Anda di halaman 1dari 18
1 CONTEÚDO 01 PROF: EDILSON VIANA A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O SURGIMENTO DAS CIÊNCIAS SOCIAIS A
1
CONTEÚDO
01
PROF: EDILSON VIANA
A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL E O SURGIMENTO
DAS CIÊNCIAS SOCIAIS
A Certeza de Vencer
JACKY30/01/08.
Texto complementar
I. O CENÁRIO HISTÓRICO DO SURGIMENTO DA
SOCIOLOGIA:
Sociologia é o estudo do comportamento social
das interações e organizações humanas. Todos nós
A Europa no século XVIII assistiu a uma série de
mudanças no cenário político, econômico e social.
Podemos destacar, o Iluminismo, as Revoluções
burguesas e principalmente a Revolução Industrial. Esses
acontecimentos proporcionaram a criação de um cenário
de instabilidade e contradição: aumento da produção,
investimento em tecnologia, consolidação do processo de
industrialização, ascensão política da burguesia, êxodo
rural e conseqüente processo de urbanização, o
aparecimento do proletariado e de sua consciência de
classe, surgimento de um grande número de
desempregados, miséria e injustiças sociais.
somos sociólogos porque estamos sempre analisando
nossos comportamentos e nossas experiências
interpessoais em situações organizadas.
É neste
cenário,
que
surge
a
necessidade de
formatar uma
ciência capaz
de interpretar e
compreender
os problemas
da sociedade
urbano-
industrial, capaz de explicar essa nova ordem social,
política e econômica.
II. O QUE É A SOCIOLOGIA?
A preocupação com os problemas da sociedade
existe bem antes da Revolução Industrial, ou seja na
antigüidade oriental ou na Clássica (greco-romana) já
podemos perceber tal engajamento. Platão em A
República, Aristóteles em A política já apontavam
problemas envolvendo a vida política dos gregos, na
Idade Média vários pensadores Árabes discutiam a
religiosidade da época, na modernidade, os pensadores
renascentistas identificavam problemas sociais e políticos,
durante a crise da sociedade feudal e na formação dos
Estados Modernos. Porém, essas propostas de analise
dos problemas da sociedade não apresentavam uma
organização objetiva, eram preocupações não
sistematizadas, sem métodos específicos e sem um
objeto de estudo claro.
Neste sentido, é somente no século XVIII, que a
preocupação com os problemas da sociedade passa a
existir como Ciência, passa a ser sistematizado. A
Sociologia surge então com um arcabouço teórico, com
um método específico e com um objeto de estudos
definido. Podemos, pois definir a Sociologia como uma
ciência que estuda os fenômenos sociais, procurando
refletir sobre eles e tentando explicá-los, através de certos
conceitos, técnicas e métodos. Seu campo de estudo é
toda a organização da sociedade (a estática) e tudo o que
acontece com seus membros (a dinâmica). Como, então,
o relacionamento entre os homens se estrutura - tomando
formas definidas - e como ele se processa - seu
funcionamento - isto é o que interessa a Sociologia.
O objetivo da sociologia é tornar estas
compreensões cotidianas da sociedade mas sistemáticas
e precisas, à medida que suas percepções vão além de
nossas experiências pessoais.
A sociologia estuda todos os símbolos culturais
que os seres humanos criam e usam para interagir e
organizar a sociedade.; Ela explora todas as estruturas
sociais que ditam a vida social, examina todos os
processos sociais, tais como desvio, crime, divergência,
conflito, migrações e movimentos sociais, que fluem
através de ordem estabelecida socialmente; e busca
entender as transformações que este processo provocam
na cultura e estrutura social.
Em termos de mudança, em que a cultura e
estrutura estão atravessando transformações dramáticas,
a sociologia torna-se especialmente importante ( Nisbet,
1969). Como a velha maneira de fazer as coisas se
transforma, as vidas pessoais são interrompidas, e como
conseqüências, as pessoas buscam respostas para o fato
de as rotinas e formulas do passado não funcionarem
mais. O mundo hoje está passando por uma
transformação dramática: o aumento de conflito étnico, o
desvio de empregos para países com mão de obra mais
barata, as fortunas instáveis da atividade econômica e do
comércio, a dificuldade de serviços de financiamento de
governo, a mudança no mercado de trabalho, a
propagação de uma doença mortal (AIDS.), o aumento da
fome das superpopulações, a quebra do equilíbrio
ecológico, a redefinição dos países sociais dos homens e
das mulheres e muitas outras mudanças. Enquanto a vida
social e as rotinas diárias se tornam mais ativas, a
percepção sociológica não é completamente necessária.
Mas, quando a estrutura básica da sociedade e da cultura
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009

FAÇO IMPACTO - A CERTEZA DE VENCER!!!

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

muda, as pessoas buscam o conhecimento sociológico. Isto não é verdade apenas hoje, foi a razão
muda, as pessoas buscam o conhecimento sociológico.
Isto não é verdade apenas hoje, foi a razão principal de a
Sociologia surgir em primeiro plano como uma disciplina
diferente nas primeiras décadas do séc. XIX.
a)
A
capacidade
do
ser
humano
de
relacionar
as
dificuldades sociais com a possibilidade de solução
imediata dessa problemática.
b)
A possibilidade da sistematização, da elaboração de
EXERCÍCIOS
um método de analise e a definição de um objeto de
pesquisa.
c)
A transição do pensamento medieval para a criação
01. (J.Rendeiro) "A Sociologia é a Ciência dos problemas
de uma filosofia da problemática social com os iluministas
sociais que emergem com a chegada do século XVIII. Que
tem um marco econômico e outro político e social"
TELES, Mª Luiza. Sociologia para Jovens. Petropólis - RJ,
Ed. Vozes: 2002.
no século XVIII.
d)
A formação de uma elite de pensadores ligados ao
processo de industrialização, que com técnicas
matemáticas definiu a sociedade a partir de seus
indivíduos.
Sobre os aspectos que determinaram o surgimento da
Sociologia é correto afirma que:
e)
A criação de uma técnica filosófica que prima pela
a)
O Renascimento Comercial e Urbano, assim como, a
valorização do indivíduo no todo social, ao mesmo tempo
que prima apenas pelas relações do homem com a
sociedade.
ascensão das monarquias absolutistas determinou o
surgimento das Ciências Sociais.
b)
Com as Revoluções Burguesas e a Revolução
04. (UFU) Dentre os conceitos abaixo apresentados um
não pode ser relacionado à Sociologia:
Industrial a Europa passa por grandes transformações
sociais, políticas e econômicos que determinam o
surgimento da Sociologia.
a)
É a ciência que estuda as relações entre os indivíduos
e a sociedade.
c)
É a partir da desagregação feudal e da conseqüente
b)
É o pensamento científico que analise os problemas
consolidação do trabalho servil que a sociologia passa a
sociais oriundos das relações entre as classes sociais.
ter seus fundamentos estabelecidos
c)
È uma forma de compreensão filosófica dos
d)
A partir da consolidação do modo de produção feudal a
problemas sociais, que podem ser percebidos ao longo do
Sociologia passa a ter todos os fundamentos necessários
processo histórico.
para se organizar sistematicamente como ciência.
d)
È a ciência que analisa as instituições sociais em
e)
É somente com a Revolução Francesa que a sociedade
relação com o ser humano, organizado em sociedade.
européia passa a ter a consolidação do poder
e)
È uma forma de pensamento científico que busca a
nobiliárquico e o surgimento da sociologia.
compreensão dos fatos sociais.
02. (UFU) "A Sociologia surgiu a partir da necessidade de
05. (UFES) Sobre a Sociologia é correto afirmar que:
se realizar uma reflexão sobre as transformações, crises e
antagonismos de classe experimentados pela então
nascente sociedade industrial"
MARCELINO, Nelson. Introdução às Ciências Sociais.
Ed. Papirus: São Paulo, p-29.
a)
Surgiu a partir da necessidade de analisar os
fenômenos físicos e biológicos e sua relação com o ser
humano em sociedade.
b)
É um pensamento científico que ainda guarda o
obscurantismo da Idade Média, mas que consolidou-se
De acordo com seus conhecimento e com o enunciado
acima, marque a alternativa que representa as afirmações
corretas:
com a Revolução Industrial.
c)
Apresenta-se no mundo contemporâneo como uma
I. A sociologia surgiu a partir da necessidade do homem
de explicar os fenômenos naturais e físicos, com base nos
conhecimentos das características sociais;
II. As Ciências Sociais organizaram-se a partir da
modernidade, explicando sistematicamente a segregação
da ordem feudal.
III. O pensamento sociológico está diretamente
relacionado ao mundo urbano-industrial e seus problemas
políticos econômicos e sociais.
ciência que ainda precisa de instrumentos analíticos, pois
ainda não apresenta um processo de sistematização
definido.
d)
Deve ser identificada como um ramo da Filosofia que
preocupa-se com os acontecimentos sociais e que detém
um objeto de estudo definido.
e)
É uma ciência que apresenta um objeto de estudo
definido, um método de analise e a sistematização dos
seus postulados.
a)
I e II estão corretas
d) Somente a II
b)
II e III estão corretas
e) Somente a III
c)
I e III estão corretas
03. (UFU) A preocupação com os problemas sociais
existem desde quando o homem é homem. A busca de
soluções para estes problemas também. Mas no entanto o
pensamento Sociológico, está diretamente ligado às
conseqüências da Revolução Industrial. Neste sentido, o
que distingue o pensamento sociológico, dos
pensamentos sociais anteriores?
VESTIBULAR – 2009
1 CONTEÚDO 02 As principais correntes teóricas e as possibilidades de análise científico dos problemas sociais.
1
CONTEÚDO
02
As principais correntes teóricas e as possibilidades de análise
científico dos problemas sociais.
PROFº: EDILSON VIANA
A Certeza de Vencer
Jackyu30/01/08.
I. AS CORRENTES TEÓRICAS E SUAS PROPOSTAS
DE ANALISE:
a natureza fundamental do universo social, mas ele foi
praticamente forçado a determinar o termo híbrido greco-
latino, Sociologia.
1.
Positivismo:
O primeiro pensador a utilizar com
regularidade o termo Sociologia
foi o intelectual francês Augusto
Comte (1798 - 1857), para muitos
o fundador dessa ciência. A teoria
sociológica de Comte está
diretamente relacionada a dois
princípios: a lei dos três estados e
a perspectiva dos progressos
através da manutenção da ordem.
“ As múltiplas controvérsias entre os sociólogos”
praticamente desaparecem quando se trata de determinar
a “ paternidade” de sua disciplina. Quase todos eles
concordam que a Sociologia começam com a obra de
Auguste comte. Além de cunhar o nome da nova ciência,
foi de Comte a primeira tentativa de definir o objeto, seus
métodos e problemas fundamentais, bem como a primeira
tentativa de determinar-lhe a posição no conjunto das
ciências”(GALLIANO, 1981. P.30)
Augusto Comte
Para este, o conhecimento está sujeito a passar por três
estados distintos. O primeiro estado é o teológico, em que
o pensamento sobre o mundo é dominado pelas
considerações do sobrenatural, religião e Deus; o
segundo estado é o metafísico, em que o pensamento
filosófico é primordial além do conhecimento da
matemática e da lógica; e o terceiro estado é o positivo,
em que a ciência, ou a observação cuidadosa dos fatos
empíricos tornam-se modos dominantes. A sociedade
como um todo também pode ser enquadrada nestes
postulados. É importante ressaltar que para Comte este
processo evolutivo só será possível naquela sociedade
em que a ordem (em todos os seus aspectos) for mantida.
2.
Funcionalismo:
O pensamento funcionalista
esta relacionado ao pensador francês
Émille Durkheim (1858-1917), de
acordo com os relatos foi o primeiro
intelectual a introjetar a Sociologia
como disciplina acadêmica, para ele
cada indivíduo exerce uma função
específica na sociedade e sua mal
execução significa um desregramento
da própria sociedade. Sua interpretação da sociedade
está diretamente relacionada ao estudo do fato social, que
para ele apresenta características específicas:
exterioridade e a coercitividade. O fato social é exterior na
medida que existe antes do próprio indivíduo e coercitivo
na medida em que a sociedade impõe tais postulados,
sem o consentimento prévio do indivíduo.
Texto Complementar
AUGUSTE COMTE – (1798 – 1857) O FUNDADOR DA
SOCIOLOGIA
A
herança
francesa
e
as
ondas
de
que
da
revolução francesa levaram Auguste Comte em seu 5º
volume do curso de filosofia positiva ( 1830 –1842) a
examinar solicitação por uma disciplina dedicada ao
estudo científico da sociedade. Comte quis chamar esta
disciplina de “ Física social ” para enfatizar que estudaria
O problema central para a Sociologia era aquele
que tinha sido articulado pelos pensadores mais antigos
do iluminismo: como a sociedade deve ser mantida unida
quando se torna maior, mais complexa, mais variada,
mais diferenciada, ami8s especializada e mais dividida? A
resposta continua, de comte foi de que as idéias e as
crenças comuns precisavam ser desenvolvidas para dar a
sociedade uma moralidade “ universal”. Essa resposta
nunca foi desenvolvida, mas a preocupação com os
símbolos da cultura como uma força unificadora para
manter a essência do conceito sociológico francês, existe
até os dias de hoje.
Uma tática que comte empregou para fazer com
que a Sociologia parecesse legítima foi postular a lei doas
Três Estados, na qual conhecimento está sujeito , em sua
evolução, a passar por três estados diferentes. O primeiro
estado é o teológico, em que o pensamento sobre o
mundo é dominado pela consideração do sobrenatural,
religioso e Deus; o segundo estado é o metafísico, em que
as atrações do sobrenatural são substituídas pelo
pensamento filosófico sobre a essência dos fenômenos e
pelo desenvolvimento da matemática, lógica e outros
sistemas neutros de pensamento, e o terceiro estado é o
positivo, em que a ciência, ou a observação cuidadosa
dos fatos empíricos, e o teste sistemático de teorias
tornam-se modos dominantes para se acumular
conhecimento. E com o estado positivo o conhecimento
pode ter utilidade prática afim de melhorar as vidas das
pessoas.
A sociedade como um todo, bem como um o
pensamento sobre cada domínio do universo evolui sobre
estes três estágios, mas em velocidades diferentes: a
Astronomia e a Física primeiro, depois a Química e a
Biologia, e finalmente a Sociologia surge como último
modo de pensar para entrar no estado positivo. Na visão
de Comte, a análise da sociedade estava pronta para ser
reconhecida como ciência- uma reivindicação que era
desafiada na época de Comte, assim como ainda hoje. E
como as leis da organização humana eram desenvolvidas,
Comte acreditava que elas poderiam ser usadas para
melhorar a condição humana- novamente, um tema tão
controverso hoje quanto na época de Comte.
Uma segunda tática legítima empregada por
Comte foi postular a hierarquia das ciências, na qual todas
as ciências eram ordenadas de acordo com a sua
complexidade e seu desenvolvimento no estado
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009

FAÇO IMPACTO - A CERTEZA DE VENCER!!!

positivo.Na parte inferior da hierarquia estava a EXERCÍCIOS Matemática, a língua de todas as ciências mais
positivo.Na
parte
inferior
da
hierarquia
estava
a
EXERCÍCIOS
Matemática, a língua de todas as ciências mais altas na
01.
(J.Rendeiro) O pensamento sociológico surge
hierarquia,
e
no
topo, surgindo da Biologia estava
a
Sociologia, que no momento de êxtase, Comte definiu
como “ Ciência da Humanidade” coroamento de toda
como conseqüência das Revoluções Burguesas do século
XVIII, mas no entanto, é no século seguinte que a
formação científica. Pois, se
a
Sociologia foi a última
ciência surgir, era também a mais avançada em relação
ao seu assunto,
questionamento.
como
um
modo
legítimo
de
Sociologia consolida-se enquanto ciência. Para muitos
especialistas é com o pensador francês Augusto Comte
que o termo Sociologia é aplicado regularmente pela
primeira vez. A partir deste autor a sociologia organiza sua
primeira escola de pensamento, o Positivismo. Sobre está
corrente de analise sociológica é correto afirma que:
A TRADIÇÃO FRANCESA: ÉMILLE DURKHEIM (1858-
1917):
a)
Adquiriu características revolucionárias,
quando
percebeu na classe dos proletários um poder
O que marca a contribuição de Durkheim à
Sociologia é o reconhecimento de que os sistemas de
símbolos culturais – ou seja, valores, crenças, dogmas
religiosos, ideologias, etc. -são uma base importante para
a integração da sociedade ( J. Turner, 1981). À medida
que as sociedades se tornam complexas e heterogêneas
a natureza de símbolos culturais, ou o que Durkheim
denominou de consciência coletiva muda. Em sociedades
simples, todos os indivíduos têm uma consciência coletiva
comum que regula seus pensamentos e ações, ao passo
que em sociedades mais complexas a consciência
coletiva deve também mudar se a sociedade deve manter-
se integrada. Deve tornar-se mais “generalizada” e “
abstrata” afim de fornecer alguns símbolos comuns dentre
as pessoas em atividades especializadas e separadas ao
passo em que outro nível se tornam também mais
concreta para assegurar que as relações entre, e
interiormente, as posições especializadas e organizações
nas sociedades complexas sejam reguladas e
coordenadas. A condição social , entretanto, é possível
em sociedades grandes, complexas, quando há alguns
símbolos comuns que todos os indivíduos partilham,
juntamente com grupos específicos de símbolos que
guiam as pessoas em suas relações concretas com os
outros (J.Tuner, 1990). Esse equilíbrio observado entre os
aspectos abstratos e específicos ou os gerais e concretos
da consciência coletiva não é observado, então várias
patologias se tornam evidentes (Durkheim).
Durkheim estudou posteriormente a sociedade no
nível mais interpessoal, procurando entender a formação
da consciência coletiva. Em seu estudo sobre a religião
dos aborígines australianos, Durkheim estava menos
interessado na religião do que nos processos
interpessoais que produzem a consciência coletiva. O que
ele descobriu foi o significado da interação entre as
pessoas, como isso produzia o sentimento de que há uma
“força “ sobrenatural acima e além delas. Ao compreender
o poder desta força que nascia da animação e energia das
interações, os aborígines construíram totens e se
engajaram em rituais para honrar as forças sobrenaturais,
agora simbolizadas pelos totens. Dessa observação,
Durkheim concluiu que a adoração aos deuses e ao
sobrenatural é, na realidade, a adoração da própria
sociedade e dos vínculos gerados pela interação entre as
pessoas. Assim, a “ cola” que mantém unida a sociedade
é sustentada pela interações concretas entre os
indivíduos.
transformador.
b)
Admite as constantes mudanças e transformações
sociais, como sendo fundamentais para o
desenvolvimento de uma civilização.
c)
Identifica uma perspectiva conservadora na sociedade,
que buscaria naturalmente a ascensão para a etapa
teológica.
d)
Acredita
que
o
pensamento
do
ser
humano
e
a
sociedade alcançariam um processo de evolução
gradativa com a manutenção da ordem.
e)
Estabelece um processo evolutivo, com a lei dos três
estados, consolidando-se na fase positiva,. graças a luta
de classes.
02.
(J.Rendeiro) "Fato social é toda maneira de fazer, fixa
ou não, suscetível de exercer sobre o indivíduo uma
coerção exterior, ou então que é geral em toda a extensão
de uma dada sociedade, embora tendo existência própria,
independente das suas manifestações individuais"
Les Reglés de la methode sociologique, p-14
Sobre o pensamento durkheimiano e sua compreensão de
fato social é correto afirmar que:
a)
É exterior na medida em que é fruto do pensamento
religioso e está introjetado na vida individual.
b)
É coercitivo pois exerce no indivíduo uma pressão
inconsciente, obrigando-o a se enquadrar na estrutura
estabelecida
c)
É exterior e coercitivo pois possibilita ao indivíduo a livre
aceitação de tais pressupostos na construção de sua
realidade.
d)
É apenas coercitivo, pois a sociedade cria os
mecanismos de pressão social enquadrando o ser
humano em uma dada realidade
e)
É somente exterior, haja vista estabelecer critérios
imediatos que com rapidez e dinâmica são reconstruídos
socialmente.
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009
1 CONTEÚDO 03 MARX WEBER E KARL MARX PROFº: EDILSON VIANA A Certeza de Vencer CT300108
1
CONTEÚDO
03
MARX WEBER E KARL MARX
PROFº: EDILSON VIANA
A Certeza de Vencer
CT300108
MAX WEBER: A ação social
KARL MARX E O MATERIALISMO HISTÓRICO
A
análise
estará
centrada
nos
atos
e
ações
dos
indivíduos. Isto é, a sociedade deve ser entendida a partir do
conjunto de ações individuais reciprocamente referidas, com
sentido.
Ação Social: Uma Ação com Sentido.
Cada sociedade para Weber possui sua especificidade
e Importância. Mas o ponto de partida de seus estudos estava
nas entidades coletivas, grupos ou instituições. Seu objeto de
investigação é a ação social, a conduta humana dotada de
sentido, isto é, de uma justificativa subjetivamente elaborada.
Assim, o homem passou a ter, enquanto indivíduo, na teoria
weberiana, significado e especificidade dando sentido à sua
ação social.
As normas sociais só se tornam concretas quando se
manifestam em cada indivíduo sob a forma de motivação. Cada
sujeito age levado por um motivo que é dado pela tradição, por
interesses racionais ou pela emotividade. O motivo que
transparece na ação social permite desvendar o seu sentido, que
é social na medida em que cada indivíduo age levando em conta
a resposta ou a reação de outros indivíduos.
OBS: uma ação orientada por fenômeno da natureza não é
social.
Doutrina do marxismo que afirma que o modo de
produção da vida material condiciona o conjunto de todos os
procesãos da vida social, política e espiritual.
• As forças produtivas constituem as condições materiais de
toda a produção: matérias-primas, instrumentos como
ferramentas ou máquinas) homem, principal elemento das forças
produtivas, é o responsável por fazer a ligação entre a natureza
e a técnica e os Instrumentos.
• As relações sociais de produção são as formas pelas quais os
homens se organizam para executar a atividade produtiva.
Assim, as relações de produção podem ser, num determinado
momento, cooperativistas (como num mutirão), escravistas
(como na Antiguidade), servis (como na Europa feudal), ou
capitalistas (como na Indústria moderna). Homens procesão
produtivo.
Assim ele estabelece quatro tipos de ação social:
1.
Ação tradicional: aquela determinada por um costume ou por
um hábito arraigado.
2.
Ação afetiva: aquela determinada por afetos ou estados
sentimentais.
3.
Racional em relação a valores: determinada pela crença
consciente num valor considerado importante.
4.
Racional com relação aos fins: determinada pelo cálculo
racional que coloca fins e organiza os meios necessários.
No livro "Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo"
Weber relaciona o papel do protestantismo na formação do
comportamento típico do capitalismo ocidental moderno. Weber
descobre que os valores do protestantismo - como as práticas de
devoção e penitência, a poupança, a severidade, a rigidez, a
vocação, o dever e a propensão ao trabalho - aluavam de
maneira decisiva sobre os indivíduos. Weber mostra a formação
de uma nova mentalidade, dos novos valores éticos instituídos
com o capitalismo, em oposição ao despojamento da vida
material e à atitude contemplativa do catolicismo, voltados para a
oração, sacrifício e renúncia da vida prática.
Atenção:
• O trabalho toma-se portanto um valor em si mesmo.
• O puritanismo condenava o ócio, o luxo, a perda de tempo.
• A dedicação religiosa ao trabalho ele chamou de vocação.
A idéia de alienação
Econômica(dupla): a industrialização, a propriedade
privada e o assalariamento separavam o trabalhador dos meios
de produção ferramentas, matéria-prima, terra e máquina -, que
se tornaram propriedade privada do capitalista. Separava
também, ou alienava, o trabalhador do fruto do seu trabalho, que
também é apropriado pelo capitalista.
Política: o principio da representatividade, base do liberalismo,
criou a idéia de Estado como um órgão político imparcial, capaz
de representar toda a sociedade e dirigi-la pelo poder delegado
pêlos indivíduos. Marx mostrou, entretanto, que na sociedade de
classes esse Estado é uma superestrutura política e jurídica a
serviço da classe dominante, Isto é, age conforme seus
interesses.
PRÁXIS; Pela crítica radical ao sistema econômico, à política e à
filosofia que o excluíram da participação efetiva na vida social,
isto é, ação política consciente e transformadora.
As classes sociais: Segundo Marx, as desigualdades
sociais observadas no seu tempo eram provocadas pelas
relações de produção do sistema capitalista, que dividem os
homens em proprietários e nao-proprietários dos meios de
produção. As desigualdades são a base da formação das
classes sociais.
As relações entre os homens se caracterizam por
relações de oposição, antagonismo, exploração e
complementaridade entro as classes sociais.
Mais-valia: É no momento em que o empresário compra a força
de trabalho de seu empregado que nasce o procesão de
exploração capitalista. Como? "O empregado, ao pagar os
salários aos trabalhadores, nunca paga a estes o que eles
realmente produziram, isto é, o excedente de valor produzido
que não é devolvido ao trabalhador; sendo apropriado pelo
capitalista. Será essa mais-valiaque irá caracterizar o capital,
pois parte dela é reempregada no procesão de acumulação
capitalista.
Fetiche da Mercadoria: No entanto, as coisas não aparecem
Dominação
As formas básicas de legitimação justificam-se com
base em distintas fontes de autoridade:
Tradicional: "a da ordem eterno". Isto é, o domínio tradicional
exercido pelo patriarca e pelo príncipe patrimonial de outrora(
) ...
Carismática: a do dom da graça extraordinário e pessoal, a
assim tão claras; na realidade, somos levados a pensar que as
mercadorias têm qualidades próprias, que o dinheiro possui um
poder de compra que é mágico. Essa inversão de sentidos,
consiste basicamente em dar a impressão de que as relações
sociais de trabalho são apenas relações sociais entre
mercadorias.
dedicação absolutamente pessoal e a confiança pessoal na
Trabalho morto e vivo (valor)
...
profeta ou - no campo da política - pelo senhor da guerra eleito ...
Legalidade, em virtude da fé na validade do estatuto
revelação, heroísmo
é o domínio carismático exercido pelo
legal e da competência funcional, baseada em regras
racionalmente criadas. É o domínio exercido pelo moderno
servidor do Estado e por todos os portadores do poder que, sob
este aspecto, a ele se assemelham.
O capitalismo vê a força de trabalho como mercadoria,
mas é claro que não se trata de uma mercadoria qualquer.
Enquanto os produtos, ao serem usados, simplesmente se
desgastam ou desaparecem, o uso da força de trabalho significa,
ao contrário, criação de valor.
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

VESTIBULAR – 2009

Exercícios (JFU-2003) No dia 30 de junho de 2002 - mesmo dia em que a) b)
Exercícios
(JFU-2003) No dia 30 de junho de 2002 - mesmo dia em que
a)
b)
c)
o fetichismo da mercadoria.
d)
trabalho, os outros produtores diretos, o gênero humano.
05. (UEL-2003) Uma das hipóteses
(Revista Isto é, de 10 de julho de 2002.)
a)
b)
c)
d)
Na sociologia de Max Weber, o conceito de ação social tem
provoca a degenerescência da espécie.
a)
cientista como forma de compreensão das sociedades.
b)
c)
tais efeitos escapam ao controle e á previsão do agente.
d)
e)
de reflexão e não diretamente o fato social.
COMENTARIOS:
Com relação aos conceitos de solidariedade mecânica e

04. (UFU-2003) A teoria social de Karl Marx sustenta que a alienação (ou estranhamento) no capitalismo relaciona-se:

A uma dimensão inelutável de toda e qualquer sociedade

humana, uma vez que o trabalho alienado é condição-natural do homem.

Estritamente á esfera econômica, não comportamento

desdobramentos sobre os outros momentos da totalidade social.

Fundamentalmente ao fenômeno do estado, porque esta cria

Como primeira manifestação, á separação entre o produtor

direto e estas dimensões: o produtor do trabalho, o processo do

cientificas mais

reconhecidas na Antropologia argumenta que a proibição do incesto estava presente na emergência da cultura, quando o homem deixou de ser apenas mais um animal social e se tornou um ser cultural, produtor de símbolos. Sobre este processo fundamental da humanidade, assinale a alternativa teórica incorreta.

A proibição do incesto deve ser considerada como um dos

fundamentos da cultura, conforme a concepção que as diversas

sociedades têm da consangüinidade, do incesto, da exogamia e das regras de parentesco que os organizam.

A proibição do incesto define-se como uma regra cultural

praticamente universal, responsável pela exogamia observada na grande maioria das sociedades e que está na base do sistema de aliança por parentesco.

A proibição do incesto é uma das regras culturais mais

presentes nas sociedades humanas e faz parte do repertório crescente de desnaturalização dos costumes observado com clareza maior nas sociedades modernas.

A proibição do incesto tornou-se uma regra cultural decorrente

de nosso condicionamento genético, que leva as sociedades humanas á percepção de que a reprodução consangüínea

06. (UEL-2003) Segundo a teoria Weberiana, são corretas as afirmações, exceto.

O historicismo é entendido como uma tarefa do cientista do

A tarefa do cientista é descobrir os possíveis sentidos das

ações humanas presentes na realidade social que lhe interesse estudar.

A ação social gera efeitos sobre a realidade em que ocorre, e

Os fatos sociais são coisas que devem ser vista e analisadas.

O que garante a cientificidades de uma explicação é o método

____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

____________________________________________________

___________________________________________________

01.

a seleção brasileira de futebol conquistou o tetra - morria em Uberaba, no Triângulo Mineiro, o famoso médium Chico Xavier. Seu velório atraiu nada menos que 100 mil pessoas, movidas, a maioria delas, por suas crenças na reencarnação e na comunicação com os espíritos; por suas esperanças em curas extraordinárias; por seus valores éticos, como a caridade, e, naturalmente, por seus laços afetivos com o grande líder religioso. Músicas e roupas alegres, coloridas, deram ao velório um clima de festa, aparentemente incompatível com um acontecimento fúnebre. O motivo era simples: para o espiritismo kardecista não existe luto, sendo a morte vista apenas como mais uma etapa cumprida num longo processo de aperfeiçoamento do espírito. Por Isso, a morte de Chico Xavier não deveria ser lamentada, apesar de sentida.

Analisando os acontecimentos, de acordo com a teoria de Max Weber e, considerando tais acontecimentos dotados de sentido, pode-se afirmar que esse sentido:

  • a) Está mais próximo das ações irracionais, predominando

reações surdas a estímulos habituais, independentemente de

fins conscientes.

  • b) Está mais próximo das ações racionais, predominando uma

orientação consciente dos agentes, independentemente dos seus resultados.

  • c) Vincula-se a ação totalmente irracionais, implicando reações

desenfreadas a estímulos não-cotidianos, independentemente

de fins conscientes.

  • d) Vincula-se a ações racionais, implicando sempre e

únicamente, uma orientação consciente dos agentes quando aos meios e fins.

02.

sido fundamental em inúmeros estudos importantes sobre as sociedades modernas. Considere as alternativas teóricas abaixo e assinale a alternativa incorreta.

  • a) O conceito de ação social em Max Weber pretende comprovar

a coerção, a interioridade, a particularidade e a generalização

dos fatos sociais, a partir da conexão natural de sentidos entre os indivíduos.

  • b) Pra Max Weber, a Sociologia é a ciência que pretende

interpretar os sentidos improváveis da ação social, suas causas,

seus efeitos e suas regularidades, que se expressam na forma de uso, costumes e situações de interesses produzidos por diversos sujeitos.

  • c) Max Weber define ação social como uma conduta dotada de

um significado subjetivo dado por um sujeito que o executa,

orientando seu próprio comportamento, tendo em vista a ação de outros sujeitos conhecidos ou desconhecidos.

  • d) Para Max Weber, a explicação sociológica busca

compreender os sentidos, o desenvolvimento e os efeitos da conduta de um ou mais indivíduos em relação a outros, ou seja, seu caráter social, não se propondo a julgar a validez da ação dos sujeitos.

03.

solidariedade orgânica, na obra de Émile Durkheim, assinale a alternativa incorreta.

  • a) A solidariedade orgânica é própria dos organismos sociais

primitivas.

  • b) A solidariedade mecânica é a forma de coesão própria das

sociedades pré-capitalista.

  • c) A solidariedade orgânica define-se como aquela em que a

coesão se dá pela diferenciação das funções.

  • d) A solidariedade mecânica está assentada ne semelhança de

funções.

1 CONTEÚDO 04 PROFº: EDILSON VIANA A DIVISÃO DO TRABALHO E AS VÁRIAS FORMAS DE TRABALHO:
1
CONTEÚDO
04
PROFº: EDILSON VIANA
A DIVISÃO DO TRABALHO E AS VÁRIAS FORMAS DE
TRABALHO: ESCRAVO, SOCIAL E ASSALARIADO.
A Certeza de Vencer
KL 070308
I. ASPECTOS GERAIS:
TEXTO COMPLEMENTAR
Qualquer organização social, desde os primórdios,
apresenta uma estruturação social definida, assim como,
uma relação de trabalho predominante. Assim, pensar
historicamente a questão do trabalho é pensar como a
atividade humana se desenvolveu e se organizou em
diferentes sociedades. Antes de analisarmos algumas
situações e formas de trabalho, é necessário que se
responda à algumas perguntas: Para que existe o
trabalho? e quem " inventou" o trabalho?
A primeira questão,
poder-se-ia responder,
afirmando, que o trabalho é a
maneira como o homem se
relaciona com a natureza,
produzindo a partir daí algum
tipo de riqueza. Podemos
afirmar o mais genericamente
possível, que o trabalho existe
para satisfazer as necessidades
humanas, desde as mais simples, como as de alimento e
abrigo, até as mais complexas como as de lazer e de
crença; enfim, necessidade físicas e espirituais. Ainda, o
trabalho é uma criação do ser humano para atender suas
contingências mais amplas. De maneira geral, podemos
afirmar que existem três paradigmas historicamente
construídos, quais sejam, a escravidão, a servidão e o
trabalho assalariado.
O TRABALHO COMO PROBLEMÁTICA
PARA A SOCIOLOGIA
A palavra trabalho vem do latim tripalium:
Tripalium era um instrumento feito de três paus
aguçados, algumas vezes ainda munidos de pontas de ferro, no
qual os agricultores bateriam o trigo, as espigas de milho, para
rasgá-los, esfiapá-los. A maioria dos dicionários, contudo,
registra tripalium apenas como instrumento de tortura, o que
teria sido originalmente, ou se tornado depois. A tripalium se
liga o verbo do latim vulgar tripaliare, que significa justamente
“torturar”.
Essa é uma faceta da realidade evocada no termo
trabalho, aquela que revela a dureza, a fadiga, a dificuldade,
irreversivelmente constitutivas da vida humana. Talvez por isso
não seja incomum encontrar no repertório simbólico de diversas
culturas tal percepção do trabalho como pena.
O único ser vivo capaz de agir além daquilo que seu
equipamento biológico permite de imediato é o homem. Ele não
é provido de asas e de estrutura óssea favorável ao vôo, mas
voa inventando um avião. Ele não está equipado para retirar
oxigênio diretamente da água, mas isso não o impede de descer
ao fundo dos mares, seja em submarinos, seja por intermédio
de equipamentos apropriados como tanques de oxigênio,
escafandros, máscaras, etc. Tudo isso indica que o homem é um
animal ímpar. Embora permanecendo animal, livra-se dos laços
que o prendem à natureza.
O
trabalho
é
um
fazer
exclusivo do ser humano.
1.
O Trabalho Escravo:
Modelo de organização produtiva relacionado às
relações de trabalho características da Antiguidade
Clássica e da América nos séculos XVI à XIX. Nessa
Relação de trabalho ocorre a "coisificação" do ser
humano, o homem transforma-se em objeto, perde sua
identidade e vira mercadoria. A escravidão geralmente
apresenta uma justificativa racista e etnocêntrica.
2.
O Trabalho Servil:
Sistema de relações de trabalho predominantes
na Europa Medieval (V à XV), característico da sociedade
feudal. Na sua composição, o trabalhador que na origem é
livre, passa a tornar-se dependente de um senhor devido
às suas dívidas, gerando portanto a dependência. O servo
não pode ser vendido, emprestado ou negociado
separadamente da terra ao qual este vinculou-se. É
importante destacar, que o trabalho servil do ponto de
vista sociológico
Determinado materialmente como corpo, como organismo, ele
é dotado de vida. E a vida humana suplantada a sua dimensão
biológica, corpórea, orgânica e deixa de ser somente fato para
ser também um valor.
Os gregos, dados às minúcias da intuição e aos
refinamentos da razão, deixaram reflexões argutas sobre a
questão do trabalho e parecem menos ingênuos do que os
contemporâneos. É freqüente encontrarmos, nos textos da
Grécia clássica, formulações em que aparecem o desprezo pelo
trabalho e o culto da única atividade digna do homem livre: o
ócio dos filósofos. Embora tais idéias expressem verdades, vale
a pena tomar conhecimento das reflexões de uma categorizada
autora contemporânea, Hannah Arendt (1897:94-5),
historiadora norte-americana de origem alemã:
3.
O Trabalho Assalariado:
Esta relação de
trabalho surge no contexto da
consolidação do capitalismo, durante a Revolução
Industrial e é caracterizada pela venda da força de
trabalho por parte do operário (leia-se proletariado) para o
capitalista , o dono dos meios de produção (leia-se
fábrica, as máquinas, equipamentos, os instrumentos, etc)
“ Ao contrário do que ocorreu nos tempos modernos, a
instituição da escravidão na Antiguidade não foi uma forma do
obter mão-de-obra barata nem instrumento de exploração para
fins de lucro, mas sim a tentativa de excluir o labor das
condições da vida humana. Tudo o que os homens tinham em
comum com as outras formas de vida animal era considerado
inumano. (Essa era também, por sinal, a razão da teoria grega,
tão mal-interpretada, da natureza inumana do escravo.
Aristóteles, que sustentou tão explicitamente a sua teoria para
depois, no leito de morte, alforriar seus escravos, talvez não
fosse tão incoerente como tendem a pensar os modernos. Não
negava que os escravos pudessem ser humanos; negava somente
o emprego da palavra homem para designar membros da
espécie humana totalmente sujeitos à necessidade) E a verdade
é que o emprego da palavra animal no conceito de animal
laborans, ao contrário do outro uso, muito discutível, da mesma
palavra na expressão animal rationale, é inteiramente
justificado. O animal laborans é, realmente, apenas uma das
espécies animais que vivem na Terra – na melhor das hipóteses
a mais desenvolvida.”
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

Percebe-se que, para os antigos gregos, não estava a adesão irrefletida à escravidão e uma rejeição
Percebe-se que, para os antigos gregos, não estava a
adesão irrefletida à escravidão e uma rejeição do trabalho
como algo indigno em si mesmo. A se crer nas advertências de
Hannah Arendt, eles produziram tal interpretação da realidade
humana do trabalho que o problema da tensão entre liberdade
da razão e a necessidade do labor se exprimia na contradição
entre o animal laborans e o animal rationale.
Exercícios
01. (J.Rendeiro) "O trabalho deve ser identificado como uma
realização humana, capaz de proporcionar ao homem o que ele
necessita" Émille Durkheim
Sobre o conceito de trabalho está correto afirmar que:
a)
É a possibilidade do indivíduo proporcionar riqueza apenas
com sua criatividade pessoal.
b)
É um meio através do qual o ser humano relaciona-se com a
A justificativa da escravidão, feita por Aristóteles em sua
Política, mais que exprimir a apologia da ascendência de um
homem sobre outro, de um homem que se apropria de outro
para explorá-lo, para auferir lucro, aponta a percepção de uma
contradição que perpassa todas as dimensões da vida humana e
que, no caso do trabalho, apresenta-se sempre como um desafio
entre liberdade e necessidade.
Os historiadores modernos, assumindo muitas vezes
acriticamente os reparos e as acusações que os renascentistas
faziam à Idade Média, generalizaram a concepção de que foi um
período de trevas. Com tal afirmação queriam indicar que, entre
os séculos V e XV, o pensamento na Europa ficou enclausurado
pela necessidade que a Igreja tinha de submeter o conhecimento
à fé, de modo que o uso do argumento de autoridade
generalizou-se, impedindo que se pensasse em direção não-
autorizada por essa mesma fé.
O trabalho, que durante a antiguidade grega se realizava
sob forma geral da escravidão, assume, na Idade Média, a
forma geral da servidão. A queda do Império Romano provocou
mudanças na vida das cidades, com o conseqüente
enfeudamento. Por toda a Europa desenvolveu-se uma
sociedade onde contingentes populacionais punham-se sob a
proteção de senhores da terra prestando-lhes homenagem
(promessa de fidelidade do vasslo ao senhor feudal). As
condições gerais dos exercício da atividade produtiva eram,
portanto, análogas, isto é, sob certos aspectos, semelhantes às
da Antiguidade grega.
Do ponto de vista intelectual, o panorama medieval foi
dominado pelas duas sínteses filosóficas das verdades cristãs
elaboradas por Santo Agostinho, no século V, e por Santo
Tomás de Aquino, no século XIII. Essas sínteses traduziam o
credo cristão utilizando as referências filosóficas dos gregos,
respectivamente Platão e Aristóteles. Elas influenciaram as
reflexões sobre o homem, incluindo aquelas sobre o fazer
humano, sobre o trabalho.
Durante a Antiguidade grega a preocupação de reafirmar a
liberdade do homem no âmbito da necessidade levou a uma
visão do trabalho que o considerava indigno e servil, à medida
que atava o homem ao reino da necessidade.
Na idade Média permanece a influência teórica de Platão e
Aristóteles e, por isso o problema é pensado mais ou menos nos
mesmos termos, mas já com uma diferença marcante.
Santo Tomás de Aquino considera o trabalho um bem.
Um bem árduo, mas um bem. Tanto que o papa João Paulo II
utiliza o texto do teólogo medieval como fonte de inspiração para
fazer uma veemente e explícita afirmação da intrínseca
dignidade do trabalho humano.
Com o fim da Idade Média, irrompeu o Renascimento.
Esse complexo movimento de natureza filosófica, científica e
artístico-cultural, ocorrido nos séculos XV e XVI, revolucionou a
Europa medieval e lançou as bases de uma nova concepção do
trabalho. Inaugurou uma era de inversão das concepções sobre
o trabalho humano que chegou ao auge nas proposições de
glorificação do trabalho próprias da modernidade.
natureza e com a tecnologia para produzir riqueza.
c)
É a possibilidade de desenvolvimento de uma determinada
civilização a partir do desempenho laborial do ser humano.
d)
É a capacidade do ser humano de diferenciar o que é um
fenômeno social de um fenômeno natural
e)
É tudo o que pode ser transformado em riqueza financeira,
para desenvolver qualquer atividade econômica.
02. (FUVEST) Quanto a servidão na Idade Média, marque a
alternativa que assinala as afirmativas corretas:
I. O servo assemelha-se ao escravo na medida em que pode ser
comercializado livremente, transformando-se em coisa.
II. A servidão está relacionado ao trabalho do camponês livre,
que vende sua força de trabalho em troca de uma remuneração
que ocorre in natura.
III. O servo tem sua origem relacionado ao trabalhador livre que
com o acúmulo das dívidas fica preso a terra e dependente do
senhor feudal.
Estão corretas:
a)
apenas a I
d) apenas a II e III
b)
apenas a II
e) todas as afirmativas
c)
apenas a III
03. (UNICAMP) O trabalho do proletário está diretamente
relacionado ao trabalho assalariado, durante o processo de
urbanização e industrialização a partir do século XVIII. Sobre o
tema, está correto:
a)
O trabalho assalariado está diretamente relacionado ao
mundo liberal e descentralizado politicamente característicos da
modernidade.
b)
O trabalho do proletário caracteriza-se pela venda da força de
trabalho, sua propriedade, ao capitalista.
c)
O proletariado consegue reunir em torno de sí, no trabalho
assalariado o que ele necessita para garantir sua sobrevivência.
d)
O capitalista, dono dos meios de produção, paga ao
proletariado o que ele merece pela dedicação ao trabalho regular
e)
Na relação capitalista, o trabalhador, detentor dos meios de
produção, vende a sua força de trabalho para o capitalista.
04.
(UFU)
Marque
a
alternativa que consta as afirmativas
corretas:
I. A servidão é a relação de trabalho característica da
antiguidade, marcada pela submissão do trabalhador à terra.
II. A escravidão caracterizou-se como a forma de exploração da
força de trabalho do ser humano, justificado geralmente por um
discurso racista.
III. O trabalho assalariado é caracterizado pela remuneração
regular do trabalhador, pela venda de sua força de trabalho
a)
I
b)
I e II
c)
II e III
d)
II
e)
III
ANOTAÇÕES: ________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
VESTIBULAR – 2009
1 CONTEÚDO 05 PROFº: EDILSON VIANA O Trabalho na Sociedade Capitalista e as Transformações Recentes no
1
CONTEÚDO
05
PROFº: EDILSON VIANA
O Trabalho na Sociedade Capitalista e as
Transformações Recentes no Mundo do trabalho.
A Certeza de Vencer
KL 140308
especialização); a subordinação do trabalhador à linha de
I. O TRABALHO NA SOCIEDADE CAPITALISTA:
montagem; o desconhecimento da produção final (a
Podemos afirmar que na sociedade capitalista o
alienação); e a produção em massa para um consumo em
trabalhador é detentor de sua força de trabalho, que é
massa.
vendida ao capitalista, dono dos meios de produção, em
troca de uma remuneração que é suficiente para garantir a
2. Pós-Fordismo ou Acumulação Flexível:
sobrevivência do mesmo e sua consequente reprodução,
A partir da década da 70, principalmente após as
garantindo desta forma a multiplicação do contingente de
sucessivas crises
do
petróleo
(1973
e
1979) a
trabalhadores. É importante ressaltar que no sistema
organização da produção e do trabalho nas sociedades
capitalista existe uma exploração funcional do trabalhador,
capitalistas passaram por uma série de transformações
que garante a composição do lucro do capitalista, qual
que ficaram conhecidas como pós-fordismo ou
seja, a mais-valia.
acumulação
flexível.
Neste
novo
modelo
podemos
A mais-valia deve ser entendida como tudo aquilo
destacar:
a
massiva
automação,
com
o
advento
da
que é subtraído do trabalhador pelo capitalista durante o
robótica; o trabalhador passa a limitar a sua atuação ao
cotidiano na exploração de sua força de trabalho e na
controle e supervisão; a flexibilização do mercado de
remuneração desse trabalhador, ou também :
trabalho,
com
o
surgimento
do
trabalho
temporário,
subcontratação,
a
terceirização,
etc;
além
disso,
"(
...
)
é a forma específica que assume a exploração sob o
passamos
a
ter
a
flexibilização
da
produção
e
do
capitalismo, a diferença específica do modo de produção
consumo, com o aumento do marketing e da propaganda
capitalista, em que o excedente toma a forma de lucro e a
o consumo passa a criar novas exigências e
exploração resulta do fato da classe trabalhadora produzir
conseqüentemente surge um nova forma de se produzir,
um produto líquido que pode ser vendido por mais do que
nada mais em massa, sendo assim a produção passa a
ele recebe como salário."
ser segmentada.
Dicionário do Pensamento Marxista, Tom Bottomore, p.
227
ANOTAÇÕES
"São as horas trabalhadas e não pagas que, acumuladas
______________________________________________
e reaplicadas no processo produtivo, vão fazer com que o
______________________________________________
capitalista enriqueça rapidamente. E assim, todos os dias,
isso acontece nos mais variados pontos do mundo: uma
______________________________________________
parcela significativa do valor-trabalho produzido pelos
______________________________________________
trabalhadores é apropriada pelos capitalistas. Esse
processo denomina-se acumulação de capital. Em outros
______________________________________________
termos, portanto, capital nada mais é do que o trabalho
______________________________________________
não pago, isto é, aquela parte que o trabalhador produz e
que não lhe é paga (mais-valia) vai para os bolsos do
______________________________________________
patrão"
______________________________________________
Iniciação à Sociologia, Dácio Tomazi, p 50
______________________________________________
II. AS TRANSFORMAÇÕES RECENTES NO MUNDO DO
______________________________________________
TRABALHO:
______________________________________________
1. Fordismo:
______________________________________________
No início
do
século XX, a
partir da
I Guerra
Mundial (1914-
______________________________________________
1919) o processo de
______________________________________________
industrialização
norte-americana
alcança a sua consolidação, devido
______________________________________________
principalmente a necessidade de
______________________________________________
suprir
o
mercado
consumidor
europeu.
É nesse contexto,
que
______________________________________________
Henry Ford passa a implementar
______________________________________________
em suas fábricas de automóveis
Hery Fortd
uma
série
de
modificações
que
______________________________________________
iriam
predominar
na
organização
produtiva
e
na
______________________________________________
organização do
trabalho
em quase todo o mundo
capitalista até aproximadamente a década de 70. Dentre
______________________________________________
as características que marcaram o fordismo, podemos
______________________________________________
identificar:
a
extrema
divisão
das
tarefas
(leia-se
a
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009
Exercícios Estão corretas: a) I 01. (UFU) "( ) é a forma específica que assume
Exercícios
Estão corretas:
a)
I
01. (UFU) "(
)
é a forma específica que assume a
b)
II
exploração sob o capitalismo, a diferença específica do
c)
I e II
modo de produção capitalista, em que o excedente toma a
d)
I, II e III
forma de lucro e a exploração resulta do fato da classe
e)
II e III
trabalhadora produzir um produto líquido que pode ser
vendido por mais do que ele recebe como salário."
04. (J. Rendeiro) Em mais de dois quartos do século XX,
Dicionário do Pensamento Marxista, Tom Bottomore, pág.
o fordismo predominou como modelo de organização do
227.
trabalho nas sociedades capitalistas. Entre as suas
O Modo de produção capitalista apresenta em sua
características não podemos afirmar:
organização do trabalho, seja em qual fase for, o acumulo
a)
Apresentou uma profunda especialização do trabalho,
do capital através da mais-valia, sobre este conceito
onde o operário fica preso a linha de montagem.
marxista podemos afirmar que:
b)
A produção em massa e o consumo em massa marcam
a)
Deve ser entendido a partir da busca constante do
o modelo fordista de produção, iniciado por Henry Ford
detentor dos meios de produção de equilíbrio investimento
em suas fábricas nos Estados Unidos.
feita em capital produtivo, deduzindo daí os impostos e
c)
Apresentou uma definida divisão do trabalho, onde o
tributos cobrados.
operário desenvolve apenas uma função repetitiva e
b)
É a possibilidade do trabalhador ou proletário de
rotineira.
alcançar a satisfação da sua necessidade fundamental na
d)
A produção no modelo fordista está diretamente
manutenção de sua natureza de proprietário da sua força
relacionada ao avanço das técnicas de robótica e a
de trabalho negociada com o capitalista.
profunda automação industrial.
c)
É toda forma possível de exploração da força de
e)
Apresenta um operário alienado, desprovido da noção
trabalho do operário entendido somente a partir do
do produto final, fruto do seu desempenho.
trabalho comercial e da subtração do seu esforço diária
empregado na linha de montagem.
05. (J. Rendeiro) A partir da década de 70 uma série de
d)
É a exploração do trabalhador pelo capitalista dono dos
transformações marcaram a economia mundial,
meios de produção, que aliena do seu funcionário todo o
principalmente em decorrência da crise do petróleo em
esforço equivalente ao excedente daquilo que ele
1979. Essas transformações contribuíram para a criação
produziu subtraído o que ele recebeu pele seu trabalho.
de uma nova organização do trabalho nas sociedades
e)
Deve ser entendido como qualquer forma de
capitalistas conhecida como acumulação flexível. Sobre
exploração capitalista, onde o trabalhador é
este modelo é correto afirmar:
conscientemente obrigado a aceitar as condições
a)
Proporcionou uma maior automação e incremento
proporcionadas pelo seu empregador e com isso, ele
tecnológico na produção, em que o trabalhador está preso
garante uma correta remuneração.
a linha de montagem.
b)
Neste modelo o trabalhador apresenta um total
02. (UEL) Quanto ao conceito marxista de mais-valia está
conhecimento do produto final de seu ofício, participando
correto:
de todas as etapas da produção.
c)
O trabalhador limita-se ao controle e supervisão da
a)
É a possibilidade de ganho econômico real por parte do
produção, quase toda entregue às máquinas, no contexto
trabalhador
de automação e da robótica.
b)
É a alienação do trabalhador proporcionado pela
d)
Assim como no fordismo, neste modelo a produção
mecanização da produção
também é em massa responsável por um consumo na
c)
É a substituição progressiva do trabalho manual pelo
mesma direção.
trabalho da máquina.
e)
Neste modelo a produção atende a demanda do
d)
É a garantia obtida pelo capitalista de ganho real sob a
consumo, sempre em massa, e com uma constante
atividade comercial.
especialização do trabalhador.
e)
É toda a hora de trabalho que o capitalista aliena do
trabalhador.
03. (UFES) Leia as afirmativas e marque a alternativa
correta:
I. O fordismo é uma forma de organização do trabalho
característica da sociedade industrial, que proporciona
uma produção em massa e uma profunda especialização
do trabalho;
II. O trabalhador na organização fordista de produção
desconhece a produção final fruto do seu trabalho, assim
como, fica presa o linha de montagem com funções
repetitivas e rotineiras.
III. No fordismo o trabalhador apresenta um elevado grau
de qualificação, proporcionado pela aplicação de
conhecimentos técnicos na administração do trabalhador
e da produção, além de apresentar uma produção
flexibilizada.
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009
1 CONTEÚDO 06 EXERCÍCIOS PROFº: EDILSON VIANA A Certeza de Vencer JACKY18/03/08 01. O marxismo contribuiu
1
CONTEÚDO
06
EXERCÍCIOS
PROFº: EDILSON VIANA
A Certeza de Vencer
JACKY18/03/08
01. O marxismo contribuiu para a discussão da relação
d)
Altas taxas de sindicalização entre os trabalhadores
entre indivíduo e sociedade. Diferente de Emile Durkhein
aliadas a grandes oportunidades de avanços na carreira.
e Marx Weber, Marx considerava que não se pode pensar
e)
Baixa qualificação do trabalhador acompanhada de má
a relação indivíduo – sociedade separadamente das
remuneração do trabalho e alta rotatividade.
condições materiais em que essas relações se apóiam.
03. No final de 2000 o jornalista Scott Miller publicou um
Para ele, as condições materiais de toda a sociedade
artigo no The Street reproduzida no Estado de S. Paulo
condicionam as demais relações sociais. Em outras
(13 dez. 2000), com o titulo "Regalia para empregados
palavras, para viver, os homens têm de, inicialmente,
compromete os lucros da Volks na Alemanha". No artigo
transformar a natureza, ou seja, comer, construir abrigos,
ele afirma: "A Volkswagen vende cinco vezes mais
fabricar utensílios, etc., sem o que não poderia existir Para
automóveis do que a BMW, mas vale menos no mercado
Marx qual é o ponto de partida para o estudo de qualquer
do que a rival. Para saber por que, é preciso pegar um
sociedade?
operário típico da montadora alemã. Klaus Seifert é um
veterano da case. Cabelo grisalho, Seifert é um planejador
a)
As condições materiais e espirituais de cada
eletrônico de currículo impecável. Sua filha trabalha na
comunidade ou grupo social.
montadora e. nas horas vagas, o pai dá aulas de
b)
As relações sociais que os homens estabelecem entre
segurança no trânsito em escolas vizinhas. Mas Seifert
si para utilizar os meios de produção e transformar a
tem, ainda, uma bela estabilidade no emprego. Ganha
natureza, ou seja, a produção é a raiz de toda a estrutura
mais de 100 mil marcos por ano (51.125 euros), embora
social, que condiciona a política, as classes, a cultura e
trabalhe apenas 7 horas e meia por dia, quatro dias por
todo o resto da sociedade.
semana. 'Sei que falam que somos caros e inflexíveis
c)
Identificar as várias fases do sistema social capitalista e
protesta o alemão durante o almoço no refeitório da sede
como se estabelecem as relações sociais de produção,
da Volkswagen AG. 'Mas o que ninguém entende é que
bem como a apropriação por parte da burguesia das
produzimos veículos muito bons?”
riquezas produzidas pela classe operária.
d)
Identificar as classes sociais dentro da produção, passo
A relação entre lucro capitalista e remuneração da
principal para identificar os vários modos de produção na
força de trabalho pode ser abordada a partir do conceito
história, ou seja, do primitivo ao capitalista e as relações
de mais-valia, definido como aquele ' valor produzido pelo
de exploração do homem peio homem.
trabalhador [e] que é apropriado pelo capitalista sem que
e)
Identificar dentro da estrutura social o papel na
um equivalente seja dado em troca:
produção da classe dominante e a formação do estado,
elemento que cria as classes sociais.
(BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento marxista. Rio de
Janeiro. Jorge Zahar, 1998. p.227).
Com o intuito de ampliar a taxa de extração de mais valia
02. "No tempo em que os sindicatos eram fortes, os
absoluta, qual seria a medida imediata mais adequada a
trabalhadores podiam se queixar do excesso de
ser tomada por uma empresa de automóveis?
velocidade na linha de produção e do índice de acidentes
sem medo de serem despedidos. Agora, apenas um terço
a)
Aumentar o número de veículos vendidos.
dos funcionários da IBP [empresa alimentícia norte-
b)
Transferir sua fábrica para regiões cuja força de
americana] pertence a algum sindicato. A maioria dos
trabalho seja altamente qualificada.
não sindicalizados é imigrante recente; vários estão no
c)
Incrementar a produtividade por meio da automatização
pais ilegalmente: e no geral podem ser despedidos sem
dos processos de produção.
aviso prévio por seja qual for o motivo. Não é um arranjo
d)
Ampliar os gastos com capital constante, ou seja, o
que encoraje ninguém afazer queixa. [
...
]
A velocidade das
valor dependido em meios de produção.
linhas de produção e o baixo custo trabalhista das fábricas
e)
Intensificar a produtividade da força de trabalho sem
não sindicalizadas da IBP são agora o padrão de toda a
novos investimentos de capital.
indústria. "
(SCHLOSSER, Eric. Pa/s Fast-Food. São Paulo: Ática, 2002. p. 221.)
04. Leia o texto a seguir:
No texto, o autor aborda a universalização, no campo
Estado e Violência
industrial, dos empregos do tipo Mcjobs "McEmprego",
comuns em empresas fast-food. Assinale a alternativa que
Sinto no meu corpo
apresenta somente características desse tipo de emprego.
A dor que angustia
A lei ao meu redor
a)
Alta remuneração da força-de-trabalho adequada a
A lei que eu não queria
especialização exigida pelo processo de produção
Estado violência
automatizado.
Estado hipocrisia
b)
Alta
informalidade
relacionada
a
um
ambiente
de
A lei que não é minha
estabilidade e solidariedade no espaço da empresa.
A lei que eu não queria (
...
)
c)
Baixa
automatização
num
sistema
de
grande
responsabilidade e de pequena divisão do trabalho.
(TITÃS. Estado e violência. In: Cabeça dinossauro. [S.L] WEA, 1986,
l CD (ca. 35' 97"). Faixa 5 (3'07").
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009
Letra da música Estada Violência", dos Titãs, revela; a São corretas: percepção dos autores sobre a
Letra da música Estada Violência", dos Titãs, revela; a
São corretas:
percepção dos autores sobre a relação entre o indivíduo
e o poder do Estado. Sobre a canção, é correto afirmar:
a)
I, II e III.
b)
l e III.
a)
Mostra um indivíduo satisfeito com a situação e que
c)
l e IV.
apóia o regime político instituído.
d)
l, II e IV.
b)
Representa um regime democrático em que o
e)
II, III e IV.
indivíduo participa livremente da elaboração das leis.
c)
Descreve uma situação em que inexistem conflitos
08.
Segundo
a
teoria
Weberiana, são
corretas
as
entre o Estado e o indivíduo.
afirmações, Exceto:
d)
Relata os sentimentos de um indivíduo alienado e
indiferente à forma como o Estado elabora suas leis.
a)
O historicismo é entendido como uma tarefa do
e)
Apresenta um indivíduo para quem o Estado é
cientista como forma de compreensão das sociedades.
autoritário e violento, e indiferente a sua vontade.
b)
A tarefa do cientista é descobrir os possíveis sentidos
das ações humanas presentes na realidade social que
05.
Método de pesquisa desenvolvido por Weber,
lhe interesse estudar.
baseado no esforço interpretativo do passado e de sua
c)
A ação social gera efeitos sobre a realidade em que
repercussão nas características peculiares das
ocorre, e tais efeitos escapam ao controle e à previsão
sociedades contemporâneas.
do agente.
d)
Os fatos sociais são coisas que devem ser vistas e
a)
Compreensivo.
analisadas.
b)
Dialético.
e)
O que garante a cientificidade de uma explicação é o
c)
Positivista.
método de reflexão e não diretamente o fato social.
d)
Materialismo histórico.
e)
Comparativo
09. Um dos trabalhos mais conhecidos de Weber é ética
protestante e o espírito do capitalismo, que trata:
06.
O
materialismo
histórico
foi
a
corrente mais
revolucionária do pensamento social, tanto no campo
a)
Da revolução ocorrida no campo religioso.
teórico como no da ação política. E o Materialismo
b)
Da reforma Religiosa ocorrida na Europa e seus
histórico pode ser conceituado como:
reflexos na sociedade ocidental.
c)
Relaciona o papel do protestantismo na formação do
a)
Período de transição do socialismo para o
comportamento típico do capitalismo ocidental moderno.
comunismo, durante o qual as condições materiais são
d)
Relaciona à crise social atrelada a reforma
criadas para a construção do socialismo.
econômico-social vivida pela igreja católica.
b)
Filosofia formulada por Marx e Engels que
e)
Busca desvincular o capitalismo das doutrinas
desenvolve em estreita conexão com os resultados da
protestantes.
ciência e com a prática do movimento operário
revolucionário.
10.
Com
relação
a sociologia clássica de Marx,
c)
Doutrina marxista do desenvolvimento da sociedade
podemos afirmar:
humana, que vê no desenvolvimento dos bens materiais
necessários á existência a força primeira que determina
I. Afirma que as relações entre os homens são relações
toda a vida social, que condiciona a transição de um
de oposição, antagonismo e exploração.
regime social para outro.
II. Mostra que a industrialização, a propriedade privada
d)
Corrente hostil ao marxismo que defende a natureza
e o assalariamento separavam o trabalhador dos meios
como fonte de sobrevivência.
de produção.
e)
Etapa que se segue ao socialismo, quando as
Ill. Defende a idéia de que as ações sociais são
classes deixam de existir e o Estado se extingue.
responsáveis pelas desigualdades sociais.
IV. Defende a idéia de que no capitalismo o trabalhador
07.
Com relação à maneira do homem produzir os bens
perde a posse do trabalho, naquilo que ele chama de
materiais necessários a sua sobrevivência, ou seja, o
alienação.
Modo de produção Social pode afirmar:
São corretas:
I. Seu estudo é fundamental para compreender como se
organiza e funciona uma sociedade e sua economia.
a)
l e II.
II. No modo de produção primitivo não era visível a
b)
III e IV.
noção de propriedade privada.
c)
l, II e IV.
IlI. O modo de produção asiático foi a primeira forma
d)
l, II e 111.
que se seguiu à dissolução da comunidade primitiva.
e)
Todas são corretas.
IV. Quando um modo de produção começa a apresentar
contradições e problemas estruturais, a tendência é
entrar em decadência e ser substituído por uma outra
forma de organização econômica.
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009
1 CONTEÚDO 08 SURGIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO PROFº: EDILSON VIANA MODERNO II. A Certeza de
1
CONTEÚDO
08
SURGIMENTO E DESENVOLVIMENTO DO ESTADO
PROFº: EDILSON VIANA
MODERNO II.
A Certeza de Vencer
GE030408
Eixo Temático: Sociedade, Estado e Cultura,
A “Fabrica Global” é uma mudança quantitativa
e indica
uma
quantitativa e qualitativa do sistema capitalista. As fronteias da produção
Unidade II – Poder, Política e Estado Moderno.
I
– NOÇÃO GERAL:
capitalista são derrubadas. Segundo a lógica da melhor condição de
produção? Mão-de-obra barata, matéria prima fácil, leis ambientais
incompletas e tributos estatais reduzidos.
O mundo vira uma grande fábrica
e o povo pobre,
efinir
o
conceito
de
Globalização
é
no
mínimo uma
um operário de um patrão que
não
tem rosto. Cria-se uma
tarefa contraditória
e
penosa.
Mesmo
assim vamos
a
relação extremamente impessoal. Toda
ela: existem pensadores
que
afirmam
ser
a
economia
de
um
país
torna-se
dependente
D
globalização é um processo que o capitalismo inaugura
desde o seu surgimento no século XV, com o fim
da estrutura feudal, com o Renascimentos, a
Expansão marítima e o Capitalismo comercial, que veio
se formatando em todas as fase do mesmo modo de
produção e que hoje chega na sua fase mais
de uma economia global.
Para
Otávio
Lanni, metáfora Aldeia Global
relaciona a
velocidade da informação necessária para
sustentar a
fabrica
global,
ou seja, a produção
consolidada. Para outros,
podemos
falar
em
sem pátria.
Em sua crítica o autor percebe o discurso ideoló gico
que permeia a globalização.
globalização ainda no expansionismo romano do século
O Tecnolucrocentrismo
é a mentalidade trabalhada
III a.C.
Na
Sociologia
existe
um
debate mais
na globalização é uma verdade absoluta.
Supera o homem e o próprio criador (Deus). Se
fizermos
delimitado. Os Sociólogos reconhecem o fenômeno global
do capitalismo desde a sua gênese, mas, no entanto,
uma breve viagem no tempo e observamos a mentalidade
medieval
européia, iremos identificar
o projeto teocêntrico
trabalham a Globalização como
um fenômeno que caracteriza a
globalizador da igreja
católica através das cruzadas. Porém
fase atual do capitalismo,
a partir dos anos 80 - 90, como afirma Octávio
Lanni em Sociedade Global
ou
como
prefere
Alex
Fiúza de Meto
(Sociólogo, Cientista
Político
e
atual
reitor
da
UFPA)
em
seu
“Mundialização
e
Processo
Civilizatório em Marx”. Dessa forma,
a
frustrado, mediante a barreira Islâmica. Hoje o capitalismo supostamente
vencedor, elabora um projeto globalizador, que nem Deus nem o homem é o
centro.
Mas sim o dinheiro e a tecnologia. As relações sociais são reduzidas a essa
Globalização deve ser entendida como um processo amplo que
permeia
a
economia, a economia do Estado e até mesmo a cultura e que comprimi o
binômio espaço-tempo, consolidando-se com o fim da Guerra-fria, as crises
do capitalismo e o avanço tecnológico.
II – PAPEL DO ESTADO NA ERA GLOBAL:
A questão que nos interessa neste tópico do programa é esta: Qual
o papel do Estado na atual conjuntura global? Para fazermos essa avaliação é
preciso que tenhamos em mente o modelo de Estado que marcou o mundo
capitalista da década de 30 até os anos 80, qual seja, o Estado Keynesiano
(Welfar State), que garantia liberdade na economia mas que no entanto
intervia para evitar as crises e que também gastou grandes montantes de
recursos públicos na construção de grandes obras e na criação de empresas
estatais.
nova lógica de mundo, onde passa a ser normal a universalização de
vestimentas e padrões de serviços. Podemos citar como exemplo: a rede Mac
DONALD’S que globalizou o serviço e o gosto por HOT-DOG. Entrar em uma
lanchonete, em qualquer parte do mundo globalizado, é um desafio para a
linguagem local visto que só matarei minha fome se conseguir pronunciar o
MENU em INGLÊS, Os dialetos e as línguas tornam-se secundárias, mediante
a necessidade da língua global.
A crise da razão, do indivíduo, estão relacionadas. Aquilo que o
renascimento deu início no século XIV e foi concretizado pelo iluminismo no
século XVIII. Está sendo negligenciado hoje na globalização, o ser humano
passa a ser treinado e não educado. O universalismo da razão ocidental
mudou radicalmente de proposta em 500 anos. Podemos perceber três
momentos da razão ocidental:
1.
A proposta de revigoramento do Humanismo, no Renascimento.
Na década de 80, após as grandes crises do capitalismo
(relacionadas ao petróleo em 73 e 79), este modelo de Estado que
apresentava-se robusto passou por reformulações. Era necessário diminuir o
Estado, reformá-lo, fazer com que ele passasse a ser mais ágil e preocupado
apenas com as questões sociais e estratégias, como a educação, saúde e
segurança pública. Portanto, a partir daí os Estados passaram por uma
crescente onda de privatizações, programas de demissão voluntária e
reformulações em sua estrutura, com o discurso de que era necessário
“emagrecer” o Estado para torná-lo mais ágil. Esse é o Estado Neoliberal,
preconizado por Milton Friedmam e Hayek, onde o Estado não regulará a
economia deixando-a livre aos controles do próprio mercado, retomando em
sua essência a Liberalismo Clássico. Podemos afirmar, então, que o Estado na
Era da Globalização é o Estado Neoliberal, que podemos identificar pela
primeira vez nos Estados Unidos com Ronald Reagan e na Inglaterra com
Margareth Tatcher.
BIBLIOGRAFIA FUNDAMENTAL – LAKATOS. Eva Maria & MARCONI,
Marina Sociologia Geral. São Paulo: Atlas, 7ª Edição, 1999 TOMAZI, Nelson
Dácio. Iniciação à Sociologia. São Paulo. Atual Editora, Edição, 2000
2.
O homem e a razão acima de tudo, no Iluminismo.
3.
A globalização, que cria a razão do lucro, do merecido, da qualidade total,
GLOBALIZAÇÃO
A Aldeia Global, uma metáfora que indica
o desenvolvimento de uma “Comunidade Mundial”.
Afirmada com as realizações e as possibilidades de
comunicação e informação aberta pela eletrônica,
com o desenvolvimento tecnológico no campo das
comunicações, uma informação pode correr o
mundo em minutos, tomando o fato relatado, em
uma discussão generalizada como um comentário de
vizinhos. Todos os locais do planeta, que estejam
ligados a essa rede de telecomunicações, estarão
comentando o ocorrido, não importa a distância do
fato. Na aldeia global a informação é uma moeda de
extremo valor, e uma consciência coletiva e
fabricada, conforme determinados interesses, é esse fato que reside o perigo
da aldeia global, ou seja, a manipulação “ON LINE”.
da massificação. Toda essa “razão” acaba afastando do homem. Esse é o
ponto fraco do sistema: o ser humano vazio, robotizado. Dentro de uma
cultura que esquece de valores seculares, como: Deus – emoção e o homem
- razão. Essa intertextualização acaba sendo rompida com a proposta da
razão acidental da globalização. Para finalizar devemos lembrar da proposta
artística do renascimento de Miguel Ângelo, com sua obra A Criação de Adão
(Afresco da Capela Sistina), onde Deus e o homem estão se tocando,
celebrando algo que começa a ser passado, dentro da
nova ordem.
O homem é o principal projeto, nada existe
sem ele. Pois ele tem razão para nomear todo que
existe. Sem o homem e a sua razão, nem Deus existiria
– A razão é o homem, como ser, e não como um mero
consumidor do HOT-DOG da mac DONALD’S.
A razão da globalização atropela o homem,
na medida em que tenta globalizar nossa emoção e
atitudes. O homem é indivíduo, e como tal não pode ser
generalizado. Ele pertence primeiramente a si, a uma
família, a um Município, a uma Região, a um Nação, a uma Cultura e só
depois ao Planeta e ao Universo.
“O Homem está condenado a ser livre”
(Sartre)
01. (UFF) O Neoliberalismo dos tempos atuais é tanto uma política econômica
voltado para a consolidação do estado Mínimo, quanto um programa
ideológica que prega um programa a adesão de todos aos seus princípios.
Estes dois aspectos do neoliberalismo convergem para:
a)
A mundialização do padrão fordista de produção industrial.
b)
A reemergência do Estado de Bem-estar social, em escala planetária.
c)
O surgimento do fenômeno da globalização.
d)
As metamorfoses do trabalho, mediante sua precarização, flexibilização e
descentralização.
e)
A hegemonia britânica inaugurada pelo governo Tatcher.
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

VESTIBULAR – 2009

(ENEM) Você esta fazendo uma pesquisa sobre globalização e lê a d) Voltada apenas para desigualdade.
(ENEM) Você esta
fazendo uma pesquisa
sobre
globalização e
a
d)
Voltada
apenas
para
desigualdade.
e)
A sociedade global
humana.
07.
a)
subordinado inteiramente ao social.
b)
A sociedade nos define, mas é por sua vez definida por nós.
c)
indivíduo.
d)
visto que o ser coletivo anula totalmente o ser indivíduo.
e)
o homem é muito mais um projeto biológico, do que social.
08.
História da sociedade ou grupos. Por exemplo:
O Capitalismo Globalizado está eliminando as particularidades culturais dos
A cultura, transmitidas por empresas transnacionais tornou-se u fenômeno
A globalização do capitalismo neutralizou o surgimento dos movimentos
O capitalismo globalizado atinge apenas a Europa e a América do Norte.
Empresas transnacionais pertencem a países de uma mesma cultura.
(UFMG) Sobre as críticas que o Estado Neoliberal faz ao Estado de Bem-
O Estado apresenta-se inchado, complexo e sem força para garantir o livre
O Estado não consegue-movimentar-se, pois é responsável pela
a)
Aculturação, ou seja, a perda de sua identidade cultural.
b)
Contra - cultura, movimento contrário aos padrões aceitos.
O Estado apresentou-se enquanto uma alternativa legítima para
c)
humanidade.
É necessário modernizar o Estado, diminuí-lo, pois este não consegue
d)
os melhores.
É fundamental que o Estado passe por uma grande reforma, que perca
e)
humanidade.
(UFU) Quanto ao fenômeno Global é correto afirmar que:
09.
Promove uma total integração do mundo contemporâneo, diminuindo com
Propiciou aos países do sul do equador um maior desenvolvimento
Promoveu na participação do Estado o resgate de tradições, assentadas
Garantiu uma total homogeneização dos padrões culturais.
Todas as criticas a globalização geralmente apontam para o problema:
Promoveu
uma
adequação das
economias mundiais
ao
solidarismo
a)
(PUCRS) Quanto a relação entre o Estado e a Globalização não podemos
b)
A globalização exige um redimensionamento do papel do Estado, tomado-o
O Estado; na era globalizada; assume as garantias do livre mercado.
A Globalização, proporcionou um grande programa de desestatização da
c)
Da perda do Estado Nação em virtude da elevação do Estado Global.
d)
da cultura nacional.
O Estado adquiri uma amplitude em sua atuação, responsabilizando se por
e)
das sub-culturas, que passaram como rolo sobre a cultura nacional.
O Estado não representa barreira para o investimento do capital na era
10.
contrário
dos
bonecos,
temos
a
faculdade
de
parar
nossos
(Peter L. Berger Sociólogo Norte Americano)
a)
de eleições e o nivel de corrupção.
Moderna de pensamento crítico e humanístico. Como ciência tenta ser
b)
A realidade do mercado de trabalho, ou seja, mais formal ou informal.
c)
sociedade mais frágeis.
Neutra em sua discussão, buscando na sociedade aquilo que ela deveria
d)
soberania e liberdade de um povo.
Antiga de pensamento social, onde de forma filosófica deve discutir os
e)
O número de pessoas com formação universitária e consciência.

02.

a)

povos da terra.

b)

c)

d)

e)

03.

a)

mercado.

b)

c)

d)

e)

04.

a)

b)

econômico.

c)

no neoliberalismo.

d)

e)

mercadológico.

05.

afirmar:

a)

mínimo.

b)

c)

economia.

d)

vária empresas.

e)

globalizada

06.

"Ao

a)

b)

c)

seguinte passagem, em um livro:

As pessoas se alimentam, se vestem, moram, se comunicam, se divertem, por meio de bens e serviços mundiais, utilizando mercadorias produzidas pelo capitalismo mundial, globalizado. Suponhamos que você vá com seus amigos como um Big Mac e tomar Coca-Cola no Mac Donald's. Em seguida, assiste a um fume do Steven Spilberg e volta para casa num ônibus de marca Mercedes. Ao chegar em casa, liga seu aparelho de TV Philips para ver o videoclipe de Michael Jackson e, em seguida deve ouvir um CD da grupo Simple Red, gravado pela BMG Ariola discos em um equipamento AIWA. Veja quantas empresas transnacionais estiveram presentes neste seu curioso programa de algumas horas.

Com base nos textos e nos seus conhecimentos de Geografia e História, marque a resposta correta:

criador de novas nações.

nacionalista de forte cunho cultural e divisionista.

estar social (baseado nos princípios Keynesianos), só não se situa:

administração das estatais.

administrar os problemas da modernidade.

atender as novas demandas da globalização.

algumas empresas para que se torne mais ágil.

isso, os conflitos culturais existentes.

movimentos, olhar para o alto e perceber a engrenagem que nos move.

Neste ato está o primeiro passo para a liberdade".

Essa reflexão sociológica aponta para a Sociologia uma função especialmente:

objetiva, controlar suas preferências e preconceitos, percebe claramente ao invés de julgar.

ser e não o que ela é.

problemas humanos que refletem ao longo da História.

a discussão dos problemas gerados pela

Política, visto que discute apenas a função do Estado na sociedade

As visões sociais de Durkheim e de Weber enfocam aspectos diferentes

da realidade social. É inteiramente correto dizer que a sociedade é um fato objetivo, que nos coage e até nos cria. No entanto, também é correto dizer:

A sociedade é apenas definida pelas tradições, visto que o indivíduo é

A sociedade vive por conta própria e não depende do reconhecimento do

O homem por ser social, não depende de uma individualidade para viver,

A sociedade não apresenta grande função na existência humana, visto que

As práticas sociais são variadas, dependendo das necessidades ou da

• Os modos de governar podem ser democráticos, autoritários ou totalitários. • As pessoas podern adorar o sagrado jejuando, dançando, orando, meditando, oferecendo sacrifícios, jazendo caridade, renunciando aos prazeres terrenos. As práticas sociais obedecem ao principio da relatividade cultural (Pedro Scuro: PHD pelo Dep. de Políticas Sociais e Sociologia, da Universidade de Leeds: Inglaterra).

Toda essa criatividade e diversidade é a marca da humanidade e uma questão de cidadania. Porém as pessoas geralmente desconhecem ou desprezam tal princípio, preferindo acreditar que tudo que fazem deve ser lógico, o mais correto e apropriado ás situações sociais. Os sociólogos chamam esse comportamento de:

Cultura Material: A capacidade de criar instrumentos. Marca da

Etnocentrismo: Tendência a crer que nossos modos de viver e fazer se são

Relatividade Cultural: A capacidade de identificar a marca diversa da

"A Globalização está em marcha". Todas as utopias de ontem são, com

efeito, as indústrias de hoje. O computador reina e, com ele, a Comunicação Universal, uma mesma e única atualidade reina sobre a face da terra. Criou- se um novo meio vital que não é mais composto de coisas, mas de não coisas, isto é, de imagens ou de programas, e que não encontra o menor sentido na existência de fronteiras nem de territórios.

(Alaim Finkiekraut é professor de Filosofia)

A perda da identidade cultural, econômica e política. Visto que o bem

comum da humanidade passa pela salvaguarda de suas heranças e diferenças. Um ser humano não pode viver sob a tirania de um império universal.

Da perda exclusiva da identidade econômica, visto que as Indústrias

Nacionais seriam esmagadas pela concorrência desleal com as grandes potências.

Do esmagamento das manifestações sub-culturais. A favor da supremacia

Da elevação de padrões culturais fragmentados, ou seja, o fortalecimento

Um dos fundamentos do regime democrático é o conceito de cidadania.

Segundo o Sociólogo Herbert de Souza (Betinho), cidadão é um indivíduo que tem consciência de seus direitos e deveres c participa de todas as questões da sociedade. Embora a palavra democracia e cidadania possa ter vários sentidos, atualmente sua essência e única: Dignidade e liberdade. Um dos indicadores precisos do grau de cidadania de uma sociedade é:

O nível de participação do cidadão no processo político indireto, o número

O tratamento que se dá aos idosos e crianças. Os dois extremos da

A capacidade tecnológica militar, visto que um aparato militar forte leva a

1 CONTEÚDO 09 PODER E REPRESENTAÇÃO: MODELOS DE DEMOCRACIA PROFº: EDILSON VIANA A Certeza de Vencer
1
CONTEÚDO
09
PODER E REPRESENTAÇÃO: MODELOS DE DEMOCRACIA
PROFº: EDILSON VIANA
A Certeza de Vencer
ITA:06/05/08
Em seu significado mais geral, a palavra poder é a posse aos
meios que levam à produção de efeitos desejados.
-
-
O poder tem o sentido especificamente social, ou seja, na
sua relação com a vida do homem em sociedade, o poder torna-
se mais preciso e seu espaço conceitual pode ir desde a
capacidade geral de agir, até à capacidade do homem em
determinar o comportamento do homem; poder do homem sobre
o homem
"O que têm em comum essas três formas de poder é
que elas contribuem conjuntamente para instituir e manter
sociedades de desiguais divididas em fortes e fracos, com base
no poder político, em ricos e pobres, com bases no poder
econômico; em sábios e Ignorantes, com base no poder
ideológico."
BOBBIO, Norberto. Estado, governo, sociedade. Para uma teoria geral do
poder. P. 83
O homem é não só o sujeito, mas também o objeto do poder
social.
-
GEORG W. F. HEGEL (1770-1831)
Exemplo: É poder social a capacidade que um pai tem para dar
ordens a seus filhos ou a capacidade de um Governo de dar
ordens age cidadãos.
Atenção: NÃO é poder social a capacidade de controle que o
homem tem sobre a natureza numa utilização que faz dos
recursos naturais ( ) ...
O poder social não é uma coisa ou a sua posse: e
uma relação entre pessoas (Stoppino, 2000: p.33-4).
Segundo Georg W. F. Hegel (1770
-1831), o que leva o ser humano a
desejar o poder não é apenas a vontade
de dominar os outros homens , mas
também a vontade de ser amado e
reconhecido. Hegel, em seu livro
Fenomenologia do Espirito, nos
ensina que o homem só se torna
realmente humano quando, além de
satisfazer os desejos puramente
animalescos - como comer e beber -,
-
É impossivel estudar uma sociedade sem fazer referência à
política que a organizou e a manteve. Da mesma forma, não
existe a possibilidade de discorrer a respeito do Estado sem
esbarrar no conceito de poder.
-
Ter o poder é dispor de autoridade para governar. O poder
supõe, conseqüentemente, a existência de dois elementos: de
quem tem a autoridade para exercer o poder e daquele sobre o
qual se exerce o poder; do governante e do governado; de quem
manda e de quem é mandado; de quem dá as ordens e de
quem as cumpre.
SE LEVARMOS EM CONTA O MEIO DO QUAL SE
SERVEO DETENTOR DO PODER PARA CONSEGUIR OS
EFEITOS DESEJADOS, DESTACAMOS TRÊS FORMAS DE
PODER; ECONÓMICO, IDEOLÓGICO E O POLÍTICO.
1. Econômico - Utiliza a posse de certos bens socialmente
necessários para induzir aqueles que não os possuem adotar
determinados comportamentos, como, por exemplo, realizar
determinado trabalho. Esse poder preocupa-se em garantir o
domínio da riqueza controlando a organização das forças
produtivas (por exemplo: o tipo de produção e o alcance de
consumo das mercadorias).
2. Ideológico - Utiliza a posse de certas idéias, valores,
doutrinas para influenciar a conduta alheia, induzindo as
pessoas a determinados modos de pensar e agir. Ainda
preocupa-se em garantir o domínio sobre o saber controlando a
organização do consenso social (por exemplo: os meios de
comunicação de massa - televisão, jornais, rádios, revistas, ete).
3. Político - Utiliza a posse dos meios de coerção social, isto é,
o uso da força física considerada legal ou autorizada pelo direito
vigente na sociedade. Preocupa-se em garantir o domínio da
força Institucional e jurídica controlando os instrumentos de
coerção social (por exemplo: forças armadas, órgãos de
fiscalização, policia, tribunais, etc.)
lança-se à luta Dela conquista do poder. O animal tem por
preocupação máxima a sobrevivência biológica; o homem, para
conquistar a liberdade (para não viver escravizado) luta pelo
poder e coloca a sua vida biológica em risco.
A condição humana pressupõe dominar e ser reconhecido
como dominador.
A luta pelo poder tem sido, de uma forma ou de outra , a
mola propulsora da história das civilizações. A história dos
povos é determinada pêlos grupos, pelas classes, pelos
partidos, pelas personalidades que exerceram o poder.
Assim, a posse do poder possibilita maior liberdade de
agir sobre outras pessoas.
Importante dizer aqui que o poder não nos é dado
gratuitamente: ele tem de ser conquistado. E após a sua
conquista, a luta continua para que ele seja mantido. Toda
sociedade abriga interesses diversos e nela há governantes
(que jamais renunciam ao poder espontaneamente) e
governados (entre eles, muitos lutam para assumir o poder). Por
decorrência, a luta pelo poder sempre existirá, A luta pela
conquista do poder nos tem levado, ao longo da história, as
duas dimensões do ser humano: a animalidade (quando há
violência) e a racionalidade (quando a conquista se dá por
meios pacíficos).
Quando há violência na luta pelo poder, o homem se
equipara aos animais que se entredevoram para continuar
sobrevivendo. Os assassinatos, as revoluções, os golpes de
estado, as guerras (internas e externas) têm constantemente
manchado de sangue as páginas da história da humanidade.
A dimensão racional do ser humano se coloca em
evidência nos processos pacíficos da luta pelo poder. Se até se
pode justificar a necessidade de exercer a autoridade,
colocando as tropas na uma para que se mantenha a ordem
social, não é essa a condição para que o poder seja duradouro.
Muito mais importante que a força física e violenta , para haver
poder - poder legitimo - há necessidade de consentimento.
Observações:
"Como poder cujo meio específico é a força, de longe o
meio mais eficaz para condicionar os comportamentos, o poder
política é, em toda a sociedade de desiguais, o poder supremo,
ou seja, o poder ao qual todos os demais estão de algum modo
subordinados."
A luta sem violência para conquista do poder ocorre
nos regimes livres - democráticos -, em que todos os
homens, em princípio , são considerados iguais e, portanto,
todos têm condições de participar do exercício do poder.
Apesar as deficiências que possam apresentar, as
eleições são o processo mais racional de luta pacifica pela
conquista do poder.
Pressupondo a liberdade da defesa de ideais, do debate,
BOBBIO, Noberto. Dicionário de política, p. 995-
da critica, da oposição
as eleições excluem a violência. Pela
96.
...
manifestação livre da vontade do povo, o voto assegura a
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009

Fale conosco www.portalimpacto.com.br

legitimidade do poder. Pelas eleições, num regime democrático, o poder político:

04. (UEL-2005) Observe a figura e responda à questão: EXERCÍCIOS Titãs. In. Cabeça Dinossauro. 1986 Com
04.
(UEL-2005) Observe a figura e responda à questão:
EXERCÍCIOS
Titãs. In. Cabeça Dinossauro. 1986
Com base na charge e nos conhecimentos sobre o meio politico
e econômico do poder social, é correto afirmar:
a)
As dificuldades de acesso aos direitos sociais elementares
(moradia, saúde e alimentação) têm origem na forma como se
distribuem os bens materiais e as leis.
b)
A Constituição de 1988 introduziu uma série de benefícios
sociais que privilegiaram as famílias dos estratos médios em
detrimento da população em geral.
c)
O texto da charge assegura em sua formulação jurídica
conquistas sociais e individuais aos cidadãos brasileiros.
d)
"Todo o brasileiro tem direito à moradia" se configura uma
prática geral, principalmente, quando o Estado se compromete
em investir nos programas de habitação.
e)
O texto demonstra que o poder económico se estabelece
como mediador das causas sociais, basta verificar, na política
de distribuição de renda no pais.
Em relação
à questão
do
poder
05.
O texto que segue é do poeta cearense António Gonçalves
da Silva, 'o Patativa do Assaré, cantador do drama dos caboclos
nordestinos e dos pobres do Brasil.
BRASI DE CIMA E BRASIL DE BAXO
Meu compadre Zé Fulo,/ Meu amigo e companhêro,/ Faz quage
um ano que eu tou/ Neste Rio de Janêro;/ Eu sai do Cariri/
Maginando que isto aqui/ Era uma terra de sorte,/ Mas fique
sabendo tu/ Que a miséria aqui do Su/ É esta mesma do
Norteste./ Tudo o que procuro acho./ Eu pude vê neste crima,/
Que tem o Brasi de Baxo/E tem o Brasi de Cima./ Brasi de Baxo,
coitado! É um pobre abandonado;/ O de Cima tem cartaz,( ,) ..
(PATATIVA DO ASSARÉ. Cante lá que eu canto cá 11. ed. Petrópolis: Vozes, 1978, p. 271-
d)
l, III
72.)
e)
II, IV
Segundo a interpretação do poeta sobre o problema da pobreza,
relevando em consideração a influência dos meios do poder
social, é correto afirmar:
I. A pobreza atinge principalmente os moradores da região
Nordeste, chamada por ele de "Brasi de baxo", visto a influência
do poder político do centro do pais.
II. Na origem da pobreza está o domínio do acaso e do azar,
predominando a riqueza em regiões privilegiadas como o Rio de
Janeiro.
Ill. A pobreza deve-se também pelas diferenças de idéias
(discursos de dominação sobre a região, entre outras) que
existem entre os brasileiros do sul e os do norte.
IV. O modelo econômico(meio) brasileiro, a pobreza atinge tanto
a população nordestina como a do sul do país, dividindo os
brasileiros em duas categorias de pessoas.
a)
l, III, IV.
b) II, III e IV,
c)
Apenas IV.
d) Apenas III.
e)
Todos os itens corretos.
VESTIBULAR – 2009

Não é usurpado, mas consentido; Não é herdado nem vitalício, pois é exercido por representantes da maioria por um tempo determinado; Por emanar do povo em geral, não é privilégio de poucas pessoas (de um grupo ou de uma classe), pois todos os setores da sociedade têm o direito de candidatar-se a ele; É transparente, porque as informações sobre as decisões governamentais devem circular livremente; E legitimo, pois existem leis que o asseguram.

01. (UEL-2004) Leia o poema.

"Sinto no meu corpo/ a dor que angustia/ a lei ao meu redor/ a lei que eu não queria. Estado violência/ Estado hipocrisia/ a lei que não é minha/A lei que eu não queria( )” ...

A letra revela posicionamentos comuns a certo meio do poder social do homem em sociedade. Qual meio, respectivamente, do poema faz referência?

  • a) Uma relação do homem com a natureza, neste caso, "a lei ao

meu redor".

  • b) Uma relação entre pessoas, neste caso, a influência nítida do

meio económico, no qual o homem exerce o poder ilimitado sobre o corpo humano.

  • c) Um poder político que se utiliza da posse dos meios de

coerção social, expresso no poder judiciário, que representa o uso da força física, da violência.

  • d) Uma atitude progressista, visto que as leis atendem as

necessidades dos vários seguimentos sociais estabelecidos.

  • e) Uma relação entre pessoas, assim, leva-se em consideração

a situação histórica atual, quando a lei, poder político, ampara

em todos os casos, os conflitos existentes.

02. (OFICINA UFPA-2005)

social.

  • I. O homem não é só o sujeito, mas também o objeto do poder

social. II. Um exemplo de poder social é a capacidade de um pai tem para dar ordens a seus filhos. III. O poder social não é uma coisa ou a sua posse: é uma relação entre pessoas. IV. O meio económico utiliza a posse de certos bens socialmente necessários para induzir aqueles que não os possuem adotar determinados comportamentos, como, por exemplo, realizar determinado trabalho.

A correta é:

  • a) l, II, III

  • b) l, II

  • c) l, II, III, IV

03. (UEU-2004) Na Fenomenologia do Espírito, de Georg Hegel (1770-1831) afirmar sobre o poder.

  • I. Como exemplo do poder temos Hitter que conquistou o poder

político e, como consequência, usou o meio ideológico para ser amado e reconhecido pelo povo alemão. II. O poder não é estático, mas dinâmico, e em seu movimento apresenta momentos que se contradizem entre si, visto os interesses de dominados e dominadores. III. A luta pelo poder é o motor da história, visto que, se compõem de grupos, classes, partidos e pelas personalidades humanas.

Estão corretas apenas as afirmativas:

  • a) l e III.

b) l e II.

  • c) II e III.

d) l, II e III.

  • e) l.

1 CONTEÚDO 10 ESTADO E GLOBALIZAÇÃO PROFº: EDILSON VIANA A Certeza de Vencer ITA:07/05/08 e) O
1
CONTEÚDO
10
ESTADO E GLOBALIZAÇÃO
PROFº: EDILSON VIANA
A Certeza de Vencer
ITA:07/05/08
e)
O dirigente político deve se esforçar para tornar-se, também, o
dirigente religioso de seu povo, rompendo, assim, com o preceito do
Exercícios
Estado laico.
01. No Brasil e em outros países, o etnocentrismo fundamentou
muitas práticas etnocidas e genocidas, oficiais e não-oficiais, contra
populações culturalmente distintas das de origem europeia, cristã e
ocidental, principalmente indígenas e africanas. Discriminação de
etnia e de classe social também se inclui entre as formas de
etnocentrismo. Com base no texto e nos conhecimentos sobre o
tema, assinale a alternativa que apresenta uma interpretação
contrária ao etnocentrismo.
03.
Aristóteles tinha razão ao afirmar: "O homem é por natureza um
animal social'. A vida em grupo é uma exigência da natureza
humana. O homem tem necessidade dos seus semelhantes para
sobreviver, para propagar e perpetuar a espécie e para realizar-se
plenamente como pessoa. Para isso ele passa a produzir certos
elementos culturais, tais como:
a)
"Quando nos referimos a uma raça, não individualizamos tipos
dela, tomamo-la em sua acepção mais lata. E assim procedendo
vemos que a casta negra é o atraso; a branca o progresso, a
I. Os traços culturais, esta é a tendência necessária para que o
homem tenha o sentido da sua identidade regional.
II. Os padrões culturais são processos através dos quais os
indivíduos se integram e assimilam o conjunto de hábitos e
costumes do grupo.
evolução[
...
]"
(Revista Brazii Médico, 1904.)
III. A marginalidade cultural se identifica quando: "(
)
Muitos dos
b)
"Esta Lei regula a situação jurídica dos índios ou silvícolas e das
comunidades indígenas, com o propósito de preservar a sua cultura
e integrá-los, progressiva e harmoniosamente, à comunhão
nacional". (Estatuto do Índio, Lei No 6001 de 19 de dezembro de 1973, Artigo 1°,
ainda em vigor.)
...
nossos bravos guerreiros foram formados nas escolas dos 'brancos'.
Mas quando eles voltavam para nós, eram maus corredores,
ignorantes da vida da floresta e incapazes de suportar o frio e a
fome. Não sabiam como caçar, pescar ou construir uma cabana e
falavam nossa língua muito mal. Eles eram, portanto, totalmente
c)
As sociedades humanas se desenvolvem por estádios ou estados
que vão sendo superados sucessivamente: o estado teológico, o
metafísico e o positivo. Os povos indígenas e as etnias afro-
brasileiras encontram-se nos estádios teológico ou metafísico e, por
inúteis." (Citado por Carlos Rodrigues Brandão, o que é educação, p. 8-9.)
a)
Os itens I e II estão corretos.
b)
Os itens III e II estão corretos.
essa razão, permanecem nos estratos sociais inferiores e marginais
c)
Somente os itens I e IIII estão corretos.
d)
Somente o item I está errado.
de nossa sociedade. (Baseado em Augusto Comte.)
d)
"[
]
segundo o que até aqui escrevi acerca dos Coroados
e)
Todos os itens estão corretos.
[Kaingang] dos Campos Gerais, é evidente que, no seu estado
selvagem, são eles superiores em inteligência, indústria e
previdência a muitos outros povos indígenas, e talvez até em
beleza. Dada essa circunstância, dever-se-ia por todo o empenho
04.
Nos textos l e 2 abaixo aparecem duas opiniões sobre a prática
do etnocentrismo:
O mito mbaiá diz o seguinte:
em aproximá-los dos homens de nossa raça e, após, encorajar os
...
porém, que é mais fácil matar e reduzir os Coroados à escravidão,
do que despender tais esforços em seu favor", (Saint-Hilaire, V. E. Viagem
casamentos mistos entre eles e os paulistas pobres [
].
Devo dizer,
à Comarca de Curitiba -1820.)
e)
"O Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e
acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a
valorização e a difusão das manifestações culturais, 1- O Estado
protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-
brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório
"Quando o ser supremo, Gonoenhodi, decidiu criar os
homens, tirou primeiro da terra os guaná, depois as outras tribos;
aos primeiros, deu a agricultura, e a caça às segundas. O
Enganador, que é outra entidade do panteão indígena, percebeu,
então, que os mbaiá tinham sido esquecidos no fundo do buraco e
os fez sair; mas, como nada mais lhes restasse, tiveram o direito
à única função ainda disponível, a de oprimir e explorar os outros.
Lévi-Strauss (antropólogo) relata, em seu livro 'Tristes Trópicos"
nacional". (Constituição Federal de 1988 na Seção II – Da Cultura, Art. 215)
Os americanos e outros povos.
Estão correias apenas as afirmativas:
a)
I e III.
b) II e IV.
c) II, III e IV.
d)
I e IV.
e) I, II e III.
02. Em O Príncipe, Maquiavel (1469-1527) formulou idéias e conceitos
que firmaram a sua reputação de o fundador da Ciência Política
moderna. Dentre elas, pode-se citar os aspectos relacionados as ações
solitcas aos governantes e à dominação das massas. Para ele, a
política deveria ser compreendida pelo governante como uma esfera
independente dos pressupostos religiosos que até então a
impregnavam. Ao propor a autonomia da política (esfera da vida pública
e da ação dos dirigentes políticos) sobre a ética (esfera da vida privada
e da conduta moral dos indivíduos), é legitimo afirmar que Maquiavel
não deixou, entretanto, de reconhecer e valorizar a religião como uma
importante dimensão da vida em sociedade. Segundo Maquiavel, a
religião dos súditos deveria ser objeto de análise atenta por parte do
governante. Sobre a relação entre política e religião, de acordo com
Maquiavel, é correto afirmar:
"Durante a Guerra do Vietnã, o comandante das Forças
Armadas norte-americanas, vendo-se obrigado a explicar as
sucessivas derrotas de suas tropas, declarou à imprensa que os
"amarelos comunistas" estavam ganhando a guerra porque, ao
contrário dos ocidentais, não davam valor à vida e, por isso,
expressavam um sinal evidente de incivilizados. Segundo o militar,
os destemidos vietnamitas sequer expressavam dor por ocasião
da morte de amigos e parentes!"
Marque sua resposta de acordo com o entendimento:
a)
Se os dois textos forem falsos, visto que o segundo nega o
primeiro.
b)
Se as duas afirmativas forem falsas.
c)
Se o primeiro texto for falso e o segundo verdadeiro.
d)
Se as duas afirmativas forem verdadeiras, apenas mudando o
a)
A religião deve ser cultivada pelo governante para garantir que
contexto.
ele seja mais amado do que temido.
e)
Se o primeiro texto for falso.
b)
Por se constituírem em personagens importantes na vida política
de uma comunidade, os líderes religiosos devem formular as ações
05. (UEL/2003) "As práticas religiosas indígenas, contudo, não
a serem executadas pelos príncipes.
c)
O sentimento religioso dos súditos é um valor moral e, portanto,
desapareceram, convivendo com o pensamento cristão. O mesmo
ocorreu com os negros vindos da África, que trouxeram para cá sua
deverá ser combatido pelo príncipe, uma vez que conduz ao
fanatismo e prejudica a estabilidade do Estado.
...
tradições culturais e religiosas no Brasil era a chamada 'bolsa de
mandinga', pequeno recipiente no qual se guardavam vários
amuletos com o objetivo de oferecer proteção e sorte a quem a
carregava. Dentro da bolsa encontravam-se objetos das culturas
cultura religiosa [
]
Uma prova da mistura e da presença das várias
d)
A religião dos súditos é sempre um instrumento útil nas mãos do
Príncipe, o qual deve aparentar ser virtuoso em matéria religiosa.
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009
européias, africana e indígena, podendo conter enxofre, pólvora, pedras, osso de defunto, papéis com dizeres religiosos
européias, africana e indígena, podendo conter enxofre, pólvora,
pedras, osso de defunto, papéis com dizeres religiosos ou símbolos,
folhas, alho e outros elementos que variavam conforme o uso a que
natureza de proprietário da sua força de trabalho negociada com o
capitalista.
c)
é toda forma possível de exploração da força de trabalho do
ela se destinava."(MONTELLATO, Andrea. História temática: diversidade cultural e conflitos.
São Paulo: Scipione, 2000. p. 145.)
operário entendido somente a partir do trabalho comercial e da
subtração do seu esforço diária empregado na linha de montagem.
É correto afirmar que o texto refere-se a:
d)
é a exploração do trabalhador pelo capitalista dono dos meios de
a)
Um processo ahamado de aculturação em que os grupos
produção, que aliena do seu funcionário todo o esforço equivalente
abandonam suas tradições.
b)
Uma forma de organizar as diferenças que os homens percebem
ao excedente daquilo que ele produziu subtraído o que ele recebeu
pelo seu trabalho.
na natureza e no mundo social.
e)
deve ser entendido como qualquer forma de exploração
c)
Um processo de ressignificação de elementos culturais tendo
como resultado uma nova configuração.
d)
Um movimento de eliminação de determinadas culturas quando
capitalista, onde o trabalhador é conscientemente obrigado a aceitar
as condições proporcionadas pelo seu empregador e com isso, ele
garante uma correta remuneração.
transpostas para fora da sua área de origem.
10.
( Oficina da UFPA, 2005) Eis, portanto, dois pensadores sociais
e)
Um movimento de imitação de costumes estrangeiros, inerentes
aos países periféricos.
06. (Universo/2004) Leia o verso da música "Belém, Pará, Brasil",
de Mosaico de Ravena e marque a alternativa que melhor interpreta
a frase em negrito:
muito diferentes, ambos reconhecendo a importãncia da estrutura
social e da cultura para a ordem social. Marque a alternativa que faz
referência as suas idéias sobre estrutura e da cultura:
...
chega das coisas da
(
)
"Aqui a gente toma guaraná/ quando não tem Coca-cola/
terra/ o
que
é
bom,
vem
de fora/
deformados até a alma/ sem cultura e opinião/ o nortista só
queria/ fazer parte da nação,/ ( ) ...
a)
sem voz e consideração,
b)
sem consciência nacional.
c)
sem organização, planejamento,
I- Para Durkheim, a estrutura social divide as pessoas em posições
interdependentes;
II- Para Marx, a estrutura social apóia uma minoria para que, de
suas posições superiores, controle e oprima a maioria.
III- Durkheim ressalta que a cultura nos torna semelhantes
fornececendo idéias, valores e normas que somos levados a aceitar
e pelos quais controlamos nossas ações;
IV- Vê a cultura como modo importânte pelo qual aqueles que
controlam a sociedade, em especial os que trabalham para defender
a estrutura social como ela é, conseguem moldar as concepções
mais importantes das pessoas.
d)
perdas de traços culturais.
e)
sem participação na política partidária.
a)
Somente a I e III estão corretas
b)
Somente a II e III estão corretas
07. (UFPA-2004) Em 20 de abril de 1997, alguns rapazes em
Brasília atearam fogo no índio pataxó, Galdino Jesus dos Santos,
enquanto este dormia. Isso pode ser uma demonstração de que
indivíduos ou grupos pertencentes a sociedades diferentes, ou a
grupos diferentes, em uma mesma sociedade, em situação de
contato, praticam atos negativos e até bárbaros, evidenciando
relação de alteridade, que se classifica como:
c)
Somente a IV esta correta
d)
Somente a I e IV estão corretas
e)
Todas estão corretas
11.
Uma das maiores contribuições de Émile Durkheim é o estudo
a)
etnocentrismo.
c)evolucionismo.
e) nacionalismo,
b)
relativismo.
d) nativismo.
teórico das formas de solidariedade que distinguem as
coletividades, numa visão evolutiva do seu desenvolvimento.
Analíse as alternativas abaixo e marque a única que descreve
adequadamente a relação entre consciência individual e consciência
coletiva, em uma situação de solidariedade orgânica.
08. A cultura na nossa região será contemplada, mas uma vez por uma
das mais ricas expressões de etnia, lendas do folclore paraense; assim
para validar a identidade paraense todas elas se rendem a mais forte
expressão da cultura 11 da nossa gente: o Círio de Nazaré. O clima e
envolvimento das pessoas nessa festa grandiosa espira-nos ao amor
fraterno, ao encontro com amigos de longas datas e homenagem que
todos aqueles que por um motivo ou outro tem algum rancor mágoa ou
a)
A consciência coletiva reduz sua abrangência, deixando
descoberta parte da consciência individual, em que se desenvolve
as funções distintas e especializadas, que constituem a base da
solidariedade.
b)
A consciência individual é recoberta em sua totalidade pela
consciência coletiva, o que assegura o atendimento das
dor no coração." (O liberal, 05/10/2004)
necessidades comuns da voida social e a permanência dos laços
que unem todos os indivíduos.
Segundo as concepções de indivíduo e de sociedade na sociologia
weberiana, assinale a alternativa correta.
c)
A consciência coletiva desaparece totalmente e a consciência
a)
O indivíduo age socialmente, de acordo com as motivações e
individual se impõe como uma realidade geral; a solidariedade
torna-se apenas uma pausa nas relações de competição individual e
escolhas que possui e faz, podendo estar relacionadas ou a uma
tradição, ou a uma devoção afetiva ou, ainda, a uma racionalidade.
desenfreada.
d)
A consciência individual torna-se mais dependente da
b)
A sociedade se opõe aos indivíduos, como força exterior a eles,
razão pela qual os indivíduos refletem as normas sociais vigentes.
consciência coletiva e é esta dependência que dá conformação à
solideriedade, em todas as esferas da vida em sociedade e em
c)
O gênero humano é, irremediavelmente, um ser social, condição
todas as épocas.
expressa pelo fato dos homens e mulheres fazerem história, mas
12.
Na questão abaixo, aparecem duas afirmativas ligadas pela
sempre a partir de uma situada dada.
d)
O Estado capitalista nada tem a ver com as escolhas que os
indivíduos fazem a partir das motivações que possuem, sendo, na
expressão UMA VEZ QUE.(UFU-2003)
“As diferenças de comportamento entre pessoas de
verdade, a expressão das classes sociais em luta.
sexos diferentes são determinadas por fatores biológicos
09. (UFU) "(
)
é a forma específica que assume a exploração sob o
UMA VEZ QUE
capitalismo, a diferença específica do modo de produção capitalista,
em que o excedente toma a forma de lucro e a exploração resulta
do fato da classe trabalhadora produzir um produto líquido que pode
ser vendido por mais do que ele recebe como salário." Dicionário do
Pensamento Marxista. Tom Bottomore. páq. 227. O Modo de
produção capitalista apresenta em sua organização do trabalho,
seja em qual fase for, o acumulo do capital através da mais-valia,
sobre este conceito marxista podemos afirmar que:
as atividades atribuídas às mulheres em uma cultura não podem
ser atribuídas aos homens em outra."
Marque sua resposta de acordo com o código.
a)
Se as duas afirmativas forem verdadeiras e a segunda explicar a
primeira.
b)
Se as duas afirmativas forem verdadeiras e a segunda não
explicar a primeira.
a)
deve ser entendido a partir da busca constante do detentor dos
c)
Se as duas afirmativas forem falsas.
meios de produção de equilibrar o investimento feita em capital
d)
Se a primeira afirmativa for falsa e a segunda verdadeira.
produtivo, deduzindo daí os impostos e tributos cobrados.
e)
Se as duas afirmativas forem verdadeiras.
b)
é a possibilidade do trabalhador ou proletário de alcançar a
satisfação da sua necessidade fundamental na manutenção de sua
Fale conosco www.portalimpacto.com.br
VESTIBULAR – 2009