZADAS

I - Os Ritos Escocês Antigo e Aceito, Brasileiro e Schröeder as armas usadas são a Régua, o
Esquadro e o Maço, nesta ordem;

II - No Rito Moderno e Andohiramita as armas são a Régua, a Alavanca e o Maço, e o Rito


Moderno especifica que a Régua era de ferro;

III - No Rito de Emulação (York) as armas são o Prumo, o Nível e o Maço Pesado.

AS PARTES DO CORPO DE HIRAN QUE FORAM GOLPEADAS

I - Nos Ritos Escocês Antigo e Aceito, Brasileiro e Schröeder os golpes atingiram,


respectivamente, a garganta, o peito e a cabeça de Hiran;

II - Os Ritos Escocês Antigo e Aceito e o Brasileiro citam especificamente a testa, e não a cabeça
em geral, como local do golpe fatal;
III - O Rito Schröeder especifica o peito esquerdo como local do segundo golpe.

IV - Nos Ritos Moderno e Adonhiramita os golpes atingem o ombro, a nuca e a testa, e o Rito
Adonhiramita especifica o ombro direito;

V - No Rito de Emulação(York) os locais atingidos são a fronte direita, a fronte esquerda e a


testa.

A OCULTAÇÃO DO CADÁVER

I - Nos Ritos Escocês Antigo e Aceito e Brasileiro o cadáver foi enterrado, pelos assassinos,
numa montanha fora de Jerusalém;

II - No Rito Moderno o corpo foi enterrado em um lugar afastado da cidade;

No Rito Schröeder o cadáver foi ocultado sob um monte de entulho da obra, de onde foi retirada
a meia-noite para ser sepultado ao lado de uma colina;

III - O Rito Adonhiramita relata que o cadáver de Adoniram foi enterrado em lugar pouco
distante da obra, sob um monte de ruínas, o qual foi colocado um ramo de acácia;

IV – O Rito de Emulação(York) não faz referência à ocultação do cadáver.

A PUNIÇÃO DOS ASSASSINOS

(A BUSCA PARA PUNIR OS ASSASSINOS)

I - Os Ritos Escocês Antigo e Aceito e Brasileiro, foram constituídos quatro grupos de três
Companheiros, um grupo para cada ponto cardeal, para a busca dos assassinos;

II - No Rito de Schröeder 12 Companheiros foram encarregados da busca dos culpados;

III - O Rito de Emulação(York), consta de que foram constituídas três Lojas de Companheiros e
partiram das três entradas do templo, em busca do Mestre;

IV – Os Ritos Moderno e Adonhiramita, não mencionam nada a respeito.

A CAPTURA

I - Os Ritos Escocês Antigo e Aceito e Brasileiro, um dos grupos, ao descer pelo rio Jopa, ouviu
por uma fenda na rocha, os lamentos dos assassinos. O grupo prendeu os assassinos e levou a
Salomão;

II - No Rito de Schröeder, os Companheiros ouviram, partindo de uma gruta, as lamentações dos


assassinos;

III – O Rito de Emulação(York) informa que o terceiro dos grupos encarregados de procurar o
cadáver (e não assassinos), na volta de Jopa a Jerusalém, não tendo êxito em sua missão,
encontrou acidentalmente, em uma caverna, os assassinos, após terem ouvido sons de
lamentações. O grupo obteve a confissão dos assassinos e os levou a Salomão;

IV - Os Ritos Moderno e Adonhiramita não mencionam a captura dos assassinos, no Grau de


Mestre.

A EXECUÇÃO DOS CRIMINOSOS

I - Nos Ritos Escocês Antigo e Aceito, Brasileiro e Schroeder, os assassinos tiveram a garganta
cortada, o coração arrancado e o corpo dividido ao meio;

II – O Rito de Emulação(York) apenas cita que os Companheiros criminosos foram executados;

III - Os Ritos Adonhiramita e Moderno não noticiam a execução.

O RESGATE DO CADÁVER

(A BUSCA DO CADÁVER)

I - Os Ritos Escocês Antigo e Aceito e Brasileiro, 12 Companheiros foram inicialmente


encarregados da busca, não tendo sucesso após cinco dias. Sucederam-lhe nove Mestres que, no
segundo dia de buscas, encontraram o corpo no Monte Líbano;

II - O Rito Moderno, um Mestre procurou pelo Norte e não teve sucesso; o segundo Mestre
procurou pelo Sul e também nada encontrou; o terceiro Mestre descobriu a sepultura;

III - O Rito Adonhiramita relata que três Mestres procuraram pelo Norte, nada encontrado. Três
outros Mestres procuraram pelo Sul, Oriente e Ocidente, e encontraram o cadáver;

IV - No Rito de Emulação(York) três grupos de Mestres foram formados, e procuraram pelo Sul,
pelo Oriente, nada tendo descoberto, ao voltar a Jerusalém encontrou os assassinos.

V - O Rito de Schröeder três Mestres procuraram o cadáver pelo Sul, pelo Ocidente, pelo Norte e
pelo Oriente, e o encontraram.

OS INDICIOS DA SEPULTURA

I - Nos Ritos Escocês Antigo e Aceito e Brasileiro, a terra recentemente revolvida e um ramo de
acácia espetado no chão indicaram o local do sepultamento;

II - No Rito Moderno a cova foi identificada por um ramo de acácia;

III - No Rito Adonhiramita relata que ao amanhecer se desprendia do solo um vapor no local da
cova e sobre ela havia um ramo de acácia;

IV – O Rito de Emulação (York), um dos componentes do grupo de busca se apoiou em um


arbusto, para se erguer, e este estava solto, pois havia sido colocado recentemente para identificar
o local da sepultura.
A EXUMAÇÃO

I - Nos Ritos Escocês Antigo e Aceito, Brasileiro, Adonhiramita e Schröeder, a primeira tentativa
infrutífera, de retirar o cadáver da cova foi puxa-lo pelo dedo indicar da mão direita. A segunda
tentativa também infrutífera foi pelo dedo médio da mesma mão. A terceira, bem sucedida, foi
puxar o corpo pelo punho direito, colocando os lados internos do pé direito, e apoiando o ombro
do cadáver com a mão esquerda;

II - No Rito de Schroeder o Mestre passa o seu braço esquerdo em volta do pescoço do cadáver;

III – No Rito de Emulação (York) as duas primeiras tentativas infrutíferas, foram retirar o
cadáver da cova pelo Toque de Aprendiz e pelo Toque de Companheiro. A terceira tentativa,
bem-sucedida, foi à aplicação dos Cinco Pontos de Contatos;

IV - O Rito Moderno não se refere à exumação do cadáver de Hiram.

AS FRASES PROFERIDAS

I - No Rito Escocês Antigo e Aceito a frase proferida na exumação do cadáver foi: “Moha Bom”
“A carne se desprende dos ossos”;

II – No Rito Brasileiro, a frase proferida na exumação do cadáver foi: “Moha Bom” “A carne se
desprende dos ossos”;

III – No Rito de Emulação (York) - a frase proferida foi: “MaughBim” ou seja, “A morte do
Irmão” – e “MachoBim” ou seja, “ O corpo está morto”;

IV - No Rito Moderno, a palavra foi: “Mac Benac” “Viver no filho”;

V - No Rito de Schröeder, a frase foi: “MoaBom” “O filho do Mestre está morto”.

VI – No Rito Adonhiramita – a palavra proferida foi “Mak Benak”, ou seja, “Está poder!.”
“Podridão!”

O SEPULTAMENTO DEFINITIVO

I – Nos Ritos de Emulação (York), Brasileiro e Escocês Antigo e Aceito não mencionam tal fato;

II - No Rito Schröeder Hiram foi sepultado bem próximo ao Sanctum Sanctorum do templo;

III - No Rito Adonhiramita o cadáver foi definitivamente sepultado no santuário do templo;

IV - No Rito Moderno foi dada uma sepultura digna ao cadáver de Hiram, mesmo sem citar o
local.

BIBLIOGRAFIA:
Temas para Reflexão do Mestre Maçom – Marcos Santiago

Curso de Maçonaria Simbólica – Theobaldo Varolli Filho

Liturgia e Ritualística do Grau de Mestre Maçom – José Castellani

O Mestre Maçom – Francisco de Assis Carvalho{Chico Trolha}

A Simbólica Maçônica – Jules Boucher

Manual do Mestre Maçom – Manoel Gomes

Bíblia Sagrada – Edição Missionária – SBB - Sociedade Bíblica do Brasil

Portal Maçônico - Prancha “As Letras MB”