Anda di halaman 1dari 3

O que mudará na USB 3.0 em relação a 2.0?

Por Cine Enterprise – www.cineenterprise.blogspot.com

sábado, 19 de setembro de 2009

Confira as diferenças entre estas tecnologias e veja como a SuperSpeed USB


promete mudar a sua vida.

No início, tudo eram trevas: os disquetes reinavam soberanos, fitas VHS era a única
maneira de compartilhar vídeos, e ainda, para tirar fotos era obrigatória a compra de filmes
para a máquina fotográfica. Contudo, com o advento dos cabos USB, máquinas digitais,
aparelhos de DVD e pendrives, todos aqueles itens foram, basicamente, aposentados.
Isso porque a transmissão de dados tornou-se muito mais fácil, uma vez que eles se
tornaram digitais (por exemplo: antes você ia a uma loja com e pedia para copiar uma foto,
agora basta enviá-la via email).

Apesar disso, a primeira versão de USB, a qual foi lançada em 1994, também não era das
melhores se comparada ao que veio em seguida, porém era o suficiente naquela época
(quando a taxa de transferência de dados exigida ainda não era muito grande). Assim
como sua predecessora, a USB 2.0 (Hi-Speed USB) era muito útil e rápida quando
lançada, todavia, isso aconteceu há mais ou menos nove anos!

A USB 3.0 (ou SuperSpeed USB) chegará ao mercado em um momento basicamente


crítico em relação a transmissão de dados. Isso porque a tecnologia 2.0, a qual possui
uma taxa de transferência de 480 Mbps (60 MB/s), já não está dando conta de transferir,
por exemplo, vídeos em alta definição. Por sua vez, a USB 3.0 promete solucionar tal
problema, uma vez que possuirá taxa de transferência de dados de 4,8 Gbps (600 MB/s),
ou seja, dez vezes mais rápida que a tecnologia anterior!

A USB 3.0 possuirá quatro fios a mais dentro do seu cabo (totalizando oito), os quais
funcionarão de maneira a unicamente para enviar e receber, ao mesmo tempo, dados para
o computador.

Diferentemente de sua sucessora, a USB 2.0 possui somente quatro cabos, sendo
somente dois deles para a troca de informações, ou seja, a “falta” de cabos faz com que os
dados sejam enviados em somente uma direção, ou seja, eles saem do computador e
somente depois de chegar ao dispositivo USB os dados contidos nele são enviados para o
computador.

Em outras palavras: imagine que cada par de fios dentro do cabo seja um carteiro, o qual
precisa ir até a central, pegar as cartas, para somente então voltar ao bairro para entregá-
las. Com a USB 2.0 é a mesma coisa, ou seja, o carteiro vai para um lugar e depois volta,
não podendo fazer ambas as coisas ao mesmo tempo. Já na USB 3.0 existem três
carteiros, cada qual com sua rota e podendo ir e voltar independentemente dos outros
dois. Não é muito mais prático?

Continuando a analogia, nossos carteiros também receberam um “curso de


especialização”, pois agora são capazes de usar mais energia quando necessário (para
aparelhos que requerem mais eletricidade) e menos quando desnecessário, como quando
o computador entra em estado de espera.

Além disso, a USB 3.0 funcionará em portas de USB 2.0, pois, digamos, o “carteiro”
continua o mesmo, portanto ainda conhece os caminhos estreitos de antes (por “caminhos
estreitos” entenda que a velocidade da USB 3.0 não será a máxima possível, por razões já
citadas).

Ainda não existem aparelhos disponíveis no mercado com a


tecnologia da USB 3.0, porém eles prometem chegar às lojas por volta do início de 2010
(talvez até mesmo no final de 2009!), uma vez que as especificações da tecnologia já
foram liberadas em novembro de 2008. Em outras palavras, com as especificações
liberadas, as empresas já podem desenvolver produtos que utilizem a tecnologia.

No início, provavelmente alguns aparelhos demorarão a apresentar entradas e cabos para


USB 3.0, mas aos poucos a tecnologia promete ganhar força. Em contrapartida, a USB 2.0
provavelmente cairá no esquecimento, pois a velocidade de transferência da SuperSpeed
USB certamente cairá nas graças da maioria das pessoas.

Por fim, se levarmos em consideração um aumento nos avanços tecnológicos, podemos


supor que em não muitos anos após tornar-se padrão, a USB 3.0 será substituída pela
ainda hipotética USB 4.0, a qual ainda não há como imaginarmos como será e nem a sua
velocidade.
São vários os dispositivos que já requerem uma grande velocidade de transferência, no
entanto, todos os outros poderão ser beneficiados pela USB 3.0. Como exemplo, podemos
citar HDs externos (imagine fazer um backup do seu computador inteiro em menos de
cinco minutos!), webcams com imagem de alta resolução (vídeo-papos sem atraso de
exibição), câmeras digitais e, até mesmo, drives de Blu-Ray.

Com exceção do Windows 7, Linux e MacOS X, ainda não se sabe exatamente em quais
outros sistemas operacionais a SuperSpeed USB funcionará, pois há a possibilidade de
não haver compatibilidade entre a tecnologia e SOs mais antigos. Mas uma coisa é quase
certa: a chance de a USB 3.0 ser compatível com Windows XP é pouca. O que é uma
pena. Apesar disso, talvez ela venha a ser compatível com o Windows Vista.