Anda di halaman 1dari 4
Ano 07 nº 74 PREVENÇÃO Caros associados e moradores Considerando a expansão e freqüência com que
Ano 07 nº 74 PREVENÇÃO Caros associados e moradores Considerando a expansão e freqüência com que
Ano 07 nº 74
Ano 07 nº 74

Ano 07 nº 74

Ano 07 nº 74 PREVENÇÃO Caros associados e moradores Considerando a expansão e freqüência com que

PREVENÇÃO

Caros associados e moradores

Considerando a expansão e freqüência com que vem ocorrendo os atos de violência nas cidades brasileiras, a

AMORQC pensa que tomar os devidos cuidados com a segurança pessoal é essencial e percebe que isso deve ser

feito com freqüência através de atitudes individuais ou

administrativas e embora não tenha um especialista na área

de segurança em sua Diretoria, vem colaborando na divulgação de regras elaboradas por estudiosos e

autoridades no assunto, que certamente contribuirão na prevenção da segurança dos moradores do Quebra Coco,

reunindo nestas divulgações, procedimentos simples de segurança individual e familiar.

Mais do que adquirir uma nova postura precisamos estar conscientes da importância da prevenção e reforçar no dia-a-

dia atitudes adequadas à realidade em que vivemos, modificando nossos hábitos para reduzir o risco de nos tornamos vítimas da violência na vida pessoal e profissional.

Como conseqüência, estaremos garantindo maior bem-estar

para nossa família.

Devemos ficar permanentemente atentos e transmitir nossas orientações para todos os familiares e empregados.

Nas recomendações pode estar a diferença entre a prevenção eficaz e o registro de uma ocorrência policial. A

responsabilidade pela prevenção é de cada um de nós.

A partir deste número, nosso B.I. fará referência a diversas

situações relacionada a nossa segurança. Bom proveito!

Jairo Chrispim

Diretor Presidente-AMORQC

O CONCEITO DE SEGURANÇA PÚBLICA Numa sociedade em que se exerce democracia plena, a segurança pública

O CONCEITO DE SEGURANÇA PÚBLICA

Numa sociedade em que se exerce democracia plena, a segurança pública garante a proteção dos direitos individuais e assegura o pleno exercício da cidadania. Neste sentido, a segurança não se contrapõe à liberdade e é condição para o seu exercício, fazendo parte de uma das inúmeras e complexas vias por onde trafega a qualidade de vida dos cidadãos. Quanto mais improvável a disfunção da ordem jurídica maior o sentimento de segurança entre os cidadãos.

As forças de segurança buscam aprimorar-se a cada dia e atingir níveis que alcancem a expectativa da sociedade como um todo, imbuídos pelo respeito e à defesa dos direitos fundamentais do cidadão e, sob esta óptica, compete ao Estado garantir a segurança de pessoas e bens na totalidade do território brasileiro, a defesa dos interesses nacionais, o respeito pelas leis e a manutenção da paz e ordem pública. Paralelo às garantias que competem ao Estado, o conceito de segurança pública é amplo, não se limitando à política do combate à criminalidade e nem se restringindo à atividade policial.

A segurança pública enquanto atividade desenvolvida pelo Estado é responsável por empreender ações de repressão e oferecer estímulos ativos para que os cidadãos possam conviver, trabalhar, produzir e se divertir, protegendo-os dos riscos a que estão expostos. As instituições responsáveis por essa atividade atuam no sentido de inibir, neutralizar ou reprimir a prática de atos socialmente reprováveis, assegurando a proteção coletiva e, por extensão, dos bens e serviços.

Norteiam esse conceito os princípios da Dignidade Humana, da Interdisciplinaridade, da Imparcialidade, da Participação comunitária, da Legalidade, da Moralidade, do Profissionalismo, do Pluralismo Organizacional, da Descentralização Estrutural e Separação de Poderes, da Flexibilidade Estratégica, do Uso limitado da força, da Transparência e da Responsabilidade.

Ligue e encaminhe sua denúncia. 17º Batalhão de Polícia Militar 2334-6331 , 2334-6334, 2334-6330 Radiopatrulha 190
Ligue e encaminhe sua denúncia. 17º Batalhão de Polícia Militar 2334-6331 , 2334-6334, 2334-6330 Radiopatrulha 190

Ligue e encaminhe sua denúncia. 17º Batalhão de Polícia Militar

2334-6331, 2334-6334,

2334-6330

Radiopatrulha 190 Ambulância 192 Corpo de Bombeiros 193 Defesa Civil 199

Contribuinte da Amorqc:

Em caso de Emergência você ainda conta com os telefones celulares em poder dos vigilantes

Ligue e encaminhe sua denúncia. 17º Batalhão de Polícia Militar 2334-6331 , 2334-6334, 2334-6330 Radiopatrulha 190

A violência tem amplo campo para progredir no Brasil devido aos seguintes aspectos: miséria social, drogas, consumismo estimulado pela mídia, facilidade de obtenção de armas, organização arcaica do Sistema de Segurança Pública, legislação defasada e complacente, Estatuto da Criança e maioridade penal inadequados à realidade brasileira, etc.

Admite que é urgente o diálogo entre os diversos setores da sociedade, a valorização do policial, o policiamento comunitário, políticas sociais que valorizem os jovens e a família, criação de empregos, saneamento básico, habitação decente e melhoria do ensino público. Mesmo que tudo isso pareça grande e demorado demais em face de um problema tão urgente como o da criminalidade, ações que privilegiem apenas o indivíduo, buscando somente a segurança pessoal não vão diminuir em nada as causas da criminalidade em nosso país.

Precisamos estar atentos às causas da violência e da criminalidade, tendo a consciência de que o problema é complexo, que respostas simples não irão nos ajudar a compreender e a modificar a realidade que nos cerca e que políticas sérias voltadas para a segurança pública são urgentes.

São necessárias ações pró-ativas de cunho social e educacional, ações preventivas de toda a sociedade para evitar o delito, mas mais do que nunca uma grande mobilização de caráter permanente que demonstre realmente a soberania do Estado. Mas enquanto impera o jogo de empurra, o que podemos fazer: PREVENIR E EXIGIR.

A Segurança é a segunda maior preocupação do cidadão brasileiro, só perdendo para o desemprego. Atinge todas as camadas sociais, do barraco da favela aos grandes palacetes, do desempregado ao mega empresário. Um grande percentual do Produto Interno Bruto Brasileiro é perdido com a violência e criminalidade. A legislação é inadequada ao contexto da sociedade para auxiliar na prevenção da violência no dia a dia, na residência e no trânsito.

CIDADANIA: COMO AGIR E EXIGIR Até a Constituição de 1988 a segurança pública era assim definida:

CIDADANIA: COMO AGIR E EXIGIR

Até a Constituição de 1988 a segurança pública era assim definida: “Segurança Pública, dever do Estado”.

A nova Constituição veio diferente e trouxe no seu artigo 144 a inovação: “A Segurança Pública, dever do Estado, direito e responsabilidade de todos”. Quando disse direito, quis dizer exatamente que o titular desse direito é você cidadão. O patrão da polícia deixou de ser o Estado e passou a ser o cidadão. Portanto, você cidadão, não tem mais que pedir ou suplicar segurança pública e sim EXIGIR.

Não se deixe seduzir com propaganda de “entrega de viaturas e equipamentos”; são fatores importantes, mas por si só não promovem segurança. Exija investimento de verdade nos policiais; salário digno e preparo constante. O policial tem vedações constitucionais que impedem mobilização para reivindicar direitos e salário justos; cabe, portanto, a cada cidadão, defender aquele que o defende exigindo das autoridades governamentais o respeito e dignidade que estes merecem.

Participe dos CONSEG - Conselhos Comunitários de Segurança – que existem em todo o Estado, com a participação de membros natos da Polícia Militar e Polícia Civil, onde se reúnem todos os segmentos da sociedade para discutir, buscar e encontrar soluções para melhoria da segurança do bairro ou da cidade. Informe-se na Unidade Policial de seu bairro sobre a data e local das reuniões e passe a participar e a levar seus amigos.

Faça o registro de crimes. Segundo pesquisas, poucos casos de roubos e furtos são registrados, ou seja, de cada quatro casos apenas um é notificado. Esta sub- notificação favorece a omissão governamental, pois quando o governo anuncia os índices criminais e comemora as reduções, saiba que a sua inércia ou descrença em fazer um B.O. (boletim de ocorrência) redunda em prejuízo a toda a sociedade. Por outro lado, saiba que o seu registro poderá ajudar a elucidar ou até inibir outros crimes e evitar novas vítimas. Pense nisso!

Disque Denúncia: como a maldita “lei do silêncio” impera principalmente na população mais humilde, a sociedade civil bem intencionada e organizada criou o “Disque Denúncia”, onde o cidadão não precisa se identificar para denunciar crimes e criminosos. Procure saber o número usado na sua localidade e tenha consigo. Isto poderá salvar sua vida.

Acione 190: caso perceba o perigo para você ou para qualquer pessoa, acione o número de emergência da Polícia Militar. Procure ser calmo, passando as informações ao operador do 190. Com o máximo de informações para uma “pronta resposta” mais efetiva. Oriente e eduque as pessoas ao seu redor a jamais usar o 190 para “trote”, pois além de ser crime, ocupará a linha que poderia salvar a vida de outra pessoa que realmente esteja em perigo.

Quando o artigo 144 da Constituição disse “responsabilidade de todos”, quis dizer que cada um de nós é de fato responsável pela segurança pública, não podendo ser um de nós alguém que direta ou indiretamente está participando da “cadeia de crime”. Paz: atitudes concretas sim, hipocrisia não. A violência é um fenômeno mundial impossível de ser neutralizado, mas seus efeitos podem ser.

REFLITA, EXIJA E TOME ATITUDES! No próximo boletim daremos continuidade ao assunto!