Anda di halaman 1dari 4

TEMPO COMUM. TRIGÉSIMA SEMANA.

SEGUNDA-FEIRA

58. OLHAR PARA O CÉU


– A mulher encurvada e a misericórdia de Jesus.

– As coisas que nos impedem de olhar para o Céu.

– Só em Deus compreendemos a verdadeira realidade da nossa vida e de todas as coisas


criadas.

I. NO EVANGELHO DA MISSA1, São Lucas relata que Jesus entrou na


sinagoga num dia de sábado para ensinar, conforme era seu costume. E
encontrava-se ali uma mulher que estava possuída por um espírito que a trazia
enferma havia dezoito anos; e andava encurvada, e não podia absolutamente
olhar para cima. E Jesus, sem que ninguém lho pedisse, movido pela sua
compaixão, chamou-a e disse-lhe: Mulher, estás livre da tua enfermidade. E
impôs-lhe as mãos, e imediatamente endireitou-se e glorificava a Deus.

O chefe da sinagoga indignou-se por Jesus ter curado a enferma em dia de


sábado. Esse fariseu tinha a alma pequena e não compreendeu a grandeza da
misericórdia divina que libertava aquela mulher prostrada na sua dor havia
tanto tempo. Aparentemente zeloso da observância do sábado prescrita na
Lei2, não soube aperceber-se da alegria de Deus ao contemplar essa filha sua
curada da alma e do corpo. O seu coração frio e embotado – falto de piedade –
não soube captar a verdadeira realidade: a presença do Messias, que se
manifestava tal como as Escrituras o anunciavam. E não se atrevendo a
murmurar directamente de Jesus, fê-lo com alguns da multidão: Há seis dias
em que se pode trabalhar; vinde, pois, curar-vos nesses dias, e não em dia de
sábado.

Mas o Senhor, como em outras ocasiões de embate com os fariseus, não se


calou: chamou-os hipócritas, falsos, e – fazendo-se eco da alusão do chefe da
sinagoga ao trabalho – fez ver que, assim como eles eram diligentes em soltar
o seu burro ou o seu boi para levá-los a beber, mesmo que estivessem num
sábado, esta filha de Abraão, que Satanás trazia subjugada há dezoito anos,
não devia ser libertada desse jugo em dia de sábado? No seu encontro com
Cristo, essa mulher recuperou a sua dignidade; foi tratada como filha de
Abraão, de um valor muito superior ao do boi ou do jumento. Os adversários do
Senhor ficaram envergonhados, e toda a multidão se alegrava com todas as
maravilhas que ele realizava.

A mulher ficou livre do mau espírito que a trazia presa e da doença do seu
corpo. Podia agora olhar para Cristo e para o Céu, para as pessoas e para o
mundo. Nós temos de meditar muitas vezes nestas passagens evangélicas em
que se põe de relevo a compassiva misericórdia do Senhor, pois andamos
muito necessitados dela. “Jesus manifesta essa delicadeza e carinho não só
com um grupo pequeno de discípulos, mas com todos: com as santas
mulheres, com representantes do Sinédrio – como Nicodemos – e com
publicanos – como Zaqueu –, com doentes e sãos, com doutores da lei e
pagãos, com as pessoas individualmente e com multidões inteiras.

“Os Evangelhos contam-nos que Jesus não tinha onde reclinar a cabeça,
mas contam-nos também que tinha amigos queridos e de confiança, desejosos
de recebê-lo em sua casa. E falam-nos da sua compaixão pelos doentes, da
sua dor pelos que ignoram e erram, da sua indignação perante a hipocrisia”3.

A consideração destas cenas do Evangelho deve fazer-nos confiar mais em


Jesus, sobretudo quando nos vemos necessitados da alma e do corpo, por
mais antigas que sejam as nossas aflições, por mais que elas nos pareçam
sem remédio. Temos que deixar-nos ver por Jesus, certos de que Ele nos
curará a qualquer hora da semana, do dia ou da noite.

II. “NÃO PODIA absolutamente olhar para cima (Lc 13, 11): assim o Senhor
encontrou aquela mulher encurvada havia dezoito anos. Como ela – comenta
Santo Agostinho – são os que têm o coração na terra”4; depois de uns anos,
perderam a capacidade de olhar para o Céu, de contemplar a Deus e de ver
n’Ele as maravilhas da criação. “Quem está encurvado olha sempre para a
terra, e quem olha para baixo não se lembra do preço pelo qual foi redimido” 5.
Esquece-se de que todas as coisas criadas devem levá-lo a olhar para o Céu e
contempla somente um universo empobrecido.

O demónio impediu durante dezoito anos que a mulher curada por Jesus
pudesse olhar para o Céu. Outros, infelizmente, passam a vida inteira olhando
para a terra, presos pela concupiscência da carne, pela concupiscência dos
olhos e pela soberba da vida6.

A concupiscência da carne impede que vejamos a Deus, pois só podem vê-


lo os que têm o coração limpo7.

Essa má tendência “não se reduz exclusivamente à desordem da


sensualidade: estende-se ao comodismo e à falta de vibração, que impelem a
procurar o mais fácil, o mais agradável, o caminho aparentemente mais curto,
mesmo à custa de concessões no caminho da fidelidade a Deus [...].

“O outro inimigo [...] é a concupiscência dos olhos, uma avareza de fundo


que leva a apreciar apenas o que se pode tocar: os olhos que ficam como que
colados às coisas terrenas, mas também os olhos que, por isso mesmo, não
sabem descobrir as realidades sobrenaturais. Portanto, podemos entender a
expressão da Sagrada Escritura como uma referência à avareza dos bens
materiais e, além disso, a essa deformação que nos leva a observar o que nos
rodeia – os outros, as circunstâncias da nossa vida e do nosso tempo – com
visão exclusivamente humana.

“Os olhos da alma embotam-se; a razão julga-se auto-suficiente e capaz de


entender todas as coisas prescindindo de Deus [...]. Deste modo, a nossa
existência pode entregar-se sem condições às mãos do terceiro inimigo, a
superbia vitae. Não se trata simplesmente de pensamentos efémeros de
vaidade ou de amor próprio: é um endurecimento generalizado. Não nos
enganemos, porque tocamos o pior dos males, a raiz de todos os extravios”8.

Nenhum desses três inimigos poderá derrotar-nos se tivermos a sinceridade


necessária para descobrir as suas primeiras manifestações, por pequenas que
sejam, e para suplicar ao Senhor que nos ajude a levantar novamente o nosso
olhar para Ele.

III. A FÉ EM CRISTO deve manifestar-se nos pequenos episódios de um dia


normal, e deve levar-nos a “organizar a vida quotidiana sobre a terra sabendo
olhar para o Céu, isto é, para Deus, fim supremo e último das nossas tensões e
desejos”9.

Quando, mediante a fé, temos a capacidade de olhar para Deus,


compreendemos a verdade sobre a existência: o sentido dos acontecimentos,
que adquirem uma nova dimensão; a razão da cruz, da dor e do sofrimento; o
valor sobrenatural que podemos imprimir ao nosso trabalho diário e a qualquer
circunstância, que, em Deus e por Deus, passa a receber uma eficácia
sobrenatural.

O cristão não está fechado de modo algum às realidades terrenas; pelo


contrário, “pode e deve amar as coisas criadas por Deus. Pois recebe-as de
Deus e olha para elas e respeita-as como tendo saído das Suas mãos.
Agradece ao Benfeitor os objectos criados e usa-os e frui deles na pobreza e
na liberdade de espírito. É assim introduzido na verdadeira posse do mundo,
como se nada tivesse, mas sendo dono de tudo. Tudo é vosso, mas vós sois
de Cristo, e Cristo é de Deus (1 Cor 3, 22-23)”10. São Paulo recomendava aos
primeiros cristãos de Filipos: Quanto ao mais, irmãos, tudo o que é verdadeiro,
tudo o que é honesto, tudo o que é justo, tudo o que é santo, tudo o que é
amável, tudo o que é de boa fama, tudo o que é virtuoso e digno de louvor,
seja isso o objecto dos vossos pensamentos11.

O cristão adquire uma particular grandeza de alma quando ganha o hábito


de referir a Deus as realidades humanas e os acontecimentos, grandes ou
pequenos, da sua vida corrente. Quer dizer, quando sabe aproveitá-los para
dar graças, para pedir perdão pelos seus erros...; quando, numa palavra, não
esquece que é filho de Deus a todas as horas do dia e em todas as
circunstâncias, e não se deixa envolver de tal maneira pelos acontecimentos,
pelo trabalho, pelos problemas que surgem..., que esqueça a grande realidade
que dá razão a tudo: o sentido sobrenatural da sua vida.

“Galopar, galopar!... Fazer, fazer!... Febre, loucura de mexer-se...


Maravilhosos edifícios materiais...

“Espiritualmente: tábuas de caixote, percalinas, cartões pintalgados...


galopar!, fazer! – E muita gente correndo; ir e vir.
“É que trabalham com vistas àquele momento; «estão» sempre «em
presente». – Tu... hás de ver as coisas com olhos de eternidade, «tendo em
presente» o final e o passado...

“Quietude. – Paz. – Vida intensa dentro de ti. Sem galopar, sem a loucura de
mudar de lugar, no posto que na vida te corresponde, como um poderoso
gerador de electricidade espiritual, a quantos não darás luz e energia!..., sem
perderes o teu vigor e a tua luz”12.

Recorramos à misericórdia do Senhor para que nos conceda esse dom –


viver de fé – para podermos andar pela terra com os olhos postos no Céu, com
a vista cravada n’Ele, em Jesus.

(1) Lc 13, 10-17; (2) cfr. Ex 20, 8; (3) Bem-aventurado Josemaría Escrivá, É Cristo que passa,
n. 108; (4) Santo Agostinho, Comentário ao Salmo 37, 10; (5) São Gregório Magno, Homilias
sobre os Evangelhos, 31, 8; (6) cfr. 1 Jo 2, 16; (7) cfr. Mt 5, 8; (8) Bem-aventurado Josemaría
Escrivá, É Cristo que passa, n. 56; (9) João Paulo II, Ângelus, 8.11.79; (10) Concílio Vaticano
II, Constituição Gaudium et spes, 37; (11) Fil 4, 8; (12) Bem-aventurado Josemaría Escrivá,
Caminho, n. 837.

(Fonte: Website de Francisco Fernández Carvajal AQUI)