Anda di halaman 1dari 3

Desenvolvimento do ego

“Não sou eu que crio a mim mesmo, mas sim aconteço para
mim mesmo” (Jung)

Evolução do ego é a evolução do aspecto do Self que se manifesta no tempo e no espaço. O Self existe a
priori e a partir dele o ego se desenvolvimento.
A evolução do ego se dá através das fases da vida. È um desenvolvimento global, no qual não existe uma
seqüência rígida dos estágios.
A evolução do ego pode ser dividida em três fases: a) Primeira infância e infância; b) Idade adulta; c)
Velhice.
Primeira infância e infância
Nesta fase há uma identidade total, não diferenciada, que começa a se modificar. A identidade ego-Self
gradualmente se separa e elementos do meio ambiente interagem para produzir uma primeira personalidade
real.
Destacam-se seis estágios, que em vários momentos, se sobrepõem: a) Realidade unitária; b) De-
integração; c) Dimensão mágica; d) Experienciar mitológico; e) Medo; f) Consciência.
Realidade unitária
Primeira infância ocorre logo após o nascimento. A psique da criança opera como uma totalidade
relativamente indiferenciada.
Não há diferença racionalmente experimentada entre dentro e fora, entre sujeito e objeto, porque o eu não
está presente.
É a fase da participação mística, quando a criança atua em estado de unidade com o que está a seu redor, por
isso é muito influenciada pelo que o meio é, mais do que pelo que se faz ou se diz. A atmosfera psíquica é
parte da criança.
De-integração
Processo que implica na separação da Realidade Unitária, com a finalidade de estabelecer um centro de
consciência, um eu.
De-integração é uma propriedade espontânea do Self de se dividir formando um eu e propiciando a divisão
sujeito-objeto.
Os primeiros indícios do eu aparecem por volta de dezoito meses (1 ano e meio). São eles: desenhos de
círculos (mandalas), dizer não, dizer eu. O eu, recém surgido, começa pela primeira vez a ter a sensação de
si como foco de permanência. Para a criança a mãe atualiza o Self continente.
Dimensão mágica (nascimento - 6/7 anos)
Mãe e criança interagem como se possuíssem uma identidade telepática. É uma fase pré-simbólica, onde não
é possível uma compreensão racional. Não há habilidade abstrata.
Não há diferenciação entre a imagem e o objeto que ela representa, entre causa e efeito, vontade,
responsabilidade e culpa. Existe uma identidade com o meio envolvente, que é poderosamente mágico.
A sobrevivência psíquica e física da criança depende totalmente dos pais.
O desenvolvimento do eu ocorre em termos do corpo.
Experienciar mitológico (6/7 anos – 12/14 anos)
Gradualmente a fantasia sai do nível corporal para imagens mais gerais e, então, para conceitos.
Aparece a capacidade de distinguir imagens e conceitos dos objetos que eles representam.
Os elementos arquetípicos, afetos, pulsões, ameaçadores do ego nascente, ainda frágil, aparecem como
bruxas, demônios, monstros, dragões, que precisam ser dominados por figuras heróicas.
A figura paterna torna-se mais importante. Há o predomínio do arquétipo paterno, como pulsão para a
independência, ordem e disciplina.
Medo
Sensação de inadequação resultante da desproporção entre o pequeno ego e o poder esmagador do mundo
mágico que o rodeia, provocando o medo.
O medo é uma experiência normal para a criança e não precisa ser combatido, a não ser quando for
patologicamente excessivo.
O medo do escuro, comum nas crianças, é o medo de ser novamente engolido pelo inconsciente original, já
que o inconsciente é a escuridão, assim como o consciente é a luz.
O medo existencial, que nunca abandona o indivíduo, é o estímulo para o desenvolvimento psicológico. Com
ele se faz oposição ao que é temido.
Consciência
A separação crescente ao inconsciente é sentida como uma quebra à ordem natural. Aparece a possibilidade
de escolha individual e escolher significa sacrificar possibilidades.

Escolha --- risco de errar --- culpa

O medo e a culpa naturais na infância são sentimentos que levam ao desenvolvimento do sentido de
responsabilidade.
O estabelecimento de um padrão interno de certo e errado é fundamental para o desenvolvimento do ego.
A consciência racional surge depois dos 14 anos.
No início a consciência é idêntica ao código ético coletivo.
A consciência mais individual, com julgamentos racionais e questionamento da validade dos padrões
coletivos só ocorre na idade adulta. A consciência mais verdadeira, realmente individual, só aparece mais
tarde, quando há o confronto entre o ego e o Self.
Idade adulta
Na vida adulta as coisas e as pessoas não são mais vivenciadas como poderes, mas são apenas pessoas e
coisas.
O e go com sua racionalidade e controle consciente da vontade é dominante. É a única fonte de poder. É a
época do controle monárquico do ego.
A conexão com o Self original parece ter se perdido e “deve ser perdida”. O adulto normal acredita ser ele
próprio o senhor de seu destino.
O indivíduo tem a ilusão de que pode submeter tudo à sua vontade, pois sem esta ilusão, ele não pode
adaptar-se socialmente.
O objetivo é satisfazer as suas próprias necessidades de sobrevivência e competitividade, evitar o desprazer,
a fim de se adaptar ao mundo real.
A única realidade psíquica parece ser a experiência subjetiva que o ego tem de si mesmo.
A preocupação do ego é com o mundo exterior: o inconsciente compensa isto ao confrontá-lo com a
realidade psíquica interior, em termos de projeções. O inconsciente começa a estar em desacordo com o
funcionamento consciente.
Velhice
Fase do retorno. O movimento é em direção à totalidade do indivíduo. Os elementos não racionais
pressionam para que haja a integração. O ego tem que se relacionar com o Self novamente, não como uma
identidade inconsciente, mas sob a forma de um encontro consciente.
A vivência desta fase ocorre quando e ego está forte para encarar o Self.
As repressões da primeira metade da vida, que serviram para o desenvolvimento do ego, não podem mais ser
mantidas. Surgem as questões: Quem sou eu? Para que estou aqui? Qual o significado da minha existência?
Há a necessidade de adaptação ao mundo de dentro, até então, relativamente desconsiderado.
Há a confrontação com os limites do ego, até a confrontação com o limite máximo, a morte física. A partir
dos 35 anos, começam a surgir os primeiros sonhos com a morte, de forma velada, mas como lembrete de
que agora tem que ser levada em conta.