Anda di halaman 1dari 6

Microbiologia II

QUESTIONÁRIO - MICOLOGIA CLÍNICA - ACL 5104

1. Defina fungos e descreva sua classificação sistemática geral. Citar as principais


características dos fungos. Porque se diz que os fungos são seres eucarióticos?
Os fungos são seres vivos com características bastante específicas classicados dentro do
reino Fungi. São seres bastante característicos por apresentarem. Se diz que os fungos
são eucarióticos por apresentarem em todas suas células núcleo com membrana nuclear.
2. O que você entende por ergosterol? Qual a importância dessa substância na
Micologia Médica?
O ergosterol é um esteróide... A importância do Ergosterol substância na Micologia
Médica se deve ao fato de que algumas drogas antifúngicas, por exemplo, os derivado
imidazólicos e os triazólicos, tem como mecanismo de ação interferir na sistese desse
lípideo de membrana
3. Dentro da arquitetura do fungo encontramos a parede celular fúngica. Qual é a sua
composição química e quais são as suas possíveis funções biológicas?
A parede celular fúngica é formada de maneira geral por polissacarídeos denominados
glucanas, mananas e galactanas e, em menor quantidade, por lipídeos, proteínas e
quitina. As glucanas são polímeros
4. Cite os elementos facultativos que podemos encontrar nos fungos.
Temos como elementos facultativos Cápsulas, Hastórios e Rizóides. As Cápsulas são
muito raras, estando presentes em Cryptococcus menigococico, é um envoltório
externos a parede celular tendo função de aderência, antifagocitária e é sede de
antígenos. Os hastórios e o rizóides são prolongamentos que a célula emite, lembrando
raízes, exercem funções de sustentação e de absorção de nutrientes. A diferença básica
entre rizóides e hastórios é que os primeiros são produzidos por fungos em fase
facultativa e os últimos em faze parasitária.
5. Por que o Clorafenicol que é uma antibacteriano de amplo espectro é totalmente
ineficaz como antifúngico?
Por que o clorafenicol tem como mecanismo de ação se ligar ao sítio dos ribossomos
70S de procariontes interferindo na síntese proteica. Como os ribossomos dos
6. Qual a finalidade da reprodução sexuada e assexuada entre os fungos e cite exemplos
de estruturas morfológicas que tem origem nas mesmas.
Alguns fungos apresentam fase sexuada, podendo ser chamada de fase teleomórfica ou
perfeita, esse tipo de reprodução tem a importância de contribuir para a recombinação
genética, contribuindo para a variabilidade da espécie. A fase assexuada, também
chamada de anamórfica ou imperfeita contribui para a disseminação da espécie.
7. O que se entende por fatores de crescimento?
São substâncias que os seres vivos necessitam para sobreviver, mas não tem a
capacidade de sintetizar
8. Que necessidades nutricionais um fungo apresenta? Eles são capazes de realizar a
fotossíntese? Justifique.
Os fungos não tem a capacidade de realizar fotossíntese, característica que os
diferenciam dos vegetais. Por esse motivo, os fungos tem necessidade de absorverem
matéria orgânica, sendo obrigados a viver de forma saprofítica, parasitária ou
simbiótica. Suas principais necessidades nutricionais são de
carboidratos(preferencialmente simples), substâncias nitrogenadas inorgânicas,
orgânicas, sais minerais e em menor quantidade oligoelementos como ferro, zinco,
manganês, cobre, etc.
9. Cite exemplos que mostrem a importância médica dos fungos? Por outro lado, os
fungos também podem ser úteis ao homem? Justifique.

10. O que você entende por micetismo e micotoxicidade?


Micotoxidade é a característica de alguns bolores microscópicos de sintetizarem
micotoxinas(metabólitos tóxicos) capazes de causarem quadros micotoxicológicos
(micotoxicoses). Quando o envenenamento ou intoxicação é causada por fungos
macroscópicos, os cogumelos, o quadro é chamado de micetismo.
11. O que é agar Sabouraud? Qual é a sua composição? Existem variações na fórmula
deste meio. Quais são e qual é a sua finalidade?
O meio ágar Sabouraud dextrose é o meio mais empregado para o isolamento dos
fungos. É um meio de pH ácido(5,8) e com alto teor de glicose. As variações da forma
variam de acordo com a finalidade, por exemplo, o cloranfenicol é adicionado em casos
onde se deseja inibir o crescimento de bactérias. Quando se deseja inibir o crescimento
de fungos não-patogênicos costuma-se incorporar ciclo-heximida.
12. Diferencie fungos psicrófilos, mesófilos, e termófilos. Em qual destas categorias se
enquadram os fungos patogênicos?

13. Que cuidados são necessários e como se procede a uma correta coleta de unha e
lesões superficiais de pele.
14. Porque dizemos que os fungos patogênicos podem, em sua maioria, ter um ciclo de
vida parasitário e um ciclo de vida saprofítico?
15. As morfologias que os fungos patogênicos apresentam no ciclo de vida parasitário e
saprofítico são iguais? Justifique com exemplos.
16. Defina: micélio, colônia, hifas, blastoconídios, pseudo-hifas, artroconídios,
endothrix, ectothrix, cápsula, conídios, conidióforo.
17. Quais são os critérios levados em consideração na identificação morfológica de um
fungo? O que é macro e micro morfologia de uma colônia?
18. Alguns fungos patogênicos podem apresentar dimorfismo e pleomorfismo em seus
ciclos biológicos. Defina e exemplifique estes fenômenos.
19. Como acontece a instalação de um processo patogênico por dermatófito no estrato
córneo e estruturas queratinizadas?
20. Que fatores do hospedeiro contribuem para a resistência às micoses?
21. Que fatores associados aos fungos favorecem sua instalação e desenvolvimento no
organismo?
22. O que são dermatofitoses? Como estas micoses são também conhecidas?
23. Quais são os principais gêneros e espécies de dermatófitos de importância no Brasil.
24. Por que os dermatófitos são classificados em antropofílicos, geofílicos e zoofílicos.
Dê exemplos de cada um.
25. Os animais podem transmitir dermatofitoses ao homem? Justifique com exemplos.
26. O que é queratinase e qual a sua importância biológica para os dermatófitos.
27. A queratinase é considerada um fator de virulência fúngica para o hospedeiro?
Justifique.
28. Que regiões anatômicas de nosso corpo podem ser afetadas pelas dermatofitoses?
29. Defina tinha tonsurante, tinha fávica, pé-de-atleta, onicomicose.
30. O que é lâmpada de Wood e qual a sua importância no diagnóstico clínico da tinha
tonsurante?
31. Porque é necessário realizar o processo de clarificação de raspados de pele, pelos e
unhas antes de se fazer o exame microscópico destes materiais? Que solução química é
utilizada para este fim?
32. Como se emite o resultado de um exame micológico direto em exame que não tenha
a presença de fungos no material.
33. O que é mosaico fúngico? Como se emite o resultado neste caso?
34. A identificação de uma espécie de dermatófito pode ser feita exclusivamente com o
exame micológico direto?Justifique.
35. Qual e a função do lacto-fenol-azul algodão na rotina micológica?
36. Qual é a importância da prova de urease e da perfuração de pelo " in vitro" na
identificação dos dermatófitos?
37. Porque se diz que na Pityriasis versicolor as lesões são discrômicas?
38. Porque se o pigmento melânico da pele afetada diminui na Pityriasis versicolor?
39. O que é o sinal de Besnier e sinal de Zileri?
40. A lâmpada de Wood é importante no diagnóstico clínico da pityriasis versicolor?
Justifique
41. A que gênero pertence às espécies causadoras de pityriasis versicolor. Porque
dizemos que todas são lipofílicas e a maioria é lipodependente?
42. Muitos autores referem-se a Malassezia como sendo um fungo pertencente à biota
normal da pele. Como então este fungo pode causar doenças como a Pityriasis
versicolor? Existem fatores predisponentes? Quais?
43. Defina malassesioze, dermatite seborreíca, foliculite pitirospórica e sua relação com
Malassezia sp.
44. Qual(is) é (são) o(s) procedimento(s) para o diagnóstico laboratorial da pityriasis
versicolor? É fácil cultivar este fungo? É necessário acrescentar algum componente ao
meio? Qual?
45. Qual é a utilidade da tinta Parker para a identificação de Malassezia sp?
46. Qual é a composição do meio de Dixon e qual é a sua finalidade?
47. Como se apresenta a morfologia parasitária do agente causal na Pityriasis
versicolor?Como se expressa o resultado que vai ser encaminhado ao médico?
48. O que é eritrasma e qual é o seu agente causal? Este pode ser cultivado nos meios
usais para fungos patogênicos? Justifique.
49. Que manifestações clínicas são mais freqüentes no eritrasma?
50. Porque a tinha negra tem este nome? Onde as lesões se localizam com maior
freqüência? Quais são as características epidemiológicas desta micose?
51. Porque as hifas de Exophiala werneckii apresentam-se frequentemente de cor
marrom no exame microscópico direto?
52. Por que se diz que Exophiala werneckii é um fungo demácio?
53. Quais são os agentes etiológicos da piedra branca, piedra negra e tricomicose
nodular axilar?
54. Porque não se deve utilizar o agar Sabouraud seletivo para o cultivo de
Trichosporon sp?
55. É possível diagnosticar piedra negra exclusivamente no exame microcópico direto?
Justifique.
56. O que são ascos e ascósporos e qual a sua relação com piedra negra?
57. Com relação as leveduroses diferencie colonização e infecção.
58. Quais são as espécies do gênero Candida mais importantes do ponto de vista
médico?
59. Diz-se que espécies do gênero Candida são consideradas freqüentes comensais do
organismo humano, animais e meio ambiente. Porque então eles podem causar doenças?
60. O que é um organismo oportunista? Que fatores podem predispor o organismo as
candidíases?
61. Existem fatores de virulência associados às espécies deste gênero? Justifique.
62. Quais são as manifestações clínicas mais comuns na candidíase?
63. Nos últimos anos tem havido um aumento de infecções hospitalares associadas ao
gênero Candida. Quais são as espécies envolvidas e que características clínicas estas
infecções apresentam?
64. Qual é a diferença entre onicomicose causada por Candida e por dermatófito. As
onicomicoses podem ser causadas por outros fungos além destes já citados? Quais?
65. Como se diferencia no laboratório a espécie Candida albicans das outras espécies do
mesmo genêro.
66. Porque o surgimento da nova espécie Candida dubliniensis veio dificultar o
diagnóstico da espécie Candida albicans?
67. O que é o teste de indução de clamidósporo terminal? E indução de tubo
germinativo?
68. Qual é a utilidade (e limitações) do Chromagar no diagnóstico das candidíases? Em
que se fundamenta este meio?
69. Porque que para as espécies de Candida não albicans é necessário a utilização de
provas de assimilação e fermentação? Como também são conhecidas estas provas e qual
é o seu fundamento?
70. Quais são os Kits de mercado mais utilizados para o diagnóstico bioquímico das
espécies de Candida?
71. O que são lesões gomosas, comuns na esporotricose?
72. Que situações favorecem a transmissão deste patógeno ao ser humano? Há
profissões de maior risco? A esporotricose pode ser de transmissão zoonótica?
Justifique.
73. O que é o "corpo asteróide", observado em alguns casos de esporotricose?
74. O que caracteriza a forma linfocutânea da esporotricose? Existem outras formas
clínicas desta micose? Quais?
75. Porque se diz que o Sporothrix schenckii é um fungo dimórfico?
76. Porque se diz que na micromorfologia de vida saprofítica o S. schenckii apresenta a
forma de "margarida" ?
77. Diz-se que a cromomicose é causada por fungos demácios? Como os definimos e
quais os agentes etiológicos desta micose?
78. Quais são as características epidemiológicas da cromomicose?
79. Que tipos de lesões são observados na cromomicose?
80. O que são corpos escleróticos? Onde são encontrados? Quais são os seus
sinônimos?
81. Quais são os tipos de conidióforos observados na micromorfologia dos agentes
etiológicos da cromomicose?
82. O que caracteriza as lesões de um micetoma?
83. O que são os "grãos", encontrados nas lesões de micetomas?
84. Qual é a diferença entre actinomicetomas e eumicetomas?
85. Quais são os mecanismos de transmissão de um micetoma?
86. Como evoluem clinicamente os micetomas? Que intervenções podem ou devem ser
feitas para a obtenção da cura desta patologia?
87. Qual é a diferença entre actinomicetoma endógeno e actinomicetoma exógeno?
88. Como se faz o diagnóstico laboratorial de um micetoma? Que meios são utilizados
para o cultivo dos seus agentes etiológicos?
89. O que é e onde é observado o fenômeno de Splendore-Hoeplli.
90. Que órgãos anatômicos são mais afetados na infecção pelo Cryptococcus
neoformans?
91. Que variedades e sorotipos existem para o Cryptococcus neoformans?
92. Quais são as características epidemiológicas de cada variedade? Existem
reservatórios? Justifique.
93. Qual é a relação existente entre Fillobasidiella neoformans e Cryptococcus
neoformans?
94. Como se apresenta a criptococose disseminada em pacientes com AIDS?
95. Qual é a utilidade do uso da tinta da china no diagnóstico da criptococose?
96. E do teste de aglutinação de látex? Qual a sua vantagem e desvantagem em relação
ao uso da tinta da china?
97. O teste de urease permite diferenciar o gênero Cryptococcus de outro gênero de
levedura? Isto tem importância do ponto de vista clínico? Justifique.
98. Em que se baseia o meio contendo derivados fenólicos (como dopa) para o cultivo
de C. neoformans? Ele permite a diferenciação entre as variedades neoformans e gatti?
Este meio é realmente necessário para o diagnóstico laboratorial da criptococose?
Justifique.
99. Qual é a função do meio CGB (canavaniva-glicina-bromotimol) para Cryptococcus
neoformans?
100. Defina paracoccidioidomicose.
101. Qual é a distribuição geográfica da paracoccidioidomicose? Os dois sexos são
igualmente afetados nesta micose? Justifique.
102. Como se apresentam as lesões na paracoccidioidomicose? Que sítios anatômicos
são afetados?
103. Qual é a morfologia de vida parasitária do Paracoccidioides brasilieinsis? Porque
este fungo é chamado dimórfico.
104. É possível se fazer o diagnóstico imunológico da paracoccidioidomicose?
Justifique.
# Porque se diz que o Histoplasma capsulatum tem afinidade pelo sistema fagocitário-
mononuclear?
# Que variedades existem para o H. capsulatum?
# Qual a relação entre cavernas, galinheiros e histoplasmose?
# Existem diferenças entre as características clínicas da histoplasmose em pacientes
imunodeficientes (AIDS) e pacientes imunocompetentes?
# Quais são os quadros sintomáticos na histoplasmose pulmonar de pacientes
imunocompetente?
# Diz-se que o Histoplasma capsulatum apresenta a fase filamentosa e a fase
leveduriforme. Qual delas é mais útil no seu diagnóstico e como se chamam os conídios
que permitem esta identificação deste fungo?
# Qual é a utilidade do teste de intradermoreação com histoplasmina?
# O que são micoses oportunistas? E micoses emergentes?
# O que são fungos anemófilos e qual é a sua relação com micoses oportunistas e
emergentes?
# Que condições podem estar associadas a maior susceptibilidade aos fungos
oportunistas?
# O que são zigomicoses e zigomicetos? Existe diferença entre zigomicose e
mucormicose ? Justifique.
# O que é zigomicose rinocerebral? Porque a muitos pacientes evoluem para o óbito
nesta forma clínica?
# O que é bola fúngica ou aspergiloma? Que sítio anatômico é mais afetado?
# Que espécies de fungos estão associados à bola fúngica ou aspergiloma? Porque não é
considerada uma verdadeira infecção?
# E com relação a aspergilose invasiva, porque ocorre a formação de trombos
hemorrágicos nas lesões?
# O gênero Aspergillus pode induzir reações alérgicas e de hipersensibilidade? Como é
chamado este processo clínico e porque ocorre?
# O que são oculomicoses e quais os agentes etiológicos mais frequentes?
# O que é fusariose e qual é o seu agente etiológico?
# E com relação à pesquisa de fungos anemófilos? Como é realizado?
# O que é a chamada síndrome do "Edifício doente" e qual a sua relação com os fungos
anemófilos?
Qual o mecanismo de ação da Caspofungina?
A caspofungina atua na parede celular, inibindo a síntese de beta(1,3)-D-glucana,
provocando uma desintegração da parede celular, levando a instabilidade osmótica e a
lise celular.
Quais as drogas antifúngicas que atuam na membrana celular? Explique seus
mecanismos de ação.
Sào drogas que atuam