Anda di halaman 1dari 58

Universidade de São Paulo

Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas


Departamento de Geografia

Proposta de representação tátil do relevo:


construção e aplicação
de materiais didáticos inclusivos

Trabalho de Graduação Individual


apresentado ao Departamento de Geografia da
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas
da Universidade de São Paulo,
orientado pela Professora Doutora
Regina Araujo de Almeida,
para obtenção do grau de bacharel em Geografia.

Aline Alves Bittencourt _ n° USP 4933641

Profª Drª Regina Araújo de Almeida

1
ÍNDICE

APRESENTAÇÃO 3

1. INTRODUÇÃO 6

2. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS 10

3. FUNDAMENTOS TEÓRICOS 13

3.1. Deficiência visual, educação geográfica diferenciada e inclusão 13

3.2. A cartografia escolar e a cartografia tátil 18

3.3. Ensino de geografia e materiais didáticos 26

4. PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS INCLUSIVOS 29

5. PROPOSTA DE REPRESENTAÇÃO TÁTIL DO RELEVO 34

5.1. Construção de materiais didáticos táteis 34

5.2. Aplicação em sala de aula dos materiais propostos 42

6. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 47

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS 51

8. BIBLIOGRAFIA 54

ANEXOS 58

1. Material produzido nos Programas Bolsa Trabalho (COSEAS) 58


e Ensinar com Pesquisa (PRG)

2. Mapas turísticos ilustrados 59

2
APRESENTAÇÃO

A representação cartográfica é um dos principais recursos utilizados


para o entendimento do mundo que nos cerca. Certamente, foram os mapas os
responsáveis pelo meu fascínio pela ciência geográfica. Estudar e pesquisar na
área da educação de Geografia por meio da Cartografia se tornou uma forma
prazerosa de transmitir este fascínio pelos materiais cartográficos, de modo a
incentivar crianças e adolescentes, incluindo alunos com deficiência visual, a
aprenderem com a linguagem gráfica.

Durante parte de minha vida discente no Ensino Médio, fiz alguns mapas
de caráter estritamente artístico. Alguns amigos observaram que os mapas
poderiam inclusive ser lidos por cegos, pois a tinta usada apresentava textura
em relevo expressiva. Até então, eu desconhecia por absoluto a Cartografia
Tátil. Com o ingresso na Universidade, em 2003, o curso de graduação em
geografia possibilitou inúmeras experiências e conhecimentos na área de
confecção cartográfica e estudos de representação. A partir do 4º semestre do
curso, obtive o auxílio do Programa Bolsa-Trabalho da Coordenadoria de
Serviços e Assistência Social/ COSEAS da Universidade de São Paulo para
trabalhar no Laboratório de Ensino e Material Didático do Departamento de
Geografia (LEMADI). Dentro desta oportunidade, meu trabalho se desenvolveu
no projeto de Cartografia Tátil e Ensino de Geografia para Deficientes Visuais.
No 8º semestre, finalizou-se o Programa Bolsa Trabalho, passando-se a contar
com o auxílio do Projeto Ensinar com Pesquisa, um programa da Pró-Reitoria
de Graduação, que visa contribuir com a pedagogia universitária.

O levantamento de material existente sobre o tema permitiu a


organização de uma pequena biblioteca sobre Cartografia Tátil e Deficiência
Visual, composta por livros, teses, um acervo de artigos e revistas (em
português, espanhol e inglês), fotos e relatórios das atividades dos projetos
desenvolvidos no laboratório. Torna-se muito cativante a pesquisa conjunta e o
desenvolvimento coletivo do conhecimento, trazendo uma forma de pesquisa
em equipe, o que favorece muito os avanços nos conhecimentos. No
desenvolvimento dos trabalhos no LEMADI, foi priorizada, no primeiro
momento, uma organização prévia dos materiais utilizados para produção de

3
representações gráficas táteis e do próprio acervo, para sua melhor
disponibilidade para consulta, pesquisas e uso.

Em seguida, a digitalização de mapas táteis, gráficos, esquemas,


ilustrações e histórias se fez necessária, segundo as discussões sobre
possibilidades de disponibilidade e divulgação, também por meio da internet¹.
O acervo das imagens digitalizadas dos materiais gráficos adaptados ao tato
segue uma organização definida por: 1- Técnica de construção, sendo alu para
alumínio, clg para colagem e cop para cópias opacas e translúcidas; 2- O tipo
de representação, sendo mp para mapas, gr para gráficos e il para ilustrações;
3- O nome do lugar que está sendo representado ou alguma referência do
projeto em que foi desenvolvido. Os álbuns, catálogos, histórias e jogos foram
em sua maioria digitalizados.

Destaca-se a importância do conjunto de pesquisas em Cartografia Tátil


no LEMADI, formado pelas pesquisadoras Waldirene R. do Carmo e Profª. Ms.
Carla C. G. R. Sena, que coordenam o projeto em parceria com a Universidad
de Tecnologica Metropolitana, no Chile, e Universidad de Cuyo, em Mendoza,
na Argentina, e apoiado pelo Instituto de Pesquisas de Geografia e História e
pela Organização dos Estados Americanos, e que desenvolvem suas
pesquisas de mestrado e doutorado, respectivamente, nesta área, acrescido
pelos trabalhos desenvolvidos pela Profª. Drª. Regina A. de Almeida.

O aprendizado e trocas constantes favoreceram a pesquisa desde o


início, sendo a produção de materiais didáticos a mais enriquecedora.
Construiu-se em equipe uma planta tátil da exposição Casa Cor, em 2005, sob
forma de consultoria técnica gratuita, mapas do centro de São Paulo, em seus
roteiros turísticos adaptados aos deficientes físicos, auditivos e visuais, em
parceria com as alunas bolsistas da USP Leste no Programa Bolsa-Trabalho
em 2006, além dos materiais construídos pela demanda dos projetos em
andamento.

_________________

¹ http://www.geografia.fflch.usp.br/inferior/laboratorios/lemadi/index.htm

4
Ainda nas atividades desenvolvidas dentro da pesquisa no projeto
Ensinar com Pesquisa, foi possível a participação no Projeto Caminhos do
Futuro – Educação para o Turismo, como apoio ao doutorando Sérgio Ricardo
Fiori, também orientando da Profª. Dr.ª Regina Araújo de Almeida, fazendo a
monitoria de suas oficinas de Cartografia Ilustrada e Turística, oferecidas para
professores da rede pública. O contato com o Prof. Sérgio Fiori permitiu ainda a
experiência de colorir quatro mapas, ilustrados por ele, de regiões turísticas
dos estados do Paraná, Minas Gerais, Amazonas e Piauí, produzidos dentro do
conjunto do projeto de Educação para o Turismo.

A pesquisa sobre estratégias didáticas foi amplamente enriquecida pela


experiência em oficinas de cartografia ilustrada e turística, utilizando programas
de fácil acesso como Photoshop e CorelDraw na composição de imagens e
folders para comunicar informações importantes e servindo de apoio didático
ao professor, como as principais técnicas de produção de representações
gráficas táteis, ou sugestões de atividades didáticas em sala de aula. O caráter
lúdico de materiais informativos voltados ao turista, desde que sejam produtos
cartográficos de qualidade (com escala, indicação de norte, legenda e fonte,
por exemplo), podem ser estímulos no ensino para leitura e produção de
mapas em sala de aula. Os materiais produzidos nos programas de estágio,
incluindo o folder de divulgação do LEMADI e das principais técnicas da
Cartografia Tátil e os mapas ilustrados, coloridos pela autora, encontram-se
anexos ao trabalho.

Considera-se os estágios efetuados no ano de 2007 pela Licenciatura,


como pré-requisito da disciplina Metodologia do Ensino de Geografia I e II,
sendo o do primeiro semestre um estágio de observação de dezesseis aulas e
o segundo a regência em nove aulas, como uma experiência relevante para os
estudos sobre o processo de ensino-aprendizagem. A regência de aulas foi
feita na Escola Estadual de Ensino Médio Andronico de Melo, no bairro da Vila
Sônia em São Paulo. A experiência foi muito proveitosa, pois foi possível
utilizar técnicas de ilustração de mapas feitos na lousa, comprovando que a
visualização dos fenômenos físicos e as relações possíveis entre a localização
de fatores sócio-econômicos podem transformar as imagens gráficas e as
ilustrações em importantes estratégias didáticas para o processo de ensino-

5
aprendizagem de geografia. Fez-se uso também de mapas mundi e regionais,
impressos em tecido, existentes na escola.

As oportunidades de contato com o universo escolar das instituições


públicas de ensino trouxeram uma importante contribuição na reflexão sobre o
papel do conhecimento na formação de cidadãos atuantes na transformação da
realidade, assim como contribuíram significativamente para a identificação de
um discurso, presente em várias esferas da informação, que tenta destruir a
imagem de instituições públicas, colocando-as, pejorativamente, em uma
condição de desmantelamento, com o intuito de justificar o uso da educação
como mercadoria.

1. INTRODUÇÃO

O presente trabalho resulta do trajeto profissional e acadêmico percorrido


durante a graduação, apresentando uma proposta de adaptação de materiais
didáticos, um planisfério e um globo terrestre, para a inclusão de alunos com
necessidades especiais, com o uso de porcelana fria, tinta para tecido e cola
branca. Trata-se de uma busca por soluções simples e acessíveis para o êxito
no processo de ensino-aprendizagem de todos os alunos, na disciplina de
Geografia. Entre as inúmeras atividades oriundas deste trabalho, considera-se
o contato com o acervo de materiais táteis do Laboratório de Ensino e Material
Didático a mais motivadora para a pesquisa. Com o conhecimento dos
trabalhos já realizados e em desenvolvimento no Laboratório, pode-se
conhecer e utilizar as principais técnicas para a produção e reprodução
cartográfica tátil e parte do seu processo evolutivo no Brasil, já que o trabalho
de Vasconcellos (1993) foi pioneiro no país.

As atividades constantes do laboratório na área de Cartografia Tátil, desde


o início da década de 90, incluem pesquisas no tema, efetuadas em parceria
com universidades do Chile e Argentina, realização de colóquios, simpósios e
oficinas, entre outros. Pesquisas realizadas sobre educação indígena e
educação para o turismo também são desenvolvidas por alguns pesquisadores
e colaboradores ligados ao Laboratório de Ensino e Material Didático. O
contato com este vasto leque de pesquisas possibilitou experiências em dois

6
temas básicos e interligados, de relevância para a presente pesquisa:
construção de materiais didáticos inclusivos e estratégias didáticas.

A escolha do tema como objeto de pesquisa se deu pelo encanto com a


multiplicidade de soluções possíveis para o fornecimento de materiais
adequados às necessidades especiais, não apenas aos deficientes visuais,
mas a crianças, idosos e mesmo para um entendimento facilitado dos
conceitos geográficos, no geral. Além da abordagem científica das pesquisas
desenvolvidas no Laboratório e também deste trabalho, há dentro do tema uma
dimensão social, quando o objetivo é a superação de barreiras informacionais
para a construção do conhecimento.

O ensino de geografia por meio da Cartografia, ampliado e acessível a


todos, e assim respeitando os princípios da inclusão, se tornou uma busca não
apenas de realização profissional, mas de satisfação pessoal. Durante o curso
de graduação em Geografia, é notável como o conhecimento científico
possibilita o entendimento sobre aspectos críticos da realidade: como as
desigualdades são criadas, reproduzidas e mantidas, como a exclusão e o
preconceito são permitidos, para citar alguns exemplos. Optou-se, então, por
um trabalho de cunho social, estudando-se e pesquisando-se na área da
educação como uma forma de retribuir e responder, com habilidade, a
importância de se estudar em uma universidade pública.

Contextualizando historicamente o momento atual, em que as


representações gráficas permeiam todas as instâncias do cotidiano: trabalho,
vida privada e lazer, torna-se ainda mais instigante e motivador o desafio de
contribuir para a integração de pessoas com necessidades especiais, por meio
da produção cartográfica tátil, na transmissão de conceitos espaciais.

A percepção do espaço faz parte da vida cotidiana dos seres humanos e


para a compreensão das relações espaciais, assim como para o ensino de
geografia para alunos com necessidades especiais, a imagem visual requer
uma adaptação para uma linguagem gráfica que seja passível de ser percebida
pelo tato. No ensino de Geografia, os mapas, diagramas e gráficos são
indispensáveis por guardarem informações abstratas sobre o espaço, sendo
ainda mais necessários no caso do ensino para alunos com deficiência visual,

7
pois o tato pode auxiliá-los na locomoção, a partir do uso de mapas adaptados,
aproximando-os à compreensão daqueles que enxergam.

Os problemas enfrentados no uso das representações gráficas para o


entendimento da disciplina geográfica permeiam tanto a vida de alunos, quanto
a de professores. O desconhecimento da linguagem gráfica, muitas vezes por
ambos os grupos, dificulta o aproveitamento destes materiais. Abreu (2006),
em um artigo escrito na Revista Brasileira de Cartografia, analisando a
formação do professor de geografia quanto aos conteúdos cartográficos, a
partir de dados coletados em universidades e escolas públicas de Pernambuco,
verificou que há um ciclo deficitário no processo de alfabetização cartográfica.
Em alguns casos, o aluno não aprende os conteúdos cartográficos, por conta
da deficiente formação do professor; em seguida, esse aluno entra em uma
universidade no curso de geografia e, novamente, os conteúdos não são
construídos. Ele se forma professor, leciona na escola e, posteriormente a uma
pós-graduação, dará aulas na universidade. Seria uma disseminação da falta
de domínio dos conhecimentos cartográficos em todos os níveis do ensino.

Desta forma, o professor de geografia, que leciona em escolas públicas


e privadas, teve, no geral, uma formação deficitária, que nem lhe propiciou o
acesso aos conhecimentos necessários ao domínio do componente curricular
que leciona, nem lhe deu a oportunidade de desenvolver sua condição de
sujeito produtor desses conhecimentos e responsável por seu avanço. De fato,
muitos professores de geografia não dominam a cartografia de forma
satisfatória, além de enfrentarem problemas em virtude da má qualidade dos
produtos cartográficos disponíveis, inclusive em livros didáticos. Não é
insignificante o número de mapas sem escala, legenda ou qualidade gráfica
para uma leitura eficiente. Eles são, em geral, subutilizados e postos apenas
como forma de localização e/ou ilustração de fenômenos.

No estudo do ensino e produção cartográficos, vários autores como


SIMIELLI (1986), SANTOS (1995) e PASSINI (1994) têm ressaltado a
importância de um processo de “alfabetização cartográfica” para melhor
eficiência na leitura e uso de representações cartográficas (mapas, gráficos,
perfis, bloco diagramas, etc.). Seria uma forma de sanar parte da deficiência

8
estrutural que os alunos e professores têm na leitura e entendimento das
representações cartográficas.

No caso da educação voltada para alunos com deficiência visual, este


processo de preparação dos usuários para leitura de mapas é ainda mais
importante, pois, em geral, os alunos cegos ou com visão subnormal não
tiveram amplo acesso a materiais adaptados ao tato, de forma a serem menos
familiarizados com a leitura de representações gráficas. A adaptação das
imagens gráficas visuais para táteis é fundamental para alunos com
necessidades especiais na construção do conhecimento do espaço geográfico.
Esta construção do conhecimento pode ainda ser auxiliada por mapas,
ilustrações, atividades e jogos que facilitem a introdução de noções geográficas
e cartográficas básicas como ponto de vista, proporção, escala, localização e
orientação.

Vale ressaltar que os alunos com deficiência visual formam um grupo


bastante heterogêneo, de forma que a adaptação de materiais cartográficos
deve levar em conta diferentes estágios de visão subnormal e da cegueira,
utilizando-se, por exemplo, de cores. No geral, os padrões da produção
cartográfica direcionada à visão são alterados segundo as diferentes
necessidades na produção de cada tipo de material dirigido para necessidades
especiais.

A adaptação da informação gráfica à forma tátil exige estudos


aprofundados, como têm considerado os pesquisadores, pois apenas a
transcrição da informação não fornece resultados favoráveis devido, sobretudo,
à diferença de resolução entre o sentido da visão e do tato, dentre outras
razões. A escolha do que será representado deve ser feita segundo estudos
detalhados da melhor forma de dispor as informações nos mapas. Para a
pessoa com deficiência visual, a sobreposição de informações em uma mesma
representação dificulta, podendo até impedir, a leitura e o entendimento das
informações contidas no mapa.

A transformação da representação gráfica visual para a tátil pressupõe


uma maior simplificação e generalização da informação geográfica a ser
representada graficamente, tendo em vista o usuário com visão subnormal ou
cego (VASCONCELLOS, 1993). O contato próximo e constante com as

9
técnicas utilizadas na produção de materiais cartográficos adaptados ao tato
permitiu tanto o conhecimento de parte destas técnicas como a pesquisa de
outros recursos gráficos na forma tátil.

2. JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS

A presente pesquisa se pauta na proposta de representação do relevo


terrestre adaptada à percepção tátil, com o uso de porcelana fria, em um
planisfério, bidimensional, e em um globo terrestre, tridimensional. A adaptação
dos materiais cartográficos à percepção tátil almeja a inclusão dos alunos com
necessidades especiais na viabilização do seu processo de aprendizagem e
para sua autonomia enquanto cidadãos.

A importância do tema nos campos do ensino de geografia, e na


Educação de modo geral, se justifica pela escassez deste tipo de material
adaptado às necessidades especiais no Brasil, fato que limita de forma
significativa o ensino de geografia a crianças e adolescentes com deficiência
visual. De um modo geral, este trabalho visa auxiliar o entendimento da
cartografia a estudantes do Ensino Fundamental, servindo como um
instrumento para o professor na sala de aula.

Pretende-se ainda que este trabalho seja uma produção acessível aos
professores e educadores que lidam com necessidades especiais, por seu
baixo custo financeiro e por sua facilidade de construção. O material poderá ser
usado por crianças de diversas séries, segundo a necessidade do professor em
cada ano, na construção do conhecimento geográfico. Outra vantagem de um
material como o planisfério em uso conjunto com o globo terrestre adaptados à
forma tátil, dado o caráter motivador, é o efeito integrador do material na sala
de aula entre crianças com e sem deficiência visual, na medida em que todas
se interessariam ou seriam atraídas pelo material.

A partir de uma análise dos documentos oficiais sobre o processo de


inclusão de pessoas com deficiência visual no Ensino regular, como a
Constituição Federal de 1988, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e os
Parâmetros Curriculares Nacionais, percebeu-se uma mudança quanto às
discussões. Primeiramente, é preciso lembrar que a educação é um dever do

10
Estado e um direito de todos os cidadãos. Para a educação especial, verifica-
se que ela deve ser iniciada desde a infância, na faixa etária de zero a seis
anos, já em creches, cabendo às escolas, posteriormente, receber todos os
estudantes.

A mudança nas discussões pode ser confirmada por novas buscas feitas
para o entendimento da educação, integração e inclusão de pessoas com
deficiência visual. Já em 1945, a Fundação para o Livro do Cego no Brasil, hoje
Fundação Dorina Nowill, inicia, de forma pioneira na América Latina, o Modelo
de Educação Integracionista, ao oferecer os primeiros atendimentos
educacionais a alunos com deficiência visual, matriculados no Sistema
Educacional Estadual em São Paulo. Este modelo objetivava o atendimento às
necessidades específicas nas salas de recurso, tendo se instalado de forma
gradativa e em diferentes níveis (MENDES, 1999).

A questão da inclusão tem sido amplamente discutida por profissionais


de diversas áreas que trabalham com Educação Especial, assumindo vários
significados. A inclusão de pessoas com deficiência visual na classe comum
deve ser feita com o apoio de materiais adequados, admitindo que seja
necessário um constante acompanhamento efetivo dos profissionais, pois o
processo inclusivo leva tempo e a mudança dos serviços existentes deve ser
paulatina, acompanhando um processo de reestruturação no sistema
educacional. Por isso, torna-se fundamental a criação e divulgação de
materiais passíveis de utilização por todos os alunos, inclusive por alunos com
deficiência visual.

O ensino de cartografia no Ensino Fundamental e Médio é importante


para consolidar a percepção e a capacidade de representação espacial,
proporcionando à criança o entendimento sobre o espaço físico que habita.

A educação cartográfica ou alfabetização para a leitura de mapas deve ser


considerada tão importante quanto à alfabetização para a leitura e escrita. Esta
educação cartográfica significa preparar o aluno para ler e fazer mapas.

PASSINI (1994)

Segundo o manual de Práticas Pedagógicas, distribuído no ano de 1993


pelo Estado de São Paulo, não há diferenciação intelectual entre um deficiente

11
visual e pessoas dotadas de visão, mas pode haver um déficit de seu nível
“funcional” pela restrição de experiências adequadas às suas necessidades de
amadurecimento, já que estas podem ser capazes de minimizar os prejuízos
decorrentes da baixa acuidade visual.

A adaptação satisfatória da criança deficiente visual à escola, como de


qualquer criança, torna-se assim dependente da provisão adequada de
suportes psicossociais que visem à satisfação das necessidades de segurança,
amor e aceitação. Porém, a orientação educacional é quase em sua totalidade
baseada em uma programação visual, deixando o aluno com deficiência visual
em situações desvantajosas. Por isso é necessária a utilização de recursos de
aprendizagem adaptados ao tato.

Os recursos utilizados, desde que selecionados e adequados à capacidade sensorial e


nível de desenvolvimento do educando e ao conteúdo a ser dominado, são
considerados instrumentos valiosos no processo de aprendizagem do deficiente visual,
à medida que, numa exploração detalhada, lhe permitirá estabelecer relações, analisar,
elaborar seus próprios conceitos e relatar; favorecerão, ainda, a aquisição do hábito de
busca, de pesquisa, de elaboração, habilitando-o ao esforço consciente para o
desenvolvimento de sua própria aprendizagem.

Manual de Práticas Pedagógicas (1993)

O planisfério é um tipo de representação muito utilizado nas escolas,


sendo por isso familiar aos estudantes e interessante por ser de fácil manuseio
pelo aluno com necessidades especiais. O globo terrestre permite o estudo de
diversos conceitos geográficos, auxiliado por uma maior proximidade com a
realidade quanto à forma da terra, apresentando assim, menor distorção. O
globo adaptado possibilita, ainda, a representação dos pólos com menor
distorção e a representação do eixo de inclinação terrestre, permitindo a
transmissão de diversos conceitos fundamentais ao ensino de geografia, como
os movimentos de rotação e translação, e, assim, a explicação de fenômenos
como o dia e a noite e as estações do ano. A combinação dos materiais se
mostrou a melhor forma para a compreensão dos processos de produção de
mapas, acreditando-se ser uma contribuição para o entendimento do processo
de construção do mapa, auxiliando o aluno a conhecer o sentido da
representação.

12
O principal objetivo do trabalho é o desenvolvimento de materiais
didáticos adaptados ao aluno com deficiência visual e dirigidos para o ensino
de geografia. Foi escolhido o planisfério e o globo terrestre para a adaptação à
forma tátil da representação do relevo, de modo que atenda às pessoas com
necessidades especiais, no caso da deficiência visual.

Os objetivos específicos do trabalho são: a pesquisa de materiais de


baixo custo para produção de modelos cartográficos; construção de exemplos
de materiais didáticos e avaliação com alunos e professores; difusão das
formas de produção de materiais cartográficos táteis, por meio de folhetos de
divulgação e o planejamento de oficinas para professores de educação
especial.

Para que as representações gráficas táteis sejam cada vez mais acessíveis aos
deficientes visuais, faz-se necessária a constante produção e distribuição das
representações e que também sejam acessíveis aos pais e profissionais que trabalham
quotidianamente com os deficientes visuais.

(SENA, 2001)

A construção dos materiais procurou se diferenciar em alguns elementos


(tipos de legenda, uso de diferentes linhas e cores, entre outros) de forma
proposital, buscando avaliar e construir, junto aos usuários, a melhor escolha e
o melhor uso dos materiais propostos.

3. FUNDAMENTOS TEÓRICOS

Esta pesquisa se norteia por quatro temas principais: Deficiência Visual,


Educação geográfica Diferenciada e Inclusão; a Cartografia Escolar e a
Cartografia Tátil; uso de materiais didáticos no ensino de geografia. Optou-se
por deixar em um mesmo item dois dos mais importantes temas do trabalho, a
Cartografia Escolar e a Cartografia Tátil, por sua íntima relação e para um
melhor aproveitamento das propostas.

4.1. Deficiência Visual, Educação geográfica diferenciada e inclusão

Como mencionado anteriormente, os deficientes visuais formam um


grupo bastante complexo e diverso, sendo fundamental levar em conta vários

13
graus e condições da deficiência, o que pode interferir ou mesmo determinar a
produção de materiais destinados a este grupo. Alguns temas que permeiam a
deficiência visual não puderam ser aqui abordados, tais como as condições
clínicas, tipos e causas da deficiência visual, condições psicológicas e sociais,
entre outros. Quanto ao aspecto legal da deficiência visual, conceitua-se em
geral como um impedimento total ou a diminuição da capacidade visual
decorrente de imperfeições no órgão ou no sistema visual. Desta forma, são
considerados deficientes visuais tanto as pessoas cegas, como pessoas com
visão subnormal.

É considerado cego o indivíduo que possui acuidade visual menor que 0,05 (3/60 ou
200/400), o que significa que este indivíduo vê a 3 metros o que um indivíduo com
visão normal vê a 60 metros, sem lentes corretivas. No caso da visão subnormal, a
definição da Organização Mundial da Saúde (OMS) se divide em: comprometimento de
seu funcionamento visual, mesmo após tratamento e/ou correção refracional com
lentes comum; acuidade visual entre 0,3 (6/18) e projeção de luz ou campo visual
inferior a 10º a partir do ponto de fixação; anormalidade no sistema visual que
incapacite de responder aos testes de acuidade visual com símbolos, mas que
responde a outros estímulos.

(SENA, 2001)

Em trabalho mais recente, Lopes (2005) define a deficiência visual como


uma variação do grau de acuidade, abrangendo desde a baixa visão até a
cegueira total.

A partir de dezembro de 2004 (BRASIL, Decreto 5.296/2004), [a deficiência visual]


passou a ser definida no Brasil como “cegueira, na qual a acuidade visual é igual ou
menor que 0,05 no melhor olho, com a menor correção óptica, a baixa visão, que
significa acuidade visual entre 0,3 e 0,05 no melhor olho, com a melhor correção óptica;
nos casos nos quais a somatória da medida do campo visual em ambos os olhos for
igual ou menor que 60º, ou a ocorrência simultânea de quaisquer condições.”

LOPES (2005)

Sena (2001) aponta que outros comprometimentos de funcionamento


visual, também incapacitantes, tais como baixa sensibilidade aos contrastes ou
a falta de adaptação ao escuro, devem ser incluídos.

A deficiência visual implica em dificuldade na mobilidade e na recepção


de informações obtidas pela visão, gerando, em alguns casos, limitações nos

14
processos sociais. A superação de tais obstáculos se inicia pelo conhecimento
e vivência da própria pessoa com necessidades especiais, devendo ser
buscada também no conjunto de práticas sociais, políticas e pedagógicas, que
dê atenção às pessoas com cegueira ou visão residual para melhor adequação
de tais práticas.

Não se nega que, biologicamente, a cegueira é muito limitadora, porque ela impede a
pessoa de se locomover, explorar novos espaços e receber informações visuais.
Porém, socialmente, ela não é limitadora, porque a pessoa cega, pela palavra, pela
comunicação com o outro, apropria-se do real ao internalizar os significados
culturais. Numa ilustração singela, pode-se afirmar que, mesmo sem a percepção
visual das cores dos objetos, a pessoa cega apreende os significados sociais
atribuídos às cores, como por exemplo: o preto é luto, o vermelho é uma cor quente,
o branco representa a paz.

(CAIADO, 2003)

Vasconcellos (1993) coloca a importância da família no processo de


evolução do aprendizado do deficiente:

A não aceitação ou a superproteção do deficiente impedem ou diminuem,


consideravelmente, suas chances de usar todo o potencial da linguagem gráfica e de
desenvolver as habilidades necessárias para leitura das representações gráficas na
forma tátil. Variáveis dessa natureza podem alterar, substancialmente, os caminhos
definidos e as propostas feitas.

(VASCONCELLOS, 1993)

A autora ressalta ainda a heterogeneidade das faixas etárias entre as


pessoas com deficiência visual, assim como a experiência anterior em classes
especiais entre as variáveis que interferem no processo de aprendizagem dos
alunos com necessidades especiais. Dentre os temas discutidos no presente
trabalho, achou-se de fundamental importância a desmistificação da limitação
ou incapacidade grave como definitiva para a pessoa com deficiência visual,
pois parte significativa dos casos é passível de reabilitação e adaptação, sendo
possível conseguir que, mesmo com graves lesões, se leve uma vida
independente e com contribuições valiosas para a família e a sociedade.

No passado, as discussões sobre a educação de pessoas com


necessidades educacionais especiais se caracterizavam por uma dispersão e
pela não inclusão. Atualmente, considera-se um ganho de consistência em

15
relação às políticas anteriores. A Constituição Federal de 1988, a nova Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB 9.394/96), o Estatuto da
Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90), o Plano Nacional de Educação
(PNE, Lei nº 10.172/2001) e os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs)
estabelecem que a educação é um dever constitucional do Estado, assim
como um direito de todos. A educação especial se inicia durante a educação
infantil, na faixa etária de zero a seis anos, devendo ocorrer, preferencialmente,
na rede regular de ensino.

Analisando a Lei de Diretrizes e Bases da Educação – LDB, e os


Parâmetros Curriculares Nacionais – PCNs, percebe-se a indicação da
importância do despertar do entendimento espacial dos alunos. No entanto,
verifica-se que em muitos cursos de graduação em Geografia não há
disciplinas específicas sobre o ensino de Cartografia. Este fato demonstra um
potencial conhecimento deficitário sobre métodos de ensino cartográficos, tais
como utilização de metodologias adequadas a cada faixa etária e uso de
processos lúdicos que facilitem e incentivem o desenvolvimento da percepção
espacial. Destaca-se, assim, a importância da Formação Continuada de
professores. ABREU (2006) confirma, por meio da aplicação de questionários,
tanto em cursos superiores de Geografia, quanto em escolas públicas, que os
conteúdos curriculares transmitidos aos futuros professores de Geografia são
insuficientes para a transmissão dos conteúdos exigidos pelos Parâmetros
Curriculares Nacionais.

Algumas orientações sobre o processo de entendimento do


conhecimento cartográfico sinalizam que a linguagem cartográfica deve ser
trabalhada para ler o espaço e representá-lo, sendo importante a vivência com
mapas desde as séries iniciais. Quando se fala do processo de aprendizado de
cartografia para alunos com deficiência visual, torna-se ainda mais importante
que os professores estejam preparados para formação cartográfica deste grupo
de escolares. Cegos e pessoas com baixa visão precisam saber mais sobre o
que as cerca para estarem aptas a se orientar sozinhas pelo quarto, edifício,
cidade ou país – serem aptas a acharem o caminho de sua própria
independência (EDMAN, 1992).

16
Quando se pretende estudar o processo de aprendizagem, é preciso
conhecer o papel da escola e do professor, assim como as formas de gestão
da escola. Além da gestão da escola, devem ser conhecidas as políticas
públicas voltadas à educação, já que os processos de aprendizagem são
permeados por relações de poder. Sobre a esfera mais ampla destas relações
Lana de Souza Cavalcante coloca em seu estudo intitulado Geografia, Escola e
construção de conhecimento:

“A reflexão crítica sobre o papel e as possibilidades da educação escolar no processo


de formação humana implica analisar a escola como instância de reprodução e
produção sociais. Ou seja, significa entendê-la como agência não subordinada
completamente aos interesses dominantes sem cair no idealismo de tomá-la como
autônoma em relação à sociedade”.

O sentido da escola pode ser entendido como uma das agências destinadas
a propiciar a formação humana: promover a auto-reflexão e o desenvolvimento
de operações mentais necessárias à prática cotidiana consciente e crítica. É
preciso um questionamento constante sobre o quanto os estudos acadêmicos
contribuem para os alunos na compreensão do mundo e do país em que vivem.
Dentre inúmeros estudos que se fazem na Universidade, deve-se atentar à
necessidade da transmissão de um olhar crítico na atividade pedagógica,
assim como seu valor e funcionalidade.

Aceitar a educação como mercadoria implica em reproduzir e ampliar


desigualdades. A educação aos moldes do mercado é setorial, profissional e
consumista, contribuindo negativamente para a busca de soluções urgentes
para o crítico quadro socio-ambiental que se apresenta na atualidade, no Brasil
e no mundo. Preparar os alunos apenas para o mercado de trabalho significa
condicionar sua participação social a um quadro de exclusão, sem encaminhar
mudanças para conflitos causados por desigualdades sociais e para destruição
ambiental. Trata-se de uma tentativa diária de contemplar o real papel da
educação, preparando os jovens para o trabalho, para a vida social e para a
consciência de seus atos, sem degradá-los, submetê-los à opressão social e
nem contribuir para sua alienação.

3. 2. A Cartografia Escolar e a Cartografia Tátil

17
A capacidade de abstração e a conseqüente representação do espaço
remontam desde os primórdios da humanidade. A percepção espacial é algo
inerente ao ser humano, e, ao longo do desenvolvimento do processo histórico,
a humanidade procurou a criação de instrumentos que sistematizassem e
facilitassem sua organização e deslocamento no território. O mapa é um
instrumento muito antigo que sempre serviu como uma forma de comunicação
do homem, representação de seu meio e expressão artística. É uma produção
inerente às diversas culturas, em diferentes tempos históricos, que se utiliza de
cores, símbolos e uma linguagem gráfica.

Com relação à necessidade de localização no espaço, o principal objeto


de representação cartográfica pode ser compreendido entre as camadas
inferiores da atmosfera e a parte superior da superfície terrestre. É nessa
porção do globo terrestre que o ser humano vive e desenvolve suas atividades,
caracterizando o espaço como a principal categoria de análise da ciência
geográfica. A cartografia se coloca como uma das disciplinas responsáveis
pela representação desse e nesse espaço. Suas infinitas possibilidades de
representação, expressão e relação constituem um importante método do
estudo geográfico, sendo um dos principais instrumentos do geógrafo.

As bases do Sistema Cartográfico que se conhece hoje remontam da


Antigüidade Grega, sendo o ponto máximo do desenvolvimento da cartografia
da época, o século II d.C., na figura de Cláudio Ptolomeu. Apesar de existirem
algumas representações cartográficas já no século XVI, é com a Projeção de
Mercator, no século XVIII, que essas bases seriam superadas no mundo
ocidental (FIORI, 1999).

A evolução da representação cartográfica sofrera grande estagnação no


período da Idade Média na Europa (mundo ocidental), dada a influência
religiosa contrária ao desenvolvimento científico como um todo. Será com o
Renascimento que se redescobrirá a cartografia de Ptolomeu. Ainda neste
período é criada a Imprensa, que foi de grande valia para uma primeira difusão
e popularização dos mapas. As Grandes Navegações terminariam por triunfar a
volta do prestigio da Ciência Cartográfica no Ocidente.

O século XX foi um período de enorme desenvolvimento científico e


tecnológico da história. A cartografia acompanhou esse desenvolvimento,

18
tendo notória evolução quanto às técnicas de produção do material
cartográfico. Nos anos que sucederam a Segunda Guerra Mundial, viu-se o
aperfeiçoamento da fotogrametria com a tecnologia espacial (fotografias
aéreas, satélites espaciais, instrumentos computacionais, etc.) (ALMEIDA,
2007).

Apesar do aparecimento de mapas anteriores a escrituras ou anotações


matemáticas, a cartografia será considerada como disciplina apenas a partir do
século XIX, dado seu vínculo com a tradição ocidental. A análise, segundo
critérios ptolomaicos, deixou de considerar fusões culturais e seu grande valor,
em virtude da procura por similitudes aos mapas europeus, e não a rica análise
de suas diferenças. Esta discussão é enriquecedora no presente trabalho, pois
se trata de produções diferenciadas do padrão imposto, dirigidas para um
número menor de usuários, não sendo por isso menos importante, como
consideram alguns cartógrafos, em relação aos mapas de outras civilizações.

Em uma tentativa de construir uma história mais completa da


cartografia, levando-se em consideração os diferentes mapas das várias partes
do mundo, Harley ressalta a importância que este respeito pelas diferenças
assume ao permitir um entendimento muito melhor do objetivo da criação dos
mapas. Nesses, quanto mais se estuda, menos se pode ignorar suas
contribuições. Para o autor, os mapas seriam muito mais objetos de poder e
dominação do que de protesto, na medida em que são resultado de valores
culturais e conhecimentos acumulados. Numa definição mais ampla e
abrangente para cada cultura, o mapa seria uma “representação gráfica que
facilita a compreensão espacial de objetos, conceitos, condições, processos e
fatos do mundo humano” (HARLEY, 1991). Entre os fundamentos teóricos da
cartografia, encontram-se discussões sobre o papel social da produção de
mapas, como na história social da cartografia feita por Harley. Dessa forma,
todos os períodos da história da humanidade e todos os mapas construídos
pelas várias civilizações merecem a mesma consideração.

O processo de representação do espaço geográfico por meio da


produção de um material cartográfico passa, necessariamente, por etapas
como a transformação de tridimensional para bidimensional (da superfície

19
curva do globo à superfície plana do papel, no caso do mapa impresso),
redução, generalização e seleção do que será representado.

O produtor de mapas deve objetivar uma busca incessante pela melhor


simbologia para representar os mais variados fenômenos do espaço
geográfico. Deve ainda representar os elementos, buscando harmonia entre o
científico e artístico, pois a informação deve ser transmitida de forma adequada
(clara, simplificada, objetiva), utilizando-se de uma linguagem gráfica. O mapa
deve considerar as questões ligadas à estética e também adequadas à leitura
das informações nele contidas. O cuidado na produção cartográfica é
fundamental à obtenção de bons resultados na transmissão da informação
(FIORI, 1999).

O mapa pode ser considerado um instrumento para o conhecimento


espacial, pois fornece uma perspectiva simultânea de uma área e organiza o
noções do espaço, expressando relações (VASCONCELLOS, 1993). Usuários
e produtores de mapas devem, contudo, conhecer os problemas existentes no
processo de comunicação da informação cartográfica, pois não é possível
mostrar todas as informações: a realidade é complexa e dinâmica e os mapas
devem ser simples e, em maioria, são estáticos. A representação gráfica
sempre terá limitações, na medida em que comunica uma versão limitada da
realidade. Esta versão é uma abstração não apenas da realidade, mas uma
abstração de idéias sobre a realidade.

Os principais problemas passíveis de ocorrência neste processo de


representação da realidade podem ser resumidos em: distorção, imprecisão,
omissão, erro, falsificação e manipulação. Os três principais problemas são
oriundos do próprio processo de representação da realidade, podendo ser
agravados pela falta de preparo e treinamento para a utilização da linguagem
gráfica e por questões financeiras e técnicas no uso de equipamentos e
recursos humanos disponíveis. No caso de erro, falsificação e/ou omissão,
pode-se dizer que predominam questões políticas e ideológicas, e, até, a
desonestidade (VASCONCELLOS, 1993).

Para o atual momento da história da cartografia, em que as inovações


tecnológicas vêm mudando significativamente todas as etapas da produção
cartográfica, desde a coleta de informações até o design e reprodução dos

20
mapas, as discussões sobre o papel social da produção de mapas são
fundamentais. A atualidade sinaliza intensas mudanças no quadro social, físico,
cultural, político e econômico, forçando geógrafos e cartógrafos a
reconsiderarem as bases teóricas e as aplicações práticas da cartografia. O
computador e os avanços no campo do sensoriamento remoto valorizaram
substancialmente a linguagem gráfica, mudando o cotidiano das pessoas por
meio do audiovisual e da multimídia, na chamada Era da Informação. A difusão
de software como o GoogleEarth, além do uso massivo desta linguagem na
mídia impressa e digital, demonstra este fato.

o aumento do potencial da representação gráfica tem proporcionado novos processos e


produtos (no design e na reprodução), implicando em novos "produtores" de mapas e
gráficos e novos usuários. Ambos caracterizam-se pela ausência de treinamento para
trabalhar e entender a linguagem gráfica. Certamente, aqueles que constróem e
publicam as representações gráficas na imprensa ou em áreas especializadas, não têm
a formação necessária ou mesmo um conhecimento mínimo da linguagem cartográfica.

(VASCONCELLOS, 1993)

Esta observação crítica sobre o atual uso das produções cartográficas,


assim como a construção de uma história da cartografia mais completa e justa
atentam para a importância de questões éticas durante a definição do que será
representado e do conhecimento das principais etapas que compõem a
construção de um mapa, visando o êxito na transmissão da informação. A
construção de modelos tridimensionais, tais como o globo terrestre adaptado
ao tato, também merece a mesma atenção em relação ao que será
representado e quais os conceitos que se pretende transmitir.

A educação cartográfica no Brasil, no geral, é de responsabilidade dos


professores de Geografia. A habilidade de usar mapas é uma experiência para
toda vida e um recurso insubstituível para qualquer indivíduo. Assim, os
conteúdos cartográficos são apontados nas propostas curriculares brasileiras
como recursos importantes para a formação do aluno. A Cartografia, como uma
linguagem que proporciona a representação espacial dos fenômenos
geográficos, deve ser amplamente utilizada nas aulas de Geografia como uma
habilidade a ser desenvolvida ao longo de toda a formação escolar.

21
No entanto, a realidade brasileira sobre o ensino-aprendizagem da
cartografia é influenciada por inúmeros problemas que atingem todos os níveis
de Ensino. Muitos professores de Geografia enfrentam problemas no ensino
dos conteúdos cartográficos na sala de aula oriundos de sua própria formação
acadêmica e agravados por questões que atingem todo o sistema educacional.
Nos últimos anos, muitos pesquisadores têm se debruçado sobre a
formalização da educação cartográfica como conteúdo da Geografia. Mas
desde a década de 1970 já é possível encontrar trabalhos sobre as bases para
uma metodologia do mapa, com importantes contribuições para a cartografia
escolar, como em Oliveira (1978).

Os mapas sempre fizeram parte dos equipamentos pedagógicos das escolas. Do


mesmo modo como o professor em sala de aula emprega o quadro negro e o giz,
também recorre aos mapas para ilustrar as suas aulas. Tais recursos pedagógicos
geralmente são empregados de maneira empírica e para alcançar objetivos imediatos;
esse uso empírico se refere ao mapa como recursos visual, quando o mapa poderia ser
usado pelo professor de maneira racional, como forma de comunicação e expressão. Em
outras palavras, é o ensino pelo mapa e não o ensino do mapa.

OLIVEIRA (1978)

A Cartografia Escolar é portanto parte da formação educacional


geográfica, devendo unir os elementos trabalhados na geografia e na
cartografia, com os métodos de ensino-aprendizagem adequados aos diversos
níveis de ensino.

22
Fonte: Rosângela Doin de Almeida, In: Cartografia Escolar, São Paulo: Ed. Contexto, 2007.

A cartografia é imprescindível para o homem entender, organizar e


gerenciar o espaço em que vive. Compete à escola, além de ensinar a ler,
escrever, calcular e desenvolver o raciocínio, ensinar a criança a conhecer e
representar o espaço em que vive. Segundo Loch (1995), “a escola é o local
adequado para semear uma mentalidade cartográfica nacional”. A mesma
autora coloca ainda que

é necessário que a escola trabalhe a questão da representação do espaço, ensinando a


criança a percebê-lo e representá-lo, pois assim começam a compreender desde cedo
como é a organização sócio-espacial real, e depois de adultos terão menor dificuldade
em atuar ativamente organizando e dominando o seu próprio espaço, a partir de
interpretações de plantas e mapas.

LOCH (1995).

Sem dúvida, os mapas e imagens são de suma importância para a


construção da noção de espaço, na aquisição do conhecimento e na síntese da
informação geográfica. O mapa é, de modo geral, um valioso instrumento para
a comunicação das informações espaciais. Assim, torna-se necessário que
geógrafos e cartógrafos se envolvam no aumento da disponibilidade dos
produtos, melhorando a qualidade e tornando atrativo o uso de mapas. O
presente trabalho procura sinalizar o uso de representações adaptadas ao tato,

23
como uma forma de buscar materiais cartográficos adequados ao ensino de
Geografia para escolares, segundo os princípios de inclusão.

A cartografia é um processo de comunicação que parte da realidade para


construir uma representação gráfica, sendo preciso considerar as etapas de
produção e uso dos mapas. A produção cartográfica que se pretenda inclusiva,
abrangendo a heterogênea classe dos indivíduos com deficiência visual, tem
algumas especificidades quanto à sua produção e também quanto ao seu uso.

Segundo Bertin (1977), o tratamento gráfico da informação expressa no


plano o nível monossêmico das imagens, que são relações de semelhança,
ordem e proporcionalidade entre os elementos trabalhados. Estas relações são
os conceitos da representação gráfica, os significados, e as variáveis visuais
são as imagens, os significantes. Considerando que as representações gráficas
têm três dimensões, x e y, como as duas posições das dimensões do plano, e
a elevação de z, Bertin (1977) define oito variáveis visuais. São elas: as duas
do plano (x e y) e mais seis variáveis da terceira dimensão: tamanho, valor,
granulação, cor, orientação e forma, podendo ser implementadas de modo
pontual, linear ou zonal. Apesar de ser voltada ao sentido visual, a proposta de
Bertin (1977) trouxe valiosas contribuições à Cartografia Tátil, por meio do
trabalho desenvolvido por Vasconcellos (1993), que adaptou as variáveis
visuais propostas por Bertin (1977) à percepção tátil, exceto a cor que deve ser
substituída por texturas, apesar de ser recomendado seu uso para o grupo de
indivíduos com baixa visão ou visão subnormal.

O sentido da visão é o mais importante canal para a construção do


conceito de espaço e, assim, para obtenção da informação geográfica de um
modo geral, pois vê-se o mundo e suas imagens através do olho. A produção
cartográfica, fundamental na transmissão da informação geográfica, é dirigida
para percepção visual. Certamente, é o sentido mais eficiente na transmissão
de idéias, dado seu caráter abrangente e sintético.

A Cartografia Tátil transmite a informação pelo processo inverso: por


meio dos detalhes é que o todo será composto. Desta forma, a cartografia tátil
auxilia substancialmente o aluno com deficiência visual no processo de
percepção do espaço, sendo os mapas, gráficos e desenhos em relevo os
únicos recursos para o deficiente visual "ver" imagens e representações

24
gráficas do mundo real (VASCONCELLOS, 1993). No caso do usuário do
produto cartográfico ser um usuário com deficiência visual, deve-se considerar
que a apreensão da linguagem será apenas pelo tato e pela audição, de modo
que a linguagem visual deve ser adaptada para o tato e a linguagem escrita já
é eficientemente adaptada pela forma tátil universalmente utilizada, o sistema
braile, criada pelo francês Louis Braille, em 1829.

Em um vasto e completo trabalho sobre as representações gráficas


táteis, Polly Edman (1992) expõe no sexto capítulo valiosas informações sobre
mapas táteis. Entre as inúmeras considerações sobre a leitura que tangencia
este tipo de exposição gráfica, a autora propõe exercícios que colocam o
produtor de mapas táteis no lugar de seu usuário. Esta simples inversão de
papéis coloca o produtor de mapas diante do conhecimento do que é
necessário para uma boa leitura, pois a orientação e disposição dos símbolos,
o tamanho do mapa, a legibilidade de elementos fundamentais, tais como a
escala e o título, são diferentes para representações gráficas visuais e táteis.

Em se tratando de mapas adaptados à percepção do tato, é preciso


considerar que seu usuário pode interpretar o mapa de forma diversa em cada
tempo, simplesmente porque as figuras são tocadas em ordem diferente. A
experiência proposta inclui uma indução do próprio produtor do mapa, por meio
de seu produto, na condição de usuário com deficiência visual, de modo que
possa identificar congestionamentos e sobreposições de informações, símbolos
de fácil diferenciação e a melhor condição para que a informação em braile
seja claramente definida e adequadamente localizada. Os produtores de
mapas e ilustrações devem saber que os alunos com deficiência visual podem
entender todos os materiais, desde que estes sejam construídos para esse
grupo de usuários e que os mesmos tenham o conhecimento e a formação
necessários para a boa legibilidade dos produtos cartográficos.

Diversos itens permeiam a qualidade de um mapa tátil e sua eficácia na


transmissão da informação cartográfica. São considerados fundamentais:

- Conhecimento das noções de escala e proporção e ponto de vista do


mapa: é imprescindível ao entendimento das informações gráficas que o aluno
entenda o processo de redução e a relação entre o tamanho do que está sendo

25
representado e a realidade, por meio da compreensão da proporção e
entendimento da escala.

- Quantidade de informações fornecidas: a escolha de detalhes deve ser


cuidadosa para que o excesso de informações não comprometa a legibilidade
do mapa, causando confusões na leitura.

- Generalizações cartográficas: inerentes ao processo de representação,


assim como a simplificação e o exagero, são mais relevantes na Cartografia
Tátil, pois a diferença entre a resolução da visão e do tato define parâmetros
diferenciados aos da Cartografia convencional.

- Legenda e título e indicação de norte e escala: devem ser bem localizados,


adaptados à escrita braile e apresentarem um texto conciso, pois o braile
ocupa um espaço bem maior do que um título impresso. A escala deve,
preferencialmente, apresentar-se nas formas gráfica e numérica.

Estes itens são indispensáveis por condicionarem o uso da representação.

3.3. Materiais didáticos e o ensino de geografia.

Os materiais e recursos didáticos do ensino podem ser considerados


condicionantes de relações pedagógicas eficientes. Possuem a finalidade de
auxiliar na formação de conceitos básicos das áreas de conhecimento e no
cotidiano dos alunos, procurando identificar o ambiente para suprir lacunas e
necessidades presentes no processo de construção do conhecimento
(BAUMEL e CASTRO, 2003).

Dentro das discussões pedagógicas sobre o ensino de Geografia, destaca-


se a exposição de importantes questões no trabalho da Profª. Dr.ª Sônia
Castellar. Dialogando com a psicologia genética, a autora busca aprofundar a
análise sobre o processo de aprendizagem, utilizando-se do construtivismo
epistemológico para expor o conhecimento, não apenas como cópia do mundo
exterior, mas como processo de compreensão da realidade, de acordo com as
representações que as pessoas têm dos objetos e fenômenos, com seus
significados. As ações e experiências individuais são vistas em consonância
com o processo de compreensão da realidade, considerando-se também o

26
mundo interior de cada indivíduo. Segundo a autora, uma das principais
contribuições de Jean Piaget é considerar a aquisição de conhecimentos como
um processo contínuo de autoconstrução, sendo uma construção ativa por
parte do sujeito em interação com o entorno sociocultural (CASTELLAR, 2005).

A construção do conhecimento deve priorizar a potencialização das


capacidades de pensamento dos alunos, tornando-os sujeitos mentalmente
ativos. Nessa perspectiva, o trabalho docente deve incorporar o conhecimento
sobre a evolução conceitual de crianças e jovens, para que, a partir do
entendimento de seus conflitos cognitivos, consiga-se explorar interações entre
sujeito e mundo, incluindo exemplos cotidianos, e até óbvios, para a motivação
da inteligência.

É importante considerar os estágios do desenvolvimento cognitivo, mas


não é possível torná-lo um referencial fixo, pois outros elementos, como o meio
social, têm relevância na aquisição de saberes, considerando a função
adaptativa do sujeito. A importância de se conhecer o processo cognitivo, de
acordo com o pensamento de Piaget, repousa no fato de que a estrutura
cognitiva humana está organizada de forma hierárquica, quanto ao nível de
abstração, de generalização e de abrangência de idéias ou conceitos. O
professor pode influenciar o aluno em seu processo de construção do
conhecimento, sobretudo quando media o conteúdo, criando condições para a
aprendizagem.

Nessa perspectiva, a apropriação da linguagem cartográfica, como


exemplo de aplicação na educação geográfica, é exposta como um importante
instrumento para o processo de aprendizagem do aluno, pois permite relações
entre representações (abstração) e o espaço vivido. A leitura cartográfica inclui
representação simbólica e relações espaciais, na medida em que o ato de ler e
elaborar mapas exige a compreensão de símbolos e significados, exercitando
mecanismos perceptivos e cognitivos da criança.

Ainda com destaque para a apropriação da linguagem cartográfica,


dentro do contexto da educação geográfica, são consideradas fundamentais as
contribuições contidas em vários trabalhos de Simielli (1986,1991). Em
atividades desenvolvidas com a construção de maquetes, a autora coloca
importantes observações condizentes ao uso de materiais e recursos didáticos,

27
como, por exemplo, a definição de maquete enquanto um meio didático e não
um fim, para trabalhar em conjunto os vários elementos que compõem uma
realidade que se expressa como complexa. A vantagem presente na utilização
de maquetes topográficas reside na possibilidade de visualização, pelo aluno,
em modelo reduzido e simplificado, dos principais elementos do relevo vistos
em seu conjunto.

Considerando o processo de desenvolvimento cognitivo dos alunos, a


maquete, assim como outros materiais didáticos tridimensionais, consiste em
relevante auxílio na construção do conhecimento. A dificuldade de apreensão
da noção de altitude pelo uso de mapas, onde o relevo é apresentado pela
hipsometria com curvas de nível, decorre do grau de abstração exigido no uso
desse produto cartográfico, considerando que os alunos das séries iniciais do
1º grau ainda estão em desenvolvimento quanto à capacidade de perceber a
realidade e sua concretude. A construção de maquetes aparece como
alternativa a esta dificuldade, pois se trata de um processo de restituição do
“concreto”, representado pelo relevo, a partir de uma abstração, que são as
curvas de nível retiradas do mapa. As informações, que os elementos
presentes no processo de confecção de maquetes fornecem, permitem ao
professor trabalhar noções de posição, distância, direção, concentração,
quantidade, entre outras. Tal recurso possibilita explorações didáticas pela
ligação entre as formas do relevo e o uso e ocupação da terra, sendo possível
unir vários objetos do estudo geográfico (SIMIELLI, 1991).

O uso da cartografia é apenas um dos exemplos possíveis para


adequação dos conteúdos aos processos de aprendizagem. Os alunos,
enquanto sujeitos ativos no processo de construção dos conhecimentos
compõem um quadro bastante diversificado, biológica, social, econômica e
culturalmente. Trabalhar dentro dessa diversidade exige do professor de
geografia favorecer e propiciar a interação entre esses sujeitos e seus objetos
de conhecimento, e utilizar o conteúdo escolar para o confronto dos saberes.

O ensino de geografia visto sob a perspectiva do socioconstrutivismo, e


utilizando-se da diversidade presente na sala de aula, deve procurar se
confrontar com a cultura geográfica dos alunos, com a geografia de seus

28
cotidianos, para que tal encontro resulte em processos de significação e
ampliação da cultura dos escolares (CAVALCANTI, 2005).

A educação geográfica pode, potencialmente, auxiliar na formação de


cidadãos ativamente pensantes e críticos, que desenvolvam suas habilidades e
competências de um modo de pensar autônomo, em suas práticas
socioespaciais. O ensino de geografia sob os princípios de inclusão que são os
alicerces de um projeto pedagógico mais amplo, procura respeitar as
diferenças individuais, detendo-se na organização curricular, na oferta e
utilização de recursos próprios para o processo de aprendizagem dos alunos
com necessidades especiais e nas decisões sobre o uso e aplicação desses
materiais. Desta forma, torna-se possível que todos os alunos se desenvolvam
de acordo com suas capacidades, ritmos e possibilidades.

4. PRODUÇÃO DE MATERIAIS DIDÁTICOS INCLUSIVOS

Serão descritas as principais técnicas utilizadas na construção e reprodução


dos materiais gráficos táteis, baseando-se na metodologia proposta por
Vasconcellos (1993). A passagem da linguagem visual para a forma tátil exige
do cartógrafo generalizações que são necessárias mediante a diferença entre a
resolução da visão e a resolução do tato. O ensino voltado para deficientes
visuais requer, além dos conhecimentos sobre as especificidades da
deficiência, a prática em linguagens que adaptam o material didático visual em
tátil (SENA, 2001).

Dentre as principais técnicas utilizadas na produção de mapas e


representações gráficas táteis, destaca-se o alumínio e a colagem, podendo
ser utilizadas em conjunto. Os materiais produzidos com essas técnicas podem
resultar em ótimas matrizes para cópia, desde que a seleção dos materiais vise
a este fim. As principais técnicas de reprodução de representações gráficas
adaptadas ao tato são cópias em plástico realizadas na máquina Thermoform
(termo-vácuo) e as cópias impressas pelo processo de silk-screen.

29
Imagem 1: Foto da máquina para cópias por plástico Thermoform. Acervo do LEMADI, sem
data.
O uso de alumínio na produção de representações adaptadas à percepção
tátil necessita de materiais específicos, como folhas de alumínio e o Kit Tactile
Graphics da American Printing House for the Blind, que inclui uma série de
ferramentas, carretilhas e folhas de borracha para a confecção das
representações adaptadas ao tato. No entanto, a maior parte destes materiais
pode ser substituída com bons resultados, como demonstra a pesquisa de
Vasconcellos (1993). As folhas de alumínio importadas, que têm um lado
branco para facilitar o desenho, podem ser substituídas pelo alumínio nacional
que não o têm, sem grandes prejuízos. No lugar das ferramentas próprias do
kit, podem-se utilizar canetas sem tinta, palitos de manicure, carretilhas de
pastel, entre outros. Seguem imagens dos materiais utilizados na produção
gráfica adaptada em alumínio, como o kit citado (suas ferramentas, placas de
textura e pinças), o rolo de folha de alumínio, as folhas de borracha dispostas
em pranchetas para permitir a demarcação em relevo, alguns exemplos de
texturas feitas em alumínio e a máquina Perkins para a produção dos títulos e
legendas em Braile.

30
Imagem 2: Montagem com 6 fotos (da esquerda para direita): Kit Tactile Graphics da American
Printing House for the Blind completo; rolo de alumínio e prancheta com ferramentas do kit;
duas pranchetas com ferramentas do kit; amostra de texturas utilizadas na produção gráfica
tátil; máquina Perkins; detalhe das ferramentas que compõe o kit. Acervo do LEMADI, sem
data.
A produção gráfica tátil em alumínio apresenta certa facilidade no manuseio
dos instrumentos, assim como grande rapidez na produção, se comparado com
a técnica de colagem. O material produzido com alumínio apresenta
durabilidade e resistência ao calor, definindo-o como uma ótima matriz para
cópia. Sua principal limitação é quanto ao uso de texturas, pois o kit apresenta
algumas placas de metal próprias para a produção de texturas, assim como
pinças para a produção de símbolos pontuais. Para aqueles que não possuem
o kit, é preciso testar técnicas que substituam o material do kit como, por
exemplo, o uso de lixas grossas colocadas sob a folha de alumínio que
apresentam textura quando batido algo emborrachado sobre a folha, como, por
exemplo, socadores de alho revestidos por pano ou E.V.A.

Imagem 3: Montagem com 5 fotos (da esquerda para direita): detalhe da colocação da placa de
textura atrás da folha de alumínio; confecção de texturas com o uso de placas; confecção de
ponto com o uso da pinça; detalhe da textura em listras; detalhe da textura em pontilhados.
Aline A. Bittencourt, 2005.

31
O alumínio é um material muito cortante, e, por isso, ao cortar uma folha de
alumínio para produzir uma representação gráfica tátil, é preciso revestir suas
bordas com uma fita crepe, a fim de evitar acidentes para o produtor da
representação e para seus usuários. Para fazer um mapa, um gráfico, uma
ilustração, ou qualquer outra representação gráfica em alumínio, é necessário
reproduzir a figura em papel vegetal, depois, utilizando-se de um papel
carbono, passa-se o desenho invertido para o verso do alumínio. A partir daí,
podem-se usar carretilhas, canetas e muitas outras possibilidades, como os
instrumentos utilizados em consultórios odontológicos ou outros disponíveis em
lojas de artesanato e pintura para levantar contornos, resultando em diferentes
texturas e formas, sempre no verso do alumínio.

Imagem 4: Montagem com 6 fotos (da esquerda para direita): detalhe para o revestimento das
bordas da folha de alumínio com fita crepe; tiragem do mapa no papel vegetal; detalhe do
desenho no vegetal; demonstração do uso do papel carbono; passagem do desenho do papel
vegetal com o uso do papel carbono para a folha de alumínio; confecção do mapa tátil em
alumínio. Aline A. Bittencourt, 2005.
Ao se executar um desenho em relevo, devem-se acertar seus contornos no
lado direito com uma espátula especial, que pode ser substituída por um palito
de manicure, para aumentar a definição e facilitar a legibilidade tátil das
imagens.

Imagem 5: Montagem com 4 fotos (da esquerda para direita): confecção do mapa tátil em
alumínio; detalhe para o uso de carretilha; detalhe para o uso de ferramenta de traço liso;
processo de acabamento do mapa com o uso de espátula. Aline A. Bittencourt, 2005.

32
A técnica de confecção de representações gráficas táteis com o uso de
colagem é um excelente recurso para professores e escolas que não possuem
o conhecimento de outras técnicas e de testes possíveis para outros métodos,
ou não dispõem de muita verba. É uma técnica muito proveitosa, pois existem
inúmeras possibilidades de uso de materiais tais como lixas, papéis cartão,
cartonado, paraná e sulfite, papelão, cartolinas, fios e linhas, diversos tecidos,
buchas, cortiça, entre outros. Pode ser utilizada em conjunto com o alumínio,
atingindo bons resultados.

A partir de uma base feita com papel mais resistente e rígido, como papel
paraná ou cartão, cartolina ou papelão, a figura é traçada na própria base com
o uso do papel carbono. Utilizando cópias da figura que está sendo produzida,
pode-se recortar as partes a serem diferenciadas na produção, colando-as nos
diferentes materiais selecionados para a representação. Por exemplo, caso
esteja sendo feito um mapa da região metropolitana de São Paulo, com
destaque para a capital, utilizando-se lixa e cortiça, desenha-se na base o
mapa, cola-se e corta-se o desenho da região metropolitana em cortiça,
demarcando a localização do município de São Paulo no lado direito. Em
seguida, como o material escolhido para destacar a capital foi a lixa, que possui
um lado áspero que impede o desenho, cola-se no verso da textura (lixa)
apenas o mapa do município de São Paulo invertido, recortando-o. Na área
demarcada na cortiça, cola-se o município de São Paulo, compondo-se a
região metropolitana, com destaque para a capital.

Imagem 6: Montagem com 5 fotos (da esquerda para direita): utilização do mapa feito em papel
vegetal para a confecção do mapa tátil em colagem; detalhe para o uso de cortiça; detalhe para
o uso de lixa; mapa tátil em colagem finalizado, com a legenda também em braile. Waldirene R.
do Carmo, 2005.

33
Quanto ao processo de reprodução de representações gráficas táteis,
existem inúmeras técnicas, principalmente no exterior, como comprova o
trabalho de Vasconcellos (1993). Dentro dos trabalhos desenvolvidos no
LEMADI, a técnica mais utilizada para reprodução de representações gráficas
táteis consiste no uso da máquina Thermoform, que produz cópias feitas em
plástico por calor e vácuo. Para reproduzir materiais feitos em alumínio, com
uso da máquina thermoform, é preciso fazer pequenos furos com uma agulha,
para evitar a formação de túneis de ar que deformem as representações
durante o processo de reprodução por vácuo e calor. Devido ao uso de calor
durante o processo de reprodução de representações gráficas adaptadas ao
tato, tanto no uso da técnica de colagem, quanto no uso da colagem em
conjunto com o alumínio, é necessário escolher materiais resistentes ao calor,
quando se visa à reprodução, evitando materiais como isopor, tintas de tecidos,
entre outros.

5. PROPOSTA DE REPRESENTAÇÃO TÁTIL DA TERRA

O presente trabalho se iniciou nos levantamentos bibliográficos sobre temas


concernentes, como Cartografia Tátil, deficiência visual e inclusão no ensino,
processo de representação do relevo e o uso de materiais e recursos didáticos
no ensino de geografia. Conjuntamente à pesquisa de trabalhos produzidos
nessas áreas, desenvolveu-se uma experiência preliminar sobre o processo de
representação do relevo terrestre, na busca do recorte mais adequado às
limitações das representações gráficas táteis. A tentativa de aplicação de
outros materiais e técnicas, passíveis de serem utilizados na Cartografia Tátil,
fez parte dos procedimentos metodológicos, sendo fundamentais para os
objetivos do presente trabalho.

5.1. Construção de materiais didáticos táteis

Os materiais didáticos inclusivos construídos nesta pesquisa são um


planisfério e um globo terrestre físicos, com a representação generalizada do
relevo, ambos adaptados à técnica da porcelana fria, com acabamento feito em
tinta para tecido e cola branca. A tinta em alto relevo foi utilizada para os

34
contornos do planisfério. A representação do relevo foi o recorte escolhido para
a presente proposta, pois a sobreposição de informações pode dificultar, ou
mesmo impedir, a boa leitura de uma representação cartográfica voltada a
alunos com deficiência visual.

As experiências adquiridas pelos trabalhos desenvolvidos do campo da


Cartografia Tátil, dentro das pesquisas do LEMADI, definiram os rumos da
proposta feita na presente pesquisa para a adaptação de materiais didáticos
inclusivos. A idéia inicial foi a de construção de um globo áudio-tátil, com a
representação das principais cadeias montanhosas do mundo, e uma
representação do centro da terra, em parceria com outros pesquisadores do
LEMADI. Quando foi pensada, em conjunto, a fabricação deste material, a
responsabilidade da autora seria a parte de adaptação tátil, testando um novo
material, a porcelana fria, também conhecida como biscuí. Este material é
composto basicamente de cola branca e farinha de trigo refinada. Foi
trabalhada a modelagem dos continentes e principais ilhas com o uso da
porcelana fria, obtendo-se as formas desejadas sobre um globo terrestre,
convencional e feito em papelão. Como o desenho deste globo terrestre era
plastificado, foi necessário remover os continentes e ilhas para raspar o
plástico, no intuito de se obter maior aderência na colagem dos continentes e
ilhas modelados.

Imagem 7: Montagem com 2 fotos (da esquerda para direita): teste em globo terrestre para
adaptação à forma tátil. Carla Sena, 2005. Foto do globo com a adaptação tátil pronta. Aline A.
Bittencourt, 2007.
Mantendo-se parte do desenho, foi possível colar os continentes e ilhas
modelados nos seus respectivos lugares, com uma precisão aceitável.
Posteriormente, foram modeladas as principais cadeias montanhosas, com
destaque maior para a Cadeia do Himalaia e para a Cordilheira dos Andes,
coloridas de marrom, e depois coloridos os continentes e ilhas de verde. Os

35
oceanos e mares foram coloridos de azul escuro, para minimizar as chances de
confusão para alunos com visão residual. Foi feito em tinta para tecido em alto
relevo (marca Acrilex) um pontilhado separando a parte terrestre das áreas de
mares e oceanos e o acabamento com uma camada de cola branca sobre todo
o globo, tornando o material mais confortável para o tato, pois a tinta utilizada
se apresentou “pegajosa”. O globo terrestre foi adaptado à leitura tátil com
êxito, mas infelizmente não foi possível finalizar o trabalho, pois o
desenvolvimento do recurso de áudio não foi concluído e, consequentemente,
os testes deste material não foram realizados. Futuramente, a pesquisa de
materiais áudio-táteis será retomada e finalizada pela equipe do Laboratório de
Ensino e Material Didático.

Esta experiência foi de suma importância, pois a criação de uma solução


para adaptar um material tridimensional fomentou outras idéias para o
desenvolvimento de uma nova técnica a ser utilizada nos trabalhos de
Cartografia Tátil. O intuito de se prosseguir com a adaptação de materiais
didáticos para que estes se tornem inclusivos surgiu desta atividade prática,
pois a porcelana fria e as tintas utilizadas (com e sem relevo) são materiais de
fácil acesso, encontrados em diversas papelarias, de fácil manuseio e de baixo
custo. Foi possível desenvolver técnicas para modelar com porcelana fria os
objetos de representação, sem dificuldades expressivas. A tinta em alto relevo
permite a construção de linhas pontilhadas, de várias formas, e linhas
contínuas, também com pouca ou nenhuma dificuldade na produção.

No início desta pesquisa, as hipóteses levantadas seguiam uma


comparação entre o uso de planisfério e globo terrestre, em que se julgava
uma melhor absorção e construção de noções geográficas e cartográficas pelo
uso do globo terrestre. Em outubro de 2007, o LEMADI recebeu a visita do Sr.
Fernando José Brustein, avaliador da Organização dos Estados Americanos,
para observação do trabalho desenvolvido pela equipe brasileira. O contato foi
bem recebido e as trocas foram importantes, incluindo-se também uma visita à
Escola Estadual de Ensino Fundamental Heloísa de Assunção, que se utiliza
dos materiais doados por este projeto, além de outros materiais feitos em
parceria com a equipe do LEMADI. Nesta ocasião, foi possível conhecer a
professora Tieko Hirano, responsável pela aplicação dos materiais táteis. A

36
visita à escola foi uma importante experiência, ressaltando-se as observações
e diálogos sobre o processo de ensino-aprendizagem de deficientes visuais,
assim como de suas preferências e dificuldades com materiais didáticos
adaptados. Ao comentar sobre a presente pesquisa com a professora citada,
esta relatou que os alunos costumam preferir os planisférios, por melhor
manuseio, novamente de forma contrária às expectativas. Tal dado foi
responsável pelas mudanças nos rumos desta pesquisa, mantendo-se a
construção de ambas as representações, não mais para comparar a eficiência,
e sim para se elaborar atividades para a sala de aula, utilizando-se de
planisférios e globos de modo combinado.

Desde o início das discussões sobre o uso de porcelana fria e tinta em alto
relevo, era conhecido que as representações e adaptações feitas com estes
materiais impossibilitariam a reprodução, pois as cópias feitas em thermoform
exigem materiais resistentes ao calor, como não é o caso dos materiais em
pesquisa. No entanto, o objetivo central da proposta é levar aos professores e
educadores uma contribuição para a prática de adaptação de materiais
didáticos, com materiais e técnicas bastante acessíveis. Desta forma, um
professor que leciona em algum lugar distante de um centro urbano, pode
adaptar seus materiais sem depender de nenhuma instituição que produza
materiais didáticos inclusivos.

Ao se pensar na presente proposta de adaptação de materiais didáticos


para alunos com necessidades especiais, foram necessárias algumas reflexões
sobre a representação do relevo e as questões relacionadas às escalas
horizontal e vertical, principalmente quando aplicadas à construção de modelos
e maquetes. No caso da adaptação para a forma tátil feita no globo terrestre e
no planisfério, uma maior simplificação foi imprescindível.

O processo de adaptação e modelagem do globo terrestre destacou os


continentes e apenas as maiores ilhas. As ilhas de tamanho muito reduzido
impedem a adaptação à forma tátil com o uso de porcelana fria, sendo a
generalização cartográfica, portanto, um elemento presente durante o
processo.

37
O material utilizado para a construção dos modelos está listado abaixo e,
posteriormente, será melhor explicado quanto ao seu uso. durante o processo
de adaptação do planisfério e do globo terrestre.

Relação dos materiais:

• Globo terretre;

• Papel vegetal;

• Papel carbono;

• Papel paraná;

• Contact preto fosco;

• Caneta esferográfica;

• Massa de biscuí, ou porcelana fria;

• Tinta para tecido marca Acrilex (cores foscas: azul claro, verde
veronense, verde musgo, amarelo claro, amarelo ouro, laranja,
vermelho);

• Tinta para tecido marca Acrilex (dimensional) em alto relevo, branca


fosca;

• Material para modelagem (palito de manicure, tesoura);

• Cola branca.

A massa de biscuí serviu de base para as camadas que correspondem às


curvas de nível, sendo modelada em camadas sobrepostas. Utilizou-se ainda,
uma classificação cromática para visão residual. Com a massa de biscuí, foi
modelada cada altitude correspondente à divisão escolhida entre classes,,
abaixo descritas, com relação à construção do planisfério:

0 a 500 m - cor verde veronense;

500 m a 1000 m - cor amarelo claro;

1000 m a 2000 m - cor laranja;

maior de 2000 m – cor marrom escuro.

38
Em relação ao globo terrestre, as classes foram mais generalizadas, sendo
divididas em:

0 a 600 m – cor verde musgo;

600 a 2000 m – cor amarelo ouro;

acima de 2000 m – cor marrom.

A construção do planisfério se iniciou com a escolha de uma representação


generalizada física do mapa mundi, encontrada no Atlas Ilustrado e Comentado
(1999). Ampliou-se a figura em 85% com o intuito de se obter um tamanho
possível de ser adaptado em porcelana fria. Posteriormente, o contorno foi
copiado em papel vegetal, assim como as curvas de nível a serem
representadas. Com o papel vegetal, que contem o contorno dos continentes e
ilhas, foi transposta a imagem com o uso da técnica de riscar com grafite o
verso do mapa e sua passagem para a base do mapa, do lado direito,
novamente riscando o contorno. A grafite do verso permite a passagem da
figura, sendo posteriormente feito o contorno em tinta em alto relevo, por cima
da imagem em grafite.

Imagem 8: Montagem com 4 fotos (da esquerda para direita): escolha da base cartográfica
para confecção do planisfério adaptado à forma tátil, com sua ampliação; tiragem das curvas
de nível; passagem do desenho pela técnica de grafite no verso; desenho básico do planisfério
adaptado, com tinta. Aline A. Bittencourt, 2007.
Os contornos feitos em tinta em alto relevo facilitam a modelagem no
planisfério, pois servem de limite para o preenchimento com a massa. A
porcelana fria existe em várias cores, o que facilita a modelagem das diferentes
altitudes, de acordo com a cor correspondente a sua hipsometria, além de
facilitar o acabamento em tinta. Após o preenchimento dos contornos com a
porcelana fria de cor verde, correspondente à hipsometria de 0 a 500 metros de
altitude, utilizou-se o desenho da hipsometria seguinte, de 500 a 1000 m, para

39
desenhar as curvas de nível subsequentes, com o uso de papel carbono.
Foram reforçados com caneta esferográfica os desenhos obtidos com o vegetal
e o carbono, para facilitar a visualização na modelagem.

Imagem 9: Montagem com 4 fotos (da esquerda para direita): modelagem da primeira classe altimétrica;
detalhe para a base do planisfério pronta; método para obtenção da curva de nível seguinte (uso de
carbono e vegetal); detalhe para o reforço das curvas de nível. Aline A. Bittencourt, 2007.

Foram modeladas as classes hipsométricas seguintes, com o uso das cores


correspondentes. Optou-se por pintar os oceanos e mares de azul claro, para
possibilitar maior contraste com a base, feita em papel paraná, revestido com
contact preto. O acabamento foi feito com uma camada de cola branca sobre
todo o mapa, para maior conforto dos usuários no manuseio do mapa tátil e
para maior durabilidade do material. As legendas foram feitas em plástico
transparente com certa resistência para escrita braile, coladas sobre as
legendas impressas em português. O uso de uma fonte de tamanho ampliado
buscou incorporar, entre os usuários, a classe de baixa visão, ou visão
subnormal.

Imagem 10: Montagem com 3 fotos (da esquerda para direita): modelagem da segunda classe
altimétrica pronta; detalhe para a confecção da terceira curva de nível; planisfério concluído.
Aline A. Bittencourt, 2007.

anterior, utilizou-se apenas a representação das principais cadeias


montanhosas, sem escala, enquanto na proposta efetuada na presente

40
pesquisa, procurou-se definir as classes hipsométricas, diferenciando-se a
construção para efetuar a avaliação da representação mais adequada.

No planisfério foi possível escolher quatro classes para representar as


altitudes do planeta Terra, enquanto no globo se conseguiu apenas representar
três classes, sendo, portanto, mais generalizado. Apesar de o planisfério
apresentar uma escala com menor detalhamento, o material é plano e
horizontal, diferentemente do globo, que é esférico, fato que restringe a
representação das classes, pois o continente asiático exige uma quantidade
grande de massa, o que causaria maior peso nesta área, com visíveis
possibilidades de “tombamento no globo terrestre”. A passagem das curvas no
planisfério também é mais simples por permitir o uso das curvas copiadas no
vegetal, enquanto no globo não foi possível desenhar as curvas de nível por se
encontrar apenas globos terrestres políticos, não sendo equivalente transpor as
curvas de uma representação plana, como de um mapa, ainda que em mesma
escala. Este fato define a pouca precisão cartográfica na representação do
relevo no globo terrestre adaptado à percepção tátil, sendo precisa apenas a
localização dos territórios.

O globo terrestre utilizado para a pesquisa foi comprado em uma papelaria,


sendo produzido pela empresa GeoAtlas. O material é feito em plástico, com
um arco, também de plástico, para sinalizar a inclinação terrestre, e com uma
base em madeira. Optou-se por construir uma base sem alterar a base original
para manter a demonstração da inclinação terrestre, aproveitando-se de seu
valor didático nas explicações sobre movimentos de translação e rotação,
sazonalidade, entre outros.

Imagem 11: Montagem com 3 fotos (da esquerda para direita): globo terrestre no formato
original; início da modelagem da primeira classe altimétrica; detalhe para o uso de instrumentos
(no caso, uma tesoura) no auxílio da delimitação das áreas com massa. Aline A. Bittencourt,
2007.

41
O contorno prévio com a tinta dimensional, ou em alto relevo, não foi
necessário na adaptação do globo, pois o desenho impresso no material
permite uma modelagem bastante precisa. Após o preenchimento da primeira
camada de porcelana fria sobre o globo, concernente à altimetria de 0 a 600
metros, coloriu-se de verde para reforçar a cor da massa. Com o auxílio de
diversos atlas, como o Atlas Ilustrado e Comentado (1999) e o Atlas Geográfico
Escolar (2002, 2007), entre outros, foram feitos os desenhos da curva de nível
seguinte, referente à altimetria de 600 a 2000 metros, que foi modelada em
massa cor de laranja e colorida de amarelo ouro. A altimetria superior a 2000
metros foi modelada em vermelho e colorida, em seu topo, de marrom. Os
mares e oceanos foram coloridos de azul claro.

Imagem 12: Montagem com 3 fotos (da esquerda para direita): detalhe para pintura do globo
terrestre; primeira cota altimétrica pronta; confecção da Segunda curva de nível. Aline A.
Bittencourt, 2007.

5. 2. Aplicação em sala de aula dos materiais propostos

Durante o processo de acabamento e finalização da adaptação dos


materiais, pensou-se na construção diferenciada, entre planisfério e globo
terrestre, de alguns elementos a fim de compará-los para definir os de maior
eficácia, como o tipo de legenda (fixa no próprio material ou deslocada; com as
cotas altimétricas dispostas irregularmente ou no formato de escada), o uso de
cores e o uso de linhas pontilhadas ou contínuas e a legibilidade do braile (em
papel braile ou em plástico transparente com certa resistência). Para o uso do
globo, foi pensado um suporte que contemplasse a legenda e não o fixasse
definitivamente. Foi elaborado em uma pequena e fina tábua de madeira, com
um suporte de metal, utilizado para segurar papel, preso com uma camada de
porcelana fria, que permitiu a modelagem de uma elevação de cerca de 1 cm

42
feita para segurar a legenda. A permanência da base original propicia o seu
uso didático.

Para que fosse possível testar todos os elementos, foi necessário entrar
em contato com a professora Tieko Hirano, buscando uma avaliação preliminar
dos materiais com seus alunos com necessidades especiais. Para a avaliação,
decidiu-se utilizar também o globo terrestre que se pretende áudio-tátil, por já
conter algumas diferenciações no uso de cores e tipos de linhas.

Após a finalização dos materiais, iniciou-se a reflexão sobre a atividade


que nortearia a avaliação preliminar dos materiais com alunos com deficiência
visual. Por dispor de um globo e um planisfério adaptados à leitura tátil, com a
representação do relevo, pensou-se em trabalhar duas questões relevantes
aos estudos cartográficos: o processo de projeção do globo na representação
bidimensional do mapa e a distribuição das diferentes cotas altimétricas pelo
planeta Terra.

O processo de construção de mapas foi utilizado como explicação da relação


existente entre o globo terrestre e o planisfério, ou mapa. A partir disso, foi
possível discutir questões presentes na leitura dos mapas, tais como redução e
deformação, facilitando o entendimento das diferentes projeções possíveis no
processo cartográfico. A distribuição do relevo foi explorada apenas em sua
localização, não havendo avanços sobre os processos de formação do relevo,
geológicos e geomorfológicos.

Imagem 13: Foto dos materiais finalizados. Aline A. Bittencourt, 2007.

43
Ao pensar na aplicação da atividade durante a avaliação do material,
tornou-se necessário construir uma ilustração tátil em alumínio, que indica o
processo de produção de um mapa. Foi escolhida a imagem contida no Atlas
Ilustrado e Comentado (1999), sendo feita também uma ilustração detalhando
os gomos do globo que compõem um planisfério. Ainda como material auxiliar,
conseguiu-se um globo em miniatura, com a representação política impressa
em papel no formato de gomos, colados em uma base de plástico, para que os
alunos, apalpando o objeto, identificassem o processo presente na ilustração.

Imagem 14: Montagem com 5 fotos (da esquerda para direita): detalhe da ilustração utilizada
na explicação do processo de projeção; aplicação dos materiais durante avaliação preliminar;
alunos com necessidade especial se utilizando dos materiais propostos; detalhe para o uso do
pequeno globo, outro material auxiliar; detalhe para a leitura tátil da ilustração proposta. Aline
A. Bittencourt e Waldirene R. do Carmo, 2007.

Foi possível fazer uma avaliação preliminar dos materiais com apenas dois
estudantes com necessidades especiais, ambos com deficiência visual
adquirida. Este fato limitou significativamente a discussão dos resultados, pois
um aluno com cegueira congênita tem percepções diferenciadas daqueles que
possuem alguma lembrança de sua vida como videntes. Outra defasagem
presente na avaliação preliminar foi o fato de não ter sido possível testar os
materiais propostos com crianças em idade escolar. No entanto, a avaliação foi
bastante enriquecedora por trazer algumas contribuições importantes para a
produção de novos materiais.

A avaliação preliminar dos materiais ocorreu no dia 27 de novembro de 2007,


na Escola Estadual de Ensino Fundamental Heloísa de Assumpção, localizada
no Município de Osasco-SP, com a presença da pesquisadora Waldirene R. do
Carmo, da Professora Tieko Hirano, de um aluno com 21 anos e de uma aluna
com 30 anos. Os alunos que avaliaram os materiais didáticos propostos
freqüentam a escola três vezes por semana, estudando várias disciplinas.
Ambos alegaram ter lembranças de mapas e também de globos terrestres, pois
o aluno ficou cego aos dezesseis anos, tendo também uma deficiência auditiva

44
considerável, e a aluna está perdendo a visão gradualmente, possuindo visão
residual. Graças à presença dela, foi possível testar o uso de diferentes cores,
pensadas em seus contrastes durante a produção dos materiais.

Depois de uma breve demonstração do material utilizado nesta


avaliação, iniciou-se a atividade com o manuseio do globo. Ao tatear as
diferentes partes do globo terrestre, o aluno fez uma interessante colocação, a
saber, a de que não dimensionava a quantidade de água (oceanos) do planeta,
alegando ser no mapa o dado mais difícil de perceber.

Em seguida, passou-se ao uso do pequeno globo, com seus gomos


parcialmente fixos à base de plástico, e à utilização da ilustração em alumínio,
para demonstrar o processo de confecção do mapa e as distorções
necessárias na projeção. Para demonstrar a falta de proporcionalidade entre
dimensões correspondentes no planisfério e no globo terrestre, utilizou-se a
Antártida, comparando–se seus formatos.

Imagem 15: Montagem com 5 fotos (da esquerda para direita): aplicação dos materiais durante
avaliação preliminar; detalhe para a leitura tátil do exemplo dado com o continente Antártico;
aluna com necessidade especial tateando a Antártida, durante a percepção da distorção
necessária no processo de produção de mapas; aluno com necessidade especial tateando o
pequeno globo terrestre; aluna com necessidade especial estudando os materiais auxiliares
propostos. Aline A. Bittencourt e Waldirene R. do Carmo 2007.
Após uma introdução ao processo de projeção, os alunos iniciaram um
teste efetivo sobre os materiais propostos, o planisfério e o globo terrestre
adaptados, efetuando uma avaliação preliminar sobre a representação do
relevo em ambos. Foi apontado no início do teste, pelos dois alunos, a
necessidade de se nomear as regiões, os continentes ou os principais países,
além dos oceanos, como forma de localização prévia para a definição da
distribuição do relevo.

As explicações sobre a distribuição das diferentes cotas altimétricas sobre


a superfície terrestre se basearam na diferenciação das áreas de terras
emersas em relação ao nível do mar, com a distribuição das curvas de nível,
definindo diversas formas do relevo pelas diferenças de altimetria. A legenda

45
dos materiais foi um recurso indispensável nesse processo, pois permitiu o
entendimento da relação entre a quantidade de massa, disposta em camadas
sobrepostas, e a altura dos territórios.

A avaliação preliminar foi fundamental, tanto para o apontamento de


questões relevantes dos usuários, quanto pela comprovação de bons
resultados na transmissão das informações. Os alunos mostraram uma
satisfação considerável na leitura dos materiais didáticos e de suas legendas,
aprovando os materiais escolhidos para a adaptação, como a porcelana fria e a
tinta.

Alguns elementos se mostraram importantes para a boa legibilidade dos


materiais, como a indicação do norte e as legendas impressas e feitas em
braile. O braile feito em material transparente se mostrou eficiente apenas para
alunos

com leitura fluente em braile, pois sua textura é menos expressiva do que o
braile feito em papel específico, utilizado em reglete e máquina Perkins.

Imagem 16: Montagem com 7 fotos (da esquerda para direita): aplicação do globo terrestre
adaptado; detalhe para a leitura tátil da legenda do globo; aluna com necessidade especial
tateando o globo, detalhe para a aluna com visão residual durante a leitura tátil da legenda do
globo; leitura tátil do planisfério; detalhe para a leitura da legenda da altimetria do planisfério;
detalhe para leitura tátil da indicação de norte presente no planisfério. Aline A. Bittencourt e
Waldirene R. do Carmo, 2007.

6. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Os resultados da presente pesquisa atestam o fato de ter sido


indispensável uma avaliação preliminar dos materiais propostos neste trabalho,
pois a atividade prática de aplicação mostrou outros caminhos, além dos que
teriam sido delineados apenas com as pesquisas teóricas. Torna-se
fundamental a realização de novas avaliações e testes por muitos outros
alunos, além de um retorno à escola onde foi realizada a primeira avaliação, a
fim de incluir os alunos com cegueira congênita nos testes e eleger materiais

46
que tiveram observações diversas entre os dois alunos que efetuaram a
avaliação preliminar.

Para que se obtenham melhores resultados, é fundamental o


aprofundamento das avaliações e a ampliação dos testes com os materiais
propostos, de forma a envolver um número elevado de alunos e professores,
de diferentes escolas. A avaliação preliminar demostrou o fato de ser
absolutamente necessária a aplicação de atividades que preparem os usuários
para o entendimento da linguagem cartográfica, introduzindo noções básicas
como proporção, lateralidade, localização e orientação, entre outras, para que
alunos compreendam informações mais complexas como escala e projeção
cartográfica.

É importante salientar que estudos no campo da Cartografia Tátil têm


demonstrado ser necessária uma introdução a noções básicas, principalmente
escala, ponto de vista, orientação, localização geográfica e linguagem gráfica.
Um programa de treinamento para a linguagem cartográfica é fundamental na
preparação do aluno com necessidades especiais para o uso do material
adaptado. Como destaca Vasconcellos (1993):

Verificou-se que este treinamento é imprescindível para que o usuário com deficiência
visual possa utilizar, com eficácia, a linguagem gráfica. Torna-se importante destacar
que esta preparação é condição, também, para o entendimento da linguagem dos mapas
pelas crianças e adultos que podem usar todos os seus sentidos sem restrições. Sabe-
se que alunos do Ensino Fundamental não conseguem retirar a maioria das informações
representadas nos mapas. Com os alunos com deficiência visual, a situação é mais
grave ainda, pois normalmente, eles não têm disponível material didático em alto relevo
para ser percebido pelo tato ou na forma adaptada à visão residual (subnormal).

Ainda que não tenha sido possível realizar atividades de preparação


para o uso das representações táteis do relevo, o processo de construção dos
mapas e uso das projeções cartográficas mostrou-se um interessante recurso
didático para explicações sobre as relações existentes entre o globo terrestre e
o planisfério. O uso de materiais auxiliares, como a ilustração deste processo e
um pequeno globo com os gomos não inteiramente colados, foi de grande valia
para o entendimento dos alunos sobre a questão. Para a compreensão da

47
distribuição do relevo na superfície terrestre houve observações fundamentais
dos usuários, como a indicação do norte e da toponímia mais importante.

Cada representação gráfica adaptada pode contribuir de forma diferente


para o processo de ensino-aprendizagem de crianças e jovens, podendo ser
instrumentos da educação especial. O planisfério é o tipo de representação
mais familiar e de fácil leitura e o globo é uma representação mais próxima da
realidade por manter a esfericidade da terra. Neste trabalho, a combinação do
globo e planisfério foi pensada no sentido de esclarecer o processo de
produção de mapas, introduzindo o conceito de projeção cartográfica.

Os usuários, mesmo depois das explicações a respeito das projeções


cartográficas, não apresentaram entendimento satisfatório sobre a escala, não
fazendo uso deste conceito durante a leitura do mapa. Os alunos com
deficiência visual apresentaram pouco interesse pelas escalas gráfica e
numérica, alegando não compreender o seu significado. A Professora Tieko
Hirano, que possui ampla experiência didática com alunos com deficiência
visual, relatou outros exemplos que demonstram a dificuldade no entendimento
do conceito de escala, o que reforça a necessidade de aplicação de atividades
preparatórias para a leitura dos mapas e globos.

Em se tratando da definição sobre o melhor uso e escolha dos materiais,


foram importantes as contribuições durante a avaliação preliminar. Na
diferenciação dos tipos de legenda, entre a legenda fixa no material (presente
no planisfério) e a deslocada (no caso do globo), entre a legenda de
representação das classes altimétricas, no formato de escada (planisfério), e
em formato irregular, (globo terrestre), os dois usuários dos materiais
apresentaram preferência pela legenda presa ao material. Quanto ao formato
da legenda, as observações foram diferenciadas, pois a aluna mostrou
preferência pela legenda utilizada no planisfério, no formato regular de escada,
enquanto o aluno alegou compreender de forma mais eficaz a legenda
irregular, por sua semelhança às ocorrências no globo. A aplicação de novos
testes possibilitará delinear melhor tais questões.

Em relação ao uso de materiais diferentes para a confecção das


legendas em braile, atestou-se a não inclusão de pessoas em processo de
alfabetização em braile no caso do uso de plástico transparente e resistente.

48
Por ter visão residual, a aluna alegou ter iniciado o aprendizado do braile há
apenas dois meses, já efetuando leituras de forma satisfatória, além de sua
freqüência escolar, assim como a do outro usuário, ser de apenas três vezes
por semana. Colocou a sua dificuldade presente na leitura do braile em plástico
transparente, em comparação à leitura efetuada do braile feito em papel,
presente nas ilustrações utilizadas de modo auxiliar. A fonte utilizada nas
legendas impressas (tamanho 19) não foi de tamanho suficiente para que a
aluna as conseguisse ler. Atestou-se, junto à sugestão da Professora Tieko
Hirano, a possibilidade de se utilizar uma fonte de tamanho superior a 28, para
a inclusão da classe de baixa visão, entre os alunos com necessidades
especiais, lembrando-se que este tipo de convenção não é universal, pois,
além do grupo de usuários com visão reduzida ser bastante heterogêneo
quanto às suas necessidades, modifica-se em cada cultura.

O uso de diferentes tipos de linha foi feito na diferenciação dos


materiais: no globo áudio-tátil utilizou-se linhas pontilhadas nas fronteiras das
terras emersas com os mares e oceanos, no globo terrestre proposto na
presente pesquisa, não foram utilizadas linhas e no planisfério foram colocadas
linhas contínuas. A aluna alegou preferir a linha pontilhada por sua maior
expressividade, enquanto o aluno se mostrou indiferente em um primeiro
momento, declarando, posteriormente, a preferência pela ausência de linhas,
evitando confusão, tanto no uso de linhas contínuas, quanto no uso de linhas
pontilhadas.

A avaliação sobre o uso de cores foi feita apenas pela aluna com visão
residual. Quando foi construído o globo áudio-tátil, as cores foram selecionadas
pensando em um contraste mais efetivo, fazendo uso do azul escuro para
oceanos e mares, verde claro para as terras emersas e marrom escuro para as
áreas montanhosas. Nessa primeira proposta, não havia preocupação com as
classes de cores utilizadas na representação do relevo, pois o material apenas
ilustra a localização das principais cadeias montanhosas. Já entre os materiais
propostos no presente trabalho, pensou-se em alterar o tipo de contraste,
buscando uma diferenciação da primeira proposta. Para a confecção do
planisfério, foram selecionadas as seguintes cores: azul claro para oceanos e
mares, verde para a classe de 0 a 200 metros de altitude, amarelo claro para a

49
classe de 200 a 500 metros, laranja para a classe de 500 a 2000 metros e
marrom escuro para a classe de altitudes acima de 2000 metros de altitude. Na
construção do globo terrestre, utilizou-se azul claro para os mares e oceanos e
uma classificação de cores para as cotas altimétricas, que parte do verde
musgo (0 a 600 metros), passando pelo amarelo ouro (600 a 2000 metros) até
o marrom (maior que 2000 metros). A aluna alegou preferir o uso das cores
presentes no planisfério e no globo terrestre, ambos com a representação do
relevo, afirmando ser mais efetiva a visualização das cores nestes materiais, do
que o é no globo ainda não concluído, feito em uma primeira proposta.

As colocações efetuadas pelos usuários do material, como importantes


contribuições presentes em uma avaliação preliminar, serão adotadas no
futuro, incluindo os materiais que se pretende confeccionar para doação à
escola onde foi realizada a avaliação. Além da oportunidade de anexar as
contribuições dadas pelos usuários, confirmando sua valorização no processo
de produção dos materiais por eles usados, pretende-se ampliar os testes aos
alunos com deficiência visual, em diferentes escolas, considerando sua
heterogênea formação enquanto grupo. Os materiais propostos na presente
pesquisa serão doados para o acervo do LEMADI, a fim de atender um maior
número de profissionais que lidam com necessidades especiais.

O ponto mais importante sugerido pelos alunos que efetuaram a


avaliação preliminar dos materiais adaptados foi a nomeação das regiões para
facilitar a localização das informações sobre a distribuição do relevo. Eles
forneceram diversas idéias de como incluir os nomes dos oceanos e mares e
os nomes dos continentes por inteiro, por haver bastante espaço, ou ainda,
nomear os principais países utilizando-se números referidos na legenda. Em
uma próxima etapa, serão confeccionados materiais de forma diversificada, a
fim de encontrar o melhor caminho para a compreensão, por parte dos
usuários, das informações geográficas contidas nos materiais adaptados.

Outra importante contribuição a ser ressaltada é a necessidade de se


construir um suporte para o globo que inclua a legenda, dando uma mobilidade
prática para o material. A Professora Tieko Hirano sugeriu, para o globo
terrestre, a indicação de norte utilizada convencionalmente nos materiais
produzidos pelo projeto em parceria com as Universidades do Chile e

50
Argentina, que consiste na colocação de pequenos retângulos de madeira, com
as dimensões de aproximadamente 3 mm de altura, 3 mm de largura e 10 mm
(1cm) de comprimento, no topo do globo terrestre. Quanto à indicação de norte
utilizada no planisfério, apesar de não haver dificuldade expressiva em seu
uso, os usuários alegaram preferir a indicação proposta pela Professora, por já
ser familiar em virtude da presença nos materiais encontrados na escola.

7. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O trabalho desenvolvido para conclusão do curso de bacharelado em


Geografia foi muito relevante para o exercício de pesquisa. Pode-se concluir
que a graduação, como um todo, simbolizada no Trabalho de Graduação
Individual, trouxe contribuições fundamentais à formação acadêmica e
profissional da autora, e, particularmente, como cidadã, agente responsável
pelas transformações passíveis em uma atuação reflexiva e prática. O apoio da
Universidade de São Paulo, assim como dos pesquisadores do LEMADI,
incluindo a valiosa orientação dada na presente pesquisa pela Profª. Drª.
Regina A. de Almeida, foi de extrema importância para a viabilização do
trabalho.

Atestou-se o fato de ser necessário ampliar os estudos teóricos sobre as


bases da educação, visando uma melhor compreensão dos processos
cognitivos dos alunos. O aprofundamento dos fundamentos teóricos da
Cartografia também será fundamental, principalmente quanto à linguagem
gráfica. As contribuições trazidas pelo trabalho de Bertin (1977) e a adaptação
para a percepção tátil das variáveis visuais propostas por Vasconcellos (1993)
deverão ser discutidas e relacionadas aos resultados da presente pesquisa.
Pretende-se ainda, com a colaboração dos pesquisadores do LEMADI, a
construção de um modelo tridimensional das variáveis visuais, facilitando a
compreensão da linguagem gráfica tátil.

Conclui-se a presente pesquisa com resultados positivos, com relação ao


processo de construção dos conhecimentos geográficos junto aos usuários
com necessidades especiais. A avaliação preliminar dos materiais feita com
dois alunos, um com deficiência visual e outra com visão residual, ambos com

51
cegueira adquirida, mostrou-se fundamental para a conclusão do trabalho.
Certamente, serão necessários testes com um número bem maior de usuários.
A satisfação e até gratidão expressada pelos alunos, mediante a apresentação
e questionamento de suas opiniões sobre o material, demonstrou a carência de
materiais adaptados às necessidades especiais que permeiam a vida escolar.
A avaliação serviu também como estímulo para uma continuidade da pesquisa,
sempre buscando soluções para produção de materiais didáticos inclusivos.

Os deficientes visuais, enquanto cidadãos devem participar plenamente


das atividades escolares e sociais mais amplas, podendo trazer importantes
contribuições à sociedade. Os fundamentos e orientações dos princípios de
Educação Especial, no atendimento às pessoas com deficiência visual, incluem
a disponibilização de materiais e recursos adaptados e acessíveis a seus
usuários, de acordo com suas possibilidades e condições.

O uso do processo de construção de mapas como forma de introdução à


linguagem gráfica e leitura cartográfica se mostrou positivo, na medida em que
trouxe motivações quanto à construção de uma representação gráfica. O
pequeno globo, também utilizado como material auxiliar na atividade
introdutória feita na avaliação, foi bastante ilustrativo durante o processo.
Acredita-se ter com tal proposta de atividade, uma busca por resultados
positivos no processo de ensino-aprendizagem, pautando-se no princípio da
construção coletiva do conhecimento, colocando todos os alunos como sujeitos
da produção e aquisição de seus conhecimentos. Na continuidade da pesquisa,
será fundamental resgatar as atividades de introdução às noções cartográficas
básicas propostas por Vasconcellos (1993), somando-se a novas iniciativas e
pesquisas para a criação de outras atividades, a fim de se obter melhores
resultados no uso de materiais didáticos inclusivos.

As contribuições trazidas por esta pesquisa e pelos materiais propostos


irão definir algumas mudanças no processo de confecção de planisférios,
globos terrestres, ilustrações e quaisquer materiais que forem produzidos.
Entre outras contribuições, pode-se destacar o uso adequado de fontes de
tamanho ampliado para legendas impressas, que visem incluir os alunos com
visão subnormal ou residual, indicação de norte para o globo, a localização
mais precisa dos fenômenos geográficos, assim como os topônimos, ainda que

52
referidos e descritos na legenda. Pensa-se ser positivo representar a
orientação norte e sul, tanto com seta, como foi feito no planisfério, quanto com
o método proposto pela Professora Tieko Hirano. Entretanto, é preciso ampliar
as pesquisas e os testes, a fim de se definir melhores resultados.

Como forma de melhorar o entendimento da noção de escala e tornar seu


uso mais eficiente, planeja-se fazer uma seqüência de materiais, enfocando a
mesma região, utilizando diferentes escalas. Ainda como estratégia que
possibilite contribuições aos alunos para seu processo de construção do
conhecimento, produzir-se-á ilustrações e jogos educativos com os materiais
testados neste trabalho.

Tendo em vista o aprimoramento dos resultados, serão incluídas ações


dirigidas aos professores, de maneira a ampliar seu conhecimento e promover
a familiarização com o material em estudo. Em função das dificuldades
apresentadas por docentes quanto às principais técnicas utilizadas pela
Cartografia Tátil, pretende-se organizar oficinas e aulas sobre o tema, em
parceria com pesquisadores do LEMADI, contribuindo para a formação
continuada do professor.

Pretende-se, assim, permanecer com a pesquisa sobre as potencialidades


e limitações desse material, a porcelana fria, devido a sua composição simples
e fácil aquisição, além da facilidade de uso para modelagem. Vale ressaltar que
a escolha deste material para produções cartográficas táteis tem seu uso
restrito apenas para a matriz, pois não é possível reproduzi-lo. Entre as idéias
para a continuidade das pesquisas, destaca-se a construção de dois globos
terrestres adaptados à percepção tátil, um físico e um político, como forma de
tornar acessível a informação geográfica.

O contato com mapas turísticos propostos pelo Prof. Ms. Sérgio R. Fiori
fomentou idéias para adaptação de mapas ilustrados dirigidos a alunos com
necessidades especiais, testando as potencialidades no uso de cores, figuras
com tamanho ampliado e generalização das formas dos desenhos. Pensa-se
ser possível, com novas experiências, contribuir nas pesquisas em estratégias
didáticas também voltadas aos alunos com visão reduzida.

53
Para os próximos passos na construção de materiais didáticos inclusivos e
atividades de estratégias didáticas, buscar-se-á uma inclusão mais efetiva,
somando-se, para isso, os importantes resultados adquiridos com a avaliação
preliminar dos materiais propostos e ampliação dos testes. A composição muito
heterogênea do grupo de usuários que se pretende incluir, com os diversos
graus de deficiência visual, exige aprimoramentos constantes e a busca pelo
mais variado perfil de alunos com necessidades especiais, para a construção e
avaliações dos materiais inclusivos.

8. BIBLIOGRAFIA

ABREU, P. R. F. de. A educação cartográfica na formação do professor


de Geografia em Pernambuco. Revista Cartográfica nº 58/01, Abril, 2006.

AB´SABER, A. N. Formas do Relevo - Guia do Professor para trabalhos


práticos. São Paulo, FUNBEC (Fundação Brasileira para o Desenvolvimento
do Ensino de Ciências), EDART – São Paulo: Livraria Editora Ltda, 1975.

ALMEIDA, R. T. A Maquete Topográfica: técnicas de construção,


materiais e uso. Trabalho de Graduação Individual, Faculdade de Filosofia
Letras e Ciências Humanas, Departamento de Geografia, Universidade de
São Paulo, São Paulo, 2007.

ALMEIDA, R. D. de (org.) Cartografia escolar. São Paulo: Editora Contexto,


2007.

ALMEIDA, R. D. de Do desenho ao mapa: iniciação cartográfica na


escola. São Paulo: Editora Contexto, 2001.

BRASIL Constituição Federal. Brasília: DF, 1988.

BRASIL Estatuto da criança e do adolescente. Lei n º 8.069 de 13/07/90,


Brasília: DF, 1990.

BRASIL Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n º 9.394/96,


Brasília: DF, 1996.

BRASIL Ministério da Educação. Plano Nacional de Educação - PNE.


Brasília: Inep, 2001.

54
BRASIL Ministério da Educação e Desporto. Secretaria de Educação
Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Geografia. Brasília, DF:
MEC/SEF, 1998.

CASTELLAR, S. M. V. A psicologia genética e a aprendizagem no ensino


de geografia. In: CASTELLAR, S. M. V. (org.) Educação geográfica: teorias
e práticas decentes. São Paulo: Ed. Contexto, 2005. – (Novas abordagens.
GEOUSP; v. 5).

CAVALCANTE, Lana de Souza Ensino de geografia e diversidade:


construção de conhecimentos geográficos escolares e atribuições de
significados pelos diversos sujeitos do processo de ensino. In:
CASTELLAR, S. M. V. (org.) Educação geográfica: teorias e práticas
decentes. São Paulo: Ed. Contexto, 2005. – (Novas abordagens. GEOUSP;
v. 5).

CAVALCANTE, Lana de Souza Geografia, escola e construção de


conhecimentos. São Paulo: Ed. Papirus, 1998.

DURTE, P. A. Fundamentos da Cartografia. Florianópolis: Editora da UFSC,


2006.

EDMAN, P K. Tactile Grafics. New York-USA: AFB Press, 1992.

FERREIRA, G. M. L. Atlas Geográfico – espaço mundial. São Paulo:


Editora Moderna, 2003.

FIORI, S. R. Atlas Pictórico – Proposta Metodológica para confecção e


uso didático. Trabalho de Graduação Individual, Faculdade de Filosofia
Letras e Ciências Humanas – Departamento de Geografia/ USP, São Paulo,
1999.

GIANSANTI, R. Construção de modelos de representação uma


experiência didática em 1º grau. In: Revista Orientação nº8. São Paulo:
Departamento de Geografia, USP, 1990.

HALLIDAY, C. Crescimento, aprendizagem e desenvolvimento da criança


visualmente incapacitada do nascimento à idade escolar. Fundação para
o livro do cego no Brasil, São Paulo, 1975.

HARLEY, J.B. A Nova História da Cartografia. O Correio da Unesco, 1999.

55
IBGE, Atlas Geográfico Escolar, Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

IBGE, Atlas Geográfico Escolar, 4ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2007.

LIBAULT, A. Geocartografia. Companhia Editora Nacional, Editora da


Universidade de São Paulo, São Paulo, 1975.

LOCH, R. E. N. Relato das atividades e experiências em Cartografia. . In:


Colóquio/Cartografia para crianças, 1, 1995, Rio Claro. Anais...Rio Claro:
UNESP/USP, 1995.

LOPES, M. E. Metodologia de análise e implementação de acessibilidade


para pessoas com mobilidade reduzida e dificuldade de comunicação.
São Paulo, 2005. Tese de Doutorado, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,
Universidade de São Paulo, 2005.

MEC/ SAPS/ CENESP – Subsídios para Organização e Funcionamento de


Serviços de Educação Especial. Ministério da Educação e Cultura,
Secretaria de Ensino de 1º e 2º graus, Centro Nacional de Educação
Especial: Juiz de Fora, Universidade Federal de Juiz de Fora, 1984.

MENDES, E. G. Diretrizes e parâmetros curriculares nacionais e a


educação especial: inclusão ou exclusão da diversidade? In: Formação
do educador e avaliação educacional. São Paulo: Editora UNESP, 1999.

MONTEIRO, C. A. de F. O mapa e a trama: ensaios sobre o conteúdo


geográfico em criações romanescas. Florianópolis: Editora da UFSC, 2002.

OLIVEIRA, L. de Estudo Metodológico e Cognitivo do Mapa. São Paulo:


IGEOG - USP, 1978.

PASSINI, E. Y. Alfabetização cartográfica e o livro didático, uma análise


crítica. Ed. Lê. Belo Horizonte, MG, 1994.

RIBAS, J. B. C. O que são pessoas deficientes. Coleção Primeiros Passos,


Nova Cultural, Ed. Brasiliense, São Paulo, 1985.

RIBEIRO, M. L. S. e BAUMEL, R. C. R. de C. (org.) Educação Especial: do


querer ao fazer. São Paulo: Avercamp, 2003.

56
SANTOS, Mª do C. S. R. dos Manual de Fundamentos Cartográficos.
Secretaria da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento de Recursos Minerais –
Pró- Minério. São Paulo, IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 1989.

SANTOS, M. M. D. dos Experiências de trabalho, referentes à cartografia


para escolares. In: Colóquio/Cartografia para crianças, 1, 1995, Rio Claro.
Anais... Rio Claro: UNESP/USP, 1995. p.64 a 71.

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO São Paulo, Coordenadoria de


Estudos e Normas Pedagógicas. O deficiente visual na classe comum. São
Paulo: SE/CENP, 1993.

SENA, C. C. R. G. de O estudo do meio como instrumento de ensino de


geografia: desvendando o pico do Jaraguá para deficientes visuais.
Dissertação de Mestrado, Departamento de Geografia da Faculdade de
Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo,
2001.

SERRYN, P. Nouvel Atlas. Edition du Grand Livre du Móis. Paris: Editora


Bordas, 1980.

SIMIELLI, M. E. R Do plano ao tridimensional: a maquete como recurso


didático. In: Boletim Paulista de Geografia nº70. São Paulo, AGB, 1991.

SIMIELLI, M. E. R. Geoatlas básico. São Paulo: Ed. Ática, 1995.

SIMIELLI, M. E. R. O mapa como meio de comunicação, implicações no


ensino da geografia do primeiro grau. Tese de doutorado. Departamento
de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas,
Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986.

VASCONCELLOS, R. A Cartografia Tátil e o Deficiente Visual - Uma


Avaliação das Etapas de Produção e Uso do Mapa. São Paulo, 1993. Tese
de doutorado Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e
Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1993.

VASCONCELLOS, R. e SANTOS, C. A Tridimensionalidade do espaço


geográfico. O uso de maquetes na sala de aula. Apostila feita no LEMADI –
Laboratório de Ensino e Material Didático, Departamento de Geografia da
Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/USP, São Paulo, 1995.

57
VASCONCELLOS, R. e ALVES F°. A. Atlas Geográfico Ilustrado e
Comentado. São Paulo, 1999.

VENTURI, L. A. B. (org.) Praticando Geografia: técnicas de campo e


laboratório em geografia e análise ambiental. São Paulo: Oficina de Textos,
2005.

58