Anda di halaman 1dari 6

O GRAU ZERO DA ESCRITURA∗

Seguido de
Novos ensaios críticos

Por
Roland Barthes
Tradução: João Batista do Lago
EXISTE UMA ESCRITURA POÉTICA?

Na época clássica, a prosa e a poesia são magnitudes, sua diferença é mensurável; não
se encontram nem mais nem menos distantes que dois signos distintos, são contíguos, ou
seja, encontram-se ao longo do tempo ocupando lugar de proximidade, de vizinhança de
adjacência. Contudo, apesar dessa contigüidade, a prosa e a poesia apresentam diferenças
de quantidade. Infere-se que a Prosa é um discurso mínimo, veículo mais econômico do
pensamento, e se, ao mesmo tempo infiro que a, b, c são atributos particulares da
linguagem, inúteis, porém decorativos como o metro, a rima, assim como o ritual das
imagens, toda a superfície das palavras concretizará numa dupla equação de Monsieur
Jourdain:

Poesia = prosa + a + b + c

Prosa = poesia – a – b – c

Conclui-se, a partir de então, que a Poesia é [e será] sempre diferente da Prosa.


Entretanto, é preciso notar que a diferença não é de essência, mas de quantidade. Isto não
atenta contra a unidade da linguagem, que é um dogma clássico. Há uma quantificação
diferenciada dos modos ou formas de falar segundo as especificidades: aqui prosa e
eloqüência, ali poesia e preciosismo, todo um ritual mundano das expressões, porém
sempre uma linguagem única refletindo as eternas categorias do espírito. A poesia clássica
era sentida como uma variação ornamental da prosa, o fruto de uma arte (quer dizer: de
uma técnica), nunca como uma linguagem diferente ou como o produto de uma
sensibilidade particular. Toda poesia não é, então, mais que equação decorativa, alusiva ou
saturada de uma prosa virtual que se gera em essência e em potência em qualquer modo de
expressar-se. “Poética”, na época clássica, não designa nenhuma extencialidade, nenhuma
densidade particular do sentimento, nenhuma coerência, nenhum universo separado, mas
somente a inflexão de uma técnica verbal, isto é, a de expressar-se segundo regras mais
belas, portanto esteticamente mais elaboradas que a conversação natural, quer dizer, a
projeção exteriorizada de um pensamento interno que surge organizado de dentro do
Espírito, uma palavra socializada pela evidência mesma de sua convenção.

Sabemos que pouco ou quase nada – ou nada mesmo! – sobreviveu dessa estrutura
na poesia moderna, p. e., não na poesia de Baudelaire, mas na poesia de Rimbaud, a não
ser que se queira retomar, segundo um modo tradicional modificado, os imperativos
formais da poesia clássica: quando os poetas instituem um espírito para a palavra como se
fora uma Natureza rígida, que reúne a um só tempo a função e a estrutura da linguagem. A
Poesia não mais é uma Prosa ornamentada ou amputada de suas liberdades. É uma
qualidade irredutível e sem heranças. Não mais é um atribuo. É substância e, por
conseguinte, pode muito bem renunciar aos signos, pois carrega consigo sua natureza, não
necessitando “gritar” além de sua identidade: as linguagens poéticas e prosaicas estão
suficientemente separadas para poderem prescindir dos signos de suas alteridades, ou
seja, de se representarem como fato de ser um outro ou qualidade de uma coisa ser outra.

Assim sendo, as pretendidas relações entre o pensamento e a linguagem se invertem;


na arte clássica, um pensamento já formado engendra uma palavra que o “expressa” e o
“traduz”. O pensamento clássico não contém duração [tempo], a poesia clássica somente
possui a duração necessária para a sua disposição técnica. Contrariamente, na poética
moderna, as palavras processam um encadeamento formal, donde emana pouco a pouco
uma densidade intelectual ou sentimental impossível de existir sem elas [as palavras];
assim é a palavra o tempo [duração] “grávida” de uma gestação mais espiritual, durante a
qual o “pensamento” é preparado, instalado pouco a pouco na fortuidade ou, melhor
dizendo, na causalidade das palavras – sem rumo, nem ordem.

Esta “árvore” verbática, donde cairá o fruto maduro de uma significação, supõe, por
certo, um tempo poético que já não é o de uma “fabricação”, mas o [tempo] de uma
aventura possível, o encontro de um signo e de uma intenção. A Poesia moderna se opõe a
arte clássica por uma diferença que capta toda a estrutura da linguagem e que não deixa
entre essas duas poesias outro ponto comum que não seja o de uma mesma intenção
sociologia.

A economia da linguagem clássica (Prosa e Poesia) é relativa [relacional], ou seja, as


palavras são as mais abstratas possíveis em proveito das relacionalidades. Nenhuma
palavra contém em si toda a massa suficientemente capaz de traduzir todo conteúdo ou
profundidade [de si mesma], posto que ela [a palavra] é apenas o signo de uma coisa e,
muito mais que isso, o caminho de um vínculo. Longe de se submergir numa realidade
interna consubstancial, isto é, “que es de la misma sustancia, naturaleza indivisible y
esencia que outro”, ao seu pensamento, se extiende, apenas proferida, em direção
[movimento] a outras palavras, formando uma cadeia superficial de intenções.
Analogamente, se pousarmos o olhar sobre a linguagem matemática acabar-se-á por
compreender - possivelmente! – a natureza relacional entre a prosa e a poesia clássicas:
sabe-se que na escritura matemática não somente cada quantidade prevê um signo, mas
também que as relações que ligam essas quantidades estão transcritas também por meio
de uma marca operacional de igualdade [=] ou de diferença [≠]; pode-se dizer que todo o
movimento da obra matemática provém de uma leitura explícita desses relacionamentos.
Do mesmo modo, a linguagem clássica está dotada desse mesmo movimento, contudo, sem
o mesmo rigor: suas “palavras”, neutralizadas, ausentadas pela apelação severa duma
tradição que absorve sua serenidade ou fertilidade não sofrem com o acidente sonoro ou
semântico que concentraria num ponto o sabor da linguagem e deteria o movimento
intelectual em proveito de uma mal distribuída voluptuosidade. A obra clássica é uma
sucessão de elementos de igual densidade, submetida a uma mesma pressão emotiva na
qual se liberta toda tendência em direção a uma significação individual e inventiva. O
léxico poético é um léxico de uso, não de invenção: as imagens são particulares
corporativamente, não isoladamente, geralmente interpretam os atos e usos da vida social,
não o movimento criativo. A função do poeta clássico não é a de encontrar palavras novas,
com mais conteúdo e profundidade ou mais deslumbrantes, mas a de inscrevê-las de
acordo com um plano ou modo convenientemente rígido, protocolar, como se fora um
código sagrado, lhas dando maior grau de bondade ou excelência dentro dum
perfeccionismo simétrico de concisão e de relação, ou seja, levar o pensamento ao limite
exato de um metro. Os “concetti” clássicos são “concetti” de relações, não de palavras; é
uma arte da expressão, não da criação; aqui as palavras não reproduzem, como veremos
adiante – por uma espécie de altura violenta e inesperada – a profundidade e a
singularidade de uma experiência; são tratadas em sua superfície, segundo as exigências de
uma economia elegante e decorativa. Fica-se fascinado ante a formulação que as reúne,
não ante seu poder ou sua beleza próprios.

Sem dúvida, a palavra clássica não alcança a perfeição funcional do sistema


matemático: as relações não estão manifestadas por signos especiais, mas somente por
acidentes de forma ou disposição. A retração das palavras, assim como sua alienação
realiza a natureza funcional do discurso clássico; utilizadas num limitado número de
relações sempre semelhantes, as palavras clássicas se encaminham na direção de um corpo
algébrico: a figura retórica, o clisé, são os instrumentos virtuais de uma relação; perderam
sua massa em prol dum estádio mais solidário do discurso; operam no modo de valências
químicas, delineando superficialmente a figura de um corpus verbal prenhe de conexões
simétricas, de estrelas com os nós e enlaces às novas estrelas surgentes, sem ter jamais o
descanso duma grande admiração, de novas intenções de significações. As parcelas do
discurso clássico apenas entregam seu sentido, se transformam em veículos ou anúncios,
levando sempre mais longe um sentido que não quer se depositar no fundo de uma
palavra, mas expandir-se num modo de um gesto total de compreendidade, de
intelectualidade, ou seja, de comunicabilidade.

Surge daí a distorção intentada por Hugo, de submeter o alexandrino, o mais


relacional de todos os metros, numa contenda futura com toda a poesia moderna, posto
que se trata de reduzir a nada uma intenção de relações para substituí-la por uma explosão
de palavras. Com efeito, a poesia moderna, já que é necessário opô-la à poesia clássica,
assim como a toda à prosa, destrói a natureza espontaneamente funcional da linguagem e
só deixa subsistir os fundamentos lexicais. Conserva das relações pura e tão-somente o
movimento, a sua música, não a sua verdade. A Palavra vive aquém ou por debaixo duma
linha de relações enterradas sob os pés duma figura de adornamento vazio, a gramática é
desprovida de sua finalidade, se faz prosódia, já não é mais que inflexão que perdura para
manifestar “relaciones vaciadas”. As relações não estão suprimidas totalmente, são
“sujeitos” aleijados, paródias de relações desnecessárias, pois a densidade da Palavra deve
elevar-se fora de um “corpo” vazio, como um ruído e um signo sem fundo, como um “furor
e um mistério”.

Na linguagem clássica as relações arrastam a palavra e a levam imediatamente para


um sentido sempre projetado; na poesia moderna as relações são apenas extensões da
palavra. A Palavra é uma “morada” e está implantada como origem na prosódia das
funções, contudo ausentes. Aqui as relações fascinam, a Palavra alimenta e sobressalta
como o súbito desvelamento de uma verdade; dizer que essa verdade é de ordem poética é
somente admitir que a Palavra poética jamais pode ser falsa [ou falseada] porque ela é
total; brilha com infinita liberdade de se presta a irradiar na direção de mil e uma relações
incertas e possíveis. Abolidas as relações fixas, a palavra somente tem um projeto vertical,
é como um bloco, um pilar que se rompe numa totalidade de sentido, de reflexos e de
permanência: é signo erguido. A palavra poética é aqui um ato sem passado imediato, um
ato sem entornos, propondo tão-somente a sombra espessa dos reflexos de todas as classes
que estão vinculadas com ela. Assim, sob cada Palavra numa poesia moderna ocorre uma
corrente, ou seja, um encadeamento geológico de existencialidade, onde se encontram
todos os componentes dos signos referentes ao seu significado, onde se reúne o conteúdo
total do Substantivo, e no seu conteúdo eletivo como na prosa ou na poesia clássica. A
palavra já não está encaminhada de antemão na intenção geral de um discurso socializado;
o consumidor de poesia, privado do “código” de relações seletivas, desemboca na Palavra,
frontalmente, e a recebe como uma quantidade absoluta acompanhada de todas as suas
possibilidades. A Palavra é aqui enciclopédica; contem em si simultaneamente todas as
acepções [e concepções] entre as que um discurso relacional “hubiera impuesto uma
elección”. Realiza, pois, um estado possível só no dicionário e na poesia, donde o
substantivo pode viver privado de seu artigo[1], levado a uma circunstância de estado zero,
grávido de todas as especificações passadas e futuras. Aqui a palavra tem uma forma
genérica, é uma categoria. Cada palavra poética é, assim, um objeto inesperado, caixa de
Pandora donde surgem todas as categorias de linguagens, produzida e consumida com
extrema curiosidade, uma espécie de gula sagrada. Esta Hambre de la Palabra, comum a
toda poesia moderna, faz da palavra poética uma palavra terrível e inumana. Institui um
discurso saciado de palavras, um discurso “lleno de agujeros e de luces, lleno de ausências
y de signos”.

∗ Esta tradução decorre de [A844] Barthes, Roland [BAR] El grado cero de la escritura: seguido
de Nuevos ensayos críticos. – 1ª. Ed – Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina, 2003. pp.
46-57. ISBN: 987-1105-48-7
[1] Em francês o substantivo jamais pode ocorrer sem a presença do seu artigo (N. do T. Argentino)