Anda di halaman 1dari 56

Para facilitar seus estudos:

 Leia atentamente os módulos e se achar necessário responda


NO CADERNO as atividades propostas. Elas não são
obrigatórias.

 Consulte o dicionário sempre que não souber o significado das


palavras. Se necessário, utilize o volume da biblioteca.

 Se você tiver dúvidas com a matéria, consulte uma das


professoras na sala de História.

IMPORTANTE:

NÃO ESCREVA NA APOSTILA, POIS ELA SERÁ


TROCADA POR OUTRA.

A TROCA SÓ SERÁ FEITA SE A APOSTILA ESTIVER EM


PERFEITO ESTADO.
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Se você pensou em responder, que História é simplesmente o estudo do


passado, com muitos fatos, nomes e datas, valorizando os heróis, os poderosos...
pode parar! Tá na hora de você rever seus conceitos!

A História é uma ciência viva, ela A palavra “história” nasceu


busca entender como os homens se na Grécia Antiga e significava
organizaram e se desenvolveram desde o “investigação”. Foi o grego
passado até os nossos dias. É a ciência do Heródoto, considerado o “pai da
passado e do presente, um e outro
inseparáveis. História”, que pela primeira vez,
empregou esta palavra com o
A História serve para interpretar o sentido de investigação do
passado, tendo em vista a compreensão passado.
do presente.

O objetivo é adquirir consciência do que FOMOS para transformar o que


SOMOS. Transformar para melhor.

Assim, num país como o Brasil, marcado por tantas injustiças sociais, o estudo
da história pode servir para ampliar nossa consciência sobre a imensa e urgente tarefa
de construir uma sociedade mais justa, mais digna e mais fraterna.

Responda em seu caderno


01. Na sua opinião, qual é a importância do estudo da História para a sua vida?

Há cerca de 3 milhões de anos o homem habita o planeta Terra. Nele, encontra


todos os recursos de que precisa para sobreviver. Porém, para retirar esses
recursos da natureza e transformá-los em alimentos, ferramentas,
habitações, vestuários, etc., ele precisa trabalhar.
Ao transformar a natureza, o homem modifica a
Terra. Assim, no decorrer de milhares e milhares de anos,
florestas deram lugar a campos de cultivo ou a cidades;
montanhas foram perfuradas, com o objetivo de encurtar
caminhos; e rios foram desviados de seu curso, para que
suas águas pudessem alcançar regiões áridas.
Esse gigantesco trabalho de transformação da natureza
nunca foi uma tarefa individual, pois os homens sempre viveram em
grupos, atuando juntos para sobreviver. E, nesse longo percurso, a humanidade foi
construindo a sua história.

Será que só os reis, imperadores, presidentes, ministros e


generais fazem a História?

CEESVO 1
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Poucos jornais se preocupam em noticiar que os moradores de um bairro pobre


se reuniram no fim de semana para limpar a rua e plantar árvores na pracinha. Mas,
se o presidente da República se encontrou com o dirigente de outro país, essa notícia
estará em todos os jornais.
Os jornais noticiam os fatos que acham mais importantes para os leitores e
para a população. E quem decide se os fatos são importantes ou não geralmente são
os donos e diretores dos jornais, que com freqüência estão de acordo com quem
manda no país.
Também os livros de História trazem mais fatos referentes à vida dos
governantes do que notícias sobre os governados (o povo, em geral).

Mas todos nós fazemos a História do Brasil!


Você, seus professores, seus amigos, seus parentes constituem uma parte da
sociedade brasileira. Esta parcela da população estuda, trabalha, vota para eleger
seus dirigentes, reúne-se em entidades como sindicatos de trabalhadores, associação
de moradores, grupos da igreja, etc. Numa nação democrática, esses grupos de
cidadãos devem atuar politicamente, e com isso ter uma participação maior na História
do país.
Todos fazem a história: produzindo, governando, estudando, combatendo,
realizando trabalhos científicos, manuais ou artísticos.
Neste trabalho coletivo, de milhares de anos e de milhões de pessoas, o
homem venceu inúmeros desafios, mas, ao mesmo tempo, criou problemas de difícil
solução. Herdamos de nossos antepassados um mundo com guerras, conflitos e
ameaças. Diante disso, muitas vezes nos sentimos pequenos e frágeis. Como
encontrar soluções para os problemas que enfrentamos nos dias atuais?
Para isso vamos estudar a História, e tentar fazer a nossa parte na construção
de uma sociedade mais justa e solidária.

Responda em seu caderno:

02. Após a leitura do texto acima, responda: quem faz a História?

Para conhecermos a vida de nossos antepassados, recorremos a velhos


álbuns de fotografias e às pessoas mais velhas. São eles que podem nos relatar algo
sobre nossos parentes mais antigos.

Podemos saber como se vestiam, onde moravam, que atividades tinham, qual
era o seu lazer, como se relacionavam uns com os outros e quais eram seus
costumes. Enfim, dependendo da qualidade das informações e do nosso interesse,
podemos reconstituir parte desse passado.

Na História a investigação é parecida com isso, pois através dos tempos, os


homens vão deixando sinais de sua vida: restos de esqueletos e de casas, objetos de
uso doméstico, vestimentas, calçados, obras de arte, desenhos, inscrições, cartas,
textos impressos em livros, revistas e jornais, etc.

CEESVO 2
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Esses são os chamados


documentos históricos ou Pintura Rupestre
fontes históricas, utilizados pelos
historiadores (guardiões da
memória da humanidade, seu
trabalho é descobrir o máximo
possível a respeito dos fatos que
já aconteceram, para registrá-los
e, assim, impedir que sejam
esquecidos) para conhecer o
passado.
Os documentos históricos
podem ser escritos (jornais,
livros, inscrições em monumentos etc.) e não-escritos (monumentos, objetos, restos
humanos, ruínas de construções etc.).

Essas imensas construções, as pirâmides do Egito, são exemplos de


vestígios.
Através do estudo
das pirâmides, construídas
há mais de 4000 anos,
pôde-se conhecer muitos
hábitos, crenças e modos
de vida desse antigo povo.
Sabe-se, por
exemplo, que eles
acreditavam que após a
morte a alma voltava ao
corpo. É por isso que se
Pirâmides do Egito
embalsamavam os mortos.

Os corpos embalsamados recebem o nome de múmias. Os faraós construíram


templos imensos, como as pirâmides, onde seus corpos embalsamados eram
colocados.

A sucessão de dias e de noites nos dá a primeira idéia da


passagem do tempo. Assim, o homem sempre se preocupou em
saber quanto tempo o separa de um acontecimento ocorrido no
passado ou quanto tempo falta para se dar um acontecimento
previsto para o futuro.

Por isso, ao longo da História, o homem sempre


procurou pôr em ordem cronológica os acontecimentos
históricos. Muitos calendários foram organizados para
isso. Mas a forma mais aceita de contar o tempo foi estabelecida a partir do
nascimento de Cristo.
O nascimento de Cristo, que marcou o início do calendário cristão, é o
ponto de referência para a contagem dos anos e das datas dos grandes
acontecimentos históricos.

CEESVO 3
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Os anos anteriores ao nascimento de Cristo, contam-se de forma


decrescente, adicionando-se as letras a.C. (antes de Cristo). Exemplo: Roma,
segundo a lenda, foi fundada em 753 a.C., isto é, 753 anos antes do nascimento de
Cristo.
Os anos posteriores contam-se de forma crescente e são representados
pelas letras d.C. (depois de Cristo), mas, tornou-se comum usar apenas o ano sem
nenhuma sigla. Exemplo: Brasília foi fundada em 1960, isto é, 1960 anos depois do
nascimento de Cristo.
Então, para os países que seguem o cristianismo, o nascimento de Cristo é
o marco principal para a contagem do tempo.
Outros povos, não cristãos, consideram outros fatos mais importantes;
portanto, têm outros calendários. É o que acontece com os chineses, os judeus e os
árabes, por exemplo.
Para os árabes, que seguem o Islamismo, religião fundada por Maomé, o fato
central é a ida deste profeta da cidade de Meca para a de Medina (na atual Arábia
Saudita).
Segundo o nosso calendário, isso ocorreu no ano de 622. Portanto, o ano 1 do
calendário árabe corresponde ao ano 622 do nosso calendário. Nosso ano de 2004
corresponde ao ano 1382 do calendário árabe.

PALAVRAS–CHAVE NA CONTAGEM DO TEMPO

Para melhor situar os


fatos no tempo, os
historiadores costumam
empregar divisões como:

Para indicar os séculos utilizamos sempre os algarismos romanos. Observe


a tabela abaixo:

CEESVO 4
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

 Quando o ano TERMINA em dois zeros, como: 300, 1500, 2000, etc, basta
“cortar” os dois zeros para ter a resposta, ou seja, o número que sobrar
corresponde ao século. Exemplos:

 Quando o ano NÃO TERMINA em dois zeros, como: 30, 476, 1789, etc, basta
“cortar” os dois últimos números e somar 1 ao número que sobrou. Exemplos:

Responda em seu caderno


03. Determine a que séculos pertencem os seguintes anos:
a) 1964
b) 360
c) 1200
d) 33
e) 2004

Se você recordar um pouco sobre as fontes históricas, vai lembrar que


as fontes escritas são muito eficientes e nos fornecem informações e registros
muito precisos. Por isso, o surgimento da escrita marca o início da História,
pois só nos é possível afirmar que um fato aconteceu realmente se houver
algum registro escrito sobre ele.
O documento escrito mais antigo já encontrado até hoje data de 4000
a.C., aproximadamente. O período da história posterior a esta data é chamado
de histórico, porque tudo o que aconteceu pode ser entendido a partir de
fontes mais seguras. O período histórico anterior a essa data é chamado de
período pré – histórico, nada do que apresenta pode ser afirmado com total
segurança.

CEESVO 5
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

A DIVISÃO DO PERÍODO HISTÓRIA

 IDADE ANTIGA: Desde o surgimento da escrita até a queda do Império


Romano do Ocidente (em 476).
 IDADE MÉDIA ou MEDIEVAL: Desde a queda do Império Romano do
Ocidente até a tomada da cidade de Constantinopla pelos turcos (1453).
 IDADE MODERNA: Desde a tomada de Constantinopla pelos turcos até a
Revolução Francesa, em 1789.
 IDADE CONTEMPORÂNEA: Desde a Revolução Francesa até os nossos dias
atuais.

Veja melhor essa divisão na figura abaixo e não se esqueça que estas datas
não precisam ser decoradas!

PRÉ-HISTÓRIA

Das origens da
humanidade
até
a invenção da
escrita
(em 4000 a.C.)

A História mostra o que os homens foram e fizeram e isso


nos ajuda a decidir o que podemos ser e fazer.

CEESVO 6
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Nessa etapa de nossos trabalhos gostaríamos de ajudá-lo a se descobrir como


agente social em sua escola, em seu bairro, sua cidade e seu país. Mas esta
descoberta vai acontecendo aos poucos. Em primeiro lugar, você deverá compreender
o seu papel como agente da História.

Ao perceber que você é o responsável pela construção de sua história,


entenderá também que é agente da História em sua escola, seu bairro, etc. Após a
leitura do texto abaixo, você irá nos contar um pouco de sua história.

“A história de uma pessoa começa quando ela nasce, evolui com seu
crescimento e termina com sua morte.
Você nasceu, cresceu, tornou-se um adulto e depois envelhecerá.
Durante sua vida fará milhares de coisas que ficarão documentadas.
Registro de nascimento, fotografias, certidões religiosas (conforme a
sua religião), certificados escolares, documentos, carteiras de trabalho e
outros são os documentos que permitirão, a qualquer momento, que você
possa reconstituir sua história.
Coisas de que você não se lembra poderão ser comunicadas a você
através do testemunho de seus pais, irmãos mais velhos e parentes.”

Responda em seu caderno

04. Após a leitura do texto anterior, escreva a sua história, contando os


momentos mais importantes de sua vida, como o local em que você nasceu, como
viveu sua infância, até que série estudou, porque parou de estudar, por que
resolveu estudar no CEESVO, qual a sua profissão, participa de alguma associação
(clube, sindicato, igreja), etc.

05. Se for possível, traga algum OBJETO ANTIGO ou FOTOGRAFIA, que


retrate o seu passado, ou de sua família, ou o passado de sua cidade. Nesta
atividade você pode ganhar pontos para a prova deste módulo.

Sabia que às vezes é preciso fazer


um breve relato da sua história para se
conseguir um emprego? É verdade!

É para isso que serve o Curriculum Vitae - é o currículo


da sua vida, onde você registra todas as informações
importantes para se conseguir um emprego.

CEESVO 7
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

CURRÍCULO
APRENDA COMO FAZER UM CU RRÍCULO

O mercado de trabalho está muito concorrido atualmente. Todos nós sabemos


como está difícil conseguir um emprego. Por isso, estudos e cursos são importantes,
para fazer um candidato se sobressair em relação aos outros.
Mas, para isso, é preciso mostrar com clareza à firma ou empresa onde o
candidato busca uma vaga, o que ele já fez na vida.
Para isso é que serve o Curriculum Vitae, o currículo de sua vida, onde você
registra todas as informações importantes para se conseguir um emprego.
Um bom currículo deve ser direto e objetivo. Não adianta colocar um monte de
informações só para impressionar. O ideal é colocar o que você já fez, onde estudou,
onde trabalhou, que emprego pretende, sempre sem inventar nada.
Aqui você vai encontrar algumas dicas de como fazer um currículo. Na
próxima página você encontra um currículo-modelo que você pode seguir ao
fazer o seu, substituindo as informações do exemplo pelas suas.

As dicas...
Tamanho: Não adianta fazer um currículo gigantesco, esperando impressionar:
o destino de seu currículo pode ser o fundo de uma gaveta ou mesmo o lixo. Então,
não é bom colocar todos os cursos que você fez ou todos os empregos que teve, por
exemplo, mas os mais importantes e que talvez tenham relação com o emprego que
você está tentando. O tamanho ideal do currículo é no máximo 2 páginas.
Dados Pessoais: Nome, endereço, telefone e e-mail (se tiver) são informações
essenciais. Um dos problemas que os empregadores reclamam muito é ser impossível
contatar um candidato, porque muitos deixam de pôr endereço ou mesmo um telefone
para contato.
Escolaridade: Registre o seu nível mais alto de escolaridade somente. Por
exemplo, se você já terminou ou ainda está cursando o ensino médio, registre onde
estuda e quando terminou (se ainda não terminou, registre que está cursando).
Cursos Complementares: Registre cursos que você fez e que você acha
importante.
Experiência Profissional: Aqui você irá registrar os empregos que você já
teve - nome da empresa, quando entrou e quando saiu, o cargo e que funções
desempenhou. IMPORTANTE: você deve registrar no início o último emprego que
você teve, até registrar o primeiro emprego, que será o último.

...Bem, na página seguinte, você encontrará um MODELO...


...que poderá seguir para fazer o seu próprio currículo....
...Se quiser, poderá copiá-lo em seu caderno....

Nunca pare de estudar, pois a busca do conhecimento irá sempre te


colocar à frente dos outros na corrida
corrida por um emprego.
Boa sorte!

CEESVO 8
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

MODELO DE CURRICULUM VITAE

 DADOS PESSOAIS
Augusto Vidal dos Santos
Rua da Paz, 52 – Bairro Itapeva
Votorantim/SP - CEP 18114-470
Telefone:(15)3343-0000
Email: augustovsantos@email.com.br

 ESCOLARIDADE
Ensino Médio
CEESVO – Centro Estadual de Educação Supletiva de Votorantim
Concluído em 2005

 CURSOS
Informática
Escola Computer Max
Curso Integrado de Ambiente Windows
Word | Excel | Access | Power Point | Internet | HTML
Idioma
English School
Inglês
Cursando o nível II intermediário

 EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Escritório de Advocacia Antônio Silveira


 Secretário
Toda espécie de atendimento a clientela no escritório. Fazia parte também das
atribuições, organização do cadastro de clientes, executava serviços de digitação e
externamente era responsável pela verificação de processos nos fóruns, cartórios e
serviços bancários.
De março de 1999 a abril de 2005.

Revistaria Dois Irmãos


 Vendedor
Ganhei grande experiência com atendimento ao público, vendas, caixa e controle de
estoque.
De agosto de 1996 a fevereiro de 1999.

CEESVO 9
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Não se esqueça! A sua História se liga à História de sua cidade!


Agora você estudará um pouco a HISTÓRIA DE VOTORANTIM.

Você provavelmente mora em Votorantim, se não mora, com certeza irá se


interessar pela sua história.

 LOCALIZAÇÃO
Votorantim está localizado a sudoeste do Estado, distante a 100 Km da Capital.
Ocupa uma área de 177 Km². Situa-se em uma região de relevo montanhoso, dotado
de aclives, declives e vales. A altitude média circunda em 557m. A cidade possui
clima tropical e temperatura média anual de 20 graus.
Faz divisa com
os municípios de:
Sorocaba, Piedade,
Ibiúna, Salto de
Pirapora e Alumínio.
Encontra-se
em um dos principais
eixos industriais do
Estado, com
importantes vias de
acesso, como a
Rodovia Castelo
Branco (SP-280),
Raposo Tavares (SP-
270), João Leme dos Rio Sorocaba
Santos (SP-264) e
SP-79 que liga a cidade ao litoral sul do Estado.
A hidrografia é formada pelo Rio Sorocaba, anteriormente denominado “Rio
Grande”, e por seus afluentes. Ao longo de seu curso, tem como principais afluentes
os rios Cubatão e Ipaneminha, além de receber outros ribeirões e córregos
espalhados pelo município. Esses rios, ribeirões e córregos fazem parte da Bacia
Hidrográfica do Rio Sorocaba, que pertence à Bacia do Tietê.

“A Ferrovia Votorantim, que liga o centro de Sorocaba à fábrica de


SAIBA MAIS...

cimento Votoran, no bairro Santa Helena, revela boa parte da história do


município e traz lembranças as pessoas que a utilizavam.
Considerada uma das menores do mundo, com 13 Km de extensão, e a
segunda do Brasil a ser eletrificada, em 1922, a ferrovia tem lugar cativo na
memória de gente que lembra os áureos tempos em que era a principal via de
ligação entre Votorantim e Sorocaba.
A ligação da ferrovia com a cidade vem desde 1890, e sua influência é
tal que o Bairro da Chave tem esse nome devido justamente a haver ali uma
antiga CHAVE da mudança de linha.
Extraído: Jornal Cruzeiro do Sul de 05.11.2001

CEESVO 10
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

 POPULAÇÃO

A população do município segundo estimativa do Censo 2003 atingiu cerca de


100.607 - cem mil, seiscentos e sete habitantes.

1991 1996 2000 2003


80.518 87.077 95.925 100.607
Fonte IBGE 1991, 1996, 2000 e 2003 (estimativa).

Verifica-se, desde 1996, um crescimento populacional de aproximadamente


10% a cada 4 anos, perfazendo um acréscimo total líquido de cerca de 1600
pessoas/ano.

 ORIGEM E FORMAÇÃO
O início da exploração e povoamento de Votorantim aconteceu em meados do
século XVII, quando Paschoal Moreira Cabral, primeiro habitante do município,
parente de Baltazar Fernandes, fundador de Sorocaba, instalou-se no local conhecido
como Itapeva (pedra chata), hoje sede da Fazenda de São Francisco, de propriedade
do Grupo Votorantim, iniciando o período rural com a plantação de cana e instalação
da primeira moenda, utilizando-se do trabalho de índios escravizados.
Em 1679, foi construída, no terreiro da casa grande, uma capela em
homenagem a Nossa Senhora do Pópulo. Posteriormente essa capela foi enriquecida
com a imagem de São Francisco, que deu nome a serra e à fazenda.
Na época, também, eram explorados o cultivo de produtos de subsistência e a
pecuária. O número de habitantes era pequeno e o comércio rudimentar.
A maior atração local era uma cachoeira denominada pelos indígenas de
“Botu-ra-ti” / Boturantim, cujo origem em tupi guarani, significa Grande Espuma
Branca ou Cascata Branca, originando o nome Votorantim, atribuído ao vilarejo e
posteriormente ao município.

Cachoeira da Chave

Conta-se que a cachoeira era de tal beleza, pelo volume de água e recantos naturais,
que teria motivado a vinda do Imperador D. Pedro II e da Imperatriz Tereza Cristina,
para apreciar a região.

CEESVO 11
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Responda em seu caderno

06. Cite o trecho do texto que identifica a presença indígena na região.

 A HISTÓRIA E A INDÚSTRIA
É difícil falar da história do município de
Votorantim sem fazer referência à fábrica de
tecidos da família Moraes, que hoje pertence à
Fiação Alpina (Votex).
As histórias da cidade e da indústria se
confundem ao longo dos anos. Por volta de 1750,
numa sucessão de compras e vendas, a fazenda
chegaria às mãos do Capitão Mor Manoel Fabiano
de Madureira. Essa mesma fazenda, em 1890,
seria vendida ao Banco União de São Paulo.
A intenção era montar na localidade uma Caricatura de
empresa para dar acabamento nos tecidos e vendê- Antonio Ermírio de Moraes
los em Sorocaba, aproveitando a feira de Muares e a e a fábrica de tecidos.
estrada de ferro Sorocabana, que ligava várias
cidades da região, aumentando o potencial de consumo.
Ao mesmo tempo em que surgia, a fábrica incentivava o povoamento da área.
Chegavam técnicos, operários e, para servi-los, pequenos comerciantes.
Em 1917, o Banco
Povoado de Votorantim União faliu. Naquela época,
Votorantim já era um
povoado que abrigava mais
de 1200 habitantes,
espalhados por quatro
bairros, todos ao redor da
fábrica. A falência do Banco
União ocorreu juntamente
com a falência da fábrica.
Com a crise da
indústria, o povoado ficou em
situação difícil.
No ano seguinte,
Antonio Pereira Inácio, um
imigrante português, adquiriu a fábrica juntamente com os irmãos Scarpa.
E, como relata Aluísio de Almeida, “antes de abril de 1918 já estava fundada a
S.A. Votorantim, pois nesse mês se lê pela primeira vez o título da firma num anúncio
curioso, prometendo 2500 alqueires de terra aos lavradores que quisessem
enriquecer”.
Pereira Inácio queria plantar algodão, colher, descaroçar, fiar e tecer. Tudo
junto, conta o historiador sorocabano, lembrando que pouco mais de um mês depois,
Francisco Scarpa, um dos esteios da fábrica, falece num acidente de trem que liga
Sorocaba a Votorantim. Em virtude disso, Pereira Inácio adquire por mil contos de réis
a parte de Scarpa.

CEESVO 12
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

da cidade com a indústria se


estreita ainda mais, pois a
indústria trouxe vários
benefícios para a comunidade,
criando ambulatório médico,
trazendo dentistas, construindo
a escola maternal e a igreja de
São João Batista.

Ambulância – década de 1920.

Armazém da fábrica de tecidos Votorantim, situado no Bairro da Barra Funda,


década de 1920.

Embrião da cidade e do grupo empresarial, a fábrica de tecidos, contudo,


apenas abriu a porta para o crescimento de ambos: em 1924, José Ermírio de Moraes,
genro de Pereira Inácio, assume a administração da empresa e inicia, a partir de
então, uma nova fase na história tanto da indústria
Substituição de
como da cidade.
Importações: política na
Aproveitando-se da crise de 1929, quando o qual os produtos
importados (comprados
sistema financeiro internacional estava fechado e o
de outros países) foram
Brasil adotava uma política de substituição de substituídos por produtos
importações, a indústria dá início a um processo de fabricados aqui no Brasil.
diversificação das atividades.

CEESVO 13
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Hipotecando a unidade têxtil, investe na implantação da fábrica de cimento,


pondo em funcionamento o primeiro forno de Santa Helena em 1936. Um ano depois o
Grupo faz investimentos fora de Votorantim, mais especificamente em São Paulo. Em
1940 entra no ramo do alumínio, na época não produzido no Brasil.

QUEM FOI ANTONIO PEREIRA INÁCIO?

O Comendador Antônio Pereira Inácio nasceu em Portugal, na aldeia de


Baltar, em 29 de março de 1874. Quando tinha dez anos, emigrou para o Brasil
junto com seu pai, fixando-se, inicialmente, em Sorocaba.
Com grande esforço e dedicação, começando por aprender o ofício de
sapateiro, usava todo o tempo de que dispunha para exercer atividades que
lhe rendessem algo para investir no futuro: alfabetizou-se e fez inúmeros
pequenos “bicos” cujos ganhos, à custa de sacrifícios e renúncias, foi
juntando para afinal obter sua almejada independência. Para isto lhe valeu o
seu hábil instinto comercial.
Teve uma modesta sapataria em São Manuel, depois um armazém de
secos e molhados em Botucatu, onde se casou com Lucinda Rodrigues
Viana. Em Itapetininga nasceram dois de seus filhos, João e Paulo.
Mudou-se para Boituva e ali, ao lado da casa comercial, instalou um
descaroçador de algodão e, mais tarde, uma serraria que forneceria madeira a
um mercado crescente. Nessa cidade nasceu sua filha Helena.
Mais alguns anos e ele voltou a Sorocaba onde se dedicou à
exploração intensiva do algodão, sendo pioneiro no refino do óleo de
algodão.
Sentindo carência de novos conhecimentos e de técnicas mais
avançadas, foi para os Estados Unidos, que identificava como fonte da
tecnologia que necessitava, financiado por seu amigo João Reynaldo de
Faria, importador de tecidos de algodão e em usinas que trabalhavam com o
caroço do algodão, em Charlote, Carolina do Norte.
O negócio do descaroçamento do algodão e o do óleo de algodão, que
montou ao voltar, usando equipamento que havia trazido dos Estados Unidos,
foi um sucesso que lhe permitiu ampliar enormemente seu patrimônio. Isso
lhe permitiu, em 1918, adquirir a Votorantim.
A diversificação da produção da S.A. Votorantim incluía tecidos,
cimento, cal, papel, siderurgia, tijolos refratários. Pereira Inácio e seu genro
José Ermírio de Moraes, que mais tarde assumiu a direção da empresa,
tornaram-se condutores do país em sua transformação em potência
industrial.
Faleceu em São Paulo, em 1951.

(Extraído do livro: Votorantim 2000 – Memórias de uma Cidade)

CEESVO 14
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Represa de Itupararanga

O potencial hidrográfico e a topografia (relevo acidentado) de


Votorantim foram de notória importância para a consolidação de seu
desenvolvimento, tendo em vista que favoreceram investimentos hidroelétricos,
como a Usina de Itupararanga, inaugurada em 1912, considerada de grande
porte para a época, cuja energia gerada seguia na totalidade para a cidade de
São Paulo.

Os empreendimentos industriais implantados pelo Banco União no final


do século XIX e pelo imigrante português Antonio Pereira Inácio, no início do
século XX, deram novos impulsos ao local.
No final da década de 50, a localidade contava, aproximadamente, com
15.000 habitantes, concentrados em bairros pioneiros como Rio Acima, Vila
Albertina, Vossoroca e Itapeva.

A população,
também se concentrava,
nas vilas industriais
(Barra Funda, Chave,
Santa Helena e Votocel),
que se formaram
acompanhando a
trajetória do
desenvolvimento
industrial
Vila Industrial

Na década de 60, Sorocaba não mais administrava a contento o Distrito


de Votorantim, agora com mais de 30 núcleos populacionais dispersos.
Surgiram, então, as primeiras aspirações a favor da separação do
Distrito de Votorantim, de Sorocaba. Aspirações essas, que se acentuaram e
eclodiram em significativo movimento de luta pela emancipação política.

CEESVO 15
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

 O HISTÓRICO PLEBISCITO

Plebiscito!!? O que é plebiscito?

É uma consulta feita a população, através de votação, sobre questões


de interesse nacional ou local, cujas alternativas são SIM ou NÃO.

No caso de Votorantim, o plebiscito era para que os moradores daqui se


manifestassem a favor ou contra a emancipação (separação de Sorocaba).

As conversas tímidas dos anos 50, acentuaram-se no início de 1960 até


eclodir em um movimento forte em favor da separação do então Distrito de
Votorantim, do município de Sorocaba.

Eram muitos os interesses em jogo. Para Sorocaba não interessava a


separação, pois isso significaria uma redução sensível em sua
arrecadação já que o Distrito de Votorantim, pelas suas indústrias, era
uma fonte importante de impostos.

A S/A Indústrias Votorantim foi a base da campanha do SIM, tendo


praticamente encampado a luta. A ela uniram-se diversos setores da
comunidade.

Um dos motivos mais fortes do início deste movimento era o fato de


Votorantim ser um distrito desprezado pela administração da prefeitura de
Sorocaba, que era contemplada com expressiva arrecadação, através da
produção industrial votorantinense, mas, não dava a devida importância ao
Distrito.

Afora, as vilas industriais, como Barra Funda e Chave, além de Votocel


e Santa Helena, então praticamente cuidadas pelo grupo Votorantim, os
demais pontos do local sempre viviam esquecidos, como ruas em péssimo
estado de conservação, sem falar de outros atendimentos mais básicos.

A luta pela emancipação foi das mais intensas e se constituiu num


período de marcantes polêmicas, criadas em torno de duas
facções: de um lado, a que defendia o desmembramento (a do SIM)
e de outro, a que lutava pela preservação de Votorantim
como Distrito (a do NÃO).

CEESVO 16
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

 GRUPO FAVORÁVEL À EMANCIPAÇÃO

“Nesta hora suprema do destino de Votorantim,


não podemos nos omitir e permitir que uma causa
justa e honesta sucumba à calúnia, falsos argumentos
e má fé dos políticos que só agora se lembram da
existência deste distrito. Os políticos avaliam mal a
consciência política do povo desse distrito,
menosprezando sua capacidade de decidir. Jamais
apoiaremos qualquer espécie de domínio que não emane
do povo.”

 GRUPO CONTRÁRIO À EMANCIPAÇÃO

“É a única maneira da indústria tirar a


responsabilidade de suas costas sobre as taxas de
aluguel de casa, de água, de luz, que você irá pagar
pelo que consome e mais o lixo e esgoto, inclusive
taxas de ligações. Não devemos esquecer que a S/A
Indústrias Votorantim é quem tem condições de
eleger o maior número de vereadores e mais o
prefeito, que terá compromisso com a indústria para
apoiar todas as pretensões da Empresa em prejuízo
dos trabalhadores e do povo em geral.”

As discussões eram muitas, às vezes era necessária a presença da


própria polícia para impedir as agressões.

No dia 1º de dezembro de 1963, aconteceu o plebiscito, com o


comparecimento de 4179 eleitores, sendo que 3099 deles optaram pelo SIM –
favoráveis ao desmembramento – e 1080 votos ficaram para o NÃO – os que
eram contrários à separação do distrito de Sorocaba.

Com esse resultado, a Assembléia Legislativa do Estado de São


Paulo aprovou, no dia 28 de fevereiro de 1964, a Lei Estadual nº 8092/64,
pelo qual Votorantim se tornava um município político e administrativamente
autônomo.

Aprovado o desmembramento pelo Tribunal Eleitora da 137ª zona, foi


marcada a data da eleição para prefeito, vice-prefeito e vereadores.

CEESVO 17
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

A primeira eleição
municipal realizada em
Votorantim ocorreu em
7 de março de 1965,
confirmando a vitória de
Pedro Augusto Rangel (foto ao
lado) como primeiro prefeito de
Votorantim, com 3297 votos
(60% do total de 5469 eleitores
que foram às urnas).

A instalação do município
ocorreu em 27 de março de 1965,
marcando a posse de sua primeira
administração autônoma.
A cidade comemora seu
aniversário em 8 de dezembro, data
consagrada à Nossa Senhora da Conceição e que encerra as atividades
alusivas à Semana da Emancipação, sempre iniciada em 1º de dezembro.

Responda em seu caderno:

07. Qual a importância da indústria na emancipação política do distrito de


Votorantim?

Você percebeu que a Lei que criou a cidade de Votorantim


é de 28 de fevereiro de 1964 e que somente 1 ano após,
em 27 de março de 1965, é que realmente foi instalado o
município de Votorantim?

Sabe o porque desse atraso?


É que 1964, foi o ano do Golpe Militar no Brasil e, devido aos
acontecimentos daquele ano, foi prorrogado para 27 de março de
1965 a instalação e a posse da primeira administração autônoma da
nossa cidade.

CEESVO 18
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Nossa cidade possui várias vilas operárias que foram edificadas no início do
século passado. O tempo e a urbanização alteraram o perfil dessas vilas, mas a
maioria das casas ainda conserva, ao menos em parte, características originais.

Essas vilas são importantes retratos vivos da história do nosso município e


também para a história da industrialização do interior de São Paulo.
Das cinco vilas operárias da cidade,
os bairros Chave e Barra Funda são os O Bairro da Chave ganhou este
mais populosos e antigos. Suas casas nome devido ao dispositivo na
foram construídas junto à fábrica de linha férrea que desviava o trem
tecidos no final do século XIX. para a fábrica de tecidos ou para
Sorocaba.
No início do século XIX, no Bairro
da Chave havia uma olaria, cujas máquinas, importadas da França, fabricavam telhas
e tijolos para a construção da fábrica e das casas.

O Bairro Barra Funda é da mesma época. Na parte mais baixa, as casas mais
modestas eram habitadas pelos operários mais simples.

Havia construções maiores e imponentes, destinadas a diretores e gerentes da


indústria. Um desses casarões foi demolido há alguns anos, outro abriga hoje uma
creche.

CRECHE DA AVAM (este prédio, havia sido residência de Antonio Pereira Inácio)

CEESVO 19
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Mais recentes, as vilas Votocel e Santa Helena foram erguidas para abrigar
trabalhadores de outras fábricas do grupo, a de papel celofane que começou a operar
em 1951, e a de cimento que começou a operar em 1936.
A Vila Votocel é a mais conservada, tendo as casas, jardins fronteiriços e as
ruas arborizadas. São quase 200 moradias, a maior parte pertencente a antigos
funcionários da fábrica.
A Vila dos Ingleses fica encravada na Serra de São Francisco e foi construída
para abrigar técnicos ingleses, contratados pela Light.
A Vila Santa Helena possuía cerca de 100 casas, que foram demolidas para a
ampliação da indústria cimenteira, salvando-se apenas a Igreja de Santa Helena, foto
abaixo.

Cabe a nós, votorantinenses,


preservar o patrimônio histórico que conta a nossa história
e que retrata como viveram os nossos antepassados.
Nossas ações determinarão se os nossos filhos e netos
conhecerão toda essa riqueza.

Responda em seu caderno:


08. Na sua opinião, atualmente Votorantim está servida de todos os recursos que
atendam às necessidades de sua população? Caso contrário, o que falta?

CEESVO 20
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

RESPEITO À NOSSA HISTÓRIA E AO NOSSO PATRIMÔNIO

A sua família guarda algum objeto muito especial que já pertenceu a seus
parentes mais antigos?
Vocês já pensou em guardar alguma coisa para mostrar aos seus filhos no
futuro?
O que você guardaria de lembrança?

Com o patrimônio histórico é a mesma coisa. O patrimônio é um bem


importante para uma pessoa ou um grupo de pessoas. É uma riqueza que nós
recebemos de herança. Ele conta a história da sociedade em que vivemos, ele
nos traz recordações do passado e nos faz sentir unidos por um sentimento
comum. Nós o recebemos e devemos tomar cuidado para protegê-lo porque,
mais tarde, vamos entregá-lo a nossos descendentes. E ninguém vai querer
receber um patrimônio destruído.
Os documentos e as lembranças da nossa História formam o patrimônio
histórico e artístico nacional. Entre eles incluem-se documentos escritos e
audiovisuais, casas, edifícios, praças, monumentos, obras de arte, espaços da
cidade e outros locais de significação histórica e social para a nação. Podem
estar protegidos nos arquivos, nas bibliotecas ou nos museus. Podem também
estar expostos ao ar livre, como uma estátua, uma placa comemorativa ou restos
de uma construção.
O patrimônio é nacional porque pertence a todos os brasileiros. Guarda a
memória e a história que nos dão identidade. Ninguém pode estragar, sujar ou
quebrar um patrimônio porque ele não é seu, ele é nosso.
(História em documento: imagem e texto – Joelza Ester Rodrigue – p.23-24)

Gostou de conhecer um pouquinho


da história do nosso município?

Não se esqueça:
só valorizamos (amamos) aquilo que conhecemos.

CEESVO 21
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Desde tempos muito antigos, o homem e a mulher se interessam em


conhecer sua origem. As explicações até então aceitas, eram as histórias da criação
do mundo, do homem e da mulher que existem em todas as religiões.
Mas, somente no século XIX, surgiram as primeiras teorias afirmando que o
homem atual descende de uma ESPÉCIE ANIMAL – é a chamada TEORIA DA
EVOLUÇÃO.

É isso mesmo!
Somos descendentes de uma espécie animal que
evoluiu, até chegarmos ao que somos hoje.

Neste módulo você aprenderá


em linhas gerais, como isso
aconteceu. Vamos lá!?

Em 1868, na França, Fósseis: restos


trabalhadores que faziam endurecidos de
escavações para construção seres vivos (animal
de uma estrada de ferro, ou vegetal), que se
descobriram, por acaso, extrai do seio da
fósseis de crânios, que se terra.
assemelhavam aos do Ancestrais:
homem atual, mas, nossos
apresentavam algumas antepassados.
diferenças.

Examinando esse
material, os cientistas
chegaram à conclusão de
que se tratava de um antigo
antepassado do homem.
Foram feitas outras
escavações na Europa, na
Ásia e na África e, então, a
história dos nossos primeiros
ancestrais começou a ser
revelada. Contudo, muitas
perguntas ainda ficam sem
respostas, mas, a cada dia
surgem novas revelações.

Arqueólogos fazendo
escavações, à procura de
fontes históricas.

CEESVO 22
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Durante o século XIX (por volta de 1859) os estudos e pesquisas apresentaram


notáveis progressos, explicando a origem e evolução da vida.
Pesquisadores como Alfred Russel Wallace e Charles Darwin, chegaram a
quase exatamente as mesmas conclusões sobre a origem das espécies: que a vida
progrediu em nosso planeta através de um processo de adaptação, luta e
sobrevivência dos mais aptos – é a chamada TEORIA DA EVOLUÇÃO.

Portanto, o aparecimento do homem na terra


foi um dos resultados finais desse
processo de adaptação e evolução.

E assim, é possível afirmar que, desde que o homem surgiu


na terra, ele foi ocupando os espaços, enfrentando desafios e
transformando a natureza.

Então, as várias formas de vida, desde o PRINCÍPIO, foram desafiadas pelo


Meio Ambiente a se ADAPTAR ou a MEIO AMBIENTE: Conjunto de condições naturais
DESAPARECER e, ao se (clima, água, solo, relevo e vegetação) e também,
adaptarem, as formas de vida o conjunto de influências que atuam sobre os
tornaram-se cada vez mais organismos vivos e os seres humanos (tradições,
costumes, leis, crenças e situação econômica).
EVOLUÍDAS.

• A evolução do reino animal chegou a um ponto culminante com o


aparecimento dos mamíferos.

• O início da evolução humana encontra-se nos PRIMATAS (grupo que inclui


homens e macacos) e foi no interior da ordem dos primatas que desenvolveu-
se uma linha evolutiva separando os homens dos macacos.
PRIMATAS

3 milhões HOMINÍDEOS
de anos 1 milhões de HOMO SAPIENS
EVOLUÇÃO 8.000 a.C.
a.C. anos a.C.

CEESVO 23
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

A partir daí, surgiram os HOMINÍDEOS, espécie intermediária dessa evolução.


Essa linhagem evoluiu e desenvolveu aspectos fundamentais para que acontecesse
essa separação entre os homens e macacos, que foi o CRESCIMENTO DO
CÉREBRO, a progressiva conquista da POSTURA ERETA e por último, a
LINGUAGEM, características distintas dos seres humanos.
Com os HOMINÍDEOS, as espécies que se tornariam humanas foram aos
poucos, assumindo características físicas e mentais mais próximas às do homem
atual. Surge então, os HOMO SAPIENS, isto é, a espécie humana tal como a
conhecemos hoje.

Bom, explicando de uma forma bem simples, o que se acredita é que em algum
momento do passado, a linhagem dos humanos e dos macacos devem ter
compartilhado um ancestral comum – os primatas, e que desses, outra linhagem se
desenvolveu e evoluiu, separando o homem do macaco.

Assim, é possível afirmar que, a espécie humana evoluiu a partir de formas inferiores
de vida, passando por uma série de mudanças decorrentes das transformações do
seu meio ambiente, até chegar à postura ereta e aos pensamentos do homem
moderno. Em várias partes do mundo têm-se encontrado fósseis e ossadas, que
permitem essa reconstrução da evolução humana.

 Muitos ANIMAIS vivem só, como por exemplo, o tigre. Outros


vivem em grupos e a sobrevivência de cada um depende
do desempenho do grupo para caçar ou se defender,
e outros ainda, seguem uma divisão de tarefas bem
definida, como por exemplo, as formigas.

 A ESPÉCIE HUMANA também vive em grupos, mas, ao contrário da maioria


dos animais, as crianças dependem muito dos pais para sobreviverem, ao passo
que a maioria dos mamíferos, com 1 ano de idade, conseguem sobreviver por si,
seguindo o curso natural da espécie, sendo diferente dos humanos.

A espécie humana em grupos, recebe o nome de sociedade. Todavia, a


sociedade não existe sem os humanos. Somos nós que criamos e recriamos a
sociedade e os valores culturais materiais como: habitações, instrumentos,
armas, vestimentas, etc., como também, os valores culturais imateriais, que não
existe como coisa e sim como idéia. Por exemplo, uma mesa é uma coisa, mas a
amizade é uma idéia, um valor.

Então, ao longo de milhares de anos, os SERES HUMANOS


foram construindo objetos, inventando instrumentos, criando regras e
estabelecendo valores morais.

Assim, é possível concluir que a CULTURA diferencia o


homem das demais espécies.

CEESVO 24
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Responda em seu caderno:

01. Explique o que você entendeu sobre a Teoria da Evolução.

02. Na sociedade humana, todos dependem uns dos outros. Cite um exemplo
dessa dependência.

Continuando...

Saiba que para facilitar o estudo da


EVOLUÇÃO
EVOLU ÇÃO DA HUMANIDADE,
os historiadores dividiram a HISTÓRIA em
dois grandes períodos:
PRÉ-
PRÉ-HISTÓRIA e HISTÓRIA...

...é o que você estudará agora, em linhas gerais...

Bem, já se passaram milhões de anos desde que o ser humano começou a sua
evolução biológica e cultural. Ele começou, então, a pensar e a usar o cérebro e as
mãos para extrair da natureza os recursos necessários à sua sobrevivência.
No processo de sua evolução biológica e cultural, o ser humano foi
passando por fases no período que chamamos de Pré-História, isto é, antes da
descoberta da escrita. Essas fases receberam os nomes de Paleolítico, Neolítico e
Idade dos Metais.

Observe com atenção, a Linha do Tempo abaixo.

Hoje...

ano 1
4.000 a.C.

Aparecimento nasce
Escrita

das primeiras
espécie Cristo
humanas na
Terra

CEESVO 25
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

A pré-história vai do aparecimento do homem até a invenção da escrita,


ocorridas por volta de 4000 anos antes do nascimento de Cristo. Saiba que as
mudanças não ocorrem da noite para o dia ou apenas em alguns anos, mas foi um
processo lento de transformação.

Como era a vida no Paleolítico?

A primeira fase, conhecida como Paleolítico, corresponde ao período mais


longo da história da humanidade.
Durante o Paleolítico, o ser humano não era produtor de alimento. Era caçador
e coletor. Vivia da caça, da pesca e da coleta de frutos, raízes e ovos. Praticava,
portanto, uma economia de
coleta.
As condições de
vida dos primeiros
homens eram bastante
rudimentares e sujeitas
às mudanças da
natureza.

A organização
social e econômica entre
os caçadores e coletores do
Paleolítico era
extremamente simples.

Inicialmente viviam
em bandos e se ajudavam
para a obtenção de
alimentos.

Com o tempo passaram a morar em cavernas e a dividir o trabalho de acordo


com a idade e o sexo. Os homens caçavam; as mulheres geralmente faziam a coleta.
Passaram a se organizar num regime de comunidade primitiva, caracterizada
pela propriedade coletiva dos meios de produção, isto é, tudo o que era coIetado,
pescado e caçado ficava para o grupo. Não havia donos, todos trabalhavam e o
produto do trabalho era dividido entre os membros do grupo de acordo com as
necessidades de cada um. Nessa fase, aprenderam a fazer e a controlar o fogo,
utilizando-o para se aquecer do frio, para cozinhar alimentos, para se defender dos
animais ferozes, para iluminar as cavernas onde habitavam.
No Paleolítico os homens praticavam uma economia nômade, isto é, eles
mudavam de uma região para outra em busca de mais peixes, frutas e caça, quando
esses alimentos escasseavam.
Nômades e caçadores, os seres humanos do Paleolítico caminharam
milhares e milhares de quilômetros ao longo dos séculos, povoando diversos
territórios, acumulando conhecimentos e com isso construindo as bases da civilização
atual.

Você acha que existem pessoas que vivem atualmente como eles viviam? Onde?

Atualmente alguns grupos indígenas no interior do Brasil e de regiões da

CEESVO 26
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

África, Austrália e Polinésia conservam características do período paleolítico.


E como era a vida no período Neolítico?

Nesse período o ser humano já possuía características físicas semelhantes às


do homem atual. Como técnica usava o polimento de pedras e ossos. Além de
machados comuns, passa a utilizar o osso para a fabricação de arcos, flechas, arpões
e lanças.
Nesse período ocorreu a Revolução Neolítica, ou seja, ocorreram
transformações na forma de vida do ser humano.
Mudanças climáticas alteraram a vida sobre a Terra tornando escassos a água
e os alimentos que se encontravam na natureza. A partir daí, homens e animais
passaram a procurar regiões próximas às margens dos rios.

Além dos problemas climáticos, o crescimento da população, tornou difícil a


obtenção de alimentos, o que levou o ser humano a se fixar e iniciar o cultivo da
terra - a praticar a agricultura. Assim, o ser humano tornou-se sedentário, isto é,
passou a ter habitação fixa. O ser humano passou de simples coletor da natureza
para produtor.
Ao lado da agricultura, o ser humano passou a domesticar alguns animais,
desenvolvendo assim o pastoreio. É dessa época também o desenvolvimento do
artesanato, das técnicas de fiação, de tecelagem e da fabricação de cerâmica.

E como era a vida no período da Idade dos Metais?

Aproximadamente no ano 5000


a.C. o ser humano começou a fundir o
cobre e, posteriormente, o estanho.
Da fusão desses dois metais
obteve o bronze, mais duro e resistente,
com o qual fabricava espada, lanças e
utensílios. Nasceu assim a metalurgia
e, com ela, o chamado Período dos
Metais.
Machados de ferro da Idade dos Metais.

CEESVO 27
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Responda em seu caderno:


“A agricultura e a domesticação de animais permitiu ao homem passar do
nomadismo para o sedentarismo”.
Sendo assim, responda:
03. Por que antes da descoberta da agricultura e da domesticação dos
animais o homem era nômade?
04. Por que essas descobertas permitiram ao homem se tornar sedentário?

Resumindo:
O tempo antes da escrita, denominado Pré-História, pode ser dividido em 3
períodos: Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais.
 Foram características do Paleolítico:
• técnica de lascar: pedras, madeiras, ossos;
• uso do fogo;
• ausência de propriedade privada;
• sociedade de caçadores e coletores.
 Foram características do Neolítico:
• desenvolvimento da agricultura e do pastoreio;
• o homem passou de nômade a sedentário, de coletor a produtor e a viver
em aldeias.
 Na Idade dos Metais:
• utilizavam-se metais como o cobre e o bronze para fabricação de
ferramentas, utensílios e armas;
• aumentou a diferenciação de atividades entre os homens e aumentou
também a distância entre os que tinham e os que não tinham bens.

A influência que o vento, a chuva, o sol, os animais e as plantas tinham na


vida dos homens e mulheres era decisiva. A luta pela sobrevivência e a necessidade
de compreender o mundo a sua volta para poder agir sobre ele, levaram
provavelmente nossos ancestrais a buscar algo dos elementos da natureza: a
espiritualidade.
Esses homens e mulheres da pré-história mostravam as primeiras
preocupações com os mortos. Muitos eram enterrados com alimentos ou coberto com
flores, indício de que acreditavam numa vida após a morte.
A manifestação do “pensamento mágico” dos nossos ancestrais, está ligado as
primeiras manifestações artísticas da humanidade.
Em algumas cavernas da área ocupada atualmente pela França e Espanha,
foram encontradas inúmeras pinturas. Elas foram feitas entre 35.000 a.C. e 8000 a.C.
e retratam, principalmente animais e cenas de caça porque acreditavam que essas
pinturas garantiam melhores caçadas.
Dessa forma é possível afirmar que a arte e a religião tiveram uma origem
comum.

CEESVO 28
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

A ORIGEM DO HOMEM AMERICANO

Existem várias hipóteses sobre a origem dos antigos seres humanos que
habitavam o continente americano, inclusive o Brasil.

Entre as hipóteses existentes, a mais aceita sustenta que os antigos seres


humanos americanos são originários da Ásia e chegaram ao continente americano
passando pelo Estreito de Bering, que liga a Ásia à América do Norte.

Observe no mapa abaixo, os possíveis caminhos percorridos pelos primeiros


habitantes da América.

Portanto, a América do Norte, América Central e América do Sul, já eram


habitadas muitos anos antes de Cristovão Colombo tomar posse dessas terras em
1492, em nome da Espanha.

Dessa forma, o Brasil também foi sendo povoado, junto com os outros países
das Américas. Quando os portugueses chegaram ao Brasil, há cerca de 500 anos,
essa terra era povoada por aproximadamente 5 milhões de pessoas, os indígenas.
Esses povos não deixaram documentos escritos.

Portanto, para sabermos da sua História,


devemos usar dos vestígios deixados por eles. Os Vestígios arqueológicos: restos
primeiros habitantes do Brasil deixaram vestígios de objetos e de casas, pinturas,
arqueológicos que nos dão algumas idéias a esqueletos, fogueiras, etc.
respeito de como eles viviam.

Onde são encontrados esses vestígios?

CEESVO 29
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Às vezes, ao trabalhar em sua terra, muitos lavradores já encontraram pedaços


de tigelas de barro ou
mesmo grandes potes,
também de barro, com
esqueletos em seu
interior.
Outras vezes
acharam objetos de PALEOLÍTICO: alguns artefatos
pedra usados para dos coletores/caçadores:
cortar, raspar e quebrar ponta de lança feita de osso,
sementes ou outras ponta feita de chifre, furador...
utilidades.

Também em muitas cavernas do interior do Brasil e mesmo em lajes de pedras


ao ar livre, encontram-se pinturas ou outros sinais gravados na pedra.

Escavações iniciadas em 1978 em São Raimundo Sítios arqueológicos:


Nonato, no Piauí, encontraram vestígios arqueológicos são os lugares onde
que possibilitaram aos estudiosos do assunto concluir que são encontrados
seres humanos viveram na região há 45 mil anos. As restos humanos.
descobertas recentes fazem do Piauí o mais importante
sítio arqueológico do Brasil.

Pintura rupestre Pintura rupestre da Gruta do Boqueirão


da Serra da Capivara – Piauí. da Pedra Furada – Piauí.

Visite o Museu de Sorocaba, no Zoológico Quinzinho de Barros


e você poderá observar alguns desses objetos (de barro e pedra)
encontrados na nossa região e que testemunham a vida desses
humanos aqui, num período tão distante de nós.

Como você deve ter observado,


tudo o que o homem fez desde antes da escrita até hoje,
hoje implicou em trabalho,
transformá--la em seu benefício,
ou seja, o homem agindo na natureza para transformá
construindo dessa forma a sua própria história.
E como era a vida dos homens que usavam esses objetos?

CEESVO 30
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

“Os tempos mais remotos foram chamados de Idade da pedra lascada (ou
Paleolítico), quando armas e utensílios eram feitos com lascas de pedras trabalhadas
rusticamente. Na fase seguinte, Idade da pedra polida (ou Neolítico), os objetos são
mais elaborados. O polimento da pedra indica um progresso técnico(...). Depois o
homem apropriou-se dos metais.”
(Marques, Adhemar e outros. História - Os caminhos do Homem. Belo Horizonte, Ed. Lê, 1991).

Responda em seu caderno:


05. Segundo a técnica de fabricação de instrumentos, qual é a diferença
entre os períodos Paleolítico e Neolítico?

“Os Bororós, embora conhecessem a agricultura, não a praticavam; viviam da


caça. Outros, os Trumai, eram principalmente agricultores; os demais praticavam a
agricultura, a caça e a pesca. (...) não domesticavam animais. Não conheciam os
metais - viviam ainda na Idade da Pedra.”
(Marques, Adhemar. Os caminhos do homem. Belo Horizonte, Ed. Lê, 1991.)

O texto 2, nos mostra um pouco da organização das tribos brasileiras


Comentário

da nascente do Rio Xingu, na Amazônia, em fins do século retrasado, por volta


de 1884 – século XIX. Apesar do longo espaço de tempo que separou estes
indígenas dos homens do Paleolítico (texto 1), existem semelhanças na
maneira de viver dos dois.”

No Brasil, as comunidades primitivas permaneciam no estágio do Paleolítico


(nômades) e Neolítico (cultivando a terra).

CEESVO 31
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Quando os portugueses chegaram ao Brasil, encontraram povos que viviam


de maneira completamente diferente da sua,
e em estreito contato e integração com a natureza.

Algumas comunidades indígenas brasileiras ainda possuem características das


maneiras de viver dos homens do Paleolítico e do Neolítico.
A produção coletiva do trabalho, a pequena divisão de tarefas e a
inexistência de classes sociais são algumas dessas características.
Vivendo da caça e da coleta, algumas tribos adquiriram práticas agrícolas,
enquanto outras permaneceram nômades.
Atualmente, existem no Brasil uns 210 mil índios; eles representam 0,11% da
população brasileira total. Quando os portugueses chegaram, a situação era outra;
calcula-se que havia 5 milhões de índios em nossa terra.

O que teria provocado a violenta redução da população indígena?

Foi a ação do conquistador europeu, no processo de colonização do Brasil.

O conquistador europeu utilizou três tipos de violência contra o índio:


militar (guerra), econômica (a escravidão) e
cultural (destruição de seu modo de vida).

CEESVO 32
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Apesar do processo de colonização que escravizou e expulsou o índio de suas


terras, ainda existem populações indígenas no Estado de São Paulo.
Atualmente há em nosso Estado três grandes grupos étnicos: Kaingang e
Terena no interior, e Guarani no interior e litoral.

Esses três grupos


indígenas são semelhantes
no que se refere aos efeitos
desagregadores pelo
contato com os brancos,
mas são distintos entre si,
pois cada um possui uma
história, uma cultura e
formas de resistências
próprias.

Segundo o
antropólogo Roberto
Cardoso de Oliveira, os
Terena, apesar do impacto
da cultura do branco,
conseguiram sobreviver
culturalmente, tendo havido
um aumento populacional
em suas aldeias.

Mas em geral os
povos indígenas, nos dias
atuais, têm encontrado
grandes dificuldades para sobreviver na sociedade brasileira contemporânea.
Alguns índios já abandonaram totalmente a sua maneira de viver, em razão da
perda de suas terras e da destruição da natureza.
Eles são obrigados a trabalhar nas cidades próximas, ou então nas grandes
fazendas, em troca de pequeno salário.

Aqueles que ainda vivem em suas terras sofrem com as doenças trazidas por
garimpeiros, com a poluição dos rios em função do garimpo, com a prostituição e o
alcoolismo, que chegam junto com as invasões dos brancos que buscam madeira e
territórios para criação de animais.

Assim...
• Forçar o índio que ainda vive em regime de comunidade primitiva a adotar o
padrão de vida do homem urbano é o mesmo que condená-lo à morte.
• O extermínio sistemático dos índios está ligado a várias situações: doença,
escravidão, perda da terra e dos costumes.

CEESVO 33
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

O direito à sobrevivência do índio brasileiro é uma das grandes questões


colocadas para a sociedade brasileira.
Desde a chegada dos primeiros portugueses ao Brasil, os indígenas vêm
sofrendo com a perda de suas terras, com doenças transmitidas pelo homem branco,
com o desmatamento, que destrói a flora e a fauna e com a perda de sua cultura.
Apesar de terem sido criadas reservas indígenas, estas têm sido freqüentemente
invadidas por garimpeiros e fazendeiros à procura de ouro e de terras.

Os textos que você lerá a seguir tratam


de aspectos da vida do índio brasileiro.

“A terra não era toda de um dono só.


A terra era de toda a comunidade.
É na terra que a gente planta a nossa roça. (...)
A terra dá toda fruta do campo, dá toda fruta do mato. (...)
O mato não pode acabar.
Por isso, nós não cortamos pau à toa. (...)
Nós também não matamos bicho à toa.
Só matamos a caça para comer.
A roça também não é de um dono só.
Ninguém faz uma roça sozinho.
Ninguém come as coisas da roça sozinho (...)
A caça também não é de um dono só.
Quando alguém mata um bicho para comer,
ele não come sozinho. Ele sempre divide”.

(CIMI - História dos povos indígenas. 500 anos de luta no Brasil. Vozes, Petrópolis, 1986).

CEESVO 34
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

IANOMAMIS - O povo mais primitivo do planeta

“Os índios ianomamis são pouco mais de 10.000 homens, mulheres e crianças,
perdidos em dezenas de aldeias ao norte do Brasil, em Roraima.
Depois de séculos de isolamento num canto do Brasil, que conheceu primeiro o
avião e só depois o caminhão, nos últimos três anos os ianomamis viram-se pela
primeira vez superados numericamente em seu próprio território. Atraída pelo ouro,
toda sorte de aventureiros invadiu Roraima e interferiu na maneira de viver dos índios.
No auge da febre garimpeira, chegaram a ser produzidas em terras ianomamis duas
toneladas de ouro por mês (...). De uma população estável há centenas de anos, os
ianomamis começaram a minguar, abatidos por epidemias e pela fome. Em três anos
morreram cerca de 1.500 índios, quase 15% da população (...)“.
(A. Eurpedøs. A morte ronda os índios da floresta. ln: Revista VEJA SP, .abril, ano 23, nº 37 - 1990).

Responda em seu caderno


06. Quais as principais conseqüências do garimpo nas terras dos ianomamis?

Continuando...

O artigo 231 da atual Constituição Federal Brasileira de 1988, se refere aos


índios e estabelece:
“São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas,
crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicio-
nalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar
todos os seus bens”.
Existem ainda órgãos protetores dos índios como a FUNAI (Fundação Nacional
do Índio), fundada em 1967 com a finalidade de integrar os índios, de eliminar a
diferença entre eles e a grande massa de trabalhadores brasileiros. Entretanto, na
prática, a FUNAI não tem conseguido o que pretendia.

Então como os indígenas estão procurando resolver suas questões?

Eles estão se organizando politicamente, com o objetivo de se impor como


cidadãos brasileiros. Assim, em 1980 foi
fundada a UNI (União das Nações
Indígenas), com o objetivo de articular todas
as nações indígenas brasileiras e o CIMI
(Conselho Indigenista Missionário).
Após a leitura dos textos 3 e 4, você
deve ter percebido que a questão indígena é
muito mais séria do que se imagina. Nossos
índios estão sendo mortos, e a sociedade
brasileira parece não estar muito preocupada
com isso.

CEESVO 35
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Muitas pessoas continuam afirmando que o índio é preguiçoso e que


prefere ficar na mata ou deitado na rede a trabalhar em uma fábrica ou nas
fazendas dos homens brancos. Ao afirmarem isto, estas pessoas apenas
confirmam que desconhecem totalmente a maneira de viver e pensar dos índios.
Será que nós, homens brancos, que vivemos nas grandes cidades e corremos
atrás do dinheiro todos os dias, temos o direito de condenar os índios à morte através
da invasão de suas terras e da destruição de suas florestas?
Acreditamos que não.
Existem pesquisadores na Universidade de São Paulo fazendo um trabalho
para recuperar a língua e os costumes dos pankararus, o que mostra que no meio
branco existem pessoas empenhadas em ajudar o índio a se preservar e não perder
sua identidade cultural.

Houve um tempo em que a região de Sorocaba era coberta


por matas com rios de águas límpidas e cristalinas.
No meio das matas algumas choupanas, feitas de
troncos e folhas de árvores, algumas roças com pequenas
plantações e seres humanos que se dedicavam às atividades de caça, pesca e coleta
– eram os índios do grupo Tupi, que viviam livremente pelo local.
Em meados do Século XVII, o bandeirante Baltazar Fernandes fundou nesse
local um núcleo de povoamento que se desenvolveu e se transformou na cidade de
Sorocaba. A data oficial desse acontecimento é 15 de agosto de 1654.
Muitos índios foram usados como escravos, trabalhando na construção das
casas dos brancos e da primeira igreja de Sorocaba, a Igreja de Sant’Anna que existe
até hoje e fica no largo de São Bento.
Entretanto, o que ocorreu com os índios em todo o Brasil, aconteceu também
com os índios da região de Sorocaba. Os grupos foram sendo exterminados pela
escravidão e pela perda de costumes ou as fugas para o interior (sertão) do país, na
tentativa de sobreviver.
Embora hoje não existam mais comunidades indígenas em Sorocaba, elas
estiveram presentes nesta região.

Você poderá encontrar vestígios e documentação escrita dessas


comunidades no Museu Histórico Sorocabano
do Parque Quinzinho de Barros.

CEESVO 36
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Você já aprendeu que a PRÉ-HISTÓRIA


(período antes da escrita) é dividida em três grandes
períodos: Paleolítico, Neolítico e Idade dos Metais.
Aprendeu também, que no Paleolítico, os homens
eram nômades – caçavam, pescavam e as mulheres colhiam raízes e frutos com os
mais jovens – nessa fase, descobriram o fogo. Já no Neolítico, pela descoberta da
agricultura e criação de animais, homens e mulheres deixaram o nomadismo e se
tornaram sedentários, isto é, se fixaram em determinado lugar, vivendo em grupos. E,
a partir da Idade dos Metais, o homem viveu uma fase em que algumas pequenas
aldeias de agricultores, auto-suficientes, se
Civilização é uma denominação
transformaram em cidades - com comércio,
dada pelos europeus e foi usada
atividades artesanais e governos próprios; o para afirmar a sua suposta
homem aprendeu a usar a força dos ventos, a superioridade em relação aos povos
força dos animais, inventou o arado, carro de por eles conquistados.
rodas, barco à vela, descobriu o processo de Atualmente, o termo civilização
fundição de metais e aprendeu a ESCREVER. é usado para indicar diferenças no
Assim, a ESCRITA, marca o início de um novo modo de ser, de agir e de pensar de
estágio da evolução humana - a Civilização. um povo, e não mais a superioridade
de um sobre outro.

Observe na LINHA DO TEMPO abaixo,


que esse novo estágio da evolução humana – a Civilização,
dá início ao período História (período
período após a escrita).
escrita

Hoje...

ano 1
4.000 a.C.

Aparecimento nasce
Escrita

das primeiras
espécie Cristo
humanas na
Terra

Então, daqui em diante, você estudará o período


HISTÓRIA, que se inicia com a descoberta da
escrita e chega até os nossos dias.
Vamos lá?

CEESVO 37
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Saiba que houve muitas mudanças no modo de vida de certos povos desde a
invenção da escrita até o final da idade antiga, que é a primeira fase do período
História – veja na linha do tempo, na página anterior.
Os grupos humanos estavam aprimorando a vida em grupo e passou a existir
organização política, baseada na relação entre governantes e pessoas governadas e
leis jurídicas, regras sociais de conduta que passaram a regular a vida em sociedade,
segundo os interesses dominantes.
À medida que tinha novas necessidades, foi criando soluções, criando
projetos como:
• Construção de estradas, templos, portos e canais de irrigação.
• Exército para manter a ordem imposta pelos grupos dominantes, para defesa
interna e externa do país.
• Formas de artes variadas, um sistema de escrita e numeração.

Essas mudanças não ocorreram ao mesmo tempo e nem da mesma forma nas
diversas civilizações que se desenvolveram. Aproveitando as descobertas de povos
anteriores, cada uma delas apresentou soluções próprias para os problemas que
enfrentava.

O MUNDO encontra-se interligado pela


internet, televisão, telefone e etc. Ao ligar a TV, os
noticiários te oferecem informações locais, do nosso país
e de todos os cantos do planeta. Pela internet você pode ter
informações de qualquer parte do mundo, instantaneamente.
Saiba que isso só é possível porque a CIÊNCIA e a
TECNOLOGIA foram se DESENVOLVENDO durante séculos,
até chegar aos dias de hoje.

Mas, como e quando começou esse desenvolvimento?

COMEÇOU com o homem, quando este passou a viver


em pequenos grupos. Com o tempo, esses grupos foram
crescendo, se desenvolvendo – era a vida em sociedade.
Surge, então as
PRIMEIRAS CIVILIZAÇÕES DA ANTIGÜIDADE, como:
1. Egito, Mesopotâmia, Hebreus, Fenícia e
Pérsia – no ORIENTE MÉDIO.
2. Grécia lá!
Vamos e Roma – na EUROPA.
3. Maias, Incas e Astecas – na AMÉRICA.

CEESVO 38
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

1. EGITO, MESOPOTÂMIA, HEBREUS, FENÍCIA e PÉRSIA


No Oriente Médio

Observe os mapas a seguir e localize a área ORIENTE: costuma-se


quadriculada no mapa mundi - essa região é o denominar Oriente à todas as
Oriente Médio e parte dela está ampliada – mapa terras que ficam à leste
(direita) da Europa.
maior.

Agora, veja a localização dos grandes rios em cujas margens se


desenvolveram essas civilizações da Idade Antiga.
⇒ O Egito está junto ao Rio Nilo.
⇒ A Mesopotâmia (atual Iraque), entre os Rios Tigre e Eufrates.
⇒ Os Hebreus (atual Israel) junto ao Rio Jordão.
⇒ A Fenícia junto ao Mar Mediterrâneo.
⇒ A Pérsia (atual Irã) junto ao Golfo Pérsico.

Então, o fator fundamental que permitiu a sobrevivência e


desenvolvimento dessas antigas civilizações do Oriente, foi a proximidade aos
grandes rios.

Bem, continuando nossa viagem...


Ouvimos falar com muita freqüência sobre o
Oriente Médio em razão dos conflitos entre o
país de Israel e os países árabes.

CEESVO 39
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

DICA - você poderá acompanhar e atualizar suas informações sobre o


Oriente Médio através dos noticiários em TV, rádio, jornais e revistas.

Mas, outro fator de conflito no Oriente Médio se deve ao fato das maiores
reservas de petróleo do mundo estarem nessa região. O petróleo é considerado
uma grande fonte de riqueza, pois de seus derivados são feitos muitos produtos
consumidos diariamente em quase todo o planeta.

Você sabe que a gasolina, o querosene e o óleo diesel são produtos


derivados do petróleo?

Além desses existem pneus, fertilizantes, inseticidas, remédios, plásticos,


cosméticos, tintas, detergentes, etc. Isto faz com que os países ricos queiram explorar
as áreas petrolíferas para poderem gerar riquezas com a produção e venda desses
produtos. Por isso os conflitos são comuns pelo controle dessas jazidas, que são
exploradas pelos países ricos.

Porém, no Oriente Médio a grande riqueza gerada com a venda do petróleo se


concentra nas mãos de um pequeno grupo que a utiliza para atender seus interesses
pessoais, enquanto que a grande maioria da população não desfruta de nada ou
quase nada, permanecendo na pobreza.

Será que o petróleo sempre teve


a mesma importância de hoje?

Na Antigüidade, a importância do petróleo não era conhecida; a maior riqueza


estava em saber aproveitar ao máximo as águas dos rios. Um exemplo disso, é o
Egito e as inundações periódicas do rio NiIo - as terras inundadas ficavam ricas em
húmus, elemento fertilizante natural que propiciava a agricultura para o povo.

Assim, com esforço e criatividade, os homens dessas civilizações tiveram que


aprender a controlar o excesso e a falta de água, a drenar os pântanos e a
construir sistemas de irrigação - o rio precisava do trabalho humano para o seu
melhor aproveitamento.

Agora, você vai aprender alguns TRAÇOS COMUNS entre os


egípcios, mesopotâmicos, hebreus, fenícios e persas, tá!

Combinado! Vamos nessa!

CEESVO 40
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

...NA ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA

• Dependeram das condições Rio Nilo no Egito


geográficas favoráveis – todos os
povos antigos se fixaram em regiões
onde havia ÁGUA.
Os povos que se fixaram
junto a grandes rios, a atividade
econômica principal foi a
agricultura.

Cereais, trigo
(foto) legumes, frutas e
algodão eram os produtos
mais cultivados. Junto
com a agricultura
desenvolveu-se a
pecuária e a produção
visava, inicialmente,
abastecer a população.
Mas produziam
também para uma economia de trocas. Os que habitaram regiões próximas ao mar,
tiveram como atividade econômica principal, o comércio marítmo (por exemplo, o
povo fenício).

• Desenvolveram uma economia de mercado – os povos antigos começaram a


produzir mais do que consumiam. O excedente da produção passou a ser trocado por
outro produto necessário. Perceberam que poderiam ter lucros nas trocas de um grupo
para outro.
Desse modo,
Artesãos egípcios
desenvolveram uma economia
de mercado, baseada nas
trocas naturais (produtos por
produtos).

A atividade artesanal
era controlada pelo Estado.
Este controlava tanto a
produção de tecidos, azeite,
vinho, e jóias quanto a
construção naval, a extração
de minérios e de madeira que
eram, também, de
propriedade estatal.

CEESVO 41
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

• Interferência do Estado
Falando ainda da ECONOMIA DOS
(rei/governo) na produção econômica – os
POVOS ANTIGOS, a guerra tornou-se uma
meio de produção (exemplo: as terras, atividade econômica importante para alguns
as ferramentas) pertencia ao rei e ele desses povos, pois, através delas, obtinham
controlava toda a produção econômica, os produtos das conquistas realizadas,
principalmente a artesanal e agrícola, como: escravos (prisioneiros de guerra),
com o objetivo de garantir o produtos agrícolas e artesanais, riquezas em
armazenamento de alimentos para os metais preciosos e impostos, que os
tempos de crise. Os trabalhadores eram vencidos pagavam aos vencedores.
servos ou escravos.
Essa forma de organização - produzir os bens que necessitavam para viver,
é chamada de MODO DE PRODUÇÃO (primitivo), onde o Estado (rei/governo)
tornava-se o dono de todas as terras e controlava e organizava o trabalho na
agricultura, nas pedreiras, nas minas, na construção de canais, diques, estradas,
templos e pirâmides.

Hoje, no Brasil e na maioria dos países, o modo de produção é


CAPITALISTA, que é caracterizado pela propriedade particular dos
meios de produção, ou seja, o patrão, que é o
dono dos meios de produção,
compra a força de trabalho (empregados), em troca de um salário.

Responda em seu caderno:

07. Você leu no texto que a riqueza dos povos antigos estava em
aproveitar bem a água dos rios para desenvolver a agricultura que era a base
da economia dessa época. Explique como isso era feito?
08. Agora que você já sabe qual é o modo de produção atual, compare o
modo de produção dos povos antigos com o modo de produção brasileiro,
respondendo:
Hoje, quem controla o que é produzido no Brasil?

...NA ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE

Nas sociedades antigas, a condição social do indivíduo era determinada


pelo seu nascimento e passava de pai para filho. Exemplo: se os pais fossem
escravos, os filhos também seriam.
Caracterizavam-se por serem estáticas e fechadas, isto é, não havia
condição do indivíduo de uma camada inferior passar para a camada superior,
ou vice-versa. Assim, podemos identificar nas sociedades antigas duas camadas
sociais:
 Camada dominante: constituída por aqueles que gozavam dos seus privilégios de
nascimento.
 Camada dos trabalhadores: constituída por aqueles que, pela condição de
nascimento, eram os encarregados da produção e dos serviços mais pesados da
sociedade.

CEESVO 42
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

...NA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA e RELIGIOSA

Sim..., mas...,
Nós aprendemos que entre ...o que será que
esses povos, o o Estado (rei) fazia para
Estado (rei) controlava a conseguir exercer
economia e a sociedade, tamanho domínio sobre
não é mesmo? essas populações?

Podemos afirmar que a religião exerceu papel fundamental na vida desses


povos, pois, através dela, o Estado (rei) exercia rígido controle sobre a
população.
Esses povos praticavam religiões do tipo politeísta, isto é, acreditavam em
vários deuses, com exceção dos hebreus, que praticavam o monoteísmo, isto é,
acreditavam em um só Deus.
Essas religiões, politeístas ou monoteístas, apresentavam um caráter
nacional, isto é, os deuses eram próprios daquela nação, unindo todo o povo em torno
das suas crenças.
Assim, as instituições políticas apresentavam-se profundamente influenciadas
pela religião, chegando mesmo a constituir uma teocracia, isto é, o governante (rei)
era considerado uma divindade ou o filho de um deus.
A forma de governo da maioria Atualmente, a maioria dos paises
desses povos foi a monarquia absoluta – adotam a República Presidencialista,
significa dizer que, o rei tinha poderes como forma de governo, onde o
ilimitados, pois o seu poder baseava-se na presidente da República é eleito pelo
religião – governo teocrático. povo e está submetido a Constituição.

Responda em seu caderno:


09. O governo do Brasil é uma teocracia? Justifique.

...NA REALIZAÇÃO CULTURAL

As atividades culturais dos povos antigos


sempre estiveram subordinadas aos interesses da
camada sacerdotal e do Estado (governo).
Pergaminhos dos hebreus

Na literatura, encontramos, por exemplo, a


Bíblia dos hebreus, o Livro dos Mortos dos
egípcios e as leis jurídicas dos mesopotâmicos - o
famoso Código de Hamurábi, que aplicava a
justiça: “Olho por olho, dente por dente”.
Na astronomia, o povo que mais se
especializou foi o mesopotâmico – desenvolveram

CEESVO 43
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

cálculos de eclipses, calendários, relógios de sol, etc.


Na matemática, podemos destacar os egípcios e os mesopotâmicos, com o
desenvolvimento da geometria e o sistema decimal.
É importante lembrar que profundos estudos de matemática foram
desenvolvidos por esses povos, principalmente por três motivos: necessidade da
construção de canais de irrigação e açudes, necessidade da construção das pirâmides
e Templos e a necessidade para o desenvolvimento das trocas comerciais.

Qual era o significado das


pirâmides no Egito?

Estas são as famosas


pirâmides de Gizé, no Egito,
que foram construídas entre
3200 a.C. – 2300 a.C.
Da esquerda para a
direita (as três mais altas), são,
respectivamente as pirâmides
de Quéfrem, Queóps, e
Miquerinos, construídas pelos
faraós do mesmo nome. A
maior delas é a de Quéops,
com cerca de 150m de altura e
230m em cada lado da base.
Na sua construção foram
empregados mais de 2 milhões
de blocos de pedra, com mais
de 2 mil quilos.
As pirâmides tinham dois significados:
a) Religioso: para guardar o corpo do faraó com o seu tesouro, após a sua
morte.
b) Político: para representar a grandeza do poder do faraó. Quanto mais alta
a pirâmide, maior seria a estabilidade e a tranqüilidade do governo do faraó.

Na medicina, podemos destacar os egípcios com a técnica da mumificação,


uso de plantas medicinais, cirurgia e acupuntura. Portanto, muitos conhecimentos
utilizados hoje foram deixados para nós pelos povos que viveram há cerca de cinco
milênios, nessa região.
Na arquitetura, destacaram-se com
a construção de obras monumentais
(pirâmides, templos...), cuja grandeza pode
ser atestada até hoje, através das suas
ruínas. Nessas construções, os materiais
usados foram pedras, tijolos e madeiras.

Templo egípcio

CEESVO 44
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Todas as grandes construções representaram a influência política e


religiosa sobre a arte.
Na escrita, podemos destacar os
mesopotâmicos que baseavam-se em
caracteres cuneiformes, que eram gravados
em placas de barro com um estilete, formando
pequeninas cuias.

A escrita dos egípcios, é denominada de


hieróglifos - que eram baseadas em desenhos
e sinais.
Os estudiosos afirmam que a escrita
egípcia é o antepassado de todos os demais
alfabetos que vieram a ser usados no mundo
ocidental. Com a tradução dessa escrita feita em
papiros, pedras e madeiras, muito pôde ser
conhecido da história da civilização egípcia.

As atividades econômicas principais dos Fenício Grego Latino


fenícios foram o comércio marítimo e o
artesanato. Para registrar, com uma escrita
prática e simples, o movimento de mercadorias
comercializadas (o que era difícil com a escrita
egípcia), inventaram o alfabeto, de 22
consoantes - que é a principal herança deixada
por eles. Mais tarde foi aperfeiçoado pelos
gregos que acrescentaram as vogais.

INVENÇÕES EGÍPCIAS USADAS ATÉ HOJE


Cerveja: junto com os mesopotâmicos, os egípcios foram os pioneiros na fabricação da
bebida. Em escavações próximas ao palácio da rainha Nefertiti, foram encontrados
grandes vasos com resíduos de cerveja. Leve, a cerveja egípcia da época faraônica era
parecida com a brasileira atual, na cor e no sabor, com uma diferença: não era
consumida gelada, por motivos óbvios, mas com pequenas frutas e temperos.

Camisinha: usavam a tripa de carneiro, que não era 100% eficaz; além disso, poções
contraceptivas foram encontradas em papiros.

Papel: a própria palavra em português deriva do egípcio antigo: “pa-per”, ou pertencente


ao palácio”. Os egípcios escreviam em papiros (que fabricavam por meio da prensagem
de fibra vegetal) com o cálamos, pequenos pincéis de madeira.

Cadeira de quatro pés: Napoleão levou a invenção à Europa, que até então usava
basicamente cadeiras com arcos, de origem romana.

Aliança: grandes conhecedores da medicina, devido às mumificações, os egípcios


sabiam da veia que sai do dedo anular e corre direto ao coração. Por isso, em funções
mágicas amarravam nesse dedo fitas, que evoluíram até as alianças atuais.

Responda em seu caderno:


10. Cite algumas invenções e conhecimentos dos povos antigos, que são
utilizados atualmente.

CEESVO 45
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Bem, você aprendeu um pouco sobre nós, os egípcios.


Agora, volte na página 3 e veja que meu país fica no
Continente Africano, e...
e como será que viviam os povos que habitavam
o restante do Continente Africano?

Grande parte dos povos africanos tendeu a se concentrar às margens dos rios,
onde a terra era mais fértil, facilitando a agricultura, a prática do pastoreio e a vida em
aldeias.
No passado, em muitas regiões da África, as tribos formadas pelos
habitantes de várias aldeias, se uniram dando origem a grandes reinos e
impérios, até o século XVI, quando foram dominados por colonizadores
europeus, mudando toda a história da África.

Bem, você estudou na página 6 que nessas primeiras civilizações, a maior


parte do povo vivia em regime de servidão ou na condição de escravo.

Saiba também, que esses escravos eram brancos - eram produtos das
guerras, nas quais os povos vencidos, geralmente, eram escravizados pelos
vencedores.

E entre os povos africanos existia a escravidão?


Leia o texto a seguir e observe as condições de escravidão na África.

“Primitivamente existia escravidão em algumas regiões africanas. O


escravo era o cativo de guerra, mas, servia apenas como mão-de-obra auxiliar das
comunidades e depois de algum tempo, passava a fazer parte delas, como se
fosse um de seus membros. Os escravos não podiam ser vendidos, e em alguns
reinos seus filhos já nasciam livres, passando a fazer parte da família dos antigos
senhores.
Com o desenvolvimento dos grandes reinos, os escravos tornaram-se uma
das mercadorias trocadas entre as diferentes regiões da África. Mas, mesmo
assim, continuava em muitas comunidades, com grande possibilidade de se tornar
livre.
Conforme foi se dando o desenvolvimento do comércio, os escravos
tornaram-se mercadorias ainda mais valiosas, destinadas à venda para lugares
distantes. Porém, o número de escravos vendidos não era muito grande, e seu
comércio não chegou a modificar o modo de vida dos reinos africanos.
Isso só veio acontecer muito mais tarde, quando milhões de escravos
africanos foram violentamente arrancados de sua terra e levados pelos europeus
para trabalhar na América.”
(Irene S. do Carmo - História do Brasil, v.1, Atual, SP).

CEESVO 46
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

No Brasil, a escravidão foi abolida em 1888. Porém os ex-escravos foram


marginalizados na sociedade, ficando sem meios de se integrarem no mercado de
trabalho.
Hoje, no Brasil, o salário mínimo não é suficiente para sanar as necessidades
de um indivíduo, pois o ser humano precisa de alimentação, vestimentas, moradia e
outros aspectos.
Isso leva crianças a deixarem a escola e trabalharem para ajudar no sustento
da família, porém esse sustento nunca é suficiente.
Existem até casos de trabalhadores que são mantidos em regime fechado, nas
fazendas, recebendo comida e alguma roupa em troca do trabalho.

Agora você estudará


as primeiras civilizações que surgiram na Europa.
Europa

2. GRÉCIA e ROMA

Essas duas grandes civilizações se desenvolveram no sul da Europa,


banhadas pelo mar Mediterrâneo.

No mapa mundo abaixo, localize o Brasil. Pronto? Agora localize a Grécia e


Roma, na Europa.

CEESVO 47
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

 GRÉCIA

Os gregos não chegaram a formar um Estado (país) unificado, isto é, não


chegaram a ter um governo centralizado, como por exemplo, os egípcios, pois a
Grécia é constituída de várias regiões montanhosas e isso influenciou a
organização da vida política e econômica, pois, a dificuldade de comunicação
entre eles, devido o relevo montanhoso, favoreceu o surgimento das pólis, termo
grego que significa cidades-estados.

O que eram as
cidades-estados?

Eram cidades com governos e costumes próprios.


As olimpíadas,
Somente a cultura grega era baseada em alguns costumes uma herança
comuns como a mesma língua, a mesma religião e as mesmas dos gregos.
festas esportivas - a mais famosa foi as OLIMPÍADAS, que eram
realizadas de quatro em quatro anos.

Observe abaixo a cidade de Atenas. No ponto mais alto encontra-se a Acrópole


de Atenas. Ela representa a fortaleza da pólis.

A ACRÓPOLE de ATENAS dominava toda a cidade do alto. Foi construída no séc. V a.C., pelo
governante grego Péricles. Tinha função militar e religiosa. Erguida sobre um monte de
150 metros de altura, era utilizada como fortaleza, residência de governantes e templo.

O governante Clístenes, implantou em Atenas a democracia, mas, somente


os homens, proprietários de terra, eram considerados cidadãos – participavam das
decisões políticas. Mulheres, crianças, estrangeiros e escravos não eram
considerados cidadãos - eram excluídos do exercício da cidadania.

CEESVO 48
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

♦ A cultura e a influência do pensamento grego


Enquanto a cultura dos antigos povos do Oriente (Egito, Mesopotâmia,
Hebreus, Fenícia e Pérsia), era influenciada pela religião, a cultura grega era
racionalista, ou seja, as explicações da razão humana estavam acima das
explicações religiosas.

A religião era politeísta - acreditavam em vários deuses que possuíam


formas humanas, fraquezas e desejos como todos os mortais.

Entre os filósofos podemos citar: Sócrates, Platão, Aristóteles.

Na medicina descobriram coisas interessantes, como por exemplo:


os princípios da circulação do sangue.

Na literatura é possível estacar os escritos fantásticos dos gregos,


conhecidos como “Mitos” e os dois poemas: Ilíada e Odisséia.

 ROMA

A sociedade estava organizada segundo os privilégios de nascimento e


dividia-se em: patrícios (cidadãos romanos), plebeus e escravos.
São herança dos romanos, a língua de origem latina, o direito romano, que é
a base da nossa ciência jurídica e a criação da forma de governo, República.

Ruínas do Coliseu em Roma. Uma espécie de teatro.

CEESVO 49
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

O texto abaixo foi escrito por São Cipriano,


por volta do ano de 250, século III,
que correspondeu ao período da grande crise que afetava o Império Romano,
e que terminou por provocar sua decadência.
(...) “O inverno não tem as mesmas chuvas para nutrir as sementes; o verão, o
mesmo fogo para alourar as searas, o outono, menos fecundo em frutos (...), as
montanhas desventradas oferecem menos mármore, as minas estão esgotadas, há
menos prata e ouro.
Os campos carecem de agricultores; o mar de marinheiros; os acampamentos
de soldados (...), já não há justiça nos julgamentos, competência nos ofícios, disciplina
nos costumes (...), vós vos queixais, mas, se o exército de bárbaros (estrangeiros)
deixasse de nos ameaçar, terminariam as lutas domésticas? E os grandes, com suas
calúnias e suas violências, não seriam eles então inimigos mais terríveis? Vós vos
queixais da esterilidade e da fome, mas a causa principal da fome não é a seca; é a
cupidez, o monopólio de víveres e o aumento de preços (...)”.

(Parte do Sermão de São Cipriano – ano de 250 – século III).

Continuando...

Você já estudou que havia um certo isolamento entre os diversos povos


e que as comunicações por terra e mar eram lentas e precárias.
Isso leva a crer que os povos não deviam ter noção do
que se passava em outras partes do mundo.

Assim, muito provavelmente, os povos do oriente médio,


médio os africanos,
africanos e
europeus não tinham conhecimento sobre o modo de vida
dos povos do continente americano e vice-versa.

CEESVO 50
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

3. MAIAS, INCAS e ASTECAS


Na AMÉRICA

Vários grupos habitavam o Continente Americano (parte pontilhada no


mapa mundi, e ampliada no mapa seguinte), vivendo em diferentes estágios de
civilização.

Observe no mapa a localização dos habitantes da América, antes da


chegada dos europeus. Veja que diversos povos viviam espalhados pelo Continente
Americano.

Os habitantes
da América eram
numerosos e
possuíam
desenvolvimento
cultural diferente.
Estima-se que
constituíam uma
população
aproximada de cem
milhões de
habitantes.
De modo geral,
eram nômades (vivendo
da caça e da pesca) ou
sedentários (vivendo em
aldeias e praticando a
agricultura). Assim, aos
poucos, alguns foram se
fixando e tornando-se
agricultores e moradores
de cidades, algumas das
quais deram origem a ASTECAS
grandes impérios, MAIAS
divididos em classes com
um Estado (governo)
estruturado e
dominador, que impunha
tributos.
INCAS
Assim, a ordem
tribal foi se transformando
e surgiram civilizações
com crescente
organização cultural.
Destacaram-se os
Astecas e os Maias na
América Central e os
Incas na América do Sul.

CEESVO 51
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

Quadro comparativos dos Impérios Americanos

MAIAS ASTECAS INCAS


Localização México e Guatemala México América do Sul
Período Séculos IV a XIII Séculos XIV a XVI Séculos XII a XVI
Escrita Sim Sim Não
Matemática (sistema Medicina (remédios, Matemática (sistema
numérico, zero). tratamento, sangria, numérico). Medicina
Conhecimentos Astronomia (duração inalações). (sangria, ervas
do ano, fases da lua, Astrologia medicinais).
etc).
Construção (arcos, Construção, Construção,
Técnicas pirâmides). artesanato, artesanato,
Jogo de pelota. agricultura. agricultura.
 Família real  Família real  Rei e esposa
 Servidores do  Militares  Nobres
Estado  Artesãos e  Funcionários
Sociedade  Trabalhadores comerciantes públicos e
braçais e  Camponeses e trabalhadores
agricultores escravos especializados
 Agricultores

Continuando...
Os povos que viviam na América
estavam isolados do restante do mundo.

As três grandes civilizações americanas - Maias, Astecas e Incas, atingiram


o estágio da civilização e construíram verdadeiros impérios, provocando espanto aos
europeus quando estes começaram a chegar à América por volta de 1.492 – século
XV, dando início a uma nova fase na história do nosso Continente, marcada pela
destruição física e cultural, pois foram forçados a abandonar seus deuses e crenças e
a adotar a religião cristã e os costumes dos brancos.

Pirâmide Asteca

Quipos

Os incas não desenvolveram um sistema completo de escrita, mas sabiam


registrar números e acontecimentos através dos quipos – eram cordões coloridos nos
quais se davam nós como forma de registrar as informações.

CEESVO 52
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

O texto abaixo demonstra a situação em que se encontra os indígenas na


América Latina nos dias de hoje.
A marginalização e a miséria dos descendentes dos povos indígenas
americanos são comuns em toda a América atual.

“Astecas, incas e maias somavam entre 70 e 90 milhões de pessoas, quando


os conquistadores europeus chegaram à América; um século e meio depois somavam
apenas 3.500.000.
Hoje, os descendentes desses índios vivem marginalizados nas terras que já
foram suas. No Peru, por exemplo, 49% da população é de origem indígena. A maior
parte dessa população, no entanto, vive submetida a um regime de semi-escravidão,
trabalhando nas minas ou nas propriedades dos latifundiários.
Nas encostas andinas próximas a Bogotá, o peão indígena é obrigado a
cumprir jornadas gratuitas de trabalho para que o fazendeiro lhe permita cultivar, nas
noites de lua clara, seu próprio pedaço de terra.
(...) Os índios que trabalham nas minas não têm melhor sorte: o pó de sílica
impregna a pele do mineiro, racha seu rosto e suas mãos, destrói seu paladar e seu
olfato e toma conta de seus pulmões, endurecendo-os e matando-os.
As raízes do problema indígena estão relacionadas, principalmente, com o
regime de propriedade da terra. Foi a perda gradativa da terra para os latifundiários
que reduziu o índio à condição de semi-escravo.
Desterrados em sua própria terra, os indígenas da América Latina foram
empurrados para as zonas mais pobres, as montanhas áridas ou o fundo dos
desertos, à medida que se ampliavam as fronteiras da civilização que os dominava.”
(Eduardo Galeano - As veias abertas da América Latina – texto adaptado)

Responda em seu caderno:


11. Escreva resumidamente, o que você sentiu ao saber que esses três grandes
impérios americanos, foram destruídos pelos europeus.

CEESVO 53
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

BIBLIOGRAFIA

 RODRIGUES, Joelza És t e r . História em


documento:imagem e texto – São Paulo. FTD, 2002.
 PEDRO, Antonio. História por eixos temáticos. São Paulo:
FTD, 2002.
 CARNEIRO, Maria Luiza Tucci. O racismo na História do
Brasil – Mito e Realidade. São Paulo: Editora Ática, 2001.
 BORGES, Edson. Racismo, preconceito e intolerância.
São Paulo: Atual, 2002.
 CARMO, Paulo Sérgio do. História e ética do trabalho no
Brasil. São Paulo: Moderna,1998.
 PILETTI, Nelson. História e vida integrada. São Paulo:
Ática, 2002.
 MORAES, Robson Alexandre de. História: Ensino
Fundamental. São Paulo: Frase Editora, 2001.
 SARONI, Fernando. Registrando a História: Idade
Moderna e Idade Contemporânea. São Paulo: FTD,
1997.
 BENTO, Maria Aparecida. Cidadania em Preto e Branco:
Discutindo as relações raciais. São Paulo: Editora Ática,
2001.
 STAMPACCHIO, Léo. Projeto Escola e Cidadania: História-
São Paulo – Editora do Brasil, 2000.
 MUNANGA, Kabengele. A mestiçagem no pensamento
brasileiro. Texto extraído do livro: Rediscutindo a
mestiçagem no Brasil – Identidade Nacional versus
identidade negra- Minas Gerais. Ed. Autêntica, 2004.
 APOSTILAS DO CEES DE SOROCABA
 PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS – Ensino
Fundamental
 DIRETRIZES CURRICULARES PARA A EDUCAÇÃO DAS
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E PARA O ENSINO DE
HISTÓRIA E CULTURA AFRO- BRASILEIRA E AFRICANA.
 Sites da Internet

CEESVO 54
HISTÓRIA - Ensino Fundamental - 5ª série

ESTA APOSTILA FOI ELABORADA PELA


EQUIPE DE HISTÓRIA DO CEESVO
CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO SUPLETIVA
DE VOTORANTIM

PROFESSORAS: DENICE NUNES DE SOUZA


MEIRE DA SILVA OMENA DE SOUZA
ZILPA LAURIANO DE CAMPOS

COORDENAÇÃO: NEIVA APARECIDA FERRAZ NUNES

DIREÇÃO:

ELISABETE MARINONI GOMES


MARIA ISABEL R. DE C. KUPPER

VOTORANTIM, 2005.
(Revisão 2007)

OBSERVAÇÃO

MATERIAL ELABORADO PARA USO


EXCLUSIVO DO CEESVO,
SENDO PROIBIDA A SUA COMERCIALIZAÇÃO.

APOIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOTORANTIM

CEESVO 55