Anda di halaman 1dari 6

Desde os tempos mais remotos, o vinho saciava a sede de

brindes, confraternizações e lendas, inibriando a todos com a


magia e essência do seu paladar.

O vinho nas artes

O vinho serviu, com alguma freqüência, de inspiração para


pintores e escultores. Foram encontradas ilustrações onde o
vinho, se não como protagonista, ao menos fazendo parte do
contexto, está presente, em pinturas funerárias egípcias,
Templos Antigos, Monastérios, Castelos, Catedrais... Nas
tumbas dos faraós, encontraram-se pinturas, retratando
detalhadamente a colheita da uva, prensagem e fermentação.

Para classificar um vinho, deve levar-se em conta:


Açúcar – É a quantidade de açúcar que define a classificação em seco, doce ou
suave. Os secos devem possuir, no máximo, 5g/l de açúcar, (especificação aferida
pela Legislação Vitivinícola Brasileira), pois o processo de fermentação é conduzido
até que seja eliminado o açúcar presente no mosto, (sumo de uva). Já aos suaves,
é adicionado açúcar, e como este não é consumido pela levedura, durante a
fermentação alcoólica, se acumula no meio, fator este, que acaba escondendo as
características aromáticas das uvas.
Coloração _ A uva de origem dá a coloração ao vinho, mas esta pode mudar após o
processo de envelhecimento.
Elaboração _ É a elaboração que origina produtos diferentes.
Envelhecimento _ O tempo de envelhecimento é definido pelas características do
vinho, sendo que, ums podem ter qualidade mesmo jovens, e outros necessitam
envelhecer, para que a mesma seja adquirida com o tempo. Os vinhos jovens são
mais perecíveis, (duram em média dois anos), de paladar agradável, o aroma da
fruta é mais marcante, (podendo este assemelhar-se ao de flores), e a coloração
mais viva. Os vinhos envelhecidos, (em barris de carvalho, ou na própria garrafa),
têm uma evolução do “bouquet”, onde o seu aroma se torna mais forte,
(assemelhando-se a manteiga ou baunilha, quando o processo é feito em barris de
carvalho), e a coloração torna-se mais opaca.
Safra _ Alguns vinhos possuem no rótulo a safra de uvas que lhes deu origem.
Tipo de uva _ O nome da variedade que deu origem ao vinho, está presente no
rótulo, e esta deve representar 65% da sua composição, e neste caso o vinho é
classificado como Varietal, (se não possuir Denominação de Origem). No caso do
vinho classificado de Assemblage, ele é elaborado a partir da mistura de outros
vinhos, em proporções diferentes.

° O vinho, acompanhando ou não, uma refeição ou aperitivo, deve-se adequar a


todo um contexto do momento, harmonizando-se com o paladar da comida, ocasião
e clima.

° Além de um complemento gastronômico, o vinho também é utilizado para


adicionar um toque especial ao paladar de certos pratos, começando pela já tão
conhecida “vinha de alhos”.

Como guardar:
Os vinhos devem ser guardados, de preferência na posição horizontal, em local com
pouca luminosidade, e cuja temperatura não deve ultrapassar os 20°C.
Temperatura:
Para resfriar o vinho recomenda-se um balde com gelo, ou até mesmo a geladeira,
mas jamais o freezer, porque o choque térmico tende a modificar as características.
Quanto à temperatura, não há que seguir regras impostas, e sim adequá-la ao
gosto da pessoa, embora seja razoável levar em consideração alguns critérios
básicos:
Espumante: O espumante deve ser gelado, para que a espuma se torne mais
refrescante.
Vinho tinto: Vinho tinto, no inverno, deve ser tomado na temperatura entre 15 a
20°C, mas nada impede que, no verão, ele seja colocado na parte mais baixa da
geladeira, por mais ou menos 30minutos.
Vinho branco: Vinho branco, no verão, deve ser degustado numa temperatura entre
8 a 10°C, e para isso, conservado num balde de gelo. No entanto, no inverno, a
temperatura pode ser mais amena, e o balde de gelo, dispensado.
Vinho rose: Vinho rose, é um ponto intermediário de branco e tinto, e o critério
para a sua temperatura deve harmonizar com o clima.

A arte de degustar:
_ Anule qualquer interferência no paladar, inclusive o fumo, ou qualquer outra
bebida que não seja água.
_ Coloque uma pequena quantidade de vinho no copo adequado.
_ Passeie os olhos pelo liquido, analisando sua cor, reflexos, limpidez e brilho.
_ Aproxime o copo do nariz e concentre-se no aroma que dele exala. Gire o copo
suavemente, enquanto vai percebendo novos aromas se desprendendo.
_ Leve o copo até à boca e sorva um pequeno gole, permitindo que o vinho entre
em contato com as diferentes regiões da língua, pois cada uma capta um sabor
distinto.
_ Tente decifrar a linguagem do vinho, contida em cada segmento, e procure definir
com a sua linguagem, cada traço que o compõe.

AÇÚCAR

Dependendo da quantidade de açúcar que o vinho possui, recebe classificações, como


seco ou suave.
Suave (pode ser tinto ou branco): ao qual é adicionado açúcar.Desta forma, o vinho fica
com uma dose grande de açúcar residual, que é o açúcar que não é consumido pelas
leveduras durante a fermentação alcoólica e se acumula no meio. Por esta técnica, os
apreciadores dizem que eles possuem uma qualidade inferior, já que o açúcar pode
esconder vários defeitos dos vinhos, além de características aromáticas das uvas.
Secos: possuem uma dose muito pequena de açúcar residual, pois a fermentação só
acaba com o fim do açúcar presente no mosto. Possuem, no máximo, 5g de açúcar por
litro de vinho.Este índice é especificado pela Legislação Vitivinícola Brasileira.

SAFRA

Existem no mercado atual vinhos safrados ou não.Esta classificação não é obrigatória


nos rótulos, porém, já é costume definir a safra ou vindima do vinho.
Os vinhos ditos safrados devem possuir em seu rótulo a safra de uvas que lhe deu
origem.

Como acompanhar:
° Apesar de algumas regras básicas que deverão ser levadas em conta, para que se
possa apreciar o vinho em toda a plenitude das suas características, o paladar é
pessoal, e alguns conceitos podem ser inovados, desde que não resultem em
grandes desastres.
° Nunca sirva coquetéis como aperitivo, pois estes irão alterar a sensibilidade do
paladar, para os vinhos a serem servidos durante a refeição.
° Rosados e espumantes podem acompanhar todos os segmentos de uma refeição.
° Se servir vários vinhos a uma refeição, comece pelo mais leve e fraco, e termine
com o mais forte e encorpado.
Vinhos não devem acompanhar:
_ Saladas temperadas com vinagre, pois o seu aroma ácido, altera o de qualquer
vinho.
_ Pizzas, devido à acentuada combinação de temperos.
_ Sobremesas ácidas ou muito doces. Nota: Mesmo que se abra uma exceção com
vinhos brancos doces, para cremes de baunilha, e tintos doces, para cremes de
chocolate, evite usar vinhos brancos, roses ou tintos, secos, para qualquer tipo de
sobremesa.

CONSUMO DOS VINHOS:

Os franceses têm um consumo anual de 115 l/p, os argentinos


60 l/p, e o Brasil 2,09 l/p.
O Brasil produz aproximadamente 260 milhões de litros por
ano (segundo dados da União Brasileira de Vinicultura)

O VINHO E SUA HISTÓRIA

° Pesquisadores datam o início do cultivo da uva, de há mais de 4000 anos,


mas a localização no tempo, das primeiras produções de vinho, ainda é
incerta, as quais, de métodos artesanais, com mínimas condições de
higiene, e formas rudimentares de conservação, assim como embalagens
precárias, vem evoluindo na sua elaboração, ao mesmo tempo que, as
formas da garrafa são mais elaboradas, e as rolhas mais fortes.

° Escavações na Turquia, na Síria, no Líbano e na Jordânia, indicam a


presença das uvas, já na Idade da Pedra, cerca de 8000a.C, embora este
dado se refira às uvas selvagens e não ao seu cultivo. A época em que o
homem passou de nômade a sedentário, e por isso adquiriu o hábito de
plantar, coincide com a data das sementes de uva (classificadas pela
marcação de carbono), encontradas na Geórgia, que são definidas como
sendo de plantio, porque estas diferem das selvagem, que não possuem os
elementos necessários, (como a capacidade de armazenar açúcar na
proporção de 1/3 do seu volume) para a confecção do vinho.

° A Palestina empreendia-se no cultivo e na seleção de vinhas da melhor


qualidade, para a elaboração de uma gama de vinhos com grande
reputação.
Os vinhedos prosperavam à margem do Golfo Pérsico, dos Mares Cáspio,
Negro e Egeu. Floresce no Egito e se propaga até à Europa. A cultura da
uva é empreendida na Grécia, nas ilhas sob o domínio do Rei Baco, e os
vinhos aqui produzidos são levados aos portos do Mediterrâneo, às vezes
com preços exorbitantes, especialmente em Roma, onde o seu consumo
chegou a ser proibido para as mulheres, devido ao excesso tomado por
alguns consumidores, e seus efeitos, considerados não morais.
A expansão desta cultura se deu de tal forma, que causou uma
superprodução na Península Ibérica, e uma conseqüente queda de preços.
Pressionado pela crise, o Imperador Domiciano, ordenou que fossem
queimadas as vinhas de origem dos vinhos de baixa qualidade, o que não
impediu que a cultura do vinho continuasse sua progressão,
principalmente com a grande contribuição da Igreja, a qual passou a fazer
da viticultura, uma forma de aumentar o seu tesouro, abastecendo
monarcas, e altas autoridades de países vizinhos.
Já fomentada em larga escala pelo clero, ao redor dos monastérios, e em
seguida pela nobreza, ao redor dos castelos, a cultura de vinhedos atinge o
interior das cidades, onde são controlados pela burguesia(senhores
feudais).

O VINHO NA LITERATURA

° O primeiro documento escrito que menciona as uvas, ou o produto do seu


sumo, é a Bíblia, quando diz: “Noé plantou uma vinha e tendo bebido o seu
vinho, se embriagou em sinal de agradecimento”.

° Alguns vinhos de renome, na Antiga Grécia, já eram citados por Homero,


e a colheita durante o outono, é descrita com lirismo.

° A história dos vinhedos, na Antiguidade, foi ilustrada pelo poeta Hesíodo.

° O código de Hamurabi é o primeiro livro sobre leis onde se faz referência


aos vinhos, imputando castigos a certas condutas das “casas de vinho”.

° Hipócrates, em seus escritos, deixou várias observações sobre as


propriedades medicinais do vinho.

° Por volta de 1.300, o espanhol Arnaldus de Villanova, médico e professor, escreve


o primeiro livro impresso, sobre o vinho, “Líber de Vinis”.

Citações ao vinho:

O doce beber que nunca me teria saciado. (Dante Alighieri)

A Alma do vinho assim cantava na garrafa:


“Homem, ó deserdado amigo, eu te compus,
Nesta prisão de vidro o lacre em que se abafas,
Um cântico em que só há fraternidade e Luz”(Charles Baudelaire)
(extraído do poema L´Âme du Vin)

Sem vinho, sem soldados. (Napoleão Bonaparte)

A penicilina cura os homens, mas é o vinho que os torna felizes. (Fleming)

Boa é a vida, mas melhor é o vinho. (Fernando Pessoa)

Por mais raro que seja, ou mais antigo,


Só o vinho é deveras excelente.
Aquele que tu bebes, docemente,
Com teu mais velho e silencioso amigo.(Mário Quintana)

Vinho cor do dia


Vinho cor da noite
Vinho com pés de púrpura
O sangue de topázio
Vinho,
Estrelado filho
Da terra (Pablo Neruda)
(extraído do poema “Oda al Vino”

O VINHO NA MITOLOGIA

° A história do vinho, ligada à mitologia oriental, tem o rei Baco, uma


espécie de divindade suprema, seu personagem principal. O rei Baco era
festejado em Atenas, com procissões e espetáculos, e a ele era dedicado
um dia do ano, no qual aconteciam orgias, originadas na Grécia, e
difundidas mais tarde em Roma.Tais orgias tiveram seu fim em 186a.C,
através de um decreto.

° Na Grécia, em Atenas, o Festival de Dionísio, tinha entre seus


significados, a comemoração do grande dilúvio, castigo com o qual, Zeus
(Júpiter) sentenciou o pecado dos homens. O único casal que sobreviveu
gerou três filhos, entre eles Orestheus, que teria plantado a primeira
vinha, e Amphictyon, ao qual Dionísio ensinou sobre vinho.

° Na Pérsia, seu rei Jamshid, que teria construído um grande muro para
ajudar Noé a salvar os animais do dilúvio, conservava uvas em jarras, para
serem consumidas fora da estação. Certa vez, uma das donzelas do harém
tenta se matar, ingerindo o suco das uvas contidas em uma das jarras, que
espumavam e exalavam um cheiro estranho, por acreditar tratar-se de
veneno. Ela não morreu, e em vez disso caiu num repousante sono, após
ter sentido o êxtase da alegria. Ao saber disso, o rei ordenou que tal
bebida fosse produzida em grande quantidade.

COLORAÇÃO

Os vinhos podem possuir coloração diferente segundo a uva que lhe dá origem e,
com o envelhecimento, a coloração pode mudar.
O vinho branco é aquele elaborado com uvas brancas. Possui uma coloração
amarelada, com diversas tonalidades combinadas com o amarelo. Pode ser
elaborado de duas formas: através de uvas brancas -"Blanc de Blancs" ou com
uvas tintas vinificadas em branco -"Blanc de Noir".
Outro é o vinho tinto, elaborado exclusivamente de uvas tintas. É o vinho mais
apreciado pelo consumidor atual.
Ou então, o vinho rosé ou rosado, que é um vinho com uma coloração
intermediária. Pode ser elaborado de duas formas: ou por mistura de um vinho
tinto com um branco, ou com uvas tintas que ficam um tempo pequeno com a
presença das cascas das uvas, período chamado de Maceração Pelicular.Sua
expressão no mercado sempre foi diminuta. Quase não são elaborados atualmente.

O vinho e suas propriedades

O vinho tem diversas propriedades benéficas à saúde, (quando


consumido moderadamente). Entre elas está a redução de doenças
cardíacas, diminuição da taxa do mau colesterol, aumento da taxa do
bom colesterol, proteção contra a ação dos radicais livres. Consumo
um cálice por dia, antes do almoço. O vinho certo é o tinto seco.
COPILADO DE DIVERSAS FONTES

Yenid Arufacse