Anda di halaman 1dari 19

SISTEMA ARTICULAR

1) Conceito:
Local de união entre dois ou mais ossos, independente do grau de
movimento permitido por essa junção.

2) Classificação das Articulações:

A) Articulações Fibrosas = São as articulações unidas por tecido fibroso. Podem ser
do tipo:

1- Sutura = Nesse tipo de articulação, os ossos são unidos por tecido conjuntivo
denso, extremamente forte, portanto, não há movimento entre os ossos desse tipo de
articulação.

ossos do crânio

2- Sindesmose = Nesse caso a articulação é unida por uma faixa de tecido fibroso,
que por sua vez pode ser um ligamento ou membrana fibrosa. Nesse caso um
movimento discreto ou amplo pode ser realizado.

art. rádio-ulnar e tíbio-fibular

3- Gonfose = união dos dentes nos processos alveolares

B) Articulações cartilaginosas = Nesse caso os ossos são unidos tanto por cartilagem
hialina quanto fibrosa. Podem ser do tipo:

1- Sincondrose = Esse é o tipo de articulação onde os ossos são unidos por


cartilagem hialina, que permite ligeira inclinação durante o início da vida. Este tipo de
articulação é em geral uma união temporária, portanto, quando o crescimento é
atingido a cartilagem é trans formada em osso.

cartilagem costal da 1° costela com o


esterno e a art. xifoesternal
2- Sínfise = Nesse caso a superfície dos ossos articulados são cobertos por cartilagem
hialina e os ossos são unidos por tecido fibroso forte. Essas articulações são fortes,
ligeiramente móveis.

art. manubrioesternal

art. entre os corpos


vertebrais

C) Articulações Sinoviais = São o tipo mais comum e importante funcionalmente,


possuem uma substância lubrificante, chamado líquido sinovial, sendo revestidas por
uma membrana sinovial ou cápsula.

1- Plana = É uma articulação monoaxial (ou uniaxial), permite apenas movimentos do


tipo deslizamento.

art. acrômio-clavicular

2- Dobradiça (ou gínglimo) = É uma articulação mono-axial (ou uniaxial), permite


apenas os movimentos de flexão / extensão.

cotovelo
3- Trocóide = É uma articulação mono-axial (ou uniaxial), permite o movimento de
rotação no eixo vertical.

art. rádio-ulnar

4- Condilar = É uma articulação bi-axial, permite movimentos em duas direções, logo


são capazes de realizar flexão / extenção e adução / abdução.
Exemplo: articulação rádio-cárpica (ou do punho)

5- Selar = É uma articulação bi-axial. Recebe esse nome porque as superfícies


oponentes dos ossos mostram-se modeladas como uma sela, isto é, elas são côncavas
e convexas onde se articulam reciprocamente. Realiza movimentos de flexão /
extensão e adução / abdução.

art. carpo-metacárpica do
polegar

6- Esferóide = É uma articulação tri-axial, se move em vários eixos, faz os


movimentos de flexão / extensão, adução / abdução, rotação interna / rotação
externa
e

ombro quadril

circundução.
7- Pivô = É uma articulação mono-axial (ou
uniaxial), permite a realização da rotação. Nessas
art. atlanto-axial articulações, um processo arredondado de um osso
gira no interior de um anel.

3) Classificação das articulações quanto à mobilidade

1- Sinartroses = São as articulações imóveis, logo incluem as articulações do tipo


sutura e sincondrose.

2- Anfiartroses = São as articulações semi-móveis, logo incluem as articulações do


tipo sindesmose e sínfise.

3- Diartroses = São as articulações móveis, logo incluem todas as articulações do tipo


sinovial.

AS ARTICULAÇÕES DA COLUNA VERTEBRAL

1- As articulações dos corpos vertebrais

As articulações intervertebrais anteriores são articulações cartilaginosas do tipo


sínfise, projetadas para suportar o peso. Ocorrem entre os corpos vertebrais, onde
entre um corpo e outro encontramos os discos intervertebrais que proporcionam
fixação mais forte entre os corpos das vértebras.
Essas articulações são ainda reforçadas pelos ligamentos: longitudinal anterior
(que recobre e conecta as faces anteriores dos corpos vertebrais e discos
intervertebrais, proporciona estabilidade a articulação e ajuda a evitar a hiperextensão
da coluna vertebral), e o longitudinal posterior (corre ao longo da face posterior dos
corpos vertebrais no interior do canal vertebral, ajuda a evitar a hiperflexão da coluna
vertebral e a protrusão posterior do núcleo pulposo do disco intervertebral).

2- As articulações dos arcos vertebrais


Ocorrem entre os processos articulares inferiores de uma vértebra superior e os
processos articulares superiores (zigoapófises) de uma vértebra inferior, são
articulações sinoviais do tipo plana. São também denominadas de articulações
zigoapofisárias.
As lâminas dos arcos vertebrais são unidas por largas faixas elásticas denominadas
de ligamentos amarelos, que se estendem quase verticalmente da lâmina acima até a
lâmina abaixo. Os ligamentos amarelos ajudam a preservar a curvatura normal da
coluna vertebral e a retificar a coluna após a sua flexão.
Outros ligamentos que reforçam essas articulações são os ligamentos:
interespinhais, supra-espinhal, o ligamento da nuca e os intertransversos (que
conectam os processos transversos).

3- As articulações craniovertebrais = nesse caso não disco intervertebral nem


articulações zigoapofisárias.
a) a articulação atlantooccipital
Ocorre entre os côndilos occipitais do crânio e a primeira vértebra cervical (atlas);
permite inclinar a cabeça no sinal afirmativo; é uma articulação sinovial da tipo
condilar.
Essa articulação é reforçada pelos ligamentos: transverso do atlas (mantém o dente
de C2 – o áxis- contra o arco anterior de C1 – o atlas), e os alares (fixam o crânio à
vértebra C1, controlam os movimentos de rotação e inclinação lateral da cabeça).

b) a articulação atlantoaxial
Ocorre entre C1 e C2, é uma articulação sinovial do tipo pivô.
Durante o movimento de rotação da cabeça de um lado para o outro, o crânio e C1
rodam como uma unidade sobre C2. A rotação excessiva dessa articulação é impedida
pelos ligamentos alares.

AS ARTICULAÇÕES DO TÓRAX

1- As articulações costovertebrais = são articulações sinoviais do tipo plana, nesse


caso uma costela típica se articula com a coluna vertebral em duas articulações:

a) articulações das cabeças das costelas


♣ A cabeça de cada costela típica se articula com as hemifacetas de duas vértebras
adjacentes e o disco intervertebral entre elas.
♣ A cabeça da costela está ligada ao disco intervertebral pelo ligamento intra-articular.
♣ A cápsula articular que circunda cada articulação e conecta a cabeça da costela
com a cavidade articular, é reforçada anteriormente pelo ligamento radiado. Esse
ligamento se abre em leque a partir da borda anterior da cabeça da costela para os
lados dos corpos de duas vértebras e do disco intervertebral entre elas.

b) as articulações costotransversas
♣ O tubérculo de uma costela típica se articula com a faceta na extremidade do
processo transverso de sua própria vértebra para formar uma articulação sinovial.
♣ Essas pequenas articulações são circundadas por delgadas cápsulas articulares que
se fixam nas bordas das facetas articulares, sendo reforçadas pelos ligamentos:
costotransverso lateral (passando do tubérculo da costela para a extremidade do
processo transverso), costotransverso (que une a parte posterior do colo da costela à
face do processo transverso) e o costotransverso superior (que une o colo da costela
ao processo transverso acima dela).

2- As articulações esternocostais

♣ Da primeira à sétima, as costelas articulam-se pelas suas cartilagens costais às


bordas laterais do esterno.
♣ O 1° par de cartilagens costais articula-se ao esterno por articulações cartilaginosas
primárias (sincondroses). As cartilagens costais são unidas diretamente à
cartilagem hialina nas depressões localizadas nas bordas superolaterais do
manúbrio do esterno.
♣ Os 2° ao 7° pares de cartilagens costais articulam-se com o esterno por articulações
sinoviais. As cápsulas articulares dessas articulações são reforçadas anterior e
posteriormente pelos ligamentos esternocostais radiados (que passam das
cartilagens costais para as faces anterior e posterior do esterno).

3- A articulação esternoclavicular

♣ Ocorre entre a extremidade acromial da clavícula e a incisura clavicular (localizada


no manúbrio do esterno), é uma articulação sinovial do tipo selar (faz
protusão/retrusão e elevação/depressão).
♣ Sua cápsula articular é reforçada pelos ligamentos: esternoclaviculares anterior e
posterior, interclavicular (localizado na parte superior) e pelo costoclavicular (que
vai da primeira costela até a borda inferior da extremidade esternal da clavícula).

4- As articulações esternais

a) a articulação manubrioesternal
♣ Ocorre entre o manúbrio e o corpo do esterno, é uma articualção cartilaginosa do
tipo sínfise. As faces articulares ósseas são cobertas por cartilagem hialina e os ossos
são articulados por um disco fibrocartilaginoso. Essa articulação é reforçada pelos
ligamentos: fibrosos anterior e posterior. Em muitas pessoas essa articulação se
move ligeiramente durante a inspiração.

b) a articulação xifoesternal
♣ Ocorre entre o corpo do esterno e o processo xifóide, é uma articulação cartilaginosa
do tipo sincondrose, estes ossos são unidos por cartilagem hialina. Por volta dos 40
anos de idade, o processo xifóide e essa cartilagem já se ossificaram.

AS ARTICULAÇÕES DO MEMBRO SUPERIOR

1- A articulação acromioclavicular

♣ Ocorre entre a extremidade acromial da clavícula (face articular acromial) e o


acrômio da escápula.
♣ É uma articulação sinovial do tipo plana (só permite deslizamentos)
♣ A cápsula fibrosa que envolve a articulação é reforçada pela presença dos seguintes
ligamentos: acromioclavicular e coracoclavicular (porção conóide e trapezóide),
direcionados de forma que possibilitem à clavícula manter a escápula e o membro
superior lateralmente.

2- A articulação do ombro

♣ Ocorre entre a cavidade glenóide da escápula e a cabeça do úmero.


♣ É uma articulação sinovial do tipo esferóide (realiza os movimentos de flexão /
extensão; adução / abdução; rotação interna / externa; circundução).
♣ A borda da cavidade glenoidal forma o chamado lábio glenoidal (ou lábio
glenóideo), que aumenta a área de superfície da articulação, dando maior
estabilidade para a articulação do ombro.
♣ Os ligamentos que reforçam a articulação do ombro, são os chamados ligamentos
intrínsecos da cápsula: ligamentos glenoumerais (superior, médio e inferior), o
transverso do úmero, o coracoumeral e o coracoacromial.
♣ Ao redor da articulação do ombro existem várias bolsas contendo películas de
líquido sinovial nas proximidades dessa articulação. As bolsas estão localizadas onde
os tendões sofrem atrito contra o osso, ligamentos e onde a pele se move sobre uma
proeminência óssea. As bolsas ao redor dessa articulação têm particular importância
clínica. Logo temos as bolsas: subtendínea do músculo subescapular e a subacromial.

3- A articulação do cotovelo

♣ É uma articulação sinovial do tipo gínglimo (faz flexão / extensão), onde a


extremidade distal do úmero se articula com as extremidades proximais do rádio e da
ulna.
♣ A tróclea e o capítulo do úmero articulam-se com a incisura troclear da ulna e a
cabeça do rádio, respectivamente.
♣ A juntura do cotovelo compreende três articulações:
a) articulação umero-ulnar = ocorre entre a tróclea do úmero e a incisura troclear
da ulna
b) articulação úmero-radial = ocorre entre o capítulo do úmero e a cabeça do rádio
c) articulação rádio-ulnar proximal = ocorre entre a cabeça do rádio e a incisura
radial da ulna.
♣ A cápsula fibrosa envolve completamente a articulação. Suas partes, anterior e
posterior são finas e fracas, mas as partes laterais são reforçadas pelos ligamentos:
colateral do rádio e colateral da ulna.

4- Articulação rádio-ulnar

♣ É uma articulação sinovial do tipo trocóide, pois realiza o movimento de rotação


(pronação / supinação) no seu eixo vertical.
♣ As margens interósseas do rádio e da ulna são unidas pela membrana interóssea.
Por isso essa articulação também considerada fibrosa do tipo sindesmose.
♣ É formada por duas articulações:
a) articulação rádio-ulnar proximal = ocorre entre a cabeça do rádio e a incisura
radial da ulna, sendo reforçada pelo ligamento anular.
b) articulação rádio-ulnar distal = ocorre entre a incisura ulnar do rádio e a cabeça
da ulna.

5- Articulação rádiocárpica (ou articulação do punho)

♣ É uma articulação sinovial do tipo condilar (faz flexão / extensão; adução /


abdução; circundução).
♣ Ocorre entre os ossos proximais do carpo (pisiforme, piramidal, semilunar e
escafóide) e a extremidade distal do rádio.
♣ A cápsula fibrosa é reforçada pelos ligamentos: rádio-cárpicos palmares e dorsais
e pelos ligamentos colaterais do rádio e da ulna.

6- Articulações intercárpicas

♣ São articulações sinoviais do tipo plana, o movimento de deslizamento dessas


articulações, resulta em considerável flexão do punho.
♣ Ocorre entre a fileira proximal dos ossos do carpo (pisiforme, piramidal, semilunar e
escafóide) e a fileira distal dos ossos do carpo (uncinado, capitato, trapezóide e
trapézio).
♣ A cápsula fibrosa que envolve essa articulação é reforçada pelos ligamentos:
intercárpicos palmares e dorsais.

7- Articulação carpometacárpica (do polegar)


♣ É uma articulação sinovial do tipo selar, permite os movimentos de flexão /
extensão; adução / abdução.
♣ Ocorre entre o osso do carpo (o trapézio) e a base (em forma de sela) do primeiro
metacarpo (o polegar).
♣ A cápsula fibrosa que envolve essa articulação é reforçada pelos ligamentos:
intercárpicos palmares e dorsais.

8- Articulações intermetacárpicas

♣ São articulações sinoviais do tipo plana, permitem apenas o movimento de


deslizamento.
♣ Ocorre entre os ossos do metacarpo.
♣ Essa articulação é reforçada pelos ligamentos: metacárpicos palmares e dorsais.

9- Articulações metacarpofalangianas (ou metacarpofalângicas)

♣ São articulações sinoviais do tipo condilar, pois realizam os movimentos de flexão /


extensão e adução / abdução.
♣ Ocorre entre as cabeças dos ossos do metacarpo e as bases das falanges proximais.
♣ Essas articulações são reforçadas, a cada lado, por um ligamento colateral, e pelos
ligamentos palmares.

10- Articulações interfalangianas (ou interfalângicas)

♣ São articulações do tipo gínglimo (realizam flexão / extensão).


♣ Ocorre entre a cabeça da falange e a base da falange seguinte.
♣ São reforçadas pelos ligamentos colateral e palmares.

AS ARTICULAÇÕES DO MEMBRO INFERIOR

1- A articulação da cintura pélvica – é formada pelas articulações:

a) a articulação sacro-ilíaca
• Ocorre entre o sacro e o íleo; é uma articulação sinovial do tipo plana (só ocorre
deslizamento).
• Essa articulação é reforçada pelos ligamentos: sacroilíaco interósseo, sacroilíaco
anterior e posterior, sacrotuberal, iliolombar e sacroespinhal (ou sacroespinal).

b) a sínfise púbica
• Ocorre entre os ramos superiores do osso do púbis direito e esquerdo; é uma
articulação cartilaginosa do tipo sínfise (só ocorre deslizamento).
• Essa articulação é reforçada pelos ligamentos: interpúbico superior e arqueado (ou
inferior).

2- A articulação do quadril

• Ocorre entre a cabeça do fêmur e o acetábulo do osso do quadril; é uma articulação


sinovial do tipo esferóide (flexão/extensão; adução/abdução; rotação interna/externa
e circundução).

• A cápsula fibrosa é forte e densa, possuindo quatro ligamentos intrínsecos, que


recebem nomes de acordo com a região do osso do quadril que se fixam ao fêmur, são
os ligamentos: iliofemoral (previne a extensão excessiva do quadril no ato de se
levantar), pubofemoral (é estirado durante a extensão do quadril e torna-se tenso
durante a abdução), isquiofemoral (tende a trancar a cabeça do fêmur medialmente
no acetábulo, durante a extensão da coxa, evitando assim a hiperextensão do quadril)
e o ligamento da cabeça do fêmur (é um ligamento intracapsular, é estirado quando
a coxa fletida é aduzida ou rodada lateralmente).

3- A articulação do joelho

• Nessa articulação os ossos envolvidos são o fêmur, a tíbia e a patela, logo ocorre o
contato entre os côndilos curvos do fêmur, os côndilos achatados da tíbia e as facetas
da patela. É uma articulação sinovial do tipo gínglimo (faz flexão/extensão).

• A cápsula articular fibrosa do joelho é forte. Os ligamentos contínuos com a cápsula


fibrosa são denominados ligamentos extrínsecos da articulação do joelho, são eles: o
ligamento da patela (é a continuação do tendão do músculo quadríceps da coxa), o
colateral fibular, o colateral tibial (os ligamentos colaterais impede a ruptura das
faces laterais da articulação do joelho; são firmemente estirados quando a perna é
estendida e impedem a rotação da tíbia lateralmente ou do fêmur medialmente), o
poplíteo oblíquo e o poplíteo arqueado.

• A articulação do joelho também possui os ligamentos intrínsecos, que são: o


ligamento transverso do joelho, e os ligamentos cruzados anterior e posterior,
unindo o fêmur e a tíbia, localizam-se entre os côndilos medial e lateral. O ligamento
cruzado anterior é o mais fraco, fica frouxo quando o joelho está fletido e tenso
quando completamente estendido, impede o deslocamento posterior do fêmur sobre a
tíbia e a hiperextensão do joelho. O ligamento cruzado posterior é o mais forte, está
estirado durante a flexão do joelho, impede a luxação anterior do fêmur sobre a tíbia
ou a luxação posterior.

• Outras estruturas extremamente importantes encontradas no joelho são os


chamados meniscos medial e lateral, que são placas de fibrocartilagem, localizados
na face articular da tíbia, que atuam como absorventes de choque.

4- A articulação tíbiofibular

• A tíbia e a fíbula articulam-se em suas extremidades proximal e distal. Movimentar a


articulação tíbiofibular proximal é impossível sem movimento na articulação distal.
Unindo os dois ossos encontramos a membrana interóssea.

a) articulação tíbiofibular proximal = ocorre entre a cabeça da fíbula e o côndilo


lateral da tíbia, é uma articulação sinovial do tipo plana, é reforçada pelos
ligamentos anterior e posterior da cabeça da fíbula.

b) articulação tíbiofibular distal = ocorre entre as extremidades distais da tíbia e


da fíbula, é uma articulação fibrosa do tipo sindesmose, é reforçada pelos
ligamentos interósseo, tíbiofibular anterior e posterior e o ligamento
trasnverso.

5- A articulação do tornozelo (ou talo-crural)


• Essa articulação está situada entre as extremidades inferiores da tíbia e da fíbula e a
parte superior do tálus, é uma articulação sinovial do tipo gínglimo (faz
dorsiflexão/flexão plantar). È reforçada pelos ligamentos: deltóide e os laterais
(talofibular anterior, talofibular posterior e o calcaneofibular).

6 – As articulações do pé

a) As articulações intertársicas = ocorrem entre os ossos do tarso, todos os ossos do pé


são unidos por ligamentos dorsais e plantares.

• a articulação subtalar (ou talocalcânea) = ocorre entre a face inferior do tálus e a


parte superior da calcâneo, realiza os movimentos de inversão e eversão, sua cápsula
articular é reforçada pelos ligamentos talocalcâneo lateral, medial e posterior.

• a articulação talocalcaneonavicular = ocorre entre a cabeça do tálus e a face


posterior do osso navicular, é uma articulação sinovial do tipo esferóide, a articulação
é reforçada dorsalmente pelo ligamento talonavicular dorsal e ainda pelo ligamento
calcaneonavicular plantar.

• a articulação calcaneocubóidea = ocorre entre a face anterior do calcâneo e a face


posterior do cubóide, é reforçada pelos ligamentos calcaneocubóide dorsal,
calcaneocubóides plantares e o plantar longo.

b) As articulações tarsometatársicas = ocorrem entre os quatro ossos do tarso e as


bases dos metatarsos, são articulações sinoviais do tipo plana.

c) As articulações intermetatársicas = ocorrem entre as bases dos ossos dos


metatarsos, são articulações sinoviais do tipo plana, o ligamento transverso profundo
do metatarso conecta as cabeças dos metatarsos.

d) As articulações metatarsofalangianas = ocorrem entre as cabeças dos metatarsos e


as bases das falanges proximais, são articulações sinoviais do tipo condilar (fazem
flexão/extensão e adução/abdução), são reforçadas pelos ligamentos colaterais
espessos e o plantar.

e) As articulações interfalangianas = ocorrem entre a cabeça de uma falange e a base


da articulação distal a ela; são articulações sinoviais do tipo gínglimo.

Os arcos do pé.

• Os ossos do pé são dispostos em arcos longitudinal e transverso, projetados como


amortecedores de choque para sustentar o peso do corpo e impulsioná-lo durante o
movimento.

a) o arco longitudinal é composto pelo arco medial (formado pelo calcâneo, tálus,
navicular, os 3 cuneiformes, os 3 primeiros metatarsos + o ligamento
calcaneonavicular plantar) e pelo arco lateral (formado pelo calcâneo, cubóide, 4° e 5°
metatarsos).
b) o arco transverso é composto pelos 3 cuneiformes, cubóide, a base dos 5
metatarsos + ligamentos plantar curto e longo e aponeurose plantar.

ROTEIRO TEÓRICO-PRÁTICO DE SISTEMA ARTICULAR

ü Definir o que é uma articulação;


ü Definir as características de cada tipo de articulação existente no corpo humano
(fibrosas, cartilaginosas e sinoviais);
ü Classificar as articulações sinoviais quanto ao eixo de movimento (uniaxial, biaxial
ou triaxial);
ü Dar as características e citar as estruturas que compõem uma articulação sinovial.

CLASSIFICAÇÃO DAS ARTICULAÇÕES:

1- FIBROSAS: Os ossos são unidos por tecido fibroso.


1.1- SUTURAS: Os ossos são unidos por uma fina lâmina fibrosa de tecido fibroso, o
ligamento sutural. Encontradas no crânio. São anaxiais (não há movimento). Tipos:
serrátil (ex.: sutura sagital), denteada (ex.: sutura lambdóidea), limbosa (ex.: sutura
coronal), escamosa (sutura escamosa), plana (entre as maxilas).
1.2- SINDESMOSES: Os ossos são unidos por uma lâmina mais extensa de tecido
fibroso, que pode ser um ligamento ou uma membrana fibrosa interóssea. Permitem
maior quantidade de movimento. Ex.: articulação tibio-fibular inferior.
1.3- GONFOSES: Formada pela inserção de um processo cônico num "soquete". Ex.:
articulação entre a raiz dos dentes e os processos alveolares da mandíbula e maxila.
1.4- ESQUINDILESE: Onde a crista de um osso se encaixa dentro de um sulco num
elemento adjacente. Ex.: articulação do vômer com o rostro do esfenóide.

2- CARTILAGINOSAS: Os ossos são unidos por tecido cartilaginoso.


2.1- SINCONDROSES (ou junturas cartilaginosas primárias): Os ossos são unidos por
cartilagem hialina, que permite um certo movimento. Geralmente são temporárias; ex.:
os discos epifisários dos ossos longos.
2.2- SÍNFISES (ou junturas cartilaginosas secundárias ou fibrocartilaginosas): As faces
articulares dos ossos estão cobertas por cartilagem hialina, e há fibrocartilagem
unindo as duas faces cartilaginosas. São articulações fortes e pouco móveis. Ex.:
articulações intervertebrais anteriores (com seus discos intervertebrais), sínfise
púbica, articulação manúbrio-esternal.

3- SINOVIAIS: São as articulações que tem as seguintes características: cavidade


articular, cápsula articular fibrosa, cartilagem articular, membrana sinovial e líquido
sinovial. É o tipo mais comum e mais importante, geralmente permitindo uma maior
amplitude de movimentos.
3.1- PLANAS (uniaxiais): Aposição de superfícies articulares planas. Permitem
movimentos de deslizamento e escorregamento. Ex.: articulações zigapofisárias e
acromio-claviculares.
3.2- GÍNGLIMO OU DOBRADIÇA (uniaxiais): Permitem flexão e extensão. Ex.: do
cotovelo (úmero-ulnar proximal) e interfalângicas.
3.3- TROCÓIDES OU EM PIVÔ (uniaxiais): Fazem rotação em torno de um eixo. Ex.:
articulação atlanto-axial.
3.4- CONDILARES (biaxiais): Essas articulações têm uma superfície macho formada
por duas massas distintas arredondadas e convexas (os côndilos), e uma superfície
fêmea com duas concavidades. Permitem flexão e extensão, e também um limitado
grau de rotação. Ex.: do joelho e articulação têmporo-mandibular.
3.5- ELIPSÓIDES (biaxiais): Têm uma superfície macho, convexa, oval, dentro de uma
cavidade fêmea elíptica. Possibilitam movimento ao redor de dois eixos em ângulo reto
(flexão-extensão e abdução-adução). Ex.: radiocárpica e metacarpofalângicas.
3.6- ESFERÓIDES (triaxiais): Altamente móveis. Ex.: coxo-femoral e escápulo-umeral.

ARTICULAÇÕES DO ESQUELETO AXIAL:

- SUTURAS DO CRÂNIO:
- Sutura coronal;
- Sutura sagital;
- Sutura lambdóide;
- Sutura escamosa;

- ARTICULAÇÃO TÊMPORO-MANDIBULAR:
- Classificação: sinovial condilar biaxial.
- Visualizar: - Cápsula articular;
- Ligamento têmporo-mandibular lateral;
- Ligamento esfeno-mandibular;
- Ligamento estilomandibular;
- Disco articular ou menisco.
- Notar o mecanismo de abertura da ATM

- ARTICULAÇÃO ATLANTO-OCCIPITAL:
- Classificação: sinovial condilar uniaxial.

- ARTICULAÇÃO ATLANTO-AXIAL:
- Classificação: sinovial em pivô uniaxial.
- Visualizar: - Ligamento transverso do atlas.

- ARTICULAÇÕES ZIGAPOFISÁRIAS:
- Classificação: sinovial plana anaxial.

- ARTICULAÇÃO SACRO-ILÍACA:
- Classificação: sinovial plana uniaxial.

ARTICULAÇÕES SINOVIAIS DO ESQUELETO APENDICULAR:

MEMBRO SUPERIOR:

- ARTICULAÇÃO ESCÁPULO-UMERAL:
- Classificação: sinovial esferóide triaxial.

- ARTICULAÇÃO DO COTOVELO:
a) Articulação úmero-ulnar:
- Classficação: sinovial em dobradiça uniaxial.
b) Articulação rádio-ulnar proximal:
- Classificação: sinovial em pivô uniaxial.

- ARTICULAÇÃO RÁDIO-CÁRPICA:
- Classificação: sinovial elipsóide biaxial.

- ARTICULAÇÕES METACARPOFALÂNGICAS:
- Classificação: sinovial esferóide biaxial.

- ARTICULAÇÕES INTERFALÂNGICAS:

Classificação: sinovial em gínglimo uniaxial.

A articulação acrômio-clavicular e a articulação do ombro


A articulação do cotovelo e a articulação rádio-ulnar proximal e distal

MEMBRO INFERIOR:

- ARTICULAÇÃO COXO-FEMORAL:
- Classificação: sinovial esferóide triaxial.
- Visualizar: - Ligamento redondo da cabeça do fêmur.

- ARTICULAÇÃO DO JOELHO:
- Classificação: sinovial condilar biaxial.
- Visualizar: - Ligamentos extra-capsulares (colateral tibial e colateral
fibular);
- Ligs. intra-capsulares (cruzados anterior e post.);
- Meniscos (medial e lateral) ou discos articulares.
- ARTICULAÇÃO DO TORNOZELO (TALOCRURAL):
- Classificação: sinovial em dobradiça uniaxial.

- ARTICULAÇÃO METATARSOFALÂNGICAS:
- Classificação: sinovial condilar biaxial.

- ARTICULAÇÃO INTERFALÂNGICAS:
- Classificação: sinovial em dobradiça uniaxial.

Articulação sacro-ilíaca e sínfise púbica


Articulação do quadril ou da coxa
Articulação do joelho – ligamentos extrínsecos

Articulação
do joelho
Ligamentos
intrínsecos

Ligamentos
extrínsecos

Articulação tíbio-fibular