Anda di halaman 1dari 40

Revista do CONAPRA - Conselho Nacional de Praticagem - Ano XII - N0 30 - Fev a Maio/2010 Brazilian Pilots’ Association Magazine - Year XII

- N 0 30 - Feb to May/2010
nesta edição
CONAPRA – Conselho Nacional de Praticagem
CONAPRA – Brazilian Pilots’ Association
in this issue

Av. Rio Branco, 89/1502 – Centro


Rio de Janeiro – RJ – CEP 20040-004
Tel.: (21) 2516-4479
conapra@conapra.org.br
XXXIV Encontro Nacional
4
www.conapra.org.br
de Praticagem
diretor-presidente director president 8 34th National Pilot
Marcelo Campello Cajaty Gonçalves Conference

11
diretores directors
Alexandre Gonçalves da Rocha IALA realiza conferência na África do Sul
André Luiz Vasconcellos de Mello
Linésio Gomes Barbosa Junior
13 IALA holds conference in South Africa
Ricardo Luiz Müller Pereira

diretor / vice-presidente sênior da IMPA


director/senior vice-president of IMPA
Otavio Fragoso
Senegal sedia primeiro fórum
14
planejamento planning africano de praticagem
Otavio Fragoso / Flávia Pires /
Claudio Davanzo 16 Senegal hosts first African
Pilotage Forum
edição e redação writer and editor
Maria Amélia Martins (jornalista responsável

18
journalist responsible MTb/RJ 26.601)
Profissão: prático; sexo: feminino
revisão revision
Maria Helena Torres
21 Profession: pilot; sex: female
Noreen Vanderput

versão translation
Aglen McLauchlan

projeto gráfico e design


24 Veleiro canadense
naufraga em águas brasileiras
layout and design
Katia Piranda 25 Canadian sailing ship capsizes
in Brazilian waters
pré-impressão / impressão
pre-printing / printing

26
Davanzzo Soluções Gráficas
Meio ambiente: prático escreve
capa cover sobre questão da Amazônia
foto: CONAPRA
30 Environment: pilot writes about Amazon region problem

As informações e opiniões veiculadas


nesta publicação são de exclusiva
responsabilidade de seus autores. Acidente na Barreira de Corais
34
Não exprimem, necessariamente, provoca reflexão sobre
pontos de vista do CONAPRA. praticagem australiana
The information and opinions expressed
in this publication are the exclusive
responsibility of the writers
35 Accident on the
and do not necessarily express
Great Barrier Reef leads to
the point of view of CONAPRA. reflections on Australian pilotage
encontros nacionais
national meetings
XXXIV E
ncon
de Prat tro Nacional
icagem
29 a 31

XXXIV Encontro Nacional


de março/2
Atlântic 010
o Búzios
Co
Armação nvention & Re
de Búzi sort
os, RJ

de Praticagem
Autoridades, advogados e economista
refletem sobre aspectos relacionados
à particularidade do serviço e à
manutenção de sua qualidade
0`OhWZWO\
>WZ]baº
/aa]QWObW]\

Cerca de 120 pessoas, entre práticos, regou-se da abertura dos trabalhos.


praticantes, administradores de pra- Ressaltando o respeito e a cordialidade
ticagem e convidados do CONAPRA, que marcam a relação entre a Diretoria
participaram do XXXIV Encontro de Portos e Costas e a praticagem
Nacional de Praticagem, realizado de brasileira, destacou também a eficiên- Praticagem e Direito Institucional –
29 a 31 de março, no hotel Atlântico cia dos serviços oferecidos pelos práti- O primeiro painel do dia foi reservado
Búzios Convention & Resort, em cos, o cuidado da classe na prevenção aos advogados Samuel Mac Dowell
Armação de Búzios, RJ. O evento foi da poluição de nossos mares e sua de Figueiredo e Jaime Magalhães
marcado por palestras e debates sobre contribuição para o desenvolvimento Machado Júnior, especialistas em
assuntos variados, como aspectos da atividade marítima. Direito Institucional e sócios de em-
jurídicos e econômicos que envolvem a presa que presta serviços jurídicos a
atividade até questões de caráter técnico – Em breve passarei a direção da DPC diversas entidades da administração
e administrativo do dia a dia da profissão. ao vice-almirante Leal Ferreira, atual pública, no âmbito federal e estadual.
comandante do 7º Distrito Naval. O
Na segunda-feira à noite os convidados período de dois anos e oito meses em O escritório foi contratado pelo
foram recebidos com um coquetel de que estive à frente desta diretoria me Conselho para analisar a organização
boas-vindas à beira da piscina. O vice- trouxe enorme satisfação pelo fato de da praticagem no Brasil, sob o aspecto
almirante Paulo José de Carvalho, titu- termos contribuído para o crescimento institucional, diagnosticando seus fun-
lar da Diretoria de Portos e Costas observado na atividade marítima do damentos e fragilidades. A partir de
(DPC), e o deputado federal Cláudio Brasil, o que se deve também à atuação uma imersão no tema, os advogados
Diaz (PSDB/RS) prestigiaram o encontro. da praticagem – observou. passaram também a assessorar o
No dia seguinte, o vice-almirante encar-
encontros nacionais
national meetings
5
Conselho Nacional de Praticagem na que deve ser preservado – disse Jaime Recife) e pelo Superior Tribunal de
defesa de seu modelo institucional. Magalhães Machado Júnior a respeito Justiça (Brasília) relativas à escala
Como decorrência, o CONAPRA ingres- da atenção dada pelo CONAPRA às única de rodízio. O teor do material
sou em processos judiciais, na quali- questões levadas ao Judiciário. apresentado confirma a autonomia da
dade de assistente da autoridade marí- autoridade marítima na regulação e
tima, defendendo princípios expressos regulamentação da praticagem, assim
na legislação que garantem a integri- como sua natureza de atividade de
dade do modelo vigente do serviço. interesse público.

Na sequência, foi a vez de o deputado


federal Cláudio Diaz fazer sua apresen-
tação. O político da bancada gaúcha
nasceu em Rio Grande, cidade em que
se localiza um dos principais portos da
Foram apresentados detalhes sobre Região Sul. Após ouvir representantes
decisões judiciais proferidas por Varas de diversos segmentos relacionados à
Federais (Fortaleza e Belém), Tribunais atividade marítima e portuária, ele vem
Regionais Federais (Espírito Santo e trabalhando numa questão que interes-
O painel apresentado versou sobre o
trabalho jurídico desenvolvido até o
momento, com detalhamento da função
pública da praticagem, os princípios
vetores do modelo – expressos no
marco regulatório – e as diversas
decisões judiciais recentemente pro-
feridas que corroboraram o entendi-
mento dos advogados sobre os temas
em questão.

– O Conselho tenta garantir que os


ataques não gerem precedentes judici-
ais, o que vem ao encontro de um
sistema que é mais do que defensável e
encontros nacionais
national meetings

sa diretamente à praticagem brasileira. para não o desagradar. Lembro que se Concluiu que a praticagem, quando mal
Trata-se do Projeto de Lei n.1.636 de trata, sim, de profissional que tem organizada, produz “externalidades
2007, que tem como meta alterar o arti- sobre si a enorme responsabilidade de negativas” para a atividade de nave-
go 13 da Lei n. 9.537/97 (Lesta), propon- conduzir com segurança embarcações gação, como os riscos de poluição e de
do que os práticos brasileiros possam de terceiros por área que oferece riscos acidentes. Quando bem organizada,
ser contratados livremente por empre- de navegação. Mas há algo ainda mais porém, produz “externalidades positi-
sas de navegação, desobedecendo à importante: sua capacitação precisa vas”, que beneficiam toda a cadeia pro-
escala única de rodízio, o que causaria estar a serviço, em primeiro lugar, da dutiva, como o aumento da eficiência
grave prejuízo ao modelo de organiza- segurança de todas as pessoas e insta- das operações portuárias.
ção do serviço. lações que se acham na zona de prati-
cagem. Dado o caráter estratégico e de O capitão de mar e guerra da Reserva
utilidade pública do serviço de prati- Waltercio José de Queiroz Seixas,
cagem, não por acaso submetido à assessor de praticagem da Superinten-
tutela de autoridade marítima, penso dência de Segurança do Tráfego
que a independência do prático em Aquaviário, encerrou a sessão de
relação àquele para quem presta ser- palestras. Em seu discurso, o oficial
viço é condição favorável, senão essen- abordou aspectos referentes a processo
cial, a que se frustre qualquer tentativa seletivo para praticante de prático,
de colocar neste contexto o interesse curso de atualização para a categoria,
privado à frente do interesse público. lanchas de praticagem, “associações x
rodízio” e atualização da Normam 12
Teoria econômica e modelos regu- (conjunto de normas da DPC que rege o
MATSUMURA E VASCONCELLOS latórios – Dando prosseguimento ao serviço de praticagem brasileiro).
evento, Marco Matsumura, economista
O deputado falou sobre o trânsito do Ipea e praticante de prático, falou,
legislativo do PL 1.636/07 e das estraté- entre outros assuntos, sobre o paradig-
gias que estão sendo utilizadas para a ma do mercado competitivo e os mode-
aprovação de outro documento – mais los que regulam o sistema de prati-
justo e coerente com a natureza do cagem no Brasil e na maioria dos paí-
serviço de praticagem: ses. Sua apresentação teve o objetivo
de familiarizar a plateia com conceitos
– Esse projeto de lei chegou às minhas econômicos fundamentais para enten-
mãos em 4 de novembro de 2008, e, a der as razões pelas quais o serviço de
partir daí, comecei uma verdadeira praticagem, nas mais diversas nações,
peregrinação para entendê-lo com pre- apresenta características tão particu-
cisão e poder formular um relatório lares quando comparado com outras MARCELO CAJATY E VICE-ALTE. PAULO JOSÉ
equilibrado, que contemplasse não só atividades econômicas. MARCELO CAJATY AND VICE-ADMIRAL PAULO JOSÉ
minha missão parlamentar, mas a de
cidadão brasileiro sensível à respon-
sabilidade do sistema portuário.

Para exemplificar o debate que vem


sendo travado em Brasília, até então
nos limites da Comissão de Viação e
Transportes da Câmara dos Deputados,
Diaz leu o seguinte trecho do parecer
complementar ao projeto de lei, redigi-
do por ele:

– Parece-me temerário permitir que o


prático se sujeite a uma relação de tra-
balho, na qual ocupe posição de subor-
dinado ao empresário de navegação,
devendo-lhe obediência, esforçando-se CMG WALTERCIO JOSÉ SEIXAS FAZ APRESENTAÇÃO CAPTAIN WALTERCIO JOSÉ SEIXAS MAKES HIS PRESENTATION

6
encontros nacionais
national meetings 7
à praticagem: prestação de serviço
ininterrupta, garantia da qualificação
profissional e combate à fadiga
do prático.

A avaliação do presidente do CONAPRA


a respeito dos paineis foi bastante
positiva. Marcelo Cajaty considerou
que praticantes e práticos tiveram uma
ótima oportunidade de reflexão sobre
CAJATY E O DEPUTADO FEDERAL CLÁUDIO DIAZ questões essenciais ao exercício e à
CAJATY AND FEDERAL DEPUTY CLÁUDIO DIAZ regulação da profissão.
ALEXANDRE DA ROCHA E JAIME MACHADO JÚNIOR
Waltercio declarou que ainda não há
data prevista para novo concurso para
práticos e destacou o acréscimo de tradores das empresas de praticagem.
mais de 30% do efetivo, verificado após Coordenada por Gilson Victorino,
os dois últimos processos seletivos, de secretário executivo da Praticagem
2006 e 2008. Segundo ele, “nunca houve Espírito Santo, o objetivo da iniciativa
um aumento tão expressivo do número foi a troca de experiências entre admi-
de práticos, em tão pouco tempo, na nistradores a fim de harmonizar procedi-
história da praticagem brasileira”. mentos burocráticos, buscando o incre-
mento da funcionalidade do serviço. De
Da mesma forma que outros pales- caráter consultivo, o foro constitui-se
SAMUEL DE FIGUEIREDO E LINÉSIO BARBOSA JUNIOR
trantes, o oficial defendeu a escala em rico polo de debates e esclare-
única de rodízio, lembrando os três cimentos, que certamente oferecerá
pilares que justificam sua existência A novidade do encontro ficou por conta subsídios ao aprimoramento da admi-
e constam na legislação concernente da reunião promovida para adminis- nistração das praticagens.

7
national meetings
encontros nacionais

th
34 National Pilots’ Meeting
Authorities, lawyers and economist reflect on aspects related to
characteristics specific to service and continued good quality
About 120 people comprising pilots, to Vice-Admiral Leal Ferreira who is the public function of piloting, the vector
pilot trainees, pilot administrators and currently in command of the 7th Naval principles of the model – expressed in
guests of CONAPRA attended the 34th District. “The two years and eight the regulatory characteristics – and
National Pilots’ Meeting held between months during which I was in charge on the various recent legal decisions
March 29 and March 31, at the of the directorate gave me much that corroborate the lawyers’ under-
Atlântico Búzios Convention & Resort satisfaction since I knew that we were standing of the subjects in question.
Hotel in Armação de Búzios, state of Rio contributing to the growth of Brazil’s
de Janeiro. Talks and debates ranged maritime activities; pilots are part of In connection with the attention
on a variety of subjects, such as legal this growth”. CONAPRA gives to questions taken to
and economic aspects of the activity, court, Jaime Magalhães Machado
and technical and administrative Pilots and Institutional Law – the Júnior said that the Association
matters that are part of the day-to-day first panel of the day was assigned to endeavors to ensure that accusations
activities of the pilots. lawyers Samuel MacDowell de do not lead to legal precedents, an
Figueiredo and Jaime Magalhães attitude that is in line with a system
On Monday evening, participants were Machado Júnior, specialized in that is more than justifiable and must
welcomed at a cocktail party by the Institutional Law and partners in an be preserved.
pool. Vice-Admiral Paulo José de office that renders legal services to
Carvalho, head of the Port and Coastal several public entities of federal and Details on legal decisions by Federal
Directorate, and Federal Representative state administration. Courts (Fortaleza and Belém), Regional
Cláudio Dias (PSDB/RS party) honored Federal Courts (Espírito Santo and
the meeting by their presence. CONAPRA contracted their office for an Recife), and by the Superior Court of
analysis of the pilot organization in Justice (Brasilia) regarding the single
The following day, a presentation given Brazil from an institutional angle, rotation scale were furnished. The
by the vice-admiral opened the and for diagnosing its foundations information supplied confirms the
sessions. He emphasized the respect and weaknesses. Having devoted autonomy of the Maritime Authority
and cordiality that pervades the themselves to the subject, the lawyers in regard to regulating and regulations
relations between the Ports and Coastal also assisted the Brazilian Pilots of pilot activities, as well as that
Directorate and Brazilian pilots, while Association in defending its institutional the nature of the activity is of public
also stressing the efficiency of the model. As a result, CONAPRA partici- interest.
services provided by pilots, the care pated in legal cases to assist the
they take to prevent pollution of Brazilian Maritime Authority in defending The next speaker to take the floor was
waters, and their contribution to the principles contained in the legislation Federal Representative Claudio Dias.
development of maritime activities. that guarantee the integrity of the He is a native of Rio Grande where one
existing service model. of the main ports of the southern
He mentioned that he would soon pass region is located. After having heard
on the administration of the DPC The panel dealt with the legal work representatives of various segments
(Portuguese acronym of the directorate) undertaken so far, providing details on related to the maritime and port

16
9
national meetings
encontros nacionais

activity, he dedicated himself to an must first and foremost be at the negative external effects on shipping
issue that is of direct interest to service of all people and installations in activities, such as the risk of pollution
Brazilian pilots. It relates to Draft Law his pilot association zone. Considering and accidents. When well organized,
1,636 of 2007, whose objective is to the character of strategic and public it leads to positive external effects
modify Art. 13 of Law 9,537/97 (Lesta), utility of pilot services that are not that benefit the entire productive
proposing that it should be possible for haphazardly submitted to the tutelage chain, including the efficiency of port
shipping companies to freely contract of the Maritime Authority, I believe operations.
Brazilian pilots. This is contrary to a that it is good, even essential, for the
single rotation scale and would have a pilot to have no ties with those he Waltercio José de Queiroz Seixas, a
serious negative effect on the service renders services to. This circumstance naval captain of the reserve and
organization model. frustrates any attempt to introduce Assistant to the Superintendence of
private interests into this context before Waterway Traffic Safety for piloting
The Representative discoursed on the the interests of the public. topics was the last speaker in the
legislative transit of PL 1.636/07 and
the strategies used for the approval of
another document – fairer and more in
line with the nature of pilot services:

– This draft law came to my attention


on November 4, 2008, and since then I
have perused it carefully to clearly
understand it in order to be in a posi-
tion to draw up a report that not only
takes my parliamentary mission into
account, but also my duty as a Brazilian
citizen responsible for the port system.
OPENING OF THE EVENT ABERTURA DO EVENTO
To give an example of the debate that
so far only takes place within the
Commission of the Transit and Transport Economic Theory and regulatory session of presentations. In his talk he
System of the Chamber of Deputies in models – Passing on to the next item broached aspects referring to the selec-
Brasilia, Diaz read the following excerpt on the agenda, Marco Matsumura, an tion procedure used for qualifying pilot
of a supplementary report to the Draft economist of the Ipea (Institute of
Law drawn up by himself: Applied Economic Research) and a pilot
trainee, spoke, among other topics, on
– It seems to me temerity to allow the paradigm of the competitive market
a pilot to be subject to a working and the models that regulate piloting
relationship wherein he is subordinated in Brazil as well as in most other
to the entrepreneur of a shipping countries. The objective of his presenta-
company and is guided by efforts not to tion was to make the audience familiar
upset him. Let me point out that he is, in with basic economic concepts in order
fact, a professional who has the to understand why piloting has charac- WALTERCIO AND MÜLLER
enormous responsibility of sailing teristics in most nations that differ from
vessels pertaining to third parties those of other economic activities. trainees, refresher courses for pilots,
through waters that are a risk to pilot boats, ‘associations x rotation’ and
shipping. But there is another even He arrives at the conclusion that, if the updating of Normam 12 (set of DPC
more important consideration: his skills pilotage is badly organized, it has norms for Brazilian pilot activities).

17
national meetings
encontros nacionais

Waltercio stated that no date has yet An innovation in this event was a
been set for a new selection procedure meeting of pilot association adminis-
for pilots and highlighted the 30% trators. It was coordinated by Gilson
increase in the number of pilots verified Victorino, executive secretary of the
after the last two selection procedures Espirito Santo Pilot Adsociation, and
in 2006 and 2008. According to him, intended to promote an exchange of
“never before in the history of pilotage experiences among administrators with
has there been such a significant a view to harmonizing bureaucratic
HÉLCIO KERR, M. ANTONIO HEGGENDORN,
increase in the number of pilots within procedures and thus improve the service. NELSON TJADER AND MAURO DE ASSIS
such a short time”. The forum which was of an advisory
nature provided a center for discussions
Like other speakers, Waltercio and clarifications that will undoubtedly
advocated a single rotation scale, generate supporting data for the
pointing to the three pillars that improvement of pilot associations.
justify it and are part of pilot
legislation: uninterrupted service,
guarantee of professional qualifica-
tion, and combating pilot fatigue.

The president of CONAPRA’s evaluation


of the panels was positive. According
to Marcelo Cajaty, pilots and trainees
were given a good opportunity to reflect
on issues that are essential to the
profession and its regulation.
HEGGENDORN AND CARTOONIST NETTO BELOTTI DISPLAYS HIS CARICATURE
HEGGENDORN E O CARTUNISTA NETTO BELOTTI MOSTRA SUA CARICATURA

RECENTLY QUALIFIED PILOT DEBORA POSES WITH HER MATES A RECÉM-HABILITADA PRÁTICA DÉBORA POSA COM COLEGAS
encontros internacionais
international meetings 1
International Association of
Lighthouse Authorities
realiza conferência na África do Sul
Segundo IMPA, Pilotage Authority Forum fere princípios
preconizados pela Organização Marítima Internacional
Em março de 2010 foi realizada na Cidade do Cabo a 17a Conferência da IALA, associação não governamental que reúne autoridades
responsáveis pelos faróis e auxílios à navegação de cada nação marítima e especialistas e representantes da indústria associada a esse
tipo de atividade. As conferências são os eventos mais importantes da agenda da organização e reúnem os diversos comitês em encontro que
dura em média uma semana.

Durante as conferências também são realizadas eleições para a composição do conselho que vai dirigir a entidade nos anos seguintes.
A 16a edição ocorreu em Xangai em 2006. Dada a importância dos assuntos discutidos nessas conferências para a atividade de
praticagem – a IALA é a ONG reconhecida pela
IMO como especialista internacional em sinaliza-
ção náutica e, mais recentemente, também em
serviços de controle de tráfego marítimo mais
conhecidos como VTS –, a IMPA sempre participa
com pelo menos um representante.

Na Cidade do Cabo, entretanto, a IMPA foi repre-


sentada pelo presidente da entidade, Michael
Watson, e pelo vice-presidente sênior, Otavio
Fragoso. A participação nesse nível deveu-se ao
fato de estar prevista na reunião do conselho
executivo da IALA discussão sobre o futuro do
Pilotage Authority Forum, grupo criado recente-
mente e composto por nações escandinavas e
pelos EUA, que somam apenas quatro em relação
aos mais de 80 países-membros da IALA. Desde
sua criação, a IMPA vem insistindo na impro-
priedade da instituição do fórum, já que o serviço
de praticagem não faz parte do escopo de ativi-
dades previstas no estatuto da IALA e a IMPA é
reconhecida pela IMO como única organização
internacional especialista na matéria.

PORTO DA CIDADE DO CABO PORT OF CAPETOWN

11
encontros internacionais
international meetings

CAMPS BAY

Apesar da participação incipiente e do evidente desinteresse dos membros da associação, alguns dos participantes do fórum insistem
em sua manutenção, e há até aqueles que já propuseram sua transformação em comitê permanente. Mais recentemente o grupo
elaborou minuta de guideline propondo regras para a organização dos serviços de praticagem que se chocam com a Resolução A.960,
recomendada pela Organização Marítima Internacional.

Antes que continuassem essa e outras ações contrárias ao princípio da autonomia das nações na organização de seus serviços de
praticagem – princípio previsto na resolução –, a IMPA, por intermédio de seu presidente e vice-presidente sênior, reuniu-se com o
presidente, o secretário executivo e membros do conselho da IALA na Cidade do Cabo para expressar formalmente sua oposição a essa
iniciativa e solicitar a interrupção dessas atividades sob pena de comprometer o relacionamento cordial que sempre uniu as duas
entidades em diversas atividades, entre as quais a criação do guia internacional de VTS elaborado em conjunto pela IALA e
outras associações.

A IALA assumiu o compromisso de analisar a posição expressa pela IMPA, e novo encontro com seu secretário executivo para a
conclusão do assunto ocorreu em maio, quando se realizou a reunião do comitê MSC da IMO, em Londres.

Nota: O CONAPRA dispõe de toda a documentação relativa à 17a conferência da International Association of Lighthouses Authorities.

12
international meetings
encontros internacionais

IALA holds a meeting in South Africa


According to IMPA, the Pilotage Forum contravenes the principles
advocated by the International Maritime Organization
The 17th IALA Conference (IALA is a nongovernmental association of authorities responsible for lighthouses and aids to navigation, as well
as to experts and representatives of industry linked to such activities) was held in Capetown in March 2010. These conferences are the
most important events on the association’s calendar and bring committees together at meetings that, on an average, last a week.

IALA conferences also include the election of the members of the council who will administer the association in the coming years. The
16th conference was held in Shanghai in 2006. Considering how important the matters discussed at these conferences are for pilotage
– IALA is the NGO acknowledged by IMO to be an international expert in nautical signals and, more recently, also in maritime traffic
control better known as VTS – IMPA always participates by sending at least one representative.

1
In Capetown IMPA was represented by its chairman, Michael Watson, and by Otavio Fragoso, its senior vice-president. This high level
representation was due to the fact that the agenda of the Iala executive council included a discussion on the future of the Pilotage
Authority Forum, a recently created group of a mere four countries, the Scandinavian nations and the United States, as against
over eighty member nations of Iala. Ever since this forum was formed, IMPA has pointed out the impropriety of the Forum’s institution
since pilotage activities are not within the scope of activities in the IALA by-laws, and IMPA is acknowledged by IMO as the only
international organization with expertise in this matter.

Despite the incipient participation and the evident lack of interest of the association members, some participants of the Forum insist
on its continuation and there are even some who propose transforming it into a permanent committee. More recently, the group drew
up a draft guideline proposing rules for the organization of pilotage services that are contrary to Resolution A.960 recommended by the
International Maritime Organization.

Before these and other actions that are contrary to the principle of the autonomy of nations in organizing their pilotage service
continue – a principle contained in the Resolution – IMPA’s president and senior vice-president met with the president, the executive
secretary and members of the Iala council in Capetown to formally express their opposition to this initiative and to request a cessation
of such activities in order not to compromise the cordial relationship that has always reigned between the two entities in their
activities among which is the publication of the international VTS guide jointly drawn up by Iala and other associations.

Iala committed itself to a study of the stand taken by IMPA, and a new meeting with its executive secretary is programmed for May
when the meeting of IMO’s MSC committee will be held in London; at that time, it is intended to finalize the matter.

NB: CONAPRA has the entire documentation of the 17 th International Association of Lighthouse Authorities Conference.

VIEW OF THE CITY VISTA DA CIDADE


encontros internacionais
international meetings

Senegal sedia primeiro fórum


africano de praticagem
Fundada em 2008 com o objetivo de
reunir os práticos dos diversos países
Assuntos fundamentais para a organização
africanos, a African Maritime Pilots e regulamentação da profissão
Association promoveu com a IMPA e o
Porto de Dacar o primeiro fórum de são debatidos em Dacar
praticagem realizado no continente
africano. O encontro aconteceu nos dias
15, 16 e 17 de março. Com o mote “be
safe, take a pilot”, delegações de 18
países da África estiveram na capital
senegalesa para discutir assuntos que
retrataram as complexidades que
envolvem o serviço de praticagem no
continente e no mundo.

A cerimônia de abertura foi conduzida


por Khoureïchi Thiam, ministro da
Economia Marítima, Pesca e Transporte
Marítimo do Senegal. Depois de Thiam
a palavra foi concedida a profissionais
do Porto de Dacar; Oumar Dramé (secre-
tário-geral do sindicato dos práticos) e
Bara Sady (presidente do conselho de
DACAR DAKAR
administração) expressaram sua satis-
fação com a realização do evento, agra- nhecer melhor os desafios enfrentados enfatizou a importância do bom rela-
decendo a presença de todos e enfati- pela praticagem africana. Michael cionamento entre os práticos para o
zando a importância de se refletir sobre Watson, presidente da associação, fortalecimento da categoria.
questões relacionadas à praticagem. começou seu discurso agradecendo
aos práticos de Dacar, que trabalha- – Estou aqui para conhecer suas expe-
Executivos e membros do staff da IMPA ram arduamente na concepção e riências, suas operações, seus sistemas
participaram do fórum e puderam co- concretização do evento. Watson regulatórios e as práticas adotadas
pelos senhores. Nenhum país tem a
última palavra em relação à qualidade
do serviço, expertise ou criatividade.
Sempre podemos aprender algo que
pode ajudar a resolver nossos próprios
problemas. A IMPA respeita cada país-
membro e a forma como seus profis-
sionais manobram seus navios. Trata-se
de organismo de inclusão profissional
dedicado à difusão dos mais altos
padrões de segurança no serviço de
praticagem. Compreensão mútua e
respeito entre práticos de todo o
mundo são fundamentais para que
PRÁTICO DO PORTO DE DACAR E SENHORA ENTRE EXECUTIVOS DA IMPA possamos representar nossa profissão
PORT OF DAKAR PILOT AND HIS WIFE BETWEEN IMPA EXECUTIVES

14
encontros internacionais
international meetings

responsabilidade é limitada, em outros, apoio ao treinamento de práticos.


global e ilimitada. Striga enfatizou que, se for visto como
forma de treinamento suplementar, o
A falta de recursos humanos na prati- simulador pode ser de grande valia. De
cagem em geral e, especificamente, na qualquer forma, cartas digitalizadas da
África preocupa Modou Dione, prático- zona de praticagem devem ser usadas.
chefe da Praticagem de Dacar. Segundo O simulador também pode ser ferra-
sua palestra, essa carência é conse- menta importante no processo de
OTAVIO FRAGOSO
quência da pequena frota de navios em planejamento de um novo porto ou
várias nações e da inexistência de uma terminal. Ainda assim, o meio mais
na Organização Marítima Internacional política de educação marítima. Dione apropriado de treinar práticos continua
e em outras entidades, obtendo, como afirmou que muitas companhias sendo a bordo, considerando-se confi-
retorno, informações que beneficiam nacionais foram compradas por multi- guração, profundidades e demais
nossa profissão em cada país – disse o nacionais, visando somente ao lucro. características naturais de cada zona de
presidente da International Maritime Ressaltou também que o Porto de Dacar praticagem. Devido a diversos fatores,
Pilots Association. está investindo na formação e no como conhecimento técnico, dispo-
treinamento de práticos, o que é salutar nibilidade e capacidade dos reboca-
A qualidade do serviço de praticagem e e deve ser pensado coletivamente, a dores, etc., a expertise de um prático é
dos serviços portuários esteve na pauta fim de que se atinjam cada vez mais adquirida para uma área específica.
dos debates. Jean-Philippe Casanova, profissionais dos países africanos.
prático da Fédération Française de Coube a outro membro da IMPA, o
Pilotes Maritime, mostrou como a fede- Vice-presidente sênior da IMPA, Otavio secretário-geral Nick Cutmore, explicar
ração criou e colocou em prática um sis- Fragoso apresentou trabalho sobre à plateia o que faz a entidade e por que
tema de gestão que garante a quali- treinamento e manutenção da profi- é importante associar-se a ela.
dade dos serviços prestados pela FFPM ciência tendo como base a Resolução
– cujos profissionais decidiram orientar IMO A.960. Entre outros aspectos, O encerramento do evento ficou por
suas práticas visando à obtenção do destacou a importância de treinamento conta do diretor-geral do Porto de
certificado ISO 9001. Casanova expli- específico rigoroso, necessário para a Cotonou, Albert Houngbo, que expres-
cou que, embora a praticagem não seja habilitação dos práticos, bem como da sou seu contentamento com o sucesso
atividade comercial, deve-se insistir na provisão de sistema de manutenção e do encontro e incentivou os práticos a
satisfação do cliente. Fatoumata Diop, atualização do conhecimento adquirido trabalhar em estreita colaboração, para
responsável pela Divisão de Qualidade no treinamento inicial. Reforçou entre- fortalecer e possibilitar o aperfeiçoa-
do Porto de Dacar, observou que aquele tanto que, com exceção de alguns mento da profissão e garantir o
porto obteve seu primeiro certificado princípios básicos previstos na reso- desenvolvimento do tráfego marítimo
de qualidade em 2006, renovado em lução citada, o processo de formação do nos portos africanos.
2009. No trabalho apresentado, Diop prático deve ser estabelecido pela
enfatizou que o principal objetivo do autoridade responsável por habilitação
porto senegalês consiste na satisfação e controle dos práticos em cada zona,
de seus clientes – proprietários de considerando as características e
cargas e navios. necessidades locais. Essa diversidade
de processos de formação, que pode ser
Assunto de vital importância para a verificada no contexto internacional,
profissão, a responsabilidade civil e não tem efeito negativo sobre o resulta-
pessoal do prático foi tema das do obtido. Ao contrário, diversidade e
apresentações de Frederic Moncany, troca de informações entre práticos e
presidente da FFPM, e de Hassan suas organizações é parte da razão pela
Ezzahrati, prático-chefe da Prati- qual os práticos são geralmente os
cagem de Casablanca. Paul Kirchner, profissionais da área marítima mais
conselheiro da American Pilots bem treinados e atualizados com a
Association, também discorreu sobre tecnologia disponível.
o assunto, abordando as dificuldades
que os EUA enfrentam na delimitação A palestra de Rodolfo Striga, também
da responsabilidade do prático: em executivo da IMPA, versou sobre o uso
alguns estados norte-americanos essa de simuladores, ferramenta útil como

15
international meetings
encontros internacionais

Senegal hosts first African


pilotage forum
Topics of fundamental importance for organizing and
regulating the profession are discussed in Dakar

The African Maritime Pilots Association


founded in 2008 to bring together pilots
from various African countries held the
first pilotage forum on the African
continent in conjunction with IMPA
and the Port of Dakar. The conference
took place from March 15 to 17, its
motto being ‘be safe, take a pilot’.
Delegations from eighteen African
countries met in the Senegal capital Transport of Senegal. After his welcoming presence and stressed the importance
to discuss topics that touch on the address he gave the floor to professionals of a joint reflection on issues relating to
complexities of pilotage faced by pilots of the Port of Dakar, namely Messrs. the profession.
throughout the world. Oumar Dramé (secretary general of the
pilot union) and Bara Sady (president Executives and members of the
The opening ceremony was chaired of the administrative council). They International Maritime Pilots Associa-
by Mr. Khoureïchi Thiam, minister of expressed their satisfaction with the tion (IMPA) staff took part in the forum
Maritime Economy, Fisheries and Sea event, thanked participants for their and had the opportunity to familiarize
themselves with the challenges faced
by African pilots. Captain Michael
Watson, IMPA’s president, started his
address by thanking the Dakar pilots for
having worked so hard to initiate and
crystallize the event and stressed the
importance of a good relationship
among pilots for strengthening their
profession. He mentioned that his
purpose in participating in the forum
was to become familiar with the
experiences, operations, regulatory
system and practices adopted by
African pilots. He said that no country
has the last word regarding quality of
the service, expertise or creativity.
ALFREDO CUAMBA (MAPUTO PILOTS/PRATICAGEM DE MAPUTO ), OTAVIO FRAGOSO (IMPA), There is always something new to be
SOW SAMBA (DAKAR PILOTS/PRATICAGEM DE DACAR ) learnt that can help solve the problems
AND/E FRANCISCO COSTA NETO (LUANDA PILOTS/PRATICAGEM DE LUANDA )

16
international meetings
encontros internacionais

importance of the strict specific training


required for the qualification of pilots,
as well as for maintaining and updating
knowledge initially acquired. He
underlined, however, that except for
some basic principles included in
Resolution IMO A.960, the education
of pilots should be outlined by the
authorities responsible for the qualifi-
cation and control of pilots in their zone,
in line with local characteristics and
needs. This diversity in education that
can be viewed in an international context
MEMBERS OF IMPA, THE PORT OF DAKAR, AND THE PORT REVEL CENTER AT THE FAREWELL DINNER
MEMBROS DA IMPA, DO PORTO DE DACAR E DO CENTRO DE PORT REVEL NO JANTAR DE ENCERRAMENTO has no negative impact on the result.
On the contrary, diversity and exchange
of information among pilots and their
of others. He underlined that IMPA The civil and personal liability of pilots, organizations is part of why pilots are
respects every member country and a matter of vital importance for the usually the best trained professionals in
the way in which its professionals profession, was the subject of the the maritime field and the most up-to-
maneuver their ships. It is an organism presentations by Captain Frederic date in the technology available.
of professional inclusion dedicated to Moncany, president of the FFPM, and
spreading the word on the highest Hassan Ezzahrati, chief pilot of the Another IMPA member, Secretary-
safety standards in piloting. Mutual Casablanca Pilotage. Mr. Paul Kirchner, General Nick Cutmore, explained to the
comprehension and respect among lawyer and adviser to the American audience what the entity does and why
pilots throughout the world are Pilots Association, also referred to the it is important to join it.
fundamental for representing the subject, mentioning the problems the
profession in the International Maritime United States face in delimiting the The presentation by Captain Rodolfo
Organization and other entities. In pilot’s responsibility: in some US states, Striga, another IMPA executive, dealt
return, IMPA gains information that their responsibility has a ceiling, while with the use of simulators, a useful and
benefits the profession in every country. in others it is global and unlimited. supportive tool for training pilots. Striga
stressed that, provided the simulator
Discussions on the quality of piloting Captain Modou Dione, chief pilot of the is only considered a supplementary tool
and port services were on the agenda. Dakar Pilot Association, is concerned in training, it is very helpful. However,
Captain Jean-Philippe Casanova, a with the shortage of human resources it must use a digitalized chart of the
pilot and manager of the Fédération for pilot stations in general, and pilot’s port. It can also be an important
Française de Pilotes Maritime, presented specifically for Africa. According to tool for planning a new port or terminal.
the quality management system created him, this shortage is a consequence At any rate, on-board training continues
and put into practice by the federation. of the lack of a national fleet in to be the most appropriate means
It ensures the quality of services rendered many countries and the absence of a for training pilots since it considers
by the FFPM whose professionals maritime education policy. Dione stated configuration, depth and other natural
decided to direct their activities toward that all national companies had characteristics of each pilot zone. Due
obtaining the ISO 9001 certificate. been acquired by multinationals only to various factors, such as technical
Casanova pointed out that, although concerned with profit. He highlighted knowledge, availability and capacity of
piloting is not a commercial practice, that the Port of Dakar invests in tugs, etc., the pilot acquires expertise
client satisfaction must be insisted education and training of pilots; this is for a specific area.
upon. Ms. Fatoumata Diop, responsible salutary and should be considered by
for the Quality Division of the Port of all in order to reach more and more
Dakar, mentioned that the Senegal port professionals in African countries.
obtained its first quality certificate in
2006, and that it was renewed in 2009. Captain Otavio Fragoso, senior vice-
In her presentation, Ms. Diop stressed president of IMPA, made a presentation
that the Senegal port’s main objective is on training and maintaining proficiency,
the satisfaction of clients – ship and based on Resolution IMO A.960.
cargo owners. Among other aspects, he stressed the SENEGAL FLAG BANDEIRA DO SENEGAL

17
praticagem
pilotage

A primeira manobra a gente


nunca esquece
Profissão: prático; sexo: feminino
Embora só tenha sido regulamentada
no início do século 19, com a chegada
de D. João VI ao Brasil, a praticagem
brasileira data do século 18. Foram
mais de 200 anos de ausência feminina
na profissão. O curioso é que nos regu-
lamentos gerais de praticagem, assim
como na Lei de Segurança do Tráfego
Aquaviário (Lesta), corpo legal que desde
1997 rege a atividade, não se encontra
registro algum que proíba o ingresso de
mulheres nesse antigo ofício.

As hipóteses são várias, mas não é


nosso objetivo levantá-las nem examiná-
las. Assim, vamos aos fatos: elas che-
garam lá. Hoje o serviço brasileiro de
praticagem conta com seis práticos do DÉBORA EM SUA PRIMEIRA MANOBRA COMO PRÁTICA
DEBORA’S FIRST MANEUVER AS A PILOT
sexo feminino e uma praticante de
prático. Aprovadas no processo seletivo mas felizmente conseguimos localizar diariamente. Fazer uma manobra bem
realizado pela Marinha em 2008, quatro sua colega, que falou um pouco sobre feita e no final receber um aperto de
delas (as fluminenses Débora Klajman e seu début em universo reservado aos mão do comandante, acompanhado de
Fernanda Letícia da Silva, a capixaba homens até bem pouco tempo atrás. um “parabéns”, dá um prazer enorme,
Nicoli Trancoso e a mineira Lívia uma sensação de dever cumprido. Além
Bisaggio) receberam seus certificados Matemática e faladeira – Graduada disso, todo dia nos deparamos com
com deferência: das mãos do vice- em Matemática pela Universidade condições diferentes. Mudam o navio,
almirante Paulo José Rodrigues de Federal do Rio de Janeiro e mestre em as condições meteorológicas, o coman-
Carvalho, então titular da Diretoria de História da Ciência e Epistemologia dante, o tipo de manobra. Não há
Portos e Costas. pelo Coppe, Débora Klajman trabalhou espaço para rotina – diz ela.
como professora durante anos em
A cerimônia aconteceu em 12 de abril vários tipos de instituições (colégios
deste ano. Antes disso, entretanto, tradicionais, faculdades, cursos pré-
duas delas, ambas cariocas, já estavam vestibular e preparatórios para colégios
em ação. Débora foi a primeira; fez sua militares, etc). Indagada sobre o que
manobra inicial na condição de prática lhe atrai na praticagem, ela faz um
(como na “prática” é chamada) em 26 paralelo com a profissão anterior:
de março, atracando o navio Athos no
Terminal da Tergrasa, em Rio Grande – Quando preparava alunos para admis-
(RS). Fernanda estreou na profissão são em concursos recebia muitos
logo em seguida, em 1º de abril, agradecimentos do tipo “obrigada,
desatracando o New Accord do Cais do professora, graças a você, passei”. Mas
Macuco, em Santos (SP). Com Fernanda isso demorava um ano. Como prática eu A PRÁTICA EM AÇÃO, DANDO INSTRUÇÕES
tentamos, sem sucesso, fazer contato, posso sentir o resultado do meu esforço PILOT IN ACTION, GIVING INSTRUCTIONS

18
praticagem
pilotage 1
Seu estágio como praticante de prático tomada de decisão que tiraria o navio
durou um ano. Ela conta que no exame daquela situação de risco, e foi o que
final estava nervosa, “com frio na barri- fiz. Percebi que só conseguimos passar
ga” até o momento de chegada do segurança quando realmente estamos
capitão dos portos. Perfeccionista, seguros – conclui a carioca de 28 anos.
queria fazer uma manobra 100%, não
queria consertar um microerro. Mas Inicialmente a prática ficou um pouco
quando embarcou e começou a trocar apreensiva em relação à possibilidade
informações com o comandante, a de sofrer algum tipo de preconceito
tensão passou; o que era uma prova por ser mulher. Mas, segundo ela,
virou um dia normal de trabalho. Em sua isso aconteceu poucas vezes, por isso
primeira manobra, com o navio sob desconsidera esses raros episódios.
sua inteira responsabilidade, a situação
foi um pouco diferente. – O fato de ser mulher em ambiente
de trabalho masculino causa efeito
– Achei que tinha tirado a sorte grande. contrário: somos bajuladas. Os outros
Vi que era uma atracação em um dos praticantes até brincavam: “puxa,
terminais que mais gosto de manobrar. ninguém oferece para segurar minha
Contudo, rapidamente minha expectati- mochila nem grita “take care” na hora NICOLI EM TREINAMENTO
va mudou. Ainda na condução, tomei do desembarque. A tripulação tende a NICOLI IN TRAINING
conhecimento das condições meteo- ser extremamente educada e cuidadosa
rológicas: o vento era terral com 25 nós, conosco. Não tenho do que me queixar. chama atenção em sua personalidade.
e a corrente de vazante estava em torno Só sai prejudicada a vaidade feminina: Com certeza, um dia, poderá dar aulas
de 3½ a 4 nós. Bastante apreensiva, fui é impossível manter as unhas grandes, de MPX (Master Pilot Exchange) no
para a lancha pensando nas inúmeras e as pernas estão sempre cheias de curso de atualização de práticos, pois
formas que poderia executar a hematomas – comenta. em comunicação a moça é doutora.
manobra, que durou cerca de uma hora
e meia. Fiquei tensa até o momento de Débora se considera uma pessoa Nicoli pegou manobra rara – Apesar
atracar. Só relaxei quando estava tudo amiga, esforçada, alegre, faladeira e de ter realizado mais de 1.035
amarradinho e disse: “comandante, (quase sempre) bem-humorada. Nos manobras no estágio de qualificação,
está na posição” – recorda. seus defeitos ela inclui preguiça para Nicoli fez poucas vezes a manobra
fazer exercícios e certa dose de reservada para ela no seu primeiro dia
Mas, como ser prático significa, entre ansiedade. Simpatia é o que mais como prática.
outras coisas, estar preparado para
fortes emoções, sua prova de fogo ainda
estava por vir. Em sua primeira semana
de trabalho, passou por situação em
que seu autocontrole foi testado.

– Numa madrugada quase sem vento,


desatraquei tranquilamente um navio.
Durante a navegação a velocidade do
vento chegou a 50 nós. Começou a
chover, e a visibilidade ficou compro-
metida. O comandante me perguntou
“meu deus, o que vamos fazer?”. Sem
condições de navegar pelo radar com
segurança, entrei em contato com a
estação e conseguimos navegar com o
auxílio da torre de controle da prati-
cagem, pois só com os recursos do
navio seria muito difícil. Foi nesse
momento que caiu a ficha da respon- NICOLI EM EXAME FINAL, COM O COMANDANTE DO PROVIDANA
sabilidade. Cabia a mim, e só a mim, a DURING NICOLI’S FINAL EXAM WITH THE MASTER OF THE PROVIDANA

19
praticagem
pilotage

experiência anterior fez a diferença.


Lívia foi selecionada para Santa
Catarina, Michele, para o Rio de
Janeiro, e Iara, para o Paraná. Exa-
tamente para onde queriam.

Michele lembra-se de alguma dificul-


dade apenas no exame final:

– Peguei um conteineiro grande, de


quase 280 metros e carregado. Já havia
um navio em um terminal próximo, o
espaço era limitado. Não tinha rota de
fuga, foi uma manobra complicada. Fiz
tudo bem devagar para que nada
fugisse do meu controle – conta ela,
LÍVIA NO PASSADIÇO LIVIA ON THE BRIDGE que, a cada dia, se identifica mais com
a profissão.
– Foi uma manobra incomum, que difi- dos a sua iniciação na carreira de práti-
Da mesma forma que suas colegas,
cilmente ocorre no Porto de Vitória. Tive ca. Lívia começou sua vida profissional
Michele e Iara começaram a carreira
que atracar um graneleiro de grande na Marinha Mercante, mais precisa-
em manobras bem-sucedidas, o que em
porte, parcialmente carregado. Mas mente no navio-tanque Angelim, de
nada surpreende quem já as entrevis-
sabia que estava preparada, mantive a bandeira brasileira, inicialmente como
tou. A seriedade dessas duas é tão
calma, fiz tudo devagar e, principal- praticante de oficial de Náutica e poste-
grande, que nem mesmo Poseidon, o
mente, acreditei que ia me sair bem. O riormente como oficial. Ocorre que no
deus supremo dos mares, conseguiria
comandante já me conhecia, o que aju- dia 29 de abril deste ano, Lívia entrou
tirá-las da rota.
dou. Uma curiosidade é que essa na escala da Itajaí Pilots. E que navio
manobra foi igual à última manobra que esperava Lívia? O velho Angelim,
Talvez elas não saibam, mas estão es-
fiz na condição de praticante – relembra aquele que anos atrás a conduzira pelos
crevendo a história da praticagem na
ela, que tem apenas 23 anos e cursou caminhos de uma de suas grandes
América do Sul, já que não há regis-
a Efomm. paixões: o mar.
tro de mulheres nessa atividade nos
demais países do continente. Como
Coincidência? – Algumas pessoas – Realizar minha primeira manobra nes-
todas são jovens, com carreiras pro-
não acreditam em coincidências, acre- se navio, podendo colocar em prática
missoras pela frente, só resta lhes
ditam em sinais, aos quais normal- tudo que aprendi no estágio, foi tão
desejar “Toda força adiante!”.
mente imputam determinados sentidos. gratificante, que guardei o comprovante
Se esse for o caso de Lívia Bisaggio, há de manobras como recordação – lembra.
enorme margem para atribuir significa-
As precursoras – A mineira Lívia
Bisaggio, 26 anos, a fluminense Miche-
le Andrade, 27 anos, e a catarinense
Iara Rucinski, 39 anos, foram as
primeiras brasileiras a ser aprovadas
em concurso para praticante de prático.
O fato ocorreu em 2007, quando a DPC
selecionava profissionais para a ZP - 01
(Amazonas e Amapá).

Em 2008, com o anúncio de novo


concurso para a categoria, dessa vez
em âmbito nacional, as três decidiram
submeter-se novamente ao exame,
visando às regiões Sul e Sudeste. A MICHELE NOS TEMPOS DA EFOMM
PRÁTICA LÍVIA PILOT LIVIA determinação das candidatas aliada à MICHELE WHILE AT EFOMM

20
pilotage
praticagem

You never forget your


first maneuver
Profession: pilot; sex: female
Although Brazilian pilotage was only
regulated in the 19th century when
Emperor D. João VI came to Brazil, it
goes back to the 18th century. But for
more than 200 years there were no
women pilots. Yet neither in general
pilotage regulations, nor in the Law of
Maritime Traffic Safety (Lesta) which
applies to the profession since 1997, is
there any record prohibiting women to
execute this ancient profession.

Although there are several theories why


this is so, it is not our objective to
discuss them. Let us cut to the chase:
women pilots are now in the picture.
Today, Brazilian piloting includes six DEBORA IN A PILOT BOAT DÉBORA EM LANCHA DE PRATICAGEM
women pilots and a pilot trainee. Four
of them were approved in a selection were fortunately able to interview her maneuver and the master immediately
procedure held by the Navy in 2008 colleague who told us a little about her congratulates me and shakes my hand.
(Débora Klayman and Fernanda Leticia debut in a territory that had until then That makes me happy. You feel you
da Silva from the state of Rio, Nicoli been populated only by men. have done your duty and it is appreciated.
Trancoso from the state of Espirito Besides, conditions vary every day. A
Santo, and Livia Bisaggio from Minas Mathematics and a chatterbox – different ship, different meteorological
Gerais), and were honored by being Debora Klayman, a mathematics conditions, a different master, a
awarded their certificates by Vice- graduate from the Federal University of different maneuver. There is no way you
Admiral Paulo José Rodrigues de Rio de Janeiro and holder of a masters can get bored by routine – she says.
Carvalho, at the time head of the degree from the Coppe in the History
Ports and Coastal Directorate. of Epistemology, spent years as Her training took a year. She admits
a teacher in several different types that she was very nervous during her
The ceremony took place this year, on of institutions (traditional schools, final exam ‘with butterflies in my
April 12. But before then, two girls from colleges, pre-college admission courses tummy’ until the harbormaster arrived.
Rio de Janeiro were already active in and courses coaching students for Being a perfectionist, she wanted to
the profession. Debora was the first: military colleges, etc.). Asked what execute a faultless maneuver; she did
she executed her initial maneuver as a had attracted her to piloting, she says not want to have to fix even the
pilot on March 26, mooring the Athos in that she considers it comparable with slightest error. But after she boarded
the Tergrasa Terminal in Rio Grande, her former profession: and started to exchange information
State of Rio Grande do Sul. Fernanda with the master, she was no longer
followed suit shortly afterwards, on – When I was coaching students for nervous; what happened to be an exam
April 1st, in an operation that involved examinations, they frequently said: became an ordinary day of work. When
untying the New Accord from the “thank you teacher, thanks to you I she executed her first maneuver,
Macuco Quay in Santos, State of São passed”. But that praise would only however, knowing that she alone was
Paulo. We were unsuccessful in our come after a year. As a pilot, I see the responsible for the ship, that was a
endeavors to contact Fernanda, but result of my efforts daily. A well executed little different.

21
pilotage
praticagem

– Being a woman in a male work-


environment has the opposite effect:
we are pampered. The male pilots even
joke: “Nobody offers to carry my back-
pack nor calls out ‘take care’ when I
leave the ship”. The crew tends to be
extremely polite and to look after us.
I have nothing to complain of. Only
feminine vanity suffers: you can’t have
long nails, and your legs are always
black and blue, she says.

Debora considers herself a good friend;


she says she always tries hard, is a happy
person, a prattler, and (mostly) good
humored. Among her negative qualities
she mentions that she is usually too lazy
to exercise and suffers from a certain
dose of anxiety. Her friendliness is what
IARA’S FIRST DAY AS A PILOT WITH THE MASTER OF THE ADRIATIC HIGHWAY calls the most attention in her personality.
IARA EM SUA ESTREIA COMO PRÁTICA, COM O COMANDANTE DO ADRIATIC HIGHWAY
One day she is sure to give MPX
She recalls: “I thought I was in luck. The dropped: I was responsible. It was up to (Master Pilot Exchange) classes in
ship was to be moored in one of my me alone to make the decisions that refresher courses for pilots, for she is a
favorite terminals. However, before would keep the ship safe in this dangerous master at communicating.
long the situation changed. I had situation, and so I did. I realized then
already taken note of the meteorological that we can only transmit confidence Nicoli once executed a rare maneuver –
conditions while on my way. The land when we are sure of ourselves – the although she has executed over 1,000
wind had a force of 25 knots and there 28-year old carioca finalized. during her training. She has seldom had
was a current of approximately 3½ to 4 to carry out the maneuver that waited
knots. Greatly concerned, I boarded At first Debora was a little concerned for her on her first day as a pilot.
while trying to figure out how I would that the men might be prejudiced
execute the maneuver; it took about against her for being a woman. But she – It was an uncommon maneuver that
an hour and a half. I was nervous until found out that this only happens rarely is hardly ever needed in the Port of
we moored, and only relaxed when all and is hardly worth mentioning. Vitoria. I had to moor a large, partially
was well and I could tell the master:
‘Commander, she is in position’.

But since being a pilot means among


other things being prepared for strong
emotions, the decisive moment was
still to come. In her first week of work
she had an experience that tested her
self-control.

– On a practically windless morning, I


calmly unmoored a ship. While we
were sailing, the wind force rose to 50
knots. It started to rain and visibility
was poor. The Master exclaimed: “My
God, what are we going to do?” Unable
to navigate safely by radar, I contacted
the tower and we were able to sail with
its assistance. It would have been very
difficult to rely only on the ship’s
resources. It was then that the penny NICOLI WHILE STILL A TRAINEE NICOLI AINDA COMO PRATICANTE DE PRÁTICO

22
pilotage
praticagem

loaded bulk carrier. But I knew I was


capable of doing it, kept calm, acted
slowly and, most importantly, was sure
it would be ok. The master knew
me already, and that helped. By
coincidence, it was the same as the
last maneuver I did as a trainee – she
recalls. She is only 23 years old and
studied at the Efomm (Officer School of
the Merchant Navy).

Coincidence? – Some people don’t


believe in coincidences, they believe in
signs. If Livia Bisaggio were one of
those people, she would undoubtedly
attribute a meaning to what happened
at her start as a pilot. Livia began her
professional life in the Merchant Navy,
to be specific, in the Brazilian flag
tanker Angelim, first as a nautical
officer trainee and then as an officer. As
it happens, it was Livia’s turn at the
Itajai Pilots to guide a ship into port on
April 29 of this year. And what ship
awaited her? The old Angelim that
years earlier had started her on the path
of one of her greatest passions: the sea.

She recalls that to carry out her first


maneuver on that particular ship, to be
able to put into practice what she had
learned during her training, was so LIVIA WITH THE MASTER OF THE LIBRA SANTOS LÍVIA COM O COMANDANTE DO LIBRA SANTOS
gratifying that she kept the maneuver
documents as a souvenir. was chosen for Santa Catarina, Michele so seriously that not even Poseidon, the
for Rio de Janeiro, and Iara for Parana. god of the seas, could affect their
The pioneers – Twenty-six year old Exactly what they had wished for. performance.
Livia Bisaggio from the State of
Minas Gerais, the 27 year old Michele Michele recalls some of her problems in Maybe they don’t know this, but by
Andrade from the State of Rio de the final exam: being qualified pilots, they are making
Janeiro, and the 39 year old Iara pilot history in South America as there
Rucinski from the State of Santa She says “I was assigned a large, are no women pilots in the continent’s
Catarina were the first Brazilian women almost 280 meters long, loaded other countries. Since they are young
to become pilot trainees. That was in container. There was already a ship in and can look forward to a promising
2007, when the Ports and Coastal the next terminal so that space to career, one can only wish them: ‘Full
Directorate was making a selection of maneuver was restricted. Since there steam ahead!’.
professionals for the PZ-01 (states of was no escape route, it was a
Amazonas and Amapa). complicated task. I did everything very
slowly not to lose control”. And every
In 2008, when a new, this time nation- day she identifies herself more and
wide selection was announced, the more with her profession.
three decided to again take the exam
with a view to being allotted to the Like their colleagues, Michele and Iara
southern or the southeastern region. started their careers in successful
Their determination, added to their maneuvers, which is no surprise for
experience, made the difference. Livia their interviewer. They take their work MICHELE AT CONAPRA MICHELE NO CONAPRA

23
salvamento
rescue

citou uma aeronave da FAB para inves-


Veleiro canadense naufraga tigar o sinal de emergência. Algum
tempo depois o avião localizou em alto-

em águas brasileiras mar náufragos em balsas salva-vidas.


Identificado o local do acidente, car-
gueiros que navegavam nas proximi-
Operação de salvatagem reuniu esforços da dades foram acionados e partiram em
busca das vítimas.
Marinha do Brasil, FAB e navios mercantes
Depois de horas de procura, quatro
No Brasil e em todo o mundo cada vez movimentação de uma indústria que balsas foram encontradas; o Hokuetsu
mais diminui o interesse dos jovens por não pode parar. Para prestigiar o 1,5 Delight, das Filipinas, resgatou 44
carreiras marítimas. São muitos os milhão de marítimos de todo o mundo, pessoas de três delas, e o Cristal
fatores que levam a essa realidade. Um em 2010, comemora-se o Ano Pioneer, das Ilhas Caymã, as outras 20,
deles, seguramente, é a crescente cri- do Marítimo, iniciativa da da quarta embarcação de salvamento.
minalização dos profissionais da área. IMO anunciada por seu Enquanto isso a Marinha enviava ao
A preocupação com a preservação secretário-geral no ano local a fragata Constituição, a fim de
ambiental e a atividade econômica sus- passado. Recentemente trazer ao continente os ocupantes do
tentável escalou a linha de prioridades os brasileiros puderam a- Concordia. A ideia era fazer o transbor-
da sociedade de tal forma, que hoje companhar de perto um caso do dos sobreviventes para a fragata via
ocupa posição de destaque em tudo que que exemplifica bem a importância helicóptero (parte da aparelhagem da
visa ao desenvolvimento do comércio dessa profissão, quase sempre lembra- Constituição), mas apenas 13 pessoas
marítimo e de atividades portuárias. da apenas em episódios negativos. puderam ser transferidas dessa forma
devido ao mau tempo.
Por mais legítimas que sejam as O naufrágio do Concordia
exigências por compensações em caso Dentro do melhor espírito marinheiro,
de poluição causada por acidentes Atingido por fortes ventos, em 17 de os navios mercantes mudaram suas
com navios, nada justifica abuso dos fevereiro o navio-escola Concordia, rotas e se dirigiram ao Porto do Rio a
direitos humanos. A história recente da veleiro de bandeira canadense, embor- fim de desembarcar os náufragos.
navegação está repleta de episódios cou e naufragou a 550 quilômetros Chegando à Baía de Guanabara,
em que comandantes foram presos sem do litoral do Rio de Janeiro com 64 práticos embarcaram nos navios pelo
investigação devida e comprovação de pessoas a bordo. Depois de ter menos cinco milhas além da posição
culpa (ver Rumos Práticos n.16). passado por países da Europa e África, normal de embarque, pois os cargueiros
a embarcação chegou em Recife em 20 não dispunham de cartas náuticas do
A Organização Marítima Internacional de janeiro e no início de fevereiro partiu Rio de Janeiro. Fizeram a manobra de
está atenta ao problema e se tem com destino a Montevidéu, no Uruguai. entrada e saída e conduziram, em
esforçado para mostrar à sociedade as lanchas de praticagem, os passageiros
enormes responsabilidades que tripu- Na quinta-feira (18), tendo recebido do Concordia para embarcações da
lações de navios tomam para si: vidas a pedido de socorro acionado pelo rádio Marinha. A bem-sucedida operação de
bordo, preservação do meio ambiente e do Concordia, a Marinha do Brasil soli- salvatagem foi finalizada na base naval
de Mocanguê, RJ, para onde o pessoal
da MB conduziu alunos e tripulação do
navio canadense, que ficaram cerca de
38 horas à deriva.

Histórias como essa merecem ser ampla-


mente divulgadas. Marítimos são profis-
sionais expostos a vários tipos de risco
em suas travessias – ataques piratas,
detenções indevidas e abandono, por
exemplo. São os protagonistas do
tráfego marítimo, do qual as civilizações,
desde seus primórdios, dependem. E,
são, como o naufrágio do Concordia
O CARGUEIRO FILIPINO DEIXA A BAÍA DE GUANABARA PHILIPPINE CARGO BOAT LEAVES GUANABARA BAY
mostrou, os guardiões do mar.

24
rescue
salvamento

In Brazil and throughout the world, fewer


and fewer young people are interested
in maritime careers. There are many
Canadian sailing ship
reasons for this. One is undoubtedly the
increasing criminal accusations made
against professionals in that area.
capsizes in Brazilian waters
The concern with environmental The Brazilian Navy, Air Force and merchant
preservation and sustainable economic
activity escalated the priorities of ships join efforts in a rescue operation
society to such an extent that they
are today a highlight in everything
that aims at developing maritime
commerce and port activities.

However legitimate demands for


compensation are in cases of pollution
caused by shipping accidents, nothing
justifies abuse of human rights. Recent
navigation history is full of episodes
where commanders were jailed without
due investigation and proof of liability
(see Rumos Práticos n0 16).

The International Maritime Organiza-


tion is aware of the problem and has
MASTER EDGARDO YBANEZ WITH PART OF THE HOKUETSU DELIGHT CREW
endeavored to demonstrate to society COMANDANTE EDGARDO YBANEZ COM PARTE DA TRIPULAÇÃO DO HOKUETSU DELIGHT
the immense responsibilities borne by
ship crews: they are responsible for On Thursday (18), the Brazilian Navy, Port of Rio to disembark the ship-
the lives on board, for preserving the having received a distress signal sent wrecked crew and passengers. When
environment, and for uninterrupted through the Concordia radio, asked the they arrived in Guanabara Bay, pilots
transport of cargo. In order to honor Air Force to send a plane to investigate were obliged to board the ships at
the 1.5 million mariners throughout the it. Some time later, the plane spotted least five miles from the normal
world, the year 2010 has been declared life rafts in the high seas carrying the boarding location since the merchant
‘Year of the Mariner’. This is an initia- shipwrecked passengers and crew. The ships had no nautical maps of Rio
tive of the IMO announced by the organ- location of the accident having been de Janeiro. They carried out entry
ization’s secretary-general last year. identified, merchant ships in the and exit maneuvers and took the
vicinity were alerted and went to Concordia passengers and crew on
Recently, Brazilians were able to closely rescue the victims. pilot boats to naval vessels. The
accompany a good example of the Brazilian Navy finalized the successful
importance of a profession which is After hours of search, four life rafts rescue operation by taking the
so often only remembered at times of were sighted. The Philippine flagged Canadian Ship’s students and crew
negative occurrences. Hokuetsu Delight rescued 44 people who had been adrift for about 38 hours
from three of them, and the Crystal to the Mocanguê naval base in Rio
The shipwreck of the Concordia Pioneer from the Cayman Islands, the de Janeiro.
other 20 from the fourth. Meanwhile,
On February 17 last, the school ship the Navy sent the frigate Constituição Stories such as these deserve to
Concordia, a Canadian sailing ship, to ferry the Concordia victims to the be widely reported. Mariners are
succumbed to strong winds. It capsized continent. A helicopter on board the professionals exposed to all sorts of
and sank 550 km from the coast of Rio Constituição was supposed to fly the risks – pirate attacks, undue detentions
de Janeiro with 64 people on board. survivors to the mother ship but, due and abandonment, for example. They
After having passed through European to rough weather, was only able to uphold the maritime traffic on which
and African countries, the ship arrived carry 13 of them. civilizations depend since ancient
in Recife on January 20; at the times. And they are, as the Concordia
beginning of February it sailed for In true maritime spirit, merchant ships shipwreck demonstrated, the guardians
Montevideo, Uruguay. changed their route and sailed to the of the sea.

25
meio ambiente
environment

A questão da Amazônia na visão


de um prático Max Barreto Silva

bem distintas: seis meses de enchente


e seis meses de vazante, efeitos natu-
rais com gradientes de até 15 metros
que transformam rios caudalosos em
filetes d’água de difícil navegação
até para as pequenas embarcações
regionais; que se deparam com o desa-
parecimento de alguns rios e lagos.

Esse ciclo das águas é acompanhado


diariamente não só pela praticagem,
que sofre influência direta de seus
efeitos, mas também por diversos
órgãos governamentais, como a
Capitania dos Portos (Capitania Fluvial
da Amazônia Ocidental – CFAOC e
Capitania Fluvial de Tabatinga – CFT), o
Sistema de Proteção da Amazônia –
Sipam, o Serviço Geológico do Brasil –
CPRM, a Agência Nacional de Águas –
MADEIRA DE DESMATAMENTO DEFORESTATION LOGS ANA e a Superintendência de Nave-
gação Portos e Hidrovias do Governo
Observamos na atualidade a crescente navios que trafegam nas 1.000 milhas do Estado do Amazonas – SNPH, cada
atenção da população mundial para náuticas compreendidas entre a cidade um com sua rede de estações meteo-
a questão ambiental, sobretudo em de Itacoatiara, no Rio Amazonas e a rológicas e réguas de medição dos
relação às mudanças climáticas, decor- cidade de Tabatinga (tríplice fronteira – níveis dos rios.
rente não apenas das preocupações Brasil, Peru e Colômbia), no Rio Solimões,
apontadas por parte significativa da são testemunhas do desenvolvimento A Praticagem dos Rios Ocidentais da
comunidade científica, mas em especial insustentável em andamento no país. Amazônia – Proa, desde sua fundação,
pelo fato de seus efeitos e prejuízos já em 1993, acompanha a dinâmica dos
afetarem diretamente a vida de cada É sabido que os rios da Amazônia pos- rios e as alterações dos seus leitos
um de nós. suem em sua sazonalidade duas fases (veja matéria publicada em Rumos

Essa perturbação ambiental – causa-


fotos: Proa

da pelo excesso de concentração de


gases na atmosfera originado pela
queima de combustíveis fósseis, como
petróleo, carvão e gás natural, e,
especificamente no caso brasileiro,
pelo uso inadequado da terra, marcado
pelos desmatamentos ilegais, quei-
madas de floresta e expansão das
fronteiras agropecuárias – tem trazido
consequências das mais diversas em
cada canto do planeta.

No âmbito da Amazônia, os práticos da


ZP - 02, assessores dos comandantes dos BANCOS DE AREIA SURGEM NA SECA SAND BANKS CAUSED BY DROUGHT

26
meio ambiente
environment

Práticos n.13), possibilitando identi- garantir minimamente o abastecimen- período das vazantes, investem na
ficar os efeitos do ciclo das chuvas to de determinadas localidades, em ampliação de sua infraestrutura; entre-
que, aliado ao fenômeno das “terras especial onde a seca alcança o extremo tanto, uma vez restabelecida a navega-
caídas” – causado pela forte correnteza da falta de oxigênio nas águas (hipoxia), ção, a estrutura fica obsoleta.
de rios em estado de formação –, prejudicando também a pesca – ativi-
modificam as paisagens e a configu- dade básica da maioria da população Para a praticagem, as vazantes ex-
ração das margens e expõem o curso amazônica –, seja comercial, ornamen- tremas exigem novos levantamentos
natural ao surgimento e desapareci- tal, de subsistência ou esportiva. batimétricos, pois o assoreamento dos
mento de bancos de areia e ilhas fluvi- canais é completamente inimaginável e
ais, tornando inócua qualquer tentativa Em 2005, por exemplo, o mundo acom- incalculável. O monitoramento perma-
de implantação de sinalização náutica panhou, perplexo, um desses eventos nente dos canais possibilita flexibili-
na região. extremos, uma das piores secas já dade na navegação principalmente
enfrentadas pela região amazônica e durante os períodos mais críticos,
A busca de canais navegáveis também que provocou o desabastecimento e o ocasião em que todos os navios,
nos coloca em contato direto com a isolamento de centenas de moradores empurradores com enorme comboio
população ribeirinha, que vive, de balsas, bem como simples e
entende e interpreta o mundo por tradicionais embarcações regio-
meio dos fenômenos da natureza, nais com cargas e passageiros,
utilizando indicadores como a dividem os mesmos canais.
floração e frutificação das plantas, Na prática, os iniciantes e os
época da chuva e piracema ou inseguros seguem o “caminho”
seja, para essas comunidades, dos navios.
o clima funciona como um dos
grandes fatores para tomada As grandes cheias
de decisões.
No outro extremo, em 2009
Nesse contato ouvimos as lamen- sofremos com a maior enchen-
tações dos ribeirinhos – afetados te já registrada na história,
pelos efeitos dos fenômenos natu- que provocou inundações e pre-
rais e pelas mudanças climáticas – juízos até na capital do estado,
e somos instigados a assumir Manaus.
um novo dever social: a busca
de alternativas que minimizem o Na navegação, contraditoria-
efeito da navegação e do desen- mente, o que parece ser um
volvimento econômico na vida ÁREA DESMATADA AREA CLEARED BY DEFORESTATION momento de tranquilidade passa
dessas populações. O que implica a ser de angústia. Nessa ocasião
navegar nem sempre nos melhores ribeirinhos e a decretação de estado alguns cuidados são indispensáveis, a
canais, tampouco nos canais mais de emergência em várias cidades, atenção precisa ser redobrada, a veloci-
profundos, mas nos que possam afetar repetindo o que ocorrera apenas oito dade dos navios, reduzida em alguns
de modo menos danoso as comu- anos antes. trechos – para que as populações
nidades locais. das margens dos rios, que já sofrem
Para a navegação, as secas extremas naturalmente com essas inundações,
As grandes secas restringem os calados dos navios a não sejam surpreendidas com os
ponto de inviabilizar economicamente o “banzeiros” (ondas, marolas provocadas
Preocupação dos órgãos do poder transporte, já que em alguns trechos as pelas embarcações) que adentram com
público, da defesa civil e das organiza- embarcações são obrigadas a realizar o força suas casas. Abdicamos, portanto,
ções ambientalistas, o fenômeno das transbordo de carga para comboio de de canais mais profundos e voltamos a
grandes secas tem apresentado seus balsas, o que aumenta consideravel- navegar no limite dos bancos de areia
reflexos negativos de modo mais radi- mente o custo final dos insumos. (perigosamente encobertos), evitando
cal e prolongado ao longo da última as costas e esse efeito devastador.
década, o que pode ser verificado por No contexto social, os transbordos
meio de suas frequência, intensidade e trazem um pseudoprogresso para al- Com o intuito de prevenir acidentes
imprevisibilidade. Tal realidade tem gumas localidades ribeirinhas, que, e considerando a cheia recorde de
exigido novo planejamento estratégico visando proporcionar apoio logístico às 2009, a Diretoria de Hidrografia da
e logístico para que se possa manter e tripulações dos navios e balsas no Marinha – DHN publicou o seguinte

27
meio ambiente
environment

desce. O problema é a grande quanti-


dade de queimadas na floresta em
municípios da região metropolitana de
Manaus, que deixa a capital encoberta
por densa nuvem branca de fumaça.

Na cidade essa situação provoca na


população a sensação de estar em meio
a um grande incêndio, afetando a quali-
dade do ar, sufocando todos e causando
problemas respiratórios principalmente
em crianças e idosos.

Ademais, o referido fenômeno prejudi-


ca a aviação civil de pequeno porte, que
BATIMETRIA EM RIO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL BATHIMETRY IN WEST AMAZON REGION RIVER não voa por instrumentos. No aeroclube
de Manaus, vários voos para municípios
do interior do estado são cancelados
aviso aos navegantes: que, no verão, encobre as cidades e nessa época, comprometendo o abaste-
os rios. cimento de localidades já isoladas.
I 7770/09 – Rios da Amazônia – Nave-
gação nos rios da Amazônia – Todas as Segundo meteorologistas, o El Niño A navegação fluvial também é afetada,
embarcações deverão manter velocidade causa o aquecimento da temperatura uma vez que a fumaça compromete a
inferior a cinco nós, quando a distância das águas do Oceano Pacífico, o que visibilidade tornando perigosa a ativi-
das margens for inferior a 150 metros. resulta na escassez de chuvas em algu- dade. Soma-se o fato de a região ser
Finalidade evitar deslizamentos de mas áreas da Amazônia, favorecendo o naturalmente limitada por canais estrei-
barrancos e danos às residências da aumento dos focos de incêndio oriun- tos e sinuosos com alta densidade de
população ribeirinha. dos tanto da combustão espontânea da tráfego. Nesse cenário, as pequenas
vegetação seca quanto da crescente embarcações não são percebidas pelos
As embarcações menores, por sua vez, conversão da floresta para fins radares, as luzes de navegação não
fogem dos canais navegáveis e mais agropecuários e da prática de queimadas possuem alcance diante da densa
profundos, por onde sulcam enormes irregulares. Portanto, o que parece forte fumaça, e o apito automático de cer-
troncos de árvores deslocados pela neblina, nada mais é do que fumaça. ração, que precisa estar ligado, acaba
correnteza – que destrói as encostas – por provocar transtornos para os
com os quais o choque pode ser fatal De acordo com o Instituto Socioam- pequenos navegadores, que declaram
para seus frágeis cascos de madeira. biental – ISA, “o Brasil é o quarto maior não conseguir identificar sua direção.
Na prática, mesmo nos períodos de emissor mundial de gás carbônico (um Enfim, um novo desafio para todos que
cheia, todos utilizam os mesmos canais. dos principais responsáveis pelo aque- utilizam as águas como meio de vida.
cimento global), e cerca de 70% das
Outro efeito claro na navegação é o emissões nacionais originam-se do des-
fotos: Proa

chamado backwater – fenômeno em matamento e das queimadas” (Atlas de


que as águas dos rios fluem contra Pressões e Ameaças às Terras Indíge-
seu fluxo natural, posto que repre- nas na Amazônia Brasileira, 2009, p.32).
sadas pelas altas cotas hidrométricas
dos rios Solimões e Amazonas. Em Segundo o Serviço de Proteção da
Manaus, as operações de fundeio Amazônia – Sipam, ventos fortes influ-
tornam-se atípicas com os navios fican- enciados pelo El Niño também trazem a
do aproados “contra” o que deveria fumaça de vários pontos da região,
ser a correnteza do Rio Negro. convergindo para a capital, que tem
presenciado essa condição bastante
Um agravante concentrada. Com a estiagem, a umi-
dade relativa do ar diminui drastica-
Um fenômeno tem afetado diretamente mente e causa o efeito conhecido como
a navegação na região com o prolonga- “inversão térmica”, quando a massa FUMAÇA ENCOBRE PÔR DO SOL
mento das estiagens: a espessa fumaça de ar que está nas maiores altitudes SMOKE OBSCURES SUNDOWN

28
social acceptance
inclusão social

Conclusão

Notamos que os impactos da mudança climática já apresentam


caráter sistêmico também sobre a navegação e o transporte.
Vale ressaltar que esse modal é elemento essencial nessa
região desprovida de rodovias e infraestrutura aeroportuária.

O monitoramente dos rios tem sido eficaz posto que permite


o conhecimento mais aprofundado de seu leito, mantendo
navegação segura diante do aumento do porte dos navios, EM MEIO À FUMAÇA, EMBARCAÇÕES DIVIDEM CANAL
possibilitando o escoamento contínuo do petróleo da Bacia do VESSELS IN A CANAL IN THE MIDST OF SMOKE

Urucu e acompanhando o desenvolvimento da Zona Franca de


Manaus e da região.

Como podemos observar, as incertezas são evidentes quanto


aos cenários futuros; a certeza, porém, é que as mudanças
climáticas têm trazido forte pressão sobre os ecossistemas e
provocado problemas socioeconômicos, como os citados, a
toda a população e ao poder público, que tem que conviver
e se adaptar a esse “eclipse” climático.

Enfim, a questão amazônica é tão complexa quanto sua biodi-


versidade, e a praticagem, como agente público, visando ao
bem-estar social, deve estar integrada a essa realidade e suas
mudanças.

Max Barreto Silva é prático da Proa

FUMAÇA DE QUEIMADA ENCOBRE MANAUS


SMOKE FROM FOREST FIRES COVERS MANAUS

Encontro das águas pode virar


patrimônio natural do Brasil

Um dos fenômenos mais belos e interessantes


da Floresta Amazônica deve ganhar
proteção especial. Autoridades do Estado
do Amazonas querem transformar o encontro
do Rio Negro com o Rio Solimões
em patrimônio natural do país.
Por uma extensão de 6 a 10 quilômetros,
as águas barrentas do Solimões e as
escuras do Negro correm lado a lado
sem se misturar.
Esse fenômeno acontece devido a diferenças
de temperatura, densidade e velocidade
de suas águas. Uma preciosiade natural que
atrai milhares de turistas a cada ano e que,
sem dúvida, merece ser tombada. VISTA DO PASSADIÇO DURANTE QUEIMADA
FOREST FIRE VIEWED FROM THE BRIDGE

29
environment
meio ambiente

The Amazon (region) question seen


through the eyes of a pilot Max Barreto Silva

affected by two very distinct seasonal


phases: six months of floods and six
months of low water marks. As a result,
gradients of up to 15 meters occur and
transform torrential rivers into threads
of water that pose navigational pro-
blems even for small regional vessels:
they are faced with the disappearance
of some of their rivers and lakes.

This water cycle is accompanied on a


daily basis, not only by the pilot associ-
ation which is directly influenced by its
effects, but also by several government
departments such as harbor masters
(Capitania Fluvial da Amazônia
Ocidental – CFAOC and Capitania
Fluvial de Tabatinga – CFT), Sistema de
Proteção da Amazônia – SIPAM
(Amazon Region Protection System),
SUNDOWN ON THE RIO NEGRO PÔR DO SOL NO RIO NEGRO Serviço Geológico do Brasil – CPRM
(Brazil’s Geolgical System), Agência
We note that the world population dividing Brazil, Peru and Colombia) Nacional de Águas – ANA (National
is currently paying more and more on the Solimões River, are witnesses Waters Agency) and the Superin-
attention to the environment, especially to the unsustainable development in tendência de Navegação Portos e
to climate change. This is not only due this country. Hidrovias do Governo do Estado do
to the concerns voiced by a significant Amazonas – SNPH (the Superinten-
portion of the scientific community, but It is common knowledge (in Brazil) that dency of Port and Waterways of the
especially to its consequences and the the rivers in the Amazon region are State of the Amazon government), each
damage that already affects the life of
each one of us.
fotos: Proa

The environmental disturbance is


caused by an excessive concentration
of gases in the atmosphere as a result
of the use of fossil fuels such as oil,
coal and natural gas, and, specifically in
the case of Brazil, of improper soil use
by illegal land clearing, setting fire
to forests and expanding farmlands.
The various consequences are felt
throughout the planet.

In the Amazon region, the pilots of


PZ - 02, assistants to ship captains who
travel 1,000 nautical miles between the
town of Itacoatiara on the Amazon
River and Tabatinga (a three-way border NAVAL SHIP AND PROA BOAT NAVIO DA MARINHA E LANCHA DA PROA

30
environment
meio ambiente

one possessing a network of meteoro- radical and longer lasting. This can be side locations that, in order to offer
logical stations and equipment for observed by their greater frequency, logistic support to the crew of ships and
measuring rivers levels. intensity and unpredictability. New rafts during low water periods, invest in
circumstance require a different strategic increasing their infrastructure; however,
The Rios Ocidentais da Amazônia Pilot and logistic planning to guarantee certain once shipping is resumed, the structure
Association (PROA) has, since its locations a continued minimum supply, becomes obsolete.
foundation in 1993, been following up especially where the drought causes an
on the dynamics of rivers and the extreme lack of oxygen in the waters For pilots, extremely low waters require
changes to their beds (see the article (hypoxia) that is harmful to fishing – the new bathymetric surveys: the silting of
published in Rumos Práticos, n0 13), basic livelihood of the majority of the the canals is completely unimaginable
listing the results of the rain cycle Amazonas population – be it commercial, and incalculable. Permanent monitoring
that, together with the phenomenon ornamental, for sustenance or sport. of the canals gives shipping some flexi-
of ‘land drops’ caused by the strong bility, especially during more critical
current of rivers being formed – alter To give an example, in 2005 the world times when all ships pushed by a huge
the landscape and the aspect witnessed, bewildered, one of such convoy of rafts, as well as ordinary tra-
of margins. They show the new ditional regional cargo and pas-
course of the river after the senger vessels, share the same
appearance or disappearance of canals. In practice, the beginners
sandbanks and river islands that and insecure follow the path of
thwarts any attempt to implement the ships.
nautical signals in the region.
The great floods
The search for navigable canals
also brings us into direct contact At the other extreme, in 2009 we
with the river population which had the largest floods ever
lives, understands and interprets recorded in history; they caused
the world by means of natural inundations and harm even in
phenomena, using signs such as Manaus, the state capital.
the flowering and fructification
of plants, rainy seasons and In shipping, contrary to what
migration of fish as indicators; in seems to be a time of calm, it is
other words, climate is for these a time of anguish. On such
communities one of the main occasions some measures are
factors in decision making. COMMUNITY ISOLATED BY FLOOD
indispensable, attention must be
CHEIA DEIXA COMUNIDADE ISOLADA doubled, the speed of ships has
In our contacts with the river to be reduced on certain stretches – so
population we listen to their plaints - extreme events, one of the worst that the population living at river
they suffer from the effects of natural droughts in the Amazon region. The margins, which has obviously already
phenomena and from climate changes – river population was left without any suffered from these floods, is not
and it prompts us to assume a new means of supply, and hundreds of surprised by ‘swells’ (small waves
social duty: to search for options that inhabitants were isolated. A state of caused by vessels) that invade their
minimize the consequences of shipping emergency was decreed in several homes. We therefore shun deeper
and the economic development in the towns, similarly to what had happened canals and revert to navigating close to
life of these populations. That implies in just eight years earlier. sandbanks (dangerously covered),
not always navigating in the best or the avoiding the coast and this dreadful
deepest canals, but to choose those In the case of shipping, extreme droughts consequence.
that cause the least harm to the local restrict the draft of ships to a point that
communities. renders transport economically unviable In order to prevent accidents, and
since there are stretches where vessels considering the record flood of 2009,
The great droughts are forced to transship the cargo to a the Diretoria de Hidrografia da Marinha
convoy of rafts; this increases the - DHN (Hydrographic Directorate of the
Public authorities, civil defense and end-cost of the inputs substantially. Navy) – published the following notice
environmentalists are extremely to navigators:
concerned that, over the past decade, From a social angle, transshipments
reflexes of the great droughts are more lead to pseudo progress for some river- I 7770/09 – Rivers of the Amazon Region –

31
environment
meio ambiente

concentration of such smoke. Due to the


drought, relative humidity of the air falls
drastically and causes an effect known
as ‘thermal inversion’ when a mass of air
descends from higher altitudes. Massive
land clearing by means of forest fires
in municipalities of the metropolitan
region of Manaus is the problem here
since it leaves the capital covered by a
dense cloud of white smoke.

In the city, the population has the


sensation of being in the center of a
great fire; the smoke affects the quality
of the air, almost suffocating everyone
VESSELS ANCHORED IN PORT OF MANAUS DURING FLOOD and causing respiratory problems
EMBARCAÇÕES ATRACADAS NO PORTO DE MANAUS EM ÉPOCA DE CHEIA mainly in children and the elderly.

Navigation on Amazon Region rivers – All in pockets of fire caused by sponta- Furthermore, this phenomenon is
vessels must maintain a speed below five neous combustion of dry vegetation, dangerous to small civil planes that
knots when the distance from the margins is increased conversion of forest into don’t fly on instruments. At the Manaus
less than 150 meters. Objective: avoiding farmland, and illegal burning of forests. Aviation Club, several flights to inland
landslides and damage to homes of the Therefore, what seems to be dense fog towns of the state are cancelled at that
river population. is nothing more than smoke. time, interrupting the provisioning of
already isolated populations.
Smaller vessels, on the other hand, flee According to the Instituto Socioam-
from navigable and deeper canals biental – ISA (Social-environmental Fluvial shipping is also affected since
where enormous tree trunks severed by Institute), ‘Brazil ranks fourth in world the smoke hinders visibility and renders
the current float – the current destroys carbonic-acid gas emissions (one of the navigation dangerous. Additionally,
the hill side– with which a collision may main factors of global warming). About there is the fact that the region is by
be fatal for their fragile wooden hulls. 70% of these emissions originate from nature restricted by narrow and sinuous
In practice, even during times of floods, deforestation and land clearing by canals that have dense traffic. In this
all use practically the same canals. arson (Atlas de Pressões e Ameaças scenario, the small vessels fail to be
às Terras Indígenas na Amazônia perceived by the radars, the navigation
Another consequence in navigation is Brasileira, 2009, p. 32). lights have no reach due to the dense
the so-called backwater when river smoke, and the automatic fog whistle
waters flow against their natural According to the Serviço de Proteção da that has to be connected ends up by
course, having been dammed by the Amazônia – SIPAM (Amazon Region causing problems to the navigators of
hydrometric height of the Solimões and Protection Service) strong winds caused small vessels who claim to be unable to
Amazon rivers. In Manaus, anchoring by El Niño also take smoke to various ascertain their direction. In short, this is
operations become atypical and ships parts of the region; they converge on another challenge to all who use water
are breasted ‘against’ what should have the capital which has suffered from a as a livelihood.
been the current of the Rio Negro.
fotos: Proa

An aggravation

A phenomenon affects shipping directly


in the Amazon region when droughts
last longer: the dense smoke that
envelops the river towns in summer.

According to meteorologists, El Niño


heats the Pacific Ocean and, as a result,
there is little rain in some parts of the
VIEW FROM BRIDGE WHILE CRUISING DURING FOREST FIRE
Amazon region, leading to an increase VISTA DO PASSADIÇO EM CRUZAMENTO DURANTE QUEIMADA

32
environment
meio ambiente

Conclusion

We note that the impacts of climate change are already


systemic with regard to navigation and transportation. Let us
stress that this modal is an essential element in this region
devoid of highways and of an airport infrastructure.

Monitoring the rivers has proved to be efficient since it permits


gaining a more in-depth knowledge of their beds and keeps
shipping safe in the face of increasingly larger size ships,
allowing a continuous outflow of oil from the Urucu basin and
accompanying the development of the Free Zone of Manaus
and of the region.

As we can see, the uncertainties in regard to future scenarios


are obvious; one thing is sure, however, namely that the
climate changes have exerted strong pressure on the natural
ecosystems and cause the above mentioned social-economic SOUNDING BOAT AIRUWE LANCHA DE SONDAGEM AIRUWE

problems to the population and the government that have to


live with and adapt to this climatic ‘eclipse’.

In closing, the Amazon region question is as complex as its


biodiversity, and pilots, being public agents, must become
integrated in this situation and its changes with a view to
social wellbeing.

Max Barreto Silva is a Proa pilot

Meeting of the waters may be considered


a Brazilian national heritage

One of the most beautiful and interesting


phenomena of the Amazon Forest
may be awarded special protection.
Authorities of the State of Amazonas
want to declare the meeting of the Rio Negro
and Rio Solimões waters a Brazilian national
heritage. Over a stretch of 6 to 10 kilometers,
the muddy waters of the Rio Solimões and
the dark waters of the Rio Negro flow
side-by-side without mixing. This phenomenon
is due to the different temperatures, density
and speed of the two.
A natural treasure that attracts thousands
of tourists every year and which undoubtedly
merits the epithet. MONITORING BOAT LANCHA PARA MONITORAMENTO

33
austrália
australia

Grande Barreira de Corais


Naufrágio traz à tona fragilidades do modelo
de praticagem australiano
Patrimônio da humanidade, a Grande para que cuide primeiramente do sério de avaliação baseadas em gerencia-
Barreira de Corais, na Austrália, problema da competição na área de mento de risco, mas nenhuma mudança
continua sendo vítima de prejuízos ambi- praticagem compulsória, antes de consistente.
entais. O último de que se tem notícia, pensar em ampliar seus limites.
causado pelo encalhe do navio Shen Otavio acrescenta que o modelo de Quando a praticagem foi introduzida no
Neng 1 no local, reacendeu os debates praticagem obrigatória adotado pelo Estreito de Torres, baseada no mesmo
sobre a navegação nessa sensível área e governo australiano, que permite a sistema, a Austrália não contou com o
o modelo de praticagem adotado no país. competição, deverá afinal ser apropri- apoio da maioria dos países associa-
adamente abordado. dos, e a praticagem obrigatória foi
O graneleiro de bandeira chinesa trans- rejeitada pela IMO. O curioso é que nos
portava 65 mil toneladas de carvão e Fadiga e pressão econômica – Ele portos e terminais australianos regu-
975 toneladas de óleo combustível lembra que, em discussão na IMO, lados pelos governos dos estados em
pesado quando encalhou em 3 de abril quando a Austrália pretendeu obter geral os serviços de praticagem funcio-
no Baixio de Douglas, com máquina a apoio para a extensão da obrigato- nam sem concorrência e com regras de
toda força e sem prático a bordo. riedade de praticagem para o Estreito segurança bastante rígidas, apenas os
Quinze quilômetros fora de sua rota de de Torres, nos mesmos moldes pratica- que são administrados pelo governo fe-
navegação, em área de grande valor dos na Barreira de Corais, não recebeu deral apresentam essas fragilidades.
ecológico, a embarcação ficou presa em o apoio da IMPA. Na ocasião a associ-

stock.xchng/hamletnc
arrecifes, a cerca de 70 quilômetros da ação foi contra o projeto por não julgar
Ilha de Great Keppel; os 24 tripulantes esse serviço praticagem, já que se trata
foram resgatados. de sistema que não considera a
prevenção de fadiga e permite a sub-
Segundo matéria da Lloyds List de 9 missão do prático à pressão econômica
de abril deste ano, em 1993, o governo do armador, não podendo, portanto,
federal australiano assumiu o controle garantir a segurança da navegação.
da regulamentação da praticagem na
Grande Barreira de Corais, retirando-a – Eu estava presente e posso dizer que o

stock.xchng/OwnMoment
do governo estadual de Queensland e sistema proposto não é o que considera-
introduzindo um sistema competitivo, mos praticagem regulada. Na verdade,
envolvendo empresas rivais. se parece mais com praticagem de alto-
mar (uma forma de assessoria facultati-
Otavio Fragoso, vice-presidente sênior va, nunca obrigatória, e que não é ofere-
da IMPA, explica que a praticagem na cida por autoridades, mas por empresas
Grande Barreira de Corais é obriga- em regime de concorrência). Infeliz-
tória; entretanto, o Shen Neng 1 mente esse serviço também intitula-se
encalhou em área não compulsória. praticagem na Austrália – acrescenta.
Relatórios iniciais sugeriam que o
stock.xchng/Nalhcal

oficial de quarto sofria de fadiga, tendo Após vários acidentes, principalmente


permanecido acordado nas 37 horas encalhes, documentados e provocados
anteriores. Políticos e ambientalistas por fadiga e outras causas, a AMSA,
stock.xchng/OwnMoment

ficaram indignados com os danos autoridade federal de praticagem da


causados aos arrecifes, e pressionaram Austrália, fez um documento público
no sentido de que fosse ampliada prometendo rever as regras com base
a área de praticagem. Os práticos nos relatórios. O resultado da revisão
australianos insistem com seu governo foi pífio e apenas criou outras normas

34
australia
austrália

Great Barrier Reef


Shipwreck shows up weakness
of the Australian pilotage model
The Great Barrier Reef in Australia, extension He adds that the “obligatory Several companies compete, the rules
a world heritage, continues to be a pilotage” model adopted by the allow a pilot to embark in an operation
victim of environmental problems. The Australian government that allows that lasts longer than 24 hours
latest known occurrence, caused by the competition may finally be properly (some Australian pilots call themselves
grounding of the Shen Neng 1, revives addressed. ‘napping’ experts). The time necessary
discussions on shipping in this sensitive for rest is not clearly stated.
area and on the pilotage model adopted Fatigue and economic pressure –
by that country. Otavio Fragoso recalls that when, After several accidents, mostly ground-
during a discussion at IMO, Australia ings, documented and caused by fatigue
The Chinese registered bulk carrier requested support for extending among other reasons, AMSA, the
carried 65,000 tonnes of coal and 975 compulsory pilotage to the Torres Australian federal pilotage authority,
tonnes of heavy fuel oil when it was Straits on the same lines as for the drew up a public document promising to
grounded on April 3, while sailing at full Great Reef Barrier, it was denied by review the rules based on reports. The
steam and without a pilot on board. the association. At the time, IMPA result of the revision was practically use-
Fifteen kilometers off its course, the disagreed with the project since the less and only created other evaluation
vessel hit a reef and was stuck in an system does not consider fatigue pre- norms based on risk management with-
area of major ecological importance, vention and forces pilots to bow to the out bringing any consistent change.
approximately 70 kilometers from the shipowner’s economic pressure; there-
Great Keppel Island; the 24 members of fore it could not guarantee safe shipping. When pilotage was introduced at the
the crew were rescued. Torres Straits based on the same system,
Otavio Fragoso adds “I was present the country did not have the support of
According to the Lloyds List of April 9 and can affirm that the proposed the majority of associated countries, and
of this year, in 1993, the Federal system is not what we understand as compulsory pilotage was rejected by the
Australian Government took over the regulated pilotage. In fact, it is more IMO. What is strange is that in all
control of pilotage regulations at like deep sea pilotage (a type of optional, Australian ports and terminals regulated
the Great Barrier Reef from the never obligatory, assistance that is not by the state governments, the vast ma-
state government of Queensland, offered by the authorities; it is jority, pilots operates with no competition
and introduced a competitive system suggested by competing companies). and on very strict safety rules; only those
involving rival companies. Unfortunately, this service is also called that are administered by the federal
“pilotage” in Australia. government have these weaknesses.
Otavio Fragoso, senior vice-president of
IMPA, explains: “Pilotage at the Great
Maritime Queensland

Reef Barrier is compulsory, but the Shen


Neng 1 grounded in a non-compulsory
area”. Initial reports suggest that the
officer on watch was suffering from
fatigue having been awake for the
previous 37 hours. Politicians and
environmentalists were “disgusted” by
the damage to the reef and have called
for the compulsory pilotage area to be
extended. Australian pilots are calling
on their government to first address the
serious problems of competition in the
compulsory area before considering an

35
Itajaí Trade Summit (ITS)
Data: 15 a 17 de setembro de 2010
Local: Centro de Promoções Itajaí-Tur, Itajaí, SC

Realizada pela NetMarinha, empresa que edita o maior portal de comércio internacional e logística do Brasil, a ITS está em sua
terceira edição. Destinada a profissionais de grandes, médias e pequenas empresas exportadoras, importadoras, prestadoras de
serviços e de equipamentos, a Itajaí Trade Summit é reconhecida como a mais importante feira no segmento de logística, transporte
e comércio internacional das regiões Sul e Sudeste do Brasil, assim como dos países do Mercosul. Mais informações em
http://itajai.tradesummit.com.br/

Convenção Bienal da American Pilots Association (APA)


Data: 24 a 29 de outubro de 2010
Local: Palazzo Resort Hotel and Casino, Las Vegas, EUA

20º Congresso da IMPA


Data: 14 a 19 de novembro de 2010
Local: Centro de Convenção e Exibição de Brisbane, Queensland, Austrália

Os congressos da International Maritime Pilots Association são realizados bienalmente. O último aconteceu na Tailândia e, como a
disputa para sediá-los vem sendo acirrada, as edições até 2018 já têm local previsto para ocorrer: após a Austrália, os subsequentes
serão na Inglaterra, Panamá, Coreia do Sul e Senegal.

No primeiro dia do encontro, na sessão restrita aos práticos, serão apresentados os candidatos à eleição de parte do comitê
executivo da associação: presidente, vice-presidente sênior e mais dois vice-presidentes. Os candidatos têm direito a cinco minutos
de apresentação, e o resultado da votação é conhecido logo em seguida.

No segundo dia da conferência, pela manhã, o assunto em pauta é meio ambiente. Presidida por Steve Pelecanos, serão apresentados
na reunião paineis sobre o tema. Conduzidos por Simon Pelletier, à tarde os trabalhos versarão sobre segurança pessoal do prático.
Na sequência, Cahit Istikbal assume o comando de sessão fechada em que se discutirá a ameaça da concorrência na praticagem. No
terceiro dia, pausa nas exposições: programação social, com direito a passeio.

Michael Watson e Rodolphe Striga conduzirão as apresentações sobre questões operacionais e tecnologia do passadiço, respectivamente,
os dois temas do quarto dia. No encerramento do evento, em 19 de novembro, em reunião reservada aos práticos, Stig Thomsen presidirá
a mesa de debates sobre aspectos regulatórios e criminalização no âmbito da praticagem.

Finalizando o congresso, Otavio Fragoso presidirá sessão na qual países-membros e associações regionais apresentarão relatórios
sobre a situação da praticagem em seus países e propostas para a administração da IMPA nos próximos dois anos.

Mais informações em http://www.impa2010.com/

36
Itajaí Trade Summit (ITS)
Date: September 15 to 17, 2010
Venue: Centro de Promoções Itajaí-Tur, Itajaí, Santa Catarina

The third ITS conference will be held by NetMarinha, the company that publishes Brazil’s major portal of international trade and
logistics. Of interest to professionals of large, medium and small export and import firms, as well as to service and equipment
providers, the Itajaí Trade Summit is acknowledged to be the most important fair in the segments of logistics, transport and
international trade of the South and Southeast regions of Brazil and of the Mercosud countries. More information on
http://itajai.tradesummit.com.br/

The American Pilots Association (APA) Biennial Convention


Date: October 24 to 29, 2010
Venue: Palazzo Resort Hotel and Casino, Las Vegas, USA

20th IMPA Conference


Date: November 14 to 19, 2010
Venue: Convention & Exhibition Center of Brisbane, Queensland, Australia

The International Maritime Pilots Association holds a conference every two years. The last took place in Thailand and, as
competition for hosting the next event is fierce, IMPA decided to already schedule the venues until 2018: after Australia, the
conferences will be held in England, Panama, South Korea and Senegal.

On the first day of the event, in a closed session reserved for pilots, candidates for president, senior vice-president and two
vice-presidents of the executive committee of the Association are each given five minutes to make a presentation before the election
procedure starts. The outcome of the ballot is announced as soon as the votes have been counted..

On the second morning, environment is the theme on the agenda. Steve Pelecanos will chair the respective panels. In the afternoon,
the sessions chaired by Simon Pelletier will deal with the personal safety of pilots. Cahit Istikbal then takes the chair for a closed
session during which the threat of competition in pilotage is discussed. On the third day, a break in the presentations: a social program
with the right to a tour is scheduled.

Presentations on bridge operational and technological matters are the themes of the fourth day. Closing the sessions on November 19,
at a meeting reserved to pilots, Stig Thomsen will chair debates on regulatory aspects and criminalization in the sphere of pilotage.

Otavio Fragoso will chair the closing session of the conference during which member countries and regional associations are awarded
5 minutes each to report on the situation of pilotage in their countries and are given the opportunity to advise the new IMPA Executive
of what they wish to achieve in the next two years.

More information on http://www.impa2010.com/

37
Memória: há 25 anos prático evitou tragédia em Recife
A reminder: 25 years ago a pilot prevented a tragedy in Recife
Em 12 de maio de 1985 a bravura de Nelcy da Silva Campos evitou que acontecesse uma fatalidade em Pernambuco. Um dos três
tanques do petroleiro Jatobá, que transportava 1,5 mil toneladas de gás butano, explodiu no Porto de Recife. Como a explosão
aconteceu perto do depósito de combustíveis da cidade, o acidente poderia ter causado incêndio de enorme proporção.
Rapidamente o Corpo de Bombeiros chegou ao local, mas não conseguiu extinguir as labaredas de fogo, que alcançavam 20
metros. Apesar de ter consciência do risco que corria, Nelcy tomou a iniciativa de desatracar o navio em chamas e conduziu um
rebocador que levou o Jatobá para alto-mar. Navegando pela parte mais difícil do porto – o lado norte – o prático deixou o
petroleiro a cerca de cinco quilômetros do local do acidente, evitando que parte da cidade pegasse fogo. Fartamente noticiado
na imprensa nacional, o fato levou Nelcy a ser aclamado herói por sua coragem e atitude.

On May 12, 1985, the courage of Nelcy da Silva Campos prevented a tragedy in Pernambuco. One of the three tanks of the tanker Jatobá
that transported 1,500 tons of butane gas exploded in the Port of Recife. As the explosion happened near the city’s fuel deposit, this
accident could have caused a huge fire. Firemen arrived quickly at the site, but were unable to extinguish the flames that had reached a
height of 20 meters. Although aware of the risk he was taking, Nelcy untied the ship on fire and manned a tug that led the Jatobá to the
high seas. Sailing in the most difficult part of the port –the north – the pilot left the tanker approximately five kilometers from the place of
the accident. He thus prevented part of the city from catching fire. At the time, Nelcy was acclaimed as a hero for his courage and action.

Brasileiro assume presidência da Cianam


A Brazilian is elected president of Cianam
Criada com o objetivo de aglutinar e representar agentes marítimos da América Latina, a Câmara Interamericana de Associações
Nacionais de Agências Marítimas (Cianam) conta hoje com 11 países-membros: Argentina, Brasil, Chile, Estados Unidos, México,
Panamá, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela e Equador. Durante assembléia geral realizada em Washington, em 30 de abril, elegeu-se
para a presidência da entidade o brasileiro Waldemar Rocha Junior, presidente do Sindicato das Agências de Navegação Marítima do
Estado do Espírito Santo (Sindamares) e vice-presidente da Federação Nacional das Agências de Navegação Marítima (Fenamar).
Waldemar estará à frente da Cianam no período de 2010 a 2012.

DPC tem novo diretor The DPC has a new director


Desde 19 de abril a Diretoria de Portos e Costas tem novo titular. Em cerimônia realizada no Centro de Instrução Graça Aranha (Ciaga),
o vice-almirante Paulo José Rodrigues de Carvalho transmitiu o cargo ao também vice-almirante Eduardo Bacellar Leal Ferreira. Marcelo
Cajaty, presidente do CONAPRA, compareceu à solenidade.

38
stock.xchng/Liqfx
Re

De autoria do prático e advogado Matusalém Gonçalves Pimenta,


a obra trata das formalidades e tramitação dos processos marítimos
perante a autoridade e o tribunal marítimos, abrangendo possíveis recursos.
O autor faz uma crítica doutrinária,
apontando dispositivos dos diplomas processuais pertinentes –
Lesta e Lei Orgânica do Tribunal Marítimo –
que não foram recepcionados pela Constituição de 1988,
apresentando sugestões de alteração legal,
bem como de hermenêutica e exegese diferenciadas.
Segundo o vice-almirante Luiz Augusto Correia,
presidente do Tribunal Marítimo, o livro engrandecerá
a formação de todos os profissionais da comunidade marítima,
sejam eles marinheiros, armadores, seguradores ou
acadêmicos que estudam a matéria.
À venda nas principais livrarias jurídicas do país,
a publicação também pode ser adquirida
no site www.lumenjuris.com.br