Anda di halaman 1dari 8

Nota prévia:

Tal como havia prometido, aqui fica a versão integral das crónicas de uma viagem
ao purgatório. Esta versão 2.0, traz algumas novidades, é bastante maçadora de ler,
por isso, se já leu os extractos anteriores não perca tempo com isto.

Introdução:
"O autor adverte os leitores mais propensos a criarem susceptibilidades com
preceitos religiosos, a não lerem o conteúdo perturbador que se segue. Se o fizerem
fazem-no por vossa conta e risco, depois não se lamentem por falta de aviso!"

Recordações do Purgatório

CRÓNICA DE UMA VIAGEM

Como os tempos são difíceis em consequência da crise financeira que se alastra, há


que aproveitar bem as oportunidades que nos surgem.

Foi aproveitando uma excepcional promoção da agência Ecclesia, especialmente


concebida para o Feira das Comendas, que embarquei numa épica viagem rumo ao
purgatório, esse lugar esotérico onde as almas são expostas a um processo
contínuo e terrível de depuração.

Para começar e porque a liquidez financeira, do momento, não é muito expressiva,


há que fazer a reserva da passagem em classe económica.

Primeiro motivo de reclamação, não aconselhamos viagens em companhias "low


cost" (baixo custo).

Fui meticulosamente enfiado dentro de uma estranha caixa em madeira, com 1,85m
por 0,6m.
Apesar do espaço ser muito confinado, estava bastante bem mobilado e
ornamentado a preceito, tudo com muito bom gosto. Possuía uns panos esquisitos
que serviam de cortina, além disso havia uma espécie de lenços rendilhados para
assoar o nariz.
Devo confessar que a viagem não foi muito confortável, lamentando a ausência de
uma escotilha que permitisse apreciar a paisagem durante o percurso.

Chegado ao purgatório, para grande surpresa minha dei de caras com o Jim
Morrison com uma garrafa de whisky na mão (mas que continha cerveja fresca),
sentado num vão de escada a partilhar um "pica" com o Kurt Kobain.

Apesar de ambos estarem com muito mau aspecto, muito sujos, roupas
esfarrapadas, cabelos desgrenhados, sebentos e com alguns bichos parasitas,
todos ressacados e com a barba por desfazer, não resisti à oportunidade única e
consegui logo, dois autógrafos e três bufadelas para abrir o espírito.

Fiquei entretanto a saber pelo Kurt, que o Morrison de vez em quando faz umas
incursões ao purgatório (devidamente autorizado por Satanás), para matar saudades
de umas fresquinhas (cervejas), porque na sua residência natural que são as
profundezas do inferno, não é possível obter cerveja fresca. O próprio Kurt Kobain
só se encontra no purgatório a estagiar, para atingir o nirvana.

Paragem seguinte...

Porque estava sequioso, fui beber uma fresquinha ao bar da Purificação. Entrei
discretamente, numa mesa do lado direito estava Boris Ieltsin a saborear uma Vodka
simples, do lado esquerdo estavam o Obélix e o Astérix a conspirar um ataque aos
romanos a partir do purgatório... sentei-me ao balcão e fui atendido por uma esbelta
e atraente mulher.

Pedi a cerveja...fiquei por instantes com o olhar preso às silhuetas pontiformes


daquele majestoso monumento, ela apresentou-se como sendo a Maria Madalena,
entretanto outra senhora acabada de entrar sentou-se a meu lado, por instantes
fiquei com a impressão que a conhecia de algum lugar... disparate! Pudera eu
conhecer aquela senhora que tinha umas vestes tão estranhas e era feia como o
Cérbero (para quem não sabe, Cérbero era o cão de Hades, senhor do mundo dos
mortos na mitologia Grega e é representado por três cabeças), mas se preferirem, a
fealdade da senhora assemelhava-se à Górgone (também mitologia grega
associada aos mortos), adiante... A senhora sentou-se a meu lado e apresentou-se,
o seu nome era Lúcia.

Preferi concentrar a minha atenção na Maria Madalena, que com uma voz
encantadora me ia explicando as agruras da vida e a dificuldade que ia tendo em
administrar aquele espaço, que era uma espécie de bordel mesclado de bar de
alterne.

Maria Madalena lançou-se naquele ramo de actividade, desde que Jesus a


surpreendeu na cama com o Cónego Melo, claro está que Jesus não podia ficar no
céu com o epíteto de touro manso, vai daí pediu a intervenção de Deus que de
imediato a expulsou do seu reino.

Para Maria Madalena a actual crise económica mundial não justifica de todo uma
redução da procura do seu espaço comercial, tanto mais que não é previsível que a
crise venha a afectar a economia do purgatório.

As causas são outras e prendem-se com, a decrescente qualidade do serviço


prestado por mão-de-obra pouco qualificada, que só consegue atrair "borracholas"
como o Ieltsin.

Apesar de tudo Maria Madalena está com algum optimismo, apesar de contido,
sempre vai dizendo, que espera que um raio de luz rompa com as trevas, em que
padece o negócio.

É preciso apostar no marketing e nada melhor que preparar uns shows de strip
acompanhados de dança no varão.

Enquanto Maria Madalena falava eu ia acenando levemente a cabeça em gesto de


compreensão e afirmação.

Entretanto, entrou na conversa a Lúcia que procurava emprego, depois de ter sido
expulsa também do reino dos céus, pelo facto de ter afirmado convictamente que
tinha visto a Virgem Maria (mãe de todas as virgens) a reluzir de forma
incandescente no cimo de uma azinheira, ora Deus que é grande e omnipresente
não tolera este tipo de insanidade mental e desterrou a Lúcia em viagem só de ida
para o purgatório.
Além disto, o céu é um lugar divino e sagrado e lá só se podem quedar mulheres
que comprovadamente sejam puras, limpas de pecado e de preferência com todas
as partes do corpo ainda intocáveis.

Deus promete começar a ser mais selectivo nas suas escolhas e já tem na calha das
suas aquisições, nomes sonantes como Madonna (enquanto cantar o "Like a virgin"),
a Britney Spears, a Cicciolina, a Soraia Chaves e também... a Luciana Abreu. Estas
têm as portas do céu e não só, completamente escancaradas e à sua espera.

Fiquei verdadeiramente comovido com a história de Lúcia, e intercedi junto de Maria


Madalena para que acolhesse aquela pobre mulher no (s) seio (s) da sua actividade
comercial.

Terminada a cerveja pedi a conta, pronto para sair dali, não fossem as más-línguas
insinuarem coisas que não são verdades, e pronto também para descobrir que
outras maravilhas surpreendentes nos reserva o purgatório.

- Conta por favor!...


- São 10 euros...
- Pu...ta que pariu, 10 euros !!!??? Foda...se!!!! o custo de vida no purgatório está
pela hora da morte!

Maria Madalena fez-me ver, que o preço elevado da cerveja se deve ao facto, de ser
um produto proibido no purgatório. A cerveja entra clandestinamente no seu bar,
para satisfazer apenas os desejos mais excêntricos de algumas visitas procedentes
do inferno, daí que é preciso pagar bem caro aos contrabandistas para a possuir (à
cerveja, não a Maria Madalena). Fiquei a saber que a única bebida permitida no
purgatório é a água benta, pelo que, o que o Ieltsin bebia era água e não vodka.

Apesar deste esclarecimento todo , eu é que fui fodi...do! (em 10 euros).

Saí do Purificação Bar com a certeza, pouco absoluta, (portanto mais relativa) de
jamais voltar (por falta de dinheiro).

Prosseguindo com a visita turística...


Um edifício chamou-me particularmente a atenção, chamava-se Centro de
Inspecção e Reabilitação de Almas Penadas. Entrei. Encontrei o Sá Carneiro quase
novinho em folha, pintura completamente retocada, faltando apenas retirar alguns
fragmentos de bomba da cabeça.

Num local mais recatado do salão principal, num canto, deitado numa padiola,
estava Sadam Hussein, que chegou ao purgatório com graves problemas
respiratórios e por isso estava ligado a um nebulizador de gás mostarda...
mordomias de um VIP.

Lady Diana também se encontrava cá, os técnicos tentam recompor o puzzle do seu
corpo, mas têm surgido alguns problemas , já que as peças não encaixam todas
correctamente e no final sobram sempre algumas. Lady Di só não está no céu
porque se enamorou por um tal de Al Fayed, e isso aos ouvidos de Deus soa a
Mouro.

Impressionante a mestria destes técnicos!... voltei à rua...

O purgatório está sempre a surpreender os seus visitantes! atentem nesta imagem...


Cruzo-me com João Paulo II, segurando a tiara com as mãos e correndo
desenfreadamente rua abaixo, era perseguido numa correria louca por, Trotsky,
Estaline e... Álvaro Cunhal que o tentavam apedrejar com o que restou da queda do
muro de Berlim.

Um dos locais de visita obrigatória no purgatório, é a galeria dos imortais, uma


espécie de museu Madame Tussaud, só que neste caso as almas não são de cera,
estão expostas em tamanho real, dentro de incubadoras à espera da redenção.

Antes de passar-mos à visita, convém lembrar que o paraíso celeste é interdito aos
imortais, no céu só existem almas mortas, mesmo! portanto, aos imortais só resta o
consolo eterno do purgatório. A primeira alma que se depara aos visitantes é a alma
sinistra de Adolf Hitler. Hitler só não teve lugar no céu, porque se tornou imortal ao
ter dizimado 5 milhões de judeus, paradoxalmente, Deus ter-lhe-ia concedido uma
excepção, se tivesse dado cabo de todos os semitas.

Outras figura que se imortalizou, foi Salazar, que não ficou no céu por ter caído da
cadeira e tombado no purgatório.

Estaline, outra imortalidade, cometeu um simples pecado, mas que o atirou para o
lugar dos penitentes; proibiu o culto religioso e perseguiu os praticantes da doutrina
católica, todas as outras façanhas que granjeou na URSS, eram dignas de lhe
conceder o éden.

Madre Teresa de Calcutá, não caiu nas graças de Deus por ser de origem Albanesa.

Sócrates, o criador do pensamento político, na Antiga Grécia; viu 7 séculos depois


um homónimo seu, redimir-lhe o nome e confundiu o guardião das almas do
purgatório.

Eva, a proscrita, foi expulsa do Céu por ter cometido o pecado original, ao ser
tentada pela serpente (metáfora bíblica para falo), a comer (erro de tradução bíblica,
leia-se saborear) o fruto proibido; a maçã (outra metáfora bíblica, na verdade eram
dois tomates), além disso Eva era uma mulher promiscua e ninfomaníaca, que por
várias vezes praticou o incesto, com Abel e com Caim, depois do Adão ter sofrido de
impotência.

Outra figura lendária, Napoleão Bonaparte, também ele imortalizado depois de ser
barbaramente sodomizado em Waterloo.

O nosso D.Afonso Henriques também lá tem a sua alma, era ponta de lança da
equipa dos cruzados, mas caiu em desgraça depois de Deus se ter irritado com a
derrota na final da Champions League contra a equipa dos Mouros.
Por falar em Mouros, também lá está Maomé; a sua alma está vedada ao reino
Celeste, por ser muçulmano.

Da mesma forma o Ayatolah Komeni é persona non grata nos jardins do paraíso,
tudo porque Deus tem inveja do paraíso Islâmico, onde cada mártir tem direito a 7
virgens, e como virgindade é coisa que não abunda muito no céu...

Enfim, fica aqui um pequeno resumo, daquilo que é possível observar nesta galeria.

Antes de prosseguir com a saga pelos caminhos sinuosos do purgatório, é


necessário fazer um "reverse" e puxar a fita um pouco atrás.

Devido a um lamentável (mas compreensível) lapsus memoriae, omiti três dos mais
inestimáveis imortais, pelo facto peço sentida desculpa aos causídicos:

Nostradamus - Foi um grande visionário no seu tempo e as suas premonições foram


tão longe que Deus privou-o da felicidade eterna.

O futuro só a Deus pertence! como tal, Nostradamus foi um concorrente indesejável


para o guardião dos Céus, daí que a sua alma tenha sido despachada para a purga
contínua.

Leonardo Da Vinci - Era uma apreciador das formas e dos sólidos geométricos,
cometeu a blasfémia de afirmar convictamente que a Terra era redonda.

Santificada ignorância! toda a gente sabe, que no Céu é tudo quadrado, além disso,
foi Deus o grande criador da Terra, inicialmente deu-lhe a forma triangular, mas
como não apreciou o resultado final, ficava a Terra com um aspecto meio bizarro,
deu-lhe então, a definitiva forma quadrangular.

Galileu Galilei - Foi excomungado para o Inferno, posteriormente Deus reabilitou-lhe


um pouco a alma e puxou-o para o purgatório.

Galileu teve a distinta ousadia para não dizer lata, de contrariar o conceito clássico
do geocentrismo, teorizando algumas teses em abono do heliocentrismo.

Deus é que não embarcou nesta treta toda e instituiu o teocentrismo, como o único
processo incontestável, à volta do qual (sua volta) todas as coisas giram.

Prosseguindo...

Ir ao purgatório e não visitar a sua praça central, é como ir a Roma e não ver o
Papa.
A praça central é o verdadeiro ex-libris daquele lugar. Ao centro um majestoso
monumento erigido em memória da alma do sanguinário Pol Pot, que foi um dos
mais notáveis fornecedores de almas para o purgatório, só no seu tempo foram à
volta de 25% da população do Cambodja.

O monumento é assim algo macabro (nada que seja muito estranho neste lugar),
está emoldurado com milhões de caveiras das vitimas que sucumbiram às mãos de
Pol Pot.
Num banco de jardim, deleitam-se na luxúria das carícias íntimas, o recém-chegado
Jorg Haider com Richard Wagner. Antes de se enamorar por Wagner, Haider obteve
o consentimento de Deus e do seu padrinho (A.Hitler).

O purgatório não é propriamente uma anarquia, mas encontrei Mao-Tsé-Tung, Enver


Hoxha, Lenine e Fidel Castro a congeminar uma intentona para derrubar o regime
capitalista do Céu e instalar lá um estado socialista.

Perguntam vocês, o Fidel porquê?

A explicação é simples, a alma de Fidel Castro já se desligou do corpo, na sua vida


terrena, o camarada Castro, não passa de um mero zombie, sem alma!

A praça do purgatório é polvilhada de frondosas árvores, mesas de pic-nic, com


relvados enormes e área reservada para os churrascos, tudo o que uma família de
almas em agonia precisa, para passar bons momentos de distracção e lazer.

Mas?! que vejo eu ???!!!

O Camões e o Homero em amena cavaqueira, falam de literatura certamente...

O Marx e o Keynes argumentam questões de economia e soluções teorizantes, para


a crise financeira terrena.

O Pitágoras e o Einstein trocam impressões sobre quântica celeste, impressionante!

O Dante e o Gil Vicente discutem, sobre qual é a peça mais original, se a "Divina
Comédia" se o "Auto da Barca do purgatório".

O Churchil, o Mussolini, o Eisenhower e o De Gaulle, velhos amigos, estão


entretidos a jogar à sueca, pelo meio, vão debatendo questões de política
internacional.

Dirigi-me para a baixa do purgatório...

O purgatório é um mundo sombrio e medonho, no entanto existe também espaço


para o lazer e para a diversão.

A marginal é o espaço de eleição para as almas noctívagas, uma espécie de 24 de


Julho, onde proliferam bares, discotecas e casas de espectáculos, os inevitáveis
arrumadores de almas também lá instalaram negócio.

Todo o ritmo de vida no purgatório está condicionado à vontade de Deus, ele é


omnipresente e omnisciente, controla tudo a partir do céu com um comando de
infravermelhos.

Ao nível dos espectáculos por exemplo, o fado, o canto gregoriano, os requiem e o


trash metal são os únicos estilos admissíveis e espiritualmente tidos como
aceitáveis.
Entrei num desses espaços e assisti a um dueto entre Amália Rodrigues e Freddy
Mercury a interpretar o " Madame Butterfly".

Num outro espaço ainda mais terrível, actuava o grupo "Almas Anónimas", que
levava ao êxtase orgiástico, dezenas de almas perdidas no tempo e no espaço, tudo
perante a mais singela contemplação de Deus magnum excelsior.

Deambulei mais um pouco pelo submundo da noite purgástica, o alucinado


D.Quixote pedia moedinhas para as anfetaminas, só com recurso a este expediente
consegue manter o equilíbrio necessário para combater moinhos de vento.

Beethoven e Mozart vão trauteando acordes para uma nova sinfonia, "O dia do juízo
final".

Jonh Lennon e George Harrison aguardam por Ringo e McCartney para se fazerem
à estrada com a nova tourné "Imagine Tour".

Pavarotti foi banido desta região e enviado para o inferno. A sua voz perturbava o
eterno descanso das almas.

Ao longe no horizonte, por entre os primeiros raios da aurora (no purgatório o mundo
gira ao contrário) estava fundeada a armada de Vasco da Gama.

O navegador Português foi quem descobriu o caminho maritimo para o purgatório


depois de ter dobrado o cabo das tormentas.

Vasco da Gama prepara já uma nova expedição, cujo objectivo é encontrar o


caminho maritimo para o Céu, mais uma vez terá que contar com a concorrência de
Cristovão Colombo, para concretizar tão almejado desígnio.

Existe uma corrente teocêntrica bastante controversa, que faz a defesa do direito
das almas, na opção pelo caminho mais rápido para o Céu. O caminho terreno
actual, inviabiliza qualquer possibilidade de uma alma seguir a sua derradeira
viagem para o Céu, sem ter que passar primeiro pelo purgatório.

Preparo agora a despedida deste mundo surreal, com algumas estrofes da nova
música da alucinogena Xana:

Entre as memórias e o sonho

"Vivo entre as memórias e o sonho,


num mundo paralelo à realidade!
onde tudo é tão fantástico e medonho,
bom demais até, para ser verdade."

"Num mundo onde o tempo é tão veloz,


me leva numa dança sem sentido,
num rodopio de cores extraordinárias!"
Já preparava o meu saudoso regresso ao stress da vida terrena, quando algo de
fantástico me acontece; dou de caras com a alma de Lara Croft, versão Angeline
Jolie, vestida com requinte, em traje de lingerie.

Tomado por um forte impulso esponjónico, agarrei-me ao que Lara tinha de melhor...

CABRUUUUUUMMMMM!!!!

PUUUUUUUUUUUUUM!

BOUUUUUUUUUUUUMMMMMMM!!!........................................

(...) Silêncio...... dois agentes da secreta do Vaticano, a Sagrada Inquisição,


conhecendo a parte mais fraca do meu espírito, tinham armadilhado a boneca. A
minha alma despedaçada acabou sendo projectada para o Inferno.

Depois de ter conseguido juntar todos os fragmentos, ressuscitei para a vida, ao 3º


dia conforme esta escritura...

O Inferno é um lugar onde a inovação tecnológica está mais além. Foi de lá, que o
Fernão me ensinou a circum-navegar até vós, em banda larga gratuita.

Das virtudes do purgatório, nunca ninguém regressou, a nado ou de navio para


relatar a sua história.

Eis-me regressado do inferno, para a vida mundana terrena!

FIM

Nota Final:
" Agradeço a todos os que manifestaram as suas opiniões positivas ou negativas
acerca desta narrativa. Isso também nos ajuda como humanos a moldar o carácter e
a eliminar os preconceitos obscurantistas e incontestáveis que sempre nos quiseram
impor.
A sátira não pretende atacar nenhum sector religioso em particular, mas a forma
como tentam limitar e castrar o pensamento e o raciocínio livre."