Anda di halaman 1dari 5

Boletim Informativo janeiro/2007

Ano 3 - Edição n. 1

Editoração: Emilia F da Silva


E-mail: bi_sirwilliam@yahoo.co.uk Oxford House, Derbyshire Street, London, E2 6HG Registered Charity No. 1104534 - (24.06.2004)
www.sirwilliam.org Tel.: 020 7680 9756 Celular: 078 8064 5207

Nesta edição: EDITORIAL


♦ Reuniões
♦ Fale com nossa administração Página em branco
♦ Editorial
♦ Céu O escritor se depara com a página em branco diante dos olhos e, por um momento,
♦ Coral Sir William Crookes sente um arrepio de felicidade e excitação: aquele papel aguarda paciente que o artesão das
♦ Congresso Espírita Mundial palavras o deflore e crie um mundo novo de imaginação, de lições, de depoimentos de vida,
♦ Evangelizar - A Arte de Educar enfim, tudo é possível! O escritor procurará fazer do seu melhor, limitado certamente pelo
♦ Algumas Frases de Chico Xavier
que sabe e pode, mas também pelo que ousa: será ele mesmo até certo ponto a determinar os
♦ Eventos da BUSS
seus limites, a extensão das suas conquistas. Assim ocorre com este ano que inicia, esta pá-
♦ Será este o Milênio da Paz?
gina em branco na história da nossa vida. Que histórias teremos escrito quando 2007 estiver
♦ Feliz Ano Novo!
para terminar? Bem, olhemos para as que escrevemos em 2006, e aprendamos as nossas
♦ Tempo de mudança
lições. Há uma forte tendência a nos repetirmos, nos relacionamentos, nas omissões, nos
♦ Capacitação do Trabalhador Espírita
exageros, na indiferença. Também temos é claro escrito coisas boas e úteis, mas poucos pre-
♦ Evangelho no Lar
cisam de incentivo para se lembrar das próprias conquistas. Vamos nos concentrar nas áreas
♦ Cursos - Palestras (SSG)
que precisam de melhoria, e veremos que há realmente um grosso volume a ser escrito nos
♦ Caridade Moral ...
doze capítulos deste livro de 2007.
Somos todos artesãos das nossas vidas. Forjamos nossos pensamentos e ações a ca-
da momento e depois assistimos as suas conseqüências, algumas vezes, com surpresa ou
Reuniões desapontamento. Mas somos nós quem urdimos a trama dessa história, seus dramas e pai-
xões. Alguém dirá que a história não começa agora em janeiro, que já se estende desde mui-
♦ Das 14:30 às 17:30 tos anos, e portanto não somos livres para modificar o enredo. De fato, a história começou
Estudos em grupo com temas variados há milênios, e o ponto em que nos encontramos hoje revela os encadeamentos de todo esse
dentro da codificação de Kardec passado. Mas é, também, verdade que a continuação da história depende de nós, seus escri-
tores, e que podemos decidir mudá-la, muito ou pouco, superficial ou profundamente quan-
♦ Das 16:00 às 16:15 - Passe do quisermos.
♦ Das 16:15 às 16:45 - Confraternização Amigos e irmãos na causa Espírita, este mês é como qualquer outro, mas aproveite-
mos a convenção de contagem do tempo e nos disponhamos bem para a confecção da histó-
♦ Das 16:45 às 17:30 - Estudo do Livro
ria de nossas vidas. Com os conhecimentos que a Doutrina nos confere, podemos melhor
dos Médiuns em português e inglês avaliar nossas possibilidades e necessidades e nos encaminhar para uma direção mais produ-
tiva, fazendo bom uso de tantas possibilidades que Deus nos oferece.
Evangelização - das 14:30 às 16:15
Comecemos por avaliar essas possibilidades e os avanços que elas nos oferecem.
Fale com nossa Administração Agora perguntemo-nos: o que nos impede de pôr em prática nossos projetos? Quais esfor-
ços são necessários para que, em dezembro deste ano, não venhamos a nos arrepender das
Dirigente: Luis del Nero oportunidades perdidas, dos erros cometidos ou não corrigidos? Como é importante refletir-
mos sobre o curso que estamos dando a nossas vidas! Aproveitemos este início de ano, esta
Fone: 0208 673 5224 página em branco, para essa reflexão tão essencial para todos nós.
Celular: 078 7949 4514 Pensemos também em nossa Casa Espírita e em nosso papel dentro dela. Ainda que
E-mail: luis.delnero@virgin.net sejamos apenas alguém interessado em Espiritismo, se estamos ali é que temos algo a fazer,
por pequeno, invisível e anônimo que seja. Não nos furtemos a isso, ponhamos em prática a
Secretária: Edivania R M Claydon (Vivi) compreensão que já possuímos, para não nos arrependermos de nada no “final da história”.
Celular: 079 7383 1485 Vamos ousar: somos nós mesmos a fixarmos as cercas da nossa propriedade aqui na Terra.
E-mail: massoocoo@yahoo.co.uk Que alegria que é estarmos juntos! Como é maravilhoso esposarmos o trabalho com
Jesus, o Pastor inigualável, que nos dá toda a liberdade e aguarda a nossa iniciativa na cons-
Tesoureiro: Guilherme N Silva trução do amor comum e assim da nossa própria felicidade. Projetemos nessa página em
Fone: 020 7517 2398 branco que ora começamos a escrever uma história de amizade, de amor, de serviço no bem
e de fortalecimento dos nossos ideais comuns.
E-mail: guilhermensilva@hotmail.com

Daria tudo que sei em troca da me- Feliz Ano Novo!


tade do que ignoro. Descartes

A verdadeira sabedoria consiste em


se conhecer a própria ignorância. Boletim Informativo na Internet - Agora você já tem acesso a todos os Boletins Informativos
Sócrates anteriores, é só visitar nosso site: www.sirwilliam.org E-mail: bi_sirwilliam@yahoo.co.uk
Boletim Informativo janeiro/2007 SIR WILLIAM CROOKES SPIRITIST SOCIETY pág. 2

O Céu
Esfera de belíssimo azul, possuidora das estre-
las cadentes e da lua romântica, o que és de verdade?
Meus olhos te admiram e minha mente divaga:
Quantas diferentes vibrações pode o Céu cap-
tar?
Ora o estremecer de um trovão, ora o clarear e
radiante de um relâmpago, ora a calmaria do arco-íris www.consejoespirita.com e-mail: spiritist@spiritist.org
que faz a humanidade se encantar com a beleza de suas
cores. EVANGELIZAR - A ARTE DE EDUCAR
Ah! O Céu onde eu gostaria de um dia poder Evangelização Infanto-Juvenil
estar!
Mas, de repente, a esfera azulada torna-se escu- Importância da Evangelização:
ra e nesse turbilhão de confusos sentimentos desato a Inútil improvisar escoras regenerativas para obrigar o endirei-
chorar. tamento de árvores que envelheceram tortas. As escoras só
No entanto, em busca da claridade que há pou- asseguram o crescimento correto das plantas novas, evitando
co se fazia presente, só encontro cinza e negro a se a- que seus caules se desviem do rumo certo.
lastrar. Assim ocorre também com os seres humanos. Depois
Nada parece ter vida. Só posso escutar as bati- que as pessoas consolidam tendências e as transformam em
das aceleradas do meu coração a gritar. Será este o In- viciações, que acabam por tornar-se numa segunda natureza,
ferno? tudo fica sempre muito difícil quando se cogita de reformas
Não posso crer e aqui não desejo ficar! de procedimento, em sentido profundo.
Busco uma saída, por todos os lugares mas não É preciso cuidemos, portanto, da criança e do jovem,
consigo encontrá-la. plantas em processo de crescimento, ainda amoldáveis e dire-
Ah! Como eu gostaria de voltar para o céu! cionáveis para o bem maior. (Campo Fértil, Leopoldo Ma-
Nesse sonho, sinto-me envolta num foco bri- chado).
lhante que abranda meu coração, logo expandindo uma Bezerra de Menezes, pela mediunidade de Júlio Cezar
luz intensa e edificante. Grandi Ribeiro, responde questões que esclarecem a impor-
Agora entendo! O Céu e o Inferno são estados tância da Evangelização Espírita Infanto-juvenil, conforme
emocionais que dependem somente de mim, direcio- reproduzimos a seguir:
nando-me a uma morada onde meu estado de espírito Qual a importância da Evangelização Espírita Infanto-
me conduz. Juvenil na formação da Sociedade do Terceiro Milênio?
Sou Espírito e em mim se encontram todos os Considerando-se, naturalmente, a criança como o por-
meus ensejos. Posso ser a cor cinza-escura ou a estrela vir acenando-nos agora e o jovem como o adulto de amanhã,
cadente, mas te rogo ajuda, Senhor, para que um dia não podemos, sem graves comprometimentos espirituais, so-
do teu Céu eu possa compartilhar. negar-lhes a educação, as luzes do Evangelho de Jesus-
Edivania R M Claydon (Vivi) - Londres - UK
Cristo, fazendo brilhar em seus corações as excelências das
E-mail: massoocoo@yahoo.co.uk
lições do excelso Mestre com vistas à transformação das so-
Coral Sir William Crookes ciedades terrestres para uma nova Humanidade.
(...) é imprescindível abracemos, com empenho e a-
finco, a tarefa da evangelização junto às almas infanto-
juvenis, tão carentes de amor e sabedoria, porém, receptivas e
propícias aos novos ensinamentos. E isto, com a mesma ansi-
edade e presteza com que o agricultor cedo acorda para o ar-
roteamento do solo, preparando a sementeira de suas esperan-
ças para abundantes messes da colheita pretendida.
Assim, faz-se inadiável buscarmos os serviços que
nos competem junto à evangelização da criança e do jovem,
para que as comunidades terrestres, edificadas em Jesus, a-
Foi com muita alegria que no dia 17 de dezembro tivemos a pri- dentrem o Terceiro Milênio como alicerces ótimos de uma
meira apresentação do Coral Sir William Crookes. O grupo de cri-
anças da Evangelização foi “infiltrado” por alguns adultos que nova civilização que espelhe, no mundo, o Reino de Deus.
também queriam cantar! O resultado foi encantador e todos os Federação Espírita Brasileira – Equipe DIJ
presentes expressaram grande admiração pelo bom trabalho e votos Claudia Werdine - Viena - Áustria
de que o Coral se fortaleça e volte a se apresentar muitas vezes em claudiawerdine@hotmail.com
2007.
Boletim Informativo janeiro/2007 SIR WILLIAM CROOKES SPIRITIST SOCIETY pág. 3

vencível, imperturbável, como nos de-


SERÁ ESTE O MILÊNIO DA PAZ?
Algumas Frases de Chico Xavier monstrou o Cristo, e que a Doutrina Es-
pírita vem relembrar e apontar caminhos.
“Muitas vezes em aula, quando Mais um ano que passa, novo
criança, ouvia vozes dos espíritos ou sentia ano que surge... Necessário se faz, pois, que me-
mãos sobre as minhas mãos que eu senti-as ditemos sobre nós e nosso desejo de paz.
vivas, guiando meus movimentos de escrita, Tempo de mudanças...
Só haverá paz no mundo quando ela exis-
sem que os outros as vissem. Isso me criava Bons propósitos e votos são tir no íntimo de cada um de nós. A paz
muitos constrangimentos.” elaborados nas mentes e nos corações começa em nós!
“Em fins de 1927, numa reunião pública dos homens. E, sem dúvida, entre esses
Como ela é uma conquista indi-
e depois da evangelização, D. Carmem Pe- votos, há total unanimidade na emissão
rácio, médium de muitas faculdades, trans- vidual, no imo de cada homem, faz-se
de um forte anseio pela paz!
mitiu a recomendação de um benfeitor espi- mister que conscientemente avaliemos a
ritual para que eu tomasse o lápis e experi- Se os últimos séculos inegavel- nossa participação nessa tarefa universal.
mentasse a psicografia. Minha mão de pron- mente se caracterizaram pelo avanço
Será que estamos verdadeira-
to obedeceu, escrevendo dezessete páginas intelectual da Humanidade terrestre, os
mente nos propondo a decididamente
sobre os deveres espíritas. Senti alegria e queridos benfeitores do Plano Maior já
encetar a nossa renovação interior, a nos-
susto ao mesmo tempo. Tremia muito quan- nos informam que é momento para que
do terminei.” (sobre a primeira vez que psi-
sa reforma íntima, único meio para dar
o mundo comece a imprimir em si mes-
cografou). forma nova ao “homem velho” que secu-
mo o selo da Sensibilidade, do Progres-
larmente prevalece em nós? Reforma
“A meu ver, tive três períodos distintos so Moral.
essa que só se dará pelo processo contí-
em minha vida mediúnica. O primeiro, de Então, afirmamos, com vee- nuo de nos auto-analisarmos, visando o
completa incompreensão para mim, é aque-
le dos cinco anos de idade, quando via mi-
mência, que desejamos estabelecer real- conhecimento de nossa intimidade espiri-
nha mãe desencarnada, a proteger-me, até mente um processo crescente de paz, tual, que irá causar que nos libertemos
os dezessete anos, época em que me via sob envolvendo o orbe, anulando dissen- dos nossos erros e imperfeições, permi-
a influência de entidades felizes e infelizes, sões, violências, incompreensões, de- tindo-nos dominar a nós mesmos.
até que a misericórdia do Senhor penetrou sentendimentos!...
Nós estamos “em obras”... As-
nossa casa, em maio de 1927.” Queremos paz! sim, perseveremos no trabalho de ir-nos
“Desde que Emmanuel assumiu o co-
Mas, que paz? Qual o conceito despojando paulatinamente de tantos en-
mando de minhas faculdades, tudo ficou ganos falsos e perigosos, dedicando-nos
mais claro, mais firme. Ele apareceu em que temos dela?
à sementeira do amor como regra de con-
minha vida mediúnica assim como alguém Será desviando-a de seu verda-
que viesse completar a minha visão real da duta, amor equilibrado, que harmoniza o
deiro sentido, como faziam os romanos
vida.” nosso ser, que edifica, que aproxima, que
na época antiga, que afirmavam ser ne-
produz o bem, que gera a paz!
“Eu vivo muito alegre, muito feliz, tra- cessário possuir-se um poderoso exérci-
balho, tenho sempre muita gente em volta to a fim de, pelo medo, manter a paz Tornemos-nos focos individuais
de mim, muita, muita gente na minha vida, com seus vizinhos... (“Si vis pacem, dessa paz através da nossa educação inte-
é disso que eu gosto.” para bellum”, isto é “Se queres a paz, gral, a qual servirá de exemplo e ajuda
“Não sou autor de nenhuma dessas o- prepara a guerra”). aos irmãos que trafegam ao nosso lado.
bras.” (sobre os livros que psicografou). Jesus sempre nos demonstrou a
Será a sensação de alegria mal-
“Não me preocupei nem um pouco com sã do desavisado que a confunde com importância da paz: “Meus discípulos
essa previsão. Infelizmente, certas pessoas paz, quando, vingativo, vê seu desafeto serão conhecidos por muito se amarem, e
gostam de sensacionalismo. Não temos a em sofrimento? pelos esforços que envidarão para espa-
menor idéia do dia de nossa partida, a me- lhar a paz à sua volta.” E nos afirmou
nos que haja alta concessão do mundo espi- Será a satisfação de fugir ao
também que os “mansos” e os
ritual...” (sobre uma previsão de sua morte, trabalho para aquele que cultiva impen-
“pacíficos” seriam “bem-aventurados”!
feita por uma vidente). sadamente a inércia paralisante externa
Fragmentos da aula do CEM - Solidarity Spiritist Group e internamente? Inegavelmente, cada um de nós é
uma gota de água no mar. Porém, como
Ou será ainda o contentamento
dizia Madre Teresa de Calcutá, o mar
vicioso do vaidoso ante o incenso trai-
seria menor se lhe faltasse uma gota!...
çoeiro dos aduladores pertinazes?
Desse modo, persistamos em
E quantos exemplos mais pode-
nossos propósitos de melhoria, tendo o
riam ser dados sobre essa pseudo-paz...
Excelso Mestre como modelo e guia, a
Não, não é essa a paz a que as- fim de participarmos efetivamente da
piramos! A paz que almejamos é aque- construção dessa era nova, a era da sensi-
la vivenciada por Jesus, que nos disse: bilidade, da qual, sem dúvida, fará parte
“A paz vos deixo, a minha paz vos a beleza da paz!
dou.” Ele acrescentou ainda: “Não vo-
la dou como a dá o mundo”! Ivone M M Ighiggino - Rio de Janeiro - BR
ighiggino@terra.com.br
É a paz moral, evangélica, in-

Liberdade de expressão: O conteúdo das matérias deste Boletim, ainda que se pautem pela Doutrina Espírita, não refletem necessariamente a opinião da
editora Sir William Crookes Spiritist Society, mas a de seus autores e suas fontes.
Boletim Informativo janeiro/2007 SIR WILLIAM CROOKES SPIRITIST SOCIETY pág. 4

FELIZ ANO NOVO! TEMPO DE MUDANÇA


Mais um ano chega ao fim, para outro ano começar. Um
O planeta atravessa um significativo período de
ano? Mera convenção humana. Meses, semanas, dias, horas, mi-
transição, já iniciado há algum tempo, convidan-
nutos, segundos... é o homem marcando a passagem do tempo,
do o homem a segui-lo nesse trajeto. É a mudança
segundo parâmetros por ele mesmo estabelecidos. Kardec, em A
para uma nova etapa, mais promissora, gratifi-
Gênese, ensina que “o tempo não é senão uma medida relativa da
cante, prenunciando paz, amor, entendimento e
sucessão das coisas transitórias”. É a expressão da verdade, para
crescimento espiritual. É tempo do despertar das
a qual os Espíritos vieram nos despertar. Tudo neste mundo é re-
consciências para as realidades superiores da vi-
lativo, tudo é transitório; apenas o Espírito é eterno...
da, para o encontro do indivíduo consigo próprio,
Muitos ficam esperando a passagem de um ano para outro, o descobrir-se e descobrir Deus dentro de si. Os
como se, da noite de 31 de dezembro para 1º. de janeiro, tudo pu- momentos que decorrem apelam ao homem para
desse ser diferente e a vida finalmente sorrisse para cada ser hu- importantíssimas mudanças:
mano. Então, a partir do primeiro dia do ano, deveriam acabar as
Mudança na visão que tem de si relativamente
guerras, as divergências político-econômico-social-racial-
a tudo que o rodeia. Onde se centra e onde centra
religiosas. As pessoas passariam a ser mais amorosas, respeitosas
o seu semelhante.
para com o seu próximo, simpáticas, atenciosas, caridosas, benevo-
lentes, compreensivas, tolerantes, mansas e pacíficas. Que deveres reconhece dever ter para consigo
e para com os outros, que constituem a sociedade
Os que não tiveram “sorte” no ano que termina, esperam
onde ele próprio se insere.
melhores dias no que começa. Alguns místicos vão para a areia
das praias assistir à queima de fogos, pular sete ondas, fazer ofe- Se exige demasiado do seu próximo e procura
rendas, acender velas e depositar flores nas águas... Há os que u- álibis para si mesmo.
sam lentilhas, sementes de romã, uma nota de um dólar na cartei- Que relação estabelecem os seus pensamentos
ra etc., etc. etc. Tudo no afã de que as coisas de fato mudem. com Deus e as Suas Leis e com o Cristo.
Quando acordam no dia 1º. de janeiro, a primeira coisa Se questiona o Mundo e a sua origem.
que percebem é uma certa dor de cabeça (beberam demais come-
Mas uma parcela imensa de indivíduos perma-
morando a tal passagem do ano), encaram a própria indisposição,
nece indiferente à necessidade de mudança, de-
uma certa indiferença para com os outros, um bocado de mau hu-
masiado mergulhados que estão no primitivismo
mor, uma impaciência terrível com as crianças, falta de dinheiro,
dos interesses imediatos. Continua o Cristo a ser
dívidas, desemprego, frustrações... enfim, uma sensação indescrití-
o grande desconhecido para a grande maioria das
vel de ‘déjà-vu’. É claro que as coisas não mudam apenas por cau-
criaturas.
sa do calendário. É natural que aquelas ‘mandingas’ todas não
resolvem os problemas cruciais do homem. O que é que falta? O espírita consciente e esclarecido, neste perío-
do de mudança e transição, é chamado a protago-
Somente a melhora do homem, por dentro, transformará o
nizar um trabalho sem tréguas na seara do Mes-
mundo, não no dia 1º. de janeiro de cada ano, mas todos os dias de
tre Jesus, trabalhando para o bem comum, escla-
sua vida. As mudanças dependem da nossa postura, do nosso es-
recendo o seu semelhante e ajudando-o no seu
forço, da nossa reforma moral. Estamos sempre sedentos de mu-
próprio aperfeiçoamento. Sem esquecer, simulta-
danças, mas olhamos as coisas pelo ângulo de fora, da família, dos
neamente, a sua transformação moral, através da
outros, da sociedade, do mundo, esquecendo-nos de que tudo me-
renúncia, da identificação das próprias inferiori-
lhora quando nós mesmos nos transformamos, quando passamos a
dades e do esforço permanente para superá-las e,
ser melhores, mais positivos, mais naturais, mais confiantes, mais
obviamente, na obediência às Leis de Deus.
amorosos, mais cristãos.
É tempo de mudança!
Na verdade, “cada ano que finda”, disse Herculano Pires,
“em nossa existência temporária na terra, é uma fração do tempo É tempo de substituir o egoísmo pela partilha
que usamos, bem ou mal, em nosso processo evolutivo”. Portanto, fraterna.
é hora, isto sim, de avaliarmos como temos usado nosso tempo, O orgulho pela simplicidade, que iguala todos
fazendo um balanço das nossas realizações ou dos verdadeiros es- os seres aos olhos de Deus.
forços empreendidos na nossa transformação moral.
A agressividade pela tolerância, que aproxima
É bem verdade que o final de cada ano e o começo de outro os corações.
são importantes em nossa marcha de aperfeiçoamento. Mas, não
O materialismo pela espiritualização da alma.
lhes demos importância excessiva. Pensemos sim no que podere-
mos fazer de melhor no decorrer desse novo ano, sem ficarmos nos O sofrimento pela felicidade, que advém da
lastimando pelo que passou eventualmente em brancas nuvens. estrita vivência das Leis de Deus.
Comecemos por renovar nossa mentalidade, utilizando E ter sempre presente o alerta do Cristo: " Eu
nosso tempo vindouro na prática do bem, do auxílio ao próximo, sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vai
da nossa transformação, do combate às nossas más tendências. ao Pai senão por mim."
Feliz Ano Novo a todos! É tempo de mudança! O tempo urge, não per-
camos mais tempo!
Manuel Portásio - Londres -UK Noémia Maria José - Londres - UK
E-mail:manuelportasio12@yahoo.com.br noemiajose59@yahoo.co.uk
Boletim Informativo janeiro/2007 SIR WILLIAM CROOKES SPIRITIST SOCIETY pág. 5

A CAPACITAÇÃO DO TRABALHADOR
Or i ent aç ão par a impl ant ar o C ul t o do Evan gel ho e m se u L ar ,
ESPÍRITA
t o d o s o s d o mi n g o s, a p ó s a r e u n i ã o do u t r i n ár i a.
Parte 1

Introdução
Uma das paisagens que mais enriquecem a
visão de qualquer ser humano com um mínimo de
sensibilidade é a de um campo florido ou de jardins
bem cuidados, com flores de matizes diversos ou mes-
mo de uma única espécie, distribuídas cuidadosamen-
te aqui e acolá. Um observador um pouco mais atento
consegue verificar e deduzir que o jardim ou este
campo florido foi semeado por alguém ou por um gru-
po de pessoas. Pessoas estas, umas que tiveram o cui-
dado de escolher as sementes e outras que prepara-
ram o solo para o recebimento destas sementes. Tam-
bém não ficará desapercebido que, para que as se-
mentes pudessem dar frutos e flores, o correto tempo Solidarity Spiritist Group - Departamento de Ensino
do ano para a plantação e semeadura deveria ser cui- está oferecendo em sua sede - 59, Wandsworth High Street, os seguintes
dadosamente escolhido. Mas este observador atento, cursos:
constataria também que isto tudo não seria suficiente
para que o jardim florisse, pois todo solo possui se- 1 - Curso de Passe
mentes daninhas em seu seio e que se os matos não Durante o mês de janeiro às 5as. feiras, das 20:30 às 21:45
forem arrancados, as ervas daninhas tomam conta e Primeira aula 4 de janeiro de 2007
estragam a beleza destes jardins. 2 - Curso Introdutório ao Estudo do Espiritismo
Aqueles que convivem conosco ou que passam Durante o ano de 2007 - às 4as. feiras das 19:00 às 21:00
pela nossa vida formam o imenso solo onde serão lan- Primeira aula 7 de fevereiro de 2007
çadas e semeadas as sementes. Os ensinamentos de
3 - Aprendizes do Evangelho
Jesus e as mensagens do Consolador prometido por
Ele são as sementes das flores diversas e os jardineiros Durante o ano de 2007 - às 5as. feiras das 20:20 às 22:00
somos nós. Precisamos preparar estas sementes para Primeira aula 1º. de fevereiro de 2007
semearmos no momento oportuno e este preparo a-
contecerá à medida que nos dedicarmos mais e mais 1º. Mês Espírita do Solidarity Spiritist Group
ao estudo da Doutrina Espírita, o Consolador prome- Janeiro de 2007 - às 4as. feiras da 19:00 às 20:30 hs.
tido por Jesus.
Dia 3 - A Reencarnação à Luz do Espiritismo
Cabe aqui lembrar uma das mensagens deixa- Luís del Nero (Sir William Crookes Spiritist Society)
das por Jesus, o Grande Jardineiro, que dizia: ... deve-
Dia 10 - Filosofia e Espiritismo
mos separar o joio do trigo...
Manuel Portásio (Solidarity Spiritist Group)
Joio significa erva daninha e o trigo é a origem
do pão que sacia a fome das multidões. Para o traba- Dia 17 - Visão Espírita do Sexo
lhador espírita, nunca esta parábola foi tão apropria- João Dalledone (Solidarity Spiritist Group)
da como nos dias de hoje. Dia 24 - As doenças e o Espiritismo
Sendo a Doutrina Espírita o trigo que sacia a Eogene Pires (Fraternity Spiritist Group)
fome de esperanças e consolo das multidões, quais se- Dia 31 - Psicologia e Espiritismo
riam então o joio, ou seja, as ervas daninhas que pre-
Evanise Zwrites (Spiritist Psychological Society)
cisamos arrancar do nosso jardim?
Estas ervas daninhas, meus amigos, são as im- Inscrições e informações: solidaritydeptoensino@hotmail.com
perfeições milenares que estão cravadas bem no fundo
dos nossos corações. “A Caridade Moral consiste em vos suportardes uns aos outros, o
que menos fazeis nesse mundo inferior, em que estais momentane-
Em nós, trabalhadores espíritas, jardineiros amente encarnados. Há um grande mérito, acreditai, em saber ca-
responsáveis pelos jardins do amanhã, estas ervas lar para que outro mais tolo possa falar: isso é também uma forma
daninhas são nossos melindres, nosso orgulho e egoís- de caridade. Saber fazer-se de surdo, quando uma palavra irônica
mo, mágoas, intolerância ... escapada de uma boca habituada a caçoar; não ver o sorriso desde-
Precisamos urgentemente de nossa reforma nhoso com que vos recebem pessoas que, muitas vezes errada-
íntima, enxada poderosa que limpará e embelezará mente, se julgam superiores a vós, quando na vida espírita, a única
nosso jardim interior. verdadeira, estão às vezes muito abaixo: eis um merecimento que
Humberto Werdine - Viena - Áustria não é de humildade, mas de caridade, pois não se incomodar com
as faltas alheias é Caridade Moral”. (Evangelho - cap. XIII n° 9)