Anda di halaman 1dari 12

27/08/2007

INCISÕES CIRÚRGICAS

Porque procedimento
cirúrgico deve ser
MINIMAMENTE
TRAUMÁTICO?

PROF: EDUARDO DIAS Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

CUIDADOS ESSENCIAIS NA CONFECÇÃO CUIDADOS ESSENCIAIS NA CONFECÇÃO


DO RETALHO DO RETALHO
¾ A extremidade de um retalho
nunca pode ser maior que a
¾ Prevenção da necrose do retalho
base. os retalhos devem ter
¾ Prevenção da deiscência do retalho lados paralelos entre si, ou
preferivelmente convergentes
¾ Prevenção da dilaceração do retalho da base em direção à
¾ Manipulação dos tecidos / traçado extremidade.
geométrico ¾ A extensão de um retalho não
deve ser maior que duas vezes
¾ Debridamento a largura da base.
¾ Osteotomia
SUPRIMENTO SANGUÍNEO
Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

CUIDADOS ESSENCIAIS NA CONFECÇÃO Fatores locais que afetam a


DO RETALHO
cicatrização
¾ Quando possível , preservar o
suprimento sanguíneo da base ¾ Corpos estranhos
do retalho.
¾ Tecidos necróticos
¾ A base do retalho não deve ser
excessivamente manipulada, ¾ Isquemia
torcida, ou distendida, pois
essas manobras podem ¾ Tensão da ferida
comprometer a irrigação devido
ao rompimento dos vasos
sanguíneos.

CUIDADO COM O AFASTADOR ! ! ! Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

1
27/08/2007

Comparação entre os Retalhos de


Infecção pós -operatória Espessura total e Parcial

¾ Trauma excessivos TOTAL PARCIAL


¾ Técnicas reconstrutivas,, devido à
¾ É um retalho
t lh ¾ É um retalho mucoso
diminuição da vascularização
mucoperiostal
¾ Higienização deficiente ¾ Indicado em cirurgias
¾ Indicado para acesso mucogengivais
ao osso

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Comparação entre os Retalhos de Comparação entre os Retalhos de


Espessura total e Parcial Espessura total e Parcial
TOTAL PARCIAL
TOTAL PARCIAL
¾ Cicatrização 1ª ¾ Cicatrização 2ª ¾ Possível tratamento do ¾ Difícil tratamento do
intenção intenção defeito ósseo defeito ósseo
¾ Técnica relativamente ¾ Técnica difícil ¾ Possível eliminação ou ¾ Possível eliminação ou
fácil ¾ Suprimento sanguíneo redução da bolsa redução da bolsa
¾ Suprimento sanguíneo p/ os retalhos é periodontal periodontal
p/ os retalhos é diminuído
¾ Impossível usar em ¾ Possível usar em
suficiente ¾ Maior sangramento cirurgia mucogengival cirurgia mucogengival
¾ Menor sangramento ¾ Severo inchaço pós ¾ Menor desconforto ou ¾ Bastante desconforto
¾ Menor inchaço pós operatório
dor pós - operatória ou dor pós - operatória
operatório
Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

RETALHOS MUCOPERIOSTAIS
IMPORTANTE
Essa separação deve assegurar:
A realização de um retalho
1. Suprimento sanguíneo
mucoperiostal
p ((total)) consiste
2. Boa visibilidade do campo
em levantar a mucosa junto operatório
com o periósteo, separando-os
3. Recobrimento total dos implantes
da superfície óssea.
4. Não causar danos as superfícies
anatômicas adjacentes.
Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

2
27/08/2007

A maneira mais apropriada para tomar


BISTURI o bisturi é em “pena de escrever”

• Inclinado 45º em
relação ao plano
gengival = melhor
cicatrização
• Incisão biselada

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Retalho Trapezoidal
¾ É uma forma de retalho universal para criar
LÂMINAS DE BISTURI acesso vestibular ao processo alveolar.
Geralmente usado em implantodontia para
visualização da parede óssea vestibular na
maxila e em cirurgias avançadas de
enxertos ósseos.
ósseos

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Retalho Trapezoidal

Vantagens - visualização total do processo


alveolar, o reposicionamento seguro e
reparação livre de cicatriz.

Desvantagens - havendo dentes adjacentes


com bolsas periodontais e recessões
gengivais, estas podem ficar mais profundas e
evidentes.

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

3
27/08/2007

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

4
27/08/2007

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr,Dr. Eduardo


Fred Dias
M Freire

Dr,Dr. Eduardo
Fred Dias
M Freire Dr, FredDr.
MEduardo
Freire Dias

5
27/08/2007

Dr, FredDr.
MEduardo
Freire Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

6
27/08/2007

Cranin et al.,
1998

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

7
27/08/2007

INCISÕES
PARA
ENXERTOS

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

CORPO E RAMO CORPO E RAMO


ACESSO CIRÚRGICO

INCISÃO

• Relaxante de 3 a 4 mm iniciada na região retro molar dirigido para vest.


• Extensão anterior até segundo molar ao longo da linha obliqua Souza Pinto, Miyagusko & Violin
• Angulação de 90 graus e prossegue até LMG do segundo pré-molar
(MISCH, 2000)

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

CORPO E RAMO
ACESSO CIRÚRGICO

Souza Pinto, Miyagusko & Violin

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

8
27/08/2007

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

9
27/08/2007

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

10
27/08/2007

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

SÍNFISE – ACESSO CIRÚRGICO

Souza Pinto, Miyagusko & Violin

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Incisão vestibular arqueada

A incisão no vestíbulo é
em forma
f de
d
semicírculo estendendo
lateralmente

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

11
27/08/2007

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

Dr. Eduardo Dias Dr. Eduardo Dias

12