Anda di halaman 1dari 5

Programa da Unidade Curricular

Escola Superior de Educação

2009/2010

Curso: Gestão Artística E Cultural

Grau: Licenciatura ECTS 4,0

Unidade Curricular SERVIÇOS EDUCATIVOS DE MUSEUS

Ano do curso 2.º Ano Carga horária lectiva semanal 1.º Semestre 2 Horas

1 Docentes Ext Gab

Professor Responsável: Anabela Moura amoura@ese.ipvc.pt 200 142

Docentes: Manuela Da Silva Correia manuelacorreia@ese.ipvc.pt 335 33


Jorge Santos jfs@ese.ipvc.pt 149 95
@ese.ipvc.pt

2 Resumo
A opção de "Serviços Educativos de Museus" tem a finalidade de promover nos formandos:

1. o conhecimento e a compreensão de toda a filosofia e políticas subjacentes a colecções e exposições de museus e


ligação com o universo da educação, ou seja, ao seu potencial em termos de ensino - aprendizagem;
2. a importância e implicações do ponto anterior através de uma série de áreas temáticas, para a identificação de
formas criativas que garantam que a missão e os objectivos do museu correspondam às necessidades dos visitantes;
3. a importância e a necessidade de preparação básica de técnicos capazes de colaborar em serviços educativos e de
assegurar a ligação, planeamento, preparação e colaboração estreita com outros agentes do museu / [curadores] e
partilha do conhecimento das dimensões didáctica e pedagógica de todas as exposições permanentes e temporárias;
4. a investigação e conhecimento que permita identificar todos os recursos de aprendizagem do museu e das suas
exposições, conhecendo a diferença entre formal e informal;
5. a importância da interpretação do conteúdo da exposição a níveis diferentes e para diferentes visitantes;
6. a investigação e de preparação de aprendizagem e ensino dos recursos materiais a serem utilizados no museu
durante visitas escolares, por exemplo, a exposição de pacotes informativos / brochuras, actividades / fichas de
trabalho, notas de campo;
7. a importância da gestão de sessões de formação contínua para professores no museu, sobre tópicos específicos /
temas de preparação prévia das visitas escolares;
8. coordenação e ensino, palestras e visitas guiadas;
9. contactos com escolas, organização de visitas e dinamização no local de sessões educativas, por exemplo, galeria/
ensino; ensino - aprendizagem a partir de actividades em espaços apropriados; aprendizagem com artefactos,
organização de demonstrações práticas, desempenha papel, dizendo a história de sessões e outras actividades conexas;
10. a identificação de áreas-chave para enriquecimento do currículo escolar e promoção de visitas de estudo;
11. o conhecimento dos desenvolvimentos mais actuais ao nível curricular, assegurando que os programas educativos
do Museu sejam relevantes para os currículos das escolas locais;
12. consciência da importância para as escolas da promoção de um serviço de empréstimo e facilitar o acesso às
colecções do museu;
13. a valorização do trabalho de parcerias, nomeadamente recorrendo a artefactos da comunidade;
14. a organização de eventos para reforçar a compreensão e fruição do visitante;
15. o trabalho com todo o tipo de colaboradores dos museus para desenvolver e comercializar a imagem do "museu" e
os programas que estes deesenvolvam;
16 actividades de férias para crianças e famílias;
17.a familiarização com questões relacionadas com a gestão de orçamentos, elaboração de relatórios financeiros, com
aplicação de subsídios e angariação de fundos;
18. o desenvolvimento de investigação no âmbito dos Serviços Educativos de Museus e sua divulgação escrita e
oral.

FOR-01/07 Rev.0/2006.12.21 Pág.1 de 5


3 Resumo Inglês/Francês
The subject of Educational Services of Museums aims to promote:
1. knowledge and understanding about the whole philosophy and policy underpinning museum collections and
exhibitions and its link to education, i.e. potential for learning and teaching;
2. importance and implications of 1. above, for identifying creative ways to ensure the mission and objectives of the
museum match the needs of visitors across a range of subject areas;
3. the significance and need for museum educators to liaise, plan, prepare, and collaborate closely with other museum
staff/[curators] to share knowledge of the overt or implicit didactic/educational dimension of all permanent and
temporary exhibitions;
4. research and knowledge to identify all the learning resources of the museum and its exhibitions; knowing the
difference between formal and informal learning;
5. the importance of interpretation of exhibition content at different levels for differing visitors;
6. research and preparation of learning and teaching resource materials to be used at the museum during school visits
eg exhibition information packs/booklets, activity/work sheets, field notes;
7. the importance of running in-service sessions for teachers at the museum on specific exhibition topics/themes as
preparation ahead of school visits;
8. coordinating and providing teaching, lectures and guided tours;
9. contact with schools, organising visits and delivering on-site educational sessions, e.g. gallery teaching; running
learning activities in a separately allocated space; learning with artefacts[ refer them back to their session on
artefacts with me!], organising practical demonstrations, role plays, story-telling sessions and other related activities;
10. identifying key areas for adding value to school visits and developing curriculum resources;
11. knowledge of latest curriculum developments, ensuring that education programmes are relevant to the curriculum
of local schools;
12. importance of a school loan service and facilitating access to the museum collections;
13. significance of outreach work, including taking artefacts into the community;
14. arranging programmes of events to enhance visitor enjoyment and understanding;
15. working with other museum staff to develop and market the museum and the events programme;
16. running holiday activities for children and families;
17. knowledge about management of budgets, preparation of financial reports, applications for grants, and associated
fund-raising;
18. undertaking on-going research in museum education, and delivering written and oral reports on the
research.

4 Objectivos
Esta opção pretende desenvolver:
• competências profissionais com vista à actuação futura no âmbito da dinamização didáctica de um Museu;
• sensibilização para as potencialidades comunicativas de uma exposição;
• iniciação a técnicas de curadoria de exposições;
• conhecimentos relacionados com os conceitos de recolha, descrição e classificação, conservação, organização,
estudo, apresentação de objectos e animação no Museu;
• capacidades para responder a projectos de intervenção local, no âmbito da animação comunitária.

5 Conteúdos / Actividades
Esta opção pretende desenvolver:
• competências profissionais com vista à actuação futura no âmbito da dinamização didáctica de um Museu;
• sensibilização para as potencialidades comunicativas de uma exposição;
• iniciação a técnicas de curadoria de exposições;
• conhecimentos relacionados com os conceitos de recolha, descrição e classificação, conservação, organização,
estudo, apresentação de objectos e animação no Museu;
• capacidades para responder a projectos de intervenção local, no âmbito da animação comunitária.

6 Metodologia
Esta unidade curricular pretende dotar os estudantes de uma vivência interdisciplinar, envolvendo profissionais de
museus e de educação em "workshops", conversas informais, visitas de estudos e debates sobre questões relacionadas
com serviços educativos de Museus. Assim, a sua metodologia consistirá em: momentos expositivos; análise de
documentos textuais e icónicos; pesquisa; trabalhos de campo individuais; apresentação de estudos de caso.

7 Avaliação
A unidade curricular de Serviços Educativos do Museu exige uma componente formativa analítica, reflexiva e prática.
Assim, espera-se que o/a formando, no final desta Unidade Curricular de opção, seja capaz de:
• pesquisar um caso específico de um curador, funcionário de museu, colaborador em serviços educativos, ou educador
(e.g. seu conhecimento específico, competências, papéis e responsabilidades no museu e na comunidade), buscando de
forma autónoma a informação pertinente;

FOR-01/07 Rev.0/2006.12.21 Pág.2 de 5


• usar competências práticas para comunicar de forma criativa e imaginativa.

A avaliação nesta disciplina é contínua e consiste na realização de trabalhos propostos pelos docentes e negociados
com os estudantes: (i) criação de recursos relacionados com o mapeamento de actividades desenvolvidas em museus,
em particular do Alto Minho (30%); (ii) colaboração na criação de uma base de dados sobre recursos inter-activos para
promoção da educação museológica (30%); (iii) estudo de caso apresentado em formato impresso, suporte digital e
oralmente (40%).Serão ainda apreciados os seguintes critérios: caracterização e percepção dos problemas; capacidade
de expressão (oral e escrita); crítica, teorização, rigor no tratamento e uso da informação.
A falta a qualquer instrumento de avaliação remete o aluno para exame final.

8 Bibliografia
ADDIS, S. and ERICKSON, M. (1993). Art history and education. Disciplines in art education: Contents and
understanding. Chicago: University of Illinois
ALLARD, M. and BOUCHER, S. (1991). Le musée et l´école. Montréal: Hurtubise HMH.
*ALLARD, M. & Boucher, S. (1998). Éduquer au Musée – Un modèle théorique de pédagogie muséale. Montreal:
Éditions Hurtubise HMH Ltée.
ALLISON, B. (1972). Art education and teaching about the art of Asia and Latin America. London: VCOAD Education
Unit.
ALMEIDA, A. B. (1971). O museu como auxiliar do ensino. In Museus e Educação. Lisboa: APOM. 25-30.
ALMEIDA, A. (1989). Visitas de estudo. Concepções e eficácia na aprendizagem. Lisboa: Livros Horizonte.
AMBROSE, T. (Ed.). (1987). Education in museums, museums in education. Edinburgh: Scottish Museums Council.
AMBROSE, T. and PAINE, C. (1993). Museum basics. London: Routledge.
AMES, M. (1985). Déscolariser le musée: les musées et leurs ressources à la portée de tous. Museum. 37, 1, 25-31.
ANDER-EGG, E. (1978). Introducción a las técnicas de investigación social: para trabajadores sociales (7th ed.).
Buenos Aires: Humanitas.
ANDERSON, D. (1997). A common wealth. Museum and learning in the United Kingdom. London: Department of
National Heritage.
BANAIGS, C. (1984). Curators, teachers and pupils: partners in creating an awareness of modern art. Museum.
XXXVI, 4, 190-194.
BARRET, M. (1979). Educação em arte. Lisboa: Editorial Presença.
BERRY, N. and MAYER, S. (Eds.). (1989). Museum education: history, theory, and practice. Reston VA: NAEA.
BLANCO, A. G. (1998). Didáctica del museo: el descubrimiento de los objectos. Madrid: Ediciones de la Torre.
*BLANCO, E. & Silva, B. (1991). Comunicação educativa: natureza e formas. Braga: Tecnologia Educativa, Instituto
de Educação, Universidade do Minho.
BRAGANÇA, J. (n.d.). Portugal. A arte: os monumentos: as paisagens: os costumes, as curiosidades. Lisboa. Museu de
Arte Contemporânea. Lisboa: Agência Geral de Neogravura.
*BRIGOLA, J. C. P. (2000). Colecções, gabinetes e museus em Portugal no séc. XVIII. In Boletim trimestral da Rede
Portuguesa de Museus, nº2 – Nov, pp. 7-8.
BRITO, J. (2000). El museo, muchas cosas. In Nolasco, M. (Coord.). Museos y museología en Portugal. Una ruta
ibérica para el futuro. 31-41.
CABRAL, M. (1971). Serviço educativo dos museus. In Museus e educação. Seminário organizado pela Associação
Portuguesa de Museologia. Lisboa: APOM. 44-49.
CABRAL, M. (1977). Museus e educação. Jornal de Educação. Lisboa: MNAA.
CABRAL, M. (1984). Relatório de 1953-1983. Lisboa: MNAA – Serviço Educativo.
CABRAL, M. (1988). Apontamento. In I Encontro das Comissões Nacionais Portuguesas e Espanholas. Vila Viçosa:
ICOM. 24-26.
CALOUSTE GULBENKIAN MUSEUM (2002). Serviço Educativo.http:/museu.gulbenkian.pt (acedido em 26 Setembro
2002).
CAMPOS, M. (1987). Museu Nacional de Soares dos Reis. In A escola vai ao museu. Actas do colóquio APOM/87.
Lisboa: APOM. 113-115.
CARNEIRO, R. (Ed.). (2001). O valor educativo do museu. Lisboa: Lexicultural – Actividades Editoriais.
CARDOZO, M. (1969). A inauguração do museu e da sede da Fundação “Calouste Gulbenkian” em Lisboa. Separata da
Revista de Guimarães. Guimarães. LXXIX.
CHIADO MUSEUM (2002). Serviço educativo.http://www.museudochiado-ipmuseus.pt (acedio em 12 Outubro 2002).
D’EÇA, T. A. (1997). O museu e a escola: os novos rumos. In O museu, a escola e a comunidade. Cadernos do Encontro.
Intervenções. Universidade do Minho: CESC/IEC. 21-27.
EFLAND, A. (1994). Art education programs. In Husén, T. and Postlethwaite, T. N. (Eds.). The international
encyclopedia of education (2nd ed.). Oxford: Pergamon. 1, 338-343.
EISNER, E. (1972). Educating artistic vision. New York: MacMillan.
FERNANDEZ, L. A. (2002). Introducción a la nueva museología. Madrid: Alianza Editorial.
FERNÁNDEZ, L. A. (1995). Museologia. Introducción a la teoría y a la práctica del museo. Madrid: Istmo.
FERNÁNDEZ, L. A. (1999). Museología y museografía. Barcelona: Ediciones del Serbal.
FERNÁNDEZ-GALIANO, L. (1998). El arte del museo. Arquitectura Viva. Monografías. 71, 4-7.
FERREIRA, M. (1996). Museu Calouste Gulbenkian. In Museu Calouste Gulbenkian. Roteiro (Autor e Ed.). Lisboa:
Fundação Calouste Gulbenkian. 3-4.
FIRMINO, M. G. (1975). Meios de actuação dos museus – na generalidade da cultura e na colaboração com as escolas.

FOR-01/07 Rev.0/2006.12.21 Pág.3 de 5


In Museus para quê? Actas do Colóquio APOM/75. Figueira da Foz: APOM. 107-110
FRÓIS, J. P., MARQUES, E., and GONÇALVES, R. M. (2000). A educação estética e artística na formação ao longo da
vida. In Fróis, J. P. (Coord.). Educação estética e artística. Abordagens transdisciplinares. Lisboa: Fundação Calouste
Gulbenkian. 201-243.
*GANT, M. L. B. (2001). Arte, museos e nuevas tecnologias. Gijón: Ediciones Trea.
*GANT, M. L. B. (1999). Museos virtuales y digitales: nuevas estrategias de difusion artística. VII Encuentro de
Bibliotecas de Arte de España y Portugal. http://www.mcu.es.BAEP/encuentrosbaep7/musvir.html (acessível em 31 de
Outubro de 2003).
*GANT, M. L. B. (2002). Património cultural en Internet: diseñando unmodelo alternativo. In Revista de arqueología,
arte y urbanismo, nº6.www.porticolibrerias.es/c/A666MUSE.pdf (acessível em 27 de Julho de 2003).
GONÇALVES, R. M.; FRÓIS, J. P. and MARQUES, E. (2003). Primeiro olhar - Programa integrado de artes visuais.
Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.
GOODMAN, N. (1985). The end of the museum. Journal of Aesthetic Education. 19, 2, 56-57.
GORDON, A. (1972). The museum, schoolchildren, and teachers. In The museum in the service of man: today and
tomorrow. The museum’s educational and cultural role. Comunicações do 9ª Conferência Geral de ICOM. Paris: ICOM.
144-150.
GUERREIRO, G. R. (1983). O serviço educativo dos museus. 3ª Reunião dos conservadores dos museus, palácios e
monumentos nacionais. In Museu. Porto. 5-10.
*HAAK, E. (1991, Outubro). O trabalho do organizador de exposições temporárias. In C. Francis
(Professor do curso). An introduction to museology. Universidade de Harvard, Cambridge.
HEIN, G. E. (1999). Evaluation of museum programmes and exhibits. In Hooper-Greenhill (Ed.). The educational role
of the museum (2nd ed.). London: Routledge.
HERNÁNDEZ, F. H. (1998). Manual de museología. Madrid: Editorial Síntesis.
HICKS, E. C. (1986). Museums and schools as partners. ERIC. 1-5.
http://www.ovid.bids.ac.uk (acedido em 4 Maio 2002).
HOLTZHAUER, H. (1972). The teacher and trainee-teacher. In The museum in the service of man today and
tomorrow. The museum’s educational and cultural role. The papers from the 9th General Conference of ICOM. Paris:
ICOM. 172-182.
HOOPER-GREENHILL, E. (1987). Museums in education: towards the end of the century. In Ambrose, T. (Ed.).
Education in museums, museums in education. Edinburgh: Scottish Museums Council. 39-52.
HOOPER-GREENHILL, E. (Ed.). (1989). Initiatives in museum education. Department of Museum Studies.
University of Leicester.
HOOPER-GREENHILL, E. (1991). Museum and gallery education. London: Leicester University Press.
HOOPER-GREENHILL, E. (1994). Museums and their visitors. London: Routledge.
HOOPER-GREENHILL, E. (Ed.) (1997). Cultural diversity. Developing museum audiences in Britain. Leicester:
University Press.
HOOPPER-GREENHILL, E. (1999). The educational role of the museum (2nd ed.). London: Routledge.
HOOPER-GREENHILL, E. (2001). Museum, media, message (2nd ed.). New York: Routledge.
IPM – INSTITUTO PORTUGUÊS DOS MUSEUS (2000). Inquérito aos museus em Portugal. Lisboa: IPM/Observação
das Actividades Culturais.
LEITE, Elvira e GUIMARÃES, Samuel. (2002). Meu lugar, minha cidade: Habitares Serralves. Porto: Edições
Fundação Serralves, Programas Educativos.
LEITE, Elvira e VICTORINO, Sofia. (2009). Oficinas em Famílias. Colecção Oficinas de Serralves. Porto: Edições
Fundação Serralves, Programas Educativos.
LEITE, Elvira e VICTORINO, Sofia. (2008). Serralves Projectos com Escolas. Porto: Fundação Serralves, Programas
Educativos.
LIMA, M. (1982). Museus universitários. Sua inserção activa na cultura portuguesa. In Museus e Universidades.
Actas do colóquio APOM/78. Lisboa: APOM. 109-131.
*LUCA, Mark. The Museum as Educator. In: MUSEUMS Imagination and Education. Paris : UNESCO, 1973.
*MALRAUX, A. (1965). Le museé imaginaire. Paris: Collection Folio/Essais.
MARQUES, M. F. (1987). Museu – Instrumento pedagógico. In A escola vai ao museu. Actas do colóquio APOM/87.
Lisboa: APOM. 46-51.
MORAIS, D. (1992). Educação com, para e pela (s) arte (s). In Compilação das comunicações apresentadas no colóquio
Educação pela Arte, Pensar o Futuro (13-15 de Dezembro de 1991). Lisboa: ACARTE/Fundação Calouste Gulbenkian.
17-25.
*MOUTINHO, Mário, ( 1989) Museus e Sociedade, Monte Redondo.
NABAIS, A. J. (1993). Museus na actualidade. In Rocha-Trindade, M. B. (Coord.). Iniciação à museologia. Lisboa:
Universidade Aberta. 64-73
*NABAIS, A. (1985). The development of ecomuseums in Portugal. Museum, (148), 211-216.
*OLOFSSON, U. K. (1979). Museums and children. Londres: UNESCO.
PATTERSON, I. M. (1980). Museum leaning. Journal of Education in Museums. 1, 24-25.
PEREIRA, F. A. (1993). Museus de arte. In Rocha-Trindade, M. B. (Coord.). Iniciação à museologia. Lisboa:
Universidade Aberta. 117-119.
PEREIRA, J. C. (2001). Museu Calouste Gulbenkian. In Museu Calouste Gulbenkian. Roteiro (Autor & Ed.). Lisboa:
Fundação Calouste Gulbenkian. 9-13.
*RIVIÈRE, Georges Henri,(1989) La Muséologie, Bordas, Paris.
*ROBALO, M. (2004). Museus na internet. Revista Actual – Jornal Expresso –Novembro.

FOR-01/07 Rev.0/2006.12.21 Pág.4 de 5


SCHOUTEN, F. (1987). Museum education – a continuing challenge. Museum. Paris: Unesco. XXXIX, 4, 240-243.
SHEILA, P. (1985). The art museum as classroom in the training of art and design teachers. Journal of Education in
Museums. 6, 15-19.
SILVA, R. H., LAPA, P. and SILVEIRA, M. A. (Coord.) (1994). Museu do Chiado. Arte Portuguesa 1850-1950. Lisboa:
Museu do Chiado/IPM.
SZPAKOWSKI, A. (1973). La collaboration entre le musée et l´école. Musées, imagination et éducation. Paris:
UNESCO. 147-158.
TONELLI, E. (1990). The art museum. In Shapiro, M. S. (Ed.). The museum: a reference guide. London: Greenwood
Press.
TREPAT, J. e MASEGOSA, J. (1991). Como visitar un museo. Barcelona: Ediciones CEAC.
*WEIL, S. (1990). Rethinking the museum. Washington, D.C.: Smithsonian Institution Press.
WITMER, S., LUKE, J. and ADAMS, M. (2000). Exploring the potential of museum multiple-visit programs. Art
Education. 55, 5, 46-52.
XANTHOUDAKI, M. (1997). Museum and gallery educational programmes: learning processes and contribution to art
education. Journal of Education in Museums. 18, 29-31.
ZELLER, T. (1987). Museums and the goals of art education. Art Education. 47, 1, 50-55.

*PUBLICAÇÕES
Boletim trimestral da Rede Portuguesa de Museus.
Revista de Museologia
Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, São Paulo,

*SÍTIOS NA INTERNET
www.museu.presidencia.pt
www.crie.min-edu.pt
www.imc-ip.pt
www.sidar.org/hera/index.php.pt
http://icom.museum/statutes.html
www.education.louvre.fr
www.mnarqueologia-ipmuseus.pt
www.museudooriente.pt/
http://nomundodosmuseus.wordpress.com
www.museu.gulbenkian.pt/serv_edu/inicio/inicio.asp
http://revistas.ulusofona.pt
http://unesdoc.unesco.org/ulis/museum/search.html
www.revistamuseu.com.br/default.asp
www.museologia.net/principal.asp
www.unirio.br/jovemmuseologia/
http://cadernosociomuseologia.ulusofona.pt/
www.ipmuseus.pt/pt-PT/iniciativas/actividades_imc/ContentDetail.aspx?id=1094

FOR-01/07 Rev.0/2006.12.21 Pág.5 de 5