Anda di halaman 1dari 23

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

FACULDADE DE JORNALISMO

Reportagem narrativa
COIMBRA, Oswaldo. O texto da reportagem impressa. São Paulo:
Ática, 1993, p. 44-75
Vimos que a estrutura do texto da reportagem dissertativa se apóia num raciocínio
explicitado através de afirmações generalizantes seguidas de fundamentação, que
constitui a análise feita pelo redator de um acontecimento ou de um grupo de
acontecimentos
A estrutura do texto da reportagem narrativa não se apóia num raciocínio expresso.
Sua característica fundamental é a de conter os fatos organizados dentro de uma
relação de anterioridade ou de posterioridade, mostrando mudanças progressivas de
estado nas pessoas ou nas coisas, como mostram Fiorin e Savioli (1990, p. 289).
O texto do primeiro tipo de reportagem contém um ângulo fixo e reflexão crítica sobre
as mudanças nas pessoas e nas coisas. O texto da segunda mostra as mudanças
ocorrendo.
Percebemos essa distinção de tipos de texto numa reportagem - Desquite ou divorcio?
- assinada por José Carlos Marão, na edição de julho de 1966, à página 26, em
Realidade. O texto da reportagem alterna a dissertação com a narração, no
desenvolvimento da sua pauta: a discussão da questão palpitante na época do
divorcio.
As varas da família em São Paulo e no Rio deram média superior a cinco sentenças de
nulidade, anulação e desquite por dia nos últimos anos. Mas, embora não possa ser
precisada em números há informação correta que tem de ser acrescentada: a maioria dos
casais que se separam, principalmente nas classes mais pobres, não recorre ao desquite,
"porque não resolve nada".
Lá, um dia de madrugadinha, sem mais nem menos, foi-se embora de casa o seu Armando,
disposto a nunca mais voltar, porque o seu amor dado à legítima esposa era pouco e se
acabou. Dona Lídia ficou sem saber o que fazer da vida, nem dos três anos de casamento
infeliz.
É este segundo tipo de texto - o que pretende recriar a realidade diante dos olhos dos
leitores, mostrando a eles um eterno acontecer - que passamos a estudar.
Foco narrativo O repórter Carlos Azevedo, a serviço da revista Realidade, percorreu
a pé e de canoa mais de 300 quilômetros da floresta Amazônica, acompanhado do
fotógrafo Luigi Mamprin. Os dois profissionais haviam se integrado à missão que iria
resgatar os Índios Caiabis, ameaçados de extermínio pela fome e por doença. Azevedo
assinou matéria contando o que vira, publicada na edição de dezembro de 1966, à
página 37, com o título "Resgate de uma tribo". Observe-se como os dois aparecem no
texto:
Ipepori e seus seis companheiros, 11 pára-quedistas, Cláudio Vilas Boas e dois jornalistas
- 21 homens - partiram na manhã seguinte rumo ao rio Tatuin [...]
À tarde, Cláudio resolveu que o índio Iput iria até a outra aldeia convidar o resto da tribo
a se mudar para o parque [...] Um dos jornalistas também resolveu ir.

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 1 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

Agora, vejamos esta outra matéria,FACULDADE


assinada por Lana Novikow, na Realidade de
DE JORNALISMO
setembro de 1967, à página 105 _ Nela é contada a experiência que Lana teve
trabalhando como bancária, para que pudesse escrever como é um jovem bancário.
Título da matéria: "Eu encontrei um mundo bem comportado".
Levei alguns minutos para descobrir a porta de entrada dos funcionários.
Berta me chamou. Abria gavetas e mais gavetas, todas cheias de envelopes escuros, com
nomes, códigos e números extensos gravados por cérebros eletrônicos. E ia me mostrando
os impressos [...]
Nos dois textos os jornalistas aparecem como personagens. A diferença é que no
primeiro texto não é o jornalista-personagem quem narra os acontecimentos e no
segundo é, conquanto tenham sido nos dois casos os jornalistas-personagens que
provavelmente escreveram as duas reportagens. Há, é claro, sempre a hipótese de os
textos terem sido escritos por redatores, a partir do relato dos repórteres. Importa
destacar é que narrador e autor não são necessariamente a mesma entidade. Do
mesmo modo como Carlos Azevedo pode ter escrito a reportagem sobre o resgate dos
Índios Caiabis e, ainda assim, falar de si próprio como "ele, o jornalista", um velho
pode escrever uma história do ponto de vista de uma criança; um homem pode
escrever uma história do ponto de vista de uma mulher; alguém que viva hoje pode
escrever uma história do ponto de vista de quem viveu na Idade Média; etc.
Neste item, vamos ver os diversos pontos de vista - os diversos focos narrativos -
através dos quais se pode narrar fatos.

Narrador testemunha (em 1ª pessoa)


Segundo Lígia Leite, em O foco narrativo, o modo de narrar tem duas características
básicas: a) O narrador é personagem; b) A personagem do narrador é secundária,
uma testemunha dos fatos, apenas. Seu ângulo de visão, portanto, é limitado, já que
narra da periferia dos acontecimentos, utilizando informações que colheu e aquilo que
viu ou ouviu.
É o caso do narrador do texto assinado por Lana Novikow e do Jornalismo de Vivência,
em geral, cujas matérias são valorizadas pela experiência sofrida em determinada
situação. É, também, o caso de narrativas feitas por repórteres, eles próprios
personalidades conhecidas. A presença deles no interior da narrativa valoriza-a. Eram
assim os perfis feitos pela italiana Oriana Fallaci, publicados em Realidade, como, por
exemplo, o de Cassius Clay, na edição de setembro de 1966, à página 82, cujo título
era "Cassius Clay, aliás Mohammed Ali":
Quando cheguei (à casa de Clay), o campeão estava sentado na grama, brincando com as
crianças da vizinhança. [...] Embora me visse chegar, Cassius-Mohammed continuou a
brincar e nem se levantou para me dar a mão. Mas arrotou e disse que se sentia bem
porque tinha comido seis costelas de cordeiro. Seguiu-se um silêncio de quase meia hora
que eu procurava romper com sorrisos, observações, perguntas.

Narrador protagonista (em 1ª pessoa)


Narrativa limitada às percepções, pensamentos e sentimentos do narrador. Em
Jornalismo, ocorre nos depoimentos extensos dos entrevistados em que o texto é
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 2 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

escrito como se fosse deles, restringindo-se o jornalista


FACULDADE à tarefa de ouvir, transcrever
DE JORNALISMO
e editar. Ocorre, ainda, quando, por algum motivo, o próprio repórter torna-se o
centro do acontecimento que cobre, e portanto, a melhor fonte de informação.
Um exemplo do segundo caso foi o de José Hamilton Ribeiro, que, ao cobrir a linha de
frente da guerra do Vietnã, perdeu uma das pernas, arrancada por uma mina onde
pisou. O texto "Eu estive na guerra", na Realidade de maio de 1968, à página 26, tem
uma narrativa toda centrada no jornalista-narrador-personagem:
A 20 metros de mim, de repente, explode outra mina. Seguem-se gritos angustiantes de dor.
Tudo pára. [...] Ouço uma explosão fantástica. E um tuimm interminável que me atravessa
os ouvidos de um para o outro lado, dá-me sensação de grandiosidade. Sinto-me no ar,
voando, mas, ainda assim, com uma certa tranqüilidade [...]. Uma cortina espessa de
fumaça bloqueou-me toda a visão. Tive certeza, então, de que a bomba tinha explodido a
alguns metros de mim [...]. Um segundo após me senti no chão, sentado [...]. Foi aí que
senti a perna esquerda. Os músculos repuxavam a coxa com tal intensidade que eu não me
equilibrava sentado. Para não cair, rodopiava sobre mim mesmo, em círculos e aos saltos.
Instintivamente, levei as duas mãos para "acalmar" a minha perna esquerda, e foi então
que a vi em pedaços.

Narrador onisciente (em 3ª pessoa)


É o modo de narrar de quem não somente conhece todos os acontecimentos mas até
mesmo os pensamentos das personagens. Para Fiorin e Savioli, é como se pairasse
acima de tudo e tudo visse. De problemática adoção no Jornalismo pelo fato de falar
também do que se passa na interioridade das personagens. Há, no entanto, quem o
adote.
Na matéria assinada por Marcos Faerman, no Jornal da Tarde, de São Paulo, de 16 de
janeiro de 1976, "No sertão", sobre o cotidiano de uma cidade no interior baiano,
Irecê, o narrador é onisciente:
“João curvado no balcão de Margarida pensa na vida. Tudo foi para a mão de um médico,
quando a mulher adoeceu. "Já pude morrer _ ele pensa - hoje não posso. A gente só pode
morrer quando tem alguma coisa na vida. Coisas que a gente deixa para quem gosta. Mas
o que é que eu vou deixar para meus filhos? E quando se está como eu estou, não se pode
pedir a dispensa da morte. Meu Deus, esta seca é a mãe de 32."

Modalidades de expressão do tempo


O narrador se limita a informar o que as personagens fazem e o que falam. O texto se
compõe de uma sucessão de cenas. É o mais utilizado no jornalismo.
Vejamo-lo nesta reportagem assinada por Ricardo Kotscho sobre menores marginais
que agem na Praça da Sé de São Paulo, publicada pela Folha de S. Paulo, em 7 de
março de 1985:
Seis meninos correndo na Praça da Sé e a polícia atrás deles. Clóvis, 14, o chefe e o mais
velho da turma, leva na mão um pequeno saco plástico. "Pega, pega trombadinha ... ",
grita quem passa. Com a ajuda de José Batista Fonseca, 33, funcionário do Serviço de

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 3 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

FACULDADE
Proteção ao Crédito, a Polícia consegue DEseis.
pegar os JORNALISMO
Em volta, forma-se logo uma roda,
que vai crescendo, silenciosamente.
Alcance e planos de tempo Em 1966, primeiro ano de sua circulação, a revista
Realidade, nas edições de agosto (p. 19), outubro (p. 54), dezembro (p. 78), trouxe
extensas matérias sobre três países que, naquele ano, estavam nos noticiários dos
jornais: Argentina, China e Uruguai, respectivamente. O texto sobre a Argentina,
centrado nas eleições daquele ano, 1966, recuava, num box, até a eleição do
presidente Hipólito Irigoyen, em 1928, e reconstituía a sucessão dos presidentes
argentinos, desde então. Diferentemente desta reportagem, assinada por José
Hamilton Ribeiro, a sobre a China, sem assinatura, ia mais longe: recuava 20 séculos.
Com o título de "Eis a China", o texto não se prendia à história política do país. Falava
da origem do povo chinês, da invenção da pólvora, da China Medieval e chegava até a
Revolução Cultural de Mao Tse-tung, ainda em processo, naquele momento. Já o texto
sobre o Uruguai - "Uruguai, um país à espera do golpe?" -, assinado por José Carlos
Marão, na análise do que se sucedia naquele instante da vida política do país, retroagia
à gestão do presidente José Batlle, em 1903, quando foram aprovadas leis trabalhistas
importantes.
Deste modo, embora as três matérias tivessem em comum a preocupação de explicar
a conjuntura de cada país, em 1966, cobriam faixas de tempos diferentes. Tinham
alcances diferentes.
Alcance é a distância do afastamento do tempo em direção ao passado, ao futuro ou
entre ambos, medido a partir do que, no texto, é considerado o plano do presente. É
um elemento importante na estruturação de uma narrativa porque permite a
elaboração de segmentos dentro de vários planos de tempo.
Em geral, segundo Fiorin e Savioli, os planos de tempo são introduzidos por
demarcadores: tempos de verbos (está, estava, etc.); adjuntos adverbiais (no mês de
dezembro); estações climáticas (no último inverno) (cf. Fiorin e Savioli, 1990, p. 157).
Vejamos alguns segmentos da matéria sobre a China marcados por planos de tempo:
Milhares e milhares de soldados espalhados pelas margens do rio. De pé, sentados,
encostados em seus fuzis e metralhadoras [ ... ] Os soldados do Exército Vermelho [ ... ]
Um homem levanta os braços, vai falar. Faz-se grande silêncio. [...] Uma aclamação
ensurdecedora cai sobre suas últimas palavras. [...] Era o mês de abril de 1949 e pode-se
dizer que, ali, naquele instante, a China começava a sua longa marcha para o Comunismo.
Chiang está cada vez mais preocupado com a força crescente do partido comunista. E, de
repente, numa noite de fevereiro de 1927, o Kuomintang renuncia aos três princípios de
Sun Yat-sen e rompe com os comunistas.
Chama-se presente histórico o tempo verbal - utilizado nos segmentos transcritos -
que aproxima fatos do passado, designando-os como se estivessem ocorrendo no
presente.
Deve-se atentar, portanto, para o fato de que o tempo presente da narrativa não é,
necessariamente, o do momento da produção do texto. A reportagem sobre a China foi
produzida em 1966. O presente no primeiro segmento transcrito corresponde a 1949 e
no segundo, a 1927.

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 4 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

Quando o presente, como nestes casos, é um DE


FACULDADE marco temporal instalado no texto,
JORNALISMO
deve-se atentar também para o seguinte: é em relação a ele - e não ao momento da
produção do texto - que se definem os planos de tempo do passado ("Um mês antes
... ") e do futuro ("Dez anos depois ... ") de outros segmentos.
Modalidades da expressão do tempo As diversas modalidades de expressão do
tempo na narrativa é o que estudaremos neste item.
Vamos começar observando como o tempo flui num texto sobre psicanálise, como ele
é dividido, o que distingue um instante de outro.
O trecho traz o que sente uma pessoa profundamente angustiada:
A humilhação passou a ódio, pequeno de início, mas antigo, que crescia dentro de Sandra.
A porta. A porta fechada. Virou-se: havia outra porta atrás de si e mais outras, em cada
parede, no chão, no teto. Estava encarcerada, incomunicável. Via os trincos, as
fechaduras, as chaves. Em lugar de usá-las, esmurrava a madeira, ouvindo um eco, o som
do choque de seus punhos contra as portas. Quanto mais batia, mais tinha a impressão de
que aquela caixa feita de portas diminuía. Até que ficou do tamanho de seu corpo, como a
pele. Gritou. Não ouviu nada. Agora rodopiava pelo quarto, em meio a objetos quebrados,
espalhados pelo chão. De repente, viu um túnel de claridade partindo de si em direção à
janela. O resto, escuro e ausente. Caminhou atendendo ao chamado da luz, porque parecia
uma saída, uma libertação. Tocou a vidraça com as pontas dos dedos. Um medo imenso de
si mesma explodiu num soluço. Então, atirou-se sobre a cama, agarrando o travesseiro.
Veio o silêncio. Audível, intenso (p. 95).
Passemos, agora, para outro texto. A situação retratada nele é bem diferente daquela
que se acabou de ver. Este texto mostra o início da festa de Oxum num terreiro de
candomblé. Observe a passagem do tempo nele:
As cantigas foram se sucedendo e a coreografia também. A mãe-de-santo cantou para
Ogum, enquanto as filhas-de-santo dançavam como se o terreiro fosse um campo de
batalha, atacando inimigos postados nos quatro cantos da sala. Depois foi a vez de Oxóssi,
elas fizeram gestos de caçadores. Para Xangô, dançaram semeando raios e trovões.
Oxumaré foi saudado com uma coreografia onde os dedos apontavam o céu e a terra,
representando, o arco-íris. Imitaram Omolu, um velho doente, e Nanã, uma velha que anda
apoiada num bastão, Homenagearam Oxum mostrando em suas danças as jóias e a beleza
do rosto e do corpo. E Iansã foi imitada em sua colheita de ventos (p. 43).
Pode-se facilmente perceber que tanto no primeiro texto (“Psicanálise", assinado por
Roberto Freire, em Realidade de setembro de 1966, à página 92), como no segundo
("Um despacho de amor", assinado por Narciso Kalili, em Realidade de julho de 1966,
à página 36), não há nenhuma indicação de quantos minutos transcorrem entre um
instante e outro, nem de quanto dura cada instante. Neles, por conseguinte, o tempo
não é dividido como o divide um relógio.
A segunda constatação: o tempo do primeiro texto não é o mesmo do segundo. O do
primeiro é pontuado por uma série de estados interiores, o do segundo, por uma série
de gestos rituais.
Resumindo, os dois tempos não são cronológicos e não são idênticos.
Para identificá-los, vejamo-los dentro de um quadro de classificação oferecidp pela
obra de Benedito Nunes, O tempo na narrativa.
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 5 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

Modalidades de expressão do FACULDADE DE JORNALISMO


tempo narrativo
Tempo psicológico
Não tem correspondência com medidas temporais objetivas porque é composto por
uma sucessão de estados internos, subjetivos. assim, nele, o passado e o presente são
momentos imprecisos fundidos.
É, portanto, o tempo do texto assinado por Roberto Freire como se pode ver, ainda,
neste outro trecho:
Subitamente, começou a sentir mãos que subiam por seu corpo, instalando-se dentro do
peito, num aperto que produzia mais morte que dor .. Apertavam mais e mais. Era preciso
deixar que terminassem o serviço, pois no fim do estrangulamento viria a paz. Bastava,
apenas, não morrer, Os olhos, os ouvidos, as mãos abriram-se juntos trazendo o alivio.
Escapara mais uma vez (p. 95).
Tempo físico
É o tempo da natureza, do cosmo. Qualquer sistema de relação entre eventos, em
qualquer ponto do Universo pode medi-lo. Nele, o presente e percebido em função do
passado e do futuro.
Esse tempo natural é o que aparece na narrativa de uma viagem de navio entre Belém
e Manaus, no texto "Estamos em pleno rio”, assinado por Jose Carlos Marão, na edição
de junho de 1967 à pagina 116, de Realidade. A viagem durou oito dias, mas nada no
texto situa estes dias em qualquer mês, de qualquer ano.
O navio já entrando na baía de Marajó, prático e comandante continuam conversando,
enquanto na terceira classe, com a trepidação da partida e com o sol já ameaçando nascer,
começavam a acordar os, melros. [...] Correram bem as coisas na terceira classe, naquele
primeiro dia de viagem. [...] Mas o dia que tão calmo começou ia ser agitado, também, na
primeira classe. [...] Pouco mais aconteceu naquele dia, além da descoberta de Cornélio, o
clandestino. [...] Mesmo sendo noite, a maioria dos passageiros desceu. [...] O dia passado
em Santarém, cada um gastou como quis. [...] Várias pessoas jogavam a noite, no bar,
quando começou uma ventania. Todo mundo correu para os camarotes. O céu se
iluminava.
Tempo cronológico
É o tempo dos calendários, portanto, um tempo socializado, público. Seu marco pode
ser um "acontecimento qualificado" qualquer. O nascimento de Cristo, por exemplo.
Tem, assim, expressões específicas e autônomas em cada cultura.
No texto "O tropicalismo é nosso, viu?", sem assinatura, de Realidade de dezembro de
1968, à página 174, o tempo é, claramente, cronológico - o nosso, do calendário
cristão:
Três anos atrás, quando Roberto Carlos fez o Brasil desejar que tudo mais fosse para o
inferno, ninguém o levou muito a sério. Mas era evidente que um ciclo cultural se estava
fechando. [...] As exposições Opinião, no Rio, e Propostas 66, em São Paulo, vieram
simplesmente confirmar a impressão deixada pela Bienal de 1965. [...] Isto foi válido até
que, em 1967, o Teatro Oficina levou à cena O rei da vela, de Oswald de Andrade. [...]
Terra em transe, embora feito em 1966, ainda hoje divide a crítica e o público. [...] Quando
do lançamento do disco Tropicália, em agosto de 1968 [...].
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 6 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

É claro que o calendário cristão não FACULDADE


é o único, Outras culturas têm seus calendários
DE JORNALISMO
próprios.
Tempo lingüístico
Os eventos são organizados a partir de um marco temporal instalado no texto - um
"agora" - que, como já vimos em item anterior, não é necessariamente o momento da
sua produção. É apenas um eixo temporal que define o que é passado e futuro na
narrativa. Um "agora" correspondente a dez anos depois do momento em que foi
escrito o texto era o eixo temporal de uma reportagem ficção - "Sete dias de maio,
1977" -, assinada por Luiz Fernando Mercadante, em Realidade. A matéria foi
publicada em maio de 1967, à página 132, e a história se passava em maio de 1977.
Havia trechos em que acontecimentos colocados pela narrativa no passado ocorriam
em um momento que, para a própria revista, representava o futuro.
2 de maio _ segunda-feira, 12 horas - Preso ao estudo do Itamarati, Júlio Tavares custa a
perceber que não está só. Com gesto vago, indica a poltrona mais próxima ao seu
secretário de Imprensa, Evandro Carlos de Andrade. Está desligado, totalmente absorvido.
Evandro sabe disso: conhece, como poucos, aquele homem voluntarioso e sério, capaz de
trabalhar com devoção e entrega incomuns. Repórter político, vira-o chegar à Câmara
Federal há apenas seis anos (1971), tão ilustre quanto desconhecido. Advinhou nele um
parlamentar de valor. Acertou: Júlio Tavares passou o ano inteiro trabalhando
furiosamente nas comissões e estremeceu o plenário, em 1972, exigindo cortes no
orçamento de Defesa.

Retardação
- É só pena que avoa.
Mão Pelada gritou a frase e se atirou de barriga no chão, para escapar das balas que
varavam as casas, espirrando reboco pelo chão. A população inteira do povoado estava
como Mão Pelada, deitada para não morrer, de barriga no chão. O mulato Ferreira, que
trocava tiros com o cabo e dois soldados correu para trás de um beiral de rancho, quando
viu que a rua ficou deserta. Lá, Jogou seu chapéu no chão e continuou atirando até acabar
sua munição, uns 50 tiros depois. Foi, então, preso, bêbado de cair.
Assim inicia a narrativa sobre o garimpo no rio Paranatinga, em Mato Grosso, no texto
da reportagem “Diamante, calibre 38", assinada por Carlos Azevedo, em Realidade de
julho de 1966, à página 84.
Acompanhemos a narrativa.
Depois que Mão Pelada é preso, o povo do garimpo começa a aparecer nas portas das
casas. Os meninos vão catar cascas de balas no chão. Os homens comentam
alegremente o tiroteio enquanto limpam a poeira da roupa. Neste instante, o narrador
interrompe a seqüência dos fatos para, inicialmente, esclarecer que o tiroteio
aconteceu numa manhã de domingo. Depois observa:
Não que aqui todo domingo haja tiroteio. Mas e uma coisa que bem pode acontecer.
E acrescenta:
Aqui se procura diamante. E se acha de encher a mão. E fácil achar outras coisas também:
o diamante só vem para quem sabe e a sorte ajuda, mas a malária é violenta e o cemitério
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 7 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

já tem mais de 20 sepulturas FACULDADE DE JORNALISMO


Após estes comentários, o leitor talvez suponha que a narrativa vá ser retomada a
partir da prisão de Mão Pelada. Não é o que acontece, contudo. O narrador, em
seguida, começa a contar como surgiu o garimpo ali, introduzindo um plano de tempo
recuado três anos do "agora" instalado no texto.
E não faz muito tempo que tudo começou. No fim de 1963, o velho Abrão Bezerra apareceu
no escritório de Apolônio Bouret, em Cuiabá. A mão cheia, perguntou:
- O que é isto?
Apolônio, comprador de diamantes, comerciante rico, chefe político, deu um grito e
comprou tudo.
- Onde foi, velho Abrão?
O criador de gado Abrão Bezerra contou que achou os diamantes nas barrancas do rio
Paranatinga, a 400 quilômetros de Cuiabá. A notícia da sua descoberta rapidamente
chegou nos garimpos no leste e do noroeste de Mato Grosso. Destes lugares saíram
seis mil pessoas que, em busca da mesma sorte de Abraão, foram instalar-se perto do
Paranatinga.
Agora sim a narrativa retoma sua seqüência inicial. Porém com una alteração: os fatos
não estão mais sucedendo nas ruas onde houve o tiroteio. Mas noutro espaço. No rio.
O rio, diz o narrador, é uma bagunça. Os garimpeiros – uns colados nos outros –
arrancam cascalhos do fundo do rio, lavam os pedregulhos nas peneiras, isto enquanto
gritam e riem alto. Quando algum deles acha o diamante, saca o revólver e dispara.
Neste momento, o narrador introduz na narrativa outro personagem, Ursulino, misto
de garimpeiro e poeta. É ele quem afirma:
- O que mais gosto aqui, mesmo, é da satisfação. Só se trabalha contando anedota.
Ursulino explica, então, como os garimpeiros se organizam para trabalhar, e a
narrativa prosseguirá ocupando ainda mais cinco páginas da revista.
Nós, no entanto, podemos nos deter neste ponto para observarmos melhor o que
aconteceu até aqui. A primeira observação que já podemos fazer: a narrativa
evidentemente não vinha seguindo uma seqüência linear de tempo. Podemos notar,
além disso, que a quebra da linearidade da seqüência do tempo se dá de diferentes
formas:
a) pela introdução de comentários do narrador.
Pela inserção de um plano de tempo anterior ao do momento convencionado como
“agora” no texto.
Por fim podemos também perceber que as quebras da linearidade da seqüência do
tempo retardaram o ritmo da narrativa.
Os recursos empregados pelo narrador para retardar o ritmo da narrativa - como os
comentários do narrador e os recuos no tempo, vistos no texto sobre o garimpo no rio
Paranatinga - são o nosso assunto, neste item. Consideraremos cinco recursos,
mencionados por Mesquita 16:
1º) Retardação através de evocações de momentos anteriores. São recursos
que podem aparecer através de recuos, como quando o salto temporal (isto é, o
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 8 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

deslocamento de um ponto a outro na seqüência DE


FACULDADE do JORNALISMO
tempo, sem o preenchimento dos
períodos vazios) se dá para trás. Podem aparecer, ainda, através de retrospectivas, as
exposições separadas do corpo do texto central. No Jornalismo, as retrospectivas, em
geral, constituem boxes. Por exemplo, na Realidade de abril de 1966, à página 38, a
reportagem "Brasileiros, go home", assinada por Luiz Fernando Mercadante, traz,
como texto central, a narrativa de três semanas da permanência de soldados
brasileiros, integrantes da Força Interamericana de Paz, da OEA, na República
Dominicana. O texto sobre aquelas três semanas abre com uma cena de rua em que
surge um comboio brasileiro, transitando por São Domingos, sob a hostilidade de
pessoas do povo, que gritam: "00 home! 00 home! Invasores, go home!". Entretanto,
este texto é antecedido por outro que ocupa uma coluna de alto a baixo da página,
com o título de "A ilha de sangue", em que é resumida a história política dominicana,
desde o seu descobrimento por Colombo, em 1492, até a crise que levou à intervenção
da força armada da OEA.
2º) Retardação através de antecipações de momentos posteriores àquele em
que está transcorrendo a narrativa, isto é, a seu "agora". O salto temporal então
se dá para a frente. Freqüentemente, o texto da reportagem narrativa abre com uma
antecipação do desenlace, mostrado de modo parcial. Logo em seguida, a história
começa e vai avançando com linearidade até chegar, de novo, ao desenlace, mostrado,
então, de forma completa. O texto que traz uma narrativa estruturada desta forma
recebe no jargão jornalístico a denominação de redondo. É o caso do texto assinado
por José Carlos Marão sobre o concurso de Miss Brasil - "Pobre menina miss" - em
Realidade, de agosto de 1966, à página 88. A narrativa começa às 20 horas de um
sábado, no estádio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro; minutos antes do desfile das
candidatas.
Às oito da noite, 40 mil pessoas já estão no Maracanãzinho, pois nada mais importante
existe para elas que um concurso de Miss Brasil.
Naquele momento alguns travestis haviam ocupado as passarelas reservadas às
misses e o público se divertia aplaudindo e gritando. Em seguida, há um recuo para a
terça-feira daquela semana, quando as candidatas estão desembarcando, vindas de
todos os estados no Aeroporto do Rio de Janeiro.
Na hora em que descem do avião, acompanhadas de suas orgulhosas mães, encontram logo
os donos do concurso: organizadores, “guardiãs”, instrutoras, cicerones [...]
E, a partir daí, os dias daquela semana das candidatas são reconstituídos. Na terça-
feira mesmo tiram oficialmente as medidas de seus bustos, quadris, tornozelos etc,
medem suas alturas e verificam seus pesos. Na quinta-feira, iniciam-se os ensaios do
desfile. Na sexta-feira há o ensaio geral. No sábado, pela manhã e à tarde, sessões de
cabeleireiros e manicures. Cada momento destes aparece com muitos detalhes.
Finalmente, a narrativa chega ao momento já antecipado na sua abertura.
Às oito e meia, o Maracanãzinho lotado começa uma briga (só de boca, não de tapa) bem
na entrada da passarela.
E, então, o desfile é mostrado pormenorizadamente: o curralzinho onde a imprensa
ficou confinada, as vaias e os aplausos do público, os apresentadores de desfile, as

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 9 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

performances das misses, os seus trajes típicos, DE


FACULDADE os JORNALISMO
jurados, as eleitas, a reação das
derrotadas. E o texto se encerra assim:
A festa acabou-se; às derrotadas resta ouvir os estouros do champanha que não vão
beber; com as três vencedoras fica a certeza de que tudo vai recomeçar, em outros
lugares do mundo, onde locutores dirão em inglês – e em polegadas – quanto mede
cada parte dos seus corpos.
3º) Retardação através de projeções do mundo interior das personagens:
suas lembranças, fantasias, seus sonhos e desejos.
No texto do perfil de Walt Disney, assinado por Oriana Fallaci e publicado na Realidade
em outubro de 1966, à página 88, a jornalista aparece simultaneamente como
narradora e personagem, pois o texto é escrito em primeira pessoa. No momento em
que aguarda, nos estúdios da Walt Disney Productions, a chegada de Disney, a quem
verá pela primeira vez, ocorre à narradora-personagem esta lembrança:
[...]Eu também cresci com Mickey. Tinha três anos quando a mãe bordou-o no meu
vestidinho, seis quando conheci os Três porquinhos. Com eles fui para a escola. Na escola,
cantávamos o estribilho de Branca de Neve, e o primeiro desenho que fiz foi Pluto.
4º) Retardação através de digressões, desvios da seqüência narrativa,
provocados pelo narrador, que retardam o desenrolar da ação 19. Estas digressões do
narrador podem ser:
- Diálogos com o leitor. No mesmo trecho do texto de ariana Fallaci, a jornalista-
narradora-personagem acaba de ouvir de alguém que Walt Disney é um santo. Ela,
neste momento, diz que está cada vez mais nervosa e, dirigindo-se aos leitores,
acrescenta:
Um gênio é algo que incomoda, imaginem um santo.
- Reflexões, avaliações, opiniões, considerações filosóficas. Neste mesmo texto
assinado por Fallaci sobre Disney, há um outro trecho, extenso, com a transcrição da
primeira conversa que os dois tiveram. Num certo instante da conversa, Disney
encerra a resposta a uma pergunta de Fallaci e ela faz a seguinte reflexão:
O homem às vezes é complicado. No exato momento em que penso ter descoberto seu
segredo, escapa-me das mãos e torna-se outro.
- Comentários sobre o que ele narra ou sobre a sua maneira de narrar. Por
exemplo, no texto assinado por Roberto Freire sobre a mãe-de-santo Olga de Ala-Kêtu,
de Salvador, em Realidade, de janeiro de 1967, à página 88, o narrador, antes de
descrever a personagem ("alga é uma mulher saudável e bonita, de traços finos, cheia
de corpo ... "), adverte:
Vou falar de Olga. Mais precisamente de dona alga Francisco Régis, uma senhora baiana
de 41 anos que se tornou famosa e respeitada na cidade de Salvador. É também conhecida
por alga do Ala-Kêtu ou aiá-Fumim ou, ainda, lá-Luifá. Porque se trata de uma mãe-de-
santo. Para falar de alga, portanto, será preciso falar de sua religião. Mas sou católico,
pouco conheço da vida espiritual e dos ritos, das pessoas de gente-de-santo, de candomblé.
a que disser é de conhecer e de ter visto. Há muito de ouvir contar também, e de coisas que
me foram ensinadas.

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 10 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

5º) Retardação através de micronarrativas.


FACULDADE Roberto Freire assina outro texto na
DE JORNALISMO
Realidade de dezembro de 1966, à página 68, sobre Chico Buarque de Hollanda - ao
qual retornaremos no capítulo com as conclusões deste trabalho -, em que são
misturados vários planos de tempo. a segmento correspondente ao presente (ao
"agora" instalado no texto) é fragmentado em vários segmentos menores que
espalhados entre os segmentos correspondentes a outros planos de tempo e
separados apenas por linhas ponteadas, funcionam como micronarrativas. Entre um
trecho em que o narrador fala de como Chico conseguiu criar um sanduíche chamado
de Holanda e outro trecho sobre a casa, no Pacaembu, em São Paulo, onde ele
cresceu, aparece o seguinte:
Embarcamos no Eletra para São Paulo. Não fumamos, apertamos os cintos, fingimos
coragem. "Lemos" jornais. A certa altura da viagem, por uma fresta da parede do
avião começa a subir intensa fumaça.
- Que é isso?
- Fumaça, não está vendo?
- Fumaça de quê?
- Ora onde há fumaça há...
Damos berros. A aeromoça aproximou-se assustada. Vê o Chico e vibra.
- Você não é Chico Buarque?
- E gostaria de continuar sendo ... olha essa fumaceira aí.
A moça ri e explica que é vapor d'água, pois há pequeno defeito no aparelho de
refrigeração. E pede-lhe um autógrafo sua fotografia na capa. A assinatura, que pôs em
cima do nariz dele mesmo, saiu meio trêmula.
Aceleração No item anterior, observamos como através da interrupção da
linearidade da seqüência temporal se retarda o desenrolar da ação na narrativa. Neste
item, nos deteremos nos recursos através dos quais a narrativa pode, por outro lado,
ser acelerada. Consideraremos três destes recursos, também citados por Mesquita:
1º) Aceleração através de diálogo. Uma história avança não através daquilo que as
personagens fazem mas, também, através daquilo que elas dizem. Ao instaurar o
diálogo na narrativa, o narrador cede a palavra às personagens, abdicando,
aparentemente, de uma função mediadora. Presença dissimulada, o narrador, de fato,
é livre para instaurar ou interromper o diálogo quando achar oportuno, devendo levar
em conta, somente, as imposições da própria narrativa (cf. Lopes & Reis, 1988, p.
235).
Como a fala de uma pessoa é, comumente, carregada de indícios sobre a sua região, a
profissão que exerce, a classe social de onde provém, segundo os autores, o diálogo
permite, de forma indireta, a caracterização das personagens e do cenário social onde
elas se movimentam, Trataremos disto adiante.
Foi, certamente, para preservar os traços caracterizadores da fala que o narrador do
texto assinado por Roberto Freire sobre o pistoleiro alagoano Zé Crispim ocupou cinco
páginas da reportagem "Profissão, matador", na Realidade de março de 1968, à página
42, apenas com diálogos. Nestas páginas foram reproduzidos - sem que o narrado r
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 11 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

em momento algum se intrometesse FACULDADE


- dois depoimentos de Zé Crispim em delegacias
DE JORNALISMO
de polícia e uma entrevista a um jornal de Alagoas. Trechos dos diálogos:
Delegado - O ex-deputado Robson Mendes foi assassinado no dia 8 de março. Foi o senhor
que o matou?
Crispim - Fui eu, sim senhor. Matei pra não morrer. Sabia que o homem ia me matar.
Delegado - Já conhecia Robson?
Crispim - Não tinha controle com ele. Vim ter depois que cheguei. Ele mandou me chamar.
Eu fui, porque ele era acostumado.
Delegado - Que foi que o sr. Robson Mendes conversou contigo?
Crispim - Eu cheguei lá na casa dele, ele disse: "José, eu quero que você trabalhe, passe
uns dias aqui comigo, pois eu fui cassado no meu mandato, sou perseguido pela Polícia e
estou disposto a morrer e a matar. Mas não me incomodo de acabar os meus dias de vida
matando gente. Tenho mais de cem pra matar".
Delegado - Qual foi o salário que ele pagou?
Crispim - O salário dele era quinze contos, vinte por semana.
Delegado - E depois?
Crispim - Depois, durante esses trinta dias que passei com eles, nesses 29 dias foram
mortos dois. Dois vigias dele. Um porque tava conversando demais, e o outro era outro
pistoleiro que foi expulso da polícia.
Crispim - Esse vigia que a gente matou foi queimado por sr. Robes Mendes, por mim e esse
rapazinho que tá aí mesmo. Transportamos e levamos uma lata de querosene, gasolina e
fomos queimá-lo em Pernambuco. Chegamos em Pernambuco, ele, sr. Robes, parou a
camioneta, arrastou o vigia pela perna, com o outro, esse menino que está aí, eu levei a
lata de querosene, a lata de gasolina, semeei por cima do vigia, enrolado numa rede, ele,
sr. Robson, riscou um fósforo e deixou a labareda que subia mais alto do que trinta metros.
Ficou queimando e nós viemos embora. Então, no caminho de lá pra cá foi assassinado sr.
Robes Mendes por mim e esse rapazinho que está aí.
2º) Aceleração através de discurso direto. No discurso indireto o narrado r usa
suas próprias palavras para transmitir o que disse alguma personagem. Em geral,
seleciona, resume e interpreta o que foi dito pela personagem. Já no discurso direto, o
narrador limitase a reproduzir a fala das personagens, fazendo uso das palavras
empregadas por elas. A voz das personagens autonomiza-se 20 (cf. Lopes & Reis,
1988, p. 275).
O discurso direto ocorre nos diálogos, como já vimos, e, ainda, nos monólogos.
Com um longo monólogo, a reportagem "Suicídio", na Realidade de março de 1968,
traz, em quatro páginas (93 a 98), a história de uma moça de 27 anos que, por três
vezes, tentara se matar. A matéria foi assinada como "depoimento a Estela Lachter" e
nela - exceto num box, ao final, com dados estatísticos sobre o suicídio e com análises
de religiosos, advogados, antropólogos e sociólogos - quem fala é só a moça,
personagem central.
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 12 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

FACULDADE
Tentei me matar três vezes. A primeira vez tinha DE JORNALISMO
17 anos, a segunda, 20, a terceira, 22. De
cada uma delas, guardei uma lembrança absolutamente diversa, mas hoje me parece que
todas as vezes foram uma só.
Tenho 27 anos e a sensação de estar só agora descobrindo o mundo. Trabalho em jornal,
escrevo. Tenho um livro para acabar de pensar, uma peça de teatro para terminar na
semana que vem, todas as inseguranças do mundo e uma fé tão grande quantas são as
minhas inseguranças. Fora isso, tendo guardado e conservado todas as experiências
suicidas por que passei - acalentando-as como uma muleta a que me apego para dizer:
aprendi, venci, logo não estou tão na fossa -, acho estranho que esteja escrevendo estas
verdades para uma revista. Enfim ...
O verbo que introduz a fala de uma personagem chama-se dicendi.
3º) Aceleração através do antes seguido do depois. Quando nada interrompe a
seqüência linear de tempo na narrativa, ela, é claro, se desenrola mais
aceleradamente do que quando tem recuos, antecipações; digressões, etc.
Duração Neste item estudaremos a relação entre o tempo de duração de um fato e o
espaço que ele ocupa numa narrativa. Vamos, de início, comparar estas proporções.
Um incidente transcorrido em alguns poucos minutos ocupou treze linhas do texto, já
citado, "Resgate de uma tribo", na Realidade de dezembro de 1966, à página 45, sobre
os quarenta dias nos quais os repórteres Carlos Azevedo e Luigi Mamprin
permaneceram na floresta Amazônica, acompanhando a missão de resgate dos índios
Caiabis, ameaçados de desaparecimento.
O incidente:
Logo depois de uma sucuri escapar prudentemente de um tiroteio, uma anta enorme tentou
atravessar à frente da frota. Assustada, mergulhou procurando voltar por onde viera.
Reapareceu, mas um tiro de fuzil que bateu na água a meio palmo de seu focinho obrigou-a
a mergulhar outra vez. Ela só voltou a aparecer na margem 50 metros adiante. Quando ia
entrando no mato, porém, recebeu o primeiro tiro. Cambaleou. Outros cinco tiros bateram
em cheio no seu corpo. Ela caiu de joelhos e depois rolou mansamente para o rio, morta.
Pesava uns 200 quilos.
Mais à frente, no mesmo texto, à página 54, um período de tempo muito maior -
correspondente a oito dos quarenta dias que duraram a missão - Ocupa igual número
de linhas.
O avião iria demorar oito dias para vir buscar a coluna. Confortavelmente instalados num
bom acampamento na beira de um córrego de águas geladas que corriam entre pedras,
com comida farta e roupa limpa, os homens começaram a se recuperar enquanto
esperavam, impacientes, a chegada do avião.
Os que tinham emagrecido começavam a engordar. Inventavam-se doces de frutas
silvestres, saía-se para caçar. Com a fartura de remédios e os cuidados do doutor Santos,
médico dos pára-quedistas, já não havia mais doentes.
Não há, portanto, necessariamente, uma correspondência entre a duração de um fato
e a extensão de espaço que Ocupa na narrativa. Para compreendermos isto,
precisamos distinguir dois termos da teoria da narrativa: história e discurso. A história

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 13 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

é a sucessão de acontecimentos, FACULDADE


personagensDEeJORNALISMO
cenários evocados pelo texto
narrativo. É o conteúdo da narrativa. Discurso é o modo como o narrador dá a
conhecer a história aos leitores, logo, é o próprio texto narrativo em que a história é
plasmada. A unidade de medida da duração da história é temporal: o segundo, o
minuto, a hora, o dia, etc. A unidade de medida da duração do discurso é espacial: a
linha Ou a página (cf. Lopes & Reis, 1988, p. 49).
Vejamos como se relacionam a duração da história com a do discurso, através das
chamadas figuras de duração:
1º) Sumário. O tempo da história aparece num espaço sensivelmente reduzido
do discurso, num espaço bem menor do que a sua ocorrência exigiria. "Se instaura
uma espécie de desvalorização da matéria narrada" (cf. Lopes & Reis, 1988, p. 293).
Dentro da narrativa, o sumário exerce diversas funções, como as de:
a) ligação entre episódios;
b) resumo de acontecimentos menos importantes;
c) rápida preparação para ações relevantes.
Essas funções são claramente perceptíveis no sumário dos oito dias da missão de
resgate dos Caiabis, transcrito há pouco. Antes do sumário há, na narrativa, o episódio
do fim da fome que atormentava a missão, ocorrido no 28° dia, e, depois, o episódio
da chegada do avião, que encerra a missão, com o transporte de seus membros para
fora da floresta.
2°) Alongamento. Efeito oposto ao do sumário. O tempo da história aparece num
espaço ampliado do discurso, num espaço maior do que a sua ocorrência exigiria. As
passagens, por isso, se dão em "câmera lenta".
Num texto sobre o trabalho de um professor de cirurgia cardíaca, assinado por Narciso
Kalili, "Silêncio: eles estão abrindo um coração" - em Realidade de agosto de 1966, à
página 106 -, o narrador ocupa um espaço correspondente a 450 linhas com a
descrição, detalhe a detalhe, de uma operação de coração, realizada numa criança. A
narrativa avança vagarosamente, conforme se pode observar nos seguintes trechos:
O dr. Campos abriu o corte: da base do pescoço de Cristina, uma garota de quatro anos e
meio, até o fim do osso esterno. Afundou o aço fino várias vezes, ultrapassando a pele e a
camada amarela de gordura. O corte não tinha mais de dez centímetros. Depois usou o
bisturi elétrico, cauterizando e fechando os pequeninos vasos que sangravam, tingindo de
vermelho as primeiras toalhas. Costurando a pele da paciente ao lençol, limitando assim a
área da operação a um retângulo de 20 a 15 centímetros, o dr. Campos comentava com
seus assistentes [ ... ].
Sílvio, o médico anestesista, anotou mais uma vez a pressão arterial de Cristina e olhou
para o quadro onde eram marcadas as quantidades de sangue perdidas pela paciente.
Comparou o número com a pressão, fez um cálculo relativo ao peso e altura da menina,
abriu o tubo que saía da garrafa de plasma e o sangue começou a pingar lentamente nas
veias de Cristina. Depois de verificar a coloração dos olhos da menina na parte irrigada
pelo sangue voltou a sentar-se.
3º) Cena. Há uma aproximação entre a duração do tempo de um acontecimento e o
espaço que ele ocupa no texto. Segundo Lopes e Reis, esta característica da cena
resulta do fato de que nela é reproduzido o discurso das personagens, com respeito
integral às suas falas e à ordem em que elas se desenvolvem. Deste fato resulta,
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 14 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

também, uma semelhança da cena FACULDADE


com o textoDE deJORNALISMO
teatro. Numa cena, o narrador
encara as personagens como atores, e as suas falas, como componentes de um
diálogo dramático. "O que implica que o narrador desapareça total ou parcialmente"
(1988, p. 233). Mas isto, naturalmente, não impede o narrador de - através de vários
recursos - continuar a controlar o desenrolar da cena. Ele distribui e introduz as falas
no texto, fornece as informações sobre as relações espaciais e psicológicas que as
personagens mantêm entre si, introduz comentários, etc. É o que faz, por exemplo, o
narrador neste trecho do texto "Os meninos de Recife" , assinado por Roberto Freire,
em Realidade de agosto de 1967, à página 24, sobre a ação assistencial de um
advogado - Maurício - entre os menores abandonados da cidade.
Maurício temia que os policiais os descobrissem. Começou a sacu. dir os meninos que
despertaram mas ficam tontos por algum tempo, até que o pretinho começou a vomitar. O
outro quis fugir. Maurício segurou-o:
- Não tenham medo, sou amigo. Enganei a Polícia. A maconha está comigo, depois
devolvo.
Os dois olhavam desconfiados e ainda meio tontos, mas não diziam nada.
- Vocês podem vir comigo, eu escondo vocês até amanhã.
- Me dê a erva - disse o pretinho.
- Ainda não. Se nos pegarem, vocês não sofrerão nada. Eu agüento a mão.
- Por que você faz isso?
- Eu não fumo cigarro, nem puxo a erva. Quero ser amigo.
- Porquê?
- Depois eu conto. Vamos embora daqui. A gente fica na igreja de um padre amigo meu. A
gente vai separado.
Maurício saiu do cano e foi caminhando pela margem do rio. Depois seguiu pela ponte.
Andava sem olhar para trás.
4º) Pausa. O tempo da história pára, interrompe-se a sucessão de acontecimentos,
personagens e cenários, mas prossegue o discurso, o texto. O prosseguimento do
discurso - do texto - fora do tempo da história é o que acontece em diversas formas de
digressão e, às vezes, na descrição - o tema da parte 4 deste trabalho.
Numa matéria sobre doenças mentais - "É a loucura" - assinada por Norma Freire, em
Realidade de junho de 1968, à página 62, há a história de Madalena, uma alcoólatra de
31 anos. A história inicia-se quando Madalena se aproxima de um grupo de crianças
que brincam com seus caminhõezinhos e suas bolas. Ela cambaleia e desaba no chão.
As crianças largam seus brinquedos e ficam olhando a mulher traçar círculos no ar com
a armação de um velho guarda-chuva, enquanto canta. Chegam os parentes de
Madalena, que a encontram chorando baixinho. Levam-na para um hospital de
doenças mentais e lá informam que ela bebe mais de um litro de cachaça por dia. O
médico que atende Madalena percebe que os sentidos dela estão embotados. Neste
instante, o narrador pára a história para dizer:

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 15 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

Doze por cento dos pacientes que FACULDADE DEhospitais


dão entrada nos JORNALISMO
de psicopatas são alcoólatras.
O alcoolismo não constitui por si só uma doença mental, assim como as toxicomanias
(cocaína e morfina, entre outras), mas indica, sem dúvida, uma inadaptação ao meio
ambiente, provocada na maioria das vezes por razões psíquicas. Entretanto, o uso
prolongado desses tóxicos vai comprometendo gra• dualmente a personalidade, causando
intoxicações que se traduzem por alterações mentais mais ou menos graves.
Só depois dessa digressão, o narrador retorna ao tempo da história de Madalena
dizendo que ela vivia tremendo, como se estivesse com frio, e que sentia muito medo.
Quando o narrador pára o tempo de uma história, não para introduzir uma digressão
ou fazer uma descrição, mas para iniciar outra história, e, depois, pára o tempo desta
última história para voltar ao daquela e, assim, vai intercalando a seqüência de uma
com a outra, diz-se que há uma alternância.
5º) Elipse. Ao contrário do que ocorre na pausa, na elipse é o tempo do discurso - do
texto - que pára enquanto prossegue o da história, isto é, a sucessão de
acontecimentos, personagens e cenários. "A elipse constitui toda forma de supressão
de lapsos temporais mais ou menos alargados" (Lopes & Reis, 1988, p. 242). É o que
em linguagem cinematográfica se designa como corte. Se o salto no tempo é
anunciado por expressões como "dez meses depois", "algumas horas mais tarde", diz-
se que a elipse é explícita.
No perfil de Roberto Carlos, assinado por Roberto Freire, na Realidade de novembro de
1968, à página 84, o jornalista-narrador-personagem acompanha o cantor durante
uma gravações de disco, programas de TV. A narrativa salta dois dias, semana, em
shows, no meio desta semana, do e momento em que os dois jantam juntos com
amigos do cantor, para quando se reencontram no aeroporto de São Paulo. O trecho
em que aparece a elipse, correspondente ao final do momento do jantar e o início do
reencontro, é o seguinte:
(Roberto Carlos) Ouviu piadas, riu de pequenas brincadeiras mas quando nos despedimos
seu sorriso continuava contrastando com as olheiras dramáticas.
Dois dias depois, no aeroporto de São Paulo, Roberto embarcava para Santa Catarina.
Estava ainda triste e abatido. No aeroporto de Florianópolis, uma multidão de jovens o
esperava. O sorriso e o aceno que dirigiu às pessoas que gritavam seu nome foi tímido,
inseguro, quase aflito.
Espaço A Folha de S. Paulo estabelece, através de seu Manual geral de redação,
edição de 1987, página 93, que suas pautas devem conter seis itens. Os cinco
primeiros revelam a dimensão abstrata dos acontecimentos selecionados para
abordagem em suas páginas: breve histórico destes acontecimentos, uma hipótese
para ser testada, aspectos mais relevantes para a linha editorial do jornal e aspectos
pouco explorados. O último item é o que dá concretude às pautas. Diz respeito às
indicações de nomes de pessoas, com seus endereços e telefones, que possam servir
como fontes de informações. A importância desta diversidade de dimensões dos itens
das pautas de uma publicação para o que nos interessa é que ela é ilustrativa de uma
verdade singela: os acontecimentos abordados pela imprensa não ocorrem num limbo
etéreo mas num espaço determinado. Por isso, para se escrever sobre eles, endereços
e telefones são indispensáveis. O espaço dos acontecimentos, recriados nos textos
veiculados na imprensa, é o que vamos estudar neste item. Como é precisamente
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 16 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

aquilo que contém um texto o queFACULDADE


nos interessa (e não o que é externo a ele),
DE JORNALISMO
comecemos pelo que José Luiz Fiorin e Francisco Platão Savioli, em Para entender o
texto (1990, p. 157), assinalam sobre as convenções na recriação do espaço dentro do
texto narrativo:
a) os fatos narrados ou as personagens podem ser distribuídos pelo narrador por
lugares distintos do texto;
b) para demarcar os vários planos de oposição espacial entre estes lugares, o
narrador instala balizas organizadoras do espaço: o aqui oposto ao aí e ao lá, ou o lado
de dentro oposto ao lado de fora, etc.;
c) se o narrador tomar, num eixo vertical, o que está no alto, como uma das
balizas organizadoras do espaço, fazendo deste ponto o seu aqui, em conseqüência, o
que estiver no baixo será o lá. Se, num eixo horizontal, tomar o que está na esquerda
como o lá, o que estiver na direita será o aqui;
d) de qualquer forma, haverá sempre nos textos demarcadores, palavras que
servem para delimitar os espaços;
e) os demarcadores são, basicamente: adjuntos adverbiais de lugar (aqui, ali, lá,
no alto, em São Paulo, etc.), substantivos que denominam espaço (pátria, Brasil,
exílio, etc.) ou palavras que designam deslocamento de personagens (saída de casa,
ida para a Bahia, etc.).
Num texto sobre os messias nordestinos - "O sertão quer um messias" _ assinado por
Dirceu Soares, na Realidade de novembro de 1968, à página 148, há a narrativa do
cotidiano de um deles, Frei Damião, em permanente peregrinação pelos lugarejos da
região. Num certo instante da narrativa ocorre um diálogo em que o aqui é Pombal, na
Paraíba, e o lá são os outros lugarejos.
- Frei Damião está em Pombal, interior da Paraíba.
- Não, aqui não está. Foi para Paulista anteontem. Hoje estará em Lagoa Escondida, a 6
léguas daqui.
Vistos os elementos necessários à organização do espaço, passemos à variedade de
aspectos que o espaço pode assumir na narrativa. Lopes e Reis (1988, p. 204)
distinguem três aspectos:
Iº) Espaço físico. Os dois autores vêem o espaço físico de dois modos: como o
cenário natural que serve ao desenrolar da ação e da movimentação das personagens
e como os elementos de decorações de interiores. Antonio Candido também -
conforme Dimas (1987) - concebe o espaço físico tanto dentro de dimensões gerais e
amplas (a praça, a rua, etc.) como de particulares e restritos (os quartos, as escadas,
os pátios) num artigo para a Revista de Letras, da Faculdade de Filosofia, Ciências e
Letras, volume 14, de 1972, sobre uma obra de Émile Zola.
Essas duas dimensões do espaço físico estão claras no texto assinado por Luiz
Fernando Mercadante, citado anteriormente, com a narrativa de três semanas de
acompanhamento das atividades dos soldados brasileiros que integraram a Força
Interamericana de Paz, convocada pela ONU para intervir na política interna de São
Domingos. A ação na narrativa inicia-se num espaço amplo:
Faróis acesos ao sol do meio-dia, para que ninguém lhe corte a frente, o comboio
brasileiro contorna a catedral de São Domingos - a mais antiga do Novo Mundo - e avança
por ruas estreitas e vazias. [ ... ] Os velhos sobrados de cores berrantes, paredes furadas
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 17 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

FACULDADE
por balas perdidas, parecem desertos. DE JORNALISMO
Mas a cidade, que se faz de morta, res. suscita em
cada quarteirão à passagem do comboio. E das casas amarelas, verdes, alaranjadas e
azuis explode em gritos roucos um coro de fantasmas:
- Go home! Go home! Invasores, go home!
Adiante, o espaço físico da ação da narrativa se reduz:
Barraca de soldado tem 30 metros quadrados. Dá para 8 homens. A cama é de lona,
brasileira, igual para todos, até para o comandante. E as paredes da barraca estão sempre
cobertas de fotografias: garotas de biqUíni, como se vê nos filmes de guerra. Entre as
estrangeiras, Ursula Andress ganha longe. Entre as brasileiras, Marivalda está em
primeiro.
2º) Espaço social. Sem o cunho às vezes estático do espaço físico, o espaço social
apreende as atmosferas que reinam em certos ambientes sociais (cL Lopes & Reis,
1988, p. 205). Portanto, o que dá forma e significação ao espaço social é tanto a
presença nele de personalidades reconhecidas em determinados ambientes, como a de
pessoas características destes ambientes, aquelas conhecidas como tipos, quando
transportadas para o universo do texto dramático.
Foi certamente por compreender que um país, além de poder ser visto como espaço
físico, pode ser visto também como espaço Social, e ainda por compreender também a
importância para cada ambiente, tanto das suas personalidades como de seus tipos,
que Luiz Fernando Mercadante tomou duas decisões ao ser encarregado pela
Realidade, em 1966, durante o governo do Marechal Castelo Branco, de perguntar à
população nacional se no Brasil havia liberdade. A primeira decisão foi a de dividir o
país, não geografica~ente, mas por seus espaços sociais. Deste modo, ele ouviu
pessoas ligadas aos setores político, artístico, estudantil, religioso, jornalístico e
sindical. A segunda foi a de ouvir tanto pessoas eminentes - o advogado Sobral Pinto,
o teatrólogo Dias Gomes, o jornalista Prudente de Moraes Neto, o presidente do
Senado, Auro Moura Andrade, o ministro do Superior Tribunal Militar, Mourão Filho,
entre outras - como tipos populares - um motorista de praça, um ascensorista e um
dono de bar. O que essas pessoas disseram está na matéria "Há liberdade no Brasil?",
publicada pela revista na edição de setembro de 1966, à página 22, assinada por
Mercadante.
3º) Espaço psicológico. Por se constituir em função da necessidade de tornar
evidente atmosferas densas, interfere no comportamento das personagens,
perturbando-o. Em conseqüência disto, há estreita relação entre o espaço psicológico e
as personagens (cf. Lopes & Reis, 1988, p. 205).
Essa interferência da atmosfera psicológica na atuação das personagens podemos
perceber na matéria que Realidade - edição de junho de 1967, página 44 - publicou
sobre o Haiti - "Viagem ao país do medo" -, descrito já na abertura como país
governado por um ditador, tornando-se uma terra de ódios raciais, repressão policial e
muita miséria. O clima psicológico reinante no país está refletido, por exemplo, neste
trecho do texto assinado por Milton Coelho:
( ... ) tanto nos olhos do ditador e sua atenta guarda pessoal, como nos dos escolares e da
"grand.e concentração popular", há uma expressão comum: o medo.

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 18 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

É também a atmosfera psicológica que numa matéria


FACULDADE sobre um plantão de 24 horas
DE JORNALISMO
numa delegacia policial de São Paulo - "Plantão policial" -, assinada por Narciso Kalili,
na Realidade de dezembro de 1966, à página 156, age sobre as personagens. Na
delegacia, descrita como um lugar por onde passam a miséria, o vício e a violência, um
sargento da Guarda Civil se dirige a um preso nestes termos:
- Cala a boca, cachorro! Se falar mais alguma coisa entra no pau!
Como pudemos ver, espaço físico, espaço social e espaço psicológico compõem a
variedade de aspectos que o espaço pode assumir na narrativa. Diversas, também, são
as formas pelas quais o espaço - em qualquer uma das suas variedades - é introduzido
na narrativa. Iniciemos o estudo destas formas apresentando um termo - ambientação
- criado por Osman Lins, que, além de romancista, foi um teórico da narrativa 24, O
escritor, segundo Dimas, prefere reservar a palavra espaço para designar dados da
realidade, denominando ambientação de "o conjunto de processos conhecidos ou
possíveis, destinados a provocar, na narrativa, a noção de um determinado ambiente"
(1987, p. 20). São três os tipos de ambientação relacionados por Osman Lins, de
acordo com Dimas:
1º) Ambientação franca. Ocorre quando é o narrador - que não participa da ação e
se pauta pelo descritivismo - quem introduz a ambientação na narrativa. Para Dimas,
neste caso, comumente torna-se nítido um certo exibicionismo técnico do autor do
texto. Esse exibicionismo cria à ambientação introduzida pelo narrador o risco de
tornar-se gratuita, uma vez que pode não se ligar completamente à ação em curso na
narrativa. Quando isso acontece, o leitor superficial acaba saltando os trechos do texto
que contêm tal tipo de ambientação. De qualquer forma, só o contexto do texto
permite avaliar se a ambientação foi utilizada adequadamente.
Segundo Dimas, é possível ao leitor saltar os trechos do texto narrativo com a
ambientação franca porque uma de suas características é a de aparecer em blocos,
isto é, de modo compacto, contínuo, às vezes com vários parágrafos que tratam de um
único tema (a tarde, a estação, a cidade, etc.) Por isso, é facilmente reconhecível.
O texto assinado por Narciso Kalili sobre o velho jangadeiro Pedra Teófilo que pesca na
praia de Canoa Quebrada no Ceará - "Uma vela contra ornar", na Realidade de maio
de 1966, à página 42 - é um caso de uso adequado da ambientação franca. No texto é
o narrador quem a introduz.
Um mar de areia cerca Canoa Quebrada. Areia solta, fofa, que sufoca a fila de 300 casas,
envolvendo tudo num manto pardo, quase marrom. Os sons desaparecem como os pés dos
homens na areia e não se ouve o barulho do mar. Atrás das casas, feitas de barro ou folhas
de palmeiras, a enorme duna sem vegetação fere a vista quando recebe sol. Na porta das
casas, silenciosas, a roupa em farrapos, meninas que já são mulheres e mulheres que
nunca foram moças gastam os olhos nos furos de um rendado que os mais velhos chamam
de labirinto. Sentadas no chão, as mulheres de Canoa Quebrada bordam desenhos sempre
iguais.
Na bodega do Antero, sétima casa numa das duas únicas ruas da vila, alguns homens
jogam o batidinha, enquanto outros discutem em voz alta num canto. Todos têm a mesma
cor. A pele parece couro velho rachado e eles falam de peixe e de mar.
A praia é um pequeno fio branco entre as barreiras cor de tijolo e o mar azul. Junto a elas
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 19 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

FACULDADE
estão as rústicas embarcações feitas de paus DE JORNALISMO
amarrados em forma de prancha. São
jangadas e suas velas têm a mesma cor da pele desses homens, os jangadeiros.
2º) Ambientação reflexa. É aquela em que as coisas são percebidas através das
personagens, sem a intromissão do narrador. Quase sempre, no entanto, o narrador
acompanha a perspectiva da personagem, numa espécie de visão compartilhada (cf.
Dimas, 1978, p. 22).
Como a ambientação franca, a reflexa também aparece em bloco de texto contínuo,
logo, reconhecível.
No texto assinado por Luiz Fernando Mercadante, já citado, com levantamento do grau
de liberdade existente no Brasil, durante o governo do Marechal Castelo Branco, no
qual o país é dividido por seus espaços sociais, quem descreve a atmosfera psicológica
reinante em cada setor são os entrevistados e não o narrador. O prior do Convento dos
Dorninicanos em São Paulo, frei Francisco Araújo, por exemplo, fala sobre a situação
da Igreja:
São os fatos que revelam a situação da Igreja. Há militantes cristãos perseguidos,
sacerdotes exilados, bispos caluniados e declarações do episcopado desacatadas
publicamente. Há um silêncio cúmplice e constrangedor de muitos setores da Igreja, diante
das violências, das torturas, dos atentados à dignidade humana e às liberdades que s6 se
explica, em parte, pelo medo da repressão. Existe no Brasil uma Igreja do silêncio. Esse
silêncio é subproduto do medo da violência e das terríveis campanhas da propaganda
dirigida por interesses bem definidos. Quem duvidar disso experimente fazer valer a
doutrina social da Igreja para ver o que acontece. A liberdade da Igreja é apenas aparente
e será tolerada somente enquanto não ameaçar de fato uma mudança nas estruturas
desumanas (p. 25).
As ambientações franca e reflexa, por virem em blocos de textos, compactamente, nos
quais o narrado r interrompe provisoriamente o relato da ação para se ocupar com a
inércia momentânea da descrição, podem criar o chamado vazio narrativo se forem
muito prolongadas. Aliás, para Dimas, o ponto central da questão do espaço na
narrativa é o da utilidade ou da inutilidade para a ação daquilo que é descrito nas
interrupções (cf. Dimas, 1978, p. 33).
3º) Ambientação dissimulada ou oblíqua. Ao contrário das duas ambientações
anteriormente vistas, a dissimulada ou oblíqua não trunca o fluxo narrativo. Nem o
narrador, nem uma personagem interrompem a ação para introduzi-la na narrativa.
Este tipo de ambientação é constituído de uma fusão de componentes com natureza
variada. A sua percepção requer do leitor redobrada atenção, pois "interpenetram-se
seres e coisas que somente a leitura demorada poderá separar, hierarquizar e avaliar"
(Dimas, 1978, p. 26). Há uma harmonização entre o espaço e a ação, um processo de
colaboração recíproca, que só o leitor perspicaz perceberá.
Essa fusão de espaço e ação pode ser observada no texto com a narrativa sobre o
cotidiano de uma pequena cidade do interior de Minas Gerais, assinada por José Carlos
Marão -"Nossa cidade" -, em Realidade de maio de 1966, à página 82.
Ao invés de o narrador interromper a narrativa para dizer que a casa do prefeito é um
imóvel de dois andares, com sofás modernos misturados a cadeiras coloniais, no andar
superior ele faz o espaço a ser descrito subjazer à ação. Diz simplesmente que, num
sábado, o juiz, o gerente do banco e o deputado local estavam
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 20 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

FACULDADE
sobriamente sentados nos sofás modernos DE JORNALISMO
e cadeiras coloniais do andar de cima da casa
do prefeito.
Posteriormente a ação volta a se refletir no espaço quando, para mostrar a vida
recatada do escritor do lugar, o narrador fixa-se num detalhe do espaço físico que ele
ocupa - a porta do seu quarto de pensão - e diz que ela só é aberta para a
personagem.
[...] receber visita, ir comer ou pegar o penico limpo do corredor.
Personagem - A personagem não existe fora das palavras, diz Beth Brait, em A
personagem. Se quisermos saber alguma coisa a respeito de personagens teremos de
encarar frente a frente a construção do texto, a maneira que o autor encontrou para
dar forma às suas criaturas e aí pinçar a "vida" desses seres. O problema da
personagem é, antes de tudo, um problema lingüístico (cf. Brait, 1987, p. 11).
Vejamos, então, inicialmente, o que os leitores puderam encontrar nos textos
assinados por três jornalistas que compuseram personagens para leitores de veículos
de linguagens e públicos distintos. Os dois primeiros - Airton Almeida e Ester Rocha -
transformaram em personagem de um texto - "Fui traída à beça", publicado na edição
do primeiro semestre de 1990 da revista Som Sertanejo (Editora Azul), à página 4 - a
cantora e compositora Roberta Miranda. No texto que assinaram, ela aparece assim:
Roberta não se envergonha de assumir, de escancarar seu lado romântico, sensível. Ao
contrário, pelos seus poros exala pura emoção. Um sentimento que, segundo prega,
nenhum ser humano tem o direito de matar, uma vez que é ele que dá movimento à vida. E
é exatamente por ter essa máxima como filosofia que da veia poética de Roberta brotam
canções repletas de histórias de amor fatalmente interrompídas em seu auge. Poemas que
tocam profundamente na alma do povo. Afinal, quem não viveu uma paixão que, ao final da
chama, não se apagou, deixando marcas?
O terceiro jornalista - Alessandro Porro -, da Realidade, à página 116, escreveu sobre
Dom Hélder Câmara, na época (julho de 1966, quando circulou a edição da revista,
com sua matéria "O Padre Hélder"), arcebispo de Olinda e Recife. A personagem Dom
Hélder foi mostrada assim:
Franzino, as mãos pequenas, como as de um menino de 10 ou 12 anos, com pouco mais de
um metro e meio de altura, 57 anos de idade (nasceu em Fortaleza em 7 de fevereiro de
1909), às vezes pula como um garoto e às vezes encolhe os ombros, como um velho de vida
mansa. Raramente fica calado, e quando isso acontece nota-se a delicadeza de sua figura,
até na maneira de andar quase voando, os pés tocando o chão o mínimo indispensável.
Mas na hora em que está falando, ou seja, quase sempre, fica esquecido todo o resto e
quem ouve é levado a concentrar-se unicamente nos seus olhos. Olhos grandes, redondos,
móveis, de cor indefinida. Olhos terríveis, de general em campo de batalha, quando o
assunto é guerra, isto é, quando fala de problemas sociais e de suas soluções. Nunca,
porém, desaparece, do lado dos olhos, uma marca que foi se consolidando com os anos.
Rugas, diria alguém. Mas não são rugas: são as marcas de um sorriso permanente.
A personagem do texto assinado por Alessandro Porro é claramente mais densa que a
do texto da revista Som Sertanejo, do ponto de vista psicológico. A densidade
psicológica é um elemento importante para distinguir as personagens quanto à sua
Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)
site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 21 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

composição. Neste item, estudaremos, em primeiro


FACULDADE lugar, a classificação das
DE JORNALISMO
personagens quanto à sua composição. A terminologia que vamos utilizar para
designar as personagens, dentro desta classificação, foi criada por E. M. Forster em
1937 no livro publicado em Londres, Aspects of the novel, citado por Brait.
1°) Personagem plana. É a personagem construída em torno de uma única idéia ou
qualidade. Cremilda Medina, em Entrevista - o diálogo possível, mostra como uma
visão parcializada faz o repórter enxergar o seu entrevistado por um único ângulo: o
da valorização do pitoresco e do inusitado, o da ironia pretensamente intelectualizada,
o da condenação - freqüente no Jornalismo Policial -, o da glamorização (cf. Medina,
1986, p. 15). Esta visão unilateral manifestada no momento da captação de
informação corresponde, certamente, no da redação dos textos, à composição de
personagem plana - uma personagem, segundo Lopes e Reis (1988, p. 218),
acentuadamente estática. Depois de caracterizada pela primeira vez, ela sempre
reincide nos mesmos gestos e comportamentos, repete tiques verbais, diz as mesmas
coisas. Enfim, torna-se pouco densa, previsível. No texto da Som Sertanejo é a
preocupação em glamorizar Roberta Miranda que impede que ela ganhe densidade.
2º) Personagem redonda. Reveste-se de complexidade suficiente para constituir
uma personagem bem marcada (cf. Lopes & Reis, 1988, p. 219). Um dos principais
fatores de sua configuração, para os dois autores, é a revelação gradual dos seus
traumas, vacilações e obsessões. É uma personagem dinâmica e multifacetada. Caso
mantenhamos, ainda, a simetria entre a criação da personagem no texto e o modo de
captação de informações, perceberemos que a este tipo de personagem corresponde,
como a denomina Cremilda Medina, a entrevista aberta. Aquela que mergulha no
outro para compreender seus conceitos, seus valores, comportamentos e histórico de
vida. O grau de elaboração mais elevado garante à personagem redonda - como a de
Dom Hélder Câmara, no texto assinado por Alessandro Porro - maior densidade.
A divisão das personagens em plana e redonda, previnem Lopes e Reis (1988, p. 218),
acarreta alguns riscos, se for encarada rigidamente. É comum que a personagem de
determinado texto oscile na sua condição, quando tem características que tornariam
possível sua classificação ora como um tipo, ora como outro.
Além dessa classificação das personagens que leva em conta a sua composição, há
outras classificações que consideram cada personagem de acordo com diferentes
critérios: função, relevo, etc. Dessas diversas classificações vamos retirar as categorias
que interessam ao Jornalismo. Comecemos por duas categorias da classificação de
Philippe Hamon, também citadas por Beth Brait.
3º) Personagem referencial. É a que, segundo Brait, remete a um sentido pleno e
fixo, imobilizado por uma cultura. Sua apreensão e seu reconhecimento dependem do
grau de participação do leitor nessa cultura.
Constantemente, a imprensa trata de pessoas que o leitor já de alguma forma
conhece, antes mesmo de ler um ou outro texto sobre elas, unicamente por estar
inserido na mesma cultura a que tais pessoas pertencem. Realidade, por exemplo, no
período de um ano - agosto de 1966 a julho de 1967 - publicou perfis de algumas
destas pessoas: Jorge Amado, Paulo Autran, Walt Disney, Arrelia, Pelé, Chico Buarque,
Grande Otelo, Zé Arigó e Oscar Niemeyer. O fato, porém, de essas pessoas existirem
para os leitores fora de um certo texto não impede que a recriação delas enquanto
personagens desse texto seja encarada também como um problema lingüístico.

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 22 de 23
PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO DE LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO


Jor

4º) Personagem anáfora. Ao contrário da personagem


FACULDADE referencial, só pode ser
DE JORNALISMO
completamente apreendida dentro do texto, ou, mais especificamente, na rede de
relações que os elementos do texto mantêm entre si. No mesmo período em que
Realidade tratou das pessoas famosas antes mencionadas, a revista também publicou
textos onde eram criadas personagens antes desconhecidas pelos leitores e que
passaram a existir exclusivamente naqueles textos, como o menino piqui, Diauá, da
matéria "Índio brinca de índio", assinada por Carlos Azevedo, na edição de agosto de
1966, à página 36.
Por fim, falemos ainda de uma categoria extraída do critério de classificação de
personagens orientado pelo relevo, isto é, pelo grau de intervenção delas na ação.
5º) Figurante. Chamada às vezes de personagem com função decorativa, ocupa um
lugar claramente subalterno, distanciado e passivo em relação aos incidentes narrados
(cLLopes & Reis, 1988, p. 209). Não tem nenhuma significação particular e inexiste do
ponto de vista psicológico, acrescenta Beth Brait. Nem por isso, no entanto, é
dispensável. Serve para ilustrar uma atmosfera, uma profissão, uma mentalidade, uma
atitude própria de certa cultura ou para constituir um traço de cor local ou ainda para
constituir um número indispensável à apresentação de uma cena em grupo.
É para ilustrar uma mentalidade e para compor uma cena em grupo que aparecem
figurantes no texto assinado por Narciso Kalili e Odacir de Mattos sobre preconceitos
raciais no Brasil, na Realidade de outubro de 1967, à página 34: "Existe preconceito de
cor no Brasil". A matéria mostra a reação das pessoas diante de um negro - o
jornalista Odacir de Mattos - nas principais capitais do País. Os trechos que
transcreveremos dizem respeito a Belém do Pará:
Nosso motorista, um caboclo de bigode, foi nos mostrando a cidade. Falou muito, ofereceu-
nos distrações noturnas e eu perguntei se em Belém havia muitos pretos:
- Aqui preto tem pouco. E os que tem, a gente não gosta. Estão espalhados nessas
construções como pedreiros. São gente muito ruim.
Um grupo de crianças pardas e negras, maltrapilhas, caminhando pela rua, me fez
recordar uma das histórias contadas por Odacir.
Enquanto Odacir examinava uma calça, o caixeiro que me atendia aproximou-se dele,
pelas costas, fez uma careta, dizendo:
- Então, mister, já escolheu? Me dê licença um instantinho que preciso desta calça para
mostrar ao freguês.
Odacir já me esperava quando desci. Muitas prostitutas faziam o "trottoir" na praça e ele
já fora abordado por uma delas, que o achou com jeito de turista. A mesma mulher, mais
tarde, abordada por um negro de Belém deu tratamento diferente, depois de alguns minutos
de conversa:
- Negro é assim mesmo. Só quer saber de sair com mulher de graça.

Professor mestre Artur Araujo (artur.araujo@puc-campinas.edu.br)


site: http://docentes.puc-campinas.edu.br/clc/arturaraujo/
ftp: ftp://ftp-acd.puc-campinas.edu.br/pub/professores/clc/artur.araujo/
Página 23 de 23