Anda di halaman 1dari 90

ÍNDICE

FICHA DE INSCRIÇÃO ............................................................................................................................................... 03


PERFIL ....................................................................................................................................................................... 05
a) Competências básicas ....................................................................................................................................... 05
b) Produtos e processos ........................................................................................................................................ 05
c) Força de trabalho ................................................................................................................................................ 06
d) Cidadãos-usuários / clientes ............................................................................................................................. 06
e) Fornecedores e insumos .................................................................................................................................... 07
f) Sociedade ............................................................................................................................................................ 07
g) Parcerias institucionais ...................................................................................................................................... 08
h) Outras partes interessadas ................................................................................................................................ 08
i) Desafios estratégicos .......................................................................................................................................... 08
j) Aspectos relevantes ............................................................................................................................................. 09
k) Organograma ....................................................................................................................................................... 09
HISTÓRICO DA QUALIDADE ...................................................................................................................................... 10
1. LIDERANÇA ........................................................................................................................................................... 12
1.1. Governança pública e governabilidade .......................................................................................................... 12
1.2. Exercício da liderança e promoção da cultura da excelência ........................................................................ 16
1.3. Análise do desempenho da organização ........................................................................................................ 22
2. ESTRATÉGIAS E PLANOS ..................................................................................................................................... 27
2.1. Formulação das estratégias ............................................................................................................................ 27
2.2. Implementação das estratégias ...................................................................................................................... 31
3. CIDADÃOS ............................................................................................................................................................. 36
3.1. Imagem e conhecimento mútuo ...................................................................................................................... 36
3.2. Relacionamento com os cidadãos-usuários .................................................................................................. 38
4. SOCIEDADE ........................................................................................................................................................... 41
4.1. Atuação socioambiental .................................................................................................................................. 41
4.2. Ética e controle social ..................................................................................................................................... 44
4.3. Políticas públicas ............................................................................................................................................. 45
5. INFORMAÇÕES E CONHECIMENTO .................................................................................................................... 46
5.1. Informações da organização ........................................................................................................................... 46
5.2. Informações comparativas .............................................................................................................................. 50
5.3. Gestão do conhecimento ................................................................................................................................. 52
6. PESSOAS ............................................................................................................................................................... 56
6.1. Sistemas de trabalho ........................................................................................................................................ 56
6.2. Capacitação e desenvolvimento ...................................................................................................................... 60
6.3. Qualidade de vida ............................................................................................................................................. 62
7. PROCESSOS .......................................................................................................................................................... 65
7.1. Processos finalísticos e processos de apoio ................................................................................................. 65
7.2. Processos de suprimento ................................................................................................................................ 69
7.3. Processos orçamentários e financeiros .......................................................................................................... 73
8. RESULTADOS ......................................................................................................................................................... 76
8.1. Resultados relativos aos cidadãos-usuários .................................................................................................. 76
8.2. Resultados relativos à sociedade .................................................................................................................... 77
8.3. Resultados orçamentários e financeiros ......................................................................................................... 78
8.4. Resultados relativos às pessoas ..................................................................................................................... 78
8.5. Resultados relativos aos processos de suprimento ....................................................................................... 79
8.6. Resultados dos processos finalísticos e de apoio .......................................................................................... 79
GLOSSÁRIO ................................................................................................................................................................ 82

2
FICHA DE INSCRIÇÃO

3
4
PERFIL
a) Competências básicas pesquisa científica e tecnológica em Metrologia e
A Lei nº. 5.966 (11.12.1973) institui o Sinmetro e cria o Avaliação da Conformidade.
Inmetro. O Sinmetro - Sistema Nacional de Metrologia As Unidades Principais estão distribuídas em instalações
Normalização e Qualidade Industrial, integrado por no Estado do Rio de Janeiro, na Capital e em Duque de
entidades públicas e privadas que exercem atividades Caxias, no distrito de Xerém, onde se localiza o Campus
relacionadas a metrologia, normalização, avaliação da Laboratorial, com um total de 40 laboratórios operacionais.
conformidade e qualidade, cujo órgão normativo é o Há uma representação institucional em Brasília (para
Conmetro – Conselho Nacional de Metrologia apoiar o relacionamento com os Poderes Executivo e
Normalização e Qualidade Industrial, colegiado formulador Legislativo Federais) e duas superintendências regionais
das políticas públicas nessas áreas. O Inmetro – Instituto (RS e GO), para execução de serviços de verificação
Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade metrológica e fiscalização de instrumentos de medição, de
Industrial, autarquia federal vinculada ao MDIC, é o órgão produtos pré-medidos e de produtos,processos e serviços
executivo central do Sinmetro. Na qualidade de Agência regulamentados e com conformidade avaliada.
Executiva (Decreto Presidencial de 29.07.1998), mantém Estão instaladas na cidade do Rio de Janeiro: Presi –
um Contrato de Gestão com o MDIC (intervenientes o MF Presidência, Gabin – Gabinete, Cgcre – Coordenação-
e o MP). Pela Resolução Conmetro nº. 08/92, a Autarquia Geral de Acreditação, Caint – Coordenação-Geral de
foi reconhecida como o organismo de Acreditação oficial Articulação Internacional, Profe – Procuradoria Federal e
brasileiro. A Lei nº. 9.933 (20.12.1999) complementa e Ouvid – Ouvidoria (todos no prédio da rua Santa
altera a Lei nº. 5.966/73 ainda em vigor. O Decreto nº Alexandrina/Rio Comprido); Dqual – Diretoria da
6.275, de 28.11.2007, regulamenta a legislação anterior e Qualidade, parte da Dplad – Diretoria de Planejamento e
define suas competências. Suas atividades principais Desenvolvimento (todos no prédio da rua Estrela/Rio
tenham por natureza a prestação de serviços (metrologia Comprido). O Campus de Xerém, a 40 km do Rio de
científica e industrial, metrologia legal, Acreditação de Janeiro, tem área de 2,3 milhões m² dentro da Reserva
laboratórios e organismos, avaliação da conformidade, Biológica do Tinguá. Ali estão instaladas, numa área
ponto focal sobre barreiras técnicas e apoio à inovação na construída e urbanizada de 150 mil m², Diraf – Diretoria de
empresa), atua ainda nas áreas de produtos e processos, Administração e Finanças, Dimel – Diretoria de Metrologia
reunindo competências que na maioria dos países estão Legal, Dimci – Diretoria de Metrologia Científica e
distribuídas em distintas organizações, públicas ou Industrial, Ditec – Diretoria de Tecnologia e Inovação, parte
privadas. Assim, sua concepção organizacional integra, de da Dplad, Dipro – Diretor de Programa, Cored –
forma inovadora, áreas de conhecimento Coordenação Geral da RBMLQ-I e Audin – Auditoria
interdependentes. Interna. O Campus recebeu investimentos de R$ 146
Suas competências básicas são: Executar as políticas milhões em equipamentos no período 2000-2009, sendo
nacionais de metrologia e da qualidade; Verificar e que o investimento médio anual, no mesmo período,
fiscalizar a observância das normas técnicas e legais, no cresceu de R$ 180 mil para R$ 18 milhões.
que se refere às unidades de medida, métodos de As principais necessidades e expectativas decorrentes das
medição, medidas materializadas, instrumentos de políticas públicas, especialmente da PDP, são a
medição e produtos pré-medidos; Manter e conservar os continuidade do crescimento em capacitação de forma
padrões das unidades de medida, assim como implantar e orientada, responsável e sustentável e a produção de
manter a cadeia de rastreabilidade dos padrões das conhecimento em áreas estratégicas para o País. Significa
unidades de medida no País, de forma a torná-las exercer, com competência cada vez maior, o papel central
harmônicas internamente e compatíveis no plano na infraestrutura de Tecnologia Industrial Básica e ser uma
internacional, visando a sua aceitação universal e a sua forte instituição de referência e pólo de inovação científica
utilização com vistas à qualidade de bens e serviços; e tecnológica. Para tal, os investimentos em laboratórios,
Fortalecer a participação do País nas atividades equipamentos e pessoas devem manter-se, conforme
internacionais relacionadas com Metrologia e Avaliação da previsto no PEI.
Conformidade, promovendo o intercâmbio com entidades e b) Produtos e processos
organismos estrangeiros e internacionais; Prestar suporte
Os Macroprocessos (finalísticos) são seis: AC – Avaliação
técnico e administrativo ao Conmetro e aos seus comitês
da Conformidade de Produtos, Processos e Serviços; GM
assessores, atuando como sua secretaria executiva;
– Garantia Metrológica; ACRE – Acreditação de
Estimular a utilização das técnicas de gestão da qualidade
Organismos de Avaliação da Conformidade; IT – Inovação
nas empresas brasileiras; Planejar e executar as
e Tecnologia; PDRM – Pesquisa, Desenvolvimento e
atividades de Acreditação de Laboratórios de Calibração e
Rastreabilidade em Metrologia); AI – Articulação
de Ensaios, de provedores de ensaios de proficiência, de
Internacional.
Organismos de Avaliação da Conformidade e de outros
Dois Processos Organizacionais dão suporte aos
necessários ao desenvolvimento da infraestrutura de
Macroprocessos:
serviços tecnológicos no País; Coordenar, no âmbito do
Gestão Estratégica – GE: voltado ao aprimoramento e ao
Sinmetro, a atividade de Avaliação da Conformidade,
fortalecimento institucional, provendo suporte gerencial e
voluntária e compulsória de produtos, serviços, processos
compreendendo: Gestão da Informatização; Gestão da
e pessoas; Planejar e executar as atividades de pesquisa,
Qualidade; Gestão de Planejamento; Gestão de Recursos
ensino, desenvolvimento tecnológico em Metrologia e
Humanos; Gestão de Orçamento e Custos; Prospecção,
Avaliação da Conformidade; Desenvolver atividades de
Desenvolvimento e Implantação de Soluções de
prestação de serviços e transferência de tecnologia e
Comunicação; Ouvidoria.
cooperação técnica, quando voltadas à inovação, à

5
Apoio: voltado ao desenvolvimento das atividades das UP, Harmonização de RTM – Regulamentos Técnicos
provendo meios, compreendendo: Procuradoria; Gestão Metrológicos (alinhamento com OIML);
dos Serviços Administrativos; Gestão Financeira; Gestão Informação tecnológica para metrologia e qualidade
dos Serviços de Engenharia, Logística e Manutenção; (disseminação de informação para a sociedade);
Auditoria. Calibração de padrões e instrumentos de medição, com
O negócio de cada Macroprocesso ou Processo rastreabilidade internacional;
Organizacional estabelece sua finalidade, os produtos Materiais de referência certificados;
oferecidos (bens ou serviços) e seu público alvo. Ensaios de proficiência;
Os principais produtos e serviços são: Ensaios em laboratório de motores, combustíveis e
Condução e execução de programas de avaliação da lubrificantes;
conformidade voluntária ou compulsória de produtos, Serviços de difusão do conhecimento em Metrologia e
serviços, processos e pessoas (certificações, Avaliação da Conformidade;
fiscalizações, inspeções, ensaios, rotulagens, selos, Incubação de empresas e de projetos tecnológicos,
declarações de fornecedores); inclusive apoio logístico a empresas instaladas no PTI;
Condução e execução de programas de Acreditação de Serviços de apoio às empresas exportadoras na
organismos de avaliação da conformidade (laboratórios superação de barreiras técnicas ao livre comércio;
de calibração e organismos de certificação ou de Prospecção de cenários tecnológicos e sua
inspeção); disseminação para o setor produtivo, em especial micro,
Regulamentos Técnicos (Metrológicos e da Qualidade - pequenas e médias empresas.
elaboração, emissão e implantação); A fig. P.1 apresenta algumas instalações, e os exemplos
Controle metrológico (verificação e fiscalização de de equipamentos disponíveis e tecnologias envolvidas.
instrumentos de medição e mercadorias pré-medidas);
Instalação/
Equipamento Função Tecnologia Empregada
Laboratório
Sistema laser estabilizado He- Realização do metro por meio de lasers
Laint Padronização do comprimento
He/12-PMT estabilizados.
Latce Sistema Josephson Padronização primária do volt Realização do Volt através do efeito Josephson.
Realização da unidade de resistência elétrica,
Lares Sistema Hall Padronização primária do Ohm
através do Efeito Hall quântico.
Padronização do kg a partir do protótipo
Lamas Balança comparadora Compensação eletromagnética de força
Pt-Ir número 66
Máquina de padronização de Padronização das escalas Brinell, Aplicação de força por ação direta de massas e
Lafor
dureza Rockwell e Vickers medição de impressão por laser interferométrico.
Calibração de transdutores de vibração por meio de
Lavib Vibrômetro laser Poppler Padronização de transdutores de vibração
interferometria.
Realização da Escala Internacional de Temperatura
Células de PFT fornos e ponte Padronização de temperatura entre -
Later entre -190ºC e + 960ºC com células de pontos fixos
termométrica AC 190ºC e + 960ºC
de temperatura.
Dimat Microscópio Titan Caracterização de materiais Microscopia eletrônica de varredura e transmissão.
Transmissor de teste para Realização de testes de rádio frequência Processamento de sinais digitais; sistemas de RF
Ditel
receptores de TV Digital em receptores de TV Digital de alta frequência.
Espectrômetro de massa tipo Espectrometria de massas para definição da
Dquim Caracterização de substâncias orgânicas.
Q-TOF assinatura química de substâncias orgânicas.
Sistema de deposição de filmes Preparação de materiais para dispositivos Deposição de camadas por técnicas físicas de
Dimat
finos para dispositivos orgânicos orgânicos luminiscentes - OLEDs vapor.
Laboratório Móvel de Medir a qualidade do sinal de TV digital,
Ditel Análise de espectro de sinal.
Telecomunicações e TV Digital rádio digital,3G e Wimax em todo o Brasil.
Caracterizar desgaste em próteses
Dimat Simulador de desgaste Simulação acelerada dos movimentos humanos.
femorais.
Estudos de escoamentos complexos e
Dinam Túnel de vento aerodinâmico Fundamentos de mecânica de fluidos
calibração de medidores de fluido
Figura P.1. Exemplos de instalações, equipamentos e tecnologias utilizadas.
c) Força de trabalho ascensão, informações sobre a instituição e fortalecimento
O Inmetro conta com 888 servidores e complementa sua institucional.
força de trabalho com profissionais terceirizados d) Cidadãos-usuários / clientes
(celetistas, bolsistas e estagiários), conforme figura P.2, a Considerando a natureza das suas atividades, a sua
qual não inclui o quadro de pessoal das empresas Missão, a cadeia produtiva de cada um dos
contratadas para as atividades de limpeza, vigilância, Macroprocessos e a cadeia de valor dos Processos
transporte e alimentação (empregados de terceiros sob Organizacionais, os principais cidadãos-usuários,
coordenação direta da Dplad). A estrutura regimental conta tomadores e usuários de serviços são agrupados conforme
com 105 cargos em comissão (DAS) e 54 funções fig. P.3.
gratificadas (FG). Do total de 1819 pessoas apresentadas A Organização utiliza formas especiais de relacionamento
na fig. P.2 e que constituem a força de trabalho, 406 são com seus cidadãos-usuários, clientes e usuários de
doutores e mestres (incluem servidores celetistas e 92 serviços. Numa delas, para possibilitar o engajamento das
bolsistas), o que demonstra a expressiva evolução técnico- micro, pequenas e médias empresas nas práticas da
científica da Instituição nos últimos 10 anos (em 2000, metrologia e da avaliação da conformidade, instituiu em
havia apenas 35). O quadro de pessoal se distribui entre parceria com o Sebrae (2006), os Programas Bônus
áreas finalísticas (53%) e áreas meio (47%). Certificação e Bônus Metrologia. Com o mesmo propósito,
As principais necessidades e expectativas da força de em parceria com o BNDES, foi lançado (2008) o cartão
trabalho são: salários atualizados, oportunidades de BNDES com modalidade de financiamento para compra de
6
serviços de certificação, inspeção, ensaios e calibração. elaboração dos programas de avaliação da conformidade.
Outra forma especial de relacionamento é a participação As formas de relacionamentos especiais com cidadãos-
dos fabricantes de instrumentos de medição e de medidas usuários são apresentadas na fig. P.4. Órgãos delegados e
materializadas em grupos técnicos que elaboram os RTM laboratórios designados são considerados organizações
e a dos fornecedores de bens e serviços no processo de que atuam entre o Inmetro e seus cidadãos-usuários.
Força de
Quantidade Escolaridade Função Vínculo com Inmetro
Trabalho
248 456
Doutor e mestre Ensino médio
(27,9%) (51,4%) Técnica e RJU - Regime Jurídico Único
Servidor 888
162 Ensino 22 operacional Lei n°. 11.355/06
Graduação
(18,2%) fundamental (2,5 %)
Doutor e Mestre 13(2,4 %)
Graduação 289(55,3 %) Técnica e
Celetista 523 Contrato com fornecedor de serviços
Ensino médio 219(41,9 %) operacional
Ensino fundamental 2(0,4 %)
Bolsista 275 Doutor, mestre, graduação e ensino médio Técnica
Técnica e Contrato com fornecedor
Estagiário 133 Graduação e ensino médio
operacional
Figura P.2. Perfil do quadro de pessoal (2009)

Necessidades e Expectativas do
Grupo Integrantes Sustentação Institucional
Grupo em Relação à Instituição
Ampliação da capacitação e da
prestação de serviços, apoio à
No apoio de iniciativas, programas, inovação e à competitividade,
Indústria, comércio e prestação de
Setor produtivo produtos, eventos e da atuação em redução de prazos, confiança,
serviços, MBC, CNI, CNC
geral informação tecnológica e
disseminação de conhecimento,
proteção da concorrência justa.
Casa Civil da PR, MDIC, MP, MF,
MS, MJ, MTE, MEC, MCT, MAPA, Atuação estratégica planejada e
MTur, PF, AGU/PGF, Ministério No apoio orçamentário e de alinhada com as políticas públicas,
Público, Decon, Contran, órgãos fomento e na participação do cumprimento do Contrato de
Órgãos governamentais de governos estaduais, RBMLQ-I, Contrato de Gestão, de conselhos, Gestão, atuação como agente de
Ministérios, secretarias, empresas comitês, programas e acordos de inovação e indutor de
públicas, autoridades cooperação e parceria. aprimoramentos no setor público
regulamentadoras e agências (tecnologia e gestão).
reguladoras
Base de conhecimento, informação
e disseminação, parceria
laboratorial, projetos conjuntos,
Institutos de pesquisa tecnológica, No apoio científico e tecnológico e
partilhamento de recursos,
Comunidade científica e laboratórios, organismos técnicos participação de conselhos,
desenvolvimento de patentes,
tecnológica e instituições de ensino vinculadas comitês, programas e acordos de
programas de mestrado e
à ciência e à tecnologia cooperação e parceria.
doutorado, conclusão bem
sucedida de projetos e programas
em parceria.
Apoio à atuação e ao nível de
Proteção contra fraudes e erros
credibilidade (pesquisas);
Cidadãos, consumidores, CPCON, nas relações de consumo,
acompanhando ações e iniciativas
entidades de defesa do confiança nas medições,
(reportagens em jornais e revistas,
consumidor, sindicatos e segurança dos produtos e
Sociedade como um todo programa Fantástico) ou exigindo
associações de classe, órgãos da serviços, conscientização e
selos de conformidade e marca
mídia, Ong e demais educação para o consumo,
Inmetro em produtos e serviços
representantes proteção do meio ambiente e da
certificados ou com conformidade
saúde.
avaliada.
Figura P.3. Principais cidadãos-usuários e clientes, ação sustentadora e necessidades e expectativas como partes interessadas
e) Fornecedores e insumos R$ 83.711.041,73 com serviços. A fig. P5 mostra os
As contratações de fornecedores seguem os preceitos principais fornecimentos públicos e privados.
estabelecidos na Lei nº. 8.666/93, em outras legislações e f) Sociedade
instruções normativas específicas aplicáveis, bem como
As principais comunidades representativas da sociedade e
nas normas internas, objetivando as melhores condições
objetos do relacionamento institucional são: os
de preço, prazo e qualidade. A partir de 2006, foi criado um
consumidores (com o apoio da CPCON, do Portal do
Grupo de Ação de Contratos, hoje denominado Grupo de
Consumidor e do Idec), os jornalistas e representantes da
Editais, Contratos e Convênios e operacionalizado pela
imprensa (rádio, TV, jornais e revistas); representantes dos
Profe, para funcionar como instância de formulação e
Poderes Legislativos Federal, Estaduais e Municipais; os
decisão e com o objetivo de orientar o processo de
cidadãos em geral (por meio da Ouvidoria, dos órgãos de
compras e a elaboração dos editais e contratos de
imprensa, do sítio na internet, do Programa Fantástico, das
fornecimento. Informações disponibilizadas pelo Sicaf são
consultas públicas e das pesquisas de opinião); a
importantes nesse processo, que utiliza o Sirep, o Sicon e
comunidade de Xerém, distrito de Duque de Caxias – RJ
o SCDP, todos os sistemas informatizados do Governo
(com o apoio da Asmetro e dentro das limitações impostas
Federal. Em volume de compras foram gastos em 2009:
pela legislação).
R$ 4.021.56,03 com material de consumo,
R$ 9.151.322,34 com material permanente e

7
g) Parcerias institucionais regulamentadores, agências reguladoras, centros de
O Instituto atua em fóruns nacionais e internacionais pesquisa, empresas e instituições de ensino vinculadas à
relacionados às suas atividades e mantém parcerias com ciência e à tecnologia. Os principais relacionamentos
instituições estrangeiras congêneres ou que exerçam especiais e parcerias relativas aos Macroprocessos são
atividades similares às suas. Desenvolve parcerias no apresentados na fig. P.4.
País, com entidades de governo, órgãos
Relacionamentos Especiais e Parcerias Principais Fóruns / Organizações/Instituições Macroprocessos
Acordos e programas de reconhecimento internacional, BPL, CIPM, OIML, BIPM, EA, OUA, Ilac, IAF, Comitês do Conmetro,
PDRM, GM, AC,
reuniões técnicas de regulamentação e de programas de IAAC, IEC, AAQG, PEFC, Eurepgap, Mercosul, CPSC, CTEC,
AI, ACRE
avaliação da conformidade Bracelpa, OCDE
Acordos/ parcerias de cooperação científica e tecnológica, de Nist, Forschungszentrum Julich, PTB, NPL, NRLM, NRC, IMGC,
reconhecimento, medições, análises,intercomparações Ukas, Ansi-ASQ, LNE, Jica, Latu, BNM, NPLI, AFRTM, NMIJ,
metrológicas, ensino e pesquisa, formação de pessoal Cenam, Ibmetro, Indecopi, OEA, UFPR, UFRJ, CNPq, Fiocruz, PDRM, GM, AI, IT,
especializado, projetos conjuntos, integração de pólos Embrapa, UERJ, UFRGS, Unicamp, LNCC, UFMG, UNESP, ACRE
universitários no campus de Xerém, concessão de bolsas; SEEDUC, FAPERJ, FHI (Max Planck Society), EPTIS, Cenamep,
ensaios de proficiência SIM
Acordos/parcerias para cooperação tecnológica, formação de
grupos técnicos de regulamentação, autorização MEC, MS, Fiat do Brasil, Sebrae, MBC, BNDES, CBM, Senai,
supervisionada para verificação de instrumentos, definição de Idec, DPDC, Aneel, ANP, CEG, MME, Eletrobrás, Jornal Extra,
diretrizes monitoramento BPL, programas de avaliação da Rádio Câmara, Rede Globo de Televisão, PUC-Rio, Petrobras, IT, GM, AC,
conformidade e divulgação de resultados, projetos de IPICyT, SBM, INT, Lacomet, MTE, Finep, INPI, FAURGS, FECD, PDRM, ACRE, AI
pesquisa, formação de mestres e doutores, qualificação de Ibama; fabricantes de Instrumentos de medição e medidas
serviços, projetos de infra-estrutura laboratorial; cartão materializadas; fornecedores de bens e serviços; CBAC, ABNT
BNDES; Bônus Metrologia; Bônus Certificação; PBAC
Convênios para verificação e fiscalização, contratos de
RBMLQ-I, organismos de certificação e inspeção e laboratórios
Acreditação de organismos de avaliação da conformidade; GM, AC, ACRE
de ensaio e calibração; Redes Metrológicas; ABNT
convênios para delegação de competência
Ponto Focal do TBT/OMC, reuniões de negociação sobre
adoção de regulamentos técnicos e de avaliação da OMC, EU AI
conformidade, apoio a exportações brasileiras
Figura P.4. Relacionamentos especiais e parcerias institucionais

Tipo de Fornecimento Descrição Principais Fornecedores


Prestação de serviços técnicos especializados para as atividades de
Suporte técnico Instituto Brasileiro de Administração Pública
pesquisa, ensino e desenvolvimento institucional
Suporte administrativo Prestação de serviços contínuos de apoio administrativo Milênio Assessoria Empresarial Ltda
Bilhetes de passagens Fornecimento de passagens aéreas e terrestres Pay Less Viagens Turismo
Desenvolvimento e manutenção da rede e dos sistemas de informática, help Stefanini (help desk); Calma (manutenção
Gestão de TI
desk dos sistemas e da rede)
Serviços de assistência médica, ambulatorial, hospitalar e de exames, para
Assistência médica GEAP – Fundação de Seguridade Social
os servidores ativos, inativos, pensionistas e seus dependentes
Serviços de Assistência Médica, ambulatorial, hospitalar e de exames, para
Assistência Médica Unimed (contratada pela Asmetro)
os contratados, servidores ativos, inativos, pensionistas e seus dependentes
Publicação DOU Serviços de publicação de atos oficiais no Diário Oficial da União Imprensa Nacional
Qualificação de pessoal Execução do Programa de Desenvolvimento Gerencial ENAP
Gerenciamento, operação, manutenção preventiva e corretiva de sistemas Proen Projetos de Engenharia Comercio e
Serviços especializados frigorígenos e frigoríficos, automação predial informatizada, quadros de força, Montagens Ltda; CMA Elevadores Ltda;
de assistência técnica elevadores e sistemas de transmissão de voz nas instalações prediais e Atlas Schindler Ltda; Elevadores Otis Ltda;
laboratoriais. Klisma Serviços Técnicos e Comércio Ltda
Tele atendimento Prestação de serviços de tele-atendimento para a Ouvidoria Central de Atendimento e Serviços Ltda.
Aquisição de Analisador termogravimétrico e Sistema de análise dinâmico mecânico. Metler Toledo AG
equipamentos para Analisador de Gás GSD 301 T3 Pfeiffer Vaccuum GmbH
implantação de Microscópio AFM – Sistema integrado de microscopia de força atômica e
laboratórios de espectroscopia Raman MITec GmbH
Metrologia de Materiais
Disco de padrão de velocidade TSI Incorporated
Medidor pontual de velocidade de fluidos (laser Doppler velocimeter - LDV) Dantec Dynamics
Aquisição de
Medidor de campo de velocidade de fluidos (particule image velocimeter -
equipamentos para La Vision
PIV)
implantação da Divisão
Sistema de medição de sombras (Shadow sizer) Dinam/Metroval *
de Metrologia em
Bancada de calibração de medidores de vazão de líquidos Dinam/Metroval *
Dinâmica dos Fluidos
Bancada de calibração de medidas materializadas de volume de líquidos Dinam/Metroval *
Bancada hidrostática para medição de massa específica Dinam *
Figura P.5. Principais fornecimentos / fornecedores em 2009 (* Sistemas desenvolvidos por pesquisadores do Inmetro em conjunto com o Metroval)
h) Outras partes interessadas expectativas são decorrentes da atuação dos comitês
As partes interessadas já definidas (Poder Executivo assessores (CBM, CBAC, CBN, CBR, CCAB) e supridas
Federal, setor produtivo, comunidade científica e pela Secretaria Executiva, a cargo do Inmetro.
tecnológica, fornecedores e sociedade), podem ser i) Desafios estratégicos
mencionadas outras como, os Poderes Legislativos
A Missão institucional é prover confiança à sociedade
Federal, Estaduais e Municipais, com necessidades e
brasileira nas medições e nos produtos, por meio da
expectativas de esclarecimentos e informações sob
metrologia e da avaliação da conformidade, promovendo a
demanda, gestão institucional regular (certificação TCU) e
harmonização das relações de consumo, a inovação e a
atuação voltada aos interesses da sociedade.
competitividade do País. A visão de futuro é um Órgão de
O Conmetro atua como órgão formulador de políticas e
Estado estratégico/fundamental ao desenvolvimento sócio-
diretrizes no âmbito do Sinmetro. Suas necessidades e
econômico do Brasil, pela relevância e qualidade de seus
8
serviços, pelo apoio à inovação, por sua excelência j) Aspectos relevantes
técnica, científica e de gestão, com amplo reconhecimento 1. A legislação já citada na alínea a, são utilizadas outras
nacional e internacional. São valores e princípios leis, documentos e fontes de consulta como a
institucionais: Formalismo e Disciplina, Praticidade, Constituição Federal, Lei nº 8112/90 (Regime Jurídico do
Orientação para o Cliente, Foco em Resultados, Servidor Público), Lei nº 9784/99 (Procedimentos
Integridade e Probidade, Respeito, Agilidade, Administrativos), Lei nº 8666/93 (Licitações e Contratos),
Transparência, Postura Inovadora, Excelência e Lei nº 11941/09 (Dívida Ativa) e Lei nº 10480/02
Simplicidade. Decorrente desses compromissos e da (Cobrança de Créditos).
formulação estratégica para o atual ciclo do PEI, resultou A execução das duas últimas leis passou a ser atribuição
uma importante ação institucional em capacitação da AGU/PGF (era atividade desenvolvida pelo Inmetro).
científica, tecnológica e laboratorial, em geração de Entre outros requisitos legais e regulamentares, destacam-
conhecimento, em pessoas (capacitação, desenvolvimento se: o PCMSO - Programa de Controle Médico e Saúde
gerencial, avaliação de desenvolvimento, plano de carreira Ocupacional (MTE), o PPRA - Programa de Prevenção de
e cargos, salários) e em busca de recursos para tornar Riscos Ambientais (MTE), a legislação referente à
essa ação possível. São desafios cujo enfrentamento vem concessão de adicionais de insalubridade, periculosidade e
sendo feito com sucesso desde 2006. Novos desafios radiação ionizante, o Decreto nº 7003/09 (Licenças de
surgiram a partir de 2009, sendo os principais: Saúde ao Servidor) e o GIPA (Grupo Interno de Prevenção
1.Uma demanda crescente, promovendo ações para de Acidentes).
aprimorar o modelo de prestação de serviços (exemplo é 2.O projeto “Qualidade de Vida no Trabalho” reúne
contratar mais auditores externos para Acreditação); serviços de apoio à força de trabalho, como os serviços
2.Entrada em novos campos tecnológicos, como médico, odontológico, social, psicologia, fisioterapia,
biotecnologia e nanotecnologia, exigindo mais segurança do trabalho e nutrição. As ações desse
especialistas com perfis diferenciados de atuação e projeto valeram à Instituição, em 1996, o XI Prêmio
novas competências e uma “estrutura de conexão” com Nacional de Qualidade de Vida, promovido pela ABQV.
os cidadãos-usuários na forma de fóruns, “key 3.Há decisões judiciais pendentes sobre suspensão dos
comparisons e databases”, convênios e parcerias com efeitos de portarias nº 186/02 (Cesta básica), 213/07
indústrias, instituições e outras partes interessadas; (Cadeira plástica), 328/08 (Panela de pressão), 359/07
3.Após desenvolver MRC para etanol em parceria com o (Brinquedos Mattel). Há conflito aguardando decisão
Nist, o Instituto parte agora para MRC de biodiesel a judicial sobre Resolução Conmetro nº 11/06 (Plugues e
partir de soja, mamona e e gordura animal, na área de Tomadas).
biocombustiveis (Metrologia Química e Metrologia
Biológica); na área químico-farmacêutica, inicia-se o k) Organograma
desenvolvimento de MRC de fármacos como captopril, O organograma apresenta a estrutura regimental do
diclofenatos sódico e potássico e furosemida. Inmetro com suas UP.

Principais Comitês, Comissões e Grupos de Trabalho Coordenador


Comitê de Acompanhamento da Execução Orçamentária e de Gestão de Custos Raul Machareth Godinho
Comitê de Comunicação Afonso Alberto da Silva Ribeiro
Comitê de Gestão da Qualidade Raimundo Alves de Rezende
Comitê de Avaliação e Julgamento dos Candidatos ao Prêmio Nacional de Metrologia André Vinícius Fofano
Comitê de Tecnologia da Informação Oscar Acselrad
Comitê de Avaliação de Desempenho Individual Oscar Acselrad
Comissões do Programa de Avaliação da Conformidade Alfredo Carlos Orphão Lobo
Grupo de Trabalho para Elaboração do RG/PQGF Carlos Eduardo Vieira Camargo
9
HISTÓRICO DA QUALIDADE Acreditação de laboratórios de ensaio e calibração. Ainda
nesse ano, é conquistado o Reconhecimento na faixa Ouro
Metrologia e normalização seguem, no Brasil, do PQGF, seguindo-se outras premiações nos ciclos de
desenvolvimentos independentes até que, com a criação 2004 a 2007. Em 2001, iniciativas próprias resultam em
do Sinmetro (lei nº. 5966/1973), integram-se pelo elo da duas resoluções do Conmetro que são marcos nas
qualidade. A nova lei promove uma mudança radical nas atividades de avaliação da conformidade e de metrologia,
políticas até então aplicadas e o Inmetro, como Órgão respectivamente: o Termo de Referência do PBAC e as
Executivo do Sinmetro, beneficia-se inicialmente de um Diretrizes Estratégicas da Metrologia Brasileira 2003-2007.
convênio com a Coppetec para desenvolver os Projetos O Siplan, resultado do aprimoramento contínuo do
Criptônio I e II, focados em metrologia e controle da processo de gestão e das ferramentas corporativas de
qualidade, qualificando cerca de 100 técnicos, apoio aos Macroprocessos, é agraciado com o Prêmio
incorporados ao seu quadro para incumbir-se das novas Hélio Beltrão no 7° Concurso Inovação na Gestão Pública
funções institucionais. Cooperação técnica, com o PTB, Federal. Em 2002, tem início o Programa de
permite equipar os laboratórios e complementar a Desenvolvimento e Formação de Mestres em Sistemas de
qualificação de parte desses servidores para atuarem nas Gestão, stricto senso mestrado profissional, ministrado
áreas de metrologia científica, industrial e legal. pela Escola de Engenharia da UFF. No mesmo ano, é
Cooperação semelhante com a Unido qualifica os demais renovado o Contrato de Gestão com o MDIC, obtido o
nas áreas de normalização e qualidade. Desse início até reconhecimento internacional do programa brasileiro de
os meados dos anos 80, vale registrar a criação da RBC – certificação para o setor aeroespacial e lançado o Portal do
Rede Brasileira de Calibração, o lançamento do PBE – Consumidor. Em 2003, é implantado o Sidoq – Sistema de
Programa Brasileiro de Etiquetagem (base para a Lei de Controle de Documentos da Qualidade para gerenciar o
Eficiência Energética - 2001), a definição dos critérios de controle da emissão e distribuição dos manuais da
Acreditação de laboratórios de calibração (e Acreditação qualidade e das normas internas. A Pitce (lançada em
do primeiro laboratório) e a qualificação dos primeiros 2003 e substituída em 2008 pela PDP) consolida o
auditores. Na segunda metade dos anos 80, foram reconhecimento do Instituto como ferramenta fundamental
priorizados os investimentos em pessoas e em gestão, por para implementação das ações decorrentes das diretrizes
meio de dois programas estratégicos do Governo Federal: aprovadas para a política industrial, carreando um volume
o Programa Rhae e o PADCT. O PEGQ – Projeto de considerável de recursos na infra-estrutura laboratorial,
Especialização em Gestão da Qualidade, uma das ações bem como a incorporação de doutores e mestres às suas
do PADCT, cria as bases para a implantação do Sistema rotinas de pesquisa e desenvolvimento.
de Gestão da Qualidade. Na década de 90, o lançamento A atração de doutores é impulsionada a partir de 2004,
do PBQP impacta as atividades do Instituto, que dele com a criação do Prometro, em conjunto com o CNPq;
participa ativamente, coordenando um dos seus cinco hoje, o total de doutores e mestres é 10 vezes maior do
subprogramas. O Subprograma 4 – Adequação dos que em 2000. No mesmo ano, é implantada a Ouvidoria
Serviços Tecnológicos para a Qualidade e a Produtividade, Interna e criada pelo Conmetro a Comissão Permanente
cujo objetivo é estimular o desenvolvimento e a adequação de Consumidores, fórum de proposição de políticas para a
da infra-estrutura dos serviços de normalização técnica, avaliação da conformidade. Ainda em 2004, são
certificação da qualidade, metrologia, ensaios e informação inaugurados os Painéis Setoriais, encontros com setores
tecnológica, introduz significativa mudança nos padrões de da sociedade, como mais uma ferramenta para identificar
trabalho das atividades que hoje estão compreendidas nos prioridades e oportunidades da atuação institucional, ou de
Macroprocessos Avaliação da Conformidade e melhoria dos serviços prestados. Em 2005, é criado o CBR
Acreditação. São lançadas as bases para a revisão para aprimorar as práticas e construir as bases para
estratégica da metrologia. A Instituição alcança grande nortear a regulamentação técnica nacional no âmbito do
visibilidade para a sociedade e para a comunidade técnico- Sinmetro. Um total de 27 regulamentadores passam a
científica. Marcos fundamentais são registrados nesse constituir um mesmo fórum. Em reconhecimento à atuação
período, muitos deles oriundos de orientações estratégicas transparente, o Instituto alcança a primeira colocação entre
do PBQP: a obtenção dos primeiros prêmios de gestão - os principais organismos regulamentadores, em avaliação
Reconhecimento Prata no Programa Qualidade Rio e no realizada pelo Idec em 2005. As estratégias de inserção e
PQGF; a filiação ao IAF e a cooperação com ODA/Ukas, de reconhecimento internacionais e regionais são
que contribuem para o seu reconhecimento internacional; a fortalecidas com a adequação dos padrões da atividade de
assinatura, em 1998, do primeiro Contrato de Gestão com Acreditação aos requisitos da norma ABNT NBR ISO/IEC
o MDIC (com interveniência do MP e do MF), na esteira da 17011, comprovada pelas auditorias de IAF, Ilac, EA e
qualificação como Agência Executiva; o lançamento do IAAC, pelo reconhecimento do Cerflor – Programa
Programa de Análise de Produtos, que completa 14 anos Brasileiro de Certificação Florestal e pelas participações
de atividades ininterruptas em 2009; a assinatura do sistemáticas nas reuniões do TBT/OMC, do ISO/CASCO e
convênio de cooperação técnica com o Nist(EUA), na do SGT-3 Regulamentos Técnicos do Mercosul.
esteira do reconhecimento internacional na área da Em 2006, a marca Inmetro, cada vez mais reconhecida
metrologia científica e industrial; o reconhecimento no pela sociedade, é incluída em edição da Superbrands
CIPM dos padrões nacionais das unidades de medida e Brasil, ao lado de marcas de renome internacional como
dos certificados de calibração emitidos; e a criação do Coca Cola, Sony e Fiat, fato que se repete em 2007 e
Comitê Brasileiro de Certificação, atual CBAC. 2009. É editada a portaria 73/2006 (revisada e substituída
Em 2000, é criada a atual Digeq e implantado o SGQI, com pela 179/2009), regulamentando a aplicação e o uso das
a nomeação dos Coordenadores da Qualidade das UP. É marcas, dos símbolos de Acreditação e dos selos de
criada a Ouvid e assinada o primeiro acordo de identificação. No mesmo ano, a Instituição assume a
reconhecimento mútuo com a EA para o programa de presidência do SIM – Sistema Interamericano de
10
Metrologia, posição estratégica para a consolidação da na comemoração do 4º aniversário do PNDP). Ainda em
liderança nas atividades de metrologia na América do Sul. 2006, revisão do Planejamento Estratégico estabelece
A organização e realização do I Workshop sobre AC novas diretrizes para o horizonte 2007-2014, tendo no BSC
(reeditado em 2007) e do Imeko XVIII World Congress, a principal ferramenta metodológica de medição do
conferem mais visibilidade internacional e fornecem desempenho organizacional.
subsídios para reavaliar e aprimorar as atividades sob sua Em 2009,o Instituto recebe a Medalha Nacional do Mérito
responsabilidade. As ações para o aprimoramento, tanto Científico concedida pelo Presidente da República, pelas
da gestão institucional, quanto dos Processos contribuições prestadas à ciência e à tecnologia no ano de
Organizacionais, ocorrem a partir de 2006, precedidas e 2008. No mesmo ano, concorrendo com 19 finalistas,
alavancadas por importante visita do Presidente Luiz recebe o prêmio “Global Excellence in Workflow Award”,
Inácio Lula da Silva, nesse ano, ao campus de Xerém: é em reconhecimento ao aperfeiçoamento introduzido no
aprovada a Lei nº 11.355, que cria o Plano de Carreiras e processo de Acreditação,que permitiu reduzir o tempo de
Cargos do Inmetro; nova estrutura regimental e a resposta de treze para nove meses, por meio de solução
ampliação dos cargos em comissão e funções gratificadas de automação, prática estendida a outros processos da
são aprovadas pelo Decreto nº 5.965. São criadas e Organização, como aprovação de modelos de
implantadas novas unidades organizacionais: a Cored, instrumentos de medição, aprovação de programas de
para dedicar-se á gestão dos serviços delegados aos avaliação de conformidade e compras. Ainda em 2009,
órgãos metrológicos estaduais, aprimorando as atividades tem início a implementação de processo estruturado de
da RBMLQ-I; a Ditec, para incentivar a pesquisa, proteger benchmarking com o desenvolvimento de 3 estudos pilotos
a produção intelectual e transferir à sociedade e ao setor e treinamento de equipes; o Contrato de Gestão é
produtivo inovações e tecnologias que apóiem o seu renovado, após avaliação do desempenho institucional,
desenvolvimento e inserção competitiva; a Codrh, para aprovado com nota máxima. Representantes da OCDE
cuidar do desenvolvimento dos recursos humanos da avalizam, nesse mesmo ano, a adesão do Brasil ao tratado
Instituição, que dá início, por meio de concurso público, ao de aceitação mútua de resultados laboratoriais, referentes
processo de contratação e aclimatação de 638 novos aos ensaios para avaliação de risco ambiental e risco à
servidores, em três etapas ao longo do período 2007-2010, saúde humana de produtos químicos, em decorrência do
para preenchimento de vagas do novo quadro de pessoal, reconhecimento internacional do Instituto como autoridade
dimensionado estrategicamente para as demandas brasileira para o monitoramento dos Princípios das Boas
imediatas e de futuro. Em paralelo, ocorre um amplo Práticas Laboratoriais. O ano marca forte aproximação
espectro de iniciativas relacionadas às pessoas: a criação, com a indústria e a universidade, registrando importantes
em Xerém, de um pólo da UFRJ, nas áreas de visitas aos laboratórios por comitivas de dirigentes e
Biotecnologia e Bioinformática; a criação do curso de empresários da Abimaq, da Abinee, da Anfavea e da Fiat
Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade, Powertrain e do Vice Presidente da General Electric
aprovado pela Capes com nota máxima; o treinamento a International, entre outros.
distância de técnicos da RBMLQ-I; a implantação do Siadi Ao final do período 2008 - 2009, a Organização totaliza 26
– Sistema de Avaliação de Desempenho Individual, inédito pessoas qualificadas nos critérios de excelência do PQGF,
no Brasil, contando com a participação de avaliadores sendo que entre 1999 e 2009, 181 pessoas adquirem
externos e tendo forte impacto na remuneração do servidor conhecimentos desses critérios via participação em
(o Siadi foi premiado no 14º Concurso Inovação na Gestão seminários, cursos e programas de preparação para
Pública promovido pela ENAP); e o PDG – Programa de bancas examinadoras de premiações de gestão,
Desenvolvimento Gerencial, em parceria com a ENAP e especialmente PQGF, PNQ e Qualidade Rio.
com o apoio da SRH/MP (o PDG foi destaque em 2010

11
1. LIDERANÇA elas as Diretrizes Estratégicas da Metrologia Brasileira e o
PBAC), à Lei de Inovação, às prescrições do seu
1.1. Governança pública e governabilidade Regimento Interno e do Código de Conduta da AAdm
Inserido no Sinmetro como o seu órgão executivo central, Federal, garantindo a governabilidade institucional e
a Organização observa as diretrizes e políticas do permitindo o monitoramento externo de todas as partes
Conmetro, colegiado integrado por nove Ministros de interessadas.
Estado e o Presidente do Inmetro, com representação de 1.1.A. Principais decisões
entidades privadas de normalização (ABNT), do setor As principais decisões são balizadas por diretrizes e
produtivo (CNI e CNC) e dos consumidores (Idec), orientações corporativas, assim como pelos objetivos
presidido pelo Ministro do MDIC – Ministério do
estratégicos. Essas duas condicionantes asseguram o
Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Para a
respeito à governança pública e sustentam o ambiente
formulação de suas diretrizes políticas, o Conmetro se propício à governabilidade institucional. As principais
utiliza de seus comitês assessores específicos para cada decisões iniciam-se na AAdm e se desdobram por toda a
uma das suas áreas de competência. Esses comitês são Instituição, na atuação dos diretores, coordenadores e
integrados por representantes dos segmentos sociais gerentes responsáveis pela sua implementação, nas
afins, o que caracteriza o monitoramento externo de todas
reuniões de coordenação das UP e das UO. As decisões
as partes interessadas. O Conmetro e seus comitês têm no
são registradas em atas especificando
Inmetro a sua secretaria executiva. A governança pública é ação/responsável/prazo, sendo repassadas aos principais
assegurada pela ação dos comitês, pela participação das interlocutores do processo, garantindo a sua efetiva
partes interessadas nas comissões de regulamentação disseminação. A fig. 1.1.A.1. apresenta os principais fóruns
técnica, pelo alinhamento do PEI com o PPA e pela
para tomada, comunicação e implementação de decisões
prestação semestral de contas e do desempenho, feita do sistema de liderança e os principais comitês e grupos
perante o Comitê de Avaliação do Contrato de Gestão. A internos que reforçam a disseminação e implementação
AAdm exerce a sua autoridade atenta às políticas públicas
das decisões, das práticas e dos padrões de trabalho.
emanadas do Governo, às diretrizes do Conmetro (entre
Responsável/ Freqüência /
Fórum Objetivos Continuidade (desde) Participação
Coordenador
Comunicar e debater determinações e orientações Reunião Geral
de governo, temas políticos e assuntos de Trimestral (1991)
interesse estratégico e institucional, avaliar
Despachos mensais
Gabin/ posições e conseqüências e tomar decisões Presidente, Diretores e
Reunião da AAdm individuais com
Presidente decorrentes; identificar, aprovar e monitorar Coordenadores Gerais.
Diretores e
inovações e melhorias das práticas de gestão;
Coordenadores Gerais
avaliar desempenho integral do Inmetro; análise
(2008)
crítica global;
Analisar e decidir sobre programas, planos,
projetos e indicadores. Identificar, aprovar e
Diretor ou monitorar inovações e aperfeiçoamentos em
Coordenação Diretor responsável e chefes
coordenador de práticas de gestão. Avaliar desempenho da UP Variável por UP (2002)
(cada UP) subordinados.
cada UP pela evolução dos indicadores frente às metas
estabelecidas. Repassar decisões tomadas nos
despachos mensais e reuniões trimestrais.
Análise crítica do
Gerenciar os resultados e propor ações corretivas, Diretores e Coordenadores
desempenho das Dplad Semestral (2006)
objetivando a melhoria de gestão do Inmetro. Gerais das UP e Diplo
UP
Analisar e avaliar indicadores e demais dados
Semestral para
Acompanhamento sobre desempenho global corporativo e o
acompanhamento Membros do Comitê de
e Avaliação do Dplad cumprimento do Contrato de Gestão. Identificar,
/Anual para avaliação Avaliação e equipe da Dplad.
Contrato de Gestão aprovar e monitorar inovações e aperfeiçoamentos
(2002)
em práticas de gestão.
Presidente, diretores,
Tratar assuntos referentes às atividades da
Plenárias da Cored / coordenador da Cored e
RBMLQ-I; acompanhar e avaliar metas dos Quadrimestral (2002)
RBMLQ-I Presidente dirigentes dos órgãos
indicadores pactuados.
delegados.
Presidente, Diretores e
Análise Crítica do Avaliar desempenho global do Inmetro e evolução
Digeq/Gabin/ Coordenadores Gerais e
Desempenho das ações do SGQI e a sua pertinência com os Anual (2003)
Presidente Coordenadores da Qualidade
Global e do SGQI objetivos estratégicos.
das UP.
Presidente, Gabin, dirigentes
Encontro Anual de
Debate e deliberação sobre assuntos referentes à dos órgãos delegados, inter-
Comunicação Dicom/Cored Anual (2009)
comunicação entre o Inmetro e a RBMLQ-I locutores de comunicação
Inmetro/RBMLQ-I
dos órgãos delegados.
Comitê da Qualida- Avaliar e deliberar ações estratégicas e de Coordenadores da Qualidade
Digeq Mensal (2004)
de Sustentação ao SGQI das UP
Comitê Gestor de Discutir e coordenar as estratégias e as ações de Conforme calendário
Dplad Todas UP
TI (CGTI) contratação de serviços de TI (2010)
Comitê de Comuni- Discutir e coordenar as estratégias e as ações de
Dicom Mensal (2004) Todas UP
cação Social Comunicação
Assessoria da Implementar processo estruturado de
GT Benchmarking 2009 Todas UP
Presidência Benchmarking
Figura 1.1.A.1. Principais fóruns de análise crítica, tomada de decisão, comunicação e implementação de ações

12
Relativamente à RBMLQ-I, que responde pela execução comunicações por mídia escrita, falada e televisada, a
das atividades delegadas, o processo decisório, sua responsabilidade é atribuída à AAdm, mesmo quando
disseminação e implementação compreendem, desde essas comunicações são delegadas a subordinados,
1995, um sistema de reuniões específicas, como indicado conforme OS 001/2000/Presi. As decisões são
na fig. 1.1.A.2. Esse sistema foi refinado em 2006 com a implementadas pelas áreas específicas, sendo
criação da Cored na estrutura regimental do Inmetro. As monitoradas pelas divisões responsáveis, acompanhadas
propostas de melhoria e planos de ação das câmaras e avaliadas pelos Diretores e Coordenadores Gerais nas
setoriais são referendadas por um conselho gestor, reuniões de coordenação das UP e o seu andamento
debatidas e aprovadas em reuniões plenárias. Os assuntos informado à AAdm nas reuniões e nos despachos.
relacionados aos fóruns são previamente agendados para Reunião Participantes
cada reunião de modo que os participantes possam Câmara setorial Diretor da Dqual + Coordenador da Cored +
analisar antecipadamente e discutir propostas e soluções. de Avaliação da Dirigentes de 3 órgãos delegados, eleitos por seus
Conformidade pares
As decisões consensadas nos fóruns são registradas em
Câmara setorial Diretor da Dimel + Coordenador da Cored +
atas especificando ação/responsável/prazo, sendo de Metrologia Dirigentes de 3 órgãos delegados, eleitos por seus
repassadas aos principais interlocutores dos processos, Legal pares
promovendo a sua efetiva disseminação. Como Câmara setorial Diretor da Diraf + Diretor da Dplad + Coordenador da
mecanismos de comunicação das principais decisões para de Administração Cored + Dirigentes de 3 órgãos delegados, eleitos
e Finanças por seus pares
todas as partes interessadas, assim como de interação Diretor da Profe + Coordenador da Cored +
com elas, garantindo seu envolvimento, são utilizados nas Câmara Setorial
Dirigentes de 3 órgãos delegados, eleitos por seus
Jurídica
reuniões acima mencionadas, os instrumentos pares
apresentados na fig. 1.1.A.3. Presidente, Diretores Gestores da Cored, Dqual,
Conselho Gestor Dimel, Diraf, Dplad + Dirigentes de 4 órgãos
A comunicação das decisões observa, quanto à forma, delegados, eleitos por seus pares.
veículo e responsável, as competências regimentais, os Presidente, Diretores da Dqual, Dimel, Diraf, e
regimentos internos dos comitês e fóruns citados nas fig. Plenária da Dplad, Coordenadores da Cored, Audin e Profe,
1.1.A.1. e 1.1.A.2., as normas aplicáveis e as deliberações RBMLQ-I Superintendentes do Inmetro e dirigentes de todos
adotadas nas reuniões da AAdm Em relação às os órgãos delegados
Figura 1.1.A.2. Sistema de reuniões quadrimestrais Inmetro – RBMLQ-I

Continuidade
Partes Interessadas Formas de Interação da AAdm
(desde)
Reuniões do Presidente, dos diretores e dos coordenadores com autoridades; visitas de autoridades ao
Governo, Conmetro e
Inmetro; reuniões do Conmetro e dos seus comitês assessores; DOU; Internet, Jornal mensal “Na Medida”, 1995
Agências Reguladoras
relatórios anuais do Inmetro, reuniões da RBMLQ-I e Portal da RBMLQ-I
Editorial do Presidente no Jornal “Na Medida”, Intranet, Portarias no Boletim Interno, workshops, seminários
e reuniões com diretores e chefes de divisão, ações de endomarketing e de comunicação interna, correio
Força de Trabalho 1998
eletrônico, Diraf Informa, “Comunica”, treinamento de mídia, relatos de missões ao exterior e “Fale com o
Presidente” (correio eletrônico exclusivo)
Sociedade e suas Visitas (encontros com comunidades, governos e ONG), participação no Conmetro e em seus comitês
organizações (consu- assessores, participação das entidades de classe nas comissões de regulamentação; DOU, mídia escrita,
midores, ONG, comu- falada e televisada; jornal “Inmetro Informação”; Portal do Consumidor; Internet; cartilhas, folders e filmes 1995
nidades e entidades institucionais; seminários, workshops e congressos; administração de cursos, Manual de Relacionamento
de classe) com a Imprensa
Fornecedores e par- Participação em eventos, contratos, convênios e reuniões com diretores e chefes de divisão; pesquisas;
Permanente
ceiros correspondências; Internet; acompanhamento dos contratos por fiscais
Cidadãos–usuários Visitas a e de usuários, participação nas comissões de regulamentação; participação nos comitês
1995
em geral assessores do Conmetro, DOU, Internet, seminários, congressos, workshops e Painéis Setoriais
Figura 1.1.A.3. Formas de interação com as partes interessadas
1.1.A.1. Seleção dos executivos e comitês Os princípios e valores organizacionais foram
No caso da AAdm, o Presidente é escolhido pelo Ministro estabelecidos conjuntamente com o PEI-2006, sendo
do MDIC e os demais Diretores, Coordenadores Gerais e reavaliados e atualizados nas revisões realizadas nos
Superintendentes são indicados pelo Presidente. Todos os ciclos posteriores. São valores e princípios balizados pelo
Diretores são nomeados pela Casa Civil da Presidência da respeito aos princípios constitucionais, ao alcance dos
República. Os ocupantes dos demais cargos executivos objetivos e ao sucesso das estratégias institucionais, ao
(chefes de divisão, coordenadores, assessores e princípio do desenvolvimento sustentável e ao equilíbrio no
assistentes) são nomeados pelo Presidente. Os membros atendimento aos interesses e necessidades das partes
dos comitês são designados pelos Diretores responsáveis interessadas, especialmente dos cidadãos-usuários.
pelas UP integrantes de cada comitê, sendo depois Asseguram esse balizamento:
oficializados por ato do Presidente. A seleção dos O Conmetro e os seus comitês assessores, fóruns nos
executivos e dos membros dos comitês é feita observadas quais se fazem representar em instâncias de governo, os
as demandas exigidas dos seus ocupantes (habilidades e setores produtivos e de defesa do consumidor e onde
competências necessárias), a legislação vigente, o são formuladas as diretrizes e as políticas relativas a
Regimento Interno e o Código de Ética. metrologia, normalização e avaliação da conformidade;
As entrevistas com partes interessadas, interna e
1.1.A.2. Registro e monitoração dos atos da AAdm externamente à Instituição, no processo de formulação
Os atos da AAdm são controlados com balizamento na do PEI;
Estrutura Regimental e no Regimento Interno, por meio de O alinhamento do PEI com a PDP, o PPA, o Contrato de
diferentes práticas e/ou instrumentos, elementos do Gestão, o PBAC, as Diretrizes Estratégicas para a
sistema de governança apresentado na fig. 1.1.A.4. Metrologia Brasileira, a Estratégia Brasileira de
1.1.B. Estabelecimento dos valores e princípios Normalização e os acordos internacionais firmados pelo
organizacionais Inmetro.
13
Continuidade
Elemento Responsável Periodicidade Participantes
(desde)
PEI – Plano Estratégico Institucional Diretores, Coordenadores Gerais
Presi / Dplad Anual 1991
e revisões e Chefes de Divisão
UP auditadas, órgãos delegados,
Planos de auditoria Audin / CGU Anual Permanente
superintendências regionais
Plano de inventário Diraf Anual Permanente UP inventariadas
Relatório anual Presi / todas UP Anual Permanente Todas UO
Semestral para acompanha- Membros do Comitê de Avaliação
Contrato de gestão Presi / Dplad 2002
mento/ Anual para avaliação MDIC, MF, MP, Dplad.
Presi / todas UP/
Código de ética Conforme demanda Permanente Membros da Comissão
Comissão de Ética
AAdm e coordena-
Análise crítica do SGQI Presi / Gabin Anual 2003
dores da qualidade das UP
Reuniões do Comitê de Gestão de TI Dplad Conforme agenda 2010 Membros do Comitê
Figura 1.1.A.4. Sistema de governança do Inmetro
1.1.B.1. Valores e princípios organizacionais nas reuniões de análise crítica do SGQI (como
A fig. 1.1.B.1 apresenta os Valores e Princípios resultados adversos identificados);
organizacionais e seu significado, enquanto a fig. 1.1.B.2. nas reuniões do CGTI (como problemas operacionais
apresenta as declarações de Missão, Visão e principais identificados) e
políticas pelas quais o Inmetro é responsável ou das quais nas reuniões de coordenação das UP (como problemas
é instrumento. operacionais identificados).
A Missão, a Visão e os Valores e Princípios Principais Políticas
Missão Visão
organizacionais, em conjunto com o Código de Ética, Públicas e Institucionais
presidem o compromisso da AAdm e o comportamento de Visão: Órgão de Sibratec; PDP; Programa
Prover confiança à
Estado estratégico/ de Metrologia, Avaliação da
todos diante das suas responsabilidades frente à sociedade brasileira
fundamental ao Conformidade e Qualidade
necessidade de criar valor para todas as partes nas medições e nos
desenvolvimento Industrial; PBAC; Diretrizes
produtos, por meio
interessadas, dignificando o cidadão, preservando o meio da metrologia e da
sócio-econômico do Estratégicas para a
ambiente e promovendo o desenvolvimento sustentável do Brasil, pela relevân- Metrologia Brasileira; Estra-
avaliação da con-
cia e qualidade de tégia Brasileira de Norma-
País. formidade, promo-
seus serviços, pelo lização; Guia de Boas
vendo a harmo-
Valores e Princípios Significado apoio à inovação, por Práticas de Regulamen-
nização das rela-
Organizacionais sua excelência téc- tação, Princípios e Dire-
ções de consumo, a
Rigor na execução dos processos com foco nica, científica e de trizes de Gestão de Pes-
inovação e a com-
na exatidão, observância dos detalhes, gestão, com amplo soas, Política da Qualidade,
Formalismo e Disciplina petitividade do
obediência aos procedimentos e respeito aos reconhecimento na- Política de SSMA, Plano
País.
requisitos legais. cional e internacional. Diretor de TI
Busca da simplicidade nos procedimentos e Figura 1.1.B.2. Declarações de Missão e Visão e Principais Políticas
Praticidade na execução das atividades, sem prejuízo do Públicas e Institucionais
rigor técnico. Os riscos organizacionais mais significativos são
Atividades orientadas para as necessidades
Orientação para o Cliente
do cliente. classificados em riscos financeiros, riscos operacionais e
Cultura da mensuração (eficiência, eficácia e riscos legais e sua gestão segue procedimentos
Foco em Resultados efetividade) visando o alcance dos objetivos fundamentados na norma AS/NZS 4360:2004 e nos
institucionais. Critérios Gerais de Controle Interno na Administração
Integridade e Probidade Atuação ética isenta e imparcial.
Respeito Convivência harmônica e colaborativa
Pública (TCU/SAPP/Diretoria de Métodos e Procedimentos
Capacidade de atender com celeridade a de Controle – 17.07.2009).
Agilidade
demandas
Critérios claros para a tomada de decisão,
1.1.C.1. Principais riscos assumidos pela AAdm
Transparência
compartilhamento das informações Face às incertezas inerentes à Missão e às estratégias do
disponíveis e comunicação ágil em todos os Inmetro, os principais riscos assumidos pela AAdm são
níveis.
Postura Inovadora Atitude de buscar novas soluções factíveis.
apresentados na fig. 1.1.C.1., com tipos e práticas de
Busca permanente do estado da arte das identificação, análise e tratamento (ou em quais itens do
Excelência atividades desenvolvidas para fazer frente RG elas são apresentadas).
aos novos desafios.
Simplicidade Abertura para aceitar críticas e aprender com 1.1.C.2. Avaliação dos riscos
os próprios erros.
Figura 1.1.B.1. Valores e princípios organizacionais O permanente monitoramento dos fatores considerados
críticos para a avaliação de riscos é feito por meio dos
1.1.C. Riscos organizacionais
seguintes indicadores e informações qualitativas:
A identificação e a classificação dos riscos organizacionais índice de credibilidade na pesquisa anual junto à
mais significativos à melhor consecução dos objetivos população;
estratégicos, à governabilidade corporativa e ao índice de satisfação dos serviços na pesquisa junto a
cumprimento da Missão institucional, ocorrem: clientes;
nas revisões do planejamento estratégico (matriz FOFA, desempenho no contrato de gestão segundo a avaliação
como forças e fraquezas relevantes) e ao longo da sua semestral por comissão específica;
execução; índice de alinhamento dos regulamentos técnicos com
por meio do monitoramento dos ambientes externos e normas internacionais;
interno; total de prêmios pagos por apólice de seguro;
nas auditorias internas e externas (como não índice de execução orçamentária;
conformidades com requisitos de gestão);
patrimônio líquido;

14
crescimento da receita total; 1.1.D. Prestação de contas da AAdm
inscrições em dívida ativa (redução da inadimplência); O Programa de Metrologia, Qualidade e Avaliação da
avaliação e tratamento de notícias com impacto na Conformidade (inserido no PPA) é objeto de relatórios
imagem institucional; mensais submetidos ao MDIC e ao MP, para orientar,
recomendações de relatórios das auditorias interna e inclusive, a alocação dos recursos orçamentários
externa nos órgãos delegados; necessários à consecução das atividades a cargo da
relatórios oriundos da supervisão do mercado, cobrindo Instituição. Os indicadores desse Programa (Taxa de
os produtos e serviços, sob controle metrológico e com Reconhecimento do Inmetro e Taxa de Credibilidade do
conformidade avaliada Inmetro Junto à População) estão disponibilizados no
relatos e informações oriundos da Aspar - Assessoria sistema específico do governo SIGPLAN, com
Parlamentar. acompanhamento trimestral pelo MP. As metas de
Análise e Tratamento desempenho ali explicitadas são, igualmente, objetos da
Classificação Tipos avaliação crítica procedida pela AAdm
(Principais Práticas)
Insuficiência de recursos Por meio do Contrato de Gestão são estabelecidas ações
Financeiros orçamentários; Redução 7.3.C.1 a serem encetadas e metas a serem alcançadas, dentro
da receita própria.
Conflitos regulatórios
das políticas de governo, em especial a PDP e as de
produzidos por proteção ao cidadão, incorporadas ao PEI. Relatórios
regulamentos aprovados semestrais são instrumentos básicos para as reuniões do
sem suficiente divulgação CAA - Comitê de Acompanhamento e Avaliação do
ou discussão junto às
partes interessadas ou
Painéis Setoriais, Contrato de Gestão, na verificação do cumprimento das
Reuniões ou pesquisas metas dos indicadores ali pactuados, os quais refletem o
sem a devida avaliação do
específicas com setores
impacto regulatório, em
interessados; Consultas
desempenho global da Instituição, segundo as atribuições
vários aspectos, como que lhe são cometidas pelo Governo. Relatório anual
Públicas.
repercussão social, usos e
costumes, níveis de
emitido pela Dplad, com envolvimento de todas as UP,
periculosidade, incluindo parecer da Audin sobre a regularidade da
estatísticas de acidentes aplicação dos recursos e alcance das metas e objetivos
de consumo, etc. institucionais é encaminhado ao MP, aos órgãos de
Prejuízos à imagem e Atuação da Assessoria de
credibilidade institucional. Imprensa e da Aspar.
controle externo e ministérios e disponibilizado no sítio do
Auditorias da Cgcre, Inmetro na internet. A Audin emite relatórios das
Atuação irregular de Audin e SGQI; Atuação da auditorias internas que realiza, conforme programa anual e
organismos acreditados, Cored, Câmaras Setoriais padrão NIG-Audin-001, os quais são encaminhados aos
designados ou delegados; da RBMLQ-I; Denúncia de órgãos de controle externo. Essas auditorias verificam a
descumprimento de convênios no CAUC;
contratos em geral de Atuação dos fiscais e conformidade dos atos praticados com as normas
prestação de serviços e gerentes de contratos (art. vigentes, dos procedimentos orçamentários, contábeis,
fornecimento de 67 da lei 8666); aplicação financeiros, patrimoniais e de recursos humanos, assim
equipamentos e materiais. de penalidades;
Operacionais como a adequação entre os meios empregados e os
publicação no DOU.
Descontinuidade de resultados alcançados, cobrindo todas as unidades
atividades; Deficiências organizacionais. A Audin coordena a realização de
7.1.B, 7.1.D, 7.1.E;
em instalações;
4.1.A,4.1.D; auditoria conjunta nos órgãos da RBMLQ-I, incluindo,
Problemas ambientais; neste caso, técnicos da Dimel, da Dqual e da Profe, para
5.1.G.
Processamento de
informações. verificação, nos termos das cláusulas conveniadas, da
Atuação do Sesao, perfeita execução das atividades técnicas delegadas. Os
atuação do GIPA, atuação relatórios dos órgãos da RBMLQ-I são igualmente
da Brigada de Incêndio. encaminhados aos órgãos de controle externo e às
Há apólices de seguro
contratadas com a
autoridades estaduais ou municipais às quais aqueles se
Companhia de Seguros vinculam. Um dos principais instrumentos para a avaliação
Acidentes, Saúde
Aliança do Brasil (Riscos do desempenho institucional é a verificação da
Nomeados e regularidade da gestão em relação à legislação, que se
ocupacional e Segurança.
Operacionais) e com a
ACE Seguradora
processa por meio das auditorias feitas pela CGU, cujo
(Responsabilidade Civil e parecer é submetido ao TCU para aprovação final.
Profissional). Os valores Um resumo dos principais instrumentos de prestação de
dos prêmios atingem o conta utilizados está apresentado na fig. 1.1.D.1.
montante anual de R$
430.343,06. Controle das práticas de gestão
Plano de Carreira e
Evasão de Talentos Cargos e Salários As principais práticas de gestão relativas à Governança
Atualizados Pública e Governabilidade, com padrões de trabalho,
Atuação da Assessoria métodos de controle, aplicação e responsáveis estão
Parlamentar, atuação da apresentadas na fig. 1.0., que evidencia aspectos de
Projetos de lei em
Profe. Contínua
tramitação no Congresso disseminação, integração e continuidade.
manutenção da legislação
propondo alterações
pertinente (balizadores);
Legais
impactantes na legislação
Análise de processos em
Aprendizado
do Inmetro ou
questionando as suas
grau de recurso, A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões
identificação de de trabalho é realizada de acordo com a metodologia geral
competências. Decisões
vulnerabilidades,
judiciais contrárias
alteração de de aprendizado, descrita em 1.2.G.. A fig. 1.1.D.3 destaca
procedimentos; exemplos de inovações ou melhorias introduzidas nos
Figura 1.1.C.1. Principais riscos assumidos pela AAdm últimos anos nas práticas de gestão relativas a
15
Governança Pública e Governabilidade.
Continuidade
Instrumento Órgão Recebedor Periodicidade Observação
(desde)
Relatório de Auditoria, Certificado e Parecer
TCU, CGU Anual Permanente Prática regimental
do Dirigente do Controle Interno
Relatório de Atividades MDIC/Casa Civil Anual Permanente Conforme IN/SFC/MF nº 2
Relatório de Atividades Todas as partes interessadas Quadrienal 2000
Relatório de Resultados Alcançados no
MDIC, MP e MF Semestral 2000
Contrato de Gestão
Relatório do Comitê de Acompanhamento e
MDIC, MP e MF Semestral 2003
Avaliação do Contrato de Gestão
Relatório de Gestão do PQGF A cada ciclo de
MDIC 1998 Quando participante
premiação
Relatório de Atividades do PMQI MDIC, MP Mensal Permanente
Relatórios de Auditoria Interna TCU, CGU Anual Permanente Conforme NIG-Audin-001
Figura 1.1.D.1. Instrumentos de prestação de conta do Inmetro
1.2. Exercício da liderança e promoção da cultura de indicado em 2.1.. A adoção da nova estrutura
excelência organizacional, a partir de 2006, permitiu um tratamento
A liderança é exercida pelo Presidente, pelos diretores e mais adequado às políticas públicas referentes a temas
pelos coordenadores gerais das UP, que constituem a portadores de futuro. Destaque-se o desenvolvimento nas
AAdm O sistema atual de liderança é resultado de áreas de metrologia química e de materiais,
aprimoramento promovido em 2006, por meio de ação nanotecnologia, telecomunicações, biocombustíveis e
direta do Presidente junto ao MDIC, MP e Casa Civil da responsabilidade social.
Presidência da República, que redundou na edição do A nova estrutura apresentou nos últimos três anos
Decreto nº. 6.275/2007, aprovando a nova estrutura importantes ganhos no reconhecimento da excelência
regimental do Inmetro, que contempla apenas dois níveis técnica e de gestão, com a designação do Inmetro (dentro
decisórios – a AAdm e as Chefias de Divisão, o que, aliado do acordo de cooperação entre os governos dos Estados
a uma postura efetiva de descentralização, com autonomia Unidos e do Brasil) para desenvolver, em parceria com o
administrativa a todo o corpo gerencial, confere agilidade Nist, estudos sobre aspectos técnicos e padrões
ao processo decisório, sua disseminação e metrológicos reconhecidos internacionalmente para os
implementação. biocombustíveis. Em visita ao campus de Xerém, em
18.09.2009, o Ministro de Assuntos Estratégicos declarou
Principais Inovações e Melhorias Implementadas
Nova estrutura regimental transformando a Instituição em referência que o arranjo institucional do Inmetro na Administração
científica, pólo de atração em pesquisa, desenvolvimento, tecnologia e Pública é exemplar e um modelo que merece ser adaptado
inovação - (2006) a outras instituições do Estado Brasileiro.O Governo
Criação e implementação da Codrh, com a missão de dimensionar Federal, reconhecendo a importância da Instituição na
estrategicamente o corpo funcional para as demandas imediatas e de
futuro, especialmente nas áreas de metrologia química, materiais, instrumentalização e operacionalização de suas diretrizes
nanotecnologia, telecomunicações e biocombustíveis - (2006). políticas e programas prioritários para o desenvolvimento
Criação e implementação do Siadi – (2007) social e econômico do País, inclui anualmente na
Contratação por meio de concurso público, com objetivo de preencher, mensagem encaminhada ao Congresso Nacional pelo
até 2009, um total de 638 novas vagas. (2007 a 2009)
Presidente da República, na abertura dos trabalhos
Redução dos totais de constatações (32 para 15) e de recomendações
(90 para 23) feitas nas auditorias anuais da CGU. (2008 a 2009) legislativos, as principais ações desenvolvidas pelo
Identificação, classificação, análise e tratamento de riscos fundamentada Inmetro. A mensagem de 2010 foi divulgada pelo sítio
em norma internacional - (2009). http://www.secom.gov.br/sobre-a-
Figura 1.1.D.3. Evidências de aprendizado nas práticas de gestão secom/publicacoes/index_html/mensagem-ao-congresso-
relativas à governança e governabilidade
nacional-2010 e reservou expressivo destaque às
1.2.A. Disseminação de princípios e valores da atividades da Instituição.
administração pública e diretrizes de governo
1.2.B. Atuação pessoal da AAdm
Os princípios e valores da administração pública e as
diretrizes de governo são internalizados e disseminados na A AAdm participa pessoalmente e incentiva a participação
Instituição pelo cumprimento da legislação aplicável e pela dos servidores e colaboradores no processo de
transparência da atuação balizada pelo Regimento Interno, planejamento estratégico e na promoção de contatos
pelo Código de Ética e pelo MQI. O modelo de gestão leva institucionais, de nível nacional e internacional, o que dá
em consideração os princípios constitucionais da origem a parcerias, acordos, convênios, memorandos de
administração pública (legalidade, impessoalidade, entendimento e novas oportunidades de desenvolvimento,
moralidade, publicidade e eficiência) e os fundamentos da estimulando a geração de projetos inovadores e de
excelência gerencial (MEGP). Tais postulados são melhoria nas atividades. A participação pessoal da AAdm
incorporados aos Macroprocessos e Processos se destaca nas ações desenvolvidas com as áreas de
Organizacionais, em todos os níveis executivos, sob governo, tais como ministérios e agências controladoras;
responsabilidade da AAdm e disseminados por toda a nas votações do Congresso Nacional de matérias de
força de trabalho. A fig. 1.2.A.1 explicita práticas utilizadas interesse institucional (destaque para a recente atualização
na disseminação dos valores e diretrizes da administração monetária das taxas de serviços metrológicos, redundando
pública. Evidenciando respeito e fiel observância à em melhoria da receita própria); nas reuniões do Conmetro
governança pública, o Projeto Institucional da Organização e de seus comitês assessores e outros fóruns técnicos no
é coerente com as diretrizes governamentais, as políticas País. Fora do País, cabe mencionar a atuação institucional
públicas, os programas de governo e as necessidades das (através dos integrantes da AAdm) como representante do
partes interessadas, observadas que são no processo da Brasil no CIPM, no BIPM e na OIML e como ponto focal
formulação e do desdobramento das estratégias, como brasileiro no acordo de barreiras técnicas da OMC. Essa
16
constante articulação e o monitoramento do ambiente um dos mecanismos importantes na busca e consolidação
externo ensejam novos projetos que ampliam de novas oportunidades e melhorias para a Instituição.
continuamente o campo de atuação. Essa ampliação é Exemplo disso foi à visita do Presidente Luis Inácio Lula da
demonstrada pelo crescimento da receita própria de R$ Silva (campus de Xerém - 2006) que oportunizou, sob a
140 milhões para R$ 330 milhões, no período 2007-2009. condução da AAdm e a participação de todo o corpo
A atuação pessoal da AAdm, na promoção de eventos de funcional, a construção de um novo plano de carreiras e
valor agregado, visitando e recebendo autoridades dos cargos para o Inmetro. A fig. 1.2.B.1 relaciona as
poderes constituídos e demais partes interessadas, nas iniciativas e ações relevantes, disseminadas para todos os
pessoas de seus legítimos e destacados interlocutores, é níveis gerenciais.
Continuidade
Instrumento/Prática Forma de Disseminação e Internalização Método de Controle Responsável
(desde)
Contrato de Gestão com Negociação e cumprimento das metas pactuadas no Reuniões de Diretoria e
1998 AAdm
MDIC contrato de Coordenação das UP
Divulgação direta em rede de informações e diretrizes via
Intranet Secom-GF 1997 Secom-GF
Intranet ou via links com MDIC, Rede Governo e portais
Palestras de especialistas
Palestras promovidas pela Instituição para informação
do Governo Federal (MP, Relatório do evento 2005 AAdm
sobre políticas e diretrizes públicas às pessoas
MDIC, TCU)
Participação do Inmetro no Relatórios de Gestão e
Participação corporativa no PQGF 1998 AAdm
Gespública de Avaliação
Protocolo de Cooperação
Desenvolvimento conjunto de atividades e projetos de Relatório de atividades e
Mútua com MP, MDIC e 2009 AAdm
melhoria e inovação na gestão dos serviços públicos projetos
MBC
Visitas de ministros de Relatos das visitas
estado, altos funcionários recebidas com base na
Contato pessoal da força de trabalho com os visitantes 1998 AAdm
do Governo Federal e manifestação dos
parlamentares ao Inmetro visitantes.
Figura 1.2.A.1. Formas de disseminação e internalização de valores e princípios da administração pública e das diretrizes de governo.

Continuidade
Estratégia de Atuação Meio/Iniciativa / Ação Específica Objetivos
(desde)
Acompanhamento junto ao Congresso Nacional das matérias
Criação da Aspar - Assessoria
de interesse do Inmetro e relacionamento direto com os 2000
Parlamentar
parlamentares.
Abertura de canais de Diretrizes estratégicas para metrologia e avaliação da
Comitês do Conmetro, SBM,
relacionamento direto com as conformidade e planos de regulamentação; prospecção de 2001
Painéis Setoriais,
partes interessadas novas áreas de atuação; evolução dos serviços prestados.
Visitas a e de parlamentares e
Fortalecer a robustez política do Inmetro, neutralizando
autoridades do Executivo Federal, 2003
ameaças e alavancando oportunidades.
Estadual e Municipal
Criação das Divisões de Metrologia Expansão das atividades do Inmetro nestas áreas, incluindo a
2003
Química e de Materiais na Dimci produção de materiais de referência.
Para apoio à PDP, por meio da inovação, do desenvolvimento
Criação da Ditec – Diretoria de
Adequação da estrutura tecnológico e da mensuração dos impactos econômicos e
Inovação e Tecnologia
regimental do Inmetro sociais das atividades do Inmetro.
2006
Para apoio a programas de governo nas áreas de
Criação da Dipro – Diretoria de
biocombustíveis, metrologia na saúde e outros projetos de
Programa
relevância para as políticas governamental e institucional.
Intercâmbio com instituições
Convênios e visitas técnicas Cooperação técnica e projetos conjuntos. Permanente
estrangeiras e internacionais
Presença nas votações no Atualização das taxas metrológicas;
Congresso Nacional das Novos serviços de calibração
Otimizar recursos e expandir atuação institucional. 2008
matérias de interesse regulamentados (ex. cronotacógra-
institucional fos)
Otimizar recursos
orçamentários como forma de Reduzir valor das diárias Aumentar contingente de pessoal qualificado nas missões ao
2008
aumentar o intercâmbio com o internacionais (Decreto nº 6548/08) exterior.
exterior
Diretriz para todas UP visando
esforço voltado à captação de Disseminar contatos com fundos Otimizar recursos provenientes de fontes externas para
2008
recursos por meio de fundos setoriais por todas as UP financiamento de projetos.
setoriais
Figura 1.2.B.1. Atuação pessoal da AAdm na busca de novas oportunidades
A AAdm, conforme descrito no MQI e nos manuais da institucional que confere maior grau de autonomia
qualidade das UP, busca a participação de seus parceiros, administrativa e financeira; e a criação dos comitês
força de trabalho, fornecedores, usuários, cidadãos e assessores do Conmetro. O comprometimento da AAdm
segmentos da sociedade na discussão de temas está evidenciado pela participação pessoal nos eventos
relevantes e estratégicos, visando promover o mencionados na fig. 1.1.A.3. e sua promoção pelas
comprometimento com as partes interessadas, estimular a práticas mostradas na fig. 1.2.B.2.
sua participação na formulação estratégica e discutir o
1.2.C. Disseminação dos princípios e valores
atendimento de suas necessidades. Exemplos dessa
organizacionais
postura são: o desenvolvimento dos ciclos de
planejamento estratégico; a adoção do Contrato de Os Princípios e os Valores organizacionais são
Gestão; a designação da Instituição, por meio do Decreto disseminados e internalizados, desde 2001, por meio de
2488/1998, como Agência Executiva, novo modelo campanha de divulgação interna, banners, Intranet,
editoriais e mensagens estimuladoras da presidência no
17
“Na Medida”, das reuniões de coordenação das UP e das desdobramento das estratégias e na elaboração
UO e das reuniões de avaliação de desempenho. As orçamentária são formas de garantir o entendimento e a
metodologias utilizadas na formulação e no aplicação de princípios, valores e diretrizes.
Partes Interessadas Práticas de Promoção Objetivos Específicos
Poder Executivo Federal, Poder Contrato de Gestão (desde 1998); PEI (desde Demonstrar a coerência e permitir o controle das ações
Legislativo Federal, Poder Judiciário 1991), reuniões do Conmetro (desde1983); do Inmetro em relação às diretrizes estratégicas do
Federal, Poderes Legislativos atuação da Assessoria Parlamentar; visitas das Governo e demandas do Congresso Nacional;
Estaduais e Municipais, Agências partes interessadas ao Inmetro. fortalecer integração com partes interessadas.
Controladoras
Reuniões com os diretores (desde 1995); “Café Reforço da Missão, dos valores institucionais e
10” (desde 2005); “Linha Direta” (comunicação comprometimento com objetivos estratégicos e com o
Força de trabalho direta com o Presidente, desde 2004); canal atendimento às necessidades das demais partes
interno da Ouvidoria (desde 2004); workshops do interessadas; apresentação de idéias, sugestões e
PEI; “Comunica”; “Na Medida”; opiniões.
Reuniões do Conmetro e de seus comitês Articulação estratégica e participação na formulação de
Sociedade em geral, cidadãos- assessores (desde 1988); atuação da Ouvidoria programas para atendimento de necessidades;
usuários, indústrias, comunidades, (desde 2000); pesquisas de opinião (desde 1998); satisfação e credibilidade dos serviços e atividades do
ONG, consumidores, entidades de consulta pública dos regulamentos técnicos Inmetro; aprovação da regulamentação técnica.
classe, parceiros (desde 1995); audiência pública; Painéis Setoriais
(desde 2003).
Eventos de conscientização e contatos diretos Conscientização para a Qualidade; aperfeiçoamento
com diretores e gerentes, de caráter permanente científico e tecnológico dos laboratórios do Inmetro;
Fornecedores
para avaliação de desempenho. atualização e aprimoramento de equipamentos e
materiais de uso corrente na Instituição.
Atuação no Conmetro e seus comitês assessores Articulação estratégica; atendimento das
(desde 2001); atuação nas comissões de necessidades; credibilidade das certificações;
regulamentação técnica metrológica (desde 1995); oportunidade para novas atividades; melhoria dos
Usuários
encontros anuais das empresas certificadoras serviços prestados; adoção de regulamentos técnicos
(desde 2003); Painéis Setoriais (desde 2003), compatíveis com o estágio tecnológico do mercado.
pesquisas de satisfação (desde 1998)
Figura 1.2.B.2. Práticas de promoção do comprometimento com as partes interessadas
1.2.D. Comprometimento com a cultura da excelência Promoção da Excelência
Participação no PQGF e aplicação dos seus critérios ao modelo de
A AAdm procura promover e desenvolver um ambiente gestão, desde 1998
propício à excelência e ao aprendizado, mobilizando e Metas do Contrato de Gestão com o MDIC, desde 1998
incentivando o comprometimento de todas as pessoas com Implantação do SGQI com modelamento pela NBR ISO 9001:2000,
a excelência. Dessa maneira, enquanto as mensagens e desde 2000
Programas de intercâmbio tecnológico internacional, desde a criação
os pronunciamentos do Presidente promovem um pensar
Participação em fóruns internacionais e relatos de disseminação dos
estimulado sobre as atividades e as conquistas da resultados, desde a criação
Organização, esta garante, de forma corporativa: Pesquisas de opinião/satisfação, desde 1998
o apoio permanente para a participação em ciclos de Reuniões do Presidente com diretores e gerentes, desde 2002
premiação específicos, em especial o PQGF desde o Realização de colóquios científicos, desde 2003
Promoção de congressos internacionais, desde 1997
primeiro ciclo – o Inmetro foi reconhecido nas faixas ouro
Participação em intercomparações internacionais, desde a criação
(em 2000) e prata (em 1998, 2004, 2005 e 2007) – Sistemas informatizados de gestão, desde 1996
evidenciando o esforço constante em direção à Participação com premiação nos Concursos de Inovação na Gestão
excelência; Pública Federal (2004 e 2009)
a atuação e o exemplo das lideranças na disseminação e Auditorias externas anuais, desde 2001 (Ilac, EA e IAF)
Implementação de metodologia própria de benchmarking com 3 estudos
acompanhamento da aplicação das diretrizes pilotos em andamento e sistema gerencial informatizado (2009)
institucionais; Figura 1.2.D.1. Instrumentos e ações para promoção da excelência e
as pesquisas de clima organizacional. incentivo ao comprometimento
Além de uma unidade corporativa, que coordena o 1.2.E. Avaliação e desenvolvimento de líderes
processo da qualidade na Instituição, todas as UP contam
Em 2007, foi implementado o processo de Avaliação do
com seu próprio coordenador da qualidade, assessorando
Desempenho Individual, instituído em conjunto com o
seu diretor ou coordenador e a equipe gerencial. São
Plano de Carreiras e Cargos (Lei nº 11355/2006). Conta
evidências de busca da excelência, os resultados de
com a participação de 9 avaliadores externos e 8
pesquisas mostrando o reconhecimento público pelo
avaliadores internos) todos escolhidos entre doutores,
trabalho do Inmetro, o reconhecimento internacional de
pesquisadores, professores, psicólogos, especialistas em
suas atividades, premiações específicas recebidas por
RH e executivos de alto nível. O processo é inovador no
inovações introduzidas na gestão (Concurso Inovação na
serviço público brasileiro e se vincula fortemente com o
Gestão Pública Federal, em 2004 e 2009, Prêmio Nacional
sistema de remuneração dos servidores. Acumula uma
de Qualidade de Vida (ABQV), em 2006, e o Prêmio Global
série de informações não apenas sobre cada servidor,
Excellence in Workflow, em 2009. A recente renovação do
como sobre equipes, processos de trabalho e o conjunto
Contrato de Gestão, com nota máxima na avaliação
de cada UP. Cada servidor deve elaborar um plano de
anterior, assim como a repetida presença da marca
trabalho com as atividades e projetos que irá desenvolver
Inmetro na publicação Superbrands (terceira vez
no período, de forma a integrar as atividades que ele
consecutiva em 2009) são incentivos ao comprometimento
desempenha ao trabalho da equipe à qual pertence. Os
com a cultura da excelência.
resultados finais devem estar alinhados aos objetivos
1.2.D.1. Promoção da excelência estratégicos da Instituição.
A fig. 1.2.D.1. apresenta as principais ações empreendidas Entre 2002 e 2008, cerca de 100 servidores de diversas
para promover a excelência. UP foram qualificados pelo Programa de Mestrado
Profissional em Sistemas de Gestão, realizado em parceria
18
com a UFF. Em 2008, a Capes aprovou a criação do curso De gestão – gestão da mudança e articulação
de Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade, que organizacional;
começou a funcionar em 2009 no campus laboratorial de Técnicas (ferramentas de gestão) - gestão de processos
Xerém. Já entre 2004 e 2008, foi desenvolvido o Programa e indicadores, gestão de projetos e planejamento com
de Capacitação Científica e Tecnológica para Metrologia BSC.
(Prometro), em parceria com o CNPq e financiado com
recursos próprios (R$ 11,3 milhões). Outros programas de 1.2.E.2. Identificação dos potenciais líderes
capacitação e requalificação foram realizados para as Os colaboradores com potencial de liderança são
áreas no período 2008-2009, totalizando recursos da identificados por ocasião dos ciclos da Avaliação do
ordem de R$ 1,2 milhão. Desempenho Individual, no desenvolvimento do PDG e
Desenvolvido em 2008 e iniciado em 2009, em parceria dos outros programas de capacitação e qualificação e por
com a ENAP e com o apoio da Secretaria de Recursos meio de acompanhamento, pela AAdm e pela equipe
Humanos do MP, o Programa de Desenvolvimento gerencial, das atividades diárias desenvolvidas pelas
Gerencial (PDG) está capacitando inicialmente 125 pessoas. O Programa “Inmetro de Depois de Amanhã” tem
servidores que desempenham cargos gerenciais, por meio como objetivos alocar novos servidores em 17 projetos
de um curso de capacitação de 36 meses, tendo como corporativos com foco em resultados mais ágeis e efetivos,
foco o desenvolvimento de competências específicas e desafiar e estimular o potencial criativo e de envolvimento
desejadas para garantir o cumprimento da Missão. Trata- dos novos servidores, atrair e reter novos potenciais,
se de programa criado internamente, a partir de demandas captar e desenvolver profissionais de potencial para o
oriundas da Instituição, e conta com orçamento da ordem futuro aproveitamento em posições estratégicas. Uma vez
de R$ 350 mil. São objetivos do PDG: identificados como líderes potenciais, os colaboradores
Desenvolver lideranças estratégicas, potencialidades podem ser designados para coordenar, em caráter
para crescimento pessoal e postura gerencial; temporário, atividades rotineiras com as quais já estejam
Qualificação de gerentes para identificar motivações e familiarizados ou mesmo, a critério da Diretoria
impactos de suas ações, entendendo seu papel nas competente, assumir processos mais complexos.
relações humanas na Organização, e para aliar 1.2.F. Implementação do sistema de gestão
conceitos e práticas;
O sistema de gestão é implementado pela AAdm tendo
Ampliação da capacidade para analisar e compreender a
como referências:
dinâmica da ação gerencial na mudança e do seu
a legislação brasileira, em especial a Lei n° 5966/1973;
contexto;
documentos norteadores, como o Regimento Interno, o
Estímulo ao compartilhamento permanente de
Código de Ética, a Missão, os Objetivos Estratégicos, os
conhecimentos, experiências e práticas de
aprimoramento da gestão; Valores Institucionais, o Contrato de Gestão e as
deliberações do Conmetro;
Criação de espaço para o debate e o intercâmbio de
experiências sobre abordagens inovadoras dos temas de guias, normas e recomendações internacionais
aplicáveis, como Normas ISO e Recomendações IAF,
gestão;
OIML, OMC, Ilac, entre outros;
Domínio das ferramentas gerenciais que estimulam o
recomendações de auditorias externas e de avaliações
desenvolvimento da efetividade organizacional.
regulares da gestão (PQGF, avaliação do Contrato de
O Projeto Perfil é um mapeamento feito entre os servidores
Gestão, auditorias de organismos internacionais);
com o levantamento de currículos e áreas de interesse
profissional, da integração das informações da Plataforma recomendações de consultorias especializadas em
Lattes e do Siorg. Trata-se de instrumento importante para projetos de introdução de ferramentas de gestão
identificar servidores capacitados a atuar em novas frentes promotoras de mudanças;
de trabalho que venham a ser abertas. outros documentos legais e regulamentares;
novas abordagens provenientes de experimentos
1.2.E.1. Competências desejadas exitosos em gestão ou de referenciais de outras
O PDG foi estruturado e implementado com base em organizações.
diretrizes estabelecidas pela Dplad e que resultaram numa
1.2.F.1. Estabelecimento dos padrões de trabalho
pesquisa de competências. Essa pesquisa apontou para a
necessidade de desenvolvimento de competências Os padrões de trabalho são estabelecidos de acordo com
classificadas em intrapessoais, interpessoais, de gestão e a NIG-Digeq-002, segundo a metodologia de elaboração
técnicas. Entre essas competências, foram priorizadas as esquematizada na fig. 1.2.F.1. São revistos sempre que no
seguintes, como foco do programa: Intrapessoais – planejamento, desenvolvimento ou execução de uma
autoconhecimento e flexibilidade; atividade, seja observada a necessidade de sua melhoria
Interpessoais – liderança e relacionamento interpessoal; no controle, na padronização ou na disseminação.
Novo Padrão ou Revisão de Existente Elaboração e Avaliação Aprovação Implantação Verificação

Figura 1.2.F.1. Metodologia de elaboração dos padrões de trabalho


A verificação do cumprimento dos padrões, de forma responsabilidade dos setores usuários, que trabalham o
global, é mostrada na fig. 1.2.F.2., obedecendo, quanto ao seu aprendizado por meio do processo de análise,
sistema da qualidade, a hierarquia e a estrutura aprovação, implantação e verificação de seus documentos.
documental mostradas nas fig. 1.2.F.3. e 1.2.F.4.. As normas, documentos, formulários e modelos são
Cada Macroprocesso possui um conjunto de atos submetidos a toda a força de trabalho, em consulta
normativos. A elaboração dos padrões de trabalho é de veiculada pela Intranet, para críticas e sugestões antes de
19
sua aprovação final. Todos esses documentos são de serviços aos usuários (por exemplo, serviços de
explicados e disponibilizados no Sidoq, com amplo acesso Acreditação) são divulgados por intermédio do sítio, na
por todos os servidores e colaboradores. Alguns Internet.
documentos que impactam diretamente no fornecimento
Práticas Padrões Controle Responsáveis
Regimento Interno, MQI, relatórios dos comitês e Reuniões para acompanhamento da implementação
Relativas à grupos Internos, portarias, Ordens de Serviço, do PEI; reuniões de avaliação do Contrato de AAdm, Presi, diretores e
Liderança comunicações no Boletim Interno, comunicações Gestão; participação no PQGF, reuniões de análise coordenadores das UP.
via intranet e normas internas. crítica do SGQI
Relativas a Matriz FOFA do PEI, Contrato de Gestão, políticas Monitoramento dos indicadores e metas nas reuniões Presi, Dplad, diretores e
Estratégias e e diretrizes governamentais, resoluções e diretrizes de diretoria e de coordenação das UP; relatórios de coordenadores das UP
Planos do Conmetro acompanhamento das metas no Sicap e no Planest. e gerentes das UO.
Pesquisa de satisfação com os cidadãos-usuários; Monitoramento dos resultados das pesquisas, com Presi, Dplad, diretores,
Relativas a
consulta pública dos regulamentos técnicos; ações de causa e efeito; tratamento das coordenadores e
Cidadãos
Ouvidoria. reclamações, consultas e denúncias. Ouvidoria.
Pesquisa de satisfação com os cidadãos-usuários; Monitoramento dos resultados das pesquisas, com Presi, Dplad, diretores,
Relativas à
consulta pública dos regulamentos técnicos; ações de causa e efeito; tratamento das coordenadores e
Sociedade
Ouvidoria. reclamações, consultas e denúncias. Ouvidoria.
Sistemas; PDTI; MQ/UP; normas; relatórios de Reuniões de análise crítica; reuniões dos Diraf, Dplad e demais
Relativas a
viagens; fóruns, seminários, visitas técnicas; RG de coordenadores da Qualidade; monitoramento das diretores,
Informações e
vencedores do PQGF; RA do PQGF de anos ações, projetos e planos de melhoria; relatórios de coordenadores e
Conhecimento
anteriores. visitas técnicas e intercomparações. gerentes.
Legislação; Código do servidor; Regimento Interno;
Relativas a Código de Ética; pesquisa de clima organizacional; Índices da pesquisa de clima organizacional; Diraf, Comissão de
Pessoas MQ/UP, normas internas; Diretrizes de Gestão de verificação de aprendizagem a cada treinamento. Ética, Dplad.
Pessoas; Política de SSMA.
Legislação, resoluções do Conmetro, regulamentos Dplad, diretores,
Relativas a Auditorias internas da Audin; auditorias internas do
técnicos, MQ/UP, normas internas e Política da coordenadores e
Processos SGQI; pesquisas com usuários dos serviços.
Qualidade. gerentes.
Figura 1.2.F.2. Padrões de trabalho e controle global
Descrição Hierarquia
MQI – Manual da Qualidade do Inmetro
MQ/UP – Manual da Qualidade das UP
MQ/UO – Manual Operacional da UO
NIG-Digeq – Norma Inmetro Geral do Sistema da Qualidade
NIG – Norma Inmetro Geral
NIE – Norma Inmetro Específica
NIT – Norma Inmetro Técnica
DOQ – Documento da Qualidade
FOR – Formulários
MOD – Modelos (*)
RQ – Registros da Qualidade
(*) Documentos genéricos tais como, ofícios, portarias, ordens de serviço, relatórios de ensaio e atas de reunião com deliber ações da liderança
estabelecem padrões de trabalho, observando, para a sua edição, os MOD e FOR da estrutura documental do sistema da qualidade.
Figura 1.2.F.3. Hierarquia e estrutura documental do sistema da qualidade
1.2.F.2. Garantia de recursos Escopo
Padrão de
Descrição
Trabalho
A AAdm, atenta as suas atribuições regimentais, atua junto Diretrizes MQI Manual da Qualidade do Inmetro
aos organismos do Poder Executivo (MDIC, MP, Casa Civil NIG-Digeq-001 Apresentação das normas Inmetro
da Presidência da República, CNPq), por intermédio de NIG-Digeq-002
Elaboração, aprovação e
contatos pessoais do Presidente e dos diretores da Diraf e Documentação cancelamento de norma Inmetro
Distribuição e controle da
da Dplad (usando argumentos fundamentados em projetos NIG-Digeq -003
documentação do SGQI
consistentes e apoiados por efetiva execução desses NIG-Digeq -004 Produto não conforme
projetos), para a obtenção e provisão de recursos Não conformidade de terceiros ou
NIG-Digeq -005
orçamentários, financeiros e humanos, necessários à Gestão
constatação eventual
melhoria do sistema de gestão, da infra-estrutura de NIG-Digeq -006 Auditoria interna da qualidade
NIG-Digeq -007 Ações preventivas
trabalho e da comunicação interna e externa da Instituição. NIG-Digeq -008 Análise crítica do SGQI
Recursos de outras fontes são resultantes de: Apresentação, elaboração, aprovação
NIG-Digeq -009
contatos pessoais da AAdm voltados à captação de e cancelamento de formulário
recursos adicionais junto a fundos setoriais de fomento Apresentação, elaboração, aprovação
NIG-Digeq -010 e cancelamento de documento da
tecnológico, organismos internacionais e autoridades
Documentação qualidade
governamentais; Alimentação e atualização da base de
NIG-Digeq -012
esforço especial dos gerentes e outros gestores, documentos do SGQI no Sidoq
seguindo diretriz da AAdm, visando captar recursos de NIG-Digeq -013
Apresentação, elaboração, aprovação
fundos setoriais destinados a projetos de sua e cancelamento de modelo
Figura 1.2.F.4. Documentos normativos básicos do SGQI
responsabilidade;
atuação da AAdm junto ao Poder Legislativo Federal, por por iniciativa da AAdm, a visita de parlamentares,
intermédio de contatos pessoais em conjunto com a gestores públicos e outras autoridades às instalações
Assessoria Parlamentar (Aspar), buscando reforçar, com laboratoriais do Inmetro, para melhor conhecer, e assim
argumentos fundamentados, os projetos de lei que entender, a necessidade de recursos demandados pela
significam recursos importantes para o fortalecimento Instituição;
institucional e demais temas de interesse; a AAdm atua nos fóruns nacionais e internacionais de
que participa, buscando oportunidades para viabilizar
20
novas parcerias e acordos que possam conduzir ao equipamentos laboratoriais entre 2003 e 2006 (mais de
crescimento de sua receita própria e do seu acervo de 400%) e o crescimento do orçamento organizacional entre
conhecimentos. 2006 e 2009 (60%). A fig. 1.2.F.5 apresenta os recursos
Essas práticas são consideradas no desenvolvimento dos extra-orçamentários obtidos pelo Inmetro, com execução
projetos, para identificação de fontes de recursos. Foram em 2009, fruto direto ou indireto das práticas acima
elas que permitiram prover recursos suficientes para o relatadas.
expressivo aumento dos investimentos realizados em
Origem Natureza de Despesa Fonte Total de Destaque Executado 2009 Repasse
Custeio 5.478.038,05 1.175.566,05
FNDE 0112 Iniciado em 2008
Capital 478.500,00 74.000,00
MCT Custeio 0100 45.285,00 45.285,00 2009
Custeio 782.412,00 218.837,00
FNS 0151 Iniciado em 2009
Capital 525.580,00 525.580,00
MDIC Biotecnologia Custeio 0100 200.000,00 200.000,00 2009
Finep 17.815.751,46 2.749.149,87 Iniciado em 2001
Total 25.325.566,51 4.988.417,92
Figura 1.2.F.5. Recursos adicionais extra-orçamentários e provenientes de fundos de fomento em decorrência de iniciativas da Instituição
(Fonte: Siafi).
1.2.F.3. Compromissos e padrões de atendimento relacionadas ao atendimento de informações e sugestões.
Os critérios para estabelecimento dos padrões gerais de A Ouvid está incumbida, por portaria do Presidente, de
atendimento a reclamações e denúncias dos cidadãos- implementar a “Carta de Serviços ao Cidadão” no Inmetro
usuários (especialmente consumidores e usuários de em 2010 (Decreto nº 6932/2009).
serviços) são definidos pela NIG-Ouvid-002, enquanto a A fig. 1.2.F.6 apresenta os principais padrões de
NIG-Ouvid-001 define critérios específicos para as práticas atendimento e compromissos por processos e partes
interessadas.
Processos Padrões Compromissos Básicos Principais Partes Interessadas
PBAC, RAC, NIE, Resoluções Plano Quadrienal de AC; aplicação das Fabricantes, consumidores e usuários de
AC
Conmetro, MQI, NIG resoluções do Conmetro produtos e serviços; associações de classe
ACRE NIE, Resoluções Conmetro, MQI, NIG Aplicação das resoluções do Conmetro Organismos de certificação
Poder Executivo Federal, Poder Legislativo
Regulamentos e leis internacionais, Cumprimento dos acordos internacionais
AI Federal, Empresas Importadoras e
NIE firmados
Exportadoras
Regulamentos Técnicos, Portarias,
GM NIE, Regulamentos OIML, Resoluções Aplicação das resoluções do Conmetro Fabricantes de instrumentos metrológicos;
Conmetro, MQI, NIG
Lei nº 10.973/2004 (Lei da Inovação), Incubação de projetos tecnológicos, soluções
Setor produtivo, instituições de C&T,
Decreto nº 5563/ 2005, Portarias, de inovação, parcerias com indústrias,
Inovação e instituições de ensino, empresas
Resoluções do Conmetro, MQI, NIE, identificação de necessidades e prioridades,
Tecnologia importadoras e exportadoras, associações
NIG, normas e regulamentos produção intelectual, informação tecnológica,
de classe,
nacionais e internacionais, PDTI serviços correlatos
Diretrizes e recomendações do BIPM,
PDRM intercomparações internacionais, Aplicação das resoluções do Conmetro Laboratórios da RBC e RBLE
Resoluções do Conmetro
Aplicação das clausulas dos contratos de Fornecedores de materiais, equipamentos e
Suprimento Lei nº 8666
licitação serviços
Regimento Interno, Diretrizes de Aplicação do Regimento Interno, das
Apoio Força de trabalho
Gestão de Pessoas, Siadi Diretrizes de Gestão de Pessoas, do Siadi
Figura 1.2.F.6. Principais padrões de atendimento e compromissos assumidos por processos e partes interessadas
1.2.G. Estímulo ao aprendizado Resultados das auditorias do CGU;
1.2.G.1. Metodologia utilizada Resultados de auditorias externas dos organismos
congêneres internacionais;
Resultados das auditorias internas do SGQI;
Resultados de pesquisas.
Essa metodologia admite contribuições decorrentes do
estímulo à cultura do aprendizado, fortalecida
corporativamente pelo planejamento estratégico e pelos
instrumentos e eventos que buscam incentivar o
comprometimento das pessoas com a excelência (fig.
1.2.D.1.). Propostas de inovações ou melhorias podem
surgir de outros eventos ou fóruns de discussão, ou
mesmo em decorrência de práticas típicas de ciclos de
Figura 1.2.G.1. Metodologia geral de aprendizado
controle, como análise do desempenho operacional ou de
As práticas de gestão e seus respectivos padrões de resultados de auditorias internas.
trabalho são avaliados e as inovações e melhorias são
implementadas seguindo-se uma metodologia geral de 1.2.G.2. Estímulo da força de trabalho a novas idéias,
aprendizado, como esquematizado na fig. 1.2.G.1., inovações e melhorias
contemplando um conjunto abrangente de informações, A geração de novas idéias, inovações e melhorias ocorre
em especial: de modo alinhado com o modelo de aprendizado descrito
Resultados da avaliação da banca do PQGF; em 1.2.G.1. e está disseminada para os processos em
Resultados do acompanhamento e avaliação do geral. É estimulada pelas ações e iniciativas apresentadas
Contrato de Gestão; na fig. 1.2.G.2., que promovem o trabalho em equipe, o
21
desenvolvimento de uma cultura de melhoria contínua e o e acompanhada por indicadores como trabalhos
pensamento criativo. Conforme mostrado, tais ações e publicados, publicações com avaliação internacional e
iniciativas se relacionam com objetivos específicos e publicações com avaliação nacional. A promoção do
determinados. Entre as ações apresentadas, destaca-se o comprometimento da força de trabalho com a cultura da
Banco de Produção Intelectual, reunindo publicações, excelência, como descrito em 1.2.D. reúne ações e
dissertações, teses e artigos, cuja produção é incentivada práticas que estimulam o aprendizado.
Responsável Objetivo (*)
Ação /Iniciativa Descrição
a b c d
Presença de especialistas em cursos, congressos, seminários,
reuniões técnicas, feiras de interesse e exposições; seminários
Participação de servidores
AAdm abertos para disseminar o resultado dessas viagens, com o registro X X X
em eventos internacionais
na Intranet para conhecimento de todos, e relatos em reuniões das
UP desde 2001.
Painéis com representantes de segmentos industriais e especialistas
Painéis Setoriais Ditec do Instituto, com cobertura do evento e resultados no sítio na X X
Internet, na Intranet e no “Na Medida.
Cursos oferecidos a servidores: MBA, Pós-graduação, Mestrado e
Cursos de capacitação Dplad / UP relativa Doutorado e inglês, com treinamentos disponíveis no sistema de X X X
Recursos Humanos.
Instalações para apoiar o surgimento de novos produtos e empresas
Incubadora de empresas de
Ditec de base tecnológica, agregando inovação, metrologia e qualidade; X X
Xerém
trabalhos disponíveis nos relatórios anuais.
Encontro Internacional de Evento promovido pelo Instituto, com a presença de especialistas de
Presi/Dimci X X X
Metrologia e Inovação países; anais na Biblioteca.
Evento promovido pelo Instituto, reunindo representantes da
“Escola Avançada de Instituição, pesquisadores internacionais, representantes de
Dimci X X X
Metrologia Química” universidades e institutos de pesquisa, palestras no sítio na Internet;
anais e CDs com as palestras na Biblioteca.
Encontros nacionais de organismos e laboratórios acreditados;
Enoac Cgcre X X
palestras no sítio na Internet e Biblioteca.
Produção Intelectual é a denominação dada à Produção
Bibliográfica e à Produção Técnica de autoria de técnicos,
Banco de Produção
Ditec pesquisadores e colaboradores das atividades do Inmetro. Esse X X X X
Intelectual
banco intelectual visa reunir, preservar e definir os artigos técnicos,
apresentações e trabalhos científicos do Inmetro.
Prêmio Metrologista do Ano Dimel Premiação anual, desde 2003. X X X
Sistema de divulgação interna da Dimci sobre editais de fundos de
Editais de fomento Dimci X X X X
fomento para projetos, desde 2004.
Canal para comunicação direta da força de trabalho com a
Linha Direta Gabin X X
Presidência (linhadireta@inmetro.gov.br), desde 2004.
Encontro mensal para troca de idéias da força de trabalho com a
Café 10 Gabin X X
Presidência, desde 2005.
(*) As ações assinaladas indicam atendimento aos seguintes objetivos. a) Construir ambiente de trabalho favorável à troca de informações e de
conhecimento, bem como à captação e ao desenvolvimento de inovações de processos finalísticos, de gestão e de apoio e à aplicação de novas
tecnologias. b) Propiciar condições para o desenvolvimento técnico e comportamental das pessoas. c) Incentivar o incremento dos conhecimentos e
das competências essenciais para cumprir a Missão. d) Estabelecer mecanismos modernos para armazenar os conhecimentos essenciais, permitindo
sua preservação e o acesso das pessoas.
Figura 1.2.G.2. Principais ações e iniciativas para estimular novas idéias, inovações e melhorias
1.2.G.3. Principais melhorias e inovações Aprendizado
A fig. 1.2.G.3. apresenta as principais melhorias e A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões
inovações nos processos gerenciais implementadas nos de trabalho é realizada de acordo com a metodologia geral
últimos três anos. de aprendizado, descrita em 1.2.G. A fig. 1.2.G.5. destaca
Principais Inovações e Melhorias Implementadas exemplos de inovações ou melhorias introduzidas nos
Formação de grupos de trabalho, segundo os critérios do PQGF, para últimos anos nas práticas de gestão relativas a Exercício
elaboração do Relatório de Gestão, desde 2006. da Liderança e Promoção da Cultura da Excelência.
Edição da portaria sobre Marcas, símbolos e selos do Inmetro, desde
2006. 1.3. Análise do desempenho da organização
Automação da gestão de processo em Acreditação de Organismos de 1.3.A. Necessidades de informações comparativas
AC, desde 2007.
Automação da gestão de processo em Aprovação de Modelos, desde Conforme descrito no Perfil, a concepção organizacional
2008. do Inmetro integra áreas de conhecimento distintas. Assim,
Automação da gestão de processo em Compras, desde 2009. a maior parte das informações comparativas necessárias
Automação da gestão de processo em Aprovação de Programas de AC, aplica-se a Macroprocessos e Processos Organizacionais
desde 2009.
Programa “Inmetro de Depois de Amanhã”, desde 2009. e não à Instituição como um todo. As necessidades de
Figura 1.2.G.3. Principais melhorias e inovações nos processos informações comparativas para avaliar o desempenho são
gerenciais analisadas e definidas em: revisões do PEI; avaliações do
Controle das práticas de gestão Contrato de Gestão; análise crítica do SGQI, reuniões de
As principais práticas de gestão relativas ao Exercício da coordenação das UP; reuniões plenárias da RBMLQ-I;
Liderança e Promoção da Cultura da Excelência, com reuniões do Comitê da Qualidade; do Comitê de
padrões de trabalho, métodos de controle, aplicação e Comunicação Social; do Comitê de Gestão de TI e do GT
responsáveis estão apresentadas na fig. 1.0., que videncia Benchmarking. Os resultados de auditorias internas e
aspectos de disseminação, integração e continuidade. externas podem indicar necessidades de informações
comparativas em função das recomendações geradas.

22
Perspectivas
Principais Tipos de Informações Comparativas em 5.2, entre os quais se destaca recorrer a instituições-
Relativos a Processos Relativos a Práticas chave em metrologia e avaliação da conformidade,
Ampliar o conhecimento Práticas relacionadas
da sociedade sobre com a imagem, de
instituições públicas reconhecidas no PQGF, e outras
metrologia e avaliação da relacionamento com instituições e empresas de sucesso, públicas ou privadas.
Sustentadores,
conformidade, adequar o cidadãos-usuários,
partes
portfólio proativamente às sustentadores e outras 1.3.B. Análise do desempenho
interessadas e
demandas da sociedade, partes interessadas, de A análise de desempenho é realizada em três níveis, em
sociedade
ser um pólo de disseminação de
desenvolvimento conhecimento, de
reuniões apresentadas nas fig.s 1.1. A.1. e 1.1.A.2:
tecnológico e inovação pesquisas de opinião Estratégico/Corporativo – Reuniões da AAdm e de
Macroprocessos Integrantes dos Análise Crítica do Desempenho Global e do SGQI;
finalísticos e processos operacionais Tático – Reuniões das UP, por Macroprocesso
Inovação, organizacionais, revisão e específicos ou que
processos e do modelo de atuação sejam objetos de (conforme agendas), para análise e avaliação dos
execução focando gestão por melhoria e/ou estudos resultados do negócio e de processos específicos;
processos, aprimorar de benchmarking Operacional – Reuniões de Coordenação (mensais -
gestão da RBMLQ-I cada UP) e Plenárias da RBMLQ-I;
Adequação da força de Sistemas de trabalho,
trabalho, excelência na capacitação, avaliação Contrato de Gestão – Reuniões do Comitê de
gestão de pessoas, de desempenho, Acompanhamento e Avaliação.
Pessoas e
aperfeiçoamento das qualidade de vida, O desempenho nos níveis é analisado criticamente (em
conhecimento
práticas de gestão concurso público, cada um) em função dos indicadores de desempenho
terceirização, planos de
saúde, treinamento relacionados na fig. 1.3.B.1 e sua integração e correlação
Sustentabilidade Orçamento, captação de ao Mapa Estratégico e aos objetivos estratégicos. A
financeira, fortalecimento fomento, execução análise do desempenho global no nível
Recursos e da imagem institucional, orçamentária, gestão de estratégico/corporativo é conduzida pela AAdm nas
ambiente infraestrutura predial e custos, obras e
organizacional laboratorial, sistemas de manutenção, pesquisas reuniões trimestrais, quando são verificados os indicadores
informação, infraestrutura de opinião, comitê de TI, relacionados aos objetivos estratégicos, o atingimento de
de TI práticas de TI suas metas, os compromissos do Contrato de Gestão e o
Figura 1.3.A.2.1 Principais tipos de informações comparativas posicionamento das deliberações da reunião anterior.
A análise do desempenho no nível tático é conduzida pelos
1.3.A.1. Critérios para comparar resultados
diretores das UP, sendo realizadas a seu critério para
Os principais critérios para determinar os resultados mais analisar resultados do negócio e de processos específicos,
significativos do Inmetro para efeito de comparação são: quando necessário. A análise do desempenho no nível
vinculação a perspectivas, estratégias e projetos; operacional é conduzida pelos diretores das UP nas
relacionamento com o Contrato de Gestão; reuniões mensais de coordenação, quando são analisados
relacionamento com demandas do Conmetro; os indicadores operacionais e alguns indicadores
relacionamento com as pesquisas de opinião. estratégicos possam ser analisados quando representam
uma maior contribuição de UP específicas. Nesse nível, o
Principais Inovações e Melhorias Implementadas
Atualização da estrutura regimental do Inmetro com inclusão de novas UP desempenho é analisado nas reuniões plenárias da
para atender demandas das partes interessadas, em especial, políticas RBMLQ-I, conduzidas pelo Inmetro e contando com a
de governo - 2006. presença dos dirigentes de todos os órgãos delegados,
Aprimoramento da gestão da RBMLQ-I e criação da Cored - 2006 quando são avaliadas as metas dos indicadores
Implementação do Sistema de Avaliação de Desempenho Individual
(Siadi) – 2008
pactuados. A análise do desempenho no nível do Contrato
Aprimoramento da gestão de pessoas e criação da Codrh - 2008 de Gestão é conduzida pelos integrantes da CAA nas
Metodologia própria, implementação do processo de benchmarking e reuniões periódicas de avaliação, quando são analisados
pilotos - 2009 os indicadores que constituem os compromissos
Criação das Diretrizes de Gestão de Pessoas - 2009 assumidos pela Organização, sejam eles estratégicos,
Figura 1.2.G.5. Evidências de aprendizado nas práticas de gestão
relativas a exercício da liderança e promoção da cultura da excelência
operacionais ou resultados do negócio (táticos). Essa
análise permite identificar eventuais causas de desvios e
1.3.A.2. Tipos de Informações utilizadas para comparar
fazer novas projeções, quando necessário.
e avaliar desempenho
Os tipos de informações utilizadas são identificados 1.3.B.1. Papel da AAdm
sempre com foco nas orientações e diretrizes estratégicas As reuniões de análise do desempenho global são
utilizando-se, referências nacionais e internacionais de realizadas sob liderança e total envolvimento da AAdm
excelência, disponíveis em fóruns, instituições e que, apoiada pelos resultados dos indicadores estratégicos
organismos com os quais a Instituição mantém e por informações relevantes (fig. 1.3.B.1 e 1.3.B.2) analisa
relacionamento, ou com apoio da metodologia de e toma decisões referentes a objetivos estratégicos e a seu
benchmarking, recentemente implementada e cujos eventual realinhamento ou reformulação, e ao
primeiros projetos estão em desenvolvimento. Os cumprimento ou renegociação de metas, onde necessário.
principais tipos são descritas no item 5.2.A.1., que indica Em decorrência, podem ser analisados temas como
os principais dados comparativos e referenciais usados. atualização de cenários, da necessidade e disponibilização
Contribui para tal um amplo relacionamento, que permite de recursos. Uma das ações mais importantes nessa
aos seus diretores e especialistas conhecer pessoalmente liderança consiste em fortalecer a Visão institucional e a
os recursos e as práticas das principais instituições conseqüente necessidade de manter, nas diferentes
congêneres, definindo informações e referenciais perspectivas, a integração e a correlação dos indicadores
comparativos mais adequados. Para a busca dessas às estratégias, conforme rege o Mapa Estratégico por meio
informações, são adotadas as práticas de gestão descritos das relações apresentadas.

23
1.3.B.2. Principais métodos de análise alcançados e sua aderência às metas e definem-se as
Nas reuniões de análise de desempenho são feitas oportunidades de melhoria apontadas nos relatórios de
avaliações críticas dos resultados disponíveis, na forma de avaliação internos e externos, assim como a adoção das
indicadores estratégicos, resultados do negócio e proposições e ações necessárias para o seu
indicadores operacionais. Discutem-se os números aproveitamento.
Perspectivas Objetivos Estratégicos Indicadores de
BSC Desempenho
Sustentadores, 12. Gerar valor de maneira proativa para a Sociedade por meio um adequado portfólio de produtos e serviços.
partes 11. Consolidar-se como pólo de conhecimento, com excelência em gestão, técnica, pesquisa,
interessadas e desenvolvimento científico, tecnológico e de inovação.
sociedade 10. Ampliar o conhecimento e a comunicação com a sociedade e empresas sobre as atividades institucionais.
9. Aperfeiçoar a governança e estruturar a gestão de risco.
Execução, Os principais
8. Ampliar a integração, modernizar e aprimorar a gestão da RBMLQ-I, com foco nos 4E.
inovação e indicadores são
7. Aperfeiçoar a atuação com foco em integração, colaboração e gestão por processos.
processos apresentados na
6. Usar a tecnologia da informação para aperfeiçoar produtos e processos e estimular a inovação.
figura 2.2.A.1.1
Pessoas e 5. Ter profissionais competentes, comprometidos, com habilidades interpessoais e atuando integradamente.
conhecimento 2. Inovar e aperfeiçoar as práticas que envolvem a excelência na gestão.
Recursos e 4. Assegurar infra-estrutura física e logística.
ambiente 3. Ter sustentação financeira adequada.
organizacional 1. Fortalecer a robustez e a imagem institucional.
Figura1.3.B.1. Perspectivas, objetivos estratégicos e indicadores usados para avaliar o desempenho organizacional

Tipo de Informação Fontes Formato


Alterações da legislação vigente ou nova legislação DOU, Assessoria Parlamentar, MDIC Publicação, lei, decreto, ofício, portaria, e-mail
Deliberações e resoluções do Conmetro e de seus Comitês Conmetro, CBAC, CBM, CBN, CCAB Ata, ofício, resolução
Ministérios e Agências, DOU,
Atos e informações ministeriais e de agências reguladoras Ofício, portaria, publicação
reuniões do MDIC
Recomendações oriundas da avaliação do desempenho no
Comitê de Avaliação MDIC /MF/MP Relatório
alcance das metas do Contrato de Gestão
Dados referenciais comparativos Intercomparações, BIPM, OIML Relatório, publicações, seminários
Avaliações ou manifestações externas sobre a qualidade de MP, MDIC, pesquisas, Ouvid, CBAC, Ofício, premiação, relatório, comunicação
produtos/serviços CBM, CCAB verbal
Auditorias externas IAF, Ilac e EA Relatório de auditoria
Relatório de Avaliação do PQGF MP / PQGF / Equipe de Avaliadores Relatório
Figura 1.3.B.2. Informações relevantes para a análise do desempenho
São analisados: o atendimento das necessidades das implementado em 2002, usando o programa Planest, com
partes interessadas e o andamento de projetos em curso objetivo de aperfeiçoar a análise crítica do desempenho
(para o que é usado o programa Sicap, que acompanha a global. O Planest executa o acompanhamento das metas
evolução dos projetos de cada ação estratégica); o efeito estabelecidas para os indicadores estratégicos e
de novas regulamentações aprovadas pelo CBR; as operacionais. O processo foi refinado em 2006, quando do
recentes resoluções do Conmetro e normas internacionais último ciclo do PEI (horizonte 2007-2014). Um novo
impactantes nas atividades da Instituição; diretrizes e refinamento foi introduzido em 2009 com a revisão do
políticas do Governo Federal, entre elas o eventual Mapa Estratégico e a consolidação das atuais
contingenciamento de recursos orçamentários e perspectivas. Visando a integração da análise do
financeiros. São igualmente consideradas outras desempenho, são cotejados resultados obtidos com
informações do ambiente externo, referentes a instituições objetivos estratégicos estabelecidos e com principais
congêneres ou não, que possam gerar novos referenciais requisitos das partes interessadas e, de forma especial, é
comparativos ou interesse por estudos de benchmarking. conferido o sucesso das relações de causa e efeito
Subsidiam ainda a análise crítica os relatórios gerados em projetadas pelo Mapa Estratégico.
auditorias dos órgãos de controle. Internamente, esses A fig. 1.3.B.1 apresenta os indicadores estratégicos
relatórios são de emissão da Audin e observam um utilizados e a fig. 1.3.B.2 explicita informações relevantes
programa anual e os procedimentos da NIG- Audin-001. As para a análise do desempenho.
auditorias internas verificam a conformidade dos atos
1.3.B.3. Resultados analisados
praticados às normas vigentes (procedimentos
orçamentários, contábeis, financeiros, patrimoniais e de Nas reuniões de análise do desempenho são verificados e
recursos humanos), assim como a adequação entre os analisados, em especial, os seguintes tipos de resultados:
meios empregados e os resultados alcançados, cobrindo De indicadores estratégicos, por perspectivas e
todas as unidades organizacionais. A Audin coordena a objetivos, comparativamente às metas estabelecidas
realização de auditoria conjunta nos órgãos da RBMLQ-I, para curto e médio prazo;
incluindo, neste caso, técnicos da Dimel, da Dqual e da Do negócio, para cada Macroprocesso ou Processo
Profe, para verificação, nos termos das cláusulas Organizacional;
conveniadas, da perfeita execução das atividades técnicas De indicadores operacionais, comparativamente às
delegadas. Um dos principais instrumentos de avaliação metas estabelecidas;
do desempenho institucional é a verificação da De metas pactuadas no Contrato de Gestão; (*)
regularidade da gestão, que se processa por meio das De indicadores do Programa de Metrologia, Qualidade e
auditorias a cargo da CGU. O parecer dessas auditorias é Avaliação da Conformidade; (*)
submetido ao TCU para aprovação final da regularidade da Da evolução de projetos decorrentes de processos
Instituição em relação à legislação que deve cumprir em específicos e operacionais;
todos os atos que pratica. De eventuais correções de rumo para atendimento a
O processo de monitoramento estratégico foi objetivos estratégicos ou para melhorar processos
24
específicos e operacionais ou resultados do negócio. realizadas são comunicadas aos participantes das
(*) Sob responsabilidade e gerenciamento do Inmetro, o Programa de respectivas reuniões por meio de atas ou relatórios
Metrologia, Qualidade e Avaliação da Conformidade é uma das ações específicos. A comunicação a todos os níveis da força de
governamentais inseridas no PPA. O seu desenvolvimento é objeto de trabalho, cidadãos-usuários, sociedade e demais partes
relatórios mensais submetidos ao MDIC e ao MP (partes interessadas),
para orientar, inclusive, a alocação dos recursos orçamentários
interessadas (quando pertinente) é feita conforme práticas
necessários à consecução das atividades a cargo da Instituição. Os descritas em 5.1, do desdobramento informativo promovido
indicadores desse Programa estão disponibilizados no sistema pelas reuniões de coordenação de cada UP (fig. 1.1.A.1) e
específico do governo SIGPLAN, com acompanhamento trimestral pelo pelas reuniões Inmetro-RBMLQ-I (fig. 1.1.A.2).
MP.
Por meio do Contrato de Gestão, o MDIC, com 1.3.E. Implementação das decisões decorrentes
interveniência do MP e do MF (partes interessadas), As ações decorrentes das decisões adotadas são
estipula ações a serem cumpridas e metas a serem atribuídas a cada UO, sob responsabilidade da UP a que
alcançadas, dentro das políticas de governo, em especial a se vincula ou, dependendo da abrangência, a um
PDP e as de proteção do cidadão, incorporadas ao PEI. responsável especialmente destacado que, neste caso,
Reuniões semestrais do Comitê de Acompanhamento e reporta-se à AAdm Os indicadores e/ou informações
Avaliação do Contrato de Gestão avaliam o cumprimento qualitativas relativos à implementação das ações são
das metas pactuadas para os indicadores ali inseridos no Sicap e/ou Planest, permitindo acompanhar a
estabelecidos, o que reflete o desempenho global da sua evolução nas reuniões de coordenação das UP e nas
Instituição, segundo as atribuições que lhe são cometidas reuniões de diretoria. Como exemplos de ações
pelo Governo. decorrentes de decisões adotadas a partir de 2006, devem
ser citados:
1.3.C. Êxito das estratégias e alcance dos objetivos
a implementação de sistemas automatizados de gestão
Pela aplicação do BSC à avaliação do desempenho e com dos processos de Acreditação (Cgcre), de compras
o uso do Mapa Estratégico e de suas relações de causa e (Diraf), de aprovação de processos de AC (Dqual) e de
efeito, a AAdm reúne as conclusões da análise do aprovação de modelos (Dimel);
desempenho global e, a partir delas, avalia o êxito a auto-verificação de instrumentos de medição
estratégico e o alcance dos respectivos objetivos (preconizada em documento da OIML);
organizacionais com base na evolução dos indicadores de a introdução da metodologia BSC (compromisso
desempenho apresentados na fig.1.3.B.1 e no atendimento acordado no Contrato de Gestão);
das metas estabelecidas, assim como nos demais
a criação e introdução da metodologia Benchmarking
resultados analisados conforme 1.3.B.3. (desenvolvida na própria Instituição);
Esse sistema de avaliação do êxito estratégico permite que
a implantação do CGTI - Comitê Gestor de TI (Portaria nº
o PEI seja acompanhado por meio de avaliações
17/2010).
quantitativas e qualitativas dos resultados, proporcionando
uma atitude proativa que permite, quando necessário, Controle das práticas de gestão
refinamentos ou ajustes nas estratégias, ações e projetos, As principais práticas de gestão relativas à Análise do
contribuindo para o cumprimento da Missão e para a Desempenho da Organização, com padrões de trabalho,
realização da Visão de Futuro. métodos de controle, aplicação e responsáveis estão
1.3.D. Comunicação das decisões decorrentes apresentadas na fig. 1.0., que evidencia aspectos de
disseminação, integração e continuidade.
As decisões decorrentes das análises de desempenho
Controle da Prática Aplicação da Prática
Conti- Integração
Práticas de Padrões de
Método Específico Freqüên- Responsá- Dissemi- nuida-
Gestão Trabalho Coerên- Inter-
de Controle cia vel nação de Cooperação
cia relação
(desde)
Reuniões Alta Adm. Trimestral Gabin
PEI;
Principais Despachos do
Mensal Gabin Reuniões
decisões , Reg. int; Portarias; Presidente Todas UP;
Contrato de
implementa O. S.; deliberações Diretor / Todas UP 1997 PEI MDIC;
Reuniões das UP Mensal Gestão;
ção e comu- de reuniões Coord. UP RBMLQ-I.
Reuniões
nicação Reuniões de Conforme Coord. Conmetro
comitês agenda Comitê
Valores e Reg. Int., Código
Alta Todas UP;
princípios de Ética, MQI, Análise Crítica do Todas UP,
Anual Administra- 2001 PEI PEI MDIC;
organiza- C.G., programas, SGQI RBMLQ-I.
ção Fornecedores.
cionais políticas e planos
Fund. Norma Audit. Audin/ CGU, Missão,
UP MDIC; AGU;
Riscos AS/NZS 4360: visitas de Anual ou Alta Valores,
relaciona- Audin;
organiza- 2004,Critérios Seguradoras,.análi conforme Administra- 2008 Diretri- PEI
das, RBMLQ-I;
cionais Gerais de Controle se. Profe, agenda ção zes e
RBMLQ-I Cored; Profe
Interno (AP) auditorias SGQI Políticas
Conforme
Reuniões MDIC MDIC
agenda
Reg. Int.; Portarias
Anual, se
e O. S., Instruções Avaliação PQGF Presi
participante Alta Relatórios
Prestação Normativas, I AG P, Perma-
Reuniões do 3 ordiná- Administra- PEI de Ativida- Todas UP
de conta Delib. Conmetro, Presi nente
Conmetro rias/ ano ção des anuais
C.G.; NIG-Audin-
Comitê de
001 Avaliação do C G Anual
Avaliação
Parecer do TCU Anual TCU
Princípios e CF, PDP, PPA, CG; auditoria Anual AAdm Todas UP Perma- PEI PEI MDIC
25
Valores AP LDO, CLT, políticas externa nente Seges/MP
e diretrizes e programas
governa-
mentais
Atuação
Pesq. imagem e de Presi,
pessoal da Regimento interno,
clima, reuniões do Conforme diretores e Todas UP e Todas UP,
Alta Código de Ética, 2001 PEI PEI
PEI, de Diretoria e agendas coordenado RBMLQ-I RBMLQ-I
Administra- MQI, PEI e CG
de análise crítica res das UP
ção.
Princípios e Pesq. de clima, Princí-
A A., Todas
valores MQI,PEI, Código reuniões do PEI, de Conforme Todas UP e pios e PEI
AAdm 2007 UP, Força de
organiza- de Ética Diretoria e de agendas RBMLQ-I valores Siadi
trabalho
cionais análise crítica da AP
PEI,
Comprome- MQI, ISO-9001, Aval. PQGF, Aval. Princ./ PEI, MQI,
Anual ou Seges/ MP,
timento com Critérios PQGF, CG, Anál. Crítica, Todas UP, Perma- valores Critérios
Conforme AAdm Força de
a cultura da CG, RG premiadas Audit. SGQI, Pesq. RBMLQ-I nente organi- PQGF,
agendas Trabalho
excelência PNQ e PQGF organiz. e de clima zacio- Siadi
nais
Avaliação de
Prog. “In-
Avaliação e desempenho e Relatório individual
Semes-tral; metro de Seges/ MP,
desenvolvi- plano de da Dplad; relatórios Dplad/ Desde
conforme Todas UP PEI Depois”, ENAP, Todas
mento de desenvolvimento dos treinamentos Codrh 2005
agendas PDG, UP
líderes gerencial; Código executados
Siadi
de Ética
Implemen-
ISO-9001:2000,
tação do PEI,Reuniões de Conforme Desde PEI, CG, PDG,PEI,Si
MQI, Estrutura AAdm Todas UP Todas UP
sistema de análise crítica agendas 2005 MQI doq
documental
gestão
PEI,
MEGP - Ciclo de Relatório de PDG,
Diretri-
Aprendizado, avaliação PQGF, Painéis
Estímulo ao Conforme Desde zes de Todas UP,
IAGP,“Programa reuniões de análise AAdm Todas UP Setoriais,
aprendizado agendas 2006 Gestão ENAP
Inmetro de Depois crítica, reuniões de Cursos
de Pes-
de Amanhã” acompanhamento PQGF,
soas
Congêneres;
Necessida- PEI; CG; Revisões
PEI, orgãos de
des de Recomendações Reuniões GT- do PEI e
Conforme Coorde- Contrato governo;
informações de auditorias; Benchmarking, Todas UP 2007 BSC;
agendas nação GT de agências
comparati- Metodologia BM reuniões AAdm Avaliação
Gestão reguladoras;
vas Inmetro PQGF
todas UP
Revisões
Reuniões UP e
MQI e NIG-Digeq- PEI, do PEI e
Análise do AAdm, Avaliação Órgãos de
008, PEI, CG, Conforme Contrato BSC;
desempe- CG, audit. SGQI, Dplad Todas UP 2007 governo,
metas, objetivos, agendas de auditorias;
nho Plenárias da Todas UP
projetos Gestão Avaliação
RBMLQ-I
PQGF
PEI, Mapa
PEI,
Avaliação Estratégico, Revisões Órgãos de
Reunião da AAdm, Conforme Contrato
do êxito as Objetivos, CG, Dplad Todas UP 2007 do PEI e governo,
Avaliação do CG agendas de
estratégias Indicadores, Metas, BSC; CG Todas UP
Gestão
Planos, Projetos
Val. e
princí-
Reg.Int.; DOU;
Reuniões da Gabin; pios; Revisões Órgãos de
Port., OS; atas e
Comunica- AAdm, de Conforme Diretores e Estraté- do PEI e governo,
delib. de reuniões; Todas UP;
ção das Coordenação das fig. 1.1.A.1. coorde- 2007 gias e BSC; Todas UP,
relatórios; Manual RBMLQ-I
decisões UP, de Comitês, da e 1.1.A.2. nadores Objeti- Avaliação Dicom,
de Relacionamento
Cored e RBMLQ-I das UP vos, PQGF Asmetro
com Imprensa
Missão e
Visão
PEI,
Portarias, OS, Mapa
Reuniões da
NotasTécnicas, Estraté-
AAdm, de Diretores e Siplan,
Implementa- Normas Internas, gico,
Coordenação das Conforme coorde- Todas UP; Sistema de CGTI, Todas
ção das documentos 2007 Objeti-
UP, de Comitês e fig. 1.1.A.1 nadores RBMLQ-I Custos, UP
decisões internacionais, vos, CG,
grupos internos, da das UP PDTI
metodologias, Metas,
Cored e RBMLQ-I
planos de ação Planos,
Projetos,
Figura 1.0. Controle, aplicação e integração das práticas de gestão relativas à governança pública e governabilidade, da liderança e promoção da
cultura da excelência e análise do desempenho da organização
Aprendizado Principais Inovações e Melhorias Implementadas - Informações
Qualitativas
A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões Modernização do Sicap, facilitando a utilização dos mesmos por parte dos
de trabalho são realizados de acordo com a metodologia usuários e evitando a repetição de rotinas – 2005
geral de aprendizado, descrita em 1.2.G. A fig. 1.3.E.2. Adoção de nova estrutura regimental e implementação de novo plano de
destacam exemplos de inovações ou melhorias carreiras e cargos – 2006
Criação da Cored – 2007
introduzidas nos últimos anos nas práticas de gestão Criação dos Despachos Individuais Mensais do Presidente com Diretores
relativas a Análise do Desempenho da Organização. - 2008
26
Implementação da metodologia BSC no PEI - 2008 Químicos e OCDE - Organização para a Cooperação e
Implantação do GT-Benchmarking e criação de metodologia Inmetro para Desenvolvimento Econômico.
benchmarking – 2009
Criação do Comitê Gestor de TI (CGTI) – 2010
Mantém parcerias com ministérios e outros órgãos,
Implementação de reuniões da Digeq com UP para desenvolvimento e formulando, propondo e negociando ou participando de
aprimoramento de indicadores de desempenho – 2010 planos e programas, de maneira alinhada às orientações
Figura 1.3.E.2. Evidências de aprendizado nas práticas de gestão desses órgãos e balizada pelas macro diretrizes do
relativas à análise do desempenho da organização. Governo Federal, traduzidas no PPA e no Contrato de
2. ESTRATÉGIAS E PLANOS Gestão (fig. 2.1.A.2).
Parceiro Ação Implantada
2.1. Formulação das estratégias Ministério daJustiçaPrograma Nacional de Metrologia Forense
2.1.A. Formulação das Políticas Públicas Ministério de Minas Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE)
e Energia (MME) Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular
A participação na formulação de políticas públicas se Sebrae Programa Bônus Certificação
processa em três instâncias de suma importância: Programa de Capacitação para a Metrologia Científica
CNPq
sociedade, setor empresarial e governo. Nas três e Industrial
instâncias, os comitês assessores do Conmetro (nos quais Programa de avaliação da conformidade de manejo
MDIC e MMA
florestal – Cerflor
o Inmetro, como secretaria executiva, atua como
Programa de avaliação da conformidade da produção
formulador e articulador) são fóruns de proposição e MAPA e MMA
integrada de frutas – PIF
debate de programas, diretrizes e resoluções no contexto Programa de avaliação da conformidade de cestas de
MTE e MAPA
da metrologia e da qualidade. Todas as propostas dos alimentos
comitês são submetidas à aprovação nas Reuniões Programa de avaliação da conformidade de móveis
MEC
escolares
Plenárias do Conmetro. A fig. 2.1.A.1 apresenta exemplos Atividades do Comitê Codex Alimentarius do Brasil –
de propostas de alguns comitês, aprovadas e Anvisa CCAB; Certificação de Produtos (preservativos e
consubstanciadas em resoluções do Conmetro. eletro-médicos)
Acordo de cooperação técnica na área de Acreditação
Comitê Propostas Aprovadas pelo Conmetro ANA
de laboratórios em análise da Qualidade da água
CBAC Plano de Ação Quadrienal 2008-2011 ( Resolução 01.2008) Anatel Programa de Acreditação de laboratórios de ensaios
Diretrizes Estratégicas para a Metrologia Brasileira 2008-2012 Programa de Acreditação de laboratórios para
CBM realização de estudos em pesticidas para fins de
(Resolução 08.2008) Ibama
Aprovação do Guia de Boas Práticas de Regulamentação registro ambiental; Programa Selo Ruído; Programa
CBR Controle Emissões Veiculares
(Resolução 05.2007)
Figura 2.1.A.1. Comitês do Conmetro e exemplos de propostas aprovadas ANP Programa de Acreditação de laboratórios
Ministério das Participação no PBQP.H – Programa Brasileiro da
A política pública de Metrologia e Qualidade referencia-se, Cidades Qualidade e Produtividade no Habitat
ainda, ao PPA e ao CG firmado com o MDIC, com SEDH-PR.Corde Acessibilidade de deficientes físicos
interveniência dos MP e MF. Figura 2.1.A.2. Planos e programas em parceria com órgãos de governo
No CG, o Inmetro negocia com o MDIC e os ministérios 2.1.A.1. Identificação do universo institucional e os
intervenientes um conjunto de ações e indicadores de atores envolvidos nas Políticas Públicas
desempenho, objeto de monitoramento por uma Comissão A AAdm é responsável pela disseminação interna da
de Acompanhamento e Avaliação (CAA), integrada por prática de identificação do universo institucional e dos
representantes dos referidos ministérios, que avalia atores envolvidos nas políticas públicas. Utiliza o Mapa de
semestralmente o cumprimento das metas e objetivos Negócio como padrão, onde são identificados os principais
pactuados, bem como propõe melhorias e ajustes. clientes, fornecedores e parceiros. As UP participam,
No PPA, o Programa de Metrologia e Qualidade Industrial. anualmente, do processo de revisão do Mapa.
As diretrizes e metas do PPA são incorporadas ao Permanentemente, diferentes instrumentos são utilizados
planejamento anual da Organização, que presta contas em para proceder essa identificação. Exemplos de
relatórios mensais circunstanciados ao MDIC e ao MP. instrumentos são:
Cabe ressaltar, que o Inmetro é a única autarquia federal Assessoria parlamentar em Brasília, junto ao Poder
que mantém um Contrato de Gestão com o seu órgão Legislativo e Executivo;
supervisor, assumindo o status de Agência Executiva. A Secretaria Executiva do Conmetro e seus comitês
contratualização de desempenho institucional é um assessores;
mecanismo de implantação do “Modelo de Gestão Pública Intensa articulação com instituições do setor produtivo
por Resultados” e promove a eficiência, eficácia e (CNI, Fiesp, Firjan, Senai);
efetividade institucional, por ser uma importante ferramenta Painéis Setoriais;
de aperfeiçoamento do sistema interno de gestão. Esse Atuação no Mercosul e em outros fóruns internacionais;
instrumento de gestão, ao definir obrigações, tais como a Integração com o MDIC, MP, MCT, MRE, MAPA, MMA,
promoção do acesso das PME - Pequenas e Médias MME, ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento
Empresas - aos serviços de Avaliação da Conformidade, Industrial e a Casa Civil;
Metrologia, Informação Tecnológica e o Apoio à Superação Interação com Agências Reguladoras;
de Barreiras Técnicas à exportação, garante o alinhamento Interação com outros institutos de pesquisas.
estratégico à política pública de Metrologia e Qualidade
Industrial. 2.1.B. Formulação das Estratégias da Organização
Em adição, é um dos executores da PDP - Política de O modelo de gestão está orientado para novas práticas
Desenvolvimento Produtivo do Governo Federal - atuando gerenciais, com foco em resultados e no atendimento aos
nas áreas de Metrologia e Qualidade Industrial. O Instituto usuários, qualidade de serviços e eficiência de processos,
tem participação ativa em negociações no âmbito da OMC, sem abandonar os parâmetros do modelo burocrático,
Mercosul, Alca, SIM - Sistema Interamericano de como o processo seletivo público, a impessoalidade, a
Metrologia, ONU/GHS - Sistema Globalmente prestação de contas aos órgãos de controle, dentre tantos
Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos
27
outros. Trabalha com dois níveis de planejamento: o nível criado pela Portaria Presi nº 102/06, sob a orientação
estratégico, com a visão institucional e horizonte de longo direta do Presidente e executado com o apoio de uma
prazo, e o nível tático, que aborda os processos finalísticos consultoria externa e da Dplad.
e de apoio, respectivamente, Macroprocessos e Processos A elaboração do PEI foi participativa, envolvendo toda a
Organizacionais, com um horizonte de médio prazo (4 força de trabalho da Instituição, representantes de órgãos
anos). governamentais, de corporações privadas e de
No nível estratégico, o documento balizador é o Mapa organizações representativas de setores da sociedade.
Estratégico, constituído de Estratégias, Perspectivas, Anualmente, desde a implementação do BSC, a Dplad em
Objetivos Estratégicos, Missão e Visão. No nível tático, os parceria com a AAdm, realiza adequações no Mapa
documentos de referência são as Árvores de Estratégico, com o intuito de manter atualizados os
Macroprocessos e Processos Organizacionais. Os dois objetivos e as estratégias da Instituição.
níveis de planejamento se alinham por meio de uma Em 2009, o BSC passou por um refinamento, que contou
carteira de indicadores de desempenho e projetos com a participação do corpo gerencial e AAdm A revisão
corporativos. teve início com o Plano de Desenvolvimento Gerencial -
O Planejamento Estratégico é o instrumento fundamental PDG, que capacitou o corpo gerencial do Inmetro em
do modelo de gestão para realização da sua Missão e para temas relacionados à gestão. Dentre os temas abordados,
o desdobramento de todos os compromissos assumidos destacou-se o módulo “BSC aplicado ao Inmetro”, onde
com o Governo Federal e com as demais partes foram gerados insumos para a revisão da Missão, da Visão
interessadas. e do Mapa Estratégico formulados em 2006. Neste
O ciclo de 2006 do PEI 2007-2014, associado à módulo, foram formadas 5 turmas, que tinham o papel de
metodologia do BSC - Balanced Scorecard, passa por um sugerir melhorias, que após consolidadas em uma única
refinamento, aprimorando a comunicação interna e a proposta, foi encaminhada à AAdm, que a utilizou como
gestão estratégica da Instituição. Aprovado em dezembro subsídio para a revisão do PEI.
de 2006, o planejamento foi coordenado por um GAT,

Figura 2.1.B.1. Fluxo de Planejamento Estratégico

Figura 2.1.B.2. Mapa Estratégico 2010 Figura 2.1.B.3. Mapa Estratégico 2006
2.1.B.1. Principais etapas e áreas envolvidas O Planejamento Tático de cada UP ocorre segundo padrão
Em todas as etapas de um novo ciclo de Planejamento de trabalho desenvolvido pela Divisão de Planejamento
Estratégico são realizados workshops para garantir que o Estratégico (Diple) documentado na “Proposta de
processo seja participativo. Durante todo o período de Elaboração do Planejamento Tático do Macroprocesso”. O
elaboração de um PEI, a força de trabalho é estimulada a processo, cujas etapas podem ser visualizadas na fig.
apresentar sugestões, através de um canal aberto, 2.1.B.1.2, é conduzido pela equipe da Dplad.
endereço eletrônico sob responsabilidade de uma No último ciclo de 2006, foram entrevistados vários atores
secretaria executiva, no intuito de garantir transparência ao de setores: acadêmico, empresarial, governamental,
processo. (fig. 2.1.B.1.1). cidadania, clientes parceiros, mídia e instituições
estrangeiras.

28
Anualmente, são realizadas pesquisas de opinião junto ao adequações no direcionamento estratégico da instituição
setor empresarial e a população. Destas pesquisas são (os indicadores oriundos destas pesquisas são
extraídos resultados que oferecem oportunidades de demonstrados na fig. 3.1.C.2.
Etapas do Planejamento Estratégico
Áreas.setores envolvidos
Premissas
Externas: setores acadêmico, empresarial,
governamental, cidadania, clientes.parceiros, mídia
Entrevistas com as partes interessadas e instituições estrangeiras;
Internas: força de trabalho, totalizando 5 grupos de
foco com a presença 36 servidores.colaboradores.
Elaboração de Panoramas (temas considerados estratégicos pelo Instituto : tecnologia e inovação,
Membros de todas as Diretorias e Coordenações
recursos humanos, sociocultural, econômico, governamental, cadeia produtiva e cadeia de valor)
Revisão dos Valores da Instituição, Diretrizes e Missão pela AAdm AAdm
Mapa de Negócio Membros de todas as Diretorias e Coordenações
Grandes Escolhas
Construção dos Cenários nos temas de tecnologia e inovação, recursos humanos, sociocultural,
econômico, governamental, cadeia produtiva e cadeia de valor.
AAdm
Construção de Matriz de Forças, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças (FOFA)
Estabelecimento da Visão de Futuro
Definição das Estratégias: uma com foco na gestão interna e outra nas atividades finalísticas
Identificação dos Fatores Críticos de Sucesso - Foram definidos e utilizados como insumo para
escolha dos Objetivos Estratégicos Institucionais.
Definição das Perspectivas a serem usadas no Mapa Estratégico (A construção do Mapa
Estratégico foi adaptada. As Perspectivas e as suas relações de causalidades foram definidas
levando-se em conta que o Inmetro é um órgão público e com perfil de instituto de pesquisa e
inovação). AAdm
Definição dos Objetivos Estratégicos Institucionais
Detalhamento
Definição dos indicadores de resultado e esforço
Definição das Iniciativas Estratégicas
Desdobramento das iniciativas estratégicas em projetos Membros de todas as Diretorias e Coordenações
Implantação AAdm, Responsáveis pelas iniciativas e Gerentes
Implantação e Controle de projeto
Figura 2.1.B.1.1. Etapas da elaboração do Planejamento Estratégico
2.1.C. Consideração dos aspectos relativos ao conformidade e Acreditação. A incorporação de novas
ambiente externo áreas de atividade, como a avaliação de conformidade da
Os aspectos relativos ao ambiente externo são produção de frutas e do manejo florestal, a metrologia
considerados e discutidos nas entrevistas e nos workshops química, a metrologia de materiais e a construção do novo
Os planejamentos táticos utilizam o mapeamento do modelo de certificação da gestão da responsabilidade
ambiente externo realizado no PEI anterior e as social, são frutos desse esforço de aprimoramento.
informações obtidas por meio de entrevistas realizadas no Essas práticas, sob responsabilidade da AAdm, estão
Bloco I daquele processo. disseminadas por todas as UP e a Caint, especificamente,
gerencia e avalia todos os acordos de cooperação e
2.1.C.1 Aspectos considerados memorandos de entendimento firmados no plano
Os principais aspectos considerados no Planejamento internacional.
Estratégico estão descritos na fig. 2.1.C.1 e disseminados
2.1.D . Análise do ambiente interno
em todas as UP.
Os planejamentos táticos têm como orientações uma visão Os aspectos relativos ao ambiente interno são
mais horizontal da organização e o foco em resultados. Os considerados e discutidos com a força de trabalho nos
principais aspectos considerados são as forças e as workshops da etapa “Premissas” a cada ciclo de um PEI.
dificuldades das UP executoras do No último ciclo, em 2006, foram constituídos 5 grupos de
Macroprocesso/Processo Organizacional e as principais foco, com a presença de 36 servidores/colaboradores, que
ações a serem empreendidas. participaram de reuniões para a identificação das forças e
fraquezas da Instituição.
2.1.C.2. Relacionamento com outros órgãos e A análise do ambiente interno é feita considerando-se as
entidades informações provenientes dos monitoramentos dos
No plano nacional, visando cumprir de maneira efetiva a planejamentos táticos do Macroprocessos e Processos
sua missão, valores e princípios, desenvolve parcerias Organizacionais.
com órgãos de governo (fig. 1.1.B.1. e 1.1.B.2.), empresas
estatais, institutos e laboratórios tecnológicos públicos e 2.1.D.1 Conhecimento da organização
privados, instituições de ciência e tecnologia, organizações Ao final da etapa de Premissas, o conhecimento da
do setor empresarial e órgãos integrantes da RBMLQ-I. organização é resumido em um documento divulgado a
Atua de maneira continuada, desde a sua criação, junto toda força de trabalho: o Mapa de Negócio. Nele, estão
aos principais fóruns internacionais relacionados com sua representados todos os Macroprocessos e Processos
área de atuação, assim como se relaciona Organizacionais, com seus atores envolvidos:
cooperativamente com instituições congêneres, públicas e fornecedores, parceiros, clientes e sua rede operacional,
privadas, no plano internacional. Essa presença bem como os principais insumos e produtos gerados.
internacional, incluindo acordos de reconhecimento mútuo,
projetos tecnológicos compartilhados e treinamentos de 2.1.E. Avaliação e seleção das estratégias
especialistas, objetiva o aprimoramento da competência Na fase “Grandes Escolhas”, do PEI as estratégias são
brasileira nas áreas de metrologia, avaliação da avaliadas e selecionadas com base na construção de
29
cenários, na matriz FOFA e no estabelecimento da visão projetos estratégicos e das ações pactuadas nos
institucional. Macroprocessos. A proposta orçamentária define os
Etapas do Planejamento
principais investimentos e empreendimentos e materializa
Tático a estratégia corporativa para o horizonte estabelecido.
Áreas. setores envolvidos Essa prática, padronizada na NIG-Dplad-023, está
Bloco I Mapeamento do
ambiente disseminada.
Aspectos Considerados Periodicidade Responsabilidade
Atividade 1 Questionário para UP, Presidente e representantes dos
A Legislação vigente e novas
mapear ambiente interno principais parceiros internos
propostas em discussão no Contínua AAdm
Atividade 2 Nivelamento Área de planejamento e colaboradores da Congresso e pela sociedade
conceitual de Planejamento unidade Macrodiretrizes de governo, como o
Plano Plurianual (PPA), as
Atividade 3 Consolidação do Anual Dplad
Área de planejamento orientações do MDIC e as cláusulas
caderno de entrevistas do Contrato de Gestão
Bloco II Workshops de Informações de entidades
Premissas e Detalhamento representativas dos segmentos da Anual Diretorias finalísticas
de Processos e Projetos sociedade
Resultados de pesquisas quantitativas
Atividade 4 Revisão do Área de planejamento, colaboradores da Anual Dplad
efetuadas junto aos públicos-alvo
Negócio do Macroprocesso unidade e representantes dos principais
Demandas oriundas dos Comitês do
parceiros internos Contínua Gabinete
Conmetro
Atividade 5 Revisão dos Área de planejamento, colaboradores da Informações comparativas e de
Processos Específicos e unidade e representantes dos principais tendências apresentadas nos fóruns
Operacionais Contínua Descentralizada
parceiros internos internacionais e fornecidas por
entidades internacionais parceiras
Atividade 6 Nivelamento Área de planejamento, colaboradores da
conceitual e proposta de Formas de atuação de instituições
unidade e representantes dos principais Contínua Diretorias finalísticas
novos projetos congêneres no exterior
parceiros internos
Resultados de entrevistas com as
Atividade 7 Nivelamento Por evento Dplad
Área de planejamento, colaboradores da partes interessadas
conceitual e proposta de unidade e representantes dos principais Figura 2.1.C.1. Principais aspectos considerados no PEI
indicadores de desempenho parceiros internos
Como decorrência da negociação de metas do Contrato de
Bloco III Apresentação e
aprovação dos Novos
Gestão ou de possíveis contingenciamentos orçamentários
Projetos e Indicadores governamentais, a AAdm se reúne para elaborar a o
orçamento do exercício (fig. 7.3.A). O Siplan é o principal
Atividade 8 Discussão e Área de planejamento, colaboradores da
aprovação em plenária das
instrumento utilizado para o desdobramento e controle dos
unidade e representantes dos principais
propostas de projetos parceiros internos
recursos orçamentários e financeiros necessários à
execução dos planos estabelecidos. A integração existente
Atividade 9 Discussão e Área de planejamento, colaboradores da entre os sistemas de planejamento (Planest e Sicap) e o
aprovação em plenária das unidade e representantes dos principais
propostas de indicadores sistema orçamentário (Siplan) permite a integração dos
parceiros internos
planejamentos estratégico e táticos com o processo
Bloco IV Consolidação do orçamentário. Deste modo assegura-se que o orçamento
Plano Tático do
traduza, efetivamente, a dimensão financeira dos planos e
Macroprocesso
projetos.
Atividade 10 Consolidação
do Plano Tático Diretor e coordenadores da unidade 2.1.E.2. Desenvolvimento sustentável e as estratégias
Atividade 11 Divulgação do As atividades do Inmetro, por definição, estão voltadas
Plano Tático Toda a organização para gerar impactos positivos nas áreas: social, ambiental
Figura 2.1.B.1.2. Etapas da elaboração do planejamento tático
e econômica, conforme atos negociais pactuados com
parceiros institucionais, listados na fig. P.4.
No último Plano Estratégico foram selecionadas duas
estratégias, uma mais focada em gestão e outra mais 2.1.F. Envolvimento das áreas da organização e das
focada nas atividades finalísticas são elas, partes interessadas nos processos de formulação das
respectivamente: a) implantar abrangente modelo de estratégias
gestão que assegure à Instituição eficiência, eficácia e A coerência dos objetivos estratégicos com as
efetividade, garantindo regularidade, agilidade e necessidades das partes interessadas é verificada a partir
adaptabilidade; e 2) reestruturar as atividades finalísticas e da análise dos principais requisitos identificados (fig.
as articulações externas, fortalecendo sua atuação como 2.1.F.1), correlacionando-os com os fatores críticos.
agente de desenvolvimento sócio econômico do País. Para formulação das estratégias, o PPA e o Contrato de
2.1.E.1. Principais estratégias e o alinhamento com o Gestão são instrumentos de garantia da coerência entre as
PPA, a LDO, a LOA e com os objetivos da organização estratégias institucionais, as necessidades das partes
interessadas e o envolvimento das áreas da organização.
O alinhamento das duas estratégias com o PPA é
garantido por meio dos planejamentos táticos, uma vez 2.1.G. Comunicação das estratégias às partes
que os principais Macroprocessos são as ações do PPA. interessadas para o estabelecimento de compromissos
Os indicadores do PPA e do CG são revistos conforme mútuos
evoluem os resultados. Desde a elaboração do primeiro PEI, realizado em 1991,
Anualmente, a partir do plano estratégico e dos planos são desenvolvidas ações de comunicação das estratégias
táticos, é definido o orçamento global que visa dimensionar por meio de deliberação da AAdm A comunicação às
e alocar recursos financeiros para a realização dos partes interessadas externas se processa pelos Comitês
30
do Conmetro, nos quais o Plano Estratégico é divulgado e novos indicadores que expressam os objetivos formulados
analisado, e pelo site do Inmetro na internet. Internamente, durante um ciclo ou revisão. As metas e os planos de
as estratégias são divulgadas à força de trabalho durante ação, por sua vez, são propostas pelas UP para,
todo o processo de revisão de cada ciclo, por meio de posteriormente, serem aprovados pela AAdm
palestras da direção com o corpo funcional e reuniões de Macroprocessos Sigla Ultimo Ajuste
coordenação das UP. A intranet é um importante veículo, Acreditação de Organismos de Avaliação ACRE 14.janeiro.2010
pois abriga o Planest, sistema corporativo que permite da Conformidade
conhecer o mapa estratégico e acompanhar o resultado Articulação Internacional AI 14.janeiro.2009
Avaliação da Conformidade de Produtos, AC 18.fevereiro.2010
dos indicadores relacionados, atuando como importante Processos e Serviços
veículo de comunicação. Garantia Metrológica GM 11.fevereiro.2010
A participação das UP no processo de formulação Inovação e Tecnologia IT 21.janeiro 2009
estratégica assegura canais complementares de Pesquisa, Desenvolvimento e PDRM 27.janeiro.2010
comunicação. Rastreabilidade em Metrologia
Processos Organizacionais
Partes interessadas Principais Requisitos Apoio APOIO 2.fevereiro.2010
Órgãos Atendimento das políticas públicas e Gestão Estratégica GE 1.fevereiro.2010
governamentais cumprimento da função social Figura 2.2.A. Ajustes nos Macroprocessos e Processos Organizacionais
Força de trabalho Desenvolvimento pessoal,manutenção do
emprego e remuneração Nos planejamentos táticos, uma vez revisto o negócio do
Sociedade e Realização de produtos.serviços pretendidos, macroprocesso e seu desdobramento em processos
cidadãos-usuários seguros e confiáveis, adequados ao uso com específicos e operacionais, a Dplad coordena as
sustentabilidade. discussões dos indicadores com as UP executoras,
Fornecedores Manutenção do relacionamento mutuamente
benéfico. evidenciadas na fig. 2.2.A.. Semelhante ao CG, são
Comunidade Desenvolvimento de inovações e complemento trabalhados três níveis de indicadores: efetividade, eficácia
científica e de suas necessidades não atendidas e eficiência. Os planos de ação são definidos nos
tecnológica workshops dos Blocos II e III (fig. 2.1.B.1.2). Nas reuniões
Setor produtivo Ampliação da capacitação e da prestação de
de monitoramento dos planos táticos são avaliadas as
serviços, apoio à inovação e à competitividade,
eficácia, proteção da concorrência justa evoluções e históricos de resultados dos indicadores e
Figura 2.1.F.1. Partes interessadas acordadas as metas de curto prazo.
2.2. Implementação das estratégias Para o planejamento estratégico e tático é utilizada, como
2.2.A. Definição de indicadores e estabelecimento de padrão de trabalho, a ficha de detalhamento de
metas e planos de ação indicadores, onde são ressaltadas as ligações entre cada
indicador e ações executadas pelas áreas, e a ficha de
Os indicadores, metas e planos de ação são definidos em
detalhamento de projetos. Estas fichas servem de base
três momentos distintos: Na negociação da renovação do
para o cadastramento dos indicadores no Planest e dos
CG, no ciclo ou revisão do PEI, e nas revisões dos
projetos no Sicap. O detalhamento e conceituação dos
planejamentos táticos.
indicadores acham-se descritos nos Anexos I – Plano de
Na negociação de renovação do CG, o plano de trabalho,
Trabalho e IV – Conceituação dos Indicadores de
que contém objetivos, metas e indicadores de
Desempenho, do CG.
desempenho a serem alcançados pelo Inmetro, é discutido
O sistema de medição de desempenho do Inmetro é
em reuniões específicas. A Dplad é a responsável por
estruturado de acordo com os seus níveis de planejamento
coordenar a formulação da proposta do plano de trabalho
e o CG, o que acarreta em uma classificação em três
conjuntamente com todas as UP e encaminhá-la ao
segmentos: a) Plano Corporativo (conforme metodologia
Comitê de Acompanhamento e Avaliação (CAA).
BSC) - outcomes (resultado) e drivers (esforço); b)
Posteriormente, o Inmetro e o CAA se reúnem e aprovam
Contrato de Gestão - global (indicadores corporativos que
os compromissos elencados no plano de trabalho.
traduzem resultados em termos de imagem externa,
O último CG foi assinado em 2009, e nele estão acordadas
confiabilidade junto à população e aumento de receita
ações para desenvolvimento e metas a serem alcançadas
própria, entre outros); atendimento (indicadores que
no horizonte 2009-2011.
traduzem resultados referentes à prestação de serviços
Para o ciclo ou revisão do PEI, a Dplad é responsável por
associados a cada um dos Macroprocessos); c) gestão das
elaborar uma proposta de indicadores de resultado e de
árvores de Macroprocessos e Processos Organizacionais -
esforço para cada objetivo estratégico constante do Mapa
indicadores associados ao negócio do macroprocesso e
Estratégico. Esta proposta toma por base os indicadores
processo organizacional, processos específicos e
constantes no CG, na versão anterior do PEI, nos
operacionais.
Macroprocessos e Processos Organizacionais além de
Itens Indicadores Origem
8.1/1 Nível de satisfação das empresas usuárias dos serviços de verificação periódica (CG) GM
8.1/2 Nível de satisfação com o serviço de calibração e ensaio junto a clientes (CG) PDRM
8.1/3 Percepção institucional junto a dirigentes de federação de indústria e comércio (CG) GE
8.1/4 Desempenho no Contrato de Gestão GE
8.1/5 Tempo médio no atendimento a solicitações de anuência de importação de produtos regulamentados AC
8.1/6 Tempo médio efetivo da apreciação técnica de modelos GM
8.1/7 Tempo médio para a concessão de Acreditação de organismos de inspeção (CG) ACRE
8.1/8 Tempo médio para a concessão de Acreditação de laboratórios (CG) ACRE
8.1/9 Tempo médio para a concessão de Acreditação de organismos de certificação (CG) ACRE
8.1/10 Trabalhos publicados para comunidade científica (CG) PDRM
8.1/11 Índice de publicações em relação a força de trabalho da metrologia científica GE
8.2/1 Nível de entendimento das atividades do Inmetro junto à população brasileira (CG) GE
8.2/2 Percepção institucional do Inmetro junto à população brasileira (CG) GE
8.2/3 Grau entendimento da etiqueta consumo energia GE
31
8.2/4 Preferência por produto com selo Inmetro e marca desconhecida GE
8.2/5 Preferência por um produto com preço 10% superior com selo Inmetro GE
8.2/6 Índice de atendimentos da Ouvidoria concluídos GE
8.2/7 Consumo anual de água per capita APOIO
8.2/8 Consumo anual de energia elétrica per capita APOIO
8.2/9 Nº de ouvidorias já implantadas nos Estados integradas ao Sior GE
8.2/10 Nº inserções positivas na mídia GE
8.2/11 Nível de acesso ao Portal do Consumidor GE
8.3/1 Taxa de crescimento da receita de serviços de controle metrológico (CG) GE
8.3/2 Receita de Serviços do Sistema Inmetro (Inmetro+RBMLQ-I) GE
8.3/3 Receita total do sistema Inmetro GE
8.3/4 Índice de execução orçamentária do sistema Inmetro GE
8.3/5 Receita de fomento GE
8.3/6 Índice de despesa de funcionamento do Inmetro GE
8.3/7 Índice de despesa de funcionamento em relação ao custeio do Inmetro GE
8.3/8 Índice de sustentabilidade do funcionamento do Inmetro GE
8.4/1 Taxa de Freqüência de Acidentes com Afastamento APOIO
8.4/2 Taxa de Gravidade APOIO
8.4/3 Tempo de treinamento e desenvolvimento GE
8.4/4 Nº de doutores no Inmetro GE
8.4/5 Nº mestres no Inmetro GE
8.4/6 Investimento em T&D pela receita total do sistema Inmetro GE
8.5/1 Índice de economicidade no pregão eletrônico APOIO
8.5/2 Tempo médio para viabilização de processo de compra por pregão APOIO
8.5/3 Despesa com material de consumo APOIO
8.5/4 Investimento em material permanente APOIO
8.5/5 Despesa com serviços APOIO
8.5/6 Aquisição de equipamentos de metrologia PDRM
8.5/7 Número de não conformidades do Relatório de Auditoria Anual de Contas da CGU APOIO
8.6/1 Nº total de inscritos no Sistema Alerta Exportador AI
8.6/2 Nº de instrumentos de cooperação técnica internacional firmados AI
8.6/3 N ° total de regulamentos do Mercosul internalizados no Brasil AI
8.6/4 Números de países que o Inmetro presta assistência Técnica AI
8.6/5 Número de programas de avaliação da conformidade desenvolvidos ou revisados (CG e PPA) AC
8.6/6 Número de empresas com objetos submetidos à avaliação da conformidade (CG) AC
8.6/7 Número de modelos de produtos com certificação (CG) AC
8.6/8 Número de ações de fiscalização de produtos regulamentados (CG) AC
8.6/9 Índice de irregularidades na fiscalização de produtos regulamentados (CG) AC
8.6/10 Nº total de laboratórios acreditados (ensaio+calibração) ACRE
8.6/11 Nº total de organismos de certificação acreditados ACRE
8.6/12 Índice de utilização de avaliadores externos ao Inmetro no processo de Acreditação (CG) ACRE
8.6/13 Nº de OAC acreditados (CG) ACRE
8.6/14 Índice de irregularidade na verificação de instrumentos de medição GM
8.6/15 Eficiência do serviço descentralizado (CG) (produtividade) GM
8.6/16 Índice de irregularidade de produtos pré-medidos (CG) GM
8.6/17 Número de instrumentos/produtos verificados pela RBMLQ-I (PPA) GM
8.6/18 Produtividade da calibração e ensaio de instrumentos e padrões de medição, com rastreabilidade ao SI (CG) PDRM
8.6/19 Nº de comparações interlaboratoriais internacionais (Comparações chave) PDRM
8.6/20 Nº de serviços no KCDB do BIPM PDRM
Figura 2.2.A.1.1 Principais indicadores
Metas de Curto Metas de Longo
Item Indicadores
Prazo (2009) Prazo (2011)
8.1/1 Nível de satisfação das empresas usuárias dos serviços de verificação periódica 8,1 8,3
8.1/2 Nível de satisfação com o serviço de calibração e ensaio junto a clientes (CG) 8 8,2
8.1/3 Percepção institucional do Inmetro junto a dirigentes de federação de indústria e comércio (CG) 83 85
8.1/4 Desempenho do Contrato de Gestão 96 98
8.1/7 Tempo médio para a concessão de Acreditação de organismos de inspeção (CG) 8 7,0
8.1/8 Tempo médio para a concessão de Acreditação de laboratórios (CG) 12 12
8.1/9 Tempo médio para a concessão de Acreditação de organismos de certificação (CG) 8 7,5
8.1/10 Trabalhos publicados para comunidade científica (CG) 170 200
8.2/1 Nível de entendimento das atividades do Inmetro junto à população brasileira (CG) 47 51
8.2/2 Percepção institucional do Inmetro junto à população brasileira (CG) 81 83
8.2/9 Nº de ouvidorias já implantadas nos Estados integradas ao Sior 26 26
8.3/1 Taxa de crescimento da receita de serviços de controle metrológico (CG) 9,0 10
8.6/5 Número de programas de avaliação da conformidade desenvolvidos ou revisados (CG e PPA) 149 195
8.6/6 Número de empresas com objetos submetidos à avaliação da conformidade (CG) 5.082 6536
8.6/7 Número de modelos de produtos com certificação (CG) 142.800 148.000
8.6/8 Número de ações de fiscalização de produtos regulamentados (CG) 435.000 480.000
8.6/9 Índice de irregularidades na fiscalização de produtos regulamentados (CG) 1,22 1,18
8.6/12 Índice de utilização de avaliadores externos ao Inmetro no processo de Acreditação (CG) 65 90
8.6/13 Nº de OAC acreditados (CG) 1150 1.450
8.6/15 Eficiência do serviço descentralizado (CG) (produtividade) 625 630
8.6/16 Índice de irregularidade de produtos pré-medidos (CG) 2,8 2,6
8.6/17 Número de instrumentos/produtos verificados pela RBMLQ-I (PPA) 17.000.000 21.000.000
Produtividade da calibração e ensaio de instrumentos e padrões de medição, com rastreabilidade 152 157
8.6/18
ao SI (CG)
Figura 2.2.A.1.2. Metas de curto e longo prazo CG e PPA

32
Projetos Destaque do Projeto Indicadores instituições citadas em 5.2.A e 5.2.B, para efeito de
Corporativos impactados geração de informações comparativas, projeção de
1. Cronota- Cooperação: Denatran. Objetivo: 8.1/1, 8.1/2,
cógrafo controlar o transporte de carga e 8.1/3, 8.2/1, desempenho dos congêneres, formulação de objetivos e
passageiros nas estradas 8.2/2, 8.2/10, metas estratégicas e a verificação do posicionamento
brasileiras. 8.2/11, 8.3/1- competitivo atual e futuro do Inmetro são de
8, 8.4/6, responsabilidade de todas as UP, sendo realizados por
8.6/15, 8.6/16
2. Planeja- Reforma do Campus de 8.4/1-3, 8.5/
meio das seguintes práticas disseminadas:
mento e Laboratórios. 1-6 contatos diretos com outros órgãos do governo;
Execução de visita de Diretores e especialistas do Inmetro às
Obras de instituições congêneres no exterior;
Engenharia
3. Criação do Cooperação: Estados Unidos e 8.2/1-5, 8.3/
participação de especialistas do Inmetro em fóruns e
Centro Bio- União Européia. Objetivo: 1-8, 8.6/18-20 eventos nacionais e internacionais;
combustível desenvolvimento de Material de participação de especialistas do Inmetro em avaliações
do Inmetro Referência Certificado (MRC) para laboratoriais (peer reviews);
biodiesel e bioetanol.
acesso às informações comparativas relacionadas à
4. Engenharia Construção de prédio multifuncional 8.4/1-3, 8.5/
(Laboratório para os dois laboratórios. 1-6 atuação de Institutos de Tecnologia Industrial e através
de Química) dos Pontos Focais;
5. Medidor Desenvolver medidores inteligentes, 8.2/1-5, 8.3/ participação do Inmetro em benchmarkings e
Inteligente que trazem uma série de novas 1-8 intercomparações laboratoriais;
possibilidades para o processo de
confiabilidade metrológica. relatos e reuniões para disseminação de dados obtidos
6. Melhoria de Implantar a gestão por processos 8.2/1-5, 8.3/ por profissionais em missões ao exterior;
Processos nas áreas, de modo a aprimorar o 1-8, 8.4/1- informações comparativas e de tendências apresentadas
controle de processos. 6,8.6 nos fóruns internacionais e fornecidas por entidades
7. Nanometro- Promover ações em nanociência e 8.2/1-5, 8.3/
logia em nanometrologia junto ao setor 1-8
parceiras.
produtivo, estimulando o 2.2.A.3. Envolvimento da força de trabalho na
desenvolvimento da indústria nesta
área. elaboração dos planos de ação
8. Fármacos Elaboração e disponibilização de 8.2/1-5, 8.3/ No PEI, uma vez definidos os objetivos, cada UP reúne
Materiais de Referência Certificados 1-8, 8.6/18-20 seus gerentes e detalha os planos de ação, que são
(MRC) para uso na área químico-
farmacêutica. posteriormente aprovados pela AAdm e divulgados para
9. Benchmar- Estabelecer uma metodologia para a 8.3/1-8, toda a força de trabalho.
king busca de referenciais comparativos. A participação da força de trabalho na execução dos
10. Eficiência Melhorar a qualidade dos gastos 8.2/1-5, 8.3/ projetos corporativos ocorre por meio de uma prática
no Geren- públicos e oferecer melhores 1-8
ciamento produtos (bens e serviços) à
inovadora de gestão, intitulada Inmetro-de-depois-de-
Público sociedade e auferir economicidade. amanhã. Este programa consiste na alocação de novos
Compras servidores em projetos corporativos, visando desenvolver
Públicas profissionais para futuro aproveitamento em posições
11. Avaliação Criar um instrumento para avaliar o 8.3/1-8, 8.4/
de Desem- desempenho dos servidores. 1-6
estratégicas. Para garantir o efetivo desenvolvimento
penho. destes novos servidores, criou-se a figura do tutor, que
Mapeamen- orienta a execução das atividades na busca de resultados
to de Com- efetivos.
petências
Os planos de ação dos Macroprocessos são elaborados
12 . Infra- Reestruturar a rede física Inmetro, 8.4/1-3, 8.5/
estrutura TI que envolve a aquisição e instalação 1-6 com o envolvimento do corpo gerencial e técnico nos
de novos equipamentos. workshops dos Blocos II e III (fig. 2.1.B.1.2). Dessa forma,
13. Implanta- Facilitar a implementação de 8.3/1-8, 8.6/ é garantido um alto grau de envolvimento,
ção Assis- programas de avaliação de 5-9 responsabilização e comprometimento das pessoas na
tida de Pro- conformidade, com ênfase nas
gramas de MPEs. definição e execução dos planos.
AC 2.2.B. Estabelecimento de metas para as áreas da
14 Biotecnolo- Incrementar a utilização de 8.3/1-8, 8.6/ organização e coerência entre os indicadores utilizados na
gia biomassa para produção de 1-20, 8.6/18- avaliação da implementação das estratégias e aqueles
bioetanol. 20
Figura 2.2.A.1.3. Planos de ação e indicadores impactados
utilizados na avaliação do desempenho dos processos
Com o objetivo de gerenciar não somente o que é
2.2.A.1. Principais indicadores, metas e planos de ação
considerado estratégico para a organização, mas o seu
As fig. 2.2.A.1.1, fig. 2.2.A.1.2. e fig. 2.2.A.1.3. apresentam, dia-a-dia, criou-se uma rede de indicadores com metas,
as tabelas com os principais indicadores, metas e planos abrangendo desde objetivos estratégicos até processos
de ação. operacionais.
No CG são pactuados outros planos de ação estabelecidos O Mapa Estratégico é gerenciado por meio de indicadores
como meios para alcançar os objetivos de de resultado e de esforço, garantindo uma relação de
desenvolvimento institucional. causa e efeito para um melhor monitoramento do alcance
2.2.A.2. Projeções sobre os referenciais comparativos dos objetivos.
Grande parte desses indicadores tem, em sua memória de
A busca de referenciais se dá com organizações que cálculo, indicadores específicos de cada macroprocesso e
possuem processos comparáveis com as atividades do processo organizacional, garantindo um alinhamento entre
Inmetro e que sirvam de balizadores para a melhoria do os indicadores estratégicos e os indicadores contidos nos
desempenho organizacional. planos táticos.
O acompanhamento e projeção dos resultados das Nos planejamentos táticos, os Macroprocessos e
33
Processos Organizacionais têm seu foco definido Desde a implementação do primeiro Planejamento
explicitamente no texto da sua declaração de negócio, que Estratégico, a AAdm assumiu como prática a disseminação
busca responder: o que é feito, para quem e como. O do plano às partes interessadas. A divulgação é realizada
negócio é decomposto em dois níveis a saber: processos por meio de fóruns, eventos e mecanismos, apresentados
específicos e processos operacionais. Os indicadores nas fig. 1.1.A.1, 1.1.A.2 e 1.1.A.4, sendo repassado, em
associados ao negócio buscam avaliar o impacto global seguida, ao corpo funcional. Os principais canais são o site
(efetividade) das ações mapeadas. Aos processos do Inmetro na Internet, a Intranet, o jornal interno “Na
específicos e operacionais são associados indicadores de: Medida” e as reuniões de coordenação das UP.
eficácia, que expressam a qualidade da prestação dos Adicionalmente, publicações específicas são preparadas
serviços vinculados ao macroprocesso e processo para apresentação a órgãos de governo, aos Comitês do
organizacional; e eficiência, que expressam a otimização Conmetro e a organizações parceiras, conforme
dos recursos alocados ao macroprocesso e processo deliberação da AAdm, em reunião de diretoria.
organizacional. Em 2009, com foco na comunicação e monitoramento dos
Todos os indicadores são cadastrados no sistema planejamentos estratégico e táticos, criaram-se os
corporativo de acompanhamento do desempenho chamados “Painéis de Planejamento”, painéis acrílico que
(Planest), que evidencia, graficamente, o alcance das são fixados em locais de ampla visibilidade para os
metas estabelecidas. dirigentes das UP, dentro das dependências do Inmetro.
Os locais escolhidos foram salas de reuniões, salas dos
2.2.C. Desdobramento dos planos de ação e coerência
diretores e coordenadores gerais e na sala de reunião da
com as estratégias selecionadas
presidência do órgão, de modo a evidenciar as
Os planos de ação são desdobrados em dois níveis: informações qualitativas e quantitativas disponíveis nos
projetos corporativos, vinculados aos objetivos do Mapa sistemas referentes ao planejamento estratégico
Estratégico, e projetos vinculados aos Macroprocessos e institucional e aos planejamentos táticos dos
Processos Organizacionais. Macroprocessos.
No PEI, uma vez definidos os objetivos, cada chefe de UP A fig. 2.2.E.1 apresenta o painel de planejamento, que é
reúne os gerentes, e detalha os planos de ação. Nesse composto por quadrantes de informações gerenciais
detalhamento são definidas as etapas dos projetos e as atualizadas periodicamente.
áreas responsáveis pela sua execução. Como os projetos
corporativos normalmente envolvem mais de uma UP, a
Dplad coordena este processo, analisando e fazendo
sugestões de melhoria nos detalhamentos dos projetos.
Para auxiliar esta análise, e garantir coerência com as
estratégias da instituição, é utilizada como padrão de
trabalho uma ficha em excel elaborada conforme campos
constantes no sistema corporativo de acompanhamento de
projetos (Sicap).
Nos planos táticos utiliza-se a mesma prática e padrão de
trabalho.
2.2.D. Alocação de recursos
O Siplan é o principal instrumento utilizado para a alocação
e controle dos recursos orçamentários e financeiros
necessários à execução dos planos estabelecidos. A
integração existente entre os sistemas de planejamento
(Planest e Sicap) e o sistema orçamentário (Siplan) Figura 2.2.E.1
permite a integração do Planejamento Estratégico e O painel de planejamento apresenta uma fotografia do
Operacional com o processo orçamentário, fazendo com andamento das atividades das UP, destacando, de
que o orçamento seja, efetivamente, a dimensão financeira maneira sintética, as informações mais relevantes para
dos planos e projetos. AAdm Vale ressaltar que essa fotografia é extraida das
2.2.D.1. Principais recursos financeiros e não- informações disponíveis nos sistemas Sicap e Planest.
financeiros alocados 1.Quadrante de macroprocesso – o primeiro quadrante
Macroprocesso Recursos orçamentários (R$) contém a(s) árvore(s) de macroprocesso relacionada(s) à
Avaliação da Conformidade 6.893.228,00 UP.
Garantia Metrológica 9.914.537,00
2.Quadrante de acompanhamento de projetos – o segundo
Pesquisa, Desenvolvimento e 13.716.767,00
Rastreabilidade em Metrologia quadrante contém os principais projetos da carteira da
Educação para Metrologia e Qualidade 268.020,00 UP e seus respectivos status de execução física;
Acreditação 4.383.315,00 3.Quadrante de indicadores de desempenho – o terceiro
Gestão Estratégica 20.109.210,00 quadrante contém uma lista de indicadores do(s)
Apoio 52.407.246,00 macroprocesso(s) e dos objetivo(s) estratégico(s)
Articulação Internacional 569.921,00
Inovação Tecnológica 1.379.397,00
institucional(is) relacionado(s) à UP, com seus
Figura 2.2.D.1 - Exemplos de Recursos Alocados em 2009 respectivos resultados;
(Fonte: Siplan Relatório DP01 - Previsto) 4.Quadrante de verificação da atualização dos sistemas –
2.2.E. Comunicação das metas, dos indicadores e dos o quarto quadrante contém uma planilha com
planos de ação para a força de trabalho e para as informações quantitativas sobre o grau de atualização
demais partes interessadas
34
dos projetos (Sicap) e indicadores (Planest), conforme função de futuras conveniências, de alterações dos tipos
figura abaixo. e informação que constarão nos quadrantes, visando
auxiliar na tomada de decisão da AAdm.
2.2.F. Monitoramento da implementação dos planos de
Elaboração dos novos quadrantes - Consiste na
ação
produção das planilhas e gráficos com informações
Em 2008, foi dada ênfase à parte de monitoramento do atualizadas, que preencherão os quadrantes do painel,
mapa estratégico do Inmetro, construído de acordo com a fechando um ciclo de monitoramento.
metodologia BSC. O início desta etapa teve como marco a À luz das atividades descritas, conclui-se que o
elaboração de um documento que relaciona todos os monitoramento dos planos de ação constitui-se em um
indicadores pertinentes para o mapa estratégico, além dos processo contínuo e simultâneo ao gerenciamento e à
projetos considerados corporativos e estratégicos. avaliação do desempenho institucional. Assegura-se, desta
Seguindo a filosofia de promover a discussão dos forma, a consecução dos resultados finalísticos e
resultados alcançados e fomentar a cultura de intermediários, identificando as dificuldades encontradas
implementação do BSC, criou-se a figura do gestor de para que se possa solucioná-las, garantindo assim a
planejamento em cada UP. Os gestores de planejamento efetiva implantação das ações planejadas.
são servidores/colaboradores com experiência em gestão,
que são incumbidos da tarefa de acompanhar e divulgar o Melhorias recentes implementadas
planejamento nas respectivas UP, além de estimular e Principais Inovações e Melhorias
acompanhar o uso e a atualização dos sistemas Ano
Implementadas
corporativos de gestão. 2008 - Abril Implantação do BSC – Situação atual
Com a adoção dos panéis de planejamento, a metodologia Formação do Grupo de Gestores de Planejamento
2008 – Junho do Inmetro (Responsáveis pelas atividades de
de monitoramento compreende: planejamento das UP)
Reuniões com os gestores de planejamento – Esta 2008 – Outubro 1° Ciclo de Monitoramento do BSC
atividade consiste na realização de reuniões com os 2009 – 1º semestre Implantação dos painéis de Planejamento
gestores de planejamento de cada UP, visando, de um Programa de Desenvolvimento Gerencial (PDG),
2009 - Setembro que contou com a participação de cerca de 120
lado, ao acompanhamento da execução dos projetos e gerentes- Curso BSC Aplicado ao Inmetro
da coleta de indicadores da área; de outro, à avaliação 2009 – Dezembro Revisão do Mapa Estratégico elaborado em 2006
crítica da pertinência e da confiabilidade dos indicadores,
da adequação da carteira de projetos com relação aos Controle das práticas de gestão
objetivos estratégicos da instituição. Em adição, são As principais práticas de gestão relativas às estratégias e a
levantadas nessas reuniões as demandas relacionadas planos, com padrões de trabalho, métodos de controle,
aos novos tipos de informação a serem eventualmente aplicação e responsáveis estão apresentadas na fig. 2.0
incluídas nos painéis. que evidencia aspectos de disseminação, integração e
Análise crítica dos quadrantes – Compõem-se não continuidade.
apenas de atualizações periódicas das informações, em
Controle da Prática Aplicação da Prática
Práticas de Padrões de Método Dissemi- Conti- Integração
Gestão Trabalho Específico de Freq. Responsável nação nuidade Coerê- Inter-Relação Cooperação
Controle (Desde) ncia
Órgãos
PPA; CG;
PPA; CG; Reuniões CCA, Semestral, Planejamento públicos e
Todas PDP,
Formulação das PDP, Relatório do anual e Dplad, Presi estratégico e privados;
UP e 1998 Resolu-
Políticas Públicas Resoluções GC, reuniões Conforme e Gabin tático e todas outros inst. de
RBMLQ-I ções
Conmetro AAdm agendas UP pesq. nacionais
Conmetro
e inter.
Órgãos
Reuniões PPA; CG;
A cada 7 Planejamento públicos e
Formulação das Planejamento AAdm, Todas PDP,
anos com estratégico privados;
Estratégias da estratégico e Reuniões Dplad e Presi UP e 1991 Resolu-
revisão tático e todas outros inst. de
Organização tático específicas RBMLQ-I ções
anual UP pesq. nacionais
com UP Conmetro
e inter.
Órgãos
Reuniões PPA; CG;
Avaliação Planejamento públicos e
Planejamento AAdm, PDP,
seleção e Dplad, Presi Todas estratégico privados;
estratégico e Reuniões Anual 1991 Resolu-
divulgação das e Gabin UP tático e todas outros inst. de
tático e CG específicas ções
estratégias UP pesq. nacionais
com UP Conmetro
e inter.
Reuniões
Planejamento
Planejamento AAdm,
Implementação Dplad, Presi Todas PPA e estratégico Órgãos
estratégico e Reuniões Contínua 1991
das estratégias e Todas UP UP CG tático e todas públicos
tático e CG específicas
UP
com UP
Planejamento Planejamento
Reuniões
Monitoramento estratégico e Dplad e Todas PPA e estratégico Órgãos
específicas Contínua 1998
dos indicadores tático, CG e Todas UP UP CG tático e todas públicos
com UP
Planest UP
Planejamento Planejamento
Monitoramento Reuniões
estratégico e Dplad e Todas PPA e estratégico Órgãos
dos planos de específicas Contínua 1995
tático, CG e Todas UP UP CG tático e todas públicos
ação com UP
Sicap UP
Figura 2.0. Controle, aplicação e integração das práticas de gestão relativas às Estratégias e Planos

35
3 - CIDADÃOS planejamento anual da regulamentação metrológica (OS-
Dimel-004) e avaliação da ampliação dos programas de
3.1. Imagem e conhecimento mútuo Acreditação (NIE-Cgcre-015).
3.1.A. Segmentação dos cidadãos usuários 3.1.A.2. Critérios utilizados para agrupar os cidadãos-
Os cidadãos-usuários são identificados e classificados usuários
considerando a natureza das atividades, a Missão, a
O agrupamento é feito com base no perfil dos
cadeia produtiva de cada um dos Macroprocessos e a
Macroprocessos e na natureza dos processos
cadeia de valor dos Processos Organizacionais. Na operacionais (conforme 7.1), assim como nas
revisão do PEI de 2006 (horizonte 2007-2014), os características de serviços e produtos oferecidos
cidadãos-usuários foram identificados e classificados como
(conforme Perfil).
mostra a fig. 3.1.A.1.
Grupo Integrantes 3.1.B. Identificação, análise e compreensão das
Indústria, comércio e prestação de serviços, MBC, necessidades e expectativas
Setor produtivo
CNI, CNC, Federações da Indústria e do Comércio
(usuários)
Estaduais
A identificação, análise e compreensão das necessidades
Órgãos Casa Civil da PR, MDIC, MP, MF, outros Ministérios, e expectativas dos cidadãos-usuários atuais e potenciais,
governamentais secretarias, empresas públicas, autoridades assim como sua utilização para definir e melhorar
(usuários) regulamentadoras e agências reguladoras produtos, serviços e processos, são realizadas pelos
Comunidade Institutos de pesquisa, laboratórios, organismos mecanismos, mostrados na fig. 3.1.B.1.
científica e técnicos e instituições de ensino vinculadas à
tecnológica ciência e à tecnologia 3.1.B.1. Metodologias utilizadas para determinar a
(usuários)
Cidadãos e consumidores, CPCON, entidades de
importância relativa
Sociedade como
um todo
defesa do consumidor, sindicatos e associações de As UP utilizam práticas específicas com padrões e
classe, órgãos da mídia, ONG e demais metodologias próprias para identificar necessidades e
(beneficiários)
representantes da sociedade organizada
Figura 3.1.A.1. Segmentação dos cidadãos-usuários
expectativas e para avaliar a sua importância relativa no
contexto do Sinmetro, conforme mostrado na fig. 3.1.B.1.
3.1.A.1. Identificação dos cidadãos-usuários atuais e Corporativamente, as pesquisas de opinião são
potenciais instrumentos importantes nessa avaliação, que conta ainda
A sistemática de identificação é analisada nas revisões do com a disponibilização de canais de acesso, conforme 3.2,
PEI, quando os Macroprocessos (e cadeias produtivas) e por meio dos quais são obtidos dados e informações
os Processos Organizacionais (e cadeias de valor) são importantes com o mesmo objetivo. As práticas e
atualizados. A segmentação apresentada foi mantida na instrumentos aplicados têm permitido antecipar tendências,
recente revisão de 2009. Objetivando ações de caráter o que possibilitou não apenas criar novos produtos ou
pró-ativo, cidadãos-usuários potenciais são identificados serviços, mas ampliar competências e adequar à estrutura
na dinâmica da atuação das UP, no monitoramento e na organizacional a novos desafios. São exemplos:
análise de dados obtidos por meio de canais de Desenvolvimento de MRC;
relacionamento como Ouvidoria, comitês assessores do Criação da Diretoria de Programa;
Conmetro, pesquisas de opinião e demais mecanismos de Criação da Diretoria de Inovação e Tecnologia;
interação apresentados na fig. 3.1.B.1. O controle dessa Convênio com Ministério da Justiça (Metrologia
identificação é feito pelas UP, seguindo padrões Forense);
estabelecidos, tais como: prospecção de demandas por Sistema de Medição de Vazão (Receita Federal);
programas de avaliação da conformidade (NIT-Diape-001),
Verificação de cronotacógrafos.
Importância Relativa das Respon-
Mecanismos Padrões, Metodologias e Insumos
Necessidades sável
Ampliação do perfil de Prospecção de demandas por programas de
NIG-Dqual-002; NIT-Diape-001; recomendações do
atuação e da oferta de avaliação da conformidade de produtos e Dqual
CBAC; ferramenta “Indique” no sítio Inmetro
serviços serviços
Identificação de prioridades; Painéis Setoriais; Visitas aos laboratórios por Demandas e atributos de serviços e materiais de
Desenvolvimento de MRC; entidades e associações de classe; Reuniões Dimci, referência; resultados de pesquisas de satisfação;
Ampliação do perfil de técnicas com representantes dessas Dimel e NIE- Dimci -002; NIE- Dimci -008; Diretrizes
atuação, da oferta de entidades, associações e instituições para Dqual Estratégicas da Metrologia Brasileira;
serviços e do apoio desenvolvimento de produtos e serviços Recomendações do CBM
Avaliação da demanda por novos programas
Ampliação do perfil de
de Acreditação decorrente de programas de
atuação e da oferta de Cgcre NIE-Cgcre-015; Plano quadrienal do PBAC;
avaliação da conformidade; Solicitações dos
serviços
organismos de certificação e dos laboratórios
Participação dos setores produtivo, acadêmico NIG-Dimel-001; NIG-Dimel-004; NIE-Dimel-104; NIE-
Ampliação do atendimento à Dimel,
e de defesa do consumidor na elaboração de Dimel-105; NIT-Dipac-012; Recomendações do CBR
demanda por Dqual e
regulamentos técnicos (metrológicos e e resoluções do Conmetro; Consulta pública, RTM,
regulamentação Dimci
conformidade) RAC, Portarias
Figura 3.1.B.1. Exemplos de mecanismos de identificação, análise, compreensão e utilização das necessidades e expectativas e sua importância
relativa
3.1.C. Divulgação aos cidadãos e à sociedade 3.1.C.1. Métodos utilizados para assegurar a clareza, a
A divulgação dos produtos e serviços, padrões de autenticidade e o conteúdo adequado das mensagens
atendimento e ações de melhoria aos cidadãos e à divulgadas
sociedade é realizada por meio dos mecanismos de A Dicom atua com seus setores de Jornalismo, Relações
interação descritos em 3.2 e canais de comunicação Públicas e Publicidade para garantir que todos os
apresentados na fig. 3.1.C.1, bem como pela dinâmica de segmentos mostrados na fig. 3.1.A.1 se mantenham
participação e promoção de eventos a eles relacionados. posicionados, por meio de informações relativas à
36
Organização (e seus serviços) perfeitamente divulgação, no programa Fantástico (Rede Globo), das
compreendidas pelos cidadãos-usuários e pela sociedade análises de conformidade de produtos. A audiência
impactada. A garantia de uma imagem institucional positiva estimada é de 24 milhões de telespectadores. Em 2009,
é reforçada por essa atuação, incluíndo o monitoramento foram contabilizados 980 atendimentos a jornalistas e
constante do uso de marcas e símbolos conforme 2.455 matérias positivas sobre a Instituição veiculadas na
regulamentação do uso das marcas, visando prevenir o grande imprensa. As ações de relações públicas englobam
uso indevido ou abusivo, conforme Portaria n.º 179/ 2009. a promoção e a organização de eventos de interesse
Nessa tarefa participam a RBMLQ-I, a Ouvidoria e os institucional e a condução do Programa de Visitas ao
próprios servidores, convocados a contribuir no Inmetro (padrão NIG-Gabin-001), registrando a presença
monitoramento. A partir de janeiro de 2006, a identificação de importantes cidadãos-usuários, representantes dos
institucional e a dos produtos e serviços prestados cenários acadêmico, político, científico e empresarial, tanto
deixaram de ser feitas exclusivamente pelo símbolo "I", nacionais como internacionais. Em 2009, foram realizados
hoje tão difundido e reconhecido como marca institucional 80 eventos e 30 visitas. As campanhas de comunicação
(registrada no INPI sob o n.º 8211051240). Foram criados externa e interna e a produção de material institucional e
símbolos e marcas de Acreditação e selos diferenciados promocional são ações de publicidade coordenadas ou
para serviços metrológicos e de avaliação da desenvolvidas pela Dicom, entre as quais se destacam, em
conformidade, para identificar esses serviços. 2009: a produção de filme institucional apresentando o
Tp Canais de Comunicação Instituto e suas UP; o relatório de atividades no período
Intranet 2004-2008, em três idiomas; folders sobre novos padrões
Jornal Na Medida de produtos certificados; e filmes de utilidade pública
Interna

Murais veiculados em rede nacional nos horários gratuitos


Comunica (mensagem eletrônica direta)
Painéis eletrônicos
destinados ao Governo Federal.
Palestras, encontros e outros eventos institucionais As ações acima descritas são integradas para assegurar a
Jornais Folha de SP, Estado SP, Globo clareza, a autenticidade, o conteúdo adequado, a
Rádios CBN, Band News, Globo abrangência e o perfeito entendimento das mensagens
Matérias espontâneas em outros veículos de imprensa de divulgadas e do trabalho desenvolvido pela Instituição. As
abrangência nacional e local
Quadro de análise de produtos no Fantástico da Rede Globo
pesquisas realizadas periodicamente pela Dplad têm
Programas (Em Cima da Hora/Globo News, Auto Esporte, Bom demonstrado um elevado grau de conhecimento,
Dia Brasil) credibilidade e confiabilidade da Instituição junto aos
Sítios do Inmetro, Uol, Terra, G1(Globo) cidadãos-usuários. O mesmo resultado é obtido junto a
Externa

Sala Virtual de Imprensa empresários, congressistas, jornalistas e dirigentes de


Portal do Consumidor
federações de indústria e comércio. Em 2009, a marca
Portal da RBMLQ-I
Boletim Inmetro Informação Inmetro figurou, pela terceira vez consecutiva, na lista das
Veiculação de spots em rádios de todo o Brasil através da Rádio marcas com melhor desempenho do País na publicação
Câmara Superbrands. O instituto é a única entidade da
Campanhas de utilidade pública, divulgadas na mídia nacional, administração indireta entre as 25 premiadas.
em horário gratuito.
Programa de visitas ao Inmetro 3.1.D. Identificação e avaliação dos níveis de
Promoção e participação em eventos: seminários, congressos, conhecimento do universo potencial dos cidadãos-
exposições, workshops, painéis, feiras e lançamentos
Figura 3.1.C.1. Principais canais de comunicação
usuários
Os manuais das marcas e símbolos são disponibilizados A identificação e avaliação dos níveis de conhecimento do
para consulta, na internet. Os fabricantes e prestadores de universo potencial dos cidadãos-usuários sobre a
serviço são orientados pelos organismos acreditadores e Instituição e os produtos e serviços prestados, assim como
certificadores, quanto à existência e correta aplicação das suas ações, são feitas por pesquisas junto à população,
marcas. Os cidadãos recebem essa informação por meio desde 1995 (NIG-Dplad-032). Para manter a necessária
de publicações oficiais e matérias divulgadas pelos isenção, são utilizados serviços terceirizados, com
mecanismos apresentados na fig. 3.1.C.1. questionários padronizados e previamente aprovados. O
A atividade institucional foi intensificada e refinada com a conteúdo e a metodologia dessas pesquisas foram
contratação de uma assessoria de imprensa de refinados ao longo do tempo, em função dos objetivos
competência nacional reconhecida (CDN Comunicação planejados. Os agrupamentos amostrados, a segmentação
Corporativa) que, em conjunto com a equipe de jornalismo praticada e os indicadores gerados estão apresentados na
da Dicom, assumiu o relacionamento com jornalistas e fig. 3.1.C.2.
veículos de comunicação. De acordo com o porte e 3.1.E. Avaliação da imagem perante os cidadãos-
demanda do assunto a ser divulgado, são utilizadas usuários
práticas como: entrevistas coletivas à imprensa, press-
A imagem institucional junto aos cidadãos-usuários é
releases, press-kit, atendimento direto a jornalistas, banco
avaliada pelas mesmas pesquisas apresentadas em 3.1.D,
de imagens, suporte aos jornalistas na elaboração das
focada em atributos definidos pela Organização com base
matérias, clipping de matérias publicadas em jornais
no relacionamento e na interação construídas de acordo
impressos, revistas, rádios, TV e internet, análise diária com a segmentação mostrada na fig. 3.1.A.1.
dos conteúdos publicados sobre o Inmetro, tratamento de 3.1.E. Avaliação da imagem perante os cidadãos-
crises de comunicação, media-training, preparação dos usuários
porta-vozes institucionais e promoção de visitas de
jornalistas. A imagem institucional junto aos cidadãos-usuários é
O trabalho desenvolvido resultou na ocupação de avaliada pelas mesmas pesquisas apresentadas em 3.1.D,
importantes espaços na mídia nacional e consolidação de focada em atributos definidos pela Organização com base
grandes parcerias. Entre elas se destacam doze anos de no relacionamento e na interação construídas de acordo
37
com a segmentação mostrada na fig. 3.1.A.1.
Agrupamento Segmentação Dados gerados
Sexo Nível de conhecimento
Faixa etária Nível de entendimento das atividades (conhece e sabe o que faz)
Grau de instrução Nível de reconhecimento da marca
Sociedade como Região geográfica Nível de confiança
um todo Condição do município (capital, Nível de credibilidade (confiança do público que conhece e sabe o que faz)
(Beneficiários) periferia ou interior) Nível de confiança de instrumentos e produtos
Porte do município (n.º de eleitores) Índice da população que prefere comprar produtos com o selo a marcas conhecidas, mas
Renda familiar e Critério Econômico sem o selo
Brasil (classes A/B, C e D/E) Percepção institucional
Nível de satisfação com o serviço de calibração e ensaio
Nível de satisfação com o tempo do serviço de calibração e ensaio
Condição do município (capital,
Nível de satisfação do serviço de verificação periódica
periferia ou interior)
Cidadãos- Percepção institucional do Inmetro junto a dirigentes de federações de indústria e
Porte do município (n.º de eleitores)
Usuários (inclui comércio
Setor de atividade (indústria, comércio
usuários de Satisfação dos dirigentes de federações de indústria e comércio no que se refere à
ou serviço)
serviços) prestação de serviços às indústrias
Região geográfica
Nível de contribuição do trabalho do Inmetro no apoio à pequena e média empresa
Tipo de serviço
Nível de contribuição do trabalho do Inmetro para a inovação das indústrias
Nível de contribuição do trabalho do Inmetro para a competitividade das indústrias
Figura 3.1.C.2. Segmentação de dados da pesquisa
3.1.E.1. Atributos definidos pela organização para 3.1.F.1 Principais indicadores utilizados e ações
caracterizar sua imagem decorrentes
Os principais atributos definidos para caracterizar a Os principais indicadores utilizados estão apresentados em
imagem institucional são ligados aos aspectos focados em 8.1. Como fruto do tratamento dos resultados do
indicadores relativos a conhecimento da Instituição, nível atendimento, ações foram empreendidas e melhorias
de entendimento das atividades, reconhecimento da foram implementadas, como:
marca, confiança, credibilidade, satisfação pelos serviços disponibilização de MRC;
prestados e percepção institucional, especialmente quanto expansão da abrangência do controle metrológico com a
à eficiência, comparativamente a outras instituições adoção da auto verificação por parte dos fabricantes;
públicas. São atributos que caracterizam a imagem da criação da CPCC – Comissão Permanente de
Organização: a contribuição para o desenvolvimento do Credibilidade das Certificações (no âmbito do CBAC);
País, em temas como competitividade, inovação, a criação do CBR – Comitê Brasileiro de
exportação, melhoria da qualidade de produtos e serviços, Regulamentação;
concorrência justa, apoio à pequena e média empresa e ampliação do acesso das micro e pequenas empresas
proteção ao consumidor, assim como o envolvimento em aos serviços de metrologia e avaliação da conformidade;
temas estratégicos como biocombustíveis, PDP, utilização de avaliadores externos no processo de
telecomunicações, TV digital, certificação florestal, Acreditação de organismos de avaliação da
eficiência energética e produção integrada de frutas. conformidade;
3.1.E.2. Principais indicadores utilizados para medir a redução do tempo médio para Acreditação de
imagem laboratórios, organismos de inspeção, organismos de
Os dados gerados pela pesquisa, conforme fig. 3.1.C.2, e certificação e para apreciação técnica de modelos.
outros resultados de indicadores apresentados em 8.1, há Aprendizado
aqueles obtidos de práticas de gestão vinculadas à A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões
divulgação institucional ou decorrentes de processos de trabalho é realizada de acordo com a metodologia geral
finalísticos (8.6). São resultados que complementam as de aprendizado, descrita em 1.2.G. A fig.3.1.F.1 destaca
pesquisas e contribuem para a avaliação da imagem exemplos de inovações ou melhorias introduzidas nos
institucional. São exemplos, o número de trabalhos anos das práticas de gestão relativas a Imagem e
publicados, o número de países onde presta assistência Conhecimento Mútuo.
técnica, o número de consultas da mídia junto à Dicom, o
Principais Inovações e Melhorias Implementadas
número de eventos realizados e o número de eventos
Painéis Setoriais
realizados com valor agregado (eventos com a presença Programa de Visitas ao Inmetro
do Presidente da República, Ministros, Chefes de Estado e Sala Virtual de Imprensa
autoridades internacionais). Regulamentação do Uso de Marcas, Símbolos e Selos
Contratação de Assessoria de Imprensa
3.1.F. Avaliação do atendimento ao universo potencial Figura 3.1.F.1. Evidências de aprendizado nas práticas de gestão
dos cidadãos-usuários identificados relativas à Imagem e Conhecimento Mutuo
Nas pesquisas de opinião junto aos cidadãos-usuários são 3.2. Relacionamento com os cidadãos-usuários
identificados segmentos ou setores que deveriam ter um 3.2.A. Definição e divulgação dos principais canais de
atendimento mais abrangente, assim como novos serviços acesso
ainda não regulamentados ou em fase de regulamentação Os principais canais de acesso disponibilizados para fins
Essa identificação constitui importante subsídio no sentido de assistência, informações ou esclarecimentos sobre
de adequar o portfólio de produtos e serviços. Os serviços e produtos e para comunicar sugestões ou
resultados das pesquisas são apresentados pela Dplad reclamações são definidos a partir da segmentação
para a AAdm e para cada UP, com o objetivo de apresentada na fig. 3.1.A.1. São consideradas as
desenvolver e refinar processos, produtos e serviços. necessidades e peculiaridades de cada grupo e de seus
38
integrantes, entre as quais se destacam aspectos relatórios de atividades, sítios, banners, jornais e
geográficos, econômicos e tecnológicos, assim como publicações. A assessoria de imprensa orienta os
subsídios decorrentes da avaliação dos resultados das jornalistas para que incluam em suas matérias os contatos
pesquisas, tipo de relacionamento e aplicabilidade de cada para mais informações e esclarecimentos aos cidadãos.
canal disponibilizado. Os canais de acesso disponíveis Os principais canais de acesso são apresentados na fig.
para os cidadãos-usuários são permanentemente incluídos 3.2.A.1.
nas peças de divulgação, tais como: cartilhas, folders,
Cidadão-Usuário Canais de Acesso Principais Mecanismos de Consulta
Sociedade como Biblioteca on line, call center, pedagoteca, base de dados de portarias
um todo Ouvidoria; Sítio na Internet; Portal do Consumidor e regulamentos, consulta aos órgãos de proteção e defesa do
(Beneficiários) consumidor, notícias, Fale Conosco, atendimento ao cidadão
Alerta Exportador; Sítio na Internet; reuniões Regulamentos emitidos no âmbito da OMC, base de dados de
Setor produtivo técnicas; visitas de entidades representativas; organismos e laboratórios acreditados e de regulamentos metrológicos
Painéis Setoriais; eventos nacionais e internacionais e de avaliação da conformidade emitidos, reuniões técnicas
Portal do relacionamento com a RBMLQ-I; Sior – Base de dados da fiscalização das atividades metrológica e da
Orgãos
Ouvidoria; Conmetro; Comissões do Congresso qualidade, dados da arrecadação da fiscalização, procedimentos,
governamentais
Nacional; MDIC; MCT; outros ministérios e agências regulamentos aplicáveis, atendimento ao cidadão
Comunidade Instituições parceiras; laboratórios designados;
Biblioteca online, reuniões técnicas, congressos, seminários e outros
científica e CNPq; visitas de representantes do setor; convênios
eventos nacionais e internacionais,
tecnológica com universidades;
Figura 3.2.A.1 – Principais canais de acesso disponibilizados aos grupos de cidadãos-usuários
3.2.A.1 Principais canais de acesso disponibilizados em processos de exportação, a análise dessas denúncias
aos cidadãos-usuários e a orientação dos exportadores sobre os procedimentos a
O sítio é um dos principais canais de acesso para a adotar, podendo ser geradas outras ações no interesse do
sociedade como um todo, com bancos de dados de exportador e do País.
padrões (normas, regulamentos e portarias); notícias; O Portal de Relacionamento com a RBMLQ-I, que
biblioteca online; "Sala de Imprensa”; acessos à Ouvidoria, congrega os órgãos delegados, objetiva a troca de
ao Portal do Consumidor, ao Ponto Focal, ao serviço "Fale informações e conhecimento via Internet, mediante a
com o Inmetro", ao Programa de Análise de Produtos (link: padronização e a criação de uma base corporativa de
“Indique! Sugestão para o Programa de Análise de dados.
Produtos”) e um canal específico para as pessoas Outro canal importante de acesso e divulgação de
relatarem seus acidentes de consumo (link: “Acidente de informações é o link “Produção Intelectual”, do sítio.
consumo: relate seu caso”). Adicionalmente, a disseminação de informações ocorre
A Ouvidoria disponibiliza aos cidadãos-usuários os pelo Portal de Relacionamento da RBMLQ-I, pelo Sidoq e
seguintes meios: internet, telefone com discagem gratuita por meio dos Relatórios de Avaliação do Contrato de
(0800) e atendimento presencial. Oferece uma Central de Gestão.
Tele-atendimento (desde 2001) que funciona nos dias A gestão das informações disponibilizadas é
úteis, em horário comercial, com doze operadores de responsabilidade das UP, em função de suas
telemarketing e uma supervisora, visando um atendimento competências. Essas informações são direcionadas ao
mais rápido e eficaz (padrão NIE-Ouvid-001). O Portal do Gabin/Dicom, para divulgação aos cidadãos-usuários.
Consumidor, sítio de informações sobre relações de 3.2.B. Tratamento das reclamações e sugestões
consumo, recebeu mais de 19.300.000 acessos desde sua
O tratamento das reclamações, formais e informais, é
criação, em 2002. O Portal possui cerca de 3.000 sítios
realizado pela Ouvidoria, utilizando como ferramenta o
divulgadores voluntários e mantêm-se em primeiro lugar,
SAC – Sistema de Atendimento ao Cidadão. Esse sistema
há mais de quatro anos, no principal buscador da Web,
visa à centralização das demandas que chegam à
com um resultado de 23.700.000 páginas. O sítio divulga
Ouvidoria, assim como nas áreas técnicas, possibilitando o
mensalmente mais de 650 notícias mensais sobre os
registro, análise e o acompanhamento das manifestações
assuntos que perpassam as relações de consumo como:
dos cidadãos, até a sua solução, gerando relatórios e
saúde, direito do consumidor, educação e cidadania, entre
gráficos estatísticos que fornecem a visibilidade necessária
outros. A relevância do serviço do Portal tem provocado
da Instituição aos cidadãos-usuários.
ações espontâneas de apoio da sociedade. Recentemente,
A Ouvidoria utiliza como padrões de trabalho, as normas
foram criados (por um usuário do sítio) o Twitter (rede de
NIG-Ouvid-002 (para tratar as reclamações, críticas e
relacionamento social) e o Microblog do Portal, permitindo
denúncias) e a NIG-Ouvid-004 (para tratar as solicitações
postar as notícias publicadas no Portal para 2.145
de informações e sugestões recebidas). Mantém um Grupo
seguidores.
de Atendimento Especializado – GA, que trata as
O Ponto Focal de Barreiras Técnicas às Exportações
demandas mais complexas recebidas pela Central de
(função exercida no País pelo Instituto) disponibiliza seis
Atendimento e demais canais, encaminhando às áreas
serviços de apoio ao setor empresarial através da Internet.
competentes temas específicos. Com o objetivo de agilizar
O serviço "Alerta Exportador!" foi lançado em âmbito
ainda mais o atendimento, foi criada uma base com
nacional em 2002, ampliado para todo o Mercosul em 2004
aproximadamente 1000 questões / assuntos mais
e refinado em 2005, no que diz respeito às ferramentas de
freqüentes, atualizada constantemente. Essa base integra
gestão interna. Trata-se de um serviço prestado
o SAC e atende o GA.
gratuitamente, que fornece informações, via e-mail, sobre
Os operadores do call center recebem treinamento
as notificações que os demais países fazem à OMC, a
continuado da equipe da Ouvidoria, objetivando
respeito de entrada em vigor de novos regulamentos
atendimentos imediatos e com qualidade. O desempenho
técnicos. Outro serviço importante é o recebimento de
do call center é avaliado com base na análise das
denúncias sobre eventuais barreiras técnicas identificadas
solicitações, no monitoramento dos atendimentos (via
39
gravação), na análise das avaliações dos operadores feitas geram satisfação ou insatisfação são identificados para
pela supervisora da própria Central de Tele-atendimento. cada público pesquisado de forma segmentada, tais como:
Nos últimos quatro anos, houve uma redução significativa estados da federação, informações prestadas,
do tempo de resposta para informações. Hoje, mais de atendimento, conhecimento técnico e conduta do prestador
98% das demandas são respondidas imediatamente, de serviço, tempo e preço cobrado. As perguntas abertas
considerado o total de 45.579 atendimentos realizados em são feitas para identificar os motivos que causaram
2009. satisfação ou insatisfação. O nível de percepção da
Está sendo implementado o Projeto Sior (Sistema eficiência institucional é pesquisado anualmente, de forma
Integrado de Ouvidorias) na RBMLQ-I. O Sior consiste na comparativa com instituições como Procon, Correios,
implantação de ouvidorias em cada um dos órgãos Embrapa, Anatel, ANEEL, Anvisa e INSS, mantendo-se a
delegados, todas elas alinhadas (em conceito e segunda colocação nos últimos três anos.
metodologia) à Ouvidoria. O Sior permite acompanhar, em A percepção institucional junto aos dirigentes das
tempo real, a evolução dos atendimentos por meio do federações de indústria e comércio, que representam uma
SAC, disponível no Portal do Relacionamento com a parcela do setor empresarial, era pesquisada anualmente
RBMLQ-I (dos 26 Estados da Federação, 18 já estão via manifestações espontâneas. Atualmente, essa
funcionando dentro do sistema). pesquisa é feita de maneira objetiva e aleatória, junto a 60
dirigentes de Unidades da Federação.
3.2.B.1. Principais ações decorrentes e sua informação
O resultado final do desempenho do CG, uma nota
As demandas reincidentes são encaminhadas às áreas atribuída sempre no ano subseqüente, em reunião do
responsáveis, para análise crítica e ações corretivas CAA, é considerado como cumprimento de requisito de
necessárias. Desde 2003, a Ouvidoria disponibiliza na parte interessada (indicador da satisfação do Governo
internet relatórios mensais que sintetizam dados Federal), e o seu resultado impacta diretamente na
quantitativos e relatórios anuais que consolidam análises remuneração dos servidores (gerando satisfação da força
relativas às diferentes áreas, possibilitando um de trabalho). O nº de trabalhos científicos publicados é um
planejamento institucional direcionado em função dos indicador da satisfação da comunidade científica e os
resultados. Os relatórios estão disponíveis na intranet e tempos médios de prestação de serviços impactam
internet e são encaminhados ao conhecimento da AAdm diretamente na satisfação e são considerados como
3.2.C. Acompanhamento dos serviços/produtos indicadores importantes para o setor produtivo. A
recentemente prestados ou entregues Ouvidoria gera informações qualitativas relevantes para a
avaliação da satisfação e insatisfação dos cidadãos-
Os serviços recentemente prestados ou entregues são
usuários, disponibilizadas a todas as UP por meio de
acompanhados por cada UP por meio de práticas relatórios mensais e anuais. A coordenação das pesquisas
específicas e mecanismos próprios, conforme as é da Dplad, que faz a análise dos resultados e os
peculiaridades de cada um, com objetivo de gerar soluções
apresenta às UP e à AAdm Os relatórios das pesquisas
rápidas, evitar problemas de atendimento e relacionamento
são disponibilizados para toda a força de trabalho na
e atender expectativas. Assim, a calibração de
Intranet.
instrumentos, a aprovação de modelos e a arqueação de
tanques são acompanhadas quanto ao atendimento às 3.2.E. Utilização das informações para melhorar o nível
expectativas, preço e tempo de resposta, via questionários de satisfação
encaminhados pela Dimel e pela Dimci. Já os serviços A Dplad, ao analisar os resultados das pesquisas,
prestados pela RBMLQ-I são acompanhados por identifica as principais oportunidades de melhoria e as
pesquisas realizadas (por meio de entrevistas telefônicas), apresenta aos Diretores e gerentes responsáveis pelos
a cargo da Dplad, em amostras do universo atendido a processos relacionados. Nas reuniões de análise crítica
cada mês pelos órgãos delegados. A avaliação da das UP e nas reuniões da AAdm, esses resultados são
conformidade tem seus programas acompanhados pela novamente analisados juntamente com as informações
Dqual, por meio do processo de verificação da qualitativas recebidas da Ouvidoria. Desta forma, são
conformidade de produtos (NIT-Divec-004) que constata, definidas medidas corretivas para aperfeiçoar os
no mercado, as características dos produtos com processos, produtos e serviços ofertados aos cidadãos-
conformidade avaliada. usuários.
3.2.D. Avaliação da satisfação e da insatisfação dos 3.2.E.1 Principais ações implementadas
cidadãos usuários
As principais ações implementadas visando à melhoria do
Desde 1998, são realizadas pesquisas de opinião junto nível de satisfação dos cidadãos- usuários são:
aos cidadãos-usuários, em 20 estados da Federação, para Redução do tempo médio dos processos de Acreditação
avaliar a satisfação com os principais serviços prestados de organismos e de aprovação de modelos – Automação
(serviços de verificação periódica e serviços de calibração do processo com aplicação de ferramenta BPMS;
e ensaios), por meio de entrevistas telefônicas pessoais, Aumento da transparência das informações e da
após a prestação dos serviços. velocidade de resposta - Consulta em tempo real da
As pesquisas de satisfação junto à população foram situação do processo de Acreditação;
aprimoradas por meio do refinamento dos questionários e Redução da evasão fiscal em cervejarias - Medição
da utilização de uma ferramenta de gerenciamento online automática de vazão da cerveja;
do software QuestManager, proporcionando agilidade na Novos serviços - Padronização primária de tensão por
realização de pesquisas uma vez que os dados são
meio do efeito Josephson em 10 V e espectrofotometria
registrados no sistema no momento em que a entrevista é
de absorção atômica para análises da qualidade da água
respondida e os relatórios das questões preenchidas são
(PDRM);
atualizados automaticamente. Os principais atributos que
40
Novos produtos - Produção de MRC de biocombustivel anos das práticas de gestão relativas à Relacionamento
em parceria com Nist. com os Cidadãos Usuários.
Principais Inovações e Melhorias Implementadas
Aprendizado
Criação do Link “Produção Intelectual”
A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões Criação do Sior
de trabalho é realizada de acordo com a metodologia geral Biblioteca Online
de aprendizado, descrita em 1.2.G. A fig.3.2.E.1 destaca Criação do link “Acidente de Consumo – Relate seu caso”
Figura 3.2.E.1. Evidências de aprendizado nas práticas de gestão
exemplos de inovações ou melhorias introduzidas nos relativas ao relacionamento com os cidadãos-usuários
Controle da Prática Aplicação da Prática
Práticas de Padrões de Método Conti- Integração
Respon- Dissemi-
Gestão Trabalho Específico de Freq. nuidade Inter-
sável nação Coerência Cooperação
Controle (Desde) Relação
PEI; NIT-Diape- Análise de Dplad, UP
PEI, Negócios PEI, planej.
Identificação e 001; NIE- processos Conforme Dqual, relaciona-
2003 dos Macropro- tático, MP
segmentação Cgcre-015; OS- específicos e agendas Cgcre e das e
cessos todas UP
Dimel-004 operacionais Dimel RBMLQ-I
Reuniões da
AAdm análise de
PEI; NIT-Diape- processos
001; NIE- específicos e Presi,
Cgcre-015; operacionais, Dplad, PEI,
Todas PEI, Negócios
Necessidades NIG-Dimel- atualização de Conforme Dimci, planejamen
UP e 1991 dos Macropro- MP
e expectativas 001/004;NIG- planos de ação agendas Dqual, to tático,
RBMLQ-I cessos
Dqual-002; quadrienal e de Dimel, todas UP
NIE-Dimci- regulamentação, Cgcre
002/008 Reuniões
específicas com
UP
Divulgação de NIG-Gabin- Reuniões da
padrões, 001/002/003/00 AAdm Dplad, PEI, Negócios Planejamen
Conforme Todas
produtos, 5/006/007/008/ Reuniões de Secom- 2004 dos to tático, Dicom
agendas UP
serviços e 009/011/012;NI coordenação das GF Macroprocessos todas UP
ações G-Dplad-035 UP
Níveis de Dplad, PEI,
Reuniões AAdm PEI, Negócios
conhecimento Conforme Presi e Todas Planejamen
NIG-Dplad-032 Reuniões de 1995 dos Ibope
sobre a agendas Todas UP to tático,
avaliação Dplad Macroprocessos
Organização UP todas UP
PEI,
Planejamento Reuniões
Avaliação da Conforme Todas Planejamen
tático, NIG- específicas Dplad Dplad 1995 PEI Ibope
imagem agendas UP to tático,
Dplad-032 com UP
todas UP
PEI,
Dplad e
Avaliação do NIG-Ouvid- Auditorias de Conforme Todas Resultados de Planejamen
Todas 1995 Ibope
atendimento 001/002 avaliação agendas UP pesquisas -to tático,
UP
todas UP
NIG-Caint-
001/002/003,
PEI, Negócios
Principais NIG-Dplad-
Conforme Todas dos Segmen-
canais de 034/035, NIE- Avaliação Dicom Gabin 1995 Dicom
agendas UP Macroprocessos, tação
acesso Dqual-064,
Segmentação
NIG-Ouvid-
001/002
NIG-Ouvid-
001/002, NIT- PEI, Negócios
Tratamento de UP
Divec-005, NIE- Reuniões de Ouvid, dos Segmen-
reclamações e Mensais relaciona 2002 Dplad
Dimci-002, avaliação Ouvid UP Macroprocessos, tação
sugestões das
NIG-Ouvid-004, Segmentação
Sior
PEI, Negócios
Serviços Reuniões de UP
NIT-Divec-004, Ouvid, dos Segmen- Dqual, Dimci,
recentemente avaliação Ouvid, Mensais relaciona 1995
NIE-Dimci-008 UP Macroprocessos, tação Dimel, Cgcre
prestados Reuniões UP das
Segmentação
PEI, Negócios
Avaliação da Reuniões de
NIG-Dplad-032, Conforme Dplad, Todas dos Segmen-
satisfação/ins avaliação Ouvid e 2005 Ibope
Quest-Manager agendas Ouvid UP Macroprocessos, tação
atisfação Dplad
Segmentação
PEI, Negócios
Melhoria da Conforme Todas dos Segmen-
NIG-Dplad-032 Reuniões AAdm AAdm 2005 Dplad
satisfação agendas UP Macroprocessos, tação
Segmentação
Figura 3.0. Controle, aplicação e integração das práticas de gestão relativas à gestão relativas à imagem e conhecimento mútuo e a relacionamento
com cidadãos-usuários
4. SOCIEDADE No âmbito do Regimento Interno, aprovado pela Portaria
MDIC nº 82, de 1º de abril de 2008, foi criado o Nugam,
4.1. Atuação socioambiental vinculado à Diraf, a quem compete à execução das ações
4.1.A. Identificação dos aspectos e tratamento dos de gestão ambiental e de planejamento, implantação e
impactos sociais e ambientais conservação do paisagismo do campus. Para cumprir com
41
essas competências, o Nugam desenvolve, gera e mantém impactos sociais positivos da integração do Inmetro com
um Sistema de Gestão Ambiental (SGA), iniciado em a comunidade local, por meio da geração de renda.
agosto de 2009, cujo principal objetivo é tratar os impactos Note-se que existem outros programas ambientais
sociais e ambientais negativos e potencializar os impactos importantes que estão descritos nos itens a seguir.
positivos.
4.1.A.2. Planos existentes para enfrentar eventuais
Este Sistema foi elaborado de acordo com os preceitos
situações de emergência
estabelecidos na norma ABNT NBR ISO 14001 e com as
obrigações decorrentes das legislações ambientais De acordo com o levantamento de aspectos e impactos
federais, estaduais e municipais pertinentes. O SGA é ambientais, as possíveis emergências mais severas são
composto por uma política de meio ambiente, objetivos aquelas oriundas do descarte inadequado e acidentes no
ambientais, e programas e metas para atingir esses manuseio de resíduos laboratoriais perigosos. Para que
objetivos e cumprir a política. Todos esses componentes sejam evitados esses acidentes, no âmbito do Programa
estão formalmente estabelecidos em normas e de Gerenciamento de Resíduos, desde 2009 os resíduos
procedimentos internos de trabalho. laboratoriais gerados são identificados e catalogados de
Para identificação dos aspectos e impactos sociais e acordo com suas características de periculosidade. São
ambientais são realizados diagnósticos in loco em todas as levantados os riscos e acidentes que podem ocorrer com
UO do campus de Xerém. As Unidades são visitadas, os esses materiais, e maneiras de evitar esses acidentes ou
processos de trabalho são observados e os técnicos e combater seus efeitos deletérios. Todas essas informações
pesquisadores são entrevistados para que sejam são sistematizadas em fichas catalográficas e são
evidenciados os aspectos ambientais envolvidos, e os disponibilizadas para todos aqueles envolvidos com a
potenciais impactos ambientais subseqüentes. A partir gestão desses materiais. As fichas são elaboradas a partir
disso, os impactos sociais e ambientais são valorados das informações das Fichas de Informação de Segurança
levando-se em consideração sua importância e relevância, de Produtos Químicos (FISPQ), reguladas pela NBR
sendo então dispostos em uma escala de prioridade de 14.725 da ABNT. Os resíduos perigosos são removidos e
tratamento. Esse levantamento é realizado anualmente, isolados das áreas comuns em um depósito desenvolvido
sendo que sua primeira versão foi iniciada no segundo especialmente para abrigar produtos dessa natureza.
semestre de 2009. Deste local os resíduos são retirados por empresas
A partir desse diagnóstico são identificados os aspectos licenciadas ambientalmente para que seja feita sua
prioritários para receberem tratamento e desenvolver destinação definitiva apropriada, de acordo com a Lei
Programas Ambientais com o objetivo de prevenir, mitigar Estadual nº 4.191/2003. Todo o transporte é feito de
ou eliminar os eventuais impactos ambientais negativos e acordo com a Resolução 420/04 da ANTT.
conflitos socioambientais. 4.1.B. Comunicação à sociedade dos impactos sociais
4.1.A.1. Principais ações e metas para eliminar, e ambientais
minimizar ou compensar os impactos As ações de gestão ambiental desenvolvidas são
Tendo em vista o levantamento dos impactos ambientais divulgadas pela promoção de palestras e oficinas junto à
mais importantes (descrito em 4.1.A), as principais ações comunidade, publicação de materiais educativos e
em desenvolvimento referem-se à gestão dos resíduos cartazes, divulgação em painéis e na Internet, e
sólidos gerados pelos serviços e atividades desenvolvidas participação de representantes do órgão em seminários
no campus laboratorial. Este trabalho é orientado pelas ambientais e congressos científicos desta área. Sob a
obrigações estabelecidas na Lei Estadual nº 4.191/2003, supervisão da Dicom, são realizadas campanhas que
que dispõe sobre a Política de Resíduos Sólidos do Estado visam não só comunicar os impactos socioambientais, mas
do Rio de Janeiro, e outros documentos legais e normas divulgar e organizar as principais ações, coletivas ou
específicas. Essas ações compõem os seguintes individuais, que podem ser adotadas pela comunidade
programas ambientais: para tratamento desses impactos, como, por exemplo, a
Programa de Gerenciamento de Resíduos: Controla, economia de água e de energia, ou a importância do
desde 2008, todo o material que necessita de descarte plantio de árvores, este último realizado no campus desde
especial, como lâmpadas, pilhas e baterias, resíduos 2006. Foi lançado um DVD duplo com fotos do Projeto de
sólidos laboratoriais e resíduos ambulatoriais. Esse Levantamento, Mapeamento e Monitoramento da Fauna e
material é adequadamente classificado (de acordo com a da Flora (item 4.1.D), com o objetivo de comunicar à
ABNT NBR 10.004), segregado, armazenado (de acordo sociedade sobre a importância do campus laboratorial para
com a ABNT NBR 12.235), transportado, isolado e, por a conservação da biodiversidade local.
fim, recebe sua destinação final adequada por meio de 4.1.B.1. Critérios adotados para selecionar e priorizar
parcerias ou contratos com empresas de descarte de as informações
resíduos licenciadas ambientalmente de acordo com a
As informações a serem comunicadas passam por uma
lei. A matéria orgânica resultante das podas de árvores e
avaliação pela Dicom sobre o objetivo da comunicação,
aparas de gramas do campus de Xerém é reutilizada no
conteúdo a ser divulgado e o público alvo. Baseados nessa
paisagismo por meio da compostagem.
análise são escolhidos os canais mais apropriados, dentre
Programa de Coleta Seletiva Solidária: Em atendimento
aqueles citados em 4.1.B, para garantir a disponibilização
ao Decreto Presidencial nº 5.940/2006, que estabelece a
da informação às partes interessadas.
Coleta Seletiva Solidária, todo o material reciclável
gerado nas dependências do campus de Xerém, como 4.1.C.Tratamento das pendências ou eventuais
copos e garrafas plásticas, latas de alumínio, vidro e sanções
papel, é doado para uma associação local de catadores Em virtude da existência de mecanismos de controle
de lixo. Assim são minimizados os impactos ambientais interno não existem pendências atuais no que se refere à
negativos da geração de lixo, e potencializados os gestão ambiental e não há histórico de sanções anteriores
42
referentes ao descumprimento da legislação ambiental ou árvores, seguem as orientações legais do Decreto nº
de outros requisitos ambientais. Note-se ainda que as 3350/1999 do Município de Duque de Caxias, e são
ações de manejo do campus laboratorial atendem às realizadas em consonância com as orientações da
legislações ambientais municipais, estaduais e federais. As Secretaria Municipal de Meio Ambiente.
atividades são realizadas em parceria e de acordo com as
4.1.E. Envolvimento e conscientização com a
orientações da Secretaria Municipal de Meio Ambiente da
responsabilidade socioambiental
Prefeitura de Duque de Caxias. Os serviços contratados,
como, por exemplo, para retirada de resíduos, são O envolvimento e conscientização da força de trabalho são
licenciados ambientalmente pelo órgão ambiental tratados com base no Programa de Educação Ambiental,
competente. que atua de maneira estruturante e transversal aos outros
programas ambientais. Este programa visa não só
4.1.D. Conservação de recursos não-renováveis e sensibilizar e conscientizar o corpo funcional, mas
preservação dos ecossistemas capacitá-lo e treiná-lo de forma a contribuir na execução
Desde 2004, o programa de Conservação da dos demais programas ambientais. Assim são realizadas
Biodiversidade Local promove ações de gestão ambiental regularmente oficinas de envolvimento e conscientização
com impactos positivos sobre a preservação do para a execução adequada dos programas de coleta
ecossistema que envolve o campus laboratorial. Esse seletiva de materiais recicláveis, gestão de resíduos
programa procura atender à responsabilidade sólidos e uso racional da água e de energia. Os canais de
socioambiental que representa a posição geográfica do divulgação descritos no item 4.1B são utilizados para
campus, próximo à Reserva Biológica (Rebio) Tinguá, envolver a força de trabalho, fornecedores e todas as
unidade de conservação federal com mais de 26.000 partes interessadas na execução dos programas
hectares protegidos, e a própria riqueza da biodiversidade ambientais.
local. Há obrigações legais estabelecidas em documentos Campanhas de educação são utilizadas para
como o Código Florestal (Lei nº 4.771/1965), na Lei das conscientização, como a campanha contra a caça ilegal
Águas (Lei nº 9.433/1997), a Lei de Crimes Ambientais (Lei realizada. Datas ambientais significativas, como o Dia da
nº 9.605/1998) e a Lei da Mata Atlântica (Lei nº Árvore e o Dia Mundial do Meio Ambiente são marcos de
11.428/2006). Assim sendo, desde 2006 é realizado o campanhas de sensibilização sobre responsabilidade
projeto Levantamento, Mapeamento e Monitoramento da socioambiental. O envolvimento do corpo funcional e da
Fauna e da Flora do campus, cujo objetivo é diagnosticar e comunidade do entorno em questões de conservação da
acompanhar a diversidade local de espécies. Esse projeto, biodiversidade local são trabalhados por meio de passeios
que já contou com a parceria da Embrapa Solos, levantou em trilhas ecológicas sinalizadas dispostas ao longo do
91 espécies animais e 47 espécies de plantas. Em campus laboratorial, mutirões voluntários de plantios de
atendimento à Lei nº 5.197/1967, à Lei de Crimes árvores, e exposições de vídeos e fotos do levantamento
Ambientais, e à Instrução Normativa do Ibama nº de fauna e flora local.
169/2008, todos os animais feridos, adoecidos, ou filhotes A participação no Conselho Consultivo da Rebio Tinguá
com risco de morte encontrados no campus são ganha relevância para as partes interessadas com a
encaminhados para o Centro de Triagem de Animais responsabilidade socioambiental internamente e
Silvestres do Ibama em Seropédica, RJ. Da mesma forma, externamente. O Conselho reúne representantes do poder
todas as ocorrências (relatos, denúncias, evidências público municipal, estadual e federal, de ONGs e da
indiretas) de caça ilegal no campus são registrados, sociedade civil organizada. Assim, torna-se, mais do que
sistematizados e encaminhados para o Ibama ou para o um espaço para discussão das ações da Rebio Tinguá, um
Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade verdadeiro fórum para o debate sobre questões relativas
(ICMBio), que são os órgãos ambientais competentes para ao desenvolvimento sustentável de todo o território no
combater esses crimes. O Inmetro faz parte do Conselho entorno da Reserva.
Consultivo da Rebio Tinguá, coordenado pelo ICMBio. A responsabilidade social é estimulada por meio da
Este Conselho, criado pela Portaria Ibama nº. 100, de 6 de integração da força de trabalho em grupos de apoio à
agosto de 2002, têm por objetivo contribuir com o sociedade, na implementação de processos específicos
planejamento das ações de preservação da biodiversidade relacionados com a formação e capacitação e ações
da Rebio Tinguá. Outro projeto importante do Programa de relacionadas à saúde voltadas para o atendimento à
Conservação é o Biomonitoramento dos Rios e Afluentes comunidade em que a organização está inserida. Destaca-
do campus, realizado em parceria com a Unigranrio desde se a realização da Semana da Saúde, há nove anos,
2009, que faz análise da água e da comunidade de insetos envolvendo a força de trabalho, parceiros e comunidade.
aquáticos, e acompanha a qualidade dos corpos hídricos Recentemente, as atividades do Programa de Qualidade
do campus e do entorno. Essas informações podem de Vida no Trabalho, oferecidas aos servidores, descritas
subsidiar a definição de ações de conservação local e uso no item 6.3.D, foram estendidas à população da
sustentável dos recursos hídricos. Mais ainda, para comunidade de Xerém, no entorno do campus laboratorial.
atender às exigências do Código Florestal e preservar os Essas ações estão alinhadas à responsabilidade
fluxos de serviços ecossistêmicos, desde 2006 são socioambiental.
produzidas mudas de espécies florestais nativas em um
4.1.F. Direcionamento de esforços para o
viveiro próprio localizado no campus. Em uma ação que já
fortalecimento da sociedade
contou com a parceria do Jardim Botânico do Rio de
Janeiro, essas mudas são utilizadas em ações de Os esforços envidados para o fortalecimento da sociedade
conservação, como reflorestamento, enriquecimento de e de apoio ao desenvolvimento compreendem atividades
capoeiras, recuperação de áreas degradadas, e para o voltadas para a sociedade, como o Projeto de Formação
paisagismo da área. Por fim, todas as ações de manejo da de Multiplicadores em Educação para o Consumo
arborização do campus, como podas e eventual retirada de Sustentável e o Portal do Consumidor. Ambas as ações
43
fortalecem o consumo sustentável e o respeito aos direitos Informações
dos consumidores. O Curso Técnico em Metrologia, O Siplan, desde 1998, funciona como uma ferramenta útil
realizado em parceria com a Secretaria Estadual de de gestão, disponibilizada em todos os níveis hierárquicos,
Educação, e o Programa de Mestrado Profissional em com dados atualizados diariamente, propiciando um
Metrologia e Qualidade, contribuem na formação de acompanhamento da execução dos projetos e processos
recursos humanos imprescindíveis para o fortalecimento em consonância com o planejamento estratégico. Em
da tecnologia industrial básica do país. 2002, o sistema foi reconhecido nacionalmente com a
Há uma participação no Grupo de Trabalho Permanente de premiação Hélio Beltrão. Outra ferramenta é o Portal do
Apoio aos APL, cujo objetivo é promover o Relacionamento, que promove a integração entre as UP e
desenvolvimento produtivo local, elevando a a RBMLQ-I, contemplando todo território Nacional.
competitividade e a internacionalização dos mercados das A Dplad disponibiliza na Intranet Relatórios Orçamentários
empresas de micro, pequeno e médio porte. e Relatórios de Acompanhamento da Receita com a
A Incubadora de Projetos e de Empresas do Inmetro tem finalidade de dar publicidade a todas as informações.
seu papel no fortalecimento da sociedade, pois oferece
apoio técnico ao desenvolvimento de projetos tecnológicos 4.2.C. Participação da sociedade no controle dos
de interesse de empresas, em constituição ou já resultados
consolidadas no mercado, que atuem nas áreas de O Inmetro atua junto à sociedade, visando a identificar
interesse. suas necessidades, ao mesmo tempo em que, de modo
transparente, busca estimular os diferentes atores sociais
4.1.F.1. Projetos a serem implementados ou apoiados
a controlar seus próprios resultados. Um princípio do
Os projetos encontram-se listados na fig. 2.2.A.1.3. modelo de gestão é a abertura à sociedade, estimulando
4.1.F.2. Principais indicadores de controle da execução sua participação dando publicidade, prestando contas de
e de impactos dos projetos sociais seus atos, atividades e resultados. Para tal, a Instituição
adota uma política de transparência da gestão e de
Os principais indicadores encontram-se listados nas fig.
interação com a sociedade.
2.2.A.1.1 e 2.2.A.1.2.
4.2.C.1. Mecanismos de relacionamento
4.2. Ética e controle social
disponibilizados
4.2.A. Divulgação oficial dos atos e informações
Entre os mecanismos de interação, o sítio é o principal
A Dicom, desde 2004, coordena e controla, de forma
canal de acesso para a sociedade, com bancos de dados,
permanente, os eventos de divulgação dos produtos e
“sala de Imprensa”, acesso à Ouvidoria Externa, ao Portal
serviços, marcas, selos e símbolos (NIG-Gabin-001). Em
do Consumidor, ao Ponto Focal e ao serviço “Fale com o
2007, a identificação da conformidade foi refinada criando-
Inmetro”. São disponibilizados no sítio: o Código de Ética,
se novos selos, que passaram a informar o foco do
um resumo do Plano Estratégico, relatórios anuais de
programa por meio de cores. Os mecanismos adotados
atividades, Relatórios referentes ao PQGF e o Contrato de
para divulgação dos selos foram: veiculações na mídia em
Gestão.
âmbito nacional, visitas ao Campus de Xerém, a
O Portal do Consumidor é uma prática inovadora de
disponibilização e o acesso a informações no sítio, com
integração de informações relevantes para órgãos de
destaque para a sala de imprensa, Intranet e a elaboração
defesa do consumidor, serviços públicos federais,
de material de divulgação institucional, incluindo a
estaduais e municipais, organizações não governamentais
produção de filmes de utilização pública, veiculados em
de interesse público. A busca do envolvimento da
rede nacional, em horário destinado gratuitamente ao
sociedade ocorre pela formação de comissões consultivas
Governo Federal. Essas práticas de gestão estão
com representantes de vários segmentos sociais e
amplamente disseminadas por toda instituição.
realização de consultas públicas.
4.2.A.1. Métodos para assegurar o entendimento e a O Programa de Análise de Produtos é um dos quadros de
interpretação das informações maior permanência no Programa Fantástico,
Desde 1996, as pesquisas de opinião pública são demonstrando o caráter público e aceitação pela
utilizadas como ferramenta de melhoria da gestão sociedade.
institucional. Em 2007, foi refinado o modelo de pesquisa, 4.2.D. Exercício da responsabilidade social da força de
de forma a aprimorar a qualidade das informações e com trabalho
isso obter mais subsídios para avaliação. Uma das
O estímulo ao exercício da responsabilidade social da
inovações introduzidas foi o maior rigor na identificação da
força de trabalho consiste em ações dirigidas à sociedade,
marca.
especialmente a comunidade vizinha de Xerém, que
Nesses 12 anos de pesquisa, o nível de conhecimento
contribui para estimular as pessoas ao exercício da
pela população passou de 46 %, em 1996, para 76,37%
cidadania, onde participam ou colaboram, com seu
em 2008, com uma avaliação positiva de 65% e 53% dos
trabalho, para o desenvolvimento das suas próprias
entrevistados afirmaram ter preferência por comprar um
comunidades ou da sociedade. São exemplos dessas
produto com selo do Inmetro, mesmo sem conhecer a
ações:
marca.
O convênio Inmetro com a SEE-RJ em cooperação com
Como evidências da ampliação do reconhecimento da
o Colégio Estadual Círculo Operário - CECO,
sociedade destacam-se os resultados obtidos na pesquisa,
desenvolvendo o Curso Técnico em Metrologia.
a presença da marca, entre as mais importantes do País
segundo publicação Superbrands e a parceria de quatorze O curso de Formação de Multiplicadores em Educação
anos com o Programa Fantástico da TV Globo. para o Consumo Sustentável, que ocorre desde 2000,
ministrado por técnicos da Dqual.
4.2.B. Publicidade e acesso democratizado das A confecção e distribuição de cartilhas educativas sobre
44
Avaliação da Conformidade e Metrologia Legal. desde 2003.
Orientação para capacitação de profissionais nos Consulta pública dos regulamentos técnicos elaborados
conceitos de Avaliação da Conformidade, que ocorre pela Dqual e Dimel (NIT-Dipac-012 e RTM e RAC
desde 2005. E a parceria com a Setec/Mec com o anexos às Portarias). Estas práticas vêm sendo
objetivo de criar um grupo de trabalho para o realizadas desde 2000.
desenvolvimento da Avaliação da Conformidade da A análise e monitoramento são realizados por meio da
Rede Federal de Educação Tecnológica. análise crítica permanente dos dados obtidos pelos canais
e práticas de interação citados anteriormente e são
4.2.D.1. Padrões éticos de conduta estabelecidos
encaminhados ao Conmetro, desde 1978, que os
Os padrões éticos de conduta seguem os preceitos da Lei transforma em requisitos nas propostas de formulação de
8.112/98 e o Código de Conduta Ética Profissional dos políticas públicas. São exemplos de resultados das
Servidores, elaborado pela Comissão de Ética e instituído atividades: o desenvolvimento do padrão de referência do
pela Portaria nº 244/2002. Esta Comissão, instituída por etanol e do padrão de referência da cachaça brasileira; a
Portaria nº 045, de 24 de fevereiro de 2010, se reporta criação, no âmbito do Conmetro, da CPCON – Comissão
diretamente à Comissão de Ética Pública da Secretaria da Permanente dos Consumidores e do Comitê Brasileiro de
Presidência da República. Regulamentação (CBR), entre outros.
4.2.E. Disponibilização de canais de comunicação para 4.3.B. Contribuição da organização para políticas
receber denúncias de violação da ética públicas
A Ouvidoria Interna disponibiliza canais específicos para Atua no gerenciamento do Programa de Metrologia e
recebimento de reclamações e sugestões internas. Os Qualidade Industrial, que é uma das ações
questionamentos que envolvam desvios com relação ao governamentais inseridas no PPA. O seu desenvolvimento
código de conduta são encaminhados para a Comissão de é objeto de relatórios mensais submetidos ao MDIC e ao
Ética. MP, para orientar, inclusive, a alocação dos recursos
4.2.E.1. Ações para minimizar a violação da ética orçamentários necessários à consecução das atividades a
cargo da Instituição. Os indicadores deste Programa estão
A Comissão de Ética promove palestras com a finalidade disponibilizados no SIGPLAN - Sistema Gerencial de
de divulgar o Código de Ética e os direitos e deveres do
Planejamento do Governo Federal, com acompanhamento
servidor Público, conscientizando a força de trabalho.
trimestral pelo MP. As metas de desempenho ali
Atualmente são divulgados todos os casos de violação da
explicitadas são, igualmente, objeto da avaliação crítica
ética que tiveram penalidade ou censura, por meio da procedida pela AAdm
Intranet e da ementa do Boletim de Serviço, com a
Por meio do Contrato de Gestão, são estipuladas ações a
finalidade de prevenir e minimizar futuros casos.
serem cumpridas e metas a serem alcançadas, dentro das
As manifestações da AAdm aos servidores, as visitas de
políticas de governo, em especial a PDP e as de proteção
Ministros e de outras autoridades ao Inmetro, as palestras
do cidadão, incorporadas ao PEI.
aos servidores feitas por especialistas do TCU e de outros As reuniões semestrais do Comitê de Acompanhamento
órgãos de controle são, igualmente, instrumentos de do Contrato de Gestão avaliam o cumprimento das metas
promoção da responsabilidade pública das pessoas.
dos indicadores ali pactuados, os quais refletem o
4.3. Políticas públicas desempenho global da Instituição, segundo as atribuições
4.3.A. Identificação das necessidades da sociedade que lhe são cometidas pelo Governo.
A identificação das necessidades da sociedade é realizada 4.3.B.1. Principais políticas públicas em que a
por meio de práticas de interação e relacionamento, organização atua
conforme a seguir: O Inmetro, como órgão executivo central do Sinmetro, tem
Realização de Painéis Setoriais visando o atendimento como principais competências a execução das políticas
personalizado aos clientes (NIG-Ditec-005). Esta prática nacionais de metrologia e avaliação da conformidade,
vem sendo realizada desde 2003. verificação da observância dos Regulamentos Técnicos
Identificação de demandas por análise de produtos para Metrológicos, a guarda e disseminação dos padrões das
divulgação no Programa Fantástico, por meio da unidades de medidas, o planejamento e a execução das
disponibilização, no sítio, da ferramenta “Indique”, atividades de Acreditação de laboratórios de calibração e
consoante a NIG-Dqual-002. Esta prática vem sendo de ensaios, de organismos de certificação e de inspeção e
realizada desde 2003. de outros organismos de avaliação da conformidade, entre
Prospecção de demandas por programas de avaliação outras.
da conformidade (NIT-Diape-001). Esta prática vem
sendo realizada desde 2003. 4.3.B.2. Nível de atuação e principais atores
A avaliação de demanda por novos programas de O nível de atuação tem abrangência nacional e efetiva
Acreditação advindas dos programas de avaliação da participação na formulação das políticas públicas do seu
conformidade, ampliação dos programas de Acreditação, setor e ações decorrentes das decisões tomadas no
bem como das solicitações dos organismos de âmbito dos Comitês Assessores do Conmetro, nos quais
certificação e dos laboratórios, segundo a NIE-Cgcre- participam representantes das entidades de normalização
015. (ABNT), do setor produtivo (CNI) e dos consumidores
Participação de representantes da sociedade nas (Idec).
comissões da regulamentação técnica metrológica (NIE- 4.3.B.3. Participação da sociedade
Dimel-105), no Conmetro e nos seus comitês assessores
e no planejamento anual da regulamentação metrológica A participação da sociedade se dá por meio de consultas
(NIE-Dimel-104). Estas práticas vêm sendo realizadas públicas dos projetos de regulamentação e da participação
de representantes nas comissões de sua elaboração; do
45
desdobramento das políticas e diretrizes do Conmetro nos Gestão, do cumprimento das metas estabelecidas no
padrões e procedimentos dos serviços; do monitoramento Programa de Metrologia e Qualidade Industrial inserido no
pós-entrega dos serviços que presta diretamente e da PPA, auditorias e avaliações externas, e das análises
supervisão dos serviços delegados ou acreditados. críticas dos processos e programas. Estas ações são
realizadas desde 1995 e envolvem várias unidades.
4.3.C. Divulgação das políticas públicas
São exemplos de ações de divulgação: as bases de dados 4.3.D.1. Indicadores de impacto e seu relacionamento
de portarias e regulamentos metrológicos; de avaliação da Os indicadores estão relacionados nas fig. 2.2.A.1.1 e
conformidade e de Resoluções do Conmetro; o Portal do 2.2.A.1.2.
Consumidor; cartilhas e apostilas; o Contrato de Gestão;
Guia de Boas Práticas de Regulamentação; o Plano de 4.3.E. Satisfação da sociedade e das demais partes
Ação Quadrienal do PBAC. interessadas
A atuação do Inmetro impacta três segmentos distintos:
4.3.C.1. Principais canais de comunicação
sociedade, setor empresarial e governo. Até 2007, a
A divulgação das políticas públicas é realizada por meio de imagem para esses setores foi mensurada por meio dos
publicações no Diário Oficial da União e de Portarias; na indicadores “Índice de Conhecimento”, “Índice de
veiculação de informações na mídia; na participação em Reconhecimento” e “Índice de Credibilidade” junto à
eventos como seminários, palestras e congressos; na população brasileira, obtidos por meio de pesquisa anual,
Internet; produção e distribuição de cartilhas temáticas e com entrevistas pessoais, em todo o território nacional. Em
de livros; nos Comitês Assessores do Conmetro, nas 2008, com o intuito de ampliar os resultados sobre a
Comissões Técnicas de Regulamentação. A prática de imagem, foi decidido pesquisar outros segmentos, como:
comunicação das políticas é contínua. A divulgação congressistas, jornalistas, dirigentes de federações de
dessas diretrizes envolve a AAdm, a Dicom, a Diraf e o indústria e comércio e empresas associadas a federações
Gabin e as unidades responsáveis pelos processos de indústria e comércio. A partir de 2009 foi ampliada a
específicos. pesquisa junto a empresários com abrangência em todo o
4.3.D. Monitoramento e avaliação da execução das Brasil. A pesquisa com dirigentes de federações de
políticas públicas indústria e comércio de Unidades da Federação, pois esse
público retrata bem a opinião dos empresários. Essa
O monitoramento e avaliação da execução das políticas
pesquisa é realizada anualmente por exigência do CG.
públicas são realizados por meio do acompanhamento das
Os resultados dessas pesquisas encontram-se listados nos
atividades dos Comitês Assessores do Conmetro; do
itens 8.1 e 8.2.
cumprimento das metas estabelecidas no Contrato de
Controle da prática Aplicação da prática
Práticas de Padrões de Continui- Integração
Método específico Freqüên- Respon- Dissemi-
Gestão Trabalho dade Inter- Coope-
de controle cia sável nação Coerência
(desde) relação ração
NIG-Dqual 002/029, Dimci
Identificação RBMLQ-I
NIT-Diape 001, Dqual UP UP
das Análise Crítica dos UP
NIT-Dipac-012, Contínua Dimel relaciona- 2003 PEI relaciona-
necessidades Processos relaciona-
NIG-Dimel-001 Ditec das das
da Sociedade das
e OS-Dimel-004 Cored
NIG-Dimel-002,
NIT-Dipac-014,
OS-Dimel-004,
NIG-Audin-001, Dqual UP
Análise Crítica, Au-
NIG-Dimel-015, Dimel relaciona-
ditorias, Avaliações, PEI RBMLQ-I
Avaliação e NIT-Divec-006 Dimci UP das
Reuniões Conmetro, Missão, UP
gestão de OS-Diraf-001 e 006, Anual Cgcre relaciona- 1995 MDIC
Relatórios da Aspar, Princípios e relaciona-
impacto Contrato de Gestão Diraf das MP
Resultados do Valores das
NIT-Dicor-018 Audin MF
Contrato de Gestão
ISO 19011, Profe IBAMA
NIT-Dicla-005,
ISO 17025, Sistema
de Gestão Ambiental
Código de Ética, RBMLQ-I
Promoção da Acompanhamento
Portaria Inmetro n° Grabin e Todas UP
Responsabili- dos processos Contínua 2002 PEI Todas UP
244/2002 Profe UP relaciona-
dade Pública instaurados
NIG-Gabin-028 das
NIG-Dqual-027/029, Dimel
Análise Crítica RBMLQ-I
Projeto RMAC, Dqual
Estímulo à Reuniões de Acom- Todas UP
Convênio de Contínua Dimci 1998 PEI Todas UP
Cidadania panhamento dos UP relaciona-
Cooperação Técnica Ditec
projetos e convênios das
030/2005 Cored
Figura 4.0. Controle, aplicação e integração das práticas de gestão relativas à Sociedade
5. INFORMAÇÕES E CONHECIMENTO PDTI, realizada durante a fase de diagnóstico, por meio
da metodologia de levantamento, de formulários,
5.1. Informações da organização entrevistas e mapeamento do processo de negócio.
5.1.A. Identificação das necessidades de coleta, Estas, acham-se alinhadas aos objetivos e as iniciativas
tratamento e guarda de informações estratégicas e as diretrizes constantes dos documentos
A busca de informações sistematizadas para apoiar os do PEI e incorpora projetos de sistemas de informação
objetivos estratégicos com as necessidades das partes necessários à sustentação e desdobramento das
interessadas são identificadas a partir da elaboração do estratégias. Os principais mecanismos e meios de
46
obtenção de informações descritos na fig. 5.1.A.1. Resultados por meio de Indicadores de Desempenho. O
O alinhamento do PDTI aos demais instrumentos de SGQI, as Auditorias e Pesquisas de Opinião fornecem
planejamento consiste em compatibilizá-los de forma a informações qualitativas para tomada de decisão.
prevenir incoerências, gastos desnecessários e obter 5.1.B. Definição, desenvolvimento, implantação e
ganhos em eficiência. atualização dos principais sistemas de informação
A avaliação dos serviços executados pela Área de TI
(Dplad/Ctinf) é feita a partir de pesquisa de satisfação com A gestão de TI, coordenada pela Dplad/Ctinf desde 1996,
promove as atividades de planejamento, desenvolvimento,
os usuários e análise de reclamações e entrevista.
A obtenção das informações é sustentada por ferramentas implantação, atualização e monitoramento dos sistemas de
de gestão de TI, indicados na fig. 5.1. B.1 disponibilizados informação e da rede de computadores, a partir das
necessidades identificadas e priorizadas, conforme
no sítio do Inmetro na Internet e Intranet.
descrito na NIG-Dplad-048.
Por meio dos sistemas internos Sicap, Planest, Sidoq,
Siplan e de Custos, disseminados para o corpo gerencial, Desde 2001 as informações da Intranet e do sítio são
é realizado o planejamento orçamentário e a gestão atualizadas pelos próprios usuários, por meio do sistema
orçamentária e financeira, dos planos de ação e o status Atualize.
Os responsáveis pelo conteúdo e sua atualização, são os
dos projetos estratégicos, citados nos itens 1.3 e 2.2. A
ferramenta Planest implementa um Sistema de Medição de gestores dos sistemas de informação conforme fig. 5.1.B.1.
Respon
Tipo da Informação Principais Mecanismos de Obtenção Meio
-sável
Mapeamento e levantamento das necessidades de informação dos Relatórios de auditoria, RA,
processos de negócio (BPM), Auditorias do SGQI e Análises reuniões, relatos de
Operacional interna: Suporte
Críticas pela AAdm; pesquisas; Comitê Internet, Intranet e e-gov ; disseminação, reuniões da
aos Macroprocessos
Todas avaliações externas (IAF, Ilac, IAAC, EA, SIM, PQGF); Comitês do RBMLQ-I (fig. 1.1.A.3),
Finalísticos, aos Processos
as UP Conmetro; missões ao exterior (relato e reuniões de efeito relatórios da Ouvidoria,
Organizacionais e às atividades
multiplicador); Interação com RBMLQ-I, organismos acreditados e Colóquios de Metrologia,
operacionais em geral
parceiros; Pesquisas junto a usuários; Teleatendimento (Ouvidoria); Painéis Setoriais, fóruns
Palestras de especialistas; cooperação técnica com congêneres internacionais
Intercomparações metrológicas, referenciais comparativos, missões Colóquios de Metrologia,
Comparativa: Estabelecimento
ao exterior, palestras de especialistas, participação em surveys, Painéis Setoriais, Encontros
de metas de desempenho ou Dplad
pesquisas na Internet e publicações de Sextante pertinentes, RPI e com organismos acreditados;
do planejamento estratégico.
publicações sobre fontes de Referenciais de Excelência fóruns
Avaliação por órgãos de controle; acompanhamento e avaliação do
Atendimento à missão Relatórios de DFC/RJ, TCU,
CG; Plenárias do Conmetro; interação com Ministérios, Agências
institucional, por exigência legal FINEP, Comitê de Avaliação do
Presi Reguladoras e Poder Legislativo; pesquisas de opinião pública;
ou compromissos com órgãos CG, reuniões, ofícios, cartas,
atuação da Diraf, Profe e Audin; formulação das estratégias (item
governamentais DOU, Rede Governo
2.1. B)
Reuniões, relatórios; Reuniões
Comitês do Conmetro; interação com organismos acreditados e e Portal Inmetro/RBMLQ-I;
parceiros institucionais; pesquisas junto a usuários; interação com Painéis Setoriais; reuniões dos
Atendimento aos cidadãos- Todas
Ministérios, Agências Reguladoras e Poder Legislativo; atuação na comitês, base de dados, pontos
usuário as UP
OMC como Ponto Focal do Acordo Barreiras Técnicas; Programa de focais estrangeiros e
Análise de Produtos assembléias da OMC; resulta-
dos de análises
Figura 5.1.A.1. Principais mecanismos de obtenção de informações

Aspectos Prática Padrão


Concepção
Mapeamento e levantamento das necessidades de informação
Reuniões de Modelagem Fluxo do processo
dos processos de negócio (BPM),
Estabelecimento de objetivos e escopo do sistema e de seus Reuniões de levantamento de
Documento de levantamento preliminar
módulos necessidades
Integração e interface com sistemas existentes Análise e documentação Documento do projeto proposta técnica
Modelagem de dados Modelos de dados casos de uso de
Modelagem
Reuniões com AAdm e analistas Diagramas classes
Definição e integração de bancos de dados Reuniões com DBA e analistas Modelos físicos de Banco de Dados
Cronogramas de Projetos Detalhamento coordenação / analistas Cronograma de projeto
Desenvolvimento
Metodologia de Desenvolvimento Documentação Padrões de Desenvolvimento
Homologação junto aos usuários Reunião de apresentação do protótipo FOR-Dplad-013
Implantação
Treinamento e Suporte aos Usuários Cursos de treinamento Manual do Usuário Help Desk
Documentação SGQI Manual do sistema e documentos
Figura 5.1.A.2. Exemplos de práticas utilizadas na TI.
5.1.B.1. Sistemas de informação em uso e sua finalidade
Sistema de Informação Finalidade Funções / Gestores
Sítio Disseminar para a sociedade, os produtos, serviços e ações desenvolvidas IT/Dplad/Divit
Intranet Divulgar informações internas IT/Dplad/Divit
Buscar e disseminar informações para orientar decisões de compra, sem ser o
Portal do Consumidor AC/Dqual/Diviq
preço; educar o consumidor e desenvolver a cidadania
Portal do Relacionamento Integrar e informatizar os Órgãos Conveniados da RBMLQ-I, para troca de
GM/Cored
Inmetro/ RBMLQ-I informações financeiras, funcionais e administrativas.
SGI Automação processos administrativos e operacionais da RBMLQ-I. GM/Cored
Alerta exportador Disseminar informações e serviços sobre exigências técnicas de outros países. AI/Caint
Siplan Planejar e acompanhar os orçamentos de projetos e processos. GE/Dplad/Diplo
Controlar e acompanhar os projetos das iniciativas estratégicas, dos
Sicap GE/Dplad/Diple
Macroprocessos Finalísticos e Processos Organizacionais
47
Planest Acompanhar a execução do Planejamento Estratégico. GE/Dplad/Diple
Apurar as despesas por centro de custo e emitir relatórios detalhados apresentando
Custos GE/Dplad/Dicus
visões de custos para uso do corpo gerencial
Registrar e acompanhar informações com relação às denúncias, reclamações e
Atendimento ao Cidadão - Sac GE/Ouvidoria
apelações externas, internas e oriundas da RBMLQ-I.
GM/Dimel/Samel,
AC/Dqual/Seapo,
Arrecadação
Gerenciar eventos financeiros referentes à prestação de serviços externos ACRE/Cgcre/Secre ,
(Receita/Cobrança)
PDRM/Dimci/Samci,
IT/Dplad/Divit
Apoio/Dapso,
SRH Gerenciar informações relativas à administração de Recursos Humanos.
GE/Dplad/Divop
Centralizar os regulamentos técnicos federais, portarias de aprovação de modelos e
SIL IT/Dplad/Divit
legislações pertinentes e disseminar para a sociedade.
Seipac Registrar e controlar os programas de avaliação de conformidade. AC/Dqual/Dipac
Sidoq Organizar e recuperar documentos do Sistema de Gestão da Qualidade. GE/Gabin/Digeq
Garantir a rastreabilidade do programa de avaliação da conformidade de produção
Pif AC/Dqual/Dipac
de frutas desde a produção até o empacotamento, distribuição e entrega
Administrar informações sobre produtos certificados, repassar para os órgãos
Produtos Certificados TI/Dplad/Divit
fiscalizadores e disseminar para a sociedade
Cadastro de Acreditação de Registrar e disponibilizar informações básicas referentes aos organismos
ACRE/Cgcre/Dicor
organismos acreditados e escopos concedidos.
Processo de Acreditação de Organismos, visando alcançar: redução do tempo
Acreditação de Organismos médio de execução; adequação à demanda crescente; e aumento da capacidade ACRE/Cgcre/Dicor
produtiva das equipes.
Disponibilizar informações sobre empresas portadoras de certificação ISO 9000 e
Empresas certificadas TI/Dqual/Divit
ISO 14000 (CB-25 e CB-38)
Registrar, controlar e disponibilizar informações referentes à Acreditação de
Acreditação de organismos ACRE/Cgcre/Dicla
organismos incluindo Laboratórios de Calibração e de Ensaio.
Controle de acesso Padronizar e controlar os acessos dos usuários aos sistemas e banco de dados GE/Dplad/Ctinf
Aferir o desempenho do servidor no exercício das atribuições do cargo efetivo, com
Siadi GE/Dplad/Codrh
foco na contribuição individual para o alcance das metas pactuadas
Produção intelectual Organizar, disseminar conhecimento e preservar a memória técnica TI/Ditec/Divit
Biblioteca on line Disponibilizar referências do acervo bibliográficos TI/Ditec/Divit
Gerenciar o recebimento, tramitação, arquivamento, empréstimo e descarte de
Sitad TI/Ditec/Divit
documentos oficiais
Receber as demandas da Ouvidoria e gerenciar todas as etapas do atendimento
Siged AC/Dqual
pelas áreas do Dqual.
Padronizar, sistematizar e agilizar o registro das Declarações de Conformidade de
Declaração do Fornecedor produtos realizados pelos Órgãos da RBMLQ-I e envio das informações ao AC/Dqual/Dipac
Dqual/Dipac.
Registros avaliadores e suas especialidades para fins de seleção para auditorias
Sicase ACRE/Cgcre/Dicor
externas, internas e demais serviços técnicos.
Orquestra Automatizar o Processo de Compras Apoio/Diraf/Semco
Gestão do Help Desk Gerenciar e controlar o atendimento com Software GLPI versão 0.72.2 GE/Dplad/Ctinf
Figura 5.1.B.1. Principais sistemas de informação

Sistema do Sistema do Inmetro


Definição
Governo Integração/Informação
Compras - Fornecem
Viabilizar o cadastramento de fornecedores de materiais e serviços para os órgãos/entidades da
Sicaf informações para entrada
Administração Pública Federal
de dados no Sicaf
Controla, contabiliza e registra a execução financeira, orçamentária e patrimonial de unidades Custos- Extrai informações;
Siafi
integrantes da APF Siplan – Utiliza Siafi
Consulta base de informações sobre: Agências, discursos Senadores/ Deputados, Matérias com
Sicon Gabin/Aspar
tramitação no congresso.
Sistema informatizado de natureza operacional e gerencial, com aplicação específica na área
Sicau jurídica, possibilitando o gerenciamento, a consulta de processos e a troca de informações e Profe/Cadin/Cadin
documentos.
Conjunto de recursos de tecnologia da informação, interligados em rede, utilizado pelo Banco
SISBACEN Diraf/Difin/Siasg
Central na condução de seus processos.
Siasg Operacionalizar internamente as atividades inerentes ao Sistema de Serviços Gerais – Sisg. Diraf/Diope/Siasg
Integram as atividades de concessão, registro, acompanhamento, gestão e controle das diárias e
SCDP Diraf/Diope/Sidor
passagens, viagens no território nacional ou estrangeiro.
Sidor Controlar e acompanhamento das etapas e aprovação do Orçamento da União. Dplad/Diple/SIG
Organizar e integrar a rede de gerenciamento do PPA, informações acerca da execução física e
SIGPLAN Planest, Sicap, Siplan
financeira dos programas e ações governamentais.
Identificar os imóveis de uso especial da União sejam próprios ou de terceiros, utilizados nas
SPIUNet Diraf/Sispatri
atividades das Unidades de Gestão.
Comprasnet Realizar as contratações eletrônicas do Governo Federal Diraf/Diope/Semco
Controle de dados cadastrais, pessoais e funcionais a Folha de Pagamento de Servidores Ativos e
Siape Diraf/Dapso/SRH
Inativos de Pensão e Beneficiários de Pensão
SISCOMEX Gerenciar a importação ou exportação, aspectos comerciais, de aduana e cambiais. Diraf/Diope/Semco
Informa sobre a estrutura organizacional. Contêm dados sobre as competências, finalidades,
SiorG Presi/Gabin/Dicom
jurisdição, histórico legal e os prepostos dos órgãos do Governo Federal.
Figura 5.1.B.2. Integração dos sistemas de informações com os sistemas do governo
5.1.B.2. Integração dos sistemas de informações da Todos os sistemas de gestão estão integrados com Sicaf,
organização com o sistema de gestão administrativa Siafi, Siape, Sispatre e SCDP. O Sistema de Custos,
do governo. como prática a ser seguida, extrai informações financeiras
48
do Siafi e Siape sobre as despesas de custeio e pessoal; o trabalho, é atribuição da Comissão Permanente de
Siplan promove a gestão descentralizada do orçamento Avaliação e Descarte de Documentos, integrada por
integrada ao PEI, gerenciando participativamente a representantes das UP, desde 2004.
construção e monitoramento de projetos e processos,
5.1.C.1. Principais tipos de registro e seus principais
utilizando informações do Siafi, desde 2000; e o Sicap
usos
monitora os projetos do PEI subsidiando a elaboração de
relatórios de acompanhamento do Contrato de Gestão e o Os registros são elaborados pelos recursos e tecnologias
PDP. disponíveis a cada época e são mantidos sob condições
A integração utiliza sistemas como o SISBACEN para controladas. As plantas baixas, cortes e demais detalhes
consultas, inclusões e exclusões em cadastro de técnicos em meios físicos, desde 1999 e são hoje
inadimplentes, desde 1998. A Diraf utiliza o Sicon para mantidos em meio eletrônico e preservados na Diraf/Dieng.
gerenciamento dos atos negociais e o Siasg para consulta As publicações técnicas, revistas, brochuras, memórias,
aos cadastros de fornecedores de materiais e serviços, etc. são mantidas, conforme apropriado, nas UP, UO, na
nos processos de compra. biblioteca, em espaços criados para este fim, permitindo a
A Profe utiliza o Sicau para registro e controle das peças visitação pública, inclusive de instrumentos/equipamentos.
jurídicas produzidas nos órgãos de direção e de execução Os registros do SGQI são formalizados em atas, RA, FOR,
da AGU e da Procuradoria-Geral da União, e das ações DOC e MOD; usados para medição, análise e melhorias; a
judiciais em que sejam parte a União, as autarquias e visão do estado da arte contido nos MQ, MO e nas NIG,
fundações. NIE e NIT. A autoria intelectual dos mestres e doutores é
rico manancial de conhecimento, que dentre outros, são
5.1.B.3. Principais tecnologias empregadas visando à usados como referência para padronização e
integração das informações e dos sistemas. modernização dos processos.
A figura 5.1.B.3 apresenta as principais tecnologias
5.1.D. Apoio ao cumprimento da missão
empregadas visando à integração dos sistemas e das
informações necessárias, sob a responsabilidade da Para a gestão das informações são identificadas as
Dplad/Ctinf. necessidades e expectativas do cidadão-usuário e da
Tecnologia Objetivo Solução Adotada
sociedade assim como a atualização tecnológica e a
Rede corporativa que interliga dependabilidade e segurança das informações
Rede TCIP Rede física contratada
Rio Comprido e Xerém disponibilizadas nos sistemas desenvolvidos. O sítio do
Link Privado Link de fibra ótica de 100 Mb
Rede física própria Inmetro, os links estabelecidos e demais recursos, vão
integrada desde suporte às ações e pendengas judiciais até a
Permite o processamento das
informações dos sistemas Alta tecnologia disponibilidade de centenas de nominatas de instrumentos,
Servidores Organismos acreditados, contatos, requisitos legais e
instalados de forma segura, estabilizada
rápida e contínua normativos para exportações/importações, informações e
Firewall Check-Point, referenciais para o cidadão fundamentar as suas
Prover condições de Anti-Virus, Symantec,
Segurança segurança física e lógica das Anti-Spyware, Anti-
aquisições em dados e informações que não são somente
informações disponíveis: spam, Trauma 0, IDS os preços.
Dragon O Portal do Consumidor, operado pela Dqual, desde 2002,
Sítio do Inmetro, que disponibiliza, de maneira rápida e eficaz, informações
Web Interligação universal Intranet e sistemas
Web
para os consumidores, promovendo o equilíbrio das
Auxiliar a comunicação e a relações de consumo, a minimização dos riscos ambientais
Correio e o fortalecimento da cidadania. Outro exemplo é o Portal
troca de informações entre as Lotus Notes
Eletrônico
pessoas. de Relacionamento Inmetro/RBLMQ-I, instrumento de
Centralizar em um único gestão e de alinhamento estratégico, que agiliza a troca de
Software de
hardware um ambiente para
Virtualização
testes e desenvolvimento de
Virtualização VMWare dados e informações e de conhecimento no sistema
ESXi versão 4.0 Inmetro.
soluções.
Ferramenta para gestão de
Sistema help desk: Software GLPI Linux Ubuntu Server 5.1.E. Disponibilização das informações
operacional versão 0.72.2, banco de 8.04 LTS Desde 2000, a Comunicação Social e a Dplad têm a
dados MySQL versão 5.1,.
SQLServer 2000,
responsabilidade de disseminar as informações de forma
Sistema Gerenciador de contínua e sistemática. Disponibilizá-las a toda força de
SGBD MySQL versão 5.1,
Bancos de Dados
PHP trabalho conforme descrito em 6.1.D.2.
Ferramentas que auxiliam O sítio do Inmetro na Internet é um instrumento eficiente e
Ferramenta nas atividades de engenharia Erwin, Jude de fácil acesso para disponibilizar e disseminar as
“Case” de software, na análise de Community
requisitos e modelagem. informações a todas as partes interessadas; conforme
Eclipse para Java, estabelecido na fig. 3.1.C.1 e os itens 4.1.B, 4.2.E e
Linguagens de Eclipse para Java, Net, Asp,
Programação Visual Basic, Notes
Net, Asp, Visual 4.3.C.1. O Inmetro disponibiliza informações por meio de
Basic, Notes relatos de atividade, livros, folders, banners, revistas,
Web e Cliente
Arquitetura
Servidor
cartazes, cartilhas e panfletos. A distribuição destas é
Figura 5.1.B.3. Principais tecnologias realizada desde 2003, baseada em mailing list atualizado
5.1.C. Estabelecimento e manutenção da memória conforme NIT-Divit-008, em eventos internos, externos e
administrativa da organização pelas entidades conveniadas. Desde 2003 a Ditec tem a
atribuição de manter o controle das publicações por meio
É estabelecida e mantida segundo a política do Conarq. O de sistema informatizado, conforme a NIT-Divit-004. As
tempo de guarda, classificação e tramitação são mantidos publicações são divulgadas no sítio, em eventos, cursos,
no Sitad e são de responsabilidade da Ditec. A melhoria congressos, seminários. As partes interessadas têm
contínua dessa prática, disseminada para toda a força de
49
acesso a informações de caráter geral, via linha discada serviços). O desempenho da rede é monitorado por
gratuita da Ouvidoria, desde 2001. O controle desta prática indicadores descritos em 5.2 e 7.1. As informações
está evidenciado na fig. 5.3.D.2. disponíveis na rede são armazenadas diariamente, pela
equipe de suporte, em fitas DAT-Digital Audio Tape, e
5.1.F. Gerenciamento e segurança das informações
DLT-Digital Large Tape, que são mantidas em localidades
O apoio aos usuários é feito pelo Dplad/Ctinf/help desk, diferentes, por razão de segurança. Dessa forma, é
conforme NIG-Dplad-048. Todas as informações sobre mantido um “Plano de back up das informações” de toda a
os produtos estão detalhadas e são controladas por rede, possibilitando a sua recuperação total em caso de
meio da base de dados “Produtos e Serviços de ocorrência grave. Os sistemas são continuamente
Informação Tecnológica”, mantida pela Ditec. monitorados para verificação e eliminação de vírus,
A modelagem de dados adotada permite diagnosticar a ataques à rede interna (sistemas de segurança IDS-
informação quanto à redundância de armazenamento, Intrusion Detect System, anti-spyware, anti spam e firewall)
responsabilidade pelo conteúdo, disponibilidade, controle e monitoramento de acesso a sítios (filtros de contenção.
de acesso e adequação dos sistemas de informação. A
preservação, consistência, integridade e segurança das 5.2 Informações comparativas
informações armazenadas e disponibilizadas são 5.2.A. Identificação das organizações consideradas
asseguradas e controladas de forma sistemática desde como referencial comparativo
1997, em três níveis: no próprio banco de dados; nas As informações comparativas, nacionais e internacionais,
aplicações, como no sistema de controle de acesso; e na são identificadas utilizando-se de práticas de gestão
rede de computadores. A confidencialidade das descritas nas fig. 5.2.A.1 e 5.2.B.1. Os critérios para
informações, a definição de um gestor para cada tipo de identificação das necessidades dos referenciais, bem
informação, o uso de senhas de acesso e uma base de como a pertinência das necessidades de informações
dados corporativos controlam a integridade, redundância e comparativas estão descritos no item 1.3.A.
segurança nas atualizações. Existem senhas distintas para
5.2.A.1. Critérios utilizados para definição de
acesso ao domínio de rede e aos aplicativos, de acordo
pertinência das organizações
com as normas NIG-Dplad-049, NIG-Dplad-050 e NIG-
Dplad-051. Uma rede corporativa interliga duas redes São utilizados como critérios 3 tipos de referenciais:
locais, uma no Rio Comprido e outra em Xerém, por meio excelência (reconhecimento internacional e nacional para
de um link de fibra óptica de 100 Mbps. Cada localidade buscar metas ousadas); pertinentes (comparação de
possui servidores de bancos de dados onde são realizados desempenho e aprendizado) e metas CG (RPI). Na fig.
back-up de segurança, assim como para os demais 5.2.B.1 são apresentadas todas as organizações
servidores (correio, desenvolvimento, web, aplicativos e identificadas e as pertinências.
Macropro
Tipos de informação cessos Objetivos da comparação
Práticas metrológicas laboratoriais e Prover ao setor produtivo, instituições de Metrologia, Laboratórios de Ensaio e Calibração e
ensaios; realização de unidades; entidades de P&D, de relatórios de calibração e ensaio, consultoria especializada e infra-
PDRM
desenvolvimento de padrões e incertezas estrutura, com credibilidade. Incrementar a competitividade de produtos brasileiros e a
de medição disseminação das unidades de medida rastreadas ao SI.
Prospecções; avaliações técnicas; dados Prover o setor produtivo, os órgãos regulamentadores e os consumidores, de programas
quantitativos e qualitativos; levantamentos AC de avaliação de conformidade às normas e regulamentos técnicos. Aumentar a
e programas PBAC competitividade, a concorrência justa e a proteção do cidadão-usuário.
Prover os organismos de avaliação da conformidade, de treinamento, laboratórios de
Processos de Acreditação, avaliações, calibração e de ensaios, de reconhecimento de competência para a execução de
AC
auditorias, dados quantitativos atividades específicas. Dotar o País de infra-estrutura tecnológica confiável e adequada às
demandas dos segmentos da sociedade e reconhecida internacionalmente.
Prover para detentores, fabricantes de instrumentos de medição e de medidas
Fiscalizações, verificações, regulamentos materializadas, acondicionadores de produtos pré-medidos, de regulamentos técnicos
GM
técnicos metrológicos, ATM metrológicos e certificados de aprovação e verificação de produtos. Proteger o cidadão e
promover a concorrência justa.
Prover todos os agentes e intervenientes na produção de bens e serviços, especialmente
Sistemas de informação, tecnologia da as PME e aqueles nas relações de consumo, com informações em metrologia,
IT
informação regulamentação e avaliação técnica. Contribuir para o incremento da competitividade, da
confiabilidade de produtos e serviços e do desenvolvimento científico e tecnológico.
Atuar diretamente nos assuntos relacionados ao comércio exterior, tendo como principal
Barreiras técnicas, ponto focal, publicações AI
objetivo auxiliar as empresas brasileiras a identificar e a superar barreiras técnicas.
CG, SGQ, TI, RH, hardware e software,
gestão econômico-fiinanceira, ouvidoria, GE Prover meios para as UP, desenvolvendo todas as suas atividades, como suporte
engenharia, auditoria e níveis de APOIO gerencial, aprimorar e fortalecer a robustez política da Instituição.
remuneração
Figura 5.2.A.1 Principais tipos de informações comparativas e os processos relacionados
5.2.B. Identificação das Fontes participação em grupos de pesquisa, seminários e fóruns
O forte relacionamento com organizações nacionais e nacionais e internacionais.
internacionais, definidas como referenciais, possibilita a A atualização das informações comparativas é realizada
identificação de fontes de informações para obtenção e de acordo com a especificidade de cada processo
manutenção dos dados necessários à alimentação do monitorado, utilizando os mesmos canais de obtenção das
processo comparativo. informações, em uma periodicidade mínima anual.
As informações comparativas são obtidas por pesquisa na 5.2.B.1. Critérios para determinação dos métodos de
internet, visitas técnicas, entrevistas, mensagens coleta
eletrônicas, análise de material institucional, jornais e
Os critérios para determinação da coleta das informações
revistas corporativas, relatórios de balanço de atividades,
50
estão vinculados à disponibilidade das informações nas A implementação do processo de benchmarking está
fontes identificadas, bem como às necessidades inerentes registrada no Sicap.
a cada processo a ser comparado, conforme descrito na
5.2.C.1. Ações de melhoria
fig. 5.2.B.1.
O processo de Acreditação de organismos foi
5.2.C. Melhorias implantadas automatizado utilizando uma ferramenta de BPMS
Em 2008, como retroalimentação das práticas de gestão, (Business Process Management System), baseado em
oriundas do Relatório de Avaliação, referente ao ciclo estudos comparativos. O uso desse novo sistema reduziu
2007, deliberou-se pelo estabelecimento e implantação o tempo médio de Acreditação de organismos de vinte e
das ações decorrentes em 2009, com o processo dois para oito meses e obteve premiação no Global
estruturado, refinando a prática, incluindo capacitação de Awards for Excellence in BPM & Workflow.
pessoal designado. Elegeram-se três projetos pilotos, com A prática vem sendo disseminada nas UP, destacando-se
todas as suas fases, inclusive capacitação e sensibilização a Diraf, com o aprimoramento da gestão do processo de
do corpo gerencial. compras, com implantação de software capaz de rastrear
Esse processo conta com o apoio de uma consultoria de os processos, desde a publicação do edital de licitação até
comprovada experiência em projetos realizados em a finalização da compra, de forma a superar entraves
empresas de grande porte e organizações públicas e com burocráticos e reduzir o tempo do processo. Outras ações
experiência internacional no tema, contratada por licitação de melhoria estão descritas na fig. 5.2.C.1
- tomada de preços.
Macropr Práticas de Referências com itens de
Fontes Informações utilizadas Pertinência da informação
ocessos obtenção resultados
www.theacsi.org (Nist) –
Medição da satisfação de
PDRM e Acesso ao site da nível de satisfação das
Nist / ACSI Satisfação de clientes organismo público similar de
GM ACSI empresas com os serviços
excelência nos EUA (Nist)
(item 8.1/1-2)
Inscritos no sistema alerta Órgão público de metrologia dos Troca de correspondência
Nist AI Acordo de parceria
exportador EUA com prática similar (item 8.6/1)
Pesquisa de opinião Medição da satisfação dos Pesquisa amostral de
Satisfação dos dirigentes das
Bndes GE junto as dirigentes da representantes da indústria e opinião pela empresa
federações
CNI e CNC comércio ACAMEP (item 8.1/3)
Compartilhamento de Órgão público com prática de Troca de correspondência
HSK GE Desempenho no CG
dados gestão similar de excelência (item 8.1/4)
Tempo médio de atendimento a
MDIC / Compartilhamento de Órgão público com prática de Troca de correspondência
AC solicitações de produtos
SECEX dados gestão similar (item 8.1/5)
regulamentados
Tempo médio de atendimento
Troca de correspondência
PTB GM de técnicas de modelos; Acordo de parceria Órgão similar da Alemanha
(itens 8.1/6, 8.1/11)
Publicações / Força de trabalho
Tempo médio de atendimento
Troca de correspondência
de Acreditação; Utilização de Compartilhamento de Órgão acreditador similar nos
ANSI ACRE (itens 8.1/7, 8.1/8, 8.1/9 e
avaliadores externos na dados EUA
8.6/12)
Acreditação
Trabalhos publicados;
Troca de correspondência
PDRM e Inserções positivas na mídia; Compartilhamento de Organização com similaridade de
Fiocruz (itens 8.1/10, 8.2/10, 8.4/4 e
GE Doutores e mestres; Tempo dados pesquisa científica de excelência
8.4/5 e 8.5/2)
médio para compra por pregão
Órgão consolidador dos dados de Pesquisa na internet (item
MCT PDRM Trabalhos publicados Pesquisa na internet
trabalhos científicos 8.1/10)
Pesquisa amostral de
Percepção institucional na Pesquisa de opinião Medição da satisfação da
Correios GE opinião pela empresa
população brasileira junto aos Correios sociedade
ACAMEP (item 8.2/2)
Entendimento da etiqueta de
consumo de energia, Pesquisa de opinião Medição da satisfação da Pesquisa da Superbrands
Nestlé GE
preferência pelo selo Inmetro, junto à sociedade sociedade (itens 8.2/3 8.2/4, 8.2/5)
preferência
Atendimentos concluídos da Compartilhamento de Medição do desempenho da Troca de correspondência
Anvisa GE
Ouvidoria dados sociedade (item 8.2/6)
Medição de consumo da Pesquisa no site da Cedae
Cedae APOIO Consumo de água por pessoa Pesquisa na internet
população no RJ (item 8.2/7)
Consumo de água por pessoa
Compartilhamento de Medição de consumo de água em Troca de correspondência
QGOG APOIO e consumo de energia elétrica
dados instalação industrial (itens 8.2/7, 8.2/8)
por pessoa
EPE / Consumo de energia elétrica Medição de consumo de energia Pesquisa no site do EPE
APOIO Pesquisa na internet
MME por pessoa elétrica da população brasileira (item 8.2/8)
Nível acesso ao portal do Organização com similaridade de Pesquisa no site do Idec
Idec GE Pesquisa na internet
consumidor atuação junto ao consumidor (item 8.2/11)
Crescimento da receita de Organização de pesquisa do Pesquisa no site do IBGE
IBGE GE Pesquisa na internet
serviço metrológico governo federal (item 8.3/1)
Troca de correspondência
Receita total do sistema; Compartilhamento de
Suframa GE Órgão do MDIC com MDIC (itens 8.3/3 e
Execução orçamentária dados
8.3/4)
Compartilhamento de Troca de correspondência
MDIC GE Receita de Fomento Órgão supervisor
dados com MDIC (item 8.3/5)
Sextante APOIO Freqüência de acidentes com Pesquisa em relatório Órgão de pesquisa especializada Relatório de gestão de
(ex-Saratoga)
51
afastamento; Gravidade; T&D de benchmarking em recursos humanos capital humano –
Benchmarking 2007 (itens
8.4/1, 8.4/2, 8.4/3, 8.4/5)
Economicidade no pregão www.Comprasnet.gov.br
MP/SLTI APOIO Pesquisa na internet Órgãos do governo
eletrônico (item 8.5/15)
Despesa com material de
Pesquisa no site do TCU
consumo; Investimento em Compartilhamento de
TCU APOIO Órgãos do governo http://portal2.tcu.gov.br
material permanente; Despesa dados
(itens 8.5/3, 8.5/4 e 8.5/5)
com serviço
Instrumentos de cooperação Compartilhamento de Órgão público de metrologia do Troca de correspondência
NMIJ AI
técnica internacional dados Japão com prática similar (item 8.6/2)
Regulamentos do Mercosul Compartilhamento de Órgão público de metrologia Reuniões e fóruns do
Argentina AI
internalizados no País dados similar do governo Argentino Mercosul (item 8.6/3)
Irregularidades: na fiscalização
de produtos regulamentados;
Compartilhamento de Organização internacional de Reuniões e fóruns da OIML
OIML AC Na verificação de instrumentos
dados metrologia legal (itens 8.6/9 e 8.6/14)
de medição; nos produtos pré-
medidos
Laboratórios acreditados;
Compartilhamento de Pesquisa no site do SCC
SCC ACRE Organismos de certificação Órgão acreditador do Canadá
dados (itens 8.6/10 e 8.6/11)
acreditados
Comparações interlaboratoriais Organismo público argentino na
Compartilhamento de Reuniões do BIPM (itens
Inti PDRM internacionais; Serviço do área de tecnologia industrial, com
dados 8.6/18 e 8.6/19)
KCDB do BIPM laboratórios de metrologia
Reuniões do CAA (itens
Contrato de Gestão - RPI
MDIC, MP Todas 8.1/1-4, 8.1/7-10, 8.2/1-2,
(Referenciais das partes Acordo de supervisão Ministérios do governo federal
e MF UP 8.2/9, 8.3/1, 8.6/5-9, 8.6/12-
interessadas)
13 e 8.6/15-18)
Figura 5.2.B.1. Principais referenciais para informações comparativas

Melhoria Ganho / Beneficio


Adaptação dos procedimentos de Acreditação de laboratórios Manutenção do reconhecimento internacional para o programa de Acreditação de
aos requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 laboratórios
Qualificação do Inmetro como formador de avaliadores de Capacitação do Inmetro para formar avaliadores sem necessidade de usar expertise
laboratórios estrangeira
Manutenção do reconhecimento internacional da
Facilitação do comércio internacional como preconiza a OMC
Inmetro/Cgcre como órgão acreditador por IAF/Ilac/IAAC/EA
Fortalecimento da cidadania e da imagem do Inmetro, oferecendo à sociedade um
canal direto, imparcial e transparente, permitindo que o cidadão possa opinar,
Aprimoramento da função Ouvidoria
interferir, criticar e interagir nos rumos da instituição e na consolidação de seus
direitos
Alinhamento dos regulamentos técnicos metrológicos com as
Facilitação do comércio internacional
recomendações da OIML
Otimização do pregão eletrônico nas licitações Agilização e transparência do processo licitatório
Produção de MRC, tais como: álcool anidro, etanol com água, condutividade
Reestruturação dos laboratórios de metrologia química, eletrostática, referência para cachaça, metais em água, aços magnéticos.
biodiesel/motores e materiais Desenvolvimento de nanotecnologia e estabelecimento do centro de microscopia e
nanometrologia.
Desenvolvimento das diretrizes metrológicas para a metrologia Nova visão da atuação de um instituto nacional de metrologia, por meio de P&D no
brasileira, no contexto do CBM e CBR cumprimento de sua missão
Refinamento do processo de avaliação de desempenho das pessoas por
Criação de novos critérios de avaliação de pessoas benchmarking internacional e instituindo comissão externa de avaliação, conforme
item 6.1.E
Figura 5.2.C.1. Principais melhorias implementadas
5.3. Gestão do conhecimento entre elas o Banco de Produção Intelectual, detalhado em
5.3.A. Desenvolvimento e compartilhamento 4.3.B, das publicações, dissertações, teses e artigos, cuja
O desenvolvimento, manutenção e compartilhamento do produção é incentivada e acompanhada por indicadores
conhecimento é realizado por meio de um conjunto de como trabalhos publicados, publicações com avaliação
ações relativas à cultura da excelência, como indica a fig. internacional e publicações com avaliação nacional (item
1.2.D.1; a gestão dos processos, como descrito em 7.1.C; 2.2.A.1).
e à inovação, cuja importância para a Instituição está Informações que representem conhecimento alinhado aos
materializada na criação e implantação, em 2007, da Ditec, objetivos estratégicos, práticas inovadoras e novos
para cuidar da sua gestão. O desenvolvimento dos capitais processos ou tecnologias são compartilhadas com as
de conhecimento e o incentivo ao pensamento criativo e pessoas e demais partes interessadas, por meio de
inovador, alinhado com o modelo de aprendizado descrito instrumentos, estando os principais citados na fig. 5.3.C.1.
em 1.2.G.1, ocorrem por meio dos mecanismos Conforme descrito em 6.1.A, os sistemas de trabalho
apresentados na fig. 5.3.A.1 que explicita a disseminação favorecem a troca de experiências e práticas
desta prática para os Macroprocessos e partes sistematizadas para compartilhamento do conhecimento
interessadas pertinentes. Igualmente, a interação da força pelos profissionais do Inmetro. O padrão NIE-Dqual-140
de trabalho com a AAdm, facilitada pelos mecanismos estabelece, desde 2003, que os participantes de missões
citados em 1.2.A.1 e 1.2.B.1, estimula o desenvolvimento ao exterior devem produzir e apresentar relatório,
de uma cultura de melhoria contínua e o exercício da denominado Relato de Missões ao Exterior, evidenciando
criatividade, observando os objetivos descritos na fig. proatividade e refinamento. Esta prática está disseminada
5.3.A.2 onde são destacadas as principais ações e por todo o Inmetro por meio da NIG-Diraf-081, que orienta
iniciativas implementadas para atender a estes objetivos, a publicação, na Intranet, dos relatórios de missões ao
exterior.
52
Ainda, os Painéis Setoriais, work-shops com os cidadãos tecnologia a terceiros, constitui importante instrumento na
usuários e suas entidades de classe, são importante retenção dos pesquisadores.
instrumento de identificação e compartilhamento de Outro fator de retenção de talentos é a oportunidade de
informação, desde 2005. participação, estimulada pela AAdm em cursos de pós-
Para incentivar a identificação, desenvolvimento e graduação, mestrado e doutorado, como por exemplo, o
incorporação de novas tecnologias, somam- se às práticas Mestrado em Sistemas de Gestão, em convênio com a
já descritas em 1.2.G e na fig. 5.3.A.1, a adoção da política UFF, e o mestrado profissional em metrologia e qualidade
de PITT, por meio da Portaria Inmetro n° 95/2007, que já instituído em 2008 pelo Inmetro. Essas práticas de gestão,
experimentou refinamento na sua formulação, com a os padrões de trabalho, o método de controle e
edição de nova Portaria em 2009, e que, por meio da responsáveis são indicados na fig. 5.3.D.2., que evidencia
criação e implementação do Comitê Geral de PITT, aspectos de disseminação, continuidade e integração.
presidido pela Ditec e integrado pelas UP finalísticas,
5.3.C Aplicação do conhecimento
evidencia disseminação e integração desta prática pela
Instituição. Visitas técnicas, incubação de empresas e de O conhecimento identificado e compartilhado, conforme
projetos tecnológicos, acordos de cooperação com relatado em 5.3.A, incorpora-se a ações e projetos novos
empresas, associações, a implementação de um processo ou em andamento, de maneira alinhada ao PEI.
de benchmarking e outras inovações tecnológicas são Produtos e serviços correntes são expandidos e/ou
importantes práticas na busca, no desenvolvimento e na aprimorados, assim como novos produtos ou serviços são
incorporação de novas tecnologias. A fig. 5.3.A.3 evidencia criados, com o suporte de um acervo de conhecimento,
o desenvolvimento e a proteção de novas tecnologias, descritos na fig. 1.2.G.2. Como evidência de proatividade
inclusive oriundas de parcerias efetivadas com esse fim. e refinamento da utilização do conhecimento aplicado a
produtos e serviços, foi implementada, a partir de
5.3.B Proteção do conhecimento dissertações de mestrado, citadas na fig. 5.3.C.1.,
A política de propriedade intelectual e de transferência de mudança nos padrões do processo de Acreditação de
tecnologia, aprovada pela Portaria Inmetro nº 095/2007, laboratórios de calibração, do processo de apreciação
responsabilidade da Ditec, desde 2007, tem como um de técnica de modelos, processo de compras, com ganhos
seus principais objetivos a proteção do conhecimento. A nos prazos de resposta e a arqueação de tanques, dentre
preservação e a proteção do conhecimento são outros.
asseguradas pelas práticas de elaborar e implementar Instrumentos Detalhamento- Principais Aspectos
normas internas, que integram o SGQI, cuja política está Sítio do Inmetro na Internet, Disseminação de informações gerais
explicitada no MQI desde 2003, sob a responsabilidade do Intranet, colóquios de sobre produtos, serviços e ações
Gabin. Esta prática, converte o conhecimento tácito das metrologia, Painéis Setoriais, Disseminação de informações para
portal Inmetro-RBMLQ-I, orientar decisões de compra e educar
pessoas em conhecimentos explícitos documentados, publicações técnicas, comitês para consumo.
observando a metodologia geral de aprendizado conforme do Conmetro, reuniões de Disseminação de novas práticas
descrito em 1.2.F. coordenação das diretorias, Livros, periódicos, cartilhas, manuais
A proteção às bases de dados estão descritas em 5.1.A e, comitês e grupos internos, de normas
relatos de participação em Disseminação de informações sobre
em 5.1.C, é mencionada a sistemática de proteção e congressos e seminários, órgãos regulamentadores, legislações
manutenção da memória administrativa da Instituição. O relatórios de referenciais (regulamentos, portarias e
acervo constituído pela produção intelectual de comparativos pertinentes, resoluções)
pesquisadores e técnicos, na forma de dissertações de biblioteca, banco de Disseminação de normas (NIT, NIG,
competências organizacionais NIE), formulários e demais
mestrado e doutorado, manuais técnicos, artigos encontros internacionais, documentos.
publicados em periódicos, normas de procedimento, entre palestras e cursos técnicos Monografias, teses e dissertações
outros, é processado e mantido na Biblioteca do Inmetro, ministrados por dirigentes e Disseminação de informações para
desde 1979, conforme NIT-Divit-006. Desde 2006 estão especialistas, jornal “Na os órgãos da RBMLQ-I,
Medida”, informativo “Infobibli”, contemplando catálogo de serviços,
disponibilizados no sítio do Inmetro na Internet, por meio Workshops do processo de convênios, serviços delegados,
do Banco de Produção Intelectual, sob a responsabilidade planejamento estratégico, planos de aplicação,
da Ditec. Boletim Inmetro Informação, proposta/execução orçamentária da
As marcas, Inmetro e de Acreditação, estão registradas no workshops de intercomparação receita, proposta/execução
entre laboratórios, boletim de orçamentária da despesa, dados
INPI e, desde 2006, o uso dessas marcas e dos demais serviço, resenha do Diário mensal estatístico de serviços,
símbolos e selos, observam as prescrições da Portaria Oficial, relato de missões ao cadastro de visitas em nível nacional,
Inmetro nº 073 de 2006, disseminadas e subseqüentes exterior, ciclo de debates e autos de infração e revisão de
para a força de trabalho e cidadãos usuários. O uso workshop de avaliadores. Certificados.
indevido das marcas Inmetro é tratado segundo os Figura 5.3.A.2. Instrumentos de compartilhamento de conhecimento
padrões gerais de atendimento a reclamações e Os inúmeros exemplos de inovações e melhorias de
denúncias, definidos pela NIG-Ouvid-002. produtos, processos, práticas de gestão e padrões de
O Inmetro atrai e conserva especialistas, talentos e trabalho relatados ao longo deste Relatório de Gestão
competências por meio de instrumentos respeitada a estão a indicar que a gestão do conhecimento está
legislação e considerados os mecanismos apresentados internalizada nas práticas do Inmetro. Cabe ressaltar que a
em 6.1.F. Entre esses mecanismos, a GQDI - Gratificação metodologia geral de aprendizado (item 1.2.F) assegura a
pela Qualidade do Desempenho do Inmetro, que substitui contínua aplicação do conhecimento desenvolvido e
e refina a antiga GDACT, vigente até setembro de 2006 e adquirido.
a gratificação por titulação, previstas no Plano de Carreiras O mestrado profissional em sistemas de gestão, bem como
e Cargos são importantes instrumentos na retenção de o mestrado profissional em metrologia e qualidade,
talentos e no estimulo ao aprimoramento da capacitação oferecidos à força de trabalho, vêm exercendo impacto
da força de trabalho. A Política de PITT, assegurando a positivo e ampliando a visão dos colaboradores sobre as
remuneração do inventor, quando da transferência de suas atividades, contribuindo para torná-las mais
53
eficientes. Contribui para a concepção de novos organismos congêneres estrangeiros, instituições
processos, visando atender a novas demandas. Desse nacionais e internacionais, fornecedores, parceiros e
modo, é possível estabelecer uma relação entre o conjunto demais partes interessadas.
de informações adquiridas, os respectivos conhecimentos Tecnologias com Pedido de Patente
desenvolvidos a partir daí, e as melhorias nos processos Pedido de Depositado
Descrição
Titular
pertinentes aos serviços. A fig. 5.3.C.1 exemplifica a Patente no INPI
relação entre processos específicos, as dissertações Refere-se a uma fonte
estável de ultra-som para
correspondentes e sua aplicabilidade. calibração de
Essas práticas, os padrões de trabalho, o método de equipamentos de medição
controle e responsáveis são indicados na fig. 5.3.D.1, que para uso padrão de
evidencia aspectos de disseminação e continuidade. transferência de
rastreabilidade de balanças
5.3.D Ativos intangíveis de força de radiação. A
PI 0801248-2 30/04/2008 Inmetro
presente invenção
O Modelo de Gestão tem no conhecimento um dos pilares contempla um método para
fundamentais. Assim a identificação e o tratamento dos emissão de um sinal de
ativos do conhecimento são realizados a partir do PEI, sob ultra-som utilizando uma
fonte estável e um sistema
responsabilidade da Dplad, desde 1991, considerando o para calibração de
conjunto das ações relativas à cultura da excelência, à equipamentos de medição
gestão dos processos, à gestão de pessoas, às relações de ultra-som.
com os cidadãos usuários e com as demais partes Refere-se a um processo
para a fabricação de um
interessadas que sustentam e orientam o desenvolvimento corpo de prova de baixa
da instituição. Inmetro,
energia de ensaio de
PUC -
Processos impacto Charpy, que
Dissertações Título das Dissertações Rio e
Específicos PI 0901924-3 30/06/2008 compreende uma etapa de
IPT de
Gestão da 1. O relacionamento entre o tratamento térmico com
1-2-4–3-7 São
RBMLQ-I Inmetro e a RBMLQ-I: sub-etapas simples, de
Paulo
diagnóstico,análise e gestão baixa complexidade e que
Gestão da Dimel 1-2-4-5-6
2. Novas formas de atuação para fornece um corpo de prova
Controle de
a metrologia legal do Brasil de referência.
Instrumentos de 2-4-3-7
Medição 3. Modelo de gestão aplicada à Refere-se a um dispositivo
metrologia legal: Proposta de orgânico emissor de luz
Supervisão
2-4-5 modelo brasileiro para biocompatível
Metrológica
arqueação de tanques de compreendendo um diodo
Regulamentação
2-4-7 armazenamento de produtos a orgânico emissor de luz Inmetro,
Metrológica
granel aplicado a um suporte PUC –
PI 0903286-0 14/09/2008
4. Sistematização de flexível biocompatível. A Rio e
procedimentos na presente invenção refere- UNESP
regulamentação dos se a um processo para
instrumentos da área da produção deste dispositivo
saúde: estudo de caso orgânico emissor de luz
5. Qualificação de auditores biocompatível.
internos: garantia de eficácia Figura 5.3.A.3. Exemplos e tecnologias desenvolvidas e protegidas
em sistemas de gestão O Inmetro desenvolve seus ativos intangíveis a partir de
6. Formação de metrologistas da
Acreditação de RBMLQ-I: desafios e
análises criticas e diagnósticos globais como apresentado
Laboratórios de
8–9 perspectivas na fig. 1.2.F.1, da metodologia geral de aprendizado. O
Calibração e 7. Garantia metrológica na desenvolvimento dos ativos humanos ocorre pelo plano de
Ensaios medição de volume carreiras e cargos, conforme descrito no item 6.1.E.1, pelo
8. Proposta para modificações no
processo de Acreditação de
Plano de Trabalho Individual, alinhado as estratégias
laboratórios da coordenação institucionais e por iniciativas de capacitação focada na
geral de credenciamento do cultura de excelência (fig. 6.2.C.1) e disseminação da
Inmetro informação e conhecimento.
9. Análise comparativa dos
requisitos da ABNT ISO/IEC Principais Inovações e Melhorias Implementadas – Inf. Qualitativas
GUIA 58 e da ISO/IEC 170: Implementação dos seminários internos de relatos de participação em
proposta de modelo. congressos e missões ao exterior - 2003
Figura 5.3.C.1. Exemplos do acervo de dissertações e sua aplicabilidade Criação do Banco de Artigos Técnicos no sítio do Inmetro na Internet -
2003
A identificação de ativos intangíveis ocorre na perspectiva Implementação da Intranet - 2004
de ativos humanos, estruturais/tecnológicos e de Implementação de fóruns de discussão na Intranet; Curso para
relacionamento. moderadores de fóruns de discussão para a Intranet; Promoção de
Por ativos humanos, entendem-se os conhecimentos reuniões e palestras sobre Gestão do Conhecimento - 2005
Banco de pessoas na Intranet com foto, módulo de administração de
adquiridos pelos profissionais do Inmetro, compartilhados, conteúdo da Intranet descentralizado; Biblioteca on line; Consulta aos
documentados e colocados em prática, para agregar valor dados dos participantes do Programa de Produção Integrada de Fruta –
aos produtos e serviços oferecidos. PIF, Notícias do Inmetro no formato RSS (Realy Simple Sindication), que
Por ativos estruturais/tecnológicos, entende-se a permite a disseminação de notícias em canais da Web - 2006
Banco de Produção Intelectual do Inmetro - 2006
propriedade intelectual, os sistemas de informação e a
Banco de Relatos de Missões ao Exterior - 2007
estrutura física e tecnológica fundamentais para a Política de PITT – 2008, com aprimoramento em 2009
realização da Missão, Visão, Objetivos e Iniciativas Figura 5.3.D.3. Principais inovações e melhorias implementadas –
Estratégicas. informações qualitativas
Por ativos de relacionamento, entende-se a marca Inmetro Os ativos tecnológicos/estruturais são desenvolvidos e
e aqueles oriundos da interface com cidadãos-usuários, protegidos segundo a política de propriedade intelectual e
de transferência de tecnologia, criada pela Portaria Inmetro
54
nº 095 de 29 de março de 2008, refinada por meio de mensuração, segundo a classificação de identificação
Portaria Inmetro editada em 2009, sob responsabilidade da deles.
Ditec, valendo-se de parcerias e dos sistemas de
Controle das práticas de gestão
informação afins (fig. 5.1.B.3), especialmente do Banco de
Produção Intelectual, que integra e disponibiliza A verificação do cumprimento dos padrões de trabalho é
documentos e informações produzidos pela força de realizada conforme a metodologia de controle apresentada
trabalho da Instituição. em 1.2.F.2. Especificamente para Gestão do
Os ativos de relacionamento são desenvolvidos pela Conhecimento, outros métodos de controle são
gestão da marca Inmetro, e pela Ouvidoria no tratamento apresentados na fig. 5.3.D.2, que inclui evidências de
das reclamações e denúncias; dos convênios, dos continuidade e de disseminação.
contratos e acordos de cooperação técnica. A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões
O Inmetro mensura seus ativos intangíveis por meio de de trabalho relativos à Gestão do Conhecimento é
auditorias do SGQI, Relatório de avaliação do PQGF, realizada de acordo com a metodologia geral de
Relatório do Contrato de Gestão, Pesquisas, Auditorias aprendizado, descrita em 1.2.G e, especificamente, como
dos órgãos de controle interno e externos e avaliação de explicitado na fig. 5.3.D.3, que destaca os principais
desempenho individual (item 6.1.E). indicadores de desempenho e/ou informações qualitativas
A fig. 5.3.D.1 apresenta os principais ativos intangíveis e utilizados na avaliação, bem como, exemplos de inovações
os mecanismos de identificação, tratamento e ou melhorias introduzidas nos últimos anos.
Ativo Definição/Principais Ativos Identificação Desenvolvimento Mensuração
Treinamento, Plano de
Os conhecimentos adquiridos pelos Profissionais Planejamento Carreiras e Cargos,
Processo de
do Inmetro, compartilhados Documentados e Estratégico iniciativas de capacitação
Avaliação de
Humano colocados em prática, para agregar valor aos Objetivo Estratégico focada na Cultura de
Desempenho
produtos e serviços oferecidos/ Quadro de "Implementar Gestão Excelência (fig. 6.2.C.1), e
Individual
Pessoal e de Colaboradores por Competências” disseminação da informação
e conhecimento
Propriedade intelectual, os sistemas de
informação fundamentais para a realização da
Missão, Visão, Objetivos e Iniciativas Estratégicas Planejamento
do Inmetro/ Política de Propriedade Intelectual e estratégico
Política de Propriedade
de Transferência de Tecnologia, Sítio do Inmetro Objetivo estratégico
Intelectual e da
na Internet, Intranet, Portal do Consumidor, Portal "Consolidar o Inmetro
Transferência de
do Relacionamento Inmetro/RBMLQ-I, Alerta como Polo de
Tecnológico e Tecnologia, Sistemas de Análise crítica
Exportador, Siplan, Sicap, Planest, SAC, Sistema desenvolvimento
Estrutural informação (fig. 5.1.B.3), da AAdm
de arrecadação e receita, Sistema de Recursos tecnológico e inovação"
Gestão dos Serviços de
Humanos, SIL, Seipac, Sidoq, Produtos com "Assegurar a
Engenharia e de
Conformidade avaliada, Empresas certificadas Infraestrutura predial,
Manutenção (Subitem 7.2.B)
(CB-25) e (CB-38), Acreditação de laboratórios de laboratorial e de
ensaios e calibração, Contratos e convênios, suporte"
Portaria de aprovação de Modelos, Produção
intelectual, Biblioteca on line, Sitad
Marca Inmetro e aqueles oriundos da interface
Pesquisas de mercado
com cidadãos-usuário, organismo congêneres
Relacionamentos com Iniciativa estratégica Pesquisas de
estrangeiros, instituições nacionais e
interfaces externa “Gestão da marca” mercado
internacionais, fornecedores parceiros e demais
Relacionamento Objetivo estratégico Ouvidoria, convênios, Indicadores do
partes interessadas/ Marcas, Símbolos de
“Evidenciar e valorar os gestão de contratos, Contrato de
Acreditação e Selos de Identificação do Inmetro,
impactos positivos no acordos cooperação técnica. Gestão
regulamentada pela Portaria Inmetro nº 073, de 29
Inmetro”
de março de 2006.
Figura 5.3.D.1. Principais ativos e seus mecanismos de identificação, desenvolvimento e mensuração.
Controle da Prática Aplicação da Prática
Prática de Padrão de Conti Integração
Método de Dissemi-
Gestão Trabalho Freq. Responsável -nui- Coerên- Inter-
Controle nação Cooperação
dade cia Relação
Mapeamento de
Identificação processos,
das auditorias do
Necessidade NIG-Diraf-048 SGQI, reuniões e Contínua Dplat 1996 Todas as UP PEI Todas as UP Todas as UP
s de avaliações
Informações internas e
externas
SGQI,
Sicaf, Siafi, Siape,
Instruções
Gestão das Sispatri, Sistema Dplad, Diraf e
Normativas do Contínua 1996 Todas as UP PEI Todas as UP Todas as UP
Informações de custos, Sicom Profe
GF, Resoluções
e Sicau
Conmetro
Consulta a
Identificação
Internet, revistas
e seleção Macroprocesso
especializadas,
das s e Processos Anual Dplad, Gabin 1998 Todas as UP PEI Todas as UP Todas as UP
RG de
informações Organizacionais
organizações
comparativas
premiadas
Desenvolvi- NIG-Ouvid-002, Monitoramento UP Macroproces-
mento e NIE-Dqual-143 dos processos, da Responsável sos e Partes UP UP
Contínua 2005 PEI
Comparti- e NIE-Dimci- inovação e pelo Interessadas Relacionadas Relacionadas
lhamento 008 conhecimento e monitoramento Pertinentes

55
dos recursos
Disponibilização
das
Sistema Atualize Dplad/Ditec 2001
informações na
Intranet
SGQI e Contínua
Auditorias, Missão,
diretrizes de
análises críticas Princípios
acervos
Proteção da qualidade e da Gabin e Ditec 2003 e Todas UP Todas UP
especializados
atualização dos Valores,
em Informação
acervos PEI
tecnológica
Metodologia Anual
geral de
aprendizado
Revisão do
(item 1.2F) e a
Aplicação planejamento Dplad e Ditec 2003 PEI Todas UP Todas UP
metodologia de
estratégico
gestão por
processos
(6.1.C)
Regulamento Relatórios de Contínua
Marcas; Auditoria do SGQI; Todas UP
Ativos Gabin; Audin; UP
Normas de Pedidos de 2005 PEI INPI
Intangíveis Ditec Relacionadas
Auditorias; Depósito de RBMLQ-I
Política de PITT Patente
Figura 5.0. Controle, aplicação e integração das práticas de gestão relativas à gestão das informações e do conhecimento
internacionais, definida a partir de critérios como
6. PESSOAS responsabilidade por projetos estratégicos, participação
6.1. Sistemas de trabalho em grupos de trabalho, regulamentação ou por domínio
6.1.A. Definição e implementação da organização do no assunto a ser abordado. Os conhecimentos
trabalho adquiridos são compartilhados com as áreas e pessoas
interessadas por meio de exposição oral e/ou relatórios
A organização do trabalho está definida na Estrutura
com destaque no Relato de Missões ao Exterior;
Regimental e no Regimento Interno que descrevem a
Os GAT – Grupo de Ação Transversal, são formalizados
finalidade e as competências da Instituição, a sua
em portarias da Presidência para dar tratamento a temas
estruturação básica, a atribuição de cada uma das UO e
estratégicos, com a participação dos servidores segundo
dos ocupantes dos cargos gerenciais. Os cargos em
a sua especialidade e conhecimento;
comissão e as funções gratificadas, com as alterações,
A designação de servidores, por meio de documento
ampliações e aprimoramentos sugeridos pela AAdm são
utilizados para fazer frente aos novos desafios impostos formal da AAdm para participação e representação em
fóruns e comitês internacionais;
pela política industrial e tecnológica e às novas demandas
da sociedade. Programa Inmetro-de–depois-de-amanhã, criado com o
O PCCI - Plano de Carreiras e Cargos do Inmetro, objetivo de identificar entre os servidores recém-
aprovado pela Lei nº. 11.355/2006 estabelece a estrutura empossados no Instituto, profissionais que são alocados
de cargos, definindo detalhadamente as atribuições, em projetos estratégicos da instituição com foco em
qualificações necessárias e formas de acesso e resultados mais ágeis e efetivos; buscando desafiar e
progressão, em sintonia com a organização do trabalho. A estimular o potencial criativo e de envolvimento deste
estrutura da carreira em Metrologia e Qualidade é grupo, tendo como conseqüência a atração e retenção
composta por seis cargos: Especialista Sênior (ação pró- de novos potenciais;
ativa e pioneira no serviço público federal), Pesquisador- A identificação e a designação de multiplicadores de
Tecnologista, Analista-Executivo, Técnico, Assistente conhecimento para ministrar eventos de capacitação ao
Executivo e Auxiliar, que atendem às demandas corpo funcional, procedimento que reconhece e valoriza
estabelecidas pelas atribuições e competências da talentos internos;
Instituição. A implementação de ações voltadas à difusão da cultura
da metrologia e avaliação da conformidade no País, para
6.1.A.1. Oportunidades de participação das pessoas a sociedade, para a RBMLQ-I e outras instituições de
nos processos da organização natureza pública ou privada e instituições de ensino,
A participação das pessoas é incentivada pela AAdm e utilizando a metodologia de educação a distância, inclui
oportunizada por meio de instrumentos que favorecem a a participação de técnicos da Instituição através de suas
sua integração à cultura organizacional, a criatividade, à expertises e conhecimentos específicos na criação de
inovação e ao desenvolvimento do seu potencial. cursos e materiais de divulgação.
Destacam-se: O prêmio Metrologista do Ano, com periodicidade anual,
O treinamento destinado à ambientação de toda a força reconhece os melhores trabalhos com proposta de
de trabalho, "Programa de Integração do Inmetro", melhorias e adequação das atividades, assim como
normalizado pela Dplad/Codrh, é o resultado de Metrologista Destaque da RBMLQ-I, sob
melhorias no programa anteriormente chamado “Chega responsabilidade da Dimel em parceria com a Cored.
Mais”, oferecido a terceirizados e estagiários; Este prêmio se apresenta como uma prática integrada
A formação de comitês e grupos de trabalho, por entre as diretorias técnicas e RBMLQ-I.
portarias e ordens de serviço da AAdm, com Diversas ações de melhoria nas práticas de gestão, nos
representatividade das UP, possibilitando a troca e processos e nos padrões de trabalho são resultado do
integração de conhecimento e informações; compartilhamento do conhecimento entre as áreas e as
A participação de especialistas em eventos nacionais e pessoas da Instituição e, principalmente, em razão do
56
aproveitamento das habilidades que possuem ou que formação das pessoas que, aliadas às definições do
lhes foi oportunizado adquirir. São exemplos: a PCCI, sejam as necessárias a atender às diretrizes dos
participação na elaboração e revisão dos documentos objetivos estratégicos;
normativos do SGQI; o desenvolvimento de materiais de Aplicação de testes psico-funcionais, para levantamento
referência certificados para a cachaça e para o etanol; a das características comportamentais dominantes;
condução do processo do PEI (2007-2014) por GAT Entrevista com os Diretores e gestores das UO, com fins
integrado por servidores da Instituição, com adoção da de melhor alocação das pessoas, para percepção das
metodologia e das ferramentas do BSC (item 2.2) e a expectativas dos concursados, sua cultura e principais
revisão do PEI realizada pelo grupo gerencial habilidades e competências, comparando-as com as
participante do PDG - Programa de Desenvolvimento necessidades das tarefas pertinentes à UP.
Gerencial no ano de 2009 que serviu de base para o A integração de todos os aprovados por meio de
atual PEI. treinamento envolvendo informações sobre a Instituição,
6.1.A.2. Definição, gestão e melhoria dos processos da suas competências, áreas de atuação, sua Missão,
organização Visão, Objetivos Estratégicos, Valores e Conduta Ética.
Assim, as diretrizes estratégicas da Instituição referenciam
A estrutura organizacional, por Macroprocessos e a seleção de pessoas e a alocação funcional, prática
Processos Organizacionais, é estabelecida e ajustada para aplicada, igualmente, na captação de colaboradores
evitar superposições de unidades, visando o melhor terceirizados e eventuais.
desempenho, maior flexibilidade, rapidez nas respostas e O Instituto obteve, em 2006, autorização para
maior interação entre as pessoas e demais partes preenchimento em 3 anos, via concurso público, de 638
interessadas. A responsabilidade de cada UO, definida vagas no quadro de pessoal. Em 2007, foi realizado
claramente no Regimento Interno, favorece a concurso público com a absorção de 129 novos servidores
descentralização, como prática de gestão promovendo o que tomaram posse no ano de 2008 nos cargos de
compartilhamento de experiências e a troca de Analista-Executivo e Pesquisador-Tecnologista em
conhecimento. Esta prática é fortalecida com a formação Metrologia e Qualidade, assim como 2 servidores para o
de grupos de trabalho, especialmente os GAT, integrados cargo de Especialista em Metrologia e Qualidade Sênior.
por representantes de diversas UP cujo escopo de atuação Em julho de 2009, novo concurso foi realizado
e responsabilidades é definido na Portaria de nomeação, contemplando 124 vagas para os cargos de Analista-
conferindo efetividade e eficácia no atendimento das Executivo e Pesquisador-Tecnologista em Metrologia e
necessidades da Instituição e das partes interessadas Qualidade com posse dos concursados classificados em
pertinentes. A atuação da Ouvidoria evidencia melhoria no fevereiro de 2010. Também no segundo semestre de 2009,
processo de resposta às demandas dos cidadãos- foi publicado edital para realização de concurso
usuários, relativas a informações, esclarecimentos, objetivando o suprimento de 71 vagas do cargo de
reclamações e denúncias, tendo sido refinada a prática por Pesquisador-Tecnologista em Metrologia e Qualidade,
meio da integração entre a Ouvidoria e da RBMLQ-I, específico para as áreas técnicas, e 10 vagas de
agilizando o contato do cidadão-usuário e sociedade, Especialista em Metrologia e Qualidade Sênior, com
aumentando a abrangência do atendimento. previsão de conclusão no primeiro semestre de 2010.
6.1.B. Seleção de pessoas para preenchimento de 6.1.B.1. Competências e habilidades
cargos e funções
O PCCI, regulamentado pela Lei no 11.355/2006,
A seleção de pessoas para a força de trabalho considera estabelece as competências necessárias para a ocupação
as características, habilidades e os requisitos de dos cargos de Especialista Sênior, Pesquisador-
desempenho necessários aos cargos e funções e é Tecnologista e Analista-Executivo em Metrologia e
realizada por concurso público, para os cargos do PCCI, e Qualidade, orientando a seleção para seu preenchimento.
por contratação de serviços de terceiros, para as Adicionalmente, a Codrh juntamente com as UP
atividades administrativas auxiliares. consideram as definições, a área de formação,
A força de trabalho é complementada por colaboradores especialização dos candidatos e os resultados dos testes
eventuais, alocados em projetos estratégicos da psico-funcionais a que se submetem desde 2001. Estas
Instituição, compreendendo bolsistas, disponibilizados por práticas e padrões, disseminados em todos os níveis
convênio firmado com o CNPq e FAPERJ. O gerenciais, favorecem a adequação do perfil das pessoas
preenchimento das funções gerenciais (DAS e FG) às atividades a serem executadas. Para a lotação dos
observa a legislação e o regimento interno vigentes. cargos nas UP, são observadas as diferentes
Essas práticas de gestão, padrões de trabalho, métodos competências e habilidades necessárias para a execução
de controle e responsáveis estão descritos na fig. 6.0, das atividades, alinhadas aos interesses de todas as
evidenciando aspectos de disseminação e continuidade. partes interessadas.
Desde 2001, a seleção de pessoas para o quadro observa, As habilidades e competências necessárias para a
além da legislação aplicável, deliberação da AAdm que prestação de serviços e projetos específicos realizados por
estabelece condições para que o processo seletivo garanta terceirizados e colaboradores eventuais, são definidas
que as competências dos selecionados sejam pelas características das tarefas ou de projetos específicos
determinantes na sua alocação nas diversas áreas de e constam de requisitos definidos no ato negocial
atividades de competência da Instituição, em perfeito pertinente.
alinhamento com os objetivos estratégicos do PEI. Entre
essas práticas, disseminadas para todos os níveis 6.1.B.2. Oportunidades para as pessoas
gerenciais, destacam-se: A seleção de pessoas é realizada através de concurso
Elaboração do edital do concurso de forma participativa, público, de provas ou de provas de títulos, que se destina
com consulta a todas as UP sobre especialidades da a avaliar os candidatos com relação às competências
57
o
estabelecidas na Lei n 11.355/2006 e às necessidades da Sicap, Sisgec, Sistemas de Custos, SIL-Sistema de
Instituição, ordenando-os segundo seus desempenhos Legislação), portarias, documentos internos, fóruns,
individuais. Visa identificar, dentre os pretendentes, palestras, seminários e workshops.
aqueles mais aptos ao exercício do cargo, assegurando a
6.1.D. Estímulo à integração e à cooperação das
justiça e eqüidade, garantindo igualdade oportunidades de
pessoas e das equipes
acesso aos cargos e uma seleção qualificada de pessoas.
6.1.D.1. Processo de integração das pessoas recém-
A partir da identificação da necessidade de prestação de
contratadas e remanejadas
serviços terceirizados nas atividades administrativas
auxiliares, o Inmetro, através da Dplad em parceria com as A integração dos servidores recém-empossados é
UO, solicita à empresa administradora do contrato de realizada desde 2001, na forma de curso e por meio de
terceirização, que procede a contratação de profissional palestras, com o objetivo de informar e prover
que atenda ao perfil necessário para o bom desempenho conhecimento sobre todas as atividades da Instituição, sua
do serviço. Missão, Valores, Diretrizes e Objetivos Estratégicos. Em
2005, esse processo foi refinado com a criação do
6.1.C. Canais para interlocução e negociação com a programa “Chega Mais” destinado a todos os profissionais
força de trabalho que atuam na Instituição. Ao final de 2007, em processo de
Os principais canais de interlocução com as pessoas e a melhoria contínua, novo programa de integração foi
sua disponibilização são apresentados na fig. 6.1.C.1, estruturado com o objetivo de atender as demandas de
definidos em atenção às demandas dos usuários, seja por ambientação de toda a força de trabalho, envolvendo
iniciativa dos comitês relacionados na fig. 1.1.A.2, seja por estagiários e servidores. Nesta oportunidade, os novos
deliberações das reuniões de coordenação das UP, seja colaboradores são apresentados ao Instituto por meio de
por sugestão direta das pessoas, ou por meio da Asmetro - visitas aos Laboratórios e recebem orientações através de
Associação dos Servidores do Inmetro. palestras sobre a estrutura organizacional do Inmetro, o
A comunicação e a informação entre as pessoas e as UP papel de cada UP, sua função e sua importância para a
do Inmetro são asseguradas por outros canais e sociedade e para a Instituição, disseminação de conceitos
mecanismos, tais como: sítio do Inmetro na Internet, Portal de legislação específica da gestão pública e ética no
do Consumidor, Portal RBMLQ-I, videoconferências, serviço público. As palestras são ministradas por diretores,
intranet, ferramentas corporativas (Siplan, Planest, Sidoq, gerentes e técnicos e as boas vindas dadas pela AAdm
Responsável
Mecanismos Continuidade Disponibilização
pelo Controle
Correio
Dplad Desde 1995 Toda a instituição, com os assuntos de interesse aos processos.
eletrônico
Intranet e Desde 1998 e 2005 Toda a inst., com inf. sobre qualidade, RH, planej.estratégico, normas internas, result., portais
Dplad e Gabin
Comunica (respectivamente) e sis. corporativos.
Ouvidoria
Ouvid Desde 2006 Toda a instituição, envolvendo reclamações, denúncias, críticas, sugestões e elogios.
(canal interno)
Jornal “Na Informações do ambiente interno e externo, editorial da liderança, temas de interesse aos
Gabin Desde 1985
Medida” processos, pessoas e áreas, coluna sobre servidores, etc.
Murais e
Veiculação de informações (CI-comunicação interna, artigos, avisos e outros) das UP e das
Boletins Gabin Permanente
demais UO da Instituição.
informativos
Telefones, fax Toda a instituição dispõe de Telefones, fax e malote, com celulares para os ocupantes das
Diraf Permanente
e malote funções gerenciais, agilizando a interlocução entre as UO e as pessoas.
Linha Direta Gabin Desde 2004 Canal (linhadireta@inmetro.gov.br) p/ a força de trab. comunicar-se com o Presidente.
Café 10 Gabin Desde 2005 Encontro para troca de idéias da força de trabalho com o Presidente.
Reuniões de
coord., grupos Todas as UO Desde 1997 Acompanhamento e monitoramento das ações e projetos.
e comitês
Figura 6.1.C.1. Exemplos de canais de interlocução
A responsabilidade pela estruturação, monitoramento, Legislação), portarias, documentos de circulação interna,
controle e constante avaliação desta prática é da Dplad. Ouvidoria, Café 10, comitês, fóruns, palestras, seminários,
Os registros são mantidos, conforme apropriado e as workshops e atas (das reuniões) de grupos. Contribuem,
informações obtidas disseminadas para toda força de ainda, para a disseminação de conhecimento e
trabalho por meio dos mecanismos descritos em 6.0. aprimoramento de habilidades: as reuniões dos grupos
O remanejamento das pessoas no Inmetro ocorre segundo gestores, os treinamentos internos oferecidos pelo corpo
padrões de trabalho definidos no SGQI. Toda remoção funcional, a disponibilização de trabalhos, artigos e
deve ser realizada, atendendo aos interesses da dissertações em endereço próprio na Intranet e os relatos
administração, exceto nos casos previstos legalmente, e de missões no exterior, conforme padrão específico.
do servidor, sempre que possível. Essas práticas de gestão, padrões de trabalho, métodos
de controle e responsáveis estão descritos na fig. 6.0, que
6.1.D.2. Comunicação eficaz entre as áreas da
evidencia aspectos de disseminação e continuidade.
organização
A comunicação e o compartilhamento de informações 6.1.E. Gerenciamento do desempenho das pessoas e
entre as pessoas e as UP do Inmetro são assegurados por das equipes
canais e mecanismos, tais como: sítio do Inmetro na O desempenho das pessoas é avaliado e gerenciado de
Internet, Intranet, linha direta, Jornal “Na Medida”, forma a estimular a obtenção de metas, promover a cultura
Comunica, Portal do Consumidor, Portal RBMLQ-I, da excelência, desenvolver profissionalmente as pessoas e
videoconferências, sistemas corporativos (Siplan, Planest, possibilitar a adequada readaptação funcional. Utilizado
Sidoq, Sicap, Sisgec, Sistemas de Custos, SIL-Sistema de desde 2001, passou por refinamentos em 2004 onde foi
58
instituída a comissão paritária para a homologação dos promoções e gratificações advindas dos processos de
resultados (Portaria Inmetro nº.158/2004). avaliação, conforme 6.1.F.
Em 2007, o Sistema de Avaliação de Desempenho do Esta ferramenta de gestão originou-se em processos de
Inmetro – Siadi foi aprimorado a partir de estudos e benchmarking de experiências de sucesso da Comunidade
definições desenvolvidas por um grupo de trabalho, Européia, em especial no sistema utilizado na gestão
nomeado pela presidência da Instituição, formado por pública do governo de Portugal.
servidores representantes de várias UP. Desde sua implantação, o Inmetro vem recebendo visitas
O maior diferencial no atual sistema de avaliação é a de órgãos de governo com o objetivo de conhecer esta
adoção, pelo PCCI, do CAD - Comitê de Avaliação de prática de gestão e ser convidado a participar de fóruns
Desempenho, formado em sua maioria por membros nacionais e internacionais sobre o tema. Reconhecido
externos à instituição e com referência comprovada nas como prática inovadora na Gestão Pública Federal, o Siadi
áreas de metrologia e gestão. O objetivo principal do CAD foi premiado como iniciativa inovadora no ano de 2009 no
é assegurar imparcialidade aos resultados. A avaliação 14º. Concurso Inovação na Gestão Pública Federal
das pessoas é utilizada para fins de percepção de realizado pela ENAP/MP.
Gratificação por Desempenho Individual, a GQDI instituída
6.1.E.1. Estrutura da progressão de carreira
pelo PCCI, e tem como pressupostos as diretrizes e os
profissional
objetivos estratégicos institucionais, em especial a
iniciativa “Implementar um Programa Institucional de O andamento da carreira dos servidores ocorre por meio
Avaliação de Desempenho dos Servidores como referência de progressão funcional e promoção em conformidade
para o Setor Público”. com os resultados obtidos na avaliação de desempenho
Os fatores de desempenho alinham-se às metas e individual e em consonância com o PCCI, tendo como
diretrizes da Instituição com relação a cada servidor que, base titulação e/ou atividades relevantes realizadas em
por sua vez, tem claro o que lhe compete, sobre que ótica suas áreas de atuação.
é avaliado e o quanto contribui para a consecução dos Cabe destacar que são discutidas melhorias das práticas
objetivos institucionais. A periodicidade do Siadi é anual e de execução das atividades, no âmbito dos citados, que
a responsabilidade do monitoramento e controle é da têm no desenvolvimento do Siplan um exemplo de ação
Dplad. Os registros são mantidos, conforme apropriado e inovadora, reconhecida com o prêmio Hélio Beltrão (2002).
as informações obtidas disseminadas para todas as UP, Essa prática de gestão, padrões de trabalho, métodos de
por meio dos mecanismos descritos em 6.0.. controle e responsáveis estão descritos na fig. 6.0, que
Em dezembro de 2007 foi iniciado o primeiro ciclo do Siadi evidencia aspectos de disseminação e continuidade.
e, por se tratar de implantação de um novo modelo, 6.1.F. Remuneração, reconhecimento e incentivos para
definiu-se pela realização de um ciclo menor duração - 6 obtenção do alto desempenho das pessoas
meses, para acompanhamento da efetividade do processo
O sistema de remuneração do PCCI está estruturado e
e possíveis melhorias. O segundo ciclo do Siadi foi
normalizado em padrão legislativo e orientações
realizado de junho de 2008 a maio de 2009. Atualmente a
normativas. A remuneração dos servidores é regida pela
instituição realiza o terceiro ciclo de Avaliação de
Lei nº 11.355/2006 e os valores praticados são,
Desempenho, junho de 2009 a maio de 2010.
atualmente, condizentes com o mercado. A remuneração
A primeira etapa do Siadi se dá através da criação do
Plano de Trabalho Individual – PTI acordado entre servidor dos cargos em comissão das funções gratificadas está
e sua chefia imediata, com ciência da instância máxima da definida em legislação específica. O servidor pode ainda
UP e aprovação do CAD. A elaboração do PTI de cada perceber parcelas adicionais de remuneração, relativas a
servidor está vinculado às iniciativas e projetos prioritários incentivos e reconhecimento, a saber:
corporativos e de cada UP para o próximo exercício. A Retribuição por Titulação e a Gratificação por
A etapa de avaliação sob a responsabilidade do CAD Qualificação, previstas no PCCI, proporciona acréscimos
acontece com base na análise dos relatórios de atividades aos vencimentos para os servidores portadores dos
de desempenho realizado por cada servidor avaliado e do títulos de doutorado, mestrado e certificados de
parecer da chefia, utilizados como orientação ao Comitê. especialização ou de aperfeiçoamento, incentivando o
A avaliação de desempenho individual no Inmetro é constante desenvolvimento das pessoas.
composta pelos fatores: “Objetivos” - que visa A GQDI - Gratificação pela Qualidade do Desempenho
comprometer os servidores com os objetivos estratégicos no Inmetro que incentiva a cultura da excelência.
do Inmetro; e “Atitudes” – cuja finalidade é analisar a forma A Gratificação por Encargo de Curso ou Concurso
como a atividade foi desempenhada pelo avaliado, incentiva os servidores ao desenvolvimento e a
incluindo aspectos como o esforço realizado, interesse e disseminar e compartilhar conhecimentos.
motivação demonstrados. Como item de melhoria do Como exemplo de ação de reconhecimento e incentivo de
sistema, está prevista a inclusão do fator “Competências”, caráter não pecuniário, destaca-se a prática instituída pela
após o mapeamento de competências na instituição. Dimel, que promove anualmente, desde 2004, a eleição e
Esta metodologia de Avaliação de Desempenho permite a premiação do “Metrologista do Ano” e da “Proposta
melhoria dos resultados individuais e institucionais, Destaque de Melhoria dos Serviços Metrológicos”,
incentivando o servidor a atingir níveis de desempenho objetivando motivar e reconhecer os profissionais para a
mais elevados, sendo fonte de informação para a melhoria melhor consecução das atividades de metrologia.
da capacitação, incentivo à carreira dos servidores, bem A responsabilidade pelo monitoramento e controle destas
como promoção da cultura da excelência. práticas é da Diraf, Dplad e da Dimel.
A esta prática somam-se alguns dos instrumentos citados A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões
em 1.2.D, tais como, participação em programas de de trabalho, relativos aos Sistemas de Trabalho, é
intercâmbio tecnológico e fóruns internacionais, em realizada de acordo com a metodologia geral de
colóquios científicos, assim como o incentivo por meio de aprendizado, descrita em 1.2.G. A fig. 6.1.F.2, destaca
59
exemplos de inovações ou melhorias introduzidas nos formação de nível médio e superior, pós-graduação nos
últimos anos nas práticas de gestão relativas aos Sistemas níveis de mestrado e doutorado, programa de integração,
de Trabalho. entre outras. Estas atividades são de responsabilidade da
Principais Inovações ou Melhorias Implementadas Inf. Qualitativas Dplad e das UP sendo desenvolvidas através de
Flexibilização para contratação de especialistas para implementar ações convênios, contratos ou da identificação de profissionais
dos projetos estratégicos e atividades de suporte à gestão -1994 da força de trabalho capazes de atuar como
Imparcialidade na concessão de adicionais de gratificação mediante multiplicadores de conhecimento.
avaliação da carreira de C&T, progressão funcional e avaliação de
desempenho - 1994 A Instituição proporciona, ainda, oportunidades de
SRH - Módulo Diárias e Passagens – 1995 crescimento e desenvolvimento quando designa pessoas
Normatização de Procedimentos - Sistemas de Trabalho – 2000 para participar de eventos, como: cursos, seminários,
Implantação do Siplan – 1998 de forma modular com seu pleno uso em workshops, palestras, simpósios, visitas e encontros
2000 técnicos (nacionais e internacionais), reuniões técnicas,
Ampliação dos canais de interlocução – 2004
Aprovação do Plano de Carreiras e Cargos do Inmetro - 2006
grupos de trabalho, benchmarking, auto-estudo de normas
Avaliação de Desempenho – 2006 internacionais, métodos de medição e de avaliação da
SCDP - Sistema de Concessão de Diárias e Passagens – 2007 conformidade, de harmonização, de recomendações
Criação do Cicma - 2007 internacionais da qualidade e da metrologia legal, científica
Programa de Estágio do Inmetro – 2008 e industrial, e outros de interesse.
Implantação do Sistema Orquestra - 2008
O Inmetro implantou, em 2005, o Cicma – Centro Integrado
Realização de cursos EAD em Metrologia – 2008
Programa de Integração Inmetro – 2009 (melhoria do Programa Chega de Capacitação em Metrologia e Avaliação da
Mais de 2005 e do Programa de Integração Inmetro – 2008 Conformidade. O Cicma retrata o esforço para a
Figura 6.1.F.2. Evidências de aprendizado nas práticas dos sistemas de organização da oferta de cursos e atividades de
trabalho capacitação e formação continuada, com ênfase na
6.2. Capacitação e desenvolvimento modalidade a distância, nas áreas de atuação do Instituto,
6.2.A. Levantamento de necessidades de capacitação com oferta de programas no Brasil e em âmbito
O Plano de Capacitação do corpo funcional é elaborado internacional, objetivando:
com base no Levantamento das Necessidades de Qualificar, de forma continuada, os recursos humanos da
Capacitação - LNC, definido a partir das atribuições RBMLQ-I, dos organismos e laboratórios acreditados, da
institucionais das diferentes UP, sob a responsabilidade da indústria e instituições de educação;
Dplad, em função de projetos estratégicos, metas de Promover condições propícias para o bom desempenho
desempenho, linhas de atuação, processos, do PDP, no que tange à inovação e desenvolvimento
equipamentos, serviços, demandas específicas ou tecnológico;
diretrizes da AAdm Essa elaboração tem periodicidade Realizar ações para a disseminação da cultura em
anual e apóia-se em metodologia sistematizada por metrologia, normalização e qualidade;
documentos do SGQI, NIG- Dplad -061, FOR- Dplad -032 Implantar ações de pesquisa e pós-graduação em
e o FOR- Dplad -043, tendo o processo registrado no metrologia e áreas de conhecimento conexo.
Siplan, inclusive o controle orçamentário. Em 2009 o Cicma iniciou a oferta do curso para formação
6.2.A.1 Participação do corpo funcional no LNC de Agentes de Metrologia Legal, bem como preparou
vídeos educativos sobre metrologia e material de
A metodologia citada no item 6.2.A consiste na prática de divulgação em metrologia científica. Apresentou artigos em
identificação de necessidades de capacitação realizada congressos científicos, tratando de projetos de cursos em
pelos interlocutores das UP, seus líderes e cada membro metrologia, avaliação da conformidade e Acreditação. Um
da força de trabalho a ser capacitado, com a coordenação fator importante a se destacar na elaboração de todo este
da Dplad. Com isso, busca-se oportunizar a capacitação e material é a participação dos técnicos das várias áreas
desenvolvimento a todos os níveis da Organização. Desta finalísticas. Técnicos da Dimel, Dqual, Dimci e Cgcre
forma, a Dplad difunde o planejamento da capacitação elaboram os conteúdos e validam o material educativo a
orientando e incentivando as lideranças a envolverem as ser oferecido aos alunos e público em geral. Todos estes
pessoas nas fases do processo de treinamento. servidores de atuação técnica foram capacitados através
Ações de capacitação de interesse da Instituição, não de oficinas de autoria e tutoria, visando uma melhor
previstos no LNC, demandados ao longo do ano, são compreensão dos processos envolvidos na preparação do
propostos pela UP interessada e, diante de dotação material educativo. Além da preparação do material, eles
orçamentária, enviados a Dplad para análise e exercem funções de tutoria nos cursos, no caso da Dimel,
deliberação. bem como são estes técnicos que definem os processos
6.2.B. Capacitação e desenvolvimento voltados às de avaliação dos alunos, e realizam a correção do
necessidades da organização material.
A responsabilidade do monitoramento e controle destas
A Dplad, considerando as necessidades da Autarquia,
práticas é da Dplad. Os registros são mantidos e as
proporciona a capacitação e desenvolvimento das pessoas
informações obtidas disseminadas para a força de
a partir de seu ingresso na Instituição levando em conta os
trabalho.
seguintes pontos: Plano de Capacitação elaborado a partir
do LNC, conforme descrito no item 6.2.A; quando da 6.2.B.1. Desenvolvimento de gerentes
remoção de servidor, deslocamento entre áreas; por meio O desenvolvimento dos gerentes é contemplado no PDG -
de programas voltados aos gerentes e pessoas que atuam Programa de Desenvolvimento Gerencial, a cargo da
diretamente junto aos cidadãos-usuários através de ações Dplad, que inclui a busca da excelência de gestão da
de capacitação presenciais e/ou a distância. Instituição. No segundo semestre de 2007 com o intuito de
São realizadas, ainda, ações de capacitação e atualizar e rever a capacitação do seu corpo gerencial
desenvolvimento, tais como: educação para o consumo, solicitou a ENAP – Escola Nacional de Administração
60
Pública, a estruturação e implementação de um programa uma de suas funções a implementação de formação e
de desenvolvimento gerencial, tendo como base as capacitação em metrologia e avaliação da conformidade
diretrizes estabelecidas no PEI. para RBMLQ-I, a partir de insumos fornecidos pelas UP
Este Programa foi desenvolvido a partir do mapeamento finalísticas. O Cicma é responsável por implementar ações
de competências gerenciais que foram elaborados pela voltadas à difusão da cultura da metrologia e avaliação da
Dplad como ferramenta para dar suporte à necessidade de conformidade no País.
capacitação gerencial, identificada a partir das análises Desde 1997, através de convênio com o governo do
críticas do SGQI. O mapeamento de competências estado do Rio de Janeiro, o Inmetro, através do Ceco –
gerenciais contribui para o refinamento das práticas de Colégio Estadual Círculo Operário, realiza formação
treinamento para este público e foi desenvolvido a partir da técnica de estudantes para atuar no campo da metrologia.
identificação das principais atividades desenvolvidas pelo Este é o único curso técnico em Metrologia no País.
grupo gerencial na Instituição, nas melhores práticas em Na RBLMQ-I, o curso Formação de Multiplicadores em
organizações públicas e privadas no Brasil e no mundo e Educação para o Consumo Sustentável é um dos
por conseqüente das competências necessárias para o instrumentos eficazes de disseminação de uma cultura de
melhor desempenho na atividade gerencial. Foi realizada educação para qualidade, criado em 2003 tem como
uma análise do contexto gerencial por meio de entrevistas objetivo tornar o consumidor consciente em um indutor do
com gestores de diferentes níveis e análise dos principais processo de melhoria contínua da qualidade do produto
documentos estruturantes da organização (documento nacional. O curso é divulgado através do sitio do Inmetro e
PQGF, PEI, Contrato de Gestão, Metas 2008-2011). A aberto a toda a sociedade, realizado nos estados da UF,
identificação das competências do corpo gerencial do tem como participantes cidadãos oriundos de várias partes
Instituto resultou na criação de um novo PDG que em seu do país, como donas de casas, educadores, profissionais
primeiro ciclo no novo modelo de capacitação, 2008 a liberais, etc. A Dqual é a UP responsável por este
2009, foram compostos de três módulos temáticos: processo realizado em parceria com a Dplad.
Competências Intrapessoais, Interpessoais e de Gestão. O Na Ouvid, o aperfeiçoamento dos operadores do
PDG é um programa de aprendizagem contínua e tem em teleatendimento é contínuo e tem como objetivos: reforçar
seu planejamento a realização do segundo ciclo em 2010. os conceitos e assuntos mais demandados pelos cidadãos,
Além deste programa, demandas de desenvolvimento introduzir estes novos assuntos nas ações desenvolvidas
específicas para os gestores são viabilizadas ao longo do pelo Inmetro, receber informações e sugestões dos
ano de acordo com as necessidades identificadas no LNC. operadores para subsidiar a melhoria da base de dados e
A responsabilidade pelo controle destas práticas é da avaliar os atendimentos realizados visando sua melhoria.
Dplad. Os registros são mantidos conforme apropriado e Essas práticas de gestão, padrões de trabalho, métodos
as informações obtidas disseminadas para toda força de de controle e responsáveis estão descritos na fig. 6.0 que
trabalho. evidencia aspectos de disseminação e continuidade.
O PDG Inmetro foi escolhido como iniciativa de sucesso
6.2.C. Cultura da excelência
adotada no serviço público federal em prol da capacitação
dos servidores e foi destaque no encontro Nacional de A disseminação da cultura da excelência é um dos
Desenvolvimento de Pessoas realizado em fevereiro de pressupostos do processo de capacitação e
2010, na comemoração dos quatro anos de implantação desenvolvimento. A força de trabalho é mobilizada e
da Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal – estimulada pela AAdm a participar dos eventos e ações
PNDP, realizada pela SRH/MP. relativos ao modelo de gestão à observância do MQI e das
normas do SGQI, das políticas e diretrizes organizacionais
6.2.B.2. Pessoas atuando junto aos cidadãos-usuários voltadas para a excelência, por intermédio dos
A força de trabalho que atua diretamente com os cidadãos- mecanismos de comunicação descritos em 6.0. A fig.
usuários é capacitada de forma contínua por meio de 6.2.C.1 apresenta alguns exemplos de eventos e iniciativas
cursos específicos, coordenados pela Dplad, que avalia e de capacitação e desenvolvimento focados na cultura da
mantém todos os registros de acordo com padrões excelência.
existentes no SGQI. Desde 2005, os órgãos delegados Essas práticas de gestão, padrões de trabalho, métodos
integrantes da RBMLQ-I têm à disposição um programa de de controle e responsáveis estão descritos na fig. 6.0, que
ensino via web, desenvolvido pela Dimel em parceria com evidencia aspectos de disseminação e continuidade.
a Dplad, que coordena e administra o ambiente do ensino
6.2.D. Compatibilização das necessidades de
a distância. O primeiro módulo realizado foi “Verificação de
capacitação e desenvolvimento com os recursos
Taxímetros” ministrado aos servidores do IPEM-RJ.
disponíveis
Servidores dos órgãos delegados dos estados da UF como
Paraíba, Amazonas, Rondônia, ACRE, Pará, Roraima, Os planos de capacitação e desenvolvimento do corpo
dentre outros, realizaram o mesmo curso. Foram funcional são elaborados em consonância com as
realizados outros treinamentos presenciais destinados à diretrizes e objetivos estratégicos do PEI, de modo a
força de trabalho, abordado temas como: Fiscalização de compatibilizar as necessidades identificadas no LNC com
Produtos Certificados, Verificação da Conformidade de os recursos disponíveis, segundo proposição das UP,
Produtos Certificados, Produtos Pré-Medidos, Fiscalização aprovada pela AAdm e coordenada pela Dplad/Codrh, que
e Verificação de Produtos Regulamentados, Gestão da se encarrega da implementação e controle do LNC,
Qualidade, Gestão Orçamentária e Financeira. A partir de segundo procedimentos normatizados e registrados no
2007, com a nova estrutura regimental, foi criada a Cored SGQI.
que tem dentre suas atribuições identificar e coordenar a Atendendo à demanda registrada no LNC, a Dplad, em
implementação de ações de capacitação e conjunto com as UP, prospecta e contrata no mercado
desenvolvimento da força de trabalho dos órgãos da ações de capacitação que atendam às necessidades
RBMLQ-I. O novo regimento criou o Cicma que tem como específicas da Instituição. Para potencializar a oferta dos
61
programas de capacitação são utilizados recursos Capacitação e Desenvolvimento, valendo explicitar a
orçamentários, de fomento (Finep, CNPq, FAPERJ), continuidade do curso de Mestrado Profissional em
parcerias/convênios (Sebrae, escolas técnicas e Sistema de Gestão, decorrente da análise crítica do
universidades) e recursos próprios (Cicma, multiplicadores instrumento contratual existente com a UFF e do
de conhecimento, dentre outros), sendo essa última prática benchmarking com a PUC - Rio e a UFRJ. A estruturação
uma tônica que valoriza os talentos internos e minimiza as do curso de Mestrado Profissional em Metrologia e
despesas decorrentes dos programas de capacitação. Qualidade a partir do ano de 2008, se propõe a formar
Promoção da Cultura de Excelência profissionais capazes de gerar conhecimentos e produtos,
Eventos de Capacitação Outras Iniciativas disseminar a cultura metrológica e suprir o sistema
Seminário “Ferramentas da Qualidade Participação na Banca nacional de metrologia de profissionais especializados.
- Ênfase Cultura da Excelência” Examinadora dos prêmios de
Curso de mestrado profissional em
qualidade 6.3. Qualidade de vida
Sistemas de Gestão Incentivo à participação no curso 6.3.A. Identificação dos perigos e tratamento dos
à distância para capacitação de riscos relacionados à saúde ocupacional, à segurança
Workshop sobre PQGF
avaliador dos critérios do PQGF
Capacitação para atendimento a
Adoção do BSC no e à ergonomia
clientes
planejamento estratégico Os fatores relacionados aos perigos à saúde, segurança,
Programa de Integração do Inmetro
Participação de pessoas da bem-estar e ergonomia no ambiente de trabalho são
(melhoria- Programa “Chega Mais”)
força de trabalho, nos cursos da
Programa de Desenvolvimento
Banca Examinadora do PQGF identificados por meio de informações coletadas junto à
Gerencial força de trabalho, através de pesquisas e entrevistas
Sistema de gestão da qualidade
Capacitação dos Agentes da
Qualidade da Diraf
do Inmetro realizadas nos exames médicos ocupacionais anuais; nos
Código de ética profissional dos atendimentos médicos ambulatoriais, psicológicos,
Oficina Gestão por Competências
servidores do Inmetro
Programa Inmetro-de-depois-de-
Programa de Benchmarking
odontológicos, fisioterapêuticos, serviço social e nutrição; e
amanhã nos relatórios de inspeção de segurança e ergonomia no
Institucional que visa criar
Capacitação EAD e presencial da padrões comparativos para a trabalho, conforme cronograma e históricos médicos
RBMLQ-I. instituição individuais registrados durante o exercício.
Figura 6.2.C.1. Exemplos de eventos e iniciativas de capacitação focada As práticas de gestão, padrões de trabalho, métodos de
na cultura de excelência.
controle são os instrumentos utilizados para eliminar os
Essas práticas de gestão, padrões de trabalho, métodos riscos e tratar de forma preventiva os riscos que
de controle e responsáveis estão descritos na fig. 6.0, que porventura venham a ameaçar a qualidade de vida da
evidencia aspectos de disseminação e continuidade. força de trabalho.
6.2.E. Avaliação da capacitação 6.3.A.1. Participação das pessoas
A Instituição realiza dois tipos de avaliação de treinamento Os dados obtidos em decorrência das informações
de acordo com a norma NIG-Dplad-058, a saber: coletadas junto à força de trabalho são tratados pela
Avaliação de Reação do Treinamento - aplicada ao final equipe multiprofissional de saúde e segurança
de cada treinamento, através do formulário FOR-Dplad- ocupacional, com adoção de novas ações ou refinamento
023. Os dados obtidos são consolidados para das existentes. A seguir destacam-se alguns exemplos das
elaboração do Relatório de Resultado Final no SRH, que principais práticas utilizadas, conforme figura 6.3.A.1. –
evidencia pontos fortes e oportunidades de melhoria nos Exemplos de Práticas de Participação de Pessoas.
treinamentos nos aspectos: desempenho do instrutor e As práticas de gestão, padrões de trabalho, métodos de
do treinamento. controle e responsáveis estão descritos na fig. 6.0, que
Avaliação de Resultado do Treinamento é aplicada após evidencia aspectos de disseminação e continuidade. O
seis meses da realização do treinamento, por intermédio monitoramento das práticas de gestão da qualidade de
do formulário FOR-Dplad-028, com informações sobre a vida é realizado através de pesquisa de satisfação do
utilidade e aplicabilidade dos conhecimentos adquiridos. cliente e metodologia de aprendizado e controle (ciclo
Os dados obtidos são consolidados para elaboração do PDCA).
Relatório de Avaliação Técnica do Treinamento -
Resultado, registrando os pontos fortes, as melhorias e 6.3.A.2. Fatores de ergonomia, saúde e segurança
os benefícios decorrentes do treinamento ou as As práticas relativas à ergonomia à segurança descritas na
eventuais necessidades de reforço ao treinamento. fig. 6.3.A.2 são realizadas com a periodicidade anual,
A aplicação e o controle destas avaliações são de desde 2000.
responsabilidade da Dplad. A verificação do cumprimento Os principais fatores relacionados à ergonomia, saúde e
dos padrões de trabalho é realizada conforme metodologia segurança e práticas associadas são descritas na fig.
geral de controle apresentada em 1.2.F. Especificamente 6.3.A.2 e as práticas utilizadas são administradas em
para Capacitação e Desenvolvimento, outros métodos de decorrência do vínculo das pessoas com a Instituição.
controle são apresentados na fig. 6.0, que apresenta Os resultados são avaliados e registrados, e são definidos
evidências de continuidade e disseminação. os pontos e conseqüentes ações de melhoria.
Os principais requisitos, indicadores e metas para os
6.2.F. Desenvolvimento integral das pessoas como
fatores relacionados à ergonomia, saúde e segurança e
indivíduos, cidadãos e profissionais
práticas associadas estão apresentados na fig. 6.3.A.3
A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões A partir dos relatórios a Diraf, desde 2000, vem ampliando
de trabalho relativos à Capacitação e Desenvolvimento é a rede de serviços e benefícios oferecidos à força de
realizada de acordo com a metodologia geral de trabalho de modo a prover melhor qualidade de vida e
aprendizado, descrita em 1.2.G. A fig. 6.2.F.1 destaca bem-estar e, assim, minimizar a freqüência de utilização do
práticas de desenvolvimento profissional, bem como plano de saúde e a ausência ao trabalho. A
exemplos de inovações ou melhorias introduzidas nos responsabilidade do monitoramento e controle destas
últimos anos nas práticas relativas à Gestão em
62
práticas é da Diraf. Os registros são mantidos, conforme para toda força de trabalho por meio dos mecanismos
apropriado, e as informações obtidas são disseminadas descritos na figura 6.1.C.1.
Mecanismo Prática Responsável Continuidade Disseminação
Atendimento social Serviço social
Atendimento médico Pesquisa Serviço médico 2000
Atendimento odontológico Entrevista Serviço odontológico Todas as UP
Exame médico ocupacional anual Relatório Serviço médico 1983
Inspeção de segurança e ergonomia no trabalho Serviço médico do trabalho 2003
Figura 6.3.A.1. Exemplos de práticas de participação das pessoas

Principais Inovações ou Melhorias Implementadas – Inf. Qualitativas concedidos somente aos servidores.
Utilização de banco de talentos (instrutores pertencentes a força de A responsabilidade do monitoramento e o controle destas
trabalho) e e/ou infra-estrutura disponível – 1995 – atualizado em 2008 práticas são da Diraf. Os registros são mantidos e as
Discussão, revisão e disseminação das práticas relacionadas à informações obtidas são disseminadas para toda força de
capacitação e captação de pessoas – 2000 – atualizado em 2008 e 2009
LNC– 2000 – atualizado em 2008
trabalho por meio dos mecanismos descritos em 6.1.C.
Aumento do número de pessoas capacitadas - 2002 6.3.B.1. Fatores identificados
PDG – novo ciclo 2008
Programa de Integração do Inmetro - 2005 – atualizado em 2008 e 2009 Conforme relacionado na fig. 6.3.A.3.
Curso de Mestrado Profissional em Sistemas de Gestão – 2006
Avaliação de Desempenho Individual dos servidores – 2007 6.3.C. Tratamento dos fatores que afetam o bem estar,
Criação do Cicma – 2007 a satisfação e a motivação das pessoas
Início de cursos EAD – 2008 As informações obtidas são consolidadas e analisadas
Criação do Sistema de Desempenho - 2008
pela Diraf, que emite relatório consubstanciado e
Estruturação do Grupo de Gestão por Competências - 2009
Criação do curso de Mestrado em Metrologia – 2009 detalhado, encaminhando-o à AAdm e a todas as UP, para
Figura 6.2.F.1. Evidências de aprendizado nas práticas de gestão em orientar a análise crítica e adoção das ações de melhoria
educação e capacitação pertinentes. Refletem decisões tomadas, neste sentido: as
6.3.B. Identificação dos fatores que afetam o bem- ações do programa “Qualidade de Vida no Trabalho” e
estar, a satisfação e a motivação projeto "Saúde com Responsabilidade Social"; criação do
Os fatores de satisfação, bem-estar e motivação das canal interno da Ouvidoria; a implantação do PCCI; a
pessoas, visando melhorar a qualidade de vida, são ampliação e modernização da carteira de benefícios; e o
identificados pela Diraf, desde 2000, avaliando as monitoramento e avaliação do PPRA, PCMSO e ASO das
informações colhidas por meio de alguns dos instrumentos empresas fornecedoras de serviços que envolvem a
relacionados em 6.3.A.1, das ações do programa aplicação de mão-de-obra.
Qualidade de Vida no Trabalho”, das reuniões do PEI, de A participação dos profissionais da equipe multiprofissional
análise crítica e de coordenação das UP. de saúde e segurança ocupacional em fóruns de qualidade
A própria aplicação da pesquisa de ambiência, realizadas de vida, através de reuniões, encontros e eventos diversos
em 2005 e 2006 e de satisfação de serviços realizada em permite estabelecer comparações das práticas e padrões
2009 fornecem insumos para o refinamento desta prática, adotados pelo mercado. O reconhecimento, a premiação,
contribuindo para a definição dos atuais fatores, a saber: as citações pelos órgãos públicos, a formalização de
rotina de trabalho, relacionamento com a chefia, parcerias e a recepção de profissionais e estudantes
reconhecimento, avaliação de desempenho, participação, universitários nas visitas técnicas à unidade de saúde e
relacionamento interpessoal, desenvolvimento profissional, segurança ocupacional são práticas usuais do Programa
alimentação, infra-estrutura, comunicação, imagem do Qualidade de Vida.
Inmetro, satisfação pessoal com o Inmetro e qualidade de Os principais serviços de apoio, benefícios e iniciativas
vida. Em 2007 e 2008, a Diraf desenvolveu um instrumento oferecidos às pessoas, voltados à qualidade de vida,
específico para avaliar as práticas de gestão de saúde e motivação e melhoria no ambiente de trabalho, são
segurança ocupacional. apresentados na fig. 6.3.C.1.
A manutenção do clima organizacional adequado ao bem- A Instituição fornece, ainda, infra-estrutura de serviços tais
estar, à satisfação e à motivação de pessoas ocorre por como transporte, terminais de redes bancárias,
meio da disponibilização de recursos para restaurante, entre outros daqueles previstos em lei.
desenvolvimento de serviços, projetos e programas, sendo 6.3.C.1. Principais serviços, benefícios, programas e
o programa “Qualidade de Vida do Trabalho” um forte políticas
indutor de um ambiente organizacional saudável. Qualidade de Programas Para Infra-
As demandas ou expectativas da força de trabalho são Benefícios
Vida o Bem-estar Estrutura
identificadas por meio de pesquisas específicas sobre Serviço médico
atendimento; Ouvidoria interna; Asmetro; Intranet, correio Serviço Coral Inmetro, Caixas
Auxílio alimentação
eletrônico e outros mecanismos citados em 6.1.C.1, odontológico Adolescência eletrônicos e
Auxílio transportes
Serviço social saudável posto
orientando a adoção de ações de melhoria e/ou Serviço de Brinca Inmetro
Auxílio pré-escolar
bancário
refinamento das práticas. Neste sentido, destacam-se a Auxilio
psicologia Semana da Serviço de
farmacológico
criação do PCCI, a contratação de empresa de assistência Serviço de saúde
Plano de saúde
restaurante e
médica suplementar, a implantação de ações voltadas à fisioterapia Reeducação lanchonete
Convênio com Auditórios,
Serviço de alimentar
reeducação alimentar, a atualização e modernização da colégios, curso de salas de aula
segurança do Saúde da mulher
carteira de benefícios, a melhoria da infra-estrutura do trabalho e do homem
idiomas e e centro de
serviço de segurança do trabalho e atuação do GIPA. universidades convenções
Serviço de Eventos, datas
Empréstimo de Transporte
Cabe ressaltar que não há diferenças nas práticas nutrição comemorativas e
órtese e prótese
Campanhas de confraternizações contratado
utilizadas em decorrência do vínculo das pessoas com a
vacinação
Instituição, exceção feita a alguns dos benefícios citados, Figura 6.3.C.1. Principais serviços de apoio
63
Aspecto Fator Relacionado Prática
Avaliação ergonômica dos postos de trabalho e participação dos usuários na decisão de compra de
mobiliário via “teste de uso” conforme apropriado. (NIG-Diraf-027)
Adequação do ambiente e
Ergonomia Enquadramento das instalações nas especificações da NR-7
das condições de trabalho
Inspeções do Sesao
Ginástica laboral
Acompanhamento e manutenção do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais e inspeções para
avaliação quanto a exposição a riscos ocupacionais. (NIG-Diraf-058)
Segurança Riscos de acidentes Inspeções do GIPA – Grupo de Prevenção a Acidentes (Ordem de Serviço n.008, 17/07/2006)
Os laboratórios estão submetidos a normas técnicas; normas internas e operacionais para garantir a
segurança das atividades com potencial de exposição aos riscos ambientais
Semana da Saúde; palestras sobre higiene e saúde; fórum de debates com médicos; exames periódicos e
Saúde pessoal (extensiva
ocupacionais e saúde bucal. (NIG-Diraf-064 e documentos complementares)
Saúde aos familiares e à
Campanhas de Prevenção (dependência química, tabagismo, sedentarismo, entre outros temas) e
comunidade)
Campanhas de Vacinação (tétano, gripe, etc)
Figura 6.3.A.2. Fatores relacionados com ergonomia, saúde e segurança

Fatores Principais Requisitos Indicadores


Adequação do ambiente e das Condições de conforto conforme legislação; normas internas e demandas dos
condições de trabalho servidores e pareceres do Sesao. Taxa de freqüência de acidentes com
Condições de segurança conforme legislação; pareceres do Sesao; afastamento
Riscos de acidentes
Transporte seguro
Atendimentos enfermagem, médico,
Condições de higiene e salubridade conforme legislação-disponibilidade de
Saúde pessoal social e psicológico
EPI, atendimento clinico e psicológico
Taxa de gravidade
Figura 6.3.A.3. Fatores ergonômicos, de saúde e segurança: requisitos, indicadores.
6.3.D. Qualidade de vida fora do ambiente de trabalho Implementação das ações do Grupo Interno de
O Inmetro, dentro das limitações impostas pela legislação, Prevenção de Acidentes – GIPA.
viabiliza ações voltadas à qualidade de vida e Saúde com Responsabilidade Social: ações que visam a
responsabilidade sócio-ambiental de modo a transcender o conscientização e promoção da saúde da força de
ambiente organizacional e beneficiar os familiares da força trabalho e das partes interessadas realizadas através
de trabalho e as comunidades circunvizinhas. Anualmente, dos seguintes programas: Semana da Saúde, Brinca
são realizados eventos como: Semana da Saúde, Brinca Inmetro, Adolescência Saudável, Saúde da Mulher,
Inmetro (crianças de 05 a 12 anos), Adolescência Saúde do Homem e Dependência Química.
Saudável (adolescentes de 13 a 17 anos) e Campanha O Inmetro é citado como referencial para as ações do
Solidária (arrecadação de alimentos e artigos de primeira governo nesta área e vem atuando em grupos de trabalho
necessidade distribuídos em entidades cadastradas). A coordenados pela SRH/MP, para implantação de um
equipe de saúde acompanha servidores afastados do modelo de excelência em gestão de saúde ocupacional no
serviço por motivo de saúde e promove palestras de setor público, com vistas a viabilização do que dispõe a
conscientização sobre temas relativos à saúde e qualidade Portaria SRH/MP nº.1675/2006, que estabelece as regras
de vida. A verificação do cumprimento dos padrões de para a atenção à saúde do servidor. Destacam-se as
trabalho é realizada conforme metodologia de controle da seguintes participações com a apresentação de Painéis e
Gestão da Qualidade de Vida indicada na fig. 6.0. Case do Inmetro: Fórum de Saúde Mental na
Administração Pública Federal, IX Congresso Brasileiro da
6.3.D.1. Principais ações desenvolvidas Associação Brasileira de Qualidade de Vida – ABQV, VI,
A promoção de um ambiente de trabalho seguro e encontros mensais da ABQV-RJ.
saudável é, desde 2000, fruto das ações do programa Principais Inovações e Melhorias Implementadas - Informações
“Qualidade de Vida no Trabalho”, definido no PEI, Qualitativas
priorizando a melhoria das condições físicas e psíquicas Saúde Emocional – 2005
Semana da Saúde – 1996
da força de trabalho, a redução da sintomatologia de Reestruturação Segurança do
Brinca Inmetro – 1998
Trabalho – 2005
doenças, incentivando as ações de responsabilidade Saúde Física e Mental – 2000
Criação da GIPA – 2006
sócio-ambiental e a integração das pessoas, visando Implantação do serviço de
Atualização o e Modernização da
fisioterapia – 2000
impactar na melhoria do rendimento funcional. Três Carteira de Benefícios – 2006
Saúde com Responsabilidade Social
grandes grupos de ação são a base dessa metodologia: Reeducação Alimentar – 2006
– 2000
Saúde Física/Mental (acompanhamento e manutenção Doações - Campanha Solidária –
Palestras Orientativas e
2006
do Programa Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO); Educacionais – 2000
Saúde do Homem – 2007
Saúde Emocional (trata o estresse no ambiente de Prata da Casa – 2000
Doe Medicamentos – 2009
Canto Coral – 2001
trabalho); MovInmetro (ginástica laboral e ergonomia); Fitovida – 2001
Projeto Acessibilidade – 2009
Canto Coral (Coral Inmetro); Prata da Casa (palestras PPRA – implementado 2007 e
Adolescência Saudável – 2004
sobre saúde e oficinas para servidores em processo de consolidado 2009
Saúde da Mulher – 2004
PCMSO - implementado 2007 e
aposentadoria, aposentados e pensionistas); Fitovida MovInmetro – 2004
consolidado 2009
(adoção de técnicas terapêuticas farmacológicas Figura 6.3.E.1. Evidências de aprendizado nas práticas de gestão da
naturais); Reeducação Alimentar (campanhas para qualidade de vida
difusão de hábitos alimentares saudáveis e 6.3.E. Avaliação dos Fatores
acompanhamento nutricional individualizado). A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões
Acompanhamento e manutenção do Programa de de trabalho relativos à Gestão da Qualidade de Vida é
Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA; Criação da realizada de acordo com a metodologia geral de
brigada de incêndio e dos agentes de primeiros socorros; aprendizado descrita em 1.2.G.

64
A fig. 6.3.E.1 apresenta as principais informações Cooperação Técnica assinado, entre o MDIC-SECEX e o
qualitativas utilizadas na avaliação, bem como, exemplos Inmetro (2006), com vistas a realização de perícias,
de inovações ou melhoria introduzidas. Destaca-se a homologação ou indeferimento de licenças médicas e
conquista do XI Prêmio Nacional de Qualidade de Vida, exames admissionais e ocupacionais; e a participação do
promovido pela ABQV – Associação Brasileira de Inmetro na composição da junta médica para avaliação
Qualidade de Vida (2006); a celebração do Termo de dos concursados do INPI, desde 2005.
Prática de Padrão de Método de Integração
Responsável Continuidade Disseminação
Gestão Trabalho Controle Coerência Inter-relação Cooperação
Regimento Interno Auditorias Audin 1973 Todas as UO
Gestão da Lei nº 8.691/1993 1993 Todos os
PEI Todas UP Todas UP
organização Decreto nº Siape Diraf, SRH-MP servidores da
2006
6.275/2007 instituição
Todas as UO e
Edital Posse Diraf e Dplad 1997 UP
Gestão de sociedade UP
Relacionadas
seleção de Diraf e Dimci PEI Relacionadas
Contrato e Convênio 1994 CNPq
pessoal Profe
Diraf e Dplad FAPERJ
NIG-Diraf-057 1997
Relatórios
NIG-Dplad-050 Dplad 1995
NIG-Gabin-033 Gabin 2005
Gestão dos NIG-Ouvid-003 Ouvid 2006
Gabin UP
canais de NIG-Gabin-012 Tiragem 1985 PEI
Secom-GF Relacionadas
comunicação Orientação Gabin Vistoria 1973
Gabin Todas as UO
Modelo Intranet
2005
Agenda Gabin Relatórios
Gerenciamento
Lei nº 11.355/2006 UP UP
da avaliação de Diraf e Dplad PEI
Lei nº 8.112/1990 Portaria 1993 Relacionadas Relacionadas
desempenho
NIG-Dplad-063
Gestão da Comissão
UP
remuneração, UP
Processo PEI Relacionadas
reconhecimento Lei nº 11.314/2006 Diraf e Dplad 1995 Relacionadas
SRH-GF
e incentivos
SGQI, NIG-Dplad
Relatórios,
LNC 061, FOR-Dplad Dplad 2000 Todas UP PEI Todas UP Todas UP
reuniões
032, FOR-Dplad 043
Lista de
presença,
divulgação
Programa de
na Intranet,
Integração do Todos novos
convite Dplad 2001
Inmetro, e admitidos
individual e
Gestão da orientações iniciais
certificado Todas UP,
educação e PEI Todas UP
de SRH-GF
capacitação
participação
Cadastro de
Cadastro instrutores e Dplad 2004 Todas UP
facilitadores
Relatórios e Todo corpo
PDG Dplad 2005
SRH gerencial
Relatórios,
NIG-Dplad-058, avaliação de
Gerenciamento Gerente da UO
FOR- Dplad -030, reação e
da avaliação da Dplad 2003 solicitante e PEI Todas UP
FOR- Dplad -023 e avaliação de
capacitação instrutor
FOR- Dplad -028 resultado do
treinamento
2001
Gestão do NIG- Diraf -027 Relatórios
2005 PEI Todas UP Todas UP
ambiente Todas as UO
NIT-Sesao-007 Coleta 2004
Diraf
Agenda 2000
Gestão do bem-
Programa 2004 Todas as UO e PEI Todas UP Todas UP
estar Evento
1998 comunidade
Avaliação do
Pesquisa Relatório Dplad 2004 Todas as UO PEI Todas UP Todas UP
ambiente
Qualidade de Programa Evento 2001
vida fora do Todas as UO e
PEI Todas UP Todas UP
ambiente do Campanha 2000 comunidade
trabalho
Diraf
NIG-Diraf-027; NIG- Relatório
Diraf -058; NIG-
Gestão da saúde 1995 Todas as UO PEI Todas UP Todas UP
Diraf -065; NIG-
Diraf -064
Figura 6.0. Controle, aplicação e integração das práticas de gestão relativas à gestão dos sistemas de trabalho, da educação e capacitação e da
qualidade de vida
7. PROCESSOS O Planejamento Estratégico é elaborado em dois níveis,
vide 2.1.B, o nível estratégico, com a visão institucional
7.1. Processos finalísticos e processos de apoio de futuro e o nível tático, que aborda os processos
7.1.A. Identificação e determinação dos processos finalísticos e de apoio, respectivamente, Macroprocessos
finalísticos e processos de apoio e Processos Organizacionais (fig. 7.1.A.1), identificados e
65
determinados utilizando-se, desde 2002 a metodologia adequação e ampliação das instalações do Instituto. Os
vigente. O corpo gerencial e a força de trabalho identificam projetos relativos à infraestrutura são elaborados de forma
os processos a serem operados, alinhando-os com os integrada com os responsáveis dos processos finalísticos
objetivos e estratégias institucionais, conforme descrito atendendo às normas específicas e informações obtidas a
em 2.2.A.3. O primeiro ciclo do Planejamento Estratégico partir de visitas técnicas. São definidas especificações de
ocorreu em 1991, e vem sendo revisado e refinado editais com os requisitos para seleção de empresas
periodicamente a cada ciclo sob responsabilidade da capazes de desenvolver e executar os projetos com a
Dplad. qualidade desejada. Essas práticas estão descritas nos
As demandas da sociedade são internalizadas e procedimentos da Diraf que são disseminadas por todas
formalizadas semestralmente no Balanço Geral da UP desde 2000, atendendo ao Objetivo Estratégico
Ouvidoria. As demandadas pela Presidência da Institucional "Assegurar a infraestrutura física e logística".
República, Ministérios, Agências Reguladoras, Órgãos 7.1.B. Tradução em requisitos das necessidades dos
executores e entidades governamentais que requerem cidadãos-usuários e da sociedade e incorporação aos
práticas proativas para atender o Proconve, Programa projetos de serviços ou produtos e aos processos
PARE, Lei Seca, Lei da Balança, Programa Nacional de finalísticos
Normalização e Metrologia Forense. Outras entradas
As necessidades e expectativas dos cidadãos-usuários e
provêm das pesquisas promovidas junto à sociedade e
da sociedade, identificadas por mecanismos de pesquisa e
outras partes interessadas para identificar as prioridades.
interação com a sociedade, conforme critérios 3 e 4, são
A seleção é estabelecida por meio de análise crítica
traduzidas em requisitos incorporados aos processos e
coordenada pela Dplad. E ainda pela análise de cenários
projetos de produtos/serviços conforme fig. 7.1.A.2.
monitorando as necessidades e expectativas do mercado
As necessidades dos cidadãos-usuários, relativas aos
nacional e internacional e tecnologias que impactam na
produtos/serviços do Inmetro, são analisadas e tratadas
melhoria dos processos do sistema Inmetro, destacando-
pelos Macroprocessos, demandando os Processos de
se a garantia metrológica com uso de softwares; a
Apoio.
normalização internacional (ISO, IEC, OIML) e de
mercados comuns. Em todas as etapas de identificação e 7.1.B.1. Requisitos ambientais, de saúde, de segurança
determinação dos processos, as demandas são debatidas e de ergonomia
à luz de requisitos legais, políticos, estratégicos (PEI e CG) Os requisitos ambientais, de saúde, de segurança e de
e de práticas reconhecidas de excelência. Essas práticas ergonomia são incorporados aos processos finalísticos e
objetivam a análise de viabilidade técnica e/ou econômica, de apoio conforme descrito em 7.1.B acima. O
de atendimento em face da tecnologia disponível, da compromisso com requisitos ambientais, de saúde, de
capacidade instalada e da possibilidade de captação de segurança e de ergonomia de produtos/serviços
recursos orçamentários. Os requisitos incorporados aos disponibilizados aos cidadãos-usuários, está presente em
processos de projetos são identificados por meio das sua constituição (Lei de criação do Sinmetro n° 5.966 e n°
práticas descritas na fig. 7.1.A.2. A fig. 7.1.A.3 apresenta 9.933) quando trata das funções regulamentadoras do
mecanismos estruturados e exemplos de produtos/serviços Instituto.
implementados. O PPRA (item 6.3.C) é uma iniciativa institucional com o
propósito de minimizar impactos ambientais, de saúde e de
segurança, bem como favorecer aspectos ergonômicos
resultantes das condições exigidas para execução das
atividades da força de trabalho. Ainda sob enfoque interno
toma ações proativas de preservação ambiental, vide
4.1.D.
7.1.B.2 Indicadores de desempenho
Os indicadores de desempenho relativos aos requisitos a
serem atendidos de cidadãos-usuários e da sociedade são
apresentados em 3.1 e 4.1
7.1.C. Projeto de processos finalísticos e de apoio
Figura 7.1.A.1 – Estrutura de processos e projetos
O desenvolvimento dos projetos dos Macroprocessos e
Na definição dos Processos de Gestão Estratégica e de dos Processos Organizacionais é acompanhado com o
Apoio, são discutidas premissas relevantes para o correto auxílio de ferramentas de gestão como os sistemas Sicap,
atendimento às demandas das UP usuárias desses Siplan, Orquestra, Sidoq e Planest, e por procedimentos
processos, identificadas por meio de pesquisas internas e definidos por normas do SGQI, ou baseados em
no desenvolvimento do Planejamento Estratégico, sendo metodologia definida por acordos com parceiros
as principais: transparência da gestão, descentralização, participantes ou interessados nos projetos. Instrumentos
aplicação regular dos recursos disponibilizados, oferta de auxiliares na gestão dos projetos são as auditorias do
serviços com qualidade aos usuários, qualidade na SGQI e as reuniões de coordenação das UP.
prestação de contas aos órgãos de controle externo, pleno Os tempos de ciclo dos projetos são acordados entre
e rigoroso atendimento à legislação vigente incluindo executores e usuários do produto/serviço e consideram a
ergonomia, saúde e segurança e meio ambiente. natureza técnica e os recursos disponíveis para a
Os Processos Organizacionais são apresentados na fig. execução. O Inmetro atende demandas relativas à redução
7.1.A.4. do tempo de ciclo, oriundas dos contatos diretos com os
Dentre os Processos de Apoio existentes destacam-se os usuários e dos comitês assessores do Conmetro. Os
Serviços de Engenharia e de Manutenção, Diraf/Dieng, na estudos de benchmarking, sendo iniciados, e as análises
66
críticas realizadas nas reuniões de coordenação das áreas O monitoramento do tempo de ciclo é feito por meio de
finalísticas podem originar redução dos tempos de ciclo. controles de verificação do tempo previsto x realizado nos
cronogramas dos projetos, sob responsabilidade da UP.
Etapa Objetivo Responsabilidade Principais Práticas e Padrões
Identificação de novas Resultados das pesquisas com os usuários; Comitês Assessores do
oportunidades e Conmetro; Plano de Ação Quadrienal do PBAC; processo de
Todas as UP, PTI
demandas; novos Desenvolver novos prospecção e análise de demandas por AC (NIT-Diape-001); reuniões
(incubadora de
negócios ou a produtos / serviços e da RBMLQ-I; Diretrizes Estratégicas da Metrologia Brasileira; metas do
empresas) ou
retroalimentação de aperfeiçoar os existentes CG; Ouvidoria; Painéis Setoriais; convênios com agências reguladoras;
comissões técnicas
Processos produtos / publicações científicas; análise FOFA do PEI; Alerta Exportador;
serviços negociações no Mercosul; e acordos de cooperação técnica
Identificação dos Atender as necessidades
Dimci, Dqual, Resoluções do Conmetro; recomendações e documentos da OIML e do
requisitos dos usuários e dos cidadãos- usuários e
Cgcre, Dimel, CIPM; resoluções Mercosul; atas dos comitês assessores do Conmetro;
sua compatibilização com sociedade de acordo com
Caint, Dplad, Ditec, normas ABNT; reuniões da RBMLQ-I; plano de ação quadrienal do
legislação, regulamentos leis, regulamentos e
Comitês, GT ou PBAC; EVT (NIT-Dipac-014); parcerias institucionais; comissões
técnicos, normas e normas nacionais e
comissões técnicas técnicas; acordos com órgãos regulamentadores (exemplo: PBQP-H)
recomendações aplicáveis internacionais
Formalização dos Propor processo,
requisitos do produto/serviço para
Todas as UP, Projetos de normas, regulamentos, portarias e programas; novos
produto/serviço como deliberação das partes
Comitês, GT ou requisitos de Acreditação (NIE-Cgcre-015); Audiências e Consultas
projeto de norma Inmetro, interessadas e
comissões técnicas Públicas
regulamento técnico ou internalizar os requisitos
programa de execução dos usuários identificados
Aprovação, padronização Todas as UP,
Implementar produto /
e efetivação do processo Comitês, GT ou
serviço e respectivo Deliberações dos comitês assessores e resoluções do Conmetro;
e a implementação de um comissões
processo de acordo com gestão do PBAC; aprovação das normas Inmetro no SGQI; implantação
novo/reformulado técnicas, plenária e
projeto aprovado e de novos laboratórios / equipamentos
produto/serviço e entrega comitês assessores
padrão estabelecido
ao cidadão-usuário do Conmetro
Figura 7.1.A.2. Etapas do processo de definição de práticas e padrões
Macroprocesso Mecanismos Produtos/Serviços
Comissões técnicas da Dqual/Dipac;
programa análise de produtos; CPCON; RAC para produção integrada de frutas; gás natural veicular; manejo florestal; móveis
AC
processo de prospecção e análise de escolares; cestas de alimentos
demandas por AC, CBAC
Formalização pela Dimel dos GT especiais Auto verificação de instrumentos; postos autorizados de verificação de instrumentos
GM de acordo com as NIG-Dimel-001 e 004 de medição de gás natural; instrumentos de pesagem de funcionamento não-
para regulamentação metrológica automático; medidores eletrônicos de energia elétrica; hidrômetros, etc.
Padronização primária do Volt, Ohm, pH; padronização por Cromatografia Gasosa
com Espectrometria de Massa; Plasma Indutivamente Acoplado com Espectrometria
PDRM Laboratórios da Dimci de Massa, Misturas de Gases Padrão via Gravimétrica; metro por interferometria com
lasers; Candela, por meio de feixes de lasers; Quilograma; Força e ainda Materiais
de Referência e Materiais de Referência Certificados
Disponibilização e disseminação das informações no sítio do Inmetro, publicações
IT Comitê da Internet, e-gov e Intranet
impressas, legislação, regulamentação e normas
Superação de barreiras técnicas; plataforma países e produtos com disponibilização
Sistema Alerta Exportador; negociações
de regulamentos técnicos e procedimentos de AC estrangeiros, consensos
Al intra e extra-bloco Mercosul, grupo de
provenientes de negociações internacionais que impactam as atividades do Inmetro;
economia industrial e inovação
cooperação técnica, científica; economia industrial e inovação tecnológica
Comissões técnicas da Cgcre/Dicla e Documentos normativos e orientativos relativos às atividades de Acreditação de
ACRE
Dqual/Dipac organismos; comparações interlaboratoriais e programas de ensaios de proficiência
Figura 7.1.A.3. Principais mecanismos de definição e implementação de produtos/serviços
Processos Organizacionais Descrição Sumária
Gestão Estratégica
Coordenação do processo de planejamento estratégico e do PPA do Inmetro; acompanhamento, controle e avaliação
Gestão de Planejamento
do desempenho da Instituição
Coordenação da elaboração da proposta orçamentária e do orçamento plurianual; acompanhamento da execução
Gestão de Orçamento
orçamentária, avaliando a execução e propondo correção de eventuais desvios
Promoção, coordenação, supervisão e avaliação do processo de planejamento, elaboração e implantação dos
Gestão da Informatização recursos de informática e do processo de desenvolvimento de sistemas; planejamento e execução das atividades de
manutenção do hardware
Recebimento, análise, tratamento e encaminhamento às áreas competentes, das reclamações, solicitações,
Ouvidoria
sugestões e informações recebidas; mediação de conflitos; cobrança interna de soluções e informação ao usuário
Prospecção, desenvolvimento
Planejamento, promoção, coordenação e execução das atividades de comunicação social, incluídas as de relações
e implantação de soluções de
públicas, publicidade e propaganda e jornalismo e promoção institucional
comunicação
Coordenação e gerenciamento do Sistema de Gestão da Qualidade do Inmetro; apoio à participação do Inmetro em
Gestão da Qualidade
eventos na área da qualidade e da excelência organizacional
Planejamento, coordenação, supervisão, promoção e controle das ações relativas ao desenvolvimento e capacitação
Gestão de Recursos Humanos
de recursos humanos, administração de pessoal e ao programa de saúde ocupacional
Apoio
Representação judicial e extrajudicial do Inmetro; assessoramento nos assuntos de natureza jurídica; emissão de
Procuradoria e Consultoria
pareceres sobre aplicação de leis, regulamentos; atos normativos e demais questões jurídicas; exame de editais de
Jurídica
licitação, convênios e contratos
Gestão dos Serviços de Supervisão, controle e avaliação das atividades técnico-administrativas relativas a estudos, projetos, construções,
Engenharia e Manutenção fiscalização de obras e manutenção e operação das instalações
Planejamento, execução, supervisão e orientação das atividades administrativas: patrimônio, vigilância, saúde e
Gestão dos Serviços
segurança, transportes e apoio administrativo e controle da execução das atividades contratuais de material, bens e
Administrativos
serviços. Formulação, condução e supervisão dos procedimentos licitatórios
67
Coordenação, execução, supervisão, orientação, controle e avaliação das ações pertinentes aos aspectos
Gestão Financeira
orçamentários, financeiros, contábeis e de arrecadação
Verificar a conformidade às normas vigentes dos procedimentos de natureza orçamentária, contábil, financeira,
Auditoria patrimonial e de recursos humanos, avaliar e certificar a exatidão e regularidade das contas, comprovar a eficácia na
aplicação dos recursos da Autarquia e dos órgãos da RBMLQ-I
Figura 7.1.A.4 Processos de gestão estratégica e de apoio
O compromisso pela garantia de que novos produtos com foco no cidadão-usuário, contemplando o tempo de
sejam lançados aos clientes e mercados isentos de não- ciclo do projeto e a incorporação de aprendizado. Neste
conformidades e no prazo adequado é um princípio sentido, o PBAC é revisado a cada quatro anos e
implícito e disseminado entre todos responsáveis por atualizado anualmente, não apenas em decorrência da
processos finalísticos, presente nas etapas de definição e avaliação dos resultados e do estágio de desenvolvimento
implementação de produtos/serviços (fig. 7.1.A.2). Esse dos diferentes programas de AC, mas para incorporar
compromisso é identificado e quantificado nos indicadores novas demandas identificadas ao longo do período. O
dos Macroprocessos das UP pertinentes (item 2.2.A.1). Os CBAC é o fórum responsável pela elaboração e
procedimentos formalizados no SGQI, sob encaminhamento do PBAC para deliberação do Conmetro
responsabilidade das respectivas UP, constituem uma e o Inmetro é o responsável pela sua execução. A
forma de assegurar a continuidade, pela manutenção das Resolução Conmetro n°08/2008 aprovou a metodologia de
práticas e suas revisões resultantes de lições aprendidas revisão do plano de ação quadrienal 2008-2011 do PBAC,
que representam meios de incorporar melhorias. contemplando critérios (fig. 7.1.C.1) de priorização que
Outra forma de incorporar melhorias ocorre no nível de consideram para os produtos sujeitos à AC, o impacto de
abrangência de projetos. O PBAC, lançado pelo Conmetro não-conformidades nos aspectos relacionados a saúde,
em 2000, é um exemplo relevante de gestão de projetos, segurança e meio ambiente.
Critério Aspecto Descrição
Grau que a não conformidade do produto impacta prejudicialmente nos aspectos relacionados a saúde,
Impacto na Saúde, segurança ou meio ambiente. O critério deve ser avaliado em relação ao potencial que o produto tem de
1
Segurança e Meio Ambiente impactar, e sobre o histórico de ocorrências de problemas com o produto, relativos a pelo menos um
desses fatores.
Fortalecimento da
2 Aspectos relacionados à comercialização de produtos e serviços no mercado interno.
concorrência
Fortalecimento das relações Aspectos relacionados à comercialização de produtos e serviços no mercado interno, quanto à ocorrência
3
de consumo de problemas referentes ao consumo.
Potencial que o produto tem de impactar positivamente na balança comercial do Brasil nos próximos 4
Impacto na Balança (quatro) anos. Neste critério deve ser avaliada a existência ou não de barreiras técnicas à comercialização
4
Comercial do produto. Mesmo que ele não possua um alto potencial exportador, o fato de existir barreiras técnicas à
sua comercialização deve ser levado em conta no momento de avaliar o produto.
Figura 7.1.C.1 Critérios de identificação e priorização das demandas do PBAC (Resolução Conmetro nº 08/2008)
7.1.D Controle dos processos finalísticos e de apoio Instituição, estando as evidências de padrões de trabalho,
Os Processos Organizacionais apresentados na fig. controle e aplicação, detalhadas na fig. 7.0. O controle e
7.1.A.4 são gerenciados com o auxílio de métodos, aplicação dos padrões de trabalho dessas práticas de
instrumentos, Sicap, Planest e Siplan, e informações para gestão contemplam outros métodos específicos para a
monitoramento. Esses processos estão sujeitos aos Gestão dos Processos Organizacionais.
requisitos do Regimento Interno, das normas do SGQI, de A verificação do cumprimento dos padrões de trabalho é
leis, decretos e instruções normativas e de requisitos dos realizada conforme a metodologia geral de controle
acordos de reconhecimento internacional. apresentada em 1.2.F.
No âmbito interno de cada UP são realizadas, 7.1.D.1 Controle dos processos relativos às parcerias
periodicamente, reuniões de coordenação para tratamento institucionais
e direcionamento das questões operacionais. São
Tendo em vista a grande extensão geográfica do País,
realizadas, ainda, reuniões mensais específicas e eventos
algumas das atividades finalísticas são delegadas, via
de monitoramento dos projetos/objetivos estratégicos.
convênios regidos pela Instrução Normativa n°1, da
Para controle dos processos finalísticos e de apoio, de
Secretaria do Tesouro Nacional, a órgãos da estrutura dos
acordo com o plano anual de atividades, são realizadas
governos estaduais e municipais, que constituem a
auditorias internas da qualidade, conduzidas pelos
RBMLQ-I. Todos os serviços delegados (verificação e
coordenadores da qualidade de cada UP e auditorias
inspeção de instrumentos de medição; fiscalização de
internas para avaliação da conformidade aos aspectos de
produtos pré-medidos e de produtos regulamentados com
cumprimento da legislação e normas internas, conduzidas
conformidade avaliada compulsoriamente) são regidos por
por auditores da Audin. Complementando, são realizadas
regulamentos técnicos, normas de procedimento e
auditorias por órgãos externos como parte de acordos
cláusulas conveniais, desde 1991. Todas as atividades a
mútuos (IAF, Ilac, SIM) gerando subsídios para adequação
cargo dos órgãos delegados são auditadas anualmente
de processos e melhorias de métodos de trabalho.
pela Audin (execução orçamentária e financeira e o
De forma proativa, a Diraf, visando a uma melhor
respectivo registro contábil), pela Dqual (atividades
identificação das necessidades e ajustes das relações com
técnicas da avaliação da conformidade) e pela Cored
os clientes internos, desenvolve ações de melhoria ditadas
(coordenação das atividades técnico-administrativas). O
pelos resultados de pesquisas de satisfação de seus
controle dos processos relativos a outros parceiros
clientes, já tendo como conseqüências significativas:
evidenciados na fig. P.4 é realizado por meio de reuniões.
desenvolvimento de página da Intranet para atendimento
Nessas é avaliado o cumprimento das atribuições e
aos clientes e intensificação do plano de capacitação das
responsabilidades estabelecidas para cada parceiro e
funções auxiliares (recepção, vigilância, motoristas e
adotadas medidas corretivas, cabíveis. As decisões são
secretárias). Essas práticas estão disseminadas em toda a
informadas aos parceiros e o acompanhamento das ações
68
desenvolvidas é realizado em reuniões subseqüentes. aquisição de materiais, bens e serviços porque permite a
interação do fornecedor com as UP requisitantes e
7.1.D.2 Tratamento das não-conformidades
possibilita agilizar esses processos.
As não-conformidades detectadas nas auditorias relativas Proativamente interagiu com o Congresso Nacional para
aos Macroprocessos e Processos Organizacionais são adequar a Lei 10.823/2005 visando a adoção do conceito
tratadas conforme prescrito nas normas NIG-Digeq 006 e de taxas públicas que permitiu a redução do número de
008 de aplicação geral e normas específicas de cada reclamações e processos judiciais, facilitando, desta forma,
diretoria (NIE). a interface entre o Inmetro e os cidadãos-usuários.
É responsabilidade dos coordenadores da qualidade de Visando auxiliar o cidadão-usuário no exercício do seu
cada UP monitorar a adoção de ações corretivas e direito de defesa quando da autuação por infração
preventivas para as não-conformidades detectadas nas proveniente de instrumentos detectores de excesso de
auditorias internas e avaliações externas, nas auditorias da velocidade disponibiliza por meio do Portal de
Audin, CGU, RA (PQGF), reclamações de clientes. Todas Relacionamentos com o Consumidor o status da
NC e OM são objetos de Análise Crítica e do desempenho verificação do instrumento objeto da autuação.
pela AAdm e nas UP, conforme descrito em 1.3.B. A implantação de Ouvidorias nos órgãos conveniados
7.1.E. Refinamento dos processos finalísticos e de pertencentes à RBMLQ-I, integradas à Ouvidoria do
apoio Inmetro, reduz a burocracia, uma vez que distribui para
7.1.E.1. Principais metodologias utilizadas todos os Estados a responsabilidade pela condução do
processo de tratamento das denúncias, reclamações e
A avaliação das práticas de gestão e respectivos padrões sugestões, tornando, dessa forma, mais ágil o atendimento
de trabalho relativos ao refinamento dos processos às demandas dos cidadãos-usuários e sociedade.
finalísticos é realizada de acordo com a metodologia geral
de aprendizado, descrita no item 1.2.G. 7.1.E.3. Otimização dos custos
A análise, tratamento e adoção de melhorias nos Dois sistemas corporativos, o Siplan e o Secus, são
Macroprocessos e Processos Organizacionais ocorre em utilizados para viabilizar práticas voltadas à racionalização
reuniões de coordenação das UP, reuniões de análise dos custos operacionais. O uso do Siplan, desde 1998,
crítica pela AAdm, entre outras reuniões técnicas e criou uma visão corporativa da previsão de gastos dos
administrativas mantidas pelos GT, considerando as Macroprocessos e Processos Organizacionais, enquanto o
diretrizes e objetivos estratégicos, orientações da AAdm; Secus, desde 2000, permite acompanhar os custos
resultados das pesquisas de satisfação; oportunidades associados à execução orçamentária e financeira.
apontadas nas auditorias internas do SGQI e da Audin; Os custos associados aos Macroprocessos são otimizados
novos documentos, normas e recomendações adotadas por meio de medidas adotadas para acompanhar a
nos fóruns nacionais e Internacionais pertinentes; visitas evolução, planejar e implantar ações para redução de
técnicas; interação com cidadão-usuário, da força de custos. Dentre elas, destacam-se:
trabalho e dos parceiros envolvidos na execução. A Prática de auditorias integradas Audin / Dqual / Dimel /
aplicação dessa metodologia tem conduzido à Profe na RBMLQ-I, reduzindo custos tanto para o
implementação de melhorias nas práticas, nos processos e Inmetro quanto para a RBMLQ-I;
nos serviços/produtos. Revisão da base de formação de preços dos serviços de
Como exemplo de refinamento, destaca-se no sistema de Acreditação, sob responsabilidade e controle da Cgcre,
gestão da qualidade da Dimci, várias melhorias disseminada entre todos os organismos acreditados e
implementadas no ano de 2009 a partir da análise dos solicitantes, cuja aplicação é disposta na NIE-Cgcre-140
resultados das auditorias internas, externas (realizadas por “Preços dos serviços de Acreditação de organismos”
avaliadores de outros LNM) e análises críticas. Tais como:
Integração das auditorias internas dos requisitos do 7.1.E.4. Melhorias recentes implementadas
SGQI por meio da qual, as auditorias que eram A fig. 7.1.E.4.2 apresenta as principais inovações e
realizadas em partes e em cada UO, passaram a ser melhorias implementadas e principais informações
realizadas em conjunto, cobrindo todo o SGQI; qualitativas dos últimos anos.
Divisão do processo de análise crítica pela AAdm em
7.2. Processos de suprimento
duas etapas: a primeira, por meio do qual as
7.2.A. Identificação de potenciais fornecedores e
oportunidades e resultados parciais são identificados em
desenvolvimento da cadeia de suprimentos
reuniões nas UO e, a segunda, em que as constatações
da primeira etapa são avaliadas pela direção da Dimci Os potenciais fornecedores são identificados a partir das
com o objetivo de identificar oportunidades de melhorias demandas levantadas quando surgem necessidades de
em toda Diretoria. suprimento e definição das especificações para
elaboração da solicitação de aquisição. Para cada
7.1.E.2. Desburocratização solicitação de compra, o usuário realiza pesquisa prévia
O Inmetro participa do Movimento Brasil Competitivo que consultando o Sicaf, o banco de dados de fornecedores
visa promover a desburocratização no serviço público na do Inmetro por meio do Sistema de Administração de
interface com as empresas privadas e outros fóruns. Material – SAM e/ou fornecedores reconhecidos no
O Sistema Orquestra, adotado inicialmente pela Cgcre, mercado. No SAM somente são cadastrados
possibilita a gestão online do processo de Acreditação de fornecedores, pessoas físicas e jurídicas, que já
OAC. Por meio desse software os OAC acreditados ou em forneceram bens, materiais e serviços. Todo processo de
fase de Acreditação, assim como avaliadores desses aquisição é conduzido de forma a selecionar
Organismos interagem com o organismo de Acreditação fornecedores que ofereçam bens, materiais e serviços
monitorando as etapas do processo. Este software tem com as especificações requeridas. A cadeia de
desempenho relevante na gestão do processo de suprimentos é desenvolvida por meio do cumprimento
69
das prescrições legais e regulamentares; por meio do qualidade e prazo, conforme estabelece a Lei 8.666/93, a
pagamento tempestivo das aquisições concretizadas Lei 10.520/02 e legislação específica ao objeto.
pela operacionalização das práticas implementadas; por Após a chancela da Profe, objetivando garantir o
meio de reuniões com os fornecedores potenciais e cumprimento da legislação pertinente, os editais de
contratados, bem como o monitoramento sistemático do licitação são aprovados pelo Presidente.
próprio Semco; do fiscal do contrato e da autorização A garantia da transparência nos processos de aquisição
para início da prestação de serviço visando a ocorre por meio de ampla divulgação no DOU, em jornais
manutenção da proficiência e melhoria do processo. de grande circulação regional e nacional, em quadros de
avisos via internet (www.inmetro.gov.br) e no Comprasnet.
7.2.B. Aquisição de bens, de materiais e de serviços
O cumprimento das normas legais de publicidade, visando
Todos os setores são devidamente orientados sobre o otimizar a transparência das ações institucionais, o
processo de compras com levantamentos de preços e atendimento à legislação consiste na observância às
avaliações técnicas como justificativas para as aquisições orientações dos órgãos de controle interno e externo,
por intermédio de NIG-Diraf-016 e do manual da qualidade como o TCU e no constante acompanhamento da
da Diraf. jurisprudência da Corte de Contas, tendo em foco a
Os processos de aquisição iniciam-se com a emissão do eficiência, a eficácia e a efetividade das ações
pedido e justificativa de compra (FOR Diraf 070 e FOR formalizadas nos processos, sob a égide das prescrições
Diraf 181). Após a aprovação, conforme apropriado e de normativas vigentes.
acordo com a NIG-Diraf-001, são elaborados os editais de Durante o curso do processo, as normas internas são
licitação segundo os padrões estabelecidos (NIG, NIE, cumpridas para manter as ações na direção das
NIT) e os preceitos da legislação pertinente. Cada edital proposições formais da execução do orçamento da
define a modalidade de licitação (concorrência, tomada de Instituição. Os pagamentos decorrentes só são
preços, pregão ou convite) ou pode definir a dispensa de encaminhados para a área financeira com a devida
licitação (por valor, inexigibilidade de licitação, dispensa e consulta prévia ao Sicaf para verificação da regularidade
cotação eletrônica). fiscal.
Em termos de licitação, a modalidade majoritariamente Em 2003, foi disponibilizada na Intranet a Ferramenta de
adotada é o Pregão, preferencialmente na forma Acompanhamento de Processos (FAC), que dá
eletrônica. A gestão de compras é feita pelas respectivas transparência a todas as aquisições permitindo a qualquer
áreas responsáveis da Diraf e Gabin, assessoradas pela interessado, monitorar o andamento de cada solicitação,
Profe, com a participação dos setores usuários internos os prazos do processamento da compra, a emissão de
interessados nas aquisições conforme demonstrado na fig. empenho e o recebimento do bem, material ou serviço.
7.2.B.1. Constituído o Comitê de Compras com o objetivo de
Em cada etapa do processo são agregados valores e promover a integração, de modo continuado, entre as UO,
garantidos os parâmetros: legalidade, técnica, preço, com o Semco (incluindo o Seimp e Nualx) e com a Copel.
Ano Principais Inovações, Melhorias Implementadas e Informações Qualitativas
Automação do macroprocesso ACRE
Avaliação do atual e estudo de um novo modelo de AC
Implementação da verificação da conformidade por agente externo;
2007
Implementação do Programa Brasileiro de Avaliação da Conformidade de Biocombustíveis
Criação da Diretoria de Inovação e Tecnologia.
Implantação da Divisão de Metrologia de Telecomunicações;
O Diretor da Dimci foi reeleito Presidente do Sistema interamericano de Metrologia - SIM
Desenvolvimento de articulação internacional no âmbito da OMC para cooperação técnica com os países da América Latina.
Mapeamento de oferta e demanda por calibração e ensaio no Brasil, em conjunto com a Sociedade Brasileira de Metrologia.
Criado a centro Integrado de Capacitação em Metrologia e Avaliação da Conformidade – Cicma
Como Secretaria Executiva do Comitê Brasileiro de Tecnologia (CBN), o Inmetro coordenou a elaboração das Diretrizes Estratégicas para a
metrologia brasileira no horizonte 2008 – 2012
2008
Inaugurado em abril o Núcleo de Inovação Tecnológica que atende a Lei de Inovação e possibilita transferência de conhecimento produzido
para a sociedade.
Redução de Acidentes de Consumo em parceria com a Consumer Product Safety Commission (CBSC);
Padronização dos veículos de transporte escolar;
Programa de Avaliação da Conformidade do conversor da TV Digital.
Definição de Padrões de Medição para Biocombustíveis;
Implantação Assistida de Programas de Avaliação da Conformidade visando propiciar a concorrência justa e estimular melhoria contínua da
qualidade e facilitar o comércio internacional e a inserção das Pequenas e Médias Empresas no mercado interno e externo.
A partir de abril, de acordo com o Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, o consumidor consultará a Etiqueta Nacional de Conservação
de energia (ENCE) do Inmetro, afixada voluntariamente pelas montadoras nos automóveis.
Desenvolvido em conjunto com o National Institute of Standards and Technology (Nist) dos EUA, quatro materiais de referência certificados
(MRC): dois de bioetanol (anidro e hidratado) e dois de biodiesel (de soja e gordura animal). Estes dois últimos representam praticamente
100% do biodiesel produzido no Brasil e nos Estados Unidos. O desenvolvimento desses MRC é fundamental para a estratégia nacional de
tornar o biocombustível uma commodity, a ser comercializado no mercado internacional.
Concluída a instalação de dois laboratórios para padronização nas medições de dinâmica dos fluidos. Os resultados de medições desses
2009 laboratórios proporcionarão confiabilidade e aceitação e interessam aos Municípios, Estados, União, empresas da indústria de petróleo e gás
natural, pois é por meio delas que são definidos os valores dos royalties e de comercialização.
Incremento da Participação do Inmetro nos Comitês Consultivos do BIPM
Inauguração do laboratório móvel de telecomunicações, da Divisão de Telecomunicações
Implantação da Divisão de Metrologia em Dinâmica dos Fluidos;
Programa de Avaliação da Conformidade para Acessibilidade em veículos novos;
Desenvolvimento de componentes e adequação de motores diesel em parceria com a Fiat do Brasil.
Ampliação da regulamentação para certificação de famílias de eletrodomésticos e similares;
O Inmetro sediou a SIM Metrology School, a primeira escola de metrologia do SIM.
Figura 7.1.E.4.2. Principais inovações, melhorias implementadas e informações qualitativas

70
Como refinamento das práticas de gestão de compras, em A Ouvidoria é outro canal utilizado para avaliação dos
2008 iniciou-se o projeto de mapeamento e sua serviços adquiridos ou terceirizados.
automação. O sistema informatizado gerencia todos os Para liberação dos pagamentos de serviços, os fiscais de
pedidos de compra desde a efetiva solicitação realizada contrato emitem Boletins de Medição, conforme NIG-Diraf-
pela área usuária, até a emissão da nota de empenho. Em 107, incluindo a avaliação da execução e qualidade dos
2009 foi finalizada a automação do Processo de Compra, serviços e do atendimento aos demais requisitos pelo
utilizando a ferramenta BPMS. Com isso, todas as fornecedor e alimentam o Sicon, realizando o “ateste” on
aquisições têm sido realizadas por meio dessa nova line. Para orientação e capacitação do corpo de fiscais foi
ferramenta. criado em 2005 o Manual da Fiscalização, disseminado por
todas as UP.
7.2.B.1. Atendimento às necessidades e aos requisitos
A gestão realizada nos processos de compras e o
da organização
atendimento aos usuários são medidos por meio de
O atendimento ocorre por meio da emissão das interação com os fornecedores. Podendo inclusive excluí-
solicitações de aquisição. É feito o detalhamento das los do referido cadastro de fornecedores.
necessidades e anexados às requisições, cujas condições
especiais apresentam os requisitos específicos para 7.2.C. Qualidade assegurada dos bens, dos produtos e
prestação de serviços ou fornecimento de bens ou dos serviços adquiridos
materiais. Os formulários FOR Diraf 070 e 181 são A qualidade é assegurada por meio das especificações
utilizados com as respectivas justificativas quando se tratar definidas quando da elaboração dos pedidos de compra,
de exigências de apresentação de exames admissionais e sejam por meio dos projetos básicos ou termos de
demissionais relativos à saúde ocupacional; segurança do referência elaborados pelas áreas usuárias. No caso de
trabalho; qualidade e prazos, objetivando a aquisição do instrumentos e aparelhos de metrologia, são pesquisados
melhor produto com o menor preço. aqueles fornecedores com efetiva tradição e reconhecida
capacidade. Outro nível de garantia é a inspeção de
7.2.B.2. Indicadores utilizados para avaliação do
recebimento e o parecer técnico, cuja elaboração é feita
processo de suprimento
por técnicos da área requisitante. Na fase de execução dos
A avaliação do processo de suprimento é conduzida pela serviços contratados a gestão é efetuada pelos gestores
Diraf que utiliza instrumentos de pesquisas para medir a dos processos relacionados com esses serviços e pelos
satisfação das pessoas da força de trabalho com o serviço fiscais designados formalmente para cada contrato,
prestado. As melhorias identificadas são implementadas conforme NIG-Diraf-107 é utilizado o Manual de
por meio da definição de um plano de ação, podendo ser, Fiscalização.
inclusive, direcionado para uma nova orientação ao setor
competente.

Cadeia de Suprimento de Materiais e Serviços


INSUMOS PRODUTOS
Gestão e Controle
- Planejamento Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimento
-
Suprimento de Materiais e Serviços de produtos
Estratégico e
Operacional Monitoramento do Processo e serviços
Operacional de Compras
- Relatórios de
- Orçamento monitoramento e
(Sicap e gerenciamento
Siplan)
Preparação Execução Disponibilização - Indicadores
de desempenho
Recebimento
,
do processo
- Controle de Diligenciamento armazenamento
Despesas e Elaboração Montagem do Análise e distribuição
Contratos do Pedido de Jurídica e Procedimento Licitatório / Compra Direta Pagamento
Compra Processo Normativa Disponibilização do Instrumento
Contratual

Atividade de Apoio
Planejamento e Relacionamento com Planejamento da
Gestão de Materiais Fornecedores Execução dos Serviços

Figura 7.2.B.1 – Macrofluxo do processo de suprimento


candidatos ao fornecimento ou visitas a organizações que
7.2.C.1. Identificação e qualificação de fornecedores
tenham adquirido bens, produtos ou serviços semelhantes.
A identificação e qualificação são realizadas por meio da Produtos e bens podem ser submetidos a ensaios de
utilização do Sicaf. avaliação da conformidade as normas técnicas, sempre
Os editais de compra estabelecem requisitos quanto à que aplicável, bem como podem ser exigidas do candidato
habilitação jurídica, regularidade fiscal e qualificação a fornecedor as certificações de conformidade pertinentes
econômico-financeira. aos bens, produtos e serviços a serem adquiridos.
Considerando as restrições da legislação de modo a não
se caracterizar direcionamento com modificações 7.2.C.2. Equilíbrio assegurado entre qualidade, prazo e
sugeridas pelos órgãos competentes nas legislações preço
existentes, estuda, permanentemente, a inclusão de É assegurado mediante a análise das propostas de bens,
exigências para melhor seleção de fornecedores. Nestas produtos e serviços, inclusive quanto aos aspectos de
sugestões, requisitos específicos, de capacitação técnica, assistência pós-venda, segurança do trabalho, meio
de qualificação dos seus processos de aquisição e/ou ambiente e responsabilidade social.
contratação podem incluir vistorias as instalações dos
71
Os prazos são previamente definidos para as etapas de política de manutenção de estoques reduzidos, os
licitação de valores significativos. Com vista à economia fornecimentos de alguns materiais de uso contínuo, de fácil
conduz a licitação na modalidade pregão para processos aquisição e especificação e pequeno valor unitário, são
de maior valor. Para os itens de pequenos valores incorporados nos contratos de prestação de serviços. Um
(dispensas de licitação devido ao limite), os processos são exemplo dessa prática é a manutenção preventiva de
acompanhados por meio da FAC destacando-se a instalações e manutenção de viaturas, reduzindo-se os
atividade de diligenciamento, permitindo a minimização de custos de compra e armazenamento. Esta prática é
prazos pactuados junto aos fornecedores. aplicada desde 2001 pelos gestores das atividades de
manutenção das instalações, serviços gerais e
manutenção da frota de veículos, relacionadas com os
objetos das contratações.
7.2.D.1. Indicadores utilizados
As informações qualitativas ou quantitativas que
possibilitam o monitoramento do processo de gestão de
compras estão demonstrados na fig. 7.2.D.1.
Atividades dos
Processos Informações Quantitativas ou Qualitativas
de Suprimento
Avaliação do serviço e do fornecedor, pela
Execução do
fiscalização
serviço terceirizado
Manifestações do cliente (usuário do serviço)
Acompanhamento dos prazos de contratação
Licitação Contratações emergenciais
Relatos de não-conformidades
Prazo de execução na dispensa de licitação
Cumprimento de prazos pelo fornecedor
Compras de Devoluções e rejeições
Figura 7.2.B.1 Fluxo BPMS materiais Nº de reclamações quanto à qualidade do
Em relação ao preço, qualquer aquisição é precedida de material adquirido
pesquisa de mercado, específicas para cada caso e são N° de processos em espera
Acompanhamento do estoque
efetuadas consultas a entidades similares além de
Material de Nº de não atendimento de pedidos de materiais
consulta ao Sirep que possibilita garantir estoques estoque de estoque
reduzidos e manutenção de preços vantajosos. No caso de PEPS – primeiro que entra, primeiro que sai
prorrogações contratuais, são analisadas as evoluções de Patrimônio Cumprimento do cronograma dos inventários
mercado e pesquisa de contratos semelhantes de outras Importação
Evolução dos processos
entidades e solicitadas aos fornecedores às devidas N° de processos em espera
Figura 7.2.D.1. Informações quantitativas ou qualitativas utilizadas para
comprovações. No caso de proposta de reajuste de monitorar a execução das atividades
preços, as empresas devem apresentar planilhas de
custos que os justifiquem. Durante a fase de licitação, por 7.2.E. Administração do relacionamento com os
meio de ampla divulgação busca-se manter a devida fornecedores
competitividade, com o máximo de participantes, cujas Os principais canais de relacionamento com os
propostas são comparadas com as estimativas. A fornecedores são ativados pelos compradores, pelos
aplicação da modalidade pregão tem favorecido a gestores e fiscais de contratos, utilizando-se de reuniões,
obtenção de propostas de preços vantajosas que tem comunicados e contatos diretos com os prepostos das
obtido a média anual superior a 36% de economicidade empresas prestadoras de serviços. Em todos os contratos
somente nessa modalidade. é estabelecida cláusula de Obrigações da Contratada,
considerando que esta assegurará a qualidade do material
7.2.D. Gestão dos bens materiais, dos bens fornecido, ou serviço prestado, pelo período estabelecido
patrimoniais e dos estoques no contrato. A garantia compreende a recuperação do
O Sistema Patrimonial do Governo Federal – Spiunet material, serviço e/ou a sua substituição, ás expensas da
estabelece as orientações a serem seguidas no contratada, assim como o transporte de qualquer
gerenciamento dos bens patrimoniais do Inmetro. É componente ou equipamento que apresente divergência
utilizada a Instrução Normativa n.º 205/88 para a de características ou quaisquer erros de projeto e defeitos
classificação oficial de bens, materiais e serviços. O de fabricação. São incluídas as ações ou sanções
Sistema Controle do Inventário Físico de Bens administrativas que o Inmetro poderá aplicar, de acordo
Patrimoniais – Sispatri cobre as instalações físicas, com a gravidade do ato praticado (advertência, multa,
instrumentos, equipamentos e demais bens patrimoniais suspensão de contratação, suspensão na participação em
em seu poder ou em poder de órgãos delegados. A gestão licitações e suspensão e impedimento de inscrição
dos estoques é suportada por sistema informatizado que cadastral). No decorrer da vigência do contrato, o gerente
permite o controle sobre demanda, ponto de reposição de deste, sempre que necessário atua visando comunicar
estoque, nível de estoque atual e alerta quanto à emissão algum fato relevante relacionado com a conformidade ou
de pedidos de compra. Os níveis de estoques são não-conformidade de execução do fornecimento ou
estabelecidos conforme definição de lotes econômicos de prestação de serviço. A formalização das ações
compras, com periodicidade atendendo às exigências necessárias é feita por meio de notificações. Os
legais, com relação ao aspecto modalidade e responsáveis pela atividade de diligenciamento mantêm
fragmentação, havendo uma implementação para a contínuos contatos com os fornecedores, atuando de
modalidade de sistema de registro de preços. Dentro da forma proativa, prevenindo não-conformidades potenciais.
72
Por intermédio do Tenoc – Termo de Notificação gerenciamento de contratos. Proativamente é feita a
Contratual, FOR-Diraf-166, os fornecedores são verificação durante o processo licitatório, com a avaliação
informados de qualquer notificação a eles dirigida. da proposta técnica, capacidade de fornecimento,
O relacionamento com os fornecedores é realizado por um atestados e/ou outras formas descritas no edital. Para
conjunto estruturado de canais, conforme estabelecido na todos os contratos são designados um gerente e um fiscal,
NIG- Diraf -107, apresentado na fig. 7.2.E. responsáveis pelo acompanhamento e avaliação do
mesmo, valendo-se do Sicon. A exigência da figura do
7.2.E.1. Atendimento aos requisitos da organização por
fiscal de contratos objetiva a garantia do cumprimento das
parte dos fornecedores
cláusulas estabelecidas. Contratos referentes à prestação
Desde 2005, é assegurado por meio de exigências de serviços continuados (alimentação, transporte,
contratuais, onde constam as especificações técnicas e vigilância, conservação e limpeza) têm sua execução
comerciais, conforme descrito na NIG-Diraf-107 que define fiscalizada e acompanhada por profissionais formalmente
o procedimento operacional para a fiscalização e designados, sob a responsabilidade da Diraf.
Canais de Comunicação Freqüência
Materiais

Notificações de ocorrências e divergências / não-conformidade de execução do contrato ou fornecimento; documentos e


Imediato
informações de interesse dos fornecedores

Reuniões entre as partes interessadas e registros correspondentes, com participação de Gerentes de Suprimento, de Compras, de
Patrimônio, de Almoxarifado e demais chefias de UP e UO - essas reuniões ocorrem desde 2005, evoluindo pela utilização dos Mensal
meios eletrônicos, Internet, participação dos fornecedores em eventos de interesse mútuo, compartilhamento de informações
Boletins de Medição e Avaliação de Serviços (BMAS);
Correspondências / Notificações e atas de reuniões específicas / Convites ou editais para fins de contratação de serviços /
Serviços

Reuniões para definir as bases do trabalho;


Mensal
Relatórios Mensais de Fiscalização (RMF), relativos ao andamento dos serviços, providências, eventuais irregularidades na
execução dos serviços, prazos concedidos e respectivos atendimentos;
Documentos de avaliação de desempenho
Práticas disseminadas pelas áreas de contratação do Inmetro, gestores e fiscais de contratos. Ocorrem desde 2005, com adequações, ao longo do
tempo, em função de alterações da legislação aplicável, das exigências contratuais e dos meios de comunicação. O controle é r ealizado valendo-se
das listas de verificação, auditorias externas e internas.
Figura 7.2.E. Canais de relacionamento com fornecedores
Além dos requisitos legais, o Inmetro exige de seus valores e as diretrizes da organização
fornecedores contratados a observância aos mesmos
O atendimento é assegurado por meio de exigências
preceitos adotados pela Instituição visando a qualidade do
contratuais, onde constam especificações técnicas e
atendimento, preservação ambiental, segurança no
comerciais conforme descrito na NIG-Diraf-107.
trabalho e conduta ética. Todos estes aspectos são
devidamente explicitados no contrato estabelecido. 7.2.G. Minimização dos custos associados à gestão do
fornecimento
7.2.F. Avaliação dos fornecedores e informação sobre
seu desempenho Utilizando as informações acerca das necessidades das
UP/UO a Diraf planeja as aquisições em escala, por meio
Os procedimentos de relacionamento estão descritos no
de licitações sistemáticas de forma planejada, a fim de
Manual de Fiscalização e na NIG-Diraf-107, que definem
evitar que as compras sejam fracionadas, conseguindo,
as ações de fiscalização e gerenciamento operacional de
assim, uma redução nos preços de bens, materiais e
contratos, relacionadas aos aspectos da quantidade
serviços, sem abrir mão da qualidade. A Diraf incentiva a
fornecida e da qualidade e avaliação da conformidade dos
compra na modalidade Registro de Preço, o que reduz o
serviços prestados e dos materiais e equipamentos
estoque na Instituição e, consequentemente, o custo.
entregues. Cada fiscal e respectivo gerente de contrato
elabora o Plano de Fiscalização (MOD-Diraf-022), 7.2.H. Envolvimento e comprometimento dos
conforme NIG-Diraf-107, visando estabelecer os critérios fornecedores com os princípios organizacionais
de medição e as alternativas de controles operacionais Os fornecedores são envolvidos e comprometidos por
necessários. meio de práticas de cooperação e parceria objetivando
7.2.F.1. Indicadores utilizados para monitorar o proporcionar-lhes apoio e incentivo à melhoria de seus
desempenho dos fornecedores desempenhos. Cabe destacar que as ações relacionadas a
treinamentos corporativos, participações em palestras,
O Núcleo de Contratos e Convênios participa do fluxo de
comitês, eventos, grupos de trabalhos, participação em
avaliação fazendo análise dos registros, gerando relatórios
programa de qualidade de vida tais como coral, ginástica
com alertas e propostas de ações corretivas como forma
laboral e demais eventos relacionados com a gestão da
de assessoramento aos gestores de contratos,
Qualidade, semana da Saúde asseguram tratamento
constituindo a base de dados de desempenho de
igualitário nas relações do trabalho. Essas práticas
fornecedores.
evidenciam a ausência de tratamento discriminatório entre
Os fornecedores de serviços tomam ciência de sua
os prestadores de serviços e os servidores. Destaca-se a
avaliação, mensalmente, por meio do envio do FOR-Diraf-
utilização do serviço de transporte coletivo que serve a
164.
força de trabalho, bem como a utilização do restaurante.
As UP/UO têm à disposição o FOR-Diraf-236. Quando
uma não conformidade é identificada, o fornecedor é 7.3. Processos orçamentários e financeiros
informado para que providencie as correções solicitadas, 7.3.A. Elaboração da proposta orçamentária e
conforme fig. 7.2.D.1 tratamento das restrições e liberações de orçamento
7.2.F.2. Atendimento aos requisitos estabelecidos, os A proposta é elaborada de maneira descentralizada,
73
participativa e alinhada ao Planejamento Estratégico e tem processo é gerenciado pela Diplo em conjunto com a
como instrumentos normativos as NIG-Dplad-023 e 024, Cored conforme NIG-Dplad-026 e implementado a partir de
sendo composta pelos orçamentos de pessoal, custeio e reuniões periódicas com os representantes de cada órgão
investimentos (fig.7.3.A). integrante da Rede por meio do Portal de Relacionamento
Os eventuais cortes ou contingenciamentos de recursos Inmetro/RBMLQ-I.
orçamentários são definidos a partir das metas acordadas NÍVEL ESTRATÉGICO
Planejamento
com o MDIC, ocasionando o realinhamento dos planos de Estratégico
ação e estratégias e são informados pela Dplad à AAdm Proposta Proposta
Orçamentária Orçamentária
que se reúne para definir as estratégias e ações corretivas RBMLQ-I
Consolidação
UP
Receitas e
a serem implementadas. Uma vez aprovadas pela AAdm, Despesas

as propostas de adequação são apresentadas pela Dplad


ao Comitê de Acompanhamento da Execução Pré-proposta
Orçamentária
Orçamentária e de Gestão de Custos, composto pelos
gestores orçamentários, representantes de todas as UP. Dplad
Esse Comitê promove e orienta a redução na programação
de gastos no âmbito das UP. A nova programação é NÃO NÃO Ajuste
Ajuste Ok?
operacionalizada por meio do Siplan, que possui um
mecanismo de classificação das despesas, de acordo com SIM
Administração do
as seguintes prioridades: Inmetro
A – Inevitáveis: limite orçamentário com lastro financeiro;
B – Imprescindíveis; e Ok? NÃO

C – Importantes: necessidades orçamentárias sem lastro


SIM
financeiro. Proposta
Análise
Orçamentária
Os gerentes dos processos específicos alocam em A, suas Do Inmetro
Governamental

principais prioridades e em B ou C as necessidades Recursos


Administração Adequação pela
orçamentárias adicionais, que poderão ser realocadas para do Inmetro Dplad
Orçamentários
aprovados
A, de acordo com o comportamento da receita e/ou
execução orçamentária da despesa. Aprova?
NÃO

A prática acima descrita é executada desde 1998, quando SIM


Dplad/Seplo
da criação do Siplan, e disseminada nas interações diárias Detalha e libera
conforme previsão
com todas as UP por meio de reuniões semestrais. Proposta Orçamentária Proposta Orçamentária
Tratamento dado ao orçamento operacional e de RBMLQ-I UP

investimentos que inclui toda a movimentação da RBMLQ- EXECUÇÃO E


Dplad/Seplo ACOMPANHAMENTO
I, que nesse caso, a proposta orçamentária é trabalhada Analisa Projetos ORÇAMENTÁRIO
e Processos
em conjunto, mediante definição da AAdm, a partir de
prioridades estabelecidas no PEI. Informa NÃO
Aprova?
Atendendo a todos os critérios orçamentários legais Gerente

vigentes, a proposta é processada por meio do SIOP SIM


Demonstrativo Libera Recursos
encaminhada ao MDIC. Posteriormente, é feita a de Execução Orçamentários, Projetos SIM
comparação dos valores da proposta orçamentária com o Orçamentária e Processos
NÃO
Aprova?
orçamento aprovado na LOA. Caso o orçamento aprovado
em lei não atenda o solicitado na proposta orçamentária, a Avaliação Periódica
feita pelo Comitê
SIM Alta Administração
AAdm se reúne para definir ajustes que seguem critérios de Acompanhamento da Reformulação
do Inmetro
Execução Orçamentária e
de prioridade A, B ou C, estabelecidos com o objetivo de de Gestão de Custos
NÃO
otimizar os recursos disponíveis e evitar a interrupção de Informação sobre
Alocação e/ou
projetos. A programação final é aprovada pela AAdm após Remanejamento de
Recursos Orçamentários
conhecimento dos valores autorizados pelo Congresso
Nacional. Para a gestão do processo, utilizam-se as
seguintes ferramentas corporativas automatizadas: Figura 7.3.A – Fluxograma da Elaboração da Proposta Orçamentária.
Planest, Sicap, Siplan e o Portal de Relacionamento
RBMLQ-I, conforme esquematizado na figura 7.3.A. 7.3.C. Monitoramento da execução orçamentária e
financeira
7.3.B. Gestão orçamentária e financeira
O monitoramento é realizado desde 1998, com a criação
É estruturada a partir do desdobramento das estratégias do Siplan, e disseminado por todas as UP por meio de
(item 2.2) e das prioridades estabelecidas na formulação reuniões quadrimestrais.
das estratégias (item 2.1) e se baseia nos procedimentos O processo é acompanhado pelo Comitê de
estabelecidos pelo MP, pela STN e pelos demais Acompanhamento da Execução Orçamentária e de Gestão
instrumentos das estruturas normativas e de controle do de Custos, que se reúne para analisar desvios apontados
Governo Federal. pela Dplad, propor correções, aprová-las ou submetê-las
O gerenciamento da execução orçamentária do Inmetro é às UP responsáveis.
realizado conforme NIG-Dplad-025, utilizando-se o Siplan O monitoramento da execução orçamentária da RBMLQ-I
para acompanhamento, controle e avaliação de seus é realizado segundo a NIG-Dplad-026, uma vez que são
respectivos orçamentos, desde a pré-proposta parceiros estaduais e municipais, valendo-se do sistema
orçamentária até a execução financeira. corporativo Portal de Relacionamento como instrumento de
Em relação à execução orçamentária da RBMLQ-I, o acompanhamento e controle.

74
7.3.C.1 Avaliação e administração dos riscos pelos sistemas corporativos (Siplan, Confin, Sistema de
financeiros Receita, Portal de Relacionamento Inmetro/ RBMLQ-I e
Visando à avaliação dos riscos financeiros e à minimização Sistema prestação de contas – RBMLQ-I). Os principais
de problemas na execução orçamentária e financeira, são fóruns de acompanhamento e avaliação do desempenho
realizadas reuniões periódicas, desde 2000, com os orçamentário e financeiro são:
gestores da RBMLQ-I e dos Macroprocessos, Reuniões periódicas do Comitê de Acompanhamento da
responsáveis pela arrecadação. Nessas reuniões, a Execução Orçamentária e de Gestão de Custos –
execução orçamentária e financeira é ajustada à realidade discussão da evolução da receita dos serviços prestados
orçamentária. No Comitê de Acompanhamento da pelos Macroprocessos e a compatibilização orçamentária
Execução Orçamentária e de Gestão de Custos e nos e financeira;
Grupos Gestores dos Planos Anuais são avaliadas as Reuniões semestrais da Dplad com cada UP
metas de arrecadação, o fluxo de compras e a gestão do separadamente, com a participação das gerências, para
fluxo de caixa do Inmetro. Com essas ações, asseguram- avaliação de resultados e análise orçamentária;
se a adequada aplicação dos recursos orçamentários e discussão dos resultados orçamentários e financeiros, e
financeiros da Instituição, sob a responsabilidade definição de ações, onde necessárias;
compartilhada da Dplad e da Diraf. Reuniões semestrais Inmetro/RBMLQ-I – avaliação dos
dados orçamentários e financeiros dos órgãos
7.3.D. Seleção e realização de captações, metrológicos estaduais e municipais, assim como
investimentos e aplicações de recursos financeiros estabelecimento de metas e percentuais de repasse para
As UP de acordo com suas carteiras de projetos, a RBMLQ-I.
identificam em Chamadas Públicas, fontes de Compatibilização do custeio e do investimento com o
investimentos para fomento tais como Finep, CNPq e orçamento – responsabilidade fiscal.
Banco Mundial, entre outras, que podem ser usadas para E o atendimento à legislação, são seguidas as diretrizes do
captação dos recursos. A partir de então, cadastram e MDIC e do MP, desde a fase de elaboração da pré-
submetem seus projetos, por meio de formulários próprios proposta de receita até a execução orçamentária,
dessas agências e passam então a concorrer a esses compatibilizando o orçamento com a receita. O PEI
recursos. Nesses casos são priorizados os projetos que estabelece indicador de evolução anual das receitas,
têm impacto positivo nas ações estratégicas. contemplado em 2.2 e em 8.3.
Outras formas de captação podem ter origem em O monitoramento orçamentário é realizado desde 1998,
convênios com instituições que apresentem interesses com a criação do Siplan, e disseminado por todas as UP,
comuns ou complementares (Aneel, Sebrae, INPI, Senai, por intermédio de reuniões semestrais.
Petrobrás ou Eletrobrás-Procel). Caso haja disponibilidade Gestão das receitas de taxas
de recursos que possibilitem aplicações financeiras, são As receitas originadas pela arrecadação das taxas
realizadas aquelas previstas na legislação pertinente cobradas em função da prestação de serviços são
(como a compra de Títulos do Tesouro Nacional), gerenciadas continuamente pela Diraf, pelas UP que
processadas junto ao Banco Central por meio do Siafi. arrecadam e pela Cored no que se refere aos órgãos
7.3.E. Acompanhamento da receita integrantes da RBMLQ-I, com o auxílio dos sistemas:
Sistema de Receita – controla eventos relativos à
Gestão do patrimônio e das receitas
prestação de serviços a usuários, desde a solicitação até
Conforme mencionado no Item 7.2.D, o Spiunet e a
o pagamento ou a notificação de inscrição na Dívida
Instrução Normativa n.º 205/88 estabelecem as
Ativa;
orientações para gerenciamento dos bens patrimoniais e
Confin – opera em conjunto com o sistema de
do Sispatri. As receitas relativas ao patrimônio limitam-se:
transmissão de arquivos de boletos do Banco do Brasil
aos leilões de bens que não tenham mais utilidade prática
para automação da cobrança dos serviços prestados e
que segue legislação específica (IN nº 205/88 e Decreto nº
instrumentaliza a gestão financeira da arrecadação;
99.658/90) e ao Convênio de arrendamento da subestação
Siplan – controla a execução orçamentária e agrega
do Campus de Xerém à concessionária Light S.A. Por
todas as informações provenientes das áreas
meio deste Convênio compartilha sua subestação de
arrecadadoras, dentro de seus limites orçamentários.
energia elétrica e melhora o fornecimento de energia para
Portal do Relacionamento Inmetro RBMLQ-I – controla a
o distrito de Xerém, recebendo em troca repasse em
execução da receita e da despesa de cada órgão
valores/energia.
integrante da RBMLQ-I.
A gestão orçamentária e financeira é realizada por meio
das peças orçamentárias e, acompanhadas desde 1998,
Controle da Prática Aplicação da Prática
Principais
Práticas de Métodos Continui- Integração
Padrões de Frequên- Respon- Dissemi-
Gestão Específicos de dade Inter-
Trabalho cia sáveis nação Coerência Cooperação
Controle (desde) relação
Análises de Em todas Em todas
Auditorias Em todas as
relatórios das Anual Diraf as UP, 2002 PEI as UP,
internas UP, RBMLQ-I
Racionaliza auditorias RBMLQ-I RBMLQ-I
ção de Formação de OAC OAC
Análise de OAC
custos‟ preços da acreditados PEI, Normas acreditados
levantamento de Anual Cgcre 2005 acreditados e
Acreditação, e internacionais e
preços solicitantes
NIE-Cgcre-140 solicitantes solicitantes

75
MQI, MQ/UP e Programas de
normas auditorias internas Todas as
aplicáveis; (SGQ, Audin), UP,
Anual 2003
Adequação Gestão das análises críticas; conforme
dos necessidades e Avaliação dos apropriado Em todas
Todas as Em todas as
Processos requisitos. resultados das PEI as UP,
UP UP, RBMLQ-I
Organizacio pesquisas de RBMLQ-I
nais satisfação;
Pesquisa de
Auditorias externas Anual Dplad 1995
Satisfação
(TCU, CGU, Peer
Review); Sidoq
Atendimento aos
requisitos das UP
1992
partes interessadas pertinentes
Resoluções pertinentes
Conmetro, NIG- Atas de reuniões,
Macropro-
Dqual-026, relatórios de UP
cessos e
Projeto dos DOQ-Cgcre- auditorias, responsá- 2000 Cidadãos- Cidadãos-
partes
processos 005, NIE- acompanhamento Anual vel PEI usuários e usuários e
interes-
finalísticos Cgcre-003, de cronogramas sociedade sociedade
sadas
NIT-Dicor-001, Monitoramento das
pertinentes
NIE-Cgcre-015 demandas dos
Laborató-
MQ/UP usuários e de
rios e UP 2003
normas internas,
finalísticas
acompanhamento
de processos
NIG-Diraf-016,
Aquisição Lei 8666/93, Lei
FOR-Diraf-070 Diraf,
de bens, 10520/02,
e 181, NIG- Contínua Gabin e Todas UP 1993 PEI Todas UP Todas UP
materiais e Legislação
Diraf 001, 104 Copel
serviços específica
a 107
Gestão de
bens, IN 205/88, NIG-
Sispatri Contínua Diraf Todas UP 1998 PEI Spiunet-GF Todas UP
materiais e Diraf 104 a 107
serviços
Elaboração
da proposta NIG-Dplad-023 Todas UP, Todas UP,
Reunião Anual Dplad Todas UP 1998 PEI
orçamen- e 024 RBMLQ-I RBMLQ-I
tária
Gestão dos
cortes ou NIG-Dplad-025 Todas UP, Todas UP,
Reunião Anual Dplad Todas UP 1998 PEI
contingen- e 026 RBMLQ-I RBMLQ-I
ciamentos
Acompanha
mento da
execução NIG-Dplad-025 Todas UP, Todas UP,
Reunião Anual Dplad Todas UP 1998 PEI
orçamen- e 026 RBMLQ-I RBMLQ-I
tária e
financeira
Figura 7.0. Controle, aplicação e integração das práticas de gestão relativas à gestão dos Macroprocessos e dos Processos Organizacionais

8. RESULTADOS
8.1. Resultados relativos aos cidadãos-usuários
Item Indicador Origem Unid. Melhor 2007 2008 2009/Jun 2009 PI RPI RC Result. RC
Nível de satisfação das empresas
Meta Nist-
8.1/1 usuárias dos serviços de verificação GM %  8,2 8,3 - 7,53 8,1 7,5
CG ACSI
periódica (CG) (1) (3)
Nível de satisfação com o serviço de
Meta Nist-
8.1/2 calibração e ensaio junto a clientes PDRM %  8,85 8,1 - 7,58 8 7,5
CG ACSI
(CG) (2) (3)
Percepção institucional junto a
Meta
8.1/3 dirigentes de federação de indústria e GE %  - 83 - (*) 83 BNDES 75
CG
comércio (CG) (4)
Desempenho no Contrato de Gestão Meta
8.1/4 GE %  90,2 100 - (*) 96 HSK 90
(5) CG
Tempo médio no atendimento a
solicitações de anuência de
8.1/5 AC dias  11,50 11,50 - 13,50 - - SECEX 30
importação de produtos
regulamentados (6)
Tempo médio efetivo da apreciação
8.1/6 GM dias  265 217 - 185 - - PTB 66
técnica de modelos (7)
Tempo médio para a concessão de
Meta
8.1/7 Acreditação de organismos de ACRE meses  - 7,50 6,00 6,50 8 ANSI 5,5
CG
inspeção (CG) (8)
Tempo médio para a concessão de Meta
8.1/8 ACRE meses  - 10,00 11,00 10,50 12 ANSI 5,5
Acreditação de laboratórios (CG) (9) CG
Tempo médio para a concessão de
Meta
8.1/9 Acreditação de organismos de ACRE meses  13,00 8,20 9,50 9,90 8 ANSI 5,5
CG
certificação (CG) (10)
8.1/10 Trabalhos publicados para PDRM unid  123,00 158 - 202 Meta 170 MCT - 1208
76
comunidade científica (CG) (11) CG Fiocruz
Índice de publicações em relação a
8.1/11 força de trabalho da metrologia GE %  0,36 0,45 - 0,48 - - PTB 0,438
científica (12)
Observações: (1) O nível atual foi inferior aos anos anteriores devido a nova metodologia de cálculo adotada em 2009, com critérios mais rigorosos.
(2) A queda no resultado de 2008 se deve a reestruturação do questionário e metodologia mais rigorosa da pesquisa , iniciada em 2007. (3) Os
resultados de satisfação dos "serviços de verificação periódica" e "serviços de calibração e ensaio" estão no mesmo nível de 7,5 do referencial
comparativo do Nist. (fonte: The American Customer Satisfaction Index - The Voice of the Nation's Consumer - www.theacsi.org). (4) (*) O resultado
da “Percepção institucional do Inmetro junto a dirigentes de federação de indústria e comércio” é obtido, por meio de pesquis a, no ano subseqüente.
A empresa de pesquisa prevê o envio do resultado de 2009 para o fim de abril/2010. Até 2007, a percepção era coletada via manifestação
espontânea junto aos dirigentes das CNI e CNC em fóruns, reuniões, seminários e painéis compartilhados. (5) (*) O resultado final do CG reflete o
requisito de desempenho esperado pelos 3 Ministérios (MDIC-MF-MP) e impacta diretamente na remuneração dos servidores e, por isso, é
referência. O resultado é uma nota atribuída sempre no ano subseqüente, em reunião pelo CAA, em abril/2010. Pela ausência do valor de
desempenho de 2009, foi adotado o valor médio entre 2007 e 2008 que é a expectativa prevista devido à conjuntura econômica. (6) A Portaria do
SECEX 25/2008 estabelece um prazo de até 60 dias para respostas às demandas relativas aos processos de importação. O prazo médio de resposta
da SECEX é de 30 dias. O resultado de 2009 situa-se dentro da margem de erro admissível de 10 ± 5 dias, abaixo do referencial comparativo. (7)
Fonte: http://www.ptb.de/en/org/1/11/112/faq.htm (8) (9) A medição foi iniciada a partir de 2008. A variação dos últimos resultados (± 1 mês)
estatisticamente não é representativa no intervalo de incerteza da medição do período. A ANSI é referencial de excelência. (10) A adoção de nova
prática de gestão com a implantação de um sistema BPMS, resultou no refinamento dos processos , cujos os resultados foram prejudicados pel a
necessidade temporária do aprendizado (impacto no 2° sem/2009). (11) A tendência de crescimento dos trabalhos publicados acompanha a taxa de
crescimento de mestres e doutores, desde 2006. O referencial de excelência (Fiocruz) de 1208 trabalhos em 2008 produzidos por 83 mestres e 306
doutores. O MCT (www.mct.gov.br) divulga oficialmente a existência, no Brasil, de 85.910 mestres e 69.232 doutores, no ano de 2008. Nesse mesmo
ano, foram publicados 30.415 trabalhos em fontes oficiais de referência, cuja taxa fica em 0,19 trabalhos/pessoa. A taxa da F iocruz é de 3,89 e a do
Inmetro é de 0,49 trabalhos/pessoa. Boa parte dos mestres e doutores ingressaram na organização , cujo pré requisito é a títulação, caso da Dimci e
da Dipro, e se dedicam não só a pesquisa e publicações, mas as tarefas operacionais nos laboratórios. (12) O PTB é instituto de Metrologia
Científica da Alemanha.

Satisfação dos serviços de verificação periódica - Nível (0-10


2009: Segmentação por requisitos pontos)
Satisfação dos serviços de verificação periódica, Nível (0-10 Apresentação dos equipamentos utilizados 7,31
segmentada por estado da federação - 2009 pontos) Informações prestadas sobre os resultados obtidos 7,46
AC 7,68 Conhecimento técnico do fiscal 7,51
AL 7,68 Conduta do fiscal 7,83
ES 7,91 Tempo de execução da atividade 7,6
BA 7,44 Resultado geral de 8.1/1 de 2009 (1) 7,53
Observações: (1) Em 2008, a satisfação era calculado por meio da soma
MT 7,25
de “muito satisfeito” e “satisfeito” da percepção . A partir de 2009 foi
PE 7,53
substituído pela nota média de satisfação, uma vez que o método de
PI 7,43 cálculo leva em consideração as ponderações de cada atributo da
RJ 7,68 satisfação: muito satisfeito corresponde a 10,0; satisfeito, a 7,5;
AM 7,6 indiferente, a 5,0; insatisfeito, a 2,5; muito insatisfeito, a 0,0
CE 7,77 Satisfação dos serviços de calibração e
RN 7,44 ensaio - 2009 Segmentação por requisitos Nível (0-10 pontos)
SE 7,33 Disponibilidade dos Serviços 7,04
TO 7,47 Informações Prévias 7,42
GO 7,4 Atendimento Oferecido na Solicitação 7,4
MG 7,6 Tempo de Recebimento da Proposta 6,47
PR 7,3 Preço Cobrado pelo Serviço 6,02
RS 7,55 Data de Início do Serviço 5,67
MS 7,77 Tempo para Execução do Serviço 6,1
SC 7,4 Retirada do Item 6,63
SP 7,51 Cumprimento do Prazo de entrega 7,22
Resultado geral de 8.1/1 de 2009 - Brasil 7,53 Informações do Certificado 7,92
Nota média de satisfação das empresas usuárias dos "serviços de Qualidade Técnica dos Resultados 8,23
verificação periódica", abrangência segmentadas por estados da Resultado geral de 8.1/2 de 2009 (2) 7,85
federação. Observa-se que os estados mais bem avaliados foram ES, Observações: (1) O cálculo é idêntico ao da satisfação dos serviços de
CE e MS ao passo que os estados que tiveram pior avaliação foram SE, verificação periódica. (2) Os resultados parciais obtidos foram de
PR e MG. Os resultados oscilaram em torno de 7,91 e 7,3, com a média 16,2% para muito satisfeitos; 71,5% para satisfeitos; 11,7% para nem
de 7,53. satisfeitos, nem insatisfeitos; 0,6% para insatisfeitos e nenhum
entrevistado está muito insatisfeito. O cálculo da nota média geral de
satisfação serviço de calibração e ensaio ficou com 7,58.
8.2. Resultados relativos à sociedade
Result.
Item Indicador Origem Unid. Melhor 2007 2008 2009 PI RPI RC
RC
Nível de entendimento das atividades do Meta
GE %  44,20 49,15 49,08 47
8.2/1 Inmetro junto à população brasileira (CG) CG
Percepção institucional do Inmetro junto à Meta
GE %  90,24 82,28 80,08 81 Correios 84,54
8.2/2 população brasileira (CG)(1) CG
Grau entendimento da etiqueta consumo Nestlé
GE %  49 55,69 60 86,8
8.2/3 energia (2) (Superbrands)
Preferência por produto com selo Inmetro Nestlé
GE %  50 53,3 54 86,8
8.2/4 e marca desconhecida (2) (Superbrands)
Preferência por um produto com preço Nestlé
GE %  55 62,85 65,2 86,8
8.2/5 10% superior com selo Inmetro (2) (Superbrands)
Índice de atendimentos da Ouvidoria
GE %  100 100 99,7 Anvisa 98,35
8.2/6 concluídos
m3 / Cedae -
Consumo anual de água per capita (3) APOIO  97,8 98,4 82,7 106,45
8.2/7 pessoa QGOG
Consumo anual de energia elétrica per kWh / EPE/MME -
APOIO  8.184,3 7.892,7 7.442,5 8.429,3
8.2/8 capita (4) pessoa QGOG
77
Nº de ouvidorias já implantadas nos Meta
GE Qt  11 14 18,0 26
8.2/9 Estados integradas ao Sior CG
8.2/10 Nº inserções positivas na mídia (5) GE Qt  1.411 1.632 2.455 Fiocruz 4.147
6
Nível de acesso ao Portal do Consumidor 10
GE  5,03 4,12 2,89 Idec 2,44
8.2/11 (6) acesso
Observações: (1) A "percepção institucional" decresceu nos resultados de 2008 e 2009 em função da mudança da abordagem j unto ao público alvo
para obter resultados mais precisos. (2) Na publicação Superbrands 2009/2010, que avalia o desempenho das marcas, a marca Inmetro obteve 60,2
% , ficando dentre as 25 mais reconhecidas no país (www.superbrands.com.br), sendo o Inmetro a única entidade da administração indireta cuja
marca foi reconhecida. Os resultados da pesquisa são compatíveis aos resultados obtidos da publicação Superbrands. A Nestlé é o referencial de
excelência na fonte adotada. (3) O nível de consumo considerado no período foi adequado para controle da gestão em todas as instalações, inclusive
das 14 industriais no Campus de Xerém. O pico de crescimento ocorrido no período 2007/2008 foi causado pela perda de água por vazamento em
tubulações, detectados e corrigidos em 2008, impactando o resultado de redução contínua. O consumo médio de água de toda população do Rio de
Janeiro no ano de 2006 foi de 72,2 m3/pessoa/ano, enquanto que um consumo médio de uma instalação industrial delimitada, do tipo plataforma de
perfuração marítima (SS-20/Olinda Star/QGOG), em 2009, operando na Bacia de Campos foi de 106,45 m3/pessoa/ano (35 m3/dia/120 pessoas).
(4) O consumo médio de energia de uma instalação industrial delimitada, do tipo plataforma de perfuração marítima de pos icionamento dinâmico (SS-
73/Gold Star/QGOG) em 2010, operando na Bacia de Campos foi de 8.429,26 kWh/pessoa/ano (38 m3 óleo diesel para geração de en ergia /dia/120
pessoas), enquanto uma plataforma de perfuração ancorada (SS-20/Olinda Star/QGOG) foi de 3.327,34 kWh/pessoa/ano (15 m3 óleo diesel para
geração de energia/dia/120 pessoas). O valor de 2.612 kWh/habitante é uma média obtida do consumo per capita de energia elétr ica de toda
população brasileira (181,3 milhões - IBGE) do ano base de 2007 contido no último Relatório do Balanço Energético 2008 (EPE/MME). (5) O aumento
significativo da quantidade de inserções positivas na mídia em 2009, foi motivado pela contratação da CDN Comunicações Corpor ativas, empresa
especializada em assessoria de imprensa e pela intensificação da atuação do órgão em áreas críticas para o desenvolvimento nacional. O valor do
referencial da Fiocruz está sendo considerado de excelência. (6) O decréscimo dos resultados no período 2007-2009 dos acessos ao Portal do
Consumidor deveu-se em meados de 2008 a alteração dos critérios do método de medição pelo "metter google" e as retiradas dos links de al guns
sites gratuitos. Nos últimos meses de 2008, com a estabilização do critério a média mensal tem se mantido na ordem de 240.000 acessos, enquanto
o referencial do INPI está na ordem de 43.000 acessos/mês.
Nível de Percepção da Eficiência Institucional junto à população entre quem opinou (%) (1) 2007 2008 2009 Posição 2009
Correios 85,54% 87,88% 84,54% 1º
Inmetro 90,24% 82,28% 80,08% 2º
Embrapa 83,08% 80,88% 75,24% 3º
Procon 76,14% 71,91% 71,66% 4º
Aneel 72,29% 72,29% 59,56% 5º
Anvisa 66,23% 64,63% 59,08% 6º
Anatel 65,48% 60,47% 50,50% 7º
INSS - 53,61% 43,17% 8º
8.3. Resultados orçamentários e financeiros
Ori- Result.
Item Indicador Unid. Melhor 2007 2008 2009 PI RPI RC
gem RC
Taxa de crescimento da receita
Meta
8.3/1 de serviços de controle GE %  9,0 8,0 7,0 IBGE -0,2
CG 9,0
metrológico (CG) (1)(2)
Receita de Serviços do Sistema R$
8.3/2 GE  213.979,0 231.807,0 244.047,0
Inmetro (Inmetro+RBMLQ-I) mil
R$
8.3/3 Receita total do sistema Inmetro GE  392.356,0 441.571,0 493.321,0 Suframa 441.189,0
mil
Índice de execução
8.3/4 orçamentária do sistema GE %  98,8 99,3 99,8 Suframa 99,0
Inmetro
R$
8.3/5 Receita de fomento (3) GE  16.425,0 5.626,0 5.027,0 5.351,0
mil MDIC
Índice de despesa de
8.3/6 GE %  16,06 14,89 15,91
funcionamento do Inmetro
Índice de despesa de
8.3/7 funcionamento em relação ao GE %  23,24 22,18 23,61
custeio do Inmetro
Índice de sustentabilidade do
8.3/8 GE %  21,89 19,59 23,64
funcionamento do Inmetro
Observações: (1) Receita foi impactada em 2008 e 2009 por causa da crise. (2) PIB a preços de mercado - Taxa (%) de crescimento acumulada em
quatro trimestres - Fonte: http://www.ibge.gov.br (3) A crise financeira motivou impacto negativo na oferta de recursos em editais públicos para
pesquisa e desenvolvimento na área de metrologia. A execução dos R$ 16 milhões em 2007 comprometeu a capac idade da força de trabalho e
dificultou a captação de novos recursos nos anos subsequentes. Exemplo: aquisição do microscópio Titan em2007. Fonte RC: Ação Inserção
Internacional de Pequenas e Médias Empresas.
8.4. Resultados relativos às pessoas
Resultado
Item Indicador Origem Unid. Melhor 2007 2008 2009/Jun 2009 PI RPI RC
RC
Taxa de Freqüência de Acidentes com
8.4/1 APOIO %  - 3,3 3,2 3,2 Sextante 1,91
Afastamento (1)
8.4/2 Taxa de Gravidade (2) APOIO %  - 13,93 9,44 6,40 Sextante 9,43
Tempo de treinamento e
8.4/3 GE HH  24,7 30,0 - 36,3 Sextante 88,0
desenvolvimento (3)
8.4/4 Nº de doutores no Inmetro (4) GE Qt  28 90 - 178 Fiocruz 306
8.4/5 Nº mestres no Inmetro (4) GE Qt  106 159 - 228 Fiocruz 83
Investimento em T&D pela receita total
8.4/6 GE %  0,28 0,27 0,15 Sextante 0,15
do sistema Inmetro (5)
Observações: (1) Relatório de Gestão de Capital Humano - Benchmarking 2007, p.221, valor de excelência do 1° quartil no ramo de Comunicação e
Telecomunicação (1,91); valor do 1° quartil de todos os ramos de atividade (1,18), o valor é abaixo da média geral de todos os ramos de atividade
(5,60). O TG de 3,3 é relativamente baixo devido ao fornecimento de transporte para Campus de Xerém. (2) Relatório de Gestão de Capital Humano -
Benchmarking 2007, p.222, valor de excelência do 1° quartil no ramo de Comunicação e Telecomunicação (9,43), valor 1° quarti l de todos os ramos
de atividade (42,13). O TG é relativamente baixo devido ao fornecimento de transporte para Campus de Xerém. O ramo de atividades escolhido tem o

78
menor valor. (3) Relatório de Gestão de Capital Humano - Benchmarking 2007, p.203, valor de excelência do 3° quartil no ramo de atividade geral (88
horas/pessoa-ano). Nos resultados não foram considerados horas de desenvolvimento de participação nacionais e internacionais, de fóruns,
seminários e reuniões técnicas. (4) Em 2006, o total de mestres e doutores era inferior a uma centena de cientistas. Boa parte deles ingressaram na
organização a partir de 2007 com a capacitaçào prévia e dedicaram mais tempo em adaptação e focalização nas tarefas operacionais dos
laboratórios. Em paralelo à estratégia institucional e a política de incentivo do governo federal , a taxa de crescimento d os mestres e doutores do
Inmetro nos anos 2007-2008-2009, em relação aos anos anteriores teve um incremento da ordem de, respectivamente, 211,6%-85,8%-63,0% ano. O
site do MCT (www.mct.gov.br) divulga oficialmente a existência de 85.910 mestres e 69.232 doutores, no ano de 2008. A taxa de crescimento no
Brasil nos anos 2007-2008 foi de 3,5%-10,6% ano. (5) Relatório de Gestão de Capital Humano - Benchmarking 2007, p.189, valor de excelência do
3° quartil de 2001 a 5000 pessoas na empresa 0,15%. A redução em 2009 nos investimentos na capacitação de servidores deveu-se a maior
emprego de treinamento interno com recursos oriundos do MP. Exemplo: PDG do Inmetro
8.5. Resultados relativos aos processos de suprimento
Resul.
Item Indicador Origem Unid. Melhor 2006 2007 2008 2009 PI RPI RC
RC
Índice de economicidade no MP /
8.5/1 APOIO %  - 22,92 20,31 36,46 24,00
pregão eletrônico (1) SLTI
Tempo médio para viabilização
8.5/2 de processo de compra por APOIO dias  - 156 131,6 126 Fiocruz 75
pregão (2)
Despesa com material de R$
8.5/3 APOIO  - 3.955,7 4.043,4 4.021,6 TCU 3.902,1
consumo (3) mil
Investimento em material R$
8.5/4 APOIO  - 5.235,2 8.901,6 9.151,3 TCU 9.756,3
permanente (3) mil
R$
8.5/5 Despesa com serviços (3) APOIO  - 72.830,1 70.224,5 83.711,0 TCU 33.531,9
mil
Aquisição de equipamentos de R$
8.5/6 PDRM  - 13.950,0 10.500,0 10.380,0
metrologia mil
Número de não conformidades
8.5/7 do Relatório de Auditoria Anual APOIO Qt  28 31 15 -
de Contas da CGU (4)
Observações: (1) (2) fonte: www.Comprasnet.gov.br/noticias/noticias0.asp (3)Fonte :
http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/TCU/institucional/conheca_tcu/contas_tcu.pdf (4) Relatório CGU n.° 189092, Relatório CGU n.°208380,
Relatório CGU n.° 224441
8.6. Resultados dos processos finalísticos e de apoio
2009 Resul.
Item Indicador Origem Unid. Melhor 2007 2008 2009 PI RPI RC
/ Jun RC
Nº total de inscritos no Nist -
8.6/1 Sistema Alerta AI Qt  - - - Notify
4.955 7.040 8.914 4.851
Exportador (1) U.S.
Nº de instrumentos de
8.6/2 cooperação técnica AI Qt  7 10 - 14 - - NMIJ 3
internacional firmados
N ° total de
regulamentos do Argen-
8.6/3 AI Qt  178 181 - 182 - - 174
Mercosul internalizados tina
no Brasil (2)
Números de países que
8.6/4 o Inmetro presta AI Qt  13 13 - 18 - - - -
assistência Técnica
Número de programas
de avaliação da
Meta
8.6/5 conformidade AC Qt  42 47 - 47 43 - -
CG
desenvolvidos ou
revisados (CG e PPA)
Número de empresas
com objetos Meta
8.6/6 AC Qt  - - -
submetidos à avaliação 4.406 4.732 5.364 CG 5.082
da conformidade (CG)
Número de modelos de
Meta
8.6/7 produtos com AC Qt  - - -
136.149 159.160 173.805 CG 142.800
certificação (CG)
Número de ações de
fiscalização de Meta
8.6/8 AC Qt  - - -
produtos 250.018 437.443 416.753 CG 435.000
regulamentados (CG)
Índice de
irregularidades na
fiscalização de Meta Padrão
8.6/9 AC %  1,8 1,0 - 1,3 5
produtos CG 1,22 OIML
regulamentados (CG)
(3) (9)
Nº total de laboratórios
SCC -
8.6/10 acreditados ACRE Qt  471 557 596 642 - - 302
Canadá
„(ensaio+calibração) (4)
Nº total de organismos
SCC -
8.6/11 de certificação ACRE Qt  - 140 141 150 - - 53
Canadá
acreditados (4)
Índice de utilização de
Meta
8.6/12 avaliadores externos ao ACRE %  - 61,1 73,9 75,3 65 ANSI 100
CG
Inmetro no processo de

79
Acreditação (CG) (5)
Nº de OAC acreditados Meta
8.6/13 ACRE Qt  878 994 - 1.120 1150 - -
(CG) (6) CG
Índice de irregularidade
na verificação de Padrão
8.6/14 GM %  5,86 4,89 - 4,31 - - 5
instrumentos de OIML
medição (9)
Eficiência do serviço
Meta
8.6/15 descentralizado (CG) GM Qt  597 633 - 758 625 - -
CG
(produtividade) (9)
Índice de irregularidade
Meta Padrão
8.6/16 de produtos pré- GM %  1,9 2,1 - 2,1 2,8 5
CG OIML
medidos (CG) (7)
Número de
instrumentos/produtos Meta
8.6/17 GM Qt  - - -
verificados pela 16.572.277 22.123.404 23.494.516 CG 17.000.000
RBMLQ-I (PPA)
Produtividade da
calibração e ensaio de
instrumentos e padrões Meta
8.6/18 PDRM Qt  142 182 - 149 - -
de medição, com CG 152
rastreabilidade ao SI
(CG)
Nº de comparações
interlaboratoriais
8.6/19 internacionais PDRM Qt  88 98 - 106 - - Inti 61
(Comparações chave)
(8)
Nº de serviços no
8.6/20 PDRM Qt  299 422 - 435 - - Inti 277
KCDB do BIPM (8)
Observações: (1)Valor acumulado. (2) Valor acumulado. N ° total de regulamentos do Mercosul internalizados na Argentina equivale a 174. (3) O
resultado está abaixo do RPI. A variação dos últimos resultados faz parte do intervalo de incerteza da medição (0,5%). Fonte: www.oiml.org.fr (4)
fonte de dados: www.scc.ca (5) O RPI estabelecido no CG é de 90% para 2011, indica a estratégia do Governo Federal no sentido de terceirizar parte
das avaliações do processo de Acreditação. O resultado da ANSI é considerado referencial de excelência. (6) O não atingimento do RPI está atrelado
à crise econômica. (7) O resultado está abaixo do RPI. A variação dos últimos resultados faz parte do intervalo de incerteza da medição (0,5%). (8) A
utilização do Inti como referencial se justifica pela importância do comércio no Cone Sul. (9) Fonte: RG-Inmetro.

PRINCIPAIS RECONHECIMENTOS

O Inmetro foi agraciado com a Medalha Nacional do Mérito Científico,


concedida pelo Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, por
suas contribuições prestadas à Ciência e à Tecnologia no ano de 2008.
A medalha, instituída em 1993, é concedida a instituições e
personalidades brasileiras e estrangeiras como forma de reconhecimento
às suas ações para o desenvolvimento da Ciência no Brasil.

O Inmetro foi um dos ganhadores do 14º Concurso Inovação na Gestão


Pública Federal pelo Sistema de Avaliação de Desempenho Individual
(Siadi), reconhecido como um instrumento sofisticado de Gestão capaz
de promover uma nova cultura baseada no mérito, exigência, motivação
e reconhecimento. O prêmio, implantado em 1996, é concedido pela
Escola Nacional de Administração pública (ENAP) e tem como objetivo
valorizar o trabalho de servidores públicos comprometidos com a
modernização da gestão pública.

80
Prêmio da Global Awards for Excellence in BPM & Workflow –
2009 - Esta é a 15º edição da premiação que reconhece
anualmente organizações que aperfeiçoam soluções de automação
de processos em diversas áreas. A redução de tempo no processo
de Acreditação de organismos de certificação, fez com que o
Inmetro ganhasse pela primeira vez o prêmio concorrido por 19
finalistas.

Em 2009, o Inmetro por meio da Dimci, obteve os Certificados de Aprovação do


Sistema da Qualidade pelo QSTF das áreas de Laboratório de Acústica e
Vibrações, de Eletricidade e Magnetismo; de Massa e Grandeza correlacionada;
de Química e de Dimensional e Interferometria.

O Inmetro figura pela terceira vez consecutiva na lista das marcas


com melhor desempenho do País, na publicação da Superbrands
– 2009. O Institudo é a única entidade da administração indireta
entre as 25 premiadas.

Prêmio PQGF 2007, de sete autarquias que submeteram seus relatórios à


Gerência do Programa da Qualidade do Governo Federal, o Inmetro foi a única
premiada. O Instituto ganhou a premiação prata - na categoria Autarquia e
Fundação.

81
GLOSSÁRIO Dicom – Divisão de Comunicação Social
Dicor – Divisão de Acreditação de Organismos de
AAdm – Alta Administração Certificação
AAQG – Americas Aerospace Quality Group Dicus – Divisão de Custos
ABDI – Associação Brasileira de Desenvolvimento Digeq – Divisão de Gestão da Qualidade
Industrial Dimat – Divisão de Materiais
AC – Avaliação da Conformidade Dimci – Diretoria de Metrologia Científica e Industrial
Acre – Acreditação de Organismos de Avaliação da Dimel – Diretoria de Metrologia Legal
Conformidade Dinam – Divisão de Metrologia em Dinâmica de Fluidos
ACSI – American Custumer Satisfation Index Dipac – Divisão de Programa de Avaliação da
AD – Administrador Conformidade
ANSI – North American Standard Institution Diplad – Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento
ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres Diplo – Divisão de Planejamento Orçamentário
Asmetro – Associação dos Servidores do Inmetro Diraf – Diretoria de Administração e Finanças
ASO – Atestado de Saúde Ocupacional Ditec – Diretoria de Inovação e Tecnologia
Aspar – Assessoria Parlamentar Divec – Divisão de Fiscalização e Verificação da
Aspre – Assessoria da Presidência Conformidade
ATM – Apreciação Técnica de Modelo Divit – Divisão de Informação Tecnológica
Audin – Auditoria Interna Divop – Divisão de Operacionalização de Recursos
BIPM – Bureau International des Poids et Mesures Humanos
BNM – Bureau National de Métrologie DOC – Documento
Bracelpa – Associação Brasileira de Celulose e Papel DOQ – Documento da Qualidade
CAA – Comitê de Acompanhamento e Avaliação do Dqual – Diretoria da Qualidade
Contrato de Gestão Dquim – Divisão de Química
Caint – Coordenação Geral de Articulação Internacional EA – European Cooperation for Accreditation
Casco – Committee of Certification Assessment EAD – Programa de Educação à Distância
CAUC – Cadastro Único de Convênios ENLAB – Encontro Nacional de Laboratórios
CBAC – Comitê Brasileiro de Avaliação da Conformidade Enoac – Encontro Nacional de Organismos de Aplicação
CBM – Comitê Brasileiro de Metrologia da Conformidade
CBN – Comitê Brasileiro de Normalização ENOR – Encontro Nacional de Organismos Acreditados
CBCA – Comitê Brasileiro do Codex Alimentarius EPTIS – European Proficiency Testing Information System
CCN – Catálogo Coletivo Nacional de Publicações Europgap – European Retailers Working Group – Good
Seriadas Agricultural Practices
CDN – Companhia da Notícia EVT – Educação Visual Tecnológica
CEI – Comitê de Ética do Inmetro FAPERJ - Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do
Cenam – Centro Nacional de Metrologia (Mexico) Rio de Janeiro
Cenapep – Centro Nacional de Metrologia de Panamá FHI – Fritz Haber Institut der Max Planck Gesellschaft
Cerflor – Programa Nacional de Certificação Florestal (Germany)
CF – Constituição Federal FOR - Formulário
Cgcre – Coordenação-Geral de Acreditação Forschungszentrum Jülich – Centro de Pesquisas e
CGTI – Centro de Gestão de Tecnologia e Inovação Investigação Interdisciplinar (Germany)
CIE – International Commission on Ilumination Gabin - Gabinete
CIML – Conference International de Métrologie Légale GF – Governo Federal
CIPM – Conference International des Poids et Mesures GM – Garantia Metrológica
Codex Alimentarius – Organismo da ONU para a qualidade GRU – Guia de Recolhimento da União
de alimentos GT – Grupo de Trabalho
Codrh – Coordenação-Geral de Desenvolvimento de HSK – Hospital Sarah Kubitschek
Recursos Humanos IAAC –Interamerican Accreditation Cooperation
Comut – Programa de Comutação Bibliográfica IAF – International Accreditation Forum
Conarq – Conselho Nacional de Arquivo Ibmetro – Instituto Boliviano de Metrologia
Confin – Sistema Consolidador Financeiro IEC – International Electrotechnical Commission
Copel – Comissão Permanente de Licitação Ilac – International Laboratory Accreditation Cooperation
Corde – Coordenadoria Nacional para a Integração de IM – Instrumento(s) de Medição
Pessoas Portadoras de Deficiência IMGC – Instituto de Metrologia Gustavo Colonnetti (Italia)
Cored – Coordenação-Geral da RBMLQ-I IN – Instrução Normativa
CPSC – Consumer Product Safety Commission Indecopi – Instituto Nacional de Defensa de la
Ctinf – Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação Competencia y de La Protección de la Propiedad
Dapso – Divisão de Administração de Pessoas e Saúde Intelectual (Peru)
Ocupacional IPEM – Instituto de Pesos e Medidas
DAS – Departamento de Automação e Sistemas Inti – Instituto Nacional de Tecnologia Industrial (Argentina)
DAT – Fita de back up (digital audio tape) 4 Gb IPICyT – Instituto Potosino de Investigación Científica y
DBA – Administradores do Banco de Rede Tecnológica (Mexico)
DGN – Dirección General de Normas (Mexico) IUMRS – International Union of Materials Research
Diape – Divisão de Articulação Externa e Desenvolvimento Societies
de Projetos Especiais Jica – Japan International Cooperation Agency
Dicla – Divisão de Acreditação de Laboratórios KCDB – Key Comparison Data Base
82
Lacomet – Laboratorio Costarricense de Metrologia PITT – Propriedade Intelectual e Transferência de
Lafor – Laboratório de Força Tecnologia
Lafot – Laboratório de Fotometria Planest – Sistema de Planejamento Estratégico do Inmetro
Laint – Laboratório de Interferometria PNQ - Premio Nacional da Qualidade
Lamas – Laboratório de Metrologia e Massas PTB – Physikalisch Technische Bundesanstalt
Lamat – Laboratório de Materiais QGOG – Queiroz Galvão Óleo e Gás
Lapen – Laboratório de Potência e Energia RAC – Regulamento de Avaliação da Conformidade
Larad – Laboratório de Radiometria RBC – Rede Brasileira de Calibração
Lares – Laboratório de Resistência Elétrica RBLE – Rede Brasileira de Laboratórios de Ensaio
Latce – Laboratório de Tensão e Corrente Elétrica RBMLQ-I – Rede Bras. Metrol. Legal e Qual. - Inmetro
Latec – Laboratório de Telecomunicações Rhae – Programa de Recursos Humanos para Atividades
Later – Laboratório de Termometria Estratégicas (MCT)
Lattes - Sistema de Currículos de Pesquisadores no Brasil, RPI – Requisitos das Partes Interessadas
do CNPq. RTM – Regulamento Técnico Metrológico
Latu – Laboratorio Tecnologico de Uruguay RTQ – Regulamento Técnico da Qualidade
Lavib – Laboratório de Vibrações Samci – Seção de Apoio Operacional em Metrologia
LNC – Levantamento de Necessidades de Capacitação Científica e Industrial
LNCC – Laboratório Nacional de Computação Científica Samel – Seção de Apoio Operacional em Metrologia Legal
LNE – Laboratoire National de Métrologie et d’Essais SAPP - Sistema de Administração de Portais Públicos
(France) SBM – Sociedade Brasileira de Metrologia
LNM – Laboratório Nacional de Metrologia SCC – Standards Council of Canada
MPE – Micro e Pequenas Empresas SDA – Secretaria de Defesa Agropecuária (Mapa)
MQ/UO – Manual da Qualidade da UO Seapo – Seção de Apoio Operacional em Avaliação da
MQ/UP – Manual da Qualidade da UP Conformidade
MQI – Manual da Qualidade do Inmetro Secre – Seção de Apoio à Acreditação
MRC – Material de Referência Certificado SEDH-PR – Secretaria Especial dos Direitos Humanos da
Nafta – Tratado Norte-Americano de Livre Comércio Presidência da República
NCSL – National Conference of Standards Laboratories SEEDUC – Secretaria de Estado de Educação do Rio de
NIE – Norma Inmetro Específica Janeiro
NIG – Norma Inmetro Geral Seimp – Setor de Importação
Nist – National Institute of Standards and Technology Seipac – Sistema de Elaboração e Implementação de
NIT – Norma Inmetro Técnica Programas de Avaliação da Conformidade
NMIJ – National Metrology Institute of Japan Semco - Serviço de Material e Compras
NPL – National Physical Laboratory (UK) Sesao – Serviço de Saúde e Segurança Ocupacional
NPLI – National Physical Laboratory of India Setec - Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica
NRC – National Research Council (Canada) Sextante Brasil – Publicações de Referenciais
NRLM – National Research Laboratory of Metrology Comparativos
(Japan) SGQI – Sistema de Gestão da Qualidade do Inmetro
Nualx – Núcleo de Almoxarifado SGT-3 – Subgrupo de Trabalho 3 – Normalização Técnica
Nugam – Núcleo de Gestão Ambiental (Mercosul)
OAC/LAB – Organismo de AC / Laboratório SI – Sistema internacional de Unidades
OC – Organismo de Certificação Acreditado Sicap – Sistema de Acompanhamento e Controle de
ODA – Overseas Development Administration Projetos
OI – Organismo de Inspeção Acreditado Sidoq – Sistema de Documentação da Qualidade
OIML – Organisation Internacional de Metrologie Légale Sigec – Sistema de Gestão de Contratos
OMC – Organização Mundial do Comércio Siplan – Sistema de Planejamento Orçamentário
ONU/GHS – Globally Harmonized System (de classificação Sirep – Sistema de Registro de Preços (GF)
e rotulagem de produtos químicos) Sisg – Sistema de Serviços Gerais
Ouvid - Ouvidoria Sitad – Sistema de Tramitação de Documentos
PAT – Programa Anual de Treinamento SOF – Secretaria do Orçamento Federal
PBAC – Programa Brasileiro de Avaliação da SSMA - Saúde, Segurança e Meio Ambiente
Conformidade STN – Secretaria do Tesouro Nacional
PCCI – Plano de Carreiras e Cargos do Inmetro Suframa – Superintendência da Zona Franca de Manaus
PDTI – Programa de Desenvolvimento Tecnológico TBT – Technical Barriers to Trade
Industrial UFF – Universidade Federal Fluminense
PEFC – Program for the Endorsement of Forest Ukas – United Kingdom Accreditation Service
Certification Welmec – European Cooperation in Legal Metrology

83
EQUIPES DE TRABALHO
Equipe de Redação
Adauto de Oliveira Barros Neto
Andrea Vieira Soares
Arcadio de Paula Fernandez
Arnaldo Pereira Ribeiro
Cristiany Ferreira de Araújo
Eliana Maria Palhares da Cunha
Gilberto de Menezes Schittini
Haidê Almeida Silveira Las Heras
João Batista Pinto Lourenço
Liliane Soares Jordano
Lucas Santos Heler
Márcio Ribeiro Paiva
Marcos da Silva Trajano
Rafael Szmit
Raimundo Alves de Rezende
Raul Machareth Godinho
Renata Jorge Almeida
Roberto Luiz de Lima Guimarães
Rômulo César Eller
Silvio Francisco dos Santos
Simone Loureiro
Tatiana Ruback Cascardo
Equipe de Revisão
Adauto de Oliveira Barros Neto
Arcadio de Paula Fernandez
Arnaldo Pereira Ribeiro
João Batista de Pinto Lourenço
Raimundo Alves de Rezende
Roberto Luiz de Lima Guimarães
Silvio Francisco dos Santos
Simone Loureiro
Equipe de Diagramação
Aldemir Aquino de Andrade
Denise de Fátima Gomes de Araujo
Silvia Regina Nepomuceno Salandra
Arte
Ana Claudia Andrade
Apoio
Emerson Santos
Fernanda Karine Ruiz Colenghi Baptista
Luis Alberto de Carvalho Caldas
Marcel Luiz Esperança de Oliveira
Ralyanny Braz Guerra
Teresinha Jacomossi Algarte
Wagner Fernandes Fabelo

84