Anda di halaman 1dari 9

II Simpósio de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - SIMPGEU

PATRIMÔNIO HISTÓRICO MATERIAL DE MARINGÁ, PARANÁ: A


IMPORTÂNCIA DE SUA PRESERVAÇÃO

Leonardo Cassimiro Barbosa 1

Igor Eduardo Grande 2

Bruno Luiz Domingos De Angelis 3

RESUMO

A preservação do patrimônio histórico e cultural no meio urbano, incluindo não somente aspectos
materiais como a arquitetura, mas também aspectos imateriais como os costumes, gastronomia
danças típicas e outros, tornam-se cada vez mais alvo de discussão no cenário mundial. O ambiente
construído de uma cidade é o registro mais palpável e incontestável da evolução das civilizações,
sendo formado através dele a memória e a cultura de um povo. Sendo assim, o presente trabalho
tem por objetivos levantar as edificações de valor histórico, especificamente na cidade de Maringá,
Paraná. Analisar o patrimônio urbano da cidade em questão, para verificar quais obras já possuem
sua preservação garantida por lei, através de tombamento, como o Grande Hotel Bandeirantes, bem
como as edificações de relevância no contexto urbano que ainda não possuem proteção legal, como
o Gabinete do Prefeito. Discorrer ainda, acerca de parte do patrimônio que se perdeu, em meio ao
crescimento urbano. Ressaltar a importância de se preservar o patrimônio das cidades, em especial
nas cidades recentes e identificar ainda as principais dificuldades encontradas na conservação e
tombamento destas obras. O estudo possibilitou uma análise geral do estado em que se encontra a
preservação histórica no município de Maringá, onde não foi observado a existência de uma política
pública, realmente preocupada com esta questão. Demonstrou ainda, a clara importância da
arquitetura no espaço urbano das cidades, estando esta, intimamente ligada com a memória e
história de um povo. A existência de diversas edificações representativas em seu contexto urbano
mostrou que apesar de ser uma cidade recente, de pouco mais de 60 anos, o município possui muito
patrimônio a ser preservado. Parte do patrimônio histórico da cidade encontra dificuldade em sua
preservação principalmente em função de interesses imobiliários, uma vez que este mercado é
bastante influente nas decisões do município.

Palavras-chave: Patrimônio Histórico. Preservação. Tombamento. Maringá – PR.

1
Mestrando, Universidade Estadual de Maringá-UEM, Programa de Pós-graduação em Engenharia Urbana-
PEU, leonardo.cb@gmail.com
2
Mestrando, Universidade Estadual de Maringá-UEM, Programa de Pós-graduação em Engenharia Urbana-
PEU, igorgrande@uol.com.br
3
Prof. Dr., Universidade Estadual de Maringá-UEM, Departamento de Agronomia-DAG,
brucagen@uol.com.br
1
II Simpósio de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - SIMPGEU

1. INTRODUÇÃO

O ambiente construído de uma cidade é o registro mais palpável e incontestável da evolução


das civilizações, sendo formado através dele a memória e a cultura de um povo. Sendo assim, a
preservação do patrimônio histórico e cultural no meio urbano, incluindo não somente aspectos
materiais como a arquitetura, mas também aspectos imateriais como os costumes, danças típicas,
etc., tornam-se cada vez mais alvo de discussão no cenário mundial. Em geral, os critérios
utilizados para se determinar a necessidade de preservação de uma obra ou bem cultural se baseiam
em ao menos um destes três aspectos: valor histórico, valor artístico e valor sentimental (KUHL,
2005).
O presente trabalho tem por objetivo levantar as edificações de valor histórico na cidade de
Maringá, Paraná, analisando assim o patrimônio urbano da cidade, para verificar quais obras já
possuem sua preservação garantida por lei, através de tombamento, bem como as edificações de
relevância no contexto urbano, que ainda não possuem proteção legal. O estudo ainda discorrerá
acerca de parte do patrimônio que se perdeu, em meio ao crescimento urbano. Busca-se assim,
ressaltar a importância de se preservar o patrimônio das cidades, em especial nas cidades recentes,
identificando ainda as principais dificuldades encontradas na conservação e tombamento destas
obras.
Na visão de Arantes Neto (2005, p. 5), presidente do Instituto do Patrimônio Histórico e
Artístico Nacional, a relevância na manutenção de bens culturais é incontestável, para ele:
[...] suas contribuições à humanidade são algo que se decanta de sua existência, são
realidades cognitivas, estéticas, morais, religiosas, políticas e afetivas. São interpretações e
soluções inovadoras e originais a problemas genericamente humanos. E, como tais,
merecem apoio político e financeiro, proteção jurídica e salvaguarda pelo Estado.
É principalmente em razão dos patrimônios materiais – em especial a arquitetura, que é o
foco deste trabalho-, que podemos identificar aspectos como os costumes, tipologia arquitetônica e
construtiva, dentre outros, de um povo em determinada época (PELEGRINI, 2004). Para a autora:
As edificações públicas ou privadas, como produtos de uma dada época, constituem
registros visuais dos anseios, necessidades, e contradições sociais. O traçado arquitetônico e
as formas de organização do espaço comportam representações do contexto
socioeconômico em que emergiram. Para percebê-las, faz- se necessário empreender
esforços no sentido de detectar fatores físicos inerentes à produção arquitetônica como:
atribuições funcionais, técnicas e materiais utilizados nas obras, dificuldades de
implantação dos projetos, entre outros.
Apesar desta necessidade em se preservar o patrimônio histórico, a preservação encontra
sérias dificuldades atualmente no Brasil. Segundo Lemos (2006, p. 91) “[...] a base correta de como
preservar está na elucidação popular, na educação sistemática, difunda entre toda população,
dirigentes e dirigidos [...]”. Soma-se a esta questão a falta de instituições organizadas, a crise
econômica, e, sobretudo nos bens arquitetônicos, a falta de interesse social e a especulação
imobiliária, sendo estas as principais dificuldades encontradas na preservação histórica das cidades
brasileiras (DELMONICO; REGO; PELEGRINI, 2005). Estes problemas são agravados em cidades
recentes, onde em função da pouca idade não se tem claro a importância das edificações no
contexto urbano e cultural.
A cidade de Maringá, com seus 62 anos de história, encontra hoje esta dificuldade em eleger
e preservar as edificações significativas em seu espaço urbano. Fundada na época do auge da
indústria cafeeira e do movimento moderno no Brasil, que influenciaram o traçado de seu sítio e a
implantação das edificações aqui emergentes, sendo hoje conhecida pela presença maciça do verde
na área urbana, e por sua qualidade de vida acima da média nacional (DELMONICO; REGO;
PELEGRINI, op. cit.). As discussões acerca dos bens culturais da cidade são de suma importância
para a manutenção da memória do município, para que todas estas particularidades não se percam
em meio ao processo de urbanização e crescimento acelerado o qual a cidade vivencia.

2
II Simpósio de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - SIMPGEU

2. EVOLUÇÃO NO CONCEITO DE PRESERVAÇÃO

A preocupação com a preservação de bens culturais tem seu início no século XV, quando as
intervenções nas edificações passam a contemplar alguma motivação cultural, ao invés de questões
de ordem puramente práticas e utilitárias. Porém apenas no final do século XVIII a preservação se
sistematiza, com o surgimento gradativo de critérios e metodologias, até se consolidar como campo
disciplinar no século XX, reconhecendo assim seu significado cultural, pautado em valores formais,
históricos, simbólicos e memoriais (KUHL, 2005). Devemos entender por preservação, a
manutenção de determinado bem visando a desaceleração do processo pelo qual ele se degrada
(CASTRIOTA, 2007).
Cesare Brandi, fundador do Instituto Central de Restauração em Roma, em 1939, e
importante teórico da restauração, afirma que ela deve ser entendida como “o momento
metodológico do reconhecimento da obra de arte, na sua consistência física e na sua dúplice
polaridade estética e histórica, com vistas a sua transmissão ao futuro” (BRANDI, 2004). O restauro
constitui apenas um dos tipos de intervenção em edificações, sendo geralmente aplicado quando a
obra apresenta algum grau de degradação ou descaracterização, devendo ser executado por
especialistas, de forma criteriosa e embasada. O ideal é que se realize a conservação do prédio, com
manutenção periódica, evitando-se assim que chegar ao estágio da necessidade de restauração, este
bem mais oneroso.
Subseqüente a conscientização da necessidade da preservação do patrimônio e das teorias de
restauro, surge o conceito de Tombamento, com vista a garantir a proteção dos edifícios de valor
histórico. O Tombamento consiste num ato administrativo realizado pelo Poder Público, com o
objetivo preservar, por intermédio da legislação específica, impedindo que venham a ser destruídos
ou descaracterizados. Ele pode ser feito pela União, por intermédio do Instituto do Patrimônio
Histórico e Artístico Nacional, pelo Governo Estadual, por meio do Instituto do Patrimônio
Histórico e Artístico do Estado ou pelas administrações municipais, utilizando leis específicas ou a
legislação federal (SÃO PAULO, 2003).
No Brasil, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, criado no final
dos anos 30, é o organismo federal mais atuante na questão da preservação. O artigo 216 da
Constituição da República Federativa do Brasil define os conceitos de patrimônio cultural, e
estabelece a incumbência ao poder público, com a ajuda da comunidade, garantir a preservação,
conservação e gestão do patrimônio artístico do país. Os estados e as municipalidades, através da
elaboração de leis específicas, além da atuação de ONGs e organismos envolvidos com a questão,
são outros mecanismos auxiliadores na questão da preservação.

3. FUNDAÇÃO DA CIDADE DE MARINGÁ, E O CONTEXTO NACIONAL

No cenário nacional, no final da década de 40 o Brasil vivia um momento de grande


expansão da lavoura cafeeira, em busca de novas terras para o cultivo, culminando no povoamento
e ocupação do norte do estado do Paraná, principalmente por meio de empresas particulares.
Maringá foi fundada pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná – CMNP em 1947, tendo
sido projetada pelo engenheiro Jorge de Macedo Vieira, que imprimiu uma concepção no desenho
da cidade inspirado no conceito de cidade jardim, tendo tido como referência a prática do
urbanismo de Raymond Unwin e Barry Parker, o que resultou em um traçado irregular que segue as
curvas de níveis naturais do terreno, contemplando ainda a presença maciça do verde como
elemento de composição do espaço urbano, tornando a abundância de vegetação uma forte
identidade do município (REGO, 2001, p. 1569-1577).
Este momento também foi marcado pelo ao auge da arquitetura modernista no Brasil, que
segundo Verri Junior (2001) se consolidou no Brasil na década de 30, com o auge de sua produção

3
II Simpósio de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - SIMPGEU

a partir de 1950, tendo como marco principal a construção da nova capital, a cidade de Brasília.
Este novo modo de se pensar a arquitetura, criado na Europa no final do século XX, baseado
na construção de volumes puros, despidos de ornamentação, enfatizando uma beleza simples,
palpada principalmente em aspectos da funcionalidade, também influenciou parte da produção
arquitetônica de Maringá. Esta influência pode ser vista claramente no traçado urbano inspirado no
conceito de cidade jardim, e principalmente com a visita de importantes arquitetos modernistas após
a década de 50, atraídos pelo grande crescimento da cidade. Dentre eles destacam-se o arquiteto
paulista José Antônio Bellucci, contratado pela CMNP para projetar uma série de edifícios na
cidade (VERRI Jr., op. cit.).

4. PATRIMÔNIO HISTÓRICO DE MARINGÁ

O levantamento das edificações de valor histórico da cidade de Maringá – PR foi realizado


inicialmente com a visita in loco e análise do acervo do Museu da Bacia do Paraná, localizada no
campus da Universidade Estadual de Maringá – UEM, a fim de identificar com base nos registros
fotográficos da época, os aspectos referentes à implantação e evolução do município. Em seguida
foi realizado um levantamento junto à Prefeitura Municipal de Maringá, bem como em estudos
publicados acerca do assunto, com o objetivo de identificar: as obras tombadas no município, as que
se encontram em processo de inventário para futuro pedido de tombo, a que os estudiosos e
historiadores da região apontam como relevantes no contexto urbano, bem como as obras
importantes que se perderam em meio ao processo de crescimento urbano da cidade. Foi realizado
ainda uma análise dos estudos publicados de autores renomados no campo da preservação do
patrimônio histórico, com o objetivo de embasar toda a pesquisa.
Visando garantir a preservação de seu patrimônio, verificou-se que o município de Maringá
– PR, conta com uma Lei Municipal, n.° 2.297/87, que regulamenta as políticas do patrimônio
cultural na cidade. O levantamento mostrou que atualmente apenas 4 bens culturais se encontram
protegidos pelo tombamento por força da Lei Municipal, sendo eles:

• A Capela Santa Cruz, construída entre 1945-1946, e tombada em 1988 em função de seu
valor religioso e social, além de sua estrutura arquitetônica típica da época. A capela foi
edificada na região denominada de Maringá Velho. Naquele tempo fixavam-se nesse bairro
os primeiros habitantes da cidade. O terreno foi doado pela Companhia de Terras Norte do
Paraná e construída a partir da participação da comunidade, que se mobilizou, realizando
quermesses, festas e doações. Sua preservação foi efetivada através de uma intervenção de
restauro, realizada a partir de laudo elaborado em 1987. A igreja foi reinaugurada em 1991,
após a conclusão das obras (SILVEIRA, 2003). A Figura 1 mostra a Capela Santa Cruz.

• A Capela São Bonifácio foi construída entre 1939-1940 na zona rural, na estrada Vale Azul,
sendo tombada em 1994. A capela constitui a primeira edificação da religião católica em
Maringá. Nessa época Maringá ainda se encontrava vinculada ao município de Mandaguari.
A capela fazia parte de um complexo rural, denominado Fazenda São Bonifácio. Servia a
comunidade local, que se dirigia à fazenda para os cultos e atividades litúrgicas. É nesse
local que os habitantes do núcleo inicial da cidade realizaram as primeiras missas, batizados
e casamentos dos moradores (SILVEIRA, op. cit.). A Figura 2 mostra a capela São
Bonifácio.

4
II Simpósio de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - SIMPGEU

Figura 1 – Capela Santa Cruz


Fonte: Autor - 2009

Figura 2 – Capela São Bonifácio


Fonte: Silveira – 2003

• O edifício principal, situado na esquina da Avenida Duque de Caxias com a Rua Joubert de
Carvalho, da sede da Companhia Melhoramentos Norte do Paraná (CMNP), foi tombado em
2004 por ter sido o principal centro econômico nos primeiros anos de Maringá, além de ser
responsável pelo desenvolvimento de grande parte do noroeste do Estado a partir da
implantação da linha férrea, do parcelamento do solo e do planejamento, localização e
configuração de algumas cidades. Esse local era onde se regulamentava as transações de
terras e imóveis na região e definia-se a configuração de lotes e quadras da cidade
(SILVEIRA, op. cit.). A Figura 3 mostra o edifício tombado.

Figura 3 – Companhia Melhoramentos Norte do Paraná


Fonte: Autor – 2009

• A “Festa Junina do Seu Zico Borghi” faz parte do patrimônio imaterial de Maringá, tendo
seu tombo decretado em 2008 por manter sua tradição desde 1982. Apesar do patrimônio
imaterial não ser alvo do presente trabalho, vale ressaltar a importância deste tipo de bem
cultural, no contexto urbano da cidade.

5
II Simpósio de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - SIMPGEU

A cidade ainda possui um patrimônio tombado por Lei Estadual, sendo ele o Grande Hotel
Bandeirantes construído entre 1951 e 1955, na Praça Deputado Renato Celidônio n.°190, com a
função de recepcionar os possíveis investidores na cidade, além de atender a sociedade maringaense
em festas e banquetes. Além desta importância histórica, a arquitetura do hotel é bastante
representativa, baseada na arquitetura moderna racionalista presente em São Paulo nos anos 50,
contemplando uma boa integração do edifício com o paisagismo, as plantas assumindo
preocupações funcionais e de conforto ambiental, projetado pelo arquiteto paulista José Augusto
Bellucci (DELMONICO; REGO; PELEGRINI, op. cit.). O edifício, que é de propriedade particular,
foi tombado em 2005, com número de inscrição de tombo 156 II. A figura 4 mostra o edifício.

Figura 4 – Grande Hotel Bandeirantes


Fonte: Autor – 2009

Nestes pouco mais de 60 anos de história, a cidade que conta com um número pequeno de
obras tombadas, sofreu inclusive algumas importantes perdas de edifícios emblemáticos,
ocasionados pelo processo de crescimento e modernização constante que a cidade vive atualmente.
Dentre estas perdas consideráveis, vale ressaltar a Estação Ferroviária construída em 1954 e
reconstruída em 1970 - conhecida por ser um dos principais meios de transporte utilizado na época
pelos investidores da região – foi demolida na década de 90, a Máquina de Café Santo Antônio
localizada na Avenida Mauá, construída nos anos 40, e demolida em 2004, - que teve seu
tombamento considerado inviável apesar do seu valor representativo da indústria cafeeira para a
cidade, em função do estado de deterioração do madeiramento, exigindo assim altos custos na sua
recuperação - (FRIEDRICH, 2009), entre outros casos. As figuras 5 e 6 mostram a demolição da
Máquina de Café e a Estação Ferroviária, respectivamente.

Figura 5 – Demolição da Maquina de Café


Fonte: Rigon – 2006

6
II Simpósio de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - SIMPGEU

Figura 6 – Estação Ferroviária


Fonte: Acervo da ABPF – 1980

Atualmente o antigo terminal rodoviário Américo Dias Ferraz é o alvo das principais
discussões cerca da preservação. Edificado em 1962, é hoje propriedade do poder público e de
particulares, encontrando-se em mal estado de conservação, tendo inclusive perdido parte de sua
cobertura em 2007. Alegando que o prédio não teria condições estruturais, o poder público iniciou
uma campanha a favor da demolição, fato este que veio em desacordo com os anseios de alguns
proprietários particulares, que entraram com ação civil requerendo a reintegração de posse e
indenização por perdas e danos (Ação Civil n°180/2007, 2ª Vara – Arquivos da 13ª Promotoria de
Justiça – Comarca de Maringá). Houve ainda pedido de tombamento do edifício por parte do
Instituto Cultural Memória do Paraná, protocolado junto ao Conselho de Patrimônio Histórico
Estadual e à Comissão Municipal. O parecer do Conselho Estadual determinou que o tombamento
fosse discutido pela Comissão Municipal (Secretaria da Cultura do Estado do Paraná, Ofício n°
007/2007, CEPHA – Arquivos da 13ª Promotoria da Justiça da Comarca de Maringá). O processo
encontra-se em trâmite atualmente (FRIEDRICH e ZANIRATO, 2008). A figura 7 mostra a
Rodoviária Américo Dias Ferraz.

Figura 7 – Rodoviária Américo Dias Ferraz


Fonte: Rigon – 2008

De acordo com projeto de pesquisa liderado pela professora Doutora Aline M. da Silveira do
Departamento de Arquitetura e Urbanismo – DAU, da UEM em 2003, 15 obras significativas no
cenário municipal, encontram-se em processo de inventário para o pedido de tombamento. Destaca-
se a Igreja Catedral Metropolitana Basílica Menor Nossa Senhora da Glória, projetada pelo
arquiteto José Augusto Bellucci, construída em 1958, caracterizada por sua planta circular de 16,40
metros de raio, e seu formato em cone, tendo uma altura máxima de 124 metros, que confere grande
monumentalidade ao edifício, sendo hoje um dos símbolos da cidade (VERRI Jr., op. cit.). O
Aeroporto Gastão Vidigal – sendo um dos ícones da arquitetura moderna na cidade -, o Gabinete do
Prefeito – outro ícone da arquitetura modernista, projetado pelo arquiteto José Antônio Bellucci,
construído entre 1967 e 1972 -, e o Museu da Bacia do Paraná – construção em madeira da década
de 40, transferido para o campus da UEM em 1984 -, entre outras, também se encontram neste

7
II Simpósio de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - SIMPGEU

processo. A figura 8 mostra da esquerda para a direita o Gabinete do Prefeito, o Aeroporto Gastão
Vidigal e o Museu da Bacia do Paraná.

Figura 8 – Da esq. para dir.: Gabinete do Prefeito, Aeroporto Gastão Vidigal e Museu da
Bacia do Paraná
Fonte: Autor - 2009

5. CONCLUSÃO

A pesquisa realizada possibilitou uma análise geral do estado em que se encontra a


preservação histórica no município de Maringá. Apesar de número pequeno de obras tombadas na
cidade – 4 por lei municipal, e 1 por lei estadual -, a simples presença de uma legislação municipal
com vista a preservar o patrimônio é um aspecto positivo encontrado. Contudo, a legislação por si
só, não garante de forma categórica a preservação dos bens culturais do município. É necessária a
conscientização da população e de dirigentes envolvidos, para que fatores como a crise econômica,
o desinteresse social e a especulação imobiliária, não venham a acabar com parte significativa da
memória da cidade.
Foram observados esforços de estudiosos e historiadores da região em estudar, analisar e
classificar o patrimônio histórico tanto material quanto o imaterial da cidade, afim de contribuir
para a preservação dos bens culturais. Porém não foi observada a existência de uma política pública,
realmente preocupada com esta questão, o que dificulta o processo de conscientização da
população, e a realização do tombamento das edificações.
O estudo demonstrou ainda, a clara importância da arquitetura no espaço urbano das
cidades, estando esta, intimamente ligada com a memória e história de um povo. A existência de
diversas edificações representativas em seu contexto urbano mostrou que apesar de ser uma cidade
recente, de pouco mais de 60 anos, o município possui muito patrimônio a ser preservado. Diversas
obras abordadas são importantes ícones da arquitetura moderna locais, ou possuíram um caráter de
extrema significância no processo de crescimento urbano do município, tornando-se assim,
importantes marcos históricos na cidade.
Parte do patrimônio histórico da cidade encontra dificuldade em sua preservação
principalmente em função de interesses imobiliários, uma vez que este mercado é bastante influente
nas decisões do município. Conclui-se assim, que a cidade necessita de campanhas de
conscientização, ressaltando a importância de tais edificações no espaço urbano de Maringá, pois
somente através deste esclarecimento por parte da população em geral, de proprietários e
investidores, é que os bens culturais da cidade terão sua manutenção garantida.

8
II Simpósio de Pós-Graduação em Engenharia Urbana - SIMPGEU

REFERÊNCIAS

ARANTES NETO, Antônio Augusto. Patrimônio e Produção Cultural. In: Palestra de abertura
do Colóquio Franco-brasileiro sobre a Diversidade Cultural, realizado pelo IPHAN em cooperação
com a Biblioteca Nacional da França, 13 e 14 out. 2005, Paris. Disponível em:
<http://portal.iphan.gov.br/portal/baixaFcdAnexo.do?id=382>. Acesso em: 25 mai. 2009.

BRANDI, Cesare. Teoria da Restauração. Cotia: Ateliê, 2004. P. 30.

CASTRIOTA, L. B. Intervenções sobre o patrimônio urbano: modelos e perspectivas. Fórum


Patrimônio, v. 1, p. 16-36, 2007.

DELMONICO, Renato; REGO, R. L.; PELEGRINI, Sandra C. A. Hotel Bandeirantes: memória,


história e arquitetura em Maringá. In: II Seminário Internacional de História, 2005, Maringá.
Anais do II SIH. Maringá: DHI/UEM, 2005.

FRIDRICH, Veroni. Imagens e leituras do patrimônio cultural de Maringá – PR. Revista


eletrônica Factorama, 2009. Disponível em: <http://factorama2.blogspot.com/2009/03/imagens-e-
leituras-do-patrimonio.html>. Acesso em: 20 mai. 2009.

FRIEDRICH, V.; ZANIRATO, S. H. Representações do Patrimônio Cultural em Maringá. In:


XVII Semana de Geografia, 2008, Maringá – PR. Anais do 1° Simpósio sobre pequenas cidades e
desenvolvimento local. Maringá: UEM, 2008. p. 01-07.

SÃO PAULO. Prefeitura municipal de São Paulo. Tombamento e Participação Popular.


Departamento do Patrimônio Histórico do município de São Paulo. São Paulo, 2001, 2ª ed.

KUHL, Beatriz Mugayar. História e Ética na Conservação e na Restauração de Monumentos


Históricos. Revista CPC, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 16–40, 2005.

LEMOS, Antonio Carlos. O que é patrimônio histórico. São Paulo: Brasiliense, 2004, 5ª ed.
Coleção Primeiros Passos.

PELEGRINE, S. C. A.. Cultura e Patrimônio Histórico. Estratégias de preservação e reabilitação


da paisagem urbana. In: Latinoamérica. Revista de Estudios Latinoamericanos. México. UNAN-
MX, n. 38, 2004, p. 189-206. Disponível em: <http://www.cialc.unam.mx/revista_estudios.html>.
Acesso em: 07 mai. 2009.

REGO, Renato Leão. O desenho urbano de Maringá e a idéia de cidade-jardim. Acta


Scientiarum, Maringá, v. 23, n. 6, p. 1569 – 1577, 2001.

SILVEIRA, A. M.. Inventário do patrimônio arquitetônico de valor artístico, histórico e


cultural de Maringá. Maringá, UEM/DAU, 2003.

VERRI Jr., A.. A obra de José Augusto Bellucci em Maringá. 2001. Dissertação (Mestrado em
Arquitetura e Urbanismo). FAUUSP, São Paulo, 2001.