Anda di halaman 1dari 18
ANHANGUERA EDUCACIONAL – UNIDERP UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP POLO 7109 ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Aline

ANHANGUERA EDUCACIONAL UNIDERP UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP POLO 7109

ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS Aline Oliveira RA 351259 Ana Paula M. RA 402178 Mateus Oliveira RA 351949 Taylor Steven RA 402179

ATPS GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

Goiânia, 03 de junho de 2014.

ANHANGUERA EDUCACIONAL – UNIDERP UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP POLO 7109 Aline Oliveira RA 351259 Ana Paula

ANHANGUERA EDUCACIONAL UNIDERP UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP POLO 7109

Aline Oliveira RA 351259 Ana Paula M. RA 402178 Mateus Oliveira RA 351949 Taylor Steven RA 402179

ATPS Gestão de negócios internacionais

Goiânia, 03 de junho de 2014.

ANHANGUERA EDUCACIONAL – UNIDERP UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDERP POLO 7109 ADMINISTRAÇÃO Gestão de negócios internacionais Aline

ANHANGUERA EDUCACIONAL UNIDERP UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP POLO 7109

ADMINISTRAÇÃO Gestão de negócios internacionais

Aline Oliveira RA 351259 Ana Paula M. RA 402178 Mateus Oliveira RA 351949 Taylor Steven RA 402179

Gestão de negócios internacionais

Trabalho

de

conclusão

de

curso

apresentado

à

banca

examinadora

da

Faculdade

de

Administração

da

Anhanguera Educacional, como

requisito parcial à obtenção do grau de

Bacharel

em

Administração

sob

a

orientação da professora Mestre Kátia Soares. Goiânia, 03 de junho de 2014.

Aline Oliveira RA 351259 Ana Paula M. RA 402178 Mateus Oliveira RA 351949 Taylor Steven RA 402179

ANALISE DE INVESTIMENTO

 

Trabalho

de

conclusão

de

curso

apresentado

à

banca

examinadora

da

Faculdade

de

Administração

 

da

Anhanguera

Educacional,

como

requisito parcial à obtenção do grau de

Bacharel

em

Administração

sob

a

orientação da professora Mestre Kátia

Soares.

Aprovado em

de ____________________

de

_______.

BANCA EXAMINADORA ________________________________________ Prof. Dr. Anhanguera Educacional Ltda. ________________________________________ Prof.ª MS. Universidade Federal de São Carlos _________________________________________ Prof.ª Esp. Universidade de São Paulo.

Sumário

Introdução

6

Empresa, segmento, missão e valores

6, 7, 8

8

Oportunidades de exportação

9

Simulando o preço de exportação

9,10

Internacionalização da empresa

Estratégias de Promoções

12, 13

Preço de comercialização e a forma de pagamento dos produtos

13, 14, 15, 16, 17

Considerações Finais

17, 18

Referências Bibliográficas

18

Introdução

Os avanços da tecnologia permitem comunicações imediatas com as mais distintas regiões do planeta, possibilitando que os mais diversos negócios sejam efetuados, diariamente, com empresas de variados e distantes países. No passado, a indústria nacional era protegida por barreiras que hoje já não existem. Isso faz com que empresas estrangeiras possam vir concorrer comas empresas brasileiras dentro de nosso próprio país. A internacionalização leva ao desenvolvimento da empresa, pois a obriga a modernizar- se, seja para conquistar novos mercados, seja para preservar as suas posições no mercado interno. Neste sentido, o comércio exterior adquire cada vez mais importância para o empreendedor que queira realmente crescer, assim como para a economia brasileira, mediante o ingresso de divisas e geração de emprego e renda, estamos caminhando, definitivamente, para um mercado único global. A onda de abertura dos mercados mundiais, inspirada pela corrente neoliberal que se instalou na maioria dos países e levada a efeito pelas sucessivas rodadas de negociação no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC), ocorridas ao longo das últimas décadas, tem provocado um aumento sem precedentes no nível de competição internacional. Certamente este milênio que recém começamos deverá ratificar a continuidade e, inexoravelmente, a redenção, da era da globalização. Etapa 1 Empresa, atividade, produtos, potencial a ser comercializados no exterior, é um produto com perfil internacional, padrão de qualidade no mercado internacional, é necessário modificações para o mercado global, fotos e informações técnicas.

Empresa, segmento, missão e valores

TIGRE S.A. - TUBOS E CONEXŐES Matriz - Rua Xavantes, 54; Joinville; SC; 89203-900 CNPJ: 84684455/0001-63 Fundação: 2 de agosto de 1941 Total de fábricas: 21 Fábricas no Brasil: 9 (Joinville/SC, Castro/PR, Rio Claro/SP (2), Indaiatuba/SP, Camaçari/ BA, Pouso Alegre/MG, Escada/PE e Manaus/AM). Fábricas no exterior: 12 (Argentina, Bolívia (2), Chile (3), Colômbia, Equador, Peru, Estados Unidos, Paraguai, Uruguai). Total de funcionários: 6.763 . Funcionários no Brasil: 5.090. Funcionários no exterior: 1.673. Volume produzido anualmente (Grupo): mais de 350.000 toneladas. Produtos: 15.000 itens (Grupo) / 5.000 itens Tubos e Conexões Brasil. Presente em mais de 70.000 pontos de venda. A Tigre opera em 10 países e ainda exporta para mais de 40 países. Consolidada há quase 70 anos como líder no setor de tubos, conexões e acessórios em PVC, A marca Tigre é reconhecida pelo mercado como uma das 12 marca mais valiosas do Brasil, a única do setor de construção civil neste seleto grupo, segundo a consultoria internacional Interbrand. A Tigre é a multinacional brasileira líder na fabricação de tubos, conexões e acessórios no país e uma das maiores do mundo. Referência nos mercados Predial, de Infraestrutura, Irrigação e Indústria, são reconhecidas também pela

sua cultura de valorização das pessoas. Fundada em 1941, tem nove plantas no Brasil, incluindo fábrica de pincéis (Pincéis Tigre), perfis de PVC (Claris) e acessórios (Plena) e 12 no exterior (Argentina, Bolívia (2), Chile (3), Colômbia, Equador, Peru, Estados Unidos, Paraguai, Uruguai). Conta com mais de 6.700 funcionários e fabrica mais de 350 mil toneladas de produtos anualmente. A receita bruta em 2010 foi de R$ 2,6 bilhões.

Os quatro pilares do Mundo Tigre: Capacitar, Informar, Celebrar e Premiar.

Missão: Promover o desenvolvimento sustentável do habitat humano.

Visão: Liderar o mercado de Tubos e Conexões da América Latina.

Cooperação: Compartilhando desafios e resultados. Trabalhar coletivamente de forma coordenada e integrada. Desenvolver alianças nas ações, compartilhando desafios e resultados. Ser comprometido com as necessidades dos clientes internos e externos.

Transparência: Agir de forma coerente com o que se fala. Comunicar-se proativa mente com sinceridade, clareza e respeito. Manifestar concordâncias e discordâncias de maneira construtiva. Agir de forma coerente com o que se fala.

Fazer Acontecer: Comprometimento com os objetivos da empresa, ser inovador, ter diferenciação, ser ágil e persistente na busca e implantação de soluções de curto, médio e longo prazo. Demonstrar garra e pró-atividade, visando o crescimento rentável da empresa. Mobilizar as pessoas visando o comprometimento com os objetivos da empresa. Política da Qualidade e Responsabilidade Socioambiental.

Objetivo: A Tigre S.A. Tubos e Conexões Brasil tem como objetivo oferecer linhas de produtos completas para os mercados prediais, infraestrutura, irrigação, industrial, com foco na satisfação do consumidor e da sociedade, para tal, buscaram:

* O melhoramento contínuo dos nossos processos, produtos e serviços; * O atendimento aos requisitos legais e outros aplicáveis ao nosso negócio; * A minimização da geração de resíduos e do consumo de matérias primas.

Valores da empresa: Há mais de 40 anos investindo em construção de marca, a Tigre reina absoluta no segmento de construção e é uma das mais conhecidas e valiosas marcas do país. O valor do ativo da marca corresponde a cerca de 40% do valor da empresa, de acordo com pesquisa da Interbrand Financial Times. A força da marca e a qualidade dos produtos que a Tigre oferece deram origem a um dos atributos mais reconhecidos pelo mercado: a confiança. A marca Tigre é a mais lembrada e preferida pelos consumidores, resultado do seu investimento contínuo em marketing e de estratégias eficientes e bem posicionadas Hoje, a Tigre produz as mais completas linhas de tubos e conexões de PVC do mundo, com as melhores soluções para a realização do sonho da casa própria, para uma infraestrutura inovadora e para agricultura moderna e sustentável. A Tigre S/A recebeu em 2006 a recomendação para a certificação nas normas ISO 9001:2000 e ISO 14001:2004, ato que consagrou. A integração promovida pela companhia em seu Sistema da Qualidade e Responsabilidade Socioambiental. A certificação e as auditorias são de responsabilidade do BV Certification Bureau

Veritas Certification, segue todas as normas de fabricação internacional, conforme ISO

15875.

Não há até a presente data nenhuma modificação nos produtos oferecidos ao mercado

Internacional, não havendo nenhuma necessidade adequá-los ao mercado Internacional.

Fábricas / Unidades A TIGRE lidera o mercado no Brasil e naAmérica do Sul e é uma das referências mundiais na fabricação de tubos e conexões em PVC. O negócio da Tigre é inspirar-se nas necessidades de quem constrói e oferecer soluções inovadoras e eficazes em tubos, conexões e acessórios de termoplástico, com o compromisso de entregar sempre produtos da mais alta qualidade para os mercados Prediais, Infraestrutura, Irrigação e Indústria.

Produtos produzidos e comercializados pela empresa

Adesivo Plástico para PVC Bisnaga Azul

Detalhes do Produto Peso: 0,099kg

Função: promover a união entre tubos e conexões de PVC Tigre por meio de soldagem a frio. Aplicação: processo de soldagem das linhas Soldável Marrom para Água Fria, Registros e válvulas soldáveis, Esgoto Série Normal e Reforçada e linha Irriga LF Ponta

B.

Características Técnicas:

Composição química: produto a base de misturas de solventes formaldeídos, cetonas e resina de PVC. Produto inflamável, com vapores tóxicos. Materiais ou substâncias incompatíveis: materiais oxidantes fortes como Cloro Líquido e Oxigênio Concentrado. Fácil aplicação do produto: não exige ferramentas especiais, basta usar trincha ou o próprio bico aplicador do adesivo. Perfeita estanqueidade: o processo soldagem a frio promove reação química que funde as superfícies em contato, transformando-as em um único material.

Adesivo Aquatherm Cpvc 65g

Peso: 0,093kg Referência do Fornecedor: AQ22 Embalagem Caixa de papelão Tamanhos e Medidas, 65 Gr Componentes(s): Peça única Composição: CPVC Formas de Utilização: Para instalação de produtos Aquatherm

Características Técnicas:

Próprio para produtoespecífico para produtos Aquatherm. Benefícios ao Consumidor: Cola perfeitamente a linha Aquatherm, sem solda.

Oportunidades de exportação

* ABNT NBR 15884/2010: Sistemas de tubulações plásticas para instalações prediais de água quente e fria Policloreto de vinila clorado (CPVC); * ASTM (American Society for Testing and Materials) D-2846; * ASTM (American Society for Testing and Materials) F-439 (para os diâmetros de 73 a 114) - para conexões; * ASTM (American Society for Testing and Materials) F-442 (para os diâmetros de 73 a 114) - para tubos; * NBR 7198 - Projeto e execução de instalações prediais de água quente; Adesivos e solução preparadora para instalação de tubos e conexões em PVC e CPVC, os Adesivos para PVC podem ser encontrados em bisnagas e frascos, nas cores incolores e azuis. Entre suas maiores vantagens, eles são fáceis de aplicar com pincel, além da economia proporcionada com as bisnagas em menores volumes, atendendo a necessidade dos consumidores e instaladores de todo os locais e países onde os produtos são comercializados, sem a necessidade de alterações, atingindo o mercado alvo internacional, conforme ISO acima mencionados. EXW (EX Works) - Neste caso, toda a responsabilidade da carga é do importador. O exportador tem a obrigação apenas de disponibilizar o produto e a fatura em seu estabelecimento. A partir daí, despesas ou prejuízos com danos ficam a carga de quem está comprando. Por causa disso, a modalidade é pouco utilizada, apesar de ser possível para qualquer meio de transporte. Preço mercado interno = custo total + lucro +t ributos Preço mercado externo = preço mercado interno tributos - despesas. 1 + despesas. 2.

Definir o preço de exportação e muito importante exige que o exportador saiba a legislação de cada país que deseja exportar para calcular o preço existe a formula abaixo.

Simulando o preço de exportação

Preço de mercado interno sem IPI: R$ 51,00 Componentes do preço no mercado interno (-) ICMS: 18%. R$ 9,18 (-) COFINS: 3% R$ 1,53 (-) PIS: 0,65% R$ 0,33 (-) Outros tributos: 3% R$ 1,53 (-) Lucro de mercado interno: 10% R$ 5,10 (-) Embalagem de mercado interno: R$ 0,51 R$ 0,51 (-) Comissão de vendedor no mercado interno: R$ 0,00 R$ 0,00 (-) Despesas de propaganda no mercado interno: R$ 1,00 R$ 1,00 (-) Despesas de distribuição de mercado interno: R$ 0,75 R$ 0,75 (-) Outras despesas que não incidir no mercado externo: R$ 1,25 R$ 1,25 (=) SUB TOTAL- Componentes do preço de mercado interno: R$ 29,82 Componentes do preço na exportação (+) Embalagens: R$ 1,75 R$1,75 (+) Outras despesas: R$ 1,00 R$1,00 (=) SUB TOTAL- Componentes do preço na Exportação: R$ 2,75 (=) Custo total R$ 32,57

(+) Lucro desejado na exportação: 10% R$ 3,58 (=) Preço EXW em moeda nacional: R$ 35,91 Preço em dólar americanos Taxa cambial: R$ 2,01 (=) Preço EXW em dólar: R$17,86

Internacionalização da empresa

Tamanho do Mercado * Negócios internacionais representam 21% do faturamento (engloba exportações). * Exportações representam 4% do faturamento. * Número de países com os quais a Tigre mantém negócios: mais de 40 países (10 deles com unidades próprias e em mais de 30 com exportações, com destaque para os países do continente africano).

Balança comercial brasileira - maio 2012

No mês, a exportação alcançou o valor recorde para meses de maio de US$ 23,215 bilhões, superando igual período de 2011 (US$ 23,209 bilhões). Sobre maio de 2011, as exportações mantiveram-se estáveis, e cresceram 7,9% em relação a abril de 2012, pela média diária. As importações totalizaram US$ 20,262 bilhões, valor recorde para meses de maio, superando igual período de 2011 (US$ 19,685 bilhões). Sobre igual período anterior. As importações registraram aumento de 2,9%, e queda de 1,4% em relação a abril de 2012, pela média diária. No período, a corrente de comércio alcançou a cifra recorde para meses de maio de US$ 43,477 bilhões. Sobre igual período do ano anterior, a corrente de comércio registrou crescimento de 1,4%. O saldo comercial do mês registrou superávit de US$ 2,953 bilhões, valor 16,2% inferior ao registrado em maio de 2011, quando apresentou saldo de US$ 3,524 bilhões. (Portal Brasileiro do Comércio Exterior). A Tigre conta com esse equilíbrio: tem 20 fábricas espalhadas por dez países Brasil, Paraguai, Uruguai, Argentina, Bolívia, Chile, Equador, Colômbia, Peru e Estados Unidos. Neste último, a empresa entrou por meio de associação com a Advanced Drainage Systems (ADS), maior fabricante do mundo de tubos corrugados em polietileno de alta densidade esses tubos são utilizados em obras de infraestrutura urbana, mineração e irrigação. É uma área extremamente importante, principalmente agora, com as obras para a Copa

do Mundo e para a Olimpíada, diz Dreher, Presidente da Tigre. Ele lembra que a área de infraestrutura representa apenas 18% da receita da empresa. A construção civil responde pelos outros 82%. ―Mas é uma área com potencial de crescimento e pode chegar a 30% da receita.‖

Oportunidades de Exportação: A crise financeira global está abrindo espaços para o crescimento das multinacionais brasileiras. Protegidas por um mercado doméstico forte e "treinadas" para períodos difíceis, por causa das inúmeras crises regionais que já atravessaram as múltis do País já começam a aproveitar as boas oportunidades que vêm surgindo. Segundo a espanhola Lourdes Casanova, professora da escola de negócios Insead e especialista em empresas latino-americanas, o desinvestimento realizado por

multinacionais de países desenvolvidos - os mais afetados pela crise - já rendeu bons negócios no Brasil e também em outros países latino-americanos, como o Chile. Para Álvaro Cyrino, professor do Dom Cabral, esse quadro deve voltar agora, com um impulso extra da valorização da moeda nacional. Segundo ele, nenhuma empresa brasileira pensa em interromper o processo de internacionalização. O que pode ocorrer, no entanto, é uma mudança de foco: com a crise, as companhias preferirão investir em mercados que continuam crescendo - caso dos países emergentes, como a China - e que tenham proximidade, seja cultural ou geográfica. Hoje, a América Latina concentra 46% dos ativos das companhias brasileiras internacionalizadas, de acordo com o estudo da Fundação.

Pesquisa Mercado Alvo: O território argentino está totalmente localizado nos hemisférios sul e ocidental, constituindo a porção mais austral da América do Sul. Sua localização é estratégica, em relação a territórios marítimos entre o Atlântico Sul e o Pacífico Sul (Estreito de Magalhães, Canal de Beagle, Passagem Drake). Sua superfície total legal é de 3.745.247 Km², dos quais 2.780.400 Km² correspondem ao continente americano e 964.847 Km² ao continente antártico. No entanto, fontes argentinas oficiais e extraoficiais continuam considerando como territórios as Malvinas e ilhas adjacentes, elevando a superfície total para 3.761.274 Km².

Descrição do Cliente potencial: A Argentina será o nosso alvo, para a venda e distribuição de nossa mercadoria por se tratar de um país emergente.

Argentina:

Área: 2.780.092 km² Capital: Buenos Aires População: 40 milhões (estimativa 2010) Moeda: peso argentino Nome Oficial: REPÚBLICA ARGENTINA Data Nacional: 25 de maio (aniversário da Revolução) e 9 de julho (Dia da Independência). Geografia da Argentina:

Localização: sul da América do Sul Fuso Horário: a mesma de Brasília Clima da Argentina: de montanha (NO, SO, O), árido tropical (NE), árido frio (SE), temperado continental (S), tropical (N), subpolar (extremo sul). Cidades da Argentina (PRINCIPAIS): Buenos Aires, Córdoba, Rosário, Santa Fé, Mendonza Regiões Geográficas: Pampa, Mesopotâmia, Cuyo e Patagônia. Rios Principais: Rios de La Plata, Paraguai, Barmejo, Colorado e Uruguai. Composição da população: europeus meridionais 85%, eurameríndios 7%, ameríndios 0,4% e outros 7,6% (censo de 1996). Divisão Administrativa: 23 Províncias e 1 Distrito Federal Idiomas: espanhol (oficial). Religião: Católica Romana 92%, protestantes 2%, judeus 2% e outras 4% Densidade Demográfica: 14,43 hab./km2 Crescimento Demográfico: 1,3% ao ano (1995 a 2000) Taxa de Analfabetismo: 2,4 % Renda Per Capita US$ 14.700 (estimativa 2010).

Economia Argentina

Produtos Agrícolas: trigo, milho, soja, sorgo. Pecuária: bovinos, ovinos, caprinos, aves Mineração: petróleo, gás natural, carvão. Indústria: alimentícia, bebidas, química, equipamentos de transporte, refino de petróleo PIB: US$ 596 bilhões (estimativa 2010) Forma de Distribuição Serão utilizados os meios de transportes Terrestre, Marítimo e Aéreo.

Transporte Rodoviário

As exportações estão intimamente conectadas a infraestrutura do país, como também aos seus modais de transporte, principalmente com o rodoviário que interliga os demais.

Portanto uma boa base rodoviária fornece uma vantagem competitiva ao país. Analisando o caso brasileiro fica evidente que o acontece é o contrario, o que constitui

parte do chamado ―Custo Brasil‖.

Transporte Marítimo

O transporte marítimo é o transporte aquático que utiliza como vias de passagem os mares abertos, para o transporte de mercadorias e de passageiros. O transporte fluvial usa os lagos e rios. Como o transporte marítimo representa a grande maioria do transporte aquático, muitas vezes é usada esta denominação como sinônimo. Com o desenvolvimento das indústria automóvel e da aviação a importância do transporte marítimo decresceu, mas ainda assim é eficaz.

Transporte Aéreo

O transporte aéreo deve ser utilizado para médias e longas distâncias, em caso de produtos de alto valor agregado e com elevado grau de exigência quanto aos níveis de serviço aos clientes. Faria e Costa (2005), ressalta que, na prática, se um produto precisa ser entregue em um ponto distante, o modal aéreo oferece menor tempo em trânsito se comparado a qualquer outra modalidade de transporte.

Estratégias de Promoções

Serão utilizadas nesses segmentos todos os canais de comunicação disponíveis no País, tais como: Televisão, Rádio, Internet, Jornais. Foi feito uma ampla pesquisa de mercado com os principais concorrentes, onde os preços foram tirados da tabela oferecendo as linhas mais completas do segmento, com soluções para instalações prediais, industriais, infraestrutura e irrigação, são mais de 70 mil pontos de venda em todo o país. Um dos entre os diversos canais de vendas do produto é a pagina eletrônica:

www.cec.com.br/tintas-e-acessorios/colas-e-adesivos/adesivo- - 58k, lojas comerciais, mercado interno e mercado consumidor: toda a área de construção civil e hidráulica, o Grupo Tigre anuncia crescimento de 18% e faturamento recorde, A empresa teve o melhor ano da história em 2010 e anuncia investimentos de R$ 250 milhões em 2011,

quando completa 70 anos.

Em2011, a empresa prevê investir R$ 250 milhões em inovação, aumento de capacidade produtiva (inclusive com inauguração de novas unidades fabris no Brasil e no exterior) e ações de marketing e relacionamento. A previsão para o ano de 2011 é de 10% de crescimento em relação a 2010, com a contratação de 300 novos profissionais.

―Estamos confiantes de que os projetos previstos para eventos como a Copa do Mundo

e Olimpíadas impulsionarão ainda mais nosso crescimento no País, e no exterior nossa

presença é cada vez mais consolidada‖.

A Tigre, multinacional brasileira líder na fabricação de tubos, conexões e acessórios no país e uma das maiores do mundo, recebeu a certificação low-VOC (Volatile Organic Compound) na sua linha de adesivos por ter baixa emissão de solventes quando aplicados. A utilização destes adesivos em construções e empreendimentos amplia a chance destas obras serem consideradas sustentáveis, após conseguirem certificados verdes, sendo que o mais difundido no Brasil é o Leed (Leadership in Energy and Environmental Design) desenvolvido pela ONG United States Green Building Council. No mês, a exportação alcançou o valor recorde para meses de maio de US$ 23,215 bilhões, superando igual período de 2011 (US$ 23,209 bilhões). Sobre maio de 2011, as exportações mantiveram-se estáveis, e cresceram 7,9% em relação a abril de 2012, pela média diária. As importações totalizaram US$ 20,262 bilhões, valor recorde para meses de maio, superando igual período de 2011 (US$ 19,685bilhões). Sobre igual período anterior, as importações registraram aumento de 2,9%, e queda de 1,4% em relação a abril de 2012, pela média diária. No período, a corrente de comércio alcançou a cifra recorde para meses de maio de US$ 43,477 bilhões. Sobre igual período do ano anterior, a corrente de comércio registrou crescimento de 1,4%. O saldo comercial do mês registrou superávit de US$ 2,953 bilhões, valor 16,2% inferior ao registrado em maio de 2011, quando apresentou saldo de US$ 3,524 bilhões.

Preço de comercialização e a forma de pagamento dos produtos

Análise da fatura por forma:

O importador tem condições para analisar todos os aspectos que envolvem a operação, começando pela verificação da classificação tarifária a ser adotada para poder definir, com maior segurança, os procedimentos a serem seguidos em relação ao regime cambial, administrativo e tributário da importação. Observar mercadoria/operação, se sujeitos a controles especiais Quando se tratar de mercadoria ou operação de importação sujeita a controles especiais do órgão licenciador (SECEX) ou dos demais órgãos federais que atuem como anuentes, a importação estará sujeita a licenciamento não automático. Nesse caso o importador deverá solicitar no Siscomex, a Licença de Importação (LI) antes do embarque, ao receber a fatura pro forma. Em caso de licenciamento não automático, o importador lança os dados no Siscomex, e aguarda a anuência do órgão competente, dependendo do tipo de mercadoria a ser importada. Elaboração de Planilha de Estimativa de Custos da Importação O preço final para o mercado interno será obtido adicionando-se ao preço FOB da mercadoria o valor dos seguintes custos: Frete Internacional, Seguro de Transporte Internacional, Imposto de Importação, Imposto sobre Produtos Industrializados, Despesas Bancárias, Taxas Portuárias e Taxas de Armazenagem, ICMS, Despachante Aduaneiro e Frete Interno,

etc. Fechamento do negócio O importador receberá a formalização do pedido, confirmado por carta, telex, fax ou e-mail, etc. Uma vez confirmada a operação, o exportador deverá enviar uma fatura pro forma ao importador (prática de comércio internacional de aceitação geral). Esta fatura tem como objetivo habilitar o importador a obter licença de importação no país de destino e, ao mesmo tempo, é prova de confirmação do negócio tratado. Emissão de Documentos de Embarque O exportador estrangeiro prepara a emissão da fatura comercial, conhecimento de transporte original e demais documentos necessários para o desembaraço da mercadoria, no Brasil. Câmbio O importador deverá dirigir-se a uma das Carteiras de Câmbio do BANRISUL para contratar o câmbio, observadas as normas do Banco Central do Brasil conforme a modalidade de pagamento pactuada entre as partes. Modalidades de Pagamento:

Pagamento Antecipado: fecha-se o câmbio enviando a remessa para o fornecedor, tão logo seja emitida a LI no caso de licenciamento não automático, ficando a vinculação

do câmbio à DI sob responsabilidade do importador;

Carta de Crédito à Vista: após a

recepção da carta de crédito, o exportador estrangeiro providencia a documentação e

entrega ao banco negociador, o qual os analisará e, uma vez de acordo com os termos do crédito, remeterá ao Banrisul mensagem confirmando que os termos foram cumpridos e, simultaneamente os documentos, para pagamento e desembaraço das mercadorias; Carta de Crédito a Prazo: após a recepção da carta de crédito, o exportador estrangeiro providencia a documentação e a entrega ao banco negociador, o qual os analisará e, uma vez de acordo com os termos do crédito, os remeterá ao Banrisul para desembaraço das

mercadorias e pagamento no vencimento;

Cobrança à Vista: o fechamento do câmbio e

pagamento da importação ocorre quando da chegada dos documentos às carteiras de câmbio do Banrisul, após o embarque das mercadorias; Cobrança a Prazo: o fechamento

do câmbio e o pagamento ao importador ocorrem no vencimento da

obrigação;

Remessa direta/remessa sem saque: o fechamento do câmbio ocorre quando

da apresentação dos documentos pelo importador ao BANRISUL para pagamento ao exportador, a vista ou no vencimento da obrigação. Contratação do Transporte Quando o importador for o responsável pela contratação do transporte da mercadoria, deverá fazê-lo junto à companhia transportadora internacional. De qualquer forma, o responsável pela contratação do transporte deverá fornecer à empresa transportadora todos os dados referentes aos volumes a serem embarcados, tais como: descrição da mercadoria, ponto de origem e destino, peso líquido e bruto, volume e embalagem, de modo a possibilitar à transportadora reservar o espaço necessário no veículo transportador. Contratação do Seguro Deverá ser contratada pelo importador. Embarque da Mercadoria O importador só poderá autorizar o embarque da mercadoria após contratação do seguro e do frete, no caso das mercadorias sem licenciamento automático, após a emissão da LI. Uma vez embarcada a mercadoria, o exportador deverá remeter ao importador os documentos necessários ao desembaraço e liberação da

mesma na aduana brasileira. São eles: fatura comercial, conhecimento de embarque e outros documentos exigidos pelas autoridades brasileiras. Liberação da mercadoria Após a chegada dos documentos originais, processar a liberação da mercadoria com a preparação da Declaração de Importação (Dl), o pagamento dos tributos Federais, Impostos de Importação (II) e Impostos sobre Produtos Industrializados (lPl), das despesas de transporte e recolhimento do ICMS, através de débito em conta corrente do importador, em uma das Agencias do BANRISUL, mediante cadastramento prévio.

Registro da DI Registrar a DI através do SISCOMEX Importação e entregar o extrato da DI e demais documentos na alfândega. Análise da DI Aguardar a análise da alfândega dependendo do canal atribuído na Dl. A conferência aduaneira selecionará os despachos para cada um dos seguintes canais:

Canal verde - as mercadorias serão liberadas sem a realização do exame documental ou da verificação física da mercadoria e do exame preliminar. O importador entrega o

conhecimento de transporte averbado na alfândega.

Canal amarelo - as mercadorias

serão liberadas, após a realização do exame documental sem a verificação física e o exame preliminar do valor.

Canal vermelho - as mercadorias serão desembaraçadas somente após o exame

documental e a conferência física.

Canal Cinza - pelo qual o desembaraço somente

será realizado após o exame documental, a verificação da mercadoria, o exame preliminar do valor aduaneiro e do pagamento de todos os tributos incidentes. Pagamento despesas Após a liberação da mercadoria pela alfândega, efetuar o pagamento das despesas portuárias ou aéreas para retirar a mercadoria e emitir a nota

fiscal de entrada. Pagamento/Contratação /Liquidação do Câmbio O pagamento ao exportador dar-se-á através da contratação de câmbio junto a uma das Carteiras de Cambio do BANRISUL. O importador terá sua conta debitada em reais, com a remessa da moeda estrangeira equivalente para pagamento ao exportador no exterior. O momento exato desta remessa dependerá da modalidade de pagamento tratada entre as partes e do prazo de pagamento pactuado. Registros fiscais, contábeis, administrativos e de arquivo A empresa deverá manter em seus arquivos contábeis os documentos pertinentes à importação: nota fiscal de entrada, DI - Declaração de Importação, Comprovante de Importação (desembaraço), Fatura Comercial, Contrato de Câmbio, Conhecimento de Embarque e Dares dos impostos pagos. Por segurança, caso a contabilidade da empresa seja terceirizada, é conveniente a elaboração de arquivo individual dos originais, englobando os documentos que fizerem parte do processo. Esses documentos deverão ser guardados pelo prazo de cinco anos. Uma referência recorrente utilizada é a que podemos resumir transcrevendo partir do Modelo de Uppsala e das teorias acerca das formas de entrada em mercados internacionais foi desenvolvida uma escala de comprometimento em formas de entrada como segue, da menos comprometida para a mais comprometida.

Exportação através de terceiros. Exportação direta; Licenciamento; Associação/Alianças estratégicas com empresas estrangeiras; Franchising; Instalação de escritórios próprios voltados à comercialização; Instalação de subsidiária/Unidade de produção; Centro de pesquisa.

A escala pressupõe que as empresas tendem a evoluir dos estágios iniciais (menos comprometidos), para os estágios finais (mais comprometidos) na sua atuação internacional, em função do aprendizado e benefícios que consigam. Observando a escala acima proposta podemos ver que se trata de uma forma bastante comprometida de internacionalização, ou, em outras palavras, de uma forma avançada. Trata-se de uma área ainda em formação, até porque o próprio processo de globalização das empresas (e também da manufatura) se apresenta bastante complexo e

incompreendido.

Taxa Anual de Crescimento: A Tigre, multinacional brasileira líder na fabricação de tubos e conexões em PVC no Brasil e na América do Sul, acaba de divulgar as demonstrações financeiras de 2010. O Grupo Tigre apresentou uma receita bruta de R$ 2,6 bilhões e uma receita líquido de R$ 2,1 bilhões, valor 18% superior a 2009. O EBTIDA teve um crescimento 23,3% e o lucro líquido consolidado atingiu R$ 165 milhões. A Tigre também aderiu ao padrão internacional de contabilidade. Em 2010 a empresa investiu na aquisição e ampliação das unidades fabris, aumentando em 25% sua capacidade produtiva (atualmente o Grupo tem uma capacidade de produzir mais de 350 mil toneladas/ano) para atender a forte demanda do mercado de materiais de construção. O número de contratações no período foi superior a 700 pessoas, atingindo um quadro total de 6.763 postos de trabalho. ―O ano de 2010 confirmou a tendência positiva de crescimento prevista em nosso planejamento. Foi o melhor ano da história da Tigre: apostamos na inovação, lançando mais de 300 produtos neste período, o que reforça ainda mais nossa liderança no mercado‖, avalia Evaldo Dreher, presidente da Tigre. Em 2011, a empresa prevê investir R$ 250 milhões em inovação, aumento de

capacidade produtiva (inclusive com inauguração de novas unidades fabris no Brasil e no exterior) e ações de marketing e relacionamento. A previsão para o ano de 2011 é de 10% de crescimento em relação a 2010, com a contratação de 300 novos profissionais.

―Estamos confiantes de que os projetos previstos para eventos como a Copa do Mundo

e Olimpíadas impulsionarão ainda mais nosso crescimento no País, e no exterior nossa

presença é cada vez mais consolidada‖.

Matéria Primas e Componentes Utilizados: O relatório dos US Green Building Council - USGBC analisou 2.500 estudos sobre o impacto do PVC, dentre outros materiais de construção, para saúde humana e o meio ambiente e concluiu que o PVC é um material ambientalmente adequado e não apresenta nenhum efeito prejudicial à saúde humana, em relação aos outros materiais utilizados na Indústria de Construção. Destaque-se que o USGBC opera um dos mais populares sistemas de avaliação ambiental no setor de construção nos Estados Unidos. O The Vinyl lnstitute declarou que as conclusões desse relatório são semelhantes às da União Europeia, corroborando que o impacto ambiental do PVC é similar ao de outros materiais construção. Os produtos de PVC podem ser reciclados ao término de sua vida útil. Milhões de toneladas de resíduos de PVC são reutilizados em todo o mundo, mediante diferentes processos de reciclagem tecnologias em desenvolvimento. Assim, mais de 90% dos resíduos industriais da produção e transformação de PVC são reutilizados pelos próprios fabricantes e/ou comercializados para as empresas recicladoras. Nenhum outro material plástico tem permanecido por tanto tempo na construção como o PVC. Como exemplo, ainda se pode encontrar, na Alemanha, tubos de PVC em serviço há mais de 60 anos, sem apresentar qualquer tipo de problema aos usuários. Uma análise comparativa da estrutura do consumo mundial com a estrutura do consumo brasileiro demonstra uma segmentação bastante similar do uso do PVC nos diferentes mercados. Ressalte-se que o PVC é o terceiro plástico mais consumido no mundo e que a Indústria de Construção responde por cerca de 60% da demanda total mundiais. Devido a este relatório podemos presumir que a tendência de demanda tende crescer no mundo a fora. Segundo o U.S. Green Building Council (USGBC), o PVC é adequado aos padrões da

construção sustentável, pois atende plenamente o sistema LEED (Leadership in Energy and Environmental Design). Conheça melhor as principais vantagens do PVC:

Baixa dependência do petróleo. Um dos aspectos ambientais mais importantes e benéficos do PVC está na origem de seus insumos: cloro, eteno (também conhecido como etileno) e água. A principal matéria-prima do PVC é o sal marinho, recurso renovável na natureza. A partir dele se obtém o cloro, que representa 57% do PVC em peso. Os 43% restantes são obtidos a partir do petróleo, utilizado na forma de eteno. Entretanto, o PVC consome apenas 0,3% do petróleo.

Concorrência: Os principais concorrentes da tigre são: Amanco, Providência, DVG Ind. Com, Majestic,Unocan, PVC Brasil, Corplastic, Krona, Asperbrás e Plastic. Lideres no Mercado: Tigre, Amanco, Krona, BR Plásticos. Os exportadores têm que saber onde exportar, quem paga o frete, responsável pela contratação do seguro, embalagem, transporte internos, licença de transportação, movimentos em terminais, transportadora e seguro internacional. A venda no exterior irá amplificar a quantidade de freguês e amortecer os baques nacionais. Primeiro o exportador tem que verificar as imposições da legislação nacional e internacional. É imprescindível que o exportador, identifique os mercados possíveis e se credencie como exportador.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Segundo o dicionário Aurélio, negociar é ―Manter relações para concluir convênio, comprar ou vender‖, o que nos faz concluir que um negociador é aquele que mantém

relações de parcerias para compra e venda de produtos e/ou serviços, dependendo do segmento de mercado em que a empresa atuante está inserida. Sabemos ainda que, após a Revolução Industrial, o mundo passou por diversas transformações. Com o surgimento da máquina a vapor e do carvão como principal fonte de energia, o processo produtivo sofreu diversas modificações, principalmente nas quantidades produzidas. O trabalho manual deu lugar à especialização, e a rapidez com que se produzia era tão grande que a própria nação ficou pequena para absorver tamanha quantidade de produtos que eram fabricados. Assim, o excedente produzido era então destinado a outros países, o que iniciou as transações comerciais internacionais. (CAPELLI, 2010). Existem forças que não podem ser controladas pelo governo, como a transnacionalização das empresas (principalmente por meio das fusões e aquisições de empresas nacionais e estrangeiras), a evolução tecnológica dos produtos e dos serviços e a evolução da comunicação, principalmente com o surgimento da internet. É essa falta de controle ou de políticas governamentais que faz a globalização, e sua consequente. Prosperidade econômica, não ser distribuída igualmente para todos os países, e esse é o principal desafio que países em desenvolvimento (ou mesmo emergentes como o Brasil) enfrentam para conseguir competitividade e integração nessa nova economia mundial. Além disso, novas tecnologias provocam uma redução drástica de custos para as empresas (basta imaginarmos a redução de custos de viagens que uma empresa obtém pelo uso de videoconferência para reuniões de seus executivos). Outra consequência que ocorreu com a evolução tecnológica foi à facilidade e agilidade das transações financeiras mundiais, o que acelerou ainda mais o processo da globalização através da capitalização de dinheiro por parte dos países, seja através de investimentos

estrangeiros, seja através da transferência de moeda por parte das empresas

transnacionais. Cabe aos governos dos países a condução da abertura de seus mercados através da criação de políticas, da coordenação e do incentivo a suas empresas nacionais, minimizando os efeitos negativos que podem ser causados por esse processo, pois,

conforme descrito por Silber (2010), ―participar ou não da globalização não é uma escolha, dadas as mudanças irreversíveis no ambiente internacional‖.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

http://www.aprendendoaexportar.gov.br/informacoes/simulador/simula.htm

http://www.internacionalizacao.sebrae.com.br/