Anda di halaman 1dari 2

:.

Autor: Bàbálórìsà Claudinei de Aganjú

NOVA LEI DO ENSINO RELIGIOSO

Nós, membros do NÚCLEO ESPIRITUALISTA GUERREIROS DA FÉ,


entendemos que o Ensino Religioso na forma confessional, em vigor atualmente no
Estado do Rio de Janeiro (lei 3459/00), está em desacordo com a Lei Federal 9.475/97,
conhecida como "Nova Lei do Ensino Religioso", que alterou parte da Lei de
Diretrizes e Bases da Educação (9.394/96-LDB), fruto de um grande consenso, atingido
após longos e profundos debates que envolveram diversas Igrejas, setores educacionais
do governo e organizações sociais, inclusive de professores.

A LF 9.475/97 diz claramente:

"Art. 33: O ensino religioso, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação


básica do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de
ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil,
vedadas quaisquer formas de proselitismo.
2º Os sistemas de ensino ouvirão entidade civil, constituída pelas diferentes
denominações religiosas, para a definição dos conteúdos do ensino religioso."

Em 16 de outubro último, foi aprovado pela ALERJ, quase por unanimidade, o


Projeto de Lei 1480/00, de autoria do deputado Carlos Minc, que modifica
substancialmente a Lei ora em vigor, tornando o Ensino Religioso em nosso Estado
verdadeiramente democrático, de conteúdo inter-religioso, permitindo a inclusão de
todas as religiões que não possuem uma "autoridade religiosa competente " que fale por
elas. Entretanto, lamentavelmente, no dia 4 de novembro último, a Governadora vetou
esse Projeto de Lei.
Tal atitude - autoritária, estreita e fundamentalista; contraria os interesses da
população do nosso estado, que se orgulha por ser o Rio de Janeiro conhecido
mundialmente como exemplo de convivência harmoniosa entre as diversas
denominações religiosas. Ao separar as crianças em salas diferentes, de acordo com a
religião que afirmarem possuir (e será que um ser tão jovem e em formação realmente
tem uma fé consolidada?), a Governadora, de forma irresponsável e insensata, está
preparando o terreno para um apartheid religioso no Rio de Janeiro; e todos conhecemos
as tristes conseqüências de seu similar racial na África do Sul, bem como o resultado
em sangue do acirramento das divergências políticas e religiosas entre Católicos e
Protestantes na Irlanda. A GOVERNADORA, ASSIM PROCEDENDO, VAI
ENSINAR NOSSAS CRIANÇAS A NÃO TOLERAR QUEM PENSA DIFERENTE.
Portanto, nós, membros do NÚCLEO ESPIRITUALISTA GUERREIROS DA FÉ,
buscando estender a todas as pessoas, pertençam elas a Igrejas seculares ou a tradições
espirituais indígenas ou afro-brasileiras, o conceito amplo de cidadania espiritual,
entendemos que: Deve-se garantir aos alunos o acesso ao conhecimento religioso, ao
invés de tentar doutrinar as crianças. Isso compete às Igrejas e entidades religiosas, além
de ferir o princípio constitucional da separação entre Igreja e Estado. "Conhecimento
religioso" deve ser entendido como o conjunto dos componentes filosóficos,
sociológicos e históricos das diversas crenças. A idéia é a de uma educação para a PAZ,
que valorize a fraternidade entre os homens, o respeito pelas diferenças, os valores
éticos e morais e, acima de tudo, a reverência pelo Sagrado EM QUALQUER DAS
SUAS MÚLTIPLAS E VARIADAS MANIFESTAÇÕES.
Em razão de tudo o que expusemos acima, pedimos aos nossos deputados, legítimos
representantes do povo do Estado do Rio de Janeiro, que DERRUBEM O VETO AO
PROJETO DE LEI 1480/00.

Que a luz da Divindade Suprema ilumine vossas mentes!


Abençoados sejam todos!

Rosane Helena
NÚCLEO ESPIRITUALISTA GUERREIROS DA FÉ