Anda di halaman 1dari 84

Membrana plasmática e especializações

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Morfologia

Prof. Greg Kitten Sala J3-339/310

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DAS CÉLULAS

CONSTITUINTE EXTERNO

- Membrana Plasmática (Plasmalema), Matriz Extracelular

CONSTITUINTES INTERNOS: Núcleo e Citoplasma.

No citoplasma estão presentes:

a) Citoesqueleto: Microfilamentos, Filamentos Intermediários e Microtúbulos.

b) Organelas: Mitocôndrias, Retículo Endoplasmático, Aparelho de Golgi, Lisossomos, Peroxissomos.

c)

Depósitos

pigmentos.

(Inclusões):

Carboidratos,

Proteínas,

Lipídeos

ou

Espaço entre as organelas e os depósitos é preenchido pela Matriz Citoplasmática (Citossol).

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DAS CÉLULAS

PRINCIPAIS CONSTITUINTES DAS CÉLULAS  Aula de hoje Constituinte interno: o Citoplasma, onde se localizam: a)

Aula de hoje

Constituinte interno: o Citoplasma, onde se localizam: a) Citoesqueleto: Microfilamentos, Filamentos Intermediários e Microtúbulos.
Constituinte interno: o Citoplasma, onde se localizam:
a) Citoesqueleto: Microfilamentos, Filamentos Intermediários e
Microtúbulos.
b) Organelas: Mitocôndrias, Retículo Endoplasmático, Aparelho de Golgi, Lisossomos, Peroxissomos. c) Depósitos (Inclusões): Carboidratos, Proteínas, Lipídeos
b) Organelas: Mitocôndrias, Retículo Endoplasmático, Aparelho de
Golgi, Lisossomos, Peroxissomos.
c)
Depósitos
(Inclusões):
Carboidratos,
Proteínas,
Lipídeos
ou
pigmentos.
Espaço entre as organelas e os depósitos é preenchido pela Matriz Citoplasmática (Citossol).
Espaço entre as organelas e os depósitos é preenchido pela Matriz
Citoplasmática (Citossol).

Membrana plasmática

FUNÇÕES DA MEMBRANA PLASMÁTICA OU CELULAR

  • Separa o meio intracelular do extracelular.

  • Responsável pela constância do meio intracelular: controle da entrada e saída de substâncias da célula.

  • Barreira seletiva.

  • Sinalização celular (receptores).

  • Canais de comunicação: estabelece conexões com outras células e com a matriz extracelular.

  • Fixação ou movimentação da célula.

  • Sistemas enzimáticos.

Constituição:

1. Lipídios

  • 2. Proteínas

  • 3. Carboidratos

Embora a organização molecular básica das membranas seja a mesma, há diferenças na composição química e nas propriedades biológicas das membranas de diferentes tipos celulares e organelas.

Membrana plasmática: estrutura

ESTRUTURA : Modelo do Mosaico Fluido

Duas camadas lipídicas, fluidas e contínuas onde se inserem moléculas protéicas.

Duas regiões hidrofílicas e uma região hidrofóbica.

Ao ME apresenta-se como uma estrutura trilaminar = unidade de membrana.

Singer e Nicholson (1972), o modelo do mosaico fluído.

Singer e Nicholson (1972) , o modelo do mosaico fluído .

Membrana plasmática: estrutura

* Microscopia Eletrônica: estrutura trilaminar --> Unidade de membrana

Cell 1 Cell 2
Cell 1
Cell 2

Membrana plasmática: estrutura

Grupamentos polares Grupamentos Não-polares
Grupamentos
polares
Grupamentos
Não-polares

Membrana plasmática: estrutura

  • - As duas camadas lipídicas permanecem unidas por meio de interações hidrofóbicas das cadeias apolares de cada

camada.

* A membrana plasmática é ASSIMÉTRICA tanto na composição de lipídios quanto nas proteínas, carga elétrica (fosfatidilserina), distribuição de glicolipídios e glicoproteínas

Membrana plasmática: estrutura - As duas camadas lipídicas permanecem unidas por meio de interações hidrofóbicas das
Membrana plasmática: estrutura - As duas camadas lipídicas permanecem unidas por meio de interações hidrofóbicas das
  • - Uma mesma membrana pode apresentar diferentes

regiões funcionais (ex, microvilos de células epiteliais do intestino delgado).

Métodos de estudo - membrana plasmática

ME

Criofratura

Fracionamento Análise de expressão de proteínas

Métodos de estudo - membrana plasmática ME Criofratura Fracionamento Análise de expressão de proteínas
Métodos de estudo - membrana plasmática ME Criofratura Fracionamento Análise de expressão de proteínas

Membrana plasmática: estrutura

Ultra-estrutura da MP: análise por criofratura

Membrana plasmática: estrutura Ultra-estrutura da MP: análise por criofratura Folheto E xterno Folheto interno ( P

Folheto Externo

Folheto interno (Protoplasmático)

Criofratura

Membrana plasmática: estrutura Estudo por Crio-fratura

Membrana plasmática: estrutura Estudo por Crio-fratura

Membrana plasmática: estrutura

Membrana plasmática: estrutura face E face P Micrografia eletrônica de uma crio-fratura mostrando interior da membrana

face E

face P

Micrografia

eletrônica de uma crio-fratura mostrando interior da membrana plasmática: face P (Protoplasmática) c/ maior número de partículas intramembranosas do que a face E (Externa).

Membrana plasmática: estrutura

Membrana plasmática: estrutura Unidade de membrana : estrutura trilaminar vista ao ME (demonstração por deposição de

Unidade de membrana:

estrutura trilaminar vista ao ME (demonstração por deposição de Tetróxido de Ósmio).

Constituição:

1. Lipídios

  • 2. Proteínas

  • 3. Hidratos de carbono

·

Embora a organização molecular básica das membranas seja a mesma há diferenças

na composição química e nas propriedades biológicas das membranas de diferentes tipos celulares e organelas.

Membrana plasmática: constituição

1 LIPÍDEOS

Moléculas anfipáticas:

*Uma extremidade hidrofílica (polar) cabeça. *Outra hidrofóbica (apolar) duas caudas de ácidos graxos.

Principais tipos:

. Fosfolipídeos: contém radical fosfato Fosfoglicerídeos (4 tipos principais).

Esfingolipídeos (fosfatidilinositol: sinalização celular).

. Glicolipídeos

Membrana plasmática: constituição 1 – LIPÍDEOS  Moléculas anfipáticas: *Uma extremidade hidrofílica (polar) – cabeça. *Outra

Hidratos de carbono (carboidratos açúcares). Os mais abundantes nas células animais são os Glicoesfingolipídeos (Componentes de muitos receptores celulares de superfície).

. Colesterol

Presente em células animais, as vegetais têm outros esteróis.

Composição Química de Membranas: Lípides

1. Fosfoglicerídeos: fosfatidilcolina*, fosfatidiletanolamina, fosfatidilserina.

Composição Química de Membranas: Lípides 1. Fosfoglicerídeos: fosfatidilcolina*, fosfatidiletanolamina, fosfatidilserina. Cabeça polar hidrofílica Calda apolar hidrofóbica

Cabeça polar hidrofílica

Calda apolar hidrofóbica

Composição Química de Membranas: Lípides

2. Esfingolípides:

esfingomielina

3. Colesterol

Composição Química de Membranas: Lípides 2. Esfingolípides: esfingomielina 3. Colesterol

Lípides de membrana:

Independente do tipo

são ANFIPÁTICOS

Características da Bicamada Lipídica

Lipídeos possuem distribuição ASSIMÉTRICA

Glicolípides: apenas folheto externo

Características da Bicamada Lipídica Lipídeos possuem distribuição ASSIMÉTRICA Glicolípides: apenas folheto externo Fosfatidilserina: folheto interno

Fosfatidilserina: folheto interno

Membrana plasmática: estrutura

Membrana plasmática: estrutura

Síntese de proteínas da Membrana plasmática

* Síntese e secreção de proteínas da membrana plasmática:

1) Síntese no RER;

2) Transporte por vesículas ao CG

3) Modificações estruturais adicionais no CG 4) Transporte por vesículas para a MP.

Fluidez da membrana plasmática

FLUIDEZ DA MEMBRANA É DEPENDENTE DE:

  • Composição

  • Temperatura

Algumas células conseguem alterar a proporção das duplas ligações (em hidratos de carbono nos ácidos graxos) de acordo com variações de temperatura para manter a fluidez e assim sua homeostasia.

Lipídios se movem lateralmente dentro de sua monocamada com velocidade alta (difusão

lateral). Entretanto, uma molécula da monocamada interna raramente troca de lugar com um da

camada externa e vice versa, esse movimento é chamado de Flip-Flop.

As proteínas de membrana têm difusão rotacional e lateral

As proteínas se movem facilmente entre os lipídios. Algumas proteínas ficam presas ao citoesqueleto e não se movimentam.

Embora existam diferenças entre os lipídios que influem nas propriedades da membrana, a atividade metabólica da mesma depende principalmente de suas proteínas.

Características da Bicamada Lipídica

FLUIDEZ Movimento de Rotação Movimento Lateral (10 7 vezes/seg) Flip-flop (raro; flipases)

Características da Bicamada Lipídica FLUIDEZ Movimento de Rotação Movimento Lateral (10 vezes/seg) Flip-flop (raro; flipases)

Características da Bicamada Lipídica

Fluidez pode ser alterada por temperatura, insaturação e tamanho das caudas hidrofóbicas de ác. Graxos, e presença de colesterol

Características da Bicamada Lipídica Fluidez pode ser alterada por temperatura, insaturação e tamanho das caudas hidrofóbicas

+ duplas, + fluida

Características da Bicamada Lipídica Fluidez pode ser alterada por temperatura, insaturação e tamanho das caudas hidrofóbicas
menor, + fluida
menor,
+ fluida

Características da Bicamada Lipídica

Deformação

Características da Bicamada Lipídica Deformação

Fluidez da Membrana plasmática

Evidência experimental demonstrando a fluidez da membrana celular

  • A) Dois tipos de células (uma marcada e outra não-marcada)…

B)…foram induzidas a se fundirem.

C) Minutos após a fusão celular, as

moléculas marcadas (em amarelo) se espalham por toda a superfície da (nova) célula fundida.

Fluidez da Membrana plasmática Evidência experimental demonstrando a fluidez da membrana celular A) Dois tipos de

Demonstração dos movimentos das proteínas

na bicamada lipídica

Demonstração dos movimentos das proteínas na bicamada lipídica

Restrição dos movimentos das proteínas na

bicamada lipídica

Restrição dos movimentos das proteínas na bicamada lipídica

Permeabilidade de uma bicamada lipídica

Permeabilidade de uma bicamada lipídica Difusão passiva Transporte mediado por proteínas

Difusão

passiva

Transporte

mediado por proteínas

Tipos de proteínas transportadoras

Tipos de proteínas transportadoras Bombas Transporte ativo Bombeiam íons e pequenas moléculas, contra um gradiente de
Tipos de proteínas transportadoras Bombas Transporte ativo Bombeiam íons e pequenas moléculas, contra um gradiente de
Tipos de proteínas transportadoras Bombas Transporte ativo Bombeiam íons e pequenas moléculas, contra um gradiente de
Tipos de proteínas transportadoras Bombas Transporte ativo Bombeiam íons e pequenas moléculas, contra um gradiente de

Bombas Transporte ativo Bombeiam íons e

pequenas moléculas,

contra um gradiente de [ ], às custas de ATP

Canais iônicos Transporte passivo movem íons e água

(seleção por tamanho e

carga), a favor de um gradiente de [ ], sem gasto de energia

Transportadores Transporte passivo ou acoplado Movem grande variedade de íons e

moléculas específicas a favor ou

contra um gradiente de [ ]. Neste

último o transporte é acolpado a um processo energeticamente favorável.

Canal Iônico

Sistema de Biomembranas

Sistema de Biomembranas

Membrana Plasmática: Composição Química

Singer e Nicholson (1972), o modelo do mosaico fluído.

Singer e Nicholson (1972) , o modelo do mosaico fluído .

Proteínas da membrana plasmática

2 PROTEÍNAS

Cada tipo de membrana tem suas proteínas características, principais responsáveis pela sua função e caracterização. * A orientação dessas proteínas na membrana é fixa devido ao seu modo de inserção e à função de seus domínios citoplasmáticos e não citoplasmáticos.

2 tipos principais

  • Integrais (intrínsecas)

Firmemente associadas aos lipídios 70%, maioria das enzimas

* Transmembrana: Atravessam inteiramente a camada lipídica uma única vez. * Transmembrana de passagem múltipla: Atravessando a membrana em vários pontos.

  • Periféricas (extrínsecas)

Fracamente associadas aos lipídios

* Prendem-se aos

lipídios

da

face

interna

ou externa da membrana por diversos

mecanismos e freqüentemente elas se fixam a moléculas glicosiladas de fosfatidil inositol (glicosilfosfatidilinositol GPI).

Proteínas da membrana plasmática

Principais tipos de proteínas:

Proteínas da membrana plasmática  Principais tipos de proteínas:  3 proteínas extensamente estudadas:  Espectrina:

3 proteínas extensamente estudadas:

  • Espectrina: Proteína associada ao citoesqueleto, não covalentemente associada a face citoplasmática da

membrana da hemácea forma uma trama que confere a morfologia bicôncava da hemácea e aumenta sua capacidade de aguentar pressão enquanto passa pelos capilares (defeitos nessa proteína podem causar anemia).

  • Glicoforina: Glicoproteína transmembrana com estrutura similar de outras classes de interesse receptores

- serve de modelo para estudos dessas outras.

  • Banda 3: Proteína transmembrana de passagem múltipla; transportadora de ânions, auxilia na respiração -

processo de carreamento do CO 2 .

Hidratos de carbono da Membrana Plasmática

3) GLICOCÁLICE

Região da membrana rica em hidratos de carbono ligados a proteínas ou a lipídios

  • Funcionalmente importante

Composição não é estática

Varia de um tipo celular pra outro e na mesma célula, varia de acordo com a atividade funcional da célula em determinado momento.

Constituição do Glicocálice

Porções glicídicas dos glicolipídios + Glicoproteínas integrais ou secretadas e adsorvidas na membrana

+

Proteoglicanas secretadas e adsorvidas na membrana

* Elo de união funcional e dinâmico de uma célula com outra ou com a matriz extracelular dos tecidos. Ex: Microfilamentos de actina + vinculina + proteína intrínseca da membrana 140Kd + Fibronectina + regiões da matriz extracelular = Fibronexus

Glicocálice

Glicocálice Funções: Adesão celular Reconhecimento celular Inibição por contato ...

Funções:

Adesão celular

Reconhecimento celular

Inibição por contato

...

 

Glicocálice

 
 
  • - O glicocálice apresenta-se como um denso tapete formado por filamentos finos entremeados, cobrindo as microvilosidades.

  • - Esta camada de glicocálice é observada tanto na

superfície, como nos lados das microvilosidades, por entre elas.

  • - No canto inferior direito, onde duas células estão próximas, suas microvilosidades são mantidas

separadas pelo glicocálice que as reveste.

Glicocálice no epitélio intestinal.

Aumento 65 000 X.

Glicocálice - O glicocálice apresenta-se como um denso tapete formado por filamentos finos entremeados, cobrindo as

-Microvilosidades com membrana plasmática e citoplasma finamente granular em seu interior. - Glicocálice sob a forma de material filamentoso ramificado. -Unidade trilaminar de membrana (figura inferior).

Glicocálice no epitélio intestinal. Aumentos 200 000 X e 240 000 X.

Glicocálice - O glicocálice apresenta-se como um denso tapete formado por filamentos finos entremeados, cobrindo as

Importância do glicocálice

  • - Protege a superfície das células de possíveis lesões;

  • - Proteção química da membrana celular ao ataque de proteases

  • - Proteção contra ressecamento e lubrificação da superfície celular:

camada altamente hidratada devido aos açúcares

  • - Confere viscosidade às superfícies celulares, permitindo o

deslizamento de células em movimento como, por exemplo, as células

sangüíneas;

  • - Apresenta propriedades imunitárias, por exemplo os glicídios do

glicocálix dos glóbulos vermelhos que apresentam os antígenos próprios dos grupos sangüíneos do sistema sangüíneo ABO;

  • - Intervém nos fenômenos de reconhecimento celular, particularmente importantes durante o desenvolvimento embrionário.

  • - A inibição do crescimento celular por contato depende de glicoproteínas

do glicocálice. Se tais proteínas forem perdidas ou modificadas, como

acontece em alguns tumores malignos, mesmo o glicocálice ainda

existindo, esta função será comprometida.

  • - Nos processos de adesão entre óvulo e espermatozóide.

Funções do Glicocálice - ex 1

  • reconhecimento célula-célula e adesão celular:

Funções do Glicocálice - ex 1  reconhecimento célula-célula e adesão celular:

Funções do Glicocálice ex 2

  • Determinação antigênica

Ex: especificidade do sistema sanguíneo ABO

Funções do Glicocálice – ex 2  Determinação antigênica Ex: especificidade do sistema sanguíneo ABO

Funções do Glicocálice ex 3

  • ligação de hormonas, toxinas, vírus e bactérias

Funções do Glicocálice – ex 3  ligação de hormonas, toxinas, vírus e bactérias

Funções do Glicocálice ex4

  • inibição por contato: inibição do movimento ou da

proliferação das células normais resultante do

contato célula à célula

Funções do Glicocálice – ex4  inibição por contato: inibição do movimento ou da proliferação das

Especializações

e

Junções Intercelulares

da

Membrana Plasmática

Especializações e junções da Membrana plasmática

Especializações e junções da Membrana plasmática

Especializações da Membrana plasmática

Microvilos (ou microvilosidades)

  • - Projeções da superfície celular em forma de dedo de luva.

  • - Contém numerosos filamentos de actina (responsáveis pela

manutenção da forma dos microvilos).

  • - Aumentam a superfície de

absorção das células. Ex: intestino

delgado (Células prismáticas), rins

(células do TCP).

  • - filamentos de actina.

  • - borda estriada (vista ao MO)

Especializações da Membrana plasmática Microvilos (ou microvilosidades) - Projeções da superfície celular em forma de dedo

Microvilos

Microvilos Microvilos: observe os feixes de filamentos dispostos paralelamente. Célula intestinal (delgado) especializada para a absorção

Microvilos: observe os feixes de filamentos dispostos paralelamente. Célula intestinal (delgado) especializada para a absorção de nutrientes. --> Os microvilos têm a função de aumentar a área absorvente.

Especializações da Membrana plasmática

Cílios e Flagelos

  • - Prolongamentos longos

dotados de motilidade, presentes na superfície de algumas células epiteliais.

  • - Estão inseridos em

corpúsculos basais (que são estruturas eletrodensas situadas no ápice da célula).

  • - Microtúbulos

  • - OBS.: a estrutura dos corpúsculos basais é

semelhante aos dos centríolos

(veremos na aula de citoesqueleto !!)

Especializações da Membrana plasmática Cílios e Flagelos - Prolongamentos longos dotados de motilidade, presentes na superfície

Flagelos: geralmente únicos e longos são encontrados, no corpo humano, apenas nos espermatozóides.

Especializações da Membrana plasmática

Estereocílios

  • - Prolongamentos longos

que aumentam a superfície de algumas células epiteliais.

  • - Não possuem a estrutura nem a capacidade de movimento dos cílios verdadeiros.

  • - Ramificam-se

frequentemente, e são mais compridos que os

microvilos.

Ex: Epidídimo (contribuem

para o processo de maturação do espermatozóide);

Especializações da Membrana plasmática Estereocílios - Prolongamentos longos que aumentam a superfície de algumas células epiteliais.

- Encontrado tb em células sensoriais do ouvido interno e da retina.

Aula prática: Estrutura trilaminar (ao MET) da membrana plasmática

Aula prática : Estrutura trilaminar (ao MET) da membrana plasmática Membrana plasmática ao ME de transmissão.
Aula prática : Estrutura trilaminar (ao MET) da membrana plasmática Membrana plasmática ao ME de transmissão.

Membrana plasmática ao ME de transmissão. Observe duas unidades

de membrana (aspecto trilaminar)

separados por um espaço intercelular.

Microvilosidades cortadas

transversalmente em célula

intestinal mostrando unidade de

membrana

Aula prática: faces E e P; glicocálice, microvilos

Aula prática : faces E e P; glicocálice, microvilos Crio-fratura mostrando interior da membrana plasmática: face

Crio-fratura mostrando interior da membrana plasmática: face P c/

maior número de partículas intramembranosas do que a face E.

face E

Aula prática : faces E e P; glicocálice, microvilos Crio-fratura mostrando interior da membrana plasmática: face

face P

MET mostrando glicocálice em célula

abosrtiva intestinal.

Junções Intercelulares

Estruturas associadas à membrana plasmática que contribuem para a coesão e comunicação entre as células.

1) Zônula oclusiva 2) Zônula de adesão 3) Desmossomos

Junções Intercelulares Estruturas associadas à membrana plasmática que contribuem para a coesão e comunicação entre as

Complexo

Juncional

4) Junções comunicantes

FUNÇÕES:

Zônula oclusiva (Junções impermeáveis):

-Promover vedação entre as células.

Junções aderentes (Zonula de adesão e Desmossomos):

  • - Unir as células umas as outras e à matriz extracelular.

Junções comunicantes (Gap-junctions)

  • - Estabelecer comunicação entre as células.

Estruturas Juncionais

Estruturas Juncionais
Estruturas Juncionais

Estruturas Juncionais

Estruturas Juncionais

1 - Junção oclusiva

- Faixa contínua em torno da porção apical de certas células epiteliais. - Os folhetos externos das MPs das células vizinhas se fundem vedando o espaço intercelular. - Veda o trânsito de moléculas e íons por entre as células. - Forma compartimentos funcionalmente separados

1 - Junção oclusiva - Faixa contínua em torno da porção apical de certas células epiteliais.
1 - Junção oclusiva - Faixa contínua em torno da porção apical de certas células epiteliais.

A) depressões, e B) saliências observadas por criofratura.

Célula epitelial do intestino.

Zônula oclusiva / Zônula de oclusão / Tight Juntions a | Freeze-fracture replica electron microscopic image

Zônula oclusiva / Zônula de oclusão / Tight Juntions

a | Freeze-fracture replica electron microscopic image of intestinal epithelial cells. Tight junctions appear as a set of continuous, anastomosing intramembranous particle strands or fibrils (arrowheads) on the P face with complementary vacant grooves on the E face (arrows). (Mv, microvilli; Ap, apical membrane; Bl, basolateral membrane.) Scale bar, 200 nm. b | Ultrathin sectional view of tight junctions. At kissing points of tight junctions (arrowheads), the intercellular space is obliterated. c | Schematic of three-dimensional structure of tight junctions. Each tight-junction strand within a plasma membrane associates laterally with another tight-junction strand in the apposed membrane of an adjacent cell to form a paired tight-junction strand, obliterating the

intercellular space (kissing point).

2 - Zonula de adesão

-Dispor-se em cinturão (belt) ao redor do corpo da célula, fazendo a união desta com várias células vizinhas. Nesta junção o citoesqueleto ancorado é composto de microfilamentos de actina.

  • - Material granular entre as membranas (caderina).

  • - São sensíveis aos níveis de Ca ++ .

  • - Encontrada em diversos tipos de tecido.

2 - Zonula de adesão -Dispor-se em cinturão ( belt ) ao redor do corpo da

3 - Desmossomo

  • - Placa arredondada, descontínuo.

  • - Constituído pelas membranas de duas células vizinhas.

  • - Material granular entre as membranas: caderina (glicoproteína transmembrana)

  • - Na face citoplasmática do desmossomo placa elétrondensa (inserem-se os filamentos

intermediários = tonofilamentos).

  • - Representam locais onde o citoesqueleto (através dos tonofilamentos) se prende à membrana

celular - elo de ligação do citoesqueleto com as células vizinhas.

  • - Composição molecular complexa (no citossol e entre as membranas): desmoplaquinas I e II,

desmocalmina, queratocalmina, caderina (desmogleína e desmocolina).

  • - A função dos desmossomos depende da presença de caderina nas membranas e de Ca ++ .

  • - Frequentes em células submetidas à tração (p.ex., epiderme).

3 - Desmossomo - Placa arredondada, descontínuo. - Constituído pelas membranas de duas células vizinhas. -

Especializações basais: Hemidesmossomo

Epitélio sobre uma membrana não-celular (lâmina basal)

Uma das proteínas de filamentos intermediários
Uma das
proteínas
de filamentos
intermediários
Filamentos que prendem as células epiteliais à matriz extracelular. Diferenças protéicas: Não possuem desmogleína, porém Integrina.
Filamentos que prendem
as células epiteliais à
matriz extracelular.
Diferenças protéicas: Não
possuem desmogleína,
porém Integrina.

Especializações basais - Hemidesmossomo

Especializações basais - Hemidesmossomo
Especializações basais - Hemidesmossomo

Lâmina basal

  • - Não visível ao MO com colorações de rotina, exceto:

  • - Em lâminas basais de glomérulo renal e túbulos renais.

  • - Nos glomérulos, a membrana basal

além de ter uma função de suporte,

tem um papel importante na filtração do plasma.

(coloração: Picro-sírius-Hematoxilina)

Lâmina basal - Não visível ao MO com colorações de rotina, exceto : - Em lâminas

4 - Junção comunicante (Gap Junction)

  • - Estabelece comunicação entre as células.

  • - Cada junção é constituída por um conjunto de tubos protéicos paralelos (conexons) que atravessam a membrana de duas células.

  • - Cada conexon é formado pela união de tubos menores: conexinas.

  • - Epitélios de revestimento, glandular, muscular liso, muscular cardíaco, células nervosas.

4 - Junção comunicante (Gap Junction) - Estabelece comunicação entre as células. - Cada junção é
4 - Junção comunicante (Gap Junction) - Estabelece comunicação entre as células. - Cada junção é

- passam pelo poro: nucleotídeos, aa, íons, cAMP, e

outras moléculas de baixa massa molecular.

- o canal é aberto ou fechado sob estímulo próprio:

é dependente de íons Ca++.

4 - Junção comunicante (Gap Junction) - Estabelece comunicação entre as células. - Cada junção é

Gap-junctions

Gap-junctions

R

E

S

U

M

O

The End

Extras

Membrana plasmática

Membrana plasmática

Estrutura da membrana plasmática

Estrutura da membrana plasmática

Estrutura trilaminar (ME):

unidades

de membrana

Estrutura trilaminar (ME): unidades de membrana http://www.the-aps.org/education/lot/cell/picute.htm

http://www.the-aps.org/education/lot/cell/picute.htm

Lipídeos possuem distribuição

ASSIMÉTRICA

  • - Variam comparando-se as monocamadas

  • - Variam comparando diferentes membranas

  • - Variam comparando-se diferentes células

Comparação de monocamadas externa e interna Glicolípides: apenas externamente

Lipídeos possuem distribuição ASSIMÉTRICA - Variam comparando-se as monocamadas - Variam comparando diferentes membranas - Variam

Lipid rafts

Influências sob a fluidez da membrana:

-Temperatura

-Presença de insaturações nas caudas hidrofóbicas

-Tamanho das caudas hidrofóbicas

-Presença de colesterol

Influências sob a fluidez da membrana: -Temperatura -Presença de insaturações nas caudas hidrofóbicas -Tamanho das caudas
Influências sob a fluidez da membrana: -Temperatura -Presença de insaturações nas caudas hidrofóbicas -Tamanho das caudas
Influências sob a fluidez da membrana: -Temperatura -Presença de insaturações nas caudas hidrofóbicas -Tamanho das caudas
Influências sob a fluidez da membrana: -Temperatura -Presença de insaturações nas caudas hidrofóbicas -Tamanho das caudas

+ duplas, + fluida

menor, + fluida

Presença de colesterol Diminui a permeablidade Fluidez alterada de acordo com a temperatura -37oC: diminui a
Presença de colesterol Diminui a permeablidade Fluidez alterada de acordo com a temperatura -37oC: diminui a

Presença de colesterol

Diminui a permeablidade Fluidez alterada de acordo com a temperatura

-37oC: diminui a fluidez

-baixas temp: aumenta a fluidez [GK??]

Proteínas

importante componente funcional

Proteínas importante componente funcional Funções gerais >Interações com matriz extracelular >Interações com meio intracelular (citoesqueleto) >Transdução

Funções gerais

>Interações com matriz extracelular

>Interações com meio intracelular(citoesqueleto)

>Transdução de informações para o interior da célula

Interações das proteínas com a bicamada lipídica

Interações das proteínas com a bicamada lipídica Transmembrana – passagem única / passagem múltipla Ancoradas por

Transmembrana passagem única / passagem múltipla Ancoradas por lipídeos GPI Periféricas