Anda di halaman 1dari 2

4 Princípios de um verdadeiro servo

Por Ronaldo Bezerra

Filipenses 2:3-11.

1- "Nada façais por contenda ou vanglória".

Esta frase se dirige muito bem aos músicos, porque a maioria deles tocam suas músicas por
vanglória. No mundo se diz que a maior recompensa para o artista são os aplausos.
Vanglória - exaltação ao homem.

O músico tem a necessidade de que o reconheçam e o aplaudam como alguém importante.


É por isso que há contendas entre grupos, porque um quer aparecer mais do que o outro.
"O que ama a contenda ama o pecado; o que faz alta a sua porta facilita-lhe a queda" (Pv
17:19). "A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito, a queda" (Pv 16:18). "Quem a si
mesmo se exaltar será humilhado; e quem a si mesmo se humilhar será exaltado" (Mt
23:12).

Por isso, se ao tocar, cantar e ministrar, sua motivação for receber aplausos, receber
"glória" e reconhecimento, não faça, pois você deverá dar contas diante de Deus. Antes de
fazer qualquer coisa, devemos examinar nossas motivações.

2- "Cada um considere os outros superiores a si mesmo".

Muitos estão preocupados com a rivalidade e a competição, ou seja, quem é o melhor ou


pior. Existem alguns que disputam para ter o melhor instrumento, o melhor equipamento,
ou quem é a melhor banda, se é "X" ou "Y", quem está tocando ou cantando melhor, quem
equaliza melhor o som, quem dança melhor, etc. Porque não consideramos a possibilidade
de que existe alguém melhor do que nós? Porque sempre temos que ser os melhores?

Outros se acham os "donos do púlpito" ou "donos do ministério", e logo dizem: "Quem


manda aqui sou eu!". Autoridade não se impõe, se conquista. O dia que precisarmos
lembrar as pessoas sobre quem dá as ordens, ou quem é que manda, é porque na verdade
já perdemos a autoridade, então nos tornamos tiranos e autoritários. A autoridade é
conquistada por uma vida de serviço. Lembre-se: Quem não está debaixo de autoridade
não pode exercer autoridade.

O que observamos hoje entre os músicos é a dificuldade de cederem seu lugar em favor de
outros, diferentemente de Romanos 12:10: "Amai-vos cordialmente uns aos outros com
amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros". O amor se expressa através do
serviço: "Nisto conhecemos o amor, em que Cristo deu a sua vida por nós; e devemos dar a
nossa vida pelos irmãos" (I Jo 3:16).

Considere isto: Quando alguma pessoa está fazendo algo em seu lugar você se alegra ou
fica analisando cada detalhe do que ela está executando? Você participa do culto tranqüilo,
sem se importar se ela está executando o serviço bem ou mal? Se ela falhar no serviço
você levará palavras de ânimo e consolo à esta pessoa, ou irá se alegrar no erro cometido?
Se você é do tipo de pessoa que não cede o seu lugar para ninguém ou fica incomodado
quando alguém está em seu lugar ministrando, ou ainda se alegra com o erro dos outros, é
porque você ainda não entendeu o que significa considerar os outros superiores a você.
3- "Não atente cada um somente para o que é seu, mas cada qual também para o
que é dos outros".

A tarefa de um servo é justamente atentar para que o que é dos outros. Se desejarmos ser
servos verdadeiros, precisamos pensar menos em nós, e mais nos outros. "Ninguém
busque o seu próprio interesse; e, sim, o de outrem" (I Co 10:24). Quando pensamos nos
outros mais do que em nós mesmos, Deus cuida de nós melhor do que se estivéssemos
cuidando de nós mesmos.

Que possamos ter atos generosos entre nós, preocupando-nos sempre com as necessidades
dos irmãos em todas as áreas: material, espiritual e emocional.

4- "De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve em Cristo Jesus".

Qual foi o sentir de Cristo? Sendo Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus, se
esvaziou, assumiu forma de servo, se humilhou e foi obediente (Fl 2:6-8).

Jesus vivia numa atitude constante de humildade: "Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei
de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para as vossas
almas" (Mt 11:29). Assim deve ser o nosso modo de viver e pensar, algo que o Senhor
estabeleça em nossas vidas.

Precisamos ter intimidade com o Senhor para conhecermos qual é a maneira de pensar,
sentir e agir do nosso mestre. "Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz,
façais vós também" (Mt 13:15). Sejamos imitadores de Jesus!

Como alcançar o perfil de um verdadeiro adorador? Uma das características de um


verdadeiro adorador é o seu espírito de serviço a Deus e as pessoas.

Ronaldo Bezerra