Anda di halaman 1dari 6

Transformadores de Potência ® Clever Pereira / UFMG

Eletrotécnica – TEXTO Nº 6
TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

1. INTRODUÇÃO
OBJETIVO PRINCIPAL: Estabelecimento de modelos matemáticos
para transformadores de potência monofásicos, de forma a
propiciar o cálculo das correntes, tensões e potências quando
estiverem operando em regime permanente senoidal na freqüência
de serviço de 60 Hz.

2. TRANSFORMADOR IDEAL
2.1. Hipóteses BÁSICAS
„ Fluxo varia senoidalmente:
x regime permanente senoidal.
„ Núcleo com permeabilidade
magnética infinita: i2 )
+
+
x não é necessária nenhuma Fmm v2 e2 N2
- - i1
para magnetizar o núcleo; +
+
x todo fluxo confinado ao núcleo, v1e1 N1
logo não existem indutâncias
- -
de dispersão.
„ Enrolamentos com U nula:
x resistências dos enrolamentos Fig. 1 – Transformador Ideal
nulas.

2.1. Relação de tensão


Para as hipóteses básicas consideradas para o trafo ideal, as
tensões induzidas nos enrolamentos são iguais às tensões
terminais. Assim
­ v1 (t ) e1 (t )
® (1)
¯ v 2 (t ) e2 (t )
1
1 de 11
Transformadores de Potência ® Clever Pereira / UFMG

Sabe-se ainda que


­ dO1 (t ) d) (t )
°° e1 (t ) dt
N1
dt (2)
®
° e (t ) dO2 (t ) d) (t )
N2
°¯ 2 dt dt

Substituindo as equações (2) nas equações (1) resulta que


v1 (t ) e1 (t ) N1 (3)
NV N
v2 (t ) e2 (t ) N2

onde N é comumente denominada de relação de transformação do


trafo ideal. Em regime permanente senoidal (RPS) tem-se que
V1 E1 N1
NV N (4)
V2 E2 N2
A equação (4) mostra, além da relação de módulo, que as tensões
terminais estão em fase.

2.2. Relação de corrente

Lei de Ampère
G G
v³ H ˜ d A ienv =Fmm (5)
G
onde H é a intensidade de campo magnético e ienv é a corrente
envolvida,
G G também chamada de força magnetomotriz Fmm. Como
H e A possuem o mesmo direção e sentido, então
G G
v³ H ˜ d A v³ H . d A N1 ˜ i1  N 2 ˜ i2 = Fmm (6)

Desta forma, considerando na equação (6) que Fmm = 0, resulta


que, em regime permanente senoidal,
N1 I1  N 2 I 2 0 Ÿ N1 I1 N2 I2 (7)
ou seja, a relação de corrente NI vai ser dada por
I1 N2 1 1
NI (8)
I2 N1 NV N
A equação (8) mostra também que, além da relação de módulo, as
correntes terminais estão em fase.
2
2 de 11
Transformadores de Potência ® Clever Pereira / UFMG

2.3. Relação de potência

Nos terminais 2, muitas vezes denominados terminais secundários,


a potência complexa é dada por

§ V1 ·
¨ ¸ ˜ N ˜ I1

S 2 = V2 ˜ I 2* V1.I1* S1 (9)
©N¹

ou seja
S1 S2 (10)

Desta forma, conclui-se que a relação de potência NS dos trafos


ideais é unitária, ou seja

S1
NS =1 (11)
S2

Desenvolvendo um pouco mais a equação (11) vem que


*
S1 V1 ˜ I1* V1 §I ·
NS = ˜ ¨¨ 1 ¸¸ Ÿ NS NV ˜ NI 1 (12)
S 2 V2 ˜ I 2* V2 © I2 ¹

2.4. Representação de Circuito de um Trafo Ideal

NO DOMÍMIO DO TEMPO EM REGIME PERMANENTE SENOIDAL

i1(t) N:1 i2(t) I1 N:1 I2

v1(t) N1 N2 v2(t) V1 N1 N2 V2

Fig. 2 – Representações de circuito de um transformador ideal.

3
3 de 11
Transformadores de Potência ® Clever Pereira / UFMG

2.5. Impedância situada em um dos lados de um trafo e vista


pelo (ou referida ao) outro lado do trafo

Considere uma impedância Z2 ligada no secundário do trafo ideal


(lado 2), conforme a figura 3 abaixo. Pela lei de Kirchoff das
tensões tem-se que
V2
V2 Z2 ˜ I2 Ÿ Z2 (13)
I2

I1 N:1 I2 I1

2
­ § N1 ·
'
° Z 2 ¨¨ ¸ ˜ Z2 N 2 ˜ Z2
° N 2 ¸¹
V1 N2 V2 Z2 { V1 V 2
'
Z '
2 ® ©
° ' V2
°¯ V2 N

Fig. 3 – Circuitos com impedância ligada no lado 2 de um trafo

Desta forma, expressando em (13) as grandezas terminais do lado


2 em função das grandezas terminais do lado 1, vem que
V1 N 1 V1
Z2 (14)
N ˜ I1 N 2 I1
ou seja, a impedância vista pela fonte situada no lado 1 vai ser
V1 Z2
N 2 ˜ Z2 NV2 ˜ Z 2 Z 2' (15)
I1 N I2
'
Na equação (15), Z 2 é a impedância Z2 do secundário (lado 2) vista
pelo (ou referida ao) primário (lado 1).

Exemplo 1
I1 I2
A figura ao lado apresenta um
transformador ideal com uma
impedância Z2 ligada no seu
secundário (lado 2), que possui 500 V1 N1 N2 V2 Z2
espiras. Este transformador possui 200
espiras no primário (lado 1). Quando
ele é energizado no primário por uma
fonte de tensão ideal de 1200 V Fig. 4 – Transformador Ideal do Exemplo 2.
eficazes, circula uma corrente de 5 A,
4
4 de 11
Transformadores de Potência ® Clever Pereira / UFMG

com fator de potência 0,866 indutivo. Para este transformador pede-se


determinar:
(a) A potência complexa fornecida pela fonte situada no lado 1;
(b) A relação de transformação N deste transformador;
(c) As relações de transformação de tensão NV, de corrente NI e de potência
NS para este transformador;
(d) O valor da impedância Z2 vista pela fonte situada no primário;
(e) O valor real da impedância Z2;
(f) A tensão, corrente e fator de potência no enrolamento secundário;
(g) A potência complexa entregue à impedância Z2.

Solução
(a) Admitindo a tensão da fonte na referência, tem-se que
V1 1200‘0qV
e
T1 a cos 0,866 30q
e desta forma, como a corrente é indutiva, ela está atrasada em
relação à tensão, ou seja
I1 5‘  30q A

A potência complexa fornecida pela fonte vai ser então de


S1 V1 ˜ ( I1 )* 1200‘0q ˜ 5‘  30q
*

6000‘30q VA 5196,15  j 3000,00 VA

(b) A relação de transformação N vai ser dada por


N1 200
N 0,4
N2 500

(c) As relações de transformação de tensão NV, de corrente NI e de


potência NS vão ser dadas por
NV N 0, 4
1 1 1
NI 2,5
NV N 0, 4
NS 1

5
5 de 11
Transformadores de Potência ® Clever Pereira / UFMG

(d) A impedância vista pela fonte no primário vai ser a relação da


tensão pela corrente no primário, e é também o valor da
impedância ligada no secundário, vista pela fonte no primário,
ou seja
V1 1200‘0q
Z 2' 240‘30q :
I1 5‘  30q

(e) O valor real da impedância Z2 vai ser então de


2 2
§ N2 · § 500 ·
Z2 ¨¨ ¸¸ ˜ Z 2' ¨ ¸ ˜ 240‘30q 2,5 2 ˜ 240‘30q 1500‘30q :
N
© 1¹ © 200 ¹

(f) A tensão, a corrente e o fator de potência no lado 2 vão ser

­ V1 1200‘0q
° V2 N 3000‘0q V
0, 4
°°
® I 2 N ˜ I1 0, 4 ˜ 5‘  30q 2‘  30q A
°
° fp cos(30q) 3
0,866 indutivo
°̄ 2

(g) A potência complexa desenvolvida na impedância Z2 pode ser


calculada por
*
S 2 V2 ˜ ( I 2 )* 3000‘0q˜ 2‘  30q
6000‘30q VA 5196,15  j 3000, 00 VA

Por se tratar de um trafo ideal, a potência complexa entregue


no secundário (lado 2) é a mesma que a fonte entrega no
primário (lado 1), uma vez que a relação de potências
complexas NS de um trafo ideal é unitária.

É importante o leitor ter em mente que o primário nem sempre


é o enrolamento de maior tensão e que a atribuição deste
nome a um determinado enrolamento é completamente
arbitrária.

6
6 de 11