Anda di halaman 1dari 18

Benchmark de Avaliação

de Desempenho.
Sumário Executivo

Abril de 2009
Índice

1. Sumário Executivo
2. Introdução
3. Benchmarking de Gestão de Desempenho
3.1 Práticas do Sector Empresarial
3.2 Modelo de Avaliação de Professores e SIADAP
3.3 Modelos de Avaliação de Professores na UE

2 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Sumário Executivo

3 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho
Sumário Executivo

O Ministério da Educação considera que a definição e concretização de um regime


de avaliação que distinga o mérito é condição essencial para a dignificação da
profissão docente e para a motivação dos professores.

Promulgação de leis, despachos e decretos regulamentares diversos para suporte à


definição e operacionalização do Modelo.

Decreto-Lei n.º 15/2007, Decreto Regulam. n.º 2/2008,


de 19 de Janeiro de 10 de Janeiro

O novo modelo assenta em três pilares essenciais: i) avaliação interna (realizada pelos pares), ii)
avaliação integral e iii) avaliação com consequências (em formação, no desenvolvimento da
carreira e na atribuição de prémios de desempenho).
In Decreto Regulamentar n.º1-A/ 2009

A Avaliação de Desempenho surge, assim, como factor prioritário para a criação


de uma cultura de meritocracia, excelência e desenvolvimento contínuo.

4 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Introdução

5 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Introdução
Os desafios do Ministério da Educação

O Ministério da Educação tem vindo a adoptar um conjunto de correcções e


melhorias nas vertentes processual e de operacionalização do modelo, com o
objectivo de o adaptar à realidade das escolas.

Introdução de correcções que contribuam,


de forma efectiva, para melhorar os termos
da aplicação interna do processo de O Ministério da Educação tem como
avaliação. objectivo alinhar Portugal com as melhoras
práticas internacionais. Como tal, considera
Despacho n.º 32048/2008, importante o conhecimento dos modelos de
de avaliação existentes internacionalmente.

Decreto Regulamentar n.º1-A/ 2009, Conferência internacional "Avaliação de professores: visões e realidades"

de 5 de Janeiro

Nesta perspectiva de melhoria contínua do modelo, o Ministério da Educação


reconhece a necessidade de obter informação complementar sobre práticas de
avaliação de desempenho, que permitam aperfeiçoar e simplificar o processo.

6 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Introdução
Os desafios do Ministério da Educação

A realização de um Benchmark de Gestão de Desempenho permitirá o


alinhamento do modelo português com as melhores práticas de avaliação de
desempenho.

Neste contexto, elaborámos um estudo


comparativo do modelo de avaliação de
A. Análise das
desempenho dos professores em Portugal Práticas no
Sector
assente em três perspectivas distintas: Empresarial

1 Análise das Práticas no Sector Empresarial; Benchmark


de Avaliação
de
2 Modelo de Avaliação de Professores e Desempenho

SIADAP; B. Modelo de
C Benchmark de
Modelos de
Avaliação de
Avaliação de
Professores e
3 Benchmark de Modelos de Avaliação de SIADAP
Professores na
UE

Professores na UE.

Este é o momento adequado para efectuar um estudo sobre práticas de Gestão de


Desempenho, que permita, de forma factual e objectiva, responder às
preocupações das diversas partes envolvidas.

7 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho

8 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho
Overview

O Benchmark de Avaliação de Desempenho reúne as práticas de avaliação de


desempenho, comparando-as segundo critérios relevantes para o benchmarking
de modelos de gestão de desempenho, no sector público e privado.

A. Análise das
Práticas no
Sector
Empresarial

Racional
Benchmark
de Avaliação
de
Desempenho
Análise das práticas de gestão de desempenho nas empresas
nomeadamente práticas genéricas, práticas diferenciadoras,
B. Modelo de
C Benchmark de A
Avaliação de
Professores e
Modelos de
Avaliação de factores críticos de sucesso e benefícios vs. complexidade na
Professores na
SIADAP
UE implementação das variáveis chave consideradas.

Análise comparativa das práticas de avaliação de desempenho do


sector público português, mediante reflexão sobre pontos de
contacto e características diferenciadoras ao nível das variáveis
B
chave do modelo actual de Avaliação de Desempenho de
Professores e o Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho da
Administração Pública (SIADAP).

Análise comparativa entre os Modelo de Avaliação de Desempenho


de Professores de países pertencentes à União Europeia – sendo
C
considerados o modelo de Portugal e os modelos do Reino Unido
(Inglaterra), França, Holanda e Polónia.

9 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Sector empresarial
Abordagem adoptada

Objectivo: A abordagem definida permitirá analisar as práticas empresariais de


Gestão de Desempenho, tendo por base o estudo de nove variáveis chave de um
Modelo de Avaliação de Desempenho.

O que analisámos?
Benchmark de
Gestão de
Arquitectura
Desempenho Integração com outros
processos de RH
Variáveis Chave

Componentes
Sector empresarial

Instrumentos Implementação
Modelo de Avalia-
ção de Professores
e SIADAP Processo Revisão e acompanhamento

Modelos de Intervenientes Infra-estruturas de suporte


avaliação de
professores na UE
Como analisámos?
1 2 Metodologias, instrumentos e práticas mais comuns no Sector
Práticas Práticas 1
Empresarial.
Genéricas Diferenciadoras
2 Especificidades adoptadas por algumas organizações.
Dimensões
de Análise Aspectos associados a cada variável que determinam o sucesso
3
3 4 do Modelo.
Factores Críticos Benefícios vs
de Sucesso Complexidade Levantamento dos benefícios e complexidades que derivam da
4
utilização de práticas diferenciadoras.

10 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Sector empresarial
Princípios da Gestão de Desempenho

O sistema de Gestão de Desempenho é um vector-chave no alinhamento da


estratégia e objectivos da organização com a gestão do capital humano, que por
conseguinte, têm o potencial de contribuir para os resultados.

Orientações e objectivos da Gestão do Desempenho


Benchmark de
Gestão de
Desempenho Orientação para os objectivos estratégicos da Organização.

Gestão previsional de competências.


Sector empresarial

Identificação e diferenciação de níveis de desempenho.


Modelo de Avalia-
ção de Professores Promoção de uma cultura de meritocracia.
e SIADAP

Modelos de Identificação e gestão do talento.


avaliação de
professores na UE Criação de oportunidades de crescimento e progressão de carreira, baseadas no nível de
desempenho e competências demonstradas.

Identificação de gaps de competências, perspectivando necessidades de formação e


desenvolvimento para melhoria do desempenho.

Remuneração diferenciadora desempenhos elevados, através da indexação dos critérios de


progressão salarial e atribuição de incentivos, benefícios e prémios de desempenho.

11 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Modelo de Av. de Professores e SIADAP
Abordagem

Objectivo: Reflexão sobre as práticas de Avaliação de Desempenho de


Professores na sector público português, através da comparação do modelo de
avaliação para Professores e para Funcionários Públicos.

O que analisámos?
Benchmark de
Gestão de
Princípios Ciclo de Avaliação
Desempenho
Variáveis Chave

Responsáveis pelo Governance Critérios de Avaliação


Sector empresarial

Processo
Modelo de Avalia- Integração com outros processos
ção de Professores de RH
e SIADAP
Intervenientes

Modelos de
avaliação de
Como analisámos?
professores na UE
1 2
Pontos de 1 Análise de ambos os modelos numa lógica comparativa.
Contacto
Análise 2
Práticas, metodologias ou aspectos que são comuns a ambos os
Comparativa 3 modelos.
Pontos de
3 Especificidades de cada um dos modelos.
Diferença

12 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Modelo de Av. de Professores e SIADAP
Principais conclusões

Embora com diferenças no detalhe ao nível das variáveis chave de análise,


genericamente os dois modelos têm semelhanças, excepto no que diz respeito ao
ciclo do processo.

Benchmark de Variáveis Chave Principais conclusões


Gestão de
Desempenho A melhoria dos resultados escolares / do serviço e o reconhecimento do
Princípios do Modelo
mérito são princípios orientadores comuns.
Sector empresarial
Responsáveis pela Os responsáveis pela arquitectura e pela operacionalização estão ao
Governação mesmo nível de responsabilidade (Ministério que tutela).
Modelo de Avalia-
ção de Professores As fases utilizadas são comuns (definição de objectivos/ competências,
e SIADAP Processo auto-avaliação e avaliação, harmonização/ revisão, reunião final e validação
das classificações finais).
Modelos de
avaliação de Utilização de objectivos e competências, embora com diferenças ao nível
professores na UE Critérios de avaliação
das competências utilizadas.

Integração com outros A avaliação de desempenho tem consequências em outros processos de


processos de RH RH para ambos os modelos, nomeadamente compensação e formação.

Intervenientes Diferente número de avaliadores.

O ciclo da avaliação de professores é de dois anos lectivos e o do SIADAP


Ciclo de processo
um ano civil.

13 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Modelo de Av. de Professores e SIADAP
Overview das dimensões analisadas

Genericamente, podemos concluir que o Modelo de Avaliação de Professores e o


SIADAP são similares, apesar de algumas especificidades ao nível dos
responsáveis pela avaliação, critérios e impacto em outros processos de RH.

Modelo de Avaliação de
SIADAP
Benchmark de Professores
Gestão de
Desempenho
Obrigatoriedade
 (a avaliação da componente
técnica não é obrigatória) 
Arquitectura 1 – Ministério da Tutela

Sector empresarial 2 – Conselho Pedagógico e


Operacionalização 1 – Dirigente máximo
Responsá- Conselho Executivo
veis pelo 2 – Coordenador Pedagógico e
Avaliação 1 – Dirigente intermédio
Modelo de Avalia- Governance Conselho Executivo
ção de Professores 2 – Comissão paritária e
2 – CCAP (externo) e CCAD
e SIADAP Controlo de Qualidade Conselho de Coordenação da
(interno à Escola)
Avaliação (internos ao serviço)
Modelos de 6 fases – Planeamento, definição de objectivos,
avaliação de Fases do Processo auto-avaliação e avaliação, revisão da proposta de avaliação,
professores na UE reunião de avaliação e validação das classificações finais.
Ciclo do Processo 2 anos lectivos 1 ano civil

Objectivos
 

Técnicas (científico-
Critérios Competências
pedagógicas)  Comportamentais


Indicadores de
Outros -
desempenho funcional

Carreiras, compensação variável


Impactos em outros processos de RH Compensação variável, formação.
e formação.

14 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Modelo de Av. de Professores na UE
Abordagem adoptada

Objectivo: Reflexão sobre as práticas de Avaliação de Desempenho de


Professores na Europa, através da comparação das práticas europeias, tendo por
base estudo de variáveis chave de um Modelo de Avaliação de Desempenho.

O que analisámos?
Benchmark de
Gestão de Critérios de segmentação:
Desempenho • Região da Europa – França (Sul da Europa), Holanda (Europa Ocidental) e Polónia
(Europa Central e de Leste);
Sector empresarial • Maturidade do sistema – Inglaterra (com um modelo implementado depois de 2000).

Modelo de Avalia- Princípios Ciclo de Avaliação


Variáveis Chave

ção de Professores
e SIADAP Responsáveis pelo Governance Critérios de Avaliação
Modelos de
avaliação de Processo
professores na UE Integração com outros processos
de RH
Intervenientes

Como analisámos?
1 2
Maior 1 Análise de ambos os modelos numa lógica comparativa.
homogeneidade
Análise 2
Práticas, metodologias ou aspectos que são comuns a ambos os
Comparativa 3 modelos.
Maior
3 Especificidades de cada um dos modelos.
heterogeneidade

15 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Modelo de Av. de Professores na UE
Principais conclusões

O Modelo de Avaliação de Professores português reúne práticas comuns aos


restantes modelos da UE analisados, verificando-se homogeneidade em algumas
das práticas adoptadas.

Variáveis Chave Principais conclusões


Benchmark de
Gestão de A qualidade do ensino, a melhoria dos resultados escolares e o
Desempenho Princípios desenvolvimento pessoal e profissional dos professores são princípios
comuns entre o modelo português e os modelos de países analisados
Maior homogeneidade

Sector empresarial
Responsáveis pelo Atribuição da responsabilidade pela arquitectura ao Órgão Central (exceptu-
Governance ando Holanda) e pela operacionalização às Escolas (excluindo em França).
Modelo de Avalia-
ção de Professores Os critérios adoptados são diferenciados (três tipologias), sendo
e SIADAP Critérios de Avaliação generalizada a adopção de objectivos e competências científico
pedagógicas como componentes de avaliação.
Modelos de
avaliação de O resultado da Avaliação de Desempenho tem consequências em outros
professores na UE
Integração com outros processos de RH, em particular na progressão da carreira (com excepção
processos de RH do modelo inglês) e na compensação variável (excluindo o modelo de
França).
Processo As fases do processo são heterogéneas.
heterogeneidade

O número de intervenientes varia por fase do processo, sendo que Portugal


Maior

Intervenientes
é o único país que não contempla um avaliador único.

A duração do ciclo é muito diferenciada, sendo que apenas Portugal e


Ciclo do processo
Inglaterra apresentam continuidade no seu ciclo.

16 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Benchmark de Gestão de Desempenho | Modelo de Av. de Professores na UE
Overview das dimensões analisadas

Analisando características gerais é possível identificar pontos de contacto entre os


modelos ao nível da obrigatoriedade, responsáveis pela arquitectura e
operacionalização e critérios de avaliação.

Portugal Inglaterra França Holanda Polónia


Benchmark de
Gestão de Obrigatoriedade    
Desempenho Órgão Órgão Órgão Órgão
Arquitectura Escola
central (ME) central (Governo) central (ME) central (ME)
Responsáveis pelo

Sector empresarial Escola (órgãos


Escola (órgão de Inspecção de Escola (órgão de Escola (órgão de
Governance

Operacionalização de gestão e de
gestão) Educação gestão) gestão)
monitorização)
Modelo de Avalia- 2 – Coordenador
1 – Coordenador 1 – Inspector 1 – Director da 1 – Director da
ção de Professores Avaliação Pedagógico e
pedagógico externo Escola Escola
e SIADAP Cons. Executivo
Controlo de 2 – Órgão interno 1 – Inspector da
Modelos de 1 – Órgão externo Escola *
Qualidade e externo Educação
avaliação de
professores na UE Objectivos     
Competências
    
Critérios

técnicas
Competências
comportamentais  
Outros   
Formação, Compensação Carreira e
Impactos em outros Carreira e
compensação variável e Carreira compensação fixa
processos de RH formação
variável e carreira formação e variável

* Informação não disponível.

17 Benchmark de Avaliação de Desempenho | Apresentação do Relatório © 2009 Deloitte Consultores, S.A.


Esta publicação contém apenas informação geral, pelo que nem a Deloitte Touche Tohmatsu, nem qualquer das suas
firmas membro, respectivas subsidiárias e participadas, estão através desta publicação, a prestar serviços de auditoria,
consultoria fiscal, consultoria ou corporate finance, aconselhamento legal, ou outros serviços profissionais ou
aconselhamento. Esta publicação não substitui tal aconselhamento ou a prestação daqueles serviços profissionais, nem
a mesma deve ser usada como base para actuar ou tomar decisões que possam afectar o vosso património ou negócio.
Antes de tomarem qualquer decisão ou acção que possa afectar o vosso património ou negócio, devem consultar um
profissional qualificado.

Em qualquer caso, nem a Deloitte Touche Tohmatsu, nem qualquer das suas firmas membro, respectivas subsidiárias
ou participadas serão responsáveis por quaisquer danos ou perdas sofridos em resultado de acções ou tomadas de
decisão somente com base nesta publicação.

A expressão Deloitte refere-se à Deloitte Touche Tohmatsu, uma Swiss Verein, ou a uma ou mais entidades da sua rede
de firmas membro, sendo cada uma delas uma entidade legal separada e independente. Para aceder à descrição
detalhada da estrutura legal da Deloitte Touche Tohmatsu e suas firmas membro consulte www.deloitte.com/about. © 2009 Deloitte Consultores, S.A.