Anda di halaman 1dari 15

AS CARACTERÍSTICAS DO

VERDADEIRO CRISTÃO

AS CARACTERÍSTICAS DO VERDADEIRO CRISTÃO

Transcrição feita a partir das legendas do vídeo,

As Marcas do Verdadeiro Cristão (Vimeo.com/13974507)

Por: Paul Washer © HeartCry Missionary Society | http://hcmissions.com

O conteúdo deste e-book não é reconhecido por HeartyCry Missionary Society como a publicação oficial deste sermão em Língua Portuguesa. Para obter mais informações sobre HeartyCry Missionary Society visite o seu website:

Transcrição feita, com a devida permissão, a partir do Canal de vídeos do You Tube, Portal Testemunho (Youtube.com/PortalTestemunho)

Transcrição por Sara Amorim Revisão por Cesare Turazzi e Camila Almeida Edição e Capa por William Teixeira

1ª Edição: Março de 2015

Salvo indicação em contrário, as citações bíblicas usadas nesta transcrição são da versão Almeida

Corrigida Fiel | ACF • Copyright © 1994, 1995, 2007, 2011 Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil.

Publicado pelo website oEstandarteDeCristo.com, com contato prévio com HeartyCry Missionary Society (HeartCryMissionary.com), com a devida permissão do Ministério Portal Testemunho (PortalTestemunho.Blogspot.com.br), sob a licença Creative Commons Attribution-NonCommercial- NoDerivatives 4.0 International Public License.

Você está autorizado e incentivado a reproduzir e/ou distribuir este material em qualquer formato, desde que informe o autor, as fontes originais e o tradutor, e que também não altere o seu conteúdo nem o utilize para quaisquer fins comerciais.

As Características Do Verdadeiro Cristão Por Paul David Washer Vamos abrir as nossas bíblias no livroIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-3-3" src="pdf-obj-3-3.jpg">

As Características Do Verdadeiro Cristão

Por Paul David Washer

Vamos abrir as nossas bíblias no livro de 1 João, capítulo 2, verso 7. Vamos ficar em pé.

“Irmãos, não vos escrevo mandamento novo, mas o mandamento antigo, que desde o princípio tivestes. Este mandamento antigo é a palavra que desde o princípio ouvistes. 8 Outra vez vos escrevo um mandamento novo, que é verdadeiro nele e em vós; porque vão passando as trevas, e já a verdadeira luz ilumina. 9 Aquele que diz que está na luz, e odeia a seu irmão, até agora está em trevas. 10 Aquele que ama a seu irmão está na luz, e nele não há escândalo. 11 Mas aquele que odeia a seu irmão está em trevas, e anda em trevas, e não sabe para onde deva ir; porque as trevas

lhe cegaram os olhos”.

Vamos orar.

Pai, oro pra que uses a Tua palavra na vida de muitos de acordo com a necessidade e de acordo com aquilo que Te trará a maior glória, em nome de Jesus. Amém.

Podem sentar-se. Estamos em 1 João por um pouco e estamos discutindo a verdadeira evidência da salvação. Como alguém pode saber que é verdadeiramente nascido de novo? Não é simplesmente porque repetiram uma oração. Não é simplesmente porque se junta- ram a alguma organização religiosa ou porque fizeram algum ritual religioso. A evidência de salvação é uma obra de Deus nas nossas vidas, que nos faz crescer em conformidade com o Seu caráter e em conformidade com a Sua vontade. Temos a garantia de que verda- deiramente nascemos de novo porque as coisas que estão escritas em 1 João se encon- tram em nossas vidas, pelo menos em algum nível.

Uma vida que não foi transformada não foi salva. Sei que vivemos em um país onde todos e mais alguns são Cristãos, porque uma vez em uma cruzada evangelística fizeram uma oração. Meu amigo, isso não é bíblico. Somos salvos pelo poder de Deus porque a salvação é o poder de Deus. É originada pelo poder de Deus e somos salvos, não por repetirmos uma oração, mas por nos arrependermos dos nossos pecados e crermos no evangelho. E a marca, as verdadeiras marcas de que fizemos isso, são as coisas escritas nas Escrituras, que identificam o verdadeiro Cristianismo.

No princípio do nosso estudo, vimos que os verdadeiros Cristãos vão andar na luz. Isso sig- nifica que vivem um estilo de vida que reflete algo do caráter de Deus e reflete a obediência

As Características Do Verdadeiro Cristão Por Paul David Washer Vamos abrir as nossas bíblias no livroIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-3-34" src="pdf-obj-3-34.jpg">
As Características Do Verdadeiro Cristão Por Paul David Washer Vamos abrir as nossas bíblias no livroIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-3-38" src="pdf-obj-3-38.jpg">
ou conformidade à vontade de Deus. Também vimos que o verdadeiro Cristão será sensível ao seuIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-4-2" src="pdf-obj-4-2.jpg">

ou conformidade à vontade de Deus. Também vimos que o verdadeiro Cristão será sensível ao seu próprio pecado e que essa sensibilidade o guiará ao arrependimento e confissão. Também vimos que o verdadeiro Cristão terá uma nova relação, não só com Deus e não só com o pecado, mas com a palavra de Deus. Que a vida do verdadeiro Cristão é marcada por obediência habitual. A nossa obediência não será perfeita. Um verdadeiro Cristão irá pecar. É por isso que ele deve ser sensível ao pecado. Mas vida de um verdadeiro Cristão será marcada por um novo relacionamento, um relacionamento real com a palavra de Deus. E depois, por fim, estudamos que o verdadeiro Cristão andará como Jesus andou. Isto não significa que seremos capazes de fazer todas as coisas miraculosas que Cristo fez, não significa que iremos viver uma vida sem pecados como Ele; mas significa que o nosso modo de andar, de viver, de ser, de falar, todos os aspectos da nossa vida estarão de alguma for- ma, pouco a pouco, em conformidade com a vida de Cristo.

Agora vemos outra prova no verso 9 do capítulo 2: “Aquele que diz que está na luz, e odeia

a seu irmão. Até agora está em trevas”. Possivelmente a maior prova de verdadeiro Cristia- nismo é o amor aos irmãos, você ama os irmãos. E a palavra “irmão” aqui não se refere a alguém de outra raça porque a Escritura simplesmente não reconhece outras raças. Há apenas uma. É a raça humana e somos todos parte dela. Não se refere a alguém de outra

cultura. Não se refere aos pobres, embora devamos amar pessoas de outras culturas, todas as culturas, todos os estratos sociais. Devemos amar os nossos inimigos, aqueles que nos perseguem e nos crucificam, devemos amar. Mas aqui ele está falando sobre o amor pelos outros indivíduos que professam Jesus Cristo como Senhor. Agora, deixem-me dar um exemplo de como isto funciona. Lembram-se do ensino de Jesus quando Ele dizia, “Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; Sendo estran- geiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes” (veja Mateus 25: 42-43)? E este verso é tão usado como prova para ministérios de prisões e para alcançar pobres. Bem, devemos fazer isso, mas não é o que o verso ensi- na. Deixem-me dar um exemplo. Em muitos países de terceiro mundo quando você lançado em uma prisão, não é alimentado. Na prisão, em muitos países do terceiro mundo, muitos dos países onde estive e onde vivi, não dão comida. Não dão água. Não dão roupa. Não dão abrigo. Não dão nada. Você é atirado entre quatro paredes. Então, o que isso significa? Significa que se alguém de fora não vem deixar comida pelas grades, você morrerá de fome. Se alguém não vem trazer uma muda de roupa, você ficará esfarrapado. Se ninguém vem quando você está doente, provavelmente você morrerá dessa doença. Mas agora vamos levar isto para o contexto Cristão do primeiro século. Alguém é lançado na prisão. Por quê? Porque professaram que Jesus Cristo é o Senhor, não César, Jesus. E por isso eles eram lançados na prisão. Eles apodrecerão ali. Eles morrerão ali. Eles vão morrer de fome ali a menos que alguém de fora cuide deles. Mas há um problema. Os oficiais da prisão estarão observando. Qualquer um que traga comida a este Cristão é, obviamente,

ou conformidade à vontade de Deus. Também vimos que o verdadeiro Cristão será sensível ao seuIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-4-19" src="pdf-obj-4-19.jpg">
ou conformidade à vontade de Deus. Também vimos que o verdadeiro Cristão será sensível ao seuIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-4-23" src="pdf-obj-4-23.jpg">
um Cristão e eles o prenderão também. Então, quando Jesus diz tudo o que diz sobreIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-5-2" src="pdf-obj-5-2.jpg">

um Cristão e eles o prenderão também. Então, quando Jesus diz tudo o que diz sobre visitá- lO na prisão e tudo isso, está dizendo que o seu amor por outros Cristãos é tão forte que entrega a sua vida de bom grado. E se o seu amor não é assim uma bandeira vermelha, deverá ser levantada, e talvez você não conheça o Senhor.

Novamente, nesta nova aliança o amor não só é uma coisa. É tudo. É a manifestação de

toda a sua santidade. É o amor. É o amor. “Aquele que diz que está na luz”, aquele que diz

que é Cristão, o que diz ele? “E odeia a seu irmão

...

”.

De novo este verbo, no presente. É

um ódio habitual, uma aversão habitual. E você diz, “bem, não sinto essa grande hostilidade e não tenho esse grande ódio contra pessoas que se dizem Cristãs”. Mas amor é muito mais que simplesmente não fazer o negativo. Quais são as ações positivas de amor que você demonstra ao povo de Cristo? Vamos parar um momento e pensar sobre isto. Quantas vezes eu ouvi homens e mulheres dizerem, “não preciso ir à igreja. A igreja está mesmo cheia de hipócritas. Posso adorar a Deus nesta lancha. Posso adorar a Deus neste campo

de golfe. Não preciso estar ali. Eles são um monte de hipócritas”. Se alguma vez você disse

isso, está fazendo o trabalho do teu pai, o Diabo. O seu nome é difamador, acusador. Está do lado de fora do povo de Deus julgando-os.

Quero que saibam uma coisa. É verdade que no meio do povo de Deus E antes de pros- seguirmos, deixem-me dizer isto: nem toda a gente que vai à igreja no domingo de manhã é família de Deus. Há membros de igreja que não são Cristãos Então você diz, “como podemos distingui-los?”. Olhe para a sua vida. Mas mesmo entre os verdadeiros Cristãos há falhas. Há problemas. Há tropeço. Mas o que acontecerá, se fosse verdadeiramente convertido, é que você terá um amor pelo povo de Deus porque vocês são um só. Dizem que os laços de sangue são mais fortes que qualquer outro. Estou certo de que são e de que é assim que deve ser. Mas o Espírito é mais forte que os laços de sangue. Quantas vezes sentei-me em um avião com alguém de uma cultura completamente diferente, um país totalmente diferente, seja da Suíça ou Inglaterra, ou onde seja, América do Sul ou África, sentei-me, começamos a falar, descobri que era um Cristão. E em poucos segundos é como se nos conhecêssemos um ao outro desde sempre. Somos uma família. Por quê? O Espírito testifica. Este é um filho de Deus. E somos marcados pelo amor.

“Aquele que diz que está na luz, e odeia a seu irmão, até agora está em trevas”. Está em

total e absoluta escuridão espiritual. Eu disse isto. Não sei se o disse aqui. Provavelmente sim. Eu repito as coisas. Mas posso lembrar-me de, como um jovem seminarista, clamava a Deus para ser capaz de pregar com o poder de Deus na sua vida, clamando a Deus para ser um missionário, clamando a Deus para conhecer a Sua Palavra. Eu conheço este meu amigo. Ele clamava a Deus para ser como Jesus, para servir as pessoas como Jesus e a- mar as pessoas como Jesus. Ele não é o maior pregador do mundo, mas eu daria todas as

um Cristão e eles o prenderão também. Então, quando Jesus diz tudo o que diz sobreIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-5-45" src="pdf-obj-5-45.jpg">
um Cristão e eles o prenderão também. Então, quando Jesus diz tudo o que diz sobreIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-5-49" src="pdf-obj-5-49.jpg">
coisas que tenho para ser como ele. Ele escolheu a boa parte. Mulas e rochas podemIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-6-2" src="pdf-obj-6-2.jpg">

coisas que tenho para ser como ele. Ele escolheu a boa parte. Mulas e rochas podem pre- gar. A nossa grande meta é ser como Jesus. É o fim de tudo que fazemos. É o fim da prega- ção. É o fim da oração. É ser como Jesus.

A parte mais difícil à face da terra, ser como Jesus (e isto é onde estão as pessoas que vos são mais próximas). Porque Quero contar-vos uma coisa. As pessoas na China, que vo- cês não conhecem, são realmente fáceis de amar. Mas quanto mais perto vocês ficarem das pessoas, mais difícil é amá-las. E é por isto que viemos aqui. É por isso que devemos estar aqui nesta igreja, amando as pessoas, cuidando delas biblicamente, na verdade, sin-

ceramente, com todo o coração. Então Ele diz, “Aquele que diz que está na luz, e odeia a seu irmão, até agora está em trevas”. Não sabe nada. Não sabe nada. “Bem, eu estudei aqui, estudei ali. Fiz isto e aquilo”. Não quero saber. Você ama? Agora ele continua e diz:

“Aquele que ama a seu irmão está na luz”. Aquele que ama o seu irmão não é salvo por

causa do seu amor, mas ele demonstra que foi salvo pelo poder de Deus por causa do seu

amor. E continua, e diz, “e nele não há escândalo”. Deixem-me tentar expressar isso, pô-lo no meu contexto. Vocês dizem, “este é o pregador mais chato que já ouvi na minha vida”. E então alguém se levanta e diz, “sim, mas eu nunca conheci alguém que amasse tanto co- mo ele”. “Acho que é a pessoa mais tola que eu já conheci em toda a vida”. “Sim, eu sei.

Mas eu nunca conheci alguém que servisse em nome do amor como esta pessoa”. Veem?

É como se removesse todas as pedras de tropeço, não é? Já não é importante. Eles não são grandes. Não são geniais. Não são rápidos. Não são espertos. Não conseguem fazer

tão bem como qualquer outro na face da terra, mas quando dizem, “mas eles amam como

nenhum outro que já tenha visto antes”. Isto dissipa as nuvens. O que mais importa? O que

mais importa?

Tive um amigo que estava terrivelmente; foi e teve um terrível, terrível relacionamento. A sua esposa simplesmente [pausa]. Eu estava lá. Eu sabia o que se passava. Ele passou 14

anos da sua vida simplesmente

...

foi uma coisa horrível. Ela o deixou. Deixou os filhos. Ela

deixou absolutamente tudo. E o deixou sem nada. E eu disse, “irmão, o que está procuran- do? Ele disse, “Não importa. Não me importa a aparência da mulher. Não me importa quão

inteligente ela é. Não me importa a forma de se vestir. Eu só quero que alguém me ame. É

tudo que eu quero”. Veem o que ele disse? Nada mais importa quando vocês têm o impor- tante. Mas se não o têm, nada importa. Nada importa.

Vejam aqui. Verso 11. “Mas aquele que odeia a seu irmão está em trevas, e anda em tre-

vas

...

”.

Isto não significa que apenas uma área da sua vida, mas ele está em trevas. Ele é

trevas em todo o lugar. Ele não sabe nada e não tem nada a dizer a ninguém sobre a vida

Cristã. Ele simplesmente

diz, “

...

não

a sua boca é calada porque ele não ama. E então continua, e

... sabe para onde deva ir, porque as trevas lhe cegaram os olhos”. Igreja, deixem-

coisas que tenho para ser como ele. Ele escolheu a boa parte. Mulas e rochas podemIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-6-80" src="pdf-obj-6-80.jpg">
coisas que tenho para ser como ele. Ele escolheu a boa parte. Mulas e rochas podemIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-6-84" src="pdf-obj-6-84.jpg">
me partilhar algo convosco. É impossível ter um relacionamento adequado na vertical sem ter na horizontal.Issuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-7-2" src="pdf-obj-7-2.jpg">

me partilhar algo convosco. É impossível ter um relacionamento adequado na vertical sem ter na horizontal. Vocês não podem ter um grande, magnífico, cheio de fogo, poderoso, divino relacionamento com Deus se as suas relações com as pessoas à sua volta não estão certas. Vocês não ouvem a Deus porque não vos diz nada, são trevas em todo o lado. São trevas em todo o lado.

Quantas vezes? E eu tive que fazer isto. Quantas vezes deixei a casa às pressas ou apenas inquieto ou apenas demasiado depressa com a minha mulher e saltei para o carro pronto

para ir pregar em algum lugar para salvar almas, e Deus basicamente diz, “Bem, pode en- trar no carro e acelerar, mas não vou com você. Não sei o que pensa que está fazendo, mas era melhor voltar atrás àquela casa agora mesmo e começar um sério pedido de des-

culpas”. Por quê? Não pensem no “alto” se não olharam para o lado. Oh, estamos aqui para

amar e é difícil.

Acham que se eu chegasse aqui agora e vos desse os mandamentos da Lei, isto é, chegaria

e vos diria, “amigos, temos que guardar tudo o que está no livro de Levítico. Temos que

guardar tudo no livro de Números, Deuteronômio, Gênesis, toda a lei que já foi dada. Temos que guardá-lo”. Acha que seria muito duro? Não é nem metade tão duro como o que lhes

falo aqui, porque é este o cumprimento da Lei. Este é o cumprimento de cada parte da Lei. É simplesmente o amor, o amor. Bem, quem nós amamos? Quem vocês amam? Foi a questão que colocaram a Jesus. “Quem é o meu próximo?”, à procura de uma lacuna. Quem não é o seu próximo? “Bem, vocês não percebem o que eles me fizeram”. Eles não puseram uma coroa de espinhos na sua cabeça. Eles não crucificaram você num madeiro e não enfiaram uma lança no seu lado. Mais alguma questão? Ele continua. E eu queria

voltar atrás para

...

bem, vamos examinar João 13:33 por um pouco.

Filhinhos, ainda por um pouco estou convosco. Vós me buscareis, mas, como tenho dito aos judeus: Para onde eu vou não podeis vós ir; eu vo-lo digo também agora”. Agora, ami- gos, ouçam isto. Se eu soubesse que teria apenas umas poucas horas de vida com a minha mulher e os meus filhos, eu não falaria de coisas tolas, não falaria de quem ganhou um jogo de futebol ontem. Certificar-me-ia que, nessas poucas horas, eu falaria àqueles a quem amo sobre o mais importante, o mais importante em relação a mim e a eles. É o que Jesus está fazendo aqui. Agora no verso 34, “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis”. E vocês dizem, “então, que novo mandamento é este?”. Vamos examinar 1 João, e começamos a ter uma explicação. Ele está falando de um novo mandamento, um novo mandamento. Mas em 1 João ele dirá que é um velho mandamento. Não é um novo mandamento. Aqui ele diz que é um novo mandamento e não um antigo. Então, o que está ele dizendo? Está dizendo isto: Deus sempre foi amor. Deus sempre foi amor. O Seu caráter não muda. Ele sempre

me partilhar algo convosco. É impossível ter um relacionamento adequado na vertical sem ter na horizontal.Issuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-7-48" src="pdf-obj-7-48.jpg">
me partilhar algo convosco. É impossível ter um relacionamento adequado na vertical sem ter na horizontal.Issuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-7-52" src="pdf-obj-7-52.jpg">
foi amor. Deus é amor. E Ele sempre ordenou o Seu povo a amar. Então, éIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-8-2" src="pdf-obj-8-2.jpg">

foi amor. Deus é amor. E Ele sempre ordenou o Seu povo a amar. Então, é um mandamento antigo. É o mandamento mais antigo. E pecar é violar este mandamento e guardar este

mandamento é não pecar. Deus sempre nos disse para amar. “Então, como é um novo

mandamento, irmão Paul?” “Um novo mandamento vos dou, que se amem uns aos outros, como Eu vos amei”. Jesus pôs o nível tão alto que quando Ele diz, “amem”, isso significa algo totalmente diferente do que quando dito por qualquer outra pessoa.

Vou dar-vos um exemplo. Vocês sentam-se comigo e dizem: “Irmão Paul, você é um bom

jogador de basquete?” Eu digo, “Sim. Sim, sou. Sou um bom jogador de basquete. Era bom

na escola. O quadril quebrado duas vezes, um braço partido e um cotovelo ruim, mas ainda

consigo jogar quando é preciso”. Mas se me perguntarem se sou um bom jogador de bas- quete eu posso dizer-lhes, “sim” e no contexto da minha vida é uma resposta razoável. “Sim”. Mas é totalmente diferente perguntarem ao Michael Jordan se ele é um bom jogador

de basquete. Tem um significado completamente diferente ele dizer que é bom e eu dizer que sou bom. Dois mundos diferentes. É exatamente isto que Jesus está dizendo aqui.

“Sim, Deus sempre vos mandou amar, mas eu estou elevando o nível tão alto que se torna num novo mandamento”. Ouço pessoas dizerem, “eu estou tão feliz por não viver lá no tem- po do Velho Testamento quando era duro obedecer a todas àquelas leis e seguir a Deus”. Meu amigo, a o nível foi posto tão alto. O Velho Testamento diz, “dá 10%”. O Novo Testa- mento diz, “O seu irmão está em necessidade. Você pode precisar vender a sua casa e dar-lhe tudo o que você tem”. Querem falar de subir o nível? Amor. Ele diz, “como se deve amar? Do modo que Eu vos amei”. Da forma que Ele vos ama. Vocês querem que Ele vos

ame da forma que ama, mas não querem que Ele vos ame da forma que vocês amam os outros. Não querem isso porque vamos todos para o Inferno.

Não é fantástico? Falamos sobre misericórdia e cantamos sobre graça e depois somos uns avarentos quando é para dar aos outros. Eu crucifiquei-O no madeiro. Eu coloquei-Lhe uma coroa de espinhos na cabeça. Eu espetei uma lança no Seu lado. Mas, louvado seja Deus, Ele me ama. “Você não me cumprimentou no domingo. Está na rua”. O que estamos fazen- do?

Eu deveria ensinar sobre família esta manhã, e a razão pela qual eu não o fiz é que eu comecei a estudar e percebi, “vou ter de acabar isto e ir ao assunto da família apenas ligei- ramente”. Mas uma das coisas que ensino sobre a família na soberania de Deus é que o propósito do seu casamento é conformar você à imagem de Cristo. Este é o propósito princi- pal do seu casamento. É ensinar você a amar alguém que não conhece todas as suas con- dições e, assim, tornar-se como Cristo. É amor.

Agora, verso 35. “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns

foi amor. Deus é amor. E Ele sempre ordenou o Seu povo a amar. Então, éIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-8-49" src="pdf-obj-8-49.jpg">
foi amor. Deus é amor. E Ele sempre ordenou o Seu povo a amar. Então, éIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-8-53" src="pdf-obj-8-53.jpg">
aos outros”. Como eu estava compartilhando, um companheiro da Romênia veio falar comi - go umaIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-9-2" src="pdf-obj-9-2.jpg">

aos outros”. Como eu estava compartilhando, um companheiro da Romênia veio falar comi- go uma vez e pôs-me um broche e disse: “Pronto. Todos sabem que você é um Cristão”. E um rapaz que estava me acompanhando olhou e disse, “Bem, por estas coisas saberão que é você é discípulo dele. Por um broche no seu casaco, por uma cruz ao pescoço, por uma Bíblia debaixo do braço, saberão que você é um discípulo?”. Pelo vosso conhecimento vos conhecerão?” Não. Pelo seu amor em nome de Cristo.

Agora, vamos voltar rapidamente a 1 João. Passemos para o capítulo 3 por um momento,

verso 14. “Nós sabemos que passamos da morte para vida”. Como sabemos isso? Não so- mos mais mortos espirituais. Não somos mais reprováveis. Passamos da morte para a vida.

Como sabemos que isso aconteceu conosco? “Porque amamos os irmãos. Quem não ama

a seu irmão permanece na morte” (1 João 3:14). A palavra “permanece” aqui, no presente, significa que é uma vivência na morte. A palavra também pode significar não apenas viver (no contexto de habitar um lugar), mas também andar com, habitar com. Vocês estão literal- mente caminhando de mãos dadas com a morte. E vocês não são convertidos e não conhe-

cem o Senhor se vocês não amam. É uma frase aterradora, mas maravilhosa, ao mesmo

tempo. E continua. E diz, “Qualquer que odeia a seu irmão é homicida. E vós sabeis que

nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele” (1 João 3:15). As pessoas têm usado este texto para dizer que se comete homicídio não se pode ser salvo. Não, o que se falando aqui é de alguém que continua na prática de homicídio. Odiar continuamente o seu irmão é ser um assassino em série. Se você odeia continuamente, mata continuamente, é um assassino.

Agora, verso 16: “Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos

dar a vida pelos irmãos”. Como devemos amar? Não é simplesmente

Sabem, nós temos

... esta ideia, “Bem, eu amo-o”. Como você mostra isso? “Eu não lhe faço mal”. Não, você

ama porque dá a sua vida por eles.

Deixem-me partilhar algo convosco, crentes. Se o limite do seu Cristianismo é simplesmen- te vir a este prédio e ouvir um sermão e adorar, vocês não estão amando. Devemos amar os irmãos de formas práticas. Mas deixem-me também dizer isto. Muitos Cristãos, por cau- sa das suas famílias que estão num caos tão grande e porque há tanta hostilidade lá, vêm à igreja para amar, porque não conseguem amar no contexto das suas famílias, e isso está errado. Temos que, nesta igreja, construir famílias fortes baseadas na Palavra de Deus. Maridos que são maridos de Deus, mulheres que são mulheres de Deus, pais que são pais santos, filhos que sabem que são amados e aprendem a amar. Isto tem que acontecer, e todo o resto é demasiada serradura no chão do celeiro, é isso.

E por qual razão gostaríamos de exportar alguma coisa daqui para outro lugar, a menos

aos outros”. Como eu estava compartilhando, um companheiro da Romênia veio falar comi - go umaIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-9-49" src="pdf-obj-9-49.jpg">
aos outros”. Como eu estava compartilhando, um companheiro da Romênia veio falar comi - go umaIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-9-53" src="pdf-obj-9-53.jpg">
que estejamos certos? Sempre disse, a melhor coisa que pode acontecer às missões no mundo deIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-10-2" src="pdf-obj-10-2.jpg">

que estejamos certos? Sempre disse, a melhor coisa que pode acontecer às missões no mundo de hoje é a maioria dos americanos ficar em casa porque quando saem, ensinam um evangelho que não é verdadeiro. Não queremos ser o problema. Queremos ser parte da solução.

Agora, verso 17. “Quem, pois, tiver bens do mundo, e, vendo o seu irmão necessitado, lhe

cerrar as suas estranhas, como estará nele o amor de Deus? Meus filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade”. Agora não tenho tempo para pregar este texto, mas o principal que quero que vejam é que amor não é só um sentimento. Não é só emoção. Não é só virmos juntos e darmos um abraço e cantarmos “Kumbaya My Lord”. E amor não é só virmos todos aqui e orar à frente. É cuidar das pessoas quando elas vão embora. É amar as pessoas, cuidar delas, envolver-se. Envolver-se. E isto é o que não que- remos porque temos impedimentos à volta da nossa casa, não temos? Não queremos nin- guém tão perto. Mas você não pode amar alguém de longe.

Agora eu quero ir para o verso 7 do capítulo 4. “Amados, amemo-nos uns aos outros; por- que o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. Nisto se manifesta o amor de Deus para conosco: que Deus enviou o seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos” (1 João 4:7-9). Nunca se esqueçam disto. Deus é Santo. Deus é Justo. Ele julgará os perversos. Deus é amor. Ele é, de fato. É mesmo, é mesmo. Há pouco significado no que estou dizendo. Não conseguimos perceber a força desta frase, porque não podemos encontrar uma grande definição da palavra, porque nunca vimos nada como isto no nosso mundo. Tentamos encontrar uma definição para o amor de Deus. Não há palavras sufici- entes. A mente humana não consegue compreender. Não há linguagem humana suficiente, capaz de expressar o amor de Deus. Mas temos um exemplo. O Filho de Deus crucificado sobre uma lixeira fora de Jerusalém, a clamar o tempo todo, “Pai, perdoa-os; porque eles não sabem o que fazem”. (Lucas 23:34). Deus é amor; e tudo o que Deus faz é em amor. Os mandamentos de Deus são expressões do Seu amor e a moralidade de Deus é expres- são do Seu amor e as diretrizes de Deus, as proibições de Deus, são todas manifestações do Seu amor.

Olhamos para a cultura de hoje que literalmente se tornou selvagem, selvagem, entregue à perversidade do seu coração. E isto é verdade. Mas sempre que ouvimos o Cristianismo falado nas mídias, é sempre estas pessoas horríveis que querem reprimir a liberdade das outras pessoas dizendo-lhes o que não podem fazer. E este Deus horrível deles diz que há uma forma certa de viver e fora dessa forma não há nada além de morte. É assim que as mídias descrevem o Cristianismo. Meu querido amigo, deixa-me dizer-te uma coisa. Eu amo os meus dois filhos. Amo muitíssimo a minha mulher e quero que saibam uma coisa.

que estejamos certos? Sempre disse, a melhor coisa que pode acontecer às missões no mundo deIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-10-27" src="pdf-obj-10-27.jpg">
que estejamos certos? Sempre disse, a melhor coisa que pode acontecer às missões no mundo deIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-10-31" src="pdf-obj-10-31.jpg">
Se os meus filhos chegam perto de uma chama, eu digo, “Não, não façam isso. NãoIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-11-2" src="pdf-obj-11-2.jpg">

Se os meus filhos chegam perto de uma chama, eu digo, “Não, não façam isso. Não façam isso!”. É porque quero reprimir a liberdade deles? Não. Quero salvar-lhes a vida. E uma coi- sa que temos que perceber é, “Sim. Deus vem à nossa cultura sem Deus e diz: Vocês estão

todos errados. Cada um de vocês, estão todos errados. Mas Eu amo-vos e é por isso que

vos digo que estão errados, para poderem ficar bem”. “Bem, o que sabes Tu, Deus?” “Eu vos fiz. É isso que sei. Eu vos fiz”. “Não tentes reprimir o meu estilo de vida”. “Oh, não, não

mesmo. Estou tentando salvar a sua vida. Eu fiz você. Eu sei como você funciona. Eu sei como pode ser salvo”. “Bem, isso vai contra tudo”. Deixem-me dizer-vos uma coisa. Ele foi contra tudo por mim e irá contra tudo por qualquer outra pessoa que tenha sido salva. E vocês dizem, “Tenho que renunciar a isto”. Todos nós temos que renunciar a alguma coisa porque estamos todos errados. Isso pode ser manifesto de muitas formas diferentes, mas todos nós estamos errados e todos nós tivemos que mudar e todos nós tivemos que dizer,

“Deus, tem misericórdia”. Todos nós.

Eu lhes digo. Gostaria de tirar uma página inteira de publicidade num jornal da cidade só para dizer isto: “Ok. Estes são quem queremos na igreja: todos os ladrões, todos os assas- sinos, todas as prostitutas, todos os drogados, cada pessoa que tenha feito coisas tão horrí- veis que nem querem mencionar. Queremo-los nesta igreja. E esta é a razão: ‘E é o que alguns têm sido; mas haveis sido lavados, mas haveis sido santificados’” (veja 1 Coríntios 6:11). É o que queremos. É o que queremos. É isto que queremos.

Igreja, é isto que Deus deseja: que nós, num mundo sem Deus, sem amor, ergamos um Deus que é tanto santo quanto amor, que é tanto misericórdia como justiça, e tem mostrado a perfeição destes atributos no dia que o Seu Filho morreu no madeiro. E eu não quero saber o que você fez. Não me importa porque eu provavelmente já fiz pior do que a maioria de vocês. Não me importa no que você se tornou, não mesmo. O que você precisa entender é que o pecado na sua vida pode estar matando-o porquê você não está reconciliado com Deus. Você não tem relacionamento com Ele e você foi feito para Ele, e você não terá sossego até que encontre com Ele.

Mas você pecou. Quebrou cada uma das Suas leis. E por causa disso, você não é uma víti- ma, é um criminoso. E criminoso merece a justiça. Mas Deus satisfez a justiça. E como Ele o fez? Ele pagou pelos seus pecados quando o Seu próprio Filho amado morreu no seu lu- gar. E, assim, Ele não somente morreu, Ele ressuscitou dentre os mortos. E agora está sen- tando à direita de Deus e é poderoso. Como costumava dizer o velho pregador, Ele é pode- roso para salvar desde o que está longe ao que está na sarjeta. É poderoso para salvar.

Ele salvará. Ele salvará. Ele salvará. Como Spurgeon diz, “Se eu tivesse apenas duas palavras para que pudesse repetir: “Ele salva, Ele salva, Ele salva, Ele salva”.

Se os meus filhos chegam perto de uma chama, eu digo, “Não, não façam isso. NãoIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-11-39" src="pdf-obj-11-39.jpg">
Se os meus filhos chegam perto de uma chama, eu digo, “Não, não façam isso. NãoIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-11-43" src="pdf-obj-11-43.jpg">
Vamos ficar de pé. Vamos fazer um convite. Se você tem alguma necessidade, se sente comoIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-12-2" src="pdf-obj-12-2.jpg">

Vamos ficar de pé. Vamos fazer um convite. Se você tem alguma necessidade, se sente

como se hoje, como se estivesse dizendo, “Preciso ser salvo”. Venha aqui e fale conosco.

Vir aqui não o salvará, mas vamos saber quem você é. Venha, vamos falar com você. Va-

mos para algum canto, como queira, nos sentamos e conversamos. Ou você diz, “Bem, eu

sei que sou salvo, mas a minha vida está suja”. Ok. Nós estamos aqui. “Mas, não querem ir comer?”. Não. Não queremos ir comer. Ficaremos aqui o dia todo. Qual a necessidade? Qual é o problema? Estamos aqui porque há um Deus poderoso que pode salvar você, e pode ajudar você.

ORE PARA QUE O ESPÍRITO SANTO use este sermão para trazer muitos Ao conhecimento salvador de JESUS CRISTO.

Sola Scriptura! Sola Gratia! Sola Fide! Solus Christus! Soli Deo Gloria!

Vamos ficar de pé. Vamos fazer um convite. Se você tem alguma necessidade, se sente comoIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-12-19" src="pdf-obj-12-19.jpg">
Vamos ficar de pé. Vamos fazer um convite. Se você tem alguma necessidade, se sente comoIssuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-12-23" src="pdf-obj-12-23.jpg">
<a href=OUTRAS LEITURAS QUE RECOMENDAMOS Baixe estes e outros e-books gratuitamente no site oEstandarteDeCristo.com. " id="pdf-obj-13-5" src="pdf-obj-13-5.jpg">

Baixe estes e outros e-books gratuitamente no site oEstandarteDeCristo.com.

  • 10 Sermões — R. M. M’Cheyne

  • Adoração A. W. Pink

  • Agonia de Cristo J. Edwards

  • Batismo, O John Gill

  • Batismo de Crentes por Imersão, Um Distintivo Neotestamentário e Batista William R. Downing

  • Bênçãos do Pacto C. H. Spurgeon

  • Biografia de A. W. Pink, Uma Erroll Hulse

  • Carta de George Whitefield a John Wesley Sobre a Doutrina da Eleição

  • Cessacionismo, Provando que os Dons Carismáticos Cessaram Peter Masters

  • Como Saber se Sou um Eleito? ou A Percepção da Eleição A. W. Pink

  • Como Ser uma Mulher de Deus? Paul Washer

  • Como Toda a Doutrina da Predestinação é corrompida pelos Arminianos J. Owen

  • Confissão de Fé Batista de 1689

  • Conversão John Gill

  • Cristo É Tudo Em Todos Jeremiah Burroughs

  • Cristo, Totalmente Desejável John Flavel

  • Defesa do Calvinismo, Uma C. H. Spurgeon

  • Deus Salva Quem Ele Quer! J. Edwards

  • Discipulado no T empo dos Puritanos, O W. Bevins

  • Doutrina da Eleição, A A. W. Pink

  • Eleição & Vocação — R. M. M’Cheyne

  • Eleição Particular C. H. Spurgeon

  • Especial Origem da Instituição da Igreja Evangélica, A J. Owen

  • Natureza e a Necessidade da Nova Criatura, Sobre a John Flavel

  • Necessário Vos é Nascer de Novo Thomas Boston

  • Necessidade de Spurgeon

Decidir-se

Pela Verdade,

A

C.

H.

  • Objeções à Soberania de Deus Respondidas A. W. Pink

  • Oração Thomas Watson

  • Pacto da Graça, O Mike Renihan

  • Paixão de Cristo, A Thomas Adams

  • Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado J. Edwards

  • Pecaminosidade do Homem em Seu Estado Natural Thomas Boston

  • Plenitude do Mediador, A John Gill

  • Porção do Ímpios, A J. Edwards

  • Pregação Chocante Paul Washer

  • Prerrogativa Real, A C. H. Spurgeon

  • Queda, a Depravação Total do Homem em seu Estado Natural

...

,

A, Edição Comemorativa de Nº 200

  • Quem Deve Ser Batizado? C. H. Spurgeon

  • Quem São Os Eleitos? C. H. Spurgeon

  • Reformação Pessoal & na Oração Secreta R. M. M'Cheyne

  • Regeneração ou Decisionismo? Paul Washer

  • Salvação Pertence Ao Senhor, A C. H. Spurgeon

  • Sangue, O C. H. Spurgeon

  • Semper Idem Thomas Adams

  • Sermões de Páscoa Adams, Pink, Spurgeon, Gill, Owen e Charnock

  • Evangelismo Moderno A. W. Pink

  • Excelência de Cristo, A J. Edwards

  • Gloriosa Predestinação, A C. H. Spurgeon

  • Guia Para a Oração Fervorosa, Um A. W. Pink

  • Igrejas do Novo Testamento A. W. Pink

  • In Memoriam, a Canção dos Suspiros Susannah Spurgeon

  • Incomparável Excelência e Santidade de Deus, A Jeremiah Burroughs

  • Infinita Sabedoria de Deus Demonstrada na Salvação dos Pecadores, A A. W. Pink

  • Jesus! C. H. Spurgeon

  • Justificação, Propiciação e Declaração C. H. Spurgeon

  • Livre Graça, A C. H. Spurgeon

  • Marcas de Uma Verdadeira Conversão G. Whitefield

  • Sermões Graciosos (15 Sermões sobre a Graça de Deus) C. H. Spurgeon

  • Soberania da Deus na Salvação dos Homens, A J. Edwards

  • Sobre a Nossa Conversão a Deus e Como Essa Doutrina é Totalmente Corrompida Pelos Arminianos J. Owen

  • Somente as Igrejas Congregacionais se Adequam aos Propósitos de Cristo na Instituição de Sua Igreja J. Owen

  • Supremacia e o Poder de Deus, A A. W. Pink

  • Teologia Pactual e Dispensacionalismo William R. Downing

  • Tratado Sobre a Oração, Um John Bunyan

  • Tratado Sobre o Amor de Deus, Um Bernardo de Claraval

  • Mito do Livre-Arbítrio, O Walter J. Chantry

  • Um Cordão de Pérolas Soltas, Uma Jornada Teológica

  • Natureza da Igreja Evangélica, A John Gill

no Batismo de Crentes Fred Malone

<a href=OUTRAS LEITURAS QUE RECOMENDAMOS Baixe estes e outros e-books gratuitamente no site oEstandarteDeCristo.com.  10 Sermões — R. M. M’Cheyne  Adoração — A. W. Pink  Agonia de Cristo — J. Edwards  Batismo, O — John Gill  Batismo de Crentes por Imersão, Um Distintivo Neotestamentário e Batista — William R. Downing  Bênçãos do Pacto — C. H. Spurgeon  Biografia de A. W. Pink, Uma — Erroll Hulse  Carta de George Whitefield a John Wesley Sobre a Doutrina da Eleição  Cessacionismo, Provando que os Dons Carismáticos Cessaram — Peter Masters  Como Saber se Sou um Eleito? ou A Percepção da Eleição — A. W. Pink  Como Ser uma Mulher de Deus? — Paul Washer  Como Toda a Doutrina da Predestinação é corrompida pelos Arminianos — J. Owen  Confissão de Fé Batista de 1689  Conversão — John Gill  Cristo É Tudo Em Todos — Jeremiah Burroughs  Cristo, Totalmente Desejável — John Flavel  Defesa do Calvinismo, Uma — C. H. Spurgeon  Deus Salva Quem Ele Quer! — J. Edwards  Discipulado no T empo dos Puritanos, O — W. Bevins  Doutrina da Eleição, A — A. W. Pink  Eleição & Vocação — R. M. M’Cheyne  Eleição Particular — C. H. Spurgeon  Especial Origem da Instituição da Igreja Evangélica, A — J. Owen  Natureza e a Necessidade da Nova Criatura, Sobre a — John Flavel  Necessário Vos é Nascer de Novo — Thomas Boston  Necessidade de Spurgeon Decidir-se Pela Verdade, A — C. H.  Objeções à Soberania de Deus Respondidas — A. W. Pink  Oração — Thomas Watson  Pacto da Graça, O — Mike Renihan  Paixão de Cristo, A — Thomas Adams  Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado — J. Edwards  Pecaminosidade do Homem em Seu Estado Natural — Thomas Boston  Plenitude do Mediador, A — John Gill  Porção do Ímpios, A — J. Edwards  Pregação Chocante — Paul Washer  Prerrogativa Real, A — C. H. Spurgeon  Queda, a Depravação Total do Homem em seu Estado Natural ... , A, Edição Comemorativa de Nº 200  Quem Deve Ser Batizado? — C. H. Spurgeon  Quem São Os Eleitos? — C. H. Spurgeon  Reformação Pessoal & na Oração Secreta — R. M. M'Cheyne  Regeneração ou Decisionismo? — Paul Washer  Salvação Pertence Ao Senhor, A — C. H. Spurgeon  Sangue, O — C. H. Spurgeon  Semper Idem — Thomas Adams  Sermões de Páscoa — Adams, Pink, Spurgeon, Gill, Owen e Charnock  Evangelismo Moderno — A. W. Pink  Excelência de Cristo, A — J. Edwards  Gloriosa Predestinação, A — C. H. Spurgeon  Guia Para a Oração Fervorosa, Um — A. W. Pink  Igrejas do Novo Testamento — A. W. Pink  In Memoriam, a Canção dos Suspiros — Susannah Spurgeon  Incomparável Excelência e Santidade de Deus, A — Jeremiah Burroughs  Infinita Sabedoria de Deus Demonstrada na Salvação dos Pecadores, A — A. W. Pink  Jesus! – C. H. Spurgeon  Justificação, Propiciação e Declaração — C. H. Spurgeon  Livre Graça, A — C. H. Spurgeon  Marcas de Uma Verdadeira Conversão — G. Whitefield  Sermões Graciosos (15 Sermões sobre a Graça de Deus) — C. H. Spurgeon  Soberania da Deus na Salvação dos Homens, A — J. Edwards  Sobre a Nossa Conversão a Deus e Como Essa Doutrina é Totalmente Corrompida Pelos Arminianos — J. Owen  Somente as Igrejas Congregacionais se Adequam aos Propósitos de Cristo na Instituição de Sua Igreja — J. Owen  Supremacia e o Poder de Deus, A — A. W. Pink  Teologia Pactual e Dispensacionalismo — William R. Downing  Tratado Sobre a Oração, Um — John Bunyan  Tratado Sobre o Amor de Deus, Um — Bernardo de Claraval  Mito do Livre-Arbítrio, O — Walter J. Chantry  Um Cordão de Pérolas Soltas, Uma Jornada Teológica  Natureza da Igreja Evangélica, A — John Gil l no Batism o de Crentes — Fred Malone Issuu.com/oEstandarteDeCristo — Sola Scriptura • Sola Fide • Sola Gratia • Solus Christus • Soli Deo Gloria — " id="pdf-obj-13-368" src="pdf-obj-13-368.jpg">
<a href=OUTRAS LEITURAS QUE RECOMENDAMOS Baixe estes e outros e-books gratuitamente no site oEstandarteDeCristo.com.  10 Sermões — R. M. M’Cheyne  Adoração — A. W. Pink  Agonia de Cristo — J. Edwards  Batismo, O — John Gill  Batismo de Crentes por Imersão, Um Distintivo Neotestamentário e Batista — William R. Downing  Bênçãos do Pacto — C. H. Spurgeon  Biografia de A. W. Pink, Uma — Erroll Hulse  Carta de George Whitefield a John Wesley Sobre a Doutrina da Eleição  Cessacionismo, Provando que os Dons Carismáticos Cessaram — Peter Masters  Como Saber se Sou um Eleito? ou A Percepção da Eleição — A. W. Pink  Como Ser uma Mulher de Deus? — Paul Washer  Como Toda a Doutrina da Predestinação é corrompida pelos Arminianos — J. Owen  Confissão de Fé Batista de 1689  Conversão — John Gill  Cristo É Tudo Em Todos — Jeremiah Burroughs  Cristo, Totalmente Desejável — John Flavel  Defesa do Calvinismo, Uma — C. H. Spurgeon  Deus Salva Quem Ele Quer! — J. Edwards  Discipulado no T empo dos Puritanos, O — W. Bevins  Doutrina da Eleição, A — A. W. Pink  Eleição & Vocação — R. M. M’Cheyne  Eleição Particular — C. H. Spurgeon  Especial Origem da Instituição da Igreja Evangélica, A — J. Owen  Natureza e a Necessidade da Nova Criatura, Sobre a — John Flavel  Necessário Vos é Nascer de Novo — Thomas Boston  Necessidade de Spurgeon Decidir-se Pela Verdade, A — C. H.  Objeções à Soberania de Deus Respondidas — A. W. Pink  Oração — Thomas Watson  Pacto da Graça, O — Mike Renihan  Paixão de Cristo, A — Thomas Adams  Pecadores nas Mãos de Um Deus Irado — J. Edwards  Pecaminosidade do Homem em Seu Estado Natural — Thomas Boston  Plenitude do Mediador, A — John Gill  Porção do Ímpios, A — J. Edwards  Pregação Chocante — Paul Washer  Prerrogativa Real, A — C. H. Spurgeon  Queda, a Depravação Total do Homem em seu Estado Natural ... , A, Edição Comemorativa de Nº 200  Quem Deve Ser Batizado? — C. H. Spurgeon  Quem São Os Eleitos? — C. H. Spurgeon  Reformação Pessoal & na Oração Secreta — R. M. M'Cheyne  Regeneração ou Decisionismo? — Paul Washer  Salvação Pertence Ao Senhor, A — C. H. Spurgeon  Sangue, O — C. H. Spurgeon  Semper Idem — Thomas Adams  Sermões de Páscoa — Adams, Pink, Spurgeon, Gill, Owen e Charnock  Evangelismo Moderno — A. W. Pink  Excelência de Cristo, A — J. Edwards  Gloriosa Predestinação, A — C. H. Spurgeon  Guia Para a Oração Fervorosa, Um — A. W. Pink  Igrejas do Novo Testamento — A. W. Pink  In Memoriam, a Canção dos Suspiros — Susannah Spurgeon  Incomparável Excelência e Santidade de Deus, A — Jeremiah Burroughs  Infinita Sabedoria de Deus Demonstrada na Salvação dos Pecadores, A — A. W. Pink  Jesus! – C. H. Spurgeon  Justificação, Propiciação e Declaração — C. H. Spurgeon  Livre Graça, A — C. H. Spurgeon  Marcas de Uma Verdadeira Conversão — G. Whitefield  Sermões Graciosos (15 Sermões sobre a Graça de Deus) — C. H. Spurgeon  Soberania da Deus na Salvação dos Homens, A — J. Edwards  Sobre a Nossa Conversão a Deus e Como Essa Doutrina é Totalmente Corrompida Pelos Arminianos — J. Owen  Somente as Igrejas Congregacionais se Adequam aos Propósitos de Cristo na Instituição de Sua Igreja — J. Owen  Supremacia e o Poder de Deus, A — A. W. Pink  Teologia Pactual e Dispensacionalismo — William R. Downing  Tratado Sobre a Oração, Um — John Bunyan  Tratado Sobre o Amor de Deus, Um — Bernardo de Claraval  Mito do Livre-Arbítrio, O — Walter J. Chantry  Um Cordão de Pérolas Soltas, Uma Jornada Teológica  Natureza da Igreja Evangélica, A — John Gil l no Batism o de Crentes — Fred Malone Issuu.com/oEstandarteDeCristo — Sola Scriptura • Sola Fide • Sola Gratia • Solus Christus • Soli Deo Gloria — " id="pdf-obj-13-370" src="pdf-obj-13-370.jpg">

Sola Scriptura • Sola Fide • Sola Gratia • Solus Christus • Soli Deo Gloria

2 Coríntios 4 Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, nãog lória mui excelente; Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se n ão veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas. Issuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-14-2" src="pdf-obj-14-2.jpg">
  • 2 Coríntios 4

  • 1 Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, não desfalecemos;
    2 Antes, rejeitamos as coisas que por vergonha se ocultam, não andando com astúcia nem falsificando a palavra de Deus; e assim nos recomendamos à consciência de todo o homem, na presença de Deus, pela manifestação da verdade. 3 Mas, se ainda o nosso evangelho está encoberto, para os que se perdem está encoberto. 4 Nos quais o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus. 5 Porque não nos pregamos a nós mesmos, mas a Cristo Jesus, o Senhor; e nós mesmos somos vossos servos por amor de Jesus. 6 Porque Deus, que disse que das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações,

para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo. 7 Temos, porém, este tesouro em vasos de barro, para que a excelência do poder seja de Deus, e não de nós.

  • 8 Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados.

  • 9 Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos; 10 Trazendo sempre por toda a parte a mortificação do Senhor Jesus no nosso corpo, para que a vida de Jesus

se manifeste também nos nossos corpos; 11 E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também na

nossa carne mortal. 12 De maneira que em nós opera a morte, mas em vós a vida. 13 E temos portanto o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também,

por isso também falamos. 14 Sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará

também por Jesus, e nos apresentará convosco. 15 Porque tudo isto é por amor de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, faça abundar a ação de graças para glória de

Deus. 16 Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia. 17 Porque a nossa leve e momentânea tribulação

produz para nós um peso eterno de glória mui excelente; 18 Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se

2 Coríntios 4 Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, nãog lória mui excelente; Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se n ão veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas. Issuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-14-63" src="pdf-obj-14-63.jpg">

não veem são eternas.

2 Coríntios 4 Por isso, tendo este ministério, segundo a misericórdia que nos foi feita, nãog lória mui excelente; Não atentando nós nas coisas que se veem, mas nas que se n ão veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem são eternas. Issuu.com/oEstandarteDeCristo " id="pdf-obj-14-69" src="pdf-obj-14-69.jpg">