Anda di halaman 1dari 7

Pauta para Sindifort Informa 96

– Retrospectiva (campanha salarial, Conclat, Conselhos do IPM, Alfabetizar, Dia do Servidor


– AMC, Emlurb (reajuste), Samu – Destaques do Jurídico
– Dia do Servidor
– Curtas (Migração, Agentes, Coral, cartilha)
– Editorial com mensagem de boas festas
– Jurídico (liminar aposentados, Facility e processos relevantes – quadro de atendimento)
SINDIFORT MIGRA PARA SOFTWARE LIVRE

O Sindifort concluiu recentemente uma migração para software livre. Isto significa que o Sindicato
está deixando de usar sistemas antigos e passando a usar softwares novos e livres. Essa mudança
mostra mais uma vez o compromisso da atual diretoria com o patrimônio da entidade e a
preocupação em manter o Sindifort atualizado tecnologicamente.
Conforme a Wikipedia (enciclopédia online), software livre “é qualquer programa de computador
que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído sem restrições.” O software livre se baseia em
4 liberdades:
A liberdade para executar o programa, para qualquer propósito (liberdade n.º 0);
A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades (liberdade
n.º 1). Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade;
A liberdade de redistribuir, inclusive vender, cópias de modo que você possa ajudar ao seu próximo
(liberdade n.º 2);
A liberdade de modificar o programa, e liberar estas modificações, de modo que toda a comunidade
se beneficie (liberdade n.º 3). Acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade;
Em vez do sistema operacional Windows e do Microsoft Office, ambos proprietários e pagos, o
Sindifort passa a usar quase que exclusivamente o Sistema operacional Linux (distribuição Ubuntu)
e o BR Office, ambos softwares livres e gratuitos. Algumas das vantagens da migração são a
redução de custos, fim dos problemas com vírus e similares e maior segurança. O Sindicato segue a
tendência de várias, instituições, empresas e órgãos públicos que buscam alternativas ao software
proprietário.
Durante o processo de migração, o Sindicato realizou treinamento com funcionários, diretores e
assessores. No treinamento, o 1o vice-presidente do Sindifort, Eriston Ferreira, afirmou que “esta é
uma oportunidade para todos aprenderem mais e enriquecerem o currículo, visto que o software
livre hoje é usado por governos, empresas e tem sempre questões sobre isso em concursos”. Já
Katiana Silva, funcionária do Departamento Jurídico, afirma que a migração não atrapalhou suas
atividades e que está achando o Linux ótimo, embora ainda sinta necessidade de uma maior
adaptação.
Para a presidente do Sindifort e integrante da Intersindical, Nascélia Silva, o uso do software livre é
bom não só do ponto de vista econômico, mas também ambiental e político. Com base nas
discussões realizadas, ela percebeu que computadores mais antigos que não poderiam ser usados
com as últimas versões do Windows e seriam descartados, encontram alternativa de uso no Linux.
Além disso, o software livre é baseado no princípio da liberdade de conhecimento e do
desenvolvimento colaborativo. “No mundo hoje, precisamos de menos competição e mais
colaboração, mais solidariedade e mais liberdade.”
Para saber mais sobre Linux e software livre, acesse http://pt.wikipedia.org/wiki/Software_livre
Editorial

O ano de 2010 está terminando. Tivemos vitórias importantes como reajuste salarial, eleição de
representantes dos servidores para os Conselhos Administrativo e Fiscal do IPM, implantação do
Projeto Alfabetizar, participação do Sindifort no Congresso da Classe Trabalhadora (Conclat) e em
várias atividades da Intersindical, avanços nos processos de isonomia Salarial (como de número
0120480-16.2010.8.06.0001 – 3a Vara, que o juiz já decretou a implantação em folha) e várias
outras conquistas.
Dia de 28 de outubro, reunimos a categoria na Praça do Ferreira e comemoramos junto com a
população o Dia do Servidor Público, relembrando lutas e reafirmando a necessidade de
avançarmos firmes rumo a conquistas de nossos direitos e a uma sociedade mais justa, sem
exploração ou opressão. Na ocasião fizemos o lançamento da cartilha “Direitos e Deveres dos
Servidores e Empregados Públicos Municipais
Durante o ano vimos o Brasil e o Ceará novamente passarem por uma eleição. A direção do
Sindifort mais vez seguindo o Estatuto da entidade, manteve a autonomia, não apoiando nenhum
candidato e com a certeza de que, independente de quem foi eleito, precisaremos continuar lutando
e não deixar o movimento sindical ir a reboque de candidatos e nem de partidos.
Assim, neste momento quando nos preparamos para as confraternizações de fim de ano,
gostaríamos de desejar a todos os servidores e empregados públicos municipais de Fortaleza e a
seus familiares muita paz e tranquilidade e também muita coragem para continuarmos firmes na luta
construindo dia a dia o novo que trazemos dentro de nós e que hoje mais do que nunca é necessário.
Compartilhamos com todos o poema “Receita de Ano Novo”, de Carlos Drummond de Andrade na
certeza de que O Futuro é de Quem Luta e Sonha.
Um abraço e bosas festas
A Direção

Receita de Ano Novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo


cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.
RETROSPECTIVA 2010

CAMPANHA SALARIAL
Diferentemente de outros anos, a Campanha Salarial 2010 começou mais cedo. Como em
2009 não tivemos reajuste, foi preciso antecipar a abertura da Campanha Salarial, lançada
no dia 25 de fevereiro em assembléia geral realizada na Praça Clóvis Beviláqua. De lá, os
servidores seguiram em passeata até o Paço Municipal, entregando a pauta de reivindicações
ao secretário de Administração, Vaumik Ribeiro e seus assessores. Os principais pontos de
pauta foram a reivindicação de reajuste de 23,9% e o cumprimento dos Planos de Cargos,
Carreiras e Salários. O slogan da campanha foi “O Que Nos Devem Queremos Agora –
Promessa Não Paga Dívida”.
Cabe ressaltar que neste ano a Prefeitura manteve uma postura mais aberta nas negociações
com a categoria, ao contrário do último ano, quando mesmo com várias categorias
paralisadas e acampadas na Praça do Ferreira e com servidores em greve de fome, a
administração recusou-se a manter um canal permanente de negociação. Em 2010, ao todo,
foram realizadas sete rodadas de negociação, com a participação das entidades integrantes
do Fórum de Servidores e Empregados Públicos Municipais, coordenado pelo Sindifort, e de
representantes da administração municipal.
Embora a reivindicação salarial não tenha sido atendida em sua plenitude, a Campanha
Salarial terminou com importantes avanços, sendo obtida reposição de 5,47% e várias
conquistas pontuais para os diversos segmentos da categoria.

CONVOCAÇÃO DOS CONCURSADOS DA AMC


Enquanto o trânsito de Fortaleza piora a olhos vistos, mais de duzentos aprovados no
concurso da AMC aguardavam convocação para assumirem cargos de agentes de trânsito.
Diante da questão, o Sindifort tomou várias iniciativas no sentido de denunciar a situação e
exigir a contratação de todos os concursados.
Como parte desta luta, foi realizada uma audiência pública na Câmara de Vereadores no dia
02/03, ocasião em que foi constituída uma comissão de vereadores para acompanhar o caso.
Dias depois, os aprovados no concurso da AMC realizaram nova manifestação na CMF
pedindo a contratação imediata de todos os concursados.
Graças a pressão do Sindifort, cerca de 50 concursados já foram convocados. Entretanto,
trata-se de uma quantidade insuficiente para atender a demanda do trânsito da cidade.
Continuamos na luta pela convocação dos demais concursados aprovados.

DIA DA MULHER
Por ocasião da passagem do Dia da Mulher (8 de Março), o Sindifort lançou o cordel
Espelho de Mulher, em homenagem a todas as mulheres e em particular à grande
quantidade de servidoras da PMF, lembrando que em 2010 o dia internacional de mulher
completou 100 anos, marcando a luta feminina por direitos.

DEFESA DOS SERVIÇOS PÚBLICOS


O Sindifort, junto com outras entidades de servidores (Sintsef, Sinprece, etc) realizaram
campanha de denúncia do PLP 549/09, projeto do governo Lula que se for aprovado
permitirá o congelamento durante 10 anos investimentos nos serviços públicos federal,
estadual e municipal, com o objetivo de ter mais recursos disponíveis para favorecer os
grandes grupos econômicos, prejudicando a população e limitando os gastos com salários,
encargos sociais, reformas e aquisição de equipamentos para escolas, hospitais e outros
prédios públicos.
Segundo o texto do PL 549, a partir de 2010 e até 2019, essas despesas não poderão
ultrapassar o montante gasto no ano anterior, corrigido pela inflação mais 2,5% ou a taxa de
crescimento do PIB (no caso deste ser menor que 2,5%). Segundo estudos, somente o
crescimento vegetativo com aposentadorias e direitos legais conquistados pelos servidores já
comprometeriam essa correção.
Se com os atuais limites impostos pela LRF já está muito difícil a conquista de melhorias
salariais significativas, com o PLP 549 a situação ficará muito pior. Por esse motivo, o
SINDIFORT está apoiando essa luta e convocando os servidores a assumirem mais esta
bandeira em conjunto com as demais entidades de servidores de todo o país.

Na luta por uma central sindical de luta


Com o governo Lula, a maior parte do movimento sindical brasileiro perdeu a autonomia e
assumiu o papel de correia de transmissão das políticas governamentais. Na busca
desenfreada pelo seu quinhão do imposto sindical e outras benesses do poder, aumentou a
fragmentação, com a divisão da CUT e a criação de várias novas centrais que não fazem o
combate conseqüente em defesa das bandeiras dos trabalhadores.
Diante desse quadro, surgiram nos últimos anos vários esforços no sentido de agrupar os
setores combativos e impulsionar a construção de uma nova central unitária, democrática,
combativa e independente dos governos, patrões e partidos políticos. Com esse objetivo, o
Sindifort esteve presente no Conclat (Congresso da Classe Trabalhadora) realizado nos dias
5 e 6 de junho de 2010 na cidade de Santos-SP, junto com outros milhares de militantes
sindicais e de outros movimentos sociais.
Infelizmente, o Conclat não serviu para avançar na unificação. Mas o Sindifort não desistiu
dessa importante tarefa, por esse motivo a maioria de sua diretoria tem apoiado o
fortalecimento da Intersindical, um dos pólos da reorganização do movimento sindical
brasileiro.

SEMINÁRIO PARA ENTENDER E DEFENDER A PREVIDENCIA SOCIAL


Com o fim de debater a situação atual da Previdência Social, o Sindifort realizou no dia
02/09/2010 em seu auditório um importante seminário, denominado “Cenários Econômicos
e Regimes Próprios - Entendendo e Defendendo Nossos Direitos”.
O seminário contou com a presença de dezenas de militantes sindicais, sendo vários
representantes de sindicatos de servidores de municípios do interior do estado. Durante o
seminário foi lançada uma cartilha de autoria da Secretaria Jurídica do Sindifort, explicando
os direitos previdenciários dos servidores, com esclarecimentos para questões como tempo
de contribuição, idade mínima, valor de proventos e outros temas que suscitam dúvidas
entre os servidores. A cartilha pode ser acessada no site do sindicato (www.sindifort.org.br)

PROJETO ALFABETIZAR - APRENDENDO E ENSINANDO UMA NOVA LIÇÃO


De forma pioneira, o Sindifort assumiu a bandeira de garantir a alfabetização dos servidores
e empregados públicos da PMF, lamentavelmente ainda existentes.
Trata-se de outro compromisso cumprindo pela atual diretoria, que com essa iniciativa
mostra para a administração municipal como devem ser tratados esses trabalhadores, cujas
dificuldades para ler e escrever fazem-nos vítimas ainda maiores de um sistema injusto e do
descaso dos governantes para com a educação, sendo impedidas de compartilhar de todo um
maravilhoso mundo de conhecimentos e de uma das mais importantes formas de
comunicação do ser humano: a leitura/escrita.
O projeto teve início com uma fase de pré-cadastramento dos interessados. Em seguida, com
a constituição de duas turmas e a contratação dos alfabetizadores, coordenados pelo
professor Sérgio Néo. As aulas funcionam aos sábados, sendo garantidos aos alunos material
didático (livros, cadernos, lápis etc.), professores, local e estrutura das salas de aula, lanche,
auxílio financeiro para deslocamento e facilidade para aquisição de óculos para quem tem
problemas visuais.

DIA DO SERVIDOR NA PRAÇA


Para comemorar a passagem do dia do servidor público, o Sindifort realizou uma grande
festa na Praça do Ferreira no dia 28/10/2010, com apresentação de show de humor e show
da Banda Explosão da Jovem Guarda.
Além das atrações artísticas e das tradicionais saudações de sindicalistas e convidados, o ato
foi marcado ainda pelo lançamento da Cartilha Direitos e Deveres dos Servidores e
Empregados Públicos Municipais (distribuída em 10 mil exemplares na base da categoria) e
do vídeo comemorativo aos 21 anos de existência do Sindifort.
Ao final, foi sorteada entre os associados presentes um uma motocicleta zero quilômetro,
marca Honda, modelo Fan 125cc.

ELEIÇÃO DOS CONSELHOS DO IPM


Pela primeira vez os servidores segurados puderam escolher seus representantes para os
Conselhos de Administração e Fiscal do Instituto de Previdência do Município (IPM).
A participação dos servidores nos conselhos tornou-se obrigatória a partir de 1998, com a
Emenda Constitucional 20. O objetivo foi garantir a transparência e permitir aos servidores a
fiscalização da gestão dos recursos e serviços dos institutos de previdência. No município de
Fortaleza, a criação dos conselhos do IPM foi prevista em lei somente em 2003.
De lá para cá, as entidades sindicais travaram uma dura luta para fazer os conselhos saírem
do papel. Agora, com a eleição dos nossos representantes, ficou mais fácil a fiscalização e a
denúncia de eventuais irregularidades, especialmente daquelas que podem comprometer
nossas aposentadorias e a qualidade dos serviços e atendimentos prestados pelo IPM.