Anda di halaman 1dari 3

NOÇÕES DE SEGURANÇA PRIVADA (N.S.P.

Objetivo da Disciplina:
Tem por objetivo capacitar o Porteiro a desenvolver os conceitos, as
missões, os papeis das empresas, dos representantes de classe e dos órgãos
reguladores. Objetiva, ainda, identificar os direitos, deveres e
responsabilidades dos profissionais que atuam na área da segurança
privada, tanto na esfera administrativa, quanto na trabalhista.

Segurança Privada: o Brasil adota a teoria do monopólio estatal da força


para constituir a garantia de segurança e liberdade. A autodefesa
está adstrita à legítima defesa, exercício regular de direito, ou
estado de necessidade, ou, por fim, como medida preventiva, a
contratação de segurança privada. As atividades de segurança privada,
com números cláusulos, são reguladas e fiscalizadas pela Polícia Federal. A
segurança privada é subsidiária e complementar à segurança pública e
subordina-se aos princípios da necessidade, adequação e
proporcionalidade. Fora de controle, corre-se o risco de se perder de vista
a distinção entre o público e o privado no domínio da segurança interna,
bem como poderão surgir
“milícias populares”, para grupos divergentes defenderem interesses
próprios ou uns contra os outros, “exércitos particulares” para guardar
áreas de domínio do crime, ou o combate da criminalidade por
“iniciativa privada”.

Conceito

Atividade desenvolvida por pessoas devidamente habilitadas, por meio de


empresas especializadas, visando a proteger o patrimônio, pessoas,
transportar valores e apoiar o transporte de cargas. Tem caráter de
complementaridade às ações de segurança pública e é executada sempre de
forma onerosa para o contratante.

Empresas especializadas - são prestadoras de serviço de segurança privada,


autorizadas a exercer as atividades de vigilância patrimonial.
Empresas possuidoras de serviços orgânicos de segurança - são empresas
não especializadas, autorizadas a constituir um setor próprio de vigilância
patrimonial ou de transporte de valores.

OBJETIVO:
O objetivo desta unidade didática é revelar ao aluno os conceitos, missões,
políticas e terminologias utilizadas na segurança privada.

Segurança Privada:

Trata-se de uma atividade regulada, autorizada e fiscalizada, em todo


território nacional, pela Polícia Federal. É desenvolvida por empresas
especializadas em segurança e por empresas que possuem serviço próprio de
segurança (orgânicas), com emprego de profissionais devidamente
capacitados, denominados porteiros e vigilantes com a utilização de
barreiras físicas e demais equipamentos destinados a inibir ou impedir atos
contra a pessoa e o patrimônio.

2. Segurança Privada como Complemento da Segurança Pública:


Estabelece o artigo 144 da Constituição Federal que a segurança pública é
dever do Estado, direito e responsabilidade de todos e é exercida para a
preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do
patrimônio pelas Polícias Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia
Ferroviária Federal, Polícias Civis, Polícias Militares e Corpos de
Bombeiros Militares.
A violência urbana e as dificuldades para sua prevenção e controle por parte
dos órgãos de segurança pública, faz crescer a sensação de insegurança na
sociedade, fato que leva a um significativo crescimento das atividades de
segurança privada, como forma encontrada para a preservação da
incolumidade das pessoas e do patrimônio.
Considerando que a segurança pública não atende a interesses pessoais ou
particulares, e sim à sociedade como um todo, e que não possui condições de
suprir completamente suas tarefas de proteção de pessoas e do
patrimônio, aqueles que detêm melhores condições econômicas buscam a
segurança privada para fazê-lo.

3. Políticas da Segurança Privada:


Encontram-se voltadas à gestão pública e às empresas e representantes de
classe, com a obediência aos princípios da dignidade da pessoa humana e das
relações públicas, visando à satisfação dos usuários finais do serviço, bem
como a atuação ostensiva e preventiva dos profissionais de segurança,
visando proteção à pessoa e ao patrimônio.