Anda di halaman 1dari 37

Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

Plinio Marcos Moreira da Rocha <pliniomarcosmr@gmail.com>

Deu a LOUCA em gilmar mendes


Plinio Marcos Moreira da Rocha <pliniomarcosmr@terra.com.br> 26 de agosto de 2016 01:56
Responder a: pliniomarcosmr@gmail.com
Para: gabinetepessoal@presidencia.gov.br, jorgeviana.acre@senador.leg.br, jose.agripino@senador.leg.br,
gab.josepimentel@senado.gov.br, sarney@senador.leg.br, katia.abreu@senadora.gov.br, lidice.mata@senadora.gov.br,
lindbergh.farias@senador.leg.br, lobaofilho@senador.leg.br, lucia.vania@senadora.gov.br, luizhenrique@senador.leg.br,
magnomalta@senador.leg.br, crivella@senador.leg.br, maria.carmo@senadora.gov.br, marinorbrito@senadora.gov.br,
mario.couto@senador.leg.br, martasuplicy@senadora.gov.br, paulobauer@senador.leg.br, paulodavim@senador.leg.br,
paulopaim@senador.leg.br, simon@senador.leg.br, reditariocassol@senador.leg.br, renan.calheiros@senador.leg.br,
roberto.requiao@senador.leg.br, rollemberg@senador.leg.br, romero.juca@senador.leg.br, gabminjoaquim@stf.jus.br,
mgilmar@stf.jus.br, imprensa@alvarodias.com.br, justica.aberta@cnj.jus.br, marcoaurelio@stf.jus.br,
gabineteluizfux@stf.jus.br, audienciasgilmarmendes@stf.jus.br, audienciacarmen@stf.jus.br, gabmtoffoli@stf.jus.br,
"us.br" <audiencias-minrosaweber@stf.j>, audienciamlrb@stf.jus.br, gabconselheiroclaudioportela@cnmp.mp.br,
sgct.subsidios@agu.gov.br, francisco-ricardo.silva@agu.gov.br, denise.rezende@agu.gov.br
Cc: CIDHPortal@oas.org, jvermeiren@oas.org, gochoa@oas.org, scholarships@oas.org, Lkoechlin@oas.org,
cidhdenuncias@oas.org, cidhoea@oas.org, pliniomarcosmr@gmail.com

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: heino.vonmeyer@oecd.org, damon.allen@oecd.org, matthias.rumpf@oecd.org, julien.dubuc@oecd.org,
sabine.vollmer@oecd.org, marina.meurer@oecd.org, irina.kharuk@oecd.org, mariam.salloum@oecd.org,
felix.michel@oecd.org, clarissa.behr@oecd.org, iskender.dogan@oecd.org, tarik.hennings@oecd.org,
alejandro.camacho@oecd.org, adriana.montejano@oecd.org, carolina.ziehl@oecd.org, ivonne.lopez@oecd.org,
mexico.contact@oecd.org, ivan.cunill@oecd.org, flor.cabrera@oecd.org, rocio.medina@oecd.org,
cesar.olvera@oecd.org, maria.saucedo@oecd.org, oecd.forum@oecd.org, media.registration@oecd.org,
jan.landess@oecd.org, natascha.hansen@oecd.org, lily.emamian@oecd.org, neila.bachene@oecd.org,
diana.klein@oecd.org, rory.clarke@oecd.org, webmaster@oecd.org, luisa.constanza@oecd.org,
dan.morisson@oecd.org, ideafactory@oecd.org, danite.arefaine@oecd.org, hope.stewart@oecd.org,
phyllis.flick@oecd.org, marina.bradbury@oecd.org, jean.delarochebrochard@oecd.org, axel.froissart@oecd.org,
denise.green@oecd.org, christine.clement@oecd.org
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h55min18s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: gabinete.presidente@tribconstitucional.pt, gab.vice-presidente@tribconstitucional.pt,
tribunal@tribconstitucional.pt, processos@tribconstitucional.pt, gre@tribconstitucional.pt,
biblioteca@tribconstitucional.pt, Mpublico@tribconstitucional.pt, ecfp@tribconstitucional.pt, geral@jf-alvalade.pt,
cne@cne.pt, belem@presidencia.pt, adc@concorrencia.pt, cej@mail.cej.mj.pt, secretariado-direccao@mail.cej.mj.pt,
secretariado-estagios.mp@mail.cej.mj.pt, secretariado-estagios.juizes@mail.cej.mj.pt, formacao-def@mail.cej.mj.pt,
cristina.c.messias@mail.cej.mj.pt, biblioteca-dc@mail.cej.mj.pt, arquivo-dc@mail.cej.mj.pt, info@jf-lumiar.pt,
geral@cada.pt, joana.pizarro@erc.pt, info@erc.pt, correio@dgpj.mj.pt, icjp@fd.ulisboa.pt, cidp-icjp@fd.ulisboa.pt,
reitoria@ulisboa.pt, geral@estadio.ulisboa.pt, presidente@fa.ulisboa.pt, info@fba.ul.pt, info.fcul@ciencias.ulisboa.pt,
secretariadodir@fd.ul.pt, geral@ff.ul.pt, info@letras.ulisboa.pt, fml@medicina.ulisboa.pt, geral@fmd.ulisboa.pt,

1 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

cg@fmv.ulisboa.pt, fmh@fmh.ulisboa.pt, geral@psicologia.ulisboa.pt, instituto.ciencias.sociais@ics.ul.pt,


geral@ie.ulisboa.pt, igot@ulisboa.pt, cgisa@isa.ulisboa.pt, correio@iscsp.ulisboa.pt, presidencia@iseg.ulisboa.pt,
mail@tecnico.ulisboa.pt, info@sas.ulisboa.pt, geral@museus.ul.pt, info@confucio.ul.pt, 3Is@reitoria.ulisboa.pt,
idl@fc.ul.pt cm@coe.int, veneci@coe.int, informtirana@coe.int, coe.yerevan@coe.int, coe.pristina@coe.int, conseil-
europe.rabat@coe.int, conseil-europe.tunis@coe.int, coeinbrussels@coe.int, bureaudeparis@coe.int,
ankara.office@coe.int, fieldbaku@coe.int, belgrade.office@coe.int, fieldchisinau@coe.int, kyiv@coe.int,
informmoscow@coe.int, coe.sarajevo@coe.int, coe.skopje@coe.int, informtbilisi@coe.int, odgp@coe.int,
correiocc@cconstitucional.org.mz, fernandoc@supremo.gov.cv, mariadoceumont@hotmail.com,
tribunal@tribconstitucional.pt, stjustica@cstome.net, tribunal.recurso@tribunais.tl
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h54min44s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: ramon.mendez@dne.miem.gub.uy, relacionesexternas@aduanas.gub.uy, relacionesinstitucionales@
sigen.gov.ar, rguimaraes@mercosur.org.uy, rmencia@mercosur.org.uy, Roxanasanchez2003@yahoo.com.ar,
rramilo@msp.gub.uy, rscheuer@mercosur.org.uy, rsurraco@mercosur.org.uy, sbenavides@vue.org,
sdinama@adinet.com.uy, sduarte@conacyt.gov.py, sebastian.torres@dni.miem.gub.uy, secagri@minagri.gov.ar,
secapc@mef.gub.uy, secddhh@mec.gub.uy, secdir@onsc.gub.uy, secfiscorte@adinet.com.uy,
secmin@minterior.gub.uy, secministro@mec.gub.uy, secmujer-sec@sce.cnc.una.py, secpriv@mecon.gov.ar,
secpriv@turismo.gov.ar, secretaria@dinamige.miem.gub.uy, secretaria@dinapyme.miem.gub.uy,
secretaria@dne.miem.gub.uy, secretaria@dni.miem.gub.uy, secretaria@mercosur.int, secretaria@mercosur.org.uy,
secretaria@ugt.org.br, secretariainju@mides.gub.uy, secretariapriv@mininterior.gov.ar, secretariaprivada@jus.gov.ar,
seprimef@mef.gub.uy, silvana.montesdeoca@mrree.gub.uy, sloto@mercosur.org.uy, sm@mrree.gub.uy,
snufces@mercosur.org.uy, sprivada@mic.gov.py, sramirez@seciu.edu.uy, ssilvia@uocra.org, strinter@mspbs.gov.py,
suala@mrecic.gov.ar, subie@mrecic.gov.ar, subsec@mef.gub.uy, subsecretaria@mec.gub.uy,
subsecretario@mides.gub.uy, subsecretario@miem.gub.uy, subsecretario@msp.gub.uy, subseindu@mecon.gov.ar,
sunia1800@gmail.com, sweissel@mtss.gub.uy, tellechea@mec.gub.uy, tmatsuo@mre.gov.py, uai@mgap.gub.uy,
ubiriafiscorte@adinet.com.uy, umin@me.gov.ar, unalisis@mef.gub.uy, unidadsecretario@sedronar.gov.ar,
urualadi@adinet.com.uy, utpc@hacienda.gov.py, vayala@mercosur.org.uy, vfigueredo@cultura.gov.py,
viceministra@mec.gub.uy, victorfranco8@gmail.com, vidal.pereira@hotmail.com, vmreipy@gmail.com,
vpereyra@mercosur.org.uy, waguero@mic.gov.py, wbogarin@mic.gov.py, yanina.corsini@dni.miem.gub.uy,
zaratefb@gmail.com, zaratefb@yahoo.com, zherebia@hotmail.com, zp5msb@gmail.com, zso@dgeec.gov.py,
zulmasosaportillo@gmail.com
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h54min11s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: jagnolo@mercosur.int, jcorvalan@bcp.gov.py, jfelez@mercosur.org.uy, jigorra@ursec.gub.uy,
jlivieres@mre.gov.py, jmcalvo@ine.gub.uy, jmiola@mercosur.org.uy, jmiranda@mec.gub.uy,
jose_cuevas@hacienda.gov.py, jose.heijo@dni.miem.gub.uy, jpereira@mre.gov.py, jrobaina@mef.gub.uy,
karinarodrig@gmail.com, karineh@bcu.gub.uy, khashimoto@mre.gov.py, laura.dacosta@mef.gub.uy,
ldighiero@aduanas.gub.uy, lizverahermosa@gmail.com, lkechichian@mintur.gub.uy,
Lmacedo.competencia@mef.gub.uy, lorenahague@hotmail.com, lriart@rieder.net.py, maddario@mre.gov.py,
mamarilla@mre.gov.py, maravictoria@hotmail.com, mariaboldorini@hotmail.com, maruiz@aduana.gov.py,
mdemestri@mercosur.org.uy, mercoaladi@dedicado.net.uy, mercosul@inmetro.gov.br, mercosul@itamaraty.gov.br,
mercosur@mrree.gub.uy, mercosur@mspbs.gov.py, mercosur@mtss.gub.uy, mferretti@mercosur.org.uy,

2 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

mghiglia@mercosur.org.uy, mgomez@mercosur.org.uy, mhottum@mercosur.org.uy, ministra@mides.gub.uy,


ministra@mujer.gov.py, ministro.estado@itamaraty.gov.br, ministro@mct.gov.br, ministro@mgap.gub.uy,
ministro@mj.gov.br, ministro@mopc.gov.py, ministro@msp.gub.uy, ministro@mspbs.gov.py, ministro@saude.gov.br,
ministromtss@mtss.gub.uy, mjt@conexion.com.py, mllano@mre.gov.py, mlopez@mercosur.org.uy,
mmcaceres@mre.gov.py, mmelgarejo@mercosur.org.uy, mmoccero@mercosur.org.uy, monica@seciu.edu.uy,
mpena@mic.gov.py, mpiacenza@mgap.gub.uy, mtrolon@mic.gov.py, mzarategui@mercosur.org.uy,
ndasilva@mre.gov.py, negociaciones.organismos@mrree.gub.uy, nferreira@mef.gub.uy, nimia.torres@gmail.com,
noymeyore@yahoo.com, nto@dgeec.gov.py, olga.otegui@dne.miem.gub.uy, osgci@minamb.gob.ve,
osrodriguez@mre.gov.py, osvaldoayala@conatel.gov.py, pablo.villar@dinapyme.miem.gub.uy, palvarez@mec.gub.uy,
pbaez@mercosur.org.uy, pier.rossi@dinamige.miem.gub.uy, pilar.silveira@mef.gub.uy, politica@mrree.gub.uy,
prensa@mre.gov.py, presidencia@conacyt.gov.py, presidencia@enap.gov.br, presidencia@fecomerciopr.com.br,
presidencia@inaes.gov.ar, presidencia@incaa.gov.ar, presidencia@incoop.gov.py, presidencia@ursec.gub.uy,
privada@mincyt.gov.ar, privada1@cultura.gov.ar, privadadh@derhuman.jus.gov.ar, privadaministro@
desarrollosocial.gov.ar
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h53min34s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: aayala@mre.gov.py, agandolfo@cnd.org.uy, ajuridica@seam.gov.py, albertoozorio@hotmail.com,
amartinez@mercosur.org.uy, apc@mef.gub.uy, aperdomo@mic.gov.py, apuglia@mercosur.org.uy,
aquintas@mercosur.org.uy, bbarrioss@hotmail.com, bbelmont@mic.gov.py, bolano@mercosur.org.uy,
bramiez@mides.gub.uy, capacitacionmps@adinet.com.uy, carmen.estrades@mef.gub.uy, caveiro@mic.gov.py,
cbuttnner@mopc.gov.py, ccarvallo@mercosur.org.uy, ccenturion@mre.gov.py, ccooperacionbol@gmail.com,
cduran@mef.gub.uy, cflores1533@hotmail.com, cgimenez@mic.gov.py, claremsendara@gmail.com,
cnd@cnd.org.uy, Congreso.secretaria@ci.gub.uy, cparis@mic.gov.py, cservin@mic.gov.py, cservini@bcp.gov.py,
danielraimondi@yahoo.com, dborda@hacienda.gov.py, destout@mec.gub.uy, dfraga@mercosur.org.uy,
dgap3@mrree.gub.uy, dgim5@mrree.gub.uy, dgp@mag.gov.py, dgt@mjt.gov.py, diaj11@mrree.gub.uy,
digesa@msp.gub.uy, dinadef@poderjudicial.gub.uy, direccion@ain.gub.uy, direccion@intn.gov.py,
dscarone@mef.gub.uy, dtraverso@mintur.gub.uy, dyinde@dinatran.gov.py, efeschen@bcp.gov.py,
efrenkel@mercosur.org.uy, elagomarsino@presidencia.gub.uy, Eliana.embid@dnt.gub.uy, erogel@mercosur.org.uy,
ester.banales@dne.miem.gub.uy, evera23@hotmail.com, evers@conatel.gov.py, fbarreiro@mre.gov.py,
fberasain@mtss.gub.uy, fernandog@aebu.org.uy, fiscorte@adinet.com.uy, florenzo@presidencia.gub.uy,
francisco_ruizdiaz@hacienda.gov.py, fsilvamong@cu.com.py, furest@bcu.gub.uy, gabinete-mi@uninet.com.py,
gabinete@seam.gov.py, gabinetemag@gmail.com, gabrielisola@gmail.com, gagresta@dicyt.gub.uy,
gaintablian@mec.gub.uy, galcaraz@mic.gov.py, galeanojc@hotmail.com, galeanojc@ssme.gov.py,
galtruda@mef.gub.uy, gcolman@bcp.gov.py, gii@conatel.gov.py, gracielabarreto@yahoo.com,
gsoverina@mic.gov.py, gusad_cazal@yahoo.com, gvillalba@mic.gov.py, hdolsa@bcp.gov.py,
iberetta@mercosur.org.uy, icau@mec.gub.uy, ikutscher@mercosur.org.uy, inalbarte@ine.gub.uy,
infosenatur@senatur.gov.py, inmujeres@mides.gub.uy, Inteligencia.comercial@mrree.gub.uy,
intendente@imcanelones.gub.uy
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h52min49s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: coord.graduacao@idp.edu.br, mestrado@idp.edu.br, coord.academica@idp.edu.br, coord.ead@idp.edu.br,
idpincompany@idp.edu.br, secretaria@idp.edu.br, biblioteca@idp.edu.br, financeiro@idp.edu.br,

3 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

patrimonio@idp.edu.br, tecnologia@idp.edu.br, gecom@idp.edu.br, idp@idp.edu.br, jcabral@fa.ulisboa.pt,


amleite@fa.ulisboa.pt, jacobcabido@fa.ulisboa.pt, jafonso@fa.ulisboa.pt, rui.marcelino@almadesign.pt,
lmmateus@fa.ulisboa.pt, ce@fa.ulisboa.pt, lucia@fa.ulisboa.pt, sec.directivo@fba.ul.pt, sec.cientifico@fba.ul.pt,
sec.pedagogico@fba.ul.pt, academicos@fba.ul.pt, tesouraria@fba.ul.pt, recursos.humanos@fba.ul.pt,
financeira@fba.ul.pt, biblioteca@fba.ul.pt, comunicacao@fba.ul.pt, gai@fba.ul.pt, aefbaul.informa@gmail.com,
caassis@ciencias.ulisboa.pt, dmdias@ciencias.ulisboa.pt, mlmathias@ciencias.ulisboa.pt,
mgrodrigues@ciencias.ulisboa.pt, mlmathias@ciencias.ulisboa.pt, jstapisso@ciencias.ulisboa.pt,
rmrebelo@ciencias.ulisboa.pt, ojluis@ciencias.ulisboa.pt, hncabral@ciencias.ulisboa.pt,
jmpalmeirim@ciencias.ulisboa.pt, mlmathias@ciencias.ulisboa.pt, ofpaulo@ciencias.ulisboa.pt,
pcsimoes@ciencias.ulisboa.pt, excelencia@ul.pt, gcj@fd.ulisboa.pt, mailpgr@pgr.pt, csmp@pgr.pt,
correio.dciap@pgr.pt, cibercrime@pgr.pt, gcsi@pgr.pt, mail@gddc.pt, correio.nat@pgr.pt, cm@coe.int,
veneci@coe.int, informtirana@coe.int, coe.yerevan@coe.int, coe.pristina@coe.int, conseil-europe.rabat@coe.int,
conseil-europe.tunis@coe.int, coeinbrussels@coe.int, bureaudeparis@coe.int, ankara.office@coe.int,
fieldbaku@coe.int, belgrade.office@coe.int, fieldchisinau@coe.int, kyiv@coe.int, informmoscow@coe.int,
coe.sarajevo@coe.int, coe.skopje@coe.int, informtbilisi@coe.int, odgp@coe.int, correiocc@cconstitucional.org.mz,
fernandoc@supremo.gov.cv, mariadoceumont@hotmail.com, tribunal@tribconstitucional.pt,
tribunal.recurso@tribunais.tl
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h52min16s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: jc@ubi.pt, knightcenter@austin.utexas.edu, joao.correia@labcom.ubi.pt, labcom@ubi.pt,
knobel@ifi.unicamp.br, markosy@uol.com.br, alcirpecora@yahoo.com.br, bodstein@iar.unicamp.br,
bia@ige.unicamp.br, dacosta@ige.unicamp.br, marcia.tait@gmail.com, chibeni@unicamp.br,
marcio.barreto@fca.unicamp.br, paulocteles@gmail.com, monzoppi@uol.com.br, johnunes@unicamp.br,
gcaldas@unicamp.br, verartc@unicamp.br, obercom@obercom.pt, patricia.lopes@obercom.pt, objethos@gmail.com,
projor@observatoriodaimprensa.com.br, ceis20@ci.uc.pt, gabadmin@uc.pt, gabadmin@sas.uc.pt,
gabdirector@fl.uc.pt, direccao@fd.uc.pt, direccao@fmed.uc.pt, gbdirector@fct.uc.pt, fctuc@fct.uc.pt,
gbdirector@ff.uc.pt, ffuc@ff.uc.pt, gbdirector@fe.uc.pt, dir@fpce.uc.pt, gd@fcdef.uc.pt, iii@uc.pt, colegiodasartes@
colegiodasartes.uc.pt, icnas-lmn@uc.pt, tuje@ci.uc.pt, mvictoria@uic.es, igutenberg@igutenberg.org,
secretaria@intercom.org.br, mcb1@terra.com.br, anasilviamedola@gmail.com, fernando.almeida@metodista.br,
sonia.jaconi@uol.com.br, iluskac@globo.com, adriomena@gmail.com, felipepena@globo.com,
goulartap@gmail.com, tbcamatt@gmail.com, giovandro.ferreira@gmail.com, allan_soljenitsin@yahoo.com.br,
amgrego@unicap.br, ota.msi@terra.com.br, nairprata@uol.com.br, marciorf@globo.com, alfredo.lanari@ufms.br,
daniela.ota@ufms.br, eseiva@terra.com.br, gerson.martins@ufms.br, greicymara@hotmail.com,
helio.ag.souza@ufms.br, marcio.licerre@ufms.br, katarini.miguel@ufms.br, marcelo.cancio@ufms.br,
marcia.gomes@ufms.br, marcos.paulo@ufms.br, mario.fernandes@ufms.br, ilvio.pereira@ufms.br,
tais.fenelon@ufms.br, proad@contato.ufsc.br, agecom@contato.ufsc.br, divulga@contato.ufsc.br,
andredeak@jornalismodigital.org, lavignatti@jornalismodigital.org
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h51min41s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: ifj@ifj.org, anthony.bellanger@fj.org, jeremy.dear@ifj.org, oliver@ifj.org, ernest.sagaga@ifj.org,
pamela.moriniere@ifj.org, esti.ortiz@ifj.org, sarah.bouchetob@ifj.org, monir.zaarour@ifj.org, aurelie.matthys@ifj.org,
efj@ifj.org, ricardo.gutierrez@ifj.org, renate.schroeder@ifj.org, yuklan.wong@ifj.org, mehmet.koksal@ifj.org,

4 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

monir.zaarour@ifj.org, nisrine.salameh@ifj.org, laro@ifj.org, programas.la@ifj.org, ifjafrique@ifjafrique.org,


gabriel.baglo@ifjafrique.org, louis.thomasi@ifjafrique.org, rosalie.ndeye@ifjafrique.org, ifj@ifj-asia.org,
jacqui.park@ifj-asia.org, jane.worthington@ifj-asia.org, holly.norrie@ifj-asia.org, alex.hearne@ifj-asia.org,
ujjwal.acharya@gmail.com, ifj-tokyo@triton.ocn.ne.jp, jalonso@um.es, avamoedo@unav.es, mac@uma.es,
mcarvajal@umh.es, nereidacea@gmail.com, teresadelahera@gmail.com, magago@gmail.com,
jose.garciaa@umh.es, algarcri@yahoo.es, berta.garcia@usc.es, jose.gonzalez@umh.es,
cgvaldez@guaymas.uson.mx, majimeno@unav.es, lacasa@uic.es, moises.limia@usc.es, xose.lopez.garcia@usc.es,
marcota@unav.es, snegredo@alumni.unav.es, mluisa.otero@usc.es, xose.pereira@usc.es, iportilla@unav.es,
emoreno@unav.es, xoseramon.ppousa@usc.es, parojo@um.es, csadaba@unav.es, rsalaver@unav.es,
albasilvarodriguez@gmail.com, carlos.toural@usc.es, avara@unav.es
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h51min08s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: sac@finep.gov.br, presidencia@finep.gov.br, prlins@finep.gov.br, arsantos@finep.gov.br, bastos@finep.gov.br,
lmartins@finep.gov.br, teresarc@finep.gov.br, rfonseca@finep.gov.br, apabreu@finep.gov.br, mtelles@finep.gov.br,
pedricto@finep.gov.br, Vodorcyk@finep.gov.br, gazaneo@finep.gov.br, scaletsky@finep.gov.br,
renatamielli@msn.com, bia@intervozes.org.br, beth.v.costa@gmail.com, coordenacao@fitert.org.br,
castrocristi@gmail.com, roni@cut.org.br, israeldovale@uol.com.br, secretaria@fndc.org.br, pedro@fndc.org.br,
presidencia@fundect.ms.gov.br, dcientifica@fundect.ms.gov.br, dadministrativa@fundect.ms.gov.br,
juridico@fundect.ms.gov.br, administrativo@fundect.ms.gov.br, financeiro@fundect.ms.gov.br,
bolsas@fundect.ms.gov.br, pcontas@fundect.ms.gov.br, compras@fundect.ms.gov.br,
importacao@fundect.ms.gov.br, projetos@fundect.ms.gov.br, noticias@fundect.ms.gov.br, grupojol@gmail.com,
machadoe@ufba.br, alicevargas@uol.com.br, bribas@ufba.br, gjol@ufba.br, manta@ufba.br
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h50min34s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: romerosolo1954@yahoo.com, com-social@uio.ups.edu.ec, hugob@usfq.edu.ec, arsuing@utpl.edu.ec,
daniell@uhemisferios.edu.ec, heriluzag@hotmail.com, miguel.latouche@ucv.ve, mhuerga@ucab.edu.ve,
comunicacionsocial@ula.ve, pnavarro@uaca.ac.cr, lidieth.garro@ucr.ac.cr, eccc@eccc.ucr.ac.cr,
fescobar@universidadsanjudas.ac.cr, luisaenz@racsa.co.cr, tdechavez@monicaherrera.edu.sv,
jbenitez@uca.edu.sv, gbracamonte2001@yahoo.com, navendano@url.edu.gt, fernanda_canchon@yahoo.com,
norori@ns.uca.edu.ni, decanatofacos@hotmail.com, cace@ulsa.mx, schroder@fenaj.org.br,
jornalistamariajosebraga@gmail.com, valdicegomes@hotmail.com, valzuculoto@hotmail.com, valci@fenaj.org.br,
suzanatatagiba@gmail.com, wilsonrs10@gmail.com, wanderlei.pozzembom@gmail.com, valmor.fritsche@gmail.com,
marjorie.moura@globo.com, maigueths@gmail.com, gracamariaprado@hotmail.com, rpbastos@uol.com.br,
rafaelmesquita.rm@gmail.com, lailson@lailson.com.br, luiscarlosluciano@hotmail.com,
deborah_sindjorce@hotmail.com, torves@fenaj.org.br, mrquintanilha@uol.com.br, luizspada@uol.com.br,
suzana.blass@gmail.com, zenunes@hotmail.com, zocchi@uol.com.br, priscillamaral@gmail.com,
rainhareg.ferreira@ig.com.br, oliverlucos@hotmail.com
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h50min03s UTC

5 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: eca@usp.br, cmu.eca@usp.br, ecacrp@usp.br, posjor@contato.ufsc.br, posjor@gmail.com,
daisivogel@yahoo.com.br, emeditsch@uol.com.br, fjkaram@terra.com.br, gislenedasilva@gmail.com,
ijuim@cce.ufsc.br, locatelli.jor@gmail.com, daianebertasso@gmail.com, antonibrasil@gmail.com,
carlidaemerim@gmail.com, raqlonghi@gmail.com, rcpauli@gmail.com, valzuculoto@hotmail.com,
flaviagguidotti@gmail.com, contacto@eusou.com, diretoria@casperlibero.edu.br, diretoria@casperlibero.edu.br,
sitecultura@casperlibero.edu.br, jornalismo@casperlibero.edu.br, coordpp@casperlibero.edu.br,
radioetv@casperlibero.edu.br, relacoespublicas@casperlibero.edu.br, posgraduacao@casperlibero.edu.br,
comunicaciones@felafacs.org, frank@fcom.uh.cu, alnieves@suagm.edu, rparadell@ucsd.edu.do,
mcohendoz@gmail.com, omonckeb@uchile.cl, lucia.castellon@umayor.cl, gparini@hotmail.com,
hipogrosso@ort.edu.uy, aboccs@gmail.com, presidencia@afacom.org, jllemos@puce.edu.ec,
erojas@casagrande.edu.ec
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h49min18s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: uben.holdorf@unasp.edu.br, luis.assuncao@unasp.edu.br, andreia.moura@unasp.edu.br,
andreiamoura007@hotmail.com, fcdani@terra.com.br, thamires.mattos@hotmail.com, pr@capes.gov.br,
pjr@capes.gov.br, aud@capes.gov.br, imprensa@capes.gov.br, secol.reunioes@capes.gov.br, ape@capes.gov.br,
rbpg@capes.gov.br, dges@capes.gov.br, cggp@capes.gov.br, cglog@capes.gov.br, dti@capes.gov.br,
cgs@capes.gov.br, csab@capes.gov.br, csae@capes.gov.br, dpb@capes.gov.br, cgsr@capes.gov.br,
cgpe@capes.gov.br, cii@capes.gov.br, cpe@capes.gov.br, cgsi@capes.gov.br, cds@capes.gov.br,
cex@capes.gov.br, paep@capes.gov.br, cqd@capes.gov.br, periodicos@capes.gov.br, dav@capes.gov.br,
cgaa@capes.gov.br, caa1@capes.gov.br, caa2@capes.gov.br, caa3@capes.gov.br, cna@capes.gov.br,
cgap@capes.gov.br, cgi@capes.gov.br, cea@capes.gov.br, cgmp@capes.gov.br, dri@capes.gov.br,
deb@capes.gov.br, cgdoc@capes.gov.br, ded@capes.gov.br, cgfo@capes.gov.br, cimjmedia@gmail.com,
gerson.martins@ufms.br, catarinesturza@yahoo.com.br, limams@terra.com.br, davidtrigueiro3@yahoo.com.br,
eltontamiozzo@gmail.com, fernandajor@hotmail.com, janaivo@gmail.com, karitafrancisco@gmail.com,
lucasreino@gmail.com, thaisabu@gmail.com, dabs@cnpq.br, dcoi@cnpq.br, dati@cnpq.br, debs@cnpq.br,
jornalismo@comunique-se.com.br, cursos@comunique-se.com.br, falecomagente@comunique-se.com.br,
usuarios@comunique-se.com.br, urh@comunique-se.com.br
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h48min48s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: marceloengel2004@hotmail.com, jornalista@gersonmartins.jor.br, presidencia@abi.org.br,
vicepresidencia@abi.org.br, administrativo@abi.org.br, tesouraria@abi.org.br, das@abi.org.br, cultural@abi.org.br,
jornalismo@abi.org.br, conselho.deliberativo@abi.org.br, abionline@abi.org.br, biblioteca@abi.org.br,
jornal@abi.org.br, tesouraria@abi.org.br, publicidadejornal@abi.org.br, abi.sp@abi.org.br, mourareis@abi.org.br,
abtu@abtu.org.br, iclayfreitas@hotmail.com, tv@uefs.br, tvufba@ufba.br, eduardo.santos@ucsal.br,
helenaclaudia@unifor.br, neuzam@gmail.com, eduardo@puctvgoias.com.br, tvpantanaluni@gmail.com,
tvalfenas.educativa@unifenas.br, dirpuctv@pucminas.br, jansen.cardoso@ufv.br, tvufmg@ufmg.br,
wilfredomaldonado@hotmail.com, sonda@fag.edu.br, tvpucrio@puc-rio.br, tvunivates@univates.br,

6 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

tvfeevale@feevale.br, unisctv@unisc.br, jahn@unisinos.br, nrtu@ufrr.br, acrussi@univali.br, tvfatea@fatea.br,


alexguaira@hotmail.com, tvfema@femanet.com.br, samrochaoliv@gmail.com, tvunaerp@unaerp.br,
administrativotv@unisanta.br, marcos@unisanta.br, univaptv@univap.br, ricardo.leite@mackenzie.br,
producao@tvpuc.com.br, luismode@tvunifev.com.br, diretoria@tvu.unesp.br, faleconosco@adelmo.com.br
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h48min13s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: abraji@abraji.org.br, cursos@abraji.org.br, financeiro@abraji.org.br, sinjac.acre@gmail.com,
sindjornal@uol.com.br, sindjorap@gmail.com, sindicato@jornalistasam.com.br, sinjorba@sinjorba.org.br,
sindjorce@sindjorce.org.br, sjpdf@sjpdf.org.br, sinjorgran@yahoo.com.br, sinjorgran@gmail.com,
sindicato@sindijornalistases.org.br, jornalistasfluminenses@gmail.com, jornalistasgo@jornalistasgo.org.br,
sindicatojf@gmail.com, sindjornalistas@sercomtel.com.br, sjpma@hotmail.com, sindicatodosjornalistasdemt@
gmail.com, sindicatojorms@gmail.com, sjpmg@sjpmg.org.br, sindicato-rio@jornalistas.org.br,
diretoria@sindjornalistaspb.com.br, sindijor@sindijorpr.org.br, contato@sinjope.org.br, sindjor_pi@hotmail.com,
sindjorn@hotmail.com, sindjorn@yahoo.com.br, sindjors@jornalistasrs.org, sindicatodosjornalistas@gmail.com,
zepinheiro1@ibest.com.br, imprensa@sjsc.org.br, jornalista@sjsp.org.br, sindijor@infonet.com.br,
sindjorto10@gmail.com, ajaesp@sjsp.org.br, sandra.deus@ufrgs.br, edsonspenthof@uol.com.br
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes
Data: 26/08/2016 04h47min42s UTC

------- Mensagem encaminhada -------


De: Plinio Marcos Moreira da Rocha pliniomarcosmr@terra.com.br
Para: gerencia@escolademagistrados.com.br, hcruz@tjes.jus.br, ines.porto@cnj.jus.br,
informacoesprocessuais@pgr.mpf.gov.br, internacional@pgr.mpf.gov.br, ivo.correa@presidencia.gov.br,
jgfernandes@tjes.jus.br, johaness@presidencia.gov.br, jorgearm@presidencia.gov.br,
jorgeviana.acre@senador.leg.br, jose.agripino@senador.leg.br, joselia.silva@cnj.jus.br, julia.perez@cnj.jus.br,
justica.aberta@cnj.jus.br, katia.abreu@senadora.leg.br, leila.morais@presidencia.gov.br,
lidice.mata@senadora.leg.br, lindbergh.farias@senador.leg.br, lobaofilho@senador.leg.br,
lucia.vania@senadora.leg.br, luis.padilha@presidencia.gov.br, luizhenrique@senador.leg.br,
luizsan@presidencia.gov.br, magnomalta@senador.leg.br, marcelo.neves@cnj.jus.br,
marcilandia@presidencia.gov.br, marco.branco@tjpa.jus.br, marcoaurelio@stf.jus.br,
marcus.aguiar@presidencia.gov.br, maria.carmo@senadora.leg.br, mariana.moraes@cnj.jus.br,
marilene.polastro@cnj.jus.br, marinorbrito@senadora.leg.br, mario.couto@senador.leg.br,
martasuplicy@senadora.leg.br, miguel.mattos@presidencia.gov.br, mirian.lipovetsky@presidencia.gov.br,
nair.baptista@presidencia.gov.br, nina.gomes@presidencia.gov.br, norberto@presidencia.gov.br,
oliveira.marilda@terra.com.br, ouvidoria.judiciaria@tjpa.jus.br, paula.sousa@cnj.jus.br, paulo.mauricio@presidencia.
gov.br, paulo.vannuchi@institutolula.org, paulobauer@senador.leg.br, paulodavim@senador.leg.br,
paulopaim@senador.leg.br, pedrotaques@senador.leg.br, play@rtp.pt, protocolo@cnmp.gov.br,
rafael.dubeux@presidencia.gov.br, randolfe.rodrigues@senador.leg.br, renan.calheiros@senador.leg.br,
renata.guerra@cnj.jus.br, roberto.filho@cnj.jus.br, roberto.requiao@senador.leg.br, rodrigo.dindo@presidencia.gov.br,
rollemberg@senador.leg.br, romero.juca@senador.leg.br, rosangela.luiz@cnj.jus.br, rrodrigues@presidencia.gov.br,
sandra.santos@cnj.jus.br, sarney@senador.leg.br, secretaria@ajufe.org.br, secretaria@esmesc.org.br,
sejavoluntario@tjba.jus.br, simon@senador.leg.br, spinula@spinulaecamello.adv.br, tania.casagrande@presidencia.
gov.br, vicepresidente@tjes.jus.br
CC:
Assunto: Deu a LOUCA em gilmar mendes

7 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

Data: 26/08/2016 04h47min01s UTC

Prezados,
Apresento o documento “Deu a LOUCA em gilmar mendes”,
https://pt.scribd.com/document/322209285/Deu-a-LOUCA-em-gilmar-
mendes , onde estamos, aturdido, e perplexo, efetuando empíricas
considerações, ao despropositado, ao incompatível, ao
desesperado, ao indecoroso, ao imoral, comportamento do outro
“menino que brinca num tribunal nazista”, o bom advogado geral
da união, que infelizMENTE, esta Ministro do Supremo Tribunal
Federal, e Presidente do Tribunal Superior Eleitoral.
Atenciosamente,
Plinio Marcos

Deu a LOUCA em gilmar mendes


A notícia “Gilmar Mendes diz que proposta defendida por Moro é
coisa de 'cretino'”, me deixou tão aturdido, e perplexo, que como
Cidadão Brasileiro COMUM, sinto ser minha responsabilidade,
efetuar empíricas considerações, ao despropositado, ao
incompatível, ao desesperado, ao indecoroso, ao imoral,
comportamento do outro “menino que brinca num tribunal
nazista”, o bom advogado geral da união, que infelizMENTE, esta
Ministro do Supremo Tribunal Federal, e Presidente do Tribunal
Superior Eleitoral.
Tal, parte da premissa de que gilmar mendes, ao se pronunciar, de
forma, em meu sentimento, leviana, resumindo grotescamente a
sétima, das dez medidas, proposta para combater a corrupção,
coloca os Juristas responsáveis por sua elaboração, como, no
mínimo, desinformados, ou pior, como manipuladores, em
conveniência, de alguns, dos fatos históricos, que embasam, e
fundamentam, a proposta, razão pela qual, meu outro sentimento,
é de que, sem medo de errar, este indivíduo, NUNCA esteve,
NÃO esta, e NUNCA estará, em condições MORAIS,

8 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

PROFISSIONAIS e ÉTICAS, para compor o Plenário do Supremo


Tribunal Federal.
Pelo acima exposto, procurei na site do Ministério Público
informações, que pudessem me esclarecer, quem realMENTE esta
a manipular, informações, em conveniência, de alguns, se os
Juristas Pensadores, ou se o outro “menino que brinca em um
tribunal nazista”, quando então, para alívio meu, verifico que as
colocações que fundamentam a proposta, tem em seu cerne, não
só a coerência, não só a busca pelo IDEAL de Justiça, mas outra
pura, e simples, VERDADE sobre a IMPUNIDADE BRASILEIRA,
conforme reprodução em anexo.
O destempero de gilmar mendes, abertamente ofendendo,
abertamente injuriando, abertamente difamando, e/ou
abertamente caluniando, me coloca em estado de alerta, pois,
entre tantos Ministros do Supremo Tribunal Federal, apenas e tão
somente, o outro “menino que brinca num tribunal nazista”,
tomou as dores de toffoli, ou será que foi pior, vivenciando o
medo, “vestiu a carapuça que pseudamente foi atribuída à tofolli”,
de tal forma, que rejeitou, sem qualquer referencial plausível, ou
razoável, a mínima possibilidade do “vazamento” ter origem
outra que não o Ministério Público, como por exemplo, os
advogados do delator.
Afinal, conceitos, históricos, enraizados, favoravelmente aos
criminosos, em detrimento dos interesses legítimos dos
Cidadãos de BEM, respaldam a certeza da indústria da “justiça”,
aquela que transforma em ricos, advogados, inexcrupulosos,
que, tão bem, utilizam tais distorções, ressaltando, que por isso, a
Justiça no Brasil é CARA, e para poucos, sem necessariamente
“SER” Justiça, uma vez que, se respalda, se fundamenta, no
“PURO FAZER DE CONTAS”.
Segundo Lenio Luiz Streck em seu artigo Criminal - Dever de
proteção: Qual a

9 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

semelhança entre o furto privilegiado e o tráfico de drogas?, a


doutrina e jurisprudência entendem que o dever de proteção pode
ser classificado do seguinte modo:
a) o Verbotspflicht, que significa "o dever de se proibir
uma determinada

conduta";
b) o Sicherheitspflicht, que significa, em linhas gerais, que o
Estado tem o

dever de proteger o cidadão contra ataques


provenientes de

terceiros, sendo que, para isso, tem o dever de tomar as


medidas de

defesa;

c) o Risikopflicht, pelo qual o Estado, além do dever de


proteção, deve

atuar com o objetivo de evitar riscos para o indivíduo.


Trata-se da nova concepção do direito esculpido no
Estado Democrático de Direito. As lições do passado e os
fracassos do direito diante da política fizeram com que o
direito assumisse um acentuado grau de autonomia. E o
Direito Penal não ficou imune a essa nova perspectiva, o
que pode ser percebido pela obrigação de proteger o
cidadão a partir de atitudes "negativas" e "positivas",
chegando — por vezes — ao limite da obrigação de
criminalizar. E, é claro, tais circunstâncias trazem
conseqüências à relação entre legislação e jurisdição.
Ainda, segundo Lenio Luiz Streck em seu artigo Criminal - Dever de

10 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

proteção: Qual a semelhança entre o furto privilegiado e o


tráfico de drogas?, quando coloca:
Lembremos aqui novamente as palavras de Dieter Grimm,
ao dizer que se configura a proibição de excesso quando
o legislador vai longe demais; e a proibição de proteção
insuficiente, quando o legislador faz muito pouco. Isto é,
a questão é saber, nesta segunda hipótese, se o legislador
fez muito pouco para proteger o direito ameaçado. Este
é ponto.
Em meu empírico entendimento, Lenio Luiz Streck, nos apresenta a
dicotomia entre excesso, e insuficiência, da Lei, na Lei, isto é, no
caso em questão, é certo o outro “menino que brinca em um
tribunal nazista” ao entender, de forma acintosamente
desrespeitosa, que a introdução do princípio das “exclusionary
rules” no ordenamento ocorreu na dosagem necessária, ou, é
certo os Juristas responsáveis pela proposta entenderem, que a
mesma ocorreu de forma distorcida facilitando a própria, a abjeta,
a inaceitável, IMPUNIDADE, e por isto, deva ser reformulada.
Logo, mesmo que a proposta, concretamente, tenha, em
essecência, qualquer distorção, algo que reputo INCORRETO, um
Ministro do Supremo Tribunal Federal, e Presidente do Tribunal
Superior Eleitoral, deveria manter, O Debate, e NO Debate, com
postura Ética, Profissional, e Moral, compatível com as suas
Atribuições, e Responsabilidades, redundantes de suas
Investiduras Institucionais, contudo, reconheço, que no Brasil,
qualquer integrante do Supremo Tribunal Federal, não pode ser
Responsabilizado Administrativamente, por, no mínimo, Quebra
de Decoro, como a praticada pelo indivíduo em questão, que não
deixa de ser outro “menino que brinca em um tribunal nazista”.
http://oab-ba.jusbrasil.com.br/noticias/57389/dever-de-protecao-
qual-a-semelhanca-entre-o-furto-privilegiado-e-o-trafico-de-drogas .
Entendo que a origem do “CAOS JURÍDICO”, em que VIVE
“mergulhada” a Sociedade Brasileira, esta nesta arrogância, nesta

11 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

prepotência, nesta exacerbada vaidade, que respalda a cultura


do “PURO FAZER DE CONTAS”, onde a preocupação da indústria
da “Justiça” esta voltada preponderantemente para os Criminosos,
em detrimento dos interesses, da necessária proteção, dos
Cidadãos Brasileiros de BEM.
Tal certeza, se substancia no, concreto, entendimento de que:
ÂncoraNo Brasil qualquer condenado por Júri Popular,
qualquer Criminoso Confesso, ou qualquer condenado em 2ª
Instância, tem o Direito de ser tratado, e de ser reconhecido,
como INOCENTE, até que sua condenação esteja “transitado
em julgado”, em função do princípio de Inocência até que se
PROVE o contrário, e a prova tem que ser definitiva, em uma
“verdade absoluta”, IMORALMENTE, ABJETAMENTE,
INCONSTITUCIONALMENTE, ILEGITIMAMENTE, introduzida
pela chamada “Lei FLEURY”, mesmo quando, a Constituição
Brasileira DETERMINA em seu Art. 5º , XXXVIII - é
reconhecida a instituição do júri, com a organização que lhe
der a lei, assegurados: c) a soberania dos veredictos;
No Brasil a PENA em alguns momentos representa a
PUNIÇÃO por um Crime, no entanto, em outros momentos
representa o SOMATÓRIO das PENAS que representam
VÁRIAS PUNIÇÕES, onde a certeza distorcida, de que no
Brasil ninguém pode ficar preso por mais de 30 anos, esta
relativizada, na dubiedade entre o entendimento, por mim
classificado como distorcido, de que “preso por 30 anos
ininterrúptos tem que ser liberdado, mesmo que o somatório
de suas PENAS (mais de uma PENA) seja muito maior por que
é proibido a PENA PERPÉTUA”, e o entendimento, por mim
classificado correto, de que “preso deve cumprir TODAS as
PENAS, cada uma delas, que foram atribuídas em contexto de
NÃO TEREM CARÁTER PERPÉTUO”, uma vez que, em sendo
aceito o primeiro entendimento, ninguém, que tenha cumprido
30 anos de reclusão ininterrúptos, no Brasil, poderá ser
preso novamente, tendo em vista, que já cumpriu o limite

12 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

estabelecido, e por isso, legalmente autorizado a praticar


qualquer crime impunimente, vale ressaltar, que a Constituição
Brasileira m seu Art. 5º, XLVII - não haverá penas: b) de
caráter perpétuo;
Existe uma sutil diferença entre pena perpétua, e pena de
caráter perpétuo, isto é, que às vezes a pena não é de prisão
perpétua, mas é tão longa que é evidente que se alguém ficar
preso durante todo aquele período, ele só vai sair da prisão
dentro de um caixão, portanto, a Constituição Brasileira,
promulgada em 1988, que é posterior ao Art. 75 (umtima
alteração em 1984) do Código Penal Brasileiro, especifica
caráter perpétuo e não prisão perpétua, de tal forma, que
nenhuma penalização, sozinha, possa ter caráter perpétuo,
algo que não impede, que criminosos periculosos,
principalmente pela reincidência, não venham a cumprir CADA
PENA que lhe foi Atribuída.
Embasamos nosso entendimento pelas seguintes situações:
Se um criminosos estuprou, e matou, 20 mulheres ao longo
de 24 meses, e é condenado à 20 penas de 30 anos,
cometeu 20 crimes, deve cumprir integralmente os 600 anos,
mesmo que seja impossível, em vida, cumprir integralmente.
Se um criminoso estuprou, e matou, 1 mulher, foi condenado
a 30 anos, cumpriu integralmente, pelo mau comportamente,
os 30 anos em reclusão, sai, pela manhã, e na parte da
tarde, é preso em flagrante por estuprar, e matar, outra
mulher, é condenado a 30 anos, e deverá cumprir
integralmente a pena, pela reincidência, logo cumprirá 60
anos, sem que tenha caráter perpétuo.
Se um criminoso, de 70 anos, estuprou, e matou, uma
menida de 8 anos, é condenado a 30 anos, deverá cumprir
integralmente a pena, mesmo que seja quase impossível, em
vida, cumprir integralmente.
No Brasil o princípio de PLURIPARDIDARISMO, não implica,

13 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

necessariamente, a aplicação da Garantia Constitucional de


que TODOS são IGUAIS perante a Lei, por ser de
responsabilidade do Congresso Nacional, a definição das
regras, por exemplo, de propaganda eleitoral, gratuita ou não,
mesmo que o Congresso Nacional seja MANIPULÁVEL pelos
Partidos Políticos com maiores as bancadas de
representantes, por esta razão, temos hoje, no cenário político
brasileiro, o início das propagandas eleitorais, onde Candidatos
de Projeção, simplesmente, estão ALIJADOS, parcialmente,
do processo eleitoral, por serem IMPEDIDOS de participar de
Debates Políticos nos Meios de Comunicação, bem como,
possuem Tempo de Propaganda Eleitoral Gratuita díspares em
comparação com outros Candidatos, quando então, volto a
apresentar o fato, concreto, de que Enéas, quando Candidato à
Presidência da República Federativa do Brasil, em 1989,
possuía, apenas e tão somente, 5 (cinco) SEGUNDOS de tempo
disponível, enquanto que outros possuíam no mínimo 1800 (mil
e oitocentos) SEGUNDOS.
A notícia “STF - Notícias Plenário do STF inicia julgamento de
ADIs sobre minirreforma eleitoral”, http://www.stf.jus.br/portal/
cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=323732 , nos apresenta
a certeza de que não vivemos em CAOS JURÍDICO, mas, em
contexto pior, muito pior, pois, vivemos na mais pura
HIPOCRISIA JURÍDICA.
Tal, tem como fundamentação o fato concreto, de que a
avaliação, até aquele momento, apresenta tofolli, weber,
barroso, e o “menino que brinca num tribunal nazista”,
votando pela improcedência de todos os pedidos,
simplesmente, por exemplo, porque “diante do quadro de
hiperpartidarismo no país, o critério restritivo escolhido pelo
legislador é razoável.”
Afinal, o alcunhado “hiperpartidarismo”, apenas e tão somente,
não reconhece o Poder outorgado pela Constituição da
República Federativa do Brasil, promulgada em 1988, ao Povo

14 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

Brasileiro, bem como, de forma pueril, IGNORA a Legislação


Eleitoral específica, que DETERMINA critérios, normas, e
procedimentos, para a CRIAÇÃO de Partido Político no Brasil,
onde o principal, é a formal MANIFESTAÇÃO de parcela
SIGNIFICATIVA do Povo Brasileiro, do qual, TENHO
ORGULHO de pertencer.
Tais colocações, objetivam respaldar, meu inconformismo,
com postura tão pífia, por parte, dos integrantes, do colegiado
Constitucional Brasileiro, uma vez que, entendem que
legisladores ordinários (duplo sentido), podem RESTRINGIR,
vontade manifestada, pelo Povo Brasileiro, isto é, no
mínimo, para não dizer outra coisa, RIDÍCULO, uma vez que, a
Constituição DETERMINA em seu Art 1º, Parágrafo único.
Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de
representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta
Constituição.
A notícia “Emissoras podem convidar candidatos de menor
representatividade para debates eleitorais”, http://www.stf.jus.br
/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=323850 , nos
reafirma, de forma inconteste, de forma irrefutável, que vivemos na
mais pura HIPOCRISIA JURÍDICA, uma vez que, apesar das
colocações efetuadas pelo Estimado, Admirado, Jurista, Ministro
Marco Aurélio Mello, razoavelmente, acompanhada, pelo também
Ministro Celso Mello, o Colegiado Constitucional Brasileiro, fez a
concessão de permitir que convidados das emissoras pudessem
participar, uma vez que, “definir que os candidatos que têm
participação garantida pela norma em debates eleitorais não podem
vetar a presença de candidatos convidados pela emissora
organizadora, mesmo que esse convidado não atenda ao requisito
legal que garante a participação no evento.”
Para substanciar, o quão, GRITANTE, é esta HIPOCRISIA
JURÍDICA, formalmente manifestada pela Suprema Corte
Constitucional Brasileira, reporto-me às campanhas publicitárias
veiculadas pelo Ministério Público Federal em Parceria com o

15 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

Tribunal Superior Eleitoral, onde ao primeiro compete a


Fiscalização da Lisura do Processo, e ao segundo compete a
Execução do Processo com a necessária Lisura, utilizando como
exemplo, o Vídeo – Parceria MPF Corrida, parcialmente
reproduzido abaixo, onde consta:
Disputa desigual não é legal, né ?
Inclusive nas eleições.
Na corrida eleitoral, é preciso respeitar os limites de
gastos e não vale turbinar a campanha com showmícios e
propaganda paga em rádio, TV e internet.
Ministério Público Federal, por uma disputa justa.
http://www.tse.jus.br/eleicoes/eleicoes-anteriores/eleicoes-
2014/campanhas-publicitarias-eleicoes-2014 - Vídeo – Parceria
MPF Corrida (Formato ZIP)
Afinal, somente vale turbinar a campanha com mais tempo de
propaganda gratuita e a participação em Debates, sem a
participação de TODOS os Candidatos, veiculados na mídia de
forma gratuita.
Atenciosamente,
Dr. Plinio Marcos Moreira da Rocha
“Colando” (copiando) Grau de Doutor, com Doutorado em
Direito de “Merda” (inexistente), em Estabelecimento de
“Merda” (inexistente), reconhecido pelo Ministério de
Estado da Educação de “Merda (que TUDO assiste,
duplo sentido), de um Estado de Direito de “Merda” (que
TUDO permite), conforme o documento “Sugestões de
ação no RESGATE da Credibilidade”.
http://pt.scribd.com/doc/145276286/Sugestoes-de-Acao-
no-RESGATE-da-Credibilidade
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de

16 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

Janeiro – RJ
CEP – 22.010-010
Tel. (Res) 2542-7710
Tel. (Cel) 9 8618-3350
Penso, não só Existo, Me Faço PRESENTE
Um Cinquentão com índole de um Jovem revolucionário
apaixonado por TUDO que se envolve, por isso, tem a
Despreocupação Responsável em MUDAR Conceitos e Valores.
A Despreocupação Responsável em MUDAR Conceitos e
Valores
La leggerezza responsabile di MODIFICARE Concetti e Valori
Die Nachlässige verantwortlich zu ändern Konzepte und Werte
Descuidos a la Responsable de CAMBIAR conceptos y valores
De onzorgvuldige Verantwoordelijke VERANDERING van
concepten en Waarden
The Responsible Easiness in CHANGING Concepts and Values
Le négligent responsable de changement Concepts et valeurs
‫إن إھﻤﺎل اﻟﻤﺴﺆوﻟﯿﻦ إﻟﻰ ﺗﻐﯿﯿﺮ اﻟﻤﻔﺎھﯿﻢ واﻟﻘﯿﻢ‬
不注意な変更概念と値に責任
Analista de Sistemas, presumivelmente único Cidadão Brasileiro
COMUM, que mesmo não tendo nível superior completo
(interrompi o Curso de Executivo, com o primeiro semestre
completo em 1977), portanto, não sendo Advogado, nem
Bacharél, nem Estudante de Direito, teve suas práticas inscritas
nas 6ª, e 7ª, edições do Prêmio INNOVARE, ambas calcadas no
CAOS JURÍDICO que tem como premissa o PURO FAZER DE
CONTAS, reconhecidas, e DEFERIDAS pelo Conselho
Julgador, conforme o documento INNOVARE Um Brasileiro

17 de 18 27/08/2016 02:00
Gmail - Deu a LOUCA em gilmar mendes https://mail.google.com/mail/u/0/?ui=2&ik=3a6f17a4aa&view=pt&as_t...

COMUM No Meio Juridico II,


http://pt.scribd.com/doc/46900172/INNOVARE-Um-Brasileiro-
COMUM-No-Meio-Juridico-II

18 de 18 27/08/2016 02:00
Gilmar Mendes diz que proposta defendida por Moro é coisa de 'cretino' ... http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/08/1806132-gilmar-mendes-di...

PUBLICIDADE

QUINTA-FEIRA, 25 DE AGOSTO DE 2016 01:41

Últimas notícias Agentes de Haddad atropelam regra ao retirar de praça morador de rua

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

GABRIEL MASCARENHAS
DE BRASÍLIA

23/08/2016 17h28

O ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo PUBLICIDADE

Tribunal Federal), afirmou nesta terça (23) que ARQUIVOS


integrantes do Ministério Público Federal devem
"calçar as sandálias da humildade".

Classificou ainda de "cretino" quem criou proposta


ÍNTEGRAS
de combate à corrupção defendida pelo juiz Sergio
Moro e pelo coordenador da Lava Jato no Paraná,
procurador Deltan Dallagnol.

"É aquela coisa de delírio. Veja as dez propostas que apresentaram. Uma
delas diz que prova ilícita feita de boa fé deve ser validada. Quem faz uma
proposta dessa não conhece nada de sistema, é um cretino absoluto. Cretino
absoluto. Imagina que amanhã eu posso justificar a tortura porque eu fiz de Fotos Vídeos Relatos
boa fé", disse o ministro.
Raphael Ribeiro - 11.mai.2016/Folhapress

PUBLICIDADE

A Radiografia do
Golpe

Em livro, Jessé Souza


PUBLICIDADE critica a trama do
Apple SE 16GB
impeachment de
Dilma Rousseff
à vista
De R$ 34,90
R$ 2.199,90
Por R$ 29,90

Comprar Peixe Urbano

PUBLICIDADE
Mendes refere-se ao pacote de projetos de lei entregue ao Congresso por
integrantes do Ministério Público Federal em março com mais de dois
milhões de assinaturas de apoio. O pacote propõe a adoção de novos
instrumentos de investigação para combater a corrupção. Um dos principais EM PODER

entusiastas das chamadas "dez medidas contra a corrupção" é o procurador + LIDAS

Deltan Dallagnol.
Com receio de ruptura, governo tenta
distensionar crise entre PMDB e PSDB
Um dos tópicos do texto flexibilizaria a utilização de provas obtidas
ilicitamente, desde que não haja má fé por parte do investigador que a colheu.
Artistas estrangeiros se unem à
A proposta em questão tem apoio de Sergio Moro, responsável pela Lava Jato. campanha contra impeachment
O magistrado saiu em defesa da medida, por exemplo, quando participou de
audiência na Câmara, no último dia 4.
Gilmar Mendes diz que proposta defendida por

1 de 3 25/08/2016 01:42
Gilmar Mendes diz que proposta defendida por Moro é coisa de 'cretino' ... http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/08/1806132-gilmar-mendes-di...

Moro é coisa de 'cretino'


Assim como disse à Folha, Mendes voltou a criticar a decisão do
Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, de suspender as negociações Indícios mostram que esquema pagou
de um acordo de delação premiada com ex-executivos da empreiteira OAS dívida de Perillo, diz Procuradoria

após vazamento de detalhes confidenciais.


Associação de magistrados diz que
"Não acho que seja o caso suspender a delação ou prejudicar quem esteja Mendes 'milita contra Lava Jato'
disposto a contribuir à Justiça. Tenho impressão de que estamos vivendo
momento singular[...] Depois, esses falsos heróis vão encher os cemitérios, a
vida continua", afirmou o ministro.

Na opinião de Mendes, os investigadores foram os responsáveis pelo


vazamento de informações publicadas pela revista "Veja" revelando que o
ministro do STF Dias Toffoli foi mencionado em depoimento de Léo Pinheiro,
ex-presidente da OAS.

"E as investigações do vazamento daquelas prisões preventivas, onde estão?


Já houve conclusão? O resumo da ópera é: você não combate crime
cometendo crime. Ninguém pode se achar o "o" do borogodó. Cada um vai ter
PUBLICIDADE
seu tamanho no final da história. Um pouco mais de modéstia, calcem as Compare preços:
sandálias da humildade", criticou Mendes, referindo-se aos investigadores.

Apple SE 16GB

à vista

'O Milagre da Manhã' sugere técnicas R$ 2.399,90


para o desenvolvimento pessoal Peixe Urbano

Livro reúne litografias de Debret do


Brasil colonial; veja imagens
ministério público stf gilmar mendes sergio moro Leia trecho de "A Radiografia do Golpe",
de Jessé Souza

Aproveite! CMA Series 4

Petrobras - Uma
História de Orgulho e
Vergonha Onix a partir de O melhor sistema para
R$36.990,00! investir na bolsa!
Roberta Paduan
Patrocinado Patrocinado
Por: R$ 54,90
Comprar

(Faixa Anti Ronco)


Por Que Fazemos O
Que Fazemos?
Mario Sergio Cortella
(Trovo Academy)
De: R$ 31,90
Por: R$ 27,90
Comprar

Box - Coleção Brasilis


Patrocinado Patrocinado (4 Volumes)
Eduardo Bueno

De: R$ 99,90
Por: R$ 84,90
Comprar
(Rede Vermelha) (HairCaps - Conversa
de Homem) Verdades e Mentiras
Vários

De: R$ 34,90
Por: R$ 33,90
Comprar
Nazistas Entre Nós Sexo Para Adultos
Marcos Guterman Laura Muller

De: R$ 39,90 De: R$ 29,90 Queen - We Are The


Por: R$ 33,90 Por: R$ 24,90 Champions - Special
Edition (DVD)
Comprar Comprar
Queen
Aprenda a preparar suco detox
De: R$ 64,90
Livros da Editora 34 ganham 34% de desconto
Por: R$ 61,90
Não consumo livros de youtubers, diz PC Siqueira
Comprar
"Harry Potter e a Criança Amaldiçoada" já está em pré-venda
Kéfera lança livro com dicas para quem quer brilhar na internet

PUBLICIDADE PUBLICIDADE

2 de 3 25/08/2016 01:42
MEDIDA 7

AJ USTES NAS NULIDADES P ENAIS CONTRA A I MPUNIDADE E A


C ORRUPÇÃO
15. Ajustes nas nulidades

ANTEPROJ ETO DE LEI

Altera os arts. 157, 563, 564, 567 e 570 a 573 do Decreto-


Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941 – Código de
Processo Penal, para redefinir o conceito de provas ilícitas
e revisar as hipóteses de nulidade.

A PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu


sanciono a seguinte lei:

Ar t. 1º Os arts. 157, 563, 564, 567 e 570 a 573 do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de
1941 – Código de Processo Penal, passam a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 157. São inadmissíveis, devendo ser desentranhadas do processo, as provas ilícitas,
assim entendidas as obtidas em violação de direitos e garantias constitucionais ou legais.
§ 1º São também inadmissíveis as provas derivadas das ilícitas.
§ 2º Exclui-se a ilicitude da prova quando:
I – não evidenciado o nexo de causalidade com as ilícitas;
II – as derivadas puderem ser obtidas de uma fonte independente das primeiras, assim
entendida aquela que por si só, seguindo os trâmites típicos e de praxe, próprios da
investigação ou instrução criminal, seria capaz de conduzir ao fato objeto da prova;
III – o agente público houver obtido a prova de boa-fé ou por erro escusável, assim
entendida a existência ou inexistência de circunstância ou fato que o levou a crer que a
diligência estava legalmente amparada;
IV – a relação de causalidade entre a ilicitude e a prova dela derivada for remota ou tiver
sido atenuada ou purgada por ato posterior à violação;
V – derivada de decisão judicial posteriormente anulada, salvo se a nulidade decorrer de
evidente abuso de poder, flagrante ilegalidade ou má-fé;
legal exercidos com a finalidade de obstar a prática atual ou iminente de crime ou fazer
cessar sua continuidade ou permanência;
VII – usada pela acusação com o propósito exclusivo de refutar álibi, fazer contraprova de
fato inverídico deduzido pela defesa ou demonstrar a falsidade ou inidoneidade de prova
por ela produzida, não podendo, contudo, servir para demonstrar culpa ou agravar a pena;
VIII – necessária para provar a inocência do réu ou reduzir-lhe a pena;
IX – obtidas no exercício regular de direito próprio, com ou sem intervenção ou auxílio de
agente público;
X – obtida de boa-fé por quem dê notícia-crime de fato que teve conhecimento no
exercício de profissão, atividade, mandato, função, cargo ou emprego públicos ou
privados.
§ 3º Preclusa a decisão de desentranhamento da prova declarada inadmissível, esta será
inutilizada por decisão judicial, facultado às partes acompanhar o incidente.
§ 4º O juiz ou tribunal que declarar a ilicitude da prova indicará as que dela são derivadas,
demonstrando expressa e individualizadamente a relação de dependência ou de
consequência, e ordenará as providências necessárias para a sua retificação ou renovação,
quando possível.
§ 5º O agente público que dolosamente obtiver ou produzir prova ilícita e utilizá-la de má-
fé em investigação ou processo, fora das hipóteses legais, sujeita-se a responsabilidade
administrativa disciplinar, sem prejuízo do que dispuser a lei penal.” (NR)

“Art. 563. É dever do juiz buscar o máximo aproveitamento dos atos processuais.
Parágrafo único. A decisão que decretar a nulidade deverá ser fundamentada, inclusive no
que diz respeito às circunstâncias do caso que impediriam o aproveitamento do ato.” (NR)

“Art. 564. Quando a lei prescrever determinada forma, o juiz considerará válido o ato se,
realizado de outro modo, alcançar-lhe a finalidade.
§ 1º Nenhum ato será declarado nulo, se da nulidade não resultar prejuízo para a acusação
ou para a defesa.
§ 2º O prejuízo não se presume, devendo a parte indicar, precisa e especificadamente, e à
luz de circunstâncias concretas, o impacto que o defeito do ato processual teria gerado ao
exercício do contraditório ou da ampla defesa.” (NR)

“Art. 567. Salvo decisão judicial em sentido contrário, conservar-se-ão os efeitos de


decisão proferida pelo juízo incompetente, até que outra seja proferida, se for o caso, pelo
juízo competente.
Parágrafo único. A incompetência do juízo cautelar não anulará os atos decisórios
proferidos anteriormente ao declínio de competência, salvo se as circunstâncias que
levaram ao declínio eram evidentes e foram negligenciadas de modo injustificado pelas
partes.” (NR)

“Art. 570-A. As nulidades devem ser pronunciadas pelo juiz, sob pena de preclusão:
I – as da fase investigatória, da denúncia ou referentes à citação, até a decisão que aprecia a
resposta à acusação (arts. 397 e 399);
II – as ocorridas no período entre a decisão que aprecia a resposta à acusação e a audiência
de instrução, logo após aberta a audiência;
III – as ocorridas posteriormente à pronúncia, logo depois de anunciado o julgamento e
apregoadas as partes (art. 447);
IV – as do julgamento em plenário, em audiência ou em sessão do juízo ou tribunal, logo
depois de ocorrerem.” (NR)

“Art. 571. A nulidade dos atos deve ser alegada na primeira oportunidade em que couber à
parte falar nos autos, sob pena de preclusão.
§ 1º Não se aplica o disposto no caput se a parte provar legítimo impedimento.
§ 2º A parte pode requerer que o juiz, a despeito da preclusão, anule e repita o ato
alegadamente defeituoso. Nesse caso, interromper-se-á a prescrição na data da primeira
oportunidade em que lhe cabia alegar o vício.” (NR)

“Art. 572. As nulidades considerar-se-ão sanadas:


I – se não forem arguidas, em tempo oportuno, de acordo com o disposto no artigo
anterior;
II – se a parte, por comissão ou omissão, ainda que tacitamente, tiver demonstrado estar
conformada com a prática do ato defeituoso.” (NR)

“Art. 573. Os atos cuja nulidade não tiver sido sanada, na forma dos artigos anteriores,
serão renovados ou retificados.
§ 1º A nulidade de um ato, uma vez declarada, acarretará a dos atos posteriores que dele
diretamente dependam ou dele sejam consequência.
§ 2º A decretação da nulidade de uma parte do ato não prejudicará as outras que dela sejam
independentes.
§ 3º Ao pronunciar a nulidade, o juiz declarará quais atos são atingidos, que circunstâncias
no caso impedem seu aproveitamento, inclusive no tocante ao vínculo concreto de
dependência existente entre cada um deles e o ato nulo, e ordenará as providências
necessárias, a fim de que sejam repetidos ou retificados.” (NR)

Ar t. 2º Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação.

Brasília, X de XXXX de 201X.


J USTIFICATIVA

1) Conceituação do que seja prova ilícita.

A garantia constitucional da inadmissibilidade das provas ilícitas foi importada do direito


norte-americano, onde nasceu a partir de construção jurisprudencial da Suprema Corte dos Estados
Unidos da América (SCOTUS). Consiste em um conjunto de regras não escritas na lei, mas
reconhecidas pela jurisprudência (no sistema da Common Law boa parte das regras jurídicas é
construída pela jurisprudência, através dos chamados precedentes).

Assim, a SCOTUS decidiu que as provas obtidas em violação à Quarta Emenda à


Constituição dos EUA (que assegura a inviolabilidade do cidadão contra buscas e apreensões sem
autorização baseada em causa provável), à Quinta Emenda (que assegura o devido processo legal e
o direito à não auto-incriminação) e à Sexta Emenda (que assegura ao acusado um julgamento
público, imparcial, com direito de defesa e a conhecer a acusação que pesa contra si e quem o está
acusando) são inadmissíveis no processo criminal (exclusionary rules).

Releva observar que, no direito norte-americano (onde a regra nasceu e de onde veio
importada para o direito brasileiro), as “exclusionary rules” aplicam-se tão somente aos pr ocessos
cr iminais e se destinam a prevenir que os agentes do estado violem direitos constitucionais para
obter provas e delas se utilizem contra o suspeito da prática de crime. Em outras palavras, as regras
de inadmissibilidade das provas ilícitas, no direito norte-americano, objetivam dissuadir os policiais
de violar direitos constitucionais e, ao mesmo tempo, fornecem remédios aos réus ou investigados
que tiveram seus direitos violados.
Nos Estados Unidos, as exclusionary rules não são, elas próprias, um direito
constitucional, isto é, não estão previstas nem na Constituição americana, nem em qualquer uma de
suas emendas. São elas, como já dito, criações jurisprudenciais, baseadas em precedentes, que se
destinam a proteger os direitos constitucionais de investigados e réus.
A sua importação para o Brasil, onde vigora o sistema da Civil Law, deu-se mediante
positivação da regra no texto constitucional, de modo que a inadimissibilidade das provas ilícitas é,
por si só, uma garantia constitucional que, ademais, diferentemente dos Estados Unidos, se aplica
tanto ao processo criminal, quanto ao processo não criminal. A inadmissibilidade das provas ilícitas,
por aqui, é irrestrita.
Quando da importação para o Brasil, mais precisamente em relação à conceituação do que
seja prova ilícita e quais seriam as hipóteses excludentes de ilicitude, o legislador brasileiro,
inexplicavelmente, se divorciou das origem e se distanciou dos objetivos que levaram à criação das
“exclusionary rules” e criou um sistema de regras próprio, que, além de disfuncional, possui caráter
extremamente subjetivo, que traduz em insegurança jurídica, conduz a decisões seletivas,
transforma o processo em uma autêntica loteria e resulta em impunidade.
Daí as mudanças ora sugeridas.
A primeira delas na própria conceituação do que seja prova ilícita. A lei em vigor
conceitua provas ilícitas como sendo “as obtidas em violação a normas constitucionais ou legais”.
O conceito é por demais amplo e permite a anulação de provas (o sepultamento de grandes
operações policiais de combate ao crime ou de complexas ações penais em fases avançadas ou até
mesmo já julgadas) por inobservância de uma simples formalidade, por menor importância que
tenha, mesmo que isso não implique violação de direito ou garantia do investigado.

Mas não é só. A amplitude do conceito em vigor leva a interpretações subjetivas, que por
de Mattos, intitulada A seletividade penal na utilização abusiva do “habeas corpus” dos crimes do
colarinho-branco.

O referido pesquisador, após analisar decisões do STJ e comparando julgamentos de


crimes do colarinho-branco com julgamentos de outros crimes, cujos réus não eram políticos nem
empresários abastados, mas assistidos da Defensoria Pública, acusados de latrocínio, tráfico de
drogas e lesão corporal, constatou que os argumentos usados pelos Ministros do STJ para anularem
as ações penais em casos de crimes graves praticados por ricos ou poderosos não acudiram
acusados menos endinheirados.

Contudo, como se viu, as exclusionary rules foram criadas para proteger os direitos
constitucionais dos investigado ou do réu e não para tutelar formalidades, muito menos para
adicionar variáveis aleatórias, próprias das loterias e dos jogos de azar, ao processo criminal. Assim,
sugere-se que sejam consideradas ilícitas as provas obtidas com violação aos dir eitos ou gar antias
legais ou constitucionais.

Mas não é só. Considerada a finalidade dissuasória das exclusionary rules, a praticidade e a
objetividade própria da jurisprudência americana identificou e reconheceu várias exceções à regra
da inadmissibilidade, que se constituem verdadeiras “excludentes de ilicitude da prova”. De fato,
sempre que a regra de exclusão não tiver o condão de dissuadir os agentes do estado ou moldar a
sua conduta com vistas ao respeito aos direitos e garantias do investigado ou réu, ela não deve ser
utilizada.

A importação para o Brasil das regras de exclusão das provas ilícitas veio acompanhada de
duas causas excludentes de ilicitude reconhecidas pela jurisprudência da SCOTUS, ou seja,
circunstâncias que, acaso presentes, permitem a utilização da prova. São elas:

a) a não evidência de nexo de causalidade com as provas ilícitas (independent source


doctrine) e

b) quando as provas derivadas puderem ser obtidas de uma fonte independente das
primeiras, assim entendida aquela que por si só, seguindo os trâmites típicos e de praxe, próprios da
investigação ou instrução criminal, seria capaz de conduzir ao fato objeto da prova (inevitable
discovery).

Contudo, há diversas outras causas excludentes de ilicitude da prova, já admitidas pela


SCOTUS, que ainda não foram positivadas no direito brasileiro,e que o projeto pretende corrigir.
São elas:

1) A exceção de boa-fé (good faith exception): em Arizona vs. Evans, 514 U.S.1 (1995),
Davis vs. U.S. 131 S.Ct. 2419 (2011) e Herring vs. U.S., 555 U.S. 135 (2009), a SCOTUS decidiu
que não se deve excluir a prova quando o policial a tiver obtido de boa-fé ou por erro escusável,
assim entendida a existência ou inexistência de circunstância ou fato que o levou a crer que a
diligência estava legalmente amparada, como, por exemplo, quando o mandado contiver dados
incorretos ou vier a ser posteriormente anulado.

Entendeu-se que, nessas circunstâncias, a exclusão da prova não produziria o efeito


dissuasório desejado, de evitar que os policiais, no futuro, voltassem a violar direitos constitucionais
dos investigados.

2) Causa remota, atenuada ou descontaminada (attenuation doctrine), quando houver


relação de dependência ou consequência, ou quando fato posterior a houver descontaminado ou
atenuado essa relação, como, por exemplo, quando o investigado resolver se tornar colaborador.

3) Contraprova (evidence admissible for impeachment): Quando a prova for utilizada pela
acusação para refutar álibi, fazer contraprova de fato inverídico deduzido pela defesa ou demonstrar
a falsidade ou inidoneidade de prova por ela produzida, não podendo, contudo, servir para
demonstrar culpa ou agravar a pena.

Além das excludentes de ilicitude consagradas pelo direito norte-americano, outras causas
devem igualmente ser incluídas, tendo em vista a relevância de seus objetivos ou o fato de estarem
sob o pálio de circunstância protegida pela lei penal. São elas:

I – Destinadas a provar a inocência do réu ou reduzir-lhe a pena (o sacrifício de direito ou


garantia individual é justificado pelo objetivo maior, que é o de evitar que um inocente seja
condenado ou fique mais tempo preso do que o devido).

II – Obtidas por quem, no exercício de suas atividades regulares, toma conhecimento do


crime e o leva ao conhecimento das autoridades (whistleblower).

III – Obtidas por quem se encontre amparado por uma das causas que a lei penal
classifique como excludente de ilicitude, tais como, a legítima defesa, o exercício regular do direito
e o estrito cumprimento do dever legal.

2) Ampliação das preclusões de alegações de nulidades.

Não se pode tolerar que as partes dolosamente deixem de alegar nulidades, guardando
trunfos na manga para, anos, às vezes décadas, depois, alegar os vícios em grau recursal e obter
anulações, não raro visando à prescrição dos delitos imputados. Se há nulidade, a parte deve alegá-
la na primeira oportunidade que tem para se manifestar, e o juiz deve decidi-la dentro de marcos
próprios da evolução do processo.

3) Nas omissões em alegar nulidades, a superação de preclusões deve ser condicionada à


interrupção da prescrição a partir do momento em que a parte deveria ter alegado o defeito.

A omissão em alegar deve gerar preclusão. Apesar da sua omissão, e a fim de valorizar a
ampla defesa, a parte poderá postular do juízo a superação da preclusão, com a consequente
anulação e repetição do ato. Todavia, o retrocesso a fases anteriores do procedimento, por ter sido
culposamente causado pela parte, não pode levar à prescrição se a parte sabia ou deveria saber do
defeito. Assim, impende haver interrupção da prescrição a contar da data em que a parte deveria ter
alegado o defeito.

4) O aproveitamento máximo dos atos processuais praticados deve ser um dever do juiz e
das partes. A pronúncia de nulidade deve exigir fundamentação específica e concreta.

A doutrina praticamente unânime já afirma que a invalidação deve ser medida excepcional,
e que todos os atos processuais devem ser, de regra, aproveitados. Haverá casos, contudo, em que
um defeito formal pode gerar um prejuízo irreparável, não sanável, ao exercício do direito de defesa
(como afirma a lei) e, acrescentamos, também ao contraditório, quando então pode ser justificada a
invalidação. Essa alegação e demonstração deve ser feita em concreto pelo requerente, exigindo-se,
também, do juízo fundamentação específica para que se invalide o ato considerado viciado.
especificamente, à luz de circunstâncias concretas, o impacto que o defeito dos atos processuais
tenha gerado ao exercício dos seus direitos constitucionais.

É muito comum ver nas fundamentações de invalidação afirmações de que, naquele caso, o
“prejuízo se presume”. A lógica do processo contemporâneo é de aproveitamento dos atos e que as
nulidades sejam sempre excepcionais. Portanto, a invalidação não pode ser tendencial ou
presumida. Para invalidar um ato deve-se exigir alegação e demonstração concreta.

Observe-se, aí, que o antigo rol de atos que ensejariam nulidade, do art. 564, foi suprimido.
O formato do Código de Processo Penal, de fato, previa uma lista de vícios de atos processuais que
poderiam levar à sua invalidação. Ora, essa opção metodológica, além de medieval, porque guarda
raízes no processo romano formular, é desastrosa, porque o legislador não pode prever todos os
defeitos que a riqueza das circunstâncias fáticas pode apresentar em juízo. Melhor adotar a opção do
Código de Processo Civil e da maior parte das legislações no mundo, de adotar uma cláusula geral
sobre as formas e aproveitamento dos atos processuais.

A proposta do art. 573 está em consonância com a moderna orientação de uma das
principais fontes, se não a principal, de nossa teoria moderna de nulidades.

Além disso, a alteração ora proposta coloca em perspectiva a decretação da nulidade,


frisando que ela não pode ser um fim que serve a si próprio, mas um meio para atingir uma
finalidade maior. Mais ainda, essa finalidade atingida pela nulidade deve ser mais importante do
que a finalidade atingida pelo aproveitamento da prova.
Matérias Reconhecidas :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/geral/verImpressao.asp

Brasília, 25 de agosto de 2016 - 23:13 Imprimir

Notícias STF

Quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Plenário do STF inicia julgamento de ADIs sobre minirreforma eleitoral

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou, nesta quarta-feira (24), o julgamento de cinco Ações Diretas de
Inconstitucionalidade (ADIs) questionando dispositivos da Lei Eleitoral (Lei 9.504/1997), alterados pela Lei 13.165/2015,
que tratam da distribuição de tempo para a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão e da realização de debates
entre candidatos.

Em quatro ADIs (5423, 5487, 5491 e 5557) os questionamentos foram apresentados por partidos políticos que se sentiram
prejudicados com as regras que restringem a participação das agremiações com menos de 10 parlamentares. Na ADI 5488,
a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e TV (Abert) pede que seja dada interpretação conforme a Constituição para
que os partidos aptos a deliberar possam definir o número de participantes dos debates.

O relator das ADIs 5423, 5488 e 5491, ministro Dias Toffoli, votou pela improcedência de todos os pedidos (leia abaixo a
íntegra dos votos). Ele salientou que a modificação das regras eleitorais é constitucionalmente facultada ao legislador. Para
o ministro, a interferência do Judiciário só seria justificada caso houvesse a violação de algum preceito constitucional, o que
não se verificou em nenhum dos casos.

O ministro observou que todos os pontos questionados representam uma opção do legislador e foram objeto de amplo
debate no âmbito do Legislativo. Salientou que, durante a tramitação dos projetos de lei que os originaram, foram
realizadas audiências públicas com a participação dos diversos setores da sociedade envolvidos no processo eleitoral. Em
seu entendimento, a lei promulgada pelo Congresso respeitou a vontade da maioria e também os princípios constitucionais
da proporcionalidade e da razoabilidade.

O ministro Toffoli ressaltou que a lei, ao distinguir entre os partidos que têm representatividade na Câmara e os que não
têm, produziu um padrão equitativo de isonomia que está dentro dos princípios constitucionais. Ele lembrou que em
diversos pontos, a Constituição Federal estabelece a representação no Congresso Nacional como fator de corte para o
exercício de determinados direitos, a propositura de ADIs, por exemplo.

Nesse sentido, não verifica abuso na regra que estabelece a divisão proporcional do tempo de propaganda eleitoral
assegurando 90% proporcional à representação na Câmara e 10% igualitariamente. Em relação à participação nos debates,
o ministro entende que não há direito subjetivo dos partidos pois, como são facultativos, devem ser tratados por regras
infraconstitucionais.

Rosa Weber

A ministra Rosa Weber, relatora das ADIs 5487 e 5577, também votou pela improcedência das ações, pois também
considera que o tema foi devidamente tratado pelos interessados, no Congresso Nacional. Ela salientou a permissão
constitucional para que o Legislativo altere o sistema eleitoral, desde que observado o princípio da anterioridade, ou seja,
de que para entrar em vigor, as regras devem ser aprovadas pelo menos um ano antes do pleito, o que ocorreu com os
dispositivos impugnados.

Segundo a ministra, mais da metade das legendas supera o patamar mínimo para assegurar de modo automático a
participação em debates no rádio e na televisão. Segundo ela, as regras eleitorais brasileiras, embora imponham algumas
restrições, não impedem a livre criação de partidos políticos. Nesse sentido, entende que a imposição de determinados
controles pela maioria não é inconstitucional, desde que assegurados os direitos da minoria.

Para a ministra Rosa Weber, não procedem as alegações dos partidos de que as mudanças na lei seriam inconstitucionais
por serem arbitrárias, sem boa fé e por romperem estabilidade e segurança jurídicas. Segundo ela, o mero tratamento
desigual não viola expectativa de direito, pois a lei foi sancionada dentro do prazo constitucional estabelecido justamente
para evitar alterações abruptas que firam o direito das minorias.

1 de 2 25/08/2016 23:14
Matérias Reconhecidas :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/geral/verImpressao.asp

Votos

O ministro Luís Roberto Barroso acompanhou os votos dos relatores pela improcedência das ADIs 5423 e 5488, e divergiu
em parte na ADI 5487, na qual deu parcial procedência. Quanto à participação de candidatos em debate, propôs
interpretação conforme a Constituição ao parágrafo 5º, artigo 46, da Lei 9.504/1997, no sentido de que os dois terços dos
candidatos aptos podem deliberar incluir um candidato não apto no debate, mas não poderiam excluir candidato – não apto
– convidado pela emissora. Para o ministro, permitir que os adversários decidam quem pode participar, quando este tenha
sido convidado pela emissora, vulnera o pluralismo político.

O presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, também acompanhou os votos dos relatores e afirmou que, diante do
quadro de hiperpartidarismo no país, o critério restritivo escolhido pelo legislador é razoável. “O intérprete constitucional
deve aproveitar o máximo possível a lei aprovada pelo Parlamento na medida em que não é flagrantemente incompatível
com a Constituição”, disse. Contudo, o presidente divergiu da intepretação proposta pelo ministro Barroso. “Entendo que
empresas de comunicação têm interesses de natureza comercial e, ao escolherem determinado candidato para participar de
um debate podem dar-lhe um impulso que normalmente não teriam, e, ao excluir outro, poderiam dificultar a vida política
daquele”, explicou. Após o voto do presidente, o julgamento foi suspenso e prossegue na sessão desta quinta-feira (25).

- Leia a íntegra dos votos do ministro Dias Toffoli nas ADIs 5423, 5488 e 5491:

ADI 5423
ADI 5488
ADI 5491

PR,SP/CR

<< Voltar

Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000

2 de 2 25/08/2016 23:14
Matérias Reconhecidas :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/geral/verImpressao.asp

Brasília, 25 de agosto de 2016 - 23:15 Imprimir

Notícias STF

Quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Emissoras podem convidar candidatos de menor representatividade para debates eleitorais

Por maioria de votos, o Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na sessão desta quinta-feira (25) dar
interpretação conforme a Constituição Federal a dispositivo da Lei 9.504/1997 para definir que os candidatos que têm
participação garantida pela norma em debates eleitorais não podem vetar a presença de candidatos convidados pela
emissora organizadora, mesmo que esse convidado não atenda ao requisito legal que garante a participação no evento.

A lei diz que a participação em debates está assegurada para candidatos de partidos que possuam mais de nove deputados
na Câmara dos Deputados, facultada a participação dos demais pretendentes. Os ministros mantiveram, no entanto, as
regras de distribuição de tempo da propaganda eleitoral.

A decisão foi tomada no julgamento conjunto das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) 5423, 5487, 5488, 5491 e
5577, ajuizadas por partidos políticos e pela Associação Brasileira das Emissoras de Rádio e TV (Abert) para questionar
pontos da chamada minirreforma eleitoral referentes à propaganda eleitoral gratuita e aos debates eleitorais no rádio e na
TV.

O julgamento teve início nesta quarta-feira (24) com os votos dos relatores das ações, ministros Dias Toffoli e Rosa Weber,
e dos ministros Luís Roberto Barroso e Ricardo Lewandowski.

Propaganda eleitoral

A maioria do Plenário, a respeito das modificações legislativas referentes à propaganda eleitoral gratuita, acompanhou o
voto do ministro Dias Toffoli, relator, pela improcedência da ADI 5491.

Para o STF, as regras estabelecidas pela Lei Eleitoral (artigo 47 da Lei 9.504/1997) quanto à distribuição do tempo de
propaganda eleitoral de maneira proporcional ao número de representantes na Câmara dos Deputados respeitam os
princípios constitucionais da proporcionalidade e da razoabilidade.

Divergiram, neste ponto, os ministros Marco Aurélio e Celso de Mello. Para o ministro Marco Aurélio, a lei, ao prever para os
maiores partidos da coligação tempo maior de propaganda eleitoral, impõe barreira aos partidos menores. Segundo o
ministro, sem o respeito do Estado pelas minorias, “é impossível cogitar-se de estado democrático”. O ministro Celso de
Mello também defendeu que às minorias não pode ser vetado o direito de oposição. “A regra legal rompe a igualdade de
participação dos que atuam no processo eleitoral”, disse.

Debate eleitoral

Quanto aos questionamentos das ADIs 5423, 5487, 5557 e 5488, nas quais os partidos atacavam as regras que restringem
a participação das agremiações com menos de 10 parlamentares nos debates eleitorais, os ministros, por maioria, decidiram
que as emissoras podem convidar candidatos de partidos de representatividade mínima no Congresso, sem que os
candidatos aptos possam vetar essa participação. A proposta foi levantada no início do julgamento no voto do ministro
Roberto Barroso pela parcial procedência da ADI 5487, para conferir interpretação conforme a Constituição ao parágrafo 5º,
artigo 46, da Lei 9.504/1997.

Nesse ponto, o ministro Dias Toffoli reajustou seu voto e concordou com a proposta do ministro Barroso. Para Toffoli, a
possibilidade de a emissora convidar para debate eleitoral candidato não apto pela lei, sem a necessidade da concordância
dos demais candidatos, “pode sim trazer maior densidade democrática ao processo eleitoral”. Votaram nesse sentido
também os ministros Edson Fachin, Luiz Fux, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia.

Pela procedência total da ação, votaram os ministros Marco Aurélio e Celso de Mello. Neste ponto, para Celso de Mello, a
regulação normativa não pode comprometer o debate público, sob pena de transgredir a democracia deliberativa, “o que
culminaria por aniquilar o direito básico que impõe ao Estado respeito ao princípio de igualdade de oportunidades”.

1 de 2 25/08/2016 23:15
Matérias Reconhecidas :: STF - Supremo Tribunal Federal http://www.stf.jus.br/portal/geral/verImpressao.asp

O ministro Teori Zavascki divergiu e votou pela improcedência desta ação. Para o ministro, “incluir uma categoria de
participante que não está na lei trata-se de inovação no sistema escolhido pelo legislador”. Zavascki foi acompanhado pela
ministra Rosa Weber e, no mesmo sentido, já havia votado o ministro presidente, Ricardo Lewandowski, no início do
julgamento da ação.

Resultado

No julgamento conjunto desta tarde, o Plenário decidiu, por maioria, pela improcedência das ADIs 5423, 5491 e 5577.
Também por maioria, pela parcial procedência da ADI 5487, para dar interpretação conforme a Constituição Federal ao
parágrafo 5º do artigo 46 da Lei 9.504/1997.

Ficou suspensa a proclamação do resultado do julgamento da ADI 5488 para aguardar a manifestação do ministro Luís
Roberto Barroso, ausente justificadamente na sessão de hoje.

SP/FB

Leia mais:

24/08/2016 - Plenário do STF inicia julgamento de ADIs sobre minirreforma eleitoral

Processos relacionados
ADI 5423
ADI 5488
ADI 5487
ADI 5491
ADI 5577

<< Voltar

Praça dos Três Poderes - Brasília - DF - CEP 70175-900 Telefone: 55.61.3217.3000

2 de 2 25/08/2016 23:15
Vídeo – Parceria MPF Corrida (Formato ZIP)

Disputa desigual não é legal, né ?

Inclusive nas eleições.


Na corrida eleitoral, é preciso respeitar os limites de gastos

e não vale turbinar a campanha com showmícios


e propaganda paga em rádio, TV e internet.

Ministério Público Federal,


por uma disputa justa.