Anda di halaman 1dari 1

15/05/2013

Controle
Pública:

da

Administração

 Classificação:
1) Origem:
a. Interno (mesmo poder): autotutela
do próprio poder.
b. Externo (outro poder): de um poder
sobre outro.
c. Popular (cidadão): poder dado pela
Constituição ao cidadão para defesa dos
direitos. Por exemplo, ação popular para
defesa do meio ambiente.
2) Matéria:
a. Legalidade:
pode
ser
externo ou popular.
b. Mérito: somente interno.

interno,

3) Amplitude:
a. Hierárquico (interno): no âmbito de
uma mesma estrutura, que pode ser na
pessoa jurídica de direito público interno
(União, Estados, Municípios e Distrito
Federal) ou dentro da estrutura da entidade
da Administração Pública Indireta.
b. Finalístico:
entre
estruturas
distintas, que diz respeitos ao atingimento de
metas, por exemplo aquele feito pelos
Ministérios
sobre
as
entidades
da
Administração Pública indireta, com vistas ao
atingimento das metas das políticas públicas.
4) Momento:
a. Preventivo (ex.: art. 84, XIV, da
CF/88): antes da realização do ato.
b. Concomitante (ex.: execução do
contrato
administrativo):
durante
a
realização do ato.
c. Subsequente (ex.: homologação de
concurso público): após a realização do ato.
 Formas:
1) Judiciário:
a. Ações judiciais para controle de
legalidade (MS, AP, ACP)
2) Legislativo:
a. Hipóteses constitucionais;
b. Controle contábil, financeiro e
orçamentário (com auxílio do TCU, por
exemplo)

3) Administrativo:
a. Autotutela: poder-dever de rever
seus atos quanto ao mérito administrativo ou
eivados de ilegalidade.
b. Conceito: é o controle interno,
provocado ou de ofício, fundado no poder
de autotutela, exercido sobre sua própria
atuação, tendo em vista aspectos de
legalidade e de mérito administrativo.
Súmula 473 do STF: A administração
pode anular seus próprios atos, quando
eivados de vícios que os tornam ilegais,
porque deles não se originam direitos; ou
revogá-los, por motivo de conveniência ou
oportunidade,
respeitados
os
direitos
adquiridos, e ressalvada, em todos os casos,
a apreciação judicial.
c. Limite: se afetar interesse do
administrado,
deverá
haver
processo
administrativo assegurado o contraditório.
d. Formas:
i. Diversas formas tipificadas em leis
específicas.
ii. Qualquer maio pode ser utilizado,
sendo vedado à Administração Pública se
recusar a receber.
iii. Exemplos:
representação,
reclamação, recurso, recisão, etc.
e. Processo: Lei nº 9.784/99.
f. Prescrição:
i. Para o administrado:
1. Regra geral: 10 dias; em desuso
2. Poder Judicial: 5 anos;
3. Imprescindibilidade:
autotutela.
Gera insegurança jurídica
ii. Para
Administração
Pública
rever seus atos:
1. Regra geral: 5 anos.
2. Imprescritível:
revogação,
oportunidade e conveniência.
3. Anulação.
iii. Para
Administração
Pública
aplicar sanção:
1. Regra geral: 5 anos.
2. Imprescritível: ressarcimento ao
erário.
 Improbidade administrativa: