Anda di halaman 1dari 26

CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Arquitetura do Foundation FieldBus

H1 – Baixa Velocidade
H2 – Alta Velocidade
HSE – High Speed Ethernet

1. Enquanto o Profibus PA tem uma forte penetração no mercado


europeu, os mercados americano e asiático tendem a adotar o
Foundation Fieldbus (FF) como solução para barramentos de
processo.
2. A tecnologia do FF substitui a fiação tradicional de 4 a 20mA como
método de transmissão de dados entre instrumentos e controladores,
mantendo as suas características positivas como alimentação e
comunicação na mesma fiação e possibilidade de uso em áreas
classificadas.
3. A tecnologia do FF é fruto do trabalho da Fieldbus Foundation,
criada em 1994, a partir da fusão das organizações concorrentes
WordlFIP e ISP. O FF faz parte da padronização definida pela IEC
61158-2
4. A idéia básica é disponibilizar um padrão internacional de barramento
de campo para uso em instrumentos de processo em áreas
classificadas.
5. Inicialmente foram especificados três tipos de barramento:
• H1: Para instrumentos de processo em áreas classificadas
• H2: Interligação de instrumentos em geral
• HSE: Interligação dos barramentos H1 via Linking Devices

1
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Proposta do Foundation FieldBus


Ser uma solução para aplicações em controle de
processos e não só um meio de transmissão de dados
digitais.

Interconexão de instrumentos de campo, como


sensores, atuadores e controladores, na automação de
processos e de manufaturas.

Intrinsecamente seguro.

Distribuição das ações de controle entre os


instrumentos através dos blocos de função.

1. Esta tecnologia geralmente é usada em novos sistemas de automação


ou ampliação de sistemas existentes, visando uma redução dos custos
de instalação, redução dos tempos de implantação e aumento da
confiabilidade, com incremento de novas funcionalidades nos
instrumentos.
2. Além da comunicação entre os instrumentos o FF permite distribuir as
ações de controle entres estes, eliminando a necessidade de
controladores para o processo.
3. O FF tira vantagem da emergente inteligência dos dispositivos de
campo e modernas tecnologias de comunicação digital permitindo
aos usuários usufruírem de:
• Redução de fiação pelo seu compartilhamento entre vários
dispositivos;
• Comunicação de múltiplas variáveis de processo de um único
instrumento;
• Diagnósticos avançados;
• Interoperabilidade entre dispositivos de diferentes fornecedores;
• Implementação de técnicas de controle avançado no campo;
• Redução do tempo de partida de uma planta;
• Integração mais simples;
• Maior integridade dos dados e confiabilidade devido a ausência
de erros de conversão D/A e A/D e verificação de erros de
transmissão.

2
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Foundation Fieldbus e o Modelo OSI

1. As especificações do protocolo FF podem ser divididas em três


camadas: física, comunicação e aplicações do usuário.
2. Na camada de comunicação, que pode ser comparada a camada 2 e 7
do modelo OSI estão as especificações da:
• FMS: Fieldbus Message Specification
• FAS: Fieldbus Access Sublayer
• DATA LINK LAYER: Camada de enlace de dados
3. A camada de aplicação do usuário está no topo da camada sete e é
muitas vezes chamada de camada “oito” do modelo OSI, apesar de
formalmente não ser incluída neste modelo. Esta camada estabelece
uma interface entre o software de aplicação e os dispositivos de campo.

3
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Estrutura do Telegrama F.F.


Cada camada é responsável por uma quantidade de
bytes enviados.

1. Os dados que trafegam no barramento podem ser desdobrados em


várias partes, originados em cada camada do protocolo.
2. As aplicações do usuário são definidas através de blocos de função e
descrição de dispositivos (device description). Dependendo de que
blocos são implementados em um dispositivo, o usuário tem acesso a
vários serviços.

4
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Camada Física no Foundation Fieldbus


Tipos de Barramento Meio Físico
H1 – Baixa Velocidade Par trançado com/sem
31,25 kb/s, 1900m, 32 nós* blindagem
H2 – Alta Velocidade Fibra ótica (HSE)
1/2,5 Mb/s, 750/500m, 127 nós* Rádio (em
HSE – High Speed desenvolvimento)
Ethernet Topologia Física
100 Mb/s, uso de Linking Devices
Barramento com Spurs ou
Codificação Manchester Estrela(H1)
(Síncrona)
Preâmbulos e caracteres
delimitadores

1. O barramento H1 segue as especificações da norma IEC 61158-2 e


ISA S50.02.
2. O comprimento máximo de 1900 metros deve incluir as derivações
“spurs”. Com até 4 repetidores é possível alcançar 9500m usando cabo
par trançado com blindagem.
3. O uso de multicabos ou cabos sem blindagem diminuem a distâncias
permitidas.
4. São necessários terminadores de rede. Os terminadores são circuitos
RC com um resistor de 100 ohms 1/4W um capacitor dimensionado
para passar o sinal de 31,25kHz.
5. O barramento H1 pode suportar:
• 2 a 32 dispositivos que não são alimentados pelo barramento ou
• 2 a 12 dispositivos alimentados pelo barramento ou
• 2 a 6 dispositivos alimentados pelo barramento em uma área
intrinsecamente segura.
6. O barramento H2 não chegou a ser implementado como inicialmente
pensado, sendo substituído pelo barramento HSE.
7. O barramento HSE, em 100 Mbps, faz uso de “linking devices” para
comunicar se com um barramento H1 em 31,25 kbps.

5
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Codificação no Foundation Fieldbus

1. A comunicação é serial, síncrona, half-duplex, com codificação


manchester.
2. É usado o esquema de codificação Manchester bifásico com quatros
estados de codificação: 0, 1, N+ e N-.
3. São usados preâmbulos e dados delimitadores para sinalizar o inicio
e fim de uma transmissão e sincronizar o clock dos dispositivos.
4. Os estados “N+” e “N-” são usados nas seqüências delimitadoras de
início e fim de quadro.

6
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Sinalização no Foundation Fieldbus H1

1. Na linha sempre há uma tensão entre 9 e 32 volts usada para a


alimentação dos instrumentos.
2. O sinal de dados é uma tensão de 1,0 volts modulada sobre a tensão
de alimentação.
3. O dispositivo transmissor gera esta modulação de tensão variando a
sua corrente entre 15 e 20mA medidos pico a pico.
4. A fiação deve ser isolada, sem aterramento, sendo opcional o
aterramento do ponto central de um dos terminadores.

7
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

FF com Topologia Física em Barramento

1. A figura mostra uma rede FF em topologia barramento com spurs,


com detalhes das derivações e terminações com o cabo par trançado.
2. A fonte de alimentação é especial, pois deve ter sua impedância de
saída casada com a impedância do meio de transmissão.
3. Fontes comuns devem ser condicionadas instalando-se indutores em
série. Sem este condicionamento os dispositivos não transmitirão seus
dados devido a baixa impedância da fonte.
4. Estima-se que 70% de tempos de não funcionamento de barramentos
de campo devem-se a problemas físicos. Estes problemas são
agravados em redes como o FF, na qual a rede também é responsável
pela alimentação elétrica dos dispositivos.

8
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

FF com Topologia Física em Estrela

1. A topologia em árvore é bastante comum quando substituímos um


sistema que usava a tecnologia 4-20mA. Trata-se de uma mistura entre
barramento e estrela.
2. As ligações são concentradas em um dispositivo passivo, chamado de
caixa de junção, de onde parte a ligação para o computador utilizado
para configuração e supervisão do sistema.
3. Chama-se a atenção para a localização dos terminadores. Os spurs,
devido ao curto comprimento não necessitam de terminações.

9
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Camada de Comunicação do FF
Camada de enlace de dados (DLL)
Controla o acesso ao meio via um programador
determinístico para o barramento chamado de LAS
(Link Active Scheduler).
Tipos de Dispositivos
Básicos (Basic Device)
Não podem vir a ser o LAS
Mestre (Link Master)
Podem tornar-se o LAS
Pontes (Bridges)
Interconectam diferentes barramentos.

1. A camada de comunicação do FF corresponde as camadas dois e


sete do modelo OSI
2. O barramento fieldbus não tem um mestre, mas um dispositivo
responsável pelo controle de comunicação do barramento chamado de
LAS.
3. O LAS é responsável por habilitar os dispositivos a enviarem seus
dados de maneira ordenada.
4. Para o envio de dados ciclicamente, o LAS envia um comando,
chamado CD, a cada elemento da rede, permitindo a publicação de
seus dados.
5. Nenhum dispositivo pode acessar a rede sem a permissão do LAS.
6. O modelo produtor-consumidor é utilizado, pois os dados enviados
por um dispositivo (publisher) podem ser usados por todos os demais
(consumidor).

10
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Camada de Comunicação do FF
Comunicação Programada
O LAS possui os tempos em que devem ser transmitidos
ciclicamente os dados dos dispositivos.

Emite para o dispositivo uma mensagem de compilação


de dados (Compel Data). Ao receber o CD o dispositivo
envia o dado a todos os demais dispositivos.

Aqueles configurados para receber o dado são


chamados de “subscriber”.

Modelo Produtor-Consumidor

1. Há dois tipos de comunicação implementadas: Programada e não


programada. Esta denominação refere-se a periodicidade da
comunicação.
2. As mensagens programadas ou cíclicas ou periódicas são usadas
para informação que necessitem de atualização regular e periódic a
entre os dispositivos como variáveis de processo e controle.
3. A técnica usada para transferência de informação no barramento é
conhecido como modelo produtor-sonsumidor.
4. Baseado na programação predefinida pelo usuário, o LAS garante a
permissão para cada dispositivo por vez ao barramento.
5. Uma vez que o dispositivo recebe a permissão para acessar o
barramento, ele “publica” sua informação.
6. Todos os outros dispositivos podem, então, escutar a informação
publicada e gravá-la na sua memória, tornando-se um consumidor ou
assinante, se ele necessitar dessa informação para o seu uso.
7. Dispositivos que não necessitam dessa informação simplesmente
ignoram a informação “publicada”.

11
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Comunicação Programada no FF

a CD(a)
b
c
LAS FieldBus

Mensagem

Dado Dado Dado


a a a

Publisher Subscriber Subscriber

12
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Camada de Comunicação do FF
Comunicação Não Programada
Todos os dispositivos tem uma chance de enviar
mensagens não programadas entre as mensagens
programadas.

O LAS emite uma mensagem de permissão (Pass Token)


a todos os dispositivos.

Com a posse do PT um dispositivo pode enviar


mensagens a qualquer outro dispositivo ou a toda a
rede.

1. Os dispositivos também podem enviar dados de outra forma. O LAS


envia, entre as comunicações programadas, uma permissão para
envio de dados extras, de uma forma não cíclica.
2. Os dados podem ter como destino um elemento da rede específico ou
todos eles.

13
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Comunicação Não Programada no FF

x PT(x)
y
z
LAS FieldBus

Mensagem

Dado Dado

Dispositivo Dispositivo
X Y

1. O LAS envia a permissão PT para cada dispositivo por vez ao


barramento entre os intervalos de tempo da comunicação programada.
2. Uma vez que o dispositivo X recebe a permissão para acessar o
barramento, ele envia sua informação ao destinatário Y.

14
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Resumo das Funções do LAS


Manter uma lista dos dispositivos ativos na rede (Live
List).

Sincronizar os relógios dos dispositivos através de uma


mensagem específica. (Time Distribution).

Enviar a mensagem para envio programado dos dados


(Compel Data).

Enviar a permissão de comunicação não programada


aos dispositivos ativos (Pass token).

1. Também é responsabilidade do LAS conhecer os elementos ativos


na rede (Live List) e a sincronização de seus relógios.
2. Após cada ciclo o LAS envia um comando PN (Probe Node) a um
dispositivo com o objetivo de verificar a sua integridade. O ele mento
deve enviar uma resposta PR (Probe Response). Se o elemento não
responder três perguntas consecutivas ele é retirado do Live List.
3. A sincronização dos relógios é fundamental para o envio de dados em
função do tempo. O LAS envia periodicamente um comando TD com o
seu horário que deve ser usado por todos os elementos da rede.

15
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Subcamada de Acesso ao Barramento


Usa a DLL para prover serviços para a camada de
especificação de mensagens no barramento (FMS).
Os serviços são chamados de Relacionamento de
Comunicação Virtual (VCR)
Tipos de serviços
Cliente Servidor
Mensagens não programadas entre dois dispositivos.
De posse do PT, um dispositivo (cliente) solicita um dado a um outro
(servidor).
O servidor responderá quando estiver de posse do PT.
Usado para ajustes de setpoints, reconhecimento de alarmes e downloads.

1. A camada de aplicação no FF é dividida em duas subcamadas: a


subcamada de acesso ao barramento (FAS) e a especificação de
mensagens no barramento (FMS).
2. A subcamada de acesso ao barramento efetua a programação de sua
“agenda” implementando vários serviços entre o LAS e os demais
dispositivos do barramento.

16
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Subcamada de Acesso ao Barramento


Tipos de serviços
Distribuição de Informes
Mensagens não programadas entre grupos de dispositivos.
De posse do PT um dispositivo envia dados para um grupo de endereços
definidos para este serviço.
Usado para notificação de alarmes para os sistemas de supervisão e
históricos de variáveis.
Produtor Consumidor
Mensagens programadas entre vários dispositivos.
De posse do CD, o dispositivo publicará os seus dados a todos os demais.
Os demais dispositivos são chamados de assinantes (subscribers).
Usado para publicação dos valores de entrada e saída dos instrumentos.

17
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

FF e as Aplicações do Usuário
O controle do processo é efetuado a partir de um
modelo de blocos de função distribuídos entre os
dispositivos.
Objeto Bloco
Classes: Função (AI, PID, AO, TOT, etc)
Transdutor
Físico
Objeto Alarme
Objeto Evento
Objeto Histórico
Objeto Display
Cada Bloco tem um TAG definido pelo usuário.

1. Todas as funções e dados de um dispositivo FF estão definidos em três


tipos de blocos (Físico, Transdutor e Função).
2. Cada dispositivo tem pelo menos um bloco Físico, podendo ter um ou
mais blocos de Função e Transdutor.
3. O bloco Físico descreve as características do dispositivo, como
identificador (TAG), fabricante, número de série, versão de firmware
etc.
4. O bloco Função descreve quais são as funções do dispositivo e como
elas serão acessadas. A especificação do FF define vários tipos de
blocos de função:
- AI: Entrada analógica
- AO: Saída analógica
- PID: Controlador Proporcional-Integral e Derivativo.
- TOT: Totalizadores
- DI: Entrada digital
- DO: Saída digital
5. O bloco Transdutor contem informações necessárias para transformar
a medição efetuada pelo sensor em uma grandeza física equivalente.
Contém dados sobre o tipo de sensor do instrumento e sua calibração.
6. Além dos objetos blocos, o FF especifica outros objetos responsáveis
por outros tipos de serviços para o usuário.
7. A configuração do sistema através destes blocos pre-programados
permite que o usuário final economize tempo de programação e
permite que dispositivos sejam substituídos sem grandes traumas, já
que o substutituto terá os mesmos blocos do dispositivo substituído.

18
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Configurando uma Rede FF


Interligação de Blocos através de um configurador

1. A configuração dos instrumentos FIELDBUS consiste basicamente na


interligação lógica dos diversos blocos funcionais implementados em
cada dispositivo da rede através de um software configurador, além da
definição dos parâmetros de controle de cada bloco. São definidos
também as conexões indicadoras de alarme e diversos eventos que
podem ocorrer na malha de controle.
2. Na figura temos a representação genérica de um bloco funcional que
possui suas entradas, saídas e parâmetros de controle; fazendo uma
referência aos níveis de protocolo observa-se que este tipo de
configuração envolve apenas a camada superior, ou seja, a camada do
usuário; nenhuma preocupação é tomada com relação à forma como se
procederá a comunicação (solicitação de token, etc.) nem tampouco
como será entregue a comunicação ao nível físico.
3. O protocolo de comunicação é tratado internamente pelos próprios
blocos funcionais que são responsáveis tanto pelas comunicações
cíclicas (publicações de parâmetros para supervisão e links) quanto
pelas comunicações acíclicas (notificações de alarmes/eventos,
informações de diagnóstico e de display, etc.).

19
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Exemplo FF 1 – Controle de vazão

FIC-123

FT-123
FCV-123

AO
AO
AI
AI
PID
PID

Vazão de Água

1. Neste exemplo mostra-se como montar uma configuração FIELDBUS


que realize a lógica de controle de vazão de água usando um
controlador PID.
2. Fisicamente serão necessários dois instrumentos FIELDBUS : um
transmissor de pressão diferencial (FT-123) que irá ler a vazão da
tubulação, e um conversor de sinal fieldbus para corrente, cujo sinal de
saída (4 a 20mA) irá alimentar um atuador de campo (a válvula FCV-
123) que fará o controle da vazão.
3. Além dos instrumentos será necessária uma interface para a
configuração que pode ser uma placa de rede FF para instalação em
um PC ou uma placa de interface para um controlador lógico
programável, também chamado de “bridge” ou ainda um “linking
device”.
4. O controlador PID não existe fisicamente. Sua função está embutida
em um bloco de função PID no conversor FF/corrente.

20
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Estratégia de Controle do Exemplo 1

FT-123 FT-123

FCV-123
FCV-123

1. Na estratégia de controle são visualizados os blocos utilizados e suas


interligações. Esta estratégia é montada no software de configuração e
enviada para os dispositivos através de um procedimento chamado de
“download”.
2. Em cada instrumento físico são obrigatórios o uso dos blocos de
RESOURCE (RES) e TRANSDUTOR (TRD). O uso dos blocos DISPLAY
(DSP) é vinculado a existência de display local em cada instrumento.
3. Os blocos de função necessários são a entrada analógica (AI) do FT -
123 que irá disponibilizar a vazão medida para o bloco PID do FCV-123
e um bloco de saída analógica (AO) que irá enviar o valor de abertura
da válvula de controle.

21
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Parametrização dos Blocos do Exemplo 1

1. O Trabalho de configuração dos instrumentos Fieldbus, consiste dentre


outras coisas, na parametrização dos blocos funcionais que serão
utilizados pelos instrumentos.
2. Na figura a esquerda podemos ver o como o software de
configuração mostra os blocos de cada instrumento existentes na
rede.
3. Na figura a direita, entramos dentro do bloco AI. Em geral, todo bloco
funcional possui uma entrada para algum tipo de variável (seja de um
elemento sensor ou simplesmente uma variável de saída de outro
bloco).
4. Na figura é destacado dois parâmetros que podem causar alguma
confusão. Trata-se dos parâmetros de escalonamento da variável de
entrada (XD_SCALE) e de saída (OUT_SCALE) presente no bloco.
5. Estes parâmetros fazem a conversão de valores de entrada ou saída
para valores em unidades de engenharia.
6. No caso, o bloco AI tem como entrada um sinal de pressão
diferencial de 0 a 200 polegadas de água. Este sinal sofre uma
operação de raiz quadrada (L_TYPE) sendo disponibilizado na saída
como um sinal de vazão entre 0 a 150 m3/h.

22
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Exemplo FF 2 – Controle de Temperatura


Controladores PID em cascata
Controlador Controlador
Primário Secundário
SP SP
%
Temp Erro Vazão Erro
PID PID Abertura
Temperatura Vazão

Vaso Válvula
Temp Vazão

1. O controle em cascata é uma técnica avançada de controle onde são


empregados dois controladores onde o secundário ou escravo recebe
seu setpoint do primário ou mestre.
2. Esta técnica é usada para melhorar a rejeição a distúrbios e o
desempenho do sistema reduzindo as constantes de tempo de malha
fechada.
3. A figura ilustra o caso de controle de temperatura dentro de um
vaso que contém uma substância aquecida com vapor.
4. A vazão de vapor é controlada por uma válvula de controle
modulando a sua abertura a partir do sinal do controlador secundário.
5. São ilustrados controladores PID, mas a prática recomenda que o
controlador secundário seja apenas proporcional, já que erros de offset
não são importantes nesta etapa.
6. Já o controlador primário deve ser proporcional- integral para
eliminar os erros de off-set na variável final de controle, a temperatura.

23
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Estratégia de Controle do Exemplo 2

Vapor

FT101
AI
TIC100.OUT

IN
CAS
SP TIC100
PID FIC101
PID FCV101
AO

IN

AI
TT100
Produto

Produto Aquecido

1. O FF foi criado para permitir que mesmo controles em cascata em


dois ou três níveis fossem implementados totalmente dentro dos
instrumentos de campo.
2. No exemplo são usados três instrumentos, um transmissor de
temperatura (TT100), um transmissor de vazão (FT101) e uma válvula
de controle (FCV101) em um mesmo segmento de rede FF H1.
3. Na estratégia de controle, o controlador PID de temperatura é
configurado usando um bloco de função do instrumento de medição de
temperatura tendo a sua saída cascateada com o setpoint do
controlador de vazão, implementado, por sua vez no instrumento de
medição de vazão.
4. São usados os blocos de função AI dos instrumentos de processo
para disponibilização das variáveis medidas e um bloco de função AO
para estabelecer o valor de abertura da válvula de controle.
5. O barramento FF H1, usando os seus serviços de comunicação será
o responsável por transferir os dados entre os blocos de função
localizados em instrumentos diferentes.
6. O setpoint será definido na estação de supervisão ou interface
homem máquina, onde também usará os serviços de comunicação do
FF para a disponibilização de alarmes e tendências, e ainda eventuais
reconfigurações.

24
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Arquitetura Foundation FieldBus HSE

HSE (High Speed Ethernet)

Linking E/S
Device Gateway
PLC
Analyzers

Dispositivos
As-I/DeviceNet/DP/etc
HSE Linking
Device

H1
Dispositivos H1 e
Convencionais

Dispositivos H1

1. High-Speed Ethernet (HSE) é o “backbone” do FF rodando em


100Mbits/s usando hardware Ethernet. Assim como o FF H1, o FF HSE
também é um padrão IEC 61158, só que do tipo 5.
2. Os dispositivos FF H1 são ligados a este backbone via dispositivos
chamados de “linking devices”. Estes dispositivos geralmente têm de
um a quatro canais de comunicação H1.
3. O HSE permite a interligação dos vários segmentos de redes FF H1
possibilitando a troca de dados entre eles e aumentando a sua
capacidade em número de nós e alcance físico.
4. Cada segmento H1 tem seu próprio LAS localizado, geralmente, no
próprio “linking device”. Esta característica permite que os segmentos
de rede H1 continuem operando mesmo se há alguma anomalia no
“backbone” HSE.
5. A principio o HSE é uma rede de controle, interligando CLPs,
gateways para outros protocolos e “linking devices”, mas há a
expectativa de disponibilização de dispositivos de campo com portas de
comunicação HSE para uso em áreas não classificadas.

25
CEFET-RN / Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial / Redes Industriais – Aula 08

Foundation FieldBus HSE


Uso das camadas de aplicação e de usuário do FF H1
Mesmo software de configuração
Diferenças na segurança intrinseca e alimentação
Mapeamento das funções de camada de aplicação via
UDP/IP
Tendência de interface no próprio dispositivo de campo
para ambientes não classificados.
Possibilidade de redundância
Obrigatória para tráfego de mensagens de controle

1. FF HSE usa as mesmas camadas de aplicação e usuário do FF H1


sendo totalmente interoperacional.
2. Fisicamente não é possível a alimentação elétrica pelo mesmo cabo
de rede como no H1, apesar de que há estudos para usar o padrão
IEEE 802.3af que distribui tensão elétrica DC nos pares não usados do
cabo UTP de 4 pares da ethernet.
3. Os “linking devices” executam as funções especificadas na camada de
enlace do padrão FF, no entanto, ao invés de mapear as funções
usando o barramento H1, HSE mapeia as funções FF para os protocolos
UDP e IP em datagramas levados pela Ethernet 100BaseT.
4. Isto significa que podem ser usados o hardware disponível para
Ethernet onde as condições permitirem. Sob condições adversas, como
excesso de ruído, vibrações e temperaturas extremas o hardware
dedicado a Ethernet Industrial é uma opção.
5. HSE é projetado para fornecer tolerância a faltas usando redundância
de cabeamento. Se o HSE for ser usado como parte de um controlador
em malha fechada (com realimentação), a entrega de mensagens em
tempo real é crítica. Onde a mensagem referente a esta malha de
controle trafegue, o segmento de cabo deve ser redundante.
6. O esquema de redundância do HSE entra em ação mesmo sem
falhas no cabeamento. Ele atua quando não consegue entregar uma
das mensagens críticas.
7. A redundância do HSE faz com que uma mensagem seja enviada por
todos os segmento de um barramento ao mesmo tempo. Somente uma
será usada pelo destinatário, mas a outra é interceptada como um
método de gerenciar a redundância. Uma falha no recebimento da
mensagem redundante indica uma eventual falha neste segmento.
26