Anda di halaman 1dari 20

1 / 20

Transformador de Potência de Três Enrolamentos

Three-Winding Power Transformers


I. Introdução

Sucintamente, os transformadores de potência de três enrolamentos, são utilizados:

1º Nas centrais, quando se pretende, a partir da mesma tensão de produção, fazer a alimentação
de duas linhas de transporte a tensões diferentes utilizando um só transformador.

2º Nas subestações de distribuição, quando se pretende, a partir da mesma tensão de transporte,


fazer a alimentação de duas linhas de distribuição a tensões diferentes utilizando um só
transformador.

3º Na interligação de redes de transporte e/ou distribuição a tensões diferentes utilizando um só


transformador.

4º Na alimentação de válvulas termiónicas, interessam transformadores com vários


enrolamentos, susceptíveis de fornecer as tensões de alimentação dos filamentos, grelhas e
placas.

5º Na alimentação de amplificadores, estações de rádio, ampolas de radiologia, etc.

Faço votos para que este documento seja útil e agradeço, antecipadamente, os vossos comentários.

II. Transformador de Potência de Três Enrolamentos

Na figura seguinte apresentamos, esquematicamente, um TP de três enrolamentos.

t
i2
t t t
z12 ≡ z 21 z 22
t t
t z12 B ≡ z 21B i2 v2 SB V2 B I2B Z22 B
t
i1 i2
t
z11
t t
SB V1B I1B Z11B
t
v1
t z 23 ≡ z 32
i1
t t z 23B ≡ z 32 B
z13 ≡ z 31
t
i1 z13B ≡ z 31B
t
i3 t
z 33
t t t
i3 v3 SB V3B I3 B Z33B
i3

A. A. A. C. Barrias
2 / 20

III. Estrela (Fictícia) Equivalente ao Transformador de Potência de Três Enrolamentos

Na figura seguinte apresentamos, esquematicamente, a estrela (fictícia) equivalente a um


Transformador de potência de três enrolamentos.

t
t i2
z2x

t
i1
t
z1x

t
t v2
t i3
t z3x
v1

t
v3

IV. Nomenclatura utilizada:

Coeficientes de auto-indução

L11 Coeficiente de auto-indução (própria) estipulado do “enrolamento 1” (H).

L22 Coeficiente de auto-indução (própria) estipulado do “enrolamento 2” (H).

L33 Coeficiente de auto-indução (própria) estipulado do “enrolamento 3” (H).

Coeficientes de indução mútua

M12 = M 21 Coeficiente de indução mútua estipulado entre os “enrolamentos 1 e 2” (H).

M13 = M 31 Coeficiente de indução mútua estipulado entre os “enrolamentos 1 e 3” (H).

M 23 = M 32 Coeficiente de indução mútua estipulado entre os “enrolamentos 2 e 3” (H).

A. A. A. C. Barrias
3 / 20

Correntes

I1 Corrente estipulada absorvida da rede de AT (A).

I1B Corrente base na AT (A).

t I Valor de I1 , em “pu”, na base I1B .


i1 = 1
I1B

I2 Corrente estipulada absorvida da rede de MT (A).

I2B Corrente base na MT (A).

t I Valor de I 2 , em “pu”, na base I 2 B .


i2 = 2
I2B

I3 Corrente estipulada absorvida da rede de BT (A).

I3B Corrente base na BT (A).

t I Valor de I 3 , em “pu”, na base I 3B .


i3 = 3
I 3B

Espiras

n1 Número de espiras estipulado do “enrolamento 1” (-).

n2 Número de espiras estipulado do “enrolamento 2” (-).

n3 Número de espiras estipulado do “enrolamento 3” (-).

Frequência

f Frequência estipulada (Hz).

A. A. A. C. Barrias
4 / 20

Impedâncias

Z11 = R 11 + j X11 Impedância (própria) estipulada do “enrolamento 1” (Ω) .

V12B Impedância base da “Impedância própria” do “enrolamento 1” (Ω) .


Z11B =
SB

t Z Valor de Z11 , em “pu”, na base Z11B .


z11 = 11
Z11B

Z22 = R 22 + j X 22 Impedância (própria) estipulada do “enrolamento 2” (Ω) .

V22B Impedância base da “Impedância própria” do “enrolamento 2” (Ω) .


Z22 B =
SB

t Z Valor de Z22 , em “pu”, na base Z22 B .


z 22 = 22
Z 22 B

Z33 = R 33 + j X 33 Impedância (própria) estipulada do “enrolamento 3” (Ω) .

V32B Impedância base da “Impedância própria” do “enrolamento 3” (Ω) .


Z33B =
SB

t Z Valor de Z33 , em “pu”, na base Z33B .


z 33 = 33
Z33 B

Z12 ≡ Z21 = j X12 ≡ j X 21 Impedância mútua estipulada entre os “enrolamentos 1 e 2” (Ω) .

V1B ⋅ V2 B Impedância base da “Impedância mútua estipulada entre os


Z12 B = Z21B =
SB enrolamentos 1 e 2” (Ω) .

t Z Valor de Z12 ≡ Z21 , em “pu”, na base Z12 B ≡ Z21B .


z12 = 12
Z12 B

Z13 ≡ Z31 = j X13 ≡ j X 31 Impedância mútua estipulada entre os “enrolamentos 1 e 3” (Ω) .

V1B ⋅ V3 B Impedância base da “Impedância mútua estipulada entre os


Z13 B = Z31B =
SB enrolamentos 1 e 3” (Ω) .

A. A. A. C. Barrias
5 / 20

t Z Valor de Z13 ≡ Z31 , em “pu”, na base Z13B ≡ Z31B .


z13 = 13
Z13B

Z23 ≡ Z32 = j X 23 ≡ j X 32 Impedância mútua estipulada entre os “enrolamentos 2 e 3” (Ω) .

V2 B ⋅ V3B Impedância base da “Impedância mútua estipulada” entre os


Z23 B = Z32 B =
SB enrolamentos 2 e 3” (Ω) .

t Z Valor de Z 23 ≡ Z32 , em “pu”, na base Z23B ≡ Z32 B .


z 23 = 23
Z 23 B
t t t t t
z1−2 = (z11 − z12 ) + (z 22 − z12 ) Impedância (efectiva) estipulada, em “pu”, do “enrolamento 1” com
o “enrolamento 2” em “curto-circuito” e, o “enrolamento 3”, em
“circuito aberto” (“em vazio”).
t t t t t
z 2−3 = (z 22 − z 23 ) + (z 33 − z 23 ) Impedância (efectiva) estipulada, em “pu”, do “enrolamento 2” com
o “enrolamento 3” em “curto-circuito” e, o “enrolamento 1”, em
“circuito aberto” (“em vazio”).
t t t t t
z 3−1 = (z11 − z13 ) + (z 33 − z13 ) Impedância (efectiva) estipulada, em “pu”, do “enrolamento 3” com
o “enrolamento 1” em “curto-circuito” e, o “enrolamento 2”, em
“circuito aberto” (“em vazio”).

t 1 t t t Impedância (efectiva) estipulada, em “pu”, do “ramo 1” da estrela


z1X = ⋅ (z1− 2 + z 3−1 − z 2 −3 ) equivalente ao transformador de três enrolamentos.
2

t 1 t t t Impedância (efectiva) estipulada, em “pu”, do “ramo 2” da estrela


z 2 X = ⋅ (z1− 2 + z 2 −3 − z 3−1 ) equivalente ao transformador de três enrolamentos.
2

t 1 t t t Impedância (efectiva) estipulada, em “pu”, do “ramo 3” da estrela


z 3 X = ⋅ ( z 3−1 + z 2−3 − z1− 2 ) equivalente ao transformador de três enrolamentos.
2
t t t t t t
z1− 2 = z1X + z 2 X Relação entre z1− 2 e z1X + z 2 X .
t t t t t t
z 2 −3 = z 2 X + z 3 X Relação entre z 2−3 e z 2 X + z 3X .
t t t t t t
z 3−1 = z 3X + z1X Relação entre z 3−1 e z 3X + z1X .

A. A. A. C. Barrias
6 / 20

Potência aparente

S1 = V1 ⋅ I1 Potência por fase estipulada do “enrolamento 1” (VA).


*

S2 = V 2 ⋅ I 2 Potência por fase estipulada do “enrolamento 2” (VA).


*

S3 = V 3 ⋅ I 3 Potência por fase estipulada do “enrolamento 3” (VA).


*

SB = V1B ⋅ I1B = V2 B ⋅ I 2 B = V3B ⋅ I3B Potência base por fase (VA).

Reactâncias

X11 = ωL11 Reactância (própria) estipulada do “enrolamento 1” (Ω) .

Reactância (própria) estipulada do “enrolamento 2” (Ω) .


X 22 = ωL22

X 33 = ωL33 Reactância (própria) estipulada do “enrolamento 3” (Ω) .

X12 ≡ X 21 = ωM12 Reactância mútua estipulada entre os “enrolamentos 1 e 2” (Ω) .

X13 ≡ X 31 = ωM13 Reactância mútua estipulada entre os “enrolamentos 1 e 3” (Ω) .

X 23 ≡ X 32 = ωM 23 Reactância mútua estipulada entre os “enrolamentos 2 e 3” (Ω) .

Relações entre espiras

n1 Relação estipulada entre espiras do “enrolamento 1” e do “enrolamento 2” (-).


m12 =
n2

n1 Relação estipulada entre espiras do “enrolamento 1” e do “enrolamento 3” (-).


m13 =
n3

n2 Relação estipulada entre espiras do “enrolamento 2” e do “enrolamento 3” (-).


m 23 =
n3

A. A. A. C. Barrias
7 / 20

Resistências

R11 Resistência (própria) estipulada do “enrolamento 1” (Ω) .

R 22 Resistência (própria) estipulada do “enrolamento 2” (Ω) .

R 33 Resistência (própria) estipulada do “enrolamento 3” (Ω) .

Tensões

V1 Tensão estipulada aplicada ao enrolamento de AT (V).

V1B Tensão base na AT (V).

t V Valor de V1 , em “pu”, na base V1B .


v1 = 1
V1B

V2 Tensão estipulada aplicada ao enrolamento de MT (V).

V2 B Tensão base na MT (V).

t V Valor de V 2 , em “pu”, na base V2 B .


v2 = 2
V2B

V3 Tensão estipulada aplicada ao enrolamento de BT (V).

V3B Tensão base na BT (V).

t V Valor de V 3 , em “pu”, na base V3B .


v3 = 3
V3B

Velocidade angular, Frequência angular ou Pulsação

ω = 2πf Velocidade angular, Frequência angular ou Pulsação (rad.s-1).

A. A. A. C. Barrias
8 / 20

V. Fórmulas do Circuito da Estrela (Fictícia) Equivalente ao TP de Três Enrolamentos

Correntes Quedas de Tensão Impedâncias


t t t t t t t t t t t t
z1− 2 = z1X + z 2 X
i1 + i 2 + i 3 = 0 v1 − v 2 = z1X ⋅ i 1 − z 2 X ⋅ i 2
t t t t t t z 2 −3 = z 2 X + z3X
v 2 − v 3 = z 2 X ⋅ i 2 − z 3X ⋅ i 3

t t t t t t z 3−1 = z 3X + z1X
v3 − v1 = z 3X ⋅ i 3 − z1X ⋅ i 1

t 1 t t t
z1X = ⋅ ( z1− 2 + z1−3 − z 2 −3 )
2

t 1 t t t
z 2 X = ⋅ ( z 2 −1 + z 2 −3 − z 3−1 )
2

t 1 t t t
z 3 X = ⋅ ( z 3−1 + z 3− 2 − z1− 2 )
2

VI. Estudo do Transformador de Potência de Três Enrolamentos

a) Sistema das Tensões

Como sabemos:

(1ª) V1 = Z11 ⋅ I1 + Z12 ⋅ I 2 + Z13 ⋅ I3

(2ª) V 2 = Z12 ⋅ I1 + Z 22 ⋅ I 2 + Z 23 ⋅ I 3

(3ª) V 3 = Z13 ⋅ I1 + Z 23 ⋅ I 2 + Z33 ⋅ I 3

b) Escolha das Bases

Fazendo:

SB = V1B ⋅ I1B = V2 B ⋅ I 2 B = V3B ⋅ I3B

V1B = Z11B ⋅ I1B V1B = Z21B ⋅ I 2 B V1B = Z31B ⋅ I 3B

V2 B = Z12B ⋅ I1B V2 B = Z22B ⋅ I 2 B V2 B = Z32 B ⋅ I 3B

V3B = Z13B ⋅ I1B V3B = Z 23B ⋅ I 2 B V3B = Z33B ⋅ I3B

A. A. A. C. Barrias
9 / 20

Nota 1ª: As tensões base por espira dos enrolamentos devem ser iguais, isto é, as tensões base
devem ser proporcionais ao número de espiras dos enrolamentos a que dizem respeito:

V1B V2 B V3B
= =
n1 n2 n3
t t t
Nota 2ª: As impedâncias de curto-circuito: z1− 2 , z 2−3 e z 3−1 , poderão não estar referidas à mesma
potência base, SB . Se assim for devem, previamente, ser referidas à mesma potência base, SB .

c) Valores em “Por Unidade”

Por definição de “Valores de uma Grandeza em por unidade”:

Tensões Correntes Impedâncias próprias Impedâncias mútuas

t V t I t Z S t Z SB
v1 = 1 i1 = 1 z11 = 11 = Z11 ⋅ B2 z12 = 12 = Z12 ⋅
V1B I1B Z11B V1B Z12 B V1B ⋅ V2 B

t V t I t Z S t Z SB
v2 = 2 i2 = 2 z 22 = 22 = Z 22 ⋅ B2 z13 = 13 = Z13 ⋅
V2 B I2B Z 22 B V2 B Z13B V1B ⋅ V3 B

t V t I t Z S t Z SB
v3 = 3 i3 = 3 z 33 = 33 = Z 33 ⋅ B2 z 23 = 23 = Z 23 ⋅
V3B I 3B Z 33B V3 B Z 23 B V2 B ⋅ V3 B

d) Determinação do Sistema de Tensões em “Por Unidade”

Dividindo a 1ª equação por V1B , a 2ª equação por V2 B e a 3ª equação por V3B , temos:

V1 Z11 ⋅ I1 Z12 ⋅ I 2 Z13 ⋅ I3


= + +
V1B V1B V1B V1B

V2 Z ⋅I Z ⋅I Z ⋅I
= 12 1 + 22 2 + 23 3
V2 B V2 B V2 B V2 B

V3 Z ⋅I Z ⋅I Z ⋅I
= 13 1 + 23 2 + 33 3
V3 B V3 B V3 B V3 B

Pelo que:

t Z I Z I Z I
v1 = 11 ⋅ 1 + 12 ⋅ 2 + 13 ⋅ 3
Z11B I1B Z12 B I 2 B Z13B I 3B

A. A. A. C. Barrias
10 / 20

t Z I Z I Z I
v 2 = 12 ⋅ 1 + 22 ⋅ 2 + 23 ⋅ 3
Z12 B I1B Z 22 B I 2 B Z 23B I 3 B

t Z I Z I Z I
v 3 = 13 ⋅ 1 + 23 ⋅ 2 + 33 ⋅ 3
Z13B I1B Z 23B I 2 B Z33 B I3 B

Logo:
t t t t t t t
v1 = z11 ⋅ i 1 + z12 ⋅ i 2 + z13 ⋅ i 3
t t t t t t t
v 2 = z12 ⋅ i 1 + z 22 ⋅ i 2 + z 23 ⋅ i 3
t t t t t t t
v3 = z13 ⋅ i 1 + z 23 ⋅ i 2 + z 33 ⋅ i 3

e) Determinação do Sistema das “Quedas de Tensão” em “Por Unidade”

Escrevendo as equações anteriores sob a forma de “Quedas de Tensão”:


t t t t t t t t t t t t t t
v1 − v 2 = z11 ⋅ i 1 + z12 ⋅ i 2 + z13 ⋅ i 3 − z12 ⋅ i 1 − z 22 ⋅ i 2 − z 23 ⋅ i 3
t t t t t t t t t t t t t t
v 2 − v3 = z12 ⋅ i 1 + z 22 ⋅ i 2 + z 23 ⋅ i 3 − z13 ⋅ i 1 − z 23 ⋅ i 2 − z 33 ⋅ i 3

t t t t t t t t t t t t t t
v3 − v1 = z13 ⋅ i 1 + z 23 ⋅ i 2 + z 33 ⋅ i 3 − z11 ⋅ i 1 − z12 ⋅ i 2 − z13 ⋅ i 3

Ou:
t t t t t t t t t t t
v1 − v 2 = (z11 − z12 ) ⋅ i 1 + (z12 − z 22 ) ⋅ i 2 + (z13 − z 23 ) ⋅ i 3
t t t t t t t t t t t
v 2 − v3 = (z12 − z13 ) ⋅ i 1 + (z 22 − z 23 ) ⋅ i 2 + (z 23 − z 33 ) ⋅ i 3

t t t t t t t t t t t
v3 − v1 = (z13 − z11 ) ⋅ i 1 + (z 23 − z12 ) ⋅ i 2 + (z 33 − z13 ) ⋅ i 3

f) Determinação do Sistema das “Quedas de Tensão” em “Por Unidade” assumindo que a


“Impedância em Circuito Aberto” (em vazio) do Transformador é, praticamente, infinita.

Equivale a dizer que:


t t t
i1 + i 2 + i 3 = 0
t t t
Na 1ª equação, fazemos a substituição: i 3 = −( i 1 + i 2 )
t t t t t t t t t t t t
v1 − v 2 = (z11 − z12 ) ⋅ i 1 + (z12 − z 22 ) ⋅ i 2 − (z13 − z 23 ) ⋅ ( i 1 + i 2 )
t t t t t t t t t t t t t
v1 − v 2 = (z11 − z12 ) ⋅ i 1 + (z12 − z 22 ) ⋅ i 2 − (z13 − z 23 ) ⋅ i1 − (z13 − z 23 ) ⋅ i 2

A. A. A. C. Barrias
11 / 20

t t t t t t t t t t t
v1 − v 2 = (z11 − z12 − z13 + z 23 ) ⋅ i 1 + (z12 − z 22 − z13 + z 23 ) ⋅ i 2
t t
v1 − v 2 = [(z11 + z 23 ) − (z12 + z13 )]⋅ i 1 + [(z12 + z 23 ) − (z 22 + z13 )]⋅ i 2
t t t t t t t t t t

t t t
Na 2ª equação, fazemos a substituição: i 1 = −( i 2 + i 3 )
t t t t t t t t t t t t
v 2 − v3 = −(z12 − z13 ) ⋅ ( i 2 + i 3 ) + (z 22 − z 23 ) ⋅ i 2 + (z 23 − z 33 ) ⋅ i 3

t t t t t t t t t t t t t t
v 2 − v 3 = −(z12 − z13 ) ⋅ i 2 − (z12 − z13 ) ⋅ i 3 + (z 22 − z 23 ) ⋅ i 2 + (z 23 − z 33 ) ⋅ i 3

t t t t t t t t t t t t
v 2 − v 3 = (z 22 − z 23 − z12 + z13 ) ⋅ i 2 + (z 23 − z 33 − z12 + z13 ) ⋅ i 3
t t
v 2 − v3 = [(z 22 + z13 ) − (z12 + z 23 )]⋅ i 2 + [(z13 + z 23 ) − (z 33 + z12 )]⋅ i 3
t t t t t t t t t t

t t t
Na 3ª equação, fazemos a substituição: i 2 = −( i 1 + i 3 )
t t t t t t t t t t t t
v3 − v1 = (z13 − z11 ) ⋅ i 1 − (z 23 − z12 ) ⋅ ( i 1 + i 3 ) + (z 33 − z13 ) ⋅ i 3

t t t t t t t t t t t t t t
v3 − v1 = (z13 − z11 ) ⋅ i 1 − (z 23 − z12 ) ⋅ i 1 − (z 23 − z12 ) ⋅ i 3 + (z 33 − z13 ) ⋅ i 3

t t t t t t t t t t t t
v3 − v1 = (z13 − z11 − z 23 + z12 ) ⋅ i 1 + (z 33 − z13 + z12 − z 23 ) ⋅ i 3
t t
v3 − v1 = [(z 33 + z12 ) − (z13 + z 23 )]⋅ i 3 + [(z12 + z13 ) − (z11 + z 23 )]⋅ i 1
t t t t t t t t t t

Ou seja, ficamos com o seguinte sistema de equações:


t t
v1 − v 2 = [(z11 + z 23 ) − (z12 + z13 )]⋅ i 1 + [(z12 + z 23 ) − (z 22 + z13 )]⋅ i 2
t t t t t t t t t t

t t
v 2 − v3 = [(z 22 + z13 ) − (z12 + z 23 )]⋅ i 2 + [(z13 + z 23 ) − (z 33 + z12 )]⋅ i 3
t t t t t t t t t t

t t
v3 − v1 = [(z 33 + z12 ) − (z13 + z 23 )]⋅ i 3 + [(z12 + z13 ) − (z11 + z 23 )]⋅ i 1
t t t t t t t t t t

g) Determinação de z1− 2 : Impedância (efectiva) Estipulada, em por unidade, do “enrolamento


1” com o “enrolamento 2” em curto-circuito e, o “enrolamento 3” em “circuito aberto” (“em
vazio”).

Vamos substituir na 1ª equação:


t t
v1 − v 2 = [(z11 + z 23 ) − (z12 + z13 )]⋅ i 1 + [(z12 + z 23 ) − (z 22 + z13 )]⋅ i 2
t t t t t t t t t t

Os valores:

A. A. A. C. Barrias
12 / 20

t t t t
v2 = 0 e i 3 = 0 ⇒ i 2 = − i 1

Pelo que:
t t
v1 − v 2 = [(z11 + z 23 ) − (z12 + z13 )]⋅ i 1 + [(z12 + z 23 ) − (z 22 + z13 )]⋅ (− i 1 )
t t t t t t t t t t

t t t t t t t t t t
v1 = (z11 + z 23 − z12 − z13 − z12 − z 23 + z 22 + z13 ) ⋅ i 1

t t
t t t t v1 t t t t
v1 = (z11 + z 22 − 2 ⋅ z12 ) ⋅ i 1 ⇔ t = z1−2 = z11 + z 22 − 2 ⋅ z12
i1

Ou seja:
t t t t t
z1−2 = (z11 − z12 ) + (z 22 − z12 )

h) Determinação de z 2 − 3 : Impedância (efectiva) Estipulada, em por unidade, do “enrolamento


2” com o “enrolamento 3” em curto-circuito e, o “enrolamento 1” em “circuito aberto” (“em
vazio”).

Vamos substituir na 2ª equação:


t t
v 2 − v3 = [(z 22 + z13 ) − (z12 + z 23 )]⋅ i 2 + [(z 23 + z13 ) − (z12 + z 33 )]⋅ i 3
t t t t t t t t t t

Os valores:
t t t t
v3 = 0 e i 1 = 0 ⇒ i 3 = − i 2

Pelo que:
t t
v 2 = [(z 22 + z13 ) − (z12 + z 23 )]⋅ i 2 + [(z 23 + z13 ) − (z12 + z 33 )]⋅ (− i 2 )
t t t t t t t t t

t t t t t t t t t t
v 2 = (z 22 + z13 − z12 − z 23 − z 23 − z13 + z12 + z 33 ) ⋅ i 2

t t
t t t t v2 t t t t
v 2 = (z 22 + z 33 − 2 ⋅ z 23 ) ⋅ i 2 ⇔ t = z 2 −3 = z 22 + z 33 − 2 ⋅ z 23
i2

Ou seja:
t t t t t
z 2−3 = (z 22 − z 23 ) + (z 33 − z 23 )

i) Determinação de z 3 −1 : Impedância (efectiva) Estipulada, em por unidade, do “enrolamento


3” com o “enrolamento 1” em curto-circuito e, o “enrolamento 2” em “circuito aberto” (“em
vazio”).

Vamos substituir na 3ª equação:

A. A. A. C. Barrias
13 / 20

t t
v3 − v1 = [(z12 + z13 ) − (z11 + z 23 )]⋅ i 1 + [(z 33 + z12 ) − (z13 + z 23 )]⋅ i 3
t t t t t t t t t t

Os valores:
t t t t
v1 = 0 e i 2 = 0 ⇒ i 1 = − i 3

Pelo que:
t t
v3 = [(z12 + z13 ) − (z11 + z 23 )]⋅ (− i 3 ) + [(z 33 + z12 ) − (z13 + z 23 )]⋅ i 3
t t t t t t t t t

t t t t t t t t t t
v3 = (z11 + z 23 − z12 − z13 − z13 − z 23 + z 33 + z12 ) ⋅ i 3

t t
t t t t v3 t t t t
v3 = (z 33 + z11 − 2 ⋅ z13 ) ⋅ i 3 ⇔ t = z 3−1 = z 33 + z11 − 2 ⋅ z13
i3

Ou seja:
t t t t t
z 3−1 = (z 33 − z13 ) + (z11 − z13 )

Em resumo, ficamos com o seguinte sistema de equações:


t t t t t
z1−2 = (z11 − z12 ) + (z 22 − z12 )
t t t t t
z 2−3 = (z 22 − z 23 ) + (z 33 − z 23 )
t t t t t
z 3−1 = (z 33 − z13 ) + (z11 − z13 )

t 1 t t t
j) Cálculo do valor de z1X = ⋅ ( z1− 2 + z 3−1 − z 2 −3 )
2
t t t t t t t t t t t t
z1−2 + z 3−1 − z 2−3 = z11 + z 22 − 2 ⋅ z12 + z 33 + z11 − 2 ⋅ z13 − z 22 − z 33 + 2 ⋅ z 23
t
z1− 2 + z 3−1 − z 2−3 = 2 ⋅ z11 + 2 ⋅ z 23 − 2 ⋅ z12 − 2 ⋅ z13
t t t t t t t
z1−2 + z 3−1 − z 2−3 = 2 ⋅ (z11 + z 23 − z12 − z13 )

z1−2 + z 3−1 − z 2−3 = 2 ⋅ [(z11 + z 23 ) − (z12 + z13 )]


t t t t t t t

Logo:

t 1 t t t t t t t t
z1X = ⋅ (z1− 2 + z 3−1 − z 2 −3 ) ⇔ z1X = (z11 + z 23 ) − (z12 + z13 )
2
t 1 t t t
l) Cálculo do valor de z 2X = ⋅ ( z1− 2 + z 2 −3 − z 3−1 )
2

A. A. A. C. Barrias
14 / 20

t t t t t t t t t t t t
z1−2 + z 2−3 − z 3−1 = z11 + z 22 − 2 ⋅ z12 + z 22 + z 33 − 2 ⋅ z 23 − z 33 − z11 + 2 ⋅ z13
t t t t t t t
z1−2 + z 2−3 − z 3−1 = 2 ⋅ z 22 − 2 ⋅ z12 − 2 ⋅ z 23 + 2 ⋅ z13
t t t t t t t
z1−2 + z 2−3 − z 3−1 = 2 ⋅ (z 22 − z12 − z 23 + z13 )

z1−2 + z 2−3 − z 3−1 = 2 ⋅ [(z 22 + z13 ) − (z12 + z 23 )]


t t t t t t t

Logo:

t 1 t t t t t t t t
z 2 X = ⋅ ( z1− 2 + z 2 −3 − z 3−1 ) ⇔ z 2 X = (z 22 + z13 ) − (z12 + z 23 )
2
t 1 t t t
m) Cálculo do valor de z 3X = ⋅ ( z 3−1 + z 2 −3 − z1− 2 )
2
t t t t t t t t t t t t
z 3−1 + z 2−3 − z1− 2 = z 33 + z11 − 2 ⋅ z13 + z 22 + z 33 − 2 ⋅ z 23 − z11 − z 22 + 2 ⋅ z12
t t t t t t t
z 3−1 + z 2−3 − z1− 2 = 2 ⋅ z 33 − 2 ⋅ z13 − 2 ⋅ z 23 + 2 ⋅ z12
t t t t t t t
z 3−1 + z 2−3 − z1− 2 = 2 ⋅ (z 33 − z13 − z 23 + z12 )

z 3−1 + z 2−3 − z1− 2 = 2 ⋅ [(z 33 + z12 ) − (z13 + z 23 )]


t t t t t t t

Logo:

t 1 t t t t t t t t
z 3 X = ⋅ ( z 3−1 + z 2−3 − z1− 2 ) ⇔ z 3X = (z 33 + z12 ) − (z13 + z 23 )
2
n) Em resumo:
t t
v1 − v 2 = [(z11 + z 23 ) − (z12 + z13 )]⋅ i 1 + [(z12 + z 23 ) − (z 22 + z13 )]⋅ i 2
t t t t t t t t t t

t t
v 2 − v3 = [(z 22 + z13 ) − (z12 + z 23 )]⋅ i 2 + [(z13 + z 23 ) − (z 33 + z12 )]⋅ i 3
t t t t t t t t t t

t t
v3 − v1 = [(z 33 + z12 ) − (z13 + z 23 )]⋅ i 3 + [(z12 + z13 ) − (z11 + z 23 )]⋅ i 1
t t t t t t t t t t

t t t t t t
v1 − v 2 = z1X ⋅ i 1 − z 2 X ⋅ i 2
t t t t t t
v 2 − v 3 = z 2 X ⋅ i 2 − z 3X ⋅ i 3

t t t t t t
v3 − v1 = z 3X ⋅ i 3 − z1X ⋅ i 1

t t t
i1 + i 2 + i 3 = 0

A. A. A. C. Barrias
15 / 20

t t t
z1− 2 = z1X + z 2 X
t t t
z 2 −3 = z 2 X + z 3 X
t t t
z 3−1 = z 3X + z1X

t t t t t
z1X = (z11 + z 23 ) − (z12 + z13 )
t t t t t
z 2 X = (z 22 + z13 ) − (z12 + z 23 )
t t t t t
z 3X = (z 33 + z12 ) − (z13 + z 23 )

t 1 t t t
z1X = ⋅ (z1− 2 + z 3−1 − z 2 −3 )
2

t 1 t t t
z 2 X = ⋅ ( z1− 2 + z 2 −3 − z 3−1 )
2

t 1 t t t
z 3 X = ⋅ ( z 3−1 + z 2−3 − z1− 2 )
2

A. A. A. C. Barrias
16 / 20

Exemplo 1º

Um grupo trifásico, constituído por três transformadores monofásicos, tem as características


seguintes:

U1e 115 t
= kV , z1−2 = j 0,08 , Potência base: SB = 15MVA ;
U 2 e 69

U1e 115 t
= kV , z 3−1 = j 0,12 , Potência base: SB = 15MVA ;
U 3e 22

U 2 e 69 t
= kV , z 2−3 = j 0,06 , Potência base: SB = 15MVA ;
U 3e 22

Determinar o circuito equivalente para a potência base: SB = 15MVA .

Resolução
t 1 t t t 1 1
z1X = ⋅ ( z1− 2 + z 3−1 − z 2 −3 ) = ⋅ ( j 0,08 + j 0,12 − j 0,06) = ⋅ j 0,14 = j 0,07
2 2 2

t 1 t t t 1 1
z 2 X = ⋅ ( z 2 −3 + z1− 2 − z 3−1 ) = ⋅ ( j 0,06 + j 0,08 − j 0,12) = ⋅ j 0,02 = j 0,01
2 2 2

t 1 t t t 1 1
z 3 X = ⋅ ( z 3−1 + z 2−3 − z1− 2 ) = ⋅ ( j 0,12 + j 0,06 − j 0,08) = ⋅ j 0,10 = j 0,05
2 2 2
t t
z 2 X = + j 0,01
i2
2
SB = 15 MVA
t t
z1X = + j 0,07 V2 B = 69 kV
i1
1 X
t
SB = 15 MVA t
v2
z 3X = + j 0,05 t
V1B = 115 kV i3
3
t
v1 SB = 15 MVA
t
V3B = 22 kV v3

Referêncial das Tensões


//////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

(From: An Introduction to Power System Analysis, pag.50-51, Frederick S. Rothe, John Wiley &
Sons and Chapman & Hall, LTD., 1953.)

A. A. A. C. Barrias
17 / 20

Exemplo 2º

Um grupo trifásico, constituído por três transformadores monofásicos, tem as características


seguintes:

S1e = 30MVA , U1e = 100 kV ;

S2e = 20MVA , U 2e = 60 kV ;

S3e = 10MVA , U 3e = 30 kV .
t
z1−2 = j 0,100 , Potência base: SB = 20MVA ;
t
z 2−3 = j 0,105 , Potência base: SB = 10MVA ;
t
z 3−1 = j 0,045 , Potência base: SB = 10MVA .

Determinar o circuito equivalente para SB = 30MVA e U B = 100 kV .

Resolução
ti ti ti
a) Vamos calcular z1−2 , z 2−3 e z1−3 , referidos a SB = 30MVA através da fórmula:

tf ti S
z a −b = z a −b ⋅ bf
S
bi

tf 30
z1− 2 = j 0,100 ⋅ = j 0,150
20

tf 30
z 2 −3 = j 0,105 ⋅ = j 0,315
10

tf 30
z 3−1 = j 0,045 ⋅ = j 0,135
10

b) Vamos calcular as impedâncias, em por unidade, dos ramos da estrela (fictícia) equivalente:

t 1 tf tf tf 1 1
z1X = ⋅ ( z1− 2 + z 3−1 − z 2 −3 ) = ⋅ ( j 0,150 + j 0,135 − j 0,315) = − ⋅ j 0,030 = − j 0,015
2 2 2

t 1 tf tf 1 1
z 2 X = ⋅ ( z 2 −3 + z1− 2 − z 3f −1 ) = ⋅ ( j 0,315 + j 0,150 − j 0,135) = + ⋅ j 0,330 = + j 0,165
2 2 2

t 1 tf tf tf 1 1
z 3 X = ⋅ ( z 3−1 + z 2 −3 − z1− 2 ) = ⋅ ( j 0,135 + j 0,315 − j 0,150) = + ⋅ j 0,300 = + j 0,150
2 2 2

A. A. A. C. Barrias
18 / 20

c) Vamos calcular a impedância base, ZB , para SB = 30MVA e U B = 100 kV :

U 2B (100) 2 (103 ) 2 1 000


ZB = = ⋅ = Ω.
SB 30 106 3

d) Vamos calcular o valor das impedâncias, em Ω , dos ramos da estrela (fictícia) equivalente:

t 1 000
Z1X = z1x ⋅ Z B = − j 0,015 ⋅ = −j5 Ω
3

t 1 000
Z 2 X = z 2 x ⋅ Z B = + j 0,165 ⋅ = + j 55 Ω
3

t 1 000
Z3X = z 3 x ⋅ Z B = + j 0,150 ⋅ = − j 50 Ω
3

e) Representação da estrela (fictícia) equivalente, em “por unidade”:


t
z 2 X = + j 0,165 t
i2

t SB = 30 MVA
t z1X = − j 0,015
i1 V2 B = 60 kV

SB = 30 MVA t t
z 3 X = + j 0,150 i3 t
v2
V1B = 100kV
1000 SB = 30 MVA
t ZB = Ω
v1 3 t
V2 B = 30 kV v3

t 1 000
Nota: A impedância Z1X = z1x ⋅ Z B = − j 0,015 ⋅ = − j 5Ω , por estar afectada do sinal menos (-),
3
deverá ser representada por um condensador.

(From: Dr. Ing. H. Happoldt, Centales Y Redes Eléctricas, págs.144-145, Editorial LABOR, S. A.,
1970)

A. A. A. C. Barrias
19 / 20

Exemplo 3º

Um grupo trifásico, constituído por três transformadores monofásicos, tem as características


seguintes:

S1e = 6 666 kVA , U1e = 56 408 V ;

S2e = 3 333 kVA , U 2e = 22 860 V ;

S3e = 3 333 kVA , U 3e = 3 969 V .

ti
z1−2 = j 0,096 , Potência base: SB = 6 666 kVA e às tensões estipuladas;
ti
z 2−3 = j 0,019 , Potência base: SB = 3 333 kVA e às tensões estipuladas.
ti
z 3−1 = j 0,136 , Potência base: SB = 6 666 kVA e às tensões estipuladas;

Estabelecer o circuito equivalente, em “por unidade” deste transformador de três enrolamentos


referido às tensões estipuladas e a uma base de potência SB = 6 666 kVA .

Resolução
ti
a) Em 1º lugar, vamos referir a impedância z 2−3 = j 0,019 à potência base SB = 6 666 kVA através
da fórmula:

tf ti S
z 2 − 3 = z 2 − 3 ⋅ bf
S
bi

tf 6 666
z 2 −3 = j 0,019 ⋅ = j 0,038
3 333

b) Vamos calcular as impedâncias, em por unidade, dos ramos da estrela (fictícia) equivalente:

t 1 ti ti tf 1 1
z1X = ⋅ ( z1− 2 + z 3−1 − z 2 −3 ) = ⋅ ( j 0,096 + j 0,136 − j 0,038) = + ⋅ j 0,194 = + j 0,097
2 2 2

t 1 tf ti ti 1 1
z 2 X = ⋅ ( z 2 −3 + z1− 2 − z 3−1 ) = ⋅ ( j 0,038 + j 0,096 − j 0,136) = − ⋅ j 0,002 = − j 0,001
2 2 2

t 1 ti tf ti 1 1
z 3 X = ⋅ ( z 3−1 + z 2 −3 − z1− 2 ) = ⋅ ( j 0,136 + j 0,038 − j 0,096) = + ⋅ j 0,078 = + j 0,039
2 2 2

c) Representação da estrela (fictícia) equivalente:

A. A. A. C. Barrias
20 / 20

t
z 2 X = − j 0,001 t
i2

t
t z1X = + j 0,097
i1 SB = 6 666 kVA
V2 B = 22 860 V
SB = 6 666 kVA t t
z 3 X = + j 0,039 i t
3 v2
V1B = 56 408 V

t SB = 6 666 kVA
v1 t
V3B = 3 969 V v3

t
Nota: A impedância z 2 X = − j 0,001 , por estar afectada do sinal menos (-), deverá ser representada
por um condensador.

(From: Redes Eléctricas, Jacinto Viqueira Landa, págs. 338-339, RepresentationesY Serviços de
Ingenieria, S. A, 1970)

A. A. A. C. Barrias