Anda di halaman 1dari 24

O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Para a construção destas tabelas, pensei exclusivamente nos PB que neste momento se encontram a fazer
formação no Modelo de Autoavaliação de bibliotecas Escolares e que a partir de Janeiro irão implementar o
Modelo nas suas escolas
Neste sentido e porque a celeridade das acções devem ser tomadas em conta para que o processo possa
decorrer com normalidade, o Foco: Conhecimento do Modelo/Integração de processos e envolvimento
na escola, representa todo o trabalho que deve ser desenvolvido antes da operacionalização no terreno do
Modelo propriamente dito.
É um período de reuniões, de contactos, de compromissos dos vários actores no processo, que deverão
entender que o trabalho colaborativo e a comunicação sistemática entre todos poderão ser as pedras basilares
para o sucesso deste Modelo aplicado a uma escola.
Período de apresentação do Modelo à Comunidade Educativa e que nos permite reflectir sobre o papel de
liderança do PB neste processo.
Não nos podemos esquecer que estamos perante PB que acabarão de ter formação no Modelo e logo irão
implementá-lo nas suas escolas.
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Assim, o apoio do CIBE deve ser o de monitorizar este processo, procurando uma plataforma de comunicação
com todos os PB para que possam de forma sistemática poderem usufruir da experiência dos seus parceiros no
campo de batalha, pois a experiência de uns mais habilitados e de outros que recém-formados pode gerar
sinergias muito positivas no seu trabalho e desempenho.

Foco: Conhecimento do Modelo/Integração de processos e envolvimento na escola

1. Analisar o Modelo à luz dos ensinamentos recolhidos na acção de formação realizada


Acções – I
recentemente;
2. Reler novamente todos os documentos suporte do Modelo, bem como a bibliografia
fornecida para o efeito;
3. Comunicar com Coordenadora Interconcelhia e solicitar apoio nas estratégias a seguir;
4. Socorrer-se da experiência de colegas PB que já tenham implementado o Modelo em
anos anteriores;
5. Estar atento à planificação das reuniões concelhias em que estarão todos os PB que irão
implementar o Modelo e que seguirão uma estratégia de comunicação estreita para
partilha de experiências nesse processo, bem como para o Moodle criado para o efeito;
6. Trabalho com Equipa da BE com intuito de recolher toda a informação necessária à
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

reunião com o Director da Escola / Presidente do Conselho Geral, visando os pontos que
se enunciam na Acção II.
Professor Bibliotecário em processo de auto-formação antes de encetar contactos com os
Destinatários
seus parceiros directos no processo
Equipa da BE – Trabalho conjunto antes da reunião com o Director
1. Bibliografia fornecida no contexto da formação do Modelo de Auto-avaliação;
Instrumentos
de apoio 2. Bibliografia fornecida pela CIBE;
3. Modelo de Auto-avaliação RBE; Instrumentos de Apoio para a recolha de evidências;
Relatório Final;
Novembro / Dezembro de 2009
calendarização
aproximada
1. Trabalho colaborativo de todos os intervenientes neste processo
Os resultados
que são 2. Definir equipas de trabalho para a integração desta auto-avaliação na escola;
esperados 3. Comunicação estreita entre todos os intervenientes no processo, por forma a analisar e
avaliar o trabalho que vai sendo efectuado, de forma gradual até á sua conclusão;
Acção - II 1. Reunião com Director da Escola/ Presidente do Conselho Geral:
- apresentação das directrizes do Modelo; Acentuar a sua co-responsabilização no
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

processo; apresentação das características actuais da BE através de uma breve análise


Swot; a necessidade de reunir com o Consellho Geral para implicar a implementação do
Modelo em contexto da Comunidade Educativa; Referir a necessidade de apresentar o
Modelo no Conselho Pedagógico; sugestão para a sua calendarização; necessidade de
determinar a turma ou turmas e professores envolvidos em actividades de sala de aula /
BE para recolha de evidências; reflectir sobre a pertinência da escola do Domínio a
avaliar no presente ano lectivo; referir a importância de enquadrar este processo de
Auto-avaliação na avaliação interna e externa da Escola; Realçar a importância da
comunicação estreita entre o órgão Directivo e a importância do trabalho colaborativa na
implementação do Modelo na Escola; Importância de colocar informação relativa a este
processo de implementação do Modelo na página Web da Escola como forma de
comunicar com a Comunidade Escolar em geral;

Destinatários Professor Bibliotecário / Director / Presidente do Conselho Geral


Instrumentos Modelo de Auto-avaliação ; instrumentos de recolha de evidências; relatório final; análise
de Apoio
Swot da BE; possível calendarização do processo de implementação; Sugestão do power
point a apresentar ao Presidente do Conselho Geral e ao Conselho Pedagógico; sugestão de
turmas e professores a integrar este processo em termos de evidências em parceria sala de
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

aula / BE.

Todos estes aspectos devem ser do conhecimento do Director da Escola e do Presidente do


Conselho Geral para que se possa contar com a sua conivência neste processo.
Calendarização Dezembro de 2009
Resultados Estabelecer desde o início do processo uma estreita relação com a Direcção da Escola
esperados
pressupõe uma anuência e co-responsabilização do mesmo neste processo. Espera-se que
facilite os meios para a operacionalização de todo o processo para que a Comunidade
Educativa entenda este projecto como uma mais valia para a Escola e a BE como estrutura
transversal que contribui para o sucesso do ensino aprendizagem dos alunos. Cooperação e
Co-responsabilização deste Órgão são factores determinantes neste processo.

Reunião com Conselho Pedagógico


Acção – III

- Conselho Pedagógico - Elementos representantes das várias estruturas


Destinatários pedagógicas da Escola, A. Pais e Representante dos Alunos

Power Point com estrutura do Modelo, o que se espera da Escola, da Comunidade


O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Instrumentos de Apoio Educativa e importância da sua aplicação

Dezembro de 2009
Calendarização

Que entendam a importância da sua aplicação na Escola em prol de uma clara auto-
Resultados esperados avaliação dos serviços da BE e sua repercussão no sucesso do ensino aprendizagem
dos alunos;

Cooperação e Co-responsabilização deste Órgão face à implementação deste processo


de auto-avaliação, encarando-o como uma mais valia para a Escola em termos de
avaliação dos seus serviços e das suas repercussões no sucesso do ensino -
aprendizagem dos alunos.

Aprovação do Domínio a auto-avaliar no presente ano lectivo e sucessivos Domínios


nos anos que se seguem.

Reunião com Directores de Departamento / Directores de Turma /


Acção – IV Representante dos Serviços de Psicologia da Escola

Directores de Departamento / Directores de Turma / Representante dos


Destinatários Serviços de Psicologia da Escola

Apresentação de uma brochura com explicação do Modelo e sua implementação da


Instrumentos de Apoio calendarização, já aprovada em Conselho Pedagógico e com anuência do Conselho
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Geral e Director da Escola; distribuição de uma brochura a ser entregue aos


Encarregados de Educação/ Pais para que entendam que em algumas turmas será
necessária a colaboração dos seus educandos na implementação do Modelo.
Dezembro de 2009, aproveitando o final das reuniões de avaliação do 1º Período
Calendarização

Trabalho colaborativo na implementação das tarefas definidas no do Modelo;


Resultados esperados Dada a celeridade da tarefa, optou-se por não fazer reunião com todos os professores
da Escola pois Dezembro é um mês de muito trabalho pedagógico e mês de reunião
de notas, pelo que se aproveitaria a reunião com os Directores de Departamento e
Directores de Turma, para que estes passem a informação aos restantes colegas. Esta
informação que será complementada com um ofício interno do Director sobre com a
função de comunicar aos Docentes da Escola sobre a implementação do Modelo e a
receptividade dos docentes face a esta situação.
Pretende-se ainda que sejam os docentes a indicar a turma ou turma que serão alvo
da recolha de evidências, dependendo do Domínio escolhido pela Escola e aprovado
em Conselho Pedagógico, sendo assim uma das amostras dos Questionários a
implementar.
Pretende-se ainda que se defina que alunos e professores irão ser alvo da Amostra
dos 10% e 20% respectivamente, sugerindo que a Amostra deverá ser representativa
de todo o tipo de público-alvo em que se inserem os professores e alunos, não
esquecendo os alunos que se encontram em cursos de oferta de escola.

Reunião com Chefe dos Assistentes Operacionais e Chefe dos Serviços Administrativos
Acção – V
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Assistentes Operacionais / Administrativos


Destinatários

Apresentação de uma brochura com explicação do Modelo e sua implementação da


Instrumentos de Apoio calendarização, já aprovada em Conselho Pedagógico e com anuência do Conselho
Geral e Director da Escola, apelando á sua colaboração quando necessário.
Dezembro de 2009
Calendarização

Trabalho colaborativo quando solicitado pelos intervenientes no processo


Resultados esperados

Reunião com Representantes do Encarregados de Educação/ Pais do Agrupamento


Acção – VI

Encarregados de Educação/ Pais


Destinatários

Apresentação de uma brochura com explicação do Modelo e sua implementação da


O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Instrumentos de Apoio calendarização, já aprovada em Conselho Pedagógico e com anuência do Conselho


Geral e Director da Escola; distribuição de uma brochura a ser entregue aos
Encarregados de Educação/ Pais para que entendam que em algumas turmas será
necessária a colaboração dos seus educandos na implementação do Modelo.
Dezembro de 2009, aproveitando uma Reunião da Associação de Pias na escola e que
Calendarização se realiza no final de cada período.

Trabalho colaborativo na implementação das tarefas definidas no do Modelo


Resultados esperados

Reunião com Director do Centro de Formação de Escolas do concelho em que se


Acção – VII insere o estabelecimento de ensino com a presença do Director da Escola.

Director do Centro de Formação de Professores / Director da Escola


Destinatários

Apresentação de uma brochura com explicação do Modelo e sua implementação da


Instrumentos de Apoio calendarização, já aprovada em Conselho Pedagógico e com anuência do Conselho
Geral e Director da Escola;
Aferir da possibilidade dos docentes e não docentes da escola efectuarem formação
no âmbito do Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares, podendo estar neste
processo com mais segurança e certificados.
Dezembro de 2009
Calendarização
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Trabalho colaborativo no âmbito da implementação do Modelo e formação dos


Resultados esperados docentes e Assistentes Operacionais no âmbito deste processo

Resumo das actividades a efectuar no Foco : Conhecimento do Modelo/Integração de processos e


envolvimento na escola

1. Nesta primeira fase pretende-se que o Professor Bibliotecário agilize uma política de marketing da
comunicação, em que dê a conhecer o Modelo de Auto-avaliação de Bibliotecas Escolares, a todas as estruturas
da Comunidade Educativa, Explicando o que se espera em termos de trabalho colaborativo de todos os
intervenientes, bem como da mais valia da sua aplicação no contexto da avaliação interna e externa da Escola,
sendo a BE mais um dos serviços disponibilizados pela Escola e que age de forma transversal no processo do
ensino-aprendizagem dos alunos.

Neste foco, pretendemos apresentar uma planificação para se passar directamente à


implementação do Modelo no terreno.
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

1. Reunião com Professor Bibliotecário / Equipa e Responsável pelo Departamento


das TIC com intuito de existir um trabalho de Equipa no processo da recolha de
Acção - I
evidências e tratamento dos dados da amostra realizada, perspectivando-se um
trabalho de avaliação intermédia no decorrer da implementação do Modelo.
Esta reunião só acontecerá nesta altura para que haja tempo de definição das
turmas e professores envolvidos, e nesta altura já há matéria suficiente para se
poder trabalhar com o Director do Departamento das TIC

2. definir calendarização com os intervenientes para entrega e recolha dos


questionários

3. formar equipa para recolher a informação dos questionários definindo as


estratégias para a recolha das evidencias, mediante as directrizes do modelo
4.
 Professor Bibliotecário
Destinatários  Equipa da BE
 Director da Escola
 Coordenador da Equipa PTE
Modelo e Instrumentos de recolha de evidências; Questionários a implementar; guião
Instrumentos de apoio da planificação do que se irá necessitar em termos de apoio técnico do
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Departamento das TIC


Início de Janeiro de 2009
Calendarização aproximada

Trabalho colaborativo dos intervenientes e comunicação sistemática dos mesmos


Os resultados que são
esperados

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

1. Reunião com os professores e alunos que foram seleccionados para integrarem


Acção - II a amostra para recolha de evidencias para saberem como se operacionaliza
esta tarefa no terreno

 Professor Bibliotecário
Destinatários  Equipa da BE
 Director da Escola
 Alunos e Professores envolvidos no processo da amostra para
recolha de Evidências através da Observação
Modelo e Instrumentos de recolha de evidências; Grelhas de Observação
Instrumentos de apoio Entrega da calendarização para que saibam em que momentos irão ser ajustados os
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

seus calendários escolares ao calendário de interacção com o modelo e sua


colaboração neste processo
Janeiro de 2009
Calendarização aproximada

Trabalho colaborativo dos intervenientes e comunicação sistemática dos mesmos


Os resultados que são
esperados

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

1. Definir tarefas entre Professor Bibliotecário / Equipa para numa acção


Acção - III concertada poderem proceder à recolha de evidências que não sejam as
recolhidas através dos questionários e grelhas de Observação.

2. Exemplos: recolha de evidências que julguem importantes e que estejam


referenciadas através dos Indicadores referenciados no Modelo nos vários
DOMÍNIOS.

 Professor Bibliotecário
Destinatários  Equipa da BE
 Equipa PTE
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Modelo e Instrumentos de recolha de evidências; documentos que permitam a


Instrumentos de apoio recolha de evidências enunciadas no ponto 2 da Acção III deste Foco.

A partir de Janeiro de 2009


Calendarização aproximada

Os resultados que são Trabalho colaborativo dos intervenientes e comunicação sistemática dos mesmos
esperados

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

1. Entrega dos Questionários a todos os alunos e professores, sendo que a


Acção - IV recolha da Amostra aponta para 10% dos alunos e 20% dos professores

 Alunos
Destinatários  Professores

Questionários referentes ao Domínio escolhido


Instrumentos de apoio

A partir de 12 de Janeiro de 2009 por exemplo nas aulas de Formação Cívica


Calendarização aproximada
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Trabalho colaborativo dos intervenientes e comunicação sistemática dos mesmos


Os resultados que são
esperados

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

Parte da Equipa da BE em parceria com o Elemento do departamento TIC fará o


Acção - V tratamento dos questionários dos alunos e professores

 Equipa da BE
Destinatários  Equipa PTE
Questionários referentes ao Domínio escolhido
Instrumentos de apoio

A partir de Fevereiro de 2009


Calendarização aproximada

Trabalho colaborativo dos intervenientes e comunicação sistemática dos mesmos


Os resultados que são
esperados
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

Aplicação da grelha de Observação do Domínio escolhido à turma/ turmas


Acção - VI definida (s) para o efeito

 Alunos
Destinatários  Professores

Grelha de Observação do Domínio escolhido


Instrumentos de apoio

Depois do Carnaval
Calendarização aproximada

Trabalho colaborativo dos intervenientes e comunicação sistemática dos mesmos


Os resultados que são
esperados

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

Tratamento dos dados do das Grelhas de Observação


Acção - VII

 Equipa da BE
Destinatários  Equipa PTE
 Professores envolvidos no processo
Grelha de Observação do Domínio escolhido
Instrumentos de apoio

Depois do Carnaval
Calendarização aproximada

Trabalho colaborativo dos intervenientes e comunicação sistemática dos mesmos


Os resultados que são Não se afere todos os itens da grelha de observação ao mesmo tempo se por
esperados
exemplo se tratar da Grelha de Observação do Domínio A e se por acaso a
observação incidir sobre um Projecto Curricular de Turma que poderá só ter a sua
conclusão no 3º período

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Apresentação dos primeiros resultados em Conselho Pedagógico


Acção - VIII
Apesar de só agora se apresentarem os primeiros resultados, nos Conselhos
Pedagógicos anteriores, relatou-se sempre em que estádio se encontrava o
processo e quais os constrangimentos que se iam verificando assinalando
estratégias para os colmatar.

 Equipa da BE
Destinatários  Coordenador da Equipa PTE
 Todos os elementos do Conselho Pedagógico
Grelha de Observação do Domínio escolhido
Instrumentos de apoio

Março de 2010
Calendarização aproximada

Reflexão sobre os resultados obtidos até então.


Os resultados que são Apresentação de constrangimentos que poderão ter surgido durante esta fase do
esperados
processo
O que mudar e manter.
Decidir se se fará a implementação da segunda Amostra ou se passaremos à recolha
do que falta para a recolha de evidências da BE que ainda não está terminada para
que se possa pensar no relatório a enviar à RBE até Maio de 2010
Referir ainda que o tratamento das Grelhas de Observação ainda não estão
completas pelo que o processo ainda decorrerá no segundo período ou 3º conforme
o Domínio a aplicar.
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

Continuação da Recolha de evidências da BE


Acção - IX

 Equipa da BE
Destinatários  Equipa PTE
Grelha de Observação do Domínio escolhido
Instrumentos de apoio

Tarefa que tem vindo a ser concretizada em todos os meses de 2010


Calendarização aproximada

Sistematização da recolha de evidência nunca esquecendo os restantes Domínios que


Os resultados que são não são avaliados em profundidade.
esperados

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Finalização da recolha das informações das Grelhas de Observação e recolha final


Acção - X das evidências da BE – Tratamento dos dados

 Equipa da BE
Destinatários  Equipa PTE
 Professores envolvidos no processo
Grelha de Observação do Domínio escolhido;
Instrumentos de apoio Documentos recolhidos para evidências da BE
A partir de finais de Abril e durante o mês de Maio
Calendarização aproximada

Coordenação da Equipa na metodologia a utilizar para recolhe as evidências que


Os resultados que são considerem as mais representativas das varias acções empreendidas, nos vários
esperados
Domínios do Modelo.

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

Tratamento estatístico final dos dados -


O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Acção - XI

 Equipa da BE
Destinatários  Equipa PTE
 Professores envolvidos no processo
Questionários dos alunos e professores;
Instrumentos de apoio Grelhas de recolha de observação das turmas;
Evidências recolhidas pela BE relacionadas com os seus serviços e actividades
realizadas
Base de dados criada para o tratamento estatístico

mês de Maio e Junho


Calendarização aproximada

Sintonia na distribuição das tarefas nesta fase; cumprimento do calendário; trabalho


Os resultados que são colaborativo dos intervenientes
esperados

Foco: Gestão estratégica da informação recolhida e transposição para o processo de planeamento


e de gestão. (Gerir evidências, identificar pontos fortes, fracos e acções a implementar.
Transpor os resultados para o processo de planificação e para a melhoria).

Preenchimento dos documentos referentes ao Relatório Final


O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Acção - XII Planificação de estratégias para a melhoria do que foi testado.

 Equipa da BE
Destinatários  Equipa PTE

Modelo do Relatório final RBE


Instrumentos de apoio Questionários dos alunos e professores;
Grelhas de recolha de observação das turmas;
Evidências recolhidas pela BE relacionadas com os seus serviços e actividades
realizadas
Base de dados criada para o tratamento estatístico

Junho de 2009
Calendarização aproximada

Uma análise exaustiva dos resultados obtidos;


Os resultados que são estratégias de melhoria dos serviços da BE;
esperados
Co-responsabilização de todos os actores no processo face aos resultados obtidos.

Foco: Comunicação dos resultados e integração na escola


O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

A Comunicação dos resultados deve ser feita de forma intermédia e nunca no


Acções final do processo;

A comunicação sistemática é uma das condições para o sucesso da


implementação do Modelo;

Comunicação entre todos os intervenientes no processo, consoante as tarefas


delineadas para o efeito, efectuada em diferentes tempos, mediante a
calendarização definida e ainda em situações informais que possam surgir e
que agilizem o processo;

Institucionalmente e tendo em conta uma comunicação institucional alargada


a toda a comunidade educativa, esta deve ter o seu auge nas comunicações
efectuadas no Conselho Pedagógico;

A comunicação inicial, intermédia e final deve ainda ocorrer no Moodle da


escola e sua página Web;

A comunicação surge como um meio de interligar todos os intervenientes no


processo e co-responsabiliza-los das suas acções durante a sua execução no
terreno e após a sua finalização;

Os resultados finais apresentados em formato estatístico, bem como o


relatório final a enviar à RBE devem ser aprovados no Conselho Pedagógico
ao mesmo tempo que deverão estar visíveis para toda a comunidade
educativa;
O Modelo de Auto – Avaliação da BE: Metodologias de Operacionalização (Parte I)

Deverá partir do Director da Escola e do Presidente do Conselho geral um


reconhecimento do trabalho realizado enquadrando-o no contexto da
avaliação interna e externa da escola.

 Toda a Comunidade Educativa, em diferentes fases da implementação


Destinatários do Modelo e consoante a sua necessidade no processo.
Instrumentos de apoio

Durante todo o processo de implementação do Modelo


Calendarização aproximada

Reconhecimento do Modelo como uma mais valia da auscultação dos serviços


Os resultados que são esperados disponibilizados pela BE no contexto transversal do ensino-aprendizagem ,
visando o sucesso dos alunos;

Correcção de procedimentos do que se encontra menos bem nos serviços


prestados pela BE;

Cultura de trabalho colaborativo e co-responsabilização de toda a comunidade


educativa neste processo;

Dar continuidade à implementação do Modelo nos anos que se seguirão

Elisabete Carvalho_09