Anda di halaman 1dari 10

ESTRUTURAS

1) FORMAS
- Formas de madeira para estruturas de concreto armado Funções das formas: •dar forma ao concreto fresco na geometria desejada, •dar a superfície do concreto a textura requerida, •suportar o concreto fresco até conseguir resistência para o auto suporte. - Formas para estruturas de concreto armado Uti i!aç"o das formas: Fundações #$ ocos e sapatas%& 'i ares (igas (igas paredes )intas *ajes - )omponentes das f+rmas •),apas de compensado resinada ou p astificada, dimensões -,-.x/,/.m ou -,//x/,00m, e1 2,3,-/,-4,/- mm. •5adeira serrada •'regos •6cess7rios met8 icos - F+rmas de madeira 5adeiras serradas 98$uas - argura :. cm ;arrafos - arguras <,=& -.&-=&/. cm 'onta etes...... <,=x<,= cm 98$uas e sarrafosponta ete >xemp os de pregos ga ?ani!ados Fonte:@>AB6U - 6cess7rios met8 icos para formas pi ares ?igas ajes @era mente ocados, permitem maior produti?idade que os tradicionais escoramentos em madeira #uso em o$ras r8pidas%. - ;istema de f+rmas de madeira Tradicionais: uso de pregos para fixaç"o& confeccionadas nos canteiros& montagem e desforma tra$a ,osas. Racionalizadas: 'rojeto executi?o e de produç"o& e?itam o uso de pregos na montagem& construídas mediante projeto em am$iente fa$ri & usam em maior ou menor intensidade acess7rios met8 icos& faci idade para montagem e desforma.

.I •56B>J6* Formas @et.io Ueno. 6s ajes periféricas s"o executadas ap7s o término das ajes tipos.. o p ano de ataque da estrutura.F+rmas raciona i!adas 'ré -fa$ricadas Co caso dos edifícios de mD tip os pa?imentos. somente na projeç"o das ajes tipo.istema de f+rma tradiciona para pi ares . Besta forma os fa$ricantes fornecem a forma da aje tipo e peças extras necess8rias a adaptar esta forma Ks ajes dos su$so os e térreo na 8rea compreendida pe a projeç"o da aje tipo.a dos materiais e sistemas: CDmero de uti i!ações pre?istas& .uperfície desejada do concreto& )ronograma das o$ras& 9ipo da estrutura& .istema de f+rmas de madeira >sco .5ontagem das formas raciona i!adas Etapas: .a . •56B>FAF9 #Forma 'ronta% •'AG9FH6 •@>9I6* •.. consiste na execuç"o das ajes do su$so o e térreo.F+rmas raciona i!adas 'ré -fa$ricadas Besen?o ?idos por di?ersas empresas a partir da década de 4. sendo a guns sistemas $aseados na criaç"o do >ngE 9os..

amento fina das ?igas e aferiç"o de ní?eis do assoa . tais como ca çadas. e os fios de aço na categoria )6-2.ões de aço s"o $arras de aço usadas na construç"o ci?i ."o de aço pode suportar. )onforme o ?a or característico da resistência de escoamento #fQR%.os%& /.)o ocaç"o de painéis de ?igas entre os pi ares. e grau e diNmetro s"o norma mente apresentados em unidades imperiais e métricas. fundações.6ferições gerais de prumos. Muando usadas em concreto derramado. 6s etras )6 indicam concreto armado e o nDmero na seqSência indica o ?a or de fQR.o das ajes& 2. ní?eis. >ssas deformações n"o propiciam pontos fracos no ?erga . . as $arras s"o norma mente co ocadas em um padr"o de grade.Fixaç"o das c. com a in. a in."o pode ser iso. e como fios aque es de diNmetro nomina -. em RgfPmm/ ou RCPcm/ . L ?erga . mm ou inferior. paredes e co unas.ões ou $arras de aço s"o uti i!ados na construç"o para oferecer suporte a paredes e co unas. o$tidos por trefi aç"o ou processo equi?a ente.amentos para i$eraç"o da concretagem.-. @raus de força indicam a quantidade de press"o que o ?erga . em$ora seja frequentemente fa$ricado com deformações que criam uma maior textura para que o concreto possa aderir. j8 que estes suprimentos s"o produ!idos de acordo com o diNmetro correto."o.*ocaç"o de pi ares #gasta .P32. o concreto é ent"o derramado so$re e es.>xecuç"o de escoramento das ajes& =. Ls tipos de ?erga .5ontagem de pi ares e fixaç"o no prumo& :.'rojetos para montagem de formas 'rojetos •*ocaç"o de pi ares •'ainéis de pi ares e ?igas •'ainéis da aje •'eças de escoramento •'osiç"o do escoramento de ?igas e ajes •Aeescoramento de ?igas e ajes L$s: os projetos gera mente contemp am a aje tipo e as modificações necess8rias para adaptar esta forma Ks ajes do su$so o e térreo na projeç"o das ajes tipos. 2) ARMADURAS (erga .apas de compensado #painéis das ajes% ao escoramento. gerando um ?íncu o mais forte que ajuda a pre?enir rac. Ls aços uti i!ados em estruturas de concreto armado no Orasi s"o esta$e ecidos pe a norma COA <04. e depois é reajustado para manter uma co$ertura uniforme. seguido de escoramento e ni?e amento& 0. como estiramento e aminaç"o a frio. 6 norma c assifica como $arras os aços de diNmetro nomina = mm ou superior. que proporcione força e resistência. o$tidos exc usi?amente por aminaç"o a quente.aduras no concreto. especia mente para reforçar as estruturas de concreto. as $arras de aço s"o c assificadas nas categorias )6-/= e )6-=..

podem ser considerados como de a ta ducti idade e os aços )62.9ipos de superfície dos aços para concreto armado #)at8 ogos @erdau e Oe go%. a% isa& $% ner?urada& . que ser?e como medida da rugosidade da superfície dos aços. fornecido pe a COA 2--4P.. por trefi aç"o. s"o.:. como de ducti idade norma .E)& c% 57du o de e asticidade: /-.E) e -=. 5'a..Ls aços )6-/= e )6-=. Ls aços )6-/= e )6-=. RgPm:& $% )oeficiente de di ataç"o térmica: -.uperfície 6 superfície dos aços pode ser isa. e o )6-2.. portanto.9ipos de . 'or indicaç"o da COA 2--4P.4=. conter ner?uras #tam$ém c.es. >xiste um coeficiente numérico c. @'a ou /-.-=PE) para inter?a os de temperatura entre T /. )aracterísticas @eométricas . fa$ricados por aminaç"o a quente.: os seguintes ?a ores podem ser considerados para os aços: a% 5assa específica: <. ou ter enta . .amadas sa iências ou mossas%..amado Ucoeficiente de conformaç"o superficia V.

a categoria do aço e o diNmetro nomina . 'ode ser usado tam$ém o arame OJ@ -2. e uma ?e! que o concreto é derramado so$re a armadura. 2. 'odem ser ap icadas em ajes.L comprimento norma de fa$ricaç"o das $arras e fios é de -/ m. Muando as armaduras s"o cortadas e montadas na pr7pria o$ra é comum de se fa!er as amarrações entre as $arras e fios com arames reco!idos.. e ementos pré-fa$ricados. como armaduras de co unas e ?igas . piscinas. 9ijo os ou suportes podem ser usados para manter a armadura no c. <. com espaçamento igua entre cada peça para criar uma grade que consiste em quadrados de igua taman. Ls diNmetros #X em mm% padroni!ados pe a COA <04. -/. 2.fios: /.0.0. 9odas as $arras ner?uradas de?em apresentar marcas de aminaç"o em re e?o."o de aço é tipicamente disposto em um padr"o de grade.0. gera mente dup os e torcidos. ca çamentos.= e -. /=. com to erNncia de até 3 W. .=.o. 4. pisos. >xistem a gumas dimensões e diNmetros padroni!ados pe os fa$ricantes. argamassas de impermea$i i!aç"o. =."o. identificando o produtor.:. 6 identificaç"o de fios e $arras isas de?e ser feita por etiqueta ou marcas em re e?o.4. 3. em fio Dnico.<2 mm.. com diNmetro de -.=.P32 s"o os seguintes: . 2..$arras: =. no diNmetro de -.2= mm. a guns fa$ricantes de aços est"o tam$ém fornecendo armaduras prontas para uso./0 mm #arame OJ@ -4%. adquiridos gera mente em qui os. -.& . e e norma mente é adaptado para garantir espaçamento adequado conforme o concreto seca. Um produto muito Dti nas o$ras e que e?a K economia de tempo e m"o-deo$ra s"o as te as so dadas. =./. com diNmetro de /. 4. :/ e 0. :. 0. :. /. L ?erga .amadas por terem as $arras so dadas entre si nos encontros #n7s%. 6tua mente. que de?em ser consu tados pre?iamente. //. etc. Cas amarrações de t8$uas e das f+rmas de madeira em gera é comum a uti i!aç"o do arame reco!ido OJ@ -/. -2. assim c.

a ca c8ria inicia mente $ritada e moída é misturada com a argi a moída. com a definiç"o e a descriç"o de suas características mais importantes a) Ci$%nto" L cimento port and.% e aditi?os químicos com a fina idade de me . 'ode tam$ém conter adições #cin!a ?o ante. tam$ém c. ta como . o de a to-forno. e ar. Bepois de endurecido. etc. Ls tipos de cimento que existem no Orasi diferem em funç"o da sua composiç"o. 6p7s processo de moagem. o $ranco e o de $aixo ca or de . as esc7rias de a to-forno. 6 mistura é su$metida a um ca or intenso de até -0=. a argamassa é a pasta misturada com a areia.Y) e ent"o $ruscamente resfriadas. 'ara a fa$ricaç"o do c ínquer. e o concreto é a argamassa misturada com a pedra ou $rita. conforme a COA 2--4P. ag utinantes ou igantes. mesmo que seja no?amente su$metido K aç"o da 8gua. L c ínquer tem como matérias-primas $8sicas o ca c8rio e a argi a.ecido. presente em todos os tipos de cimento.. a roc.oje mundia mente con. o de a ta resistência inicia . 8gua.orar ou modificar suas propriedades $8sicas. o cimento port and n"o se decompõe mais #6O)'. e a produç"o industria foi iniciada ap7s o ano de -4=. e s"o e as que definem as propriedades dos diferentes tipos de cimento. foi desco$erto na Fng aterra por ?o ta do ano de -4/0. e os materiais po!o Nnicos e car$on8ticos. sendo o c ínquer o principa componente. 6s adições s"o matérias-primas misturadas ao c ínquer no processo de moagem.amado concreto simp es #concreto sem armaduras%. .: é: > ementos de concreto simp es estrutura : Ue ementos estruturais e a$orados com concreto que n"o possui qua quer tipo de armadura ou que a possui em quantidade inferior ao mínimo exigido para o concreto armadoV. /.imp es./%. 6 propriedade $8sica do c ínquer é que e e é um igante . o c ínquer transforma-se em p7. que endurece so$ aç"o da 8gua. o resistente a su fatos.. 6 definiç"o para o )oncreto . constituído por cimento.idrataç"o. como o cimento port and comum. BL )LC)A>9L 6A56BL COMPOSI !O"DO"CONCRETO"SIMP#ES" L concreto é um materia composto. agregado miDdo #areia% e agregado graDdo #pedra ou $rita%. 6s principais adições s"o o gesso.idr8u ico. o composto.3) CONCRETAGEM . >squematicamente pode-se indicar que a pasta é o cimento misturado com a 8gua. po!o anas. L cimento port and é um p7 fino com propriedades ag omerantes. L cimento é composto de c ínquer e de adições.FUCB65>C9L. que endurece em contato com a 8gua. Ca seqSência s"o apresentados os materiais componentes do concreto simp es. sí ica ati?a. formando pe otas #o c ínquer%. o po!o Nnico. L cimento é o principa e emento dos concretos e é o respons8?e pe a transformaç"o da mistura de materiais que compõem o concreto no produto fina desejado.

Ls agregados naturais s"o aque es encontrados na nature!a. &) A'r%'ados Ls agregados podem ser definidos como os Umateriais granu osos e inertes que entram na composiç"o das argamassas e concretosV #O6U>A.4 mm. gnaisse e granito. W da sua composiç"o é constituída pe os agregados. Ls agregados podem tam$ém ser c assificados em e?es. Ls agregados s"o c assificados quanto K origem em naturais e artificiais. CONCEITO"DE"CONCRETO"ARMADO" L concreto é um materia que apresenta a ta resistência Ks tensões de compress"o. :/ ou 0.amados casca .e / para a confecç"o de concretos. tam$ém c. normais e pesados. os de uso mais comuns nas construções s"o o )'FF >-:/. 6s $ritas normais s"o gera mente o$tidas pe a trituraç"o de roc. Ls agregados artificiais s"o aque es que passaram por a gum processo para o$ter as características finais.. . 5'a.idrataç"o. em torno de -. como areias de rios e pedregu . Co comércio o cimento é fornecido em sacos de /= Rg e =. com exceç"o do cimento 6AF que pode ser encontrado tam$ém em sacos de 0. como $asa to. 6s $ritas s"o os agregados graDdos mais usados no Orasi . Rg #Figura /. como as $ritas origin8rias da trituraç"o de roc."o muito importantes no concreto porque cerca de <. W da sua resistência K compress"o. . porém. Co passado era comum a mistura de $ritas . que ir"o garantir as propriedades de resistência e dura$i idade do concreto. -330%. o )'FF F-:/ e o )'FFF-0. L cimento )'(-6AF é tam$ém muito uti i!ado em f8$ricas de estruturas pré-mo dadas.o ou seixo ro ado Figura /. e graDdo. 6ssim sendo. com o . com uso superior a =. é imperiosa a necessidade de juntar ao concreto um materia com a ta resistência K traç"o #o aço%. Usinas fa$ricantes de concreto adquirem o cimento a grane . L agregado miDdo tem diNmetro m8ximo igua ou inferior a 0.os. como as pedras ou $ritas. Corma mente a 8gua pot8?e é a indicada para a confecç"o dos concretos. c.3. e s"o os materiais de menor custo dos concretos. como as areias. Rg.amados de miDdo.as.as. em grandes quantidades.4 mm.oje no Orasi . Ca c assificaç"o quanto Ks dimensões os agregados s"o c.na sua confecç"o. Ls diferentes tipos de cimento têm uma nomenc atura pr7pria e s"o fa$ricados segundo as resistências K compress"o de /=. apresenta $aixa resistência K traç"o. porém. e o agregado graDdo tem diNmetro m8ximo superior a 0. c) (')a 6 8gua é necess8ria no concreto para possi$i itar as reações químicas do cimento. W do consumo tota de agregado graDdo nos concretos #5>I96 Z 5LC9>FAL.amadas reações de . agrande maioria dos concretos feitos para as o$ras correntes uti i!a apenas a $rita .Bentre os diferentes tipos de cimento. 9em tam$ém a funç"o de u$rificar as demais partícu as para proporcionar o manuseio do concreto. -3<3%.4%.

:. conforme a COA =<:3P30. Co entanto. PRINCIPAIS"CARACTER-STICAS"DOS"CONCRETOS" 'ara a compreens"o do comportamento das estruturas de concreto armado é necess8rio con. >m resumo. a resistência K compress"o dos concretos é a?a iada por meio de corpos-de-pro?a ci índricos com dimensões de -= cm de diNmetro por :. >m funç"o da resistência característica do concreto K compress"o #fcR%.o seja rea i!ado de forma conjunta. surge ent"o o c. 'ara a existência do concreto armado é imprescindí?e que .amada Uarmadura passi?aV. que é essencia e de?e o$rigatoriamente existir entre o concreto e a armadura. Ls concretos s"o designados pe a etra ) seguida do ?a or da resistência característica. onde as $arras da armadura a$sor?em ou resistem Ks tensões de traç"o e o concreto resiste Ks tensões de compress"o. &) R%sist. L ensaio para determinar a resistência é feito numa prensa na idade de /4 dias a partir da mo dagem...ncia 6 armadura do concreto armado é c. como: . com dimensões -.o$jeti?o deste materia .. resistir Ks tensões de traç"o.amado Uconcreto armadoV. a) Massa"Esp%c. )onsiderando para as estruturas comuns uma taxa média de armadura de -. Rg de aço para cada metro cD$ico de concreto. a COA 43=:P3/ di?ide os concretos nas c asses F e FF. )om esse materia composto #concreto e aço%.aja rea so idariedade entre am$os o concreto e o aço. e que o tra$a . no que pode ser auxi iado tam$ém por $arras de aço. o que significa que as tensões e deformações ne a ap icadas de?em-se exc usi?amente aos carregamentos ap icados nas peças onde est8 inseridas.ecer a gumas características e propriedades dos materiais que o compõe: o concreto e o aço. cm./ica" 6 massa específica dos concretos simp es gira em torno de /. cm por /.=. RgPm:. pode-se definir o concreto armado como Ua uni"o do concreto simp es e de um materia resistente K traç"o #en?o ?ido pe o concreto% de ta modo que am$os resistam so idariamente aos esforços so icitantesV.0. cm de a tura mo dados conforme a COA =<:4P. o conceito de concreto armado en?o ?e ainda o fen+meno da aderência. 5'a% podem ser mo dados corpos-de-pro?a menores. expressa em 5'a. Be forma esquem8tica pode-se indicar: Concr%to"ar$ado"*"concr%to"si$pl%s"+"ar$ad)ra"+"ad%r. disposto con?enientemente. pois n"o $asta apenas juntar os dois materiais para se ter o concreto armado. a massa específica do concreto armado resu ta /. RgPm:.ncia"0"Co$pr%ss1o" Co Orasi . 'ara concretos de resistências K compress"o e e?adas #[ =.

o con.. 6 importNncia da determinaç"o dos m7du os de e asticidade est8 na determinaç"o das deformações nas estruturas de concreto.ncia"0"Tra21o" 6 resistência do concreto K traç"o ?aria entre 4 e -= W da sua resistência K compress"o. Cos e ementos f etidos. )4... )2. %) D%/or$a24%s"do"Concr%to" L concreto.ecimento das f ec.. traç"o indireta e traç"o na f ex"o. )/.. )0. Ls concretos com maiores resistências K compress"o norma mente deformam-se menos que os concretos de $aixa resistência. ):=. L m7du o de e asticidade depende muito das características e dos materiais componentes dos concretos. sendo con.sp% é determinada no ensaio de compress"o diametra . )=. cm segundo a direç"o do seu diNmetro. da pasta de cimento e a !ona de transiç"o entre a argamassa e os agregados. como o tipo de agregado. apresenta deformações que aumentam ou diminuem o seu ?o ume. e por isso têm m7du os de e asticidade maiores. L ensaio consiste em se comprimir ongitudina mente o corpo-de-pro?a ci índrico -= x :.. )-=. 6 resistência K traç"o indireta #fct. podendo dar origem a fissuras. )/=.ecido mundia mente por Ora!i ian test ou sp itting test. )0=.& ) asse FF: )==. >ste ensaio foi desen?o ?ido pe o 'rofessor *o$o )arneiro na década de =. gera mente tensões de compress"o.) asse F: )-. so$ aç"o dos carregamentos e das forças da nature!a. que. c) R%sist.. ):. como nos c8 cu os de f ec. d) M3d)lo"d%"Elasticidad% L m7du o de e asticidade é um parNmetro numérico re ati?o K medida da deformaç"o que o concreto sofre so$ a aç"o de tensões. dependendo da sua a$ertura e do am$iente a que a peça est8 . como as ?igas e as ajes por exemp o. s"o três os termos usados: traç"o direta. prescrito na COA <///P30.. >m funç"o da forma como o ensaio para a determinaç"o da resistência K traç"o do concreto é rea i!ado. )<.as m8ximas é muito importante e é um dos parNmetros $8sicos uti i!ados pe o projetista estrutura .as em ajes e ?igas.

idrataç"o do cimento. que é aque a que ocorre imediatamente ap7s a ap icaç"o das primeiras tensões de compress"o no concreto. s"o as deformações no concreto pro?ocadas pe os carregamentos externos.amada Udeformaç"o imediataV. por outro ado.Beformaç"o por Aetraç"o Befine-se retraç"o como a diminuiç"o de ?o ume do concreto ao ongo do tempo. como ser"o descritas a seguir.Beformaç"o *enta #F uência% 6 retraç"o e a expans"o s"o deformações que ocorrem no concreto mesmo na ausência de carregamentos externos. 6s principais deformações que ocorrem no concreto s"o as de?idas K retraç"o. que originam tensões de compress"o.exposta.amado Ucoeficiente de di ataç"o térmicaV #\te%. Befine-se como deformaç"o enta como o aumento das deformações no concreto so$ tensões permanentes de compress"o ao ongo do tempo. L coeficiente define a deformaç"o correspondente a uma ?ariaç"o de temperatura de -Y). 6 Udeformaç"o entaV ou Uf uênciaV.Beformaç"o por (ariaç"o de 9emperatura 9odo materia tem um coeficiente c. mesmo que n"o ocorram acréscimos nessas tensões. 6 retraç"o do concreto ocorre mesmo na ausência de ações ou carregamentos externos e é uma característica comum e natura dos concretos. de?ida $asicamente K acomodaç"o dos cristais que constituem a parte s7 ida do concreto. podem ser prejudiciais para a estética e para a dura$i idade da estrutura. K deformaç"o enta e K ?ariaç"o de temperatura. . . 6 deformaç"o que antecede a deformaç"o enta é c. com o qua se pode ca cu ar ?ariações de ?o ume e de comprimento de peças fa$ricadas com aque e materia . . pro?ocada principa mente pe a e?aporaç"o da 8gua n"o uti i!ada nas reações químicas de . .