Anda di halaman 1dari 102

c 



   

@  

 
  


  
   
 
 


   

   

Discentes: Balbina Andrade, Isabel Ribeiro, Marina Mateus, Paula Serra e Sara Conde
UBI 2004
c  

   

 

       




 
 


      

 
c   

 


  ! "

 #





c  

   

Influências Ideológicas

Rousseau Freud
c  

   

Influências Ideológicas
PRESSUPOSTOS:

Crença na bondade natural do homem


Atribuição à civilização da
responsabilidade pela origem do mal

OBJECTIVOS DA EDUCAÇÃO:
Rousseau

Desenvolvimento das potencialidades


naturais
Afastamento dos males sociais
c  

   

Influências Ideológicas
MÉTODO:

Retardar o crescimento intelectual

AMBIENTE DE EDUCAÇÃO:
Rousseau
Sem restrições físicas
c  

   

Influências Ideológicas
LIVROS:

M  
 

M  
  

Freud
c  

   

Influências Ideológicas
PRESSUPOSTOS:

Conflito entre os impulsos humanos e


as regras que regem a sociedade

Proibições sociais bloqueiam as Freud


pulsões biológicas
c  

   

$ 
Alexander Sutherland Neill
[%&&'(%)*']

$      


   "



   
 
 !   
+
  
      ,   - ./

  %0
  -      


 -   
 
/

  10
   
+
   "    
-   23      
4 
  


 
 
  
! 
 
 5
5/
c  

   

$ 
Alexander Sutherland Neill
[%&&'(%)*']

,6
 
 -
 

" 
 


 

/ 
-

 7  
.78 9  9.  $  
 
    
 


 7/ :
- 
  
7 
  !  - 
 
 ; - 
  c 

   
  + 
 <
 "
  






  + + 

= /.
c  

   

$ 
  ano de 1921

6 

  Leiston ± Suffolk - Inglaterra

  
  25 rapazes e 20 raparigas (1960)

>
  
 

Entrada: 5 anos/ 15 anos Saída: 16 anos

?
  
  Inglesa, Escandinava, Holandesa, Alemã e
Americana
 Internato

   c  @  


mais de 200 escolas seguem o seu ideal
c  

   

Reflexão sobre a finalidade da Aprendizagem

þ  



!  


4 +
      2


$    
"
  2
  



c  =    

Designação vulgar: ,: 
9 A .
c  

   

  c 

³Crianças sãs, desprovidas


de medos e de ódios.ë

Desenvolver a imaginação
Responsabilidade
e a liberdade de estar
nos seus actos.
e de sentir.

Ausência de Proporcionar liberdade


receio ao adulto. de expressão.

Desenvolvimento
Crianças com natural.
personalidade forte.
Partilha dos
mesmos direitos.
c  

   

 
  

$
 
+
 6+


" 
 
?=   
    
 c   =  
  

 

 
B/

:+ +
 ? 
= 
2

 
 

 /
c  

   

: 


 


 + +

+
 
"
 



De modo espontâneo, sem ordem ou tempo


pré-definido, e dependente apenas das
suas motivações




 
   
   
 

 
 

 
 
 
  


   



 


   




È
È

 
 

  



 
c  

   

Paralelamente podem participar em actividades previamente marcadas

Cinema
1C$

Compras com os país

'C$
Conversa sobre Psicologia

DC$
Dança

EC$
Eventos especiais

cB"
Assembleia Geral de Escola

:  
>+ Teatro Nocturno
c  

   

Sem agressividade Felizes consigo


± reflexo do ambiente ± pouco conflituosas ±
que os acolhe não têm prazer em irritar os outros

á

á


Escrevem peças de teatro, c   ³« são charmosas
elaboram o guarda-roupa e as ocasiões de nervos
e os cenários pouco numerosas.ë

Cheios de originalidade
e iniciativa
c  

   

G




 




- 

   

"

 =   






"   "  B%F 


! 

c  

> 



   ? 
 
 

+
B "
 
=   + 

"
  

? -  2


   

+

   + +

c      


   
c  

   

c     


G
 


c 

 -


+
=
  

-

  
   "4+ 3
  
 H

 


+
3
 ! 
  

   
        

          
  
    
   
        
 
          

 !   
"    
 
    
"

?   +


+  
"

/
 ,
= 
€ 
 



/.
è c  #         
   $ 
c  

   

7
 
G
 


Educação Politica Economia

5 


 2
   =

+
/.
 ?
"
 

B 


B    !
! 
"4 -
"
 "   
    3

 

=- 



 !
!  
/
,È
2
 
 
 



 

 

"I/.

J +


Amáveis Prazenteiras Apaixonadas


c  

   

7
 
G
 


:+
     

@
B
2

K

5 
-
6
 

G
 
+  


 
  /

 
  -
"
=
  
 !  
  
 

 ! 
/
c  

   

Aprendizagem em Summerhill
c  

   

Teorias da Aprendizagem

Comportamentalistas
Cognitivistas-gestaltistas
-associacionistas
Brunner
Skinner

Aprendizagem Física
Teoria Social
e Lógico-Matemática
Bandura
Piaget
c  

   

Métodos / Modelos de ensino

G
    
‡O professor pode veicular um
: "
 

afecto e uma empatia genuínas.


Dessa forma, criará um ambiente
quente e facilitador, do qual os
>! =   +
: "
 
  alunos tirarão benefícios.

‡A qualidade da interacção humana,


como a sinceridade e honestidade
 

do tratamento dos alunos, é


essencial para para a aprendizagem.
c  

   

As ideias de Alexandre Neill

ESCOLA DEMOCRÁTICA PORQUE...

PRETENDE...
‡ que se ³aprendaë a ter carácter ‡ isto não se aprende nos livros

‡ não impor ideias às crianças ‡ é uma ofensa ao direito de viver da


criança

‡ ensinar tudo o que for possível desde ‡ a criança não deve aprender por
que a criança se sinta suficientemente imposição do adulto
motivada
‡ não forçar as crianças activas a ‡ acredita na eficácia da liberdade
sentarem-se diante de uma cadeira
para estudar matérias inúteis
c  

   

As ideias de Alexandre Neill

ESCOLA DEMOCRÁTICA PORQUE...

PRETENDE...
‡ servir as necessidades dos alunos ‡ as matérias só têm interesse para
quem as quer aprender

‡ a liberdade de expressão e da ‡ a criança não deve ser submetida a


aprendizagem qualquer tipo de disciplina, de
direcção, a qualquer sugestão, a uma
moral preconcebida, a uma instrução
religiosa qualquer que ela seja.
‡ o desenvolvimento tanto quanto as ‡ é preferível ser-se um varredor de
capacidades naturais o permitirem ruas feliz do que um sábio neurótico
c  

   

As ideias de Alexandre Neill

ESCOLA DEMOCRÁTICA PORQUE...

PRETENDE...
‡ permitir que a criança tenha confiança ‡ a sabedoria adquirida nos livros não
em si própria e personalidade prepara as crianças para a vida

‡ não utilizar métodos definidos de ‡ não se deve forçar a aprendizagem às


ensino crianças, seja qual for o método

‡ permitir originalidade nas tarefas ‡ as tarefas não devem ser conduzidas


pelo professor, senão perdem a sua
originalidade
‡ deixar aprender tudo o que se deseja ‡ defender a criança de certas
mesmo que revele algum perigo situações, consistiria em fazer delas
cobardes
c  

   

As ideias de Alexandre Neill

ESCOLA DEMOCRÁTICA PORQUE...

PRETENDE...
‡ preparar as crianças para a vida ‡ as pessoas não podem viver limitadas
apenas ao seu conhecimento adquirido

‡ que se ³aprendaë a sentir ‡ deve-se evitar a infelicidade causada


pela repressão e pelo sistema de
modelos impostos pela sociedade de
consumo, pela família e pela educação
tradicional
‡ que as crianças procurem livremente ‡ não se podem ³matarë grandes
as ferramentas que a sua originalidade criadores que, subjugados em salas de
e génio exigem aula, se vêem obrigados à
necessidade de estudo
c  

   

As ideias de Alexandre Neill

ESCOLA DEMOCRÁTICA PORQUE...

PRETENDE...
‡ que a criança possa ³brincar, brincar e ‡ ³aprender brincandoë é apenas uma
só depois aprenderë nova forma de estudar mas mais
dissimulada
‡ que se prepararem os exames de ‡ uma boa costureira não precisa saber
admissão para a faculdade apenas fazer equações ou teoremas
para os que querem prosseguir
estudos
c  

   


 
c =///

‡ A decisão e a escolha, da criança em liberdade, que se desenvolve ao


seu ritmo.

‡ Trabalhar, basicamente, a dimensão emocional do aluno, para que a


sensibilidade ultrapasse sempre a racionalidade.

‡ Evitar a natural superprotecção dos adultos que impedem a criança de


desenvolver a segurança suficiente para reconhecer o mundo, seja de
forma intelectual, emocional ou artística.
‡ Permitir a alegria da descoberta e a auto confiança necessária para a
superação de obstáculos, causando sentimentos de inferioridade e
dependência, que são fortes barreiras para a felicidade completa.
c  

   


 
c =///

‡ Usar a curiosidade inata da criança como condutora natural do processo.

‡ Ser livre para agir e pensar, tendo consciência do seu papel na sociedade.

‡ Não ter medo ³              


   ë.
c  

   

ë  
   


     

 
 
  
ë   
    

 

A. Neill
c  

   


     c 
Procurava que as crianças construíssem os seus
sistemas de Valores.
Jean Piaget
O principal objectivo da educação é a autonomia, tanto
intelectual como moral.

³Aprendemos apenas aquilo que é realmente impor-


tante e relevante para nós enquanto pessoas. ë

Carl Rogers
³a constituição natural das crianças e adolescentes é
De tal modo que, se tirarmos as inibições impostas
por orientações externas, seguir-se-á a aprendizagem
autodirigida.ë
c  

   


     c 

O importante não é transmitir conteúdos específicos,


mas despertar uma nova forma de relação com a
Paulo Freire experiência vivida.

Cada pessoa, cada grupo envolvido na acção pedagó-


gica dispõe em si próprio, ainda que de forma rudimen-
tar,dos conteúdos necessários dos quais se parte.

A criança é livre para tomar suas próprias decisões.

Wilhelm Reich
Autoregulação, movimento feito pelo próprio aluno no
sentido de gerir os seus objectivos, os seus progressos,
as suas estratégias diante das actividades de ensino.
c  

   

 
c      

  +

‡Nada, a rigor, está pronto, acabado;


‡ O conhecimento não é dado, em nenhuma instância, como algo
terminado.
‡ O pensamento, constitui-se pela interacção do indivíduo com o meio
físico e social, com o simbolismo humano, com o mundo das relações
sociais.
‡ O pensamento, constitui-se por força da sua acção e não por qualquer
dotação prévia, na bagagem hereditária ou no meio, de tal modo que
antes da acção não há psiquismo nem consciência e, muito menos,
pensamento.
c  

   

Summerhill

‡ O papel do professor
± Relação pedagógica
± Critérios pedagógicos
‡ Aproveitamento do pensamento de Neill, na
actualidade
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Professor

?

  c 

L
 

 M -2
 
 



  
 "


/
c  

   

?

 
 =  
 

 -
 


 + 


  
 +

= 
! 


 
 +

 ! 



 
 +B /

Aprovar significa, neste caso, ajudar a criança a


viver e a satisfazer o desejo, multiplicando-lhe as
situações para tal.
c  

   

 
 

 +     
 

Relação mais aberta Conceito de que


entre alunos e a educação
professores, que juntos deve ser uma
podem decidir regras preparação para
de conduta; A escolha de a vida;
conteúdos que
levem em conta o
interesse prévio de
cada um.
c  

   

Tornou-se ícone das pedagogias alternativas


ao concretizar um sistema educativo em que o
A escola importante é a crianças ter liberdade para
escolher e decidir o que aprender e, com base
nisso, desenvolver-se no seu próprio ritmo.
c  

   

Concepção do Currículo Alcance dos Conteúdos - Professor

= 
 

c  !
 = 

Felicidade

Sinceridade
Equilíbrio

Sociabilidade
c  

   

 

c 2   ! 


c 

 

$
 6"

c  

   

    - 

A disciplina que querem impor, a situação que exigem ter na


turma, não são senão expressão das suas próprias pulsões
agressivas, se um desejo de poder que nem ousa enfrentar
poderes iguais e se abate sobre as crianças.
c  

   

 - 

‡ Não são adeptos dos exames de admissão à universidade, mas


não podem recusar o ensino das matérias necessárias para os
exames, porque enquanto os exames forem necessários, eles
serão os mestres.

‡ Todos os professores estão habilitados e ensinar as suas matérias.


c  

   


  7 

‡ Mostram-nos que a educação deve ser centrada no aluno, mas


o professor deve providenciar-lhe uma base que lhe permita
aprender;

‡ Além disso, eles ensinam-nos a importância da afectividade no


processo educacional;

‡ Os alunos só aprenderão se for estabelecido um clima de


amizade, em que todos sejam aceites com as suas próprias
características.
c  

   

   ;


 

 


Surge a  
  

também
chamada de não directiva.

Nessa abordagem, o aluno não é um simples depositário de


conhecimentos e a função do professor não é apenas transmitir
informações, mas de criar condições para que os alunos
aprendam.

Na  
  

só há aprendizagem
quando há envolvimento emocional.
c  

   

,5 


 +
 
 
+
  
- !  
    .
Neill
c  

   

c 

‡ 
 


± ?
 
 
‡ :+
‡ : 

‡      
± !     
± :+ + 
-+
± >
  
+

c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

  
 G
"

 :+ +
$
 G 

  

 
 #
 
      


c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

  



! ! 
/

$
      
+
 
  

 
 !  
  + +/

   !  ++/


c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

 : 
  ;

/
G 

#  :     B /

 : -
    +/
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

 : -
  
/
G 

#  : 

+= +  

"
/




+
 B 
 
/
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

 

 
 

N+  
 O/
    
  B 
" 




 
 
-
 B
N-#




+
O/

 7



 

  +
/
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

 7 


    
  
    
 



 "
/
 
 
  "   "

   


 
  /
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

 :+ 

 
   

/
$


+
  ?
+  
 

 +

  "  
N

 %1
 O
 
‡    - 
3
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

$
 ‡   
 
  


+
    

3

 
  ! =!      

P
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

 5 
 
"




   -

$
 



"
 


/

+

  5 
 



-

 /
 
 5 
 -


 - "  
 
4 +

 
/
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

  
"
   /

   
 
   
/

   7  
  "4    
  4
 
  - /
 
 2   
+ 
/
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

 ?

 


+ ! 

:+ + 


N
+ ! 
 
4


 ! 

O/



 ?

+
 -
 
 = /
c  

   

Relação Pedagógica Papel do Aluno

Neill
L++


+
M  
! 
!  
  


  
! 
!  #   

   
 /

 
   

:+ +  5 
 +

 
 

 
-! 
 
" 
  ! 
/



 5 
  +

!
  
+
  
 
N  ; O/
c  

   

     


Neill
,?

  !  4

 /7 
" 
!

"
 
 = 



 

./
c  

   

Concepção de Currículo Conteúdos e Competências

?6 7?

Q >c>RS? >@6@7GRS?
:c7T?6T>@7G?
: :
$G>T?
?7K>@7G?c G>T>::c
c  

   

Concepção de Currículo Conteúdos e Competências

?6 7?

   
+
 
+ +  "
/

Q >c>RS?  :+ +


 
"

: 

 
 
/
?7K>@7G?c
   + 

 

+





    
 "
/
c  

   

Concepção de Currículo Conteúdos e Competências

?6 7?

  
 +


 2
/
Q >c>RS?
:  


 



?7K>@7G?c 
 /

 ?+   

 
 

 
/
c  

   

Concepção de Currículo Conteúdos e Competências

?6 7?

 ?
 = 

" 
N  + + 

Q >c>RS?  

= +



: "  
 O/
?7K>@7G?c
 G  ! 
=
 


+
 
/
c  

   

Concepção de Currículo Conteúdos e Competências

?6 7?

  
  I  +
 
 =+  


 /
Q >c>RS?
:   
  + 


?7K>@7G?c 
 


+
/

 ?= 

=   

N  
- 

 B
 
O/
c  

   

Concepção de Currículo Conteúdos e Competências

?6 7?

 :+ +



!
!   


/
Q >c>RS?
:  =  I   B 
?7K>@7G?c 
"="
  - 

  "
‡  

‡ : 



+
‡ : 

c  

   

Concepção de Currículo Conteúdos e Competências

?6 7?

  "

        

  
  
 
B
 # 
- ! 

   
"
 

   /  

 

/
:c7T?6T>@7G?
$G>T?
 ? "4+ =
-
   

   




/
  
 /
  
 + +
  
++  
#
/
  
/
c  

   

Concepção de Currículo Conteúdos e Competências

?6 7?

 


+


+
 
  

+


‡ G
"
 

N




+
    >@6@7GRS?
2 /O3 :
‡ :  
3 G>T>::c
‡ G
 3
‡  
3
‡ $
 2

" 
 

! 
3
‡ :  N- " 

 /O/
c  

   

Reflexão do Currículo

Å 
   ;"
 


 + 

‡  
   

3
‡   
    
 

 
 +

 
"
 


  !
    
+  /

Å ? =

B
/  7
‡  
4
+
 
"
  

 

I

 + ! 


B

 
-
3
‡   
 +
 
 
 
"
 
   


   - 3
c  

   

Reflexão do Currículo

Å  
  
  
"
 


 

 

   

  
2
M  "
   "
 ,# +
 
"

 4 + " .3

Å ?  +
+  
"

/ 7 +
+ 

4   

 
 


B+



3

Å  
- 
 
  + 


  
 
 
"= 
 
   
 
 
3

Å ? "4+ 


 
 =


   
 
 
 
  

  


/
c  

   

   ?"4+  7

,G   
     
 
 "

-
   !      = 
- 

 

 
-

 
!  I  

ë.
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação


c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

$ #

± Formar / Informar

± Servir os interesses do indivíduo / Interesses da sociedade

± Desenvolvimento original da pessoa / Adaptativa


c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

T>T

Informar Formar

Passado Futuro

Presente
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

Indivíduo Sociedade
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

Disciplinação
Formação humana
a regras e modos
conduzida pela natureza sociais dominantes
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

Indivíduo Sociedade

Criança
num mundo Criança como
protegido das ³projecto de adultoë
preocupações
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

Indivíduo Sociedade

Enquadramento
Infância idealizada num mundo
de adultos
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

Indivíduo Sociedade

A criança
A criança no
é promessa
seu próprio tempo
e potencialidade
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

Summerhill A infância como


³tempo de direitosë
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

Pressupostos:

M         

³Pressão coerciva da civilizaçãoë

³Educação tradicional:
Suscita    
        

Forma adultos isentos de vontade própria,

Gera o conformismo.ë

Neill
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

Pressupostos:

Permite compreender a escola como um projecto


antropológico:

Capaz de redefinir as suas finalidades sociais

Capaz de se realizar como espaço educativo subordinado a uma


dignidade existencial e moral alternativa
c  

   

Alcance sócio-cultural da educação

Pressupostos:

Crença na possibilidade de redenção das sociedades humanas


através da transformação das escolas.

Recusa ®      

 
 
 

  
 
      ®
(Trindade, 1998).
c  

   

Desenvolvimento pessoal e social

Cidadania

Participação Relações
Interpessoais
Democrática positivas

Não há rigidez de Não há rigidez nas


Solidariedade
hierarquias relações de poder
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

Aspectos positivos
Aspectos negativos
Aplicabilidade no contexto de uma escola para todos
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

³j              


            
 !           "
#           
    $     % "
Alexander Neill
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

Aspectos positivos Aspectos negativos

Desenvolvimento Aprendizagens
pessoal e social formais
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

Aspectos positivos Aspectos negativos


 "
R    & 
       
      .   
 ! $ "
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

Aspectos positivos Aspectos negativos

Papel do educador na
condução das crianças,
Não estão preparados para
é de orientar em direcção o mercado de trabalho.
ao que é original .

Cerizara, 1990
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

Informação sobre educação em liberdade:


Não se registaram:
‡ Casos de gravidez
‡ Problemas com droga ou bebidas
‡ Doenças graves
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

Informação sobre educação em liberdade:


Inserção social
‡ Actores;bailarinos; cineastas; ilustradores; músicos; técnicos de
som; fotógrafos;
‡ Arquitectos; advogados; professores; escritores;
‡ Homens e mulheres de negócios;
‡ Médicos; cirurgiões; cientistas;
‡ Jornalistas,
‡ Fazendeiros;
‡ Carpinteiros (...)
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

‡ Público-alvo, maioritariamente
Visão crítica pertence a famílias da classe
média-alta.
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

‡ De acordo com Ferriére (1922),


o interesse ³move montanhas,
a chave da escola activaë.
Visão crítica
‡ Neill dizia ³O interesse é o único
critérioë.
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

‡ Bases do ensino desenvolvimental


fundamenta uma relação entre
Visão crítica
o ensino e o desenvolvimento
mental.

Vasili Davídov
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

‡ O desenvolvimento de
capacidades cognitivas, em
Visão crítica Summerhill não é controlado,
logo pode ou não
ocorrer.
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

‡ ³(...) c '    



$     
Visão crítica
      
 
.ë

Rousseau
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

‡ As crianças necessitam aprender


a controlar os seus instintos e
a adaptar-se ao seu ambiente
Visão crítica social.
A educação tem um papel
fundamental para os ensinar
a fazê-lo.

Freud
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

Pertinência ‡ Será de facto necessária esta


na actualidade
mediação do Estado entre a
Aspecto Macropolítico sociedade e a educação?
c  

   

Exequibilidade
das concepções pedagógicas apresentadas

‡ A sociedade humana,
é sistémica ou sistemática por
Pertinência natureza. O que implica a natural
na actualidade
tendência de todas as actividades
Aspecto Macropolítico humano-sociais para integrarem
sistemas.
c  

   

Síntese

Toda a intervenção educativa mantém em si um movimento


contraditório e dinâmico entre indivíduo e cultura

Summerhill alerta-nos para a necessidade de evitar que se


exacerbe o poder controlador das características
hegemónicas da cultura em detrimento do exercício pleno
das capacidades humanas sobretudo a criação.
c  

   

?+  -   +  /


c  - -

T
 4 
 
/
T2

+= + = +2 +/


! ++
 +   + /
 
 +  
 
  +  
 /
 ! 2   
 /
 
 4
    
 



/
 ! 



 



 


! +  +
!   /
 - 
+    =   
 B 

+/
 ! 
+
    
  

/
in j 
 (1923), Kahlil Gibran
c