Anda di halaman 1dari 161

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Dedicatória-
Dedicatória-

À DEUS

MINHA FONTE DE VIDA E INSPIRAÇÃO

Á MINHA ESPOSA TÂNIA

COM TODO AMOR DA MINHA VIDA

ÀOS MEUS PAIS: PR. JOEL AMÂNCIO E LOIDE

EXEMPLOS DE UM MINISTÉRIO FRUTÍFERO

AS MEUS FILHOS: PR. LEVY JR. LÍVIA E LIA HERANÇAS DO SENHOR JESUS CRISTO PARA MIM

AOS GENROS E NORA: PR. TIAGO PR. NASCIMENTO E JOSANA DÁDIVAS DE DEUS COMO SENDO VERDADEIROS FILHOS

ÁS NETAS: REBECA ANA LUÍZA E TÂNIA LAÍS DÁDIVAS SUBLIMES DE DEUS E ALEGRIA PARA NOSSA FAMÍLIA

À IGREJA ASSEMBLÉIA DE DEUS LIMEIRA/SP E SEU MINISTÉRIO LOCAL

NOIVA QUERIDA DE JESUS CRISTO SOB NOSSA LIDERANÇA DESDE 2006

3

...

E

A Vara de Arão Floresceu

“ILUMINADOS OS OLHOS DO

VOSSO CORAÇÃO,

PARA SABERDES QUAL A ESPERANÇA DA VOSSA VOCAÇÃO E QUAL AS RIQUEZAS DA GLÓRIA DA SUA

HERANÇA NOS SANTOS.”

Efésios. 1:7

4

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Agradecimentos-

AO DEUS PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO, que me escolheu e chamou, vocacionando-me para sua maravilhosa obra;

AO MEU FILHO, PR. LEVY JR., pela diagramação e montagem desse trabalho,além das sugestões oportunas;

AO Designer Ricardo A. dos Santos Campos pelo excelente trabalho de arte gráfica da capa, parabéns;

À PROFESSORA Márcia Aragão, pela revisão gramatical

AO PROFESSOR PASTOR Jonas Ferreira pela revisão teológica

A TODOS QUE DIRETA OU INDIRETAMENTE CONTRIBUIRAM PARA A EXECUÇÃO DESSE TRABALHO, QUE O SENHOR JESUS VOS ABENÇOE ..

5

...

E

A Vara de Arão Floresceu

SUMÁRIO
SUMÁRIO

Dedicatória.............................................................................................05

Apresentação..........................................................................................09

Prefácio ..................................................................................................13 Agradecimento ........................................................................................16

Uma palavra

...........................................................................................

18

  • I- A vocação ministerial......................................................................21

Compreendendo a vocação ........................................ Aperfeiçoando a vocação ........................................... Aceitando a vocação ................................................. Compartilhando a vocação ........................................ Manifestando a vocação ...........................................

II- A chamada ministerial....................................................................41

A preparação ministerial ................. O tempo de Deus na chamada ................................ O caminho no deserto a ser percorrido .................... Elegendo companheiros e conselheiros .................... Exercendo a chamada com coragem .......................

6

...

E

A Vara de Arão Floresceu

III- Requisitos essenciais da chamada............................................69

A humildade ..................................................... A obediência ..................................................... A submissão ..................................................... A perseverança................................................. A convicção ......................................................

  • iV- algumas formas de conquistar posição ministerial ..............97

A usurpação ..................................................... A negociação ................................................... A nomeação .................................................... A eleição ......................................................... A consagração ..................................................

V Exemplos de Ministérios frutíferos ..........................................117

O Ministério de Abraão........................................ O Ministério de Moises........................................ O Ministério de Jose ............................................ O Ministério de Arão ..........................................

Posfácio ...........................................................................................138

7

...

E

A Vara de Arão Floresceu

APRESENTAÇÃO

8

...

E

A Vara de Arão Floresceu

PREFÁCIO
PREFÁCIO

Senti-me honrado em ser convidado pelo pastor Levy Ferreira de

Souza para prefaciar este compêndio “

...

E

a vara de Arão floresceu”, terceiro

livro de sua autoria, contendo valiosos ensinamentos sobre o ministério eclesiástico. Com muita propriedade, pastor Levy trata com clareza e habilidade a questão da vocação ministerial, suas implicações para o obreiro cristão e da compreensão e aceitação que se deve ter acerca do ministério pastoral. Sabemos que existem muitas obras que tratam sobre o ministério, porém este livro ilustra de maneira direta a preparação, os requisitos e os exemplos bíblicos de personagens que marcaram a sua geração através de uma liderança saudável, íntegra e forte. Mais do que nunca, a nossa família, nossa sociedade, igreja e nossa geração, precisam de líderes que façam a diferença; que tenham o profundo desejo de fazer a vontade de Deus e realizar a sua obra (Jo 4.34); que produzam frutos eternos para Deus (Jo 15.16); e que compreendam sua

verdadeira identidade ministerial (1Tm 1.1). Ao discorrer sobre os requisitos básicos para o líder de hoje, o autor fala de aspectos como humildade, obediência, submissão, perseverança e convicção. Tenho por certo de que se esses requisitos forem colocados em

9

...

E

A Vara de Arão Floresceu

prática pelos leitores, irão nortear a cada companheiro em um ministério de êxito, crescimento e desenvolvimento. Outro ponto importante desta obra é a gama de personagens bíblicos. Desde os patriarcas do Antigo Testamento, até os Apóstolos do Novo Testamento, o autor vai desenhando a vida, caráter, atitudes, os fatores negativos e positivos na vida e obra de diversos homens de Deus. Tenho certeza de que ao terminar esta obra, o leitor terá crescido no conhecimento bíblico e poderá analisar como está sendo desenvolvido o seu ministério pastoral. Lições claras e objetivas, linguagem de fácil compreensão e exemplos diretos marcam esta importante obra de autoria do pastor Levy. Conhecendo a vida de dedicação a Deus e o profícuo ministério do pastor Levy Ferreira de Souza, convido a todos para ler, reler e pesquisar esta ferramenta que temos em nossas mãos. Mergulhe nesta leitura, reflita e tome a decisão em ser um obreiro aprovado por Deus e pela igreja do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Em Cristo;

Pr. João Carlos Padilha de Siqueira

Presidente da Assembléia de Deus no Campo de Presidente Prudente/SP

10

...

E

A Vara de Arão Floresceu

UMA PALAVRA

O Ilustre

pastor Levy Ferreira de Souza, lança

agora sua

terceira obra com título de: “ E a vara de Arão Floresceu”.

Após ter lido os originais e constatei o louvável esforço do autor no sentido de proporcionar aos obreiros de uma forma em geral, ensinamentos que constituem subsídios necessários ao melhor desempenho do ministério que Deus lhes confiou. É um trabalho simples e alicerçado na palavra de Deus, bem como nas experiências do autor. Certamente é um livro escrito com humildade e fruto der meditação e estudo na palavra de Deus.

É uma obra para auxiliar principalmente novos obreiros que, após a meditação, possam colocar em prática, pois o ministério é dom de Deus. Com toda certeza foi com sincero desejo de ajudar a outros companheiros que esta obra foi preparada; Devemos atentar para o

seu tema “ E a vara de Arão Floresceu”.

Queridos irmão obreiros, companheiros da obra do Senhor, como tem sido o seu ministério? Tem florescido? Não se esquece que somos uma varinha nas mãos de Deus e precisamos frutificar,

11

...

E

A Vara de Arão Floresceu

porque conforme nos indica a palavra de Deus, cada um receberá galardão segundo o seu trabalho .

O

autor

teve

a

felicidade de dirimir muitas dúvidas e

orientar, em sua maneira simples de apreciar os fatos e comentá-

los a que, cada obreiro deve conservar-se humildemente, como

nos recomenda a palavra de Deus em I Pe 5:06 que nos diz “

humilhai-vos pois debaixo da potente mão de Deus para que, a seu

tempo vos exalte”. Sobretudo, como obreiros do Senhor não nos esqueçamos dos conselhos do apóstolo Paulo à Timóteo “ Procura apresentar-se

a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se

envergonhar e que maneja bem a palavra da verdade”

Vosso companheiro em Cristo Jesus;

Pr. Joel Amâncio de Souza,

Presid. benemérito da Assembléia de Deus Campo de Limeira/SP

12

...

E

A Vara de Arão Floresceu

I A VOCAÇÃO MINISTERIAL

Porque os dons e a vocação de Deus são

irrevogáveis.”

Romanos 11:29

13

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Compreendendo a vocação ministerial.

A vocação ministerial é dada por Deus, tendo em vista que é uma disposição da alma e do espírito da pessoa para desenvolver uma atividade na obra do Senhor.

Assim, Deus elege seu servo e o vocaciona para fazer Sua obra aqui na terra, exatamente na posição e função que entende ser necessário para o que convém ao Seu reino terreno.

Deus jamais se engana, Sua escolha sempre é perfeita, Ele observa a necessidade da Sua obra, escolhe o homem ou a mulher e o vocaciona, porém, naturalmente, o ser humano, que é dotado de livre arbítrio, pode aceitar desenvolvê-la ou não.

Há inúmeros exemplos bíblicos que mostram pessoas vocacionadas por Deus que rejeitaram executar as tarefas por Ele determinadas, Na verdade, receberam a capacidade vocacional de Deus mas não a desempenharam, ou seja, não despertaram o dom que receberam, tornando-se vasos inúteis.

14

...

E

A Vara de Arão Floresceu

O apóstolo Paulo escreveu a Timóteo, seu cooperador, conselhos que demonstram claramente a possibilidade do vocacionado adormecer o dom que recebeu do Senhor na sua vida, conforme segue:

...

por

este motivo eu te exorto que desperte o dom de Deus,

que há em ti

...

II Timoteo 1:6

A capacitação vocacional vem de Deus, e observamos, desde as histórias bíblicas antigas até as contemporâneas, a existência de pessoas das mais diversas condições sociais, profissionais e culturais que receberam a capacitação vocacional de Deus, desempenhando com brilhantismo e sucesso a sua chamada ministerial, conforme a vontade divina.

A capacitação vocacional pode se dar em diversas áreas ministeriais: cântico, evangelismo, ensino, aconselhamento, etc. Para isso, Deus vocaciona os seus servos e os capacita, de acordo com a necessidade da sua obra e a Sua obra e soberana vontade.

15

...

E

A Vara de Arão Floresceu

É

importante destacar que a

vocação ministerial é

diferente da chamada ministerial; aquela é a capacitação para o exercício de uma obra, esta, a indicação do tempo de Deus para o exercício ministerial.

É necessário que tenhamos a compreensão

clara da

vocação para que possamos exatamente dentro da vontade

executar a tarefa incumbida,

divina.

Nossos

interesses ou

vaidades pessoais não podem prevalecer diante dos projetos de Deus para nossa vida e ministério, porque Ele é o dono da obra.

Ao mesmo tempo em que Deus preparava Moisés para ser o líder do povo hebreu, também preparava e vocacionava seu irmão Arão para ser o seu cooperador naquela mesma tarefa, pois de alguma maneira Arão se destacava entre os hebreus e Deus, portanto estava preparando tudo isto.

Deus sabe que nós, por mais capacitação que tenhamos, jamais poderemos exercer nossas atividades ministeriais e vocacionais de forma isolada. Dessa forma, quando nos prepara para uma obra, tem também o compromisso de preparar aqueles

16

...

E

A Vara de Arão Floresceu

que nos auxiliarão, dando-lhes o espírito necessário para exercerem a tarefa de cooperadores.

O dono da obra é o primeiro a ter interesse que ela seja executada com eficiência, portanto prepara toda a estrutura necessária para o sucesso total.

17

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Aperfeiçoando a vocação;

...

Ele

mesmo vos há de aperfeiçoar

...

1 Pedro 5:10

Deus

não

faz

nada

imperfeito,

e

gradativamente

prepara e capacita o vocacionado para o exercício da tarefa que lhe

será proposta.

Podemos observar como Deus lapidou Moisés ao longo

de oitenta anos. Nos primeiros quarenta (êxodo 2:1-10), preparou-

o culturalmente e nos quarenta anos seguintes, preparou-o

socialmente, psicologicamente e espiritualmente (êxodo 2:11-22).

Sabendo Deus que Moisés deveria, no futuro, organizar

o Seu povo para que se comportasse como uma nação organizada,

tratou de colocá-lo, desde menino, dentro do palácio de Faraó, o

maior e mais poderoso líder do mundo antigo, para que ali fosse

preparado em toda ciência do Egito.

18

...

E

A Vara de Arão Floresceu

“Moisés foi instruído em toda ciência do Egito e era poderoso

em palavras e obras.”

Atos 7:22

Observamos que Moisés, desde logo, compreendeu o

que Deus queria com a sua vida, haja vista que andando por entre

o povo, procurou defender um dos seus irmãos israelitas das mãos

do seus algozes. Entretanto, ele não estava devidamente preparado

para iniciar o trabalho que Deus lhe colocara no coração, e assim,

fora do tempo, não obteve sucesso.

“Naqueles dias, sendo Moisés já grande, saiu a ter com seus irmãos e atentou para

suas cargas. Vendo que um egípcio feria um de seus irmãos, matou o egípcio e o

escondeu na areia”

Exodo 2:11,12

Moisés compreendia que havia um propósito de Deus na

sua vida, mas ainda, faltava um aperfeiçoamento, um burilamento

para que o trabalho que Deus lhe requeria pudesse ser

efetivamente executado.

19

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Hoje também encontramos obreiros que, apesar da boa

intenção de servir a Deus, não estão devidamente preparados para

tal. Falta preparação, lapidação e capacitação, a fim de que a obra

do Senhor seja feita com eficiência, e sobre tudo no tempo de

Deus.

Moisés possuía um vasto conhecimento científico

cultural, pois fora instruído em toda ciência do Egito, mas isso

não foi suficiente para lhe proporcionar qualificação na obra que

Deus lhe vocacionara. Era necessário um preparo mais profundo, e

este só poderia ser ministrado por trás das montanhas de Mídiã, no

deserto, junto de ovelhas que nem mesmo eram suas.

Assim, Deus

“transferiu”

Moisés para

a

“escola do

deserto”. Ali, havia de ministrar-lhe outras lições, as quais não

poderia receber dentro do palácio de Faraó. Este era o

aperfeiçoamento ministerial de que necessitava. Um curso intensivo

realizado ao longo de mais quarenta anos.

É importante ressaltar que para executar, os Seus servos

necessitam passar pela “escola de aperfeiçoamento” e preparação

20

...

E

A Vara de Arão Floresceu

vocacional de Deus,

para

que,

no

tempo

de Deus,

o obreiro

chamado esteja preparado para fazer a obra do reino de acordo

com a Sua vontade.

Sempre haverá necessidade de obreiros na seara do

Senhor. Foi Jesus quem disse: grande é a seara e poucos os

...

ceifeiros e, realmente é assim, estamos sempre à procura de

...

”,

obreiros preparados e com chamada.

Não podemos aceitar a justificativa de que “há muita

necessidade” na obra do Senhor para consagrarmos obreiros sem o

respectivo preparo e vocação, sendo certo que, como disse Jesus,

haverá sempre necessidade de obreiros.

Ao longo dos anos de trabalho ministerial, infelizmente,

temos observado alguns incidentes tristes na obra do ministério.

Obreiros experientes e de conceito destacado apressam-se em

“impor as mãos precipitadamente” sobre a cabeça de cooperadores

que ainda não estavam preparados para a obra do ministério.

21

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Devemos ter o cuidado de aprender a esperar o tempo

de Deus. Inclusive, a própria natureza criada e controlada por Ele

nos dá esta lição: um cacho de bananas que amadurece junto a

própria planta tem um sabor perfeito, no entanto, quando o

agricultor tem pressa do amadurecimento da fruta e a coloca na

“estufa” para um amadurecimento mais precoce, o resultado é uma

fruta sem sabor.

Assim são os obreiros que não se deixam “amadurecer”

no tempo de Deus. Suas mensagens são insossas, não têm sabor,

pois foram amadurecidos” na estufa.

É

bem verdade que a fruta amadurecida

na própria

planta está sujeita às intempéries da natureza: ataques de insetos,

açoites dos ventos, choques de temperatura, chuvas e

tempestades, mas superadas as dificuldades, ao prová-las,

constata-se que o sabor é especial.

Há casos de obreiros que, apadrinhados, chegaram ao

ministério pastoral muito rapidamente sem jamais dirigir um ponto

22

...

E

A Vara de Arão Floresceu

de pregação, e há outros casos ainda piores que não são dignos de

relatos. Isso é lamentavelmente!

A vocação ministerial deve ser lapidada, aperfeiçoada,

antes que a chamada seja efetivamente posta em prática, para que

a obra do ministério seja frutífera e honrosa.

Na expansão do reino de Deus, o nome do Senhor Jesus

Cristo precisa ser glorificado permanentemente. Esta é a essência

do evangelho genuíno, e, para tanto, o obreiro precisa de preparo e

conscientização.

Uns obreiros despreparados, inexperientes ou imaturos

poderá perder-se pelo orgulho ou vaidade e o prejuízo será

inevitável para o reino de Deus, além da reprovação ministerial que

ele sofrerá.

Por isso mesmo o apóstolo Paulo escreveu a Timóteo,

fazendo recomendações diretas sobre a separação ou escolha de

obreiros para o serviço do Senhor Jesus, os quais, deveriam ter,

pelo menos uma condição importante:

23

...

E

A Vara de Arão Floresceu

...

Não

neófito, para que ensoberbecendo, não venha cair na

condenação do diabo

...

I Timóteo 3:6

Aceitando a vocação ministerial.

...

e

a uns pôs Deus na Igreja, primeiramente apóstolos, depois profetas, mestres,

operadores de milagres,dons de curar,socorro,

governos, variedades de línguas

...

I Cor. 12:28

A aceitação da vocação é requisito fundamental para que

o Senhor da seara possa continuar trabalhando na vida do seu

servo.

24

...

E

A Vara de Arão Floresceu

pessoas

bem

preparadas

e

com

profundo

conhecimento das coisas de Deus que não se sentem vocacionadas

pessoalmente para a obra do ministério.

Muitos crentes estão exatamente na posição e condição

de preparação, adequados para fazer a obra de Deus, no entanto

em seus corações, entendem que o trabalho é para outras pessoas,

pois, não se consideram dignas de tal responsabilidade, vejamos o

caso de Samuel:

...

ora,

Samuel ainda não conhecia o Senhor, e ainda não lhe tinha sido manifestada a

palavra do Senhor.”

1 Samuel 3:7

Certamente, há muitas maneiras do Senhor escolher e

vocacionar seus servos, mas a forma que utilizou-se com Samuel foi

maravilhosa.

Diz-nos a palavra de Deus que, Samuel foi entregue

para conviver com o sacerdote Eli. Morando no templo, desde tenra

25

...

E

A Vara de Arão Floresceu

idade, suas atividades eram estritamente vinculadas à casa de

Deus.

Hoje,

sabemos

que

Deus

estava

preparando

e

vocacionando Samuel para ser o mais completo líder que esteve à

frente do povo de Israel. Mas foi preciso uma aceitação humilde

para que Deus pudesse agir na sua vida. Como podemos observar,

após várias incompreensões e instruções, Samuel afinal pôde dizer:

“ ...

fala Senhor, que o teu servo ouve...”

1 Samuel 3:10

Conhecemos histórias bíblicas de homens

que

se

recusaram a ser preparados e vocacionados por Deus, que se

rebelaram contra a vontade do Senhor, e outros ainda, que

obtiveram vocação para o serviço de Deus, mas que, se recusaram

a executar a tarefa.

É claro que aos desobedientes e insubmissos existe a

repreensão de Deus, como foi o caso do Profeta Jonas que,

felizmente, ao final, curvou-se à soberana vontade do Senhor e

cumpriu seu ministério.

26

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Ainda hoje, existe grande carência de obreiros para

executar a obra de Deus, principalmente em lugares de difícil

convivência social. Alguns quando estão em fase de preparação e

recebem uma “credencial”, pedem logo uma carta de mudança para

a “cidade grande” sob as mais diversas justificativas, deixando

assim a “escola do deserto” sua cidade de origem, onde por anos,

foi preparado pacientemente para ajudar na obra do Senhor.

Que pena!!!

Perde a

obra de

Deus, perde também o

obreiro, porque:

...

aquele

que leva a preciosa semente, gemendo e chorando, voltará, sem dúvida,

trazendo consigo seus molhos

...

Salmos 126:6

Muitos obreiros preferem priorizar empregos, salários

bons, benesses da política e outras propostas momentâneas em

detrimento à obra de Deus, rejeitando a vocação que lhe foi

outorgada pelo Pai.

27

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Em certa ocasião, quando pastoreávamos em uma

região muito difícil economicamente no interior do Estado de São

Paulo, e ao necessitar de um obreiro para uma determinada

congregação do campo, convidamos um irmão presbítero para tal

responsabilidade, que nos respondeu indignado: “um dia posso até

sair para o campo, mas não com este salariozinho que o senhor

oferece aos dirigentes

...

”.

Aquele companheiro tinha bom preparo teológico para o

ensino da palavra; era vendedor autônomo itinerante, e tinha filhos

em tenra idade. Tudo contribuía para a sua vocação ministerial, no

entanto rejeitou o convite. Certamente, perdeu muitas bênçãos de

Deus; em tempo algum sequer chegamos a lhe oferecer valores

salariais.

Deus vocaciona, mas devemos aceitar com alegria as

condições iniciais oferecidas e assim nos dispormos para que Ele

possa

completar

a

obra

na

nossa vida, para que possamos dar

muitos frutos.

28

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Quando o homem de Deus tem certeza da sua vocação,

a convicção lhe constrange a confiar naquele que o vocacionou,

Jesus Cristo.

Detalhes não têm muita importância para aqueles que

têm certeza de que Deus o está preparando para uma obra. Assim,

quando chegar o momento, não se ouvirá nenhuma daquelas

respostas que, algumas vezes, os líderes ouvem dos seus

auxiliares:

...Vou

orar primeiro, para saber se é da vontade

de Deus!!!”

Vou

...

fazer uma prova com Deus para confirmar

se devo ou não aceitar o convite!!!”

Vou

...

falar com minha esposa para saber se ela

concorda com esse convite!!!”

29

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Estas e outras muitas são as desculpas daqueles

que não têm convicção da sua vocação, pois estão

inseguros ou confusos.

Compartilhando a vocação ministerial.

...

Eu

João, que também sou vosso irmão, companheiro nas aflições e no

Reino e paciência de Jesus Cristo-

Apocalipse 1:9

O obreiro é também um ser social que portanto vive em

comunidade, assim sendo, deve compartilhar com as pessoas da

sua convivência, a vocação que lhe está sendo outorgada por Deus.

O apóstolo Paulo era especialista em compartilhar com a

Igreja e com os irmãos as suas dificuldades e os seus objetivos:

...

que

luteis juntamente comigo, nas orações a meu favor

...

Romanos 15:30

30

...

E

A Vara de Arão Floresceu

De fato, quando o crente aceita a vocação que Deus está

lhe proporcionando, nada mais justo que compartilhar com os que

lhe são próximos, tais como: Igreja, amigos, familiares, etc.

Não

é

pouco

comum,

acontecer

de

obreiros se

oferecerem para fazer a obra de Deus fora do âmbito de residência

ou domicílio da sua família, e ser, posteriormente, surpreendido

com a oposição da própria família.

Muito provavelmente, a família não foi informada em

tempo oportuno sobre

a

vocação daquele companheiro que

cometeu o erro de guardar somente para si aquele sentimento

vocacional.

Há alguns que surpreendem a família com uma vocação

missionária para outros países, algo que a própria esposa nem

sonhava.

Deixar de compartilhar com as pessoas da convivência

diária, ministério e igreja quanto à chamada vocacional de Deus, é

um grave erro, porque quem assim procede perde orações,

31

...

E

A Vara de Arão Floresceu

intercessões, aconselhamento, orientações e, sobretudo, a

participação de pessoas importantes e até indispensáveis para o

desenvolvimento do seu ministério, como é o caso da esposa,

quando o obreiro que é casado.

Para toda a atividade humana, existe um ônus quanto a

responsabilidade assumida e na obra de Deus não é diferente.

Assim, quando o crente se sente vocacionado para o

desenvolvimento da obra de Deus, deve também informar os

familiares e, a partir daí, continuamente, promover diálogo sobre o

assunto, a fim de que a família, principalmente, seja participante

daquela vocação, que apesar de ser individual, trará também

reflexos para toda a família.

A família precisa ser participante da vocação do obreiro,

porque sua participação, ainda que psicológica ou emocional é

fundamental para o bom desempenho do trabalho vocacional do

servo de Deus.

32

...

E

A Vara de Arão Floresceu

O obreiro que não consegue envolver os seus familiares,

amigos e próximos com a sua vocação, fazendo-os compreender

que realmente é alguém vocacionado para obra de Deus,

certamente não conseguirá convencer mais ninguém.

Os nossos familiares devem ser os primeiros a serem

convencidos de que somos realmente servos de Deus, e que Deus

nos está vocacionando, ou tem vocacionado para uma obra no seu

reino.

A importância desse compartilhamento traz também

dividendos futuros ao obreiro, uma vez que sua família que

participou de todos os estágios da sua chamada, sentir-se-á

compromissada com a mesma.

É certo que o obreiro solitário terá grandes dificuldades e

obstáculos para desempenhar, na íntegra, o que requer o seu

ministério. Também é certo que o obreiro apoiado pela sua família,

esposa e filhos e demais membros, terá grandes vantagens e

facilidades no desempenho de suas atividades ministeriais.

33

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Feliz o obreiro chamado e vocacionado que tem uma

família participante do seu ministério, pois certamente terá sucesso.

Manifestando a vocação ministerial.

“ ...E

crescia Jesus em estatura, sabedoria e em graça para com

Deus e os homens -

Lucas 22:52

O apóstolo Paulo incentivava continuamente os seus

companheiros a desenvolverem sua vocação ministerial, vejamos o

que disse a Timóteo:

“medita estas coisas, ocupa-te nelas, para que o teu aproveitamento

seja manifesto a todos.

34

1 Timóteo 4:15

...

E

A Vara de Arão Floresceu

O crescimento e o amadurecimento do obreiro é, sem

dúvida, gradativo e contínuo. Nada acontece da noite para o dia,

tampouco por circunstâncias adversas, ou pelo acaso,

principalmente em se tratando da obra de Deus.

A conveniência

se houver,

nunca será pelo

interesse

humano, mas, estritamente, pela vontade divina.

Jamais podemos manifestar a vocação para o trabalho

de Deus, porque ocorreu uma aposentadoria ou um desemprego,

ou qualquer outra justificativa de ordem social ou pessoal.

Sabemos de muitos obreiros que rejeitaram, por anos e

anos, o convite para sair ao campo de trabalho para executar a

obra do Senhor, e que, após descobrir que não encontravam mais

vagas no mercado de trabalho por diversas razões, procuraram o

ministério para, então, se oferecer, “voluntariamente” para ir ao

campo fazer a obra do Senhor.

35

...

E

A Vara de Arão Floresceu

É claro que estes companheiros estavam buscando

resolver seus problemas pessoais, e não interessados realmente em

fazer a obra de Deus. Que o Senhor nos livre de tais obreiros.

O nosso trabalho deve ser manifesto a toda a igreja, a

todos os amigos, a todos os conhecidos, para que todos confirmem

que há uma vocação ministerial se desenvolvendo na nossa vida.

É claro que, uma vez que a vocação para o reino de

Deus é manifesto a todos, o ministério da Igreja

tomará

conhecimento e avaliará a condição do obreiro, dando-lhe mais

oportunidades para melhor e maior aperfeiçoamento na obra do

reino de Deus.

Além

disso, um

cooperador que sente

que

um

desabrochar da vocação ministerial no seu ser, deve, desde logo,

cuidar de todos aspectos da sua vida social, profissional, familiar e

sobre tudo espiritual.

36

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Na vida social, cuidar do seu relacionamento diário com

as pessoas, manter as questões financeiras sob controle, ser

honesto, íntegro e pontual nos compromissos.

No setor profissional, desempenhar suas funções com lisura,

sinceridade, profissionalismo, sendo exemplo de trabalhador entre

os demais.

No âmbito familiar, desempenhar com cuidado a função

de cabeça da família, no equilíbrio do amor e da disciplina,

conforme determina a palavra de Deus.

E, por fim, na área espiritual, uma das melhores formas

de compartilhar a vocação ministerial, certamente é falando menos

e desenvolvendo mais, porque a obra de um cooperador fala mais

alto do que suas palavras.

O importante

é

como

desenvolve suas funções de

cooperador, como desempenha suas tarefas de diácono, como

executa seu ofício de presbítero, e assim por diante.

37

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Em bom tempo já declarou o apóstolo quando ensinava

a esse respeito:

quem

...

servir bem como diácono, adquirirá para sí boa posição e muita

confiança na fé que há em Cristo Jesus...”

I Timóteo 3:13

38

...

E

A Vara de Arão Floresceu

I IA

CHAMADA

MINISTERIAL

...

mas

a nossa

capacidade vem de

Deus.”

2 Corintios. 3:5

39

...

E

A Vara de Arão Floresceu

A preparação ministerial.

...

Vem,

agora pois, e Eu te enviarei a Faraó, para que tires o meu

povo do Egito

...

Êxodo 3:10

É

interessante

observar

fatos

que

envolveram

o

cooperador Marcos, no início do seu ministério, para que possamos

compreender que a preparação é fundamental na execução do

ministério.

Nota-se que Marcos, também chamado de João,

sobrinho de Barnabé, foi levado com o Apóstolo Paulo e Barnabé

para juntos efetuarem a primeira viagem missionária, conforme nos

relata o livro sagrado.

...

e

tinham também a João (Marcos) como auxiliar

...

Atos 13:05

40

...

E

A Vara de Arão Floresceu

A

seqüência

do

relato

bíblico

apresenta

grandes

dificuldades e lutas que se abateram contra estes servos de Deus

naquela viagem evangelística.

Provavelmente, Marcos não estava ainda preparado para

tais dificuldades, e, conforme observamos pela palavra, retornou

para Jerusalém, deixando os companheiros seguirem viagem sem

sua companhia.

Tudo indica

que

a

presença

de Marcos, um homem

jovem e forte, era importante, principalmente porque Barnabé, seu

tio, era de idade avançada e Paulo tinha dificuldades de visão.

Observando o lamentável episódio que ocorreu entre o

apóstolo Paulo e Barnabé, quando do início da segunda viagem

missionária que ambos pretendiam fazer, percebemos que Paulo

ficou muito decepcionado com a desistência de Marcos na viagem

anterior.

Barnabé, mais uma vez, convidou Marcos para aquela

segunda viagem missionária, o que foi prontamente aceito, porém

41

...

E

A Vara de Arão Floresceu

o apóstolo Paulo se opôs à companhia de Marcos, como vemos no

texto a seguir:

...

mas

a Paulo não parecia razoável que levassem aquele (Marcos) que desde

Panfília se tinha apartado deles, e não os

acompanhou naquela obra

...

Atos 15:38

De fato, ocorreu ali a discordância momentânea entre

Paulo e Barnabé por conta da imaturidade comportamental de

Marcos, fato compreensível para Barnabé, mas inadmissível,

naquele momento para o apóstolo Paulo.

É claro que os extremos são sempre desaconselháveis,

uma vez que observada a imaturidade e despreparo inicial de

Marcos, apontaremos também para a intolerância e impaciência de

Paulo.

Ainda bem que Deus faz a sua grande obra através de

homens fracos e falhos, para que ninguém se glorie (Hb 7:28).

42

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Barnabé não abandonou Marcos e prosseguiu na obra de

Deus ajudando-o a se preparar melhor para executar o trabalho do

Senhor. Anos depois, observamos Marcos ajudando o mesmo

Apóstolo Paulo que o rejeitara no início, ainda que na prisão:

...

Aristarco

que está preso comigo vos saúda, como também Marcos,

 

o sobrinho de barnabé

...

 

Colossenses 4:10

Marcos já

não

era

mais desnecessário

e

tinha

uma

grande qualidade:

não

era

rancoroso, ainda

que rejeitado

a

princípio, pois agora servia como auxiliar de

Paulo

no

que

era

necessário.

De fato, Marcos

se deixou

preparar para

a

obra

do

ministério, e esse preparo levou-o, mais tarde, a escrever um dos

Evangelhos que leva o seu próprio nome.

Marcos estava preparado para realizar a obra de Deus,

alguns anos mais tarde, de forma que observamos o apóstolo

43

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Paulo, no final do seu Ministério, requisitando sua presença nos

seguintes termos:

...

Lucas está comigo, toma Marcos e traze-o contigo, porque me

é muito útil para o ministério

...

2 Timóteo 4:11

A preparação é condição indispensável para

que

o

chamado por Deus execute uma grande obra no reino de Deus.

Quanto mais bem preparado, melhor será o obreiro para a seara do

mestre.

Deixar-se preparar para a obra do Senhor é como uma

ferramenta que é lubrificada, revisada e amolada pelo artífice, ou

profissional; quanto melhor a ferramenta, melhor o trabalho

executado.

Somos

ferramentas

na

mão

do

mais

perfeito

dos

artífices, que é o nosso Senhor Jesus Cristo.

44

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Por isso, o apóstolo Paulo ensinou a Timóteo dizendo:

...

de

sorte que, se alguém se purificar desta coisas, será vaso para honra,santificado e

idôneo para uso do Senhor e preparado para toda boa obra

...

2 Timóteo 2:21

Que

o Senhor

nos

ajude para

que possamos estar

preparados para

fazer

a

Sua

obra conforme

a

Sua soberana

vontade.

45

...

E

A Vara de Arão Floresceu

O Tempo de Deus na chamada Ministerial.

...

porque

tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para

todo o propósito debaixo do céu

...

Eclesiastes - 3:1

É importante compreender que, embora Deus tenha

vocacionado e chamado alguém para o exercício da Sua obra aqui

na terra, o tempo pré-estabelecido para o início deste trabalho

também é determinado por Ele.

Não se deve adiantar, tampouco atrasar o tempo de

Deus para o exercício ministerial. É preciso entender o tempo de

Deus e não interferir nele. Não nos esqueçamos de que Deus é

perfeito e que um dos Seus principais atributos é a onisciência, pela

qual Ele conhece com precisão o tempo exato para cada propósito.

Muitos são os obreiros que têm prejudicado o seu

ministério porque não interpretaram corretamente o tempo de Deus

para o início do seu ministério e, ou se apressaram, ou retardaram

o tempo, perdendo assim a oportunidade preciosa dada por Deus.

46

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Como já podemos analisar anteriormente, a preparação

para o exercício ministerial é muito importante. Não podemos

abdicar dela, tampouco devemos atropelar o tempo estabelecido

por Deus para não sofrermos prejuízos.

Há obreiros que são convocados pelo ministério da

Igreja com o objetivo de que se inicie sua legítima jornada

ministerial (2 Tm. 2:5). Infelizmente, muitos apresentam objeções

para justificar suas recusas; uns por problemas familiares; outros,

por problemas profissionais e até econômicos.

Ao contrário, outros se oferecem voluntariamente para

fazer a obra de Deus, entretanto observamos, em muitos casos,

que ainda não é o tempo de Deus, haja vista que faltam muitos

requisitos essenciais para o exercício ministerial dos mesmos,

sobretudo a prova, que é fundamental para o serviço efetivo da

obra do Senhor e que deve ser imposta ao obreiro, conforme

determina a palavra de Deus.

47

...

E

A Vara de Arão Floresceu

...

sejam

primeiramente provados, depois sirvam se forem achados

irrepreensíveis

...

1 Timóteo 3:10

Conhecemos casos de obreiros que foram consagrados

para o santo ministério, sem jamais dirigir um culto, pior ainda,

casos em que receberam liderança de campo, sem sequer ter

dirigido um ponto de pregação.

É claro que os prejuízos estão patentes diante de todos,

uma vez que até a mensagem dos tais não tem sabor, e , sabe-se

que os seus constituintes (padrinhos) estão profundamente

arrependidos.

A própria natureza nos dá exemplos preciosos de como é

importante esperar o tempo determinado para todas as coisas.

Vejamos o que acontece com a banana; conforme já comentado

anteriomente: o lavrador tem duas opções, poderá recolher o cacho

da fruta antecipadamente e colocá-la para madurar sob

condicionamento artificial, ganhando tempo e beleza estética e

perdendo sabor; ou ainda esperar o tempo em que a fruta deverá

48

...

E

A Vara de Arão Floresceu

madurar no próprio pé, sujeita às intempéries, ataques dos animais

e insetos, perdendo tempo, beleza estética, mas ganhando em

qualidade, sabor

....

,

Sabemos que comercialmente, o lavrador

sempre opta pela primeira situação, uma vez que o seu objetivo é o

lucro. Entretanto, na obra de Deus, a melhor opção é a segunda,

tendo em vista que a qualidade do fruto é imprescindível para

Deus.

Assim,

ainda

que

se

demore

mais

tempo

para

a

formação de um obreiro, ao final, a qualidade será bem melhor,

haverá melhor sabor na mensagem, melhor qualidade no exercício

do ministério, e a obra do Senhor ganhará muito com isto.

Infelizmente há alguns obreiros, que por precipitação

dos seus constituintes (padrinhos), foram forçados a madurecer

como a banana na estufa, artificialmente. Eles chegaram rápidos

demais ao ministério, entretanto, por mais que se esforcem, têm

um ministério sem sabor, sem qualidade.

Em períodos de consagração de obreiros, os líderes de

campo sofrem todo o tipo de achaque, pressões etc. Há obreiros,

49

...

E

A Vara de Arão Floresceu

inclusive, que não se acanham de se oferecer para consagração e

outros, após as consagrações, chegam a questionar seus líderes por

não terem sido indicados. Que Deus nos livre dos tais.

Melhor esperar o tempo do amadurecimento no pé da

fruta, ou seja, o obreiro deve ser provado primeiramente,

exercendo atividades diversas na obra do Senhor, sofrendo, se for

o caso, todas as provações advindas da exposição do trabalho - as

“tempestades” de lutas e tribulações, os “ataques” dos

perseguidores - sem nenhuma proteção aparente, buscando ajuda

do dono da seara para sobreviver às intempéries e se fortalecer na

presença de Deus.

Deus tem uma forma especial de tratar e burilar cada

um dos seus obreiros, não há uma regra.

É difícil, até penoso, mas valerá a pena, o ministério de

tal obreiro que paga o preço, pois será mais honrado, mais forte,

mais firme, embora tenha que dizer como o apóstolo Paulo, ao final

do seu ministério:

50

...

E

A Vara de Arão Floresceu

...

ninguém

conseguirá me perturbar, pois trago em meu

corpo (vida), as marcas de Cristo

...

Gálatas 6:17

Estas marcas são inevitáveis aos obreiros que esperam o

tempo de Deus para o exercício da sua chamada ministerial, mas

também é a verdadeira credencial que legitima o obreiro como

verdadeiro soldado de Cristo Jesus.

Desta maneira, o obreiro não precisa constantemente

estar “dando carteirada”, ou seja, apresentando credencial para

provar que é Ministro do Evangelho, porque sua vida traz as marcas

de um verdadeiro servo de Deus diante do povo da cidade onde

habita.

Há poucos meses, para nossa vergonha, presenciamos

um episódio lamentável em nosso meio ministerial, três de nossos

presbíteros foram “convidados” a mudar de região para o campo de

um determinado “líder”. Sem nos comunicar, os mesmos se

transferiram rapidamente para aquele local, e quinze dias depois

foram indicados, para serem consagrados ao santo ministério.

51

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Entendemos, então, qual fora a “proposta” que levara aqueles

obreiros a se mudarem tão rapidamente para o outro campo.

Lamentavelmente,

a

história

teve desfecho

desagradável, pois alguns meses mais tarde, esses companheiros

retornaram para a nossa região, exibindo sua nova condição e

status de pastor, requerendo reconhecimento, o que, obviamente

não foi concedido, dado a forma matreira e precipitada com que foi

feita a indicação; além disso, não devemos abrir l precedentes.

É claro que os referidos obreiros foram vítimas de um

líder de campo irresponsável, interesseiro e desqualificado, que

como Balaão, teve interesses escusos no que tange à obra do

Senhor. Deus os julgará.

Não se arrependerão jamais, aqueles que esperarem

com paciência o tempo de Deus. Serão reconhecidos no tempo

certo e darão frutos saborosos na lavoura do Senhor, glória a Deus!

52

...

E

A Vara de Arão Floresceu

O caminho no deserto a ser percorrido.

e

disse João batista: eis o cordeiro de Deus

...

e

dois discípulos

...

 

o deixaram e seguiram a Jesus

...

João 1:35

Ao sair do rio Jordão, Jesus imediatamente seguiu para o

deserto aonde foi tentado por quarenta dias e quarenta noites.

Muito embora observemos que dois dos discípulos de

João Batista tenha seguido a Jesus, após o seu batismo no Jordão,

no entanto não os vemos no deserto com Jesus quando da

tentação de quarenta dias e quarenta noites.

Com efeito, é muito significativa as três áreas que foram

provadas por ocasião da tentação de Jesus no deserto, mas ao que

tudo indica, os dois “interesseiros” desistiram desde logo já na

entrada do deserto, e “perderam a chamada ...

”.

De

fato, os evangelistas, Mateus,

Marcos e

Lucas,

destacam que a tentação de Jesus no deserto consistiu no ataque

53

...

E

A Vara de Arão Floresceu

ao que podemos chamar de as três principais áreas na vida de um

homem de Deus, ou seja, o deserto que cada um de nós tem de

percorrer, pedindo graça a Deus para sair vencedor como foi o caso

de Jesus.

Observamos, que no primeiro ataque do diabo, Jesus foi

confrontado e colocado à prova nas suas necessidades natural e

pessoal, conforme o que podemos extrair do texto que se refere ao

momento da tentação:

...

se

tu és filho de Deus, manda que estas pedras se

transformem em pão

...

Mateus 4:3

Obviamente,

que

o

tentador

conhece,

sempre,

as

necessidades momentâneas que nos cercam e jamais perde

oportunidade de nos provocar, tentar e assim por diante.

A necessidade natural, pessoal e momentânea de Jesus

era alimento, e o tentador lhe apresentou a oportunidade de

54

...

E

A Vara de Arão Floresceu

encurtar sua jornada no deserto com uma sugestão aparentemente

inofensiva, e, é claro que Jesus não sucumbiu à sua provocação.

O que era naquele momento pão para Jesus pode ser

muitas outras coisas para nós, tendo em vista que nossas

necessidades natural e pessoal são inúmeras e variam de pessoa

para pessoa em gênero, grau e número, conforme as circunstâncias

que se nos acercam.

O dinheiro, por exemplo, é a mais freqüente, uma vez

que, através dele, podemos suprir a maioria das nossas

necessidades pessoal e natural. O dinheiro, materialmente falando,

é a solução imediata para a maioria das necessidades humanas,

sem dúvida.

Assim, ele, é sempre o principal instrumento de tentação

utilizado contra as pessoas de um modo em geral, principalmente

dos servos de Deus, os quais têm compromissos com o Seu reino.

Também

na

questão

ministerial

o

dinheiro

tem

conquistado

a

sua

influência,

porque,

é

essencial

para

a

55

...

E

A Vara de Arão Floresceu

sobrevivência humana, entretanto no reino de Deus, precisamos

lembrar que é a Fé o elemento primordial.

É

sabido

que

há líderes oferecendo consagração

ministerial em troca de recompensa financeira, inclusive através da

Internet, onde qualquer

pessoa

tem possibilidade de obter

“credencial de pastor” no término de um curso teológico on-line.

Que bagagem ministerial pode ter, um “teólogo” desses,

que freqüentou um curso vago e não experienciou as provações

exigidas pelo ministério? Vale relembrar o que nos diz o texto

Sagrado:

...

e

estes sejam primeiramente provados, depois

sirvam se forem irrepreensíveis

...

I Timóteo 3:10

Há, pelo menos, cinco formas

de se conquistar uma

posição ministerial são elas: a Consagração, a Usurpação, a

Negociação, a Nomeação e Eleição, sobre as quais falaremos mais

adiante.

56

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Ainda, no segundo ataque, observamos que o tentador,

diante do povo religioso, procurou atingir Jesus em outra área, a

eclesiástica, haja vista que O levou ao pináculo do templo,

certamente em dia de comemoração, provavelmente no dia do

sábado, e lhe tentou:

...

se

tu és filho de Deus, lança-te daqui para baixo

...

Mateus 4:6

É claro que o tentador estava procurando atingir a área

ministerial de Jesus. O seu interesse era provocar vaidade pessoal

Nele diante das pessoas que se encontravam no pátio do templo.

Era o momento de Jesus se projetar diante do povo, de se

apresentar em grande estilo, sendo amparado nos braços de anjos,

assim seu sucesso estaria garantido, conforme queria fazê-lo crer o

tentador, e é evidente que Jesus o rechaçou.

Quantas formas existem de sermos tentados na vaidade

diante do povo de Deus?

57

...

E

A Vara de Arão Floresceu

O inimigo usa, constantemente, de pequenas coisas

para que os obreiros do Senhor se envaideçam diante do povo, e

muitos se perdem na soberba, na altivez ou na vaidade pessoal,

extinguindo o Espírito Santo do seu ministério, agindo carnalmente

diante do povo de Deus.

Não podemos nos esquecer da atitude desvairada do rei

Saul, que no fim do seu reinado, rasgou, perante o povo de Deus,

as vestes do sacerdote pedindo-lhe, na verdade praticamente

exigindo, que fosse honrado diante deles, vejamos:

...

disse

então Saul a Samuel:pequei, honra-me porém agora diante dos

anciãos do meu povo e diante de Israel

...

I Samuel 15:30

Diante do texto bíblico acima, observamos

que Saul

equivocou-se duas vezes; a primeira, ao rasgar as vestes do

sacerdote Samuel para forçá-lo a dar-lhe honra diante do povo e a

segunda, referir-se ao povo como sua propriedade.

58

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Ora,

caros

companheiros,

o

rasgar

das

vestes

do

sacerdote, o exigir honra diante do povo e a expressão “meu povo”

ou “minha Igreja” são atitudes muito frequentes em nosso meio,

lamentavelmente.

Muitos “obreiros” rasgam as vestes dos seus Pastores

quando não são satisfeitos nas suas requisições, pelo que passam a

criticar, murmurar e até difamar, esquecendo-se de todos os

benefícios que recebeu até então e como verdadeiros ingratos

agridem sem piedade com palavras e atitudes grosseiras àqueles

que foram usados por Deus para, outrora, lhes abençoar, ou seja,

“rasgam as vestes dos seus líderes”.

Além disso, há ainda os que desejam a honra ministerial

diante da Igreja, com efeito, utilizam-se de todos os meios

possíveis para alcançá-la, e esta busca se acentua quando o

ministério da Igreja está se mobilizando, passando pelo crivo alguns

obreiros que deverão ser indicados ao santo ministério.

Então começa

a

corrida, a

pressão, os pedidos

de

intercessão e tudo o que julgam necessário fazer para alcançar os

59

...

E

A Vara de Arão Floresceu

objetivos. É claro que esses objetivos na maioria das vezes, não se

concretizam porque os verdadeiros homens de Deus, ainda que sob

a ameaça de terem suas vestes “rasgadas” injustamente, não se

dobram a este tipo de pressão ou qualquer outro.

Lamentavelmente, alguns obreiros aceitam convites para

mudar de ministério, com promessas de consagração, e, de fato,

após a “conquista”, pleiteiam o retorno através de amigos e

padrinhos, sem, obviamente, abrir mão de suas consagrações,

fazendo questão de frisar

...

foi

concedida por Deus”.

Ora,

ora,

se estas pretensas consagrações foram,

segundo apregoam, concedidas por Deus, por que então não

desejam permanecer no ministério que foi o suposto “canal de tão

grande bênção”?

Evidente que tais obreiros não conseguem esconder a

decepção que sentem de pertencerem a tais “ministérios”, a ponto

de desejarem retornar para seu lugar de origem.

60

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Descobriram, tardiamente, que não

foi

tão

honroso

assim, ser consagrado através daquele ministério.

Melhor seria ter esperado o tempo preparado por Deus,

servindo ao Senhor e aguardando na Sua misericórdia, o tempo

necessário.

Não devemos esquecer o que está registrado no texto

sagrado acerca destas coisas:

...

e

ninguém toma para si esta honra senão aquele que for chamado

por Deus como Arão.”

Hebreus 5:4

Portanto, devemos ter cuidado para não rasgarmos as

vestes dos nossos líderes, como também não buscarmos honra

para nós mesmos, e tampouco pensarmos e agirmos como Saul.

De fato, Saul disse: “honra-me diante do meu povo”.

Ora, o povo não é nosso, o povo, a igreja é do Senhor Jesus Cristo,

e nós somos seus cooperadores, como bem disse o apóstolo Paulo:

61

...

E

A Vara de Arão Floresceu

...

Porque

nós somos cooperadores de Deus e vós sois lavoura

de Deus e edifício de Deus”

I Corintios 3:9

Não é incomum ouvirmos alguém dizer “minha Igreja”, e

ainda pior, há alguns que agem como se a Igreja de Jesus fosse

realmente propriedade sua. Lamentavelmente, não são poucos os

que assim se comportam, se esquecendo-se de que a Igreja é de

Jesus, o qual deu Sua vida por Ela. Passem os anos que passarem

dirigindo o rebanho do Senhor, este continuará sendo do Senhor

Jesus.

É claro que Deus não entrega a Sua honra a quem quer

que seja, e portanto, tais obreiros terão grande decepção e

amargura de espírito, porque serão lembrados através de duras

provações, que a Igreja é de Jesus Cristo e que Ele, Jesus, domina

sobre Sua Igreja.

...

Edificarei

a minha Igreja e as portas do inferno

não prevalecerão contra Ela”

62

Mateus 16:18

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Jesus não sucumbiu diante da segunda proposta do

inimigo, repreendeu-o e saiu vencedor da batalha. Assim devemos

também proceder, pois a tentação chega e nós precisamos estar

vigilantes para não sermos vencidos por ela.

A terceira proposta de satanás foi para atingir Jesus no

âmbito social, diante do povo em geral, vejamos:

...

e

mostrando todos os reinos do mundo, disse-lhe: tudo isto te darei se

prostrado me adorares”

Mateus 4:9

Ainda bem

que

o apóstolo

Paulo

dizia

que nós

conhecemos bem

os

ardis

de

satanás,

se

não, deveríamos

conhecer, visto que ele

é medíocre e continua

com os mesmos

embustes.

Satanás não conseguiu vencer Jesus no âmbito das suas

necessidades pessoais, procurou combatê-lo diante da Igreja e da

63

...

E

A Vara de Arão Floresceu

sociedade em geral, mas não obteve sucesso, e assim continua

fazendo, suas táticas são antigas, não mudaram.

Há obreiros que conseguiram vencer o tentador diante

das suas necessidades pessoais, materiais, fisiológicas etc. Também

conseguiram suplantá-lo quando tentado na sua vaidade diante da

Igreja de Jesus, mas alguns não conseguiram vencê-lo diante da

sociedade. Com efeito, este ataque é muito forte, provocador,

desafiador.

O tentador promete tudo: casas, carros, posição social e

somente exige adoração, ou seja, espaço para ser homenageado,

destacado e honrado.

A perspicácia de satanás é tal que consegue convencer

muitos, isto porque grandes homens de Deus se venderam. As

vezes não por dinheiro, mas por destaque social e outras formas,

esquecendo-se, ou ainda pior, perdendo o foco, o objetivo e se

enveredando para a busca do destaque social oferecido pelo diabo,

através de atitudes desvairadas que, ao contrário do que lhes foi

oferecido, os levam à destruição, humilhação e derrota.

64

...

E

A Vara de Arão Floresceu

O destaque, a ascensão metaórica e a glória prometida

diante da sociedade, através de marketing em jornais, televisão,

política e outros meios de propaganda e difusão, fazem sucumbir

grandes homens de Deus, lamentavelmente.

As propostas são imensuráveis com promessas de

infalibilidade, garantias de resultados brilhantes, entretanto quase

sempre com resultados frustrados por circunstâncias adversas e

justificativas decepcionantes para aqueles que se deixaram levar.

Por trás de todas estas promessas, sempre o obreiro do

Senhor Jesus deverá se prostrar diante de alguém ou de alguns,

consequetimente deixará de ser servo de Cristo, e certamente será,

servindo interesses particulares, à revelia do interesse do reino de

Deus.

Que o Senhor Jesus nos livre de tais propostas, e que

continuemos com foco do reino de Deus.

65

...

E

A Vara de Arão Floresceu

O

deserto é

inevitável àqueles que têm

verdadeira

chamada de Deus para o exercício do ministério, não adianta

atalhos, desvios, caronas ou outros meios de encurtar ou facilitar o

caminho.

O legítimo e verdadeiro homem

de

Deus não aceita

facilidades, resigna-se e cumpre o seu ministério conforme o que

determina a palavra de Deus:

...

Mas

em nada tenho a minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria a

minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus

...

Atos 20:24

66

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Elegendo companheiros e conselheiros

...

a

ti, fiel companheiro de jugo, também peço que as auxilie pois juntas

se esforçaram comigo no evangelho,

...

Filipenses 4:3

Nem todo o companheiro poderá ser seu conselheiro,

assim como nem todo o conselheiro deverá ser seu companheiro.

diferenças

fundamentais

nas

características

de

alguém que pode ser chamado de companheiro ou conselheiro.

Antes

de

tudo

mais,

convém

ressaltar que

tradicionalmente o obreiro, ou alguém que desenvolve uma carreira

ministerial, à medida que segue sua jornada pelo deserto das

provações e tribulações, vai perdendo “companheiros” e “amigos”

pelo percurso, se tornando alguém, se não solitário, no máximo

com pouquíssimos amigos e companheiros.

Lembremo-nos de que quando Jesus saiu do Jordão,

dois discípulos de João Batista o deixou e seguiu a Jesus, que se

67

...

E

A Vara de Arão Floresceu

dirigiu ao deserto onde foi tentado por quarenta dias e noites, e

com

toda a certeza, aqueles dois não estavam

no deserto com

Jesus.

Por essas e outras razões, é importante que o obreiro

cultive na sua vida ministerial, amizades duradouras e saudáveis.

O próprio Jesus tinha amigos e era do conhecimento de

todos que Ele tinha relacionamentos mais próximos de uns do que

de outros, como é o caso de João, o chamado “discípulo amado”.

Cristo também mantinha laços estreitos com Lázaro e

chorou em ocasião de sua morte, provocando observação de alguns

que diziam: “veja como Ele o amava

...

Isso justifica o fato de Jesus, no momento de, talvez,

maior agonia da sua vida e ministério, ter escolhido três discípulos

para acompanhá-lo na oração particular que efetuou no Monte das

Oliveiras pouco antes de ser preso.

68

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Não

é

pecado

um homem

de

Deus

ter

amigos, ao

contrário, é estranho que muitos homens de Deus se fechem para

esse aspecto tão importante e necessário para uma saudável vida

em comunidade.

É

importante ressaltar

que

uma amizade deve

ser

cultivada através dos anos, e isso custa alguma dedicação, mas

valer a pena. Somente o tempo revelará a importância de certas

amizades que foram cultivadas por muitos anos.

Não poderia deixar de mencionar a destacada amizade

bíblica entre Davi e Jonatas, amizade que salvou a vida de Davi,

como todos os conhecedores da Bíblia sabem.

...

O

homem que tem muitos amigos pode congratular-se, mas há amigo

mais chegado que um irmão

...

Proverbios 18:24

69

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Um amigo é também companheiro, diferentemente do

conselheiro, por isso estes dois personagens tão importante e

irrecusáveis na vida de um servo de Deus, devem ser escolhidos e

cultivados com carinho e muito cuidado, cada um na sua destacada

função na convivência diária.

Companheiro,

amigo

é

aquele

que

acompanha

diariamente a nossa vida, estando perto ou longe, estará sempre

ciente de muitos detalhes da nossa vida. Imaginemos um

companheiro fofoqueiro, falador, precipitado, imprudente,

certamente estará sempre colocando as pessoas em sua volta em

dificuldades e vergonha, pelo que um homem de Deus não se faz

acompanhar por alguém com essas qualidades tão desanimadoras.

Um companheiro é alguém que nos acompanha

permanentemente, assim é importante que essa pessoa seja, se

possível, portadora de virtudes melhores do que as nossas, de

qualidades superiores, tendo em vista que, se queremos e devemos

melhorar a cada dia, então, faz-se necessário que aqueles que nos

cercam diariamente sejam pessoas melhores qualificadas do que

nós.

70

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Por outro lado, não menos importante, precisamos

eleger nossos conselheiros, para que no transcurso da vida e

desempenho ministerial, possamos ter referências seguras e pontos

de vista sábios para os momentos de decisões difíceis.

Com efeito, há muitos faladores sobre todos os assuntos,

entretanto, poucos conselheiros sábios, pelo que diz a palavra do

Senhor:

...

Cada

pensamento com conselho se confirma, e com conselhos

prudentes faze a guerra

...

Proverbios. 20:18

71

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Exercendo a chamada com coragem.

...

forte e corajoso, porque tu farás este povo herdar a terra que,

sob juramento, prometi dar a seus pais

...

Josué.1:6

Sem dúvida nenhuma, uma das virtudes essenciais para

o exercício de um ministério frutífero e abençoado é a coragem.

Os grandes, destacados e vitoriosos homens de Deus.

exerceram seus ministérios com muitas virtudes e qualidades

especiais, e todos s possuíam uma virtude em comum: a coragem.

A começar exemplificar por Moisés, que a despeito de ser

considerado por Deus como o homem mais manso da terra, esta

virtude não dispensou a coragem necessária para dirigir o povo de

Deus pelo deserto. Sem qualquer forma de logística para garantir o

sucesso da jornada, além da fé, indubitavelmente, necessitou de

muita coragem para enfrentar aquele desafio, pelo que, desde

sempre se reflete sobre seu exemplo de líder corajoso.

72

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Os obstáculos que se impuseram contra Moisés eram

quase intransponíveis, inimigos internos e externos, oposição até

mesmo entre membros da família, chegando a níveis tão

insustentáveis, que houve necessidade da intervenção divina, como

no caso da contradição de Core e depois da oposição de sua irmã,

Miriã.

Todo o transcurso da jornada, durante quarenta anos,

Moisés precisou ser forte e corajoso, uma vez que os obstáculos se

multiplicavam a cada dia.

Como

homem,

esse

líder

exemplar, passou por

momentos de desânimo, cansaço, histeria e angústia, entretanto

tais circunstâncias momentâneas, não foram suficientes para

enfraquecer sua coragem, como bem nos revela a história.

Quantas lições importantíssimas podemos extrair da vida

desse extraordinário homem de Deus.

 

Certamente a

coragem

de

Moisés foi

uma das

razões

pelas

quais Deus o escolheu

para

aquela

tarefa

tão

difícil, de

73

...

E

A Vara de Arão Floresceu

conduzir o povo de Deus através do deserto, e enfrentar todos os

desafios decorrentes daquela jornada.

Companheiros, o nosso desafio não é muito diferente

daquele de

Moisés. É

verdade

que

os tempos

são

outros, no

entanto, está aí diante de nós o povo de Deus, o mesmo Deus,

como também o deserto se estende diante de nós, cheio de

obstáculos, desafios e os inimigos não são tão diferentes.

Porventura não se manifesta em nosso meio os Abirãos

e os Datãs?

Quem de nós, já não ouviu o lamento dos desanimados

que se amedrontaram diante dos inimigos e gigantes querendo

voltar atrás?

O que dizer dos falsos profetas que se levantam entre o

povo, falando de derrotas e destruições, instigando o povo de Deus

contra seus líderes?

74

...

E

A Vara de Arão Floresceu

É na família que é o ataque mais doloroso. Quem de nós

não sofreu o ódio ou rancor, o ciúme ou inveja, dentro de casa,

justamente

daqueles

que

deveriam

apoiar,

abençoar,

orar

e

cooperar?

Notem, amados, que estamos inseridos em um contexto

que somente mudam os nomes dos protagonistas, do tempo e do

local, mas as circunstâncias são as mesmas.

Assim, outro comportamento não se exige, senão aquele

que foi uma constante na vida e ministério de Moisés: a Coragem.

A timidez não agrada a Deus. Quem tem compromisso

com Ele e sua obra, necessita também de coragem para tomar

decisões desafiantes, projetos ousados e atitudes de fé, os quais

não serão colocados em prática se no momento adequado faltar a

coragem.

Impossível exercer uma chamada com brilhantismo e

vitórias se a coragem não estiver latente na vida do homem de

75

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Deus. Ela

está

sempre associada à valentia, não no sentido

da

violência, mas no sentido do ânimo pronto, da perseverança.

Um corajoso que não seja valente, certamente é um

inconsequente, e um valente sempre será corajoso. A palavra de

Deus nos anima:

...

Deus

não nos deu o espírito de covardia, mas de

poder, amor e moderação

...

II Timóteo 1 : 7

76

...

E

A Vara de Arão Floresceu

III REQUISITOS ESSENCIAIS DA CHAMADA

MINISTERIAL

...

Pela

fé, Abraão,

quando chamado,

obedeceu

...

Hebreus. 11:8

77

...

E

A Vara de Arão Floresceu

A obediência na chamada.

...

melhor

obedecer do que sacrificar

...

I Samuel. 15:22

Sem dúvida nenhuma, o ser humano, enquanto viver,

sempre terá, em algum momento, que exercer atividades regidas

pela obediência.

Esta atitude é tão importante e fundamental na vida do

ser humano que a escritura sagrada relata determinantemente que

até Jesus, enquanto homem, aprendeu a obedecer.

Não restam dúvidas

de

que um

bom líder

necessita,

antes de tudo, ser um bom liderado, e se é liderado, então terá que

se sujeitar às ordens do líder.

O texto de I Samuel 15:22 foi inserido num contexto de

circunstâncias muito graves, tratando de fatos relacionados ao

comportamento do rei Saul, exatamente quando fez-se de

78

...

E

A Vara de Arão Floresceu

desentendido e distorceu a ordem proferida pelo profeta Samuel,

executando meia ordem, ou seja, obedecendo pela metade.

Tal comportamento foi classificado pelo profeta Samuel

semelhante à feitiçaria e considerado rebelião.

Algo tão chocante merece atenção especial.

Ora, se a obediência parcial é classificada como rebelião

e feitiçaria, que se poderá dizer da desobediência de fato?

Notemos que, aquilo que parece simples e remediável,

não é tolerável pela palavra do Senhor, assim, um homem de Deus

deve pautar seu comportamento pela obediência, uma vez que o

reino de Deus é constituído por líderes, os quais administram a

igreja de Cristo na terra, e esta depende de homens obedientes

para que o reino de Deus se expanda na terra.

Por

isso

a

ordem

de

Deus

através

das

escrituras

sagradas é veemente no que se refere à obediência, vejamos:

79

...

E

A Vara de Arão Floresceu

...

Obedecei

vossos pastores

...

Hebreus 13:17

Como já demonstramos, a obediência está diretamente

relacionada a uma ordem, uma determinação.

Assim, quem deseja servir a Jesus Cristo e trabalhar para

o reino de Deus, precisa também entender que a obediência é um

requisito indispensável, e que não lugar para desobediência.

Não estamos falando de comportamento servil,

escravidão, sem direitos a diálogo ou coisa semelhante, (longe de

nós tais forma de trabalho), até porque aceitamos que é

perfeitamente possível a cooperação mútua entre aqueles que

desejam trabalhar na seara do mestre, utilizando-se das indicações,

conselhos e sugestões, entretanto compreendendo que, ao final,

deve prevalecer a ordem estabelecida por aquele que foi colocado

por Deus para determinar a decisão final.

Sempre que nos referimos à obediência, a memória nos

lembra da parábola de Jesus sobre o senhor, seus dois filhos e sua

80

...

E

A Vara de Arão Floresceu

vinha, conforme o texto bíblico de Mateus 21:28. O texto destaca a

ordem que o pai deu, igualmente, aos dois filhos para que ambos

fossem trabalhar na sua vinha, sendo que o primeiro respondeu

que iria, entretanto não foi; o segundo filho, inicialmente respondeu

que não iria, todavia, arrependido, foi e executou a ordem do seu

pai.

Daí, surge a clássica pergunta

de Jesus: quem

fez

a

vontade do pai?

Assim, presume-se que o Senhor Jesus, dono da vinha,

até aceita nosso comportamento, inicialmente, contraditório, desde

que, ao final, compatível com a obediência exigida pela sua palavra.

81

...

E

A Vara de Arão Floresceu

A obediência na chamada ministerial;

...

Embora

sendo filho aprendeu a obedecer por

aquilo que padeceu

...

Hebreus 5: 8

Ainda

que

a

obra

do

ministério

seja

um

trabalho

voluntário, é necessário a obediência durante seu exercício.

Como seria

possível o

desenvolvimento do reino de

Deus, se cada um dos obreiros do Senhor Jesus trabalhasse

segundo seus próprios pensamentos?

O apóstolo Paulo, ensinando acerca do ministério na

casa de Deus, esclareceu que Deus estruturou uma hierarquia na

sua obra, querendo o aperfeiçoamento do santos.

É como se o dono da obra nos admoestasse acerca da

desorganização como forma de impedir o crescimento da Igreja. De

fato, nada mais prejudicial à obra do Senhor do que a sublevação

82

...

E

A Vara de Arão Floresceu

às determinações da

liderança,

a

desobediência

às

ordens

emanadas do ministério que administra a casa de Deus.

Por assim dizer, não é demais relembrar o que disse o

apóstolo Paulo:

...

A

uns pôs Deus na Igreja, primeiramente

Apóstolos, depois Profetas, Pastores...”

Efésios 4 : 11

Se há hierarquia, há que se ter também obediência, pelo

que não haveria razão de existir a primeira, se não houvesse

necessidade do cumprimento da segunda.

Jesus Cristo, na sua eterna Onipotência, Onisciência e

Onipresença, vivendo em perfeita comunhão e harmonia com o Pai

e o Espírito Santo, jamais precisou obedecer, uma vez que a

contrariedade não fazia parte da sua existência.

As três pessoas da Trindade: o Pai, o Filho e o Espírito

Santo. Tendo os mesmos atributos celestiais e eternos, jamais se

83

...

E

A Vara de Arão Floresceu

desentenderam, ou executaram qualquer contradição entre si, pelo

que, não necessitam de obediência.

Entretanto, quando Jesus veio a este mundo para

executar o projeto da salvação da raça humana, tornou-se homem.

Então, como homem precisou aprender a obedecer em todos os

níveis humanamente necessários.

Como filho, obedeceu a seus pais, como profissional de

carpintaria obedeceu a seu mestre, e, como executor de um projeto

arquitetado desde antes da fundação do mundo, obedeceu ao Pai,

Deus, em toda perfeita execução do mesmo, vejamos:

“ ...Como

pois se cumpriria as escrituras, segundo a qual

assim deve suceder?

...

Mateus 26:54

84

...

E

A Vara de Arão Floresceu

Essa foi a expressão de Jesus, quando Pedro cortou a orelha do

servo do sumo sacerdote que lhe prendia naquela noite da traição.

Como se pode observar, o desejo de Jesus era obedecer

a tudo que estava previamente estabelecido no plano da salvação,

e não permitiu nenhuma manifestação em sua defesa, ainda que

bem intencionada, como era o caso.

Certamente não foi fácil obedecer, para quem não tinha

experiência alguma nesse campo, todavia Jesus tirou nota dez.

A obediência na obra do ministério é imprescindível para

o bom andamento e crescimento do reino de Deus na terra.

Não importa

a

condição social dos obreiros, devem

obedecer, não importa a condição financeira do obreiro, devem

obedecer.

Nesses tempos em que a Igreja está passando na terra,

algo sui-generis, ou seja, algo novo, está acontecendo. Muitas

pessoas abastadas estão se convertendo, e outros crentes estão

85

...

E

A Vara de Arão Floresceu

recebendo grande prosperidade do Senhor, e, muitos recebem a

chamada para a obra do ministério. Então, vejam companheiros,

acontece algo inusitado: alguém que tem muitos empregados à sua

disposição deve, agora, obedecer ao ministério da Igreja na mesma

condição dos demais.

Graças

a

Deus

que

a

obra

de

Deus não

comporta

protecionismo ou exceções.

Um grande empresário, se for verdadeiramente chamado

por Deus para a obra do ministério, deve obedecer ao seu pastor,

por mais humilde e rude que ele seja, é determinação de Deus.

A obediência se demonstra

em

cada ato,

ou

cada

comportamento e ação, de forma que o obreiro deve ter o cuidado

de fazer tudo conforme as determinações, sem distorcer a ordem

segundo seu pensamento.

Lembremo-nos

do

rei

Saul, que tendo recebido uma

ordem do homem de Deus, manipulou-a, distorceu-a, e, como

podemos verificar no relato das escrituras, teve punição severa.

86

...

E

A Vara de Arão Floresceu

...

porém

disse Samuel

...

o

obedecer é melhor que o sacrificar e o atender

melhor do que a gordura de carneiros

...

I Samuel 15 : 22

A desobediência de Saul era pautada em uma boa causa

espiritual. Dizia Ele que o povo se assenhoreou do melhor do

interdito para oferecer sacrifício a Deus. Vejam que boa e

justificada atitude aos olhos humanos, todavia Deus exige

obediência. Tal atitude custou o reino a Saul. Que Deus nos ajude e

nos dê sabedoria, sobretudo obediência ao ministério da Igreja e

aos nossos superiores para que permaneçamos debaixo da bênção,

fazendo sua obra com alegria.

87

...

E

A Vara de Arão Floresceu

A submissão na chamada ministerial;

Concluímos o capítulo que aborda o tema da obediência,

e, a propósito, estamos iniciando o capítulo que trata da submissão

ministerial, a sucessão do tema é proposital para demonstrar a

grande diferença entre ambos.

À primeira vista tais temas parecem ser equivalentes ou

similares, entretanto, veremos a seguir que há uma profunda

diferenciação entre ambos, e por isso mesmo estamos estudando

ambos separadamente.

Como já estudamos anteriormente, a obediência é uma

atitude vinculada a uma ordem imediata, enquanto que a

submissão, assunto deste capítulo, é uma condição permanente do

estado de espírito de uma pessoa.

Não é por acaso que o escritor aos hebreus mencionou

as duas palavras distintamente no mesmo versículo, certamente

porque ambas têm sua distinção bibliologicamente. Vejamos:

88

...

E

A Vara de Arão Floresceu

...

obedecei

vossos guias, e sede submissos para

com eles, pois velam por vossas almas

...

Hebreus 13 : 17

A submissão é

um

dom precioso que Deus

pode dar

àqueles que desejam fazer a sua obra com amor e dedicação.

A própria palavra já declara que é uma missão inferior

(sub), pelo que desde já se conclui que alguém com espírito altivo,

soberbo, egoísta ou exaltado, jamais aceitará tal função.