Anda di halaman 1dari 5

1

Cristologias Plurais

De IVONE GEBARA

Quem é Jesus de Nazaré? As respostas a essa pergunta foram sempre plurais desde
os primeiros seguidores de Jesus. Os textos do Novo Testamento são as primeiras
testemunhas do pluralismo fundante do Cristianismo. É na tentativa de reforçar o
pluralismo cristológico no interior das comunidades cristãs que explicito as idéias que
seguem. Acolher o pluralismo cristológico no interior das comunidades cristãs é a meu
ver um passo importante para acolher o pluralismo das crenças e buscas religiosas
dos diferentes grupos culturais sem pretender que nenhuma delas seja a mais
importante e a mais verdadeira e absoluta experiência do divino. Na tentativa de
explicitar algo do pluralismo cristológico para as comunidades cristãs uma sugestiva
frase de São Paulo me veio ao espírito: « Não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive
em mim» (Gál 2,20). O que Paulo teria experimentado quando a formulou? Da vida de
qual «eu» se referia ele? Creio que Paulo com sua lucidez característica não tinha a
pretensão de reproduzir em sua vida, a vida individual de Jesus de Nazaré. E, na
mesma linha não julgava que todos os «eu» poderiam se reduzir ao seu próprio «eu».
Assumir a partir de sua vida os valores que segundo sua compreensão de Jesus,
davam sentido à sua vida, fazia dele um outro Cristo. Já estamos dentro do pluralismo
cristológico. Por isso, podemos nos perguntar como poderá esta frase fruto de uma
experiência pessoal ser verdadeira para nós hoje? Como podemos seguir Cristo se
não ouvirmos quem somos e se não nos dispormos a modificar nossos
comportamentos a partir do lugar onde estamos? Como posso seguir Cristo se não
descubro seu rosto estampado em meu coração através de minha história e da história
de meus próximos? Acaso tenho que negar esta experiência fundamental para seguir
um Cristo ensinado a partir fora e a partir do alto dos poderes eclesiásticos? Acaso
para seguir Cristo tenho que trair o rosto do Cristo que vive em mim? Acaso tenho que
renunciar a minha cultura, a meu contexto de vida, aos gritos de dor particulares a
meu povo, gritos que ressoam em mim e ressoam em meus contemporâneos? Estas
perguntas que podem parecer pura retórica, não nascem de um pensamento
eclesiástico oficial que pretende ensinar a verdade universal válida em todos os
lugares e em todos os tempos, mas nasce da observação da vida ordinária das
pessoas comuns. Por isso, todo controle cristológico vindo dos poderes religiosos que
se auto-outorgam a posse da verdadeira doutrina sobre Jesus Cristo ou todo controle
que nós mesmos queiramos exercer uns sobre os outros, correm o risco de negar a
vida plural e diversa do Cristo em nós. Não se pode reduzir Cristo a uma fórmula, a um
dogma delimitado no tempo, a um comportamento único, a uma ação única como se
2

pudéssemos policiar as diferentes formas de amor e afirmar então que todos nós só
podemos amar desta maneira afirmada como única maneira possível e verdadeira de
se viver o amor. Mas, quem é o Cristo que vive em mim? Como posso entendê-lo e
viver em mim sua verdade? Como posso ser fiel a uma tradição religiosa que é
reconhecida como cristã? Cristo, palavra de origem grega, significa o ungido, o
designado para uma missão especial. Por muito tempo se entendeu que Cristo era
apenas Jesus de Nazaré, trazendo através de sua pessoa, a salvação para toda a
humanidade. Hoje, na comunidade cristã, dizemos que Cristo é uma palavra que
significa que, cada uma e cada um de nós têm como Jesus de Nazaré a capacidade
de descobrir-se ungida e ungido para estar a serviço uns dos outros, para buscar com
os outros a justiça e o bem comum. É nesse sentido que todos nós somos Cristos, isto
é, responsáveis por acolher nossa humanidade e permitir que ela se desenvolva com
o respeito e a dignidade que merecemos. Se a tradição atribui a Jesus esta palavra de
maneira especial, foi para permitir que a partir de um homem concreto, Jesus de
Nazaré, pudéssemos perceber como se pode num determinado contexto e a partir de
nossa humanidade ser de fato Cristo. Em outras palavras a questão é de em cada
contexto criar «relações crísticas», isto é, relações de justiça, de amor, de ternura, de
verdade, de solidariedade uns com os outros assumindo nossa condição e
responsabilidade humana. Então, o mais importante em Cristo não é os atributos
divinos abstratos que lhe outorgamos. Não é a sua filiação divina num sentido religioso
hierárquico. Não é igualmente os atributos tirados das divindades do Olimpo grego ou
do mundo egípcio que acrescentamos à sua história ao longo dos séculos. O fato é
que, um de nós e cada um de nós, dentro de nossa própria humanidade pode tornar-
se Cristo. E quando nos tornamos Cristo acolhemos no mais profundo de nossa
humanidade aquela experiência simples que nos leva a reconhecermo-nos uns com os
outros, uns para os outros, como um mesmo corpo. Um corpo que só vive uma vida
plena se cuidarmos respeitosamente uns dos outros, se instaurarmos cada dia de
forma renovada relações de respeito, de justiça e ternura entre nós. A Cristologia plural
é simplesmente a acolhida dessa intuição das primeiras seguidoras e seguidores de
Jesus. Pode ser vivida como experiênciahumana de relação com as pessoas próximas
ou distantes de nós de forma sempre renovável. Nesse sentido, determinar
dogmaticamente as formas dessa relação e empregar palavras únicas para expressá-
la não parece fazer parte da tradição que herdamos dos Evangelhos. É nesse sentido
que nos lembramos de São João quando nos diz que «o vento sopra onde quer e
ouves o seu ruído, mas não sabes de onde vem nem para onde vai. Assim acontece
com todo aquele que nasce do Espírito» (Jo 3,8). Este vento sopra em nós ou respira
em nós ou respiramos nele, quando sentimos o quanto a dor do outro nos move as
3

entranhas e se torna de certa forma nossa dor. Por isso, buscamos com ele ou com
ela saídas para aliviar seu sofrimento e nutrir suas esperanças. É o vento, brisa suave
ou tempestade que nos aproxima dos nossos semelhantes e nos faz descobrir que
somos da mesma carne, um mesmo corpo com a Terra. Este corpo embora dividido
pelo sofrimento e pela ganância que estão em nós é a única realidade que somos. E, é
ele mesmo o corpo de Cristo simbolizado de diferentes maneiras. Sabemos por
experiência que o vento que sopra nele não é sempre o mesmo nos diferentes lugares
e nos diferentes tempos. Como então exigir que seu ruído seja conforme a uma lei ou
a uma regra única? E como proibir ao vento seus diferentes ruídos e intensidades
querendo controlá-lo como o fazem os senhores do mundo? Para eles as riquezas do
mundo têm que correr para seus cofres, o saber do mundo para seus computadores
para que o controlem e acumulem riquezas sem pensar que «a ferrugem e a traça
irão corroê-los» (Mt 6,19). Mas, «entre irmãs e irmãos não pode ser assim» (Lc 22,
26), dizia Jesus em um dos encontros com suas amigas e amigos. Na mesma mesa
senta-se a prostituta, o leproso, a hemoroíssa, o homem da mão seca, o cobrador de
impostos, o velho, a criança e cada um afirma o Cristo que vive e busca para que «o
amor seja tudo em todos». A diversidade de vidas expressa a diversidade das formas
de amor e das formas poéticas para expressá-lo na fidelidade ao que somos e ao bem
querer que cultivamos uns para com os outros. Cristologias plurais 132 · Cristologias
plurais respondem ao pluralismo da vida, à sua complexidade, à diversidade de
situações em que o amor e a justiça acontecem no meio de nós. Como se pode ousar
reduzir a criatividade do amor? E, no entanto, estamos sempre fazendo isso como se
ao controlar o amor e o pensamento sobre ele pudéssemos ter a posse dos outros e
até a posse do poder divino. Não nos convencemos que nossa Cristologia, aquela que
está presente em nossa comunidade de fé, é apenas uma das muitas que existem no
interior da tradição cristã e no interior de nossa própria Igreja. E quando digo isso, é
para afirmar que a partir de nossa cristologia não podemos julgar as outras e nos
tornar juizes da ortodoxia do amor e da prática da justiça. Na vida ordinária o amor não
se submete às formas pré-estabelecidas e por isso assume várias cores e expressões
como o vento que sopra onde quer. É este vento de ruídos diferentes, que faz nascer
as cristologias diferentes como formas diferentes de amor e libertação. Cristologias
negras que buscam ouvir o clamor dos negros em nosso continente e afirmar a unção
que têm no interior mesmo de sua vocação humana para buscar os caminhos de
afirmação de sua dignidade e de respeito às suas tradições culturais. Cristologias
feministas que sentem a dor dos corpos femininos excluídos e julgados inferiores.
Dominação real na forma de dominação simbólica, de dominação econômica, social,
familiar e religiosa. Não teríamos nós mulheres direito a uma cristologia que levasse
4

em conta a afirmação de nossa dignidade a partir de nossas próprias dores, a partir


das formas de cruz que a sociedade patriarcal nos impôs? Não seria este um caminho
de ressurreição dentro dos limites da história presente? Cristologias índias que vivem
até hoje o extermínio dos povos nativos e buscam através da luta por sua dignidade
afirmarem-se como povos com direito a ter suas terras e tradições respeitadas. E
como não se sentir ungidos, chamados a responder à vocação humana de liberdade
diante da injustiça de ver suas terras tomadas, suas culturas assassinadas e reduzidas
a folclore a serviço de uma elite? Como não tentarmos ser mil Cristos e cada um
tentando respeitar o Cristo irmão, o Cristo irmã com suas dores particulares imersas
na dor humana coletiva? Muitas vezes os impérios religiosos pregam e exigem a
Cristologia da Torre de Babel. Constroem torres e do alto supervisionam as ações e os
pensamentos dos trabalhadores exigindo que falem a mesma língua, mesmo sabendo
que são originários de povos diferentes. Ameaçam os que falam sua própria língua
com castigos diversos visto que a diversidade de línguas pode ser ameaça à
hegemonia política e religiosa dos que detêm o poder. Tornam-se intolerantes e
exclusivistas afirmando a superioridade cristã como pura escolha e decisão divina.
Agem como se precisassem resguardar a ortodoxia e a pureza do Cristo afastando
dele os mendigos, as prostitutas, as viúvas, os estrangeiros, os camponeses, os
pensadores críticos que se sentam à mesma mesa e podem comer iguarias variadas.
Os detentores do poder político e religioso vivem na maioria das vezes de equívocos e
nos ameaçam a partir deles. Fazemnos crer que o fazem por responsabilidade
eclesial, por amor a Cristo e à Verdade. Mas qual é o seu Cristo na diversidade de
cristologias? Creio que, apesar da boa vontade de alguns, afirmam sua imagem de
Cristo a partir de categorias imperiais e dualistas que garantiram por séculos, a
superioridade do cristianismo em relação às outras aproximações religiosas.
Esquecem, talvez, que a grandeza do cristianismo começou na manjedoura, na
acolhida de uma criança, nascida de uma mulher, na noite escura do povo explorado.
Uma criança frágil, vulnerável, desarmada, dependente como todos nós. Mas nela
como em todas as crianças do mundo nasce a esperança de um mundo melhor hoje e
amanhã. A criança, Jesus, em seguida se tornou adulta e aos 30 anos, por seu
compromisso com os marginalizados de seu lugar, é crucificada e morta pelos poderes
políticos e religiosos. Essa morte injusta foi transformada em memória de vida e de
amor que fez renascer para muitos a esperança da vida. Nada de glória imperial, nem
fausto, nenhuma riqueza, nenhum controle ideológico! Mas é justamente aqui que
situamos a originalidade do cristianismo. Não precisamos ser como o Deus todo
poderoso, com imagem masculina, sentado em seu dourado trono celeste. Basta que
sejamos seres humanos – mulheres e homens - e saber que Deus é em nós desde o
5

começo. Por isso, cada um e cada uma de nós somos convidados a partir de nossas
entranhas humanas, a nos aproximarmos do outro, a plantarmos nossa tenda perto
dele, a tornarmo-nos sempre de novo o próximo, a fazer caminho em conjunto, a
repartir o pão e o vinho e a dar graças à VIDA. E isto se chama ser Cristo. Por isso,
falar de cristologias plurais não é uma grande novidade. Não é de hoje que elas são
plurais. Nós é que tentamos matar o pluralismo. É importante que não nos
esqueçamos disso, pois habituados a viver uma vida em que sempre o plano
considerado superior é melhor, temos dificuldade de acolher a diversidade terrena e a
riqueza de nossas diferenças. Talvez, como nos ensina a lenda dos reis magos,
ousemos nos guiar pela estrela que os conduziu a Jesus menino. Acolhamos nossa
estrela, aquela que nos conduz às crianças, aos adolescentes, à mulher que deu à luz,
aos pastores e camponeses sem terra, aos desprezados deste mundo, aos aflitos e lá
encontraremos o menino ou a menina que somos, Cristos nascidos para nos
ajudarmos mutuamente no mistério infinito da VIDA.

Ivone GEBARA
Camaragibe, Pernambuco, Brasil